O nome ANT é uma sigla para another neat tool (mais uma ferramenta organizada), segundo seu autor James Duncan Davidson.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O nome ANT é uma sigla para another neat tool (mais uma ferramenta organizada), segundo seu autor James Duncan Davidson."

Transcrição

1 1- Intrduçã 1.1- Visã Geral O ANT é uma ferramenta destinada a cnstruçã (build) de prgramas JAVA. É semelhante a ferramentas cm make, nmake, jam mas cm diferencial de ser multi-platafrma, pis é feita em JAVA. Atualmente é cnsiderada cm padrã de mercad para a criaçã de aplicações JAVA. Um imprtante diferencial d ANT é a sua capacidade de ser extendid através da definiçã de nvas tarefas, escritas também em JAVA. Desta frma, desenvlvedr nã está limitad a apenas cnjunt de tarefas pré-existentes n ANT ficand livre para incrprar as tarefas que julgar necessári. Send assim, é pssível que um mesm arquiv de build seja utilizad em múltiplas platafrmas sem necessitar de qualquer tip de mdificaçã História O ANT nasceu a partir d prjet TOMCAT, nde era mais um cmpnente. Após a daçã d TOMCAT para Apache Sftware Fundatin (cupand especificamente um lugar na área de prjets d Apache Jakarta) fi descberta a grande utilidade d ANT. Neste mment ANT se desvinculu d TOMCAT trnand-se um prjet independente e cupand também um lugar na área de prjets d Apache Jakarta. Sua primeira versã independete nasceu em Julh de O nme ANT é uma sigla para anther neat tl (mais uma ferramenta rganizada), segund seu autr James Duncan Davidsn. 2- Instalaçã 2.1- Obtend ANT O ANT deve ser baixad através d seu web site em utilizand-se sempre a última versã estável (n mment de escrita deste manual a versã mais estável era 1.6.1). Esta versã é suprtada pel JDK 1.1 u superires (recmenda-se n mínim 1.2). Cnfrme dit anterirmente ANT é uma ferramenta escrita em JAVA e prtant necessita de n mínim um JRE (Java Runtime Envirnment) executável para que funcine. Vale lembrar que tend apenas a JRE instalada muits ds recurss n ANT nã funcinarã. Send assim, recmendams que vcê tenha instalad um JDK cmplet (de preferência a última versã estável dispnível n site da SUN ).

2 2.2- Instaland ANT A versã de instalaçã d ANT é distribuída em um arquiv cmpactad n frmat ZIP. Após a descmpactaçã d arquiv de distribuiçã a estrutura de diretóris d ANT ficará assim: Se a instalaçã fr em ambiente WINDOWS recmenda-se que nã sejam utilizads caminhs que pssuam nmes lngs, devid a uma limitaçã d sistema de batch destes sistemas peracinais. O ideal é utilizar caminhs curts, tradicinais, na frma 8.3 (8 caracteres para nme e 3 para a extensã) e sem espaçs em brac. Sugestã: c:\ant Evite: c:\java tls\ant (devid a espaç em branc entre java e tls) Cnfigurações adicinais saber: Antes que se pssa utilizar ANT é necessári cnfigurar algumas variáveis de ambiente, a PATH: inclua caminh ant/bin às demais entradas já existentes. ANT_HOME: crie uma variável de ambiente cm este nme cntend diretóri nde fi instalad ant. ANT_HOME=c:\ant JAVA_HOME: é pcinal. Entretant para que se pssa executar as tarefas baseadas na JDK cm javac, jar, etc, é imprtante que a bibliteca classes.jar u tls.jar (dependend da sua versã da JDK) seja encntrada. Ist smente crrerá se a variável JAVA_HOME existir e estiver crretamente cnfigurada, ist é, apntand para diretóri de instalaçã da sua JDK. JAVA_HOME=C:\j2sdk Testand a instalaçã Para que vcê pssa se assegurar de que a instalaçã fi bem sucedida e que pssui a ferramenta prnta para us faça seguinte teste: Utilizand a tela de cnsle de cmands digite: ant versin. O resultad deverá ser cm da tela abaix (dependend da versã que vcê tem instalada).

3 Outra frma de se fazer teste é, também através da tela de cnsle de cmands, digitandse apenas: ant. O resultad deve ser cm vist na tela abaix. N cas de algum ds testes acima falhar entã vcê deverá rever s passs de instalaçã descrits acima. Principalmente se seu ambiente fr Windws, nde s nmes extenss sã causadres de uma grande parte das falhas de instalaçã d ANT. Outr pnt imprtante que deve ser revist é a criaçã das variáveis de ambiente pis sem elas realmente nã funcinará. 3- Usand Ant 3.1- Estrutura d arquiv de build O arquiv utilizad pel ANT para build da aplicaçã é um arquiv text escrit em XML. Nrmalmente esse arquiv se chama build.xml (mas pde ter qualquer utr nme). Os elements XML que cmpõem este arquiv devem fazer parte d cnjunt de elements que ANT entende, mas nvs elements pdem ser facilmente criads (verems cm fazer iss mais adiante neste manual). O arquiv de build cnsiste basicamente de um element prject que, pr sua vez, cntém um u mais elements target. Um target caracteriza uma das etapas que serã executadas na cntruçã (build) da aplicaçã. Estas etapas sã cnstituídas, pr exempl, pela cmpilaçã, empactament, distribuiçã, etc. Em cada uma destas etapas uma u várias perações sã executadas. Estas perações sã definidas pr utrs elements XML que serã detalhads mais adiante. É pssível que tda a cnstruçã (build) seja feita através de uma única etapa (target). Entretand ist reduz de frma dramática a pssibilidade de reutilizaçã de partes d build, que muitas

