III Congresso Brasileiro dos Serviços de Saúde do Poder Judiciário

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III Congresso Brasileiro dos Serviços de Saúde do Poder Judiciário"

Transcrição

1 III Congresso Brasileiro dos Serviços de Saúde do Poder Judiciário CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PRO Programa de Reabilitação

2 Histórico... PRT Programa de Readaptação ao Trabalho De SET/2000 a JUN/2004. Objetivos: Oferecer suporte técnico e administrativo ao gestor em seus esforços para o reestabelecimento das condições laborais dos empregados, bem como fornecer acompanhamento especializado aos participantes.

3 Programa de Readaptação ao Trabalho Público alvo: * Empregados afastados por licença acidente de trabalho e tratamento de saúde; * Com aspectos da saúde biopsicossocial afetados e sem afastamento do trabalho; * Com dificuldades de integração à equipe ou atividades; * Que necessite de troca de função/ posto de trabalho como forma de prevenção a riscos ocupacionais; * Que tenha sofrido penalidade disciplinar que implique restrições funcionais.

4 Fases: * Triagem * Atenção à saúde * Grupos de atenção * Potencialização laborativa Programa de Readaptação ao Trabalho Saldo final: 534 inscritos no período, sendo que: * 375 foram reabilitados/ desligados; e * 159 permaneceram em acompanhamento.

5 Hoje... PRO Programa de Reabilitação A partir de NOV/2004. Objetivos: Assegurar as condições para a reinserção ou readequação do empregado ao ambiente de trabalho, e sua reabilitação ocupacional.

6 Público alvo: Programa de Reabilitação * Em retorno ao trabalho após licença acidente de trabalho (qualquer período) ou licença tratamento de saúde (180 dias ou mais). * Encaminhados pela Reabilitação Profissional do INSS; * Em retorno ao trabalho por suspensão de aposentadoria por invalidez pelo INSS; * Em atividade, com 3 ou mais afastamentos por doença de sugira sofrimento/ inadequação biopsicossocial; * Em atividade, com necessidade de adequação de posto de trabalho ou mudança de atividade/ área, devido a comprometimento da saúde biopsicossocial; * Outras situações não previstas, conforme avaliação da equipe do PRO ou médico do PCMSO.

7 Programa de Readaptação ao Trabalho Fases: 1. Triagem, Identificação da capacidade laborativa, Definição das atividades e Adequação de posto de trabalho: Sequência de ações com o objetivo de identificar e ajustar o posto de trabalho às condições clínicas/ limitações do empregado. 2. Potencialização laborativa e acompanhamento: Acompanhar o empregado através dos atendimentos, orientar o gestor e equipe, realizar reuniões e elaborar propostas de reabilitação ocupacional. 3. Avaliação e conclusão: Avaliar a necessidade de manutenção no programa e desligá-lo devido à reabilitação, se for o caso.

8 Procedimentos operacionais: Programa de Reabilitação * Equipe PRO: mantém infraestrutura para o programa; credencia profissionais (médicos, psicólogos e assistentes sociais); avalia a inscrição do empregado; realiza entrevistas inicial e de acompanhamento conforme periodicidade estabelecida pelos profissionais; avalia as situações especiais; operacionaliza todas as fases do programa. * Unidade de trabalho do empregado: participa da definição das atividades do empregado; assegura condições de trabalho para reabilitação do empregado; acompanha a evolução do empregado e sinaliza a equipe do PRO sobre alterações necessárias. * Empregado: atende às convocações da equipe do PRO; participa da definição das atividades; realiza avaliações médicas e exames complementares quando solicitados; comunica à equipe do PRO ocorrências que dificultem a reabilitação.

9 Programa de Reabilitação Inscrições (de NOV/2004 a NOV/2011) 1038 inscritos 739 Reabilitados/ Desligados 299 Ativos

10 Programa de Reabilitação 179 (60%) Sexo (ativos) 120 (40%) Feminino Masculino

11 Programa de Reabilitação Motivo de inscrição (ativos) (48%) (22%) (20%) 29 (10%) CID F - transt. mentais e comportamentais CID M - doenças do sistema osteomuscular Outros CID Outros Motivos

12 Programa de Reabilitação Tempo de empresa (ativos) (34%) 120 (40%) de 0 a 5 anos 100 de 6 a 10 anos (14%) 35 (11%) de 11 a 15 anos de 16 a 20 anos (1%) 21 anos ou mais

13 Programa de Reabilitação Idade (ativos) 160 de 18 a 25 anos (53%) de 26 a (0,5%) 69 (23%) 70 (23,5%) de 36 a 45 anos 46 anos ou mais

14 Programa de Reabilitação Facilitadores * Retorno ao trabalho melhor administrado; * Avaliação detalhada da condição de saúde do empregado; * Orientações quanto a questões administrativas, de saúde e comportamentais no retorno ao trabalho; * Interligação com o plano de saúde. Dificultadores * Não acompanhamento do empregado afastado; * Realocação, mudança de unidade ou posto de trabalho; * Despreparo de equipes e gestores para receber o empregado em reabilitação, especialmente quando há limitações para o trabalho; * Excesso de trabalho vs. Qtde. de empregados: cultura do precisamos sempre de mais empregados.

15 GIPES/SP Gerência de Filial Gestão de Pessoas São Paulo/SP

Experiência Programa de Readaptação ao Trabalho PRT. Ministério da Fazenda Caixa Econômica Federal. Responsável: Marcelo Folchetti

Experiência Programa de Readaptação ao Trabalho PRT. Ministério da Fazenda Caixa Econômica Federal. Responsável: Marcelo Folchetti Experiência Programa de Readaptação ao Trabalho PRT Ministério da Fazenda Caixa Econômica Federal Responsável: Marcelo Folchetti Equipe em ordem alfabética: Antonia Alencar de Carvalho; Helena Tavares;

Leia mais

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Natalia Sousa ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Para cada exame médico ocupacional realizado, o médico emitirá o ASO (Atestado de Saúde Ocupacional) em duas vias:

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

DECRETO Nº 084, DE 17 DE JUNHO DE 2013.

DECRETO Nº 084, DE 17 DE JUNHO DE 2013. DECRETO Nº 084, DE 17 DE JUNHO DE 2013. Disciplina os procedimentos a serem adotados para a inclusão do servidor municipal em Programa de Readaptação Funcional, prevista no artigo 60-A da Lei Complementar

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

RH Saúde Ocupacional

RH Saúde Ocupacional Programa de Promoção da Saúde no Ambiente de Trabalho RH Saúde Ocupacional Objetivo Tem como principal objetivo propiciar ambiente de Tem como principal objetivo propiciar ambiente de trabalho e clima

Leia mais

I Seminário Internacional

I Seminário Internacional INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL Diretoria de Saude do Trabalhador I Seminário Internacional Emprego Apoiado no Brasil - Desafios e Perspectivas São Paulo - 31 de maio /01 de junho de 2010 INSTITUTO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTOS 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTOS 2 Índice 1- Exames Médicos Ocupacionais. 2- Controle de Atestados Médicos. 3 - Afastamentos: INSS/Licença Maternidade. 4 - Avaliação Médica.

Leia mais

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Proposta Inicial Versão Preliminar Junho/2013 MODELO DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORAL

Leia mais

Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais

Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais XIII Seminário Sul-Brasileiro de Previdência Pública AGIP Gramado (RS) - 2015 Baldur Schubert, médico. Representante da Organização Iberoamericana

Leia mais

Programa de Readaptação Funcional Hospital Sírio-Libanês

Programa de Readaptação Funcional Hospital Sírio-Libanês Programa de Readaptação Funcional Hospital Sírio-Libanês Maria Laura Barbirato Apparecido Enfermeira do Trabalho A Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio-Libanês HSL IEP Escola de Enfermagem

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA Aprovado em Câmara Municipal a 26 de fevereiro de 2015 Aprovado em Assembleia Municipal a 30 de abril 2015 Projeto de Regulamento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde 29/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares...

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

APRENDENDO OS CAMINHOS DA PERÍCIA MÉDICA NO INSS E OS BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE

APRENDENDO OS CAMINHOS DA PERÍCIA MÉDICA NO INSS E OS BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE APRENDENDO OS CAMINHOS DA PERÍCIA MÉDICA NO INSS E OS BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE SEGURIDADE SOCIAL SAÚDE PREVIDÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Definição de Seguridade Social É um conjunto de ações destinado

Leia mais

Serviço o de Apoio Psicossocial (SAP) Carla Valéria Nogueira

Serviço o de Apoio Psicossocial (SAP) Carla Valéria Nogueira Serviço o de Apoio Psicossocial (SAP) Carla Valéria Nogueira Contextualizando... Grande número de licenças por períodos prolongados, sem avaliação criteriosa de cada caso Cerca de 40% das licenças tem

Leia mais

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP PROJETO A inserção das Famílias no CAMP APRESENTAÇÃO O CAMP-Gna é uma entidade filantrópica sediada em Goiânia, no Setor Central, onde funciona ininterruptamente há 36 anos. Desde 01 de julho de 1973,

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Experiência: PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL - GESTÃO DE PESSOAS BUSCANDO RESULTADOS E O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA

Experiência: PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL - GESTÃO DE PESSOAS BUSCANDO RESULTADOS E O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA Experiência: PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL - GESTÃO DE PESSOAS BUSCANDO RESULTADOS E O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN INSS/DC Nº 118, de 14042005

INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN INSS/DC Nº 118, de 14042005 INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN INSS/DC Nº 118, de 14042005 Art.365. Serão encaminhados para o Programa de Reabilitação Profissional, por ordem de prioridade: I o beneficiário em gozo de auxílio-doença, acidentário

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA REQUERIMENTO Nº,DE 2008 (Do Sr. Rafael Guerra) Requer a realização do III Fórum Nacional da Saúde Ocular. Senhor Presidente, Requeiro a Vossa Excelência, ouvido

Leia mais

60.107 - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL DATA DE APROVAÇÃO: 21/12/1999 ÍNDICE - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL...01/02

60.107 - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL DATA DE APROVAÇÃO: 21/12/1999 ÍNDICE - EXAMES MÉDICOS DE SAÚDE OCUPACIONAL...01/02 60.107 - EXAMES MÉDCOS DE SAÚDE OCUPACONAL DATA DE APROVAÇÃO: 21/12/1999 ÍNDCE CAPÍTULO - GENERALDADES...01/02 - Objetivo - Aplicação - Definições CAPÍTULO - EXAMES MÉDCOS DE SAÚDE OCUPACONAL...01/02 -

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO Preâmbulo O Decreto-Lei nº 389/99, de 30 de Setembro, no artigo 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção

Leia mais

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS.

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Curso de Atualização Semipresencial Gestão das Condições De Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde 1. TÍTULO Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Daniele da Silva

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO Aizenaque Grimaldi de Carvalho Conselheiro do CREMESP Especialista em Medicina do Trabalho Especialista em Medicina Legal e Perícias Médicas Ex Vice-Presidente da Associação Nacional de Medicina do Trabalho

Leia mais

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Gustavo Nicolai Gerente de Saúde e Medicina Ocupacional 1. Sistema de Gestão Integrada de QMSR Ciência 2. Política de QMSR 3. Estrutura

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA A PREVENÇÃO

INFORMAÇÃO PARA A PREVENÇÃO FALANDO SOBRE NEXO EPIDEMIOLOGICO Um dos objetivos do CPNEWS é tratar de assuntos da área de Segurança e Medicina do Trabalho de forma simples de tal forma que seja possível a qualquer pessoa compreender

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II

DIREITO DO TRABALHO II DIREITO DO II Me. Ariel Silva. l Órgãos de segurança SESMT: O Serviço Especializado em engenharia de segurança e em Medicina do Trabalho, SESMT, constitui-se no órgão técnico da empresa composto exclusivamente

Leia mais

Treinamento em Clínica Médica 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE)

Treinamento em Clínica Médica 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE) Treinamento em Clínica Médica 2014 do Pesquisas de Gastroenterologia (IBEPEGE) Reconhecido pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica São Paulo - 2014/2016 Coordenador: Dr. Norton Wagner Ferracini O IBEPEGE

Leia mais

PORTARIA SMS Nº 001/2013. A Secretária de Saúde do município de Salgueiro, no uso de suas atribuições legais:

PORTARIA SMS Nº 001/2013. A Secretária de Saúde do município de Salgueiro, no uso de suas atribuições legais: PORTARIA SMS Nº 001/2013 EMENTA: Dispõe sobre o Programa de Qualificação Profissional, no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde de Salgueiro, para todos os cargos previstos no ANEXO II da Lei Municipal

Leia mais

Segurança e Saúde do Trabalhador PROJETO INTEGRADO DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL CENTRO DE REABILITAÇÃO - SESI SANTO ANDRÉ

Segurança e Saúde do Trabalhador PROJETO INTEGRADO DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL CENTRO DE REABILITAÇÃO - SESI SANTO ANDRÉ Segurança e Saúde do Trabalhador PROJETO INTEGRADO DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL CENTRO DE REABILITAÇÃO - SESI SANTO ANDRÉ Eduardo Arantes Gerente Executivo de Qualidade de Vida 08/05/2014 CASO CLÍNICO:

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS Pág.: 1/9 1. OBJETIVO Demonstrar a aplicabilidade e funcionalidade das ferramentas de Planejamento e Desenvolvimento de Produtos e Projetos bem como as tarefas e responsabilidades para a aprovação, o desenvolvimento,

Leia mais

A D V O G A D O S A S S O C I A D O S

A D V O G A D O S A S S O C I A D O S A D V O G A D O S A S S O C I A D O S O QUE DEVO SABER SOBRE ACIDENTES DE TRABALHO Acidentes de Trabalho são aqueles que ocorrem durante o período no qual o trabalhador está exercendo a atividade que lhe

Leia mais

TÍTULO V DA SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE DE TRABALHO DOS SERVIDORES DA SES/MT CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO V DA SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE DE TRABALHO DOS SERVIDORES DA SES/MT CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO V DA SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE DE TRABALHO DOS SERVIDORES DA SES/MT CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 29 Para efeitos desta lei complementar considera-se segurança, saúde e ambiente de trabalho

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE ITAPETININGA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE ITAPETININGA EDITAL nº 01 /2015 A Direção da EE Cel. Fernando Prestes, torna pública a abertura de inscrição para professores interessados em exercer a FUNÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR para o segmento do Ensino Médio,

Leia mais

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99 de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE LAGOA. Preâmbulo

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE LAGOA. Preâmbulo NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE LAGOA Preâmbulo O decreto lei nº 389/99, de 30 de setembro, no art.º 21º, atribui ao Conselho nacional para a Promoção do Voluntariado (CNVP) competências

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 217-5699 PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA DIREÇÃO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE NATAL PELA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 217-5699 PREFEITURA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria do Planejamento e Gestão - SEPLAG Coordenadoria de Gestão Previdenciária I SEMINÁRIO DE GESTÃO DE PESSOAS

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria do Planejamento e Gestão - SEPLAG Coordenadoria de Gestão Previdenciária I SEMINÁRIO DE GESTÃO DE PESSOAS GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria do Planejamento e Gestão - SEPLAG Coordenadoria de Gestão Previdenciária I SEMINÁRIO DE GESTÃO DE PESSOAS Benefício de Aposentadoria e Abono de Permanência Robson

Leia mais

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Dia 20/01/2012 Sexta Feira Na Associação Paulista de Medicina. ATIVIDADE TEMA DA ATIVIDADE ( Observação

Leia mais

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES: MANUAL DA UNIDADE Prezados Senhores, Com o intuito de promover a excelência e a qualidade na prestação de nossos serviços, vimos por meio deste, agradecer pela confiança e credibilidade. A Engemed Saúde

Leia mais

DANIELE CAROLINA MENEZES DE ARAÚJO HOLGA MARIA DE CASTRO MONTE JERSONITA GOMES MORENO DANIEL RODRIGUES

DANIELE CAROLINA MENEZES DE ARAÚJO HOLGA MARIA DE CASTRO MONTE JERSONITA GOMES MORENO DANIEL RODRIGUES UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I PROFESSOR (A): SUZETE

Leia mais

Projeto de Extensão 1 IDENTIFICAÇÃO DO EVENTO

Projeto de Extensão 1 IDENTIFICAÇÃO DO EVENTO 1 IDENTIFICAÇÃO DO EVENTO Título: PROJETO DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE PESSOAS Data de realização: a partir de 2013 Local de realização: IESUR Clientela: Colaboradores e acadêmicos do IESUR Unidade organizadora

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO DE VOLUNTARIADO DO CARREGADO E CADAFAIS. Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO DE VOLUNTARIADO DO CARREGADO E CADAFAIS. Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO DE VOLUNTARIADO DO CARREGADO E CADAFAIS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e Entidade Promotora O Banco de voluntariado do Carregado e Cadafais, adiante

Leia mais

Dr. José Carlos Steola

Dr. José Carlos Steola n t e p f a p r a t (s a t) Dr. José Carlos Steola Médico do Trabalho Coordenador do Depto de Proteção no Trabalho ( UNIMED de Araras) Médico do Trabalho da Usina Sta Lúcia Araras Médico Coordenador de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 138, DE 11 DE MAIO DE 2006 - REVOGADA. Revogada pela RESOLUÇÃO INSS/PRES Nº 271, DE 31/01/2013

ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 138, DE 11 DE MAIO DE 2006 - REVOGADA. Revogada pela RESOLUÇÃO INSS/PRES Nº 271, DE 31/01/2013 ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 138, DE 11 DE MAIO DE 2006 - REVOGADA Revogada pela RESOLUÇÃO INSS/PRES Nº 271, DE 31/01/2013 Alterada pela ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 164, DE 26 /03/2007 Dispõe

Leia mais

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. FERRAMENTA DE BPM TORNA CONTROLE DE FLUXO HOSPITALAR MAIS EFICAZ NO HCFMUSP Perfil O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

OS ACIDENTES DE TRABALHO EM PORTUGAL

OS ACIDENTES DE TRABALHO EM PORTUGAL 18 de Novembro de 2010 J. Pintado Nunes Director de Serviços de Apoio à Actividade Inspectiva OS ACIDENTES DE TRABALHO EM PORTUGAL Acidentes de trabalho (total) Análise sumária tendência para estabilização

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito) 1. O Banco Local de Voluntariado do Cadaval, adiante designado por BLVC, tem como entidade

Leia mais

Código: MAN-DIPES-007 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAN-DIPES-007 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAN-DIPES-007 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Qualidade de Vida Aprovado por: Diretoria de Gestão de Pessoas 1 OBJETIVO Estabelecer as diretrizes gerais que norteiam

Leia mais

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015 Perfil e Competências Pessoal Não docente Ano Letivo 2014/2015 Introdução A forma de ver e viver na escola dos nossos dias colocou novos desafios à comunidade escolar e levou à necessidade de repensar

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

Regulamento Interno. Objectivo

Regulamento Interno. Objectivo Regulamento Interno Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 08 e os 18 anos, com a finalidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

Hospital de Clínicas Gaspar Viana

Hospital de Clínicas Gaspar Viana Hospital de Clínicas Gaspar Viana Atendimento de Enfermagem na Clínica Psiquiátrica Enf. Sofia Vasconcelos Alves ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM OBJETIVO:Promover ações terapêuticas voltadas para identificar

Leia mais

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Art. 1 - Do serviço de apoio Psicopedagógico - SAPP O serviço de apoio

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema?

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Saber é poder definir. Quando duas pessoas discutem, devem saber primeiro sobre o que discutem.

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2. JUSTIFICATIVA. Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados.

QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2. JUSTIFICATIVA. Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados. QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados. 2. JUSTIFICATIVA Segundo França (1996), a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) representa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

MANUAL DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIAS ESPECIAIS

MANUAL DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIAS ESPECIAIS MANUAL DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIAS ESPECIAIS 1. Objetivo: Este manual contém informações acerca dos procedimentos que deverão ser tomados na ocorrência de qualquer fato que acarrete na utilização de algum

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA?

MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Slide Master MEDICINA DO TRABALHO INVESTIMENTO OU DESPESA? Dr. Cláudio M. da C. Barreto Tel. (21)99588.7203 Consultor em Medicina e Segurança do Trabalho Médico do Trabalho E-mail: claudiomcbarreto@gmail.com

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS COD: NOR 325 APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 240, de 04/06/2012 NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE SEÇÃO I Da Instituição: Art. 1º - O presente Regimento Interno, regula as atividades e as atribuições do Conselho Gestor na Unidade de Saúde, conforme

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP)

PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO (PPP) Os documentos (PPP) que estão anexados foram preparados pela GV Clínicas com os dados contidos no PCMSO, PPRA e LTCAT. É uma exigência do INSS e devem ser entregues

Leia mais

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho 1. OBJETIVO Padronizar e estabelecer requisitos mínimos para a comunicação, investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Nas dependências e em atividades externas

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se EDITORIAL DO CFM Sex, 08 de Maio de 2009 Ato Médico Pericial: Implicações Éticas e Legais A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se tarefa de peritos e de juntas médico-periciais

Leia mais

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Página 1 de 7 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer procedimentos técnico-administrativos para Registro, Análise e Investigação de Acidente do Trabalho envolvendo os servidores públicos e empregados fundacionais

Leia mais

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA ADMINISTRATIVA Responsável pelas atividades médico- -periciais inerentes ao sistema

Leia mais

CAPITULO I DA NATUREZA E PAPEL DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO

CAPITULO I DA NATUREZA E PAPEL DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO CAPITULO I DA NATUREZA E PAPEL DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO

Leia mais

Quem somos. Organização filantrópica, sem fins lucrativos, fundada há 67 anos pela professora Dorina de Gouvea Nowill.

Quem somos. Organização filantrópica, sem fins lucrativos, fundada há 67 anos pela professora Dorina de Gouvea Nowill. . Quem somos Organização filantrópica, sem fins lucrativos, fundada há 67 anos pela professora Dorina de Gouvea Nowill. A necessidade de criar a Fundação surgiu após a dificuldade em encontrar livros em

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO O PCMSOé definido e regulamentado pela Norma Regulamentadora nº 7, contida na Portaria 3214, de 8 de Junho de 1978, do Ministério do Trabalho

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Estabelecer critérios para a padronização do PCMSO visando obter a uniformização dos documentos nas áreas na UNIDADE LOGÍSTICA.

Estabelecer critérios para a padronização do PCMSO visando obter a uniformização dos documentos nas áreas na UNIDADE LOGÍSTICA. 1 1 OBJETIVO Estabelecer critérios para a padronização do PCMSO visando obter a uniformização dos documentos nas áreas na UNIDADE LOGÍSTICA. 2 USUÁRIOS Componentes do SESMT Local Componentes do SESMT Corporativo

Leia mais

Declaro ter ciência do regulamento e concordo com as condições nele contidas.

Declaro ter ciência do regulamento e concordo com as condições nele contidas. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA INTERESSADOS EM PARTICIPAR DO PROCESSO SELETIVO NOME DO MÉDICO: CRM: Atingida: (Espaço Unimed-BH) Orientamos que leia o regulamento anexo, antes de preencher esta ficha ESPECIALIDADE

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Inclusão escolar de crianças e adolescentes com transtornos psíquicos e problemas em seu desenvolvimento.

PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Inclusão escolar de crianças e adolescentes com transtornos psíquicos e problemas em seu desenvolvimento. PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR 1 TITULO DO PROJETO: Inclusão escolar de crianças e adolescentes com transtornos psíquicos e problemas em seu desenvolvimento. 2 SUMÁRIO: Atualmente muito se tem incentivado

Leia mais