PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS"

Transcrição

1 Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1

2 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2

3 NUNCA!!!! JAMAIS! 3

4 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4

5 JÁ? TÃO CEDO... Considerações Iniciais Especificamente nas fachadas dos edifícios, a Tecnologia de Sistemas de Revestimentos promove uma contribuição SIGNIFICATIVA para se atingir desempenho e durabilidade, uma vez que os métodos tradicionais de execução têm resultado em tantos desgastes, custos e problemas judiciais entre construtores e consumidores. 5

6 SISTEMAS DE REVESTIMENTO Definição Segundo a NBR 13529, Sistema de Revestimento é o Conjunto formado por revestimento de argamassa e acabamento decorativo, compatível com a natureza da base, condições de exposição, acabamento final e desempenho, previstos em projeto. De onde conclui-se que: EM UM SISTEMA DE REVESTIMENTO DE FACHADA DEVEM SER LEVADOS EM CONSIDERAÇÃO TUDO QUE INTERFIRA EM SUA VIDA ÚTIL E DESEMPENHO. SISTEMAS DE REVESTIMENTO Funções Os Sistemas de Revestimentos de Fachadas visam: Embelezar e proteger a edificação das intempéries; Evitar a degradação dos materiais de construção; Promover a segurança e conforto dos usuários. 6

7 SISTEMAS DE REVESTIMENTO A grande incidência de problemas como eflorescências, bolores, destacamento de pastilhas, fissuras, infiltrações e descolamento de pinturas mostra que o segmento da construção civil precisa se preocupar cada vez mais com o sistema de revestimento de uma edificação compatibilizando mão de obra, sistemas construtivos e a tradição, de maneira condizente à Engenharia. SISTEMAS DE REVESTIMENTO Ação das Intempéries Ante a certeza dos fatores externos (gradientes térmicos, chuvas, ventos e deformações mecânicas), o estudo e desenvolvimento de um projeto executivo de fachadas poderá evitar o aparecimento das patologias ou, no mínimo, diminuí-las sensivelmente, aumentando a vida útil dos revestimentos. 7

8 AGENTES EXTERNOS Variações Térmicas Recalques Deformações Mecânicas Ventos Chuvas PATOLOGIAS EM FACHADAS Casos mais freqüentes Queda freqüente de pastilhas e placas cerâmicas; Fissuração mais intensa dos revestimentos, com aumento de permeabilidade; Degradação prematura de pinturas; Descolamento das pinturas; Formação de eflorescências; Descolamento da argamassa de revestimento da alvenaria. 8

9 PATOLOGIAS EM FACHADAS Fatores Determinantes Elevada espessura dos revestimentos externos, em certos casos devido a perda de prumada; Grandes extensões de painéis (sem juntas no revestimento); Maior velocidade imposta à execução dos revestimentos; Uso de altos teores de argila, com conseqüente aumento da fissuração; PATOLOGIAS EM FACHADAS Fatores Determinantes Inexistência de procedimento de cura; Utilização de revestimentos mais pesados e com pedras de maior dimensões; Emprego de Cimentos mais finos; Tonalidade do acabamento. 9

10 PATOLOGIAS - Exemplos PATOLOGIAS - Exemplos 10

11 PATOLOGIAS - Exemplos PATOLOGIAS - Exemplos Aço com corrosão 11

12 PATOLOGIAS - Exemplos? PATOLOGIAS EM FACHADAS Conforme já foi exposto anteriormente, a ocorrência das patologias nas fachadas das edificações são o prenúncio de problemas, também, em seus interiores. Deste modo, os problemas que ocorrem do lado de fora não devem ser vistos apenas como agressões estéticas à vitrine das obras, mas sim como avisos de que outras patologias ou acidentes ocorrerão mais cedo ou mais tarde. 12

13 PATOLOGIAS EM FACHADAS O processo de conceber e detalhar fachadas normalmente não recebe a devida atenção dos empreendedores, construtores e projetistas. Além disso, os projetos de arquitetura, estrutura, alvenaria e esquadrias muitas vezes são desenvolvidos sem a definição do produto final que será aplicado na fachada. PATOLOGIAS EM FACHADAS Assim, podemos afirmar que a falta de consideração de qualquer elemento, mesmo que considerado insignificante, no que diz respeito à qualidade dos materiais, ao projeto e a construção da fachada, afeta certamente, a imagem do edifício e, provavelmente, tornará muito mais difícil sua correção. 13

14 PATOLOGIAS EM FACHADAS De acordo com o observado, pode-se sintetizar as origens para o aparecimento de manifestações patológicas nas edificações da seguinte forma: Materiais: Utilização de componentes (cerâmica, juntas, rejuntes, argamassa de assentamento, cimento, cal, areia e suas misturas) em desacordo com as especificações e recomendações da normalização brasileira, ou, quando da sua inexistência, de normas internacionais e pesquisas já realizadas. PATOLOGIAS EM FACHADAS Projeto: Todos os aspectos ligados à concepção da edificação, desde a falta de coordenação entre projetos, escolha de materiais inadequados, até a negligência quanto a aspectos básicos como o posicionamento de juntas de trabalho e telas de reforço (metálicas ou plásticas). 14

15 PATOLOGIAS EM FACHADAS Produção: Envolve o controle de recebimento dos materiais, preparação das misturas, obediência aos prazos mínimos para a liberação dos serviços e, principalmente, o acompanhamento da execução de todas as camadas do sistema, sobretudo o assentamento das placas cerâmicas. PATOLOGIAS EM FACHADAS Uso: Trata dos fatores ligados à operação durante a vida do componente e, fundamentalmente, às atividades de manutenção requeridas para um desempenho adequado do conjunto com o decorrer dos anos. 15

16 Fatores e agentes intervenientes nos Sistemas de Revestimento de Fachada (SRF) REVESTIMENTO DECORATIVO PROJETOS TINTA / ARG. COLANTE CONSTRUTOR SRF REJUNTE/ SELANTES BASE E SUBSTRATO ESPECIFICAÇÕES MÃO-DE-OBRA FERRAMENTAS PATOLOGIAS Causas???? 16

17 PATOLOGIAS Tipos Congênitas Construtivas Adquiridas Acidentais PATOLOGIAS Causas a) Congênitas : São aquelas originárias rias da fase de projeto, em função da não observância das Normas Técnicas, ou de erros e omissões dos profissionais, que resultam em falhas no detalhamento e concepção inadequada dos revestimentos. São responsáveis por grande parte das avarias registradas em edificações. 17

18 PATOLOGIAS - Congênitas : Ausência de juntas PATOLOGIAS - Congênitas : Estruturas em balanço Lajes inclinadas Variação de volume Fonte : FUMEC 18

19 PATOLOGIAS - Congênitas b) Construtivas : PATOLOGIAS Causas Sua origem está relacionada à fase de execução da obra, resultante do emprego de mão-de-obra despreparada, produtos não certificados e ausência de metodologia para assentamento das peças, o que, segundo pesquisas mundiais, também são responsáveis por grande parte de das anomalias em edificações. 19

20 PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção 20

21 PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção 21

22 PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção 22

23 PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção PATOLOGIAS - Construtivas Fonte:Carasek,

24 PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção 24

25 PATOLOGIAS - Construtivas Fonte: Comunidade da Construção PATOLOGIAS Causas c) Adquiridas : Ocorrem durante a vida útil dos revestimentos, sendo resultado da exposição ao meio em que se inserem, podendo ser naturais, decorrentes da agressividade do meio, ou decorrentes da ação humana, em função de manutenção inadequada ou realização de interferência incorreta nos revestimentos, danificando as camadas e desencadeando um processo patológico. 25

26 PATOLOGIAS - Adquiridas PATOLOGIAS - Adquiridas Fonte: Comunidade da Construção Fonte:Tessele,

27 PATOLOGIAS - Adquiridas Fonte: Comunidade da Construção PATOLOGIAS - Adquiridas Fonte: Comunidade da Construção 27

28 PATOLOGIAS Causas d) Acidentais : Caracterizadas pela ocorrência de algum fenômeno atípico, resultado de uma solicitação incomum, como a ação a da chuva com ventos de intensidade superior ao normal, recalques e, até mesmo incêndio. Sua ação a provoca esforços os de natureza imprevisível, vel, especialmente na camada de base e sobre os rejuntes, quando não atinge até mesmo as peças, provocando movimentações que irão desencadear processos patológicos em cadeia. PATOLOGIAS - Acidentais Fonte:http://lh6.ggpht.com/casbtu/R62kgrSKRXI/AAAAAAAAAfQ/Ew_T2PEq4cg/s400/EUA_tornado2.jpg 28

29 E o custo de tudo isso? Fonte de dados do professor Otávio Luiz do Nascimento, com período compreendido entre 1995 e 1999, tendo pesquisado 585 edifícios, indica que: as patologias de fachadas decorriam de problemas de mão de obra; as patologias de fachadas decorriam de problemas de projeto; PATOLOGIAS EM FACHADAS as patologias de fachadas decorriam de problemas da cerâmica; as patologias de fachadas decorriam de problemas da argamassa. Verificou-se, ainda, que o prejuízo financeiro foi da ordem de R$ ,00 (quarenta e sete milhões de reais), o que endossa os pressupostos de estudar detalhadamente este tema. 29

30 PATOLOGIAS EM FACHADAS Na grande maioria das situações não há uma única origem para o surgimento da patologia, ocorrendo uma combinação de fatores cujas influências são variáveis caso a caso; De uma maneira geral, a patologia decorre de falhas ligadas a aspectos como especificação dos materiais, projeto e produção começa a ocorrer pouco tempo após o término da execução do revestimento, chegando no máximo a 5 anos; PATOLOGIAS EM FACHADAS As situações de projeto consideradas mais críticas, e portanto mais sujeitas ao descolamento numa edificação são os panos fechados, ou seja, sem aberturas para janelas ou varandas, trechos em curva, panos situados no lado poente (oeste) e cerâmicas de cor escura; Deficiências como a ausência de juntas de dilatação e falha de preenchimento do tardoz da cerâmica com a argamassa de assentamento têm influência significativa no surgimento do problema; 30

31 PATOLOGIAS EM FACHADAS Observa-se uma correspondência clara entre o processo de assentamento das placas cerâmicas e o grau de preenchimento do seu tardoz com argamassa. Pois é, E em Salvador? Bem...Veja bem... 31

32 Levantamento das Principais Patologias de Revestimentos de Fachada de Edifícios na Cidade de Salvador em Pesquisadores: TRABALHO DE PESQUISA: Lílian Sirlene Rissutti Cirne (Bolsista de iniciação científica - UFBA) Prof a Fabiana Lopes de Oliveira (UFBA) Prof a Tatiana Bittencourt Dumêt (UFBA) Coordenadora: Prof a Tatiana Bittencourt Dumêt (UFBA) LOCAIS LEVANTAMENTO FOTOGRÁFICO 32

33 LOCAIS LEVANTAMENTO FOTOGRÁFICO CONCLUSÕES De acordo com esse levantamento pôde-se observar que a maioria das fachadas que apresentam manifestações patológicas é de prédios antigos e em princípio, foi detectada que a causa principal dessas falhas é proveniente da falta de manutenção e não da execução. Os principais problemas registrados foram: Descolamento das pastilhas e das placas cerâmicas; Manchas na pintura (microorganismos); Sujeira; Fissuração; Eflorescências; Destacamento da pintura; Diferenças de tonalidades nas fachadas. 33

34 PESQUISA COM CONSTRUTORAS 10 EMPRESAS Na pesquisa junto às construtoras, verificou-se que apenas duas delas tiveram projeto de revestimento de fachada, sendo que uma não o seguiu integralmente. A realização desse projeto por um profissional especializado ameniza a ocorrência das patologias, como indicou o resultado da pesquisa, pois a obra que o seguiu integralmente, não apresentou manifestações patológicas. PESQUISA COM CONSTRUTORAS 10 EMPRESAS Outro fator importante identificado foi a qualidade de execução do revestimento de fachada. O fato de terceirizar esse serviço não garante a qualidade do mesmo, o que ocorreu em duas das obras analisadas. Uma das construtoras optou por treinar sua própria equipe, promoveu a formação de um encarregado de fachada que recebeu treinamento específico sobre as etapas de execução da fachada e participou da elaboração do plano de ataque e, também, criou a figura do conferencista da fachada que fazia avaliações dos serviços executados após terem sido considerados concluídos pelo encarregado. Após s um ano de serviços concluídos não apareceram solicitações de manutenção pelos clientes. 34

35 PESQUISA COM CONSTRUTORAS 10 EMPRESAS FINALMENTE... Nessa pesquisa, pode-se afirmar que na maioria dos casos patológicos ocorridos nas obras pesquisadas, a causa principal é proveniente da falta de mão-de-obra qualificada ou na falta de projeto executivo que auxilie na fase de revestimento de fachada. Nas empresas que desenvolveram projeto ou que promoveram treinamento para seus funcionários os resultados obtidos foram positivos. ACESSE: s/lnk05/ 04/PesquisaPatologia.pdf COMO EVITAR PATOLOGIAS? Elaboração de Projeto executivo detalhado do Revestimento de Fachada. Atendimento às especificações de projeto; Aquisição e controle dos materiais empregados; Preparação adequada da base; Produção e aplicação adequada da argamassa de revestimento; 35

36 COMO EVITAR PATOLOGIAS? (II) Execução de Controle Tecnológico adequado; Treinamento e conscientização da mão-deobra; Atenção constante do engenheiro da obra. Especificações e Procedimentos da ABNT Muitas das recomendações feitas nos projetos executivos de fachadas vêm das Normas Brasileiras existentes sobre o tema, em especial as seguintes: NBR Execução de revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas - Procedimento; NBR Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos Requisitos. CONSULTEM AS NORMAS TÉCNICAS SOBRE O TEMA!!! 36

37 AS FERRAMENTAS... AS FERRAMENTAS... A aplicação da engenharia Experiência, boas práticas 37

38 A MAIOR DELAS... A ENGENHARIA!!!! E QUE ENGENHARIA!!! 38

39 VII SEMANA PENSANDO EM ARGAMASSA OBJETIVO...contribuir para a transformação de práticas construtivas tradicionais em tecnologia aplicada à construção civil e divulgação de melhorias tecnológicas. Até a VIII SEMANA PENSANDO EM ARGAMASSA!!!! OBRIGADO!! 39

REVESTIMENTO CERÂMICOS

REVESTIMENTO CERÂMICOS SEMINÁRIOS DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REALIZAÇÃO: IBAPE NACIONAL E IBAPE PR Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Foz do Iguaçu-PR II Seminário Nacional de Perícias de Engenharia PERÍCIAS EM FACHADAS

Leia mais

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO PADARATZ, Ivo J. (1); CANOVA, José A. (2); DE MORI, Luci M. (3);

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

LEVANTAMENTO QUANTITATIVO DAS PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS EM FACHADAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB

LEVANTAMENTO QUANTITATIVO DAS PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS EM FACHADAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB LEVANTAMENTO QUANTITATIVO DAS PATOLOGIAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS EM FACHADAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB Marcos PADILHA JR (1); Giovanni AYRES (2); Raphaele LIRA (3); Daniel

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

PATOLOGIA DE FACHADAS

PATOLOGIA DE FACHADAS PATOLOGIA DE FACHADAS Antônio Henrique Correa de Freitas 1 Poliana Miranda França 2 Tamiris Miranda França 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade explorar as diversas patologias existentes em fachadas,

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

Rua do Príncipe nº 526 - Boa Vista - Recife - PE CEP 50050-900 Fone: (81) 2119-4217

Rua do Príncipe nº 526 - Boa Vista - Recife - PE CEP 50050-900 Fone: (81) 2119-4217 MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS FACHADAS DO BLOCO A Recife, 10 de julho de 2015 1 APRESENTAÇÃO A Universidade Católica de Pernambuco, com mais de 60 anos de história, vem contribuindo cada

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento

Leia mais

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Engª MsC Silvania Miranda do Amaral Engenheira Civil e de Segurança do Trabalho Especialista em Georreferenciamento Mestre em Engenharia Civil Má

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço:

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço: ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: CARACTERIZAÇÃO DO BEM IMOVEL: 1. Endereço: 2. Proteção legal: Tombamento Municipal Tombamento Estadual Tombamento Federal Preservado

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

X CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS X COBREAP

X CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS X COBREAP X CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS X COBREAP PERÍCIAS EM PATOLOGIAS DE REVESTIMENTOS EM FACHADAS MAIA NETO, FRANCISCO ENGENHEIRO CIVIL - CREA - MG 34.192/D RUA BENVINDA DE CARVALHO,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia, Crea-BA RELATÓRIO VISTORIA Nº. 007/2012

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia, Crea-BA RELATÓRIO VISTORIA Nº. 007/2012 , Crea-BA RELATÓRIO DE VISTORIA Nº. 007/2012 Salvador, 03 de abril de 2012. , Crea-BA RELATÓRIO DE VISTORIA 1 - SOLICITANTE: Vereadora Aladilce Souza Membro da Frente Parlamentar Mista em defesa de Itapuã,

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

REVESTIMENTOS EM FACHADAS: ANÁLISE DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NOS EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUTORA EM PORTO ALEGRE

REVESTIMENTOS EM FACHADAS: ANÁLISE DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NOS EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUTORA EM PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Cristine Groff REVESTIMENTOS EM FACHADAS: ANÁLISE DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS NOS EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUTORA

Leia mais

XVII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SC - 2013

XVII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SC - 2013 Título do Trabalho: Perícia para reabilitação do revestimento em granito das fachadas do Centro Hospitalar X. Autor: Eng. Civil Luís Henrique Poy, Esp. Especialista em PATOLOGIA NAS OBRAS CIVIS luis.poy@terra.com.br

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto)

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) - Fatores Críticos de Sucesso Francisco Paulo Graziano Características necessárias das estruturas dos em parede estrutural Facilidade

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho Perícias judiciais IBAPE SP - AGOSTO 2011 1 NORMAS TÉCNICAS Zona de fronteira Direito Engenharia 2 Norma de Desempenho

Leia mais

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos

Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Manifestações patológicas na construção Patologia em fachadas com revestimentos cerâmicos Pathology on facades with ceramic coatings Galletto, Adriana (1); Andrello, José Mario (2) Mestre em Engenharia

Leia mais

Aula 4 : Desenho de Estruturas

Aula 4 : Desenho de Estruturas Aula 4 : Desenho de Estruturas Índice: UNIDADE 4 DESENHO DE ESTRUTURAS 4.1 Introdução; Fundações: - São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

STUCCO NEW YORK SISTEMA DE ACABAMENTO DE APLICAÇÃO DIRETA DETALHES RECOMENDADOS

STUCCO NEW YORK SISTEMA DE ACABAMENTO DE APLICAÇÃO DIRETA DETALHES RECOMENDADOS NEW YORK STUCCO TM Sistemas de acabamento de aplicação direta não utilizam espuma de isolamento EPS (isopor) ou XPS na configuração do projeto. Barreira contra intempéries, revestimento básico, tela e

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional Projeto de Revestimento de Fachada em Argamassa Engª MSc Fabiana Andrade Ribeiro www.fchconsultoria.com.br Projeto de Revestimento de Fachada Enfoque na Racionalização FCH Consultoria e Projetos de Engenharia

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES INSPEÇÃO PREDIAL CHECK UP E PREVENÇÃO DE ACIDENTES IBAPE/SP Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo

Leia mais

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Realização: Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Ricardo Leopoldo e Silva França PALESTRA do Gogó da Ema! Quatro apresentações,

Leia mais

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PONTUAÇÃO-LIMITE DOS QUESITOS DA PROVA DE TÍTULOS DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR ASSISTENTE EM REGIME DE 20 HORAS SEMANAIS PARA O DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO

Leia mais

PERÍCIAS EM ENGENHARIA DE IMPERMEABILIZAÇÃO

PERÍCIAS EM ENGENHARIA DE IMPERMEABILIZAÇÃO PERÍCIAS EM ENGENHARIA DE IMPERMEABILIZAÇÃO JOÃO CASSIM JORDY (1); LUIZ CARLOS MENDES (2) (1) Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Rua São Bento n.º 1, 12º andar, Rio de Janeiro, RJ, Brasil,

Leia mais

VAZAMENTOS E INFILTRAÇÕES

VAZAMENTOS E INFILTRAÇÕES VAZAMENTOS E INFILTRAÇÕES Um dos maiores inimigos das estruturas, tanto de concreto, aço ou madeira é a umidade, ela age no local por anos silenciosamente e quando damos conta lá está um enorme prejuízo

Leia mais

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA ELEMENTOS DE FACHADA Belo Horizonte, 08 de maio de 2014 1- FACHADAS EM ALUMÍNIO E VIDRO 1.1 ALUMÍNIO A grande questão da utilização do alumínio em fachadas cortina é a definição do tipo de revestimento

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

Ganhos na Implantação de Projeto de Revestimento de Fachadas. São Paulo, 29/08/12

Ganhos na Implantação de Projeto de Revestimento de Fachadas. São Paulo, 29/08/12 Ganhos na Implantação de Projeto de Revestimento de Fachadas São Paulo, 29/08/12 HISTÓRICO DA LORENGE S.A. A Empresa fez 32 anos de existência em Janeiro/12; Empresa familiar com 6 sócios; Missão Empreender

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

Coberturas duráveis, com galvanização

Coberturas duráveis, com galvanização Coberturas duráveis, com galvanização A Fifa definiu que a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, deverá perseguir o que chamou de Green goals, ou seja, metas verdes, numa alusão à desejada sustentabilidade

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ISOPORTEC A ISOPORTEC é focada na produção de soluções em isopor de alta performance para a construção civil, valorizando produtos que fazem diferença nos projetos mais complexos.

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente,

GARANTIA. Introdução. Prezado Cliente, GARANTIA Introdução Prezado Cliente, Este Termo tem como objetivo lhe orientar sobre os prazos de garantia dos componentes e s de seu imóvel, e como solicitar a Assistência Técnica Venax Construtora. Os

Leia mais

Patologias mais Correntes nas Fachadas de Edifícios em Brasília

Patologias mais Correntes nas Fachadas de Edifícios em Brasília Patologias mais Correntes nas Fachadas de Edifícios em Brasília Elton Bauer * Prof. Associado I UnB Brasil elbauer@terra.com.br Eliane Kraus de Castro * Profª. Colaboradora - UnB Brasil kraus@unb.br Giselle

Leia mais

CONSULTORIA e PERÍCIAS em ENGENHARIA CIVIL

CONSULTORIA e PERÍCIAS em ENGENHARIA CIVIL CONSULTORIA e PERÍCIAS em ENGENHARIA CIVIL 1. CONSULTORIA / PERÍCIA DE ACOMPANHAMENTO NAS DIVERSAS ETAPAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL O acompanhamento das etapas da execução de um empreendimento imobiliário, por

Leia mais

Vistoria e Levantamento de Patologias Prediais

Vistoria e Levantamento de Patologias Prediais Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade Florianópolis Santa Catarina Brasil 55 (048) 3721-5100 Vistoria e Levantamento de Patologias Prediais Centro de Ciências da Saúde Bloco K Florianópolis

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA Manual de Assentamento de Revestimento Cerâmico Esse material tem por finalidade evidenciar a utilização de argamassas e rejuntes. A grande vantagem da utilização desses materiais residem principalmente

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

O Projeto da Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de Paredes

O Projeto da Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de Paredes O Projeto da Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de Paredes Ivan Ramalho de Almeida Regina Helena F. de Souza Maria do Rosário Veiga Prof. da Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ) Brasil

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

II Seminário de Engenharia Diagnóstica em Edificações

II Seminário de Engenharia Diagnóstica em Edificações II Seminário de Engenharia Diagnóstica em Edificações PAINEL 3 PALESTRANTES: Jerônimo Cabral P. Fagundes Neto José Eduardo Granato Roberto José Falcão Bauer NOVEMBRO - 2013 PAINEL 3 PERÍCIAS DE ENGENHARIA

Leia mais

CONSTRUTORA A F CINTRA LTDA. Recuperação e Reforço de Estruturas Restauração de Fachadas - Impermeabilizações Pisos - Laudos Técnicos

CONSTRUTORA A F CINTRA LTDA. Recuperação e Reforço de Estruturas Restauração de Fachadas - Impermeabilizações Pisos - Laudos Técnicos Guarujá, 30 janeiro de 2014. Condomínio Edifício Tivoli Garden. Av. Atlântica, 490. Enseada Guarujá - SP. At.: Sr. Wanderley Síndico. Ref: Execução de serviços de construção de sacadas na fachada frontal,

Leia mais

Relatório de Vistoria

Relatório de Vistoria Relatório de Vistoria Cond. Ed. Centro Médico Empresarial Rua Vicente Nogueira Braga, 324, Fátima, Fortaleza/CE Setembro/2012 1 Índice: 01. Informações iniciais; 02. Patologias, diagnóstico técnico com

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Revest. em Ministério argamassa da e Educação gesso 14:54 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Prof. José de Almendra

Leia mais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas de Manta de PVC Soluções completas para impermeabilização A MC-BAUCHEMIE apresenta ao mercado da construção um

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE INSPEÇÃO PREDIAL ENGENHARIA DIAGNÓSTICA

LAUDO TÉCNICO DE INSPEÇÃO PREDIAL ENGENHARIA DIAGNÓSTICA LAUDO TÉCNICO DE INSPEÇÃO PREDIAL ENGENHARIA DIAGNÓSTICA SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Dos dados 1.2 Identificação do imóvel 1.3 Tipologia 2. OBJETIVOS 2.1 Critérios utilizados 2.2 Nível de inspeção

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS Luciana Leone Maciel Mércia M. S. Bottura Barros Fernando Henrique Sabbatini São Paulo,

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO MEMORIAL DESCRITIVO Reforma Unidade de Saúde de Campo da Água Verde Local: Campo da Água Verde Canoinhas/SC CANOINHAS-SC ABRIL / 2014 SERVIÇOS PRELIMINARES E GERAIS... Este Memorial Descritivo tem a função

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO PATOLÓGICA NO SUBSISTEMA DE REVESTIMENTO DE FACHADAS COM PLACAS CERÂMICAS

PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO PATOLÓGICA NO SUBSISTEMA DE REVESTIMENTO DE FACHADAS COM PLACAS CERÂMICAS PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO PATOLÓGICA NO SUBSISTEMA DE REVESTIMENTO DE FACHADAS COM PLACAS CERÂMICAS Elaine G. Vazquez (1); Ana Catarina J. Evangelista (2); Eduardo L. Qualharini (3) Cledson dos S. Ramos

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DA UMIDADE DE EDIFICAÇÕES EM CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI MG

AVALIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DA UMIDADE DE EDIFICAÇÕES EM CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI MG AVALIAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DA UMIDADE DE EDIFICAÇÕES EM CIDADES DO VALE DO JEQUITINHONHA E MUCURI MG Michele Batista Ramalho michelebatram@hotmail.com Rede de Ensino Doctum R. Gustavo Leonardo,

Leia mais

REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS Programa de Melhoria da Comunidade da Construção Revestimento Cerâmico em Fachadas C. Rolim Engenharia Ltda Caltech Engenharia Construtora Colmeia Construtora LCR Construitora Marquise S.A. Construtora

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 1 OBJETIVO / FINALIDADE / INTERESSADO O Parecer Técnico tem por objetivo identificar as causas do desabamento do edifício

Leia mais

Delmiro Gouveia e Região Causas e Soluções

Delmiro Gouveia e Região Causas e Soluções Universidade Federal de Alagoas Campus do Sertão Eixo das Tecnologias Levantamento das Patologias em Residências de Delmiro Gouveia e Região Causas e Soluções LAJE PAREDES REVESTIMENTO FUNDAÇÃO Delmiro

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Cadeia Produtiva da Construção Civil - PlanHab INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Prof. Alex Abiko Escola Politécnica USP 09 de Abril de

Leia mais