4 vezes sã suficientes para reslver prblemas pntuais. Send assim, é cmum dividir as etapas em subetapas menres (inclusive cm níveis de dependência uma das utras) nde cada etapa pssui apenas númer de perações suficientes para cncluir bjetiv a que se destina. O element de mais alt nível, prject, deve infrmar qual será target padrã a ser executad, cas nenhum seja infrmad n mment em que se rde ANT. Vejams abaix um exempl básic de um arquiv build: <?xml versin="1.0"?> <prject default="init"> <target name="init"> </target> </prject> Cm td arquiv XML, é pssível utilizar um element que nã pssua subelements através de sua declaraçã simplificada. Ou seja, n exempl acima element target pderia ser escrit da seguinte frma: <target name="init"/> 3.2- Principais elements d arquiv build Cnfrme vims n ítem anterir arquiv de build segue uma estrutura bem definida de elements XML. Para que se pssa criar s builds de frma eficiente é necessári cnhecer s detalhes de seus principais elements. Entã vams a eles Prjects (<prject...>) Td arquiv build deve cnter um element prject, afinal a cnstruçã de uma aplicaçã é um prjet cm bjetiv bem definid. Desta frma tems que identificar neste prjet qual é a tarefa (target) padrã, u seja, aquela que nã pde deixar de ser executada cas nenhuma utra seja específicada n mment de execuçã d ANT. Além diss é interessante que seja descrit bjetiv deste prjet e iss pde ser feit diretamente n própri element prject, atribut name, u através de um element específic para descrições, descriptin. <prject name=... default=... basedir=... > </prject> Atribut Descriçã Obrigatóri name Nme d Prjet. Pequena descriçã d bjetiv deste prjet. default basedir Nme da tarefa padrã (target) que deverá ser executada cas nenhuma utra seja especificada n mment de execuçã d ANT. Diretóri base de nde tds s demais paths sã derivads. Cas nã seja infrmad entã diretóri nde se encntra arquivi buikd.xml é assumid cm diretri base. Sim

5 Exempls: <prject default= init >... </prject> <prject name= Prjet de Exempl default= dit >... </prject> <prject default= init basedir= /src >... </prject> <prject name= Prject de exempl. default= init > <descriptin> Prjet de exempl cm uma descriçã mais detalhada usand element descriptin. </descriptin> </prject> Targets (<target...>) Para que seja feit um build é necessári definir as tarefas que serã executadas. Estas tarefas recebem nme de target n ANT. Uma tarefa é cmpsta de perações (sã as chamadas tasks, cm será vist lg a seguir). Estas tarefas pdem depender umas das utras e esta rganizaçã de dependência trna cada uma das tarefas mais reutilizável. Através da dependência se garante também que uma tarefa smente será executada depis que suas depenências tiverem sid reslvidas. Para definir uma dependência se utiliza atribut depends. Através da definiçã de dependência se cnsegue garantir uma rdem de execuçã das tarefas mas iss nã significa que a execuçã será exatamente na rdem em que a dependência está defnida. Vams a um exempl: <target name="a"/> <target name="b" depends="a"/> <target name="c" depends="b"/> <target name="d" depends="c,b,a"/> A execuçã da tarefa B depende da A e lg será executada depis que A termine. Entretant a tarefa D, que depende de C, B e A, será executada depis da tarefa C pis C já depende de B, que pr sua vez depende de A. Send assim nã se faz necessári executar as tarefas B e A a que D depende pis as mesmas já fram executadas indiretamente. Ou seja, uma tarefa é executada smente uma vez, ainda que várias tarefas dependam dela n mesm cicl de execuçã. É pssível também que uma tarefa venha a ser executada u nã dependend d valr de uma prpriedade (prperty). Ist é definid através ds atributs if e unless. Cm ainda nã tratams d

6 assunt prperty entã vams deixar para depis a exemplificaçã de cm utilizar estes dis atributs de target. Atribut Descriçã Obrigatóri name Define nme da tarefa. Sim depends if unless Define as tarefas dependentes. Se existirem várias dependências entã a lista deve ser separada pr vírgulas (,). Define nme da prpriedade que deve estar cm valr para que a tarefa seja executada. Define nme da prpriedade que nã deve estar cm valr para que a tarefa seja executada. descriptin Descriçã breve d bjetiv da tarefa. ATENÇÃO: é cmum que se utilize um hífem (-) antes d nme de uma tarefa para identificar aquelas tarefas que nã devem ser chamadas diretamente. Ou seja, sã tarefas utilizadas na lista de dependências de utras tarefas (estas últimas é que sã chamadas diretamente). Ist é apenas uma regra e nã alg brigatóri. Exempls: Tasks <target name= inicializaca descriptin= Prepara ambiente para a cnstruca da aplicaca >... </target> <target name= cmpilaca depends= inicializaca >... </target> <target name= -limpeza descriptin= Limpa s diretris de deply. >... </target> <target name= deply depends= -limpeza descriptin= Realiza deply da aplicaca >... </target> As tasks sã as perações que sã realizadas dentr de cada tarefa. Estas perações sã na verdade prgramas que sã executads para realizar cada uma das etapas que cnstituem uma tarefa. Existem muitas perações aceitas pel ANT e cada uma delas tem a sua lista de atributs. O frmat de um element task é: <name attribute1="value1" attribute2="value2"... /> Onde: name é nme d prgrama que será executad, attributen é nme d parâmetr que é

