Reformas Recentes das Políticas Européias para a Rede de Segurança Social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reformas Recentes das Políticas Européias para a Rede de Segurança Social"

Transcrição

1

2 Reformas Recentes das Políticas Européias para a Rede de Segurança Social Chris de Neubourg Maastricht Graduate School of Governance Maastricht University

3 Sumário 1. Origem das reformas 2. Objetivos e instrumentos 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 4. Reforma dos incentivos para os provedores 5. Reforma dos direitos de elegibilidade 6. Conclusões: convergência e sucesso? 7. Lições da Europa

4 Sumário 1.Origens das reformas 2. Objetivos e instrumentos 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 4. Reforma dos incentivos para os provedores 5. Reforma dos direitos de elegibilidade 6. Conclusões: Convergência e sucesso? 7. Lições da Europa

5 1. Origens das reformas As reformas como resposta a uma situação em mudança Formuladores de políticas consideram alternativas devido a Alterações demográficas, Discurso político e Alterações nos fatores econômicos

6 1. Origens das reformas As reformas geralmente são implementadas de forma lenta e têm escopo limitado. Isso se deve a: Apego às tradições Expectativas enraizadas da população e popularidade eleitoral do Estado de Bem-Estar Social Contrato institucionalizado

7 Sumário 1. Origens das reformas 2.Objetivos e instrumentos 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 4. Reforma dos incentivos para os provedores 5. Reforma dos direitos de elegibilidade 6. Conclusões: Convergência e sucesso? 7. Lições da Europa

8 2. Objetivos e instrumentos Pressãode: Recursos fiscais exauridos Crença em resultados adversos Combinação de ambos Principal objetivo das reformas Reduzir o número de meses de pagamento de benefícios Reduzir os custos administrativos

9 2. Objetivos e instrumentos 1. Reduzir a quantidade e a duração dos benefícios 1. Incentivos para os beneficiários Incentivos para inscrever-se com menor freqüência Incentivos para ficar nos programas por períodos mais curtos 2. Incentivos para o provedor Redução na taxa de elegibilidade Redução na duração dos benefícios 3. Alterações nas regras legais de elegibilidade 2. Reduzir os custos operacionais

10 Sumário 1. Origens das reformas 2. Objetivos e instrumentos 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 4. Reforma dos incentivos para os provedores 5. Reforma dos direitos de elegibilidade 6. Conclusões: Convergência e sucesso? 7. Lições da Europa

11 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários Quatro tipos de reformas de políticas 1. Incentivos financeiros 2. Maior pressão administrativa e moral 3. Menores barreiras de entrada no mercado de trabalho 4. Fortalecimento da auto-responsabilidade

12 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 1. Incentivos Financeiros Desconsideração de renda com limite mais alto França: Continuação de recebimento de benefícios RMI ao mesmo tempo em que recebe pagamento de até 750 horas por ano (duração máxima de 12 meses). Holanda: Programa de estágio para os jovens desempregados, remuneração em uma parcela única de 450 euros para três meses de estágio, ao mesmo tempo em que se recebe o seguro desemprego. Bélgica: para os que estão desempregados há muito tempo e para os desempregados com mais de 45 anos de idade, uma agência local de empregos arranja trabalho fora do mercado, com um limite máximo de 45 horas por mês, e com salário líquido estabelecido pelo município.

13 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 1. Incentivos Financeiros Maior crédito do imposto sobre a renda recebida França: Subsídio especial com foco nos trabalhadores de baixa renda, bônus do estado proporcional à renda recebida. Aumenta os salários líquidos, sem aumentar os custos para o empregador. Reino Unido: crédito sobre o imposto da família, administrado por meio do salário, e não por meio do sistema de benefício.

14 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 1. Incentivos Financeiros De volta ao bônus do trabalho Holanda: trabalhadores subsidiados recebem euros quando passam para um trabalho nãosubsidiado por pelo menos seis meses, financiado por meio da isenção de impostos e pago ao longo de um período de três anos. Reino Unido: Aqueles que estão desempregados há um longo tempo recebem um bônus, pago uma única vez, de 167 euros quando aceitam um novo emprego.

15 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 1. Incentivos Financeiros Estimulação ao trabalho autônomo Alemanha: Aqueles que estejam desempregados por, pelo menos, quatro semanas, devem estabelecer um plano de empreendimento, a ser julgado por profissionais independentes. Quando o plano de empreendimento for sólido, essas pessoas passarão do seguro desemprego para um Benefícios de Iniciantes, a ser pago por um período de seis meses. Holanda: Os beneficiários do seguro desemprego podem ser liberados por três meses de buscar um trabalho, a fim de estabelecer seu próprio negócio. Caso o novo negócio gere renda, isso será subtraído do seguro desemprego.

16 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 1. Incentivos Financeiros Aumento nos benefícios para assistência à criança - redução da armadilha de pobreza para pais solteiros que encontram um emprego com salários baixos

17 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 2. Maior pressão administrativa Trabalho Social Alemanha: Novo benefício, em substituição ao seguro desemprego, e é responsável pelos beneficiários capazes da Assistência Social. O teste de renda inclui a renda do parceiro ou daqueles que vivem na mesma casa. Medidas especiais de ativação para os <25 anos. Holanda: Diferentes categorias de beneficiários com base em quanta ajuda eles necessitam para encontrar um emprego. Programas diferentes disponíveis para categorias diferentes. Suécia: Participação em trabalho municipal ou projetos de treinamento obrigatório para aqueles que estão desempregados há muito tempo e para aqueles com menos de 25 anos de idade. Reino Unido: Novo Acordo. Diferentes esquemas para diferentes grupos alvo.

18 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 2. Maior pressão administrativa Exigências e sanções mais rígidas Alemanha e Suécia: Exigências de que os desempregados aumentem o número de áreas nas quais buscam uma ocupação e aumentem a área geográfica de busca de emprego. As sanções não são implementadas de forma rígida na maioria dos países.

19 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 2. Maior pressão administrativa Assistência Individualizada França: um plano de ação pessoal é assinado pelo candidato a emprego e pelo serviço público de empregos. Alemanha: os gerentes de caso ajudam os clientes de forma mais rápida e efetiva. Eles não devem ser responsáveis por mais de 75 clientes. Holanda: o gerente de caso ajuda com uma estratégia personalizada de reintegração, por meio da qual os beneficiários olham vitrines para descobrir que serviços eles necessitam (treinamento para entrevistas de emprego, educação, etc.) Reino Unido: Novo Acordo. Assistência individualizada a candidatos a emprego na forma de um conselheiro pessoal.

20 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 3. Menores barreiras de entrada no mercado de trabalho Diminuição das contribuições sociais dos empregadores França: empregadores isentos da contribuição social para o pagamento de valor baixo. Holanda: empregadores poderiam deduzir uma certa quantia da contribuição e dos impostos para todos os empregados que recebam menos de 115% do salário mínimo. Subsídios ao empregador Bélgica: quando os funcionários saem de licença para viagem de estudos, o empregador recebe um bônus se o substituir por um desempregado. Holanda: os empregadores recebem diversos subsídios se contratarem alguém que estava desempregado anteriormente (por um longo período).

21 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 4. Fortalecimento da autoresponsabilidade Alteração para benefícios em dinheiro para grupos especiais Alemanha: Assistência em circunstâncias especiais, beneficia os enfermos e os beneficiários deficientes com benefícios em espécie, mas agora integrados na Assistência Social financeira. Contas poupança Holanda: está considerando a introdução de contas poupança para o seguro desemprego.

22 Sumário 1. Origens das reformas 2. Objetivos e instrumentos 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 4. Reforma dos incentivos para os provedores 5. Reforma dos direitos de elegibilidade 6. Conclusões: Convergência e sucesso? 7. Lições da Europa

23 4. Reforma dos incentivos para os provedores 1. Transmissão de responsabilidades Em muitos países da Europa, essa tendência tem sido clara. França: O Département (96 na França, 4 no exterior) será responsável pela assistência social, em lugar do governo nacional Holanda:a responsabilidade pelo alívio da pobreza é dos municípios, com direitos definidos no nível nacional Suécia: Financiamento e processo de tomada de decisões nas políticas do mercado de trabalho descentralizados.

24 4. Reforma dos incentivos para os provedores 2. Privatização Holanda: privatização completa dos serviços de reintegração, ao longo de oito anos.

25 4. Reforma dos incentivos para os provedores 3. Aumento na qualidade dos serviços Postos de atendimento integrado - Alemanha: Centro de Emprego, integra a tarefa do governo federal de ativar desempregados e a tarefa local da administração da assistência social. - Holanda: Centro para o Trabalho e a Renda, para auxílio à busca de emprego e requerimento de benefícios. - Reino Unido: ONE, em fase de teste, prestação de benefícios conjuntos e de serviços de emprego. E-governo ou serviços on-line - Bélgica: Crossroads Bank de Seguro Social, diversas instituições separadas de bem-estar social são conectadas por meio da rede eletrônica do Crossroad Bank.

26 Sumário 1. Origens das reformas 2. Objetivos e instrumentos 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 4. Reforma dos incentivos para os provedores 5.Reforma dos direitos de elegibilidade 6. Conclusões: Convergência e sucesso? 7. Lições da Europa

27 5. Reforma dos direitos de elegibilidade Os jovens Solidariedade de parentes e familiares Os jovens não trabalharam por um longo período e, portanto, não contribuíram para o sistema de Proteção Social. Imigrantes Parcela crescente da população Necessidade desproporcional de Assistência Social

28 Sumário 1. Origens das reformas 2. Objetivos e instrumentos 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 4. Reforma dos incentivos para os provedores 5. Reforma dos direitos de elegibilidade 6. Conclusões: Convergência e sucesso? 7. Lições da Europa

29 5. Conclusões: Convergência e sucesso? Convergência? Não é bem assim. Algumas tendências estão apontando na mesma direção Entretanto, isso não está levando a alterações fundamentais nas diferenças internacionais na provisão da Proteção Social.

30 Mudanças e Tendências Problemas percebidos Mudanças Redefinição de elegibilidade Ativação (desativação) Melhoria da efetividade/ eficiência estática Melhoria da efetividade/ eficiência dinâmica Transmissão de responsabilidade

31 Sucesso e fracasso Três mecanismos: - ativação difícil - provedores buscando sucesso rápido - equilíbrio assistido e portas giratórias

32 Experiências interessantes Acompanhamento rápido: centros de atendimento integrado para trabalho e renda (Centres for Work and Income - CWI) (diversos países) (um bom exemplo de um centro de atendimento integrado) Órgãos para colocação no mercado de trabalho (Bélgica). Um bom exemplo de trabalho social, o qual visa integrar as pessoas com pequenas chances de emprego no mercado de trabalho regular, com o objetivo de combater a exclusão social

33 5. Conclusões: Convergência e Sucesso? Sucesso? Resultados que causam desapontamento. 1. O sistema funciona bem da forma como está. Ele estimula a inclusão social sem forçar a entrada no mercado de trabalho, onde os beneficiários não conseguiriam sobreviver. 2. Os provedores e os políticos estão buscando o sucesso imediato e têm em mente que qualquer trabalho é melhor que nenhum trabalho. Isso estimula o emprego precário. 3. Os beneficiários que saem do sistema de Proteção Social, mas que não conseguem encontrar um emprego, não têm outra escolha a não ser estabelecer-se no equilíbrio assistido existência de um núcleo difícil de beneficiários da assistência social.

34 Desafios Imigrantes Crianças e pobreza infantil Mulheres Idosos

35 Sumário 1. Origens das reformas 2. Objetivos e instrumentos 3. Reforma dos incentivos para os beneficiários 4. Reforma dos incentivos para os provedores 5. Reforma dos direitos de elegibilidade 6. Conclusões: Convergência e sucesso? 7. Lições da Europa

36 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. Copiar algumas partes não funciona

37 Sistema de Proteção Social na Europa: a estrutura do ciclo de vida SA SA

38 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. Copiar algumas partes não funciona 2. Copiar os sistemas pode dar resultado

39 Sistema de Proteção Social na Europa: a estrutura do ciclo de vida UCA, idade 0-16 EA, idade ILI; SA; CSP, idade UP; CP+CSP; PP; SA DA para pessoas deficientes desde o nascimento e para aquelas que são portadoras permanentes ou temporárias de necessidades especiais Investimento no capital humano/ sistema educacional Re-capacitação, proteção ao emprego, padrões mínimos, salário Saúde, desastres proteção familiar, infraestruturas de atenção a todos os grupos de idade e aos portadores de necessidades especiais

40 Sistema de Proteção Social nos Estados Unidos ILI; SA; CSP, idade CP+CSP; PP; SA DA para pessoas deficientes desde o nascimento e para aquelas que são portadoras permanentes ou temporárias de necessidades especiais Investimento no capital humano/ sistema educacional Re-capacitação, proteção ao emprego, padrões mínimos, salário Saúde, desastres proteção familiar, infraestruturas de atenção a todos os grupos de idade e aos portadores de necessidades especiais

41 Sistema de Proteção Social no país típico de média/ baixa renda SA SA DA para pessoas deficientes desde o nascimento e para aquelas que são portadoras permanentes ou temporárias de necessidades especiais

42 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. Copiar algumas partes não irá dar resultado 2. Copiar os sistemas pode funcionar, MAS SERÃO NECESSÁRIOS AJUSTES AJUSTES À SITUAÇÃO LOCAL AS MELHORIAS SÃO POSSÍVEIS VER PONTO 7 NO FINAL DA APRESENTAÇÃO

43 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. Copiar algumas partes não irá dar resultado 2. Copiar os sistemas pode funcionar 3. Os custos devem ser contidos

44 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. Copiar algumas partes não irá dar resultado 2. Copiar os sistemas pode funcionar 3. Os custos devem ser contidos 4. As questões de implementação são importantes

45 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. Copiar algumas partes não irá dar resultado 2. Copiar os sistemas pode funcionar 3. Os custos devem ser contidos 4. As questões de implementação são importantes Escritórios locais e de diligência Trabalhadores sociais Carteira aumentada de benefícios não financeiros

46 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. Copiar algumas partes não irá dar resultado 2. Copiar os sistemas pode funcionar 3. Os custos devem ser contidos 4. As questões de implementação são importantes 5. Capacidade na implementação Capacidade para pagar Capacidade para implementar Capacidade para elaborar

47 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. Copiar algumas partes não irá dar resultado 2. Copiar os sistemas pode funcionar 3. Os custos devem ser contidos 4. As questões de implementação são importantes 5. Capacidade na implementação 6. Restrições orçamentárias e desenho para o futuro

48 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE SISTEMAS DE PROTEÇÃO SOCIAL 1. Copiar algumas partes não irá dar resultado 2. Copiar os sistemas pode funcionar 3. Os custos devem ser contidos 4. As questões de implementação são importantes 5. Capacidade na implementação 6. Restrições orçamentárias e desenho para o futuro 7. LIÇÕES NA EUROPA LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO DO SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL

49 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE SISTEMAS DE PROTEÇÃO SOCIAL POLÍTICA SOCIAL COMO UM INVESTIMENTO PRODUTIVO POLÍTICA SOCIAL ATIVA E ABORDAGEM DO CICLO DE VIDA Prioridade 1: Crianças e jovens Prioridade 2: Famílias Prioridade 3: Ativação de grupos de idade ativa Prioridade 4: Contenção dos custos do envelhecimento

50 LIÇÕES NA EUROPA Prioridade 1: Crianças e jovens - a importância dos benefícios generosos às crianças (universal versus teste de renda verificada) - programas de intervenção na primeira infância - a importância do acesso garantido à educação de alta qualidade disponibilidade de ensino público gratuito disponibilidade de benefícios educacionais, bolsas de estudo - suavização da instabilidade familiar (ver prioridade 2)

51 Sistema de Proteção Social na Europa: a estrutura do ciclo de vida UCA, idade 0-16 EA, idade Investimento no capital humano/ sistema educacional

52 LIÇÕES NA EUROPA Prioridade 2: Famílias - reconciliar trabalho e assistência à saúde licença maternidade/ paternidade insfraestruturas acessíveis de assistência àcriança locais de trabalho favoráveis à família - incentivo ao emprego de mães

53 Sistema de Proteção Social na Europa: a estrutura do ciclo de vida UCA, idade 0-16 EA, idade Investimento no capital humano/ sistema educacional Re-capacitação, proteção ao emprego, padrões mínimos, salário, licença aos pais, assistência à criança, trabalho favorável à família Saúde, desastres proteção familiar, infraestruturas de atenção a todos os grupos de idade e aos portadores de necessidades especiais

54 LIÇÕES NA EUROPA Prioridade 3: Ativação de grupos de idade ativa - incentivo ao emprego de mães - aumento da idade efetiva de aposentadoria - reintegração de desfavorecidos e de portadores de necessidades especiais - oferecer proteção ao emprego, mas preservando a flexibilidade para trabalhadores e empregadores - ativação de desempregados e de outros beneficiários (incentivos financeiros, pressões administrativas e programas de re-capacitação)

55 Sistema europeu de benefícios financeiros: figura estilizada Benefício às crianças Benefício à educação Aposentadoria pública básica

56 Seguros de Perda de Renda (desemprego, enfermidade, incapacidade temporária) com ativação de esquema de benefício: incentivos financeiros à ativação Benefício Rs MAX % GMI 6 meses tempo

57 Sistema de Proteção Social na Europa: a estrutura do ciclo de vida ILI; SA; CSP, idade Re-capacitação, proteção ao emprego, padrões mínimos, salário Saúde, infraestruturas de atenção a todos os grupos de idade e aos portadores de necessidades especiais

58 n Ativação de sucesso leva à alteração da distribuição de produtividade na economia produtividade

59 n Ativação de sucesso leva à alteração da distribuição de produtividade na economia produtividade

60 n Ativação de sucesso leva à alteração da distribuição de produtividade na economia produtividade

61 LIÇÕES NA EUROPA Prioridade 4: Contenção dos custos do envelhecimento - ativação dos grupos de idade mais idosos (ver prioridade 3) - reforma do sistema de aposentadoria - reforma do sistema de atenção no longo prazo

62 Sistema de Proteção Social na Europa: a estrutura do ciclo de vida UP; CP+CSP; PP; SA DA para pessoas deficientes desde o nascimento e para aquelas que são portadoras permanentes ou temporárias de necessidades especiais Saúde, desastres proteção familiar, infraestruturas de atenção a todos os grupos de idade e aos portadores de necessidades especiais

63 LIÇÕES DA EUROPA SOBRE O DESENHO E A IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL Planejar o desenho geral e formar o sistema gradualmente, ajustando os níveis de benefício e a generosidade geral ao crescimento econômico e às restrições fiscais Evitar as armadilhas européias: Levar em conta as alterações demográficas na estrutura da população, migração, estrutura familiar e estabilidade/ instabilidade da família Levar em conta as alterações econômicas no crescimento e na composição de atividades econômicas Planejar para evitar a dependência e as armadilhas de pobreza Aprender com experiências úteis de todo o mundo

64 Engenharia social útil da Europa e dos países da OCDE Crianças: Benefícios para as crianças e para a educação na União Européia (universal) Benefícios para as crianças e para a educação vinculados à freqüência escolar (programa Oportunidades, México) Programas de pré-escola (Head Start USA)

65 Engenharia social útil da Europa e dos países da OCDE Crianças Famílias com crianças: Licenças maternidade/ paternidade pagas, creches e apoio financeiro ou de impostos, serviços de atenção fora da escola, horários de trabalho flexíveis para pais (na maior parte da União Européia, especialmente Suécia e outros países nórdicos) Assistência especial a pais solteiros desempregados, por meio de benefícios de impostos e de assistência à busca de emprego (Reino Unido)

66 Engenharia social útil da Europa e dos países da OCDE Crianças Famílias com crianças Bem-estar social no trabalho: Proteção ao emprego (maior parte da União Européia) Garantias mínimas de qualidade do emprego (maior parte da União Européia) Padrões de salário mínimo (maior parte da União Européia) Leis antidiscriminação (União Européia)

67 Engenharia social útil da Europa e dos países da OCDE Crianças Famílias com crianças Bem-estar social no trabalho Bem-estar social para o trabalho: Flexibilidade com segurança: pequena projeção de emprego, juntamente com seguros desemprego longos e generosos e re-emprego ou re-capacitação obrigatórios (Dinamarca) Órgãos de inclusão social (PWA) (Bélgica) Integração de portadores de necessidades especiais (Luxemburgo, Reino Unido)

68 Engenharia social útil da Europa e dos países da OCDE Crianças Famílias com crianças Bem-estar social no trabalho Bem-estar social para o trabalho Ativação de trabalhadores mais idosos: Reformas de aposentadoria na Alemanha, Suécia, quase todos os países europeus Revisão da aposentadoria precoce (Bélgica, França, Holanda) Legislação da União Européia sobre a nãodiscriminação por idade

69 Engenharia social útil da Europa e dos países da OCDE Crianças Famílias com crianças Bem-estar social no trabalho Bem-estar social para o trabalho Ativação de trabalhadores mais idosos Contenção de custos de assistência de longo prazo (idosos): Seguro de assistência aos idosos (Bélgica, Luxemburgo) Serviços de coordenação de assistência (Austrália)

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO Medicaid FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO O Medicaid é um programa de seguro saúde aprovado em 1965 como parte da Guerra à Pobreza. Ele é financiado em conjunto com recursos federais e estaduais, e representa

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA Visão geral de previdência Agenda 4Conceitos assistência, previdência, seguro 4Regimes e grandes números 4Sustentabilidade 4Previdência privada 4Saúde-Previdência 2 CONCEITOS

Leia mais

Sistemas de Educação e Cuidado na Primeira Infância nos países da OCDE: questões de tradição e governança

Sistemas de Educação e Cuidado na Primeira Infância nos países da OCDE: questões de tradição e governança CUIDADOS NA INFÂNCIA EDUCAÇÃO E CUIDADOS NA PRIMEIRA INFÂNCIA Sistemas de Educação e Cuidado na Primeira Infância nos países da OCDE: questões de tradição e governança John Bennett, M.Ed., PhD b Julho

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Incentivos à contratação 2013

Incentivos à contratação 2013 Incentivos à contratação 2013 Conheça os principais apoios à contratação em vigor em 2013 Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem consistir em apoios

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca www.pwc.pt/tax Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca Enquadramento da Lei nº. 70/2013 no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Remunerações no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Benefícios aos

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS E/OU INCAPACIDADES NO ENSINO E FORMAÇÃO PROFISSIONAIS SÍNTESE

PARTICIPAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS E/OU INCAPACIDADES NO ENSINO E FORMAÇÃO PROFISSIONAIS SÍNTESE PARTICIPAÇÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS E/OU INCAPACIDADES NO ENSINO E FORMAÇÃO PROFISSIONAIS Contexto político SÍNTESE Os dados internacionais mostram que as pessoas com incapacidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I Da Educação Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA Malcolm McLelland, Ph.D. 23 June

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

O Futuro da Aposentadoria Escolhas para o amanhã. Relatório do Brasil

O Futuro da Aposentadoria Escolhas para o amanhã. Relatório do Brasil O Futuro da Aposentadoria Escolhas para o amanhã Relatório do Brasil A pesquisa O Futuro da Aposentadoria é uma pesquisa independente de referência mundial sobre tendências globais de aposentadoria realizada

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Malcolm McLelland, Ph.D. Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA 16 October

Leia mais

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013 Carreiras do Futuro Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP São Paulo, 11 de junho de 2013 Previsão, Planejamento e Ação Estruturada para Criar o Futuro Pesquisas Abertas sobre Tendências e Futuro (desde

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL TERMO DE REFERÊNCIA N.º e Título do Projeto Projeto OEI BRA/08/003

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

Projeto de Apoio ao Crescimento Econômico com Redução das Desigualdades e Sustentabilidade Ambiental do Estado do Ceará

Projeto de Apoio ao Crescimento Econômico com Redução das Desigualdades e Sustentabilidade Ambiental do Estado do Ceará Projeto de Apoio ao Crescimento Econômico com Redução das Desigualdades e Sustentabilidade Ambiental do Estado do Ceará Programa para Resultados - PforR IPECE 16/10/2014 Estrutura Geral das Áreas de Atuação

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011

4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011 4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011 ABIMAQ: > 4500 empresas e > 260 mil empregos diretos Fotografia do Mercado de Trabalho - RS Dados do Ministério do Trabalho (2010):

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Boas Práticas. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador

Boas Práticas. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador Programa de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador Governo Autônomo Departamental de Santa Cruz de la Sierra BOLIVIA Índice Antecedentes... 2 Linhas estratégicas... 2 Ação...

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Social Europeu são uma forma eficiente e sustentável de investir no crescimento

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

SOFTWARE LIVRE NO SETOR PÚBLICO

SOFTWARE LIVRE NO SETOR PÚBLICO SOFTWARE LIVRE NO SETOR PÚBLICO Marco Túlio dos Santos(mtuliods@hotmail.com) Thales Macieira(monteiro_macieira@yahoo.com.br) Richardson Mendes(richardsonmendes407@gmail.com) Resumo: O artigo a seguir tem

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO Medida Contratação via Reembolso TSU Portaria nº 204-A/2013 de 18 de Junho Estágio Emprego Portaria nº 204-B/2013 de 18 de Junho Jovens idades 18-30 anos Adultos idade = ou > 45 anos Adultos idades 31

Leia mais

Empresas e a taxa de natalidade: dinheiro ou tempo? Rita Campos e Cunha 1

Empresas e a taxa de natalidade: dinheiro ou tempo? Rita Campos e Cunha 1 Empresas e a taxa de natalidade: dinheiro ou tempo? Rita Campos e Cunha 1 Rita Campos e Cunha 2 Na raíz do problema: Participação de mulheres no mercado trabalho Maior nível educacional Baixo nível salarial

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition Summary in Portuguese Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 Sumário em Português INTRODUÇÃO GERAL De John P. Martin Diretor do

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Standard Chartered Bank, Brasil Página 1 de 8 ÍNDICE I. OBJETIVO... 3 II. CICLO DE REVISÃO... 3 III. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 IV. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA... 4

Leia mais

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária Acesso a produtos e serviços bancários a cidadãos de baixa renda; Serviços bancários + preocupação social. Ações para inclusão

Leia mais

PPAG 2012-2015 Monitoramento Janeiro a Junho de 2012. Rede de Educação e Desenvolvimento Humano PROGRAMA 003 MELHOR EMPREGO 003 MELHOR EMPREGO

PPAG 2012-2015 Monitoramento Janeiro a Junho de 2012. Rede de Educação e Desenvolvimento Humano PROGRAMA 003 MELHOR EMPREGO 003 MELHOR EMPREGO 003 MELHOR EMPREGO PROGRAMA 003 MELHOR EMPREGO (A) (F) REALIZADA % C/B REPROGRA % F/E JAN A JUN MADA IMPLEMENTAR E ARTICULAR AÇÕES VISANDO A DIMINUIÇÃO DO TEMPO DE DE DESEMPREGO DO ATENDIMENTO TRABALHADOR

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

Sessão 5: Financiamento de Programas da Rede de Segurança Social (RSS) nos Estados Unidos

Sessão 5: Financiamento de Programas da Rede de Segurança Social (RSS) nos Estados Unidos PROGRAMAS DA REDE DE SEGURANÇA SOCIAL NOS ESTADOS UNIDOS Sessão 5: Financiamento de Programas da Rede de Segurança Social (RSS) nos Estados Unidos Martha Burt, Instituto Urbano Demetra Nightingale, Universidade

Leia mais

Como vai a vida no Brasil?

Como vai a vida no Brasil? Como vai a vida no Brasil? Junho de 2014 A Iniciativa para uma Vida Melhor da OCDE, lançada em 2011, analisa os quesitos mais importantes para determinar a qualidade de vida das pessoas. A iniciativa

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega

Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega Njal Hoestmaelingen, Diretor do Instituto de Direito e Política Internacional (ILPI) Discurso feito por Njaal Hoestmaelingen no Seminário de

Leia mais

CADASTRO ÚNICO POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SEUS DIREITOS

CADASTRO ÚNICO POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SEUS DIREITOS CADASTRO ÚNICO POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E SEUS DIREITOS SABIA? VOCÊ As pessoas em situação de rua têm direito a estar no Cadastro Único. O que é o Cadastro Único? O Cadastro Único identifica quem são

Leia mais

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações Situação a 2015 aternidade o Mundo: esumo e ecomendações ais são importantes. As relações pai-filho/a, em todas as comunidades e em todas as fases da vida de uma criança, têm impactos profundos e abrangentes

Leia mais

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas Protecção Social para um Crescimento Inclusivo Nuno Cunha Nações Unidas Contexto moçambicano O País tem experienciado um crescimento económico impressionante nos últimos 15 anos Importantes progressos

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Recomendação 146 da OIT: idade mínima de admissão ao emprego. A Conferência Geral da Organização lnternacional do Trabalho:

Recomendação 146 da OIT: idade mínima de admissão ao emprego. A Conferência Geral da Organização lnternacional do Trabalho: Recomendação 146 da OIT: idade mínima de admissão ao emprego RECOMENDAÇÃO 146 (Recomendação 146 sobre Idade Mínima de Admissão ao Emprego) A Conferência Geral da Organização lnternacional do Trabalho:

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL Abrigo Casa lar Casa de passagem Beatriz Guimarães Bernardeth Gondim Cláudia Souza A PNAS Situando o acolhimento institucional e familiar Proteção Básica Proteção Especial

Leia mais

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios Jairnilson Paim (Professor Titular da UFBA) Claudia Travassos (Pesquisadora Titular do ICICT/FIOCRUZ) Celia Almeida (Pesquisadora Titular da

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais