Introdução. Apresentação Arquitetura de 4D Server

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. Apresentação Arquitetura de 4D Server"

Transcrição

1 Manual de 4D Server Introdução 4D Server em 10 minutos Uso de 4D Server Janela de administração de 4D Server Métodos banco de dados 4D Server Uso de um 4D Remoto 4D Server e a linguagem 4D

2 Introdução Apresentação Arquitetura de 4D Server

3 Apresentação 4D Server é o servidor de dados e de aplicações de multiplataforma de 4D. Com o 4D Server, você pode criar e usar banco de dados multiusuários e aplicações personalizados en arquitetura cliente/servidor. A arquitetura cliente/servidor independentemente da plataforma de 4D Server administra pedidos para clientes 4D em Windows e Macintosh. 4D Server inclui desenvolvimento de ferramentas e segurança de dados, escalabilidade completa e conectividade para todas as opções de sistemas da empresa. A arquitetura de 4D Server está totalmente integrada: o cliente e o servidor usam um aplicativo único 4D e os desenvolvedores não precisam projetar aplicativos específicos para o servidor e os clientes. Além disso, o 4D Server é um servidor "zero administração", é fácil de instalar, usar, administrar e é extremamente rentável. 4D Server fecha a lacuna entre sistemas baseados no compartilhamento de arquivos para nível baixo, lento e pouco eficaz e os mais avançados sistemas de RDBMS baseado em SQL que apesar de poderosos são complexos para implantar e evoluir com o tempo. Um aplicativo 4D Server pode ser facilmente integrado aos sistemas de informação existentes nas empresas (tais como Oracle, Sybase ou qualquer servidor compatível com ODBC). 4D Server direciona as necessidades dos grupos de trabalho em empresas de todos os tamanhos. Arquitetura cliente/servidor integrado Um 4D sistema Server funciona com uma aplicação exclusiva para o cliente e o servidor. O software de cliente e o aplicativo de servidor são dois lados do mesmo produto, 4D. A aplicação 4D Server está dividida em duas partes: 4D Server e 4D em modo remoto, que formam a arquitetura cliente/servidor. A parte 4D Server reside na máquina do servidor e armazena e gerencia o banco de dados no servidor e permite aos usuários manipular a base de seus próprios computadores (clientes). A aplicação 4D reside em cada máquina cliente e pode ser usada no modo local ou remoto. Em modo local, os usuários podem trabalhar com um banco de dados ou uma aplicação 4D armazenado localmente em sua máquina. No modo remoto, os usuários acessam à base no servidor e executam operações de banco de dados, como adição de registros, gerar relatórios e modificar o design da base. Tudo pode ser feito com o 4D em modo local utilizando o 4D Server e 4D em modo remoto. Não é necessário nenhum middleware ou desenvolvimentos adicionais para operar em um ambiente cliente/servidor. 4D e 4D Server compartilham as mesmas ferramentas de interface, a mesma linguagem e o mesmo sistema de gerenciamento de informações. Uma aplicação local independente facilmente se transforma em um configuração cliente/servidor para o grupo de trabalho. Da mesma forma, uma aplicação criada com 4D Server passa automaticamente a uma aplicação independente com 4D em modo local. Servidor de dados e de aplicações Zero Administração 4D Server é como 4D, centrado no usuário. 4D Server é um sistema Plug and Play (PNP) completo.

4 Janela de administração de 4D Server Administração centralizada em linha, gráfica: A janela de administração de 4D Server exibe automaticamente informações importantes relacionadas com a atividade do aplicativo: total memória atribuída para o 4D Server, os dados em cachê, número e nome de usuários conectados, número de processos e o estado de cada um, monitoramento de backups e solicitações e atividade dos servidores. Auto configurável e escalável: 4D Server está desenhado para integrar novos protocolos, clientes e plug-ins sem que seja necessário reconfigurar ou fazer reengenharia. Atualização automática e dinâmica das equipes clientes, controle de versões: Todas as equipes de 4D conectadas recebem automaticamente e dinamicamente os novos elementos de uma aplicação cada que a base evolui o que um plugin ou componente de plug-in é adicionado, excluído ou modificado. Além de se há criado uma aplicação de cliente/servidor personalizada, é possível baixar automaticamente as novas versões das aplicações 4D client executável quando a aplicação 4D Server é atualizada. Conexões automáticas assíncronas via o protocolo estandarte TCP/IP: 4D Server e 4D se comunicam de maneira transparente utilizando o protocolo TCP/IP sem importar a plataforma do cliente e do servidor. Como o protocolo TCP/IP está integrado em todos os sistemas operativos, seu uso não requer nenhuma instalação adicional. Gestão simultânea das sessões e dos contextos das conexões 4D, SQL e HTTP: 4D Server cria e mantém automaticamente um ambiente de trabalho atual para cada combinação tabela/processo/usuário. Esta arquitetura baseada nas sessões permitem a cada processo usuário manipular os dados independentemente e simultaneamente. O servidor SQL de 4D Server lida automaticamente as petições SQL internas ou externas. O servidor HTTP de 4D Server responde as petições HTTP e eventualmente as petições SOAP. Bloqueio automático de registros: 4D Server oferece bloqueio e liberação automática dos registros, evitando problemas comuns associados à modificação dos registros em uso. O bloqueio de registros também elimina problemas associados com o bloqueio de páginas os arquivos que se encontram em outros sistemas. Sistema de mensagens usuário integrada: 4D Server oferece todos os aspectos de interface usuário que respondem as necessidades dos entornos de desenvolvimento integrados modernos. Por exemplo, 4D Server pode informar aos clientes das ações de administração que se estão levando a cabo, tais como desconexões e backups. Métodos de inicio e de desconexão automatizados: 4D Server chama automaticamente vários métodos base que respondem a aspectos específicos: On Server Startup, On Server Shutdown, On Server Open Connection, On Server Close Connection, e On Web Connection. Método banco de dados On Server Startup pode inicializar e carregar automaticamente todos os objetos que se utilizarão durante o resto da sessão.

5 Um conjunto de funções inigualáveis Além das funções de 4D, 4D Server oferece as seguintes características: Gestão de dados em ambiente multiusuário: Vários usuários simultaneamente podem executar operações de banco de dados na mesma tabela ou tabelas diferentes, como adicionar, modificar, excluir, pesquisar, classificar e imprimir registros. A integridade dos dados é assegurada por um sistema de bloqueio interno de registros. Desenvolvimento de multiusuário: Vários usuários podem desenvolver e projetar uma base ao mesmo tempo. Por exemplo, membros de uma equipe podem, simultaneamente, modificar os atributos de uma tabela, criar e modificar formas e métodos. A integridade da estrutura está protegida por um sistema interno de objetos de bloqueio. Arquitetura independente da plataforma cliente /servidor: A arquitetura gerencia o desempenho de banco de dados de forma idêntica para os clientes Macintosh e Windows. Incluindo plataformas desenvolvimento plataforma cruzada simultânea ou para operações de dados de entrada e modificação de dados para as equipes em diferentes ambientes materiais. Arquitetura de plug-ins Windows e Mac OS: A versão do Windows e a versão de Mac OS de 4D Server permite que você instale plug-ins Windows e Mac OS X ao mesmo tempo no computador servidor. Essa arquitetura simplifica a distribuição de plug-ins 4D independentemente da plataforma. Os plug-ins são tratadas com transparência por 4D e 4D Server, independentemente da plataforma que executam o cliente. Servidor HTTP integrado: Como 4D em modo local, 4D Server e cada 4D em modo remoto tem um motor HTTP que permite publicar as bases 4D na Web. Sua base de dados pode ser publicada diretamente na Web. Não necessita desenvolver um sistema de base de dados, um site web ou uma interface CGI entre eles. Sua base é seu site web. Também pode transformar toda equipe 4D remoto em um servidor web. Para maior informação sobre o motor web integrado de 4D Server e 4D, consulte a seção SORT ARRAY no manual Linguagem de 4D. Seguridade das conexões via SSL (Secured Socket Layer): Pode criptografar as conexões 4D Server. A arquitetura cliente/servidor clássica pode utilizar os serviços de criptografar SSL. Para maior informação, consulte a seção Criptografar conexões cliente-servidor. Triggers: Um trigger é um método associado a uma tabela. É uma das propriedades da tabela. Você não chama aos triggers; eles são chamados automaticamente pelo motor da base de dados cada vez que manipula os registros da tabela (adicionar, excluir e modificar). Com 4D Server, os triggers se executam na equipe servidor. Todo cliente, bem seja 4D ou uma aplicação conectada via ODBC, está sujeita as regras da base de dados controladas pelos triggers. Para maior informação sobre os triggers 4D, consulte a seção ARRAY REAL no manual Linguagem de 4D. Procedimentos armazenados: Pode criar métodos 4D que se executarão localmente em seu próprio processo na equipe servidor ou em vários equipes clientes. Utilizando a terminologia da indústria cliente/servidor estas funções se chamam procedimentos armazenados. No entanto, 4D Server oferece uma arquitetura que vai além do conceito estandarte dos procedimentos armazenados. Com 4D Server, um procedimento armazenado é em realidade um processo servidor (ou um processo cliente, ver a continuação) que executa o código de maneira assíncrona e independentemente de todos os outros processos executados nos equipes cliente o servidor. Em uma arquitetura cliente/servidor estandarte, um procedimento armazenado executa e devolve um resultado (de maneira síncrona ou assíncrona). Com 4D Server, pode iniciar um procedimento armazenado que se executa durante uma sessão cliente/servidor e que responde a demanda, as mensagens enviados pelos clientes. Simultaneamente, pode lançar outro procedimento armazenado que não interage com os clientes, mas que sincronize os dados com um servidor SQL ou com outro 4D Server, utilizando um plug-in de conectividade 4D ou ODBC. Não há limite (exceto hardware e memória) para o número de procedimentos armazenados que pode executar simultaneamente. Um procedimento armazenado se executa em seu próprio processo e portanto, como qualquer processo usuário, pode manter seu próprio contexto de base de dados (seleção atual). Adicionalmente, a linguagem 4D oferece comandos que permitem aos processos cliente ler e escrever as variáveis processo nos procedimentos armazenados (incluindo as variáveis BLOB), permitindo uma comunicação eficaz e flexível entre os clientes e os procedimentos armazenados. Utilizando procedimentos armazenados, pode adicionar novos serviços personalizados a 4D Server. Para maior informação consulte a seção Stored Procedures. Procedimentos armazenados executados em cliente: 4D Server permite, a partir de uma equipe cliente ou servidor, executar procedimentos armazenados em um ou várias equipes clientes. Portanto, pode otimizar a repartição de cargas de trabalho entre as equipes e o servidor, o construir aplicações utilizando as possibilidades de comunicação entre clientes. Para maior informação, consulte a seção Stored Procedures. Rota de acesso ao servidor: A rota de acesso a uma base de dados servidor pode ser guardada com uma senha de usuário. Esta funcionalidade permite a um usuário conectar-se a uma base de dados no servidor fazendo dobre clique simplesmente em um documento.4dlink. Para maior informação, consulte a seção Conexão a um banco de dados 4D Server. Registro como serviço: Em Windows, 4D Server pode ser lançado como um serviço. Sistema de backup integrado: Em Windows, 4D Server inclui um módulo completo de back-up de base de dados e de restauração. Este modulo permite fazer back up de uma base em uso, sem ter que sair da aplicação. Os back-ups podem ser lançados manual ou automaticamente, a intervalos regulares e sem intervenção do usuário. Em caso de um incidente, a restituição e/o reinício da base podem igualmente ser iniciado automaticamente.

6 Backup por espelho lógico: Em aplicações críticas, é possível estabelecer um sistema de backup por espelho lógico, o qual permite um reinicio instantâneo se ocorre um incidente na base operacional. Plug-ins de conectividade: Com los plug-ins de conectividade 4D tais como 4D ODBC Pro, 4D Server e 4D podem acessar diretamente as bases em mini ou grandes sistemas como ORACLE ou toda fonte de dados ODBC. A informação pode ser compartilhada de forma interativa entre estas bases. Além disso, 4D oferece um driver 4D Server ODBC que permite a todos clientes ODBC se conectar e trabalhar com 4D Server.

7 Arquitetura de 4D Server Com sua arquitetura cliente/servidor, 4D Server não só armazena e gerencia a base, também fornece serviços aos clientes. Esses serviços funcionam através de uma rede através de um sistema de solicitações e respostas. Para pesquisar um conjunto de linhas, por exemplo, um computador cliente envia uma solicitação para o servidor. Uma vez recebido o pedido, o servidor executa a pesquisa no local, ou seja, no computador do servidor, e quando ela termina retorna o resultado (registros encontrados). A arquitetura de 4D Server se baseia no modelo cliente/servidor. Por muitos anos, prevaleceu a arquitetura cliente/servidor, tornando-se no modelo mais eficiente em bancos de dados de multiusuários. O tipo de arquitetura cliente/servidor de 4D Server é semelhante à usada no mundo dos minicomputador. No entanto, 4D Server oferece duas importantes inovações: Uma interface intuitiva e gráfica, presente em todos os níveis da base Uma arquitetura integrada que oferece maior eficiência e velocidade Arquitetura de compartilhamento de arquivos Antes do aparecimento da arquitetura cliente/servidor, os sistemas multiusuários usavam como um modelo de arquitetura de rede o compartilhamento de arquivos. Neste modelo, todos os usuários compartilham os mesmos dados, mas o gerenciamento de dados não é controlado por um motor de base de dados central. Cada máquina cliente deve guardar uma cópia da estrutura do motor da base, enquanto o servidor é responsável pela gestão do software de compartilhamento de arquivos na rede. No modelo de compartilhamento de arquivos, cada estação de trabalho opera no local todas as ações de modificação de dados. Isso cria um tráfego significativo na rede, uma vez que cada solicitação consiste em várias comunicações através da rede. O diagrama a seguir é um exemplo de tráfego de rede gerado quando um usuário procura por pessoas de sobrenome "Gómez." Outra desvantagem do modelo do compartilhar de arquivos é a incapacidade de usar um cachê para conservar registros na memória. Se os registros são mantidos na memória, pode haver diferentes versões do mesmo registro armazenados na memória cachê, produzindo inconsistência nos dados. Portanto, cada vez que um usuário acessa um registro, deve ser baixado do servidor de arquivos. Isso produz um tráfego de rede e aumenta o tempo necessário para acessar os dados. A arquitetura cliente / servidor heterogênea A arquitetura cliente/servidor é amplamente utilizada no mundo dos minicomputador, para o gerenciamento de bancos de dados muito grandes, graças a sua eficiência e rapidez. Nesta arquitetura, o trabalho é dividido entre os clientes e o servidor para aumentar o desempenho. O servidor contém o motor central da base, que armazena e gerencia os dados. O mecanismo de base é o único software que acessa aos dados armazenados no disco rígido. Quando um cliente envia uma solicitação ao servidor, o servidor envia o resultado. O resultado pode ser de todos os tipos desde um simples registro para alterar até uma lista ordenada de registros. Geralmente, a maioria das arquiteturas cliente/servidor são chamadas arquiteturas heterogêneas, porque as aplicações frontais executadas nos computadores cliente e o motor do banco de dados executado no computador servidor são dois produtos diferentes. Nessa situação, um driver de banco de dados é necessário para servir de tradutor entre os clientes e o servidor. Para procurar um registro, por exemplo, um cliente envia uma solicitação para o servidor. Como a base é armazenada no servidor, o servidor executa o comando localmente no computador do servidor e envia o resultado para o cliente. A imagem a seguir mostra um exemplo de tráfego de rede gerado quando um usuário procura cada pessoa de apelido "Smith" e mostra o primeiro registro encontrado.

8 Este exemplo mostra duas diferenças maiores entre o compartimento de arquivos e a arquitetura cliente/servidor: A arquitetura cliente/servidor autoriza o uso de uma memória cachê: como o motor é o único software que acessa fisicamente aos dados, o servidor pode utilizar um cachê que conserva em memória os registros modificados até que escrevam no disco. Como os dados são enviados desde um lugar central, as máquinas clientes asseguram de receber sempre a última versão de um registro. Adicional ao controle de integridade dos dados assegura, o uso de um mecanismo de cachê central acelera as operações de base de dados substituindo os acessos ao disco por acesso à memória. Sobre o modelo de compartimento de arquivos, todos os acessos são de acesso de disco. As operações de base de dados de baixo nível se realizam no servidor: a arquitetura cliente/servidor oferece um aumento significativo na velocidade de execução, como a navegação de tabelas de índice e direções, localmente se executam no servidor, na velocidade da máquina. Com o compartimento de arquivos, as mesmas operações se tornam lentas pelas transferências de rede e as limitações da máquina cliente. Arquitetura cliente/servidor integrada de 4D Server Na maiorias das arquiteturas cliente/servidor, a aplicação cliente e a aplicação de servidor são dois produtos distintos, que precisam de uma camada de comunicação para entender uns aos outros. Com 4D Server, a arquitetura cliente/servidor é totalmente integrada. 4D Server e 4D são dois aplicativos que compartilham a mesma estrutura e se comunicam diretamente. Como 4D Server e 4D falam a mesma língua, não é necessário traduzir as solicitações. A divisão do trabalho entre o cliente e o servidor é transparente e automaticamente é gerenciada pelo 4D Server. A divisão do trabalho está organizada de tal maneira que um pedido está associado a uma resposta. Como você pode ver no diagrama anterior, o cliente é responsável de: Pedidos: o cliente 4D envia solicitações ao 4D Server. Essas solicitações podem ser construídas com a ajuda dos editores integrados, tais como o editor de pesquisas e o editor de tipos, usando a linguagem integrada de 4D ou através de SQL. 4D oferece editores em que os métodos podem ser criados e alterados. Também lida com os elementos dos métodos tais como as variáveis e arrays. Recepção de respostas: o cliente 4D recebe as respostas de 4D Server e atualiza o usuário através da interface de usuário (os diferentes registros são exibidos em um formulário, etc.). Por exemplo, se o cliente busca todos os registros com o sobrenome "Gomez", 4D recebe os registros de 4D Server e os mostra em um formulário. O servidor é responsável das seguintes tarefas: Gestão de acesso: 4D Server utiliza todas as conexões simultâneas e os processos criados pelos clientes. Esta gestão aproveita a arquitetura múltiplas tarefas de 4D Server. Objeto de estrutura e de dados: 4D Server guarda e administra todos os objetos de estrutura e de dados, incluindo

9 campos, registros, formulários, métodos, barras de menus e listas. Cachê: 4D Server mantém uma cachê com os registros também com os objetos de dados criados pelas máquinas clientes, tais como seleções e conjuntos. Operações de base de dados de nível baixo: 4D Server realiza operações de base de dados de nível baixo, tais como pesquisas e ordens, que implicam o uso de tabelas de índices e direções. Esta divisão do trabalho é extremamente eficaz graças à integração de 4D Server e 4D. A integração da arquitetura de 4D Server está presente em cada nível: A nível da petição: quando 4D envia a 4D Server uma petição, tal como uma pesquisa ou uma ordem, 4D envia uma descrição da operação de procura ou ordenação utilizando a mesma estrutura interna que 4D Server. A nível da estrutura e dos dados: quando 4D e 4D Server trocaram uma estrutura de objeto ou de dados, ambos os aplicativos usam o mesmo formato interno. Por exemplo, quando 4D necessita de um registro, 4D Server envia diretamente os dados em formato que estão no cachê de disco ou de memória. Da mesma forma, quando 4D deseja atualizar um registro e envia os dados a 4D Server, o qual armazenam dados diretamente na cachê tal como é recebido. A nível da interface de usuário: quando 4D mostra uma lista de registros, o formulário utilizado exibe os registros que desempenham um papel na arquitetura cliente/servidor. Por exemplo, a seguinte imagem mostra o resultado de um pedido na tabela [Clientes]. Como o tamanho da janela só permite exibir 12 registros e 5 campos ao mesmo tempo. 4D Server envia exatamente 12 registros. Em vez de enviar todos os registros, 4D Server envia apenas o número de registros de campos que podem ser exibidos na janela. Se o usuário se desloca pelo formulário, 4D Server envia os registros adicionais ou campos necessários. Essa otimização reduz o tráfego de rede, garantindo que os registros e campos sejam enviados somente quando necessário.

10 4D Server em 10 minutos Verificação da instalação Criar um banco de dados servidor Conexão ao banco de dados servidor com um 4D remoto Definir a estrutura do banco de dados Processamento de dados com 4D Server Criar uma barra de menus personalizada Trabalhar simultaneamente com vários 4D remotos

11 Verificação da instalação O capítulo de iniciação 4D Server em 10 minutos permite descobrir rapidamente 4D Server, particularmente lhe mostrará como: Criar uma base servidor Conectar um cliente à base servidor Criar a estrutura da base, incluindo tabelas, campos, formulários, menus e métodos Conectar um segundo cliente e trabalhar simultaneamente Para realizar estes exercícios necessitará pelo menos de dois computadores: Um computador com 4D Server, 4D e um navegador web Outro ordenador no qual esteja instalado 4D Antes de começar a trabalhar por primeira vez com 4D Server e 4D em modo local, é uma boa idéia verificar sua instalação. Para fazer isto, leia esta seção. Elementos instalados Este parágrafo especifica a localização dos elementos instalados em seu disco logo de uma instalação padrão de 4D + 4D Server. Windows Os elementos se instalam na pasta Program Files\4D\4D vxx e aparece no menu Inicio. 4D Server: Esta pasta contém a aplicação 4D Server como os arquivos e pastas associadas. Para lançar 4D Server, simplesmente faça duplo clique no arquivo 4DServer.exe. 4D: Esta pasta contém a aplicação 4D assim como os arquivos e pastas associadas. Para lançar 4D, simplesmente faça duplo clique no arquivo 4D.exe. Mac OS Os elementos se instalam na pasta Aplicações:4D:4DXX e aparecem nas aplicações. 4D Server: software (pacote) de 4D Server. Para lançar 4D Server, simplesmente faça duplo clique neste pacote. 4D: 4D software (pacote) de 4D. Para lançar 4D, faça duplo clique neste pacote. Para este exercício em particular, deve instalar 4D em um computador adicional. Para onde ir agora? Observe que o protocolo TCP/IP deve ser configurado corretamente para que suas máquinas possam se comunicar pela rede. Se 4D Server e 4D estão instalados corretamente, continue com a seção Criar um banco de dados servidor. Caso contrário, se falta qualquer um dos arquivos listados acima, consulte a Guia de instalação e siga para a instalação dos arquivos.

12 Criar um banco de dados servidor Esta seção descreve a criação de um servidor de banco de dados que pode ser acessado pela rede, usando 4D em modo remoto. Antes de trabalhar com 4D Server e 4D pela primeira vez, é uma boa ideia para verificar a instalação. Para fazer isso, leia a seção Verificação da instalação. Nota: Neste exemplo, nós assumimos que você ativou sua licença de 4D Server, conforme descrito no Guia de instalação. A utilização de 4D no modo remoto não requer uma licença no computador cliente. As licenças são geradas na máquina 4D Server. Para obter mais informações, consulte a Guia de instalação. Para criar ou abrir uma base servidor, lance 4D Server. 1. Lance 4D Server fazendo duplo clique no ícone do programa. Quando é lançado por primeira vez a aplicação, mostra a caixa de diálogo de ativação da aplicação. Posteriormente, se mostrará uma janela vazia ao início. Este funcionamento pode ser configurado utilizando as Preferências da aplicação. Neste exercício, criaremos uma nova base vazia. 2. Selecione o comando Nova base de dados... no menu Arquivo de 4D Server. Aparece uma caixa de diálogo estandarte de guardar arquivo, a qual lhe permite definir o nome e o lugar da base a criar. 3. Defina uma localização, logo ingresse o nome de sua base. Digite Empregados, logo faça clique em Guardar. 4D Server cria automaticamente os arquivos e pastas necessárias para a operação da base, logo aparece a janela de administração:

13 A Janela de administração de 4D Server é composta por várias páginas, acessíveis através de guias. A página Monitor exibe informações dinâmicas relativa a operação do banco de dados e também informações sobre o sistema e a aplicação 4D Server. Entre outras páginas, note que as páginas Usuários e Processos indicam respectivamente o número de usuários conectados a base e o número de processos em execução atualmente. Observe que, neste momento, o número de usuários conectados é zero. Isso significa que atualmente nenhum cliente está conectado a base. O número de processos que está sendo implementado é doze. Estes doze processos são criados automáticos pelo motor de base e servidores integrados de 4D Server (servidor de aplicação, servidor HTTP, servidor SQL). Para onde ir agora? Neste ponto, a base está disponível para as conexões distantes 4D Windows e/o Macintosh. No entanto, a base não está pronta para as conexões HTTP, porque estas conexões não estão autorizadas por padrão. Consulte a seção Conexão ao banco de dados servidor com um 4D remoto. Neste tutorial, primeiro se conectará utilizando um 4D remoto, definirá a estrutura da base e adicionará alguns registros à base.

