GUIA PARA INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE SERVIDOR DE ARQUIVOS, PDC E FTP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PARA INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE SERVIDOR DE ARQUIVOS, PDC E FTP"

Transcrição

1 MARINHA DO BRASIL COMANDO DO 4º DISTRITO NAVAL GUIA PARA INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE SERVIDOR DE ARQUIVOS, PDC E FTP Este manual mostrará como instalar e configurar um servidor de arquivos baseado no samba juntamente com o servidor de diretório LDAP e um servidor FTP. Será usado o Suse Linux Enterprise Server 11 SP1 (64bits)

2 MARINHA DO BRASIL COMANDO DO 4º DISTRITO NAVAL GUIA PARA INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE SERVIDOR DE ARQUIVOS, PDC E FTP USANDO Este manual foi criado pelo CB-PD Leandro e foi usado os manuais Manual_Samba, guia-instalacao-sles10sp3, guiainstalacao-sles11sp1 e outras fontes de consulta como referencia para a criação do mesmo.

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO PREPARANDO A INSTALAÇÃO INÍCIO DA INSTALAÇÃO PARTICIONAMENTO DO DISCO ESCOLHENDO OS SOFTWARES CONFIGURAÕES INICIAIS CONFIGURAÕES PÓS-INSTALAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIO E GRUPO POLITICAS DE SENHA CONFIGURANDO O SAMBA FIREWALL GERENCIANDO QUOTA DE DISCO INSTALANDO O SERVIDOR FTP INGRESSANDO MÁQUINAS CLIENTES NO DOMÍNIO TRABALHANDO COM COMANDOS FAZENDO BACKUP DO SISTEMA RECUPERANDO BACKUP DO SISTEMA MESSAGEM DE ERRO DE VBSCRIPT...106

4 1. INTRODUÇÃO O Samba é um servidor para Linux (e outros sistemas baseados em Unix), que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores Linux e Windows, por meio do protocolo SMB (Server Message Block) / CIFS (Common Internet File System), equivalentes à implementação NetBIOS no Windows. O Samba é uma das soluções em ambiente UNIX capaz de interligar redes heterogêneas. Assim, é possível usar o Linux como servidor de arquivos, servidor de impressão, entre outros, como se a rede utilizasse servidores Windows (NT, 2000, XP, Server 2003). O Samba foi criado por Andrew Tridgell, que precisava montar um espaço em disco em seu PC para um servidor Unix. Esse PC rodava DOS e, inicialmente, foi utilizado o sistema de arquivos NFS (Network File System) para o acesso. Porém, um aplicativo precisava de suporte ao protocolo NetBIOS (que não era suportado pelo NFS). A solução que Tridgell encontrou não parecia ser das mais simples: ele escreveu um Sniffer (pequeno programa para captura de tráfego de dados em rede) para poder analisar o tráfego de dados gerado pelo protocolo NetBIOS. Uma vez implementado, Tridgell utilizou engenharia reversa em cima do protocolo SMB (Server Message Block) e implementou no Unix. Isso fez com que o servidor Unix aparecesse como um servidor de arquivos Windows em seu PC com DOS. SMB é um protocolo que normalmente opera sobre NetBIOS, mas, desde o Windows 2000, existe a opção dele operar diretamente sobre TCP/IP. Com o servidor Samba, é possível compartilhar arquivos, compartilhar impressoras e controlar o acesso a determinados recursos de rede com igual ou maior eficiência que servidores baseados em sistemas operacionais da Microsoft. Mas, neste caso, o sistema operacional utilizado é o Linux. Este guia apresenta a configuração básica do servidor Samba, com instruções para criação de grupos e usuários, configuração de quotas por grupos, compartilhamentos, além da importação de estações de trabalho para o domínio, que servirá para implementar um servidor de arquivos. Chama-se servidor FTP um servidor que fornece, através de uma rede de computadores, um serviço de acesso para usuários a um disco rígido ou servidor de arquivos através do protocolo de transferência de arquivos: File Transfer Protocol. Seu acesso pode ser feito por qualquer usuário da rede ou reservado (com pedido de login e senha). O servidor FTP utiliza o protocolo FTP via navegador ou via cliente ftp dedicado. O LDAP é a última iteração de um longo processo de desenvolvimento que começou com a especificação de diretório X.500 e o correspondente Directory Access Protocol (DAP) do fim dos anos 1980 e início dos anos O DAP era um protocolo difícil de trabalhar e implementar, e protocolos mais fáceis foram desenvolvidos com a maior parte de sua funcionalidade mas com muito menos complexidade. Eventualmente, estas versões foram avaliadas pelo IETF e o OSI-DS e foram mesclados na especificação Lightweight Directory Access Protocol, ou LDAP, primeiramente publicada como a RFC 1487 em O LDAP ganhou algum uso na versão 2, especificada na RFC O LDAP é uma definição de protocolo para acesso a bancos de dados especializados chamados diretórios. É similar ao SQL no sentido que é uma linguagem para interagir com bancos de dados mas tende a conter mais informações descritivas, baseadas em atributo, e é organizado em forma de árvore, não de tabela

5 2. PREPARANDO A INSTALAÇÃO Antes de iniciar a instalação é necessário ter em mãos o jogo de CDs ou DVDs de instalação do Suse Linux 10 SP3, que está disponível para download no site do Centro de Tecnologia da Informação da Marinha CTIM (www.ctim.mb). No site da CTIM, acesse Gerência da RECIM > Redes locais > Suse Linux Enterprise Server > SUSE 11 SP1(64bits) DVD

6 OBSERVAÇÕES: Recomendamos realizar um planejamento para definir a configuração deste servidor antes da instalação. Para isso, verifique os tópicos abaixo: 1) Propósito para o qual o servidor será destinado; 2) Quantidade de discos e espaço disponível em cada um deles; 3) Tamanho de memória física (RAM); 4) Nome a ser atribuído ao servidor; 5) Domínio de nomes (DNS) que será atribuído ao servidor (Ex.: dctim.mb); 6) Endereço IP a ser atribuído ao servidor; 7) Máscara de sub-rede a ser atribuída ao servidor; 8) Endereço de gateway que será utilizado pelo servidor; 9) Endereço DNS a ser utilizado pelo servidor nas OMs subordinada ao Com4Dn: (primário) e (secundário), veja qual os servidores DNS de sua jurisdição. Informações de DNS estão disponíveis no site do CTIM, Gerência da RECIM, DNS

7 3. INÍCIO DA INSTALAÇÃO a) Configure a BIOS para inicializar a partir do CD-ROM; b) Insira o (CD-ROM / DVD) na unidade leitora e inicialize o servidor até aparecer a tela abaixo. É recomendável realizar um teste na memória da maquina antes de iniciar a instalação através da opção: Memory Teste ; c) Escolha o idioma, aceite o acordo de licenciamento e clique em Avançar; - 7 -

8 d) Recomendamos que verifique sempre a mídia fim de evitar alguns transtornos na instalação. Para isso clique em Iniciar Verificação, esse processo irá demora alguns minutos dependendo do estado de conservação da mídia e da qualidade do leitor. Ao termino clique em Avançar.. e) Selecione o fuso horário de sua região e configure o horário clicando no botão Mudar ; - 8 -

9 f) Neste momento definiremos o estilo de instalação a ser utilizado. Selecione a opção Máquina Física (Também para Convidados Completamente Virtualizados). Clique em Avançar. g) A tela seguinte apresenta o resumo da configuração a ser efetuada. Aqui é possível alterar cada um dos itens exibidos

10 4. PARTICIONAMENTO DO DISCO Particionamento ou formatação do disco significa dividir o disco em setores endereçáveis, permitindo que os dados possam ser gravados e posteriormente lidos de maneira organizada. Primeiramente devesse compreender que existem três tipos de partições: partição primária, partição estendida e partição lógica. 4.1 PARTIÇÃO PRIMÁRIA A divisão do disco em trilhas, setores e cilindros é chamada de formatação de baixo nível, agregando à tal a definição de um sistema de arquivos, que é um conjunto de estruturas lógicas e de rotinas, que permitem ao sistema operacional controlar o acesso ao disco rígido. Possui o limite de quatro partições primaria por HD. 4.2 PARTIÇÃO ESTENDIDA O limite de quatro partições é insuficiente? Para ultrapassar o limite de quatro partições primárias, utiliza-se a partição estendida, que é uma partição primária que serve de repositório para outras partições (lógicas). OBSERVAÇÃO: As partições estendidas não podem conter os arquivos de inicialização de um sistema operacional. 4.3 PARTIÇÃO LÓGICA É uma partição que contém um sistema de arquivos, contida em uma partição estendida. Para que partições estendidas possam ser utilizadas, é necessário que sejam divididas em partições lógicas. Assim, a partição estendida deve ser encarada como um container de partições lógicas e as partições lógicas como aquelas que serão utilizadas de fato para alocação de dados. LIMITAÇÕES: Um disco rígido pode conter quatro partições primárias e, no máximo, uma partição estendida; Em uma partição estendida pode ser criada até 60 partições lógicas para discos IDE e 12 para discos SCSI; No total, dependendo do esquema de particionamento, um disco IDE terá no máximo 63 partições (três primárias e 60 lógicas) e até 15 partições em discos SCSI (três primárias e 12 lógicas)

11 4.4 PLANEJANDO O PARTICIONAMENTO DO DISCO De posse das informações anteriores e lembrando que a forma na qual o disco foi particionado influência na performasse do sistema. Abaixo será explanado um padrão de acordo com os serviços oferecidos pelo servidor. No nosso caso particionaremos o disco para um servidor de arquivos, será usando como exemplo um HD de 500GB. /boot Armazenará os arquivos de inicialização e deverá ter 512MB; Swap Memória virtual e deverá ter 2GB; / (Chamada de barra ou raiz ) - Deverá ter 15GB; /tmp Deverá ter 5GB; /var Armazenará, principalmente, arquivos de log e deve possuir espaço suficiente para guardar registros de um tempo razoável. É onde fica também a base de dados do LDAP e MySQL e deverá ter 20GB; /home (Utilizada para armazenar os arquivos). Será usado todo o restante do HD. 4.5 PARTICIONANDO O DISCO OBSERVAÇÃO: É extremamente importante que, neste ponto, o planejamento das partições já tenha sido realizado. No resumo da instalação, clique em Particionamento e, na tela seguinte, em Criar Configurações de Partição Personalizada. Na tela seguinte clique em Particionamento Personalizado (para especialistas)

12 Este é o Gerenciador de Disco, note que esta dividido em duas colunas. A coluna Visão do Sistema exibe uma lista dos dispositivos físicos e lógicos de armazenamento de dados. A coluna Armazenamento Disponível em Linux exibe os objetos disponíveis em cada dispositivo selecionado. Selecione o HD em Visão do Sistema > Disco Rígidos >sda. Após selecionar o HD clique na aba Partições e em seguida clique em Adicionar

13 Na tela que se segue selecione Partição Primária e clique em Seguinte. Selecione Custom Size e loque um tamanho de 512 MB, conforme mostra a figura abaixo, em seguida clique em Seguinte Selecione o sistema de arquivos Reiser e defina o ponto de montagem para /boot em seguida clique em Opções de Fstab (Fstab Options)

14 Em Montar em /etc/fstab por, selecione ID do Dispositivo e em seguida digite em Etiqueta do Volume a palavra boot. Clique em OK e Terminar. Agora clique na aba Partições e em seguida clique em Adicionar

15 Na tela que se segue selecione Partição Primária e clique em Seguinte. Selecione Custom Size e loque um tamanho de 100 MB, conforme mostra a figura abaixo, em seguida clique em Seguinte. Selecione o sistema de arquivos Swap e em seguida clique em Terminar

16 Agora clique na aba Partições e em seguida clique em Adicionar. Na tela que se segue selecione Partição Primária e clique em Seguinte. Selecione Custom Size e loque um tamanho de 15GB, conforme mostra a figura abaixo, em seguida clique em Seguinte

17 Selecione o sistema de arquivos Reiser e defina o ponto de montagem para / em seguida clique em Opções de Fstab (Fstab Options). Em Montar em /etc/fstab por, selecione ID do Dispositivo e em seguida digite em Etiqueta do Volume a palavra raiz. Clique em OK e Terminar

18 Clique em Adicionar (Add), selecione Partição Estendida e depois em Seguinte. Marque Maximum Size e clique em Terminar. Agora clique em Adicionar (Add). Selecione Custom Size e loque um tamanho de 5GB, conforme mostra a figura abaixo, em seguida clique em Seguinte

19 Selecione o sistema de arquivos Reiser e defina o ponto de montagem para /tmp em seguida clique em Opções de Fstab (Fstab Options). Em Montar em /etc/fstab por, selecione ID do Dispositivo e em seguida digite em Etiqueta do Volume a palavra tmp, em Outras opções digite noexec,nosuid. Clique em OK e Terminar

20 Agora clique em Adicionar (Add). Selecione Custom Size e loque um tamanho de 20GB, conforme mostra a figura abaixo, em seguida clique em Seguinte. Selecione o sistema de arquivos Reiser e defina o ponto de montagem para /var em seguida clique em Opções de Fstab (Fstab Options)

21 Em Montar em /etc/fstab por, selecione ID do Dispositivo e em seguida digite em Etiqueta do Volume a palavra var. Clique em OK e Terminar. Agora clique em Adicionar (Add). Selecione Maximum Size conforme mostra a figura abaixo, em seguida clique em Seguinte

22 Selecione o sistema de arquivos Reiser e defina o ponto de montagem para /home em seguida clique em Opções de Fstab (Fstab Options). Em Montar em /etc/fstab por, selecione Etiqueta do volume e em seguida digite em Etiqueta do Volume a palavra home, depois marque Habilitar Suporte a Cotas. Clique em OK e Terminar

23 5. ESCOLHENDO OS SOFTWARES Nessa etapa serão escolhidos os softwares para o servidor de arquivos/pdc. Abaixo segue os softwares a serem instaladas. Servidor de Arquivos; Servidor de Diretório (LDAP); C/C++ Compilador e Ferramentas; ldapsmb, perl-ldap, quota; Clique em Software, depois clique em Detalhes

24 Na tela que se segui desmarque Print Server (servidor de impressão) e marque File Server (servidor de arquivos), Directory Server (LDAP) (servidor de diretório LDAP), C/C++ Compiler and Toots. Vá a aba Search (Pesquisa) digite ldap e na janela ao lado marque o pacote ldapsmb. Agora digite quota e na janela ao lado marque o pacote quota. Clique em Aceitar. Clique em Aceitar, Aceitar, Continuar, Instalar e Instalar

25 6. CONFIGURAÕES INICIAIS A partir deste ponto, será realizada a configuração inicial do servidor, onde serão definidos a senha do administrador, o nome do servidor, o endereço IP e o tipo de autenticação que será aceita entre outros parâmetros. A primeira informação solicitada será a senha do root: Esta senha deverá ser mantida em sigilo, pois possibilita controle completo sobre o servidor. Na tela seguinte informe o nome que será dado ao servidor (Ex.: com4dn-arq), o domínio (Ex.: com4dn.mb) e desmarque a opção Trocar Nome de Host via DHCP

26 A tela seguinte apresenta o resumo da configuração de rede. Desabilite o Firewall, pois o mesmo será configurado posteriormente. Clique em Placas de Rede para iniciar a configuração das interfaces. Selecione a placa a ser configurada e clique no botão Editar. Nesta tela, clique em Configuração de Endereço Estático, configure o IP e a Mascara de Subrede a ser usado pelo servidor, após clique em Seguinte

27 Na tela Configurações da Rede clique na aba Nome de Host/DNS. Clique agora em Roteamento e digite o endereço do Gateway no campo Gateway Padrão. Digite os DNS Primário da Marinha em Servidor de nome 1, depois digite o DNS Secundário em Servidor de nome 2. Nota: a) DNS Primário: b) DNS Secundário: Na tela Configurações da Rede clique na aba Roteamento. Digite o Gateway da Rede em Gateway Padrão. Caso seu servidor seja também um roteador de rede, selecione Habilitar encaminhamento IP. Clique em OK

28 Assim concluímos a configuração de rede clique em Avançar. Na tela seguinte será solicitado um teste de conexão com a internet. Clique em Não, pular este teste

29 Na tela seguinte clique em Avançar. Na próxima tela em Método de Autenticação, marque LDAP

30 No passo seguinte marque LDAP TLS/SSL, clicando em Avançar em seguida. Cadastre o usuário local Admin e defina uma senha segura, em seguida clique em Avançar

31 A tela seguinte apresenta as últimas modificações e novidades da versão. Mude a Resolução para 800x600 (SVGA), isso evita problemas de resolução quando é mudado o monitor do servidor por um monitor que não aceita resoluções maior que essa. Clique em Avançar

32 Na próxima tela clique em Encerrar

33 7. CONFIGURAÕES PÓS-INSTALAÇÃO Faça o login como Admin. Quando o ambiente gráfico estiver carregado, clique no menu Computador, localizado a esquerda da barra de tarefas. Clique em YaST. O YaST é o equivalente ao Painel de Controle do Windows e oferece uma série de possibilidades de configurações de hardware e serviços

34 A partir do YaST, é possível realizar praticamente qualquer configuração do servidor, sempre que é acionado, a senha do usuário root (administrador do servidor) é solicitada. Após a instalação do servidor, a primeira configuração necessária é a de Sincronismo de Hora. Para iniciar essa configuração, clique em Serviços de Rede no painel esquerdo do YaST e em Configuração NTP. Note que você pode usar a guia Filtro para realizar pesquisar rápidas. Clique em Agora e no Boot selecione...clock (LOCAL) clique em Apagar. Feito isso clique em Adicionar

35 Na tela que se segui selecione Servidor e clique em Avançar. Em Endereços digite o servidor de hora de sua jurisdição, depois clique em Teste. Se a rede estiver configurada corretamente, será exibida uma caixa avisando que o servidor está ao alcance e responde adequadamente. Clique no botão OK e OK. Observação: Configure o Serviço de Hora de acordo com a sua região. Consulte o site da CTIM para obter essa informação. Exemplo: Servidores da Área do COM4DN = hora-4dn.mb

36 Clique agora em Servidor LDAP no painel de controle do Yast. Note que você pode usar a guia Filtro para realizar pesquisar rápidas. Marque as opções que esta sendo exibidas na figura abaixo, depois clique em Configurações Globais

37 Na tela Configuração de Servidor LDAP, estenda o item de Configurações Globais, como exemplifica a figura: Agora clique em Configurações de Nível Registro que exibirá a tela abaixo: Selecione as opções abaixo: Gerenciamento de Conexão Conexão, Operações e Resultado de Registro Entradas de Registro Enviadas Desmarque a opção Nenhuma O Yast irá salvar as alterações, sendo que após isto a base de dados do LDAP estará completamente instalada e configurada

38 Clique em Banco de dados, vá a base de dados dc=siblaom,dc=mb, no lado direito da tela clique no botão Mudar Senha e digite uma nova senha para o servidor LDAP. Quando terminar de definir a nova senha clique em OK e em seguida clique em OK para fecha o gerenciado do Servidor LDAP. Acesse novamente o Servidor LDAP para dar prosseguimento às configurações. Digite em Filtro a palavra ldap após clique em Cliente LDAP, como demostra a figura abaixo:

39 Em Configuração do Cliente LDAP selecione Usar LDAP, LDAP TLS/SSL. Após clique em digite localhost em Endereços dos Servidores LDAP. Agora clique em DN Base do LDAP e selecione o banco de dados que criamos anteriormente. Após, clique em OK

40 Feito isto, clique em Configuração Avançada na aba Configurações de Administração, selecione Criar Objetos de Configuração Padrão. Para finalizar, clique em OK e OK. Acesse novamente o Cliente LDAP, clique em Configuração Avançada na aba Configurações de Administração, clique em Configurar Informações de Gerenciamento de Usuário..., digite a senha do servidor LDAP. Em Módulo de Configuração, selecione userconfiguration. Agora mude os valores dos atributos susemaxpasswordlength para 20 e suseminpasswordlength para 8. Esses valores representam o valor máximo e mínimo da senha. Após feito essa configuração clique em Configurar Modelo

41 Nessa tela clique homedirectory e mude o nome do caminho para /home/usuarios/%uid. Digite em Filtro a palavra samba após clique em Servidor do Samba, como demostra a figura abaixo: Digite o nome do Domínio (use a sigla de sua OM, exemplo COM4DN )

42 Em Instalação do Samba: Passo 2 de 2 selecione Controlador de Domínio Primário (PDC) depois clique em Avançar. Marque a opção Durante a inicialização, Abrir Porta no Firewall. Na aba Identidade selecione Suporte de Servidor WINS e marque Usar WINS para Resolução de Nomes de Hosts em Nome de Grupo de Trabalho ou Domínio, repita o nome de domínio definido no Passo 1. Em Nome de Host NetBIOS, coloque o nome que foi dado ao servidor (Ex.: com4dn-arq)

43 Clique na aba Configurações LDAP, em seguida clique em Usar Back-End de senha do LDAP depois clique em Sim. Digite a senha do LDAP e clique em Testar Conexão depois clique em OK e OK. Em seguida defina a senha do usuário root do samba, usado para colocar as estações de trabalho no domínio

44 Dando continuidade na configuração do LDAP, digite em Filtro a palavra usu após clique em Gerenciamento de Usuário, como demostra a figura abaixo: Selecione a aba Usuários e vá a Configurar Filtro e clique em Personalizar Filtro.... Marque a caixa Usuário LDAP. Faça o mesmo agora com o Grupos LDAP

