ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO AVALPORTUGAL. Plano Estratégico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO AVALPORTUGAL. Plano Estratégico"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO AVALPORTUGAL Plano Estratégico 1

2 Mais Valia da AvalPortugal Desenvolver e aplicar modelos de avaliação Promovendo a inovação e a investigação aplicada, via aproximação entre a comunidade científica e as organizações públicas e privadas Promover a competitividade das organizações Partilhando e incentivando a implementação de melhores práticas, resultantes de iniciativas de benchmarking e estudos comparativos Fomentar relacionamentos e oportunidades de negócio Disponibilizando um network ativo e plataformas de interação entre oferta e procura 2

3 Profissionalização Capacitação Conhecimento Credibilizar métodos e modelos de avaliação, bem como estruturar o mercado e a oferta, proporcionando um enquadramento profissional da avaliação em Portugal Dotar as organizações das competências e ferramentas necessárias à avaliação, bem como agilizar e apoiar na captura de apoio institucional e financeiro para a implementação de soluções Estimular e reconhecer a inovação e a aprendizagem aplicada, partilhando tendências, melhores práticas e casos de sucesso, bem como promover o relacionamento entre a academia e as empresas, e entre potenciais clientes e prestadores de serviços Standardizar abordagens Certificar sistemas Desenvolver competências Implementar soluções Gerar saber Partilhar conhecimento Premiar a inovação 3

4 Profissionalização Credibilizar métodos e modelos de avaliação, bem como estruturar o mercado e a oferta, proporcionando um enquadramento profissional da avaliação em Portugal Standardizar abordagens Criar normativos uniformizados e reconhecidos, baseados em referências internacionais e em parceria com associações congéneres. Certificar sistemas Promover a criação de estruturas de certificação, estabelecendo parcerias com entidades oficiais e recorrendo à criação de uma bolsa de profissionais de avaliação, capazes de reconhecer a conformidade da implementação dos standards e normativos de avaliação.

5 Capacitação Dotar as organizações das competências e ferramentas necessárias à avaliação, bem como agilizar e apoiar na captura de apoio institucional e financeiro para a implementação de soluções Desenvolver competências Criar massa crítica em termos de competências de avaliação, quer através do reconhecimento dos profissionais de avaliação (especialização), quer via formação em conceitos, fundamentos, modelos e ferramentas de avaliação para diversos segmentos (sensibilização e capacidade implementadora). Implementar soluções Estabelecer relacionamentos próximos com: organizações públicas e privadas com vista a identificação e promoção de projetos ou estudos de avaliação, geradores de valor acrescentado; e entidades gestoras de incentivos, para captura de financiamento para a realização de estudos e projetos.

6 Conhecimento Estimular e reconhecer a inovação e a aprendizagem aplicada, partilhando tendências, melhores práticas e casos de sucesso, bem como promover o relacionamento entre a academia e as empresas, e entre potenciais clientes e prestadores de serviços Gerar saber Promover estudos e projetos de investigação científica do foro académico ou aplicado ao tecido empresarial ou a entidades públicas, bem como estimular a realização de behnchmarking com vista à obtenção de referenciais comparativos e identificação de oportunidades de melhoria. Partilhar conhecimento Disponibilizar informação de gestão (via parcerias com observatórios, entidades reguladoras e associações empresariais), conhecimento técnico e um network de relacionamento nacional e internacional. Premiar a inovação Estimular a continua geração de saber, pelo reconhecimento do esforço da investigação e dos resultados obtidos, reforçando a visibilidade da avaliação como cultura e fundamento à melhora e ao aumento da competitividade.

7 Eixos Foco estratégico Premissas e ações chave Profissionalização Capacitação Standardizar abordagens Certificar sistemas Desenvolver competências Implementar soluções Criação do modelo de referência e normas de avaliação Parceria com associações congéneres Criação da bolsa de Avaliadores Protocolos com entidades certificadoras e entidades oficiais Acreditação DGERT Estudo sobre necessidades de formação Criação da oferta formativa Fomento do relacionamento com o POPH Fomento do relacionamento com o Programa Compete Celebração de parcerias estratégicas (associados âncora e prestadores de serviço) Criação da bolsa de projetos Criação da plataforma de prestadores de serviços Criação da bolsa de emprego Criação da bolsa de talentos

8 Eixos Foco estratégico Premissas e ações chave Conhecimento Gerar saber Partilhar conhecimento Premiar a inovação Celebração de protocolos com a comunidade científica, associações empresarias e entidades públicas Criação da comissão científica (responsável pela emissão de pareceres acerca de estudos e projetos de investigação, bem como pela seleção das iniciativas a premiar) Angariação de parceiros e associados (institucionais, congéneres, setorias, temáticos, lusófonos) Criação da plataforma de conhecimento Definição e estruturação dos modelos de relacionamento (reuniões, encontros temáticos, fóruns, blogs,...) Criação da revista anual Criação da newsletter trimestral Criação da conferência anual (inclui cerimónia de entrega dos prémios) Estruturação dos critérios de mérito e tipologias de prémios Angariação de patrocínio político (ex.: PR, COTEC,...)

Cluster Habitat Sustentável

Cluster Habitat Sustentável Workshop Territórios e Cidades Sustentáveis Coimbra, 28.01.2015 Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 1 Cluster Habitat

Leia mais

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. Levando em considerações os aspectos sociais, econômicos e ambientais, o Sistema Federação

Leia mais

Reunião do Steering Committee

Reunião do Steering Committee Projecto Engenharia 2020 Reunião do Steering Committee Ordem dos Engenheiros Lisboa 10 de Maio 2013 Parceiros Estratégicos: Augusto Mateus e Associados (A.M.); MIT Portugal; Ordem dos Engenheiros (O.E.)

Leia mais

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das Cidades Inteligentes em Portugal Programa Operacional Regional Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO

Leia mais

O papel da iniciativa privada no desenvolvimento da gestão pública brasileira

O papel da iniciativa privada no desenvolvimento da gestão pública brasileira O papel da iniciativa privada no desenvolvimento da gestão pública brasileira CONTEXTO BRASIL 1970 90 milhões de habitantes 2010 190 milhões de habitantes... Temos feito muito, mas não o suficiente...

Leia mais

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15 DE AGOSTO DE 2012 NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15/08/12 PAUTA 1. AGENDA PLANEJAMENTO II SEMESTRE 2012 2. ESCRITÓRIO DE PROJETOS

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição.

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição. I. OBJETIVO Esta Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA), tem como objetivo estabelecer os princípios e as diretrizes compatíveis com a natureza e complexidade das atividades e produtos da Instituição,

Leia mais

CURSO: MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

CURSO: MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CURSO: MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS ANO 15/1 : UNIDADE BUENO - SÁBADOS QUINZENAIS DISCIPLINA CARGA HORÁRIA COORDENADOR: Profa Carmen Rizzotto

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

Qual emprego, qual trabalho para as pessoas com perturbação do espetro do autismo (PEA)? José Miguel Nogueira - FPDA

Qual emprego, qual trabalho para as pessoas com perturbação do espetro do autismo (PEA)? José Miguel Nogueira - FPDA Qual emprego, qual trabalho para as pessoas com perturbação do espetro do autismo (PEA)? José Miguel Nogueira - FPDA Estrutura: i) O direito ao emprego versus o direito a uma atividade socio-ocupacional

Leia mais

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços 7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços PERSPECTIVAS MPS.BR MPS BR - 2016 O B J E T I V O PROGRAMA Projeto Projeto Projeto PROGRAMA Projeto Projeto Projeto O B J E T I V O PROGRAMA MPS BR MPS-SW

Leia mais

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua;

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; QUEM SOMOS A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; Especializada em Vida e Previdência, possui portfólio completo para assegurar nossos clientes e seus familiares dos

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Política de da Investimento CPFL Energia Social S.A. do Grupo CPFL Energia Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 4 3. Âmbito

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

Governança Social e Gestão de Redes Organizacionais

Governança Social e Gestão de Redes Organizacionais Governança Social e Gestão de Redes Organizacionais Profa. Marcia Paterno Joppert Prof. Humberto Falcão Martins 2013 ROTEIRO Governança colaborativa Redes Gestão de/em redes Um roteiro e um exemplo de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base

Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base O QUE É REDEAMÉRICA? É UMA REDE TEMÁTICA LIDERADA PELO SETOR EMPRESARIAL COM UMA ESTRATÉGIA HEMISFÉRICA PARA FAZER DO

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DA APAE DE UBERLÂNDIA APAE 2008

PLANO ESTRATÉGICO DA APAE DE UBERLÂNDIA APAE 2008 PLANO ESTRATÉGICO DA APAE DE UBERLÂNDIA APAE 2008 1. NEGÓCIO Inclusão Social 2. MISSÃO Promover a inclusão social, desenvolvendo os potenciais de pessoas com deficiência mental ou múltipla. Através de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS Rua Prefeito Faria Lima, 400, Jardim Maringá, Londrina PR Fone: (43) 3031-5050 CEP: 86.061-450 1 REGULAMENTO

Leia mais

políticas institucionais macroeconômicas e setoriais, e da harmonização de legislações nas áreas que seus interesses sejam comuns e pertinentes.

políticas institucionais macroeconômicas e setoriais, e da harmonização de legislações nas áreas que seus interesses sejam comuns e pertinentes. PROGRAMA DE IDENTIFICACAO DE OPORTUNIDADES TÉCNICAS COM OS PAÍSES DO MERCOSUL NA ÁREA DE INOVAÇÃO, PROPRIEDADE INTELECTUAL E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA 1. INTRODUCAO A Argentina, o Brasil, o Paraguai

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais

Formação de Fundraisers

Formação de Fundraisers Formação de Fundraisers UMA FORMAÇÃO INOVADORA PARA CAPACITAR O TERCEIRO SECTOR Desenvolvido de acordo com o Modelo de Formação Europeu - EFA Certification Parceria ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDRAISING

Leia mais

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de:

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de: Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015 Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME Se precisa de: Prospetar novos Clientes em mercados externos Elaborar um plano de negócios para

Leia mais

Indíce. Índice. 1. Conceito. 2. Abordagem. 3. Onde nos pode encontrar?

Indíce. Índice. 1. Conceito. 2. Abordagem. 3. Onde nos pode encontrar? Indíce Índice 1. Conceito 2. Abordagem 3. Onde nos pode encontrar? Conceito das Lojas da Exportação Conceito das Lojas da Exportação As Lojas da Exportação representam uma oportunidade para alargar a base

Leia mais

INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE

INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE EDITAL 2016 O Presidente do Conselho de Administração do Fundo Mackenzie de Pesquisa, em conformidade com o disposto no artigo nono do Regimento do MACKPESQUISA, COMUNICA: No período de 1º de junho de

Leia mais

COMO FAZER O SEU PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA E PREVIDENCIÁRIA. Consuelo Simões Pinto Vecchiatti

COMO FAZER O SEU PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA E PREVIDENCIÁRIA. Consuelo Simões Pinto Vecchiatti COMO FAZER O SEU PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA E PREVIDENCIÁRIA Consuelo Simões Pinto Vecchiatti Falta Educação! 2016: ABRAPP estabelece o fomento como pauta prioritária, em razão de uma série de fatores

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

Training Course MBA -ASSESSORIA DE DIREÇÃO MELHORES PRÁTICAS

Training Course MBA -ASSESSORIA DE DIREÇÃO MELHORES PRÁTICAS MBA -ASSESSORIA DE DIREÇÃO MELHORES PRÁTICAS DESCRIÇÃO O secretariado ou assessoria de direcção deve contribuir eficazmente para a organização e controlo do trabalho administrativo de uma organização/instituição,

Leia mais

Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública

Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública Interoperabilidade na Saúde - Onde Estamos? 26 de novembro de 2013 Auditório Escola Nacional de Saúde Pública Patrocinadores Globais APDSI Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública Escola

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1 GABINETE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO ISAG PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO 31 de Outubro de 2012 A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI 0 REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 1. OBJETIVOS Através de um concurso de ideias, a iniciativa INOVA! visa: Estimular o espírito empreendedor, criativo e inovador das crianças e dos jovens;

Leia mais

IES. Uma Escola de Empreendedores Sociais. Tiago Ferreira Fundação AEP Setembro 2014

IES. Uma Escola de Empreendedores Sociais. Tiago Ferreira Fundação AEP Setembro 2014 IES Uma Escola de Empreendedores Sociais Tiago Ferreira Fundação AEP Setembro 2014 CONCEITO DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO SOCIAL Empreendedorismo Social é o processo de procura e implementação de soluções

Leia mais

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a:

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a: SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 14 a 15 de abril de 2012 CA-VI/doc.6/12 Rev.2 Cartagena das Índias, Colômbia 23 maio 2012 Original: espanhol MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS As Chefes

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Área de Insumos Básicos Seminário sobre Petróleo e Gás APIMEC RIO Agosto/2012 BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral

Leia mais

TOTAL GERAL 1.000 ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO (OPTATIVA)

TOTAL GERAL 1.000 ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO (OPTATIVA) ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM RECURSOS HUMANOS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4021 19/12/2013 Rev. 01 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 469 de 24/11/2009. DECRETO No 2.929, de 21 de dezembro de

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO Formular e implementar estratégias de gestão com participação, transparência, compromisso, responsabilidade e efetividade, potencializando a administração pública

Leia mais

Comitê Científico do Enangrad

Comitê Científico do Enangrad Comitê Científico do Enangrad Administração Pública Empreendedorismo e Governança Corporativa Ensino, Pesquisa e Formação Docente em Administração Finanças Gestão da Sustentabilidade Gestão de Informações

Leia mais

Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES

A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES 1. O QUE É UMA LEI DE BASES? Uma lei de bases é uma lei

Leia mais

A Norma NP 4457:2007 e as Vantagens da Certificação Workshop de sensibilização para a certificação IDI Évora 16 Dezembro. Miguel Carnide - SPI

A Norma NP 4457:2007 e as Vantagens da Certificação Workshop de sensibilização para a certificação IDI Évora 16 Dezembro. Miguel Carnide - SPI Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. A NORMA NP 4457:2007 REQUISITOS DO SISTEMA DE GESTÃO DA IDI 3. AS VANTAGENS DA CERTIFICAÇÃO EM IDI 2 01.

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina. DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO Esp. Cristina Duarte Ruiz

Universidade Estadual de Londrina. DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO Esp. Cristina Duarte Ruiz Universidade Estadual de Londrina Pró-Reitoria de Planejamento Prof. Dr. Otávio Yassuo Shimba Pró-Reitor DIAGNÓSTICO DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO Esp. Cristina Duarte Ruiz Diretora

Leia mais

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL CONEXÃO VERDE REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL IASEA INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL 1. APRESENTAÇÃO Conexão Verde é uma rede de aprendizagem e colaboração que envolve jovens

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução.

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. Apresentação A QIS O Método O Sistema de Gestão Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. 12 Benefícios 4 Razões Referências 1 Consultoria Tecnologia Consultoria Tecnologia Quem somos

Leia mais

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Santarém, Auditório da ESAS Joaquina Fonseca 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt PAINEL I : REGULAMENTAÇÃO RELATIVA

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

Curso Integrado de Auditores Florestais e de Cadeia de Responsabilidade PEFC Portugal e de Auditores FSC.

Curso Integrado de Auditores Florestais e de Cadeia de Responsabilidade PEFC Portugal e de Auditores FSC. Rua Diana de Liz - Horta do Bispo, Apartado 320 7006-804 Évora Telefone: 266769564/5 FAX: 266769566 E-mail : certis@certis.pt Curso Integrado de Auditores Florestais e de Cadeia de Responsabilidade PEFC

Leia mais

Tecnologias aplicadas à Inteligência Empresarial e Inteligência Competitiva e o Brasil?

Tecnologias aplicadas à Inteligência Empresarial e Inteligência Competitiva e o Brasil? Tecnologias aplicadas à Inteligência Empresarial e Inteligência Competitiva e o Brasil? Daniela Ramos Teixeira Esse artigo mostra uma pequena amostra das nossas conclusões sobre a evolução e o crescimento

Leia mais

Matriz estratégica do PEE

Matriz estratégica do PEE MEC02-000 MEC02-001 MEC02-002 MEC02-003 Matriz estratégica do PEE Ensino (Pré-) Primário MEC02 Ensino Primário Objectivo Geral Assegurar que todas as crianças tenham oportunidade de concluir uma educação

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

Tema do Projeto Educativo: Quero ser grande e feliz

Tema do Projeto Educativo: Quero ser grande e feliz Tema do Projeto Educativo: Quero ser grande e feliz A primeira tarefa da educação é ensinar a ver É através dos olhos que as crianças tomam contacto com a beleza e o fascínio do mundo Os olhos têm de ser

Leia mais

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL ISEL ISEL Sessão de Apresentação no ISEL Manuel Pires Abraços 15 Novembro 2011 Apresentação O Poliempreende é um concurso de ideias e de planos de negócios que tem como objectivo avaliar e premiar projectos

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Treinamento e Desenvolvimento - T&D Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Políticas de RH As práticas de Recursos Humanos do Hospital Santa Catarina estão de acordo com as diretrizes apresentadas

Leia mais

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE

CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE FORUM DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO CARTA DA PLENÁRIA ESTADUAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA DE PERNAMBUCO AO MOVIMENTO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA, AOS MOVIMENTOS SOCIAIS E À SOCIEDADE Recife,

Leia mais

Programas e Instrumentos de Promoção da Inovação

Programas e Instrumentos de Promoção da Inovação Programas e Instrumentos de Promoção da Inovação Fernanda Magalhães Coordenadora de Propriedade Intelectual Coordenadora-Geral de Inovação Tecnológica Subs?tuta Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS PLANILHA DE PACTUAÇÃO DAS - TCG Data da Validação: 31/03/2010 Data da Homologação: 12/04/2010 Revisão Nº:001 Pedido de Revisão: 30/03/2010 Portaria: 2.846 Data da Publicação: 25/11/2008 Estado: ESPIRITO

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Suporte ao desenvolvimento da Rede Saúde & Diplomacia Seguimento

Leia mais

Arq. Milene Abla Scala Diretora e Coordenadora do GT de Sustentabilidade da AsBEA

Arq. Milene Abla Scala Diretora e Coordenadora do GT de Sustentabilidade da AsBEA Arq. Milene Abla Scala Diretora e Coordenadora do GT de Sustentabilidade da AsBEA Grupo de trabalho das AsBEA com início das atividades em 2007 Formado na sua maioria por profissionais dos escritórios

Leia mais

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA Designação: Centro Social de Azurva Endereço: Rua Professor

Leia mais

Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação

Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação Dezembro de 2015 Proposta de prestação de serviços Candidatura ao Subsistema de Incentivos para o Fomento da base económica de exportação Construção de Hotel 4 ou 5 Estrelas S. Vicente A/C: A. Machado,

Leia mais

INOVAÇÃO & DESIGN THINKING

INOVAÇÃO & DESIGN THINKING INOVAÇÃO & DESIGN THINKING Objetivos Disseminar o conceito de Design Thinking como abordagem para implementar uma cultura de inovação. Capacitar os alunos a usar a teoria e as ferramentas do Design Thinking

Leia mais

Gabinete de Empreendedorismo do Município de Albufeira

Gabinete de Empreendedorismo do Município de Albufeira Gabinete de Empreendedorismo do Município de Albufeira O Apoio às Empresas: Criação do CAE Centro de Acolhimento Empresarial Paulo Dias AGE Município de Albufeira AGE Gabinete de Empreendedorismo Nasceu

Leia mais

ECOSSISTEMA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO

ECOSSISTEMA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO JULIANA SALDANHA ECOSSISTEMA DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Empreendedores Inv. Anjos Inst. Ensino Incubadoras Fundos Inv. Empresas Pré-aceleradoras Apoiadores Mentores Aceleradoras Coworkings Governo

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

Prémio Hire.me app. Campanha nacional eskills for Jobs 2016. Regulamento

Prémio Hire.me app. Campanha nacional eskills for Jobs 2016. Regulamento Prémio Hire.me app Campanha nacional eskills for Jobs 2016 Regulamento Na prossecução das suas atribuições legais no domínio da Sociedade de Informação e do Conhecimento em Portugal, em particular ao nível

Leia mais

PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS

PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL Especialização em Gestão Social de Políticas Públicas PLANOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - PAS Janice Merigo Docente UNISUL Assistente Social FECAM social@fecam.org.br

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH)

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) Maputo, Julho de 2015

Leia mais

Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais. Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País

Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais. Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País Consórcio das Universidades Federais do Sul/Sudeste de Minas Gerais Uma proposta inovadora e estratégica para a região, o Estado e o País Consórcio O que não é: Uma Superuniversidade Uma Fusão de Universidades

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

DÍLI - TIMOR LESTE 25, 26 e 27 FEVEREIRO

DÍLI - TIMOR LESTE 25, 26 e 27 FEVEREIRO DÍLI - TIMOR LESTE 25, 26 e 27 FEVEREIRO I FÓRUM ECONÓMICO GLOBAL DA CPLP - A CPLP E A GLOBALIZAÇÃO TIMOR-LESTE COMO PLATAFORMA PARA A COOPERAÇÃO EMPRESARIAL ENTRE A CPLP E A ÁSIA-PACÍFICO Centro de Convenções

Leia mais

Relação de Disciplinas

Relação de Disciplinas Relação de Disciplinas Disciplinas Obrigatórias Nome: Metodologia da Pesquisa Científica Carga Horária: 30 h/a Ementa: Ciência, pesquisa e conhecimento científicos. Ciências básicas, ciência aplicada e

Leia mais

Outsourcing Vs. Body-Shopping Rui Assis

Outsourcing Vs. Body-Shopping Rui Assis Outsourcing Vs. Body-Shopping Rui Assis Project Manager Direcção de Consultoria Empresarial Portugal Telecom Enquadramento A Portugal Outsourcing tem vindo a realizar internamente uma reflexão para identificar

Leia mais

1. Perfil A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965,

1. Perfil A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965, 1. Perfil A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965, para se constituir em uma Instituição de Ensino Superior

Leia mais

Manuel António Paulo 18 de Outubro de 2013 ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP

Manuel António Paulo 18 de Outubro de 2013 ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP Manuel António Paulo 18 de Outubro de 2013 ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP ÍNDICE 01. ENQUADRAMENTO 02. DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO NA APLOP 03. ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO COMPETITIVAS

Leia mais

Carlos Alexandre Nascimento LSE Enterprise

Carlos Alexandre Nascimento LSE Enterprise Carlos Alexandre Nascimento LSE Enterprise PROJETO PPPS EM INFRAESTRUTURA SOCIAL NO NORDESTE DO BRASIL SEMINÁRIO PPPS, BANDA LARGA E INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS APLICADAS AOS SERVIÇOS PÚBLICOS: EXPERIÊNCIAS

Leia mais

Título do Case: Categoria: Temática: Resumo: Introdução:

Título do Case: Categoria: Temática: Resumo: Introdução: Título do Case: Diagnóstico Empresarial - Vendendo e Satisfazendo Mais Categoria: Prática Interna. Temática: Mercado Resumo: Na busca por uma ferramenta capaz de auxiliar na venda de mais consultorias

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais

Incorporação Tecnológica na Atenção Básica Avançando no uso de evidências no nível local

Incorporação Tecnológica na Atenção Básica Avançando no uso de evidências no nível local Incorporação Tecnológica na Atenção Básica Avançando no uso de evidências no nível local Jorge Otávio Maia Barreto, Me, Dr.(c) Secretário Municipal de Saúde de Piripiri (SMS Piripiri) Secretário Extraordinário

Leia mais

POLÍTICA DE ALTERNATIVAS PENAIS: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1

POLÍTICA DE ALTERNATIVAS PENAIS: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1 POLÍTICA DE ALTERNATIVAS PENAIS: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1 1. O INÍCIO: A IMPLANTAÇAO DO PROGRAMA NACIONAL DE PENAS ALTERNATIVAS PELO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Instalado

Leia mais

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO PROJETO DE LEI Institui o Plano Estadual de Cultura da Bahia e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

8096/15 jnt/pbp/ms 1 DG E - 1 C

8096/15 jnt/pbp/ms 1 DG E - 1 C Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de abril de 2015 (OR. en) 8096/15 SPORT 14 EDUC 108 JEUN 32 NOTA de: para: Secretariado-Geral do Conselho Comité de Representantes Permanentes/Conselho n.º doc.

Leia mais

Prospecção de conhecimento no setor público. Lúcia Melo Presidente

Prospecção de conhecimento no setor público. Lúcia Melo Presidente Prospecção de conhecimento no setor público Lúcia Melo Presidente Abril 2006 Questões a considerar Qual a importância de estudos prospectivos para um país? Como pensar e debater o futuro? Como prospectar

Leia mais

PROGRAMAS EXECUTIVOS ISAG

PROGRAMAS EXECUTIVOS ISAG PROGRAMAS EXECUTIVOS ISAG Executive Programs ISAG www.isag.pt VALORES DE FUTURO INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO Bem-vindo aos Programas Executivos do ISAG.

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2015 Associação de Pais e Amigos do Cidadão

PLANO DE ACTIVIDADES 2015 Associação de Pais e Amigos do Cidadão Objectivo Geral Objectivo Especifico Meta Indicador Atividades a desenvolver pela - Elaborar candidaturas a fundos do estado Adquirir e instalar - Pedir orçamentos e analisar as propostas 2 Estufas adquiridas

Leia mais

OS DESAFIOS DA GOVERNANÇA PÚBLICA em tempos de transformação

OS DESAFIOS DA GOVERNANÇA PÚBLICA em tempos de transformação OS DESAFIOS DA GOVERNANÇA PÚBLICA em tempos de transformação Londrina, 31/08/2015 Prof. Caio Marini caiomarini@institutopublix.com.br ARGUMENTO DE PARTIDA BOA GOVERNANÇA CRIA VALOR PARA A SOCIEDADE O ARGUMENTO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTOR DE FORMAÇÃO

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTOR DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTOR DE FORMAÇÃO.Certificado pela ANEF-Associação Nacional de Entidade Formadoras.Certificação CEPESE-DGERT-CNAEF-Área 345 Gestão e Administração Nível 6 ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS DO

Leia mais

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Responsabilidade Social na Galp Energia Responsabilidade Social na Galp Energia COLABORADORES ESPECIALISTAS PÚBLICO EM GERAL A Galp Energia foi

Leia mais

PROJECTO PROMED - 2011/2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED

PROJECTO PROMED - 2011/2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED 1 Caracterização da escola e suas concepções sobre avaliação O Colégio de Nossa Senhora da Paz é uma escola do EPC (ensino particular e cooperativo), propriedade da Província Portuguesa das Irmãs de Santa

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 Apresentação O Curso de Licenciatura em Artes da tem como meta principal formar o professor de artes através de

Leia mais

11) Incrementar programas de mobilidade e intercâmbio acadêmicos. Propiciar a um número maior de discentes a experiência de interação

11) Incrementar programas de mobilidade e intercâmbio acadêmicos. Propiciar a um número maior de discentes a experiência de interação Apresentação A vocação natural da instituição universitária é fazer-se um centro de convergência e articulação de esforços intelectuais, científicos, artísticos e culturais, estimulando o pensamento crítico,

Leia mais