14 Conexão ao banco de dados servidor com um 4D remoto Esta seção trata os seguintes temas: Como conectar um 4D remoto à base servidor que você criou. Como criar a estrutura da base. Esta seção inclui um tutorial no qual você cria tabelas e campos na base, introduz novos registros e modifica registros existentes. Como conectar um segundo usuário. Como trabalhar simultaneamente com os dois clientes remotos. Conexão a base de dados Ainda que criou a base com 4D Server (ver a seção Criar um banco de dados servidor), todas as modificações no desenho e os dados da base se realizam desde computadores clientes. Nesta seção, aprenderá como se conectar ao servidor e abrir a base servidor. 1. Duplo clique no ícone da aplicação 4D remota. Nota: Para este tutorial, pode utilizar uma aplicação 4D instalada na mesma máquina que 4D Server. Se este é o primeiro lançamento da aplicação 4D ou se não há modificado os parâmetros de inicio, aparece a caixa de diálogo de boas vindas: 2. Faça clique em "Conectar-se a 4D Server". Ou: Se não aparece esta caixa de diálogo, escolha o comando Abrir>Base de dados remota... no menu Arquivo de 4D:

15 É mostrada a caixa de diálogo de conexão, por padrão mostra os servidores utilizados recentemente (a lista está vazia a primeira vez que é usada: 3. Faça clique na guia TCP/IP para mostrar a lista de bases 4D publicadas na rede. A base Empregados deve aparecer na lista:

16 4. Selecione Empregados e faça clique em Aceitar. A base se abrirá no computador remoto, em modo Desenho, preparado para criar a estrutura de sua base. Recomendações Caso não veja o nome da base que acaba de criar com 4D Server, revise os seguintes pontos: 4D Server se está executando em outro computador? Se utiliza um segundo computador, as duas máquinas estão conectadas a rede? O protocolo TCP/IP está configurado corretamente em ambas máquinas? Se não está seguro sobre o uso da caixa de diálogo de conexão, consulte a seção Conexão a um banco de dados 4D Server. Atividade do Servidor Quando você olhar a janela de administração de 4D Server, você pode perceber que seu nome de usuário é exibida na página correspondente, e que o número de usuários conectados é um (1).

17 Agora há um total de dezesseis processos em execução: Nota: por padrão, como na imagem acima, os processos são agrupados para melhor legibilidade. Desmarque a opção Mostrar os processos por grupos para exibir todos os processos. Os primeiros doze processos são necessários para o funcionamento do servidor e foram criados durante o lançamento de 4D Server. Os quatro novos processos (agrupados em duas linhas) são da conexão do primeiro usuário ao servidor:

18 o processo principal administra a exibição dos registros e o modo de Aplicação. o processo design administra o modo Desenho. Cada usuário adicional adicionará, pelo menos, quatro processos para a lista de processos. Você pode filtrar a lista de processos exibidos usando os botões Processos usuários, Processos 4D e a área de filtro localizada na parte superior direita da janela de administração. Para onde ir agora? Agora que está conectado, pode trabalhar com a base com as mesmas funcionalidades que utiliza 4D em modo local. Primeiro, deve definir a estrutura. Consulte a seção Definir a estrutura do banco de dados.

19 Definir a estrutura do banco de dados No computador 4D remoto, logo de conecta-se a base servidor (ver a seção Conexão ao banco de dados servidor com um 4D remoto ), escolha o comando Database Structure no menu Design. Aparece a janela de estrutura, vazia por padrão. Vamos criar uma simples tabela. Criar a tabela [Empregados] 1. Escolha Nova>Tabela no menu Arquivo ou na barra de ferramentas de 4D. Ou Faça clique direito na janela de estrutura e escolha Adicionar tabela no menu contextual. Ou Faça clique no botão adicionar da janela de estrutura (em forma de +) e escolha Tabela. É criada a tabela. 2. Faça clique na área de título e de nome a tabela Empregados. 3. Faça duplo clique na área de campos para criar um novo campo. 4. Renome o campo Sobrenome e conserve o tipo Alfa (255). Pode fazer duplo clique no campo para mostrar a paleta do Inspetor. 5. Adicione da mesma forma os campos seguintes na tabela [Empregados]: Nome do campo Tipo de campo Nome Alfa (255 caracteres) Salário Real Departamento Alfa (255 caracteres) Nota: Se outras aplicações 4D remotas trabalham simultaneamente com a mesma base, os campos que acabou de criar aparecerão no computador cliente dentro de alguns instantes. As alterações são implementadas no servidor em tempo real, mas não aparecem em outras telas imediatamente, para evitar a atualização da tela com frequência. Criar formulários para a tabela [Empregados] Uma vez definido o conteúdo da tabela [Empregados], deve criar os formulários para poder adicionar e trabalhar com seus registros. Para fazer, pode utilizar o Assistente de criação de formulários e criar os formulários a sua conveniência. No entanto,

20 4D oferece um recurso prático para criar rapidamente formulários de entrada e saída por padrão. 1. Faça clique no botão Tabelas da barra de ferramentas de 4D. Ou Escolha o comando Mostrar a tabela atual no menu Registros. É mostrada a janela de registros. 4D detecta que a tabela não dispõe de nenhum formulário e lhe pergunta se deseja que o programa crie por você. 2. Faça clique em Sim. Agora tem um formulário de entrada para adicionar ou mostrar registros um por um e um formulário de saída para mostrar o introduzir múltiplos registros em modo listado. Para onde ir agora? Sua base servidor está lista para a manipulação de dados. Vá para a seção Processamento de dados com 4D Server.

21 Processamento de dados com 4D Server Na seção Definir a estrutura do banco de dados, você criou a tabela [Empregados] e permitiu 4D criar os formulários por padrão para esta tabela. Agora está pronto para introduzir registros. Introduzir os registros No modo Desenho, 4D lhe oferece por padrão as ferramentas e editores para a entrada, pesquisa, impressão ou modificação de registros. Portanto, pode definir suas próprias ferramentas para o modo Aplicação. 1. Escolha Novo registro no menu Registros. Aparece o formulário de entrada vazio. 2. Indique seu primeiro registro. Use a tecla Tab ou o mouse para navegar entre os campos. 3. Faça clique no botão de validação do formulário para validar sua entrada. Aparece um formulário de entrada vazio, que lhe permite continuar adicionando novos registros. 4. Indique cinco registros mais, com os seguintes valores. Sobrenome Nome Salário Departamento Silva Miguel Engenharia Da Silva João Produção Pedrosa Maria Engenharia Sales Manuel Produção Luís Gabriel Produção Depois de ter introduzido o último registro, clique no ícone de cancelamento (que contém uma cruz sobre o ícone de validação) para cancelar o novo formulário de entrada vazia. Aparece o formulário de saída. 5. Se não são mostrados todos os seis registros, escolha Mostrar todos no menu Registros e redimensione a janela ou as colunas caso seja necessário. Deve ter:

22 Agora os registros são guardados no banco de dados na máquina servidor. Se um segundo 4D remoto está conectado ao equipo servidor, poderia mostrar os registros que acaba de agregar. Caso contrário, se os outros clientes também estavam introduzindo registros, pode escolher Mostrar todos desde o menu Registros para mostrar todos os registros, incluindo os que foram inseridos. Os registros armazenados no servidor são acessíveis a todos os usuários. Consultar registros Uma vez criado os registros na tabela [Empregados], pode realizar pesquisas, classificações, impressões, etc. com os registros. Por exemplo, procuremos os empregados do departamento de Engenharia. 1. Faça clique no botão Pesquisar na barra de ferramentas. Aparece o editor de pesquisas: 2. Conserve "[Empregados]Departamento" como critério de pesquisa e é na lista de comparadores, logo introduza "Engenheria": 3. Faça clique no botão Buscar. A petição é enviada ao 4D Server, depois 4D Server responde a 4D. O formulário de entrada mostra unicamente os empregados que trabalham no departamento de Engenharia. Para mostrar todos os registros novamente, escolha Mostrar todos no menu Registros. Para onde ir agora? Em poucos minutos, você criou uma base servidor, definindo uma tabela, adicionando registros, depois realizou uma pesquisa utilizando os dados introduzidos na base.

23 utilizando os dados introduzidos na base. Agora é tempo de adicionar uma barra de menus personalizada para seu banco de dados. Consulte a seção Criar uma barra de menus personalizada.

24 Criar uma barra de menus personalizada Nesta seção, você desenhará dois métodos e uma barra de menus personalizada. Em resumem, irá criar uma aplicação 4D. Criar os dois métodos 1. Selecione Novo > Método.. no menu Arquivo. Aparece a caixa de diálogo de criação do método. 2. Insira M_ADD_RECORDS na caixa de diálogo Novo método, depois faça clique em Aceitar. Aparece uma janela do editor de métodos chamada Método:M_ADD_RECORDS. 3. Insira o código do método M_ADD_RECORDS como é mostrado a continuação: 4. Crie um segundo método chamado M_LIST_RECORDS com o seguinte código: Agora que os dois métodos foram criados, crie uma barra de menus personalizada e associe os métodos aos comandos de menus. Criar uma barra de menu personalizado 1. Selecione Caixa de ferramentas > Menus no menu Desenho. O editor de barras de menus é mostrado com uma barra de menus por padrão. 2. Selecione a etiqueta "Barra # 1" faça clique no botão adicionar na parte central da janela. 3. Insira Tutorial como título do menu e pressione Intro. 4. Faça clique direito no título Tutorial e escolha o comando Adicionar um elemento ao menu "Tutorial": 5. Insira Adicionar registros... e pressione Intro. 6. Faça clique direito novamente no título Tutorial para adicionar um segundo comando de menu ao menu "Tutorial. 7. Insira Pesquisar... e pressione Intro. A barra de menus #1 deve ser vista assim:

25 8. Faça clique no comando de menu Adicionar registros... e selecione M_ADD_RECORDS na caixa de combinação Nome do método. 9. Faça clique no título Pesquisar... e selecione M_LIST_RECORDS na caixa de combinação Nome do método. A barra de menus #1 agora é vista assim: 10. Feche a janela da caixa de ferramentas. Pronto! 11. Selecione testar a aplicação no menu Execução. Agora pode utilizar a aplicação com os menus que desenhou: Por exemplo, se seleciona Pesquisar... no menu Tutorial, aparece o editor de pesquisas padrão de 4D. Pode definir sua pesquisa, depois mostrar e modificar os registros encontrados. O ponto interessante, é que sem saber, você acaba de desenvolver duas aplicações! Para saber por que, consulte a seção Trabalhar simultaneamente com vários 4D remotos.

26 Trabalhar simultaneamente com vários 4D remotos Se você faz os exercícios deste tutorial em Windows, pode utilizar o banco de dados servidor como está em Macintosh. É feito os exercícios deste tutorial em Macintosh, pode utilizar este banco de dados servidor como está em Windows. Conexão ao banco de dados servidor com um segundo usuário Para este tutorial, nos conectaremos ao banco de dados servidor com um 4D remoto em Windows e um 4D remoto em Mac OS. Logo como seja estabelecida a conexão, poderá ver ao segundo usuário na janela de administração de 4D Server (a primeira coluna indica o sistema operativo do computador remoto): Em cada computador cliente, tudo que seja feito na base é reutilizado instantaneamente e de maneira transparente. Este é o ambiente Desenho no computador cliente remoto em Mac OS: Os seus seis registros e seus dois métodos estão aqui! Trabalhar simultaneamente nos registros 1. No primeira computador remoto, em modo "Test Application", escolha Pesquisar... no menu Tutorial e procure os registros onde Departamento é igual a Engenharia. 2. Faça o mesmo no segundo computador remoto. Em ambos computadores, obtém uma lista composta por três registros. 3. Na primeira máquina, faça duplo clique no registro Santos, José. Você deve ser sua tela assim:

27 4. Faça a mesma coisa no segundo computador. 4D Server tem um sistema de gestão integrado de bloqueio de dados que lhe adverte que o registro já está em uso: No entanto, você tem acesso ao registro em somente modo leitura (você pode ver, mas não modificar). 5. No primeiro computador, mude o nome Miguel e valide suas mudanças. A lista é atualizada com o novo nome.

28 6. No segundo computador, cancele a visualização do registro no formulário de entrada. A lista foi atualizada com o novo nome também! Trabalhar simultaneamente com objetos de desenho 4D Server é um servidor de dados e de aplicações. Vamos ver o que isto significa. No segundo equipo, pressione a tecla Esc., em seguida, escolha o comando Voltar ao modo Desenho no menu Modo. Faça a mesma coisa na primeira máquina. Na primeira máquina, escolha Explorador> Formulários no menu Desenho. Aparece a janela do Explorador. Escolha os formulários tabela e desloque a tabela Empregados:

29 Faça duplo clique no formulário de entrada. Aparece o editor de formulários, com o formulário de entrada: Faça a mesma coisa na segunda máquina. Como o formulário está em modo edição na outra máquina, o mecanismo integrado de bloqueio de objetos 4D Server lhe informa:

30 Não obstante, pode abrir o formulário na segunda máquina no modo de visualização. Pode selecionar objetos e copiar a outros formulários, mas não pode modificar o formulário mesmo. Note o ícone de cadeado na esquina superior direita do formulário. Este ícone lhe lembra que não pode mudar o formulário. Na primeira máquina, selecione a etiqueta "Sobrenome" a esquerda do campo [Empregados]Nome. Selecione no menu hierárquico Objeto>Cor. Se torna vermelha a cor deste objeto. Selecione Salvar o formulário: [Empregados]Entrada no menu Arquivo. Na segunda máquina, feche e volte a abrir o formulário para que o recarregue. A mudança realizada na outra máquina agora está disponível nesta. 4D Server lhe permite desenvolver ao mesmo tempo uma base de dados com outros usuários Fechar o servidor Além de informações dos usuários remotos 4D durante os acessos simultâneos os mesmos registros ou objetos, 4D Server inclui uma mensagem de aviso de encerramento interno através da rede. 1. Mantendo aos dois clientes conectados, na máquina de servidor, selecione Sair no menu Arquivo (Windows) ou no menu de 4D Server (Mac OS). Aparece a caixa de diálogo Fechar: 2. Faça clique em Aceitar. Quase que instantaneamente, as duas máquinas cliente são informadas que o servidor está sendo desligado. Por exemplo, se um cliente estava adicionando um registro, o usuário teria tempo suficiente para completar e validar a entrada de dados.

31 Esta caixa de diálogo de advertência se repete regularmente em cada máquina de cliente. Nota: alternativamente, pode fechar o servidor utilizando a opção "Aguardar que todos os usuários sejam desconectados" (enviando-lhes uma mensagem pedindo-lhes para desconectar-se logo que possível) ou forçar a desconexão imediata dos clientes por meio da opção "Desconectar todos os clientes e sair". 3. Enquanto o servidor fecha, feche 4D nas duas máquinas remotas. Conclusão Com este tutorial, você descobriu como fácil que é utilizar 4D Server: Criou uma base de dados desde zero. Criou uma tabela e permitiu a 4D Server criar os formulários por si. Adicionou e manipulou registros. Personalizou sua aplicação com sua própria barra de menus. Utilizou o banco de dados servidor simultaneamente em Windows e Macintosh. Fechou e reiniciou o servidor Em conclusão, ele criou dois aplicativos personalizados (Windows e Macintosh) com um desenvolvimento único. Além disso, se você precisar usar o banco de dados em modo local, você pode abrir diretamente, com 4D. Para saber mais sobre 4D Server, leia as seções introdutórias deste manual, bem como as outras seções que descrevem o funcionamento de 4D Server. Para obter informações completas sobre o ambiente 4D, consulte: O manual de Desenho para aprender acerca de desenhar e utilizar aplicações e bases de dados 4D. O manual de Linguagem para aprender acerca dos comandos da linguagem 4D. Por exemplo para aprender acerca da capacidade web de 4D Server, leia a seção Introdução ao Web Server no manual de Linguagem de 4D.

32 Uso de 4D Server Criar ou abrir um banco de dados 4D Server Sair de 4D Server Usando 4D Server 64 bits (Windows) Utilizar 4D Server 64 bits para OSX (pré versão) 4D Server Menus Preferências de configuração Preferências de publicação Criptografar conexões cliente-servidor Gerenciamento da pasta Resources Registrar um banco de dados como serviço Configurar um espelho lógico

33 Criar ou abrir um banco de dados 4D Server Para criar um novo banco de dados ou abrir uma base existente, lance 4D Server fazendo duplo clique no ícone da aplicação. Então pode criar um novo banco de dados ou abrir um existente no menu Arquivo de 4D Server. Criar um banco de dados Para criar um novo banco de dados, escolha um dos comandos do submenu Novo>: Banco de dados: Pode ser utilizada para criar uma base de dados vazia, em outras palavras, sem tabelas, formulários ou interface predefinidos. Quando seleciona este comando, aparece uma caixa de diálogo estandarte de guardar arquivos para que possa definir o nome e a localização do banco de dados. Banco de dados de modelo: Cria um banco de dados utilizando um modelo "pronto para usar" que pode personalizar posteriormente. Para poder utilizar esta função, as bases modelos devem estar localizadas em uma pasta "4D Templates" ou "4D Modèles" ao mesmo nível que o arquivo 4D Server.exe (Windows) ou o pacote 4D Server (Mac OS). Quando se seleciona este comando, aparece a caixa de diálogo de seleção de modelos do banco de dados. Banco de dados de definição de estrutura: Permite criar um banco de dados baseada em uma descrição de estrutura em formato XML. Esta definição pode vir de uma estrutura exportada desde 4D ou toda aplicação de desenho. Quando é selecionado este comando, aparece uma caixa de diálogo padrão de abertura de arquivos, que lhe permite designar o arquivo XML a utilizar. Para obter mais informação sobre estas opções, consulte o Manual de Desenho. Abrir um banco de dados Para abrir um banco de dados existente, pode usar uma caixa de diálogo padrão de abertura de documentos (comando Arquivo>Abrir...) ou selecionar diretamente um banco de dados aberto previamente (comando Arquivo>Abrir recente). Se um banco de dados já estava aberto quando seleciona um comando Abrir, primeiro será fechado. Se algum computador cliente está conectado, se desconectam com o modo "Espere a que todos os usuários se desconectem" (ver a seção Sair de 4D Server). Nota: Também pode abrir um banco de dados existente diretamente arrastando e soltando um arquivo de estrutura interpretado ou compilado (.4db ou.4dc) ou de um arquivo de acesso direto (.4 dlink) no ícono da aplicação 4D Server.

34 Sair de 4D Server Para fechar 4D Server: 1. Selecione o comando Sair no menu Arquivo de 4D Server (Windows) ou no menu 4D Server (Mac OS). A seguinte janela é mostrada no equipo servidor: 2. Insira o número de minutos nos que deseja que o servidor seja fechado ou selecione a opção "Espere a que todos os usuários se desconectem". Assim que você fizer isso, nenhum cliente novo pode ser conectado ao servidor. Se você escolhe a opção "Fechar o servidor em XX min.", aparece a seguinte janela: Uma janela idêntica aparece em cada máquina cliente 4D (o botão Cancelar não aparece nas máquinas 4D). Esta janela é repetida ou atualizada em cada máquina cliente, a cada 20 segundos ou menos, para obrigá-los a sair. Quando se cumpre o limite de tempo, o servidor fecha, mesmo se ainda existam máquinas de cliente ainda conectadas. Se escolhe a opção "Espere a que todos os usuários se desconectem" sem entrar uma mensagem, aparecerá a seguinte janela, indicando o número de clientes que ainda estão conectados: Em cada máquina cliente 4D, aparece a seguinte janela mostrando uma mensagem por padrão:

35 É escrito uma mensagem personalizado na caixa de diálogo de fechamento de 4D Server, é mostrada no lugar da mensagem por padrão em cada máquina cliente. Por exemplo: O servidor será fechado logo que todos os clientes estejam desconectados. Notas: Se você escolheu a opção "Desconectar os clientes e sair", o servidor termina todos os processos e todas as conexões e é fechada depois de uns segundos. Em todos os casos, se nenhum cliente está conectado ao servidor quando a janela de fechamento é valida, 4D Server fecha imediatamente. Se faz clique em Cancelar na janela de apagado de 4D Server, o processo de apagado do servidor se cancela. Pode fechar a base (e desconectar os clientes) sem fechar a aplicação 4D Server utilizando o comando Fechar a base... Para obter mais informação, consulte a seção 4D Server Menus.

36 Usando 4D Server 64 bits (Windows) A partir da versão 12.1, 4D Server suporta sistemas operativos Windows 64 bits. A principal vantagem da tecnologia de 64 bits é o fato de permitir direcionar mais memória RAM. Esta seção cobre as particularidades relativas a implementação e uso da versão 64 bits de 4D Server v12.1. Versões Windows mínimas 4D Server 64 bits requer pelo menos um dos seguintes sistemas operativos Windows 64 bits: Windows Vista 64 bits Windows 2003 Server 64 bits Arquitetura A aplicação 4D server.exe destinada as arquiteturas 64 bits é uma versão específica dedicada a este entorno. Não se executará em um sistema 32 bits. Pelo contrário, se lançar a aplicação padrão 4DServer.exe (32 bits) em um sistema Windows 64 bits, será executado, mas em modo emulado. Do lado do cliente, toda máquina 4D v12 (Mac OS ou Windows), pode ser conectado a 4D Server v12 64 bits. As aplicações 4D a utilizar são as versões 32 bits padrão (ver o diagrama a continuação). Compatibilidade Em modo interpretado, as mesmas bases de dados 4D se podem executar com um 4D Server 64 bits ou um 4D Server 32 bits. O desenvolvimento é idêntico independentemente da aplicação utilizada. Em modo compilado, as bases devem ter sido compiladas para processadores 64 bits para poder ser executadas com 4D Server 64 bits (ver o parágrafo "Compilação 64 bits" ). Uma base compilada em 32 bits unicamente e sem código interpretado não poderá ser executado com um 4D Server 64 bits. Durante a execução, as seguintes diferenças devem ser levadas em conta: Só os plug-ins compilados especificamente em 64 bits serão carregados por 4D Server 64 bits. Um plug-in 64 bits deve ser construído como uma pasta e ser localizado na pasta Plugins do servidor (a antiga arquitetura baseada nos arquivos.4dx e.rsr na pasta Win4DX já não é suportada). Os plug-ins 32 bits não são carregados por 4D Server 64 bits. No entanto, podem ser armazenadas na pasta Plugins do servidor e ser distribuído nas máquinas remotas, sem inicialização. Os mecanismos que chamam ao servidor (por exemplo a escritura ou a leitura de modelos no servidor com o comando WR SET AREA PROPERTY de 4D Write) não funcionará. O arquivo.4dx para 32 bits deve ser localizado em uma sub pasta chamada /Contents/Windows e o arquivo para 64 bits deve ser colocado em uma sub pasta chamada /Contents/Windows64. Os recipientes 4D compilados utilizados com 4D Server 64 bits devem ser compiladas em 64 bits. A quantidade de memória utilizada pelos BLOBs carregados pela aplicação segue limitada a 2 GB. QuickTime não é suportada por um 4D Server 64 bits. Geralmente, não se recomenda trabalhar com imagens em formato PICT: se a imagem é 100% QuickDraw, pode ser manipulada por 4D Server 64 bits, mas se contém Quicktime, não pode ser carregado. 4D Internet Commands Para poder utilizar 4D Internet Commands con 4D Server 64 bits, deve instalar a versão 12. Pode baixar a versão 12 de 4D Internet Commands do web site de 4D. Compilação 64 bits Agora as aplicações 4D v12 podem ser compiladas para processadores 32 bits e 64 bits. Para isso está disponível uma nova opção Compilar também para os processadores 64 bits na página "Compilador" das Propriedades da base:

37 Quando esta opção está selecionada, o compilador inclui o código 64 bits e o código 32 bits nos arquivos.4dc e.4db. Estes arquivos podem ser executados seja com 4D Server 32 bits ou 4D Server 64 bits. Por padrão, esta opção não está selecionada. Nota: para compilar uma base em 64 bits, deve estar operando em modo Unicode. Caso contrário, é gerado um erro durante a compilação. Tamanho da memória cachê As arquiteturas 64 bits permitem direcionar até 1 TB (1000 GB) de memória RAM, a memória cachê que pode ser atribuída a aplicação 4D Server 64 bits é virtualmente ilimitada. Nota: em comparação, as arquiteturas 32 bits estão limitadas a 4 GB de RAM. Se a quantidade de cachê definida na página "Base de dados/memória" das Propriedades da base não podem se obter, 4D Server atribui o maior tamanho possível e lhe informa ao usuário no início da aplicação. Então é possível sair ou continuar com o tamanho proposto. Interface Durante a execução, pode diferenciar entre a aplicação 4D Server 64 bits 4D e a aplicação 4D Server estandarte por um logo que aparece na página Monitor da janela de administração do servidor: Nota: este logo também aparece na janela Sobre 4D Server. Linguagem Comandos modificados Os seguintes comandos da linguagem 4D foram adaptados as novas capacidades de 4D Server 64 bits: Version type, SET DATABASE PARAMETER e Get database parameter. Para obter mais informação, consulte as descrições destes comandos.

38 Tamanho da pilha do processo A pilha de um processo executado em um 4D Server 64 bits requer mais memória que em um 4D Server 32 bits (duas vezes mais). Quando cria um processo no servidor com a ajuda do comando Execute on server ou New process com 4D Server 64 bits, se recomenda passar no parâmetro pilha um valor mínimo de bytes e aumentar ele em caso de uma cadeia de chamada importante ou é recebido o erro "out of stack". Comandos não permitidos no servidor 64 bits Além dos comandos padrão que não podem ser utilizados em 4D Server (ver Procedimentos armazenados), os seguintes comandos não podem ser executados em um servidor 64 bits. Se forem chamados, por exemplo dentro de um procedimento armazenado, é devolvida uma caixa de diálogo de advertência com o erro 67. Este erro pode ser interceptado por um método de gestão de erros instalado pelo comando ON ERR CALL. 4D, tema Quick Report QR New offscreen area 4D Chart, tema CT Area CT New offscreen area

39 Utilizar 4D Server 64 bits para OSX (pré versão) Desde 4D v14 R3, 4D oferece uma pré versão de 4D Server 64 bits para OS X. O desenvolvimento desta versão é levada a cabo de uma maneira continua, passo a passo, e funções adicionais se ativam com cada versão do programa de subministro continuo. Quando esteja disponível a versão final, este novo produto permitirá, suas aplicações 4D Server agora podem aproveitar ao máximo a potência das máquinas Apple de 64 bits. A principal vantagem da tecnologia de 64 bits é que mais memória RAM pode ser direcionada. Esta seção cobre as particularidades concernentes a implementação e uso da versão de 64 bits de 4D Server em OS X. Versão mínima OS X A versão 64 bits de 4D Server requer OS X em versão 10.9 (Mavericks) ou superior. Por favor, consulte os arrays de certificação disponíveis no site web de 4D para saber que sistemas operativos são compatíveis com sua versão de 4D Server. Arquitetura A aplicação 4D Server dirigida as arquiteturas 64 bits é uma versão específica, dedicada a este entorno (não funciona em um sistema operativo de 32 bits). Do lado do cliente, toda aplicação 4D (OS X ou Windows) pode ser conectado a uma versão 64 bits de 4D Server. As aplicações 4D que se utilizam são as versões de 32 bits estandarte (veja o seguinte diagrama). Em modo interpretado, as mesmas bases de dados 4D podem ser executadas com um 4D Server 64 bits ou 4D Server 32 bits. O desenvolvimento é idêntico independentemente da aplicação que se utiliza (salvo as limitações que se indicam a continuação). Em modo compilado, as bases de dados devem ter sido compiladas para processadores de 64 bits com o propósito de ser executadas por um 4D Server 64 bits. Uma base de dados compilada unicamente em 32 bits e que não contém código interpretado não pode ser executado com um 4D Server 64 bits. Se a base utiliza plug-ins, também devem ser instalados em versão 64 bits para OS X na máquina servidor. Tenha em conta que 4D Internet Commands e4d Pack estão disponíveis em versão 64 bits para OS X. Compilação 64 bits As aplicações 4D podem ser compiladas para processadores 32 bits e 64 bits. Para isso, é necessário utilizar a opção Compilar também para os processadores de 64 bits disponível na página "Compiler" das Propriedades da base:

40 Quando se ativa esta opção, o compilador inclui o código 64 bits e o código 32 bits nos arquivos.4dc e.4db. Estes arquivos podem ser executados seja com um 4D Server 32 bits ou 64 bits. De forma pré determinada, esta opção não está selecionada. Nota: para compilar uma versão 64 bits da base, deve estar funcionando em modo Unicode. Caso contrário, é gerado um erro durante a compilação. Compatibilidade do código compilado Com a finalidade de suportar a arquitetura OS X 64 bits, se modificou o compilado integrado em 4D v14 R3. Em consequência, só as bases de dados compiladas com 4D v14 R3 (ou superior) podem ser executados em OS X de 64 bits. Isto significa que: se deseja utilizar bases 4D existentes em OS X 64 bits em modo compilado, deve voltar a compilar elas com 4D v14 R3 (ou superior), se suas bases utilizam componentes compilados, deve voltar a compilar os recipientes com 4D v14 R3 (ou superior). Tenha em conta, no entanto, que o código compilado 64 bits produzido com 4D V14 R3 (assim como o código 32 bits) é compatível com todas as versões v14.x e v14 Rx de 4D. Uma vez recompilado, suas bases podem ser executadas com todas as versões de 4D v14.x e 4D v14 Rx, tanto em 32 bits como em 64 bits. Tamanho da pilha do processo A pilha de um processo executado em um 4D Server 64 bits requer mais memória que em um 4D Server 32 bits (duas vezes mais). Quando cria um processo no servidor com a ajuda do comando Execute on server ou New process com 4D Server 64 bits, se recomenda passar no parâmetro pilha um valor mínimo de bytes e aumentar ele em caso de uma cadeia de chamada importante ou é recebido o erro "out of stack". Funcionalidades não suportadas As seguintes funções ou tecnologias não serão admitidas na versão atual 4D Server 64 bits para OS X:

41 Função/Tecnologia Comentário XSLT with Xalan _o_xslt APPLY TRANSFORMATION, _o_xslt SET PARAMETER e _o_xslt GET ERROR não funcionarão. Utilize o módulo PHP libxslt em seu lugar. Ícone de formato de imagem não disponível + será mostrada a extensão de arquivo em seu lugar (ver Formato PICT Novo ícone formato de imagem não disponível). O formato PICT é obsoleto a nível global em 4D, ver também AP Is Picture Deprecated cicn icons O comando GET ICON RESOURCE não é suportado no servidor (*) Recordatório: os arquivos de recursos Mac OS são obsoletos desde 4D v11. Font number Não suportado Modo compatibilidade ASCII Só é suportado o modo Unicode Capa de rede antiga Só é suportada ServerNet (ver Nova capa de rede ServerNet (compatibilidade)) Comunicação porta serial Não disponível Caixa de diálogo de importação/exportação Não disponível Editor de etiquetas Não disponível 4D ODBC Pro (plug-in) Não disponível 4D For OCI (plug-in) Não disponível (*) Um erro é devolvido se este comando se executa no servidor.

42 4D Server Menus A interface da aplicação 4D Server se compõe dos seguintes menus: Arquivo, Edição, Janela, Ajuda. Em Mac OS, alguns comandos se encontram no menu 4D Server (menu aplicação). Arquivo Novo Este comando hierárquico contém submenus que permitem criar um banco de dados ou um novo arquivo de dados na máquina servidor. Os comandos de criação de bases se detalham na seção Criar ou abrir um banco de dados 4D Server. Abrir.../Abrir Recente Estes comandos permitem abrir uma base com 4D Server. O comando Abrir recente> mostra um submenu que lista os banco de dados abertos recentemente por 4D Server. Para reiniciar este menu, selecione o comando Apagar lista de recentes. Os comandos de abertura de banco de dados se detalham na seção Criar ou abrir um banco de dados 4D Server. Fechar o banco de dados... Este comando fecha o banco de dados atual sem fechar a aplicação 4D Server. Quando você escolhe este comando, aparece a caixa de diálogo de fechamento do servidor, o que lhe permite definir o modo de desconexão dos possíveis clientes conectados (ver a seção Sair de 4D Server). Fechar a janela Este comando fecha a janela da aplicação 4D Server localizada no primeiro plano. Fechar todas as janelas Este comando fecha todas as janelas da aplicação 4D Server. Note que neste caso só a ativação do comando Fechar o banco de dados... no menu Arquivo lhe permite saber se o banco de dados ainda está publicada. Dar alta o banco de dados atual como serviço/dar baixa o banco de dados atual/dar baixa todos os serviços de Server (Comandos disponíveis em Windows) Estes comandos permitem administrar o registro do banco de dados como Serviço. Esta função se detalha na seção Registrar um banco de dados como serviço. Gravar cachê de dados

43 Este comando permite "forçar" o registro no disco dos dados localizados na cachê. Por padrão, 4D Server escreve automaticamente a cachê no disco depois de um tempo limite definido nas preferências da base (página Banco de dados/gestão de dados). Backup Este comando permite lançar um backup do banco de dados em qualquer momento. Quando você seleciona este comando, aparece a seguinte caixa de diálogo: O botão Backup lança imediatamente um backup que leva em conta os parâmetros definidos na caixa de diálogo de Preferências da aplicação (arquivos aos quais realizar backup, localização dos arquivos, número de conjuntos, etc.). O botão Propriedades do banco de dados abre o tema Backup das Propriedades do banco dados, que lhe permite visualizar, e se é necessário, modificar os parâmetros do backup atual. O botão Cancelar interrompe o processo de backup. Para maior informação sobre a configuração de backups, consulte o manual de Desenho. Restaurar... Este comando mostra uma caixa de diálogo de abertura de arquivos que lhe permite selecionar um arquivo a restituir. Sair Este comando permite fechar a aplicação 4D Server. Para maior informação, consulte a seção Sair de 4D Server. Nota: Em Mac OS X, o comando Sair está no menu 4D Server (menu aplicação). Editar O menu Editar de 4D Server inclui os comandos padrão copiar/colar, o comando Exibir a prancheta, etc. Este menu também inclui (em Windows) o comando Preferências..., que mostra a caixa de diálogo de preferências da aplicação, permitindo definir numerosas performances do banco de dados. Para maior informação sobre esta caixa de diálogo, consulte o manual de Desenho da documentação de 4D. As preferências especificas de 4D Server são descritas nas seções Preferências de configuração e Preferências de publicação. Nota: Em Mac OS, o comando Preferências... se encontra no menu 4D Server (menu aplicação).

44 Janela O menu Janela inclui os comandos padrão para organizar as janelas no espaço de trabalho (estes comandos diferem dependendo da plataforma). Também contém os comandos de visualização de janelas específicas de 4D Server: Administração Este comando mostra a janela de administração de 4D Server, se foi fechado ou minimizado. Esta janela é detalhada no capítulo Janela de administração de 4D Server (ver a seção Página Monitor). Explorador de execução Este comando mostra a janela do Explorador de execução de 4D Server. O Explorador de execução permite visualizar o comportamento dos diferentes elementos estruturais da base e verificar que os recursos disponíveis sejam utilizados corretamente. O Explorador de execução é particularmente útil na fase de desenvolvimento e análise de um banco de dados. A janela contém quatro páginas, acessíveis através de botões correspondentes: Rastreamento, Processo, Ponto de interrupção e Captura. O funcionamento do Explorador de execução em 4D Server é idêntico ao de 4D. Para obter mais informações, consulte o manual de Desenho. Ajuda

45 Centro de segurança e manutenção (CSM) Este comando mostra o centro de segurança e manutenção (CSM), que reúne todas as ferramentas necessárias para controle, análise, manutenção, backup e compactação de arquivos de dados e estrutura. Este comando está disponível mesmo quando nenhuma base foi aberta pelo 4D Server: neste caso, pode ser usado para abrir um banco de dados no modo"manutenção" (que mostra uma caixa de diálogo padrão de abertura de arquivos de maneira que você pode nomear o banco de dados a abrir). Modo de manutenção é mais especificamente aplicado para operações, como compactação ou a abertura de bases danificadas. Para obter mais informações sobre o CSM, consulte o Manual do Desenho. Atualizar licença... Este comando de menu mostra a janela utilizada para ativar licenças adicionais no ambiente 4D. Para maior informação sobre esta caixa de diálogo, consulte a Guia de instalação. Sobre 4D Server... Este comando mostra a janela Sobre 4D Server..., o qual oferece a seguinte informação: Versão e licença de 4D Server Direitos de autor e informação legal 4D no mundo Nota: Em Mac OS, o comando Sobre 4D Server se encontra no menu 4D Server (menu aplicação).

46 Preferências de configuração Pode definir diferentes parâmetros relativos a rede e a comunicação cliente-servidor na guia "Opções rede" da página Cliente- Servidor das Propriedades do banco de dados (acessíveis desde 4D em modo remoto e 4D Server): Além disso, a partir de 4D Server v14 R5, uma opção de compatibilidade lhe permite ativar ou desativar em qualquer momento a capa de rede antiga: Estes parâmetros são detalhados nesta seção. Rede Publicar o banco ao iniciar Esta opção permite indicar se o banco 4D Server deve aparecer ou não na lista de bancos publicados na caixa de diálogo de conexão.

47 Quando a opção estiver selecionada (opção selecionada como padrão), o banco se torna público e aparece na lista de bancos publicados (página TCP/IP). Quando a opção não estiver selecionada, o banco não se torna público e não aparece na lista de bancos publicados. Para conectar, os usuários devem introduzir manualmente a direção do banco na página Personalizado da caixa de diálogo de conexão. Nota: se modificar este parâmetro, deve reiniciar o banco servidor para que seja considerada. Nome de publicação Esta opção permite modificar o nome de publicação de um banco publicado pelo 4D Server, ou seja, o nome que é mostrado na página de publicação dinâmica TCP/IP da caixa de diálogo de conexão (ver a seção Conexão a um banco de dados 4D Server). Como padrão, 4D Server utiliza o nome do arquivo de estrutura do banco. Pode escrever qualquer nome personalizado que deseje. Nota: este parâmetro não é considerado nas aplicações cliente-servidor personalizadas. Em teoria, a aplicação cliente se conecta diretamente à aplicação servidor, sem passar pela caixa de diálogo de conexão. Entretanto, em caso de erro, esta caixa de diálogo aparecerá, neste caso, o nome da publicação da aplicação servidor é o nome do banco compilado. Número de porta Esta opção permite modificar o número da porta TCP na qual o 4D Server publica o banco de dados. Esta informação se armazena na estrutura do banco e em cada máquina cliente. Como padrão, o número de porta TCP utilizado pelo 4D Server e 4D em modo remoto é Personalizar este valor é necessário quando se deseja utilizar várias aplicações 4D no mesmo aparelho com o protocolo TCP, neste caso, deve especificar um número de porta diferente para cada aplicação. Ao modificar este valor desde 4D Server ou 4D, se transmite automaticamente a todas as máquinas 4D conectadas ao banco. Para atualizar as outras máquinas clientes não conectadas, apenas deve entrar o novo número de porta (precedido por dois pontos) depois da direção IP da máquina servidor na página Personalizado da caixa de diálogo de conexão. Por exemplo, se o novo número de porta é 19888: Nota: somente os bancos publicados na mesma porta que o definido no cliente 4D são visíveis na página de publicação dinâmica TCP/IP. 4D Server e números de porta 4D Server utiliza três portas TCP para as comunicações entre os servidores internos e os clientes: Servidor SQL: como padrão (modificável através da página "SQL/Configuração" das Preferências). Servidor da aplicação: como padrão (modificável através da página "Cliente-Servidor/Configuração" das Preferências, ver acima). Servidor DB4D (servidor de banco de dados): como padrão. Este número de porta não pode ser modificado diretamente, mas é sempre o número da porta do servidor da aplicação + 1. Quando um cliente 4D se conecta ao 4D Server, se utiliza a porta TCP do servidor da aplicação (19813 ou a porta indicada depois dos dois pontos ':' na direção IP que se mostra na caixa de diálogo de conexão). A conexão a outros servidores através de suas respectivas portas é então automática, já que não é necessário especificar-la. Tenha em mente que no caso de acesso através de um router ou um firewall, as três portas TCP devem estar abertas de

48 Tenha em mente que no caso de acesso através de um router ou um firewall, as três portas TCP devem estar abertas de forma explícita. Tempo limite de conexão Cliente-servidor Este termômetro permite definir o tempo limite (timeout - período de inatividade depois do qual a conexão se fecha) entre 4D Server e as máquinas clientes conectadas a ele. A opção ilimitado elimina o tempo limite. Quando esta opção estiver selecionada, o controle de inatividade do cliente se desativa. Quando se seleciona um tempo limite, o servidor fechará a conexão de um cliente se não recebe nenhuma petição do cliente durante o tempo limite especificado. Comunicação cliente-servidor Inscrever os clientes ao início para executar no cliente Quando esta opção está selecionada, todos as máquinas 4D remotas que se conectam ao banco podem executar os métodos remotamente. Este mecanismo é detalhado na seção Procedimentos armazenados nas máquinas clientes. Encriptar as conexões cliente-servidor Esta opção permite ativar o modo SSL (modo de segurança) para a comunicação entre a máquina servidora e as possíveis máquinas 4D remotas. Esta opção é detalhada na seção Criptografar conexões cliente-servidor. Atualizar a pasta "Resources" durante uma sessão Esta configuração permite definir globalmente o modo de atualização da instância local da pasta nas máquinas 4D conectadas quando a pasta do banco foi modificada durante a sessão (a pasta se sincroniza automaticamente no equipamento remoto cada vez que uma sessão se abre). Três opções estao disponíveis: Nunca: a pasta local não se atualiza durante a sessão. A notificação enviada pelo servidor é ignorada. A pasta local pode ser atualizada de forma manual utilizando o comando Update Local Resources. Sempre: a sincronização da pasta local é realizada automaticamente durante a sessão cada vez que se envia a notificação pelo servidor. Perguntar: quando é enviada a notificação pelo servidor, é mostrada uma caixa de diálogo nas máquinas cliente, indicando a modificação. O usuário pode aceitar ou recusar a sincronização da pasta local. A pasta centraliza os arquivos personalizados necessários para a interface do banco (arquivos de tradução, imagens, etc.) Os mecanismos automáticos ou manuais permitem notificar a cada cliente quando o conteúdo desta pasta foi modificado. Para mais informação, consulte a seção Gerenciamento da pasta Resources. Abrir a estrutura em modo Esta opção permite definir o modo de abertura da estrutura do banco para as máquinas clientes. Como padrão, está definido o modo Leitura/Escrita mas também é possível configurar a abertura no modo Somente leitura para evitar modificações na estrutura. Nova capa de rede ServerNet (compatibilidade) A partir de 4D v14 R5, as aplicações 4D contém uma nova capa de rede, chamada ServerNet, para gerenciar as comunicações entre 4D Server e equipes 4D remotas (clientes). ServerNet se baseia em uma API moderna e robusta. É fácil de manter e facilitará a implementação das últimas tecnologias de rede ao tempo que oferece um alto nível de rendimento. A capa de rede antiga está obsoleta, mas ainda se suporta com o propósito de garantir a compatibilidade das bases existentes. ServerNet se utiliza automaticamente em bases de dados novas. Há opções que lhe permitem ativar/desativar o ServerNet. Para ter certeza de que suas aplicações se beneficiem das futuras evoluções de rede, lhe recomendamos que habilite ServerNet o mais rápido possível em todas suas bases de dados. Ativar ou desativar a capa de rede antiga Pode ativar ou desativar em qualquer momento a capa de rede antiga em seu 4D Server. Pode utilizar: a constante Use legacy network layer com o comando SET DATABASE PARAMETER, o a opção Usar a capa de rede antiga a caixa de diálogo Propriedades da base; esta opção está disponível só em aplicações convertidas (ver Página Compatibilidade): Nota: como se indica em seu título, esta opção é ignorada em 4D Server v14 R5 versão 64 bits para OS X; só ServerNet pode

49 ser utilizada nesta plataforma. Por padrão, a capa de rede ServerNet se: ativa automaticamente nas novas bases, criadas com 4D v14 R5 ou versões posteriores, desativa automaticamente nas bases convertidas. Migração dos clientes 4D fusionados Quando se ativa a capa ServerNet em sua aplicação servidor existente, só as aplicações cliente 4D só compatíveis poderão se conectar: As aplicações clientes em versão 4D v14 R4 e superior podem se conectar sem modificação. As aplicações cliente em versões anteriores (v14.x e todas as outras releases v14 'R') primeiro devem ser atualizadas para poder se conectar ao servidor. Se sua aplicação funciona com clientes 4D Volume Desktop fusionadas em versões anteriores a v14 R4, e deseja utilizar o mecanismo automático de 4D Server para distribuir suas aplicações cliente atualizadas através da rede, é necessário estabelecer uma estratégia de migração. Esta estratégia deve ser baseada nos seguintes princípios: Osclientes não compatíveis só podem se conectar a um 4D Server utilizando a capa de rede antiga. Os clientes atualizados podem adaptar seu protocolo de forma dinâmica para que possam se conectar a 4D Server v14 R5 e superiores, independentemente da capa de rede que o servidor esteja utilizando. Sua estratégia de migração deve seguir estes passos: 1. Crie uma atualização da aplicação cliente com 4D v14 R5 ou superior. 2. Lance 4D Server v14 R5 com o parâmetro "Utilizar la capa de rede antiga" ativada. Esta configuração permite que todos os clientes se conectem. Nota: tenha em conta que 4D Server v14 R5 versão de 64 bits para OS X não suporta esta opção. 3. Espere um período de tempo determinado até que cada cliente se conecte e baixe a nova versión. Isto pode durar um dia, uma semana ou inclusive mais tempo. Durante este período de transição, os clientes antigos e atualizados podem se conectar ao servidor de rede antigo.. 4. Uma vez que todos os clientes se atualizaram, pode desativar a capa de rede antiga e ativar definitivamente ServerNet em 4D Server. Esta estratégia se representa no siguiente diagrama: Registrar as petições dos clientes (Added) Durante o processo de migração, se recomenda que habilite o arquivo "Diagnostic log recording". Quando se ativa este arquivo, 4D Server registra cada solicitação de atualização de clientes neste arquivo, o que lhe permite controlar o processo. Este registro não se ativa por padrão: deve chamar ao comando SET DATABASE PARAMETER com a constante Diagnostic log recording definida em 1. Para cada solicitação de atualização, a seguinte informação se registra: IP do cliente versão do cliente

50 O seguimento do arquivo de histórico também é útil depois de que tenha mudado o servidor a capa de rede ServerNet, para ter certeza de que todos os clientes tenham se atualizado corretamente. Se um cliente não compatível tentar se conectar, o servidor registra a seguinte entrada: IP do cliente versão do cliente evento "Fail to connect" Neste caso, pode decidir, por exemplo, atualizar o cliente de forma manual.

51 Preferências de publicação Você pode definir parâmetros relativos a configuração rede dos banco de dados 4D Server na guia "Configuração IP" da página Cliente-Servidor das Propriedades do banco de dados (acessíveis desde 4D em modo remoto e 4D Server): Estes parâmetros são detalhados nesta seção. Tabela de configuração Autorizar-Negar Esta tabela permite estabelecer as regras de controle de acesso ao banco em função da direção IP dos equipamentos 4D remotos. Esta opção permite reforçar a segurança, por exemplo, para aplicações estratégicas. Nota: esta tabela de configuração não controla as conexões web. O funcionamento da tabela de configuração é o seguinte: A coluna "Autorizar-Negar" permite selecionar o tipo de regra a aplicar (Autorizar ou Negar) utilizando um menu pop-up. Para agregar uma regra, clique no botão Adicionar (+). Uma nova linha aparece na tabela. O botão Eliminar (-) permite eliminar a linha atual. A coluna "Direção IP" permite designar a direção ou direções IP, incluídas na regra. Para especificar uma direção, clique na coluna e escreva a direção da seguinte forma: Pode utilizar um caractere * (asterisco) para especificar as direções do tipo "começa com". Por exemplo, * indica todas as direções que começam com A aplicação das regras é efetuada na ordem de visualização da tabela. Se duas regras são contraditórias, se dá prioridade à regra localizada mais acima na tabela. Pode re-organizar as linhas modificando a ordem atual (clique no cabeçalho da coluna para alternar o sentido de

52 ordenação). Também pode mover linhas através de arrastar e soltar. Por razões de segurança, somente as direções correspondentes a uma regra de autorização explícita poderão ser conectadas. Em outras palavras, se a tabela só conter uma ou mais regras Negar, todas as direções serão negadas porque nenhuma cumpria ao menos uma regra. Se deseja negar somente determinadas direções (e permitir outras), adicione uma regra Autorizar * ao final da tabela. Por exemplo: - Negar * (negar todas as direções que comecem por ) - Autorizar * (e autorizar todas as demais direções) Como padrão, não se aplicam restrições de conexão por 4D Server: a primeira linha da tabela contêm a etiqueta Autorizar e o caractere * (todas as direções).

53 Criptografar conexões cliente-servidor Pode configurar suas conexões cliente/servidor de maneira que 4D Server e as máquinas 4D remotos se comuniquem em modo seguro. A comunicação cliente/servidor está baseada no protocolo SSL (Secured Socket Layer). O protocolo SSL e as conexões cliente/servidor O protocolo SSL foi desenhado para dar seguridade aos intercâmbios de dados entre duas aplicações, principalmente entre um servidor web e um navegador. O protocolo SSL está desenhado para autenticar ao remetente e o receptor e para garantir a confidencialidade e integridade da informação intercambiável. Para obter uma descrição detalhada do protocolo SSL, consulte a seção Usar protocolo SSL no manual de Linguagem de 4D. Quanto a 4D Server e 4D Client, o protocolo SSL permite reforçar a segurança das comunicações. Os mecanismos de geração de chaves e de autenticação são manipulados de forma transparente por 4D Server e não requerem de nenhuma configuração adicional do usuário. Nota: Criptografar conexões cliente/servidor diminui as conexões. Configurações A nível de rede, o protocolo SSL é inserido entre a capa TCP/IP (nível baixo) e o protocolo de alto nível. Para usar SSL em uma configuração cliente/servidor "tradicional", certifique-se que na máquina 4D Server e em todas as máquinas 4D Client, o arquivo 4DSLI.DLL (Windows) ou pacote 4DSLI.bundle (Mac OS) estão instalados corretamente. está instalado corretamente. Este arquivo é a interface da capa de segurança (Secured Layer interface) dedicada à gestão do SSL. Ele deveria estar: Em Windows: junto aos arquivos executáveis das aplicações 4D e 4D Server Em Mac OS: na sub pasta [4D Extensions] dos pacotes de software de 4D e 4D Server. Este arquivo se instala por padrão. Por outro lado, a criptografia de conexões 4D Server não está habilitada por padrão. Você deve ativar desta maneira: Abra a página "Cliente-Servidor /Opções rede" das propriedades da base da caixa de diálogo e selecione a opção de Criptografar as conexões cliente-servidor (ver a seção Preferências de configuração). Por padrão, a caixa de seleção não está selecionada. A continuação, você deve sair e relançar o 4D Server para que esta configuração seja tida em conta. Todos os computadores remotos 4D se conectarão em modo de segurança. Conexão em modo de segurança O símbolo acento circunflexo (^) aparece a frente do nome das bases publicadas em modo SSL na página de conexão TCP/IP a 4D Server:

54 Nota: Quando o nome de uma base não se publica dinamicamente na página de conexão TCP/IP, o usuário pode introduzir manualmente na página Personalizado (ver as seções Conexão a um banco de dados 4D Server e Preferências de publicação). Neste caso, deve iniciar o nome com um ^ (acento circunflexo) se a base se publica em modo seguro; caso contrário a conexão será rejeitada.

55 Gerenciamento da pasta Resources A pasta de Resources da base é usada para compartilhar os dados personalizados (imagens, arquivos, subpastas, etc) entre a máquina do servidor e todos os computadores cliente. No computador do servidor, a pasta de Resources simplesmente deve estar localizada junto à estrutura do arquivo base. Todos os mecanismos de referência associados à pasta Resources são suportados em modo cliente/servidor (pasta.lproj, XLIFF, imagens, etc). Para obter mais informações sobre este ponto, ver o Manual de Desenho 4D. Cada cliente tem uma cópia desta pasta localmente. O conteúdo da pasta local é automaticamente sincronizado com o servidor cada vez que o cliente se conecta. Por outro lado, computadores cliente podem ser "notificados" dinamicamente durante uma sessão quando o conteúdo da pasta Resources da base servidor seja alterada por um desenvolvedor. Esta notificação pode ser ativada: De forma automática pelo servidor, dois minutos depois da última modificação realizada por um cliente (isto ajuda a evitar as notificações inoportunas em caso de copia de numerosos arquivos). Ou de forma manual através do comando Notify clients no menu de ação do Explorador de recursos na máquina cliente na origem da modificação. Ou pela programação, através de um comando NOTIFY RESOURCES FOLDER MODIFICATION. Este comando é útil quando o conteúdo da pasta Resources se modifica no servidor através de um procedimento armazenado. No lado do cliente, a maneira que manipula a notificação das alterações depende da configuração da preferência "Atualização da pasta Resources" durante uma sessão. Isso também pode ser definido individualmente, usando o comando SET DATABASE PARAMETER. Três opções estão disponíveis: sem sincronização, sincronização automática ou perguntar. Para obter mais informações, consulte as seções Preferências de configuração e Preferências de publicação e a descrição do comando SET DATABASE PARAMETER. Finalmente, cada máquina cliente pode sincronizar com o servidor em qualquer momento através do comando Update Local Resources no menu ação do Gerenciador de recursos. Para obter mais informações sobre o Explorador de recursos, consulte o Manual de Desenho 4D. Nota de compatibilidade: Em versões anteriores de 4D Server, a transferência de dados personalizados era levada a cabo através de uma pasta chamada "Extras", localizada ao lado do arquivo de estrutura. Esta pasta é obsoleta e seu uso não é recomendável. No entanto, ainda é suportada por 4D Server com o propósito de preservar a compatibilidade das aplicações existentes.

56 Registrar um banco de dados como serviço Em Windows, 4D Server pode ser lançado como um Serviço Nota de compatibilidade: esta função não está disponível em Mac OS a partir da versão 12 de 4D Server. Uma aplicação 4D Server registrada como serviço é lançada automaticamente no início da máquina com a base atual, antes mesmo que abra uma sessão de usuário. Não é fechada quando o usuário deixa a sessão. Este funcionamento lhe permite assegurar a disponibilidade de uma base de 4D Server, mesmo no caso de um incidente que requeira reiniciar a máquina. A manutenção pode ser feita remotamente. Notas: Em uma plataforma Windows 64-bits, uma aplicação 4D Server registrada como serviço se executa sem interface (a janela de administração do servidor não é mais mostrada). Para maior informação sobre os mecanismos de gestão dos Serviços, consulte a documentação de seu sistema, consulte a documentação de seu sistema operativo. Para registrar o banco de dados 4D Server como um serviço, selecione o comando Para registrar a base atual como um serviço no menu Arquivo de 4D Server. Na próxima vez que você inicia a máquina, 4D Server iniciará automaticamente e será aberto o banco de dados atual. Você pode registrar quantos bancos de dados quiser. Cada base pode registrar somente uma vez. Nota: Em Windows, este comando pode tornar-se cinza quando o acesso as funções de gerenciamento de serviços são restritas. Neste caso, para pode usar este comando você deve: Lançar 4D Server com um nível de administrador (para fazer isso, clique com o botão direito no ícone da aplicação e escolha o comando Executar como administrador no menu contextual) Desativar o Controle de conta usuário (UAC) através do painel de configurações de "Contas de usuário" (para fazer isso, selecione a opção "Nunca notificar"). Atenção: Certifique-se de usar uma conta válida quando você abre a reunião, caso contrário será exibida uma mensagem de erro. Por padrão, 4D Server se executa com a "Conta sistema local", a qual pode não necessariamente contar com os parâmetros necessários para utilizar sua aplicação. Em particular, se deseja realizar impressões, deve abrir a sessão com uma conta de usuário que tenha parâmetros de impressão por padrão. Para mudar de conta, vá ao Painel de controle> Sistema e segurança> Ferramentas de administração> Serviços. Na lista de Serviços, faça clique em 4D Server, escolha a opção Propriedades, e logo vá a guia Conexão e defina a conta com a que o servidor deve ser executado (configuração que será utilizado no próximo lançamento). Para dar baixa a sua base, selecione Dar baixa a base atual do menu Arquivo de 4D Server. Este comando está em cinza se a base não foi registrado como um serviço. Para dar baixa todas as bases de 4D Server ao mesmo tempo, selecione Dar baixa todos os serviços de 4D server a partir do menu Arquivo de 4D Server. Este comando está em cinza se nenhum serviço 4D Server está ativo. Não é possível mudar o estado do registro do serviço de 4D Server desde 4D Server, se a aplicação foi lançada como um serviço ao inicio. Neste caso, os três elementos do menu são desativados. Para parar o serviço, utilize o painel de controle de Serviços.

57 Configurar um espelho lógico 4D Server oferece uma solução integrada que permite configurar um sistema de backup sob um espelho lógico. Esta solução está baseada nos dois novos comandos: New log file e INTEGRATE LOG FILE. O que é um espelho lógico? Um espelho lógico é um modo backup sofisticado, destinado especialmente para bancos de dados críticos ou de alta carga. O uso de um espelho lógico consiste em operar um banco de dados em una máquina e manter em uma segunda máquina uma copia desta base que se atualiza periodicamente. Ambas máquinas se comunicam pela rede com a máquina em funcionamento transmitindo regularmente para a máquina de espelho as mudanças realizadas no banco de dados através do intermediário do arquivo de histórico. Desta maneira, quando há um incidente que afeta o banco de dados operacional, o banco de dados espelho pode ser utilizado para conseguir rapidamente voltar a trabalhar sem a perda de dados. Por outra parte, o banco de dados operacionais nunca está "bloqueado" pelas operações de backup. Por que escolher o backup usando um espelho lógico? O uso de um espelho lógico corresponde às necessidades específicas. A estratégia padrão com base em backups periódicos e a utilização de um arquivo de histórico é nas maiorias dos casos uma solução simples, confiável e econômica. Torna-se o backup de base regularmente (a cada 24 horas geralmente). Durante o backup, a base permanece acessível em modo somente de leitura. Este período de indisponibilidade parcial é muito curto e mesmo no caso de grandes bancos de dados (maiores de 2 GB), não dura mais que 5 minutos. Esta operação ainda pode ser programada para realizar-se fora dos períodos normais de utilização da base. No entanto, para certos tipos de organizações, tais como hospitais, por exemplo, as bases de dados essenciais devem ser totalmente operacionais 24 horas por dia. O banco de dados não pode estar somente no modo leitura, embora por um período muito curto de tempo. Neste caso, a criação de um espelho lógico é uma boa solução. Nota: O espelho base apenas reflete as alterações feitas aos dados. Esse método de backup não é adequado para bases no processo de desenvolvimento, onde freqüentes mudanças estruturais farão que o espelho seja rapidamente obsoleto ou que requerem várias atualizações da estrutura do espelho base. Princípios de funcionamento A criação de um sistema de backup por espelho lógico é baseado em dois novos comandos: New log file e INTEGRATE LOG FILE. Estes comandos se descrevem no manual de Linguagem de 4D. Os seguintes princípios aplicam: A base está instalada no computador 4D Server principal (máquina de funcionamento) e uma cópia idêntica da base está instalada na máquina 4D Server espelho. Uma prova no início do aplicativo (por exemplo, para detectar a presença de um arquivo específico na pasta 4D Extensions) nos permite distinguir entre as duas versões (operacional e espelho) e, por conseguinte, proceder a operações adequadas. Na máquina 4D Server em funcionamento, o arquivo de histórico é "segmentado" a intervalos regulares com o comando New log file. Dado que nenhuma copia de seguridade é levada a cabo no servidor principal, a base se mantém disponível permanentemente em modo leitura-escritura. Cada segmento do arquivo histórico é enviado para a máquina espelho, onde junta-se a base espelho usando o comando INTEGRATE LOG FILE A criação deste sistema necessita a programação de código específico, em particular: Um contador de tempo no servidor principal para a gestão dos ciclos de execução do comando New log file, Um sistema de transferência para os "segmentos" do arquivo de histórico entre a máquina operacional e a máquina espelho (usando 4D Internet Commands para uma transferência via FTP ou por sistemas de mensagens, serviços web, etc), Um processo na máquina espelho destinada a supervisionar a chegada de novos "segmentos" do arquivo de histórico e de integrar usando o comando INTEGRATE LOG FILE, Um sistema de comunicação e de gestão de erros entre o servidor principal e o servidor espelho. ATENÇÃO: Um sistema de backup pelo espelho lógico não é compatível com o backup "padrão" em uma base no uso como a utilização simultânea destes dois modos de backup irão conduzir à dessincronização das bases operacionais e espelho.

58 Portanto, você deve ter certeza que nenhum backup, automático ou manual, seja realizado na base operacional. Por outro lado, é possível fazer backups do espelho base (veja o próximo parágrafo). Backup da base do espelho 4D Server permite realizar backups do banco de dados na máquina espelho. Todas as mídias convencionais podem ser usadas para realizar backups na máquina espelho: backup manual através do menu Arquivo, backup periódico definido nas Preferências ou o backup agendado, usando os comandos da linguagem. Para evitar riscos de dessincronização com a máquina operacional, 4D bloqueia automaticamente a máquina espelho quando ele está a realizar uma das duas operações básicas: a integração do arquivo de histórico da máquina operacional e o backup do banco de dados espelho. Durante a integração do arquivo de histórico, não é possível levar a cabo um backup. Se utiliza o comando BACKUP, é gerado o erro 1417 (ver a seção Erros de Gestão de backup (1401 -> 1421)). Quando um backup está em andamento, todos os processos são congelados e não é possível começar a integração de um arquivo de histórico. A partir de 4D v14, pode ativar o arquivo de histórico atual na máquina espelho, o que significa que pode configurar um "espelho - espelho", ou uma série de servidores espelho em cascata. Esta possibilidade se baseia no comando [#cmd id="1312"/]. Para obter mais informação, consulte a descrição deste comando. Cenário de operação de um espelho lógico O seguinte cenário ilustra, desde o ponto de vista de cada máquina 4D Server, a configuração de um sistema de backup com espelho:

59 Passo Máquina em operação Máquina espelho 1 Inicialização da aplicação, backup do arquivo de dados e ativação (caso seja necessário) do arquivo de histórico. 4D cria o arquivo MyDatabase.journal. Para maior segurança, o arquivo de histórico é guardado em um disco duro separado. Saímos da aplicação. Copia de todos os arquivos da base (arquivo de histórico incluído) na máquina espelho Reinicio da aplicação e início da operação (verificar que não exista um backup totalmente programado). Decisão de atualizar o espelho (por exemplo, depois de um certo tempo de operação). Execução do método que contém o comando New log file. O arquivo guardado se chama MyDatabase[ ].journal. Envio por programação do arquivo MyDatabase[ ].journal à máquina espelho (utilizando 4DIC, Serviços web, etc.). A base está em operação. Incidente no computador; a base é inutilizável. Decisão de passar à máquina espelho. Copia do arquivo de histórico atual MyDatabase.journal a máquina espelho, sob a pasta de recepção habitual. 6 Análises do incidente e reparação. 7 A máquina se repara. Substituição dos arquivos da base pelas da base espelho. Inicio da aplicação. 4D Server solicita o arquivo de histórico: seleção do arquivo transferido desde a máquina espelho. Inicio da aplicação espelho. 4D Server solicita o arquivo de histórico atual: seleção do arquivo MyDatabase.journal que foi transferido da base operacional. Se não quer utilizar o histórico do espelho, desative o histórico atual na página Backup/Configuração das Preferências/Propriedades (tenha a certeza de que a opção Utilizar o arquivo de histórico não esteja selecionada). Detecção de um arquivo que está esperando ser integrado. Execução do método que contém o comando INTEGRATE LOG FILE para integrar o arquivo MyDatabase[ ].journal. Detecção de um arquivo que está esperando ser integrado. Execução do método que contém o comando INTEGRATE LOG FILE para integrar o arquivo MyDatabase.journal. Por segurança, criação de um arquivo de histórico atual na página Backup/Configuração das Preferências. A base está em operação. Saímos da base. Voltar ao passo 2.

60 Janela de administração de 4D Server 4D Server tem uma janela de administração completa e fácil de usar. Esta janela oferece diferentes ferramentas de análise e controle para bases de dados publicadas. A janela contém várias páginas que podem ser acessar utilizando os botões na parte superior: Cada página se detalha em uma seção deste capítulo. Nota: A janela de administração pode acessar desde um computador 4D remoto. Para obter mais informação sobre este ponto, consulte a seção Administração de máquinas remotas. Página Monitor Página Usuários Página Processos Página Manutenção Página Servidor de Aplicações Página Servidor SQL Página Servidor HTTP Página Monitor tempo real

61 Página Monitor A página Monitor mostra informação dinâmica sobre o uso da base bem como informação do sistema e a aplicação 4D Server: Nota: Em Windows, a visualização desta informação está relacionada com os direitos do usuário que abriu a sessão. Para maior informação, consulte o parágrafo Visualização de informação do monitor (Windows). Área gráfica A área gráfica permite visualizar a evolução em tempo real de vários parâmetros: o uso dos processadores, o tráfico de rede e a ocupação da memória. Você seleciona o parâmetro a mostrar utilizando o menu localizado ao centro da janela: Uso de processadores: uso global de CPU da máquina, para todas as aplicações juntas. A parte específica de 4D Server nesta taxa de uso está na área de informação "Processadores". Rede: número de bytes recebidos por segundo por 4D Server. O número de bytes enviados por 4D Server se oferece na área de informação "Rede".

62 O número de bytes enviados por 4D Server se oferece na área de informação "Rede". Memória física: quantidade de memória RAM da máquina utilizada por 4D Server. Uma vista mais detalhada do uso da memória se encontra na área de informação "Memória". Memória Virtual: mostra na área gráfica a quantidade de memória virtual utilizada pela aplicação 4D Server. Esta memória é atribuída pelo sistema de acordo as necessidades da aplicação. O valor na parte inferior direita da área indica a quantidade de memória em uso. O valor na parte superior esquerda indica a quantidade máxima de memória virtual utilizada. O valor máximo se calcula dinamicamente em função dos parâmetros de memória geral da aplicação. Cachê: Mostra na área gráfica a quantidade de memória cachê utilizada pela aplicação 4D Server. O valor na parte inferior direita da área indica a quantidade de memória em uso. O valor na parte superior esquerda indica o tamanho total da memória cachê, tal como foi definido nas Propriedades da base. Observe que quando esta opção está selecionada, o deslocamento da área gráfica desacelera porque uma análises eficaz da cachê se realiza geralmente em um período de observação bastante longa. Área Introdução A área "Introdução" oferece diferente informação relativa ao sistema, a aplicação e as licenças instaladas na máquina de 4D Server. Área Detalhes A área "Detalhes" repete parte da informação mostrada na área gráfica e oferece informação adicional. Disco duro: Capacidade global do disco duro e distribuição entre o espaço ocupado pelos dados da base (arquivo de dados + índice de dados), o espaço utilizado por outros arquivos e o espaço disponível. Memória: Memória RAM instalada na máquina e quantidade de memória ocupada por 4D Server, pelas outras aplicações e memória disponível. A memória ocupada por 4D Server pode igualmente ser mostrada dinamicamente na área gráfica. Processadores: Taxa instantânea de ocupação dos processadores da máquina por 4D Server e pelas outras aplicações. Esta taxa se recalcula permanentemente. A taxa de ocupação por 4D Server também pode ser mostrada dinamicamente na área gráfica. Rede: Número instantâneo de bytes recebidos pela rede por 4D Server e número de bytes enviados pela aplicação. Este valor se atualiza constantemente. O número de bytes recebidos por 4D Server também podem ser mostrados dinamicamente na área gráfica.

63 Mostrar informação do monitor (Windows) Em Windows, alguma informação do sistema mostrada na página Monitor se recupera nas ferramentas do "Monitor de rendimento" de Windows. O acesso a estas ferramentas somente se permite quando o usuário que abre a sessão aonde foi lançado 4D Server tem as autorizações necessárias. Este usuário deve: Pertencer ao grupo "Administradores", Em Windows Vista: pertencer ao grupo "Usuários do monitor de rendimento" (para um usuário que não é Administrador). Para colocar um usuário no administrador no grupo "Usuários do analisador de rendimento" em Windows Vista (necessitará usar uma conta Administrador para fazer estas operações): 1. Ir para o painel de controle e abra o painel de "Contas de usuário". 2. Faça clique na guia "Opções Avançadas" e depois no botão "Avançado" da seção "Gestão avançada de usuários". É executada a aplicação "Usuários e grupos locais". 3. Duplo clique na pasta "Grupos". 4. Duplo clique no grupo "Usuários do monitor de rendimento". Aparece uma janela chamada "Propriedades de usuários do monitor de rendimento". 5. Faça clique no botão Adicionar... para adicionar um usuário. 6. Na área de texto titulada "Introduzir os nomes dos objetos a selecionar," introduzir os nomes dos usuários a autorizar. 7. Faça clique em Aceitar (duas vezes). Feche a aplicação "Usuários e grupos locais" depois as "Contas de usuários."

64 Página Usuários A página Usuários lista os usuários conectados à base: O botão "Usuários" indica, entre parênteses, o número total de usuários conectados a base (este número não leva em conta os possíveis filtros de visualização aplicados a janela). Esta página também contém uma área de pesquisa dinâmica e os botões de controle. Pode modificar a ordem das colunas arrastando e soltando a área de cabeçalho das colunas. Também pode ordenar a lista de valores de uma coluna fazendo clique no seu cabeçalho: Faça clique várias vezes para definir alternativamente uma ordem ascendente/descendente. Lista de usuários Para cada usuário conectado a base, a lista oferece a seguinte informação: Sistema da máquina cliente (Mac OS ou Windows) forma de ícone. Usuário 4D: nome de usuário 4D. Se as senhas não estão ativas, todos os usuários se chamam "Desenhador." Nome de máquina: nome da máquina cliente. Nome de sessão: nome da sessão aberta na máquina cliente. Direção IP: direção IP da máquina cliente. Conexão: data e hora da conexão da máquina cliente. Tempo CPU: tempo de CPU consumido por este usuário desde a conexão. Atividade: rádio de tempo que 4D Server outorga a este usuário (visualização dinâmica). Área de pesquisa/filtro Esta função permite reduzir o número de linhas mostradas na lista as quais correspondem ao texto introduzido na área de pesquisa. A área indica as colunas nas quais será realizada a pesquisa/filtro. Na página Usuários, serão as colunas Usuário 4D,

65 Nome de máquina e Nome de sessão. A lista se atualiza em tempo real a medida que introduz o texto na área. É possível introduzir mais de um valor a buscar. Utilize ponto e vírgula para separar os valores. O operador utilizado neste caso é de tipo OU. Por exemplo, é introduzido "João;Maria;Pedro," somente serão conservadas as linhas com João OU Maria OU Pedro nas colunas objetivo. Botões de administração Esta página inclui três botões de controle. Estes botões estão ativos se pelo menos uma linha está selecionada. Pode selecionar várias linhas pressionando a tecla Shift para uma seleção adjacente ou Ctrl (Windows) / Comando (Mac OS) para uma seleção não adjacente. Enviar mensagem: Este botão permite enviar uma mensagem aos usuários 4D selecionados na janela. Se nenhum usuário 4D está selecionado, o botão se desativa. Ao fazer clique neste botão, aparece uma caixa de diálogo que lhe permite introduzir a mensagem. A caixa de diálogo indica o número de usuários que receberão a mensagem: A mensagem será mostrada em forma de alerta nas máquinas clientes: Visualizar processos: Este botão permite visualizar diretamente os processos de usuário selecionado na página Processo da janela de administração. Ao fazer clique no botão, 4D Server passa para a página Processos e introduz os nomes de usuários selecionados na área de pesquisar/filtrar desta página. Para maior informação, consulte a descrição desta página. Desconectar: Este botão pode ser utilizado para forçar a desconexão dos usuários selecionados. Quando você faz clique neste botão, aparece uma caixa de diálogo de alerta que lhe permite confirmar ou anular a operação. Nota: Pode também desconectar diretamente os usuários selecionados sem mostrar a caixa de diálogo de confirmação: para fazer isto, pressione Alt (Windows) ou Opção (Mac OS) enquanto pressiona o botão Desconectar.

66 Página Processos A página Processos lista os processos em execução: O botão "Processos" indica entre parênteses o número total de processos em execução na base (este número não leva em consideração os possíveis filtros de visualização aplicados a janela, nem ao estado da opção Mostrar os processos por grupos). Pode mudar a ordem das colunas simplesmente arrastando e soltando as áreas de cabeçalho das colunas. Também pode ordenar a lista dos valores de uma coluna fazendo clique em seu cabeçalho. Como a Página Usuários, esta página contém uma área de pesquisa/filtro dinâmica, que permite reduzir o número de linhas mostradas na lista que corresponda o texto introduzido na área de pesquisa. A pesquisa/filtro se realiza nas colunas Sessão e Nome de processo. Também existem três botões de atalhos que permitem filtrar por tipo os processos mostrados na janela: Processos de usuário: processos gerados por e para as sessões usuário. Estes processos estão precedidos por um ícone em forma de pessoa. Processos 4D: processos gerados pelo motor de 4D Server. Estes processos estão precedidos por um ícone em formato de roda serrilhada. Processos livres: processos inativos mas que são conservados temporariamente e que podem ser reutilizados em qualquer momento. Este mecanismo otimiza a reatividade de 4D Server. Estes processos estão precedidos por um ícone cinza em forma de pessoa. A opção Mostrar os processos por grupos permite reagrupar os processos internos de 4D Server assim como os processos cliente, para maior legibilidade. Quando seleciona esta opção: Os processos clientes 4D "twinned" (Processos cliente 4D principal e Processos base 4D client, ver o parágrafo Tipo de processo ) se juntam em um só, É criado um grupo "Administradores de tarefas"; o qual inclui os processos internos dedicados a repartição das tarefas

67 (Shared balancer, Net session manager, Exclusive pool worker), É criado o grupo "Gerenciamento de clientes"; o qual inclui os diferentes processos internos clientes. A área inferior da janela permite mostrar a representação gráfica da atividade dos processos selecionados: Nota: Pode selecionar várias linhas pressionando a tecla Shift para uma seleção adjacente ou Ctrl (Windows) / Comando (Mac OS) para uma não adjacente. A atividade do processo é a porcentagem de tempo que 4D Server tem dado a este processo (radio). Como nas versões anteriores de 4D Server, a janela oferece a seguinte informação para cada processo: Tipo de processo (ver a continuação), Sessão (vazia no caso de um processo 4D e nome de usuário 4D no caso de um processo usuário), Nome do processo, Número do processo (tal como devolve a função New process por exemplo). O número do processo é o número atribuído pelo servidor. No caso de um processo global, este número pode ser diferente do assinalado no computador cliente. Estado atual do processo, Tempos (em segundos) de execução do processo desde sua criação, Porcentagem de tempo que 4D Server deu a este processo (radio). Tipo de processo Cada processo está identificado por um ícone e um tipo. A cor e a forma do ícone indica o tipo de processo: Servidor de aplicação Servidor SQL Servidor DB4D (motor do banco de dados) Servidor web Servidor SOAP Processo cliente 4D protegido (processo desenvolvido de um 4D conectado) Processo cliente 4D principal (processo principal de um 4D conectado). Processo colaborador, equivalente ao servidor do processo criado na máquina cliente) Processo base 4D client (processo paralelo a um processo 4D client. Processo preemptive responsável de controlar o processo cliente 4D principal correspondente) Processo em espera (anterior o futuro "Processo cliente 4D banco de dados") Processo 4D client (processo executado no 4D conectado) Procedimento armazenado (processo lançado por um 4D conectado e executado no servidor) Método web (lançado por um 4D ACTION por exemplo) Método SOAP (lançado por um serviço web) Método SQL (lançado por uma petição SQL) Nota: Um processo cliente 4D principal e seu processo base 4D client "twinned" são agrupados quando a opção Mostrar os processos por grupos está selecionada. Botões de administração A página tem cinco botões de controle que atuam nos processos selecionados. Observe que somente se pode atuar nos processos usuário. Abortar processo: permite abortar os processos selecionados. Ao fazer clique neste botão, aparece uma caixa de diálogo de alerta de maneira que possa confirmar ou cancelar a operação. Nota: também pode abortar diretamente os processos selecionados sem mostrar a caixa de diálogo de confirmação pressionando a tecla Alt (Windows) ou Opção (Mac OS) enquanto faz clique neste botão. Pausar processo: permite colocar pausa aos processos selecionados. Ativar processo: permite reativar ele ou os processos selecionados. Os processos devem ter sido suspendidos anteriormente (utilizando o botão Parar ou por programação); caso contrário, este botão não tem nenhum efeito. Depurar processo: permite abrir no computador servidor uma ou várias janelas do depurador para os processos

68 selecionados. Ao fazer clique neste botão, aparece uma caixa de diálogo de maneira que pode confirmar ou cancelar a operação. Observe que a janela do depurador não mostra quando o código 4D é executado no computador servidor (por exemplo dentro de um trigger ou da execução de um método com o atributo "Execute on Server"). Nota: também pode depurar diretamente um processo, sem mostrar a caixa de diálogo de confirmação, pressionando a tecla Alt (Windows) ou Opção (Mac OS) enquanto realiza clique neste botão. Olhar usuários: permite mostrar na página Usuários todos os processos dos usuários selecionados. Este botão está ativo quando pelo menos um processo usuário está selecionado.

69 Página Manutenção A página Manutenção oferece informação sobre o funcionamento atual da base. Também oferece acesso às funções de manutenção básicas: Última verificação: Esta área indica a data, hora e o estado da última verificação de dados realizada na base. Para maiores informações sobre a verificação de dados, consulte o manual de Desenho. O botão Verificar registros e índices permite lançar diretamente a operação de verificação sem interromper o servidor. Observe que o servidor pode diminuir durante a operação. São verificados todos os registros e índices da base. Se você quiser definir a verificação ou ter opções adicionais, você precisará do Centro de segurança e manutenção (CSM). Após verificação, ele gera um relatório de arquivos no formato XML e HTML no servidor na pasta Logs localizado ao lado da estrutura do arquivo base. O botão Ver relatório (chamado Baixar relatório se a operação for realizada desde uma máquina cliente) permite exibir o arquivo no seu navegador. Última compactação: Esta área indica a data, hora e o estado da última compactação do banco de dados. Para obter mais informações sobre o processo de compactação de dados, consulte o manual de Desenho. O botão Compactar dados... permite lançar diretamente uma operação de compactação de dados. Esta operação requer parar o servidor: ao clicar neste botão, aparece a caixa de diálogo de fechamento da base 4D Server, permitindo que você escolha o modo de interrupção da operação:

70 Para maior informação sobre esta caixa de diálogo, consulte a seção Sair de 4D Server. Após a interrupção da base, 4D Server executa uma compactação padrão dos dados da base. Se você quer opções adicionais, você precisará do Centro de segurança e manutenção (CSM). Quando termine a compactação, 4D Server reiniciará automaticamente a base. Os usuários 4D podem se reconectar. Nota: Se o pedido de compactação é realizado de um computador 4D cliente remoto, esta máquina é reconectada automaticamente pelo 4D Server. Um arquivo de relatório é gerado nos formatos XML e HTML no servidor na pasta Logs localizado ao lado da estrutura do arquivo base. O botão Ver relatório (chamado Baixar relatório se a operação é feita de um computador cliente) permite que você mostre o arquivo no seu navegador. Duração de funcionamento: esta área indica a duração do funcionamento do servidor desde a última vez que se iniciou (dias, horas e minutos). O botão Reiniciar o servidor... permite reiniciar imediatamente o servidor. Ao fazer clique neste botão, aparece a caixa de diálogo de fechamento da base 4D Server de modo que possa escolher o modo de interromper a operação (ver a seção Sair de 4D Server). Depois de reiniciar, 4D Server faz o relançamento automaticamente da base. Os usuários 4D podem ser reconectados. Nota: se a petição de reinicio se realiza desde uma máquina 4D client remota, esta máquina se reconecta automaticamente por 4D Server. Último backup: Esta área indica a data e hora do último backup da base e fornece informações sobre o próximo backup automático agendado (se houver). Os backups automáticos são configurados usando a página "periodicidade" das preferências de base. - Próximo backup data e hora do próximo backup automático. - Espaço necessário: espaço estimado para o backup. O tamanho atual do arquivo de backup pode variar de acordo com os parâmetros (compressão, etc.) e de acordo as variações do arquivo de dados. - Espaço disponível: espaço disponível no volume do backup. O botão Backup da base permite iniciar o backup da base imediatamente usando os parâmetros atuais de backup (arquivos salvados, localização dos arquivos, opções, etc.). Você pode ver esses parâmetros clicando no botão Preferências... Durante um backup no servidor, as máquinas clientes são "bloqueadas" (mas não desligadas) e não é possível conectar novos clientes. Petições e depuração: Esta área indica a duração do registro do histórico de petições e dos eventos de depuração quando ele estiver ativo. O arquivo de histórico de petições guarda diferente informação sobre os pedidos recebidos pelo servidor (excluindo as solicitações da web): hora, número de processo, usuário, o tamanho da solicitação, duração do processo, etc., que podem ser usados para analisar a operação do servidor. Esse arquivo é denominado 4DRequestsLog_X (onde X é o número sequencial do arquivo) e é armazenado na pasta Logs da base. Uma vez que o arquivo chegar a um tamanho de 10 MB, fecha e gera um novo arquivo, com um número sequencial aumentado. O arquivo de eventos de depuração armazena cada execução de um método, comando 4D ou comando de plug-in em um arquivo chamado "4DDebugLog.txt", localizado automaticamente na pasta Registros da base, junto ao arquivo de estrutura. Cada evento se registra de maneira sistemática no arquivo antes de sua execução, o que garante sua presença no arquivo inclusive se a aplicação é fechada inesperadamente. Tenha em conta que este arquivo é apagado e reescreve cada vez que é iniciada a aplicação. Pode configurar este arquivo com o comando SET DATABASE PARAMETER. O botão Iniciar o histórico de petições permite gerar um novo arquivo e ativar o modo de registro dos pedidos. Como isto pode prejudicar significativamente o desempenho do servidor, ele é reservado para a fase de desenvolvimento do aplicativo. Uma vez ativado o registro de petições, o título do botão muda para Parar o histórico de petições, assim pode parar o registro das solicitações a qualquer momento. Lembre-se de que iniciar o histórico de solicitações após interrompê-lo "apaga" o arquivo anterior. Nota: É possível iniciar e parar o histórico de petições por programação através do comando SET DATABASE PARAMETER. O botão Ver relatório (chamado Baixar relatório se a operação é realizada desde um computador cliente) lhe permite abrir uma janela sistema mostrando o arquivo de histórico das petições.

71 Página Servidor de Aplicações A página Servidor de aplicações reúne a informação relativa ao banco de dados publicado por 4D Server e permite administrar esta publicação: Informação do estado A parte superior da página oferece informação sobre o estado atual do servidor de aplicações de 4D Server. Estado: Iniciado ou Parado. Hora de inicio: data e hora de lançamento da base servidor. Esta data corresponde a abertura da base por 4D Server. Duração de funcionamento: tempo decorrido desde a última abertura da base. Botão Aceitar/Rejeitar novas conexões Este botão alterna entre dois estados e permite administrar o acesso dos novos computadores clientes a aplicação servidor. Por padrão, quando é publicada a base: O botão se chama "Rejeitar novas conexões." Novos clientes podem ser conectados livremente (dentro dos limites das conexões permitidas pela licença). O nome da base é publicada na caixa de diálogo de conexão (se a opção "Publicar o nome da base ao início no diálogo de conexão" está selecionada nas Preferências). Se fizer clique no botão Rejeitar novas conexões: O título do botão mudar a "Aceitar novas conexões." Nenhum novo cliente pode ser conectado. O nome da base não é mais mostrado na caixa de diálogo de conexão. Os clientes conectados não se desconectam e podem continuar trabalhando normalmente. Se você fizer clique no botão Aceitar novas conexões, a base volta a seu estado por padrão. Esta característica permite por exemplo a um administrador executar várias operações de manutenção (verificação, compactação, etc) apenas depois de iniciar o servidor. Se o administrador utiliza uma conexão cliente, pode ter certeza de ser o

72 único que modifica os dados. Também é possível usar essa função na preparação de uma operação de manutenção que requer que nenhum computador cliente esteja conectado. Configuração Esta área oferece informação sobre o banco de dados 4D publicado pelo servidor: nome e localização dos arquivos de estrutura e de dados e nome do arquivo de histórico da base. Pode fazer clique no nome do arquivo de estrutura ou de dados com a finalidade de visualizar seu caminho de acesso completo: O campo "Modo" indica o modo de execução atual da base: compilado ou interpretado. A parte inferior da área indica os parâmetros de configuração do servidor (lançado como serviço, porto e direção IP) e a ativação do SSL para as conexões cliente servidor (não preocupa as conexões SQL ou Web). Memória Esta área indica a memória cachê total (parâmetro definido nas preferências da base) e a memória cachê utilizada (localização dinâmica por 4D Server em função das necessidades). Conexões máximas "Máximo:" indica o número máximo de conexões clientes simultâneas autorizadas pelo servidor da aplicação. Este valor depende da licença instalada no computador servidor. "Used:" indica o número de conexões que atualmente estão sendo utilizadas.

73 Página Servidor SQL A página Servidor SQL agrupa a informação relativa ao servidor SQL integrado de 4D Server. Isso também inclui um botão que permite controlar a ativação do servidor: Informação do estado A parte superior da página oferece informação sobre o estado atual do servidor SQL de 4D Server. Estado: Iniciado ou Parado Hora de inicio: data e hora de lançamento da base do servidor SQL. Esta valor pode diferir do valor do servidor da aplicação se o lançamento do servidor SQL não se realiza "ao início." Tempo de funcionamento: tempo decorrido desde a última iniciação do servidor SQL. Botão Iniciar/ Parar o servidor SQL Este botão muda e permite controlar a ativação do servidor SQL de 4D Server. Quando o estado do servidor SQL é "Iniciado," o botão se chama Parar o servidor SQL. Se você fizer clique neste botão, o servidor SQL de 4D Server é detido imediatamente; não responde mais as petições SQL externas recebidas no porto TCP designado. Quando o estado do servidor SQL é "Detido," o botão se chama Iniciar o servidor SQL. Se você faz clique neste botão, o servidor SQL de 4D Server inicia imediatamente; responde as petições SQL externas recebidas no porto TCP designado. Você necessitará uma licença adequada para poder usar o servidor SQL de 4D. Nota: O servidor SQL também pode ser lançado automaticamente ao inicio da aplicação (opção das Preferências) ou por programação. Configuração Esta área fornece informações sobre os parâmetros de configurações do servidor SQL: lançamento automático no início,

74 Esta área fornece informações sobre os parâmetros de configurações do servidor SQL: lançamento automático no início, endereço IP de escuta, porto TCP (19812 por padrão) e ativação do SSL para as conexões SQL (não sobre conexões 4D nem Web). Estes parâmetros podem ser alterados por meio das Preferências de 4D. Conexões Número de conexões SQL atualmente abertas em 4D Server. Conexões máximas Número máximo de conexões SQL simultâneas autorizadas. Este valor depende da licença instalada no computador servidor.

75 Página Servidor HTTP A página Servidor HTTP agrupa a informação relativa ao funcionamento do servidor web e do servidor SOAP de 4D Server. O servidor web permite publicar conteúdo web tal como páginas HTML ou imagens para os navegadores web. O servidor SOAP administra a publicação dos serviços web. Estes dois servidores são apoiados no servidor HTTP interno de 4D Server. A página contém igualmente botões que permitem controlar a ativação dos servidores: Informação do estado A parte superior da página oferece informação sobre o estado atual do servidor HTTP de 4D Server. Estado: Iniciado ou Parado Hora de inicio: data e hora de lançamento da base do servidor HTTP. Este valor pode diferir do valor do servidor de aplicação se o lançamento do servidor HTTP não se realiza "ao início." Tempo de atividade: tempo decorrido desde a última iniciação do servidor HTTP. Número de visitas HTTP: número de visitas HTTP (nível baixo) recebidos pelo servidor HTTP desde seu início. Botão Iniciar/ Parar o servidor HTTP Este botão muda e permite controlar a ativação do servidor HTTP de 4D Server. Notas: Quando o estado do servidor HTTP é "Iniciado," o botão se chama Parar o servidor HTTP. Se você fizer clique neste botão, o servidor HTTP de 4D Server é detido imediatamente; o servidor web e o servidor SOAP não aceitam mais solicitações. Quando o estado do servidor HTTP é "Detido," o botão se chama Iniciar o servidor HTTP. Se você fizer clique neste botão, o servidor HTTP de 4D Server inicia imediatamente; são aceitas as petições web e as petições SOAP (observe que é possível parar separadamente o servidor SOAP, ver o parágrafo "Informação SOAP"). Deve ter uma licença apropriada para poder iniciar o servidor HTTP. O servidor HTTP também pode ser lançado automaticamente ao inicio da aplicação (opção das Preferências) ou por

76 programação. Informação Web Esta área oferece informação específica sobre o servidor web de 4D Server. Petições web: Aceitadas ou Rejeitadas. Esta informação indica se o servidor web está ativo. Como o servidor web está associado diretamente ao servidor HTTP, as petições web são aceitas quando se inicia o servidor HTTP e é rejeitado quando se detém. Conexões máximas: número máximo de conexões web autorizadas. Este valor depende da licença instalada no computador servidor. Informação SOAP Esta área oferece informação específica relativa ao servidor SOAP de 4D Server e inclui um botão de controle. Petições SOAP: Aceitadas ou Rejeitadas. Esta informação indica se o servidor SOAP está ativo. Para que se aceitem as petições SOAP, deve ser iniciado o servidor HTTP e o servidor SOAP deve aceitar explicitamente as petições (ver o botão Aceitar/Rejeitar). Conexões máximas: número máximo de conexões SOAP autorizadas. Este valor depende da licença instalada no computador servidor. Botão Aceitar/Rejeitar as petições SOAP: este botão muda e permite controlar a ativação do servidor SOAP de 4D Server. Este botão modifica o valor da opção Autorizar petições SOAP na página "Serviços web/soap" das Preferências (e vice versa). Se fizer clique no botão Aceitar petições SOAP e o servidor HTTP se detém, 4D inicia ele automaticamente. Configuração servidor HTTP Esta área oferece informação sobre os parâmetros de configuração e o funcionamento do servidor HTTP: Lançamento automático ao iniciar: parâmetro definido através das Preferências de 4D Server. Processos servidor HTTP (utilizado/total): número de processos HTTP criados no servidor (número atual de processos / total de todos os processos criados). Memória cachê (utilizada/total): tamanho da memória cachê do servidor HTTP, quando é ativado (tamanho ocupado realmente pela cachê / tamanho máximo teórico assinalado a cachê nas Preferências). Escutando direção IP, Porto TCP (80 por padrão), SSL ativo para as conexões HTTP (não convém as conexões 4D nem SQL) e Porto HTTPS utilizado: parâmetros de configuração atuais do servidor HTTP, especificados na página Web/Configuração das Preferências (ver a seção no manual de Linguagem de 4D). Informação sobre o arquivo de histórico: localização, formato e data do próximo backup automático de histórico do servidor HTTP (arquivo logweb.txt).

77 Página Monitor tempo real A página Monitor tempo real permite supervisionar em tempo real o progresso das operações "longas" realizadas pela aplicação. Estas operações são, por exemplo, pesquisas sequenciais, execução de fórmulas, etc.: Esta página está disponível na janela de administração da equipe servidor e também em uma equipe 4D remota. No caso de uma máquina remota, a página mostra os dados das operações realizadas na equipe servidor. Uma linha se adiciona para cada operação longa realizada sobre os dados. Esta linha desaparece automaticamente quando finaliza a operação (pode selecionar a opção Mostrar operações pelo menos 5 segundos para conservar em tela as operações executadas rapidamente, ver mais a frente). Se proporciona a seguinte informação para cada linha: Hora inicial: hora de início da operação em formato: "dd/mm/aaaa - hh:mm:ss" Duração (ms): duração em milissegundos da operação em curso Informação: título da operação. Detalhes: esta área mostra informação detalhada a qual pode variar de acordo ao tipo de operação selecionada. Mais especificamente: Criada em: indica se a operação resulta de uma ação cliente (Criada em client) ou se foi iniciada explicitamente no servidor via um procedimento armazenado ou a opção "Executar no servidor" (Criada no servidor). Detalhes da operação: descreve o tipo de operação assim como também (para as operações de pesquisa) o plano de pesquisa. Sub-operações (se existir): operações dependentes da operação selecionada (por exemplo, eliminação de registros relacionados antes da eliminação de um registro pai). Detalhes do processo: informação adicional concernente a tabela, o campo, o processo ou o cliente disponíveis, dependendo do tipo de operação. Nota: a página de observação em tempo real utiliza o comando [#cmd id="1277"/] internamente. Para maior informação, consulte a descrição deste comando. A página está ativa e atualizada permanentemente tão rápido como é mostrado. Cabe dar o sinal que seu funcionamento pode desacelerar significativamente a execução da aplicação. É possível suspender a atualização desta página de uma das seguintes maneiras: ao fazer clique no botão Pausa, clique na lista, pressionando a barra de espaço. Quando a página está em pausa, aparecerá uma mensagem "SUSPENDIDA" e a etiqueta do botão muda a Reiniciar. Pode reiniciar a monitoração das operações mediante a realização da mesma ação que para fazer uma pausa. Nota: A monitoração em tempo real das operações também está disponível utilizando um comando, GET ACTIVITY SNAPSHOT, que contém opções adicionais.

78 Modo avançado A página RTM pode mostrar informação adicional, se for necessário, para cada operação na lista. Para acessar ao modo avançado para uma operação, pressione a tecla Maiús e selecione a operação desejada. Toda a informação disponível, será mostrada na área "Detalhes do processo" sem nenhum tipo de filtro (como os devolvidos pelo comando GET ACTIVITY SNAPSHOT). A informação disponível depende da operação selecionada. Aqui está um exemplo da informação que é mostrada no modo estandarte: Em modo avançado (Maiús+ Clique na operação), mostra informação adicional: Botão instantâneo O botão Instantâneo lhe permite copiar na prancheta todas as operações que aparecem no painel RTM, assim como seus detalhes relacionados (processo e info sub operação): Mostrar operações por pelo menos 5 segundos Se marcar a opção Mostrar operações pelo menos 5 segundos, toda operação listada será mostrada na página durante pelo menos cinco segundos, inclusive depois de que sua execução tenha finalizado: Esta funcionalidade é útil para obter informação sobre as operações que se executam muito rápido.

79 Métodos banco de dados 4D Server Método banco de dados On Server Startup Método banco de dados On Server Shutdown Método banco de dados On Server Open Connection Método banco de dados On Server Close Connection

80 Método banco de dados On Server Startup Método banco de dados On Server Startup Este comando não requer parâmetros O Método banco de dados On Server Startup é chamado uma vez na máquina servidor quando abre uma base com 4D Server. O Método banco de dados On Server Startup NÃO é executado em um ambiente diferente a 4D Server. O Método banco de dados On Server Startup é a localização ideal para: Inicializar as variáveis interprocesso utilizadas durante toda a sessão 4D Server. Iniciar automaticamente os Procedimentos armazenados ao abrir a base. Carregar preferências ou parâmetros guardados durante a sessão anterior de 4D Server. Evitar a abertura da base se não se cumpre uma condição (ausência de recursos sistema) para uma chamada explícita a QUIT 4D. Realizar outras ações que queira fazer automaticamente cada vez que seja aberta a base. Para executar código automaticamente na máquina cliente quando um 4D remoto se conecta ao servidor, utilize o Método banco de dados On Server Startup. Nota: O Método banco de dados On Server Startup se executa de forma atômica, o que significa que nenhum 4D remoto pode ser conectado enquanto a execução do método não tenha terminado.

81 Método banco de dados On Server Shutdown Método banco de dados On Server Shutdown Este comando não requer parâmetros O Método banco de dados On Server Shutdown é chamado uma vez na máquina servidor quando a base atual é fechada em 4D Server. O Método banco de dados On Server Shutdown NÃO é chamado por outro ambiente 4D diferente de 4D Server. Para fechar a base atual no servidor, pode selecionar o comando de menu Fechar a base... no servidor. Também pode escolher o comando Sair ou chamar ao comando QUIT 4D dentro de um procedimento armazenado executado no servidor. Quando se inicia o processo de fechamento da base, 4D realiza as seguintes ações: Se não há um Método banco de dados On Server Shutdown, 4D Server aborta cada processo em execução um por um, sem distinção. Se existe um Método banco de dados On Server Shutdown, 4D Server executa este método em um novo processo local. Portanto pode utilizar este método base para informar os outros processos, via comunicação interprocesso, que devem deter sua execução. Note que 4D Server sairá finalmente, o Método banco de dados On Server Shutdown pode realizar todas as operações de limpeza ou fechamento que você queira, mas não pode recusar a sair e em algum momento terminará. O Método banco de dados On Server Shutdown é o lugar ideal para: Deter os procedimentos armazenados lançados automaticamente quando é aberta a base. Guardar (localmente, em disco) as preferências ou os parâmetros a reutilizar ao inicio da sessão seguinte no Método banco de dados On Server Startup. Realizar qualquer outra ação que queira ativar automaticamente cada vez que sair da base. Importante: Se utiliza o Método banco de dados On Server Shutdown para fechar os procedimentos armazenados, lembre que o servidor sai logo que se executa o Método banco de dados On Server Shutdown (e não os procedimentos armazenados). Se os procedimentos armazenados ainda estão correndo neste momento, serão abortados. Portanto, se deseja estar seguro de que os procedimentos armazenados se executem completamente antes de ser abortados pelo servidor, o Método banco de dados On Server Shutdown deve indicar aos procedimentos armazenados que devem terminar sua execução (por exemplo, utilizando uma variável interprocesso) e deve permitir a eles fechar (por meio de um laço de x segundos ou outra variável interprocesso). Se deseja que o código se execute automaticamente em uma máquina cliente quando um 4D remoto deixa de conectar-se ao servidor, utilize o Método banco de dados On Exit.

82 Método banco de dados On Server Open Connection $1, $2, $3 -> Método banco de dados On Server Open Connection -> $0 Parâmetro Tipo Descrição $1 Inteiro longo Número de usuário utilizado internamente por 4D Server para identificar os usuários $2 Inteiro longo Número de conexão utilizado internamente por 4D Server para identificar uma conexão $3 Inteiro longo Obsoleto: devolve sempre 0 (mas deve ser declarado) $0 Inteiro longo 0 se omitido = conexão aceita; outro valor = conexão rejeitada Quando é chamado o método base On Server Open Connection? O Método banco de dados On Server Open Connection é chamado uma vez no equipo servidor cada vez que um equipo remoto 4D inicia um processo de conexão. O Método banco de dados On Server Open Connection NÃO é invocado por outro entorno 4D diferente de 4D Server. O Método banco de dados On Server Open Connection é chamado cada vez que: um 4D remoto se conecta (inicio do processo principal) um 4D remoto abre o entorno Desenho (inicio do processo de Desenho) um 4D remoto inicia um processo global, (cujo nome começa por "$") o qual necessita da criação de um processo cooperativo no servidor (*). Este processo pode ser criado utilizando o comando New process, um comando de menu ou caixa de diálogo "Executar um método". Em cada caso com um 4D remoto, três processos são iniciados. Um na máquina cliente e outros dois no equipo servidor. Na máquina cliente, o processo executa o código e envia as petições a 4D Server. No equipo servidor, o processo 4D Client mantém o entorno da base de dados do processo cliente (as seleções atuais e o bloqueio de registros para o processo usuário) e responde aos pedidos enviadas pelo processo executado na máquina cliente. O processo base 4D Client está a cargo de controlar o processo 4D Client correspondente. (*) A partir de 4D v13, por razões de otimização os processos servidores (processo apropriado para os acessos ao motor da base e processo cooperativo para o acesso à linguagem) só são criadas durante a execução do código do lado do cliente. Por exemplo, estes são os detalhes de uma sequencia de código 4D que se executa em um novo processo cliente: [#code4d]// o processo global começa sem um novo processo no servidor, como um processo local. CREATE RECORD([Table_1]) [Table_1])field1_1:="Hello world" SAVE RECORD([Table_1]) // criação aqui do processo apropriado no servidor< Como se chama ao método base On Server Open Connection? O Método banco de dados On Server Open Connection é executado no equipo servidor no processo 4D Client que provocou a chamada do método. Por exemplo, se um 4D remoto se conecta a uma base 4D Server interpretada, é iniciado o processo usuário, o processo de desenho e o processo de registro do cliente (por defeito). O Método banco de dados On Server Open Connection se executa três vezes seguidas. A primeira vez dentro do processo principal, a segunda vez no processo de inscrição do cliente e a terceira vez no processo de desenhoo. Se os três processos são respectivamente o sexto, sétimo e oitavo processo a iniciar-se no equipo servidor, e é chamado Current process desde o Método banco de dados On Server Open Connection, a primeira vez Current process devolve 6, a segunda vez 7 e a terceira 8. Observe que o Método banco de dados On Server Open Connection se executa no equipo servidor, ao interior do processo 4D Client no servidor, independente do processo executado no cliente. Além disso, no momento em que se invoca o método, o processo 4D Client ainda não foi nomeado (PROCESS PROPERTIES não devolverá neste momento o nome do processo 4D Client). O Método banco de dados On Server Open Connection não têm acesso à tabela das variáveis processo do processo executado no client. Esta tabela reside no equipo client, não no equipo servidor. Quando o Método banco de dados On Server Open Connection acede a uma variável processo, trabalha com uma tabela de variáveis processo particular, criada dinamicamente pelo processo 4D Client. 4D Server passa três parâmetros de tipo Inteiro longo ao Método banco de dados On Server Open Connection e espera um resultado Inteiro longo. O método deve portanto ser declarado explicitamente com três parâmetros Inteiro longo assim também como com um resultado de função Inteiro longo: C_LONGINT($0;$1;$2;$3) Se não devolve um valor em $0, por conseguinte deixa a variável indefinida ou inicializada em zero, 4D Server considera que o método base aceita a conexão. Se não é aceitada a conexão, devolve um valor não nulo em $0. Esta tabela detalha a informação oferecida pelos três parâmetros passados no método base:

83 Parâmetro Descrição $1 Número de usuário utilizado internamente por 4D Server para identificá-los $2 Número de conexão utilizado internamente por 4D Server para identificá-la $3 Obsoleto: sempre devolve 0 mas deve ser declarado Estes números de referencia não são utilizados diretamente como fontes de informação a passar, por exemplo, como parâmetros a um comando 4D. No entanto, oferecem uma maneira particular de identificar um processo 4D Client entre o Método banco de dados On Server Open Connection e o On Server Close Connection database method. A combinação destes valores é único no momento de uma seção 4D Server. Ao guardar esta informação em uma tabela ou em um array entre processos, os dois métodos base podem trocar informações. No exemplo ao final desta sessão, os dois métodos base utilizam esta informação para armazenar a data e hora de inicio e fim de uma conexão no mesmo registro de uma tabela. Exemplo 1 O seguinte exemplo mostra como manter um histórico das conexões a base de dados utilizando o Método banco de dados On Server Open Connection e utilizando o On Server Close Connection database method. A tabela [Server Log] (mostrada a continuação) se utiliza para fazer seguimento aos processos de conexão: A informação armazenada nesta tabela é administrada pelo Método banco de dados On Server Open Connection e o On Server Close Connection database method listado a continuação: ` Método base On Server Open Connection C_LONGINT($0;$1;$2;$3) ` Criar um registro [Server Log] CREATE RECORD([Server Log]) [Server Log]Log ID:=Sequence number([server Log]) ` Guardar o histórico Data e Hora [Server Log]Log Date:=Current date [Server Log]Log Time:=Current time ` Guarda a informação de conexão [Server Log]User ID:=$1 [Server Log]Connection ID:=$2 SAVE RECORD([Server Log]) ` Não devolve erro de maneira que a conexão pode continuar $0:=0 ` Método base On Server Close Connection C_LONGINT($1;$2;$3) ` Recuperar o registro [Server Log] QUERY([Server Log];[Server Log]User ID=$1;*) QUERY([Server Log];&;[Server Log]Connection ID=$2;*) QUERY([Server Log];&;[Server Log]Process ID=0) ` Guardar data e hora de desconexão [Server Log]Exit Date:=Current date [Server Log]Exit Time:=Current time ` Guardar informação processo [Server Log]Process ID:=Current process PROCESS PROPERTIES([Server Log]Process ID;$vsProcName;$vlProcState;$vlProcTime) [Server Log]Process Name:=$vsProcName SAVE RECORD([Server Log]) Estas são algumas entradas em [Server Log] mostrando várias conexões remotas:

84 Exemplo 2 O seguinte exemplo evita uma nova conexão entre as 2 e 4 A.M. ` Método base On Server Open Connection C_LONGINT($0;$1;$2;$3) If((?02:00:00?<=Current time)&(current time<?04:00:00?)) $0:=22000 Else $0:=0 End if

85 Método banco de dados On Server Close Connection $1, $2, $3 -> Método banco de dados On Server Close Connection Parâmetro Tipo Descrição $1 Inteiro longo Número de usuário utilizado internamente por 4D Server para identificar usuários $2 Inteiro longo Número de conexão utilizado internamente por 4D Server para identificar uma conexão $3 Inteiro longo Obsoleto: devolve sempre 0 mas deve ser declarado Descrição O Método banco de dados On Server Close Connection é chamado no computador servidor cada vez que termina um processo 4D Client. Como para o On Server Open Connection database method, 4D Server passa três parâmetros de tipo inteiro longo ao Método banco de dados On Server Close Connection. Por outra parte, 4D Server não espera um resultado em retorno. O método deve conter a declaração explícita de três parâmetros Inteiro longo: C_LONGINT($1;$2;$3) Esta tabela detalha a informação oferecida pelos três parâmetros passados ao método base: Parâmetro Descrição $1 Número de usuário utilizado internamente por 4D Server para identificar usuários $2 Número de conexão utilizado internamente por 4D Server para identificar uma conexão $3 Obsoleto: devolve sempre 0 mas deve ser declarado O Método banco de dados On Server Close Connection é o inverso exato do On Server Open Connection database method. Para maior informação e uma descrição deste método base, assim como para a descrição dos processos 4D Client, ver a descrição deste método base. Exemplo Ver o primeiro exemplo para On Server Open Connection database method.

86 Uso de um 4D Remoto Conexão a um banco de dados 4D Server Administração de máquinas remotas Compilação de máquinas remotas

87 Conexão a um banco de dados 4D Server Conectando com uma aplicação remota Há três maneiras de se conectar a um banco de dados 4D Server via um 4D remoto: Usar a caixa de diálogo da conexão Usar o menu Abrir Banco Recente Usar um atalho 4DLink contendo os parâmetros de acesso ao Banco de Dados. Usar a caixa de diálogo de conexão Para mostrar a caixa de diálogo de conexão 4D Server, primeiro inicie uma aplicação 4D. Você pode usar o comando Abrir no menu Arquivo (ou o botão correspondente na barra de ferramentas 4D) para selecionar o modo de abertura do banco de dados 4D: Selecione o comando Abrir>Banco Remoto... A caixa de diálogo de conexão 4D Server aparece. Essa caixa de diálogo tem três páginas e poder ser acessada através das seguintes abas: Recente, TCP/IP e Personalizado:

88 Se você selecionar a opção Exibir essa janela na próxima vez, essa caixa de diálogo aparecerá automaticamente na próxima vez que uma aplicação 4D iniciar. Nota: Você também pode iniciar essa caixa de diálogo ao selecionar o link Conectar ao 4D Server no Assistente de Boas Vindas.. Aba Disponível O 4D Server inclui um sistema de publicação TCP/IP integrado que publica automaticamente o nome do banco de dados 4D Server disponíveis na rede. Esses nomes estão listados na aba TCP/IP da caixa de diálogo de conexão. A lista está organizada por ordem de surgimento e é atualizada automaticamente. Para conectar-se a um servidor dessa lista, dê um duplo-clique no nome ou o selecione e clique no botão OK. Notas: Um acento circunflexo (^) aparece antes do nome dos bancos de dados publicados com a opção de encriptografado. Para maiores informações, consulte a seção Criptografar conexões cliente-servidor. É possível evitar a publicação dinâmica do banco de dados na rede (veja a seção Preferências de publicação). Nesse caso, a conexão só pode ser realizada manualmente na aba "Personalizado". Aba Recente

89 A aba Recente memoriza a listagem de todos os 4D servers usados recentemente. A lista está ordenada alfabeticamente. Para conectar-se a um servidor dessa lista, dê um duplo-clique no nome ou selecione o servidor e clique no botão OK.. Aba Personalizado A aba Personalizado permite designar um servidor publicado na rede usando seu endereço IP e criando um nome personalizado. Você pode personalizar o sistema de publicação TCP/IP do 4D Server de maneira que os nomes dos servidores de banco de dados não sejam publicados automaticamente na rede (veja a seção Preferências de publicação). Nesse caso, o nome não aparecerá na página "TCP/IP". Entretanto, se você sabe o endereço IP do servidor de uma base de dados cujo nome não está publicado, você pode entrar o endereço IP manualmente. Nome do banco de dados: permite definir o nome do banco de dados 4D Server. Esse nome será usado na aba Recente quando se referir a esse banco de dados. Endereço de Rede: permite entrar o endereço IP da máquina onde se encontra o 4D Server. Se dois servidores estão sendo executados simultaneamente na mesma máquina, o endereço IP deve ser acompanhado de uma vírgula e um número de porta, por exemplo: : A porta de publicação padrão do 4D Server is Esse número pode ser modificado na aplicação Preferências (veja a seção Preferências de configuração).

90 Nota: Se um banco de dados foi selecionado nas abas Recente ou TCP/IP no momento em que você clicou na aba Personalizado, os dois campos mostrarão a informação correspondente. Logo que essa aba atribuir um servidor, clique no botão OK, e você se conectará ao servidor. O servidor estará listado na aba Recente. Nota: Se o banco de dados for publicado usando a opção de criptografia, você deve adicionar um acento circunflexo (^) antes do nome; do contrário a conexão será recusada. Para maiores informações, veja a seção Criptografar conexões clienteservidor.criptografar conexões cliente-servidor Forçar a atualização dos recursos locais Essa opção causa a atualização periódica dos recursos locais na máquina cliente quando ela conecta. Os recursos locais são a informação estrutural relacionada ao banco de dados que está armazenada em cada máquina cliente. De maneira geral, a atualização dos recursos locais na máquina remota acontece automaticamente quando ela se conecta, se a estrutura do banco de dados foi modificada entre duas conexões. Na maior parte do tempo, essa opção é desnecessária. Mesmo assim, em certos casos pode ser necessário forçar a atualização. Usar o menu Abrir banco de dados recente O menu de comando Abrir Bancos Recentes pode ser usado para se conectar automaticamente a um banco de dados 4D Server ao qual você já se conectou previamente. Esse comando se encontra no menu Arquivo do 4D. Se você usar a aplicação 4D para abrir banco de dados locais e conectarse a banco de dados remotos, esse menu listará os dois tipos de bancos de dados. Os bancos de dados remotos estão disponíveis na parte de baixo do menu: O endereço IP do servidor está indicado ao lado do nome do banco de dados. O comando Excluir Menu pode ser usado para limpar o menu. Usar um arquivo 4DLink Você pode gerar arquivos de acesso a bancos de dados contendo os parâmetros com o objetivo de automatizar e simplificar a abertura ou conexão com os bancos de dados 4D. Geralmente, um arquivo de acesso pode salvar o endereço de um servidor remoto 4D Server assim como os identificadores de conexão, assim eliminando diversas operações para o usuário. Arquivos de acesso também podem ser usados para abrir bancos de dados locais. Criação de Arquivos Os arquivos de acesso dos bancos de dados 4D são arquivos XML que tem a extensão ".4DLink". 4D gera e usa esse tipo de arquivo para construir o submenu "banco de dados recentes": um arquivo.4dlink é automaticamente gerado por 4D quando um banco de dados local é aberto pela primeira vez ou na primeira vez em que se conecta a um servidor. Os arquivos.4dlink que são criados automaticamente por 4D estão disponíveis na pasta de preferências locais do usuário. Nessa pasta, dois diretórios são criados: Local e Remoto. A pasta Local contem os arquivos ".4DLink" que podem ser usados para conectar-se a bancos de dados locais, e a pasta Remoto contém os arquivos "4DLink" que podem ser usados para conectar-se a bancos de dados remotos. As pastas de preferências locais se encontram em: Windows 7 e posteriores: C:\Users\NomeUsuario\AppData\Roaming\4D\Favorites vxx\ OS X: Users/NomeUsuario/Library/Application Support/4D/Favorites vxx/... onde XX representa o número de versão da aplicação (por exemplo, "Favorites v14" para 4D v14). Os arquivos encontrados nesses diretórios são mostrados no submenu Abrir bancos recentes> do menu Arquivo do 4D:

91 Os arquivos ".4DLink" também podem ser criados com um editor XML e contém informação personalizada como identificadores de conexão (nome de usuário e senha) ou o modo de abertura do banco de dados. 4D oferece uma DTD que descreve as chaves XML que podem ser usadas para construir um arquivo ".4DLink". Esse DTD se chama database_link.dtd e se encontra na subpasta \Resources\DTD\ da aplicação 4D. Usar Arquivos Um arquivo de acesso.4dlink pode ser usado para iniciar uma aplicação 4D e abrir o banco de dados desejado. Há duas maneiras diferentes de fazer isso: Com um duplo-clique ou arrastar e soltar na aplicação 4D, Com o submenu Abrir bancos recentes (arquivo localizado na pasta de preferências locais). Um arquivo.4dlink do tipo "banco de dados remoto" pode ser copiado e usado em várias máquinas diferentes. Nota: Também é possível selecionar um arquivo 4DLink no 4D e na caixa de diálogo de abertura do 4D Server (apenas para a abertura de bancos de dados locais).

92 Administração de máquinas remotas Pode administrar o computador 4D Server desde um 4D remoto (computador client) abrindo a janela de administração de 4D Server (ver a seção Página Monitor) no computador cliente. Abrir a janela de administração em um computador 4D remoto Para abrir uma janela de administração do servidor desde um computador cliente, deve ser conectado a base remota como Desenhador ou Administrador. Caso contrário, quando tentar abrir a janela de administração, será gerado um erro de privilegio (- 9991). O acesso a janela é realizada por uma destas dois formas: Selecione o comando Janela de administração do menu Ajuda ou faça clique no botão correspondente na barra de ferramentas de 4D: Execute o comando OPEN ADMINISTRATION WINDOW. É mostrada uma janela de administração do servidor no computador cliente: Especificações da administração sob um computador cliente Um computador cliente que mostra a janela de administração do servidor tem acesso a toda informação disponível e pode atuar sobre os processos e o inicio dos servidores. Quando é mostrada a janela de administração do servidor em uma máquina cliente, há certas restrições e particularidades do funcionamento:

93 Na Página Processo, não é possível depurar um processo de usuário (a janela de depuração aparece na máquina servidor). Na Página Manutenção, é possível executar ações que permitam que todos os clientes se desconectem e o servidor se reinicie (compactação e reinicio). Neste caso, o computador cliente que solicita a operação volta a conectar-se automaticamente ao reiniciar. Na Página Manutenção, os botões Ver relatório mudam de nome por Baixar relatório depois da execução de uma operação de manutenção. Estes arquivos são baixados na pasta do banco de dados no computador cliente antes de ser mostrado.

94 Compilação de máquinas remotas É possível compilar uma aplicação 4D desde uma conexão remota. Em outras palavras, é possível compilar desde um computador cliente 4D. Nas versões de 4D Server anteriores a v11 SQL, a compilação só poderia ser conduzida desde a aplicação monousuário. Nota: Não é possível construir uma aplicação 4D personalizada (monousuário ou cliente/servidor) desde uma conexão remota. O Gerenciador de aplicações não é acessível neste ambiente (o comando de menu está atenuado). Do lado do cliente, a interface e os princípios de compilação são os mesmos que os das versões monousuário. A compilação pode ser ativada desde o menu Desenho ou na barra de ferramentas, ou desde a janela do compilador: Nota: A licença "4D Team Server" requer do lado de 4D Server para que os computadores clientes possam acessar a função de compilação. Só uma máquina cliente pode compilar uma base em um momento dado. A compilação por um cliente bloqueia a função das outras máquinas remotas. Se outro computador cliente tenta compilar a base ao mesmo tempo, aparece uma mensagem de advertência. Enquanto uma máquina cliente realiza uma compilação, as outras máquinas clientes podem seguir trabalhando e modificar os métodos ou qualquer outro elemento estrutural. O código compilado e o código interpretado serão diferentes, o que significa que será necessário voltar a compilar o banco de dados posteriormente. O código compilado é enviado no arquivo.db no servidor gradualmente a medida que a compilação seja realizada. Do lado do cliente, depois da finalização da operação, é possível reiniciar o servidor em modo interpretado ou em modo compilado utilizando os comandos correspondentes no menu Executar. Quando um computador 4D remoto solicita o reinicio do servidor em compilado/interpretado, aparece a caixa de diálogo estandarte de fechamento do servidor que lhe permite definir um tempo de espera ou enviar uma mensagem de advertência aos outros clientes (ver a seção Sair de 4D Server). Quando o servidor for reiniciado, o cliente na origem da operação de reinicio se conecta novamente automaticamente. Do lado do servidor, o reinicio em compilado/interpretado requer do uso da caixa de diálogo padrão de abertura de arquivos (menu pop up associado ao botão Abrir) Nota: A compilação na rede WAN, não se recomenda por razões de rendimento (especialmente no caso de bases com muitos métodos), como a operação gera uma grande quantidade de intercâmbios na rede.

95 4D Server e a linguagem 4D 4D Server e a linguagem 4D 4D Server, conjuntos e seleções temporais Procedimentos armazenados Procedimentos armazenados nas máquinas clientes Importação baseada nos procedimentos armazenados (exemplo) Serviços baseados nos procedimentos armazenados (exemplo) Executar no atributo servidor

96 4D Server e a linguagem 4D Com 4D Server, há três situações nas quais pode executar código 4D no computador servidor: Triggers Procedimentos armazenados Métodos de projeto com o atributo "Executar no servidor" Métodos base Triggers Um trigger é um método associado a uma tabela. Os triggers podem evitar operações ilegais nos registros de seu banco de dados. Os triggers é uma ferramenta muito poderosas que permite restringir as operações em uma tabela, como também evitar perdidas acidentais de dados ou sabotagem. Por exemplo, em um sistema de faturação, pode evitar que agregar uma fatura sem especificar o nome do cliente. Os triggers se executam na máquina na qual está o motor do banco de dados. Com 4D Server, os triggers se executam no contexto dos processos que correm no computador servidor e não no computador cliente. Mais precisamente, se executam no contexto dos processos "gêmeos" dos processos usuários que chamam a operação do banco de dados. Estes processos gêmeos compartilham o contexto da base com ls processos usuário no computador cliente (em particular, o estado das transações e o bloqueio dos registros) mas não compartilham o contexto da linguagem (variáveis, processos, conjuntos, seleções atuais). Observe no entanto que o registro atual da tabela do trigger é o mesmo em todos os contextos. Para maior informação sobre triggers, consulte a seção ARRAY REAL do manual de Linguagem 4D. Procedimentos armazenados Um procedimento armazenado 4D é um método de projeto executado em um processo separado na máquina servidor (ou em qualquer máquina cliente), no lugar da máquina cliente que lançou o método. Ver a seção Stored Procedures. Métodos com atributo "Executar no servidor" Os métodos de projeto que tem o atributo "Execute on Server" também são executados no servidor. No entanto, a diferença dos procedimentos armazenados, são executados nos processos "gêmeos" do processo cliente e se beneficiam de seu contexto do banco de dados. Para maior informação, consulte a seção Executar no atributo servidor. Métodos base Quatro métodos base unicamente são executados na máquina servidor: Método banco de dados On Server Startup Procedimentos armazenadosmétodo banco de dados On Server Shutdown Método banco de dados On Server Open Connection Método banco de dados On Server Close Connection Cinco métodos base podem ser executados na máquina servidor ou em uma máquina cliente em função do contexto: Método de banco On Web Aunthentication Método de banco de dados On Web Connection Método de base On SQL Authentication Método de Banco de Dados On Backup Startup Método de Banco de Dados On Backup Shutdown Três métodos base unicamente podem ser executados em uma máquina cliente: Método banco de dados On Startup Método banco de dados On Exit Método de banco de dados On Drop Ver as seções correspondentes neste manual e no manual de Linguagem de 4D para maiores informações sobre os métodos base. 4D Server e as variáveis

97 4D Server mantém uma tabela de variáveis interprocesso. O alcance destas variáveis é o computador servidor. Para executar uma base compilada a definição da tabela das variáveis interprocessos é comum entre o servidor e todos os computadores cliente, cada máquina tem sua própria instância. Como todos os processos, cada procedimento armazenado, o método base e o trigger tem sua própria tabela de variáveis processo. Essas variáveis processo podem ser criadas e usados dinamicamente durante cada fase da execução. 4D Server, conjuntos e seleções temporais Com 4D Server, a visibilidade dos conjuntos e das seleções temporais dependem da origem da criação (processo servidor ou processo cliente) e o tipo destes objetos (objetos locais, processo ou interprocesso). Para maior informação, consulte a seção 4D Server, conjuntos e seleções temporais.

98 4D Server, conjuntos e seleções temporais Como se explica nas seções Conjuntos e Seleções temporárias do manual de Linguagem de 4D, pode criar e utilizar conjuntos e seleções temporais interprocesso, processo e locais: Conjuntos/seleções temporais processo: somente pode ser acessado a um objeto processo pelo processo no qual foi criado, se foi criado em um processo cliente, pelo processo "gêmeo" criado no servidor. Os conjuntos processo se apagam logo que termina a execução do método de processo. Os objetos processo não necessitam um prefixo particular no nome. Conjuntos/seleções temporais interprocesso: um objeto interprocesso é visível para todos os processos na máquina (cliente ou servidor) onde foi criado. Um conjunto ou seleção temporal é um objeto interprocesso se o nome do conjunto está precedido pelos símbolos (<>) um signo menor que seguido por um signo maior que. Nota: esta sintaxes pode ser utilizada em Windows e Macintosh. Além disso, em Mac OS unicamente, pode utilizar o símbolo diamante (Opção-Shift-V). Conjuntos/Seleções temporais/clientes: um objeto local/cliente é visível unicamente no processo onde foi criado. O nome de um objeto local/cliente está precedido pelo signo dólar ($). Nota: ainda que seu nome não começa por $, o conjunto sistema UserSet é um conjunto local/cliente. A seguinte tabela indica os princípios de visibilidade das seleções e conjuntos em função de onde foram criados (a tabela é idêntica para ambos tipos de objetos): x = visible Deve lembrar desta matriz de visibilidade em função das operações que queira realizar. Por exemplo, se deseja realizar uma operação de tipo DIFFERENCE, INTERSECTION ou UNION, tenha certeza de que todos os conjuntos possam ser vistos na máquina que realiza a operação. Por razões de otimização, se recomenda escolher o lugar de criação e o alcance dos objetos em função de suas necessidades de visibilidade.

99 Procedimentos armazenados O que é um procedimento armazenado em um sistema SQL? O termo "Procedimento armazenado" vem do mundo dos servidores SQL. Quando uma estação de cliente envia uma solicitação para um servidor SQL, ele na verdade envia texto em linguagem SQL ao servidor SQL. Este pedido é sintaticamente (parsing) e é executado no servidor SQL antes de executá-lo. Obviamente, se o texto do pedido é importante, e se a solicitação é enviada várias vezes durante uma sessão, você pode levar um longo tempo enviar o código na rede, a análise e a interpretação do pedido. Assim, a idéia era encontrar uma maneira de enviar o pedido através da rede, analisados e interpretados uma vez e, em seguida, unicamente executado cada vez que receba de uma estação cliente. A solução foi preservar o código fonte do pedido (em outras palavras, um procedimento) no servidor e que o cliente envie uma solicitação com apenas o nome do procedimento para executar. O procedimento é, portanto, "guardado" no servidor e daí vem o termo "procedimento armazenado." Observe que um procedimento armazenado SQL é um procedimento que pode receber parâmetros de uma estação cliente, execute as tarefas para as quais foi criado (de forma síncrona ou assíncrona) e possivelmente retornar um resultado para o cliente. Quando um cliente solicita a execução de um procedimento armazenado, em certa medida, ele delega a execução do código no computador do servidor. O que é um procedimento armazenado em 4D Server? Ainda que utilizamos o termo utilizado na indústria, as funções dos procedimentos armazenados de 4D Server superam significativamente o conceito regular de procedimentos armazenados. Com 4D em modo local, quando utiliza um comando como New process, pode abrir um processo usuário no qual pode executar um método. Este método é chamado um método processo (ver a seção Métodos de projeto no manual Linguagem de 4D). Pode fazer o mesmo com 4D Server, em um computador cliente. Além disso, utilizando o comando Execute on server na máquina servidor, pode iniciar um processo de usuário na qual executar um método. Além disso, utilizando o comando EXECUTE ON CLIENT, pode correr um método em outro processo em um cliente diferente. Em ambos casos, o método é chamado um procedimento armazenado e por extensão, o processo iniciado na máquina servidor ou outro computador cliente também chamado procedimento armazenado. Importante: A diferença principal entre um procedimento armazenado SQL e um procedimento armazenado 4D Server como no primeiro caso você executa um procedimento SQL, no segundo caso, execute um processo 4D autônomo. Arquitetura dos processos armazenados de 4D Como um processo 4D normal, um procedimento armazenado tem seu próprio ambiente: Uma seleção atual por tabela: cada procedimento armazenado tem sua própria seleção atual. Uma tabela pode ter uma seleção atual diferente em cada procedimento armazenado. Um registro atual por tabela: cada tabela pode ter um registro atual diferente em cada procedimento armazenado. Variáveis: cada procedimento armazenado tem suas próprias variáveis processo. As variáveis processo são reconhecidas unicamente no contexto do procedimento armazenado ao qual pertencem. Tabela por padrão: cada procedimento armazenado tem sua própria tabela por padrão. Conjuntos processo: cada procedimento armazenado tem seu próprio conjunto processos. On Error Call: cada procedimento armazenado tem seu próprio método de gestão de erros. Janela de depuração: cada procedimento armazenado tem sua própria janela de depuração. Em términos de interface de usuário, um procedimento armazenado pode abrir janelas e mostrar dados (DISPLAY RECORD). Um procedimento armazenado executado em uma máquina cliente 4D permite a entrada de dados. Por outra parte, um procedimento armazenado executado no servidor não permite a entrada de dados. Pode iniciar tantos procedimentos armazenados como autorize o sistema (hardware e memória). Na verdade, a máquina servidor deve ser considerada como uma máquina que não só responde aos clientes 4D e aos navegadores web, e também é capaz de executar processos que interagem com outros processos que passam na máquina servidor e nas máquinas remotas. Da mesma forma que 4D oferece um entorno multitarefas aos processos usuário que passam na máquina, 4D Server oferece um entorno multitarefas aos procedimentos armazenados. Por exemplo, 4D Server mantém uma tabela das variáveis interprocesso que podem ser utilizadas pelos processos armazenados para que se comuniquem entre eles. Nota: A propriedade de método "Executar em servidor" permite executar um método em um processo no servidor, mas o método utiliza um processo "twinned" do processo cliente, que lhe permite em particular ser beneficiado do ambiente deste processo cliente. Neste caso, não é um procedimento armazenado 4D. Para maior informação, consulte a seção Executar no atributo servidor. O que um procedimento armazenado pode fazer? Grande parte das funções dos processos e comandos descritas no manual de Linguagem 4D aplicam também aos

100 procedimentos armazenados, exceto pela entrada de dados para os procedimentos armazenados executados no servidor. Um procedimento armazenado pode adicionar, pesquisar, ordenar, atualizar ou apagar registros. Um procedimento armazenado pode utilizar conjuntos e seleções temporais, acessar a documentos no disco, trabalhar com BLOBs, imprimir registros, etc. Pense simplesmente que no lugar de fazer algo na máquina 4D local, ele faz na máquina servidor ou em várias máquinas clientes. Uma vantagem evidente dos procedimentos armazenados executados no servidor é que precisamente um procedimento armazenado se executa na máquina servidor, aonde se encontra o motor da base de dados. Por exemplo, um APPLY TO SELECTION não é eficiente na rede, mas é ao interior de um procedimento armazenado. O exemplo proposto na seção Importação baseada nos procedimentos armazenados (exemplo) mostra a importante otimização do rendimento que pode alcançar implementando um procedimento armazenado. Os procedimentos armazenados executados em um ou várias máquinas clientes permitem otimizar a otimização da repartição de tarefas entre clientes e a comunicação entre várias máquinas clientes. Consulte o comando REGISTER CLIENT no manual de Linguagem para ver um exemplo de procedimentos armazenados executados em várias máquinas clientes. No entanto, a vantagem principal da arquitetura dos procedimentos armazenados é a dimensão adicional que da a 4D Server. Utilizando procedimentos armazenados pode implementar seus próprios serviços 4D Server. O único limite é sua imaginação. O exemplo na seção Importação baseada nos procedimentos armazenados (exemplo) mostra um procedimento armazenado que oferece informação sobre 4D Server a seus clientes. Pode, por exemplo, listar os volumes da máquina servidor. Este exemplo pode ser expandido facilmente para reenviar a informação sobre os diretórios ou documentos ao cliente. O que não pode fazer um procedimento armazenado (executado no servidor)? Geralmente, os procedimentos armazenados executados no servidor não devem realizar operações que impliquem elementos de interface (tal como menus, janelas, formulários...). Os mecanismos de gestão de interface não são lidados no servidor. Devem ser evitados os comandos que provocam a aparição de caixas de diálogo no computador servidor bem como as caixas de diálogo com entrada de dados. Esta é a lista de comandos que NÃO deve utilizar em procedimentos armazenados executados no servidor. Estes comandos se classificam em três categorias: Comandos proibidos no servidor A presença de um destes comandos em um procedimento armazenado provoca a aparição de uma caixa de diálogo de alerta que indica que o comando não pode ser executado em 4D Server. É retornado o erro #67, o qual pode ser interceptado por meio de um método instalado pelo comando ON ERR CALL. ACCUMULATE ADD RECORD ADD SUBRECORD APPEND MENU ITEM BREAK LEVEL CALL PROCESS CHANGE LICENSES Count menu items Count menus CREATE USER FORM DELETE MENU ITEM DELETE USER FORM DISABLE MENU ITEM DISPLAY SELECTION EDIT ACCESS EDIT FORM ENABLE MENU ITEM FILTER EVENT Get menu item Get menu item key Get menu item mark Get menu item style Get menu title SET PICTURE TO LIBRARY _o_graph TABLE INSERT MENU ITEM Level (Nível de quebra) LIST USER FORMS Menu selected MODIFY RECORD MODIFY SELECTION MODIFY SUBRECORD ON EVENT CALL Open external window

101 PAGE BREAK PAGE SETUP PRINT SETTINGS QUERY BY EXAMPLE QR REPORT Printing page REMOVE PICTURE FROM LIBRARY SET MENU ITEM SET MENU ITEM SHORTCUT SET MENU ITEM MARK SET MENU ITEM STYLE SET PICTURE TO LIBRARY SHOW MENU BAR Subtotal Comandos inapropriados no servidor A utilização destes comandos em procedimentos armazenados não é recomendável como seu funcionamento não se adapta a uma execução no servidor. Estes comandos podem ser bloqueados pelo servidor, provocar erros e não produzem os efeitos esperados. Não é devolvido um código de erro específico. ACCEPT Activated ADD DATA SEGMENT After APPEND DATA TO PASTEBOARD APPEND TO LIST Before BLOB TO DOCUMENT BLOB to list BRING TO FRONT C_GRAPH CANCEL CHANGE CURRENT USER CHANGE PASSWORD CLEAR LIST CLEAR PASTEBOARD Copy list Count list items Count screens Create document(1) Create resource file(1) Current form table Current user Deactivated DELETE FROM LIST DELETE USER DIALOG DISABLE BUTTON DRAG AND DROP PROPERTIES DRAG WINDOW Drop position During ENABLE BUTTON ERASE WINDOW EXPORT DATA(1) FILTER KEYSTROKE Find window Focus object FONT LIST Font name Font number Form event FIRST PAGE FORM Get current page GET FORM PROPERTIES FORM GOTO PAGE LAST PAGE NEXT PAGE

102 PREVIOUS PAGE INPUT FORM OUTPUT FORM Frontmost process Frontmost window Get edited text GET GROUP LIST GET GROUP PROPERTIES GET HIGHLIGHT GET LIST ITEM GET LIST ITEM PROPERTIES GET LIST PROPERTIES GET MOUSE GET PASTEBOARD DATA GET PICTURE FROM PASTEBOARD Get text from pasteboard GET USER LIST GET USER PROPERTIES GET WINDOW RECT Get window title GOTO AREA GRAPH SETTINGS HIDE PROCESS HIDE TOOL BAR HIDE WINDOW HIGHLIGHT RECORDS HIGHLIGHT TEXT IMPORT DATA(1) In break In footer In header INSERT IN LIST INVERT BACKGROUND Is a list Is user deleted Keystroke List item parent List item position LIST TO BLOB Load list MAXIMIZE WINDOW Menu bar height Menu bar screen MINIMIZE WINDOW Modified New list Next window GET OBJECT RECT OBJECT MOVE OBJECT SET LIST BY NAME SET COLOR SET ENTERABLE SET FILTER OBJECT SET FORMAT SET RGB COLORS OBJECT SET TITLE OBJECT SET VISIBLE Old Open document(1) Open resource file(1) ORDER BY(2) Outside call Pasteboard data size Pop up menu POST CLICK POST EVENT POST KEY QUERY BY FORMULA(2)

103 QUERY(2) REDRAW REDRAW LIST REDRAW WINDOW REGISTER CLIENT REJECT SAVE LIST SCREEN COORDINATES SCREEN DEPTH Screen height Screen width Select folder SELECT LIST ITEMS BY POSITION SELECT LIST ITEMS BY REFERENCE SELECT LOG FILE Selected list items Self SET CURSOR SET FIELD TITLES Set group properties SET LIST ITEM SET LIST ITEM PROPERTIES SET LIST PROPERTIES SET PICTURE TO PASTEBOARD SET SCREEN DEPTH SET TABLE TITLES SET TEXT TO PASTEBOARD SET TIMER Set user properties SET WINDOW RECT Shift down SHOW PROCESS SHOW WINDOW SORT LIST User in group Validate password Window kind WINDOW LIST Window process (1) Unicamente quando o primeiro parâmetro é uma cadeia vazia. (2) Unicamente quando a sintaxes utilizada provoca a aparição da caixa de diálogo (ex.: ORDER BY([Table])). Comandos sem efeito no servidor Os seguintes comandos não têm efeito quando se executam em um procedimento armazenado no servidor. Não é devolvido nenhum código de erro específico. GRAPH MESSAGES OFF MESSAGES ON SET MENU BAR SHOW TOOL BAR Como iniciar um procedimento armazenado? Desde 4D, pode iniciar manualmente um procedimento armazenado na caixa de diálogo de execução do método:

104 Pode executar em 4D Server ou em outra máquina 4D client. Note que para as máquinas clientes 4D nesta lista, devem ter sido registrados (ver a seção Procedimentos armazenados nas máquinas clientes e o comando REGISTER CLIENT). Em 4D, pode iniciar um procedimento armazenado por programação com a ajuda dos comandos Execute on server ou EXECUTE ON CLIENT. Nota: Não é possível utilizar os comandos de gestão de processos DELAY PROCESS, PAUSE PROCESS e RESUME PROCESS desde um 4D remoto com procedimentos armazenados no servidor. Um método executado em 4D Server (método base do servidor, método com atributo Executar em servidor, trigger ou procedimento armazenado) pode iniciar um procedimento armazenado com a ajuda dos comandos Execute on server, New process ou EXECUTE ON CLIENT. Comunicação interprocesso entre os procedimentos armazenados e os processos usuário Os procedimentos armazenados podem comunicar-se entre eles utilizando: variáveis interprocesso semáforos globais ou locais registros conjuntos interprocesso e seleções temporais interprocesso os comandos GET PROCESS VARIABLE, SET PROCESS VARIABLE e VARIABLE TO VARIABLE. Consulte as seções correspondentes do manual Linguagem de 4D. Novamente, lembre que os comandos 4D atuem dentro do alcance da máquina que executa o procedimento armazenado (servidor ou clientes) da mesma forma que no local em uma máquina cliente. Nota: Os mecanismos CALL PROCESS e Outside call não tem significado na máquina servidor, porque os procedimentos armazenados não tem uma interface usuário com entrada de dados. Também há outra funcionalidade importante: os processos usuário dos clientes (processos que passam em uma máquina cliente) podem ler e escrever as variáveis processo (*) de um procedimento armazenado, utilizando os comandos GET PROCESS VARIABLE, SET PROCESS VARIABLE e VARIABLE TO VARIABLE. (*) Assim como as variáveis interprocesso da máquina servidor. Importante: A comunicação processo Inter máquina, oferecida pelos comandos GET PROCESS VARIABLE, SET PROCESS VARIABLE e VARIABLE TO VARIABLE, somente é possível o fechamento cliente ao servidor. Sempre é um processo cliente que lê ou escreve as variáveis de um procedimento armazenado.

105 Procedimentos armazenados nas máquinas clientes Você pode executar os procedimentos armazenados em um ou vários clientes 4D. O funcionamento geral dos procedimentos armazenados executados nos clientes é idêntico ao dos procedimentos armazenados executados no servidor, exceto que o cliente pode chamar a entrada de dados. Para obter mais informações, consulte a seção Procedimentos armazenados. Toda equipe cliente que execute procedimentos armazenados por pedido do servidor ou de outra equipe cliente, deve estar explicitamente registrado para a sessão. Há dois métodos para registrar um cliente: pode ser registrado automaticamente quando conectado ou por programação. Registro automático de cada cliente 4D que se conecta a 4D Server A opção "Inscrever os clientes ao inicio para executar em cliente" está disponível nas preferências da aplicação, página Opções de rede da página "Cliente-Servidor : Quando esta opção está selecionada, cada equipo cliente 4D que se conecta à base é referenciado automaticamente com 4D Server com pode executar os procedimentos armazenados. É criado um processo de tipo 4D Client com o nome da máquina da equipe cliente no servidor. É criado também um processo equivalente sobre cada equipe cliente. Registro de 4D Client por programação Pode registrar uma ou várias equipes clientes 4D por programação. Esta opção permite selecionar as equipes clientes que devem ser inscritas e definir seu nome de registro. O tema "Processo" contém o comando REGISTER CLIENT que permite inscrever uma equipe cliente com o nome que prefira. Para cancelar um 4D Client

106 Não importa como os computadores cliente são registrados, você pode lhes dar baixa para a sessão atual usando o comando UNREGISTER CLIENT (Tema "Processo") para um determinado cliente. O processo de registro (nomeado de acordo com o cliente) desaparece do grupo de processos de usuário no computador servidor, bem como o usuário da equipe cliente. Nota: O comando GET REGISTERED CLIENTS permite obter a lista e a carga de trabalho (o número de métodos pendentes por executar) dos clientes registrados na sessão. Para obter mais informações sobre esses comandos, consulte o manual de linguagem de 4D.

107 Importação baseada nos procedimentos armazenados (exemplo) O seguinte exemplo mostra como a importação de dados pode ser acelerada drasticamente em um entorno cliente/servidor. O método Regular Import permite medir quanto tempo toma importar os registros utilizando o comando IMPORT TEXT ` Método de projeto Import clássico $vhdocref:=open document("") If(OK=1) CLOSE DOCUMENT($vhDocRef) INPUT FORM([Tabla1];"Import") $vhstarttime:=current time IMPORT TEXT([Tabla1];Document) $vhendtime:=current time ALERT("La operación toma "+String(0+($vhEndTime-$vhStartTime))+" segundos.") End if Com a importação de dados clássica, 4D analisa o arquivo de texto, depois para cada registro, cria um novo registro, enche os campos com os valores importados e envia o registro à máquina servidor para ser adicionado a base. Por conseguinte circulam numerosas petições pela rede. Uma maneira de otimizar a operação é utilizar um procedimento armazenado para realizar a importação localmente na máquina servidor. A máquina cliente carrega o documento em um BLOB, depois inicia um procedimento armazenado que passa o BLOB como parâmetro. O procedimento armazenado guarda o BLOB em um documento no disco, depois importa o documento localmente. Portanto, a importação dos dados se realiza localmente (a uma velocidade comparada com a de uma versão local de 4D) porque a maioria das petições que transitam por la rede são eliminadas. Este é o método de projeto CLIENT IMPORT. Executado na máquina cliente, produz a execução do procedimento armazenado SERVER IMPORT que é mostrado a continuação: ` Método de projeto CLIENT IMPORT ` CLIENT IMPORT ( Ponteiro ; Texto) ` CLIENT IMPORT ( -> [Tabela] ; Formulário de entrada ) C_POINTER($1) C_TEXT($2) C_TIME($vhDocRef) C_BLOB($vxDatos) C_LONGINT(spErrCode) ` Selecione o documento a importar $vhdocref:=open document("") If(OK=1) ` Foi selecionado um documento, não o conserve aberto CLOSE DOCUMENT($vhDocRef) $vhstarttime:=current time ` Trate de carregar em memória DOCUMENT TO BLOB(Document;$vxDatos) If(OK=1) ` Se o documento pode ser carregado no BLOB, ` Inicie o procedimento armazenado que importará os dados na máquina servidor $spprocessoid:=execute on server("server IMPORT";32*1024; "Servidor Import Services";Table($1);$2;$vxDados) ` Neste ponto, já não necessitamos o BLOB neste processo CLEAR VARIABLE($vxDatos) ` Espere a que termine a operação realizada pelo procedimento armazenado Repeat DELAY PROCESS(Current process;300) GET PROCESS VARIABLE($spProcessosID;spErrCode;spErrCode) If(Undefined(spErrCode)) ` Nota: se o procedimento armazenado não iniciou sua própria instância ` da variável sperrcode, pode ser que devolva uma variável indefinida sperrcode:=1 End if Until(spErrCode<=0) ` Enviamos um aviso de recibo ao procedimento armazenado

108 sperrcode:=1 SET PROCESS VARIABLE($spProcessosID;spErrCode;spErrCode) $vhendtime:=current time ALERT("Tomó "+String(0+($vhEndTime-$vhStartTime))+" segundos.") Else ALERT("Não há suficiente memória para carregar o documento.") End if End if Este é o método de projeto SERVER IMPORT executado como um procedimento armazenado: ` Método de projeto SERVER IMPORT ` SERVER IMPORT ( Inteiro longo ; Texto; BLOB ) ` SERVER IMPORT ( Número de Tabela ; Formulário de entrada ; Dados importados ) C_LONGINT($1) C_TEXT($2) C_BLOB($3) C_LONGINT(spErrCode) ` A operação não terminou, assinale 1 a sperrcode sperrcode:=1 $vptabla:=table($1) INPUT FORM($vpTabela->;$2) $vsdocname:="arquivo Import "+String(1+Random) If(On Windows) $vsdocname:=$vsdocname+".txt" ` Em Windows, a extensão é obrigatória End if DELETE DOCUMENT($vsDocName) BLOB TO DOCUMENT($vsDocName;$3) IMPORT TEXT($vpTable->;$vsDocName) DELETE DOCUMENT($vsDocName) ` A operação terminou, assinale 0 a sperrcode sperrcode:=0 ` Espere a que a máquina cliente que originou a petição tenha recebido o resultado Repeat DELAY PROCESS(Current process;1) Until(spErrCode>0) Nota: O método de projeto On Windows é listado na seção Documentos de Sistema do manual de Linguagem de 4D. Uma vez que estes dois métodos tenham sido implementados em uma base, pode realizar uma importação baseada em um procedimento armazenado, escrevendo por exemplo: CLIENT IMPORT(->[Tabela1];"Import") É realizada algumas provas comparativas, você vai descobrir que utilizando este método se pode importar registros até 60 vezes mais rápido que com uma importação regular.

109 Serviços baseados nos procedimentos armazenados (exemplo) No exemplo da seção Importação baseada nos procedimentos armazenados (exemplo), um procedimento armazenado se inicia e termina cada vez que se solicita uma operação de importação de dados. Neste exemplo, um procedimento armazenado é iniciado automaticamente quando inicia a base do servidor e pode ser iniciado e parado a vontade por qualquer 4D conectado a base. Logo como se executa, o procedimento armazenado pode responder de maneira assíncrona a múltiplos pedidos enviados pelos clientes conectados a base. Enquanto a seção Importação baseada nos procedimentos armazenados (exemplo), mostra como otimizar um serviço 4D Server existente, este exemplo mostra como implementar serviços novos e personalizados disponíveis para todos as máquinas 4D client conectados. Além disso, este exemplo pode ser utilizado como modelo para a criação de seus próprios serviços. Início automático do procedimento armazenado O procedimento armazenado é lançado automaticamente pelo Método banco de dados On Server Startup: ` Método de base On Server Startup START SP SERVICES Como o Método banco de dados On Server Startup lança ao método de projeto SP SERVICES como um procedimento armazenado, SP SERVICES começa a correr logo como a base se abre com 4D Server, tendo ou não clientes conectados à base. Na seguinte imagem, a janela de administração de 4D Server mostra o procedimento armazenado em execução quando nenhum cliente está conectado. Iniciar e parar voluntariamente o procedimento armazenado Este é o método de projeto START SP SERVICES: ` START SP SERVICES Project Method vlspservices:=execute on server("sp SERVICES";32*1024;"SP SERVICES";*)

110 Como o comando Execute on server atua como New process ao ser chamado na máquina servidor, o mesmo método (START SP SERVICES) pode ser utilizado na máquina servidor ou em uma máquina cliente para iniciar a vontade o método SP SERVICES como um procedimento armazenado na máquina servidor. O método de projeto STOP SP SERVICES ordena parar ao método de projeto SP SERVICES. ` Método de projeto STOP SP SERVICES SET PROCESS VARIABLE( vlspservices;vbstopspservices;true) Quando é iniciado o método de projeto SP SERVICES, da a variável processo vbstopspservices o valor False e depois executa um laço até que esta variável Booleana se transforme em True. O comando, permite a todo processo usuário executado no servidor ou em uma máquina cliente modificar o valor da variável vbstopspservices, e portanto parar o procedimento armazenado a vontade. Comunicação com o procedimento armazenado O procedimento armazenado deve poder receber pedidos de clientes e responder de maneira assíncrona em qualquer momento e sem importar a ordem. Uma maneira direta de assegurar esta comunicação é utilizar uma tabela. A tabela [SP Requests] contém os seguintes campos: [SP Requests]reqID é assinalado utilizando o comando Sequence number. Este campo identifica cada pedido de maneira única. [SP Requests]reqType descreve o tipo do pedido. [SP Requests]reqStatus pode tomar um dos seguintes valores: Valor Descrição 1 foi publicada a petição mas não foi processada. 0 foi processado com êxito a petição. < 0 foi processada a petição mas ocorreu um erro. Nota: Estes valores são escolhidos arbitrariamente para este exemplo, não são impostos por 4D. [SP Requests]reqData é um BLOB que contém os dados da petição. Pode conter os dados enviados pela pessoa que solicita os dados devolvidos pelo procedimento armazenado ao requerente. [SP Requests]reqParams contém eventualmente os valores dos parâmetros enviados pelo requerente ao procedimento armazenado. Por que usar uma tabela? A comunicação entre um processo cliente e um procedimento armazenado pode ser implantado utilizando os comandos GET PROCESS VARIABLE, SET PROCESS VARIABLE e VARIABLE TO VARIABLE. Por exemplo, esta solução utilizada na seção Importação baseada nos procedimentos armazenados (exemplo), como também no método de projeto STOP SP SERVICES listado anteriormente. Aqui, o sistema deve permitir ao procedimento armazenado receber e reenviar as quantidades das variáveis de dados. Pode utilizar arrays, incluindo arrays de texto e imagem), mas há duas razões principais para preferir o emprego de uma tabela: O algoritmo de gestão de petições sob os registros é mais fácil de implementar. Enviar uma petição desde uma máquina cliente consiste simplesmente em adicionar uma petição na tabela. Responder a petição desde o procedimento armazenado consiste simplesmente em modificar esta petição. Como as petições se armazenam em uma tabela, são guardadas no disco. Portanto, se o tamanho de uma petição é importante, não será um problema na medida em que possa ser suprimido da memória (a diferença dos dados armazenados nos arrays). Enviar uma petição desde a máquina cliente O método de projeto Client post request é um método genérico para enviar uma petição: ` Método de projeto Client post request

111 ` Client post request ( Cadeia { ; Texto } ) -> Inteiro longo ` Client post request ( Tipo de petição { ; Parâmetros } ) -> Número de petição CREATE RECORD([SP Requests]) [SP Requests]reqID:=Sequence number([sp Requests]) [SP Requests]reqType:=$1 [SP Requests]reqStatus:=1 If(Count parameters>=2) [SP Requests]reqParams:=$2 End if SAVE RECORD([SP Requests]) $0:=[SP Requests]reqID O método devolve o número da petição, cuja unicidade está garantida pelo uso do comando Sequence number. Uma vez adicionado o registro a tabela [SP Requests], o cliente não têm que interrogar regularmente o campo [SP Requets]redStatus até que o procedimento armazenado termine de processar a petição. Provar o estado da petição e recuperar o resultado na máquina cliente O método de projeto Client get result é um método genérico para provar o estado da petição. Como foi explicado anteriormente, logo como o campo [SP Requets]redStatus se torna diferente de 1, o cliente sabe que o procedimento armazenado foi tratado (com êxito ou não) a petição. ` Método de projeto Client get result ` Client get result ( Inteiro longo ; ->BLOB {; Inteiro longo } ) -> Inteiro longo ` Client get result ( Número de petição ; ->Dados {; Duração } ) -> Código do erro C_LONGINT($0;$1;$vlDelay) $0:=1 $vldelay:=0 If(Count parameters>=3) $vldelay:=$3 End if READ ONLY([SP Requests]) Repeat QUERY([SP Requests];[SP Requests]reqID=$1) If(Records in selection([sp Requests])>0) If([SP Requests]reqStatus&NBSP;#&NBSP;1) $2->:=[SP Requests]reqData READ WRITE([SP Requests]) While(Locked([SP Requests])) WAITING LOOP($vlDelay) LOAD RECORD([SP Requests]) End while DELETE RECORD([SP Requests]) $0:=[SP Requests]reqStatus End if Else ` Se perdeu o registro da petição ` Isto não deveria passar. Mas de todas formas estabelece o código de erro -2 (valor arbitrário) $0:=-2 End if ` A petição ainda não foi processada If($0=1) WAITING LOOP($vlDelay) End if Until($0&NBSP;#&NBSP;1) READ ONLY([SP Requests]) Se a petição foi administrada com êxito pelo procedimento armazenado, o método copia o resultado (se existe) do registro ao BLOB cujo ponteiro foi passado como parâmetro. O método chamado depois analisa e utiliza os dados do BLOB em função do tipo de pedido. Note que o cliente está encarregado de apagar o registro [SP Requests] uma vez termina o pedido. O pequeno método de projeto WAITING LOOP faz um laço até um certo número de tics: ` Método de projeto WAITING LOOP ` WAITING LOOP ( Inteiro longo ) ` WAITING LOOP ( Tempo em tics ) C_LONGINT($1)

112 $vlstartticks:=tickcount Repeat IDLE Until((Tickcount-$vlStartTicks)>=$1) Lembrança: DELAY PROCESS não tem efeito no processo principal. Se utiliza o método de projeto WAITING LOOP, o processo esperará a quantidade de tempo necessário, ainda que o pedido tenha origem desde o processo do ambiente usuário de uma máquina cliente. O procedimento armazenado e suas subrotinas O método de projeto SP SERVICES é o método executado como procedimento armazenado na máquina servidor. A estrutura geral deste método, a continuação, muito simples: Inicialização de uma variável stop Repetir Pesquisa das petições cujo campo [SP Requests]reqStatus é igual a 1 Para cada petição Em função do tipo de petição, chamar uma subrotina que guarde o resultado no campo [SP Requests]reqData Mudar o estado da petição para que o cliente saiba que passou End for Dormir um pouco antes de voltar a começar Até que a variável stop se torne true Este é o código fonte real: ` Método de projeto SP SERVICES ` O procedimento armazenado começa vbstopspservices:=false ` O procedimento armazenado não necessita acesso em leitura escritura as tabelas... READ ONLY(*) `...exceto a tabela [SP Requests] READ WRITE([SP Requests]) Repeat ` Pesquisa dos pedidos ainda não processados QUERY([SP Requests];[SP Requests]reqStatus=1) ` Processo destas petições uma por uma For($vlRecord;1;Records in selection([sp Requests])) ` Se o registro da petição está bloqueado, esperar até que esteja desbloqueado While(Locked([SP Requests])) ` Esperar um segundo antes de tentar novamente DELAY PROCESS(Current process;60) ` Trata de obter acesso leitura-escritura LOAD RECORD([SP Requests]) End while ` Assume que a petição será processada com sucesso [SP Requests]reqStatus:=0 Case of :([SP Requests]reqType="Server Information") SP DO SERVER INFORMATION :([SP Requests]reqType="Volume List") SP DO VOLUME LIST :([SP Requests]reqType="Browse Directory") SP DO BROWSE DIRECTORY([SP Requests]reqParams) `... ` OUTROS TIPOS DE PETIÇÕES PODERIAM SER INCLUÍDAS AQUI `... Else ` O tipo de petição é desconhecido, devolver o erro -1 (valor arbitrário) [SP Requests]reqStatus:=-1 End case ` Forçar o estado da petição a outro diferente de 1 ` (em caso de uma subrotina dar o valor 1) If([SP Requests]reqStatus=1) [SP Requests]reqStatus:=-3 End if

113 ` Atualizar o registro da petição SAVE RECORD([SP Requests]) ` Ir a seguinte petição não processada NEXT RECORD([SP Requests]) End for ` Liberar o último registro processado UNLOAD RECORD([SP Requests]) ` Espere um segundo antes de continuar respondendo petições DELAY PROCESS(Current process;60) ` Bucle até que seja ordenado ao procedimento armazenado parar sua execução Until(vbStopSPServices) O método de projeto SP SERVICES pode ser utilizado como modelo para implementar serviços inovadores em uma base. Nesta seção, detalhamos as subrotinas SP DO SERVER INFORMATION e SP DO VOLUME LIST. A subrotina SP DO BROWSE DIRECTORY (que toma como parâmetro um parâmetro enviado pelo cliente no campo [SP Requests]reqParams) não se trata neste documento. Dependendo do tipo da petição, o método de projeto SP SERVICES chama a uma subrotina cuja tarefa é guardar os dados resultantes no campo [SP Requests]reqData. O armazenamento do registro e a mudança do estado a realizar o método de projeto SP SERVICES. Esta é a subrotina SP DO SERVER INFORMATION que guarda a informação relativa ao servidor no BLOB. Outro método de projeto extrairá os dados do BLOB em função da máquina cliente. ` Método de projeto SP DO SERVER INFORMATION TEXT TO BLOB(Application version(*);[sp Requests]reqData;UTF8 C string) TEXT TO BLOB(Structure file;[sp Requests]reqData;UTF8 C string;*) TEXT TO BLOB(Data file;[sp Requests]reqData;UTF8 C string;*) PLATFORM PROPERTIES($vlPlatform;$vlSystem;$vlMachine) VARIABLE TO BLOB($vlPlatform;[SP Requests]reqData;*) VARIABLE TO BLOB($vlSystem;[SP Requests]reqData;*) VARIABLE TO BLOB($vlMachine;[SP Requests]reqData;*) Esta é a subrotina SP DO VOLUME LIST, que guarda a informação relativa aos volumes no BLOB. Outro método de projeto extrairá os dados do BLOB em função da máquina cliente. ` Método de projeto SP DO VOLUME LIST VOLUME LIST($asVName) $vlsize:=size of array($asvname) ARRAY REAL($arVSize;$vlSize) ARRAY REAL($arVUsedSpace;$vlSize) ARRAY REAL($arVFreeSpace;$vlSize) For($vlElem;1;$vlSize) VOLUME ATTRIBUTES($asVName{$vlElem};$arVSize{$vlElem};$arVUsedSpace{$vlElem} ;$arvfreespace{$vlelem}) End for VARIABLE TO BLOB($asVName;[SP Requests]reqData) VARIABLE TO BLOB($arVSize;[SP Requests]reqData;*) VARIABLE TO BLOB($arVUsedSpace;[SP Requests]reqData;*) VARIABLE TO BLOB($arVFreeSpace;[SP Requests]reqData;*) Mostrar a informação do servidor em uma máquina cliente Com os métodos de projeto genéricos Client post request e Client get result, o método de projeto M_SERVER_INFORMATION mostra, na máquina cliente, a informação devolvida pelo procedimento armazenado. Este método pode estar associado a um comando de menu ou ser chamado, por exemplo, desde o método de objeto de um botão: ` M_SERVER_INFORMATION C_BLOB(vxData) C_LONGINT($vlReqID;$vlErrCode;$vlOffset) ` Envio do pedido $vlreqid:=client post request("server Information") ` Prova do estado do pedido e recepção do resultado $vlerrcode:=client get result($vlreqid;->vxdata;60) ` Caso o pedido termina com sucesso, é mostrado o resultado If($vlErrCode=0) ` Extração da informação resultante do BLOB $vloffset:=0

114 vsserverversion:=blob to text(vxdata;utf8 C string;$vloffset) vsstructurefile:=blob to text(vxdata;utf8 C string;$vloffset) vsdatafile:=blob to text(vxdata;utf8 C string;$vloffset) BLOB TO VARIABLE(vxData;$vlPlatform;$vlOffset) BLOB TO VARIABLE(vxData;$vlSystem;$vlOffset) BLOB TO VARIABLE(vxData;$vlMachine;$vlOffset) ` Análises das propriedades da plataforma vs4dplatform:="versão de 4D Server desconhecida" vssystem:="versão do sistema desconhecida" vsmachine:="computador desconhecido" `... ` Este é o código (não listado) que analisa $vlsystem e $vlmachine ` ( ver o exemplo do comando PLATFORM PROPERTIES) `... ` Visualização da informação resultante DIALOG([SP Requests];"SERVER INFORMATION") Else ALERT("Erro de pedido "+String($vlErrCode)) End if ` Não é mais necessário o BLOB CLEAR VARIABLE(vxData) Este é o formulário [SP Requests];"SERVER INFORMATION" em execução: Mostrar a lista de volumes do servidor em uma máquina cliente Com os métodos de projeto genéricos Client post request e Client get result, o método de projeto M_SERVER_VOLUMES mostra, na máquina cliente, a informação na lista dos volumes do servidor devolvidos pelo procedimento armazenado. Este método pode estar associado a um comando de menu ou chamado, por exemplo, desde o método de objeto de um botão: ` M_SERVER_VOLUMES C_BLOB(vxData) ` Envio do pedido $vlreqid:=client post request("volume List") ` Prova do estado da petição e recepção do resultado $vlerrcode:=client get result($vlreqid;->vxdata;120) ` Se a petição termina com sucesso, mostra o resultado If($vlErrCode=0) ` Extração da informação resultante do BLOB $vloffset:=0 BLOB TO VARIABLE(vxData;asVName;$vlOffset) BLOB TO VARIABLE(vxData;arVSize;$vlOffset) BLOB TO VARIABLE(vxData;arVUsedSpace;$vlOffset) BLOB TO VARIABLE(vxData;arVFreeSpace;$vlOffset) For($vlElem;1;Size of array(arvsize)) ` Conversão de bytes em MB arvsize{$vlelem}:=arvsize{$vlelem}/

115 arvusedspace{$vlelem}:=arvusedspace{$vlelem}/ arvfreespace{$vlelem}:=arvfreespace{$vlelem}/ End for ` Visualização da informação resultante DIALOG([SP Requests];"VOLUME LIST") Else ALERT("Erro de petição "+String($vlErrCode)) End if ` Já não é necessário o BLOB CLEAR VARIABLE(vxData) Este é o formulário [SP Requests];"VOLUME LIST" em execução:

116 Executar no atributo servidor O atributo do método de projeto "Execute on Server" pode ser definido na seguinte caixa de diálogo de modificação global dos atributos ou na caixa de diálogo das propriedades do método: Quando se seleciona esta opção, o método de projeto sempre se executa no servidor, sem importar como se chama o método. Nota: Este atributo só leva em conta para uma aplicação 4D executada em cliente/servidor. Contexto de execução Quando este atributo está selecionado, o contexto de execução do método de projeto é comparado com o dos triggers (ver a seção 4D Server e a linguagem 4D): o método no servidor compartilham o mesmo contexto de banco de dados para o bloqueio de registros e para as transações que o contexto correspondente do lado do cliente, mas não o mesmo contexto de linguagem (variáveis processo, conjuntos, seleções atuais). No entanto, a diferença de um trigger, o método executado no servidor não compartilha o registro atual com o contexto do cliente. Todos os parâmetros do método ($1, $2, etc.) são enviados no servidor e o valor do parâmetro $0, é utilizado, e devolvido ao cliente. A diferença do comando Execute on server, esta opção não provoca a criação do processo no servidor. 4D Server utiliza o processo "gêmeo" do processo cliente que solicitou a execução. Além disso, esta opção simplifica o principio de delegação da execução de um método no servidor como a transferência de parâmetros se realiza automaticamente nos dois sentidos, como para uma chamada de método "normal". O comando Execute on server, funciona de forma anacrônica e portanto requer maior programação e uso de semáforos para a leitura dos resultados. Comandos utilizáveis Os métodos que têm o atributo "Execute on Server" estão sujeitos as mesmas regras que os procedimentos armazenados em matéria de uso dos comandos da linguagem 4D. A execução de certos comandos não está permitida no servidor, a execução de outros não é recomendável. Para maior informação, consulte o parágrafo " O que um procedimento armazenado não pode fazer (executado no servidor)?" na seção Procedimentos armazenados. Ponteiros Se passa um ponteiro a uma variável (variável simples, array ou elemento de array), o valor apontado também é enviado ao servidor. Se o valor apontado é modificado no servidor pelo método, o valor modificado se devolve ao cliente para atualizar a variável correspondente do lado do cliente. Os ponteiros em uma tabela ou campo são enviados como referência (número de tabela, número de campo). O valor do registro atual não é trocado automaticamente.

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Guia de instalação e configuração

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Guia de instalação e configuração Mac OS X 10.6 Snow Leopard Guia de instalação e configuração Leia este documento antes de instalar o Mac OS X. Ele inclui informações importantes sobre como instalar o Mac OS X. Requisitos do sistema Para

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS

INTRODUÇÃO AO WINDOWS INTRODUÇÃO AO WINDOWS Paulo José De Fazzio Júnior 1 Noções de Windows INICIANDO O WINDOWS...3 ÍCONES...4 BARRA DE TAREFAS...5 BOTÃO...5 ÁREA DE NOTIFICAÇÃO...5 BOTÃO INICIAR...6 INICIANDO PROGRAMAS...7

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Manual do KWallet. George Staikos Lauri Watts Desenvolvedor: George Staikos Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do KWallet. George Staikos Lauri Watts Desenvolvedor: George Staikos Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga George Staikos Lauri Watts Desenvolvedor: George Staikos Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Criar uma carteira...................................... 5

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.4.2

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.4.2 Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.4.2 2006-2014 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que seja expressamente concedido por escrito, nenhuma licença é

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Leia antes de utilizar. Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados. Guia de Instalação

Leia antes de utilizar. Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados. Guia de Instalação Leia antes de utilizar Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados Guia de Instalação Leia este guia antes de abrir o pacote do CD-ROM Obrigado por adquirir este software. Antes de abrir

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Xerox CentreWare Guia dos Drivers de Impressora para Macintosh

Xerox CentreWare Guia dos Drivers de Impressora para Macintosh Xerox CentreWare Guia dos Drivers de Impressora para Macintosh 2010 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Xerox e a esfera do design de conectividade, CenterWare, WorkCentre e ColorQube são

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes.

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes. ACESSO REMOTO Através do Acesso Remoto o aluno ou professor poderá utilizar em qualquer computador que tenha acesso a internet todos os programas, recursos de rede e arquivos acadêmicos utilizados nos

Leia mais

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Este arquivo ReadMe contém as instruções para a instalação dos drivers de impressora PostScript e PCL

Leia mais

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Versão 30/06/2014 FOR Segurança Eletrônica Rua dos Lírios, 75 - Chácara Primavera Campinas, SP (19) 3256-0768 1 de 12 Conteúdo A cópia total ou parcial

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

Manual Digifort Explorer Cliente de Monitoramento Versão 6.2.0.0 Rev. A

Manual Digifort Explorer Cliente de Monitoramento Versão 6.2.0.0 Rev. A Manual Digifort Explorer Cliente de Monitoramento Versão 6.2.0.0 Rev. A 2 Cliente de Monitoramento - Versão 6.2.0.0 Índice Part I Bem vindo ao Manual do Digifort Explorer 4 1 Screen... Shots 4 2 A quem...

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do Zim 8.50 para Windows.

Leia mais

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 Conteúdo 1 - O que é o Conectividade Social? 03 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 3 - O que é necessário para instalar o Conectividade Social?.... 05 4 - Como faço para executar

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 4 Visão geral da instalação 4 Passo 1: Buscar atualizações 4 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 4 Passo 3: Instalar o Windows no seu

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

ANDRÉ ALENCAR 1 INFORMÁTICA INTERNET EXPLORER 9

ANDRÉ ALENCAR 1 INFORMÁTICA INTERNET EXPLORER 9 ANDRÉ ALENCAR 1 INFORMÁTICA INTERNET EXPLORER 9 1. JANELA PADRÃO Importante: O Internet Explorer não pode ser instalado no Windows XP. 2. INTERFACE MINIMALISTA Seguindo uma tendência já adotada por outros

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.0.2 PDF-SERVER5-A-Rev2_PT Copyright 2013 Avigilon. Todos os direitos reservados. A informação apresentada está sujeita a alteração sem aviso

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.0 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário MODEM USB LTE LU11 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Instalação... 4 3 Descrição da Interface do Cliente... 5 3 Conexão... 8 5 Mensagens SMS... 10 6 Contatos...

Leia mais

Splash RPX-ii Color Server. Guia de solução de problemas

Splash RPX-ii Color Server. Guia de solução de problemas Splash RPX-ii Color Server Guia de solução de problemas 2007 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 45060100

Leia mais

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral Índice 03 Capítulo 1: Visão Geral 04 Capítulo 2: Conta de Usuário 04 Criação 08 Edição 09 Grupo de Usuários 10 Informações da Conta 12 Capítulo 3: Download do Backup Online Embratel 16 Capítulo 4: Cópia

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 09 de julho de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

DRIVE CONTÁBIL NASAJON

DRIVE CONTÁBIL NASAJON DRIVE CONTÁBIL NASAJON Módulo Gestão de Documentos Versão 1.0 Manual do Usuário 1 Sumário Os Módulos do Gerenciador de NFe: Informações Básicas Primeiro Acesso: Requisitos Acesso ao Drive Contábil Nasajon

Leia mais

Manual Simulador de Loja

Manual Simulador de Loja Manual Simulador de Loja Índice Início Menu Loja Modelo Loja Modelo Menu Criar Minha Loja Criar Minha Loja Abrir Projeto Salvo Teste Seu Conhecimento 0 04 05 08 09 8 9 0 Início 5 4 Figura 00. Tela inicial.

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU $,'(GR5HSRUW0DQDJHU Neste capítulo vamos abordar o ambiente de desenvolvimento do Report Manager e como usar os seus recursos. $FHVVDQGRRSURJUDPD Depois de instalado o Report Manager estará no Grupo de

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7 1. EXCEL 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS As planilhas eletrônicas ficarão na história da computação como um dos maiores propulsores da microinformática. Elas são, por si sós, praticamente a causa da explosão

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Manual do aplicativo Conexão ao telefone

Manual do aplicativo Conexão ao telefone Manual do aplicativo Conexão ao telefone Copyright 2003 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. O logotipo da Palm e HotSync são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo da HotSync e Palm são marcas

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

2 de maio de 2014. Remote Scan

2 de maio de 2014. Remote Scan 2 de maio de 2014 Remote Scan 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. Conteúdo 3 Conteúdo...5 Acesso ao...5

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Índice 3 Introdução 4 Requisitos Necessários 5 Visão Geral da Instalação 5 Passo 1: Buscar atualizações 5 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 5 Passo 3: Instalar

Leia mais

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade Manual do SMS Copyright 1998-2002 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. Graffiti, HotSync, o logotipo da Palm e Palm OS são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo de HotSync e Palm são marcas comerciais

Leia mais

Outlook 2003. Apresentação

Outlook 2003. Apresentação Outlook 2003 Apresentação O Microsoft Office Outlook 2003 é um programa de comunicação e gerenciador de informações pessoais que fornece um local unificado para o gerenciamento de e-mails, calendários,

Leia mais

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Informática Básica Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Introdução O editor de textos Microsoft Word oferece um conjunto de recursos bastante completo, cobrindo todas as etapas de preparação, formatação e impressão

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC FileMaker 13 Guia de ODBC e JDBC 2004 2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker e Bento são marcas comerciais da

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 O hardware não consegue executar qualquer ação sem receber instrução. Essas instruções são chamadas de software ou programas de computador. O software

Leia mais

Qlik Sense Cloud. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Qlik Sense Cloud. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik Sense Cloud Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik, QlikTech,

Leia mais

Google Drive: Acesse e organize seus arquivos

Google Drive: Acesse e organize seus arquivos Google Drive: Acesse e organize seus arquivos Use o Google Drive para armazenar e acessar arquivos, pastas e documentos do Google Docs onde quer que você esteja. Quando você altera um arquivo na web, no

Leia mais

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14 Guia do Usuário idocsscan v.2.1.14 2013 BBPaper_Ds - 2 - Sumário Introdução... 5 Instalação... 7 Inicializando a aplicação... 12 Barras de acesso e informações... 13 Teclas de atalho... 14 Barra de Ferramentas...

Leia mais

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia de gerenciamento de ativos. Julho de 2013

Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5. Guia de gerenciamento de ativos. Julho de 2013 Solução de gerenciamento de sistemas Dell KACE K1000 Versão 5.5 Guia de gerenciamento de ativos Julho de 2013 2004-2013 Dell, Inc. Todos os direitos reservados. Qualquer forma de reprodução deste material

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Versão 3.6

Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Versão 3.6 Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Versão 3.6 O Gerenciador é um Software para ambiente Windows que trabalha em conjunto com o Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro, através de

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar WINDOWS XP Wagner de Oliveira ENTRANDO NO SISTEMA Quando um computador em que trabalham vários utilizadores é ligado, é necessário fazer login, mediante a escolha do nome de utilizador e a introdução da

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital DEZEMBRO / 2010 NEXTCALL GRAVADOR TELEFÔNICO DIGITAL Obrigado por adquirir o NextCall. Este produto foi desenvolvido com o que há de mais atual em

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e

Boot Camp Guia de Instalação e Boot Camp Guia de Instalação e Índice 3 Introdução 4 Requisitos Necessários 5 Visão Geral da Instalação 5 Passo 1: Buscar atualizações 5 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 5 Passo 3: Instalar o Windows

Leia mais

Sumário. Este Guia Rápido do Usuário ajuda você a começar a usar o IRIScan TM Mouse 2.

Sumário. Este Guia Rápido do Usuário ajuda você a começar a usar o IRIScan TM Mouse 2. Este Guia Rápido do Usuário ajuda você a começar a usar o IRIScan TM Mouse 2. As descrições fornecidas nesta documentação são baseadas nos sistemas operacionais Windows 7 e Mac OS X Mountain Lion. Leia

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Xerox EX Print Server, Powered by Fiery, para a copiadora-impressora Xerox D110-125. Bem-vindo

Xerox EX Print Server, Powered by Fiery, para a copiadora-impressora Xerox D110-125. Bem-vindo Xerox EX Print Server, Powered by Fiery, para a copiadora-impressora Xerox D110-125 Bem-vindo 2012 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

Arquivos e Pastas. Instrutor Antonio F. de Oliveira. Núcleo de Computação Eletrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro

Arquivos e Pastas. Instrutor Antonio F. de Oliveira. Núcleo de Computação Eletrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro Arquivos e Pastas Duas visões do Windows Explorer A Hierarquia do Explorer Aparência das pastas Personalizando o Explorer Manipulação de Arquivos e pastas Uso de atalhos Visões do Windows Explorer Para

Leia mais

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br Capture Pro Software Introdução A-61640_pt-br Introdução ao Kodak Capture Pro Software e Capture Pro Limited Edition Instalando o software: Kodak Capture Pro Software e Network Edition... 1 Instalando

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp.

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Após ter criado um diretório virtual, quer seja de http ou de ftp, você pode configurar uma série de opções para este diretório. As configurações

Leia mais

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC)

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Gerenciador de Referências EndNote Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Pesquisa na Web of Science O que é o EndNote? Funcionalidades da ferramenta Como incluir citações no Word usando

Leia mais