Locais de trabalho seguros e saudáveis Bom para si. Bom para as empresas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Locais de trabalho seguros e saudáveis Bom para si. Bom para as empresas."

Transcrição

1 Locais de trabalho seguros e saudáveis Bom para si. Bom para as empresas. Uma campanha europeia sobre Avaliação de Riscos Manuela Calado Autoridade para as Condições de Trabalho PFN - Ponto Focal Nacional da Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho

2 É errado pensar que as empresas cuidam da segurança porque são ricas; a verdade é que são ricas porque cuidam da segurança. Jacques Malchair 1- AgênciaEuropeiaparaa SST 2- A Campanha Europeia de SST 3-O Dia Internacional da Segurança no Trabalho 3- O Dia Nacional da Prevenção e Segurança no Trabalho

3 AGÊNCIA EUROPEIA PARA A SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO T R I P A R T I S M O EMPREGADORES TRABALHADORES GOVERNOS COMISSÃO

4 AGÊNCIA EUROPEIA PARA A SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO desde 1996 desde 1996 M I S S Ã O LOCAIS DE TRABALHO SEGUROS SAUDÁVEIS PRODUTIVOS LOCAIS DE TRABALHO INFORMAÇÃO DESENVOLVE, RECOLHE ANALISA e DIVULGA

5 FICHAS TÉCNICAS

6 INFORMAR INFORMAR 2000: Não vires as costas às LME 2001: O sucesso não acontece por acidente 2002: Contra o stresse no trabalho 2003: Substâncias perigosas: cuidado! 2004: Construir em segurança 2005: Calem esse ruído! 2006: Crescer em segurança 2007: Atenção! Mais carga não 2008:Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis Bom para si.bom para as Empresas

7

8 REDE DA AGÊNCIA R R E E D D E E OIT OMS EUA CANADÁ AUSTRÁLIA JAPÃO CHINA COREIA EU Focal Points CC Focal Points EEA/EFTA Focal Points G G L L O O B B A A L L

9 1 Coordena a nível nacional as actividades da Agência 2 Recolhe e difunde informação 3 Colabora na elaboração e implementação do plano de actividades da Agencia 4 Coordena as Campanhas Europeias a nível nacional

10 PLANO DE ACTIVIDADES DA AGÊNCIA ESTRATÉGIA COMUNITÁRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Adaptação às transformações do trabalho e da sociedade Stresse Depressão Violência no trabalho Assédio Qualidade no trabalho Químicos Físicos Biológicos ANTECIPAR o conhecimento dos riscos Trabalhadores jovens Maior componente feminina População activa a envelhecer Trabalho temporário Horários (por turnos e nocturno) Contratos de trabalho precários

11 RISCO EMERGENTE risco novo e está a aumentar E ESTÁ A AUMENTAR RISCO NOVO - O NÚMERO DE PERIGOS QUE CONDUZEM AO RISCO ESTÁ A AUMENTAR - O RISCO NÃO EXISTIA ANTERIORMENTE UMA QUESTÃO QUE NÃO É NOVA E É AGORA CONSIDERADA UM RISCO DEVIDO A UMA ALTERAÇÃO NAS PERCEPÇÕES SOCIAIS OU PÚBLICAS OU A UM NOVO CONHECIMENTO CIENTÍFICO A PROBABILIDAE DE EXPOSIÇÃO AO PERIGO QUE CONDUZ AO RISCO ESTÁ A AUMENTAR O EFEITO DO PERIGO NA SAÚDE DOS TRABALHADORES ESTÁ A PIORAR Manuela Calado

12 ALTERAÇÕES DO MUNDO DO TRABALHO ANTECIPAR o conhecimento dos riscos NOVAS FORMAS DE TRABALHO TELE-TRABALHO TRABALHO INDEPENDENTE SUBCONTRATAÇÃO TRABALHO TEMPORÁRIO TRABALHO NOTURNO TRABALHO POR TURNOS Manuela Calado

13 ALTERAÇÕES DO MUNDO DO TRABALHO ANTECIPAR o conhecimento dos riscos NOVAS FORMAS DE ORGANIZAÇÃO DAS EMPRESAS TRABALHO EM EQUIPA ORGANIZAÇÃO MAIS HORIZONTAL MAIOR RESPONSABILIZAÇÃO POLIVALÊNCIA E ROTATIVIDADE TRABALHO POR TURNOS DOWNSIZING, OUTSOURSING Manuela Calado FLEXIGURANÇA

14 ALTERAÇÕES DO MUNDO DO TRABALHO ANTECIPAR o conhecimento dos riscos NOVOS PADRÕES DA POPULAÇÃO TRABALHADORA ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO ACTIVA MAIOR COMPONENTE FEMININA NOVOS FLUXOS MIGRATÓRIOS INTEGRAÇÃO DOS TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA Manuela Calado

15 ALTERAÇÕES DO MUNDO DO TRABALHO ANTECIPAR o conhecimento dos riscos OUTRAS ALTERAÇÕES PRECARIDADE DOS VÍNCULOS LABORAIS NOVAS TECNOLOGIAS Manuela Calado

