Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para investigação de estabilidade de taludes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para investigação de estabilidade de taludes"

Transcrição

1 Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para investigação de estabilidade de taludes Fernando da Fontoura Xavier Tecgeofisica, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, Resumo: Este trabalho mostra a aplicação e resultados da Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para investigação de estabilidade de taludes. O estudo inicia após um escorregamento e o interesse da Empresa sediada no local, Joinville, SC, em conhecer riscos futuros e ações a serem tomadas a curto, médio e longo prazo. A decisão da aplicação da Geofísica Elétrica para o mapeamento do subsolo dá-se principalmente pelo não agravamento da situação já existente, de instabilidade do talude. Este método investigativo não é invasivo e não gera nenhum movimento de solo ou subsolo na área ou seu entorno. O Estudo Geofísico se concentrou na investigação e definição da espessura do solo, posição da rocha, nível freático, presença de blocos, direção preferencial do fluxo subterrâneo e planos preferenciais de escorregamentos, obtendo informações importantes e confiáveis de como se comporta o subsolo na área de estudo permitindo o melhor direcionamento e programação das fases posteriores, de prevenção e remediação. Abstract: This work shows the application and results of geophysical electrical applied to Geotecnia for the stability of slopes research. The study starts after a slipping and the company's interest in local, Joinville, SC, to know future risks and actions to be taken in the short, medium and long term. The decision of the application of Geophysics electrical underground mapping is mainly by reducing the existing situation, slope instability. This method is not intrusive investigative and does not generate any movement of soil or subsoil or its surrounding area. The study geophysical surveys focused on research and definition of thickness, position of soil, groundwater level ameliorant, presence of blocks, underground flow preferred direction and preferred plans, slides scripts obtaining important and reliable as behaves the subsoil in the study area allowing better targeting and subsequent stages of programming, prevention and remediation. 1 INTRODUÇAO No Brasil, o crescente número de deslizamentos em áreas urbanas e habitadas trazendo em sua maioria vítimas fatais, destruição de moradias, de áreas comerciais e industriais, com incalculáveis prejuízos diretos e indiretos traz uma questão importante para a Geologia e Geotecnia: insistir e divulgar a importância do diagnóstico do subsolo, primeiro de forma preventiva, em locais com potencial de risco e de outro lado, mapeamento geológico-geotécnico após ocorrência de movimentos de terra para evitar e/ou anunciar novas ocorrências e balizar as diversas formas de intervenção. O mapeamento de subsolo seja raso, profundo ou muito profundo através dos diversos métodos geofísicos tem um princípio em comum, são ensaios não-destrutivos ou não invasivos, ou seja, sem penetração física no meio investigado. Souza (1988) e Souza (2006) apresentam vários exemplos que ratificam a importância da Geofísica nos tempos atuais, principalmente no que se refere as interferências no meio ambiente, a legislação ambiental e a excelente relação custo-benefício. 1 A Geofísica Elétrica se apresenta como ferramenta para diagnóstico geotécnico, uma investigação sem qualquer impacto físico, de baixo custo, com rapidez de execução e de resultados. Torna-se um diagnóstico rico de informações para decisões geológicas e geotécnicas como o caso a seguir apresentado desencadeado em conseqüência dos episódios de Novembro de 2008 em Santa Catarina, que castigaram, principalmente, as regiões do Vale do Itajaí e Norte Catarinense. Especialmente na área estudada ocorreram movimentos de massa nas encostas. Os proprietários, através de seus consultores, optaram pela investigação por meio indireto (eletrorresistividade), pois além dos resultados serem comprovadamente eficazes, a situação de risco da encosta é muito alta, sugerindo novos movimentos. Ainda Souza (2006) levanta uma característica única dos resultados alcançados através de métodos geofísicos, que é a visualização contínua do subsolo, em duas ou três dimensões, trazendo uma visão mais ampla da área de estudo o que, se comparado a métodos convencionais de investigação seria

2 praticamente impossível, mesmo se unidos os dados pontuais, ainda que muito próximos, o que usualmente não é possível, seja devido a custos, seja devido a tempo de execução, e ainda se acrescentarmos o fator tipo de área a ser estudada, riscos a deslizamentos. 2 ÁREA DE ESTUDO E CONTEXTO GEOLÓGICO A área de estudo está localizada no Distrito Industrial de Joinville, SC, na Rua Santos Dumont nº 3800 de propriedade e ocupação da Indústria Metalúrgica Pirâmide (Figura1). mais fina, solos espessos e pouco friáveis, alteração em forma de blocos e matacões, erosão diferencial e escorregamentos do tipo circular. Xavier (2005). A paisagem original foi parcialmente modificada por cortes (na base da encosta) e retaludamentos realizados ao longo da urbanização do Distrito Industrial. Especificamente na área estudada o processo de urbanização se deu através de pequenos cortes, retaludamentos e construção de muro de contenção (Figura 2). Figura 2: Vista da área antes do escorregamento Figura 1: Localização área de estudo A área de estudo (180m x 240m) está inserida no contexto geológico de rochas gnáissicas do Complexo Granulítico de Santa Catarina. A base geológica utilizada refere-se ao Mapa Geológico Folha Joinville, CPRM, 1981, na escala de 1: Este Complexo se apresenta na área composto por gnaisses granulíticos leucocráticos, caracterizados mesoscopicamente por uma granulação extremamente variável, desde fina a grosseira, predominando os tipos finos a médio. A foliação é constituída por alternâncias de bandas milimétricas e centimétricas de material quartzo feldspático e bandas milimétricas de material máfico. A coloração predominante é cinza médio a cinza-escuro, com tonalidade esverdeada. No geral, os raros afloramentos estão alterados e friáveis, e quando inalterados mostram-se bastante endurecidos. As principais características geotécnicas destas rochas dizem respeito à textura maciça a grosseiramente bandada nas porções de textura média, finamente bandada, nas porções de textura Figura 3: Vista da área após escorregamento O histórico da área diz respeito a movimentos de massa ocorridos na encosta localizada nos fundos do terreno em novembro de O movimento de maior magnitude atingiu, em parte, as instalações da referida Empresa. (Figuras 3 e 4). 2

3 outra, destinada a investigação vertical, a Sondagem Elétrica Vertical SEV. 3.1 Caminhamento Elétrico - CE Figura 4: Instalações atingidas, parede destruída. 3 METODOLOGIA Os trabalhos de Sondagem Geofísica ocorreram dentro de um contexto de trabalho integrado, envolvendo também levantamento de dados já existentes. Foram realizados estudos geoelétricos (Método da Eletrorresistividade) através de Caminhamento Elétrico (CE) e Sondagem Elétrica Vertical (SEV) com a finalidade principal de determinar as camadas de cobertura, presença de blocos, posição da rocha, planos preferenciais para escorregamentos, o nível do lençol freático e o sentido preferencial do fluxo subterrâneo. Desta forma os CEs e as SEVs foram plotados de modo a cobrirem a área do terreno da Empresa. Foram 1.200m lineares de Caminhamentos Elétricos (distribuídos em 6 CEs) e 2 Sondagens Elétricas Verticais (AB máximo de 200m). O método da eletrorresistividade emprega uma corrente elétrica artificial que é introduzida no terreno através de dois eletrodos (denominados de A e B), com objetivo de medir o potencial gerado em outros dois eletrodos (denominados M e N) nas proximidades do fluxo de corrente, permitindo assim calcular a resistividade real ou aparente em subsuperfície. Elis (2002). A resistividade elétrica relaciona-se aos mecanismos de propagação de corrente elétrica nos materiais. Em geral, a propagação de corrente elétrica em solos e rochas se dá devido ao deslocamento de íons dissolvidos na água contida nos poros e fissuras, sendo afetada principalmente pela composição mineralógica, porosidade, teor em água e quantidade e natureza dos sais dissolvidos. Apparao (1991). O equipamento utilizado RESISTIVÍMETRO consiste, basicamente, de uma fonte controlada para emissão de corrente elétrica e medidores para a corrente e a diferença de potencial gerada. A potência da fonte aqui utilizada foi de 150 Watts. Existem duas técnicas básicas para aplicação do método, aquela destinada a exploração horizontal/lateral, o Caminhamento Elétrico - CE e A técnica do Caminhamento Elétrico, ao contrário da SEV, tem como objetivo a investigação horizontal a uma ou várias profundidades aproximadamente constantes com medidas efetuadas ao longo dos perfis. Isso é obtido fixandose um espaçamento de eletrodos e caminhando-se com os mesmos ao longo de perfis realizando as medidas de resistividade aparente Arranjo dipolo dipolo (Figura 5). É importante salientar que a profundidade de investigação não depende unicamente da configuração geométrica do sistema de medidas, mas também dos contrastes das resistividades nas litologias em subsuperfície. Gallas (2000). Segundo Gallas (2000), a grande vantagem da utilização do Arranjo dipolo-dipolo é o fato de se tratar de um arranjo simétrico, sendo mais fácil a interpretação de uma pseudo-seção, principalmente para se determinar com segurança a posição de uma anomalia. Os dados sofrem, o que se chama de inversão geofísica, e são interpretados, neste trabalho, pelos softwares RES 2D INV e RES 3D INV gerando assim as imagens elétricas em 2D e 3D respectivamente. Em determinadas situações interpretações em 3D passam a ter relevância e devem ser aplicadas. Gandolfo (2005). Figura 5: Arranjo dipolo-dipolo com diferentes profundidades de investigação. Gallas (2000). 3.2 Sondagem Elétrica Vertical - SEV Esta técnica é aplicada quando se deseja uma informação pontual com observação da variação vertical da resistividade. O arranjo de campo escolhido é o denominado Schlumberger, onde os eletrodos de corrente são regular e simetricamente expandidos com relação ao ponto investigado Apparao (1991). Os valores de resistividade aparente são calculados fornecendo a curva de resistividade aparente, a qual é interpretada quantitativamente, através da inversão e do software IX1D v.2. Os resultados possibilitam a associação 3

4 das camadas geoelétricas à estratos geológicos variação do perfil litológico (Figura 6) Figura 6: Modelo de Schlumberger. Modificado de Elis (2002). 4 RESULTADOS OBTIDOS Foram realizados estudos geoelétricos de Caminhamento Elétrico e Sondagem Elétrica Vertical com a finalidade principal de determinar as camadas de cobertura, presença de blocos, posição da rocha, planos preferenciais para escorregamentos, o nível do lençol freático e a direção preferencial do fluxo subterrâneo. Desta forma os CEs e as SEVs foram plotados de modo a cobrirem a área do terreno. Foram 1.200m lineares de caminhamentos elétricos (distribuídos em seis CEs) e duas Sondagens Elétricas Verticais. (Figura 7). Figura 7: Localização das sondagens geofísicas O imageamento elétrico 2D compreende o estudo dos materiais em profundidade propiciando uma vista em perfil da área. Para apresentação foram selecionadas três imagens, CE 01, CE 02 e CE 03, do total de seis, que representam o perfil da encosta, alvo principal deste estudo. 4.1 Caminhamento Elétrico CE Os Caminhamentos Elétricos, denominados de CE 01, CE 02 e CE 03 foram realizados paralelamente a encosta no azimute NW. O arranjo de eletrodos utilizado para todos os CEs é o dipolo dipolo com espaçamento de 15m e seis (6) níveis de investigação. As interpretações dos Caminhamentos Elétricos foram realizadas com auxílio do software RES 2D INV e, na área em estudo, partiu de um modelo a priori, evoluindo-se para modelos de trabalho e modelos finais. Os CEs tiveram como principal objetivo a identificação das camadas geoelétricas e suas distribuições laterais. Nas figuras 07, 08 e 09 são apresentadas as seções modeladas de resistividade, obtidas pela inversão que ajusta os dados de resistividade aparente medidas em campo. As seções de resistividade mostraram que os valores de resistividade entre 34 e 450 ohm.m são interpretados como sendo relativo ao material natural predominantemente argilo-arenoso. Já os valores entre 450 e de 900 ohm.m são interpretados como material rochoso alterado/fraturado. Para a rocha sã a resistividade ficou acima dos 900 ohm.m. As imagens indicaram que o substrato rochoso tem forma ondulada. Esta forma ondulada apresenta uma superfície de contato com o solo que pode se constituir em plano sujeito a movimentos de massa (por exemplo, escorregamento circular). Os caminhos da água subterrânea são identificados pelos baixos valores de resistividade como também pela geometria da imagem, da encosta (côncavoconvexa) e do substrato rochoso. Também foi possível identificar a presença de diversos blocos e matacões envoltos na massa de solo. (Figuras 8, 9 e 10). Os imageamentos elétricos em 3D foram obtidos com os dados dos CEs apresentando imagens em planta a diferentes profundidades com seis níveis de investigação: nível 1= 0 a 5,25m; nível 2 = 5,25 a 11,3m; nível 3 = 11,3 a 18,2m; nível 4 = 18,2 a 26,2m; nível 5 = 26,2 a 35,4m, nível 6 =35,4 a 46,0m, gerando uma vista em 3D. Os níveis 1, 2 e 3 estão caracterizando, além da cobertura composta por material argilo-arenosa, a presença de vários blocos e matacões (em azul escuro na imagem) imersos nesta massa argiloarenosa. (Figura 11). Observam-se ainda os caminhos preferenciais da água subterrânea, indicando nestes, os locais preferenciais para a ocorrência dos movimentos de massa. O sentido do fluxo subterrâneo é de sudeste para noroeste. Nos níveis 4, 5 e 6 começa a predominar a presença da rocha, de sã a alterada fraturada. A anomalia mais marcante é a linha de fratura que corta a área na direção norte-sul. O fluxo subterrâneo começa a obedecer a linha de fratura, diminuindo sua intensidade com a profundidade. 4

5 Figura 8: Imagem elétrica 2D com interpretação geológica CE 01 Figura 9: Imagem elétrica 2D com interpretação geológica CE 02 Figura 10: Imagem elétrica 2D com interpretação geológica CE 03 5

6 4.2 Sondagem Elétrica Vertical - SEV Figura 11: Imagem elétrica 3D com interpretação geológica. Foram realizadas duas sondagens (SEV 01 e SEV 02) e os locais para sua execução foram determinados em função dos resultados obtidos no imageamento elétrico 2D bem como nos objetivos propostos. Sendo a SEV 01 realizada na base do talude próximo a um dos escorregamentos ocorridos e a SEV 02 foi realizada no topo da encosta. Os dados geofísicos foram tratados no software IX 1D, onde foram geradas as curvas e os modelos interpretativos das SEVs. Estes indicam uma diferença (constatada também nos CEs) na espessura de cobertura, sendo muito mais espessa (22,9m) na SEV 02 do que na SEV 01 (8,2m). Também podemos observar a diferença no nível do lençol freático, 3,9m na SEV 01 e 8,2m na SEV 02. Com base nos procedimentos de interpretação, o modelo de quatro estratos foi o que melhor se ajustou as curvas, possuindo a seguinte seqüência geoelétrica (Figura 12): Figura 12: Modelo geoelétrico interpretado SEV 01. 6

7 Figura 13: Modelo geoelétrico interpretado SEV 02 5 CONCLUSÕES A aplicação de métodos geofísicos elétricos e seus resultados têm sido amplamente documentada e publicada, seja para pesquisas de água subterrânea, seja para estudo de contaminação de aqüíferos ou pesquisa mineral das mais diversas. Em geotecnia o uso se dá em mapeamentos de subsolo para apoio a obras de engenharia, como usinas e pequenas centrais hidrelétricas, barragens, túneis rodoviários, projetos para instalação de gasodutos, entre outros. Ocorre que, além de resultados confiáveis, no caso do presente estudo, a questão dos riscos geológicos iminentes e movimentos que podem potencializá-lo trazem para o campo da Geofísica Elétrica uma nova vantagem direta, já conhecida, mas nunca antes tão importante, mapear subsolos sem correr riscos - sem interferir no ambiente. As principais vantagens desta técnica geofísica, além de não ser um método invasivo, são a facilidade de aquisição de dados, a realização de leituras em diversas profundidades, a versatilidade do equipamento em campo e a possibilidade de varredura de grandes áreas num curto espaço de tempo.goldstein et al (1990). A área estudada está inserida em um contexto geológico de rochas gnáissicas com espessura de cobertura de até 22m. Os valores de resistividade encontrados para os materiais são compatíveis com os indicados na bibliografia especializada. Os imageamentos elétricos 2D identificaram as camadas geoelétricas e sua distribuição lateral. Os materiais variam de cobertura argilosa saturada ou não até a rocha consolidada. As seções de resistividade mostraram que os valores de resistividade entre 34 e 450 ohm.m são interpretados 7 como sendo relativo ao material natural predominantemente argilo-arenoso. Já os valores entre 450 e de 900 ohm.m são interpretados como material rochoso alterado/fraturado. Para a rocha sã a resistividade ficou acima dos 900 ohm.m. Também podemos inferir que o substrato tem forma ondulada. Esta forma ondulada gera planos preferenciais para movimentos de massa, principalmente no contato solo-rocha. As imagens indicam o possível caminho da água subterrânea, sugerindo um desencadeamento de movimento com geometria rotacional/circular. Os imageamentos elétricos em 3D indicaram a distribuição dos materiais em planta, identificando principalmente as heterogeneidades nas camadas investigadas, distribuição em área e a direção do fluxo subterrâneo. Os níveis 1, 2 e 3 estão caracterizando, além da cobertura saturada ou não composta por material argilo-arenosa, a presença de vários blocos e matacões (em azul escuro na imagem) imersos nesta massa argilo-arenosa. Observam-se ainda os caminhos preferenciais da água subterrânea, indicando nestes, os locais preferenciais para a ocorrência dos movimentos de massa. O sentido preferencial do fluxo subterrâneo é de sudeste para noroeste. Nos níveis 4, 5 e 6 começa a predominar a presença da rocha (de sã a alterada fraturada) e a anomalia mais marcante é a linha de fratura que corta a área na direção norte-sul. O fluxo subterrâneo começa a obedecer a linha de fratura, diminuindo sua intensidade com a profundidade. A técnica da Sondagem Elétrica Vertical SEV nos permitiu definir a espessura dos materiais de cobertura, a zona saturada e a posição da rocha consolidada. As heterogeneidades dos materiais de cobertura influenciaram diretamente na interpretação das camadas geoelétricas. As variações foram da ordem de milhares de ohm.m, identificando materiais bastante resistivos, acima de ohm.m a materiais mais condutores, abaixo dos 50 ohm.m. A posição do maciço rochoso também foi obtida através da ascensão da curva de resistividade a ± 45. A espessura de cobertura, confirmando os imageamentos elétricos, é maior na porção superior da encosta (22,9m) e bem mais reduzida (8,2m) na base desta. O método da eletrorresistividade, o modelo utilizado e a interpretação geológica se mostraram uma ferramenta eficiente na definição dos principais parâmetros de avaliação dos processos de formação dos movimentos de massa, como por exemplo, espessura de cobertura, perfil contínuo do topo rochoso, presença de blocos e matacões, nível do lençol freático e planos de movimentação. Desta forma colaborando na correta ação preventiva ou em intervenções posteriores.

8 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Apparao, A. (1991) Geoelectric Profiling. Geoexploration. Elsevier Science Publishers B.V. Vol. 27, Amsterdam, Elis, V.R. (2002) Geofísica aplicada ao estudo de poluição de solos e águas subterrâneas. Aplicação de métodos geofísicos na caracterização de áreas poluídas. IAG Instituto de Astronomia e Geofísica da USP, Curso de Verão, São Paulo. Gandolfo, O.C.B e Gallas J.D.F. (2005) Eletrorresistividade 3D uma avaliação das potencialidades e limitações. Revista Brasileira de Geofísica, SBGf, Vol. 23 (2),.Rio de Janeiro, Gallas, J. D. F. (2000) Principais métodos geoelétricos e suas aplicações em prospecção mineral, hidrogeologia, geologia de engenharia e geologia ambiental. Tese de Doutorado, UNESP, Rio Claro, 259p. Geotomo Software. (2004) RES2DINV e RES3DINV. versão.2.14, 69 pp. Goldenstein N.E., Benson S.M. e Alumbaugh D. (1990) Saline groundwater plume mapping with electromagnetics. Geotechnical and Environmental Geophysics, Investigations in Geophysics, S.E.G, Vol. 2 (5), Interpex Limited. IX1D v.2. Software; User s Manual. Interpex Limited, Golden, Colorado, U.S.A. Loke, M.H. RES2DINV ver for Windows 3.1 and Rapid 2D resistivity and IP Inversion using the last-squares method. Penang:M.H. Loke Software User s Manual. Souza, L.A.P. (1988) As técnicas geofísicas de Sísmica de reflexão de alta resolução e sonografia aplicada ao estudo de aspectos geológicos e geotécnicos em áreas submersas. 35 Congresso Brasileiro de Geologia, Anais, Belém, Souza, L.A.P. (2006) Revisão crítica da aplicabilidade dos métodos geofísicos na investigação de áreas submersas rasas. Tese de doutorado. Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo, 311p. Xavier, F.F. (2005) Mapeamento geoelétrico no aterro sanitário do município de Blumenau, SC. Anais do 11 o Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental, ABGE, Florianópolis,

Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para Investigação de blocos de rochas e matacões

Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para Investigação de blocos de rochas e matacões Geofísica Elétrica aplicada a Geotecnia para Investigação de blocos de rochas e matacões Fernando da Fontoura Xavier 1 ; Deisy Schulz Xavier 2 Resumo: Este trabalho mostra a aplicação e resultados da Geofísica

Leia mais

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico 2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE 2.2. Histórico A eletrorresistividade é um método geoelétrico baseado na determinação da resistividade elétrica dos materiais, tendo sido utilizado nos mais variados

Leia mais

Thirteenth International Congress of the Brazilian Geophysical Society. Copyright 2013, SBGf - Sociedade Brasileira de Geofísica

Thirteenth International Congress of the Brazilian Geophysical Society. Copyright 2013, SBGf - Sociedade Brasileira de Geofísica Aplicação da Eletrorresistividade na avaliação de viabilidade de empreendimentos imobiliários Georgia Castro*¹, Debora Carvalho¹ and Rodrigo Machado², Geofisica Consultoria¹, AltaResolução² Copyright 2013,

Leia mais

6200 Métodos geofísicos

6200 Métodos geofísicos 6200 Métodos geofísicos 1 Geofísica aplicada à detecção da contaminação do solo e das águas subterrâneas Os métodos geofísicos são técnicas indiretas de investigação das estruturas de subsuperfície através

Leia mais

RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE

RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE RELATÓRIO DO LEVANTAMENTO GEOFÍSICO UTILIZANDO O MÉTODO DE ELETRORRESISTIVIDADE PARA O PROJETO TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. LOCALIZAÇÃO DOS ENSAIOS GEOFÍSICOS... 2 3. EQUIPE...

Leia mais

Investigações Geotécnicas

Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Interpretação de imagens; Métodos geofísicos ou indiretos; Amostragem e ensaios de laboratório; Ensaios de campo. Imagem de satélite simples Argila mole

Leia mais

Utilização de métodos geoelétricos aplicados à determinação de plumas contaminantes em área urbana na grande São Paulo

Utilização de métodos geoelétricos aplicados à determinação de plumas contaminantes em área urbana na grande São Paulo Introdução O método geofísico da eletrorresistividade tem sido usado com sucesso para conhecer a geometria de jazidas minerais; determinação de cobertura de solo/estéril, profundidade e geometria do aquífero,

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS Jorge Hamada* Faculdade de Engenharia de Bauru - UNESP. Engenheiro civil, mestrado e doutorado em Hidráulica

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

SONDAGENS GEOFÍSICAS. Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009

SONDAGENS GEOFÍSICAS. Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009 SONDAGENS GEOFÍSICAS Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009 Sondagens Geofísicas - estudo das propriedades físicas dos solos e rochas: - condutividade elétrica - densidade -velocidade das ondas elásticas -

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA RESISTIIDADE ELÉCTRICA A resistência eléctrica de um material é expressa pela sua resistividade eléctrica. Se a resistência entre as faces opostas de um corpo condutor de comprimento L e secção uniforme

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas São Paulo/SP - Brasil Setembro / 2007 ÁREAS

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Etapa de Avaliação: Mapas e Escalas de Trabalho Prospecção com Martelo Investigação em Subsuperfície Fase de exploração reconhecimentos expeditos

Leia mais

GEOFÍSICA APLICADA NO ESTUDO DE ÁREA DE LANÇAMENTO DE EFLUENTES DE TRATAMENTO DE ESGOTO

GEOFÍSICA APLICADA NO ESTUDO DE ÁREA DE LANÇAMENTO DE EFLUENTES DE TRATAMENTO DE ESGOTO GEOFÍSICA APLICADA NO ESTUDO DE ÁREA DE LANÇAMENTO DE EFLUENTES DE TRATAMENTO DE ESGOTO César Augusto MOREIRA 1, João Carlos DOURADO 2, Kátia dos SANTOS 3 (1) Curso de Pós-Graduação em Geociências em Meio

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

Investigação Geoambiental de uma Área Contaminada por Resíduo Industrial

Investigação Geoambiental de uma Área Contaminada por Resíduo Industrial Investigação Geoambiental de uma Área Contaminada por Resíduo Industrial Alberto B. Lima e Silva, Nelson Oswaldo Luna Caicedo, Fernando Schnaid Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil IPH UFRGS albernd@yahoo.com.br

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

Procedimento para Serviços de Sondagem

Procedimento para Serviços de Sondagem ITA - 009 Rev. 0 MARÇO / 2005 Procedimento para Serviços de Sondagem Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia de Minas - DEMIN DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

Leia mais

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Sondagens Rotativas, Métodos Semi-Diretos e Métodos Indiretos Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Sondagens Rotativas Quando se atinge material impenetrável à percussão (estrato

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2)

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2) A UTILIZAÇÃO DO GEORADAR (GPR) COMO FERRAMENTA DE ENSAIO NÃO DESTRUTIVO (END) PARA LOCALIZAÇÃO DA MANTA DE IMPERMEABILIZAÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESPESSURA DO CONCRETO NUM BLOCO TESTE Autores: Roberto Okabe

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

RELATÓRIO DE SERVIÇOS DE CAMPO RSC-SE01

RELATÓRIO DE SERVIÇOS DE CAMPO RSC-SE01 REV. DATA MODIFICAÇÃO VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO 0 05/10/2012 Emissão Inicial Elaboração de Estudos para Concepção de um Sistema de Previsão de Eventos Críticos na Bacia do Rio Paraíba do Sul e de um Sistema

Leia mais

ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC

ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC 935 ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC FERNANDO DA FONTOURA XAVIER 1 PAULO EGYDIO BERKENBROCK 2 1 TECGEO Sondagens Geofísicas. Rua Maria Popper, 120 Bairro Asilo

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

EMPREGO DO IMAGEAMENTO ELÉTRICO NO ESTUDO DA CONTAMINAÇÃO POR CEMITÉRIOS

EMPREGO DO IMAGEAMENTO ELÉTRICO NO ESTUDO DA CONTAMINAÇÃO POR CEMITÉRIOS EMPREGO DO IMAGEAMENTO ELÉTRICO NO ESTUDO DA CONTAMINAÇÃO POR CEMITÉRIOS Robson Willians da Costa SILVA 1 & Walter MALAGUTTI FILHO 2 (1) Laboratório de Ecologia Isotópica, Centro de Energia Nuclear na

Leia mais

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS Ciência: Geologia Estrutural Objetivo: determinar a distribuição das massas rochosas e das feições que as secionam Deformação de uma estrutura rochosa Mudança

Leia mais

1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural...

1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural... Dossiê Geoprospectus 2013 2 Índice 1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural... 4.1.1 - Engenharia do Petróleo... 4.1.2 -

Leia mais

Augustinho Rigoti Curriculum Vitae

Augustinho Rigoti Curriculum Vitae Augustinho Rigoti Curriculum Vitae Julho/2014 Augustinho Rigoti Curriculum Vitae Dados pessoais Nome Augustinho Rigoti Nome em citações bibliográficas RIGOTI, A. Nascimento 28/08/1950 - Itatiba do Sul/RS

Leia mais

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA 1 ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. OBJETIVOS DA 3. FASES DA 4. MÉTODOS DE PROSPECÇÃO 2 1. Considerações iniciais: As características de um solo não podem ser descobertas apenas pelo

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

egs 3.0 (electrical GEOPHYSICS suite) Pacote de programas para modelagem e interpretação de dados geofísicos elétricos e eletromagnéticos

egs 3.0 (electrical GEOPHYSICS suite) Pacote de programas para modelagem e interpretação de dados geofísicos elétricos e eletromagnéticos egs 3.0 (electrical GEOPHYSICS suite) Pacote de programas para modelagem e interpretação de dados geofísicos elétricos e eletromagnéticos Glauco Lira Pereira 1, Luiz Rijo 2, Rodrigo Erasmo da C. Silva

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE SUBSUPERFÍCIE DO CEMITÉRIO MUNICIPAL DE RIO CLARO-SP POR MEIO DE MÉTODOS ELÉTRICOS E ELETROMAGNÉTICOS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE SUBSUPERFÍCIE DO CEMITÉRIO MUNICIPAL DE RIO CLARO-SP POR MEIO DE MÉTODOS ELÉTRICOS E ELETROMAGNÉTICOS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE SUBSUPERFÍCIE DO CEMITÉRIO MUNICIPAL DE RIO CLARO-SP POR MEIO DE MÉTODOS ELÉTRICOS E ELETROMAGNÉTICOS Walter Malagutti Filho, Depto de Geologia Aplicada IGCE/UNESP Rio Claro, SP;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOFÍSICA DE ÁREAS UTILIZADAS PARA DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CARACTERIZAÇÃO GEOFÍSICA DE ÁREAS UTILIZADAS PARA DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Revista Brasileira de Geociências Vagner Roberto Elis & Lázaro Valentim Zuquette 32(1):119-134, março de 22 CARACTERIZAÇÃO GEOFÍSICA DE ÁREAS UTILIZADAS PARA DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS VAGNER

Leia mais

Projeto. em fundações. de aerogeradores

Projeto. em fundações. de aerogeradores Projeto em fundações de aerogeradores titre Apresentação Carte Carte Equipe: Brasil Equipe: Vietnã Estrutura de comunicação: Vídeo-conferência França/Vietnã Estrutura de comunicação: Vídeo-conferência

Leia mais

Aplicação de geoprocessamento na avaliação de movimento de massa em Salvador-Ba.

Aplicação de geoprocessamento na avaliação de movimento de massa em Salvador-Ba. Aplicação de geoprocessamento na avaliação de movimento de massa em Salvador-Ba. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Miranda, S. B. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, sbmiranda@gmail.com

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA Histórico da Área A área alvo de estudo (Lotes 04 e 05) pertenceu

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Medição da resistividade do solo

Medição da resistividade do solo 30 Apoio Aterramentos elétricos Capítulo XI Medição da resistividade do solo Jobson Modena e Hélio Sueta* O projeto da norma ABNT NBR 7117, atualmente em revisão, estabelece os requisitos para a medição

Leia mais

do substrato gnáissico.

do substrato gnáissico. 55 6.2 - Descrição de eventos locais Informações obtidas em campo possibilitaram a descrição de eventos locais que permitem caracterizar situações práticas relacionadas aos processos erosivos. A presença

Leia mais

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro Gersina N. da R. Carmo Junior Objetivo: avaliar as conseqüências da presença dos efluentes do aterro no meio ambiente. Sistema de Monitoramento do Aterro

Leia mais

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO)

HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) HIDROGEOLOGIA E MINERAÇÃO (PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO) Marcus Vinícios Andrade Silva Engenheiro Geólogo / Hidrogeólogo Professor de Hidrogeologia CEFET MG (Campus Araxá) Supervisor Corporativo de Hidrogeologia

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

LEVANTAMENTO GEOFÍSICO PARA CARACTERIZAÇÃO DO TRECHO ALUVIONAR DO RIO PALHANO NA LOCALIDADE DE CHILE, IBICUITINGA-CE

LEVANTAMENTO GEOFÍSICO PARA CARACTERIZAÇÃO DO TRECHO ALUVIONAR DO RIO PALHANO NA LOCALIDADE DE CHILE, IBICUITINGA-CE LEVANTAMENTO GEOFÍSICO PARA CARACTERIZAÇÃO DO TRECHO ALUVIONAR DO RIO PALHANO NA LOCALIDADE DE CHILE, IBICUITINGA-CE Nelson Paiva Raulino de Souza 1 ; Fernando César Moura de Andrade 1 ; Gilberto Möbus

Leia mais

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente /2009 TRANSPORTE Um caso de obra especial: contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente ALBERTO CASATI ZIRLIS* / CAIRBAR AZZI PITTA** / GEORGE JOAQUIM TELES DE

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição.

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição. Apresentação A disciplina Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra foi oferecida pela primeira vêz nesta Faculdade em 1996, logo após sua criação e aprovação nos orgãos colegiados. Foi criada com a intenção

Leia mais

MAPEAMENTO GEOELÉTRICO NO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC

MAPEAMENTO GEOELÉTRICO NO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC 2099 MAPEAMENTO GEOELÉTRICO NO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC FERNANDO DA FONTOURA XAVIER 1 PAULO EGYDIO BERKENBROCK 2 1 TECGEO Sondagens Geofísicas Rua Maria Popper, 120 Bairro Asilo Blumenau

Leia mais

APLICAÇÃO DE SONDAGEM ELÉTRICA VERTICAL NA ESTIMATIVA DO TOPO E DA ESPESSURA DE UNIDADES GEOLÓGICAS DA BACIA DO PARANÁ NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT

APLICAÇÃO DE SONDAGEM ELÉTRICA VERTICAL NA ESTIMATIVA DO TOPO E DA ESPESSURA DE UNIDADES GEOLÓGICAS DA BACIA DO PARANÁ NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT Revista Brasileira de Geofísica (2005) 23(1): 89-98 2005 Sociedade Brasileira de Geofísica ISSN 0102-261X www.scielo.br/rbg APLICAÇÃO DE SONDAGEM ELÉTRICA VERTICAL NA ESTIMATIVA DO TOPO E DA ESPESSURA

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica

Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica Unidade curricular: Projeto FEUP Supervisores: Alexandre Leite Feliciano Rodrigues Jorge Carvalho Monitores:

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

Informe 01/2013 Preparado para a Defesa Civil do Município de Rio do Sul / SC

Informe 01/2013 Preparado para a Defesa Civil do Município de Rio do Sul / SC Avaliação emergencial das áreas visitadas em Rio do Sul Santa Catarina Informe 01/2013 Preparado para a Defesa Civil do Município de Rio do Sul / SC Data da missão: 24/09/2013 26/09/2013 Data deste relatório:

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

Carlos Alberto de NÓBREGA 1, CHANG Hung Kiang 1, Antonio Celso de Oliveria BRAGA 1, Josely FERREIRA 2, Andreza OLIVA 3, Marco Aurélio Zequim PEDE 4

Carlos Alberto de NÓBREGA 1, CHANG Hung Kiang 1, Antonio Celso de Oliveria BRAGA 1, Josely FERREIRA 2, Andreza OLIVA 3, Marco Aurélio Zequim PEDE 4 AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA CORROSIVIDADE DE SOLO COM O EMPREGO DE RESISTIVIDADE ELÉTRICA EM UMA PLANTA INDUSTRIAL UTILIZADA PARA ARMAZENAMENTO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO Carlos Alberto de NÓBREGA 1, CHANG Hung

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE AUTORES Engenheiro Alberto Casati Zirlis, diretor da Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda.

Leia mais

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina.

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Marcio Fernandes Leão UFRJ e UERJ, Rio de Janeiro, Brasil, marciotriton@hotmail.com RESUMO: Em terrenos estudados na

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS 01 Consultas técnicas no escritório (por hora) 01.01 Com solução verbal R$ 400,00 01.02 Com solução por escrito R$ 600,00 01.03 Com consulta a arquivos, registros ou

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE RELEVÂNCIA: escala de análise. Allan Calux Redespeleo Brasil

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE RELEVÂNCIA: escala de análise. Allan Calux Redespeleo Brasil METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE RELEVÂNCIA: escala de análise Allan Calux Redespeleo Brasil BRASÍLIA Outubro de 2012 SUMÁRIO Parte I Bases legais e conceituais Parte II Aplicações concretas: a realidade e

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO

USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO Programa de Monitoramento Sismológico Avaliação Ocorrência Sismos Induzidos EMPRESA: WW Consultoria e Tecnologia Ltda. DATA DO RELATÓRIO: Janeiro de 2013 RESPONSÁVEL DA

Leia mais

Critérios de Locação de Aterros

Critérios de Locação de Aterros Critérios de Locação de Aterros Conceitos Principais RSU: Classe II Resíduos Industriais: Normalmente Classe III Aterros projetados seguindo as mesmas premissas, de conter e confinar os resíduos, diferindo

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Mesa Redonda Recuperação de áreas Degradadas por Catástrofes e Reconstrução Emergencial A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Fernando A. M. Marinho

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS DEPARTAMENTO DE GEOFÍSICA Curso 3ª Idade Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente Vinicius Rafael Neris dos Santos

Leia mais

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1 Análise de dados orbitais multitemporais para avaliação de linha de costa nas áreas adjacentes ao município de Areia Branca/RN, com enfoque na região próxima ao estuário do Rio Apodí-Mossoró. Bruno Rafael

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO FRC-RS-ERO-CON-0901-0A JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Empreendimento:

Leia mais

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Integrantes da missão: Renato Lima Lázaro V. Zuquette Eduardo Mantovani

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

Geologia Estrutural: INTRODUÇÃO 1

Geologia Estrutural: INTRODUÇÃO 1 Geologia Estrutural: INTRODUÇÃO 1 GEOLOGIA ESTRUTURAL A geologia estrutural é uma das disciplinas com maior importância na geologia, devido seu vasto campo de aplicações, como na geotecnia, risco ambiental,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 1 OBJETIVO / FINALIDADE / INTERESSADO O Parecer Técnico tem por objetivo identificar as causas do desabamento do edifício

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais