PLANO DE AÇÃO Valênça

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE AÇÃO Valênça"

Transcrição

1 PLANO DE AÇÃO 2016 Valênça Objetivo Estratégico: 1. CONSOLIDAR OS CURSOS OFERTADOS Setor responsável Total Implantação do Progama de Monitoria Remunerada DACAD/CE ,00 Implantação de Tutoria Acadêmica DACAD/CE Implantação de projeto de Nivelamento DACAD/CE Implantação do sistema de Semestralidade DACAD/CE Implantação do PAISE 2016 Auxílio Cópia e Impressão DACAD/CAE ,00 Implantação do PAISE 2016 Refeitório Escolar DACAD/CAE ,00 Implantação do PAISE 2016 Bolsas DACAD/CAE ,00 Implantação de Projetos estruturantes como Dia de Campo, Semana de Meio Ambiente, Feira de Ciências, Agroif/Emaif DACAD/CE/DG/DADM ,00

2 Fortalecimento do Plano de Orientação aos Alunos DACAD/CE Implantação da Parada Pedagógica Sistema motivacional aos alunos DACAD/CE ,00 Objetivo Estratégico: 2. Fortalecer e ampliar as ações de pesquisa, inovação e pósgraduação Setor responsável Total Planejamento e execução do II AGROIF. Evento com caráter de extensão visando transferência conhecimento e tecnologiass à região do Baixo Sul Baiano, sobretudo aos produtores rurais. Planejamento e execução da I Feira de Ciências do campus Valença do IF Baiano DACAD/COPESC/COE XT DACAD/COPESC/COE XT ,00 Prospecção de estudos para impnatação de PósGradiação no Campus em 2017 DACAD/CE 5.000,00 Objetivo Estratégico: 3. Fortalecer e ampliar as ações de extensão ,00 Setor responsável Total Planejamento e execução do II AGROIF. Evento com caráter de extensão visando transferência conhecimento e tecnologiass à região do Baixo Sul Baiano, sobretudo aos produtores rurais. DACAD/COPESQ/COEXT

3 Planejamento e execução da I Feira de Ciências do campus Valença do IF Baiano DACAD/COPESQ/COEXT Objetivo Estratégico: 4. Expandir a oferta de cursos e vagas EPT Setor responsável Total Criação de mais uma turma de Técnico em Meio Ambiente Subsequente Noturno DACAD/CE ,00 Estudos e prospecções para Implantação de Pós Graduação em 2017 DACAD/CE Estudos e prospecções para implantação da Graduação em 2018 DACAD/CE Estudos para implantação do Curso Técnico em Meio Ambiente Integrado em 2018 DACAD/CE ,00 Objetivo Estratégico: 5. Consolidar a identidade e imagem institucional Setor responsável Total Fortalecer o processo de divulgação institucional DG/DACAD/DADM ,00 Fortalecer e otimizar o processo de divulgação do Processo Seletivo de Ingresso de Alunos DG/DACAD/DADM ,00 Consolidar o programa RadioEscola DACAD/DADM/CAE 5.000,00

4 Participação nas câmaras setoriais do Território de Cidadania do Baixo Sul: Dendê, Guaraná, Cacau e CODEMA. DG ,00 Objetivo Estratégico: 6. Consolidar e ampliar as políticas inclusivas e afirmativas Setor responsável Total Orientação de Estudo para discente DACAD/CE Acompanhamento de EnsinoAprendizagem DACAD/CE Apoiar os alunos no desenvolvimento de projetos e ações educativas. DACAD/CE Acompanhar o rendimento do aluno DACAD/CE Dinâmica de grupo com alunos DACAD/CE Apoio e orientação para família dos alunos DACAD/CE Monitoramento dos diários de Classe DACAD/CE Orientação e acompanhamento individualizado com o professor DACAD/CE Análise e encaminhamento de provas DACAD/CE Elaboração do Projeto Politico Pedagógico DACAD/CE Objetivo Estratégico: 7. Promover a integração das ações de ensino, pesquisa e extensão Setor responsável Total Dia de Campo DACAD/CE/CUEC

5 Semana do Meio Ambiente DACAD/CE Feira de Ciências Ciência no dia a dia DACAD/CE Chá Literário DACAD/CE AGROIF/ EMAIF DACAD/DADM Objetivo Estratégico: 8. Promover o acompanhamento de egressos, itinerários formativos e Setor responsável Total Programa de Acompanhamento do Egresso DACAD/CE Objetivo Estratégico: 9. Adotar o planejamento estratégico como instrumento de Setor responsável Total Difusão do Planejamento nas Reuniões pedagógicas Difusão do Planejamento nas Reuniões administrativas Difusão do Planejamento nas Reuniões com Pais/Responsáveis Formação de comissões estruturantes Implantação do sistema de gerenciamento. Difusão do PE na Jornada Pedagógica

6 PLANO DE AÇÃO 2016 Objetivo Estratégico: 10. Fortalecer e ampliar as ações de internacionalização Setor responsável Total Objetivo Estratégico: 11. Aperfeiçoar os processos e procedimentos institucionais Setor responsável Total Implantar o sistema de informatização de processos, junto com a DGTI e com a implantação do Sistema de Gerenciamento DG/DACAD/DADM Capacitação de servidores ingressantes no SPF DG/DADM 9.600,00 Objetivo Estratégico: 12. Fortalecer e ampliar as parcerias 9.600,00 Realizar novas parcerias com o setor produtivo regional e nacional. Setor responsável Total DG/DACAD/Coord Estágio

7 Objetivo Estratégico: 13. Consolidar a Educação à Distância Setor responsável Total Apoiar as Ações da DEaD no Campus DG/DACAD/CEaD PERSPECTIVA: PESSOAS E CONHECIMENTO Objetivo Estratégico: 14. Aprimorar e ampliar as políticas de qualificação e capacitação de Setor responsável Total Executar Plano Interno de Capacitação DG/DACAD/DADM ,00 Fomentar o acesso de pesquisadores a congressos e similares DG/DACAD/DADM ,00 Fortalecer o Programa de Afastamento de Docentes com Substituição DG/DACAD PERSPECTIVA: PESSOAS E CONHECIMENTO Objetivo Estratégico: 15. Gerar e disponibilizar dados, informações e conhecimento ,00 Setor responsável Total Implantar o sistema de informatização de processos, junto com a DGTI e com a implantação do Sistema de Gerenciamento DG/DACAD/DADM Melhorar a página institucional DG/ASCOM/NGTI

8 PERSPECTIVA: PESSOAS E CONHECIMENTO Objetivo Estratégico: 16. Promover a saúde, o bemestar e a qualidade de vida do servidor no Setor responsável Total Fomentar o sistema de exame periódico do servidor DG/DADM/DACAD Realizar, em conjunto com a DGP, pesquisa de satisfação do servidor DG/DADM/DACAD Implantar programa de combate ao Absenteísmo DG/DADM/DACAD PERSPECTIVA: ORÇAMENTO E LOGÍSTICA Objetivo Estratégico: 17. garantir a infraestrutura física e tecnológica Atender despesas com contrato de mão de obra terceirizada de limpeza e apoio administrativo. Setor responsável Total DG/DADM ,00 Atender despesas com contrato de mão de obra terceirizada de segurança. DG/DADM ,00 Atender despesas com contrato de gerenciamento de combustível e manutenção. DG/DADM ,00 Atender despesas com contrato com correios. DG/DADM 3.000,00 Atender despesas com contrato de telefonia fixa. DG/DADM ,00 Atender despesas com contrato de abastecimento de água. DG/DADM ,00

9 Atender despesas com contrato de fornecimento de luz. DG/DADM ,00 Atender despesas com contrato de telefonia celular. DG/DADM 7.200,00 Atender despesas com contrato de cessão de impressoras. DG/DADM ,00 Atender despesas com contrato da empresa brasileira de comunicação. DG/DADM ,00 Atender despesas com contrato de softwares de gerenciamento DG/DADM 900,00 Atender despesas com contrato de seguro de alunos. DG/DADM ,00 Atender despesas com estagiários. DG/DADM ,00 PERSPECTIVA: ORÇAMENTO E LOGÍSTICA Objetivo Estratégico: 18. Aperfeiçoar o planejamento orçamentário ,00 Setor responsável Total Realizar Planejamento em conjunto com representantes da Comunidade Escolar DG/CONAD Definir metas e prioridades para o ano em curso DG/CONAD PERSPECTIVA: ORÇAMENTO E LOGÍSTICA Objetivo Estratégico: 19. Garantir a qualidade da execução orçamentária

10 Setor responsável Total Buscar junto ao MEC/Reitoria, ações afirmativas para melhoria da estrutura do campus DG Buscar junto ao MEC/Reitoria, ações afirmativas para ampliação da estrutura do campus, possibilitando a oferta de mais cursos/vagas Buscar junto ao MEC/Reitoria, ações afirmativas para ampliação do quadro funcional, possibilitando a eficiência e eficácia dos processos DG DG Implantar os sistemas de controle e gestão em sua integra DG/PROPLAN

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Teixeira de Freitas

PLANO DE AÇÃO Teixeira de Freitas PLANO DE AÇÃO 2016 Teixeira de Freitas PERSPECTIVA: ESTUDANTE E SOCIEDADE Objetivo Estratégico: 1. CONSOLIDAR OS CURSOS OFERTADOS Setor responsável Total 1. Reformulação dos PPC's dos cursos Técnicos em

Leia mais

Plano de Ação Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional

Plano de Ação Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional Plano de Ação 2013 Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional Áreas estratégicas Ensino Pesquisa Desenvolvimento Ins.tucional Administração Extensão Coordenadoria de Desenvolvimento Ins9tucional DIRETRIZES

Leia mais

PDI IFCE/PRPI

PDI IFCE/PRPI PDI 2014-2019 IFCE/PRPI Perspectiva dos Clientes da PRPI Expansão e consolidação da pesquisa científica e tecnológica Captação de recursos externos para Pesquisa e Inovação Cronograma de Metas 01 R$ 34.000.000,00

Leia mais

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO. Nível de Ensino: Educação Básica

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO. Nível de Ensino: Educação Básica Plano Estratégico de Intervenção e Monitoramento para Superação da Evasão e Retenção CÂMPUS REGISTRO DIAGNÓSTICO QUALITATIVO Nível de Ensino: Educação Básica Cursos Principais CAUSAS de Evasão e Retenção

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO COLÉGIO POLITÉCNICO DA UFSM

ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO COLÉGIO POLITÉCNICO DA UFSM ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO COLÉGIO POLITÉCNICO DA UFSM EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação 1 Publicização dos resultados no sítio

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR 1. Apresentação O Departamento de Matemática - DMAT da UFPR possui atualmente 45 professores efetivos, 42 dos quais trabalhando em regime de dedicação

Leia mais

DE PÓS-GRADUAÇÃO

DE PÓS-GRADUAÇÃO 6.2.2. DE PÓS-GRADUAÇÃO As áreas de abrangência da UFOB têm experimentado importante crescimento econômico e populacional nos últimos 30 anos, fato que tem ampliado significativamente a demanda por profissionais

Leia mais

Acompanhamento do Planejamento

Acompanhamento do Planejamento MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ENSINO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PROPLAN Acompanhamento do Planejamento A

Leia mais

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 2015-2019 Plano de Desenvolvimento Institucional CENÁRIO PDI - 2016 METODOLOGIA DE TRABALHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO PAINEL DE BORDO DISPONIBILIDADE NO SITE DA UFERSA PRESENCIAL PAINEL DE BORDO

Leia mais

Anexo II. Tabela de Pontuação do RSC do IF Baiano

Anexo II. Tabela de Pontuação do RSC do IF Baiano MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Anexo II Tabela de do RSC do IF Baiano RSC I - de 100 pontos Diretriz

Leia mais

CARTA PROGRAMA. Marta de Lana e José Geraldo A. de A. Brito

CARTA PROGRAMA. Marta de Lana e José Geraldo A. de A. Brito CARTA PROGRAMA Marta de Lana e José Geraldo A. de A. Brito APRESENTAÇÃO É com entusiasmo e motivação que nos apresentamos como candidatos a Reitora e Vice-Reitor da Universidade Federal de Ouro Preto com

Leia mais

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO 1 DIMENSÃO 8 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO 1 O plano de desenvolvimento do instituto PDI ( http://www.ufopa.edu.br/arquivo/portarias/2015/pdi20122016.pdf/view ) faz referência a todos os processos internos

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa.

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa. CTC - CENTRO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS MISSÃO DA UNIDADE: O Centro de Tecnologia e Ciências tem seu objetivo maior consubstanciado nos objetivos gerais de Ensino, Pesquisa e Extensão. No que tange ao objetivo

Leia mais

ORGANOGRAMA IFTM - REITORIA

ORGANOGRAMA IFTM - REITORIA ORGANOGRAMA IFTM - REITORIA CONSELHO SUPERIOR - Reitoria COLÉGIO DE DIRIGENTES REITOR CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CEPE COORDENAÇÃO GERAL DE AUDITORIA INTERNA COORDENAÇÃO DE APOIO AOS SERVIÇOS

Leia mais

Comissão. Própria de Avaliação Relatório Ano-Base 2016

Comissão. Própria de Avaliação Relatório Ano-Base 2016 Comissão INSTITUTO FEDERAL Farroupilha Própria de Avaliação Relatório Ano-Base 2016 Núcleo São Borja Anelise Silva Cruz Deise Busnelo Prestes Roos Éderson Tavares dos Santos Renilza Carneiro Disconci Sabrina

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

Prof. Luiz Carlos Pinto da Silva Filho Diretor da Escola de Engenharia Profa. Carla Schwengber ten Caten Vice-Diretora da Escola de Engenharia

Prof. Luiz Carlos Pinto da Silva Filho Diretor da Escola de Engenharia Profa. Carla Schwengber ten Caten Vice-Diretora da Escola de Engenharia ESCOLA DE ENGENHARIA Prof. Luiz Carlos Pinto da Silva Filho Diretor da Escola de Engenharia lcarlos66@gmail.com (51) 3308.3489 Profa. Carla Schwengber ten Caten Vice-Diretora da Escola de Engenharia tencaten@producao.ufrgs.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DE 2016 DO CAMPUS BELÉM RELATÓRIO PARCIAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Instituto de Biociências Câmpus do Litoral Paulista PLANO DE METAS TRIENAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Instituto de Biociências Câmpus do Litoral Paulista PLANO DE METAS TRIENAL PLANO DE METAS TRIENAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE AQUÁTICA PPGBA. (1 ano) curto, (2 anos) médio e (3 anos) longo prazo. Propostas do Programa Estratégia Criar a identidade do PPGBA Promover

Leia mais

ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO. Fator de pontuação

ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO. Fator de pontuação RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS RSC I ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO Fator de pontuação Unidade Quantidade Máximas de unidades Quantidade de unidades comprovadas obtida I - Experiência

Leia mais

DIRETRIZES METAS INDICADORES DIRETRIZES

DIRETRIZES METAS INDICADORES DIRETRIZES As IFES são produtoras naturais de conteúdos para informação leiga nas várias áreas do conhecimento. As mídias de comunicação e divulgação institucional devem incluir as TV s universitárias das IFES em

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108 PROGRAMA Nº- 108 AMPLIAÇÃO DO PROJETO VOLTA REDONDA CIDADE DA MÚSICA SUB-FUNÇÃO: 361 ENSINO FUNDAMENTAL Proporcionar aos alunos da Rede Pública Municipal de Volta Redonda atividades musicais diversas nos

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Objetivo 1: Aprimorar a adoção de soluções de TI nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão, auxiliando na consecução

Leia mais

Ricardo Agostinho de Rezende Junior. Por um c ampus melhor

Ricardo Agostinho de Rezende Junior. Por um c ampus melhor Por um c ampus melhor PROPOSTA E PLANO DE GESTÃO (2017 2020) Prof. Ricardo Agostinho de Rezende Junior CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL Campus Guarulhos APRESENTAÇÃO Ensinar não é transferir conhecimento, mas

Leia mais

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que?

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que? ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO CCSH Questão Geral 1.1 Como você percebe a utilização dos resultados da autoavaliação como subsídio à revisão, proposição e implementação das ações

Leia mais

E I X O S

E I X O S 0011 0010 1010 1101 0001 0100 1011 5 E I X O S 10 dimensões 5 eixos 8- Planejamento e Avaliação. 1- Missão e Plano de Desenvolvimento Institucional. 0011 3- Responsabilidade 0010 1010 1101 Social 0001

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2012 2013 APRESENTAÇÃO O Planejamento Estratégico tem como objetivo descrever a situação desejada de uma organização e indicar os caminhos para

Leia mais

Proposta de Mecanismo de Controle, a partir do Programa de Apoio Acadêmico PAA/SESu/MEC.

Proposta de Mecanismo de Controle, a partir do Programa de Apoio Acadêmico PAA/SESu/MEC. Seminário Andifes Eficiência e Qualidade na ocupação de Vagas Discentes nas Universidades Federais Proposta de Mecanismo de Controle, a partir do Programa de Acadêmico. COGRAD GT Evasão e Retenção Prof.

Leia mais

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 DE CIÊNCIAS RURAIS

Leia mais

Questões Gerais Planejamento e Avaliação Institucional

Questões Gerais Planejamento e Avaliação Institucional Como você avalia a gestão ambiental da Instituição? Questões Gerais Planejamento e Avaliação Institucional 4 3,36% 8,53% Boa 28 23,53% 36,91% Como você avalia a divulgação dos resultados da Pesquisa de

Leia mais

Especificação da Ação Descrição do desenvolvimento da Ação (Como?) Responsável

Especificação da Ação Descrição do desenvolvimento da Ação (Como?) Responsável Identificação do Campus: ARARANGUÁ EIXO I: Ensino, Pesquisa e Extensão 1 Especificação da Ação Descrição do desenvolvimento da Ação (Como?) Responsável Elaborar planos de curso que promovam a indissociabilidade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA PRO-DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇAO STRICTO SENSU - PROPESP

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA PRO-DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇAO STRICTO SENSU - PROPESP INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA - INTA PRO-DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇAO STRICTO SENSU - PROPESP REGULAMENTO DE PESQUISA SOBRAL-CEARÁ 2015 I- POLÍTICA DE PESQUISA Art.1º O Instituto Superior

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CONSULTA PÚBLICA

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CONSULTA PÚBLICA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CONSULTA PÚBLICA Objetivos Estratégicos: descrições, indicadores e iniciativas Florianópolis, dezembro de 2013 SUMÁRIO Legenda...3 A1 Atender aos potenciais alunos, considerando

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação XXXIX edição da Reunião dos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA. CAMPUS JACOBINA CANDIDATURA À DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JACOBINA. Proposta de Trabalho

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA. CAMPUS JACOBINA CANDIDATURA À DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JACOBINA. Proposta de Trabalho INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA. CAMPUS JACOBINA CANDIDATURA À DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JACOBINA Prof o : Epaminondas Silva Macêdo Proposta de Trabalho Gestão 2014-2017 - Jacobina/2013

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional. Plano de Metas e Ações ( ) DIMENSÃO I - A Missão e o PDI

Plano de Desenvolvimento Institucional. Plano de Metas e Ações ( ) DIMENSÃO I - A Missão e o PDI DIMENSÃO I - A Missão e o PDI Construir/redefinir a Identidade Corporativa > Missão, Visão e Valores Capacitar a instituição para atender ao Programa de Qualidade no Ensino Superior defendido pelo MEC

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Proteção Social para todos/as os/as brasileiros/as II Plano Decenal - 2016/2026 CARACTERÍSTICAS DOS PLANOS São técnicos e políticos;

Leia mais

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental 10. Metas e Indicadores As metas representam os resultados a serem alcançados pelo tribunal para atingir os objetivos propostos. Elas permitem um melhor controle do desempenho da instituição, pois são

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

Planilha1 9. ADOTAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO

Planilha1 9. ADOTAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO Planilha1 9. ADOTAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO Indicador: Índice de atingimento das metas propostas Meta: primeira medição Ano: 215 Gerenciamento do UG Responsável:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 APROVADO EM REUNIÃO 01/2016 CONCAMP

PLANO DE AÇÃO 2016 APROVADO EM REUNIÃO 01/2016 CONCAMP PLANO DE AÇÃO 2016 APROVADO EM REUNIÃO 01/2016 CONCAMP Ação Valor Tipo orçamentário agenciamento de viagens e compra de passagens aéreas para serviços administrativos Contratação e manutenção dos serviços

Leia mais

Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação

Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA CATEGORIAS DE ANÁLISE 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação 1.1 GESTÃO ACADÊMICA 1.1.1 Responsabilidade Social

Leia mais

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN AVALIAÇÃO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IFAM Lei Nª 11.872/2008 Art. 7ª - Objetivos dos Institutos Federais: I - ministrar educação profissional

Leia mais

Programa EaD em REDE

Programa EaD em REDE Programa EaD em REDE Regulamento Interno Regulamenta o Programa EaD em Rede da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais - ABRUEM. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2014

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2014 PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2014 OBJETIVO Apresentar um conjunto de informações sobre a proposta orçamentária 2014. DO ORÇAMENTO DE 2014 - Valor estipulado pelo CONIF na matriz orçamentária. - R$ 6.748.659,00

Leia mais

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá Dispõe sobre a constituição e funcionamento do Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá. CAPÍTULO I DO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

CONSTRUINDO O FUTURO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Diamantina, agosto de 2009.

CONSTRUINDO O FUTURO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Diamantina, agosto de 2009. CONSTRUINDO O FUTURO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Diamantina, agosto de 2009. Até 2013 UFVJM estará entre as melhores instituições de ensino superior do Brasil... B SITUAÇÃO

Leia mais

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares;

D E C R E T A. a) dos cursos de licenciaturas; b) das residências pedagógicas; c) das práticas pedagógicas curriculares; Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 16.718 DE 11 DE MAIO DE 2016 Dispõe sobre a instituição e organização dos Complexos Integrados de Educação, no âmbito

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE 1 FORMULÁRIO 1 - PLANO DE AÇÃO 2016 Durante a discussão da Proposta Orçamentária e Diretrizes para o Plano de Ação 2016 no CONSAD foi recomendado a explicitação dos objetivos

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais

ATIVIDADES DE EXTENSÃO REGULAMENTO

ATIVIDADES DE EXTENSÃO REGULAMENTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS AVANÇADO ARCOS ATIVIDADES DE EXTENSÃO REGULAMENTO A Extensão

Leia mais

CARTA DE INTENÇÕES PARA A DIREÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CHAPA: PRA FRENTE DEF-2016

CARTA DE INTENÇÕES PARA A DIREÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CHAPA: PRA FRENTE DEF-2016 CARTA DE INTENÇÕES PARA A DIREÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CHAPA: PRA FRENTE DEF-2016 Na perspectiva de concorrer o processo eleitoral para escolha do Chefe e Vice-chefe do Departamento de Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal Estratégia de Governança Digital do Governo Federal Histórico da Governança Digital 2000 Comitê Executivo de Governo Eletrônico 2005 eping: padrões de interoperabilidade 2010 Estratégia Geral de TI (EGTIC)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EXTERNO

PROCESSO SELETIVO EXTERNO ANEXO I EDITAL N /26, DE 19 DE MAIO DE 26 UNIDADE TERESINA CÓDIGO CARGO (PROFISSIONAL) A- Assessor Técnico III Coordenador/Supervisor Pedagógico Saúde A-02 Assessor Técnico III Planejamento PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação São Paulo, 01 de setembro

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014.

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. Fixa normas para o Programa de Iniciação Científica, no Instituto Superior de Educação

Leia mais

NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS. ( ):

NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS. ( ): NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 01/2015 DATA: ( 01/03/2014) COMPONENTE:

Leia mais

Caderno de Indicadores Nacionais (INA) e de Metas de Medição Periódicas (MMP)

Caderno de Indicadores Nacionais (INA) e de Metas de Medição Periódicas (MMP) Estratégia Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação do Poder Judiciário (ENTIC-JUD) Caderno de Indicadores Nacionais (INA) e de Metas de Medição Periódicas (MMP) 1 Contexto Estratégico de TIC

Leia mais

Módulo Presencial. Campus Alegrete 26/08/2013

Módulo Presencial. Campus Alegrete 26/08/2013 Módulo Presencial Campus Alegrete 26/08/2013 Perfil Institucional A primeira sugestão foi de que seja enfatizado no texto os porquês da criação da UNIPAMPA, refletindo na missão e visão. Pontualmente,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) ALINHAMENTO INICIAL Instituto Federal de Rondônia (IFRO) STEINBEIS-SIBE do Brasil

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) ALINHAMENTO INICIAL Instituto Federal de Rondônia (IFRO) STEINBEIS-SIBE do Brasil PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) ALINHAMENTO INICIAL Instituto Federal de Rondônia (IFRO) STEINBEIS-SIBE do Brasil Objetivo Objetivo: Apresentação da proposta de elaboração/revisão do Plano

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. A articulação das atividades de pesquisa, com as demais atividades acadêmicas, é...

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. A articulação das atividades de pesquisa, com as demais atividades acadêmicas, é... A articulação das atividades de pesquisa, com as demais atividades acadêmicas, é... Página 1944 de 4930 A qualidade do ensino ministrado pelos professores, ao longo do seu curso, tem sido... Página 1945

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA PERÍODO 2015 TABELA 1 Adesão de docentes e discentes na avaliação 2015

Leia mais

PROPOSTA POLÍTCA DE ATIVIDADE EM PESQUISA NO CAMPUS OURO BRANCO

PROPOSTA POLÍTCA DE ATIVIDADE EM PESQUISA NO CAMPUS OURO BRANCO Coordenação de Pesquisa PROPOSTA POLÍTCA DE ATIVIDADE EM PESQUISA NO CAMPUS OURO BRANCO Elaborador por: Prof Leandro Elias Morais JUNHO 2016 1 As atividades de pesquisa é uma área estratégica para o Instituto

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

META: SERVIDOR CAPACITADO CÂMPUS PATROCÍNIIO CÂMPUS UBERLÂNDIA CÂMPUS ITUIUTABA CÂMPUS UBERLÂNDIA CENTRO

META: SERVIDOR CAPACITADO CÂMPUS PATROCÍNIIO CÂMPUS UBERLÂNDIA CÂMPUS ITUIUTABA CÂMPUS UBERLÂNDIA CENTRO PROGRAMA: 2109 - GESTÃO E MANUTENÇÃO DO MEC AÇÃO: 4572 - CAPACITAÇÃO DE SERV. PÚB. FED. EM PROC. DE QUALIFICAÇÃO E REQUALIFICAÇÃO. DESCRIÇÃO PROMOVER A QUALIFICAÇÃO E A REQUALIFICAÇÃO DE PESSOAL COM VISTAS

Leia mais

Regulamento do Programa Institucional de Bolsas de Extensão para Discentes PIBED do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais IFNMG

Regulamento do Programa Institucional de Bolsas de Extensão para Discentes PIBED do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais IFNMG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA NORTE DE MINAS GERAIS Regulamento do Programa Institucional de Bolsas de Extensão

Leia mais

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 COLEGIADO DE CURSOS Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 Institui a Política de Extensão no âmbito da Faculdade Una de Betim e dá outras providências. A Presidente do Colegiado de Cursos da Faculdade

Leia mais

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2014 Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) MISSÃO: A qualificação de alto nível dos cidadãos, a produção e difusão do

Leia mais

Indicadores: Nº de Servidores e alunos por Campus que tem a pretensão de participar do curso básico em Frances

Indicadores: Nº de Servidores e alunos por Campus que tem a pretensão de participar do curso básico em Frances PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 1.Perspectiva Desenvolvimento de Pessoas Objetivo: Implantar Cursos de Idiomas para os servidores e alunos, de modo especifico em Frances. RESPONSÁVEL: Profª Ana Celia Said, Assessora

Leia mais

Planejamento Institucional 2015

Planejamento Institucional 2015 # Projeto Metas DRGP 2015 GP01 - Capacitação de 100% da equipe da DRGP e CDGPs. 01/01/2015 30/12/2015 Gestão DRGP 2015 GP02 - Normatizar no mínimo 50% dos procedimentos e fluxos no âmbito da Diretoria

Leia mais

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de 2003. Prezada Superintendente Em atenção ao ofício circ. N 003/ESP/SAD, datado de 24 de janeiro do presente ano, estamos enviando em anexo, as necessidades

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Título do Projeto: Aprimoramento da sistemática de

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Campus Bragança Paulista Plano de Gestão

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Campus Bragança Paulista Plano de Gestão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Campus Bragança Paulista Plano de Gestão Candidatura a Diretor Prof. Ms. Mauricio Costa Carreira Abril/2013 Onde quer que haja mulheres

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Planejamento Estratégico 2015-2019. Planilha1 5. CONSOLIDAR A IDENTIDADE E IMAGEM INSTITUCIONAL. Objetivo Estratégico:

PLANO DE AÇÃO. Planejamento Estratégico 2015-2019. Planilha1 5. CONSOLIDAR A IDENTIDADE E IMAGEM INSTITUCIONAL. Objetivo Estratégico: Planilha1 5. CONSOLIDAR A IDENTIDADE E IMAGEM INSTITUCIONAL Indicador: Relação candidato X vaga Meta: 6 Ano: 215 Comunicação da Estratégia institucional UG Responsável: Gabinete / Campus Prazo: 1 de janeiro

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

Avaliação Institucional USP Ciclo. Departamento:

Avaliação Institucional USP Ciclo. Departamento: Avaliação Institucional USP 2010-2014 4 0 Ciclo Departamento: 1 Sumário 1 CONJUNTO DE INTENÇÕES... 3 1.1 Missão... 3 1.2 Visão... 4 1.3 Proposta Educacional... 5 2 AUTOAVALIAÇÃO... 6 2.1 Gestão... 6 2.2

Leia mais

Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância

Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância Seminário de Educação a Distância na Administração Pública: Cursos Mistos e Redes Virtuais Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância

Leia mais

Políticas Públicas para EAD e Inovação Pedagógica no Ensino Superior: o percurso da UFPE. Auxiliadora Padilha UFPE

Políticas Públicas para EAD e Inovação Pedagógica no Ensino Superior: o percurso da UFPE. Auxiliadora Padilha UFPE Políticas Públicas para EAD e Inovação Pedagógica no Ensino Superior: o percurso da UFPE. Auxiliadora Padilha UFPE Novos papéis da Universidade; Nova compreensão do pilar ensino no projeto de formação

Leia mais

\ pea Versão: lOh SAE1PR. Proposta Orçamentária 2010

\ pea Versão: lOh SAE1PR. Proposta Orçamentária 2010 r! \ pea Versão: 15-07-09-lOh SAE1PR Proposta Orçamentária 2010 Versão: 15 07 09 loh 1. Desafios Estratégicos Esta proposta orçamentária contempla recursos financeiros necessários para a superação dos

Leia mais

ATUAÇÃO DA CPA. Roteiro. Avaliação do ensino superior. Avaliação do Ensino Superior. Autoavaliação na UFMS

ATUAÇÃO DA CPA. Roteiro. Avaliação do ensino superior. Avaliação do Ensino Superior. Autoavaliação na UFMS ATUAÇÃO DA CPA Avaliação do ensino superior Roteiro Avaliação do Ensino Superior Legislação SINAES Autoavaliação Institucional Dimensões Autoavaliação na UFMS Instrumentos AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

do país. Esse resultado nos faz acreditar que estamos no caminho certo: promovendo o aperfeiçoamento dos programas acadêmicos, investindo na

do país. Esse resultado nos faz acreditar que estamos no caminho certo: promovendo o aperfeiçoamento dos programas acadêmicos, investindo na Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade: estratégias no processo de ensino e aprendizagem em aulas de educação física Programa de preparação para a aposentadoria com ênfase na autonomia pessoal

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses.

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica (3) (4) (5) previsão de alunos por turma em disciplina teórica de, no máximo, 80. relação aluno por docente,

Leia mais

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MISSÃO DA UNIDADE: Fomentar a atividade acadêmica, promover o intercâmbio da Universidade com órgãos públicos, empresas privadas e

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES FEDERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA, PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SINASEFE SEÇÃO SINDICAL IFPR

SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES FEDERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA, PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SINASEFE SEÇÃO SINDICAL IFPR PLANO DE TRABALHO COMO MEMBRO DO CONSUP DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ - 2016/2020 Guilherme Basso dos Reis candidato a representante técnico administrativo Marco Antônio Lima Rizzo candidato a representante

Leia mais

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A Assessoria de Planejamento (ASPLAN) está se dedicando à elaboração do Planejamento Estratégico da SEDESE. Este projeto surge como uma demanda do Secretário André Quintão para

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO

PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO A Gestão Participativa, com a construção de múltiplos canais de consulta, com a participação em decisões, com o controle Social,

Leia mais

Débora Pereira Laurino Ivete Martins Pinto Universidade Federal do Rio Grande FURG

Débora Pereira Laurino Ivete Martins Pinto Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Federal de Santa Catarina III Seminário de Pesquisa EAD: Experiências e reflexões sobre a Universidade Aberta do Brasil (UAB) e seus efeitos no ensino superior brasileiro Débora Pereira Laurino

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados Enfam

PLANO ESTRATÉGICO Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados Enfam PLANO ESTRATÉGICO 2014-2018 Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados Enfam MISSÃO Promover, regulamentar e fiscalizar, em âmbito nacional, a formação e o aperfeiçoamento dos magistrados

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO CENTRO CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE

AUTOAVALIAÇÃO DO CENTRO CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE AUTOAVALIAÇÃO DO CENTRO CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO: Presidente: Gilmar Moraes Santos (renunciou) Representantes Docentes: - Fabrizio Caputto - Magnus Benetti - Soraia

Leia mais