7 esperad e valuen é valr desse parâmetr. É pssível criar um identificadr para uma peraçã. Desta frma a peraçã pderá ser referenciada através deste identificadr. Veja s exempls abaix. <taskname id= taskid... /> <script> taskid.setdir= /src/bin ; </script> Neste últim cas a peraçã taskid terá seu atribut dir mdificad para cnter valr / src/bin. Para cnhecer a lista de perações (tasks) existentes (apenas as principais) veja mais adiante n manual capítul chamad ANT Tasks. Além diss na última parte d manual mstrarems cm criar uma nva peraçã (task) para ANT através de um prgrama em JAVA Prperties Um prjet pde pssuir prpriedades. Estas prpriedades de um prjet funcinam cm se fsse uma variável em uma linguagem de prgramaçã. A única diferença é que depis que a prperty recebe um valr este valr nã pde ser mdificad. O element prperty é uma das pssíveis perações (tasks) d ANT e lg pssui a mesma regra de frmaçã descrita n ítem anterir. Ou seja: <prperty name= fntes value= /src /> Depis de criada uma prpriedade a mesma pde ser referenciada na frma ${nme da prpriedade}. Vams a um exempl: <prperty name= fntes value= /src /> <prperty name= executaveis value= ${fntes}/bin /> Além da pssibilidade de serem criadas as prpriedades que frem necessárias usuári pderá usufruir das prpriedades pré-existentes d ANT. Também é pssível utilizar tdas as prpriedades que sã acessíveis através da classe System d JAVA (System.getPrperties). Exempls: Prpriedades d ANT basedir: diretóri base d prjet. Cnfigurad através d atribut basedir d element <prject>. ant.file: diretóri nde se encntra arquiv de build. ant.versin: versã d ANT. ant.prject.name: nme d prjet que está send executad. ant.java.versin: versã da JVM detectada pel ANT.

8 Prpriedades d System (veja tdas as pssibilidades n javadc de System.getPrperties) s.name: nme d sistema peracinal user.name: nme d usuári Exempl de um build cmplet <?xml versin="1.0"?> <prject default="dist" name="prjet Manual1"> <descriptin>um prjet simples.</descriptin> <prperty name="srcdir" lcatin="src"/> <prperty name="builddir" lcatin="build"/> <prperty name="distdir" lcatin="dist"/> <target name="init"> <tstamp/> <mkdir dir="${builddir}"/> <mkdir dir="${distdir}"/> </target> <target name="cmpile" depends="init"> <javac srcdir="${srcdir}" destdir="${builddir}"/> </target> <target name="dist" depends="cmpile"> <jar destfile="${distdir}/package-${dstamp}.jar" basedir="${builddir}"> <manifest> <attribute name="built-by" value="${user.name}"/> <attribute name="main-class" value="package.main"/> </manifest> </jar> <jar destfile="${distdir}/package-src-${dstamp}.jar" basedir="${srcdir}"/> </target> </prject> 4- Rdand ANT <target name="clean"> <delete dir="${builddir}"/> <delete dir="${distdir}"/> </target> O ANT é uma ferramenta que pde ser executada de diversas frmas mas a que é mais cmumente utilizada é a linha de cmands. Entretant, atualmente, várias IDEs já suprtam a criaçã de arquivs de build d ANT desde seus ambientes de desenvlviment. Vale ressaltar que iss apenas facilita a vida para desenvlvedr pis arquiv que será usad para a cnstruçã da aplicaçã é cmpatível cm qualquer frma de execuçã.

9 4.1- A partir da linha de cmands Para executar ANT a partir da linha de cmands basta digitar ant. O resultad será a criaçã da aplicaçã seguind descrit n arquiv de build padrã chamad build.xml. A digitar ant a ferramenta buscará n diretóri atual a existência deste arquiv. Cas nã encntre será mstrada uma mensagem de err. Existem váris parâmetrs que pdem ser passads na linha de cmand que afetam a frma cm a ferramenta é executada. Veja a seguir s principais parâmetrs que pdem ser utilizads. ant [pções] [target [target2 [target3]...]] Opções: -help mstra na tela estas pções que estã aqui listadas. -prjecthelp mstra na tela as infrmações sbre prjet. -versin mstra na tela a versã d ant. -diagnstics mstra na tela infrmações que pdem ajudar a identificar prblemas. -quiet, -q nã mstra infrmações na tela. -verbse, -v mstra máxim de infrmações pssíveis na tela. -debug mstra na tela as infrmações para debug de prblemas. -emacs gera infrmações de lg sem frmataçã. -lgfile <file> gera um arquiv de lg cm nme especificad. -l <file> '' -lgger <classname> infrma a classe respnsável pel lg. -listener <classname> infrma a instância da classe que servirá de listener para prjet. -buildfile <file> use cm arquiv de build nme d arquiv especificad. -file <file> '' -f <file> '' -D<prperty>=<value> atribui a uma prpriedade d arquiv de build valr especificad. -prpertyfile <name> infrma nme de um arquiv de nde carregar s valres para as prpriedades d arquiv de build. -inputhandler <class> nme da classe que será repnsável pr tratar a entrada de dads. -find <file> prcure pr um arquiv de build em tda a árvre de diretóris a partir d pnt nde fi digitad cmand. Exempls: 4.2- Integrand cm IDEs ant -versin ant -quiet ant -Dsrcdir= /src Apesar de ser amplamente utilizad através da linha de cmands, as principais IDEs já dispnibilizam mecanisms de integraçã cm ANT. Ist vem a cmprvar enrme sucess desta ferramenta que é efetivamente um padrã n desenvlviment em JAVA. A lista cmpleta das ferramentas que já estã integradas cm ANT pde ser vista diretamente n seu site em Vams exemplificar esta integraçã cm 2 ferramentas: uma free que é Eclipse e utra paga, Oracle Jdevelper.

10 Eclipse O Eclipse ferece um grande nível de integraçã cm ANT através d Eclipse ANT Editr. Este editr pssui syntax highlight além de autcmpletar s elements que cmpõem a estrutura de um arquiv de build. A incluir um arquiv build.xml a seu prjet Eclipse autmáticamente identificará cm send um arquiv d ANT (cas vcê utilize utr nme entã deverá rever a assciaçã de arquivs d Eclipse). Send assim a clicar cm btã direit d muse sbre arquiv aparecerá n menu de cntext a pçã Run Ant... A esclher esta pçã surgirá uma tela cm a que está abaix.

11 Nesta tela se pde esclher qual tarefa (target) será executada. A tarefa default vem sempre selecinada pis cm já vims anterirmente se nenhuma utra fr identificada entã esta será executada. A cncluir a esclha de tarefas a executar bastará pressinar btã Run que a tela de cnsle será apresentada mstrand resultad da execuçã d ANT. Se fr necessári rever a assciaçã de arquivs a Eclipse, devid a utilizaçã de utr nme para build, que nã seja build.xml, entã esclha a pçã Preferences d menu Windw e a seguir expanda grup Wrkbench. Selecine File Assciatins e clque s parâmetrs cnfrme a sua necessidade.

12 Oracle Jdevelper O JDevelper seguind a tendência das demais IDEs também pssibilita a integraçã cm ANT, desde que seja uma versã igual u superir a 1.5. A integraçã acntece de frma transparente sempre que um arquiv de build é adicinad a prjet. É pssível também criar arquiv de build dentr d prjet mas nã existe um editr que dê suprte as elements d ANT. Lg a única verificaçã é quant a estrutura XML d arquiv e nã quant a sintaxe ds elements. Mesm assim se pderá utilizar editr de XML já existente na IDE para facilitar a ediçã d arquiv de build. Para incluir um arquiv de build já existente a seu prjet utilize a pçã File, ítem New. A seguir selecine em Categries / General a pçã ANT. Na lista de pções a esquerda esclha Buildfile frm Existing XML File. Surgirá entã a tela de esclha de arquivs para que seja identificad arquiv XML que se deseja incluir a prjet.

13 Após a esclha d arquiv de build seu prjet deverá ficar da seguinte frma: Observe que arquiv de build pde ter qualquer nme. Uma das pssibilidades cm a integraçã é que arquiv de build pderá ser criad diretamente na IDE. Ist é feit seguind-se s passs anterires só que esclhend a pçã Empty Buildfile. Neste cas deverá ser infrmad diretóri e nme d nv arquiv de build. Para executar um arquiv de build clique cm btã direit sbre arquiv desejad e esclha a pçã Build Default Target n menu de cntext. Se nã quiser executar a tarefa default entã esclha a tarefa desejada através da pçã Build Target n mesm menu de cntext (tdas as tarefas estarã ali listadas). 5- Ant Tasks O ANT prprcina um grande númer de perações, sã mais de 130 pções já dispníveis. Para facilitar entendiment e bjetiv de cada peraçã irems agrupá-las. Estes grups sintetizam tud aquil que pde ser feit através da ferramenta. Enfim, que pdems fazer cm ANT? Cmpilar <javac> <csc> Gerar Dcumentaçã <javadc> <style> <junitreprt> <stylebk> Executar prgramas <java> <ant> <sql> <exec> Empactar e cmprimir <jar> <zip>

14 <tar> <ear> Expandir, cpiar e instalar <cpy> <delete> <mkdir> <unjar> <unzip> Acess remt <ftp> <telnet> <mail> Mntar cmpnentes <ejb-c> <ejb-jar> Testar unidades de códig <junit> Executar rteirs e sns <script> <sund> Criar nvas perações (tasks) característica que prprcina a ANT uma capacidade ilimitada de se expandir. <taskdef> bs: a lista de perações em cada ítem acima é apenas uma pequena amstra, pis existem muitas utras pções. Para ver a lista cmpleta utilize a dcumentaçã ficial d ANT em O detalhament de cm funcina cada uma destas perações pde ser encntrad na dcumentaçã ficial d ANT. Destacarei algumas perações e técnicas de cm utilizá-las de frma prdutiva Cmpilaçã <javac> - executa cmpiladr java. Vale ressaltar que smente serã cmpilads s fntes que nã pssuirem seus equivalentes.class u aqueles que tenham data mais recente que s.class. A terminar a cmpilaçã é mstrad númer de fntes que fram efetivamente cmpilads. Principais parâmetrs: srcdir destdir Atribut Descriçã Obrigatóri Lcalizaçã ds fntes. Diretóri de nde serã cmpilads s arquivs fnte. Destin ds arquivs cmpilads. Diretóri nde serã armazenads s arquivs.class. Sim

15 classpath debug Atribut Descriçã Obrigatóri Classpath que deverá ser utilizad. Semelhante a parâmetr -classpath d javac. Infrma se arquiv cmpilad deve cnter instruções de debug. Cm s parâmetrs acima se reslve grande parte das tarefas de cmpilaçã mais cmuns. Seguem alguns exempls: <javac srcdir= src destdir= bin /> - cmpila s fntes d diretóri src gerand s arquivs.class n diretóri bin. <javac srcdir= src destdir= bin debug= true /> - ídem a enterir só que incluind ns arquivs cmpilads instruções de debug. Entretant existem cmpilações que sã mais cmplicadas, ist é, exigem cuidads especiais. Para estes cass utrs parâmetrs auxiliam na tarefa de cmpilaçã. Sã eles: includes includesfile excludes excludesfile frk executable ptimize Atribut Descriçã Obrigatóri Lista separada pr vírgulas cm s fntes que devem ser incluíds na cmpilaçã. Quand nã é infrmada esta lista entã tds s fntes d diretóri serã cmpilads. Arquiv cntend a lista ds fntes que devem ser cnsiderads para a cmpilaçã. Lista separada pr vírgulas cm s fntes que devem ser excluíds d prcess de cmpilaçã. Se nã fr infrmad nã se exclui nenhum arquiv d prcess de cmpilaçã. Arquiv cntend a lista ds fntes que devem ser excluíds da cmpilaçã. Indica se a cmpilaçã deve ser executada pr um JDK a parte. Cntém caminh cmplet para executável respnsável pela cmpilaçã n cas em que frk fr verdadeir (true). Se nã fr infrmad um valr entã será utilizad cmpiladr da VM que está executand ANT. Indica quand a cmpilaçã deve ser feita de frma timizada. O padrã é nã cmpilar de frma timizada.

16 cmpiler Atribut Descriçã Obrigatóri Exempls mais cmplexs: Indica cmpiladr a ser utilizad. Ist significa que pdem ser usads utrs cmpiladres java que nã sejam da JDK que executa ANT. Cas nã seja infrmad um cmpiler entã será utilizad da VM que está executand ANT (prpriedade build.cmpiler d arquiv de cnfigurações d ANT). <javac srcdir="${src}" destdir="${build}" includes="mypackage/p1/**,mypackage/p2/**" excludes="mypackage/p1/testpackage/**" classpath="xyz.jar" debug="n" /> Neste cas s fntes sã btids em ${src} e resultad é clcad em ${build}. N classpath é incluíd a bibliteca xyz.jar. Serã cmpilads tds s fntes que estiverem ns pactes p1 e p2 cm exceçã para sub-pacte testpackage dentr de p1. Também é pssível utilizar alguns parâmetrs na frma de elements desta peraçã. Ist crre prque na verdade cm a peraçã javac se está definind um grup de arquivs (fileset). Lg td s elements usads em fileset pderã ser usads junt cm javac. Será vist mais adiante cm sã criads s cnjunts de arquivs (fileset). <javac srcdir="${src}" destdir="${build}" includes="mypackage/p1/**,mypackage/p2/**" excludes="mypackage/p1/testpackage/**"> <classpath> <pathelement path= xyz.jar /> </classpath> </javac> 5.2- Operações cm arquivs É muit cmum que n prcess de cnstruçã (build) de uma aplicaçã seja definida a estrutura de armazenament desta aplicaçã. Ou seja, se define durante prcess de cnstruçã a estrutura que irá receber s bjets da aplicaçã. Ist é feit através da manipulaçã de arquivs e diretóris. Uma das vantagens de se utilizar ANT para esta tarefa é fat das perações funcinarem, geralmente, em diversas platafrmas. Send assim que fr definid n arquiv build cm relaçã a manipulaçã de arquivs funcinará em ambientes UNIX bem cm Windws u qualquer utr que pssua um JVM. Obs: s parâmetrs que serã vists nã refletem tdas as pssibilidades mas sim as que julguei mas imprtantes e úteis neste mment.

17 <mkdir> - usad para criar diretóris (u subdiretóris). Pssui um únic parâmetr, dir, que identifica nme d diretóri a ser criad. Cas diretóri já exista nenhum err crrerá mas bviamente a peraçã nã será realizada. Atribut Descriçã Obrigatóri dir Identifica nme d diretóri que será criad. Sim <mkdir dir= ${src}/bin /> - cria um diretóri bin abaix d diretóri ${src}. <mkdir dir= ${src}/bin/lib /> - cria um diretóri lib abaix de bin. <cpy> - usad para cpiar arquivs u cnjunt de arquivs (fileset). Os arquivs smente serã cpiad se n diretóri destin eles nã existirem u frem versões mais recentes. É pssível gravar pr cima de arquivs já existentes através d parâmetr verwrite. Atribut Descriçã Obrigatóri file Nme d arquiv que será cpiad. Sim tfile Nv nme d arquiv n diretóri destin. Para renmear um arquiv é pssível utilizar a peraçã mve, cm verems mais adiante. tdir Diretóri de destin d arquiv. verwrite Infrma se arquiv pderá ser gravad n diretóri destin cas já exista utr mais recente. <cpy file= ${src}/criabanc.java tdir= ${src}/ldsurces /> - cpia arquiv criabanc.java para diretóri ldsurce abaix de ${src}. <cpy file= ${src}/criabanc.java tfile= ${src}/ldsurces/criabanc_ld.java tdir= ${src}/ldsurces verwrite= true /> - faz mesm que exempl anterir mas renmeia arquiv para criabanc_ld.java. <delete> - usad para apagar um arquiv u cnjunt de arquivs (fileset) e até mesm um diretóri cm tda a sua estrutura (subdiretóris e arquivs). Atribut Descriçã Obrigatóri file Identifica arqui a ser apagad. Sim (um ds dis parâmetrs deve existir)

18 Atribut Descriçã Obrigatóri dir Identifica diretóri a ser apagad. Sim (um ds dis parâmetrs deve existir) diretóri lib. arquivs. <delete file= ${lib}/mylib.jar /> - apaga arquiv mylib.jar que está n <delete dir= ${temp} /> - apaga diretóri temp e tds s seus subdiretóris e <mve> - usad para mver um arquiv para um diretóri. Também é pssível utilizar esta peraçã para renmear um arquiv. A cntrári da peraçã de cópia (cpy) mve grava pr cima (verwrite) sempre. Para que iss nã crra é necessári desligar atribut verwrite. Atribut Descriçã Obrigatóri file Nme d arquiv que será mvid. Sim tfile Nme d arquiv n diretóri destin. tdir Diretóri destin. verwrite Indica se arquiv mvid pde ser gravad pr cima de utr cm mesm nme. O valr padrã é true. <mve file= ${bin}/mylib.jar tdir= ${lib} /> - mve arquiv mylib.jar d diretóri ${bin} para diretóri ${lib}. <mve file= ${bin}/mylib.jar tfile= ${bin}/applib.jar /> - renmeia arquiv mylib.jar para applib.jar dentr d mesm diretóri ${bin}. <replace> - usad para substituir uma string dentr de um arquiv text pr utra infrmada cm atribut. É pssível que esta mudança crra nã apenas em um arquiv mas em váris (neste cas é necessári usar um cnjunt de arquivs fileset). Atribut Descriçã Obrigatóri file Nme d arquiv nde crrerá a substituiçã da string. Sim dir Diretóri base utilizad n cas de a substituiçã crrer em váris arquivs. tken String que deverá ser substituída. Sim value summary String que substituirá a infrmada em tken. Cas nã seja infrmada a nva string entã valr default será utilizad. Infrma um resum da peraçã após a sua cnclusã. Infrmações cm: númer de substituições, númer de arquivs prcessads, etc.

19 <replace file= readme.txt tken= [ERR_NUM] value= 1085 /> - substitui n arquiv readme.txt a string [ERR_NUM] pr <replace file= readme.txt tken= [ERR_NUM] value= 1085 summary= true /> - faz mesm que ítem anterir mas mstra resultad da peraçã. Neste cas mstrará númer de substituições efetuadas Empactament e cmpressã Durante prcess de cnstruçã (build) de uma aplicaçã é pssível que sejam criads alguns pactes que facilitam a distribuiçã da aplicaçã. Cm ANT pde ser utilizad para utras tarefas além da cnstruçã de aplicações também é pssível gerar arquivs cmpactads que venham a faciliatar a distribuiçã e/u dcumentaçã de arquivs relacinads. Verems a seguir duas perações destinadas a estes fins. <jar> - usad para gerar um arquiv JAR. O destin d arquiv (destfile) deve ser infrmad e é pssível refinar s arquivs que farã parte d JAR. A estrutura deste element define um cnjunt de arquivs (fileset), lg é pssível utilizar atributs cm <include>, <exclude>, etc. Os arquivs JAR, além de juntar váris arquivs gerand um nv arquiv cm extensã JAR, guarda utras infrmações que sã identificadas através d metainf e d manifest. Send assim é psssível utilizar s elements <metainf> e <manifest> para incluir n JAR as infrmações necessárias. Atribut Descriçã Obrigatóri destfile Indica caminh de destin d arquiv JAR. Sim basedir cmpress includes includesfile excludes excludesfile manifest Indica caminh nde estã s arquivs que serã incluíds n JAR. Indica se s arquivs deverã ser cmpactads. O valr default é True. É uma lista separada pr vírgula ds arquivs que devem ser incluíds n JAR. É nme de um arquiv cntend a lista de arquivs que devem ser incluíds n JAR. É uma lista separada pr vírgula ds arquivs que nã devem ser incluíds n JAR. É nme de um arquiv cntend a lista de arquivs que nã devem ser incluíds n JAR. Indica nme d arquiv manifest que deverá ser incluíd n JAR. Pde ser um arquiv u até mesm nme de um utr JAR, neste cas manifest deverá estar lcalizad em META- INF/MANIFEST.MF

20 <jar destfile= ${build}/jars/exmp.jar basedir= ${fntes}/classes /> - cria arquiv Exmp.jar n diretóri ${build}/jars cntend tds s arquivs que estã em ${fntes}/ classes. <jar destfile= ${build}/jars/exmp.jar basedir= ${fntes}/classes excludes= ${fntes}/classes/**.ld /> - faz mesm que descrit n exempl anterir mas sem incluir s arquivs *.ld que estã n diretóri ${fntes}/classes. Elements pcinais: <metainf> - neste element é pssível incluir um cnjunt de arquivs (fileset) que serã incluíds a META-INF d arquiv JAR. Se existir um manifest neste cnjunt de arquivs entã mesm será ignrad e uma mensagem de warning será mstrada. <manifest> - cm este element é pssível definir arquiv manifest n mment de criaçã d JAR em lugar de utilizar um arquiv extern. Cas seja definid um arquiv extern através d atribut manifest entã manifest resultante será merge ds dis arquivs ( infrmad mais definid através deste element). <jar destfile="exmp.jar" basedir="."> <include name="build"/> <manifest> <attribute name="built-by" value="${user.name}"/> <sectin name="cmmn/class1.class"> <attribute name="sealed" value="false"/> </sectin> </manifest> </jar> - cria exmp.jar n diretóri raíz e define cnteúd d arquiv manifest. <zip> - usad para criar um arquiv ZIP. A estrutura deste element define um cnjunt de arquivs (fileset) e cm iss é pssível utilizar qualquer um ds sub-elements de um fileset. Atribut Descriçã Obrigatóri destfile Indica caminh de destin d arquiv ZIP. Sim basedir cmpress includes includesfile Indica caminh nde estã s arquivs que serã incluíds n ZIP. Indica se s arquivs deverã ser cmpactads. O valr default é True. É uma lista separada pr vírgula ds arquivs que devem ser incluíds n ZIP. É nme de um arquiv cntend a lista de arquivs que devem ser incluíds n ZIP.

O nome ANT é uma sigla para another neat tool (mais uma ferramenta organizada), segundo seu autor James Duncan Davidson.

O nome ANT é uma sigla para another neat tool (mais uma ferramenta organizada), segundo seu autor James Duncan Davidson. 1- Introdução 1.1- Visão Geral O ANT é uma ferramenta destinada a construção (build) de programas JAVA. É semelhante a ferramentas como make, nmake, jam mas com o diferencial de ser multi-plataforma, pois

Leia mais

Manual introdutório do Apache ANT

Manual introdutório do Apache ANT Manual introdutório do Apache ANT Escrito por Alexandro Strack (alexandrostrack@hotmail.com) Manual introdutório do Apache ANT 1 Conteúdo 1- Introdução...3 1.1- Visão Geral... 3 1.2- História...3 2- Instalação...

Leia mais

O nome ANT é uma sigla para another neat tool (mais uma ferramenta organizada), segundo seu autor James Duncan Davidson.

O nome ANT é uma sigla para another neat tool (mais uma ferramenta organizada), segundo seu autor James Duncan Davidson. 1- Introdução 1.1- Visão Geral O ANT é uma ferramenta destinada a construção (build) de programas JAVA. É semelhante a ferramentas como make, nmake, jam mas com o diferencial de ser multi-plataforma, pois

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

PDF Livre com o Ghostscript

PDF Livre com o Ghostscript PDF Livre cm Ghstscript Um tutrial para criaçã de um geradr de arquivs PDF em Windws, basead em ferramentas gratuitas. Márci d'ávila, 05 de mai de 2004. Revisã 8, 20 de setembr de 2007. Categria: Text

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados.

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados. IBOCnsle Recuperaçã d Banc de Dads Ferramenta de manutençã para recuperaçã de banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE MAINTENANCE... 3 VALIDATION... 4 BACKUP/RESTORE... 6 BACKUP... 7 RESTORE... 10 3 IBOCnsle MAINTENANCE

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

Event Viewer - Criando um Custom View

Event Viewer - Criando um Custom View Event Viewer - Criand um Custm View Qui, 06 de Nvembr de 2008 18:21 Escrit pr Daniel Dnda Cnhecend Event Viewer Muit imprtante na manutençã e mnitrament de servidres Event Viewer é uma ferramenta que gera

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Aplicação Hibernate1 no NetBeans

Aplicação Hibernate1 no NetBeans Aplicaçã Hibernate1 n NetBeans Hibernate é um framewrk que frnece ferramentas para efetuar mapeament bjet/relacinal para Java. Mapeament bjet/relacinal é prcess de cnversã bidirecinal entre bjets e tabelas

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE DAVID CHAPPELL OUTUBRO DE 2010 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO Pr que criar um nv mdel de prgramaçã?... 3 Três regras d mdel de prgramaçã d Windws

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO V2.04 S4 Página 1 de 14 INDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.04 DO SST...3 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.04...3 PRESTADOR...3 Relatóri de Metas...3 CLIENTE...4 Tela

Leia mais

Disciplina: Programação III Conteúdo: Programação Orientada a Objetos Linguagem JAVA Página: 184

Disciplina: Programação III Conteúdo: Programação Orientada a Objetos Linguagem JAVA Página: 184 Cnteúd: Prgramaçã Orientada a Objets Linguagem JAVA Página: 184 3.12 COMPONENTES GUI E O TRATAMENTO DE EVENTOS Origem: Capítul 11 Cmpnentes GUI: Parte 1. Livr: Java Cm Prgramar, Deitel & Deitel, 6ª. Ediçã;

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados.

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados. IBOCnsle Instalaçã e Cnfiguraçã Ferramenta para gerenciament d banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE INSTALAÇÃO IBOCONSOLE... 3 CONFIGURAÇÃO IBOCONSOLE... 6 Menu Cnsle... 6 Menu View... 8 Menu Server... 8 Menu

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Linguagem de. Aula 07. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagem de. Aula 07. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagem de Prgramaçã IV -PHP Aula 07 Prfa Cristiane Kehler cristiane.kehler@canas.ifrs.edu.br Banc de Dads Manipulaçã de Banc de Dads HTML básic códigs cm páginas estáticas HTML + PHP códigs cm páginas

Leia mais

GUIA DE USO DO TECLADO VIRTUAL

GUIA DE USO DO TECLADO VIRTUAL GUIA DE USO DO TECLADO VIRTUAL A Indra, através das Cátedras de Tecnlgias Acessíveis que prmve em clabraçã cm a Fundaçã Adecc e diversas universidades espanhlas, apiu desenvlviment em cnjunt cm a Universidade

Leia mais

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1 Manual de cnfiguraçã de equipament Huawei G73 Huawei G73 Pagina 1 Índice 1. Breve intrduçã... 3 2. Guia rápid de utilizaçã...errr! Bkmark nt defined. 3. Serviçs e Funcinalidades suprtads...errr! Bkmark

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

Guia de Instalação SIAM. Módulo GPRS/GSM Instalação e Manual do Usuário

Guia de Instalação SIAM. Módulo GPRS/GSM Instalação e Manual do Usuário Guia de Instalaçã SIAM Módul GPRS/GSM Instalaçã e Manual d Usuári Dcument Gerad pr: Amir Bavar Criad em: 02/06/2006 Última mdificaçã: 28/09/2008 SIAM Módul GPRS/GSM Intrduçã: O módul GPRS/GSM é uma pçã

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FETAL ANEXO 1 TUTORIAL PARA EXPORTAÇÃO

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Dcumentaçã de Versã Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 6 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.1 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.1... 2 PRESTADOR... 2 CLIENTE...

Leia mais

Tutorial de criação de um blog no Blogger

Tutorial de criação de um blog no Blogger Tutrial de criaçã de um blg n Blgger Bem-vind a Blgger! Este guia pde ajudar vcê a se familiarizar cm s recurss principais d Blgger e cmeçar a escrever seu própri blg. Para cmeçar a usar Blgger acesse

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Diretoria de Tecnologia da Informação

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Diretoria de Tecnologia da Informação 1.1.1.1 Cas de us Descmpactar e Cnverter arquivs d módul de Instruments de Planejament 1.1.1.1.1 Precndições 1. O cas de us de envi deve ter sid cncluíd cm sucess 1.1.1.1.2 Flux principal 1. O SICOM descmpacta

Leia mais

Apache Ant. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Apache Ant. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Apache Ant Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Índice n Introdução n Instalação n Descritor n Projeto n Alvos n Tarefas n Propriedades n Exemplo 2 Introdução n Sistema de apoio à construção

Leia mais

API de Integração E-Zoop Documentação de uso

API de Integração E-Zoop Documentação de uso API de Integraçã E-Zp Dcumentaçã de us Data de Atualizaçã: 10/06/2015 Índice 1. Intrduçã... 1 2. Características... 2 Cadastr de características... 2 Exclusã de características... 4 Listagem de características...

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 8 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.2 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.2... 2 SEGURANÇA... 2 SAÚDE... 2 SAÚDE/AUDIOMETRIA...

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7)

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7) PAINT 1 (Windws7) O Paint é uma funcinalidade n Windws 7 que pde ser utilizada para criar desenhs numa área de desenh em branc u em imagens existentes. Muitas das ferramentas utilizadas n Paint estã lcalizadas

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

Java 2 Standard Edition. Gerenciamento de projetos com o. Apache Ant. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org)

Java 2 Standard Edition. Gerenciamento de projetos com o. Apache Ant. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org) Java 2 Standard Edition Gerenciamento de projetos com o Apache Ant Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br 1 Sobre este módulo Este módulo apresenta o Jakarta Ant - ferramenta importante para

Leia mais

Lumine Database Mapping for PHP. Treinamento Básico

Lumine Database Mapping for PHP. Treinamento Básico Lumine Database Mapping fr PHP Treinament Básic Cnhecend as características básicas de um ds framewrks de mapeament de banc de dads relacinais mais fáceis de ser utilizad. Hug Ferreira da Silva 13/12/2010

Leia mais

MS PROJECT MS PROJECT 2007 PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS PET ENGENHARIA CIVIL UFPR

MS PROJECT MS PROJECT 2007 PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS PET ENGENHARIA CIVIL UFPR MS PROJECT 2007 PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS MS PROJECT PET ENGENHARIA CIVIL UFPR 2010 Temprada de Curss PET Engenharia Civil MS Prject 2007 GRUPO PET CIVIL 2010 Alexandre Beê Amaral Gabriel

Leia mais

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss IN-COMPANY persnalizads

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

Usar um dispositivo Android

Usar um dispositivo Android Andrid Cntrle e cmand Transfrme Andrid em um eficiente cntrle remt para uma máquina Linux. pr Dmitri Ppv Usar um dispsitiv Andrid para acessar e cntrlar máquinas Linux remtas nã é uma ideia nva, e uma

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas Prcessadr de Text Funcinalidades Avançadas ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 MODELOS...4 Criar Mdels...5 MODELO NORMAL...6 Alterar mdel Nrmal.dtm...7 IMPRESSÃO EM SÉRIE MAILINGS...7 Cartas e mensagens de crrei electrónic...8

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

Programação. Para estas funções, é necessário incluir a biblioteca: Seguem as operações mais comuns com arquivos.

Programação. Para estas funções, é necessário incluir a biblioteca: Seguem as operações mais comuns com arquivos. 1. Funções de E/S cm Arquiv: Prgramaçã Para estas funções, é necessári incluir a bibliteca: #include Para manipular um arquiv através das funções, é necessári criar um pnteir de arquiv que é um

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual Lja Virtual Desenvlviment FrmigaNegócis Orçament: /2012 Cliente: Respnsável: Prjet: Lja virtual Telefne: Frmiga (MG), de de 2012 Intrduçã Segue abaix prjet para desenvlviment de nv website para lja Virtual

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente Sistema de Cmercializaçã de Radifármacs - Manual d Cliente O IEN está dispnibilizand para s seus clientes um nv sistema para a slicitaçã ds radifármacs. Este nv sistema permitirá a cliente nã só fazer

Leia mais

HOW TO. Gerando certificado digital, autoassinado,

HOW TO. Gerando certificado digital, autoassinado, Intrduçã HOW TO Página: 1 de 9 Este FAQ visa demnstrar cm efetuar a geraçã de um certificad digital n frmat PKCS#12, bem cm a imprtaçã d certificad X509 ns navegadres. O que é um certificad digital? Certificad

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOS DOS CONVÊNIOS...

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais