Administração de Redes SAMBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração de Redes SAMBA"

Transcrição

1 Administração de Redes SAMBA Rafael S. Guimarães IFES - Campus Cachoeiro de Itapemirim Baseado no material de João Paulo de Brito Gonçalves

2 SAMBA

3 SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações Linux e Windows compartilhem recursos entre si em uma rede. Através do Samba, o Linux pode servir clientes Windows, tornando-se:

4 SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações Linux e Windows compartilhem recursos entre si em uma rede. Através do Samba, o Linux pode servir clientes Windows, tornando-se:

5 SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações Linux e Windows compartilhem recursos entre si em uma rede. Através do Samba, o Linux pode servir clientes Windows, tornando-se: Servidor de arquivo

6 SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações Linux e Windows compartilhem recursos entre si em uma rede. Através do Samba, o Linux pode servir clientes Windows, tornando-se: Servidor de arquivo Servidor de impressão

7 SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações Linux e Windows compartilhem recursos entre si em uma rede. Através do Samba, o Linux pode servir clientes Windows, tornando-se: Servidor de arquivo Servidor de impressão Servidor de autenticação e autorização

8 SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações Linux e Windows compartilhem recursos entre si em uma rede. Através do Samba, o Linux pode servir clientes Windows, tornando-se: Servidor de arquivo Servidor de impressão Servidor de autenticação e autorização Servidor de nomes Windows

9 SAMBA

10 SAMBA O Samba foi criado em 1992 por Andrew Tridgell e atualmente é mantido por uma equipe onde a maioria é de desenvolvedores voluntários. O Samba, tendo em vista suas funcionalidades acima, possui uma interação praticamente completa com estações de trabalho Windows.

11 SAMBA

12 SAMBA O Servidor Linux pode atuar como Controlador de Domínio Primário - PDC -, tarefa até então exclusiva do Windows NT e dos Windows Server, permitindo abrigar as contas de usuários, com suas respectivas senhas, de forma que clientes Windows possam ser autenticados, antes de utilizarem os recursos da rede.

13 SAMBA

14 SAMBA O arquivo de configuração do Samba é o smb.conf. Por padrão, este arquivo se encontra no diretório /etc/samba e pode ser editado diretamente usando o editor de texto puro de sua preferência.

15 SAMBA O arquivo de configuração do Samba é o smb.conf. Por padrão, este arquivo se encontra no diretório /etc/samba e pode ser editado diretamente usando o editor de texto puro de sua preferência. O arquivo smb.conf é dividido em seções, onde cada seção é identificada por um identificador único cercado por colchetes ( [ ] ), onde cada seção define as características individuais de cada diretório ou de impressora compartilhados.

16 SAMBA O arquivo de configuração do Samba é o smb.conf. Por padrão, este arquivo se encontra no diretório /etc/samba e pode ser editado diretamente usando o editor de texto puro de sua preferência. O arquivo smb.conf é dividido em seções, onde cada seção é identificada por um identificador único cercado por colchetes ( [ ] ), onde cada seção define as características individuais de cada diretório ou de impressora compartilhados. Entre cada seção e outra, existem diretivas definidas por palavras-chaves seguidas do sinal de igual (=) e o seu valor na sequência. Para se desabilitar uma diretiva ou criar um comentário, simplesmente insira um ponto-evírgula (;) ou uma cerquilha (#) no início de cada linha.

17 Seções Especiais

18 Seções Especiais Seção [Global]: Define os parâmetros de configuração gerais para o servidor como um todo. Qualquer opção configurada nesta seção será aplicada a todo compartilhamento.

19 Seções Especiais Seção [Global]: Define os parâmetros de configuração gerais para o servidor como um todo. Qualquer opção configurada nesta seção será aplicada a todo compartilhamento. Seção [homes]: Define individualmente os parâmetros para as pastas bases (diretórios pessoais, como /home/fulano) dos usuários. Na verdade, esta seção permite que os usuários acessem seus diretórios base (pastas bases) no servidor Samba.

20 Seções Especiais Seção [Global]: Define os parâmetros de configuração gerais para o servidor como um todo. Qualquer opção configurada nesta seção será aplicada a todo compartilhamento. Seção [homes]: Define individualmente os parâmetros para as pastas bases (diretórios pessoais, como /home/fulano) dos usuários. Na verdade, esta seção permite que os usuários acessem seus diretórios base (pastas bases) no servidor Samba. Seção [Printers]: Define os parâmetros para todas as impressoras compartilhadas pelo servidor. É a partir destas definições que compartilhamos impressoras na rede.

21 Seções Especiais Seção [Global]: Define os parâmetros de configuração gerais para o servidor como um todo. Qualquer opção configurada nesta seção será aplicada a todo compartilhamento. Seção [homes]: Define individualmente os parâmetros para as pastas bases (diretórios pessoais, como /home/fulano) dos usuários. Na verdade, esta seção permite que os usuários acessem seus diretórios base (pastas bases) no servidor Samba. Seção [Printers]: Define os parâmetros para todas as impressoras compartilhadas pelo servidor. É a partir destas definições que compartilhamos impressoras na rede. Além destas seções padrão, podem existir também as

22 Seções Especiais

23 Seção [global] [global] netbios name = nome workgroup = SOREDES server string = Servidor SAMBA da disciplina Adm Redes Onde: workgroup - grupo de trabalho ou domínio ao qual a máquina pertence server string comentário qualquer sobre o servidor netbios name - por padrão, o Samba uiliza o nome DNS da máquina menos o domínio como o nome NetBIOS. Através da opção netbios name podemos forçar outro nome NetBIOS para a máquina.

24 Seção [global] Neste momento é essencial entender o que é grupo de trabalho e domínio: Grupo de trabalho: é um grupo de computadores que comparilham recursos entre si e são listados de forma agrupada, quando é solicitado a lista de computadores do grupo de trabalho. A lista de computadores de um grupo de trabalho é apresentada no Windows Explorer, por exemplo. Domínio: é um grupo de trabalho que possui um servidor que mantém a lista de usuários e senhas denominado PDC (Controlador Primário do Domínio), de forma que os recursos que são comparilhados baseiam suas permissões de acesso na idenificação dos usuários do domínio.

25 Seção [global] - Sempre que for feita uma configuração no arquivo smb.conf, é interessante usar o comando testparm, que informa possíveis erros na configuração do arquivo. Para observar os comparilhamentos disponíveis em seu servidor e em outros servidores SAMBA espalhados pela rede, devemos usar o comando smbclient da seguinte forma: smbclient - L nome_da_maquina N onde - N efetua um login anônimo - L lista os comparilhamentos exportados pelo servidor

26 Seção [global] - Segurança hosts deny usado para listar endereços que não poderão ter acesso a um comparilhamento. hosts allow usado para listar endereços que poderão ter acesso ao comparilhamento. Os computadores não listados não terão acesso. Exemplo: hosts allow = / Lista os endereços IP separados por vírgulas ou espaços que podem se conectar ao comparilhamento. Endereços não listados aqui terão o acesso negado. security: especifica o nível de segurança dos comparilhamentos. Usando a opção user, fará com que qualquer usuário para acessar um comparilhamento, precise ter uma conta válida de usuário no sistema.

27 ComparMlhamento de diretórios Vamos comparilhar o diretório /mnt/arquivos no nosso servidor SAMBA. Para isto, será necessário adicionar mais uma seção ao arquivo smb.conf, com o nome do comparilhamento. [arquivos] comment = ComparIlhamento de teste path = /mnt/arquivos O parâmetro comment serve apenas como uma pequena descrição do comparilhamento, e é opcional. O parâmetro path indica o caminho para o diretório comparilhado.

28 ComparMlhamento de diretórios Usando a ferramenta smbclient é possível também acessar diretamente um comparilhamento explicitamente: smbclient //nome_da_maquina/arquivos N Entretanto, Ivemos um erro de acesso, pois o comparilhamento não pode ser acessado de forma anônima. Para que tal acesso seja possível, é necessário acrescentar à seção, a seguinte linha: [arquivos] comment = ComparIlhamento de teste path = /mnt/arquivos guest ok = Yes Habilitanto com isso o login de usuários anônimos.

29 AutenMcando usuários Para uma maior segurança no servidor, é interessante que só usuários autenmcados acessem o comparmlhamento. Durante a evolução do SAMBA, foram criados diversos backends, que permitem armazenar senhas criptografadas e outras informações referentes aos usuários. O smbpasswd é o backend mais simples, Nele as senhas são salvas no arquivo /etc/samba/smbpasswd e são transmiidas de forma encriptada através da rede, com suporte ao sistema NTLM, usado pelas versões contemporâneas do Windows. A vantagem do smbpasswd é que ele é um sistema bastante simples. Embora encriptadas, as senhas são armazenadas em um arquivo de texto, com uma conta por linha, o que lembra um pouco o arquivo /etc/passwd no Linux.

30 AutenMcando usuários Para que o usuário possa ser usado no SAMBA, é necessário cadastrá- lo no smbpasswd. Antes disso, o usuário precisa exisir previamente criado no sistema, caso contrário não será possível cadastrá- lo. Para que isto seja possível, é necessário registrar os usuários no serviço através do comando smbpasswd. Desta forma, para cadastrar um smbpasswd - a usuario usuário no sistema, deve- se usar o comando: Será pedida então a senha deste usuário, e após inseri- lo já é possível usá- lo para acessar comparilhamentos: smbclient //nome_da_maquina/arquivos U usuario remover uma conta de usuário: smbpasswd - x fulano desabilitar uma conta de usuário (sem removê- la): smbpasswd - d fulano Reabilitar um usuário usa- se o parâmetro e

31 Parâmetros de ComparMlhamento É possível permiir que o comparilhamento fique oculto quando acessado por outros usuários. Isto pode ser conseguido através do uso do parâmetro browseable na seção do comparilhamento da seguinte forma: [arquivos] comment = ComparIlhamento de teste path = /mnt/arquivos guest ok = yes browseable = no Desta forma será possível acessar o comparilhamento explicitamente, mas ele não aparecerá na lista de comparilhamentos do servidor.

32 Parâmetros de comparmlhamento Além disto é possível configurar se o comparilhamento será de leitura ou escrita ou só de leitura, sendo que o padrão é leitura. Isto pode ser feito através do parâmetro writable da seguinte forma: [arquivos] comment = ComparIlhamento de teste path = /mnt/arquivos guest ok = yes browseable = no writable = yes Para impedir que determinados Ipos de arquivos possam ser gravados nos comparilhamentos, deve- se usar a direiva veto files. Por exemplo: veto files = /*.mp3/ - Impede a gravação de qualquer arquivo Ipo.mp3 em um comparilhamento. Se usado na seção [global], impede a gravação deste Ipo de arquivo em qualquer comparilhamento daquele servidor.

33 AutenMcando usuários Quando o smbclient é invocado na forma ( //servidor/ comparmlhamento), ele abre um prompt para a digitação de comandos e ele age de maneira muito simular à um cliente FTP, aceitando os comandos tradicionais deste serviço. Desta forma, podemos usar comandos tradicionais, como GET, LS, MKDIR, etc. Para se verificar quais usuários e quais máquinas estão acessando comparilhamentos no servidor, podemos usar o comando smbstatus.

34 Seção [homes] O c o m p a r I l h a m e n t o [homes] é um comparilhamento especial para o Samba. Este é um comparilhamento uilizado para automamcamente comparmlhar o diretório home do usuário. Em vez de criar comparilhamentos para cada diretório /home uiliza- se este comparilhamento especial.

35 Seção [homes] Sempre que um cliente SMB tentar uma conexão a um comparilhamento que não existe, o Samba vai verificar se o nome do comparilhamento por acaso não é um nome de usuário válido. Se for, e a senha esiver correta, então um comparilhamento com o nome do usuário será automaicamente criado. Este comparilhamento ficará invisível para logins anônimos e aparecerá para o usuário existente no sistema.

36 Seção [homes] Abaixo as linhas referentes à configuração da seção home. [homes] comment = Diretório home do usuário browseable = no writable = yes

37 Fazendo o Linux atuar como PDC Neste tópico será apresentada uma configuração básica do arquivo smb.conf, ou seja, mostraremos um resumo de quais opções devem ser alteradas para que o Linux se torne o PDC da rede. Esta configuração visa conseguir fazer com que o Linux tenha o controle de acesso ao Samba a nível de usuário. Assim, todos usuários deverão ser autenicados para terem acesso aos comparilhamentos de rede do Samba.

38 Fazendo o Linux atuar como PDC [global] workgroup = ADMREDES Server string = PDC Samba - IFES encrypt passwords = yes os level = 100 local master = yes domain master = yes preferred master = yes domain logons = yes

39 Fazendo o Linux atuar como PDC Onde: workgroup: neste momento, o parâmetro workgroup passa a especificar não mais apenas um grupo de trabalho, mas um domínio Netbios. local master: Quando você quiser que o Servidor Samba seja candidato à eleição de local master browser pelos computadores da sub- rede, atribua valor yes. preferred master: Caso você queira que o Servidor Samba sempre seja eleito, atribua valor yes para este parâmetro e descomente a opção. Esta opção deverá ser acompanhada com a opção domain master. domain master: Permite que o Samba atue como domain master browser, para o domínio. Ele irá, então, coletar e manter listas de computadores fornecidas pelos LMBs da rede local.

40 Fazendo o Linux atuar como PDC domain logons: Permite que o Samba autenique os clientes Windows que seja pertencentes a esse domínio. Portanto, esta opção é essencial para quando o Linux esiver atuando como um PDC. encrypt passwords: É usado para que o Samba possa autenicar uma senha criptografada. Esta opção é necessária pois o Windows não suporta transmissão de senhas sem criptografia, e caso esta opção não seja aivada, o servidor SAMBA simplesmente não conseguirá conversar com as máquinas Windows que tentarem se autenicar no mesmo. os level: Permite especificar qual chance o servidor Linux terá de ser o Master Browser do grupo de trabalho. O valor padrão para os level é 20, mas para sermos um PDC precisaremos de no mínimo o valor 33, pois o Windows Server tem nível 32. Com o valor 100, o servidor SAMBA sempre ganhará a eleição.

41 Contas de máquinas para clientes Windows Para clientes Windows poderem paricipar de um domínio controlado por um servidor SAMBA, você deve criar contas de máquinas para estas estações. Estas contas não terão login válido para usuário, serão apenas para autenicar as máquinas paricipantes do domínio.

42 Contas de máquinas para clientes Windows Crie uma conta de máquina na base de dados do Linux. ~]# addgroup maquinas ~]# useradd - g maquinas d /dev/null - s /bin/false lab5$ ~]# smbpasswd a m lab5 Onde o m indica que a conta criada é uma conta de máquina e não uma conta de usuário válida. O símbolo $ é necessário para mostrar ao sistema que está sendo criada uma conta de máquina e não de usuário normal. - g máquinas - insere a máquina no grupo máquinas criado previamente. - d /dev/null - cria um diretório home nulo para o usuário. - s /bin/false - direciona o usuário para um shell inválido, de forma que ele não possa uilizar o terminal.

43 Contas de máquinas para clientes Windows Quando a máquina passa a fazer parte do domínio, é criada uma relação de confiança entre ela e o servidor. Uma senha(chamada de machine trust account password ) é usada pela máquina para comprovar sua idenidade de domínio. Esta é uma senha interna, gerada automaicamente pelo sistema durante a conexão inicial. Para inserir as máquinas Windows no domínio, é necessário configurá- las no domínio criado com o PDC Samba. Após isto, será necessário logar- se como root para que seja criada a relação de confiança entre o servidor e o cliente. Após reiniciar a máquina, passa a aparecer a opção Efetuar logon em: DOMÍNIO na tela de login, permiindo ao cliente se logar com qualquer conta cadastrada previamente no servidor.

44 Seção [netlogon] O script de logon é uma forma práica e fácil de preparar um ambiente para um usuário. Podemos mapear drives de rede, impressoras, comparilhamentos, acertar o relógio(desde que o usuário tenha as permissões necessárias), etc. Este script é especificado através da direiva logon script na seção [global] e é sempre relaivo a uma seção de comparilhamento chamada de [netlogon]. [netlogon] comment = Serviço de Logon path = /etc/samba/netlogon guest ok = yes browseable = no O único item obrigatório é o caminho para o diretório onde se encontra o arquivo do script, no caso do exemplo o diretório /etc/samba/netlogon.

45 Seção [netlogon] Caso o script se chame teste.bat, então a linha logon script da seção [global] seria: logon script = teste.bat O script criado deve ser em formato de arquivo do Windows para que possa ser interpretado e executado pelo sistema operacional. Para converter o formato do arquivo podemos usar o programa unix2dos. Geralmente um script faz uso do comando net para realizar suas operações, podendo por exemplo permiir um mapeamento de comparilhamento usando net use ou o envio de mensagens winpopup uilizando net send. Uma outra forma de mapear um diretório no servidor para o cliente é através da direiva logon drive dentro da seção [global]. Com a opção logon drive = H: por exemplo, o diretório home do usuário será mapeado como unidade H: na máquina Windows.

46 Seção [netlogon]

47 Perfis Móveis em SAMBA Mais uma configuração útil (porém opcional) é fazer com que o servidor armazene os arquivos e configurações do usuário (recurso chamado Roaming Profiles, ou perfis móveis), fornecendo-os à estação no momento em que o usuário faz logon. Isso permite que o usuário possa trabalhar em outras máquinas da rede e faz com que seus arquivos de trabalho sejam armazenados no servidor, diminuindo a possibilidade de perda de dados. Por outro lado, ativar os perfis móveis faz com que seja consumido mais espaço de armazenamento do servidor e aumenta o tráfego da rede, já que os arquivos precisam ser transferidos para a estação a cada logon. Isso pode tornar-se um problema caso os usuários da rede tenham o hábito de salvar muitos arquivos grandes na área de trabalho.

48 Perfis Móveis em SAMBA Mais uma configuração útil (porém opcional) é fazer com que o servidor armazene os arquivos e configurações do usuário (recurso chamado Roaming Profiles, ou perfis móveis), fornecendo-os à estação no momento em que o usuário faz logon. Isso permite que o usuário possa trabalhar em outras máquinas da rede e faz com que seus arquivos de trabalho sejam armazenados no servidor, diminuindo a possibilidade de perda de dados. Por outro lado, ativar os perfis móveis faz com que seja consumido mais espaço de armazenamento do servidor e aumenta o tráfego da rede, já que os arquivos precisam ser transferidos para a estação a cada logon. Isso pode tornar-se um problema caso os usuários da rede tenham o hábito de salvar muitos arquivos grandes na área de trabalho.

49 Perfis Móveis em SAMBA Para se habilitar a opção do uso de perfis móveis no SAMBA, pode-se usar a seguinte opção na seção [global]: logon path = \\%L\%U\profile onde o \\%L\%U é substituído pelo diretório home de cada usuário, ou seja, a pasta profile vai ser criada no diretório home ou pessoal de cada usuário no servidor SAMBA e este é o valor padrão para a diretiva logon path. A diretiva logon path informa onde vão ficar os arquivos que fazem parte do perfil móvel do usuário. Desta forma, não é necessário criar um compartilhamento específico para os perfis, sendo esta solução bastante prática. Isto pode ou não ser desejado dependendo da política da rede local.

50 SAMBA como servidor ou cliente WINS É possível configurar o servidor SAMBA de forma a se tornar um servidor de nomes Netbios. Através do parâmetro wins support = yes, o servidor SAMBA se torna um servidor de nomes. Caso esteja habilitado, máquinas NetBios da rede podem usar este servidor para registrar seus nomes. Também é possível configurar a máquina SAMBA para que ela use um servidor de nomes já existente na rede. Usando a opção wins server = IPServidor, será especificado um servidor de nomes WINS onde o servidor SAMBA irá registrar seus nomes Netbios neste servidor de nomes. Obviamente não se deve especificar wins support e wins server ao mesmo tempo, muito menos com wins server apontando para si mesmo.

51 Seção [printers] O comparilhamento especial [printers] possui um comparilha- mento bastante semelhante ao [homes]. Se o nome do comparilhamento que o cliente quer não for encontrado nem no smb.conf e no [homes], então o Samba vai procurar uma impressora com este nome. Se for encontrada, será criado na mesma hora um comparilhamento com o nome desta impressora fazendo uma cópia da seção [printers]. Esta é uma forma bastante práica para comparilhar todas as impressoras conhecidas pelo servidor através do serviço CUPS. Para comparilharmos todas as impressoras conhecidas pelo servidor através do serviço CUPS devemos inserir ao final da seção [Global] as linhas: prining = cups printcap name = cups load printers = yes

52 Seção [printers]

53 Seção [printers] prinmng = Ele indica o Ipo de sistema de impressão a ser uilizado. O Valor padrão é o cups e é o recomendado atualmente para o Samba. printcap name = caso se use prining = cups, também deve ser colocado cups aqui, que é o valor padrão. load printers = indica se o SAMBA deve ou não carregar uma lista de todas as impressoras disponíveis ao ser iniciado. Deve ser habilitado para que as impressoras disponíveis sejam comparilhadas através do [printers]. O valor padrão é Yes.

54 Seção [printers] Após estas linhas é necessário também criar o compartilhamento das impressoras: [printers] comment = Compartilhamento das impressoras path = /var/spool/samba printable = Yes browseable = yes writable = no guest ok = yes use client driver = yes public = yes

55 Seção [printers] public torna a impressora pública no domínio. guest ok = yes permite que usuários anônimos consigam acessar a impressora. use client driver = yes permite que seja usado o driver da máquina cliente para impressão na impressora compartilhada. comment = comentário sobre o compartilhamento

56 Seção [printers] path diretório onde os trabalhos de impressão podem ser armazenados temporariamente. A instalação do SAMBA cria o diretório / var/spool/samba com este propósito e é o diretório que será usado aqui. printable valor yes para compartilhamento de impressoras. Faz com que o Samba trate este compartilhamento como uma impressora, e não um compartilhamento de diretórios comum. Equivalente ao parâmetro print ok = yes browseable - permite visualizar todos os compartilhamentos de impressoras. writable deve ser configurado para no neste caso. O parâmetro printable já garante o acesso de escrita necessário para rotinas de impressão.

57 SAMBA versão 4.0 Na versão 4 do SAMBA, teremos uma mudança radical no seu funcionamento. Nesta versão o SAMBA pode se tornar um DC (Domain Controller), podendo substituir totalmente o software Active Directory, desenvolvido pela Microsoft. Foram 10 anos de desenvolvimento até chegar na versão final do SAMBA 4.0.

Linux Network Servers

Linux Network Servers Configuração do Servidor Samba como controlador primário de domínio (PDC). O objetivo desse roteiro é mostrar como configurar um servidor Samba PDC compartilhando o diretório home, impressora e um diretório

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Samba Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Conhecido também como servidor de arquivos; Consiste em compartilhar diretórios do Linux em uma rede Windows e visualizar compartilhamentos

Leia mais

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC".

Após salvar, execute o comando testparm e ele deverá exibir a mensagem Server role: ROLE_DOMAIN_PDC. Samba como Servidor de Domínio Ubuntu Server 14.04 1. Passo - Instalação do pacote: #apt-get install samba 2. Passo - Edição do smb.conf Após instalar o samba delete o arquivo padrão smb.conf. #rm /etc/samba/smb.conf

Leia mais

Utilizando o SAMBA - Parte I

Utilizando o SAMBA - Parte I Utilizando o SAMBA - Parte I Por: Victor Zucarino ( 28/03/2001 ) Introdução Antes de começar vamos entender o que é o Samba. Em uma rede é necessário compartilhar dados, por isso temos que pensar em obter

Leia mais

Arquivo smb.conf comentado

Arquivo smb.conf comentado Arquivo smb.conf comentado ######## Seção global #### Define configurações como nome do servidor, grupo de trabalho, e outras. #### Opções definidas aqui tem efeito em todos compartilhamentos, exceto quando

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

Instalação e Configuração Servidor Samba

Instalação e Configuração Servidor Samba Instalação e Configuração Servidor Samba Pág - 1 Instalação e Configuração Servidor Samba O Samba é o servidor que permite compartilhar arquivos e acessar compartilhamentos em máquinas Windows. Ele é dividido

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Samba como compartilhador de arquivos & impressora O Samba surgiu da necessidade de integrar redes mistas (Windows com Linux). No Linux, há duas maneiras de se fazer isso, que é pelo uso do NFS e Samba.

Leia mais

Capítulo 9. SMB (Server Message Block) Serviços de ficheiros em rede Microsoft. Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1

Capítulo 9. SMB (Server Message Block) Serviços de ficheiros em rede Microsoft. Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1 Capítulo 9 Serviços de ficheiros em rede Microsoft SMB (Server Message Block) Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 9 1/1 Introdução Em 1984 a Microsoft fez uma API (Application Programming Interface)

Leia mais

NBT - é o protocolo que faz o mapeamento entre nomes (de computadores ) e IP s.

NBT - é o protocolo que faz o mapeamento entre nomes (de computadores ) e IP s. Capítulo 9 Serviços de ficheiros em rede Microsoft (SMB) Introdução Em 1984 a Microsoft fez uma API (Application Programming Interface) para que as suas aplicações pudessem partilhar dados numa rede. Esta

Leia mais

Samba como PDC de um domínio Windows

Samba como PDC de um domínio Windows Relatório do Trabalho Prático nº 3 Samba como PDC de um domínio Windows Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 22.11.2006 Índice Índice...

Leia mais

Aula 9 Servidor Samba Linux

Aula 9 Servidor Samba Linux 1 Aula 9 Servidor Samba Linux Samba é o protocolo responsável pela integração de máquinas Linux com Windows, permitindo assim a criação de redes mistas utilizando servidores Linux e clientes Windows. Samba,

Leia mais

Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus

Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus Samba PDC no Debian com Clamwin antivírus Artigo extraído do link http://www.guiadohardware.net/artigos/pdc debian clamwin estacoes/ Introdução Esse artigo o guiará passo a passo na montagem de um servidor

Leia mais

Referências: http://www.debian.org/doc/manuals/reference/ch-tips.pt-br.html#s-cronjob

Referências: http://www.debian.org/doc/manuals/reference/ch-tips.pt-br.html#s-cronjob 1 Temas abordados: Escalonamento de tarefas Configuração do SAMBA Certificados de chave pública (OPENSSL) Escalonamento de tarefas Referências: http://www.debian.org/doc/manuals/reference/ch-tips.pt-br.html#s-cronjob

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas Administração de Sistemas Orlando Sousa Aula 11 Partilha de ficheiros e impressoras: SAMBA SAMBA Serviço que permite: Partilhar um directório com computadores Windows ou Linux Partilhar um directório de

Leia mais

Samba - Aspectos Avançados

Samba - Aspectos Avançados Samba - Aspectos Avançados Por Conectiva Informática e Time de Desenvolvimento do Samba Certamente, no momento em que iniciamos a implantação de uma rede, nos deparamos com diversos aspectos não previstos,

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA SMB vs NFS Técnico Integrado em Telecomunicações

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

Integração Windows e Linux com Samba

Integração Windows e Linux com Samba Integração Windows e Linux com Samba Session Message Block - SMB Software livre, que permite que máquinas Unix/Linux e Windows convivam harmoniosamente em uma mesma rede Sistemas Windows em geral e OS/2

Leia mais

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba Daniel Darlen daniel.correa@planejamento.gov.br IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba p.1/65 Introdução Introdução ao Samba p.2/65 Introdução SAMBA é um conjunto

Leia mais

Compartilhamento de arquivos e diretórios

Compartilhamento de arquivos e diretórios Compartilhamento de arquivos e diretórios O compartilhamento de arquivos e diretórios foi uma das aplicações que motivou o desenvolvimento inicial da rede de computadores. 19 E xistem dois protocolos de

Leia mais

ActiveInfo. Treinamento GNU/Linux Servidores

ActiveInfo. Treinamento GNU/Linux Servidores ActiveInfo Treinamento GNU/Linux Servidores http://www.samba.org André Luiz andreluizsp@gmail.com 1 Conteúdo programático O que é SAMBA? Instalando o SAMBA Verificando o serviço SWAT - Samba Web Administrator

Leia mais

CONFIGURANDO O SAMBA

CONFIGURANDO O SAMBA 1 CONFIGURANDO O SAMBA escrito por: Bruno T. Russo brusso@mackenzie.com.br http://www.btr.hpg.com.br criado com OpenOffice 1.0 Janeiro / 2003 2 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Instalação 3 3. Configuração 3

Leia mais

TUTORIAL: CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR SAMBA

TUTORIAL: CONFIGURAÇÃO DO SERVIDOR SAMBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC CURSO DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS LINUX Antonio Janael Pinheiro Maria Atrícia Sabino Maciel Luclécia Correia Lopes

Leia mais

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa)

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Prof. Roitier Campos Gonçalves Introdução O servidor de arquivos fornece um ponto centralizado na rede para armazenamento e compartilhamento de arquivos

Leia mais

Como padrão o usuário root vem bloqueado por padrão, habilite o usuário root com os seguintes comandos:

Como padrão o usuário root vem bloqueado por padrão, habilite o usuário root com os seguintes comandos: Samba como controlador de domínio no Ubuntu Nesse artigo estaremos configurando o SAMBA, que consiste em um software que faz a comunicação entre Windows e Linux, sendo utilizado para compartilhar arquivos

Leia mais

Solução linux para compartilhamento de arquivos

Solução linux para compartilhamento de arquivos Solução linux para compartilhamento de arquivos Nataniel da Silva Vieira 1, André Moraes 1 1 Tecnologia em Redes de Computadores Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS Brasil nataniel@pelotas.com.br,

Leia mais

O que é e o que faz o samba?

O que é e o que faz o samba? Tutorial samba como controlador de domínio para Ubuntu ou Debian. Os procedimentos foram testados no ubuntu 10.04, em caso do debian ou outra versão pode mudar alguns detalhes ou algum procedimento como

Leia mais

GLEYSON RODRIGUES JORGE. Manual de Configuração de um Servidor SAMBA: Compartilhamento, Autenticação e Construção de Scripts.

GLEYSON RODRIGUES JORGE. Manual de Configuração de um Servidor SAMBA: Compartilhamento, Autenticação e Construção de Scripts. GLEYSON RODRIGUES JORGE Manual de Configuração de um Servidor SAMBA: Compartilhamento, Autenticação e Construção de Scripts. Palmas 2006 GLEYSON RODRIGUES JORGE Manual de Configuração de um Servidor SAMBA:

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula-6

Sistemas Distribuídos Aula-6 6 SAMBA Histórico: O Samba foi criado por Andrew Tridgell. Ele precisava montar um espaço em disco em seu PC para um servidor Unix. Esse PC rodava DOS e, inicialmente, foi utilizado o sistema de arquivos

Leia mais

Suporte de Servidores Linux. Ezequiel Mendes Duque

Suporte de Servidores Linux. Ezequiel Mendes Duque Suporte de Servidores Linux Ezequiel Mendes Duque SAMBA Acidente?? O projeto nasceu no final de 1991, de forma acidental. O criador foi: Andrew Tridgell, um australiano que na época era estudante do curso

Leia mais

/LQX[:LQGRZV 6DPED. Para executar os procedimentos abaixo você precisa estar logado como root. $YLVR

/LQX[:LQGRZV 6DPED. Para executar os procedimentos abaixo você precisa estar logado como root. $YLVR /LQX[:LQGRZV 6DPED (GLomR Autor E-mail Home-page Coadjuvante 'DQLHO3HUHLUD*XLPDUmHV WHPS#WHFQRE\WHFRPEU ZZZWHFQRE\WHFRPEU $QW{QLR3HUHLUD*XLPDUmHV,QWURGXomR Não podemos negar que a maior parte dos usuários

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Prof.: Roberto Franciscatto Samba Samba Samba Samba Servidor de compartilhamento de arquivos e recursos de rede É compatível com

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Conteúdo Programático! Introdução ao Active Directory (AD)! Definições! Estrutura Lógica! Estrutura Física! Instalação do Active Directory (AD)!

Leia mais

Instalação de um Cliente Linux em um domínio de rede Microsoft Windows NT4

Instalação de um Cliente Linux em um domínio de rede Microsoft Windows NT4 Instalação de um Cliente Linux em um domínio de rede Microsoft Windows NT4 Projeto Libertas-BR http://www.libertasbr.org.br 8 de setembro de 2005 1 Introdução Esta documentação orienta a integração de

Leia mais

Tutorial de Active Directory Parte 3

Tutorial de Active Directory Parte 3 Tutorial de Active Directory Parte 3 Introdução Prezados leitores, esta é a terceira parte de uma série de tutoriais sobre o Active Directory. O Active Directory foi a grande novidade introduzida no Windows

Leia mais

Configuração do Samba

Configuração do Samba LinuxFocus article number 177 http://linuxfocus.org Configuração do Samba by Éric Seigne About the author: Trabalho para o mundo de software livre e, entre outras coisas, desenvolvo

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando um Servidor de Arquivos SAMBA. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Porque usar o Servidor Samba Server? Compartilhamento de arquivos; Servidor de arquivos;

Leia mais

Capítulo 1 DATAPREV DATAPREV. 1.1 Servidores de arquivos. www.dataprev.gov.br

Capítulo 1 DATAPREV DATAPREV. 1.1 Servidores de arquivos. www.dataprev.gov.br Capítulo 1 DATAPREV Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: DATAPREV www.dataprev.gov.br Procedimentos adotados pela Dataprev na migração dos servidores Netware (Novell) para servidores

Leia mais

AULA 6. Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies Lucas F. Zawacki. PET Computação UFRGS

AULA 6. Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies Lucas F. Zawacki. PET Computação UFRGS M i n i - C u r s o d e I n t r o d u ç ã o a o G N U / L i n u x AULA 6 Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies Lucas F. Zawacki PET Computação UFRGS Março/Abril 2008 A d m i n i s t r a c a o B á s i c a Arquivos

Leia mais

Compartilhando arquivos com o samba

Compartilhando arquivos com o samba Compartilhando arquivos com o samba Para compartilhar arquivos em uma rede local windows, a microsoft utiliza o protocolo smb (server message block). O samba foi criado para que máquinas linux possam compartilhar

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAC-PELOTAS Centro Histórico PRONATEC. Jonathan Silveira Leandro Stein RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO INTERDICIPLINAR

Escola de Educação Profissional SENAC-PELOTAS Centro Histórico PRONATEC. Jonathan Silveira Leandro Stein RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO INTERDICIPLINAR Escola de Educação Profissional SENAC-PELOTAS Centro Histórico PRONATEC Jonathan Silveira Leandro Stein RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO INTERDICIPLINAR PELOTAS/RS 2013 1 Jonathan Silveira, Leandro Stein Relatório

Leia mais

JOSÉ ELIAS DA SILVA JUSTO

JOSÉ ELIAS DA SILVA JUSTO JOSÉ ELIAS DA SILVA JUSTO SERVIDOR DE ARQUIVOS LINUX PARA CLIENTES WINDOWS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO SAMBA NA FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS Monografia apresentada ao Departamento de Ciência

Leia mais

Instalando e usando o Document Distributor 1

Instalando e usando o Document Distributor 1 Instalando e usando o 1 O é composto por pacotes de software do servidor e do cliente. O pacote do servidor deve ser instalado em um computador Windows NT, Windows 2000 ou Windows XP. O pacote cliente

Leia mais

Rafael Nink de Carvalho

Rafael Nink de Carvalho Rafael Nink de Carvalho Conteúdos a serem trabalhados: Software de Matemática Math; Inserção de vídeos do YouTube no BrOffice.org Impress; Inserção de som no Impress; Converter cd de áudio; Instalar programas;

Leia mais

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA #20 Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA VITEC Versão 1.0 Agosto/2007 1 Revisões Versão Data Descrição 1.0.0 03/08/2007 Elaboração do Manual. Página 2 de 18 Índice 1 REVISÕES... 2 2 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor FTP Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática FTP: o protocolo de transferência de arquivos transferir arquivo de/para hospedeiro remoto modelo cliente/servidor cliente:

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

FPROT. Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt. SENAC TI Fernando Costa

FPROT. Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt. SENAC TI Fernando Costa FPROT Fonte: www.lcad.icmc.usp.br/~jbatista/sce238/samba.ppt SENAC TI Fernando Costa Samba Introdução Fundamentos para criação de um domínio e serviços Windows em um servidor Linux. Motivação: O convívio

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Instalação e utilização do Document Distributor

Instalação e utilização do Document Distributor Para ver ou fazer o download desta ou de outras publicações do Lexmark Document Solutions, clique aqui. Instalação e utilização do Document Distributor O Lexmark Document Distributor é composto por pacotes

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Recursos, Redes e Samba 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Roteiro 5: Responsabilidades do AD / Gerenciamento de usuários

Roteiro 5: Responsabilidades do AD / Gerenciamento de usuários Roteiro 5: Responsabilidades do AD / Gerenciamento de usuários Objetivos: Detalhar e Definir responsabilidades em controladores de domínio; Configurar propriedades de contas de usuários; Gerenciar perfis

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO Serviços de impressão Os serviços de impressão permitem compartilhar impressoras em uma rede, bem como centralizar as tarefas de gerenciamento

Leia mais

Squid autenticado no Active Directory com Winbind

Squid autenticado no Active Directory com Winbind 1 de 5 4/2/2007 14:40 Squid autenticado no Active Directory com Winbind Autor: Anderson Leite Data: 30/08/2006 Introdução Este é um artigo bem resumido, entrando em detalhes somente

Leia mais

Introdução ao Windows Server System. José Carlos Libardi Junior

Introdução ao Windows Server System. José Carlos Libardi Junior Introdução ao Windows Server System José Carlos Libardi Junior Computer Roles Grupo de Trabalho X Domínio O que é Active Directory Termos do Active Directory Tópicos Principais Um computador com o Windows

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Servidor de Arquivos (NFS) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução ao NFS O NFS (Network File System) é um sistema de arquivos

Leia mais

www.nddigital.com.br Manual de Administração DPS Printer 2.1 NDDigital S/A - Software

www.nddigital.com.br Manual de Administração DPS Printer 2.1 NDDigital S/A - Software www.nddigital.com.br Manual de Administração DPS Printer 2.1 NDDigital S/A - Software 2 Introdução Este manual foi elaborado para administradores, para entendimento do funcionamento do produto e administração

Leia mais

Manual para conexão e utilização do VETORH (Sistema de Recursos Humanos) via acesso ao terminal remoto

Manual para conexão e utilização do VETORH (Sistema de Recursos Humanos) via acesso ao terminal remoto Manual para conexão e utilização do VETORH (Sistema de Recursos Humanos) via acesso ao terminal remoto Objetivo: Fornecer informações técnicas necessárias aos administradores e helpdesk dos usuários do

Leia mais

TECINBASE.COM.BR. Migrando Active Directory windows 2003 to 2008

TECINBASE.COM.BR. Migrando Active Directory windows 2003 to 2008 TECINBASE.COM.BR Migração Active Directory 2003 to 1 ÍNDICE 1 Overview... 3 1.1 Informações do documento... 3 2 Escopo do documento.... 4 3 Preparando domínio e Floresta... 4 3.1 Rodando os comandos....

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Introdução ao Active (AD) Definições Estrutura Lógica Estrutura Física Instalação do Active (AD) Atividade Prática 1 Definições do Active Em uma rede do Microsoft Windows Server 2003,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG Página 1 de 26 Sumário Introdução...3 Layout do Webmail...4 Zimbra: Nível Intermediário...5 Fazer

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS SOMBRIO RONALDO BORGES DE QUADROS SERVIÇOS DE REDE

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS SOMBRIO RONALDO BORGES DE QUADROS SERVIÇOS DE REDE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS SOMBRIO RONALDO BORGES DE QUADROS SERVIÇOS DE REDE Sombrio (SC) 2011 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE

Leia mais

Um pouco sobre a história do Samba

Um pouco sobre a história do Samba Um pouco sobre a história do Samba O projeto nasceu no final de 1991, de forma acidental. Andrew Tridgell, um australiano que na época era estudante do curso de PhD em ciências da computação da Universidade

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

Tutorial 02 Promovendo o Windows 2000/2003 Server a um Controlador de Domínio

Tutorial 02 Promovendo o Windows 2000/2003 Server a um Controlador de Domínio Tutorial 02 Promovendo o Windows 2000/2003 Server a um Controlador de Domínio Muitos tutoriais iniciam a explicação do processo em uma fase adiantada, ou seja, considerando que o leitor já sabe algumas

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INTRANET EM UMA REDE COM SISTEMAS OPERACIONAIS HETEROGÊNEOS

CENTRALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INTRANET EM UMA REDE COM SISTEMAS OPERACIONAIS HETEROGÊNEOS UniCEUB Centro Universitário de Brasília FATECS Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas Curso de Engenharia da Computação Projeto Final CENTRALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INTRANET EM UMA REDE COM

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO V Configuração Avançada de Sistemas Operativos Servidores Duração: 42 tempos Conteúdos

Leia mais

Introdução ------------------------------------------------------------

Introdução ------------------------------------------------------------ Manual de Configuração do SAMBA Por: Victor Zucarino / Atualização 7.0 - Agosto de 2002 Introdução Instalação Configuração Conhecendo os Parâmetros Seção [global] Seção [homes] Demais Seções Testando o

Leia mais

Manual de Configuração do SAMBA

Manual de Configuração do SAMBA Manual de Configuração do SAMBA Manual de Configuração do SAMBA Por: Victor Zucarino / Atualização 7.0a - Agosto de 2002 Tel: 219765-5230 vffzbr@yahoo.com.br -------------------------------------------------------------------

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede GUIA DO USUÁRIO: NOVELL CLIENT PARA WINDOWS* 95* E WINDOWS NT* Usar Atalhos para a Rede USAR O ÍCONE DA NOVELL NA BANDEJA DE SISTEMA Você pode acessar vários recursos do software Novell Client clicando

Leia mais

Como instalar o Active Directory no Windows Server 2003

Como instalar o Active Directory no Windows Server 2003 Como instalar o Active Directory no Windows Server 2003 Po r Artur Higash iyama Primeiro assegure se que o seu servidor e a sua rede estão funcionando conforme o artigo "Requisitos e Recomendações para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 4)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 4) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 4) Serviço de diretório Serviço de diretório é um conjunto

Leia mais

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Objetivos: Explorar as configurações para replicação de domínios com Active Directory; Configurar os serviços DHCP e WINS em servidores Windows; Ferramentas

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Linux Caixa Mágica. Documentos Técnicos CM. Configurar a partilha de directorias Windows / Linux Caixa Mágica

Linux Caixa Mágica. Documentos Técnicos CM. Configurar a partilha de directorias Windows / Linux Caixa Mágica Linux Caixa Configurar a partilha de directorias Windows / Linux Caixa Date: Pages: Issue: State: Access: Reference: 01612/2003 16 Instalar e Configurar Final Público CM2003-2001 i Approved Version: RR

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 CAPÍTULO 18 INSTALANDO E CONFIGURANDO O MICROSOFT OFFICE PROJECT SERVER 2003 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 Antes de começar a instalação do Microsoft Office Project Server 2003

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Redes de computadores

Redes de computadores Redes de computadores Eletrônica IV Redes de Computadores Aula 03 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 4 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Windows 2003 Server

Leia mais