dez/11 jan/12 nov/11 out/11

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "dez/11 jan/12 nov/11 out/11"

Transcrição

1 b INFORMATIVO CEPEA - INSUMOS AGRÍCOLAS ANO 04 EDIÇÃO 33 Ano começa com boa notícia para produtor rural: adubo está mais barato AcriseeconômicanazonadoEurocontinuounocentrodaconversadeagentesdo mercado de fertilizantes. No final de 2011, os compradores optaram por postergar suas aquisições, reduzindo a liquidez na comercialização de adubo e provocando forte recuo no preço do nitrogenado. Neste início de ano, os fertilizantes intermediários tiveram comportamentos mistos. Entre os produtos analisados, observaram-se decréscimos nos preços dos nitrogenados sólidos e de fosfatados e manutenção no valor do potássio no mercado internacional. Quanto ao nitrogenado líquido, suas cotações tiveram ligeiro acréscimo no mês de aneiro. Especificamente no segmento de adubos nitrogenados, foi verificada queda para produtossólidoselevealtaparaoslíquidos.em,opreçomédiodauréiafoi de US$ 375,00/t em Yuzhny(Ucrânia), recuo de 3,80% em relação ao mês anterior. O preço médio do sulfato de amônio cedeu 3,11%, para US$ 176,70/t. O preço médio da tonelada do fertilizante líquido UAN (uréia e nitrato de amônia) foi de US$ 272,80 nogolfodoméxico, comquedade7,25% emrelaçãoaomês anterior. Por outro lado, o nitrato de amônia foi negociado em média a US$ 295,20/t no portodeyuzhny,comaltade6,62%sobre. Os preços médios dos fosfatados também se retraíram neste início de ano. O TSP (super triplo) registrou a maior queda entre os fosfatos, de 13,45%, com a toneladaindoparaus$515,00emcasablanca(marrocos).opreçomédiododap foi para US$ 533,80/t em Tampa (EUA), recuo de 9,9% sobre dezembro. Com quedade12,73%,opreçomédiodomapesteveemus$522,0/tnobáltico. A principal produtora de potássio do mundo, a Potash Corp, registrou forte declínio de 30% nas vendas no último trimestre de 2011 em relação ao mesmo período de Com isso, a empresa canadense sinaliza que vai manter suspensa a produção de potássio até início de março. A incerteza quanto aos rumos da economia global foi a principal causa da retração das vendas no período. Na Rússia, a empresa Uralkali, segunda maior produtora de potássio do mundo, também manteve a estratégia de reduzir a produção em A ação coordenada das duas maiores produtoras de potássio do mundo visa a conter uma possível pressão da parte compradora sobre os valores do produto no mercado internacional. No mês de aneiro, o preço médio do KCl foi de US$ 482,50/t no porto Vancouver, mesmo valor do mês anterior. Quanto aos produtos agrícolas, os preços de boa parte deles estão em níveis acima da média histórica, sendo considerados atrativos aos produtores, com geração de rentabilidade positiva. Nesta ambiente, agentes de mercado apostam na melhora das vendas de fertilizantes nos próximos meses de 2012, o que pode implicar em reaustes desses insumos. No Brasil, as atenções se concentraram na estiagem no Sul do País, que deverá reduzir a oferta de grãos. No Centro-Oeste, em especial em Mato Grosso, os produtores avançam com a colheita da soa precoce, ao mesmo tempo em que realizamossemeiosdemilhoealgodãodesegundasafra.nesseiníciodeano,não se registrou grandes vendas de fertilizantes nem de outros insumos, pois grande parte dos produtores á tinha comprado no segundo semestre de Aqueles que deixaram para decidir às vésperas do cultivo encontraram preços menores. Na média das regiões pesquisadas em Mato Grosso, as cotações da ureia recuaram 2,1% de dezembro para aneiro. Este foi o reflexo da baixa demanda mundial, que tem pressionado as cotações internacionais do insumo. R$/sc e 140,00 130,00 120,00 110,00 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 - Soa Milho Alg.Int. Alg.Int.Ext. Figura 1 - Preços médios de comercialização de algodão, soa e milho em Mato Grosso Em Rondonópolis e em Campo Novo do Parecis, em aneiro/12, o fertilizante foi cotado a R$ 1.116,50/t e a R$ 1.155,00/t respectivamente, frente a R$ 1.168,50/t em Rondonópolis e a R$ 1.170,50/t em Campo Novo do Parecis no ultimo mês de O MAP e o KCL, duas das mais utilizadas fontes fosfatadas e potássicas no estado, ficaram 2,1% e 0,7%, respectivamente, mais baratos na média das regiões. Das quatro praças pesquisadas, o MAP só teve alta em Sorriso (0,9%), enquanto o KCL só subiu em Primavera do Leste (0,23%). Em Campo Novo do Parecis, o MAP foi cotado em aneiro a R$1.461,00/t, frente a R$1.522,00/t em dezembro baixa de 4%. O KCL apresentou recuo mais expressivo em Rondonópolis, de 1,28%, indo para R$ 1.257,00/t em aneiro, contra R$ 1.273,33 em dezembro/11. Mão de obra e UPF-MT encarecem a produção, mas preços de venda contrabalançam No mês de aneiro/12, todas as culturas analisadas em Mato Grosso registraram leve aumento nos custos de produção. O encarecimento foi dado principalmente pelo reauste do salário mínimo, que passou de R$ 545,00 para R$ 622,00, e pelo aumento do valor da Unidade Padrão Fiscal do Estado de Mato Grosso (UPF-MT), que subiu de R$ 39,86, para R$ 46,27. A UPF é a base para cálculo de algumas contribuições pagas ao estado, como o Fethab (Fundo Estadual de Transporte e Habitação)eoFacs(FundodeApoioaCulturadaSoa). O aumento dos custos de produção no mês de aneiro só não foi maior porque insumos como fertilizantes, especialmente MAP e KCL, e alguns defensivos ficaram mais baratos na maioria das regiões no primeiro mês do ano. Considerando-se o agregado dos itens, o custo operacional do algodão safra aumentou 1,7% de para na média das regiões de MT. Houve acréscimos nos desembolsos com mão de obra (14,1%) e nas despesas de comercialização e contribuições estaduais (7,5%). A principal queda foi observada para fertilizantes, de 2,9% na média das regiões analisadas. Nos cultivos de algodão segunda safra com espaçamento de 0,76 m e adensado, osaumentosnoscustosoperacionaisnamédiadasregiõesforamde1,4%e2,7%, respectivamente. Por outro lado, os desembolsos com fertilizantes recuaram 3% no algodão 0,76 metro e 1,8% no adensado. Nessas lavouras, os custos também foram inflacionados pela mão de obra (14,1%) e despesas de comercialização e tributos(7,5%). Na soa e no milho segunda safra, o aumento no custo operacional foi de 0,5% e 1,4%, respectivamente, considerando-se a média das praças analisadas no estado. Ao se focar a análise nos sistemas de produção, mesmo havendo aumento dos custos de produção, a rentabilidade da cultura do algodão safra se elevou de dezembro para aneiro neste cálculo, são consideradas a compra de todos os insumos e a venda de toda a produção a valores de um só mês. Os melhores retornos foram obtidos diante da valorização da fibra no mercado interno acima dos acréscimos médios de custos de produção. Na média das regiões analisadas, o retorno sobre o custo total(rrct) do algodão safra foi de 13,3% em aneiro, frente aos 10,6% do mês anterior. O melhor resultadofoiapuradoemcampoverde,de18,3%,eopioremsorriso,de4,3%. Osistemaqueenglobasoaealgodãosegundasafracomespaçamentode0,76m também obteve melhor desempenho em, comparativamente a. Na média das regiões, o RRCT de foi de 16,2%, 2,7 pontos percentuais superior ao de. Em termos monetários, superou os,00/ha, nível que não se observava desde. Na região de Campo Verde, no mês de aneiro, o retorno por real aplicado no custo total com as duas culturas voltou a ultrapassar 20%, voltando a níveis de. No sistema de produção soa seguida por algodão adensado, os aumentos nas cotações da fibra e da oleaginosa ainda não foram capazes de tornar o RRCT positivo. Na média das duas regiões analisadas, o retorno sobre o custo total ficou negativo em 2,1%, Este sistema de produção mostrou resultado positivo em Campo Novo do Parecis, com RRCT de 1,73%. Por outro lado, em Sorriso, houve perdasde5,9%emrelaçãoaocustototal. O pior resultado na análise dos sistemas continuou sendo observado na soa seguida por milho segunda safra, cuo retorno médio está negativo desde. Na média das três regiões mato-grossenses, o RRCT médio foi negativo em 4,5%. AregiãodeCampoNovodoParecisfoiaúnicaqueteveRRCTpositivoemaneiro, de 5,8%. Nas demais, foram constatados 12,5% negativos em Sorriso e 6,8% negativos em Campo Verde. Em suma, enquanto a mão da obra e aufp elevaram os custos de produções em Mato Grosso, os insumos químicos tiveram preços menores. Além disso, os maiores valores de venda da produção foram importantes para melhorar a rentabilidade do setor agrícola, contribuindo para que seu desempenho fosse melhor em que em. * Fone: (19) / Fax: (19)

2 INFORMATIVO CEPEA - INSUMOS AGRÍCOLAS ANO 04 EDIÇÃO 33 R$11.000, % R$10.000, % R$9.000, % R$8.000, % R$7.000, % R$6.000,00 90 % R$5.000,00 75 % R$4.000,00 60 % R$3.000,00 45 % R$2.000,00 30 % R$1.000,00 15 % R$- Retorno sobre custo total Receita Líquida Total () 0% R$(1.000,00) -15 % R$(2.000,00) -30 % an-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 un-11 ul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 Algodão () Soa + Algodão 0,76 () Soa + Algodão Adensado () Soa + Milho () Algodão (% CT) Soa + Algodão 0,76 (% CT) Soa + Algodão adensado (% CT) Soa + Milho (% CT) dez-11 an-12 R$11.000, % R$10.000, % R$9.000, % R$8.000, % R$7.000, % R$6.000,00 90 % R$5.000,00 75 % R$4.000,00 60 % R$3.000,00 45 % R$2.000,00 30 % R$1.000,00 15 % R$- Retorno sobre custo total Receita Líquida Total () Figura 2 - Rentabilidade sobre o Custo Total em Sorriso/MT - as barras relacionam o retorno em e as linhas, em percentagem 0% R$(1.000,00) -15 % R$(2.000,00) -30 % an-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 un-11 ul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 Algodão () Soa + Algodão 0,76 () Soa + Algodão Adensado () Soa + Milho () Algodão (% CT) Soa + Algodão 0,76 (% CT) Soa + Algodão adensado (% CT) Soa + Milho (% CT) dez-11 an-12 R$11.000, % R$10.000, % R$9.000, % R$8.000, % R$7.000, % R$6.000,00 90 % R$5.000,00 75 % R$4.000,00 60 % R$3.000,00 45 % R$2.000,00 30 % R$1.000,00 15 % R$- 0% R$(1.000,00) -15 % R$(2.000,00) -30 % an-11 fev-11 mar-11 abr-11 Algodão () Algodão (% CT) mai-11 un-11 ul-11 ago-11 Soa + Algodão 0,76 () Soa + Algodão 0,76 (% CT) set-11 out-11 Soa + Milho () nov-11 dez-11 Soa + Milho (% CT) Figura 4 - Rentabilidade sobre o Custo Total em Campo Verde/MT - as barras relacionam o retorno em e as linhas, em percentagem * Fone: (19) / Fax: (19) an-12 Retorno sobre custo total Receita Líquida Total () Figura 3 - Rentabilidade sobre o Custo Total em Campo Novo do Parecis/MT - as barras relacionam o retorno em e as linhas, a percentagem

3 ANO 04 EDIÇÃO 33 R$ R$ int RB int + ext Figura 5 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão em Sorriso/MT R$ 4,50 R$ 4,00 R$ 3,50 R$ 3,00 R$ 2,50 R$/lp R$ 2,00 R$ 1,50 R$ 1,00 R$ 0,50 R$ 0,00 an n/10 fev v/10 ma ar/10 ab br/10 ma ai/10 un n/10 Figura 6 - Custos e receitas unitários - CO, CARP e RB para a produção de algodão em Sorriso/MT u ul/10 ago o/10 se et/10 ou ut/10 nov v/10 dez z/10 CO LRV CARP LRV Merc Int. (LRV) Merc Int. + Ext. (LRV) an n/11 fev v/11 ma ar/11 ab br/11 ma ai/11 un n/11 u ul/11 ago o/11 se et/11 ou ut/11 v/11 z/11 an n/12 int RB int + ext Figura 7 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Sorriso/MT R$ R$ R$ R$ R$ nov dez int RB int + ext Figura 8 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão segunda safra adensado (OGM) em Sorriso/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

4 ANO 04 EDIÇÃO 33 R$ R$ R$ R$ Figura 9 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soa (OGM) em Sorriso/MT R$ R$ R$ Figura 10 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de milho segunda safra em Sorriso/MT R$ int Figura 11 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soa e algodão segunda safra 0,76 em Sorriso/MT R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ int Figura 12 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soa e algodão seg. safra adensado em Sorriso/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

5 ANO 04 EDIÇÃO 33 R$ R$ R$ Figura 13 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soa e milho segunda safra em Sorriso/MT R$ R$ R$ R$ 800 R$ 400 R$ 200 Figura 14 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão em Sorriso/MT R$ R$ R$ 900 R$ 450 Figura 15 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Sorriso/MT R$ R$ 900 R$ 450 Figura 16 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra adensado (OGM) em Sorriso/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

6 ANO 04 EDIÇÃO 33 R$ 350 R$ 200 R$ 100 R$ 50 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos e inoculantes Figura 17 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de soa (OGM) em Sorriso/MT R$ 210 R$ 180 R$ 120 R$ 90 R$ 60 R$ 30 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos Figura 18 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de milho segunda safra (OGM) em Sorriso/MT R$ R$ int RB int + ext Figura 19 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão em Campo Novo do Parecis/MT+ R$ 4,50 R$ 4,00 R$ 3,50 R$ 3,00 R$ 2,50 R$ 2,00 R$ 1,50 R$ 1,00 R$ 0,50 R$ 0,00 R$/lp CO CNP CARP CNP Merc Int. (CNP) Merc Int. + Ext. (CNP) Figura 20 - Custos e receitas unitários - CO, CARP e RB para a produção de algodão em Campo Novo do Parecis/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

7 ANO 04 EDIÇÃO 33 int RB int + ext Figura 21 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) do algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ R$ R$ int RB int + ext Figura 22 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) do algodão segunda safra adensado (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ R$ Figura 23 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soa (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ Figura 24 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de milho segunda safra (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

8 ANO 04 EDIÇÃO 33 R$ Figura 25 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) da soa e algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ int int Figura 26 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) da soa e algodao segunda safra adensado em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ a a s o n d a a s o n d f f Figura 27 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soa e milho segunda safra em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ R$ R$ 800 R$ 400 R$ 200 Figura 28 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão em Campo Novo do Parecis/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

9 ANO 04 EDIÇÃO 33 R$ R$ R$ 900 R$ 450 Figura 29 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra 0,76 (NOGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ R$ 900 R$ 450 d f f Figura 30 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra adensado (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ 350 R$ 200 R$ 100 R$ 50 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos e inoculantes Figura 31 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de soa (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT R$ 210 R$ 180 R$ 120 R$ 90 R$ 60 R$ 30 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos Figura 32 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de milho segunda safra (OGM) em Campo Novo do Parecis/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

10 ANO 04 EDIÇÃO 33 R$ R$ Figura 33 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão em Campo Verde/MT R$ 4,50 R$ 4,00 R$ 3,50 R$ 3,00 R$ 2,50 R$ 2,00 R$ 1,50 R$ 1,00 R$ 0,50 R$ 0,00 int RB int + ext R$/lp CO CVD CARP CVD Merc Int. (CVD) Merc Int. + Ext. (CVD) Figura 34 - Custos e receitas unitários - CO, CARP e RB para a produção de algodão em Campo Verde/MT int RB int + ext Figura 35 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de algodão segunda safra 0,76 (OGM) em Campo Verde/MT R$ R$ R$ R$ Figura 36 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soa (OGM) em Campo Verde/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

11 ANO 04 EDIÇÃO 33 R$ R$ R$ Figura 37 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de milho segunda safra (OGM) em Campo Verde/MT R$ int Figura 38 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soa e algodão segunda safra 0,76 em Campo Verde/MT R$ R$ R$ Figura 39 - Custo Operacional (CO), CARP e Receita Bruta (RB) para a produção de soa e milho segunda safra (OGM) em Campo Verde/MT R$ R$ R$ R$ 800 R$ 400 R$ 200 Figura 40 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão em Campo Verde/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

12 ANO 04 EDIÇÃO 33 R$ R$ R$ 900 R$ 450 Figura 41 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de algodão segunda safra 0,76 (OGM) em Campo Verde/MT R$ 350 R$ 200 R$ 100 R$ 50 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos e inoculantes Figura 42 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de soa (OGM) em Campo Verde/MT R$ 210 R$ 180 R$ 120 R$ 90 R$ 60 R$ 30 Herbicidas Inseticidas Fungicidas Outros químicos Figura 43 - Custo com defensivos agrícolas para a produção de milho segunda safra em Campo Verde/MT * Fone: (19) / Fax: (19)

13 ANO 04 EDIÇÃO 33 Custo Operacional e Total das culturas em Sorriso/MT () Itens Algodão (a) Algodão seg. safra 0,76 (b) Algodão seg. safra adensado (c) Soa (d) Fertilizantes 1.028, , ,38 814,41 954,93 934,69 539,62 632,00 629,70 304,09 355,58 346,83 Herbicidas 365,04 382,55 394,38 353,30 366,53 378,21 206,19 195,33 222,87 47,26 54,86 53,40 Inseticidas 659,85 754,56 743,94 570,22 661,96 651,17 493,67 552,43 547,69 68,42 85,25 81,99 Fungicidas 120,47 113,93 125,67 70,13 66,80 74,58 88,52 85,10 90,02 72,64 79,62 75,51 DMR (Desf./Mat./Regulador) 128,07 145,98 136,65 119,32 136,87 127,54 128,07 145,98 136,65 Outros químicos 4,24 5,69 5,51 4,24 5,69 5,51 4,24 5,69 5,51 7,80 8,87 8,41 Semente 41,90 45,98 44,60 50,28 55,17 53,52 117,32 128,73 124,89 153,75 172,50 181,50 Serviço terceirizado 140,00 140,00 140,00 140,00 140,00 140,00 Diesel 255,77 259,50 258,37 220,27 223,48 222,51 237,65 241,11 240,06 41,53 42,14 41,96 Manut. Maq e Equip. 261,99 261,99 261,99 242,68 242,68 242,68 283,00 283,00 283,00 48,63 48,63 48,63 Frete 32,68 29,25 29,84 M. de Obra 242,69 242,69 276,98 209,01 209,01 238,54 225,50 225,50 257,36 39,41 39,41 44,98 Armaz/Benef 1.037,18 604,08 688,38 912,72 531,59 605,77 791,14 464,78 531,54 119,46 103,86 108,42 Tributos de comercialização 295,08 169,69 182,75 259,67 149,33 160,82 194,75 112,00 120,61 70,53 69,03 74,21 Seguro 17,02 17,02 17,02 15,74 15,74 15,74 19,10 19,10 19,10 3,90 3,90 3,90 Assit. Técnica 24,55 26,81 26,94 21,05 23,07 23,11 17,52 18,81 19,13 15,67 17,74 17,66 Financ. de capital de giro 422,37 461,23 463,42 362,09 396,83 397,58 301,45 323,52 329,05 105,30 118,19 117,79 Custo operacional 5.044, , , , , , , , , , , ,02 Custo Total 5.648, , , , , , , , , , , ,33 Fonte: Cepea Custo Operacional e Total das culturas em Sorriso/MT () Itens Milho (e) Sistema (d)+(b) Sistema (d)+(c) Sistema (d)+(e) Fertilizantes 276,76 287,17 305, , , ,52 843,72 987,58 976,53 580,86 642,75 652,56 Herbicidas 44,09 54,09 53,60 400,56 421,39 431,61 253,45 250,19 276,27 91,35 108,95 107,00 Inseticidas 63,49 56,91 57,39 638,64 747,21 733,16 562,09 637,68 629,67 131,92 142,16 139,37 Fungicidas 15,28 13,73 13,80 142,77 146,42 150,09 161,16 164,72 165,53 87,92 93,35 89,31 DMR (Desf./Mat./Regulador) 119,32 136,87 127,54 128,07 145,98 136,65 Outros químicos 12,04 14,56 13,92 12,04 14,56 13,92 7,80 8,87 8,41 Semente 274,00 282,00 282,00 204,03 227,67 235,02 271,07 301,23 306,39 427,75 454,50 463,50 Serviço terceirizado 17,00 17,00 17,00 140,00 140,00 140,00 17,00 17,00 17,00 Diesel 48,96 49,68 49,46 261,81 265,62 264,47 279,18 283,25 282,02 90,50 91,82 91,42 Manut. Maq e Equip. 67,43 67,43 67,43 291,31 291,31 291,31 331,63 331,63 331,63 116,06 116,06 116,06 Frete 87,08 74,49 72,66 32,68 29,25 29,84 32,68 29,25 29,84 119,75 103,74 102,49 M. de Obra 46,46 46,46 53,03 248,42 248,42 283,52 264,91 264,91 302,34 85,87 85,87 98,00 Armaz/Benef 0,00 0,00 0, ,18 635,45 714,19 910,60 568,64 639,96 119,46 103,86 108,42 Tributos de comercialização 31,15 26,65 26,00 330,19 218,36 235,03 265,28 181,03 194,82 101,68 95,68 100,21 Seguro 5,06 5,06 5,06 19,64 19,64 19,64 22,99 22,99 22,99 8,95 8,95 8,95 Assit. Técnica 16,73 17,15 17,65 36,72 40,81 40,78 33,20 36,54 36,79 32,40 34,89 35,31 Financ. de capital de giro 119,15 120,23 123,22 467,39 515,02 515,37 406,75 441,71 446,84 224,45 238,42 241,01 Custo operacional 1.112, , , , , , , , , , , ,02 Custo Total 1.659, , , , , , , , , , , ,64 Fonte: Cepea Custo Operacional e Total das culturas em Campo Novo do Parecis/MT () Algodão (a) Algodão seg. safra 0,76 (b) Algodão seg. safra adensado (c) Soa (d) Itens Fertilizantes 880, ,46 975,26 693,13 796,66 772,15 588,16 676,31 654,13 326,66 364,46 358,17 Herbicidas 377,36 398,67 409,09 264,53 273,39 279,32 234,70 236,55 269,00 33,80 43,66 42,40 Inseticidas 745,07 784,95 775,46 611,38 631,97 625,77 487,83 557,46 545,39 62,60 68,61 69,64 Fungicidas 110,86 98,90 99,20 71,30 60,45 60,60 55,43 49,45 49,60 95,03 97,85 102,23 DMR (Desf./Mat./Regulador) 158,84 136,66 137,84 92,10 80,51 81,10 56,84 53,06 53,29 Outros químicos 5,54 6,41 7,38 5,54 6,41 7,38 5,54 6,41 7,38 10,84 12,21 14,05 Semente 117,99 126,55 123,67 87,99 96,55 93,67 292,25 320,68 311,10 143,00 154,70 143,00 Serviço terceirizado 50,00 50,00 50,00 50,00 50,00 50,00 370,00 370,00 370,00 0,00 0,00 0,00 Diesel 210,06 213,13 212,20 190,85 193,64 192,79 103,90 105,42 104,96 33,49 33,98 33,83 Manut. Maq e Equip. 222,43 222,43 222,43 197,13 197,13 197,13 82,70 82,70 82,70 44,25 44,25 44,25 Frete 37,19 32,33 33,75 M. de Obra 372,10 372,10 424,67 338,07 338,07 385,83 184,05 184,05 210,05 59,32 59,32 67,70 Armaz/Benef 1.205,06 714,85 760, ,59 Tributos de comercialização 327,89 187,50 201,20 Seguro 17,29 17,29 17,29 281,05 611,03 650,44 897,08 542,36 577,91 135,39 117,71 122,88 160,71 172,46 215,24 123,08 132,07 72,60 69,75 76,03 17,29 17,29 17,29 17,29 17,29 17,29 4,11 4,11 4,11 Assit. Técnica 24,38 25,64 25,78 19,52 20,44 20,59 18,46 19,82 19,93 16,18 17,58 17,51 Financ. de capital de giro 405,38 426,32 428,69 324,52 339,83 342,45 306,99 329,52 331,46 105,54 113,67 113,37 Custo operacional 5.230, , , , , , , , , , , ,90 Custo Total 5.774, , , , , , , , , , , ,74 Fonte: Cepea * Fone: (19) / Fax: (19)

14 ANO 04 EDIÇÃO 33 Itens Fertilizantes Herbicidas Inseticidas Fungicidas DMR (Desf./Mat./Regulador) Outros químicos Semente Serviço terceirizado Diesel Manut. Maq e Equip. Frete M. de Obra Armaz/Benef Tributos de comercialização Seguro Assit. Técnica Financ. de capital de giro Custo operacional Custo Total Fonte: Cepea Itens Fertilizantes Herbicidas Inseticidas Fungicidas DMR (Desf./Mat./Regulador) Outros químicos Semente Serviço terceirizado Diesel Manut. Maq e Equip. Frete M. de Obra Armaz/Benef Tributos de comercialização Seguro Assit. Técnica Financ. de capital de giro Custo operacional Custo Total Fonte: Cepea Custo Operacional e Total das culturas em Campo Novo do Parecis/MT () Milho (e) Sistema (d)+(b) Sistema (d)+(c) Sistema (d)+(e) 268,35 301,38 295, , , ,32 914, ,76 90,98 92,36 92,43 298,34 24,47 48,15 250,00 37,06 58,70 86,09 65,65 37,40 27,61 26,81 673,98 317,04 700,58 38,63 41,79 166,33 158,30 162,83 150,46 147,30 151,83 87,92 93,35 89,31 266,00 37,60 58,70 74,84 65,65 32,51 321,72 268,50 280,20 695,41 550,43 626,07 615,04 131,92 142,16 139,37 92,10 80,51 81,10 56,84 53,06 53,29 16,38 18,62 21,43 16,38 18,62 21,43 7,80 8,87 8,41 266,00 230,99 251,25 236,67 435,25 475,38 454,10 427,75 454,50 463,50 50,00 50,00 50,00 370,00 370,00 370,00 17,00 17,00 17,00 37,44 224,34 227,61 226,62 137,39 139,39 138,79 58,70 241,38 241,38 241,38 82,76 37,19 32,33 33,75 126,95 126,95 126,95 37,19 32,33 74,92 397,39 397,39 453,53 243,37 243, ,98 728,73 773, ,47 660,07 35,95 353,65 230,46 248,48 287,84 192,82 33,75 277,75 700,79 208,10 90,50 116,06 119,75 85,87 119,46 101,68 4,50 4,50 4,50 21,40 21,40 21,40 21,40 21,40 21,40 8, ,30 580,86 642,75 652,56 311,40 91,35 108,95 107,00 91,82 91,42 116,06 116,06 103,74 102,49 85,87 98,00 103,86 108,42 95,68 100,21 8,95 8,95 16,87 17,76 17,87 35,70 38,02 38,10 34,64 37,40 37,44 32,40 34,89 35,31 115,92 120,07 121,74 430,06 453,50 455,82 412,52 443,18 444,83 224,45 238,42 241, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,64 Custo Operacional e Total das culturas em Campo Verde/MT () Algodão (a) Algodão seg. safra 0,76 (b) Soa (d) Milho (e) 937, , ,17 744,68 868,58 835,62 407,70 450,00 440,63 419,58 460,91 451,95 362,15 346,46 357,01 237,98 228,15 227,73 48,12 46,15 45,63 63,23 64,70 61,59 629,83 664,34 669,81 567,34 599,18 603,71 98,64 89,34 89,60 41,55 32,78 32,78 178,12 169,22 168,84 178,12 169,22 168,84 119,79 106,61 108,52 54,57 45,98 48,48 132,08 147,00 143,92 142,47 157,00 153,59 18,76 20,65 17,50 18,76 20,65 17,50 9,58 10,44 9,03 8,04 8,85 7,50 67,65 73,45 71,49 126,69 139,01 134,86 111,50 119,00 114,50 266,75 330,00 330,00 45,00 45,00 45,00 45,00 45,00 45,00 235,86 239,30 238,26 192,21 195,01 194,16 51,13 51,88 51,65 47,39 48,09 47,88 247,15 247,15 247,15 206,65 206,65 206,65 68,63 68,63 68,63 66,29 66,29 66,29 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 33,94 31,07 31,32 291,78 291,78 333,00 95, ,69 743,84 768,25 988,17 95,11 108,55 63,25 63,25 72,19 661,19 682,89 127,42 110,78 318,74 185,15 198,82 283,32 164,58 176,73 77,77 76,92 81,85 75,13 78,12 58,63 58,63 66,91 115,65 81,89 37,65 34,56 35,94 15,99 15,99 15,99 15,99 15,99 15,99 5,53 5,53 5,53 4,90 4,90 4,90 62,93 66,82 66,94 51,10 54,47 53,92 19,57 20,11 20,01 20,52 22,32 22,27 307,67 326,70 327,32 249,85 266,34 263,66 98,99 101,35 100,89 108,34 116,50 116, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,19 Fertilizantes Herbicidas Inseticidas Fungicidas Fonte: Cepea Custo Operacional e Total das culturas em Campo Verde/MT () Sistema (d)+(b) Sistema (d)+(e) Itens DMR (Desf./Mat./Regulador) Outros químicos Semente Serviço terceirizado Diesel Manut. Maq e Equip. Frete M. de Obra Armaz/Benef Tributos de comercialização Seguro Assit. Técnica Financ. de capital de giro Custo operacional Custo Total 1.152, ,58 286,09 274,30 665,98 688,52 297,91 142,47 28,34 238,19 45,00 243,34 275,28 33,94 158,36 31,09 21, ,25 275,83 277,36 157,00 153,59 258,01 246, ,59 771,97 361,09 21,52 70,67 348,84 45,00 74,58 273,36 245,81 21,52 723,67 110,49 693,31 109,97 45,00 180,73 127,21 26,53 15,84 249,36 275,28 275,28 31,07 158,36 241,50 258,62 420,50 88,93 114,92 31,32 114,52 98,04 798,54 119,46 73,93 36,19 816,48 119,56 118,03 125,60 17,72 502,50 90,23 114,92 98,04 103,86 108,18 103,59 8, ,45 798,77 114,99 114,76 123,99 15,91 511,50 89,83 114,92 107,96 111,89 108,42 110,15 367,68 364,55 213,64 234,69 234, , , , , , , , ,76 104,38 8,80 40,06 8,80 39, , , ,52 Rentabilidade sobre Custo Total em Campo Verde (% CT) * Fone: (19) / Fax: (19) % 150 % 135 % 120 % 105 % 90 % 75 % 60 % 45 % 30 % 15 % 0 % -15 % -30 % -45 % -60 % an-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 un-10 ul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 an-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 un-11 ul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 an-12 Algodão Soa + Algodão 0,76 Soa + Milho

15 ANO 04 EDIÇÃO % 150 % 135 % 120 % 105 % 90 % 75 % 60 % 45 % 30 % 15 % 0 % -15% -30% -45% -60% an-10 fev-10 mar-10 Rentabilidade sobre Custo Total em Sorriso (% CT) abr-10 mai-10 un-10 ul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 Algodão Soa + Algodão 0,76 Soa + Algodão adensado Soa + Milho an-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 un-11 ul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 an % 150 % 135 % 120 % 105 % 90 % 75 % 60 % 45 % 30 % 15 % 0 % -15% -30% -45% -60% Rentabilidade sobre Custo Total em Campo N. Parecis (% CT) an-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 un-10 ul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 Algodão Soa + Algodão 0,76 Soa + Algodão adensado Soa + Milho an-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 un-11 ul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 an-12 Itens Fertilizante MAP Fertlizante KCl Fertilizante uréia Fertilizante sulfato de amônio Fertilizante Herbicida glifosato genérico (480) Herbicida 2,4 D (800) Herbicida cletodim (240) Inseticida metomil (215) Inseticida lambda-cialotrina (250) Inseticida acefato (750) Inseticida lambda-cialotrina (106) + tiametoxam (141) Inseticida cipermetrina genérico (250) Inseticida carbosulfano (400) Fungicida azoxistrobina (200) + ciproconazol (80) Fungicida epoxiconazol (50) + piraclostrobina (133) Fonte: Cepea s/c - sem cotação Relação de troca de algodão por insumos de pluma 11,77 9,83 9,20 7,35 0,80 Sorriso 0,21 0,14 0,37 0,34 0,05 0,14 0,13 0,05 0,22 1,25 2,41 2,26 s/c Campo Novo do Parecis 0,26 0,65 0,62 0,26 0,75 0,63 s/c 1,25 1,17 0,59 s/c 1,77 1,15 Campo Verde 0,61 1,39 1,34 0,58 1,42 1,31 0,92 1,84 1,78 0,99 1,88 1,86 0,18 0,41 0,37 0,17 0,37 0,38 0,19 0,38 0,38 1,57 7,66 8,92 19,91 20,60 8,72 0,07 0,07 0,13 0,11 0,27 0,26 0,11 0,31 0,30 0,11 0,24 0,23 0,94 28,88 25,62 23,66 18,12 1,81 28,07 24,48 22,59 15,88 1,60 1,76 12,66 9,94 9,31 30,23 24,97 23,25 19,62 21,76 0,20 23,97 s/c s/c 1,42 s/c 1,33 1,35 0,12 0,36 0,36 0,12 0,37 0,73 1,82 1,02 28,12 22,22 17,55 12,80 9,80 0,26 0,92 30,64 28,67 9,75 25,99 25,23 20,41 8,71 22,07 0,12 0,20 1,00 6,35 0,06 23,21 19,50 16,93 0,13 21,48 20,60 0,12 0,08 0,21 0,21 0,38 0,61 0,69 1,81 1,78 0,60 0,99 1,06 METODOLOGIA: Para o cálculo do custo de produção neste informativo, foram utilizados os coeficientes técnicos da safra 2010/11. Esses coeficientes técnicos foram coletados a campo pela equipe Cepea-Esalq/USP, com a técnica de coleta de dados chamada de painel, em agosto de Neste sistema, o levantamento das informações do custo é realizado através de reuniões entre pesquisadores, técnicos e produtores na região de referência. No painel, conuntamente os agentes discutem e procuram desenhar um sistema típico de produção de determinada localidade. Todos os passos do custo são detalhados: desde equipamentos, coeficientes técnicos, quantidade e preços pagos. O critério de custo de produção utilizado no estudo foi o do Custo Total. Por este critério estão computados como itens de custo os custos variáveis (insumos, mão-de-obra, combustíveis e manutenção de equipamentos), o custo do financiamento do capital de giro, mais a depreciação de máquinas e equipamentos e o custo de estocagem. Também é acrescentada a remuneração de fatores fixos diversos. Os custos analisados são segregados em dois grupos. O primeiro trata-se do Custo Operacional (CO), que inclui os gastos principalmente com insumos variáveis. Posteriormente, adicionam-se os valores de depreciação de máquinas e equipamentos, a remuneração do capital investido e custo da terra, obtendo-se o Custo Total (CT) da atividade. Para computar a depreciação e o custo de oportunidade do capital fixo, foi avaliado o Custo Anual de Reposição do Patrimônio (CARP). Observe que nos gráficos onde constam os custos operacionais e totais, também há a representação da Receita Bruta (RB) por hectare, sinalizando o nível de rentabilidade, positiva ou negativa. * Fone: (19) / Fax: (19)

abr/12 mai/12 mar/12 jun/12 jul/12

abr/12 mai/12 mar/12 jun/12 jul/12 R$/sc e R$/@ b ANO 04 Segundo semestre começa com fertilizantes em queda O mercado internacional de fertilizantes esteve em baixa em julho. As incertezas econômicas ainda abalam o interesse de agentes

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10 JUNHO DE 2010 Lenta negociação de fertiizantes para a safra 2010/11 As negociações de fertiizantes para o cutivo da safra de verão 2010/11 parecem ainda não ter encontrado o momento de decoagem em diversas

Leia mais

Boletim do Complexo soja

Boletim do Complexo soja Boletim do Complexo soja 1. Grão: No mês de fevereiro houve um aumento no preço médio em quase todos os estados, com exceção de Santa Catarina. O estado que obteve a maior média foi o do Paraná R$ 57,31/sc,

Leia mais

Título: PREÇO INTERNACIONAL E PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL DE 1995 A

Título: PREÇO INTERNACIONAL E PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL DE 1995 A Título: PREÇO INTERNACIONAL E PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL DE 1995 A 2003. Magali Simoni Azevedo 1 Resumo O estudo sobre o preço internacional e a produção de soja no Brasil de 1995 a 2003 teve como objetivo

Leia mais

Tabela 1 - Preço médio da Soja em MS - Período: 02/06 á 06/06 junho de 2014 - Em R$ por saca de 60Kg. Praça 02/jun 03/jun 04/jun 05/jun 06/jun Var.

Tabela 1 - Preço médio da Soja em MS - Período: 02/06 á 06/06 junho de 2014 - Em R$ por saca de 60Kg. Praça 02/jun 03/jun 04/jun 05/jun 06/jun Var. SOJA» MERCADO INTERNO O preço da saca de 6 Kg de soja em grãos experimentou recuo na primeira semana de junho. A cotação média no dia 6/Jun foi de R$ 62,6, valor este 3,12% inferior ao verificado em 2/Jun.

Leia mais

Edição 37 (Março2014)

Edição 37 (Março2014) Edição 37 (Março2014) Cenário Econômico: PIB brasileiro cresce 2,3% em 2013 e chega a R$ 4,8 trilhões A economia brasileira cresceu 0,7% no quarto trimestre de 2013, na comparação com os três meses anteriores,

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

Estimativas de custo de produção de trigo e de aveia - safra 2006

Estimativas de custo de produção de trigo e de aveia - safra 2006 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 186 Foto: Paulo Kurtz ISSN 1517-4964 Dezembro, 2006 Passo Fundo, RS Estimativas de custo de produção de trigo e de aveia - safra 2006 Cláudia De Mori

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015 CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRIMESTRE DE 2015 1 CENÁRIO ECONÔMICO O segundo trimestre do ano de 2015 demonstrou uma aceleração da deterioração dos fatores macroeconômicos no Brasil, com aumento

Leia mais

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2014 MUNDO SAFRA 2014/15 Devido ao aumento das cotações nas últimas safras, principalmente na comparação com o milho, o cultivo da soja vem aumentando

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo SUMÁRIO EXECUTIVO O Produto Interno Bruto (PIB) do estado do Espírito Santo é calculado anualmente pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) em parceria com o Instituto eiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB 21 Outubro 2015 1. Apresentação Diversos fatores têm impactado o crescimento econômico do Brasil desde 2014. A mudança nos preços das

Leia mais

Análise Estatística de Algodão BOLETIM SEMANAL

Análise Estatística de Algodão BOLETIM SEMANAL Análise Estatística de Algodão BOLETIM SEMANAL MUDANÇA À VISTA: Mesmo com os produtores sofrendo com as incertezas provenientes do atraso das chuvas em Mato Grosso, o mercado acredita em uma expansão significativa

Leia mais

O MERCADO DE MANDIOCA NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL EM 2012

O MERCADO DE MANDIOCA NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL EM 2012 O MERCADO DE MANDIOCA NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL EM 2012 ELABORAÇÃO: EQUIPE MANDIOCA CEPEA/ESALQ APRESENTAÇÃO: Lucilio Rogerio Aparecido Alves Prof. Dr. da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 5 no 41 novembro/2012 Ano 5 no 41 maio/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS 1 Trimestre RESULTADOS OBTIDOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA AMBIENTE ECONÔMICO

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA AMBIENTE ECONÔMICO PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA AMBIENTE ECONÔMICO OBJETIVO: Outubro/2010 Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o efeito do atual ambiente econômico sobre o desempenho das s industriais paulistas.

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Mudanças nos Preços Relativos

Mudanças nos Preços Relativos Mudanças nos Preços Relativos Tabela 1 Variação acumulada do IPCA: eiro/ junho/ Discriminação Brasil Belém 1/ Nordeste Sudeste Sul Centro- Gráfico 1 - Alteração no peso do IPCA por segmento de consumo:

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 47,20. 22-jun R$ 151,95

BOLETIM SEMANAL R$ 47,20. 22-jun R$ 151,95 4-jun 6-jun 11-jun 13-jun 15-jun 19-jun 21-jun 4-jun 6-jun 8-jun 10-jun 12-jun 14-jun 16-jun 18-jun 20-jun 22-jun BOLETIM SEMANAL Análise Estatística de Algodão NOVA SAFRA CHEGANDO: A área plantada de

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A B R I L, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 27 de maio de 2016 Crédito imobiliário alcança R$ 3,5 bilhões em abril

Leia mais

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Abril/11 Sumário 1. Características do Fundo Política de Gestão Objetivo do Fundo Público Alvo Informações Diversas Patrimônio Líquido 2. Medidas Quantitativas

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE ISENTO

ANEXO I DECLARAÇÃO DE ISENTO ANEXO I DECLARAÇÃO DE ISENTO Eu,, Carteira de Identificação nº, órgão expedidor:, UF:, CPF nº, residente na, nº, complemento:, bairro:, na cidade de /, CEP:, contato pelo(s) telefone(s): ( ) / ( ), declaro

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO DE 2014.

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO DE 2014. PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO SETEMBRO DE 2014. Os aluguéis de casas e apartamentos na capital paulista ficaram praticamente estabilizados em setembro de 2014, relativamente

Leia mais

Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil. urielrotta@pensa.org.br

Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil. urielrotta@pensa.org.br Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil Uriel Antonio Superti Rotta urielrotta@pensa.org.br O SAG do leite no Brasil O sistema agroindustrial do leite reúne importantes segmentos da

Leia mais

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ 2014 ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 3 O 11º Levantamento de Grãos da Conab, divulgado em 11 de agosto de 2015, manteve suas estimativas para a safra 2014/15, de algodão em pluma

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 7 Número 3 março de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Condições financeiras pioram no primeiro trimestre A indústria da construção tem sido fortemente impactada pela atual

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Na trilha da confiança. 32 KPMG Business Magazine

Na trilha da confiança. 32 KPMG Business Magazine 32 KPMG Business Magazine Na trilha da confiança A preocupação das empresas com as boas práticas de governança corporativa aumenta a cada ano no Brasil e fortalece a relação com os investidores O mercado

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 Data: 27/02/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Iniciação cientifica Aluno: Pedro Paulo Peres Garcia Orientador: Professor Hong Y. Ching Centro Universitário da FEI. Centro Universitário da FEI

Iniciação cientifica Aluno: Pedro Paulo Peres Garcia Orientador: Professor Hong Y. Ching Centro Universitário da FEI. Centro Universitário da FEI Iniciação cientifica Aluno: Pedro Paulo Peres Garcia Orientador: Professor Hong Y. Ching Centro Universitário da FEI Centro Universitário da FEI Introdução Referencial teórico Problema de pesquisa Objetivo

Leia mais

EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA

EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Joinville 7 Considerações

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especulação leva à queda de preço nos lançamentos de imóveis em Brasília

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Especulação leva à queda de preço nos lançamentos de imóveis em Brasília + Boletim de Conjuntura Imobiliária 41ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard,Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI Indicadores CNI SONDAGEM ESPECIAL 64 Comércio Exterior Exportações ganham importância para indústria brasileira A queda na demanda doméstica e a desvalorização da moeda estão estimulando o aumento das

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Endividamento recua em dezembro

Endividamento recua em dezembro Endividamento recua em dezembro Em dezembro de 2011, o número de famílias que declarou possuir dívidas diminui pelo sétimo mês consecutivo permanecendo, no entanto, acima do patamar observado ao final

Leia mais

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício

Leia mais

1 a 15 de janeiro de 2015

1 a 15 de janeiro de 2015 1 a 15 de janeiro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 2012 ABIH-RJ FECOMÉRCIO-RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

Curso Técnico em Agronegócio. Análise econômica da propriedade rural

Curso Técnico em Agronegócio. Análise econômica da propriedade rural Curso Técnico em Agronegócio Análise econômica da propriedade rural Introdução Neste material, você terá acesso às informações complementares referentes à Unidade Curricular Administração Rural. Os principais

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

Ano 04 - Edição 9 Julho/Agosto/Setembro 2011

Ano 04 - Edição 9 Julho/Agosto/Setembro 2011 Ano 04 - Edição 9 Julho/Agosto/Setembro 2011 de grãos PROIBIÇÃO DO METAMIDOFÓS DEVE ELEVAR OS CUSTOS PARA CONTROLE DE PERCEVEJOS Em janeiro deste ano, foi publicada no Diário Oficial da União resolução

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional sobem 0,1% em maio de 2016, acumulando alta de 2,0% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO A produtividade do trabalho da indústria catarinense variou 2% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano anterior. No primeiro bimestre de

Leia mais

CONJUNTURA 2013: PONTOS A PONDERAR

CONJUNTURA 2013: PONTOS A PONDERAR CONJUNTURA 2013: PONTOS A PONDERAR ELABORAÇÃO: EQUIPE MANDIOCA CEPEA/ESALQ APRESENTAÇÃO: Lucilio Rogerio Aparecido Alves Prof. Dr. da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP Pesquisador

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 6 Número 12 dezembro de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção termina ano com queda intensa A indústria da construção encerrou com queda intensa e

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Carta Mensal Novembro 2015

Carta Mensal Novembro 2015 Canvas Classic FIC FIM (nova razão social do Peninsula Hedge FIC FIM) Ao longo de novembro, a divergência na direção da política monetária conduzida pelos dois mais relevantes bancos centrais do mundo

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 61,80 R$ 61,00 R$ 1.650,00

BOLETIM SEMANAL R$ 61,80 R$ 61,00 R$ 1.650,00 3/4 5/4 7/4 9/4 11/4 13/4 15/4 17/4 19/4 21/4 23/4 25/4 27/4 29/4 1/5 3/5 Contratos Negociados Cents de US$/bu Análise Estatística de Algodão Algodão LAVOURA NOS ESTADOS UNIDOS: A semeadura nos Estados

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Área de Insumos Básicos Seminário sobre Petróleo e Gás APIMEC RIO Agosto/2012 BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral

Leia mais

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação 1 Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação Resumo O presente estudo objetivou levantar dados sobre o total

Leia mais

GESTÃO DE RISCO 3 TRIMESTRE 2012

GESTÃO DE RISCO 3 TRIMESTRE 2012 Relatório de Risco - 2011 GESTÃO DE RISCO 3 TRIMESTRE 2012 Parte 2: Tabelas com as exposições a risco de crédito, mercado, liquidez e operacional em atendimento à circular n o 3477 do Banco Central do

Leia mais

São Paulo, 17 de Agosto de 2012

São Paulo, 17 de Agosto de 2012 São Paulo, 17 de Agosto de 2012 Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini, no 22º Congresso da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Fenabrave Senhoras

Leia mais

INDX registra alta de 3,1% em Março

INDX registra alta de 3,1% em Março 14-jan-11 4-fev-11 25-fev-11 18-mar-11 8-abr-11 29-abr-11 2-mai-11 1-jun-11 1-jul-11 22-jul-11 12-ago-11 2-set-11 23-set-11 14-out-11 4-nov-11 25-nov-11 16-dez-11 6-jan-12 27-jan-12 17-fev-12 9-mar-12

Leia mais

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001 Informação à Comunicação Social 27 de Dezembro de 22 Contas Económicas da Silvicultura 199 21 O Valor Acrescentado Bruto da Silvicultura decresceu,4% em termos reais, mas aumentou 35% em valor entre 199

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T16

Divulgação de Resultados 1T16 São Paulo - SP, 29 de Abril de 2016. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros TEXTO PARA DISCUSSÃO Nota Técnica: O Custo Público com Reprovação e Abandono Escolar na Educação Básica Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros Pesquisadores de Economia Aplicada do FGV/IBRE Fevereiro

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00 13/2 15/2 17/2 19/2 21/2 23/2 25/2 27/2 1/3 3/3 5/3 7/3 9/3 11/3 13/3 15/3 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu Análise Estatística de Algodão Algodão PREÇOS CAEM: Assim como no cenário de âmbito

Leia mais

O POTENCIAL DE INOVAÇÃO E A QUESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS INDÚSTRIAS DA REGIÃO NOROESTE DO RS 1

O POTENCIAL DE INOVAÇÃO E A QUESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS INDÚSTRIAS DA REGIÃO NOROESTE DO RS 1 O POTENCIAL DE INOVAÇÃO E A QUESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS INDÚSTRIAS DA REGIÃO NOROESTE DO RS 1 Valquíria Marchezan Colatto Martins 2, Dieter Rugard Siedenberg 3, Marcos Paulo Dhein Griebeler

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll! Investimento pré-operacional! Investimento em giro! Liberação do investimento em giro! Sunk Cost Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Muito embora os resultados financeiros da Companhia sejam divulgados no calendário de ano-civil (ex. o primeiro trimestre divulgado compreende o

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

BOLETIM MENSAL Ano 26 No 06 Junho 2010

BOLETIM MENSAL Ano 26 No 06 Junho 2010 BOLETIM MENSAL Ano 26 N o 06 Junho 2010 Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE VIÇOSA (IPC-VIÇOSA) Coordenador

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

Destaques do Período. Resultados Financeiros

Destaques do Período. Resultados Financeiros Resultados 2T09 14 de Agosto de 2009 1 Agenda Foto: Unidade de Paulínia -SP Destaques do Período 2T09 1S09 Mercado Brasileiro de Fertilizantes Vendas e Distribuição por Cultura da Heringer LUCRO LÍQUIDO

Leia mais

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem:

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem: 2 1 3 4 2 PGBL ou VGBL? O plano PGBL, dentre outras, tem a vantagem do benefício fiscal, que é dado a quem tem renda tributável, contribui para INSS (ou regime próprio ou já aposentado) e declara no modelo

Leia mais

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2)

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. Custo Fixo Médio Quando se

Leia mais

Combustíveis e seus reajustes. Número 19 abril 2006 NOTA TÉCNICA

Combustíveis e seus reajustes. Número 19 abril 2006 NOTA TÉCNICA Combustíveis e seus reajustes Número 19 abril 2006 NOTA TÉCNICA Combustíveis e seus reajustes O aumento do álcool, neste 1º trimestre de 2006, assustou os consumidores. Muitos deles, com veículos bicombustíveis,

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101,

Leia mais

Caro Leitor, Carlos Rivaci Sperotto Presidente

Caro Leitor, Carlos Rivaci Sperotto Presidente Caro Leitor, É com alegria que lhe entregamos nosso Balanço da Agropecuária em 2013 e Perspectivas para 2014. Neste resumo elaborado pela nossa Assessoria Econômica buscamos mostrar-lhe o desempenho da

Leia mais

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Atualizado em 02/07/15 Pág.: 1/9 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Índice de nacionalização... 3 2. Objetivo da planilha... 4 3. O preenchimento

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Macroeconomia. Diagrama do Fluxo Circular. Entendendo a Economia. Renda e Gastos de Uma Economia. Métodos Para Contar a Economia

Macroeconomia. Diagrama do Fluxo Circular. Entendendo a Economia. Renda e Gastos de Uma Economia. Métodos Para Contar a Economia 22. Medindo a Renda de Uma Nação Macroeconomia Macro: Estudo da economia como um todo. Tem como objetivo explicar as mudanças econômicas que afetam indivíduos, firmas e os mercados. Micro: É o estudo de

Leia mais

RELATÓRIO ESTATÍSTICO DA SOJA AGOSTO/2008

RELATÓRIO ESTATÍSTICO DA SOJA AGOSTO/2008 Instituto Mato Grossense de Economia Agrícola RELATÓRIO ESTATÍSTICO DA SOJA AGOSTO/2008 Presindente: Rui Carlos Ottoni Prado Superintendente: Seneri Kernbeis Paludo Equipe Técnica: Anamaria Gaudencio Martins,Daniel

Leia mais

5 de dezembro de 2014/ nº 261

5 de dezembro de 2014/ nº 261 Baixa liquidez impera: Em novembro, Mato Grosso registrou baixo avanço na comercialização de pluma da safra 2013/14. Com 23,5 mil toneladas negociadas, o Estado chegou a 80% da produção de 995 mil toneladas

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O comércio sempre foi considerado como porta de entrada para o mercado de trabalho sendo, assim, um dos principais setores econômicos em termos de absorção da população

Leia mais

DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA

DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA Documento elaborado e aprovado pelas duas instituições Este documento apresenta um estudo comparativo

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias

Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Implantação de um serviço de limpeza terminal a vapor em salas operatórias Sandra Terumi Yoshino 1 1. Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e pós graduada em Enfermagem em

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Março de 2015 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2014 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Emprego Industrial Novembro de 2015

Emprego Industrial Novembro de 2015 Emprego Industrial Novembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de novembro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de ubro (-6.418 postos e variação de -0,3%). A indústria

Leia mais