45 8. ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIO E GRUPO Vamos entender um pouco mais sobre como funciona o SAMBA. O PDC Samba é baseado na tecnologia do Windows NT Server, logo ele possui todos os grupos de usuários do mesmo. Os principais grupos de usuários de um domínio NT são: DOMAIN USERS: grupo de usuários do domínio. Os privilégios deste grupo são copiados do grupo "Usuários" das estações Windows; DOMAIN GUESTS: grupo de usuários convidados do domínio. Obtém os mesmos privilégios do grupo "Convidados" das estações Windows; DOMAIN ADMINS: grupo de administradores do domínio (é o que mais nos interessa neste momento). Copia os privilégios do grupo "Administradores" das estações Windows. Quando falo em "obter" ou "copiar" privilégios, é exatamente esta a ideia: tudo o que é permitido ao grupo Usuários numa estação Windows é permitido ao grupo Domain Users, e assim por diante. Tratase do conceito de HERANÇA. Por padrão, nenhum destes grupos tem um correspondente no Linux então tais grupos precisam ser criados para assegurar o bom funcionamento do domínio sendo está uma função do administrador. O Samba também realiza uma espécie de mapeamento da estrutura de arquivos do UNIX (Linux) para a estrutura do NT (Windows) na ocasião da transferência de arquivos entre ambos. Um exemplo de valor para o nosso caso de uso é o mapeamento das permissões de escrita/leitura nos compartilhamentos que o samba realiza. Por exemplo, para um compartilhamento chamado oficiais criamos um grupo UNIX de mesmo nome e fazemos ser correspondente ao grupo DOMAIN USERS do NT. Assim, todos os usuários que pertencem ao grupo terão permissão de acordo com a política definida para esse grupo. Para você entender como funciona esse mapeamento de grupo UNIX para NT, tem que entender primeiro como funciona os SID's e RID's do Windows.: SID's servem para identificar objetos dentro do sistema como usuários, grupos de usuários, entre outros. Os RID's identificam recursos e propriedades de objetos no sistema. Exemplo: o SID de um usuário deve conter o RID que o identifique como administrador ou como um usuário normal dentro do sistema. Para mapear um grupos UNIX para o grupo NT "Domain Admins" você precisa associar o RID deste ao grupo UNIX escolhido. Nota: O mesmo procedimento deve ser feito com os grupos UNIX destinados ao usuários. aplicação: Segue abaixo os grupos NT e suas respectivas RID que possuem mais importância em nossa Domain Admins RID = 512 Domain Users RID = 513 Domain Guests RID = 514 Dito isto vamos aprender como criar os grupos e definir seus respectivos RID de acordo com a necessidade

46 8.1. CRIANDO GRUPOS Obs.: Cadastre primeiramente todos os grupos e só depois cadastre os usuários. Escreva sempre o nome em caixa baixo e não use acentuações ou ç. Navegue pelo Yast2, em filtro digite usu, no lado direito selecione o Gerenciamento de Usuários... Neste momento será requisitada a senha do LDAP, será exibida uma tela semelhante à de baixo. Digite a senha. Na tela clique na aba Grupos, depois clique em Adicionar, como na figura abaixo:

47 Feito isto, vamos criar os grupos. Primeiramente criaremos o grupo Administradores e definiremos sua RID. Clique em Adicionar e será exibido a tela Novo Grupo LDAP, como na figura: Escreva Administradores em Nome de Grupo. Após clique na Aba Plug-Ins. Na aba Plug-ins selecione Gerencie Atributos Samba dos Grupos LDAP após clique em Adicionar e Remover Plugin, isto ativará esse plugin e será semelhante a figura abaixo:

48 Feito isto, selecione Editar Atributos Restantes do LDAP após clique em Iniciar : Neste momento, iremos assemelhar o grupo Administradores, que estamos criando no LDAP, com o Domain Admins do Windows NT, para tal, vamos editar o atributo sambasid e mudar o final do valor RID especifico, colocando o número 512. Selecione o sambasid e clique em Editar. No final desta numeração, apague os últimos 4 dígitos e adicione o SID 512 do grupo Windows NT. Observe a figura abaixo. Obs.: Só faça esse procedimento no grupo Administradores. Se você quiser que um usuário seja administrador e sua estação de trabalho é só marcar o grupo Administradores em Grupos LDAP. Mais a frente, cadastraremos um usuário administrador e um limitado para exemplificar. Feito isto, clique em OK e após em OK. Lembre-se que o Yast só salvará as alterações realizadas até o presente momento após clicar em Opções de Especialista e Gravar Mudanças Agora. Faça esse procedimento a cada cadastro

49 Agora criaremos o grupo cpd. Clique em Adicionar e será exibida a tela Novo Grupo LDAP, como na figura: Escreva cpd em Nome de Grupo. Após clique na Aba Plugins. Na aba Plugins selecione Gerencie Atributos Samba dos Grupos LDAP após clique em Adicionar e Remover Plugin, isto ativará esse plugin e será semelhante a figura abaixo: Feito isto, clique em OK. Retornando a janela Grupos, clique em Opções de Especialista e Gravar Mudanças Agora. Faça esse procedimento a cada cadastro

50 Agora criaremos o grupo secom. Clique em Adicionar e será exibida a tela Novo Grupo LDAP, como na figura: Escreva secom em Nome de Grupo. Após clique na Aba Plugins. Na aba Plugins selecione Gerencie Atributos Samba dos Grupos LDAP após clique em Adicionar e Remover Plugin, isto ativará esse plugin e será semelhante a figura abaixo:

51 Feito isto, clique em OK. Retornando a janela Grupos, clique em Opções de Especialista e Gravar Mudanças Agora. Faça esse procedimento a cada cadastro. Agora criaremos o grupo publico que será comum a todos os usuários cadastrado no sistema. Clique em Adicionar e será exibida a tela Novo Grupo LDAP, como na figura: Escreva publico em Nome de Grupo. Após clique na Aba Plugins. Na aba Plugins selecione Gerencie Atributos Samba dos Grupos LDAP após clique em Adicionar e Remover Plugin, isto ativará esse plugin e será semelhante a figura abaixo:

52 Feito isto, clique em OK. Retornando a janela Grupos, clique em Opções de Especialista e Gravar Mudanças Agora. Faça esse procedimento a cada cadastro. Repita esses procedimentos para cadastrar todos os grupos de sua OM. Lembre-se, só mude o SID do grupo Administradores. Depois de cadastrado todos os grupos clique em OK. O próximo procedimento a ser feito agora é criar os diretórios desses grupos que acabamos de cadastrar. Acesse o terminal gnome, faça o login como root digitando o comando su e em seguida digitando a senha do usuário root do sistema. Se o Terminal Gnome não tiver na tela de Aplicativos Favoritos, clique em Mais Aplicativos. Na tela que se abre, digite Terminal em Filtro e clique em Terminal Gnome no lado direito

53 Chegando ao Terminal Gnome e fazendo o login como root, digite os comandos exibido na figura abaixo: Explicação dos comandos: chmod: Altera as permissões de acesso de arquivos e diretórios. Não altera as permissões de links simbólicos passados na linha de comando, mas sim as permissões dos arquivos aos quais eles se referem. Contudo, ignora completamente links simbólicos durante chamadas recursivas (opção -R). O modo de permissões pode ser especificado usando de um a quatro dígitos octais (variando de 0-7), obtidos pela adição dos bits com valores 4, 2 e 1, sendo que para qualquer dígito omitido assume-se o valor 0. O primeiro dígito seleciona os atributos de identificação do usuário, o segundo do grupo e o terceiro de outros grupos e usuários. Os valores 4, 2 e 1 representam respectivamente leitura, gravação e execução. A soma desses valores vai determinar o tipo de acesso ao arquivo ou diretório e se usar o valor 0 vai tirar toda as permissões. mkdir: Cria um ou mais diretórios e a opção -m configura o modo de permissão igualmente usando no comando chmod. Para criar um diretório para o grupo cpd é feito da seguinte forma: mkdir m 777 /home/grupos/cpd chown: Altera o proprietário e o grupo de arquivos e diretórios. chown R usuário.grupo arquivo

54 Foi criado um diretório chamando lixeira que será usando para armazenar, por um determinar período, os arquivos excluídos pelos usuários dentro dos diretórios compartilhados pelo o servidor de arquivos. Para limpar a essa pasta todo domingo do mês, edite o crontab da seguinte forma: gedit /etc/crontab Adicione a linha * * 7 root rm -rf /home/lixeira/*, assim como mostra a figura acima. Obs.: Para recuperar arquivos deletados pelos os usuários navegue até a pasta lixeira e mova o arquivo o qual deseja recuperar para a pasta do usuário ou grupo CRIANDO USUÁRIOS Nesse momento criaremos três usuários para servir como exemplo. Criaremos o usuário administrador que servirá para administrar as estações de trabalho, o usuário admin4dn que é no caso o administrador do com4dn (use como padrão para cadastrar os usuários, os nomes de login usado no Lotus Notes, isso facilita a administração e identificação dos usuários), cadastraremos por último o usuário com4dn-secom. Antes de cadastrar crie um diretório chamado usuários dentro do diretório /usuários, como mostra a figura abaixo:

55 Navegue pelo Yast2, em filtro digite usu, no lado direito selecione o Gerenciamento de Usuários.... Neste momento será requisitada a senha do LDAP, será exibida uma tela semelhante à de baixo. Digite a senha. Na tela de administração de Usuários e Grupos, clique na aba Usuários. Feito isso selecione o usuário admin (esse usuários será usado para acessar o servidor e administrá-lo), clique em editar depois na aba Detalhes e selecione todos os grupos LDAP em Grupos LDAP e o grupo root em Grupos Adicionais, conforme mostra a figura abaixo. Depois clique em OK

56 Clique em Adicionar, em seguida aparecerá uma tela como a de baixo. Em Último Nome digite administrador, em Nome do Usuário repita o que foi digitado em Último Nome, depois marque Desabilitar Login de Usuário. Esse usuário substituirá o usuário administrador do Windows. Na aba Detalhes em Modo de Permissão... coloque 777, em Grupo Padrão escolha o grupo ao qual o usuário pertence e em Grupos LDAP marque o grupo publico e para promover um usuário a administrador de sua estação de trabalho marque administradores

57 Na aba Plug-ins selecione Editar Atributos Restantes do LDAP e em seguida clique em Iniciar. Selecione displayname clique em Editar e der um nome de exibição para o usuário. Para o administrador, daremos o nome de Administrador. Clique em OK. Selecione departmentnumber clique em editar e digite o nome do grupo ao qual o usuário participa. Clique em OK

58 Selecione employeetype clique em editar e digite a função do usuário. Depois clique em OK. Selecione SambaSID clique em editar e mude os 4 últimos dígitos pelo número 500 (Só faça esse procedimento para o usuário administrador). Depois clique em OK, OK e OK. Feito isto, clique em OK. Retornando a janela Grupos, clique em Opções de Especialista e Gravar Mudanças Agora. Faça esse procedimento a cada cadastro. Por último, acesse o Terminal Gnome, logue como root e altere o proprietário e o grupo do diretório do usuário que acabou de ser cadastrado. Depois digite na linha de comando "net sam set pwnoexp administrador yes" para a senha do administrador não expirar (só aplique para o login administrador e para o root). Faça como mostra a figura abaixo:

59 Dando continuidade ao cadastro dos usuários, volte à janela de cadastro de usuários e clique em Adicionar e logo em seguida aparecerá uma tela como a de baixo. Em Último Nome digite o nome do usuário administrador da rede em Nome do Usuário repita o que foi digitado em Último Nome, depois marque Desabilitar Login de Usuário. Na aba Detalhes em Modo de Permissão... coloque 777, em Grupo Padrão escolha o grupo ao qual o usuário pertence e em Grupos LDAP marque o grupo publico e para promover um usuário a administrador de sua estação de trabalho marque administradores. Coloque o administrador da rede em todos os grupos LDAP e em marque o grupo root em Grupos Adicionais

60 Na aba Plug-ins selecione Editar Atributos Restantes do LDAP e em seguida clique em Iniciar. Selecione displayname clique em Editar e der um nome de exibição para o usuário. Para o com4dn-admin, darei o nome de CB-PD LEANDRO. Clique em OK. Selecione departmentnumber clique em editar e digite o nome do grupo ao qual o usuário participa. Selecione employeetype clique em editar e digite a função do usuário. Depois clique em OK, OK e OK

61 Feito isto, clique em OK. Retornando a janela Grupos, clique em Opções de Especialista e Gravar Mudanças Agora. Faça esse procedimento a cada cadastro. Por último, acesse o Terminal Gnome, logue como root e altere o proprietário e o grupo do diretório do usuário que acabou de ser cadastrado. Esse procedimento evitará acesso indevido de outros usuários ao diretório pessoal do usuário em questão. Faça como mostra a figura abaixo: Depois digite na linha de comando net sam set pwdmustchangenow com4dn-admin yes para forçar a troca de senha no próximo login. Será criado agora um usuário padrão sem promovê-lo a administrador. Clique em Adicionar e logo em seguida aparecerá uma tela como a de baixo. Em Último Nome digite o nome de um usuário qualquer, no exemplo, usurei o com4dn-secom e em Nome do Usuário repita o que foi digitado em Último Nome, depois marque Desabilitar Login de Usuário

62 Na aba Detalhes em Modo de Permissão... coloque 777, em Grupo Padrão escolha o grupo ao qual o usuário pertence e em Grupos LDAP marque o grupo publico. Na aba Plug-ins selecione Editar Atributos Restantes do LDAP e em seguida clique em Iniciar. Selecione displayname clique em Editar e der um nome de exibição para o usuário. Para o com4dn-secom, darei o nome de 2SG-ES JOÃO. Clique em OK. Selecione departmentnumber clique em editar e digite o nome do grupo ao qual o usuário participa

63 Selecione employeetype clique em editar e digite a função do usuário. Depois clique em OK, OK e OK. Feito isto, clique em OK. Retornando a janela Grupos, clique em Opções de Especialista e Gravar Mudanças Agora. Faça esse procedimento a cada cadastro. Por último, acesse o Terminal Gnome, logue como root e altere o proprietário e o grupo do diretório do usuário que acabou de ser cadastrado. Esse procedimento evitará acesso indevido de outros usuários ao diretório pessoal do usuário em questão. Faça como mostra a figura abaixo: Depois digite na linha de comando net sam set pwdmustchangenow com4dn-secom yes para forçar a troca de senha no próximo login. Após cadastrar todos os usuários, acesse o Terminal Gnome, logue como root e digite a seguinte linha de comando: chmod R 777 /usuarios/usuarios/*

64 9. POLITICAS DE SENHA Nessa etapa fazemos a configuração de políticas de senha usando o comando pdbedit. O pdbedit é uma ferramenta que pode ser utilizada para, entre outras coisas, configurar algumas políticas de senha do samba. Com o pdbedit é possível setar o seguinte: maximum password age - validade máxima da senhas (em segundos); minimum password age - validade mínima da senhas (em segundos); min password length - tamanho mínimo (caracteres) da senha; password history - histórico de senhas (não permite o uso das últimas X senhas); bad lockout attempt - número máximo de erros da senha, antes que a conta seja bloqueada; lockout duration - tempo de bloqueio da conta (em minutos); reset count minutes - tempo necessário para resetar o contador de senhas erradas (em minutos); Todas essas políticas podem ser facilmente visualizadas com o comando: pdbedit -P "nome_da_política" A alteração de uma determinada política pode ser realizada com o comando: pdbedit -P "nome_da_política" -C novo_valor_da_política Ou, de forma similar, com o comando: net sam policy set "nome_da_política" novo_valor_da_política ATENÇÃO: a política de senhas é implementada para todo o domínio e não pode ser administrada por conta. ATENÇÃO 2: as políticas do domínio respeitam as configurações específicas das contas. Por exemplo: se você configurar que as senhas dos usuários tem validade máxima de 90 dias, mas quiser que uma determinada conta não tenha sua senha expirada nunca, use o comando: net sam set pwnoexp login-do-usuário yes Para força a troca de senha no primeiro próximo logon: net sam set pwdmustchangenow login-do-usuário yes

65 Configurando a política de senha padrão: Para que a senha do usuário expire a cada 30 dias e ele seja obrigado a mudá-la: pdbedit -P maximum password age -C O tamanho mínimo da senha será de 8 caracteres: pdbedit -P min password length -C 8 Para manter um histórico de senhas usadas pelo usuário para que ele não possa reutilizá-las. Neste caso ele não poderá utilizar as últimas vintes senhas: pdbedit -P password history -C 20 Número máximo de erros da senha, antes que a conta seja bloqueada: pdbedit -P bad lockout attempt -C 3 Tempo de bloqueio da conta (em minutos): pdbedit -P lockout duration -C 1 Tempo necessário para resetar o contador de senhas erradas (em minutos): pdbedit -P reset count minutes -C 5 A senha de root não expira (coloque a senha do root para nunca expirar): net sam set pwnoexp root yes A senha do usuário administrador (login administrativo) nunca expira: net sam set pwnoexp administrador yes

66 10. CONFIGURANDO O SAMBA No final do item 6. CONFIGURAÕES PÓS-INSTALAÇÃO foi feito uma pré-configuração do samba a fim de integrá-lo ao LDAP e assim poder cadastra o grupos e usuários e integrando-os ao samba. Agora você abrirá o arquivo de configuração do samba e anotar em um bloco de nota algumas informações importantes da seção global para ser usada no arquivo de configuração padrão que segue nesse manual. Acesse o Terminal Gnome, logue-se como root e digite o comando gedit /etc/samba/smb.conf, na sequencia abrirá uma tela que edição de texto na qual pode-se fazer modificações no smb.conf. Agora anote as seguintes linhas do arquivo smb.conf: workgroup ldap admin dn ldap suffix netbios name

67 Com essas anotações em mãos, copie o arquivo smb.conf que acompanha esse manual para um pendriver, conecte-o no servidor e copie para a raiz da pasta home. Em seguida acesse o Terminal Gnome, logue-se como root e digite o comando gedit /home/smb.conf, na sequencia abrirá uma tela que edição de texto na qual pode-se fazer modificações no smb.conf. Agora pegue as informações anotadas anteriormente e modifique as linhas workgroup, netbios name, ldap Admin dn, ldap suffix e na linha server string repita no nome da linha netbios name

68 Nesse arquivo já vem configurado as seções netlogon, home, geral, cpd, secom e publico. Se necessário, faça as modificações. A linha veto files bloqueia os arquivos com as extensões cadastradas na linha veto files. Exemplo, se o usuário tentar gravar fotos jpeg ou bmp no servidor, será impedido pelo veto files. Se o administrador quiser liberá a gravação de fotos no servidor é só ir à linha veto files das seções e apaga as extensões *.jpeg, *jpg, *.bmp e assim por diante. Tenha cuidado ao liberá esses tipos de arquivos, veja se é realmente necessário, senão o servidor ficará cheio de arquivos desnecessário, prejudicando o espaço em hd e o backup. Obs.: A linha vfs objects habilita a função lixeira no samba, isso fará com que os arquivos deletados dentro dos compartilhamentos do servidor de arquivo sejam redirecionados para a pasta lixeira que fica em /home/. Veja: Veja agora exemplos das seções dos grupos:

69 Só será possível acessar uma pasta no servidor de arquivos se for feito o compartilhamento no smb.conf através da criação de seções. Por exemplo, se for criado um grupo chamando intendencia com o seu respectivo diretório em /home/grupos, você copiará a seção secom e colará no final do arquivo smb.conf, em seguida mude [secom] para [intendencia], comment = Compartilhamento para o grupo SECOM para comment = Compartilhamento para o grupo INTENDÊNCIA, path = /home/grupos/secom/ para path = /home/grupos/intendencia/, force group = secom para force group = intendencia, write list para write list e read list para read list Feito todas as configurações no smb.conf salve, feche o arquivo e em seguida acesse o Terminal Gnome, logue-se como root e digite o comando cp rp /home/smb.conf /etc/samba/ em seguida digite os comandos service smb restart, service nmb restart, service ldap restart (Execute esses últimos 3 comandos sempre que fizer modificações no ldap ou no samba). Veja figura abaixo: 10.1 CONFIGURANDO O NETLOGON O arquivo netlogon.vbs, que se encontra por padrão em /var/lib/samba/netlogon/, é um script de inicialização que tem entro outras funções a de fazer o mapeamento automático dos compartilhamentos disponível para o usuário autenticado no domínio. Com esse arquivo, podem-se fazer mudanças na estação de trabalho, sincronismo de hora e muito mais. Nesse manual segue anexa uma pasta chamada netlogon com os scripts padrões que deverão ser adaptados ao cenário de sua OM. Copie essa pasta para o pendriver, conecte-o no servidor e copie para a raiz do diretório home. Dentro da pasta netlogon tem o netlogon.vbs, time.vbs, global.cmd que são scripts de logon, a pasta cpd e secom onde tem um papel de parede chamando wallpaper1.bmp que usaremos como papel de parede padrão nas estações de trabalho. Para cada grupo criado crie uma pasta para ele com a imagem dentro da mesma, mantendo sempre o nome wallpaper1.bmp. Obs.: Se o administrador quiser mudar o tipo de imagem do papel de parede, ele deve salvar a imagem no formato bmp com o nome wallpaper1 nos respectivos diretórios do grupo o qual deseja mudar o papel de parede, veja como exemplo a imagem que segue com esse manual

70 Veja exemplo das duas figuras abaixo: Após copiar a pasta netlogon para a raiz do diretório home, acesse o Terminal Gnome, logue como root e execute os seguintes comandos para copiar esta pasta para /var/lib/samba/ : cp rp /home/netlogon /var/lib/samba chown R root.root /var/lib/samba/netlogon chown R root.root /var/lib/samba/netlogon/* chmod R 775 /var/lib/samba/netlogon chmod R 775 /var/lib/samba/netlogon/* Feito todo esse procedimentos, vamos editar agora os scripts de logon para que o usuário tenha acesso aos compartilhamentos e que seja feita algumas configurações padrões em estações de trabalho no âmbito MB

71 Abrindo o netlogon.vbs (comando para abrir o netlogon.vbs é gedit /var/lib/samba/netlogon.vbs) encontraremos as seguintes configurações: Na figura acima, observe a linha servarp= ip-serv-arq, essa variável servirá para receber o nome netbios name ( essa informação você pegará acessando o arquivo de configuração do samba, para acessa o arquivo digite no Terminal Gnome o comando gedit /etc/samba/smb.conf e note o valor da linha netbios name) ou IP do servidor de arquivos. Substitua o nome ip-serv-arq pelo nome recebido pelo netbios name ou IP do servidor. Na figura abaixo, observe que é referente ao mapeamento dos usuários do grupo padrão CPD. A linha case verifica se o usuário logado atualmente é igual ao que esta entre aspa, se for igual será feito o chamamento das funções mapdriver, papel_parede e outras configurações especificas desse usuário, a servir como exemplo, o administrador da rede, que no nosso exemplo é o com4dn-admin, está fazendo o mapeamento do diretório netlogon do qual facilitará a administração do servidor. Substitua o nome com4dn-admin pelo nome do login do administrador da rede. Na case do administrador não modifique, pois esse usuário servirá para substitui o usuário administrador do Windows, fazendo assim o administrador da rede ou outros militares que compõe o cpd não precisará usar o seu login para se logar nas estações de trabalho dos usuários para dar suporte, em vez disso será usado o usuário administrador como usuário padrão para dar suporte

72 Conforme procedimento do item 14. INGRESSANDO MÁQUINAS CLIENTES NO DOMÍNIO para colocar uma estação de trabalho no domínio, coloque a estação de trabalho do administrador da rede no domínio para dar continuação à configuração. Após ingressar no domínio, faça o login com o usuário do administrador da rede que no nosso exemplo é o com4dn-admin. Em seguida acesse o Diretório netlogon, clique com o botão secundário do mouse no arquivo netlogon.vbs clicando em seguida em editar. O arquivo netlogon.vbs será aberto no bloco de notas e a parti dai daremos continuidade a nossa configuração

73 Vamos editar o mapeamento dos usuários do grupo padrão SECOM. Veja exemplo da figura abaixo: Para usuários do grupo padrão SECOM o administrador deverá mudar o nome com4dn-secom pelo no usuário da secom cadastrado no servidor e para mais usuários da secom, deverá selecionar desde a linha case com4dn-secom até Call papel_parede copiar, pular umas duas linhas e em seguida colar, trocar o nome do login com4dn-secom pelo do usuário do grupo SECOM, criando assim uma case para fazer o mapeamento dos compartilhamentos ativo para o novo usuário criado. Exemplo: case "nome do novo usuário" Call mapdriver Call papel_parede Para desabilitar alguma função use o aspa simples ( ) para comentar a linha da função a qual deseja-se desabilitar. Exemplo, para desabilitar a função papel_parede coloque a aspa simples na frente do Call. Call papel_parede Para fazer o mapeamento de usuários de outros grupos padrões, copie abaixo do bloco...grupo padrão SECOM o script abaixo e faça as mudanças. ''''''''''Mapeamento dos Usuários do grupo padrão NOVO''''''''''''' case "novo-grupo" Select Case usuario case "nome-usuario" Call mapdriver Call papel_parede End Select

74 Exemplo criação de um bloco para o grupo da intendência. A figura abaixo mostra a função para fazer o mapeamento dos compartilhamentos de rede. São feito o mapeamento do diretório publico com letra P, do usuário com letra U, dos grupos com suas respectivas letras (não repita a letra, use sempre letras de unidade disponíveis no sistema), logo depois do mapeamento é feito o sincronismo da hora com o servidor de arquivo, depois é enviado uma mensagem de boas vindas para o usuário

75 Para fazer com que o script mapeie os outros compartilhamentos de grupos deferente desse que segue como exemplo nesse manual, crie uma condição ( If ) abaixo de End If da condição que faz o mapeamento do publico. Veja exemplo da figura abaixo de um novo mapeamento: Logo no começo da função global é feito a desconexão dos compartilhamentos de rede, para cada compartilhamento criado pelo administrador deve-se criar uma condicional para fazer a desconexão desse compartilhamento no inicio do login do usuário. Para isso copie uma das condicionais e cole abaixo da ultima condição de desmapeamento de unidade de rede e mudar a letra pela letra usada pelo mapeamento do novo compartilhamento criado. Veja figura abaixo:

76 Em seguida vem os comandos para criar chave no registro para o Argos e para o Internet Explorer. Foi considerado com local padrão do diretório do Argos o diretório C:\Arquivos de Programas\, se você instalou o Argos em outro local, modifique no script a linha onde tem C:\Arquivos de Programas\ para o local onde esta instalado o Argos. Veja também no bloco Internet Explorer que tem as linhas para configurar o proxy e para seta a pagina inicial no navegado, coloque nessa linha o proxy padrão de sua área de jurisdição e coloque a pagina inicial padrão usada na sua OM. Acessão adição do arquivo global.cmd, encontraremos três linhas que criará chaves no registro para o MBNetUsu, TOUROS e o ARGOS, se você instalou o MBNetUsu e/ou TOUROS em outro local diferente, mude nesse script as linhas onde indica o local do arquivo de execução desses programas. O arquivo time.vbs serve para fazer com que as estação de trabalho faça logoff se o usuário não responder o termo de responsabilidade em 2 minutos

77 Os scripts de inicialização que acompanha esse manual adiciona automaticamente chaves no registro do Windows que serve para configurar a área de trabalho do Argos e para fazer com que o Touros e o MBNet rode em modo de compatibilidade com Windows 2000 para funcionamento dos mesmos no Windows 7. Veja o parte netlogon.vbs e o global.cmd: Parte do netlogon.vbs. global.cmd Repare que esta se levando em consideração a instalação do Argos no diretório C:\Arquivos de Programas e a do MBNet e Touros na raiz da partição C:\, se for mudar o local padrão não esquecer de mudar no script o caminho dos mesmo

78 11. FIREWALL Vamos agora fazer a configuração personalizada do Firewall. Em Filtro digite Firewall e em seguida no lado direito da janela clique em Firewall. Selecione Desabilitar Início Automático do Firewall, depois clique em Parar Firewall Agora, logo em seguida clique em Avançar e em Encerrar. Segue anexo a esse manual um script de configuração do firewall, copie para o diretório /home/ e em seguida na linha de comando digite gedit /home/firewall.sh para fazer a edição do mesmo. Procure nesse script pelas linhas de configuração do SSH e troque o IP pelo IP da maquina cliente (maquina remota que vai acessar o servidor via SSH), se você quiser que outra máquina acesse o servidor via SSH é só copiar a linha iptables A INPUT p tcp s ip-de-origem dport 22 J ACCEPT (esse ip-de-origem é o ip da maquina que você quer que acesse o servidor via SSH). Feito essa adaptação, copie esse script para /bin usando o comando cp rp /home/firewall.sh /bin, depois inicie o firewall da seguinte forma: digite sh /bin/firewall.sh start. Para interromper a execução do firewall, digite sh /bin/firewall.sh stop. Para fazer com que o firewall inicie junto com o sistema operacional, edite o arquivo boot.local executando o comando gedit /etc/init.d/boot.local e adicione no final do arquivo a linha sh /bin/firewall.sh start, isso fará o firewall iniciar no boot do sistema

79 12. GERENCIANDO QUOTA DE DISCO Na instalação do sistema operacional, precisamente na etapa de particionamento do HD, onde foi feito os particionamentos, habilitamos a gerencia de quota de disco na partição /home. Se esse procedimento ainda não foi feito, acesse o yast e em filtros digite Particionador como mostra a figura abaixo: Na janela do Particionador Técnico, no lado esquerdo, vá a Discos Rígidos e selecione o disco onde esta a partição home, no nosso exemplo é o sda. Agora no lado esquerdo da janela na aba Partições, selecione a partição /home e clique em Editar

80 Clique em Opções do Fstab e na tela de edição do Fstab, marque a opção Habilitar Suporte a Cotas, depois clique em OK e Encerrar. Agora vamos à configuração da quota para os usuários e para os grupos. Primeiramente será feito a configuração de quota dos usuários. A quota é atribuída em Byte, começando em 1(um) Byte, então para atribuir uma quota de 1 GByte para um usuário colocaremos o valor Bytes que é igual a 1 GByte, para 2GB é só multiplicar esse valor por 2 e assim por diante para outros valores. edquota: Comando utilizado para edição de quota. Ele é usado junto com a opção u para edição de usuários e g para edição de grupos. A opção p serve para replicar a quota de um usuário para outro usuário e de um grupo para outro grupo. No terminal de comando e logado com super-usuário root digite: edquota u com4dn-admin (com4dn-admin é o usuário de nosso teste, use os usuários cadastrados no seu servidor LDAP). Após digitar esse comando abrirá uma tela de edição de quota. Segue exemplo: Atribui para o nosso usuário com4dn-admin uma quota de 2GB, que em Byte vale Depois de abrir a janela de edição de quota para usuário, clique no botão Insert do teclado para possibilitar a edição e navegue até a coluna soft e digite o tamanho da quota, no nosso exemplo o valor é , depois navegue até a coluna hard e repita o mesmo valor digitado na coluna soft. Depois clique no botão Esc do teclado e em seguida digite :wq para salvar e sair da edição

81 Para replicar a quota atribuída a um usuário para outro usuário, faça como mostra o exemplo abaixo: edquota -p com4dn-admin -u com4dn-secom Agora vamos atribuir quota para os grupos cpd e secom. Segue exemplo: edquota -g cpd No exemplo acima foi atribuída uma quota de 20 GB para partição do grupo cpd. Feito essa atribuição, clique no botão Esc do teclado e em seguida digite :wq para salvar e sair da edição. edquota -g secom Aqui foi atribuída uma quota de 10 GB para partição do grupo secom (/dev/sd8. Clique no botão Esc do teclado e em seguida digite :wq para salvar e sair da edição. Para replicar a quota atribuída a um grupo para outro grupo, faça como mostra o exemplo abaixo: edquota -p secom -g publico Como se pode perceber, grupo publico passou ter 10GB de quota como o grupo secom, pois com essa linha de comando foi feita a replica de quota da secom para o publico

82 13. INSTALANDO O SERVIDOR FTP Nessa etapa, instalaremos o servidor ftp que servirá para armazenar arquivos de suporte, podendo assim ser acessado com mas facilidade e agilizando o atendimento a usuários. Navegue pelo Yast2, em filtro digite usu, no lado direito selecione o Gerenciamento de Usuários.... Em Configurar Filtro, selecione Usuários Locais. Clique em Adicionar e cadastre o usuário chamando suporte

83 Na aba Detalhes, digite em Diretório Home o caminho /home/suporte e em Grupo Padrão, selecione o grupo ftp, depois clique em OK e OK. Copie a pasta chamada ftp que acompanha esse manual para o diretório /home e no Terminal Gnome navegue até a pasta proftpd-1.3.4a, digitando cd /home/ftp/ proftpd-1.3.4a. Agora digite./configure --sysconfdir=/etc/proftpd --prefix=/etc/proftpd. Depois de terminado a compilação do pacote digite make, depois make install. Terminado a instalação, copie o arquivo proftpd.conf que esta na pasta ftp para /etc/proftpd executando o comando cp rp /home/ftp/proftpd.conf /etc/proftpd. Agora inicie o serviço digitando /etc/proftpd/sbin/./proftpd. Para fazer com que o servidor ftp inicie junto com o sistema operacional, edite o arquivo boot.local executando o comando gedit /etc/init.d/boot.local e adicione no final do arquivo a linha /etc/proftpd/sbin/./proftpd, isso fará o servidor ftp iniciar no boot do sistema. Para interromper o serviço ftp digite no terminal gnome killall proftpd

84 Para acessar o servidor ftp a partir das estações de trabalho dos usuários, digite ftp://ip-do-ftp na barra de endereço do Windows Explorer, tanto no Windows 7 quanto no Windows XP, e logo em seguida é pedido usuário e senha, digite suporte e a senha que você atribuiu a esse usuário. Veja exemplo: Procedimento No Windows 7: Procedimento No Windows XP:

85 14. INGRESSANDO MÁQUINAS CLIENTES NO DOMÍNIO 14.1 WINDOWS XP Neste ponto já configuramos todos os pontos relevantes no servidor Samba faltando somente ingressar as máquinas clientes no Domínio. Antes de tudo, execute um teste de conectividade, neste exemplo o ip do servidor é Faça um ping usando o cmd, como demostra a figura: O teste sendo positivo abra o status da sua conexão de rede, como mostra a figura abaixo:

86 Na tela Status de Conexão local 2 clique em Propriedades e selecione Protocolo TCP/IP Clique em Propriedades e na tela Propriedades de Protocolo TCP/IP clique em Avançado

87 Na tela Configurações TCP/IP Avançadas, clique na aba WINS ; selecione Ativar NetBios sobre TCP/IP após clique em Adicionar e digite o IP do servidor samba, como exemplifica a figura abaixo: Terminado essa configuração, vá ao menu Iniciar Executar e digite gpedit.msc

88 Na janela de Diretivas de grupo acesse o menu Modelos administrativos em Configuração do computador. No sub-menu Sistema, acesse o Perfis de usuário e no lado direito da janela ative a opção Só permitir perfis de usuário locais, conforme mostra a figura abaixo. Para o sincronismo de hora funcionar no perfil de um usuário limitado, deve-se fazer o seguinte procedimento: Na janela de Diretivas de grupo acesse o menu Modelos administrativos em Configuração do computador. Em Configurações do Windows, acesse Diretivas locais, Atribuição de direitos de usuário e no lado direito da janela adicione o grupo Todos em Alterar a hora do sistema, conforme mostra a figura abaixo

89 Obs.: O procedimento abaixo serve para permitir o Argos funcionar com usuários limitado. Indo novamente no menu Iniciar Executar, digite regedit para acessar o registro do Windows XP. Clique com o botão secundário do mouse em HKEY_CLASSES_ROOT, depois em Permissões. Na janela de Permissões para HKEY_CLASSES_ROOT, clique em Avançado

90 Na aba Permissões clique em Adicionar, logo em seguida abrirá uma janela para pesquisa de grupos e usuários. Na caixa em branco, digite o nome Todos e em seguida clique em OK. Marque a caixa Controle total, depois clique em OK. Agora marque a caixa Substituir as entradas de permissão... e em seguida clique em OK

91 Após a instalação do Argos, adicione o grupo Todos na pasta do Argos e de controle total. Se a aba de Segurança não aparecer no Windows XP, acesse o menu Ferramenta, Opções de Pasta, na aba Modo de exibição, desmarque a caixa Usar compartilhamento simples de arquivos.... Para os computadores que usarem o MBNet e o Touros segue abaixo os passos usado para permitir os mesmo funcionar com usuário com poder limitado (execute como Administrador local). Para o MBNet: 1 - Adicione o grupo Todos na pasta Borland, que estar em C:\Arquivos de Programas, e de controle total. 2 - Adicione o grupo Todos na pasta MBNetUsu, que estar na raiz C:\, e de controle total. 3 - Senão for usar o script de inicialização que acione chave no registro para MBNet, será necessário fazer esse procedimento manualmente, para isso acesse o prompt de comando do Windows e execute o comando abaixo: REG ADD HKCU\Software\Microsoft\Windows" "NT\CurrentVersion\AppCompatFlags\Layers /v C:\MBNetUsu\MBNetUsu.exe /t REG_SZ /d WIN2000 /f 4 Após adicionar o clico de vida do MBNet, adicione o grupo Todos no arquivo PDOXUSRS.NET, que estar em C:\, e de controle total. Para o Touros: total. 1 - Adicione o grupo Todos no arquivo Touros.ini, que estar em C:\Windows, e de controle 2 - Adicione o grupo Todos na pasta TOUROS, que estar na raiz C:\, e de controle total. 3 - Senão for usar o script de inicialização que acione chave no registro para Touros, será necessário fazer esse procedimento manualmente, para isso acesse o prompt de comando do Windows e execute o comando abaixo: REG ADD HKCU\Software\Microsoft\Windows" "NT\CurrentVersion\AppCompatFlags\Layers /v C:\TOUROS\TOUROS.exe /t REG_SZ /d WIN2000 /f

92 Para colocar o computador no Domínio vá à propriedade do Sistema e clique na aba Meu Computador com botão direito vá em Propriedades e selecione a aba Nome do Computador. Após, clique em Alterar. Se tiver que mudar o nome do computador, mude antes de colocá-lo no Domínio. Na tela Alterações de Nome de Computador selecione Domínio e digite o nome do domínio e clique em OK. Neste ponto o sistema vai pedir usuário e senha. Use o root, pois este usuário tem o poder de adicionar máquinas no domínio. Observe que a participação do root termina aqui. Nunca logue em nenhuma máquina como root. Caso precise de permissões de administrador em alguma máquina cliente use algum usuário que você tenha definido no grupo Administrador. Depois, clique me OK e contemple a tela abaixo:

93 14.2 Windows 7 Professional Depois de muitos testes e configurações e graças a um Hotfix da Microsoft, finalmente conseguimos homologar um procedimento que permitisse o login das estações com Windows 7 Professional, no domínio SAMBA, sem que o Admin tenha que modificar manualmente o registro do Windows ou realizar configurações obscuras no SAMBA. Nota: Os passos descritos abaixo só funcionam em estações com o Windows 7 Professional ou Ultimate, sendo assim, máquinas com Windows 7 Home não logam devido a limitações impostas pela própria Microsoft. Afinal uma máquina licenciada para ser utilizada em casa (Windows 7 Home) não necessita logar em uma rede corporativa, como a criada pelo SAMBA. Repita o teste de ping descrito no item anterior para certificar a conectividade com o servidor samba. Faça a configuração da placa de rede conforme segue abaixo. Em Painel de Controle > Central de Rede e Compartilhamento clique em Conexão Local Será exibida a tela Status de Conexão Local. Clique em Propriedades :

94 Em Propriedade de Conexão Local selecione Protocolo TCP/IP Versão 4 (TCP/IPv4) e, após, clique em Propriedades, como na figura: Neste ponto será exibida a tela abaixo, nela clique em Avançado. Na tela que será exibida clique na aba WINS e depois em Adicionar, como na figura :

95 Digite o IP do seu servidor SAMBA e clique me Adicionar como na figura Agora em Configuração NetBIOS selecione Ativar NetBIOS sobre TCP/IP, como na figura: Depois destes passos siga clicando em OK e em Fechar até finalizar todos os aplicativos. Neste momento vamos EXECUTAR NA MAQUINA CLIENTE o arquivo Win7_Samba3DomainMember e depois Windows6.1-KB v2-x86.msu (NESTA ORDEM) que acompanham nosso manual. Após estes passos reinicie a maquina cliente. Terminado essa configuração digite gpedit.msc em Ver mais resultados do menu iniciar do Windows

96 Na janela de Editor de Diretivas de Grupo Local acesse o menu Modelos administrativos em Configuração do computador. No sub-menu Sistema, acesse o Perfis de usuário e no lado direito da janela ative a opção Só permitir perfis de usuário locais, conforme mostra a figura abaixo. Para o sincronismo de hora funcionar no perfil de um usuário limitado, deve-se fazer o seguinte procedimento: Na janela de Diretivas de grupo acesse o menu Modelos administrativos em Configuração do computador. Em Configurações do Windows, acesse Configuração de segurança, Diretivas locais, Atribuição de direitos de usuário e no lado direito da janela adicione o grupo Todos em Alterar a hora do sistema, conforme mostra a figura abaixo. Indo novamente no menu Iniciar digite regedit em Ver mais resultados

97 Obs.: O procedimento abaixo serve para permitir o Argos funcionar com usuários limitado. Clique com o botão secundário do mouse em HKEY_CLASSES_ROOT, depois em Permissões. Na janela de Permissões para HKEY_CLASSES_ROOT, clique em Avançado

98 Na aba Permissões clique em Adicionar, logo em seguida abrirá uma janela para pesquisa de grupos e usuários. Na caixa em branco, digite o nome Todos e em seguida clique em OK. Marque a caixa Controle total, depois clique em OK. Agora marque a caixa Substituir as entradas de permissão... e em seguida clique em OK

99 Quando for instalar o Argos adicione o grupo Todos na pasta do Argos e de controle total. Depois apague a dll ArgosSc.dll que, no Windows 7 (32bits), se encontra no diretório C:\Windows\System32 e no Windows 7 (64bits), se encontra no diretório C:\Windows \syswow64. Se tiver instalado o plugin NotesArgos, apague também essa mesma dll no diretório c:\lotus\notes, caso tenha instalado o cliente lótus na raiz da partição C:\. Para os computadores que usarem o MBNet e o Touros segue abaixo os passos usado para permitir os mesmo funcionar com usuário com poder limitado (execute como Administrador local). Para o MBNet: 1 - Adicione o grupo Todos na pasta Borland, que estar em C:\Arquivos de Programas, e de controle total. 2 - Adicione o grupo Todos na pasta MBNetUsu, que estar na raiz C:\, e de controle total. 3 - Senão for usar o script de inicialização que acione chave no registro para MBNet, será necessário fazer esse procedimento manualmente, para isso acesse o prompt de comando do Windows e execute o comando abaixo: REG ADD HKCU\Software\Microsoft\Windows" "NT\CurrentVersion\AppCompatFlags\Layers /v C:\MBNetUsu\MBNetUsu.exe /t REG_SZ /d WIN2000 /f 4 Após adicionar o clico de vida do MBNet, adicione o grupo Todos no arquivo PDOXUSRS.NET, que estar em C:\, e de controle total. Para o Touros: total. 1 - Adicione o grupo Todos no arquivo Touros.ini, que estar em C:\Windows, e de controle 2 - Adicione o grupo Todos na pasta TOUROS, que estar na raiz C:\, e de controle total. 3 - Senão for usar o script de inicialização que acione chave no registro para Touros, será necessário fazer esse procedimento manualmente, para isso acesse o prompt de comando do Windows e execute o comando abaixo: REG ADD HKCU\Software\Microsoft\Windows" "NT\CurrentVersion\AppCompatFlags\Layers /v C:\TOUROS\TOUROS.exe /t REG_SZ /d WIN2000 /f

100 Agora acesse Painel de Controle > Sistema e Segurança > Sistema, depois clique em Configurações avançadas do sistema, como na figura: Na tela de Propriedades do Sistema clique na aba Nome do Computador, como exemplificado na figura: E depois no botão Alterar Na tela seguinte clique em domínio e digite o nome de domínio que definimos para o SAMBA. Se tiver que mudar o nome do computador, mude antes de colocá-lo no Domínio

101 Neste exemplo o nome do domínio samba é com4dn, como no exemplo: Após, clique em OK e será exibida a tela abaixo, solicitando a primeira autenticação no domínio. Nota: Esse primeiro login é o mais importante, pois é o que inscreve a máquina no domínio e deve ser feito como ROOT. Será exibida a tela abaixo. Clique em OK. Após, reinicie a sua estação de trabalho. Após a execução desses passos, o seu SAMBA e as estações de trabalho estarão configuradas e funcionando

102 15. TRABALHANDO COM COMANDOS Serão passados agora alguns comandos de grandes utilidades para a administração do servidor de arquivo. Comando para fazer backup do LDAP: slapcat v b dc=siglaom,dc=mb -l /home/bkp-ldap.ldif Comando para restaurar a base do LDAP: cp rp /var/lib/ldap /home rm r /var/lib/ldap/* slapadd l /caminhodobackup/bkp-ldap.ldif Comando de manipulação de arquivos e diretórios: chmod: Altera as permissões de acesso de arquivos e diretórios. Não altera as permissões de links simbólicos passados na linha de comando, mas sim as permissões dos arquivos aos quais eles se referem. Contudo, ignora completamente links simbólicos durante chamadas recursivas (opção -R). O modo de permissões pode ser especificado usando de um a quatro dígitos octais (variando de 0-7), obtidos pela adição dos bits com valores 4, 2 e 1, sendo que para qualquer dígito omitido assume-se o valor 0. O primeiro dígito seleciona os atributos de identificação do usuário, o segundo do grupo e o terceiro de outros grupos e usuários. Os valores 4, 2 e 1 representam respectivamente leitura, gravação e execução. A soma desses valores vai determinar o tipo de acesso ao arquivo ou diretório e se usar o valor 0 vai tirar toda as permissões. chown: Altera o proprietário e o grupo de arquivos e diretórios. chmod R usuário.grupo arquivo mkdir: Cria um ou mais diretórios. Para criar um diretório para o grupo cpd por exemplo é feito da seguinte forma: mkdir /grupos/grupos/cpd chmod R 770 /grupos/grupos/cpd chown R root.cpd /grupos/grupos/cpd smbmout: Comando utilizado para montar Sistemas de Arquivos Windows no Linux. smbmout //server/docs //media/rede o username=gerente,password=123,workgroup=domínio smbumount: Utilizado para desmontar Sistemas de Arquivos Windows no Linux. smbumount /media/rede/

103 smbstatus: Lista todos as conexões existentes no Servidor e algumas informações do usuário, o que é muito útil para que arquivos estão abertos pelos usuários. Segue exemplo: smbstatus u gerente Para ver todos os usuários pausadamente: smbstatus more smbtree: Lista todas as máquinas ligadas e lista os compartilhamentos de cada uma delas. Segue exemplo: smbtree testparm: Testa o samba a procura de erros. Usando a opção V é exibido a versão do samba. Segue exemplo: testparm Para ver a versão do samba: testparm V findsmb: Um comando útil que lista os IPs x Nomes das máquinas Windows/Samba na rede. Seque exemplo: findsmb net getlocalsid: Exibe o SID do servidor samba. Segue exemplo: net getlocalsid Este retornará algo semelhante como: SID for domain COM4DN-ARQ is: S net setlocalsid: Utilizado para trocar o SID do servidor. Muito útil para fazer migração de servidor. Segue exemplo: net setlocalsid [SID Coletado] net setlocalsid S

104 16. FAZENDO BACKUP DO SISTEMA É muito importe o backup diário do sistema, principalmente do LDAP e do SID do servidor de arquivos. Abaixo mostrarei os arquivos que deverão ser feito o backup: /etc/passwd: Arquivo que possui a lista de usuários do sistema Linux; /etc/shadow: Arquivo que armazena as senhas criptografadas caso estiver usando o recurso de senhas ocultas; /etc/group: Arquivo que possui as informações sobre os grupos de usuários do sistema; /etc/samba/smb.conf: Arquivo de configuração do samba; /var/lib/samba/netlogon: Diretório de netlogon para logins de uma sessão do domínio. Execute os comandos abaixo para fazer backup do LDAP e do SID: slapcat v b dc=siglaom,dc=mb -l /tmp/bkp-ldap.ldif net getdomainsid > /tmp/bkp-sidsever.txt Sabendo os arquivos que deverão ser feito o backup e executado os comandos para fazer backup do LDAP de SID, execute o comando abaixo: tar czvpf /home/bkp-sistema.tar.gz /tmp/bkp-ldap.ldif /tmp/bkp-sidserver.txt /etc/passwd /etc/shadow /etc/group /bin/firewall.sh /etc/init.d/boot.local /etc/crontab /var/log/ /var/spool/mail/root /etc/samba/ /var/lib/samba/netlogon/ Depois de feito do backup das configurações de sistema, recomendam-se copiar diariamente para um dispositivo de armazenamento externo (o armazenamento externo deve estar em NTFS, se tiver em FAT32 não vai copiar arquivos maior que 4GB) o diretório home. Crie um diretório no dispositivo de armazenamento externo chamando backup-servarq e em seguida faça o backup do servidor. Segue exemplo: mkdir m 777 /media/nome-do-hd-externo/backup-servarq tar czvpf /media/nome-do-hd-externo/backup-servarq/backup-servarq.tar.gz /home Será criado um arquivo compactado do diretório home no HD externo, dentro da pasta backupservarq, chamado backup-servarq.tar.gz

105 17. RECUPERANDO BACKUP DO SISTEMA Para extrair os arquivos compactados no HD externo, faça: mkdir m 777 /media/nome-do-hd-externo/backup-servarq/restaure-servarq cd /media/nome-do-hd-externo/backup-servarq/restaure-servarq tar xzvpf /media/nome-do-hd-externo/backup-servarq/backup-servarq.tar.gz O arquivo compactado foi extraído para a pasta "restaure-servarq", onde o administrador poderá recuperar os arquivos. Use o comando "cp -rp /origem /destino" para fazer essa restauração, pois o mesmo mantém as permissões dos arquivos. Feito essa restauração, verifique as permissões e dono dos arquivos e diretório com o comando "ls -ld /partição/*". Ser tiver tudo trocado, use os comandos "chown" e "chmod" para fazer as modificações nos diretórios e arquivos. Veja como usar esses comandos no item "15. TRABALHANDO COM COMANDOS". Em uma mudança ou reinstalação do servidor de arquivos, aplique primeiramente o SID do servidor antigo com o comando net setdomainsid [SID Coletado], antes de integrá-lo ao servidor LDAP. No nosso exemplo o SID foi copiado para /home/bkp-sistema/bkp-sistema.tar.gz. Descompacte esses arquivos e copie os arquivos e pastas do backup feito do sistema antigo para seus respectivos diretórios. Para descompactar o bkp-sistema.tar.gz, digite na linha de comando: mkdir m 777 /home/restaure-sistema cd /home/restaure-sistema tar xzvpf /home/bkp-sistema.tar.gz A restauração da base do LDAP é feita da seguinte forma: /etc/init.d/slapd stop /etc/init.d/ldap stop rm r /var/lib/ldap/* slapadd l /home/restaure-sistema/bkp-ldap.ldif /etc/init.d/slapd start /etc/init.d/ldap start

106 18. MESSAGEM DE ERRO DE VBSCRIPT Acesse o Regedit e navegue até a chame HKEY_CLASSES_ROOT\CLSID\{B54F3741-5B07-11cf-A4B0-00AA004A55E8}\InprocServer32. Clique com o botão direito do mouse em InprocServer32 e clique em Permissões, selecione o grupo administradores e mais abaixo marque a caixa permitir controle total, faça o mesmo com o usuário SISTEMA, depois clique em OK. Veja figura abaixo. Depois de ter dado direito para o administrador modificar a chave InprocServer32, de duplo clique em Padrão e modifique o Dados do valor por C:\Windows\System32\vbscript.dll, clique em OK e feche o regedit. Feito essa modificação no registro do Windows vá ao Menu inicia "Executar" ou tecle em Windows + R e digite os comandos abaixo alternadamente: regsvr32 jscript.dll tecle enter, dê ok regsvr32 vbscript.dll tecle enter,dê ok Reinicie o computador e em seguida entre com a conta do usuário

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Samba Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Conhecido também como servidor de arquivos; Consiste em compartilhar diretórios do Linux em uma rede Windows e visualizar compartilhamentos

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 Duração: 02:45 min INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 1. Inicializar o Virtual PC 2007 e criar uma máquina virtual. a. Salvar em C:\Laboratorio b. O nome da máquina virtual será: Linux_Suse_Seunome.vmc

Leia mais

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações Manual de Instalação de Telecentros Comunitários Ministério das Comunicações As informações contidas no presente documento foram elaboradas pela International Syst. Qualquer dúvida a respeito de seu uso

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Configuração do Servidor Samba como controlador primário de domínio (PDC). O objetivo desse roteiro é mostrar como configurar um servidor Samba PDC compartilhando o diretório home, impressora e um diretório

Leia mais

Como instalar Windows XP

Como instalar Windows XP Como instalar Windows XP 1 Como instalar Windows XP Existem 2 opções para instalar XP: Opção A: para micro novo sem Sistema Operacional instalado (Exemplo de sistema operacional:windows 98, Windows 2000,

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM Manual DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIRGTI 2015 Sumário 1. Introdução... 3 2. Acessando o serviço...

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft Manual de Instalação e Configuração MG-Soft V 1.5.3 www.pinaculo.com.br (51)3541-0700 Sumário Apresentação... 3 1. Instalando o MG-Soft Server... 3 1.1. Liberar as portas do Firewall... 3 1.2. Autorun...

Leia mais

INICIANDO A INSTALAÇÃO

INICIANDO A INSTALAÇÃO INICIANDO A INSTALAÇÃO Abra o leitor de CD do computador que será dedicado ao ÚnicoNET. Coloque o CD que acabamos de gravar com o NERO EXPRESS e reinicie o HARDWARE (CTRL+ALT+DEL), caso não consiga reiniciar

Leia mais

Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Crie um novo disco virtual. Figura 03. Figura 04.

Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Crie um novo disco virtual. Figura 03. Figura 04. Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Figura 03. Crie um novo disco virtual. Figura 04. 2 Escolha o formato de disco padrão do Virtual Box, VDI. Figura 05. Escolha o disco rígido Dinamicamente Alocado. Figura

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi ENDIAN FIREWALL COMMUNITY 2.5.1 OURINHOS-SP 2012 HOW-TO

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS 1. Apresentação O UEG Linux 14.04 LTS é um sistema operacional baseado em Linux e derivado do Ubuntu, customizado pela Gerência de Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade Estadual de Goiás para

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Instalação e Configuração do AD DS no Windows Server 2012 R2 INSTALAÇÃO DO SERVIÇOS DE DOMÍNIO DO ACTIVE DIRECTORY (AD DS)

Instalação e Configuração do AD DS no Windows Server 2012 R2 INSTALAÇÃO DO SERVIÇOS DE DOMÍNIO DO ACTIVE DIRECTORY (AD DS) Instalação e Configuração do AD DS no Windows Server 2012 R2 Sumário... 2 Criando as Unidades Organizacionais... 16 Criando Grupos... 17 Criação de Usuários.... 20 Habilitando a Lixeira do AD DS.... 24

Leia mais

Compartilhando arquivos com o samba

Compartilhando arquivos com o samba Compartilhando arquivos com o samba Para compartilhar arquivos em uma rede local windows, a microsoft utiliza o protocolo smb (server message block). O samba foi criado para que máquinas linux possam compartilhar

Leia mais

Instalação em Dual Boot

Instalação em Dual Boot Manual Instalação em Dual Boot tutorial de instalação Dual boot Windows XP e o Linux Educacional 2.0 Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Instalação em Dual

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

4.0 SP2 (4.0.2.0) maio 2015 708P90911. Xerox FreeFlow Core Guia de Instalação: Windows 8.1 Update

4.0 SP2 (4.0.2.0) maio 2015 708P90911. Xerox FreeFlow Core Guia de Instalação: Windows 8.1 Update 4.0 SP2 (4.0.2.0) maio 2015 708P90911 2015 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Xerox, Xerox com a marca figurativa e FreeFlow são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros

Leia mais

Parâmetros de configuração válidos para todos os clientes na conexão entre redes.

Parâmetros de configuração válidos para todos os clientes na conexão entre redes. DHCP - 1 Introdução aos servidores DHCP Um servidor de protocolo de configuração dinâmica de hosts (DHCP, Dinamic Host Configuration Protocol) é um computador que está executando o Windows NT Server, o

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Arquivo smb.conf comentado

Arquivo smb.conf comentado Arquivo smb.conf comentado ######## Seção global #### Define configurações como nome do servidor, grupo de trabalho, e outras. #### Opções definidas aqui tem efeito em todos compartilhamentos, exceto quando

Leia mais

Roteiro 5: Responsabilidades do AD / Gerenciamento de usuários

Roteiro 5: Responsabilidades do AD / Gerenciamento de usuários Roteiro 5: Responsabilidades do AD / Gerenciamento de usuários Objetivos: Detalhar e Definir responsabilidades em controladores de domínio; Configurar propriedades de contas de usuários; Gerenciar perfis

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View www.cali.com.br - Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View - Página 1 de 29 Índice INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (FIREBIRD E

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft Manual de Instalação e Configuração MG-Soft V 1.5 www.pinaculo.com.br (51)3541-0700 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 1. INSTALANDO O MG-SOFT SERVER... 3 1.1. CRIANDO / ATUALIZANDO BANCO DE DADOS... 6 2. CONFIGURANDO

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Sumário 1 Instalando o Linux Comunicações para Telecentros (servidor) 2 1.1 Experimentar o Linux

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Autor: Eder S. G. - edersg@vm.uff.br Versão: 1.2 Data: 21/11/2012 Última atualização: 07/03/2013 Observação: Máquina real: Sistema operacional

Leia mais

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Este documento explica como instalar ou atualizar o software do sistema no Fiery Network Controller para DocuColor 240/250. NOTA: O termo Fiery

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Recursos, Redes e Samba 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO

GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO Guia Rápido de Instalação Este guia irá orientá-lo na instalação do Nettion Security Software. O guia de instalação do Nettion, que tem como base o sistema operacional Linux,

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

International Syst S/A

International Syst S/A As informações contidas neste documento pertencem à International Syst S/A. Qualquer questão referente à utilização deste documento ou informações contidas no mesmo deverão ser dirigidas à International

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX José Vitor Nogueira Santos FT5 Introdução: O QUE É O SUSE OpenSUSE, é uma distribuição

Leia mais

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Porque usar o Servidor Samba Server? Compartilhamento de arquivos; Servidor de arquivos;

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA

INTRODUÇÃO AO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Nome do Software: Guarux Versão do Software: Guarux Educacional 4.0 INTRODUÇÃO AO SISTEMA O Guarux Educacional 4.0 é uma distribuição idealizada pela

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. Guia de Instalação do SolidWorks 2009 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 04/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e utilização do MG-Soft Server

Manual de Instalação, Configuração e utilização do MG-Soft Server Manual de Instalação, Configuração e utilização do MG-Soft Server V 1.7 www.pinaculo.com.br (51) 3541-0700 Sumário Apresentação... 3 1. Instalando o MG-Soft Server... 3 1.1. REQUISITOS MÍNIMOS... 3 1.2.

Leia mais

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Elaboração: Equipe de Suporte Avançado do CPD SA/SRS/CPD/UnB suporte@unb.br Universidade de Brasília Brasília / 2014 Resumo A

Leia mais

Compartilhamento de arquivos e diretórios

Compartilhamento de arquivos e diretórios Compartilhamento de arquivos e diretórios O compartilhamento de arquivos e diretórios foi uma das aplicações que motivou o desenvolvimento inicial da rede de computadores. 19 E xistem dois protocolos de

Leia mais

Instalação do Linux Educacional 3.0 Bancadas SED

Instalação do Linux Educacional 3.0 Bancadas SED Instalação do Linux Educacional 3.0 Bancadas SED A instalação do Linux Educacional 3.0 segue os mesmos moldes da instalação normal, porém, com algumas considerações. Backup de Configurações Para evitar

Leia mais

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Documento Gerado por: Amir Bavar Criado em: 18/10/2006 Última modificação: 27/09/2008 Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. Guia de Instalação do SolidWorks 2010 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

International Syst S/A

International Syst S/A As informações contidas neste documento pertencem à International Syst S/A. Qualquer questão referente à utilização deste documento ou informações contidas no mesmo deverá ser dirigidas à International

Leia mais

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software Introdução HOW TO Página: 1 de 14 Para fazer a migração/instalação do 6.1 Software, é necessária a instalação do Sistema Operacional Linux Fedora Core 8. Explicaremos passo a passo como formatar a máquina,

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Este arquivo ReadMe contém as instruções para a instalação dos drivers de impressora PostScript e PCL

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Requisitos mínimos de Hardware: Pentium 3 de 500 mhz ou Celeron de 700 mhz ou superior 128 MB de RAM 100 MB livres no disco rígido Requisitos de Software:

Leia mais

Configurando DDNS no Stand Alone

Configurando DDNS no Stand Alone Configurando DDNS no Stand Alone Abra o seu navegador de internet e acesse o endereço http://www.advr.com.tw(ou, http://59.124.143.151 ). Clique em Register para efetuar o cadastro de um novo grupo.(foto

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar WINDOWS XP Wagner de Oliveira ENTRANDO NO SISTEMA Quando um computador em que trabalham vários utilizadores é ligado, é necessário fazer login, mediante a escolha do nome de utilizador e a introdução da

Leia mais

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes.

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes. ACESSO REMOTO Através do Acesso Remoto o aluno ou professor poderá utilizar em qualquer computador que tenha acesso a internet todos os programas, recursos de rede e arquivos acadêmicos utilizados nos

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

International Syst S/A

International Syst S/A As informações contidas neste documento pertencem à International Syst S/A. Qualquer questão referente à utilização deste documento ou informações contidas no mesmo deverão ser dirigidas à International

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-client MSI Versão: 4.2.3 Versão do Doc.: 1.0 Autor: Aline Della Justina Data: 19/11/2010 Documento destinado à: Clientes e Parceiros Alterado por: Release Note: Detalhamento

Leia mais

Configurando o Sistema Operacional TC-OS

Configurando o Sistema Operacional TC-OS Configurando o Sistema Operacional TC-OS O TC-OS é o Sistema Operacional das soluções Thin Clients da ThinNetworks. Foi desenvolvido especialmente para servir a thin clients possibilitando-os se conectar

Leia mais

Obs: É necessário utilizar um computador com sistema operacional Windows 7.

Obs: É necessário utilizar um computador com sistema operacional Windows 7. Instalando os Pré-Requisitos Os arquivos dos 'Pré-Requisitos' estão localizados na pasta Pré-Requisitos do CD HyTracks que você recebeu. Os arquivos também podem ser encontrados no servidor. (www.hytracks.com.br/pre-requisitos.zip).

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Samba - Aspectos Avançados

Samba - Aspectos Avançados Samba - Aspectos Avançados Por Conectiva Informática e Time de Desenvolvimento do Samba Certamente, no momento em que iniciamos a implantação de uma rede, nos deparamos com diversos aspectos não previstos,

Leia mais

INSTALANDO O UBUNTU PELA IMAGEM ISO OU LIVE-USB DA UFV PASSO-A-PASSO.

INSTALANDO O UBUNTU PELA IMAGEM ISO OU LIVE-USB DA UFV PASSO-A-PASSO. INSTALANDO O UBUNTU PELA IMAGEM ISO OU LIVE-USB DA UFV PASSO-A-PASSO. 1 - Qual arquitetura devo usar para instalar no meu computador, 32bits ou 64bits? a) Simplificando bastante para ter uma opção viável,

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Conteúdo Programático! Introdução ao Active Directory (AD)! Definições! Estrutura Lógica! Estrutura Física! Instalação do Active Directory (AD)!

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais