HOSPITAIS PRIVADOS. Parceiros de referência na Saúde dos Portugueses

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HOSPITAIS PRIVADOS. Parceiros de referência na Saúde dos Portugueses"

Transcrição

1 HOSPITAIS PRIVADOS Parceiros de referência na Saúde dos Portugueses

2 UM Teófilo Leite Presidente ESTADO GARANTIA COM A INTERVENÇÃO DO MERCADO Os sistemas de saúde estão, hoje, submetidos, como nunca, a um escrutínio permanente que visa assegurar a sua vitalidade, garantindo, ao mesmo tempo, os princípios do acesso e da equidade sem comprometer os níveis de despesa pública. Neste contexto, será possível garantir a sustentabilidade e a inovação em saúde sem comprometer a qualidade dos actos médicos e os direitos dos cidadãos a cuidados de saúde diferenciados? Como poderemos resolver este aparente paradoxo, em que a saúde, uma das grandes conquistas da humanidade, se tornou um problema? Que modelo de organização do sistema de saúde se re- vela mais eficiente na resolução deste dilema? Pois bem, o Estado Garantia, enquanto evolução do Estado Social, assente nos princípios da liberdade de escolha do cidadão, sem colocar em causa o acesso universal; da igualdade entre prestadores públicos e privados; da separação entre prestação e financiamento; da concorrência no financiamento e na prestação, é a via que está a ser adoptada, em vários países da Europa, para harmonizar melhor todas as variáveis da economia da saúde. É um Estado Garantia que a APHP também defende para Portugal no domínio da Saúde. Evolução do Estado Social na forma de organização das funções estatais, o Estado Garantia potencia o bem-estar de cada um ao maximizar a liberdade de escolha de todos os cidadãos. Infelizmente, a identificação errónea que a maioria dos portugueses faz entre SNS e acesso universal tem-se revelado o maior obstáculo à realização das mudanças de que Portugal necessita no domínio da Saúde. Os custos, o tempo de atendimento e o número de actos praticados são factores indissociáveis em qualquer mercado. Não podemos continuar a permitir que o sector da saúde os ignore, a bem da sustentabilidade do sistema 2 > 3

3 CONFERIR AO CIDADÃO O PODER DE DECISÃO Na jovem democracia portuguesa, será difícil encontrar outro sector relevante para a vida económica e social portuguesa que tenha conhecido tão grandes e tão relevantes transformações como o da Saúde. Profundamente envolvida neste percurso, que é de sucesso para a hospitalização privada, a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) que representa desde 1974 os interesses e valores das clínicas e hospitais privados portugueses defende, sem subterfúgios, um sistema de saúde que assuma características de pluralidade de prestação, competitividade, eficiência e liberdade de escolha da unidade de saúde. O seu objectivo é assegurar o Estado Garantia com a intervenção do mercado. Convicta de que não podemos, no domínio da Saúde, assentar os desafios do presente e do futuro, que são inevitavelmente outros, sobretudo do ponto de vista do financiamento, nas conquistas de bem-estar do passado, sem que exista um equilíbrio na evolução da receita, a APHP preconiza um Estado que garanta e regule a prestação competitiva, de acordo com as leis do mercado, de serviços de saúde. A APHP visa a criação do Sistema de Saúde Português, sob as bases da liberdade de escolha do cidadão e à luz do princípio do Estado Garantia. O Estado asseguraria, então, que o cidadão teria cuidados de saúde ao ser dispor, independentemente da natureza do prestador. E em vez de pagar aos hospitais sem olhar para os serviços que efectivamente fazem, passaria a remunerá-los em função dos cuidados que prestam. O sistema organizar-se-ia não em função da oferta, como acontece agora, mas como consequência da procura. NOVOS PRINCÍPIOS RUMO À SUSTENTABILIDADE Num sistema de saúde caracterizado por uma procura cativa, em que a regra é a ligação imposta entre o utente e os serviços públicos da sua área de residência, independentemente da eficiência ou qualidade com que os cuidados são, de facto, prestados, urge introduzir uma liberdade geradora da concorrência e de maiores benefícios para o triângulo Cidadão Estado Prestadores de Cuidados de Saúde. O princípio da liberdade de escolha tem sido sucessivamente negligenciado, o que se torna tão menos compreensível quanto o mesmo pode contribuir para importantes melhorias de eficiência e de produtividade, num contexto de novos desafios no domínio da dotação financeira. Com recursos cada vez mais limitados, impõem-se, na actuação de todos os agentes da saúde, escolhas que não comprometam a sustentabilidade: Liberdade do cidadão para escolher o prestador de cuidados. Induzir concorrência e competitividade no sistema; disciplinar a gestão hospitalar e colocar todos os cidadãos nacionais numa real situação de igualdade são os objectivos. Separação entre prestação e financiamento na Saúde. Um modelo centralizador gera várias perversidades no sistema. Criação de um seguro de saúde para todos os portugueses. Num contexto de menor dotação para a saúde e de envelhecimento da população, é urgente encontrar novas formas de financiamento do sistema de saúde. No entanto, é crucial que esta solução acautele medidas sociais capazes de garantir às camadas populacionais de menores rendimentos o acesso equitativo a cuidados de saúde. Conclusão do processo do registo de saúde electrónico. Estando no topo do ranking europeu de e-health, Portugal nunca reuniu tantas condições para concretizar com excelência este projecto que se pode revelar estruturante, não só na agilização do processo clínico, como também no controlo do consumo e na educação da população para o consumo de actos de saúde. Desenvolvimento em Portugal de um verdadeiro cluster da saúde. A hospitalização privada pode ser um motor que criará valor em diversos sectores da economia nacional. Mobilidade de doentes na Europa. Induzir a procura de cuidados de saúde portugueses por cidadãos de outros países da UE no âmbito da nova directiva europeia de cuidados transfronteiriços. Um Estado Garantia com a intervenção do mercado. O Estado só precisa de garantir e regular os cuidados de saúde, não tem de ser o prestador. 4 > 5

4 UM IDEÁRIO EM LINHA COM A EUROPA A APHP, que a nível europeu é representada pela União Europeia de Hospitalização Privada (UEHP), procura desenvolver movimentos de reforma idênticos aos que se registam actualmente na Europa e que são, quer de amplitude não vista em décadas, quer independentes do modelo que os diferentes países historicamente adoptaram. A HOLANDA criou um seguro de saúde privado e de aquisição obrigatória. E o Estado centra-se em questões essenciais de regulação e suporta os custos do seguro para cidadãos sem rendimentos. No REINO UNIDO, cujo modelo de saúde foi o paradigma do nosso Serviço Nacional de Saúde, e o NHS National Health Service (a maior organização da Europa) evoluiu num só rumo: a liberalização da escolha do prestador dos serviços de saúde. A gestão de organizações de saúde na Europa está, assim, no meio de uma re- volução e as forças revolucionárias são os pacientes, o conhecimento, as tecnologias de informação e as dotações financeiras mais reduzidas. Neste momento de grande mobilidade transnacional, do qual a directiva dos cuidados de saúde transfronteiriços é a novidade que confirma a tendência, urge que os pontos de contacto entre sistemas nacionais de saúde sejam mais fortes do que os pontos de clivagem. MAIS EUROPA NA SAÚDE A história da UEHP começa em 1971, ano da criação do Comité Europeu dos Hospitais Privados (CEHP). O CEHP editou diversas publicações, estudos, posições e pareceres, conquistando um estatuto de prestígio no âmbito da então Comunidade Europeia. Em 1988, abriu as suas fileiras às associações de estados europeus não aderentes à CE, facto que viria a dar origem, três anos mais tarde, à constituição da União Europeia de Hospitalização Privada (UEHP). Em 1993, na cidade de Roma, a UEHP adoptou uma Declaração de Princípios, que motiva, desde então, a realização de numerosos estudos e resoluções, bem diversas parcerias e colaborações com instituições europeias, tais como o Fórum das Políticas de Saúde da DG Sanco, entre outros da Comissão Europeia; o Comité Económico e Social Europeu; o Business Europe, a Health First Europe ou a European Medical Association. A UEHP, uma federação de associações nacionais, focada na defesa dos hospitais independentes da Europa, preconiza a equidade, a qualidade e a sustentabilidade dos sistemas de saúde através da liberdade de escolha do cidadão, da livre concorrência entre prestadores públicos e privados, da separação entre financiamento e prestação, da concorrência no domínio do financiamento, da definição de padrões europeus de normalização e regulação do sector, bem como do desenvolvimento do e-health. Acreditada pelo Parlamento Europeu, a UEHP defende, assim, mais Europa na Saúde para que se possa obter mais Saúde na Europa. 6 > 7

5 UMA RESPOSTA DINÂMICA CENTRADA NO PACIENTE Com a construção de mais de 20 hospitais privados na última década, a hospitalização privada portuguesa conheceu um crescimento exponencial e conquistou, por mérito próprio, o reconhecimento da população e dos parceiros dos mais diversos sectores. O futuro da saúde em Portugal passará cada vez mais pela iniciativa privada, cuja rede é uma verdadeira alternativa ao sector público e se caracteriza hoje por uma assistência médica integral (equipas constituídas pelos melhores profissionais e em dedicação exclusiva, apoiadas por modernas tecnologias), serviços de saúde de elevada qualidade e diferenciação (com condições para o tratamento de casos clínicos complexos e que até há pouco tem- po apenas o podiam ser no sector público) e cuidados de saúde numa perspectiva de integração/rede. Os hospitais privados têm a preferência dos cidadãos, num contexto de grandes desafios económicos e financeiros, porque realizam uma gestão virtuosa e não uma gestão política da assistência médica; visam a inovação, incorporam sistematicamente tecnologia e apostam na formação continuada dos profissionais; têm uma visão moderna da medicina personalizada, preditiva, preventiva e participada; colocam o paciente no centro da sua acção; e são os parceiros naturais dos seguros privados de saúde, que os cidadãos tendem a privilegiar como garantia de uma assistência continuada que permita manter um estado geral de boa saúde. PRINCIPAIS INDICADORES/ hospitais clínicas milhões de facturação ano 50% das consultas 25% dos internamentos 25% da capacidade cirúrgica nacional 15% das camas 5% dos episódios de urgência 40% dos cuidados de saúde assegurados em Portugal 8 > 9

6 A SAÚDE COMO MOTOR DA ECONOMIA Na Europa do Futuro, tal como foi enquadrada pela Estratégia de Lisboa e, mais recentemente, pela Estratégia Europa 2020, a Saúde é riqueza, para os cidadãos, para o Estado e para os vários operadores do mercado. É necessário agora adaptar essas linhas orientadoras à saúde, estimulando o empreendedorismo, a inovação e a utilização sustentável dos recursos, como vias de aumento da competitividade da economia nacional. A APHP defende o desenvolvimento em Portugal de um verdadeiro cluster da Saúde, do qual a hospitalização privada pode ser um motor, que criará valor em diversos sectores da economia nacional. Para além do know-how na concepção e gestão de unidades de saúde, poderá estimular outros sectores da economia, nomeadamente a indústria farmacêutica, do dispositivo médico, têxtil, consumíveis clínicos, tecnologias de informação e biotecnologia, todas com claras possibilidades de exportação de bens, mas também de serviços. O potencial de exportação de conhecimento médico por parte das Universidades de Medicina, verdadeiras fábricas do saber, é igualmente imenso. Neste contexto, não faz sentido continuar a limitar a formação médica, sobretudo quando temos de importar clínicos todos os dias e os PALOP necessitarão de milhares de médicos nos próximos 20 anos. No actual contexto socioeconómico, caracterizado pela crescente transnacionalidade dos cuidados de saúde, pela necessidade de mais Europa na Saúde e de maior convergência dos modelos de saúde europeus, o e-health, cujo mercado regista hoje o crescimento mais acelerado no domínio da Saúde, é já uma inevitabilidade, cujo desenvolvimento a APHP defende como forma de consolidar o princípio de produzir mais com menos recursos. Os investimentos privados em curso potenciarão também a competitividade do próprio sector do turismo, induzindo a procura de cuidados de saúde portugueses por parte de pacientes estrangeiros e o aumento da procura no nicho de mercado do turismo sénior de elevado valor acrescentado, como o turismo sénior de última residência e o turismo de bem-estar. Portugal tem todas as condições para se converter na Flórida da Europa Aos hospitais privados está reservado um papel verdadeiramente transversal no desenvolvimento assistencial, económico- -financeiro e cientifico do sector da saúde, bem como de uma série de outros com ele confinantes. 10 > 11

7 A TRADIÇÃO DE INOVAR A hospitalização privada portuguesa tem uma história de que se orgulha, um percurso marcado por um forte espírito de inovação e modernidade. Hoje, é uma rede de unidades de saúde de referência, com responsabilidade na construção de um futuro sustentável, desenvolvendo, desde há seis décadas, um projecto colectivo de crescimento apoiado num forte investimento na diferenciação: 1ª UNIDADE PRIVADA (ANOS 40) 1º INTENSIFICADOR DE IMAGEM (1963) 1ª TAC DO PAÍS (1980) 1º HOSPITAL EM PORTUGAL A RECEBER A NP EN 9001:2000 1ª PET E PET-CT EM PORTUGAL ( ) 1º CICLOTRÃO EM PORTUGAL (INSTALAÇÃO: 2005; PRODUÇÃO: 2009) 1.º SISTEMA DE NAVEGAÇÃO MAGNÉTICA POR EXTEREOTAXIA DA PENÍNSULA IBÉRICA (2008) 1.ª COLECISTECTOMIA LAPAROSCÓPICA POR PORTA ÚNICA (2009) RÁDIO-EMBOLIZAÇÃO POR ESFERAS DE YTTRIUM-90 (2009) NEUROCIRURGIA COM TÉCNICAS DE NEURONAVEGAÇÃO E DE FLUORESCÊNCIA OPERATÓRIA (2009) STENT INOVADOR USADO PELA PRIMEIRA VEZ EM PORTUGAL (2009) 1ª UNIDADE DE CARDIOLOGIA HEMODINÂMICA NO ALGARVE (2009) NOVOS PROTOCOLOS DE BAIXA DOSE DE RADIAÇÃO NA TAC (2010) 1.º SISTEMA CIRÚRGICO ROBÓTICO DA VINCI DO PAÍS (2010) 1.º UNIDADE DE TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA EM PORTUGAL (2010) SERVIÇO DE IMAGIOLOGIA ÍMPAR NA REGIÃO DO MINHO (2010) ÚNICA UNIDADE DE MEDICINA NUCLEAR DO ALGARVE PARCERIAS ESTRATÉGIAS COM GRUPOS INTERNACIONAIS 12 > 13

8 AMI HOSPITAL PRIVADO DE GUIMARÃES Alameda dos Desportos Santiago de Candoso Guimarães Tel.: Linha Verde: CASA DE SAÚDE DE SÃO MATEUS, S.A. Rua 5 de Outubro Viseu Tel.: Fax: CLINIGRANDE - CLÍNICA DA MARINHA GRANDE, LDA. Rua D. João Pereira Venâncio, Marinha Grande Tel.: Fax: HOSPITAL DA ARRÁBIDA - GAIA, S. A. (ESS) Praceta Henrique Moreira, Complexo Arrábida Shopping Vila Nova de Gaia Tel.: Fax: HOSPITAL PARTICULAR DO ALGARVE, S. A. Cruz da Bota, lote 27 (Alvorférias) Estrada do Alvor Portimão Tel.: Fax: /5 HPP HOSPITAL DA BOAVISTA Avenida da Boavista, Porto Tel.: Fax: BRITISH HOSPITAL LISBON XXI Rua Tomás da Fonseca, Edifício B e F Lisboa Tel.: Fax: C.V.P. HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA Rua Duarte Galvão, Lisboaa Tel.: Fax: CASA DE SAÚDE - CLÍNICA INFANTE SANTO, LDA. Av. Infante Santo, 59, 1º ED Lisboa Tel.: Fax: CASA DE SAÚDE DA BOAVISTA Rua Domingos Machado, Porto Tel.: Fax: CASA DE SAÚDE DE AMARES, LDA. Largo D. Gualdim Pais, Amares Tel.: Fax: CASA DE SAÚDE DE CARNAXIDE, S.A. Quinta da Igreja, Carnaxide Tel.: Fax: CASA DE SAÚDE DE GUIMARÃES Rua Paulo VI Guimarães Tel.: /4 Fax: CASA DE SAÚDE DE SÃO LÁZARO, S.A. Rua 25 de Abril, Braga Tel.: Fax: CASA DE SAÚDE DO BARREIRO Rua Eça de Queiroz, Barreiro Tel.: Fax: CASA DE SAÚDE DO SENHOR DA SERRA, LDA. Praça 5 de Outubro Belas Tel.: /11 Fax: CENTRO DE GENÉTICA CLÍNICA, PROF. AMÂNDIO S. TAVARES, S.A. Rua Sá da Bandeira, 706, 1º Porto Tel.: Fax: CENTRO HOSPITALAR DE SÃO FRANCISCO, S.A. Quinta do Cabeço Leiria Tel.: Fax: CLÍNICA DE TODOS OS SANTOS, LDA. Rua Gonçalves Crespo, Lisboa Tel.: Fax: CLÍNICA MÉDICO CIRÚRGICA DE SANTA TECLA, LDA. Rua Dr. Francisco Duarte, 120. Apartado Braga Tel.: Fax: CLÍNICA PARTICULAR DE BARCELOS, LDA. Largo de Mereces - Barcelinhos Barcelos Tel.: Fax: CLIRIA - HOSPITAL PRIVADO DE AVEIRO, S. A. (ESS) Rua do Brasil, Aveiro Tel.: Fax: CLIRIA (OIÃ) - HOSPITAL PRIVADO DE AVEIRO, S. A. (ESS) Rua do Brasil, 21. Força-Vouga Aveiro Tel.: Fax: CLISA - CLÍNICA DE SANTO ANTÓNIO, S.A. Av. Hospitais Civis de Lisboa, 8 - Reboleira Amadora Tel.: Fax: HOPALIS - HOSPITAL PARTICULAR DE LISBOA, S.A. Av. Luís Bívar, Lisboa Tel.: Fax: HOSPITAL CUF DESCOBERTAS, S.A. (JMS) Rua Mário Botas, Parque Sul das Nações Lisboa Tel.: Fax: HOSPITAL CUF INFANTE SANTO, S.A. Travessa do Castro, Lisboa Tel.: Fax: HOSPITAL CUF PORTO Estrada da Circunvalação, Porto Tel.: Fax: HOSPITAL DA LUZ (ESS) Avenida Lusíada, Lisboa Tel.: Fax: HOSPITAL DA MISERICÓRDIA DE ÉVORA, S.A. Recolhimento Ramalho Barahona Estrada de Viana Évora Tel.: Fax: HOSPITAL DA ORDEM TERCEIRA Rua Serpa Pinto, Lisboa Tel.: Fax: HOSPITAL DA TROFA Rua da Paz - S. Martinho Bougado Trofa Tel.: /13 Fax: HOSPITAL DE S. LOUIS - SOCIÉTÉ FRANÇAISE DE BIENFAISANCE EN PORTUGAL Rua Luz Soriano, Lisboa Tel.: Fax: HOSPITAL DE SANTIAGO EN 10 - Km Setúbal Tel.: Fax: HOSPITAL PARTICULAR DE VIANA DO CASTELO Rua S. João, Viana do Castelo Tel.: Fax: HOSPITAL PRIVADO DA BOA NOVA Rua Armando Vaz, Perafita Tel.: HOSPITAL PRIVADO DE BRAGA Lugar da Igreja Nogueira Braga Tel.: HOSPITAL RESIDENCIAL DO MAR Rua dos Girassóis, n.º Bobadela Tel.: Fax: CLIPÓVOA Rua D. Manuel I, n.º Póvoa de Varzim Tel.: Fax: HPA - HOSPITAL PARTICULAR DE ALMADA, LDA. Rua Manuel Febrero, 85 - Cova da Piedade Almada Tel.: Fax: HPP HOSPITAL DE SANTA MARIA DE FARO Largo Camões, Faro Tel.: Fax: HPP HOSPITAL DE SÃO GONÇALO DE LAGOS Av. D. Sebastião Lagos Tel.: HPP HOSPITAL DOS LUSÍADAS Rua Abílio Mendes Lisboa Tel.: Fax: INSTITUTO CUF DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO (JMS) Rua Fonte das Sete Bicas, Senhora da Hora Tel.: Fax: SANFIL - CASA DE SAÚDE SANTA FILOMENA, S.A. Av. Emídio Navarro, Coimbra Tel.: Fax: > 15

9 HOSPITAL DA LUZ CLIRIA - HOSPITAL PRIVADO DE AVEIRO BRITISH HOSPITAL LISBON XXI AMI HOSPITAL PRIVADO DE GUIMARÃES HOSPITAL CUF DESCOBERTAS HOSPITAL DOS LUSÍADAS HOSPITAL PARTICULAR DE VIANA DO CASTELO HOSPITAL PRIVADO DA BOA NOVA HOSPITAL DA BOAVISTA CUF DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO HOSPITAL PRIVADO DE BRAGA 16 > 17

10 HOSPITAL DA MISERICÓRDIA CLÍNICA PARQUE DE ÉVORA DOS POETAS HOSPITAL DO M HOSPITAL DO MAR CLÍNICA DA MARINHA GRANDE HPP HOSPITAL DE SÃO GONÇALO DE LAGOS HOSPITAL DA MISERICÓRDIA DE ÉVORA HOSPITAL DA LUZ HOSPITAL DA TROFA HOSPITAL PARTICULAR DO ALGARVE HOSPITAL DO MAR HOSPITAL DE SANTIAGO CLIPÓVOA - H HOSPITAL DO MAR HOSPITAL DE SANTIAGO CASA DE SAÚDE DA BOAVISTA CLIPÓVOA CLIPÓVOA - HOSPITAL 18 > 19

11 Membro de: Av. Luís Bivar, 36 1 Esq Lisboa Tel: Av. D. João IV, Bloco n 9, 1 esq Guimarães Tel:

AMI Assistência Médica Integral

AMI Assistência Médica Integral AMI Assistência Médica Integral Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial AMI - Assistência Médica Integral N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica

Leia mais

CONTRATO COLECTIVO DE TRABALHO entre o SEP ( Sindicato dos Enfermeiros Portugueses) e a APHP ( Associação Portuguesa de Hospitalização Privada)

CONTRATO COLECTIVO DE TRABALHO entre o SEP ( Sindicato dos Enfermeiros Portugueses) e a APHP ( Associação Portuguesa de Hospitalização Privada) CONTRATO COLECTIVO DE TRABALHO entre o SEP ( Sindicato dos Enfermeiros Portugueses) e a APHP ( Associação Portuguesa de Hospitalização Privada) No dia 8 de Janeiro de 2010, foi finalmente publicado o Contrato

Leia mais

Case Study CHTS. Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa. Redes Privadas

Case Study CHTS. Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa. Redes Privadas GoTelecom, Lda 4400-408 Vila Nova de Gaia geral@gotelecom.pt www.gotelecom.pt Lisboa Aveiro Porto CHTS Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa Redes Privadas Interligamos os hospitais, com instalação de infra-estruturas

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Considerando que:--------------------------------------------------------------------------------- a) A Escola Profissional da Nazaré (adiante designada por EPN ou Escola) em cumprimento

Leia mais

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO 01 A NOSSA VISÃO O PARQUE DE BIOTECNOLOGIA DE PORTUGAL ESTÁ A CRIAR VALOR PARA A REGIÃO E PARA O PAÍS FOMENTANDO INVESTIMENTOS E INI- CIATIVAS EMPRESARIAIS DE BASE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA. A NOSSA VISÃO

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS ESPÍRITO SANTO SAÚDE CONDIÇÕES Check-Up Hospital da Luz / Clínica Parque dos Poetas / Centro Clínico da Amadora Consultas > 45 anos < 45 anos Menopausa > 38 anos < 38 anos Consulta de Oftalmologia Consulta

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

MALO CLINIC abre clínica em Aveiro

MALO CLINIC abre clínica em Aveiro Tiragem: 11000 Period.: Semanal ID: 61314863 08-10-2015 GRUPO ESTÁ EM 46 CIDADES, 16 PAÍSES E 5 CONTINENTES MALO CLINIC abre clínica em Aveiro Âmbito: Economia, Negócios e. No ano em que comemora 20 anos,

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

Pequenas e médias empresas:

Pequenas e médias empresas: Pequenas e médias empresas: Promovendo ligações empresariais efectivas entre as grandes e as pequenas e médias empresas para o desenvolvimento de Moçambique Comunicação de Sua Excelência Armando Emílio

Leia mais

FUTURO DO EMPREENDEDORISMO MÉDICO COM RELEVÂNCIA NAS RADIOFREQUÊNCIAS APLICADAS À BIOTECNOLOGIA

FUTURO DO EMPREENDEDORISMO MÉDICO COM RELEVÂNCIA NAS RADIOFREQUÊNCIAS APLICADAS À BIOTECNOLOGIA FUTURO DO EMPREENDEDORISMO MÉDICO COM RELEVÂNCIA NAS RADIOFREQUÊNCIAS APLICADAS À BIOTECNOLOGIA Manuel Pais Clemente Organização: Introdução Empreendedorismo Médico Turismo de Saúde e Bem-estar Dispositivos

Leia mais

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Inclusivo, equitativo, sustentável José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Auditório do Instituto para a Investigação

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

SUMÁRIO O TERRITÓRIO, A BICICLETA E A GÉNESE DO PROJECTO MURTOSA CICLÁVEL REDE DE CICLOVIAS E INFRAESTRUTURAS DE APOIO AS PESSOAS E A BICICLETA

SUMÁRIO O TERRITÓRIO, A BICICLETA E A GÉNESE DO PROJECTO MURTOSA CICLÁVEL REDE DE CICLOVIAS E INFRAESTRUTURAS DE APOIO AS PESSOAS E A BICICLETA A BICICLETA NA MOBILIDADE URBANA E NA FRUIÇÃO DA NATUREZA MURTOSA, 23 DE SETEMBRO DE 2011 SUMÁRIO O TERRITÓRIO, A BICICLETA E A GÉNESE DO PROJECTO MURTOSA CICLÁVEL REDE DE CICLOVIAS E INFRAESTRUTURAS DE

Leia mais

driven by innovation first-global.com

driven by innovation first-global.com company profile driven by innovation Missão Contribuir para a melhoria dos processos e para o aumento de produtividade dos nossos clientes, adaptando as melhores tecnologias às necessidades reais do mercado.

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

REFERENCIAÇÃO E MOBILIDADE DOS DOENTES: DESAFIOS FUTUROS

REFERENCIAÇÃO E MOBILIDADE DOS DOENTES: DESAFIOS FUTUROS REFERENCIAÇÃO E MOBILIDADE DOS DOENTES: DESAFIOS FUTUROS Cláudio Correia Novembro 2012 Contexto Global Globalização e mobilidade dos cidadãos 2010 - cerca de dois biliões de pessoas viajaram em voos internacionais

Leia mais

Índice. Fundação do Gil... 4. Missão... 4 Visão... 5 Valores... 5 Projetos... 6. Aplicação de Apoios... 8

Índice. Fundação do Gil... 4. Missão... 4 Visão... 5 Valores... 5 Projetos... 6. Aplicação de Apoios... 8 Índice Fundação do Gil... 4 Missão... 4 Visão... 5 Valores... 5 Projetos... 6 Aplicação de Apoios... 8 2 Fundação do Gil, 2012 Todas as crianças e todos os jovens que se encontrem desnecessariamente hospitalizados

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

Projeto Healthy n Portugal. O Turismo de Saúde e Bem-Estar associa-se, assim, a novos tipos de valências, com crescente demanda nos nossos dias.

Projeto Healthy n Portugal. O Turismo de Saúde e Bem-Estar associa-se, assim, a novos tipos de valências, com crescente demanda nos nossos dias. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE LANÇAMENTO DO PROJETO HEALTHY N PORTUGAL, SOB O TEMA «EXPANSÃO DO MERCADO DOS CUIDADOS

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE, criado através do Decreto Lei n.º 326/2007 de 28 de Setembro, com início de actividade a 1 de Outubro de 2007, resultou da fusão de

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

PUBLIC SERVICE BUREAUS OF THE IMMIGRATION AND BORDERS SERVICE [SEF] TO PROCESS THE PAPERWORK OF FOREIGN CITIZENS

PUBLIC SERVICE BUREAUS OF THE IMMIGRATION AND BORDERS SERVICE [SEF] TO PROCESS THE PAPERWORK OF FOREIGN CITIZENS PUBLIC SERVICE BUREAUS OF THE IMMIGRATION AND BORDERS SERVICE [SEF] TO PROCESS THE PAPERWORK OF FOREIGN CITIZENS SEF - North Address Available from: CNAI do Porto Rua do Pinheiro, n.º 9 4050-484 Porto

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Rua de Santa Margarida, n.º 6 4710-306 Braga Tel: 253 204 250 Fx: 253 204 259

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS BRAZILIAN DESK. Estabelecendo pontes para o futuro Portugal Brasil

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS BRAZILIAN DESK. Estabelecendo pontes para o futuro Portugal Brasil Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS BRAZILIAN DESK Estabelecendo pontes para o futuro Portugal Brasil Abreu Advogados Brazilian Desk 2015 ABREU ADVOGADOS Quem Somos A Abreu Advogados

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde

Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde TEMA DE CAPA FORMAÇÃO EM GESTÃO DA SAÚDE Pág: II Área: 26,79 x 37,48 cm² Corte: 1 de 5 Avaliação nos hospitais faz aumentar oferta de formação pós-graduada na área da saúde Em 2010, os administradores

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPDJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Antiga Estação de Comboios Av. D. João IV Urgeses 4810-534 Guimarães Tel.

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

SOBRE O AGEING@ COIMBRA

SOBRE O AGEING@ COIMBRA 1 SOBRE O AGEING@ COIMBRA OBJETIVOS DO AGEING@COIMBRA identificar projetos de boas práticas em curso ou a desenvolver na Região Centro; identificar parceiros que contribuam para o crescimento do consórcio

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI As TIC e a Saúde no Portugal de hoje Joaquim Cunha 18 março

Leia mais

Turismo de Saúde: uma alternativa de co-financiamento institucional e orçamental?

Turismo de Saúde: uma alternativa de co-financiamento institucional e orçamental? Turismo de Saúde: uma alternativa de co-financiamento institucional e orçamental? César Lima e Sá, Carlos Rodrigues, Carlos Matos, Rui Vaz, Pedro Cantista S Realidade Nacional: contexto económico Realidade

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Objectivos O Centro Hospitalar Lisboa Norte, E.P.E., estabelecimento de referência do Serviço Nacional de Saúde (SNS), desempenha funções diferenciadas na prestação de

Leia mais

QUERES ENT PARA O MER REGISTO NACIONAL DE MEMBROS ESTUDANTES. Membros Estudantes Os estudantes do último ano do 1.º ciclo, dos cursos

QUERES ENT PARA O MER REGISTO NACIONAL DE MEMBROS ESTUDANTES. Membros Estudantes Os estudantes do último ano do 1.º ciclo, dos cursos REGISTO NACIONAL DE MEMBROS ESTUDANTES Membros Estudantes Os estudantes do último ano do 1.º ciclo, dos cursos de Engenharia registados na OET, podem fazer a sua inscrição na Ordem, na qualidade de membro

Leia mais

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas Apresentação da Solução Solução: Gestão de Camas Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros, 82-A, 1500-060

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

28-06-2011. Principais motivações:

28-06-2011. Principais motivações: 1 2 Desde o início de 2009 que o HDES tem equacionado a possibilidade de entrar no mercado do Turismo da Saúde, discutindo internamente a ideia e a possível adesão de profissionais médicos, bem como contactando,

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Portugal. Staples Office Centre Rua Proletariado, nº 4, Portela 2795 Carnaxide Telefone: 21 4165970

Portugal. Staples Office Centre Rua Proletariado, nº 4, Portela 2795 Carnaxide Telefone: 21 4165970 Portugal Rua Proletariado, nº 4, Portela 2795 Carnaxide Telefone: 21 4165970 Casal da Eira - Sto. Onofre 2500 Caldas da Rainha Telefone: 262 870600 Estrada Nacional 9 2645 Alcabideche - Cascais Telefone:

Leia mais

A política do medicamento: passado, presente e futuro

A política do medicamento: passado, presente e futuro A política do medicamento: passado, presente e futuro Barcelos, 27 de março de 2015 Ricardo Ramos (Direção de Avaliação Económica e Observação do Mercado) INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento

Leia mais

(Minho Laboratório de Inovação e Desenvolvimento)

(Minho Laboratório de Inovação e Desenvolvimento) Barcelos Braga Famalicão Guimarãe SESSÃO PÚBLIICA DE APRESENTAÇÃO MEMORANDO TÉCNIICO PLLANO DE DESENVOLLVI IMENTTO DA REGIÃO DO MINHO IDENTTI I IFFI ICAÇÃO DE UM MOTTOR DE DESENVOLLVI IMENTTO Janeiro de

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Portugal Making sure your health comes first. www.medicalport.org. Prestador Global de Turismo Médico. Copyright Medical Port 2015

Portugal Making sure your health comes first. www.medicalport.org. Prestador Global de Turismo Médico. Copyright Medical Port 2015 Portugal Making sure your health comes first www.medicalport.org SOBRE PORTUGAL O Índice Global da Competitividade 2014 2015 posiciona Portugal em 24º lugar no campo da Saúde e da Educação Primária com

Leia mais

Portuguese Immigration Offices

Portuguese Immigration Offices Portuguese Immigration Offices Source: http://www.sef.pt October 2011 These are the Immigration Offices in each region: REGION OF THE NORTH Porto Rua D. João IV, 536 Apartado 4819 4013 Porto Telephone:

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

A CONTRATUALIZAÇÃO INTERNA FIGUEIRA DA FOZ HOTEL EUROSTARS OASIS PLAZA 19 DE SETEMBRO

A CONTRATUALIZAÇÃO INTERNA FIGUEIRA DA FOZ HOTEL EUROSTARS OASIS PLAZA 19 DE SETEMBRO A CONTRATUALIZAÇÃO INTERNA FIGUEIRA DA FOZ HOTEL EUROSTARS OASIS PLAZA 19 DE SETEMBRO MODERAÇÃO PEDRO BEJA AFONSO Para além de Presidente do Conselho de Administração do Hospital Distrital da Figueira

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

OldCare. OldCarePartner. www.oldcare.pt VISEU BRAGANÇA PORTO AVEIRO LISBOA V. DO CASTELO LEIRIA. Apoio Domiciliário 24 H. Pós-alta Hospitalar

OldCare. OldCarePartner. www.oldcare.pt VISEU BRAGANÇA PORTO AVEIRO LISBOA V. DO CASTELO LEIRIA. Apoio Domiciliário 24 H. Pós-alta Hospitalar OldCare OldCarePartner Apoio Domiciliário 24 H Pós-alta Hospitalar Cuidados de Saúde Reabilitação Geriátrica Estimulação Cognitiva BRAGANÇA PORTO AVEIRO LISBOA V. DO CASTELO LEIRIA VISEU 273 324 125 927

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE Bruno Nunes brunonunes@anje.pt www.anje.pt 14 de Dezembro Gouveia 1ª Encontro de Jovem Produtor de Queijo da Serra da Estrela ANJE Introdução O que é: Associação

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Projeto de Resolução nº 505/XII/2ª

Projeto de Resolução nº 505/XII/2ª Projeto de Resolução nº 505/XII/2ª Recomenda ao Governo a abertura e funcionamento das Unidades de Cuidados Continuados já concluídas ou em fase de conclusão, a partir do início de 2013 A Rede Nacional

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais