A IMPORTÂNCIA DE UM SERVIDOR PARA CONTROLE DE SERVIÇOS E FLUXO DE DADOS EM UMA REDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DE UM SERVIDOR PARA CONTROLE DE SERVIÇOS E FLUXO DE DADOS EM UMA REDE"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB LATO SENSU EM REDES DE COMPUTADORES ALESSANDRO PERUFO SUDATI A IMPORTÂNCIA DE UM SERVIDOR PARA CONTROLE DE SERVIÇOS E FLUXO DE DADOS EM UMA REDE CRUZ ALTA - RS 2008

2 ALESSANDRO PERUFO SUDATI A IMPORTÂNCIA DE UM SERVIDOR PARA CONTROLE DE SERVIÇOS E FLUXO DE DADOS EM UMA REDE. Trabalho de Conclusão de Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Redes de Computadores apresentado a ESAB-Escola Superior Aberta do Brasil, sob orientação do Prof. Dr. Jaime Roy Doxsey. CRUZ ALTA - RS 2008

3 ALESSANDRO PERUFO SUDATI A IMPORTÂNCIA DE UM SERVIDOR PARA CONTROLE DE SERVIÇOS E FLUXO DE DADOS EM UMA REDE BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. JAIME ROY DOXSEY ORIENTADOR Professor 2 Professor 3 CRUZ ALTA-RS 2008

4 Dedico este trabalho à DEUS por me motivar todos os dias de minha vida, minha esposa e filha que sempre estiveram junto comigo apoiando e sempre me dando forças para a conclusão deste curso. À minha mãe que sempre esteve comigo nas horas boas e difíceis que passamos juntos. Ao meu pai que sempre me orientou a ter o estudo como base de todos os meus princípios.

5 AGRADECIMENTOS A ESAB e ao meu orientador pela oportunidade de concluir uma Pós Graduação em uma área tão nobre e indispensável nos dias de hoje.

6 Ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais... (Almir Sater)

7 RESUMO Este trabalho teve por objetivo descrever a importância de um servidor para controle de serviços e fluxo de dados de uma rede. Foi analisado um computador caracterizado como servidor que concentra programas e serviços que controlam o tráfego de dados de uma empresa ou provedor de Internet. Relacionados aos equipamentos e programas, foram detalhados também assuntos pertinentes que complementam a descrição dos principais requisitos necessários para implementação dos serviços e sistemas. De acordo com a diversidade de sistemas operacionais disponíveis no mercado atual, verificou-se que o Linux é o que mais comtempla as necessidades para implantação de ferramentas de controle e de acessórios que trabalham em conjunto, disponibilizando assim uma performance satisfatória e segura ao administrador da rede. Sua robustez e clareza, aliada ao fator de ter seu código aberto, facilita ao administrador que atenda suas necessidades de forma seletiva e centralizada, obtendo resultados positivos quando agrega o sistema operacional em conjunto com linguagens de programação e banco de dados.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Visão inicial da arquitetura do kernel Figura 2 - Placa de Rede Figura 3 - Estrutura dos servidores DNS Figura 4 - Exemplo de página da internet Figura 5 - Página do Google Maps... 33

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Lista das distribuições Linux Quadro 2 - Redes privadas Quadro 3 - Parâmetros de configuração do servidor Apache no Linux.. 36 Quadro 4 - Parâmetros de configuração do servidor Samba... 42

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPITULO 1 - CONSIDERAÇÕES GERAIS A CENTRALIZAÇÃO DOS RECURSOS CAPÍTULO 2 - DEFINIÇÕES SISTEMA OPERACIONAL REDES SERVIDOR Alguns servidores implementados Serviços implementados INSTALAÇÃO DO SISTEMA OPERACIONAL DESCRIÇÃO GERAL DO LINUX Clareza Compatibilidade Portabilidade Robustez e Segurança Velocidade CAPÍTULO 3 - SERVIDORES SERVIDOR DHCP SERVIDOR DNS SERVIDOR WEB SERVIDOR SERVIDOR FTP SERVIDOR ARQUIVOS SERVIDOR PROXY Restrição de acesso por listas Restrição por autenticação Proxy transparente... 47

11 CAPÍTULO 4 - SERVIÇOS NAT AGENDAMENTO DE TAREFAS ADMINISTRAÇAO REMOTA CAPÍTULO 5 - SEGURANÇA CONFIDENCIALIDADE INTEGRIDADE DISPONIBILIDADE IRRETRATABILIDADE AMEAÇAS, RISCOS E VULNERABILIDADES CAPÍTULO 6 - CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 59

12 12 INTRODUÇÃO O compartilhamento de informações e dos recursos são possíveis através de sistemas centralizados, permitindo a troca de mensagens entre diversos usuários, acesso à dados e programas de várias fontes. As formas de integração de sistemas proporcionam uma convergência de dados trazendo ao administrador de uma rede aspectos muito significativos para a melhora do desempenho de suas funções e serviços. O atrativo principal para qualquer servidor é a integração de um sistema operacional fácil de usar e livre de custos juntamente com outras ferramentas que proporcionam confiabilidade e estabilidade integrando soluções que tornam aplicações e equipamentos flexíveis e dinâmicos. Este trabalho tem por objetivo descrever a importância de um servidor para controle do fluxo de dados em uma rede, juntando ferramentas disponíveis que centralizam recursos e serviços.

13 13 CAPITULO 1 - CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 A CENTRALIZAÇÃO DOS RECURSOS A evolução dos tempos se dá proporcionalmente à evolução da informação contida nos meios de comunicação. A facilidade com que a informação nos chega nos dias de hoje é tão surpreendente quanto assustador pois muitas vezes o fato acaba de acontecer e a informação já esta disseminada pelo mundo a fora. Quando falamos em tempo também temos que considerar o desperdício que ocorre quando temos os recursos descentralizados em um ambiente de trabalho. Muitas vezes ou quase sempre utilizamos várias ferramentas para determinadas funções, acarretando assim uma série de manuais, procedimentos de buscas, pesquisas desnecessárias, desperdiçando os recursos disponíveis por carência de um padrão, uma centralização ou uma ferramenta que proporcione a agilidade e eficácia. Ao elaborar um projeto que concentre em um computador, todos os recursos necessários, incluindo ferramentas e utilitários, uma empresa seja ela qual for seu ramo de atuação, ganha muito em tempo, pois através de uma administração dos recursos de forma segura e direcionada trará inúmeros benefícios a empresa convertendo isso em pontos positivos. Consiste em um computador denominado servidor que concentra em suas configurações recursos necessários para atender todas as necessidades de uma empresa, podendo dar acesso a determinadas informações, barrar outras, bem como agilizar a pesquisa de documentos, arquivos, programas, planilhas que sejam do seu uso contínuo. Para isso é interessante termos em mente os custos, pois ao utilizarmos sistemas, banco de dados e aplicativos gratuitos, ficamos muitas vezes nas mãos dos desenvolvedores que limitam determinados recursos nas versões que estão disponíveis na internet para que possam prosperar forçando o usuário ou empresa a adquirir outros produtos fornecidos por eles mediante pagamento.

14 14 Sendo assim, foi elaborado um projeto, utilizando softwares e aplicativos que hoje se encontram na internet gratuitamente. O maior custo para implantação e organização do projeto se dá ao adquirir um equipamento que seja compatível e atenda as necessidades não só momentâneas, mas prevendo também expansão dos próprios recursos e serviços. De posse do equipamento, estaremos configurando e instalando as ferramentas necessárias para que o computador possa gerenciar toda a rede e recursos necessários. Utilizaremos um sistema operacional multitarefa, leve e que a cada dia ganha mais adeptos, o Linux. O surgimento do Linux se deu através de seu idealizador Linus Torvalds, que necessitava de um sistema operacional com as características do Unix, mas que pudesse ser utilizado em um computador de pequeno porte. O Linux ganhou mais admiradores por ser um sistema operacional de código aberto e de livre distribuição onde cada vez mais pessoas e empresas se empenham em torná-lo cada vez mais amigável e competitivo com seu maior rival o Windows 1. Aplicativos e ferramentas são desenvolvidos para facilitarem a administração de redes e recursos bastante explorados e necessários nos dias de hoje (MAXWELL, 2000). Existem várias distribuições Linux espalhadas ao redor do mundo pela facilidade de seu código ser aberto. O que as diferencia é a quantidade de aplicativos e ferramentas contidas em cada distribuição, que são montadas para atender fins específicos (TSUJI, 2000). DISTRIBUIÇÃO Conectiva Kurumin Debian BR CDD Debian Fedora Gentoo Knoppix Mandriva Red Hat LINK DA DISTRIBUIÇÃO Sistema Operacional pertencente a Microsoft Corporation

15 15 Slackware SUSE Ubuntu Yellow Dog Linux Quadro 1 - Lista das distribuições Linux Fonte: Baseado em MAXWELL (2000). Juntamente com as distribuições estaremos analisando as principais ferramentas usadas, porém pouco notadas pela facilidade do uso em nosso cotidiano.

16 16 CAPÍTULO 2 - DEFINIÇÕES 2.1 SISTEMA OPERACIONAL A partir do desenvolvimento da informática reuniram-se esforços para viabilizar soluções em empresas, estabelecimentos de ensino, provedores de internet, etc, onde fosse possível utilizar um sistema operacional maduro, barato e estável o suficiente para as mais diversas funcionalidades. O Linux por atender a todos estes requisitos pode ser usado tanto em um computador para uso pessoal, na edição de textos, navegar na internet, planilhas, gráficos, desenvolvimento de programas, em poderosos servidores de redes, atuando também em redes heterogêneas com outros sistemas operacionais (Windows, Novell, Unix, OS/2, Machintosh, etc.) ou ainda como servidor de arquivos, aplicações, bando de dados, Internet, Intranet, firewall e sem limitação para o número de usuários (GOMES, 2001). Um sistema operacional como Linux, possui diversas bibliotecas de funções bem como programas e aplicações cujo objetivo é de manter o sistema operacional em pleno funcionamento e oferecer recursos para facilitar o uso, como o ambiente gráfico e o uso do mouse para execução de tarefas. Apesar de apresentar um maior desempenho, o Linux instalado em modo console, muitas vezes não é muito amigável, pois para executar tarefas é necessário a digitação de comandos com seus parâmetros e opções, sendo que muitas vezes torna-se pouco prático porém deixa o sistema mais leve, tendo mais performance para as aplicações e ferramentas que estão instaladas, configuradas e em funcionamento (BALL, 1999). O kernel é a parte mais importante do Linux, pois ele é o responsável pelo gerenciamento de processos, memória, controle de dispositivos, gerenciador de arquivos e outros. Dentre suas funções as mais importantes são o gerenciamento de memória e de processos. O gerenciador de memória é responsável pela atribuição das áreas de memória com as áreas de troca (swap) para os processos. No gerenciamento de processos o kernel cria e implementa multitarefa entre os

17 17 processos ativos no processador e realiza as trocas necessárias (WIRZENIUS, 1998). Figura 1 - Visão inicial da arquitetura do kernel Fonte: MAXWELL (2000). O sistema operacional se comunica com cada dispositivo ou periférico através de controladores (drivers) que contém as características necessárias para a inicialização e execução das funções de cada dispositivo. Mas a comunicação entre dois ou mais computadores é definida por rede, onde o Linux possui muitas vantagens tornando a administração dos serviços mais simples, uma vez que estes recursos estão de forma centralizada mantendo o processamento distribuído, gerando menores custos e melhor tolerância a falhas (WIRZENIUS, 1998). 2.2 REDES A idéia de se comunicar surgiu há muito tempo atrás, desde as formas mais primitivas, tendo em vista que o homem necessitava de uma maneira de facilitar a execução de atividades sem precisar se deslocar de um lado a outro. Este conceito

18 18 se espalhou em todas as formas de comunicação, tendo hoje computadores trocando informações ao redor do mundo através de diversos recursos, sejam elas através de cabos, fibras ópticas, via satélite, redes sem fio, etc. A comunicação é impossível sem algum tipo de linguagem ou código preestabelecido para que se tenha a troca de dados ou informações entre equipamentos e computadores. Entre os computadores existe um tipo de hardware bem conhecido chamado Ethernet que possibilita a comunicação e troca de informações entre si. Utilizando um cabo de par trançado que possui 4 (quatro) pares de fios se consegue um trafego de dados em alta velocidade podendo atingir bilhões de bits por segundo (KIRCH, 1999). Figura 2 - Placa de rede FONTE: REITER (2006). A criação de redes se dá através de comutadores, repetidores e outros equipamentos que permitem a interligação de um computador a diversos podendo estar eles localizados dentro de uma sala como ao redor do mundo através da Internet (TSUJI, 2000). A internet é uma gigantesca rede de computadores espalhada pelo mundo possibilitando além de acesso a dados estáticos e mensagens instantâneas a vídeo conferências, transmissão de áudio e muito mais. Após a década de 80 começou uma explosão de recursos possibilitando a comunicação em um grau bem mais elevado que o tradicional, permitindo que as empresas comprassem direto de seus fornecedores de uma forma mais ágil e eficaz, sem a necessidade da visita de um

19 19 vendedor na porta de sua empresa para demonstração de produtos. Facilitou também as transações bancárias, pesquisas em universidades oferecendo a possibilidade de se estudar sem sair do conforto de sua casa e compartilhar informações com diversas pessoas nos pontos mais distantes do planeta (REICHARD, 1998). Com o advento da internet ofereceu também que a comunicação empresarial, utilizasse outros recursos que antes eram indisponíveis e hoje são indispensáveis para o crescimento econômico e empresarial. Com isso, surgiu as intranets que, possibilitaram a comunicação de um grupo de computadores da matriz de uma empresa que estão localizados em uma cidade com outro grupo de computadores que estão localizados na filial da empresa localizada a quilômetros de distância, como se estivessem em uma mesma sala, compartilhando recursos, arquivos, aplicativos com total segurança, possibilitando ainda que os integrantes da empresa pudessem acessar os dados de qualquer lugar usando os meios mais variados (REICHARD, 1998). Antes imaginávamos que rede eram apenas computadores trocando informações, hoje com a evolução e a tecnologia avançada temos outros dispositivos trocando informações, acessando dados, executando tarefas sem a necessidade de se ter um teclado e um monitor sentado atrás de uma mesa, ou até mesmo estar de forma presente em um ambiente de trabalho, loja ou bancos. 2.3 SERVIDOR O nome servidor se dá ao computador que detém um sistema operacional multitarefa rodando aplicações e que está interligado com os demais computadores compartilhando recursos para o gerenciamento de dados e serviços. Uma das soluções mais inovadoras atualmente é centralizar os recursos fazendo com que os demais usuários que trocam informações e arquivos tenham em sua estação uma configuração mais simples não necessitando de equipamentos

20 20 muito sofisticados bem como uma diversidade de softwares para desempenhar suas funções (REICHARD, 1998). A centralização dos recursos traz de forma imediata algumas vantagens: Unificação de dados: todos os dados ficam armazenados em um só lugar onde através de hierarquias conseguimos manter de forma organizada os arquivos, sistemas, aplicativos e diretórios e subdiretórios de dados e sistemas. Centralização de backups: a copia dos dados é feita no servidor sem a necessidade que seja realizada em outros pontos ou por mais pessoas, podendo ainda ser agendado para que o servidor execute-as automaticamente. Atualização de sistemas: os sistemas e aplicativos instalados no servidor eliminam a tarefa de instalação em todos os pontos que o mesmo será utilizado, fazendo com que uma vez atualizado todos os usuários em seus pontos de acesso já executem as novas versões com suas modificações ou atualizações. Arquivos limpos: como todas as operações estão centralizadas em um servidor a função de um anti-vírus se torna mais eficiente pois o servidor controla o fluxo dos dados impossibilitando que vírus possam se propagar em toda a rede. Facilitando ainda mais para o processo de atualizações para prevenções de novos vírus. Estações mais enxutas: como todos os sistemas e dados estarão centralizados no servidor, as estações que utilizarão dos recursos não tem a necessidade de instalação dos aplicativos ou sistemas, ficando apenas na necessidade de um sistema operacional com todos os drivers para o funcionamento correto de todos os periféricos do computador e um anti-vírus para dar mais segurança quanto à infecção de vírus. Juntando os conceitos de servidor com os serviços que podemos utilizar, associados aos recursos do sistema operacional, necessitamos que os mesmos

21 21 sejam instalados e configurados para usufruir de todos os seus serviços (MOTA FILHO, 2000) Alguns servidores implementados SERVIDOR WEB: armazena arquivos contendo linguagem de programação que serão apresentadas por um navegador. SERVIDOR DHCP: distribuem configurações pré-estabelecidas aos demais computadores da rede. eletrônicas SERVIDOR DE responsável pelo recebimento e envio de mensagens servidor. SERVIDOR FTP: controla a transferência de arquivos dos usuários para o SERVIDOR ARQUIVOS: responsável pelas permissões e armazenamento dos arquivos de usuários. SERVIDOR DNS: responsável pela conversão de nomes da internet/intranet. SERVIDOR PROXY: controla o acesso de conteúdo e agiliza o tráfego internet da rede local Serviços implementados ADMINISTRAÇÃO REMOTA: monitoramento, execução de tarefas, configurações realizadas através de conexão fora da rede local. externo. NAT: responsável pela conversão do tráfego da rede interna ao mundo

22 22 AGENDAMENTO DE TAREFAS: possibilita a execução de tarefas sem a necessidade que o usuário tenha que realiza-lo manualmente. 2.4 INSTALAÇÃO DO SISTEMA OPERACIONAL Inicialmente iremos instalar o sistema operacional que irá coordenar o funcionamento dos componentes e os programas que irão trabalhar em conjunto. A grande maioria das distribuições do Linux é disponibilizada em CD. Hoje com a grande utilização de ferramentas e complementos da instalação já estão sendo distribuídos em DVD, contendo além dos arquivos, bibliotecas e programas necessários a instalação outras ferramentas complementares que muitas vezes são necessárias para obtermos o resultado esperado em um servidor. Além disso, podem ser encontradas nos sites de cada distribuição podendo ser copiadas através da Internet. Os passos para instalação de um sistema operacional como o Linux se dá com o seguinte processo: - Criação dos discos de inicialização (boot) a partir do CD de instalação; - Preparar o disco rígido com as ferramentas de formatação e particionamento; - Inicializar o Linux a partir do CD; - Instalação da versão integral e de suas ferramentas (REICHARD, 1998). 2.5 DESCRIÇÃO GERAL DO LINUX O Linux está organizado da seguinte forma: As informações sobre o boot de inicialização ficam gravadas na primeira trilha do disco rígido, chamada de MBR 2, onde nela estão todas as características do disco rígido, tamanho, partições, tamanho de cada partição, etc (STATO FILHO, 2002). 2 Master Boot Record

23 23 Quando inicializado, o Linux carregará as configurações do próprio sistema, para cada periférico, e as configurações dos servidores e serviços que estarão em funcionamento. A partir deste momento, todos os processos irão obedecer às regras pré-configuradas que estão em seus arquivos de configurações dando permissões e executando determinadas operações (TSUJI, 2000). Ao terminar de carregar os módulos de configurações, o Linux apresentará uma tela para que o usuário possa se identificar. Cada usuário possui um nome de usuário, senha e atributos para permissão de leitura, gravação e execução de arquivos e programas. Ao logar-se, que é o procedimento de identificação do usuário no sistema, pode-se começar a usar o Linux através de linhas de comando, que quando digitados, o sistema operacional resultará uma resposta para as operações. Os comandos podem ainda ter opções e argumentos que podem ser consultados através de um manual on-line contido no próprio sistema operacional. Argumentos e opções são entrados após os comandos, separados por espaços ou ainda incluídos dentro de aspas simples, características estas, próprias de cada comando. Como em outros sistemas operacionais, o Linux é composto de arquivos e diretórios, mas é sensível aos caracteres maiúsculos e minúsculos, tratando-os de forma diferenciada. No Linux, por ser um sistema que permite o gerenciamento de múltiplos usuários, somente os registrados, em seus arquivos de configurações, podem ter acesso ao sistema. O usuário estando logado, ele estará em seu diretório padrão já pré-configurado, podendo navegar aos demais diretórios utilizando comandos para listagem dos mesmos. Os arquivos e diretórios no Linux têm usuários proprietários e grupos de proprietários para os quais são definidas permissões de leitura, gravação e execução mantendo assim o controle sobre estes arquivos e diretórios.

24 Clareza Para simplificar um pouco, o objetivo do Linux é ser o mais claro possível dentro das restrições de ser o mais seguro e robusto, e em contraste com o desenvolvimento de aplicativos mais modernos, em que o objetivo geralmente é ser o mais rápido possível. Dentro do Linux, a importância normal relativa à velocidade e clareza é oposta. A clareza complementa a robustez: uma implementação que pode ser facilmente entendida e utilizada quando está correta, ou pode ser desmembrada quando está incorreta para os ajustes necessários. Esses dois objetivos, portanto, raramente se opõem. Mas a clareza e a velocidade estão freqüentemente em conflito. Um programa que tenha sido desenvolvido e otimizado manualmente, raramente representa a mais clara de todas as implementações. Quando os objetivos da clareza e velocidade entram em conflito no Linux, a velocidade geralmente vence. Mesmo assim, os desenvolvedores reconhecem, em sua maioria, a importância da clareza e realizam um trabalho mais consistente para a escolha da forma mais clara de atingir uma maio$r velocidade (MAXWELL, 2000) Compatibilidade O Linux foi originalmente escrito para formar o núcleo de um sistema operacional completo compatível com o Unix. Ao longo de seu desenvolvimento, foi incorporado o objetivo de também se tornar um kernel compatível com o POSIX. No que diz respeito ao kernel, não há muita diferença entre ser compatível com o Unix e estar de acordo com o POSIX. O kernel oferece outro tipo de compatibilidade. Um sistema baseado no Linux proporciona suporte opcional para a execução de arquivos em Java como se fossem executáveis dele próprio. Na realidade, o Linux foi reconhecidamente o primeiro sistema operacional a proporcionar esse suporte, embora na realidade a interpretação dos executáveis em Java seja de responsabilidade de um processo em separado onde o kernel proporciona os mecanismos que possibilitam tornar este suporte transparente para o usuário (MAXWELL, 2000).

25 25 O suporte para outros formatos executáveis também pode ser acrescentado ao kernel da mesma forma, com partes variáveis do suporte proporcionadas pelo próprio kemel. A título de observação, o Linux como um todo oferece suporte para executáveis dos antigos programas que rodavam no sistema operacional DOS por meio do emulador DOSEMU e oferece mais suporte para os executáveis do sistema operacional Windows por meio de outro emulador, o WINE. De forma similar, os serviços de arquivos e impressão compatíveis com o Windows são proporcionados pelo servidor de arquivos (SAMBA), mas estes não são produtos do Linux, e sim de desenvolvedores que criaram estas ferramentas para obter uma melhor compatibilidade, mesmo assim existem alguns problemas de compatibilidade que são contornados com as versões mais atuais. Outro aspecto é a compatibilidade com sistemas de arquivos "estrangeiros", o Linux suporta uma grande variedade de sistemas de arquivos - ext2 (o sistema de arquivos nativo), ISO-9660 (utilizado em CDROMs), MS-DOS, Network File System (NFS) e muitos outros. A interligação em rede também é outro aspecto da compatibilidade, que se toma ainda mais importante nesses tempos de conexões via Internet. O Linux, como uma variação do Unix, tem naturalmente suporte para TCP/IP desde o início de sua existência. O kernel também inclui códigos para o protocolo AppleTalk, que permite que uma caixa Linux funcione bem em Macintoshes; protocolos da Novell, denominados Internetwork Packed Exchange (IPX), Sequenced Packed Exchange (SPX) e NetWare Core Protocol (NCP); a nova versão do protocolo IP, o IPv6, mais um grande número de protocolos menos conhecidos. O aspecto da compatibilidade do Linux é considerado a nível de dispositivos de hardware, onde praticamente todas as placas de vídeo obscuras, placas de rede encontradas no mercado, interfaces de CD-ROM não-padrão e drives de fita proprietários possuem, de uma forma ou de outra, um driver para funcionar no Linux.

26 26 Apesar de que, alguns dispositivos foram fabricados para outros sistemas operacionais específicos. Além disso, o suporte para hardware do kernel está ficando cada vez melhor, onde os fabricantes vêem que ao abrirem seus códigos-fonte, tornam mais fácil a portabilidade para o Linux. Toda essa compatibilidade é atingida por meio de um objetivo secundário importante: modularidade. O kernel define uma interface abstrata para um subsistema, de forma que a interface possa ser implementada de diversas formas. O suporte do kernel para um novo sistema de arquivos, por exemplo, reduz a necessidade de criação de uma nova implementação para a interface Virtual File System (VFS). Outro exemplo, é o suporte abstrato do kernel para manipuladores binários, que é seu método para o suporte de novos formatos executáveis, como os produzidos em Java. A adição de suporte para um novo formato executável é basicamente um problema de implementação para aquele formato que se está se desenvolvendo Portabilidade Um objetivo do Linux é em parte relacionado com a compatibilidade de hardware que chamamos de portabilidade, onde pode se executar o kernel do Linux em diversas plataformas de hardware. O sistema foi originalmente desenvolvido para os processadores da lntel x86 utilizadas em equipamentos compatíveis com o IBM-PC, sem pensar em dar-lhe portabilidade. Com o passar do tempo, as coisas mudaram, onde as portas do kernel oficial incluem portas para sistemas baseados em outros tipos de processadores como os Alpha, ARM, Motorola 680xO, MlPS, PowerPC, SPARC e SPARC-64. Dessa forma, você pode executar o Linux em Amigas, em Macintoshes antigos ou novos, em estações de trabalho da Sun e da SGl, em máquinas NeXT e outros. E estas são apenas as portas presentes na distribuição oficial do kernel. Os trabalhos também estão progredindo na elaboração

27 27 de portas não-oficiais para praticamente tudo, desde os antigos DEC VAXs até a série de handhelds Palm da 3Com. As portas não-oficiais bem-sucedidas tendem a tornar-se oficiais mais adiante, de forma que muitas delas acabarão na árvore de desenvolvimento principal. A grande variedade de plataformas suportadas está habilitada, em parte, pela clara separação do código-fonte do kernel em seções independentes e dependentes da arquitetura (MAXWELL, 2000) Robustez e Segurança A pretensão do Linux é ser robusto e seguro. Ele não deve ter muitos bugs (erros de programação ou execução) oriundos dele mesmo e deve proteger os processos e usuários uns dos outros, assim como deve proteger o sistema de outros sistemas como um todo. A grande vantagem é o controle do espaço para aplicações confiáveis criadas por usuários, embora o kernel deva proporcionar os códigos sobre os quais a segurança possa ser baseada. A robustez e a segurança geralmente se sobrepõem a quaisquer outras considerações, incluindo velocidade. O único e mais importante fator que garante a robustez e a segurança do Linux é seu processo de desenvolvimento aberto, que cada linha de código presente no kernel, e cada alteração, serão examinadas por desenvolvedores pelo mundo afora. Um deles pode ser o responsável por encontrar qualquer bug que possa estar escondido e testa-lo, pois todos desejam manter seus próprios sistemas Linux robustos e seguros também. Os bugs que não forem encontrados pela inspeção poderão ser isolados e consertados por qualquer um que os encontrar, e os consertos serão incorporados de volta na árvore de desenvolvimento principal para o benefício de todos. Tanto os alertas de segurança quanto os relatórios de bugs geralmente são consertados em dias, ou até mesmo em horas (MAXWELL, 2000). O Linux pode não ser o sistema operacional absolutamente mais seguro, mas é um concorrente muito forte. E sua robustez está próxima de chegar ao topo.

28 Velocidade Este fator fala por si só. A velocidade está próxima de ser o critério mais importante, embora esteja abaixo da robustez, da segurança e da compatibilidade. É, um dos aspectos mais visíveis do código. O código do kernel do Linux está exaustivamente otimizado, com as opções mais utilizadas. Quase a toda hora alguma coisa no código parece estranha, mas está assim disposta porque é a forma mais rápida. Algumas vezes, uma implementação mais direta pode também não ser a mais rápida e vice-versa (MAXWELL, 2000).

29 29 CAPÍTULO 3 - SERVIDORES Serão descritos abaixo algumas implementações de servidores que o Linux gerencia e tem obtido resultados satisfatórios tanto em desempenho como na administração de seus serviços e configurações. 3.1 SERVIDOR DHCP No conceito de redes de computadores, para que os mesmos estabeleçam um padrão para comunicação entre si, é necessário que a configuração dos computadores que irão acessar os recursos disponíveis no servidor. Esta é uma tarefa trabalhosa e que exige que o usuário tenha um certo conhecimento além de que estas configurações são necessárias em todos os computadores que pertencem a rede, o servidor DHCP 3 é capaz de fornecer automaticamente todas as informações necessárias a cada computador que esteja ligado na rede facilitando sua administração (MOTA FILHO, 2000). Quando definimos um padrão que será utilizado pela rede interna, utilizamos protocolos e um conjunto de regras para que os computadores possam de forma transparente trocar informações entre si. O protocolo mais utilizado atualmente é o TCP/IP 4, por ele passam diversas informações, divididas em funções de sistema que estão estruturados em camadas, onde cada uma possui responsabilidades dentro do protocolo. Em uma rede, cada interface de rede (placa de rede), possui um nome atribuído a ela denominado host e um número identificador, o IP 5. O IP consiste em um número formado por 4 octetos, separados por pontos, onde cada octeto é composto por 8 bits, totalizando 32 bits. Cada octeto possui 8 números entre 0 e 1, onde um quer dizer verdadeiro e zero falso, sendo o menor valor 0 ( ) e o maior valor 255 ( ). Ex: Dynamic Host Configuration Protocol 4 Transmission Control Protocol/Internet Protocol 5 Internet Protocol

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Perguntas iniciais O que você precisa colocar para funcionar? Entender a necessidade Tens servidor específico

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

gladiador INTERNET CONTROLADA

gladiador INTERNET CONTROLADA gladiador INTERNET CONTROLADA funcionalidades do sistema gladiador sistema Gerenciamento de usuários, gerenciamento de discos, data e hora do sistema, backup gladiador. Estações de Trabalho Mapeamento

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Com o avanço dos computadores foram surgindo alguns tipos de sistemas operacionais que contribuíram para o desenvolvimento do software. Os tipos de

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

Nettion Security & Net View. Mais que um software, gestão em Internet.

Nettion Security & Net View. Mais que um software, gestão em Internet. Nettion Security & Net View Mais que um software, gestão em Internet. Net View & Nettion Security Mais que um software, gestão em Internet. A Net View e a Nettion Security Software se uniram para suprir

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Computação Instrumental

Computação Instrumental Computação Instrumental Sistemas Operacionais Redes de Computadores Engenharia Ambiental 2º Semestre de 2013 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador,

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Sistema de log do Apache

Sistema de log do Apache Sistema de log do Apache O apache é bem flexível na especificação do que será registrado em seus arquivos de log, possibilitando utilizar um arquivo de log único, diversos arquivos de logs registrando

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel

SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel Versão 2.0 1. INTRODUÇÃO SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel Data: 02/12/2014 Logs são muito importantes para a administração segura de sistemas,

Leia mais

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Introdução Um sistema operacional de rede é simplesmente um sistema operacional com serviços de rede, que chamamos de um modo geral de servidor. Dependendo

Leia mais

1 Introdução. O sistema permite:

1 Introdução. O sistema permite: A intenção deste documento é demonstrar as possibilidades de aplicação da solução INCA Insite Controle de Acesso - para controle de conexões dia-up ou banda larga à Internet e redes corporativas de forma

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Mandriva Pulse - Especificações e recursos

Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Brasil 2 de abril de 2015 Lista de Tabelas 1 Tabela resumo dos diferenciais do Pulse....................... 9 Lista de Figuras 1 Interface web do Mandriva

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi ENDIAN FIREWALL COMMUNITY 2.5.1 OURINHOS-SP 2012 HOW-TO

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Atividade Proposta da Disciplina: Laboratório de Rede de Computadores

Atividade Proposta da Disciplina: Laboratório de Rede de Computadores Atividade Proposta da Disciplina: Laboratório de Rede de Computadores Tratamento dos dados gerados pelo Servidor de Web a partir do arquivo de logs. Configuração do Servidor Web para armazenar em um arquivo

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br 2013 inux Sistemas Ltda. s MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br Sumário 1 Introdução... 2 2 Visão Geral do Sistema... 2 3 Tela de Configuração... 3 4 Tela de Mensagens... 5 5 Tela de Importação... 8 6 Tela

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais:

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: SISTEMAS OPERACIONAIS 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: I. De forma geral, os sistemas operacionais fornecem certos conceitos e abstrações básicos, como processos,

Leia mais

WINDOWS NT SERVER 4.0

WINDOWS NT SERVER 4.0 Características WINDOWS NT SERVER 4.0 O NT Server suporta redes maiores organizadas em torno de servidores e domínios. É um sistema operacional para organizações que necessitem implementar aplicações críticas,

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

PTA Versão 4.0.6 21/11/2012 Manual do Usuário ÍNDICE

PTA Versão 4.0.6 21/11/2012 Manual do Usuário ÍNDICE ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 Finalidade do Aplicativo... 2 Notas sobre a versão... 2 INSTALAÇÃO DO APLICATIVO... 3 Privilégios necessários para executar o instalador... 3 VISÃO GERAL DO PTA... 4 Quando utilizar

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SYSTEM

DNS DOMAIN NAME SYSTEM FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 Índice 1 DNS DOMAIN NAME SYSTEM 3 2 PROXY SERVER 6 3 DHCP DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL 7 4 FIREWALL 8 4.1 INTRODUÇÃO 8 4.2 O QUE É FIREWALL 9 4.3 RAZÕES PARA UTILIZAR

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público Informática- Leandro Rangel, Analista Financeiro Contábil da AGU e professor do QConcursos.com 1- Q236949 CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Em ambiente gráfico KDE, as diversas distribuições

Leia mais

Desafio Atingir máxima eficiência e segurança por meio da administração centralizada de recursos de redes distribuídas geograficamente

Desafio Atingir máxima eficiência e segurança por meio da administração centralizada de recursos de redes distribuídas geograficamente Setor Corporativo Desafio Atingir máxima eficiência e segurança por meio da administração centralizada de recursos de redes distribuídas geograficamente Solução Tecnológica Librix AD SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

aluno, Responda ao questionário e tire suas dúvidas caso as tenha.

aluno, Responda ao questionário e tire suas dúvidas caso as tenha. Recurso 1 MINISTRADO EM 27/05/2015 Prova da PM aluno, Responda ao questionário e tire suas dúvidas caso as tenha. ------------------Soldado_Policia_Militar_MG_2013 1. 33ª QUESTÃO Marque a alternativa CORRETA.

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL?

O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? 1 SISTEMAS OPERACIONAIS: FUNDAMENTOS E FUNÇÕES WAGNER DE OLIVEIRA 2 O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? Conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware Software especial que

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO IAU GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO (IAU)

GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO IAU GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO (IAU) GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO (IAU) O presente guia tem como objetivo auxiliar os usuários da rede de dados do Instituto de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 01 -Existem vários tipos de vírus de computadores, dentre

Leia mais