16 TOP TEN DOS FACTORES DE RISCO BIOLÓGICOS PANDEMIAS AVALIAÇÃO DEFICIENTE DOS RISCOS BIOLÓGICOS EXPOSIÇÃO DE TRABALHADORES A MICROORGANISMOS RESISTENTES A MEDICAMENTOS FALTA DE INFORMAÇÃO SOBRE RISCO BIOLÓGICOS DEFICIENTE MANUTENÇÃO DOS SISTEMAS DE AR CONDICIONADO E DE ÁGUA INADEQUADA FORMAÇÃO EM SST DO PESSOAL DAS AUTORIDADES LOCAIS RISCOS BIOLÓGICOS EM UNIDADES DE TRATAMENTO DOS RESÍDUOS EXPOSIÇÃO COMBINADA A BIOAEROSSÓIS E A PRODUTOS QUÍMICOS ENDOTOXINAS Manuela Calado BOLORES EM LOCAIS DE TRABALHO FECHADOS

17 TOP TEN 10 FACTORES DE RISCOS FÍSICOS EMERGENTES 1 FALTA DE ACTIVIDADE FÍSICA 2 EXPOSIÇÃO ASSOCIADA A LESÕES MÚSCULO- ESQUELÉCTICAS E A FACTORES DE RISCO PSICOSSOCIAIS 3 FALTA DE SENSIBILIDADE PARA OS RISCOS TÉRMICOS ENTRE GRUPOS DE TRABALHADORES DE ESTATUTO INFERIOR EXPOSTOS A CONDIÇÕES TÉRMICAS DESFAVORÁVEIS 4 COMPLEXIDADE DAS NOVAS TECNOLOGIAS E INTERFACE HOMEM MÁQUINA 5 RISCOS MULTIFACTORIAIS 6 DESCONFORTO TÉRMICO 7 PROTECÇÃO INSUFICIENTE DE GRUPOS DE ALTO RISCO CONTRA RISCOS ERGONÓMICOS PROLONGADOS 8 AUMENTO GERAL DA EXPOSIÇÃO A RADIAÇÕES UV 9 EXPOSIÇÃO ASSOCIADA A VIBRAÇÕES E TRABALHO MUSCULAR 10 EXPOSIÇÃO COMBINADA A VIBRAÇÕES E POSTURAS INCORRECTAS Manuela Calado

18 TOP TEN 10 FACTORES DE RISCOS QUÍMICOS EMERGENTES 1 Partículas (as nanopartículas 2 Os gases de escape dos motores a gasóleo classificados como provavelmente cancerígenos (cancro e lesões não cancerígenas nos pulmões) o quarto agente cancerígeno mais frequente no local de trabalho 3 As fibras sintéticas e artificiais são materiais em constante evolução. A inalação de estruturas fibrosas aumenta o potencial inflamatório, citotóxico e cancerígeno quanto mais longas e mais finas forem as fibras, mais perigosas são. 4 Os isocianatos. Fabrico de espumas, fibras, elastómeros, materiais de isolamento para a construção civil, tintas e vernizes. pintura à pistola, soldadura ou abrasão de carroçarias de automóveis. São fortes sensibilizadores da asma e irritantes das mucosas 5 Agentes alergénicos e sensibilizadores. As resinas epoxídicas utilizadas no fabrico de adesivos podem ter efeitos nocivos na saúde (dermatite de contacto alérgica profissional, sensibilização cutânea, irritação dos olhos e das vias respiratórias, urticária de contacto, rinite e asma) 6 Controlo deficiente dos riscos químicos nas PME 7 Substâncias cancerígenas, mutagénicas e reprotóxicas O amianto, a sílica cristalina, a serradura, os solventes orgânicos, os desreguladores endócrinos, os poluentes orgânicos persistentes, as aminas aromáticas, os biocidas, os corantes azóicos 8 Substâncias perigosas no tratamento de resíduos 9 Substâncias perigosas no sector da construção 10 Riscos combinados. Foram identificadas combinações de riscos químicos e psicossociais, como o controlo deficiente dos riscos químicos nas pequenas e médias empresas

19 NOVAS REALIDADES NO MUNDO DO TRABALHO RISCOS NOVAS EPIDEMIAS NOVAS TECNOLOGIAS NOVOS PROCESSOS PRODUTIVOS Químicos Físicos Biológicos NOVOS PRODUTOS QUÍMICOS AUMENTO DAS PME Manuela Calado

20 TOP TEN 10 FACTORES DE RISCOS PSICOSSOCIAL EMERGENTES 1 CONTRATOS PRECÁRIOS NO CONTEXTO DE UM MERCADO DE TRABALHO INSTÁVEL 2 MAIOR VULNERABILIDADE DOS TRABALHADORES NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO 3 NOVAS FORMAS DE CONTTRATOS DE TRABALHO 4 SENTIMENTO DE INSEGURANÇA NO EMPREGO 5 MÃO DE OBRA EM ENVELHECIMENTO 6 HORÁRIOS DE TRABALHO LONGOS 7 INTENSIFICAÇÃO DO TRABALHO 8 FRACA PRODUÇÃO E EXTERNALIZAÇÃO 9 EXIGÊNCIAS EMOCIONAIS ELEVADAS NO TRABALHO Manuela Calado 10 DIFÍCIL CONCILIAÇÃO ENTRE A VIDA PROFISSIONAL E A VIDA PRIVADA

21 RISCOS VIOLÊNCIA NO TRABALHO NOVOS PADRÕES SOCIAIS ASSÉDIO NOVOS CONSUMOS RISCOS PSICOSSOCIAIS NOVAS FORMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DEPRESSÃO NOVAS TECNOLOGIAS STRESSE A CRISE ECONÓMICO/ FINANCEIRA Manuela Calado

22 O STRESSE - uma questão prioritária na UE. STRESSE A dimensão do problema - uma questão prioritária na UE O FUTURO O número de pessoas que sofrem de SRT tende a aumentar Em 2020 será a principal causa de incapacidade global.

23 FACTORES DE RISCO PSICOSSOCIAIS E ORGANIZACIONAIS E SAÚDE OCUPACIONAL 3 Х problemas cardíacos 2 a 3 Х abuso de drogas 3 Х dores das costas 2 a 3 Х lesões PRESSÃO ELEVADA BAIXO CONTROLO DA TAREFA ESFORÇO ELEVADO BAIXA RECOMPENSA 2 a 3 Х conflitos 5 Х alguns cancros 2 a 3 Х infecções 2 a 3 Х problemas de saúde mental Manuela Calado Burton,J e Shaine M - OMS-GOHNET NEWESLETTER, ISSUE Nº1,2006

24 NOVA ESTRATÉGIA PARA A SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Desenvolver a qualidade e a produtividade no trabalho Antecipar os riscos resultantes das transformações sociais actuando: Grupos de risco: jovens Idosos migrantes trabalhadores precários Sectores de risco Construção/engª civil Agricultura Saúde Serviços de apoio social Pescas Transportes Riscos Músculo-esquelécticas Picadas de agulhas Stresse psicológico Novos riscos (violência no trabalho Manuela Calado consumos aditivos Tabagismo) Proibição do amianto.

25 AS DOENÇAS PROFISSIONAIS ESTÃO A AUMENTAR ESTRATÉGIA COMUNITÁRIA DE SST Adaptação às transformações do trabalho e da sociedade PME (falta de recursos para implementar sistemas de SST) AVALIAÇÃO 28% dos trabalhadores declaram sofrer de problemas causados ou agravados pelo trabalho 35% dos trabalhadores afirmam que o seu trabalho representa risco para a saúde.e a redução dos riscos não é homogénea...a implementação da legislação não é igual em todos os EM Jovens Mulheres Idosos Trabalhadores precários Migrantes Aumento das doenças profissionais: MÚSCULO ESQUELÉCTICAS STRESSE e Mudança nos riscos: violência no trabalho, assédio moral e sexual Mudança nos padrões de trabalho Construção/engª civil Agricultura Saúde e serviços de apoio social Pescas Transportes

26 A REALIDADE QUE DESCONHECEMOS Desconhecemos a dimensão da população exposta Sub notificação das DP Sistema Estatístico inadequado Falta de cultura de segurança nas empresas Existem lacunas graves em termos de formação 2/3 das empresas com serviços organizados fazem-no por imperativo legal e não por necessidade Falta de conhecimento por parte das empresas do impacto dos serviços de prevenção

27 E TUDO ISTO TEM ENORMES CUSTOS Custos humanos, para os trabalhadores e suas famílias Custos para as organizações/empresas (baixas por doença, custos de seguros, produtividade, rotação, motivação, competitividade, etc.). Custos para a sociedade (sobrecarga crescente para os sistemas de saúde).

28 A solução está aquí O papel das Semanas Europeias promovidas pela Agência E INDICAR SOLUÇÕES PARA A PREVENÇÃO DOS RISCOS MELHORAR OS ÍNDICES DE SEGURANÇA E SAÚDE NA EUROPA REFORÇAR A CULTURA DE SEGURANÇA

29 TORNAR A AVALIAÇÃO DE RISCOS UMA REALIDADE

30 PRIMEIRO PASSO PARA A SOLUÇÃO Duração 2 anos (2008 e 2009) 2 Semanas Europeias (Outubro) Cimeira de avaliação de riscos em Novembro de 2009 Prémio Europeu de Boas Práticas (31 de Julho)

31 Consolidar o trabalho de Cultura de segurança Qualidade no emprego

32 A AVALIAÇÃO DE RISCOS É A CHAVE A AVALIAÇÃO DE RISCOS É um exame sistemático de todos os aspectos do trabalho com vista a: Apurar o que poderá provocar danos Se é ou não possível eliminar os perigos E, no caso negativo, que medidas de prevenção ou de protecção podem ser tomadas para controlar os riscos

33 A AVALIAÇÃO DE RISCOS É A CHAVE Lei do enquadramento da Segurança e Saúde no Trabalho Princípios orientadores que visam promover A segurança, higiene e saúde no trabalho aos quais se deverão subordinar os normativos nacionais Directiva 89/391/CEE Decreto Lei nº 441/91 de 14 de Novembro Garante uma efectiva prevenção de riscos

34 Directivas especiais AVALIAR OS RISCOS AVALIAÇÃO DE RISCOS Movimentação manual de cargas Equipamentos de protecção individual Equipamentos dotados de visor Equipamentos de trabalho Sinalização de segurança

35 Directivas especiais AVALIAR OS RISCOS ESPECÍFICOS Movimentação manual de cargas Equipamentos de protecção individual Equipamentos dotados de visor Equipamentos de trabalho Sinalização de segurança Directivas relativas a riscos específicos Substancias perigosas Exposição a agentes biológicos no trabalho Estaleiros temporários ou móveis Agentes cancerígenos Utilização confinada de microrganismos geneticamente modificados Instalações radiológicas Ruído Vibrações Vinilo monómero Chumbo Amianto Radiações ionizantes

36 A AVALIAÇÃO DE RISCOS É A CHAVE Directivas especiais Movimentação manual de cargas Equipamentos de protecção individual Equipamentos dotados de visor Equipamentos de trabalho Sinalização de segurança Directivas relativas a riscos específicos Substancias perigosas Exposição a agentes biológicos no trabalho Estaleiros temporários ou móveis Agentes cancerígenos Utilização confinada de microrganismos geneticamente modificados Instalações radiológicas Ruído Vibrações Vinilo monómero Chumbo Amianto Radiações ionizantes Sectores de alto risco Minas e pedreira Pescas Estaleiros da Construção

37 AVALIAR OS RISCOS É PROTEGER O FUTURO Lei do enquadramento da Segurança e Saúde no Trabalho Directivas especiais Movimentação manual de cargas Equipamentos de protecção individual Equipamentos dotados de visor Equipamentos de trabalho Sinalização de segurança Sectores de alto risco Minas e pedreira Pescas Estaleiros da Construção Directivas relativas a riscos específicos Substancias perigosas Exposição a agentes biológicos no trabalho Estaleiros temporários ou móveis Agentes cancerígenos Utilização confinada de microrganismo geneticamente modificados Instalações radiológicas Ruído Vibrações Vinilo monómero Chumbo Amianto Radiações ionizantes Grupos especiais de risco Grávidas Menores IDOSOS

38 AVALIAR OS RISCOS É PROTEGER O FUTURO TRABALHO DE MENORES Obrigações do empregador Avaliar os riscos antes do início da actividade Garantir acompanhamento e formação na integração dos jovens

39 PARTICIPA QUEM SABE Identificar todos os perigos ou combinações de perigos susceptíveis de causar lesões Identificar os indivíduos que estejam ou possam vir a estar em perigo Estimativa (qualitativa ou quantitativa) do risco em causa Avaliar os riscos Estudo da possibilidade de eliminar o risco, se tal for possível Definir as medidas adequadas para prevenir ou reduzir o risco Implementar medidas susceptíveis de eliminar completamente o perigo Medidas de protecção que protejam todos os trabalhadores METODOLOGIA Controlar o risco: Equipamento protecção adequada Reorganização dos postos de trabalho Reavaliar os riscos e analisar as medidas de prevenção Envolver os trabalhadores ou os seus representantes Informar e formar os trabalhadores

40 AVALIA QUEM SABE É PRECISO CONHECER OS PROCESSOS DE FABRICO A LEGISLAÇÃO A BIBLIOGRAFIA MAIS RECENTE A AVALIAÇÃO DE RISCOS A FORMAÇÃO EM SST SÃO PROCESSOS EM CURSO

41 A AVALIAÇÃO DE RISCOS NÃO É COMPLEXA COMPLEXA BUROCRÁTICA NÃO É SÓ PARA PERITOS

42 AVALIAR TODOS OS RISCOS É RESPONSABILIDADE DO EMPREGADOR Lei nº nº 99/2003 Documento do Acrobat Lei nº nº 35/2004 e competência do Técnico de SHT Manuela Calado

43 AVALIA QUEM SABE Princípios gerais da Prevenção 1. Evitar os riscos 2. AVALIAR os riscos que não podem ser evitados 3 Adaptar o trabalho ao homem 4 ADAPTAÇÃO Á EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA 5 Substituir o que é perigoso pelo que é seguro ou menos perigoso 6 Conceber uma política global de prevenção coerente que abranja todas as cargas exercidas sobre o corpo 7 Privilegiar as medidas de protecção colectiva relativamente ás medidas de protecção individual 8 Dar instruções adequadas aos trabalhadores

44 TAMBÉM OS RISCOS PSICOSSOCIAIS Stresse no trabalho uma questão prioritária Segunda maior causa de problemas de saúde relacionados com o trabalho. Afecta cerca de um em cada quatro trabalhadores da UE. PRINCIPAL CAUSA DE ABSENTISMO O número de pessoas que sofrem de SRT tende a aumentar.

45 STRESSE a dimensão do problema em Portugal? 1/4 da população sofre de depressão A depressão é a maior causa de absentismo As principais doenças são do foro cardíaco Ministério da Saúde

46 RECONHECIMENTO

47 NOVA ESTRATÉGIA PARA A SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Desenvolver a qualidade e a produtividade no trabalhoa nível Internacional MEDIDAS Promoção da SST a nível Internacional Reforço de protecção global (OIT E OMS) Promover a adopção das Convenções da OIT Promover a implementação da Estratégia Global sobre SST adoptada pela OIT em 2003 e a ratificação da Convenção sobre SST adoptada em 2006 Promover a proibição da produção, comercialização e utilização de amianto e produtos que o contenha Estreitar a colaboração com outras economias desenvolvidas (EUA) e economias emergentes (China)

48 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE de Abril de 1966 Congresso ds Sindicatos Canadianos - Jornadas Nacionais de Luto ONU acende um memorial às vítimas dos acidentes e das doenças profissionais 28 de Abril de 2001 OIT - Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho

49 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE de Abril de 2005 TRABALHO DIGNO O trabalho digno é um trabalho produtivo realizado em condições de liberdade, remunerações e horários compatíveis, protecção da mulher e dos jovens e realizado em segurança e saúde física e psíquica Convenções Recomendações

50 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE 2009 TRABALHO DIGNO Direitos fundamentais: Igualdade Protecção social Segurança e saúde Irradicação da pobreza

51 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE Tratado de Paz de Versalhes criação da OIT Uma paz universal e duradoura só pode ser fundamentada com base na justiça social Declaração de Filadélfia Fomentar entre todas as nações do mundo programas que permitam entre outros objectivos proteger adequadamente a vida e a saúde dos trabalhadores de todo o mundo e de todos os sectores Todos os seres humanos têm o direito de prosseguir o seu progresso material e o seu desenvolvimento espiritual com liberdade e dignidade, com segurança económica e igualdade de oportunidades e a pobreza onde quer que exista, constitui um perigo para a prosperidade de todos

52 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE Locais de trabalho seguros e saudáveis Uma sociedade mais justa e com melhores condições de vida para a população EXERCÍCIO DE CIDADANIA Tornar o trabalho digno uma realidade

53 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE 2009 TRABALHO DIGNO: UTOPIA REALISTA Se a OIT fala de dinâmica de dignidade é para sublinhar que o trabalho digno ainda não é uma realidade em nenhuma parte do mundo. Cabe a nós velar para que as condições de trabalho sejam cada vez mais dignas em todo o mundo trata-se de uma utopia através da qual queremos mobilizar a sociedade global á esfera local. Porque só as utopias realistas podem mudar o mundo. Padre Dominique Peccoud Reunião do Comité Económico e Social Europeu

54 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE de Abril de 2008 A minha vida O meu trabalho O meu trabalho em segurança Gestão de riscos

55 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE 2009 TRABALHO DIGNO Trabalho seguro e saudável Agir no domínio do emprego, da protecção social, das normas, direitos e princípios fundamentais do trabalho e do diálogo social

56 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE Saúde e vida no trabalho : um direito humano fundamental TRABALHO DIGNO Um mundo melhor começa aqui Manuela Calado

57 DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE 2009 *Lembrar as vítimas de acidente e doença profissional * Morrem, diariamente em todo o mundo, vítimas de acidente e doença profissional mais de 2,2 milhões de pessoas * A cada três minutos e meio morre uma pessoa na União Europeia por causas relacionadas com o trabalho * Em Portugal, diariamente, morrem duas pessoas vítima de acidente ou doença profissional

58 DIA NACIOAL DA PREVENÇÃO E SEGURANÇA NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE 2009 Portugal 2001 Resolução da Assembleia da República nº 44/2001 de 7 de Junho Criou o Dia Nacional da Prevenção e Segurança no Trabalho e recomendou ao Governo: A realização, neste dia, de CAMPANHAS DE INFORMAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO para reduzir os acidentes e as doenças profissionais e promover uma cultura de segurança Apresentação do relatório anual de actividades à Assembleia da República Manuela Calado

59 DIA NACIOAL DA PREVENÇÃO E SEGURANÇA NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE 2009 Manuela Calado

60 DIA NACIOAL DA PREVENÇÃO E SEGURANÇA NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE 2009 Manuela Calado

61 DIA NACIOAL DA PREVENÇÃO E SEGURANÇA NO TRABALHO 28 DE ABRIL DE 2009 * Os acidentes e as doenças profissionais não fazem parte do trabalho * È preciso viver a vida em segurança e saúde. * É preciso prevenir os riscos em casa, nos transportes e no trabalho. * A sua família e os seus amigos precisam de si.

62 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO O QUE É O STRESSE RELACIONADO COM O TRABALHO? A vida, a integridade física e a segurança e saúde no trabalho são direitos fundamentais inscritos na Constituição da República Portuguesa. RESPONSABILIDADE DE TODOS NÓS

63 NO TEMPO EM QUE OS ANIMAIS FALAVAM, houve um incêndio na floresta, e todas as áreas ficaram cercadas por um fogo denso. O vento assobiava por todos os lados e os animais não tinham para onde fugir, ficaram barrados à frente de um rio. O que vamos fazer diz o elefante? E agora, dizia o leão? Vamos atravessar o rio, dizia outro....mas há fogo do outro lado da margem... E a confusão instalou-se... As aves não conseguiam voar alto... De repente todos pararam e viram que o beija-flor ia até à margem do rio, mergulhava, levava algumas gotas de água no bico e voava até ao fogo deixando uma gotinha cair sobre as labaredas. O elefante virou-se e falou: estás louco, beija-flor? Achas que com esta simples gotinha poderás apagar um incêndio tão grande? O Beija-flor respondeu: Conto do Beija-Flor Se calhar não mas eu estou a fazer a minha parte...!

07-06-2011. A persistência é o caminho do êxito. R E D E G L O B A L. http://hw.osha.europa.eu. Porto, 7 de Junho de 2011

07-06-2011. A persistência é o caminho do êxito. R E D E G L O B A L. http://hw.osha.europa.eu. Porto, 7 de Junho de 2011 A persistência é o caminho do êxito. Porto, 7 de Junho de 2011 http://hw.osha.europa.eu R E D E OIT OMS EUA CANADÁ AUSTRÁLIA JAPÃO CHINA COREIA G L O B A L 1 LOCAIS DE TRABALHO SEGUROS SAUDÁVEIS PRODUTIVOS

Leia mais

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE DO TRABALHO BOAS PRÁTICAS EM MEIO HOSPITALAR 26-11-2008 10% dos trabalhadores da União Europeia sector da saúde e da protecção social A taxa de acidentes de trabalho no sector

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis Autoridade para as Condições de Trabalho PFN-Ponto Focal Nacionalda AgênciaEuropeiapara a Segurança e Saúde no Trabalho Manuela Calado 28 DE ABRIL DIA MUNDIAL DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 28 de Abril

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS

V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS As PME s na Europa As PME s são a espinha dorsal da economia portuguesa, sendo responsáveis por grande

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS: Módulo I - Noções de Estatística e Fiabilidade (30 Horas)! Obtenção, análise e classificação de amostras;! Tratamento

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho)

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho) Destinatários/Público-alvo: Activos com qualificação de nível superior (Licenciatura ou Bacharelato), que tenham interesse e motivação pelas actividades de Segurança e Higiene do Trabalho, considerando-se,

Leia mais

As organizações do trabalho

As organizações do trabalho Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 12º Ano Apresentação nº 9 As organizações do trabalho Pedro Bandeira Simões Professor

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VI Riscos Químicos Parte 1 um Guia Técnico de Março de 2008 Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL 2 OBrasil tem uma legislação ampla sobre a proteção da criança e do adolescente e a proibição do trabalho infantil. Vamos conhecê-la? A Constituição Federal

Leia mais

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Sector da Reparação Automóvel www.campanhaquimicos.eu Avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas Campanha Europeia CARIT Comité dos

Leia mais

Conteúdos: 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas)

Conteúdos: 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas) : 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas) Objectivo(s): Aplicar técnicas e métodos de avaliação dos factores psicossociais. Proceder a nível psicossocial a alterações na organização do trabalho ou no

Leia mais

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE- OBRA INFANTIL!

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE- OBRA INFANTIL! Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Carlos Lupi Ministro do Trabalho e Emprego André Figueiredo Secretário-Executivo Ruth Beatriz de Vasconcelos Vilela Secretária de Inspeção do Trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Serviço de Segurança e Saúde no Trabalho AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Jorge Dias Médico do Trabalho, Assistente Graduado de Medicina do Trabalho Ana Catarina Lança TSSHT, Mestre em Saúde Ocupacional

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXI Acidentes de Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

CONVENÇÃO 184 CONVENÇÃO SOBRE A SEGURANÇA E A SAÚDE NA AGRICULTURA, 2001

CONVENÇÃO 184 CONVENÇÃO SOBRE A SEGURANÇA E A SAÚDE NA AGRICULTURA, 2001 CONVENÇÃO 184 CONVENÇÃO SOBRE A SEGURANÇA E A SAÚDE NA AGRICULTURA, 2001 A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho; Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração da Repartição

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Formação. Curso 015_862 TÉCNICO/A SUPERIOR DE SEGURANÇA, HIGIENE DO TRABALHO

Formação. Curso 015_862 TÉCNICO/A SUPERIOR DE SEGURANÇA, HIGIENE DO TRABALHO Curso 015_862 TÉCNICO/A SUPERIOR DE SEGURANÇA, HIGIENE DO TRABALHO Objectivos Assegurar a implementação e desenvolvimento, nos locais de trabalho, de serviços de prevenção e de protecção contra riscos

Leia mais

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional João Crisóstomo Pereira Borges Universidade de Coimbra - Faculdade de Medicina ARS de Centro, IP Especialista em Saúde Pública e em Medicina do Trabalho

Leia mais

PREVENÇÃO E SEGURANÇA PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE. Rui Veiga - SST

PREVENÇÃO E SEGURANÇA PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE. Rui Veiga - SST PREVENÇÃO E SEGURANÇA PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRABALHO Rui Veiga - SST 2 EVOLUÇÃO DA PREVENÇÃO E SEGURANÇA PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRABALHO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.2.2007 COM(2007) 62 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Melhorar

Leia mais

Criar uma cultura de segurança e saúde no trabalho na União Europeia

Criar uma cultura de segurança e saúde no trabalho na União Europeia Agência Europeia para a Segurança e a Saúde no Trabalho Criar uma cultura de segurança e saúde no trabalho na União Europeia Síntese do Relatório Anual 2005 ISSN 1725-7816 1. 2. 3. Síntese do Relatório

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

Saúde e Segurança no Trabalho Indústria extractiva Produtores de lajes e calçada portuguesa

Saúde e Segurança no Trabalho Indústria extractiva Produtores de lajes e calçada portuguesa centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Saúde e Segurança no Trabalho Indústria extractiva Produtores de lajes e calçada portuguesa Francisco Silva Câmara Municipal de Porto de Mós 24.02.2010

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais 3 Amianto 4 Aparelhos de Elevação e Movimentação 5 Atmosferas Explosivas 5 Caixões de Ar Comprimido 5

Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais 3 Amianto 4 Aparelhos de Elevação e Movimentação 5 Atmosferas Explosivas 5 Caixões de Ar Comprimido 5 Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais 3 Amianto 4 Aparelhos de Elevação e Movimentação 5 Atmosferas Explosivas 5 Caixões de Ar Comprimido 5 Chumbo 5 Código do Trabalho e Regulamentação 5 Construção

Leia mais

Promoção da saúde e da segurança no local de trabalho

Promoção da saúde e da segurança no local de trabalho C 304 E/400 Jornal Oficial da União Europeia PT 1.12.2005 10. Acolhe favoravelmente, neste contexto, a decisão unanimemente adoptada pelo Conselho em 26 de Agosto de 2004 ( 1 ) no sentido de impor restrições

Leia mais

I. Trabalho digno como resposta à crise

I. Trabalho digno como resposta à crise I. Trabalho digno como resposta à crise 1. A crise económica mundial e as suas consequências demonstram que o mundo está confrontado com a perspectiva de um aumento prolongado do desemprego, da pobreza

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO AGRÍCOLA

SEGURANÇA NO TRABALHO AGRÍCOLA SEGURANÇA NO TRABALHO AGRÍCOLA PREVENÇÃO DOS RISCOS NA AGRICULTURA O CASO ESPECÍFICO DAS HÉRNIAS DISCAIS Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exmo. Sr. Presidente do

Leia mais

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Papel da escola na promoção de uma cultura de HSST no trabalho PANORAMA GERAL: 330 000 acidentes de trabalho/ano 22% afecta os jovens com idade inferior

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

Ambientes de Trabalho Saudáveis e Produtividade. Samuel Antunes 25.11.15

Ambientes de Trabalho Saudáveis e Produtividade. Samuel Antunes 25.11.15 Ambientes de Trabalho Saudáveis e Produtividade Samuel Antunes 25.11.15 Local de Trabalho Saudável As Organizações que são lugares de trabalho saudáveis: Desenvolvem acções de promoção da saúde física

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens RESOLUÇÃO LUTAR CONTRA AS DISCRIMINAÇÕES CONSTRUIR A IGUALDADE Marinha Grande 15 de Maio de 2015 RESOLUÇÃO Lutar contra as discriminações Construir

Leia mais

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança BOAS PRÁTICAS PREVENTIVAS PORTUCEL - Fábrica de Cacia Paula Lima (Técnico Sup. HST) 100505PL1P 1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança ENQUADRAMENTO LEGAL Ver em pormenor no Artº 98º da DL

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XV Higiene no Trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XV Higiene no Trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XV Higiene no Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

ULTRAPASSAR A CRISE: UM PACTO GLOBAL PARA O EMPREGO. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

ULTRAPASSAR A CRISE: UM PACTO GLOBAL PARA O EMPREGO. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, ULTRAPASSAR A CRISE: UM PACTO GLOBAL PARA O EMPREGO A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Tendo ouvido os Chefes de Estado, os Vice-Presidentes, os Primeiros-Ministros assim como

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade QUESTIONÁRIO N.º O presente inquérito tem como objectivo registar as opiniões dos trabalhadores que trabalham na Construção Civil, com vista a recolher informações relativamente às condições ambientais

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria

O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria 7 de Maio 2013 O desafio da gestão da segurança e saúde no trabalho na indústria Realidade da SST em Portugal Parte I A realidade das empresas em SST pode ser analisada com base nos dados conhecidos sobre:

Leia mais

PREVENÇÃO Uma Estratégia Global. Escritório da OIT no Brasil www.oit.org/brasilia brasilia@oitbrasil.org.br www.oit.org/safework/safeday

PREVENÇÃO Uma Estratégia Global. Escritório da OIT no Brasil www.oit.org/brasilia brasilia@oitbrasil.org.br www.oit.org/safework/safeday PREVENÇÃO Uma Estratégia Global Escritório da OIT no Brasil www.oit.org/brasilia brasilia@oitbrasil.org.br www.oit.org/safework/safeday Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho Antecedentes Instituído

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

1º Forúm Amianto O AMIANTO MATA! PRIMEIRO OS TRABALHADORES, AS PESSOAS E O AMBIENTE EM QUE VIVEMOS

1º Forúm Amianto O AMIANTO MATA! PRIMEIRO OS TRABALHADORES, AS PESSOAS E O AMBIENTE EM QUE VIVEMOS 1º Forúm Amianto O AMIANTO MATA! PRIMEIRO OS TRABALHADORES, AS PESSOAS E O AMBIENTE EM QUE VIVEMOS ARMANDO FARIAS 1 O enorme desenvolvimento do uso do amianto a partir dos finais do século XIX, com a descoberta

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

na União Europeia: um estudo-piloto

na União Europeia: um estudo-piloto A g ê n c i a E u r o p e i a p a r a a S e g u r a n ç a e a S a ú d e n o T r a b a l h o 4 A fim de promover a melhoria, nomeadamente, das condições de trabalho, para proteger a segurança e a saúde

Leia mais

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 P. Quando entrará em funcionamento o PNAAS? O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS) foi aprovado pela Resolução de Conselho de Ministros

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

Guias práticos EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS

Guias práticos EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS Guias práticos EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS Catalogação Recomendada Exposição a agentes químicos/alice Rodrigues [et al.]. Lisboa: ACT, 2014. 16 p.; 30 cm Semana Europeia / Substâncias perigosas / Produtos

Leia mais

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração

Leia mais

1. HIGIENE INDUSTRIAL: GENERALIDADES

1. HIGIENE INDUSTRIAL: GENERALIDADES TÍTULO: Higiene Industrial no Fabrico de Louça Metálica Algumas considerações AUTORIA: Factor Segurança PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 116 (Maio/Junho de 1998) 1. HIGIENE INDUSTRIAL: GENERALIDADES A higiene

Leia mais

Neste dia, apelamos:

Neste dia, apelamos: Neste dia, apelamos: A reformas legislativas e políticas para garantir a eliminação do trabalho infantil no trabalho doméstico e a criação de condições de trabalho dignas e de proteção adequada para os(as)

Leia mais

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa Interior da capa PREFÁCIO O edifício normativo da Organização Internacional de Trabalho compreende diferentes instrumentos: Convenções, Recomendações, Resoluções, Conclusões e Directrizes. Destacam-se

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO O Código da Ética no Desporto do Conselho da Europa para o Fair play no desporto é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto.

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR

RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR 1. Desde que em Julho passado o Governo anunciou a apresentação de um projecto de Código Laboral, decorreram

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

HOSPITAL: Gestão dos riscos químicos em ambientes hospitalares. O caso dos anestésicos. Saúde Ambiental no Hospital Gestão de Risco.

HOSPITAL: Gestão dos riscos químicos em ambientes hospitalares. O caso dos anestésicos. Saúde Ambiental no Hospital Gestão de Risco. Saúde Ambiental no Hospital Gestão de Risco Beja, 15 de Fevereiro de 2008 Gestão dos riscos químicos em ambientes hospitalares O caso dos anestésicos. Olga Mayan HOSPITAL: Actividade: Tratar / Curar Seres

Leia mais

Estratégia comunitária 2007/2012 para a saúde e a segurança no trabalho

Estratégia comunitária 2007/2012 para a saúde e a segurança no trabalho C 41 E/14 Jornal Oficial da União Europeia PT 19.2.2009 24. Salienta que os Estados-Membros deverão avançar de forma coordenada aquando da introdução de medidas específicas relativas à dedução de prejuízos

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências O compromisso das Nações Unidas para a melhoria do Estado das pessoas com deficiências Mais de quinhentos milhões de pessoas são portadoras de deficiências,

Leia mais

UM GUIA PARA PROFESSORES E EDUCADORES

UM GUIA PARA PROFESSORES E EDUCADORES SOBRE O DIA MUNDIAL A cada ano, no dia 12 de Junho, pessoas em todo o mundo reúnem-se para assinalar o Dia Mundial contra o Trabalho Infantil. Este dia promove a sensibilização pública e política, angariando

Leia mais

Readaptação e reconversão profissional: realidade ou utopia?

Readaptação e reconversão profissional: realidade ou utopia? O Papel do Médico do Trabalho nos Acidentes de Trabalho Readaptação e reconversão profissional: realidade ou utopia? ISABEL ANTUNES Quem nunca teve dores nas costas que atire a primeira pedra. LOMBALGIAS

Leia mais

DIRECTIVA 2010/32/UE DO CONSELHO

DIRECTIVA 2010/32/UE DO CONSELHO L 134/66 Jornal Oficial da União Europeia 1.6.2010 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/32/UE DO CONSELHO de 10 de Maio de 2010 que executa o Acordo-Quadro relativo à prevenção de ferimentos provocados por objectos

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

$ DJHQGD GD SROtWLFD VRFLDO HVWi D VHU FXPSULGD DILUPDD&RPLVVmR(XURSHLD

$ DJHQGD GD SROtWLFD VRFLDO HVWi D VHU FXPSULGD DILUPDD&RPLVVmR(XURSHLD ,3 Bruxelas, 13 de Fevereiro de 2003 $ DJHQGD GD SROtWLFD VRFLDO HVWi D VHU FXPSULGD DILUPDD&RPLVVmR(XURSHLD 2WHUFHLURUHODWyULRDQXDOGD&RPLVVmRVREUHD$JHQGDGH3ROtWLFD6RFLDOGD 8( GH GHPRQVWUD TXH D DJHQGD

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. TÍTULO: Agentes Químicos Perigosos Algumas Directrizes Práticas para Implementação da Legislação. AUTORIA: Paula Mendes

1. INTRODUÇÃO. TÍTULO: Agentes Químicos Perigosos Algumas Directrizes Práticas para Implementação da Legislação. AUTORIA: Paula Mendes TÍTULO: Agentes Químicos Perigosos Algumas Directrizes Práticas para Implementação da Legislação AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 168 (Janeiro/Fevereiro de 2007) 1. INTRODUÇÃO A Comissão

Leia mais

Se você for trabalhar em:

Se você for trabalhar em: Se você for trabalhar em: CONSTRUÇÃO Metal MadeIra METAL, CONSTRUCCIÓN Y AFINES DE UGT deverá saber... SEMPRE DEVE TER EM CONTA: CONTRATO DE TRABALHO: exija sempre uma cópia assinada e comprove as condições.

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação!

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Ruben Santos No ano de 2011 morreram 1,7 milhões de pessoas com

Leia mais

Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt

Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt Security, Health and Safety Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt O Regulamento (CE) 1272/2008 CLP (classificação, rotulagem e embalagem) harmoniza a legislação comunitária

Leia mais

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA Agenda Volkswagen Autoeuropa em Portugal Produtos e produção Recursos Humanos Boas práticas preventivas 2/32 Volkswagen Autoeuropa em Portugal 3/32

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 7 Empresa: Alberto Rites Lda. Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Sinergias resultantes dos serviços de SHST 1 Principais Sinergias resultantes da SHST 1.1 Sinergias visíveis 1.2 Sinergias invisíveis

Sinergias resultantes dos serviços de SHST 1 Principais Sinergias resultantes da SHST 1.1 Sinergias visíveis 1.2 Sinergias invisíveis 5 6 7 8 9 10 12 12 12 13 13 16 16 18 19 19 20 20 23 23 23 24 24 24 25 26 26 26 26 26 26 27 29 29 30 30 31 32 35 37 39 41 41 44 44 45 47 Introdução Sinergias resultantes dos serviços de SHST 1 Principais

Leia mais

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL Retorno ao Trabalho Ambiente Integrado de e-learning Projecto Leonardo: 2007 a 2009 Objectivo da Sessão Recolher opiniões sobre website e ferramentas de

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES)

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) Décima primeira sessão, 1992 Antecedentes 1. A violência baseada no género é uma forma de discriminação que inibe a capacidade das mulheres de gozarem

Leia mais

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª

PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª PARECER DOS RTSST-MONTEPIO À PROPOSTA DE LEI N.º 283/X/4.ª Os RTSST-Montepio, primeira estrutura do género a ser eleita em Portugal ao abrigo da Lei 35/2004, entenderam formular o presente parecer em complemento

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais