O Valor Econômico e Social do Seguro. Um Documento Elaborado pela Associação de Genebra. Traduzido pela CNseg

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Valor Econômico e Social do Seguro. Um Documento Elaborado pela Associação de Genebra. Traduzido pela CNseg"

Transcrição

1 O Valor Econômico e Social do Seguro Um Documento Elaborado pela Associação de Genebra Traduzido pela CNseg Setembro de

2 Associação de Genebra (A Associação Internacional Para o Estudo da Economia de Seguros) A Associação de Genebra é, em termos internacionais, o principal grupo de reflexão nas questões estrategicamente importantes de seguro e gerenciamento de risco. A Associação de Genebra identifica as tendências fundamentais e as questões estratégicas em que o seguro desempenha um papel essencial ou que influenciam o setor de seguros. Por meio da criação de programas de pesquisa, publicações regulares e da realização de reuniões internacionais, a Associação de Genebra funciona como um catalisador para o avanço no entendimento de questões sobre risco e seguro e um gerador e disseminador de informações. Trata-se da voz condutora dos maiores grupos de seguros do mundo inteiro no diálogo com as instituições internacionais. Em paralelo, promove em termos econômicos e culturais o desenvolvimento e o emprego do gerenciamento de risco e o entendimento da incerteza na economia moderna. A Associação de Genebra tem como associados um máximo estatutário de 90 CEOs das principais companhias de seguros e resseguros do mundo. Ela organiza redes de especialistas internacionais e realiza fóruns de debates para diretores e especialistas em seguros, bem como para formuladores de política, reguladores e organizações multilaterais. A Assembleia Geral anual da Associação de Genebra é o encontro anual de maior prestígio dos principais CEOs do setor de seguros do mundo inteiro. Fundada em 1973, a Associação de Genebra, oficialmente, "Associação Internacional para o Estudo da Economia de Seguros", conta com escritórios em Genebra e Basileia, na Suíça, sendo uma organização sem fins lucrativos, mantida por seus membros. Presidente: Dr. Nikolaus von Bomhard, Presidente do Conselho de Administração, Munich Re, Munique. Vice-Presidentes: Sr. John Strangfeld, Presidente e CEO, Prudential Financial, Inc., Newark; Sr. Kunio Ishihara, Presidente do Conselho, Tokio Marine & Nichido Fire Insurance Co., Tóquio; Sr. Michael Diekmann, Presidente do Conselho de Administração, Allianz SE, Munique. Membros do Conselho: Dr. Carlo Acutis, Vice-Presidente, Vittoria Assicurazioni S.p.A., Torino; Dr. Sergio Balbinot, Diretor de Administração, Assicurazioni Generali S.p.A., Trieste; Sr. Henri de Castries, Presidente do Conselho de Administração e CEO, AXA Group, Paris; Sr. Patrick de Larragoiti Lucas, Presidente, Sul América Seguros, Rio de Janeiro; Sr. Donald Guloien, Presidente e CEO, Manulife Financial Corporation, Toronto; Prof. Denis Kessler, Presidente e CEO, SCOR, Paris; Sr, Michel Liès, CEO do Grupo, Swiss Re Group, Zurique; Sr. Mike McGavick, CEO, XL Group plc, Hamilton; Sr. Martin Senn, CEO, Zurich Financial Services, Zurique; Sr. Esteban Tejera Montalvo, 1º. Vice-Presidente, MAPFRE, Madri; Sr. Tidjane Thiam, CEO do Grupo, Prudential plc, Londres; Dr. Richard Ward, CEO, Lloyd s, Londres; Dr. Yan Wu, Presidente e Diretor Geral, The People s Insurance Company (Group) of China Ltd., Pequim. 2

3 Secretário Geral: Sr. John H. Fitzpatrick, Basileia/Genebra. Vices-Secretários-Gerais: Prof. Jan Monkiewicz (Principal da PROGRES, Liaison Europa Oriental), Varsóvia; Sr. Walter R. Stahel (Chefe do Gerenciamento de Risco), Genebra. Chefes de Programas e Diretores de Pesquisa: Dr. Etti Baranoff (Diretor de Pesquisa em Seguros e Finanças), Richmond; Dr. Christophe Courbage (Diretor de Pesquisa e Chefe de Saúde e Envelhecimento e Economia de Seguros), Genebra; Sr. Daniel Haefeli (Chefe de Seguros e Finanças), Genebra; Sr. Anthony Kennaway (Chefe de Comunicações), Genebra; Prof. Krzysztof Ostaszewski (Diretor de Pesquisa de Vida e Previdência), Normal, Illinois. Diretores Especiais: Sr. Katsuo Matsushita (Liaison Japão e Ásia Oriental), Yokohama; Sr. Richard Murray (Chefe do Liability Regimes Project), Nova Iorque; Sr. Gordon Stewart, (Liaison América do Norte), Nova Iorque; Dr. Hans Peter Würmli (Presidente da Chief Risk Officers Network), Zurique. Presidente do Conselho Consultivo Científico: Prof. Harold Skipper. Ex-Presidentes da Associação de Genebra: Prof. Raymond Barre, Paris ( ); Sr. Fabio Padoa, Trieste ( ); Sr. Julius Neave, Londres ( ); Prof Dr. Dr. e.h. Reimer Schmidt, Aachen ( ); Sir Brian Corby, Londres ( ); Drs. Jan H. Holsboer, Amsterdã ( ); Sr. Walter Kielholz, Zurique ( ); Sr. Henri de Castries, Paris ( ), Sr. Martin J. Sullivan, Nova Iorque (2008); Sr. Jacques Aigrain, Zurique ( ). Ex-Secretários-Gerais da Associação de Genebra: Prof. Orio Giarini ( ), Sr. Patrick M. Liedtke ( ). 3

4 O Valor Econômico e Social do Seguro Um Documento Elaborado pela Associação de Genebra por Eric Grant, Gerente de Comunicações, Associação de Genebra 4

5 Associação de Genebra Geneva Route de Malagnou 53, CH-1208 Geneva Tel: Fax: Basel Sternengasse 17, CH-4051 Basel Phone Fax Agradecimentos O relatório oferece uma visão geral do material existente sobre o valor social e econômico do seguro. O nosso muito obrigado a Miles Celic, Wendy Deller e Kevin Bowman, Prudential plc, pelo trabalho inovador que realizaram na compilação de fontes de pesquisa, e também a Lorenzo Savorelli, Assicurazioni Generali, por seus comentários nas primeiras minutas. Agradecemos ainda a Christophe Courbage, Anthony Kennaway e Patrick M. Liedtke, da Associação de Genebra, por suas contribuições. Revisão e layout realizados por Françoise Jaffré, Associação Genebra. Créditos das fotos: Alexandre Mitiuc Fotolia.com; twilight productions istockphoto.com; Lloyd s de Londres; fruttipics istockphoto.com; Kheng Guan Toh fotolia.com; manisivmova fotolia.com; fzant istockphoto.com; burakpekakan istockphoto.com; freshidea fotolia.com. Setembro de 2012 O Valor Social e Econômico do Seguro Associação de Genebra Publicado pela Associação de Genebra (Associação Internacional para o Estudo da Economia de Seguros), Genebra/Basileia. As opiniões expressas em boletins informativos e publicações da Associação de Genebra são de responsabilidade dos autores. Portanto, isentamo-nos de qualquer responsabilidade ou obrigação imputada resultante de tais matérias por parte de quaisquer terceiros. Download da versão eletrônica em 5

6 Índice Visão geral 8 Risco e o mecanismo do seguro 10 Entendendo o seguro 10 Identificando a falta de informação no mercado 12 Redução e atenuação de perdas: apoiando cidadãos e sistemas de proteção social Da assistência mútua ao seguro A lei dos grandes números Melhorando a segurança financeira e garantindo tranquilidade Apoiando sistemas de seguridade social Seguro como um serviço de gerenciamento de risco Promover a estabilidade financeira e o crescimento econômico O elo empírico entre o desenvolvimento do seguro e o crescimento econômico Incentivando a demanda e facilitando a oferta: apoiando o comércio Aumentando a atividade empresarial O mercado de seguros como um grande empregador e investidor Fomentar o desenvolvimento de serviços financeiros Concorrência entre bancos e seguradores: melhorando a eficiência do mercado Interação entre bancos e seguradores: contribuindo para o crescimento econômico Garantias associadas a risco Olhar para o futuro Riscos meteorológicos climático, cibernético e espacial A grande necessidade de uma comunicação eficaz Referências 39 6

7 "O seguro deve ser visto não apenas como um mecanismo de proteção, e sim, e mais importante, como uma parceria que permite às pessoas e empresas abrirem suas asas e irem aonde, sem o seguro, elas não ousaram ir." 7

8 Visão Geral O presente documento procura, em primeiro lugar e antes de tudo, propiciar um entendimento mais detalhado do papel, dos benefícios e recursos do mercado de seguros, bem como uma visão geral do funcionamento do mecanismo do seguro. Também explana sobre a enorme importância do seguro para as pessoas, instituições e a economia, ao proporcionar uma sensação de segurança e tranquilidade, atenuar perdas, aumentar a prosperidade e, de certa forma, tornar as pessoas mais conscientes quanto à realidade dos riscos e suas consequências por meio de informações e indicadores de preço. Aborda ainda alguns mal-entendidos sobre cobertura de seguro, em particular as áreas nas quais esses mal-entendidos levaram à decepção ou desilusão sobre o mercado. O papel do seguro como um mecanismo de proteção social é talvez o que primeiro vem à mente quando somos solicitados a pensar sobre seus benefícios. Na verdade, atenuando os efeitos de eventos externos sobre os quais não temos controle doença, acidente, morte, catástrofes naturais o seguro permite às pessoas recuperarem-se de um súbito infortúnio, aliviando ou, pelo menos, limitando o ônus financeiro. Em se tratando de seguro saúde, isso pode até mesmo significar a diferença entre a vida e a morte. Seguro, no entanto, tem um impacto bem mais amplo e muito mais profundo do que essa percepção inicial, embora seu valor para a sociedade derive dessa função primária. Posto que o seguro gerencia, diversifica e absorve os riscos de pessoas físicas e jurídicas, muitas vezes, ele é uma condição prévia para o desenvolvimento de outras atividades produtivas, como por exemplo, comprar uma casa e iniciar ou expandir um negócio. Por outro lado, essas atividades incentivam a demanda, facilitam a oferta e sustentam o comércio mas, de maneira geral, ocorrem apenas se os riscos externos associados forem administrados por meio do seguro. Esse efeito facilitador opera também em termos individuais, estendendo-se como uma consequência natural de sua importância na proteção social. O segurado que não sofre perda financeira indevida depois de um infortúnio inesperado conservará mais facilmente seu poder de compra. O impacto global do seguro deve, portanto, nivelar os padrões de consumo e contribuir mais amplamente para a estabilidade financeira e social. Esse fator de estabilização é reforçado pelo papel do seguro como um investidor de longo prazo em projetos e negócios. Seguro tem um efeito real sobre a economia global, é claro, por meio do grande número de pessoas que o setor emprega. Entretanto, ele também atua de uma forma complementar ao sector bancário, oferecendo um acesso mais fácil ao crédito, canalizando a poupança para investimentos de longo prazo e proporcionando maior transparência e liquidez aos mercados, garantindo, dessa forma, maior apoio e crescimento para a economia. O seguro contribui 8

9 para a segurança pública e o desenvolvimento de novos produtos, aumentando a conscientização sobre segurança, e assim melhorando as exigências de segurança que poupam vidas e incentivam inovação no setor manufatureiro (por exemplo, seguro de automóveis e cintos de segurança, seguro residencial e prevenção de incêndio). Finalmente, como um provedor de serviços de gerenciamento de risco, o mercado de seguros está na posição ideal para ajudar a desenvolver produtos inovadores e contribuir para solucionar os urgentes desafios sociais mundiais, como por exemplo, envelhecimento da população, e ameaças emergentes, tais como, mudanças climáticas e riscos cibernéticos. As formas do seguro de contribuir para a sociedade e o crescimento econômico podem ser resumidas a seguir: 1 permite que riscos diferentes sejam gerenciados com mais eficiência; reduz ou atenua a perda; aumenta a tranquilidade e promove a estabilidade financeira; ajuda a aliviar o ônus dos governos na prestação de todos os serviços de proteção social aos cidadãos via sistemas de segurança social; facilita as transações comerciais, apoiando as empresas e o crescimento econômico; mobiliza a poupança interna; e, promove uma distribuição de capital mais eficiente, fomentando o desenvolvimento de serviços financeiros. Por essas tantas razões e esse é o ponto que esse documento gostaria de destacar o seguro deve ser entendido corretamente, não apenas como um mecanismo de proteção e gerenciamento de risco, que paga quando ocorre uma catástrofe, e sim, e mais importante, como uma parceria que permite às pessoas e empresas abrirem suas asas e irem aonde, sem o seguro, elas não ousaram ir. 1 Essas principais contribuições foram esboçadas por Skipper (1997). 9

10 Risco e o mecanismo do seguro O mecanismo do seguro envolve o gerenciamento e a atenuação de risco, e baseia-se em um princípio de responsabilidade compartilhada entre segurador e segurado. No entanto, a informação insuficiente do mercado de seguros tem, em grande parte, contribuído para a falta de entendimento quanto ao seu benefício para a sociedade. Se estamos conscientes disso ou não, é fato que o risco permeia nossas vidas. Vivemos sob ameaça todos os dias pela possível ocorrência de eventos que podem acarretar graves consequências sociais, humanas ou financeiras: dano material, catástrofe natural, doença, invalidez, acidentes em suas inúmeras formas e, claro, morte. O melhor que podemos fazer é minimizar suas consequências e, dessa forma, aliviar nosso medo de sua ocorrência. Considerando que o mecanismo do seguro aborda duas emoções humanas fundamentais e interligadas medo e esperança, ele é uma parte intrínseca da sociedade e do comportamento social. Em sua expressão mais óbvia, o seguro diminui o ônus financeiro do infortúnio e do prejuízo inesperado de pessoas físicas ou jurídicas na forma de compensação monetária ou serviços que às vezes podem fazer a diferença entre a segurança financeira e a pobreza ou falência: cobrindo as necessidades de uma família depois da morte de seu provedor, incentivando a pessoa a buscar ajuda médica sem temer a despesa, ajudando um proprietário ou empresário na reconstrução de sua propriedade após um incêndio ou uma enchente, protegendo tanto consumidores como fabricantes contra um produto com defeito... Mas isso levanta a questão: se o valor do seguro é tão difundido, por que o mercado é tão mal compreendido e, muitas vezes, criticado ou na melhor das hipóteses é a vítima de uma reputação que perdura há bastante tempo de insensibilidade e simples conservadorismo? Na verdade, não parece muito ter mudado nos quase 40 anos, desde que Woody Allen disse essa frase: "Há coisas piores na vida do que a morte. Você já passou uma noite com um vendedor de seguros?" (Amor e Morte, 1975). Embora a frase provoque risos, uma opinião tão terrível pode acarretar consequências radicais e negativas na capacidade do mercado fazer negócios com eficiência, depositar todo o seu valor na sociedade e conseguir com isso o reconhecimento. Entendendo o seguro Em seu nível mais básico e essencial, o mecanismo do seguro envolve pessoas físicas ou jurídicas (segurados) que efetuam o pagamento de uma quantia fixa em intervalos regulares (prêmio) em um fundo comum (o plano de seguro), do qual o dinheiro é retirado 10

11 (pagamento de um sinistro) para ressarcir um ou mais segurados vítimas de um evento pré-definido mediante circunstâncias específicas (âmbito de cobertura). A apólice de seguro o contrato entre segurador e segurado pode, portanto, ser considerada um pacto baseado em confiança mútua; uma parceria por meio da qual o segurado prefere pagar, com certeza, uma quantia definida para prevenir-se contra uma perda incerta, as consequências financeiras seriam muito maiores sem o seguro, e o segurador paga por essa perda no caso de infortúnio. O termo principal no seguro é risco ou melhor, "risco compartilhado". Tanto a companhia de seguros, como o segurado, são afetados pela possibilidade de o evento segurado ocorrer e pelas consequências se ele ocorrer, porém, é claro que não da mesma maneira. Ademais, os riscos inerentes a um evento envolvem muito mais fatores do que simplesmente a chance de o evento ocorrer. Com relação ao seguro de acidentes, por exemplo, idade, ambiente, estilo de vida, comportamento, etc., são fatores que afetam não somente a probabilidade de um acidente ocorrer, mas também, a extensão da perda se ele ocorrer. Portanto, para que o acordo seja justo para ambas as partes para que os prêmios pagos pelo segurado reflitam o risco apropriadamente todos os aspectos do risco segurado devem ser avaliados de forma correta, ou "calculados atuarialmente", levando em consideração o âmbito e a natureza específica do evento, a extensão dos benefícios pagos, as características do segurado, além do número de pessoas físicas ou jurídicas cobertas simultaneamente por um risco semelhante (ou seja, o consórcio ou compartilhamento de risco, assunto a ser abordado mais adiante). Em outras palavras, precificação de prêmio e avaliação de risco não são práticas arbitrárias deixadas a critério dos seguradores. 2 2 Chiappori(1997). 11

12 Essa noção de "risco compartilhado" entre segurados e seguradores é importante porque realça as ideias de solidariedade e responsabilidade individual que estão por tradição, na raiz do mecanismo do seguro. De fato, a solidariedade em seguros não pode ser sustentada se cada participante individual no consórcio não se responsabilizar o máximo que puder pela prevenção e atenuação do risco. Identificando a falta de informação no mercado Infelizmente, essa noção de um objetivo comum de consórcio de riscos contra infortúnio por uma série de indivíduos considerados iguais nem sempre tem sido bem transmitida pelo mercado de seguros. Ao longo dos anos, foi substituída por uma atmosfera de desconfiança e uma mentalidade de "nós contra eles", ou seja, segurados contra grandes e anônimas burocracias. E embora a confiança do público no sistema de seguros permaneça estável, os segurados às vezes não enxergam seus prêmios como pagamento de um risco compartilhado, mas sim como pagamento inicial para um reembolso futuro ou por um serviço que eles estejam devendo. 3 Em um artigo intitulado "A Mão Invisível do Seguro", Hans-Peter Würmli ressalta que "se seguradores e bancos tivessem que competir por popularidade, os seguradores perderiam com o público, mesmo à luz da recente crise financeira." 4 De fato, o setor financeiro tem oferecido, de forma consistente, uma imagem relativamente clara de como ele atua e quanto ele contribui para a sociedade e a economia. O mercado de seguros, por outro lado, tem negligenciado sua imagem, e informado mal ou simplesmente não informado sobre os mecanismos precisos que permitem o seu funcionamento. Atribui-se isso a várias razões, muitas das quais têm relação com a pouca notoriedade do segmento de seguros e sua estabilidade, em contraposição ao setor bancário, assim como o fato de que o seguro é, em geral, realizado localmente, mesmo no caso de algumas empresas operarem mundialmente. Würmli escreve, "a comunidade de seguros, em minha opinião, não convence o público dos benefícios do seguro para a sociedade e, da mesma forma, os legisladores não regulam corretamente. As habilidades, o conhecimento e a experiência dos seguradores para desenvolver, colocar e manter coberturas de seguros apropriadas, nada disso é suficientemente reconhecido pela sociedade." 5 Entretanto, essa falta de informação, infelizmente, tem contribuído para uma série de erros de interpretação, ou mesmo para uma total incompreensão e falta de conhecimento sobre seguros, levando a uma reputação tendenciosa. Isso pode ter implicações de grandes consequências sobre o comportamento do consumidor, das políticas públicas e da regulação do mercado que não são óbvias de imediato. 3 Estamos nos referindo, principalmente, a seguro não vida (ou Propriedade & Responsabilidade); no caso de seguro vida, em particular, seguro de longevidade, os segurados podem realmente esperar ser constituído um fundo" para o futuro. 4 5 Veja "Redução e atenuação de perdas", pág. 14, para definições mais específicas das diferentes formas de seguro. Würmli (2011). lbid. 12

13 Essa questão é particularmente prejudicial em uma situação de crise financeira avançada e para um mercado tão fortemente associado com administrar sofrimentos da vida, considerado ainda mais assim pelo fato de que a visão do bem-estar social realçando o seguro é concomitante à natureza lucrativa do negócio. No entanto, na verdade, isso configura-se em um benefício para os consumidores, uma vez que "aonde a sociedade utiliza os serviços dos seguradores, a confiança do público não precisa ser depositada em alguma vaga esperança por parte de especialistas melhores e mais competentes, mas pode contar com seu incentivo ao lucro e o desincentivo ao prejuízo, de que o risco seja avaliado e tratado objetivamente." 6 Várias associações têm publicado folhetos explicativos ultimamente com o objetivo de melhorar o entendimento do mecanismo do seguro. 7 Esse relatório continua e baseia-se nesses esforços para enfrentar a lacuna reputacional que há no seguro, em uma tentativa de informar os amplos benefícios do seguro e o papel que ele desempenha na sociedade e na economia. 6 7 lbid. Veja, por exemplo, Insurance Bureau of Canada (2012) How insurance works e Federação Europeia de Seguros e Resseguros (CEA) (2005), Between the public and private: insurance solutions for a changing society, bem como outros trabalhos citados nesse relatório pela Zurich, Associação de Seguradores Britânicos (ABI na sigla em inglês) e Associação de Genebra. 13

14 Redução e atenuação de perdas: apoiando cidadãos e sistemas de proteção social O seguro desempenha um papel crucial ao aliviar o medo que as pessoas têm de um infortúnio inesperado, atenuando as perdas por meio de serviços e/ou compensação financeira. Por extensão, o seguro também contribui para a proteção social dos cidadãos, melhorando a sua segurança financeira e tranquilidade. Além do que, também produz indicadores de preço que levam a um melhor comportamento resiliente ao risco. Em grande parte, podemos separar o seguro em duas categorias: seguros saúde e vida; e seguros gerais, também conhecidos como propriedade/responsabilidade ou seguro não vida. O seguro saúde destina-se a cobrir riscos relacionados à doença ou lesão corporal, garantindo ressarcimento para medicamentos, consultas médicas, diárias hospitalares e demais despesas médicas. O seguro vida paga ao(s) beneficiário(s) nomeado(s) em caso de morte do segurado ou pode formar um tipo de fundo de aposentadoria (seguro de longevidade), caso em que o segurado recebe pagamentos regulares da companhia de seguros (renda vitalícia) a partir de uma determinada idade e por um número indeterminado de anos, em troca de uma série pagamentos regulares antecipados ou de um pagamento único ("prêmio único"). O seguro não vida ou propriedade/responsabilidade (P&C na sigla em inglês) abrange todos os tipos de dano patrimonial, lesão corporal ou incidentes que afetam operações comerciais e resultam de fatores externos ou de comportamento involuntário por parte do segurado: acidente, incêndio, chuva, ação judicial, catástrofes naturais, etc. Gerenciamento de riscos envolve, fundamentalmente, três princípios importantes avaliação, prevenção/atenuação e transferência e seguro envolve todos esses três aspectos. O presente trabalho fará uma análise aprofundada dos vários aspectos desses princípios. Os seguradores possuem anos de experiência e pesquisa em avaliação de uma ampla gama de riscos. Muitas vezes isso leva o setor de seguros, direta ou indiretamente, a produzir indicadores de preço que podem afetar um comportamento em relação ao risco que auxilia medidas preventivas e de atenuação. A transferência de risco pode envolver consórcio de riscos e garantir cobertura para um grande número de pessoas que pagam prêmios para um fundo, cujos recursos serão utilizados para ressarcir qualquer um que seja afetado por sinistro. Em termos individuais, o mecanismo do seguro transfere a perda financeira da vítima para a companhia de seguros. 14

15 Da assistência mútua ao seguro Ao invés de reservarem dinheiro contra uma potencial catástrofe e proteger-se contra os imprevistos da vida, as pessoas inicialmente buscavam administrar as possíveis consequências financeiras do risco agrupando-se em comunidades (por exemplo, famílias, aldeias, organizações de comércio) e contribuindo para um fundo comum, cujos recursos seriam utilizados para ressarcir qualquer membro que sofresse um infortúnio. Tais sistemas de assistência mútua ainda são comuns em alguns países em desenvolvimento, aonde não há o mecanismo do seguro formal e as pessoas contam com os valores tradicionais do apoio do grupo, do artesanato e das entidades de classe. 8 Os planos de assistência mútua, no entanto, apresentam uma desvantagem muito grande que explica o número de entidades de classe, por exemplo, que acabaram evoluindo para companhias de seguros modernas: os membros das comunidades apresentam um grau semelhante de exposição ao risco. Os membros da família, muitas vezes, adoecem todos juntos ou dentro de um espaço de tempo muito curto; ou, um incêndio em uma fábrica deixa todos os trabalhadores desempregados e sob tensão financeira ao mesmo tempo. Nesses casos, o fundo comum não é suficiente para cobrir todas as perdas individuais e, por conseguinte, não protege contra as consequências do mesmo risco que a comunidade tentava administrar. A lei dos grandes números A eficiência das companhias de seguros, ao contrário dos sistemas de assistência mútua, baseia-se, em grande parte, na "lei dos grandes números". Os seguradores fazem um consórcio de riscos independentes e agregam as exposições de risco individuais, a fim de possibilitar o cálculo preciso com relação ao total estimado de perdas. Quanto maior o número de segurados, mais estáveis e previsíveis são as perdas. E quando os seguradores estão mais certos quanto à extensão de suas perdas futuras, podem oferecer prêmios menores e mais estáveis. Dessa forma, o seguro preserva o objetivo social original de compartilhamento de risco, bem como a dimensão humana, a confiança e a responsabilidade individual da assistência mútua, enquanto reflete o desenvolvimento e a crescente complexidade da sociedade. A lei dos grandes números talvez seja melhor ilustrada pelo seguro automóvel, que agrega exposições de risco bastante distintas em termos de sexo, idade, tipo de carro, hábitos e experiência de direção, etc., possibilitando estatísticas relativamente confiáveis no que diz respeito à frequência e severidade de acidentes. 8 Assuntos do Governo e da Indústria de Zurique (2011). 15

16 Melhorando a segurança financeira e garantindo tranquilidade Permitir que famílias e empresas permaneçam financeiramente estáveis frente à dificuldade constitui-se no mecanismo do seguro de proteção social que tem muitas repercussões positivas ou efeitos facilitadores. Dessa forma, o seguro pode ajudar a manter um padrão de vida e uma qualidade de vida decentes depois da aposentadoria no caso de determinados produtos de seguro vida e seguro saúde de longo prazo. O seguro pode evitar interrupções de negócios que poderiam levar a falências, o que, por sua vez, pode resultar em perda de emprego e dificuldades econômicas para os empregados. E a segurança financeira oferecida pelo seguro elimina o risco de privação caso alguém fique doente por qualquer período de tempo ou sua casa pegue fogo. O infortúnio também pode acontecer por culpa de terceiros, como por exemplo, danos resultantes de acidentes de carro ou de produtos com defeito. Nesses casos, o seguro de responsabilidade civil desempenha um importante papel na proteção de vítimas inocentes via processo de responsabilidade civil, porque a indenização por negligência não está mais limitada exclusivamente à situação financeira do autor e pode ser proporcional à natureza das lesões sofridas. Um exemplo disso pode ser encontrado no seguro de responsabilidade civil contra terceiros (TPL na sigla em inglês). A fim de prosseguir, da melhor forma possível, no seu papel de aumentar a proteção social e promover o bem-estar de pessoas e empresas, o mercado de seguros tem, muitas vezes, demonstrado um talento para oferecer produtos inovadores que atendam ou as novas tendências nos hábitos de consumo ou, o mais importante, as necessidades sociais que surgem. A assistência de longo prazo aos idosos, conforme veremos a seguir, é um desses produtos. Os demais incluem seguro de câncer, que cobre as despesas médicas, assim como as despesas não médicas que, em geral, não estão incluídas nas apólices regulares de seguro saúde, e produtos de seguro de HIV/AIDS. 16

17 Microsseguro é um produto inovador para as economias em desenvolvimento, que consiste em fornecer seguro vida, saúde, patrimonial e de colheita a um custo baixo para sociedades de baixa renda, em que as pessoas contam, tradicionalmente, com uma rede estendida de familiares e amigos que lhes dão apoio. Oferecendo seguro com custos de operação baixos, o microsseguro é indicado para proteger as áreas mais vulneráveis a enchentes, furacões e secas, 9 e contribui para diminuir a pobreza e para o crescimento econômico. Apoiando sistemas de seguridade social As economias avançadas enfrentam atualmente grandes problemas de dívida soberana, ao mesmo tempo em que os sistemas de seguridade social, criados depois da Segunda Guerra Mundial pesam cada vez mais nos orçamentos nacionais. De acordo com o Fundo Monetário Internacional FMI, "Em economias avançadas, a despesa pública com previdência aumentou de 5 por cento do PIB em 1970 para 8,5 por cento em 2010", e o FMI estima um aumento em torno de mais um ponto percentual nas próximas duas décadas. 10 Ao mesmo tempo, as economias avançadas enfrentam grandes aumentos nos gastos da saúde em torno de dois pontos percentuais na Europa e cerca de cinco pontos percentuais do PIB ao longo dos próximos 20 anos nos EUA. 11 O governo do Reino Unido é, atualmente, responsável por 65 por cento da cobertura de seguros de riscos associados à aposentadoria, acidentes, saúde e perda da receita Kelly (2011). Fundo Monetário Internacional (2012). lbid. Tesouro Britânico (2009). 17

18 Os países que não promoverem uma mudança significativa na sua estratégia de bem-estar correm o risco de estarem sujeitos a baixo crescimento econômico, redução na demanda e uma perda de sua competitividade em face das crescentes pressões demográficas. Há espaço para compartilhamento do serviço entre seguro privado e social e, sem dúvida, o setor de seguros pode ser uma peça importante na ajuda aos Estados para garantir segurança aos cidadãos enquanto alivia seu ônus financeiro. Em conjunto com iniciativas de política pública iniciativas financeiras e comportamentais, como por exemplo, isenções fiscais na poupança para aposentadoria, regulação para melhorar a proteção ao risco e evitar seguro deficiente e dependência de indivíduos do Estado o mercado de seguros pode contribuir com sua experiência e know-how em gerenciamento de risco para oferecer produtos e serviços complementares e ajudar a desenvolver soluções para esses difíceis desafios. Contrariamente aos planos públicos nacionais que cobrem a saúde básica, como na França e no Reino Unido, alguns países, como a Suíça e hoje os Estados Unidos, visam a cobertura de saúde compreensiva por intermédio de seguradores privados. Para tal, eles impõem uma taxa ou penalidade fiscal aos indivíduos e/ou empregadores de grande porte, enquanto os seguradores, por sua vez, estão sujeitos a determinados requisitos, como por exemplo, análises para aumento de prêmio e nenhuma exclusão relativa a condições pré-existentes. O mercado de seguros também pode ter um impacto significativo na redução do risco saúde, não somente pela oferta de uma cobertura alternativa e adicional aos planos públicos, mas também, por estimular a prevenção e enfatizar a reabilitação. 13 Com relação ao financiamento de aposentadoria, os planos públicos do tipo pagar segundo o uso (Pay-As-You-Go), muitas vezes chamados de "primeiro pilar" dos planos de previdência, estão cada vez mais impossibilitados de atender a necessidades financeiras do crescente número de idosos que estão vivendo mais tempo e gozando de uma saúde melhor. Os planos públicos e privados na forma de planos de aposentadoria complementar e seguros privados, os chamados "segundo pilar", surgiram para complementar o primeiro pilar, mas hoje esses planos revelam-se inadequados para manter um padrão de vida depois da aposentadoria. 14 A necessidade de um "terceiro pilar" do sistema de aposentadoria na forma de poupança privada surge, e o seguro melhor equipado para avaliar e gerenciar o risco e os investimentos pode ser um importante contribuinte para ajudar governos e indivíduos a administrar o custeio da velhice. Seguro como um serviço de gerenciamento de risco Adicionalmente à cobertura de risco, o mercado de seguros é uma fonte valiosa de experiência em gerenciamento de riscos e informações que beneficiam a sociedade como um todo. Tendo em vista a própria natureza de seus negócios, o setor precisa reunir uma grande quantidade de pesquisa sobre o que constitui e contribui para o risco em muitas áreas e em um amplo espectro de áreas: construção, geografia, geologia, demografia, saúde, finanças, etc Associação de Seguradores Britânicos (2005b). Ostaszew ski (2012). 18

19 Os resultados de tal pesquisa produzem indicadores de preço que alimentam muitos bancos de dados públicos sobre segurança, levam a um comportamento mais resiliente em relação ao risco por parte dos consumidores, e incentivam normas jurídicas mais abrangentes e melhores, tais como, exigências mais aprimoradas para desempenho em segurança para carros, alarmes de incêndio e sprinklers ou sistemas de segurança para residências e empresas, normas de construção para proteção contra terremotos, enchentes ou ventos fortes. Uma das consequências naturais de dispor de tal informação é a redução do número de investimentos improdutivos (por exemplo, construção em uma área sujeita à avalanche). Esses poucos exemplos destacam também o elo comum que há entre a existência de seguros e as medidas de prevenção. 15 Na verdade, o gerenciamento de risco antes de um evento, em uma tentativa de evitar a ocorrência ou de conter seus efeitos (pré-comportamento) é, em geral, mais benéfico para todas as partes do que as ações empreendidas posteriormente (pós-comportamento), que só podem diminuir o impacto da perda. De fato, o segurado geralmente preferiria não sofrer a perda física ou sofrer menos e o segurador a perda financeira (embora seja possível argumentar que isso depende das probabilidades, dos custos e do nível da perda). A prevenção é, sem dúvida, e antes de mais nada, a responsabilidade do segurado. Em alguns casos, as medidas preventivas acontecem em forma de exigências legais, tais como, limites de velocidade ou uso de um cinto de segurança. Em muitos outros casos, os incentivos a um pré-comportamento resiliente em relação ao risco são oferecidos pelo segurador sob a forma de prêmios reduzidos, que incentivam o segurado a tomar medidas preventivas benéficas (por exemplo, prêmios menores de seguro vida para não fumantes). Isso ressalta como segurados e seguradores trabalham para o objetivo comum de atenuação do risco, uma vez que os seguradores tornam-se corresponsáveis e apoiam os esforços dos segurados para realizar uma prevenção eficaz em um cenário social cada vez mais complexo. Gráfico 1. Catástrofes naturais e desastres causados pelo homem Liedtke (2007). Fonte: Swiss Re (2012). 19

20 Todavia, medidas preventivas nem sempre são suficientes para proteger-se totalmente contra determinados eventos de grande porte, tais como catástrofes naturais e terrorismo. Nessas situações, as informações do setor de seguros têm um efeito bastante significativo sobre o pós-comportamento, facilitando e acelerando os esforços empreendidos pós-catástrofe. Depois do terremoto no Japão ocorrido em março de 2011, por exemplo, as companhias de seguros destacaram cerca de funcionários para ajudar nos esforços de resgate e rapidamente liquidaram os sinistros a fim de disponibilizar imediatamente recursos para os segurados. 16 Por outro lado, a ausência de seguro pode resultar, por exemplo, em que as empresas de construção fiquem relutantes em intervir depois de uma catástrofe, por medo de não serem pagas, atrasando, dessa forma, os esforços para dar ajuda e aumentando o sofrimento humano. 17 Em casos extremos, tais como, acidente nuclear, grandes enchentes ou terrorismo, a eficácia do seguro caminha lado a lado com a intervenção efetiva do governo. Isso ressalta a importância das parcerias público-privadas, não apenas para atenuar os efeitos de uma catástrofe, mas também, para promover o desenvolvimento de determinadas regiões em risco aonde as empresas podem ficar relutantes em estabelecerem-se. Do mesmo modo, o mercado de seguros pode contribuir, e tem contribuído, expressivamente, para o debate em torno do risco climático e do impacto das mudanças climáticas sobre os sistemas físicos, biológicos e humanos, assim como sobre as economias locais e nacionais. 18 Uma ampla pesquisa conduzida pelo mercado de seguros ajuda na conscientização, na redução dos riscos sociais, no estímulo para redução dos gases de efeito estufa (GHG na sigla em inglês) e na oferta de oportunidades em um cenário econômico em transformação. Os seguradores também estão envolvidos na criação de produtos de seguros inovadores para atender os desafios específicos do risco climático. Caixa de Texto 1 O conceito de risco moral Embora o seguro seja programado para permitir que as pessoas ajam com mais serenidade e de forma mais positiva com a esperança de segurança financeira em caso de infortúnio, isto pode também ser interpretado como um aumento no comportamento arriscado, posto que o risco associado é atenuado e os segurados não têm que arcar com as consequências de suas ações. Um exemplo disso seria um proprietário de uma casa sendo negligente com os canos de água velhos ou um proprietário de carro que possui seguro compreensivo sendo menos cuidadoso quanto a batidas e arranhões. Não há dúvida de que a existência de seguro pode, às vezes, resultar em um comportamento negativo ao invés de positivo. Por essa razão, a questão do risco moral algumas vezes tem sido levantada para abafar o argumento de que o seguro funciona como um mecanismo de proteção social, sugerindo que o seguro faz mal tanto quanto faz Nagamura (2012). Liedtke (2007). Bosse e Liedtke (2009). 20

21 bem. No entanto, grande parte do debate centra-se em opiniões antagônicas sobre o equilíbrio correto entre bem-estar social e responsabilidade pessoal, 19 e não sobre seguro vida e não vida, em que os benefícios são geralmente entendidos como para superar as consequências negativas do risco moral, mesmo em áreas controvertidas, como por exemplo, a saúde. 20 As companhias de seguros, contudo, tentam tratar da questão do risco moral e corrigir o comportamento de risco por meio de uma precificação correta dos prêmios e limitação do nível de ressarcimento, ou impondo uma franquia dedutível, ou um sistema de copagamento, todas essas abordagens exigindo que o segurado compartilhe parte da perda. 21 No exemplo acima, presume-se que o proprietário do carro agora teria mais cuidado porque ele vai ter que pagar por pequenos arranhões, mas não precisará temer consequências graves no caso de um dano sério. No entanto, há algumas situações em que o risco moral pode ser tão evidente que as companhias de seguros podem optar por não cobri-las, por exemplo, cobrir corridas em autódromos para motoristas que não sejam profissionais, em uma apólice regular de seguro automóvel. O risco moral destaca em que grau começa a responsabilidade individual. Caixa de Texto 2 O conceito de seleção adversa Seleção adversa é uma situação em que a carteira de um segurador inclui, substancialmente, mais pessoas de alto risco se comparado à média da população. Tal situação pode ocorrer quando, por exemplo, a maioria das pessoas com perfis arriscados buscam uma cobertura de seguro específica em função dos prêmios vantajosos. Essa correlação positiva entre risco e seguro torna a diversificação de riscos difícil (uma vez que os segurados tendem a ter exposições semelhantes), e o consórcio de riscos torna-se não apenas ineficaz, mas pode, eventualmente, aumentar a chance de sinistros, superando em muito as somas cobertas pelos prêmios. As companhias de seguros protegem-se contra seleção adversa por meio de uma filtragem cuidadosa, que é a principal explicação para os incontáveis formulários muitas vezes exigidos para certos tipos de seguro, como também, as diferenças nas taxas de prêmio. A título de exemplo, uma empresa que cobra taxas fixas para todas as linhas de seguro vida poderia correr o risco de atrair uma quantidade exagerada de fumantes, e não estaria protegendo-se contra essa consequência, uma vez que poderia cobrar prêmios mais altos para essa categoria de segurados de risco mais alto. Dew an (2012). Gladw ell (2005). Associação de Genebra (2011a). 21

22 Outro exemplo reside na necessidade crescente de cuidado de longa duração (LTC na sigla em inglês), considerando que as populações do mundo inteiro, mas em especial dos países em desenvolvimento, tendem a ter uma vida mais longa. Esse quadro representa um desafio especial para os seguradores de tornarem os produtos LTC atraentes para ambas as partes, ou seja, prêmios baixos o suficiente para torná-los apetecíveis aos consumidores, porém, não muito baixos a ponto de serem prejudiciais para o segurador um equilíbrio delicado brigar por um produto que tende a interessar as pessoas apenas à medida que elas se aproximam da velhice e representam um risco maior. Para tais situações, os seguradores estão desenvolvendo soluções, como por exemplo, combinando o seguro LTC com o seguro vida, uma vez que eles são complementares (ou seja, uma pessoa não pode representar um risco alto no seguro vida e no seguro LTC), ou seguro em grupo. Planos patrocinados pelo empregado, por exemplo, reduzem o impacto do aspecto de aceitação voluntária do LTC que contribui para seleção adversa, e evita preocupações referentes à subscrição e antisseleção Courbage (2102). 22

23 Promover a estabilidade financeira e o crescimento econômico Assim como o seguro garante aos indivíduos uma tranquilidade maior, ele também torna a vida mais previsível para as empresas, facilitando o planejamento empresarial. E da mesma forma como ele influencia o comportamento social, ele promove medidas de gerenciamento de risco racionais por meio de consórcio e precificação transparente. 23 Quando as pessoas não temem mais a privação decorrente do infortúnio súbito, elas podem sentir-se mais inclinadas a gastar em confortos da vida e fazer investimentos de longo prazo e dispor dos recursos para tal. Os segurados de determinados tipos de seguro vida não precisam restringir em demasia seus gastos na aposentadoria. Como consequência de proporcionar segurança financeira e funcionar como um mecanismo de proteção social, o seguro também contribui para um consumo mais estável e até maior, que por sua vez é um motor do crescimento econômico. Essa é a função de base do mercado de seguros, que cresceu em sua forma moderna de gerenciar riscos referentes ao transporte e comércio marítimo no século XVIII (as primeiras referências documentadas sobre seguro em contratos marítimos na verdade remontam à antiga Babilônia) CEA (2006). Associação de Seguradores Britânicos (2005a). 23

24 O elo empírico entre o desenvolvimento do seguro e o crescimento econômico Há uma relação circular e de longo prazo entre o tamanho do mercado de seguros e o crescimento econômico, em particular o seguro de vida em países desenvolvidos. 25 Isso sugere não apenas que espera-se que o crescimento do mercado de seguros em países em desenvolvimento será conforme a expansão de suas economias (considerando que indivíduos e empresas buscam gerir suas novas exposições de risco), mas também que um aumento na presença e disponibilidade de seguro deve ser ativamente encorajado a fim de estimular o crescimento econômico. Estudos empíricos têm destacado essa correlação positiva entre desenvolvimento do seguro e crescimento econômico. Han et al. (2010) descrevem como uma curva em S, "que determinou o início acentuado e depois o aumento suave da evolução do seguro correspondendo aos estágios mais baixos e mais elevados de desenvolvimento econômico, respectivamente". Marco Arena (2006), do Banco Mundial, baseou-se em dados oriundos de 56 países no período compreendido entre os anos de 1976 e 2004 para encontrar evidências igualmente fortes de uma relação causal entre a atividade do mercado de seguros e o crescimento econômico. E um estudo da Universidade Nacional de Cingapura comprova o impacto significativo de investidores institucionais sobre a evolução do mercado de ações e o crescimento econômico em Países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico OCDE. 26 Figura 2. Apoio à prosperidade de longo prazo A confiança favorece a poupança e o investimento de longo prazo Utilizar esses investimentos de longo prazo com eficiência garante o financiamento do crescimento da economia real O crescimento do PIB impulsiona a dinâmica de vários setores de serviços financeiros, por exemplo, o mercado de P&C E o crescimento do PIB fortalece a confiança dos consumidores Fonte: Oliver Wyman Soo (1996); Kugler e Ofoghi (2005). Harichandra e Thagavelu (2004). 24

25 A figura 2 acima demonstra como o desenvolvimento do seguro e o crescimento econômico tendem a caminhar de lado a lado. De fato, como vimos, o seguro proporciona tranquilidade, aumenta o consumo, favorece a atividade empresarial e promove a criatividade e a inovação todos fatores de crescimento econômico. Por sua vez, à medida que a economia cresce, as pessoas têm cada vez mais motivos para buscar seguro contra um infortúnio inesperado, etc. A título de ilustração, o microsseguro tem possibilitado o conceito básico do seguro de transferência de risco (ou seja, o pagamento de um prêmio fixo contra o ressarcimento de um sinistro potencial) para fornecer proteção em áreas onde esses mecanismos não estavam disponíveis anteriormente. Isso pode contribuir largamente para ensinar as pessoas sobre o mecanismo do seguro e seus benefícios, levando a uma maior penetração do seguro (total de prêmios de seguro como um percentual do PIB) e à densidade do seguro (a importância segurada per capita), dois fatores que contribuem para o crescimento econômico nos países em desenvolvimento, em especial. Incentivando a demanda e facilitando a oferta: apoiando o comércio O seguro de linhas comerciais como por exemplo, interrupção de negócios, acidente de trabalho, incêndio e inundação, imperícia e responsabilidade civil, colheita e transporte marítimo, e cobertura de erros e omissões para gerentes - garante que as empresas não precisam reservar fundos para fazer face a eventos externos. O seguro está integrado em suas operações de gerenciamento de risco e permite que elas concentrem-se em suas atividades principais. A esse respeito, os múltiplos aspectos de seguro comercial fornecem uma grande variedade de benefícios para a economia como um todo. Ao evitar falências que poderiam resultar de eventos externos não relacionados do ponto de vista comercial, o seguro poupa empregos o que significa menos sofrimento humano e social, menos encargos para o sistema de proteção social do Estado e, novamente, consumo mais regular, não apenas de empregados que mantêm seus empregos, mas também de clientes que de qualquer forma não teriam condições de comprar os produtos da empresa. O impacto do seguro na oferta e demanda está demonstrado no Gráfico 3 a seguir. O seguro de responsabilidade civil de produto tem um efeito semelhante sobre as empresas que não poderiam de qualquer forma desenvolver e fabricar novos produtos. 27 No caso do seguro de terrorismo, algumas companhias podem optar por não constituir empresas em determinadas regiões em razão de uma grande ameaça potencial, porém, escolhem assumir esse compromisso quando seguradas contra perdas. 28 Por exemplo, o Canary Wharf, em Londres, poderia ter perdido sua posição como um centro de serviços financeiros importante, caso as empresas não tivessem sido capazes de fazer seguro contra o nível relativamente alto do risco de terrorismo em Londres Hess (2006). Weisbart (2011). Associação de Seguradores Britânicos (2005a). 25

26 Gráfico 3. Por meio do gerenciamento de risco, o seguro facilita o crescimento econômico, aumentando, dessa forma, a demanda e a produção Demanda/ Produção Com seguro Sem seguro Risco Por outro lado, o debate atual em torno da cobertura do seguro de inundação no Reino Unido ameaça enfraquecer o mercado imobiliário. No acordo atual ad hoc de 1961, os seguradores garantem cobertura, enquanto o governo investe em proteção contra inundação. 30 No entanto, há queixas de que o governo não vem cumprindo sua parte no acordo desde os anos 90, e o mercado de seguros acredita que o acordo hoje é insustentável, com muitos seguradores cobrindo um número desproporcional de propriedades de alto risco de inundação. 31 O mercado de seguros, portanto, planeja revogar o acordo, que expira em junho de 2013, a menos que seja encontrada uma solução e esses graves problemas podem deixar 200 mil casas sem cobertura, e estão minando o restabelecimento do mercado imobiliário, de acordo com o Conselho de Financiadores de Hipoteca. 32 Aumentando a atividade empresarial O risco, em si, e por si só, não é bom nem ruim; 33 o comportamento da aceitação de risco, por outro lado, pode ser interpretado como "bom" ou "ruim", à medida que ele pode ser construtivo ou destrutivo (as Caixas de Texto 1 e 2 citam exemplos dentro do contexto de risco moral e seleção adversa). A aceitação do risco construtivo, por sua vez, está claramente visível quando alguém decide começar um novo negócio, considerando que uma empresa de sucesso gera emprego e aumenta o consumo Gray (2012). King (2012). Gray (2012). Refere-se a "risco puro", o qual pode representar um prejuízo ou um lucro, e não a "risco financeiro", o qual representa sempre um prejuízo. Assuntos do Governo e da Indústria de Zurique (2011), citando Sinn, H.-W. (1986). Veja também: Zw illing (2011). 26

27 Nesse contexto, o seguro permite que os empreendedores concentrem-se nos desafios comerciais e financeiros, e em seu modelo de negócios, sem temer as consequências negativas de eventos súbitos, não relacionados do ponto de vista comercial. O seguro permite ainda que companhias façam um melhor uso de suas reservas, reduzindo a necessidade de liquidez contra uma perda potencial e incentivando investimentos de longo prazo em infraestrutura e novos projetos. O grau em que a redução do risco externo promove o crescimento da empresa e a competição, libera pensamento criativo e estimula a inovação não pode ser exagerado: o seguro permite que indivíduos e empresas abram suas asas, inovem, e expandam suas atividades econômicas gerenciando, diversificando e absorvendo riscos para eles. Na verdade, muitos investidores de capital exigem que os empresários estejam segurados antes que eles invistam. 35 Isso destaca outro benefício importante do seguro para a economia o acesso ao crédito que também se dá em termos de consumidor se consideramos que é praticamente impossível obter um empréstimo hipotecário sem seguro residencial, mesmo quando não é exigido por lei. Um artigo recente postado na versão on-line da revista LifeHealthPro cita exemplos da vida real, de como o seguro vida possibilitou o desenvolvimento, ou até mesmo a sobrevivência, de ícones bastante conhecidos, como por exemplo, Disneylândia e McDonalds. "Depois de não encontrar meios tradicionais de financiamento para construir o que viria a ser a Disneylândia, Walt (Disney) decidiu-se pelo autofinanciamento. Uma grande parte disso foi, paralelamente, dinheiro do seu seguro de vida", escreve o autor Brian Anderson. 36 Da mesma forma, Ray Kroc, que comprou o McDonalds em 1961, tomou dinheiro emprestado de duas apólices de seguro vida para pagar os salários dos principais funcionários nos oito primeiros anos Associação de Seguradores Britânicos (2005a). Anderson (2012). Anderson (2012). 27

28 O mercado de seguros como um grande empregador e investidor Em termos de números, as companhias de seguros administraram em torno de US$24,63 trilhões em ativos no ano de 2010, excluindo os fundos de pensão, que são responsáveis por quase US$30 trilhões. 38 O total de prêmios atingiu a soma de US$4,34 trilhões ou, aproximadamente, 5,5 por cento do PIB mundial. 39 O setor emprega diretamente milhões de pessoas no mundo inteiro, e indiretamente muito mais se levarmos em conta prestadores de serviços secundários, como por exemplo, agentes, corretores, intermediários financeiros, suporte de TI, transporte, auditores e consultores muitas vezes empregos altamente qualificados e especializados em economias domésticas. 40 Como um componente integral da gestão global de ativos e investimentos, o mecanismo do seguro favorece, em geral, investimentos de longo prazo que são canalizados para e projetos de geração de emprego e setores mais produtivos da economia. Essas são contribuições para reduzir a pobreza e gerar novas classes de ativos, bem como apoiar a energia limpa e projetos ecologicamente corretos. 41 O efeito é visível nos países em desenvolvimento, aonde os ativos do seguro vida são a base para investimentos em projetos de longo prazo, tais como, infraestrutura. 42 De fato, o investimento em infraestrutura no mercado emergente representa uma nova classe de ativos potencialmente importantes que podem gerar confiança, receita de longo prazo e servir para pagar as pensões das populações que envelhecem rapidamente. 43 Os recursos para investimentos de longo prazo derivam, principalmente, de produtos de seguro com um horizonte de investimento de longo prazo, como por exemplo, o seguro vida, assim como da dinâmica do capital disponibilizado por empresas que não precisam constituir poupança como precaução, graças à existência do seguro. Conforme foi apresentado, esse financiamento de longo prazo é o principal motor do crescimento e da prosperidade na economia: acumulando enormes recursos em receita de prêmio, os seguradores incentivam a poupança de longo prazo e ajudam a aumentar a taxa da poupança. Dessa forma, o mecanismo do seguro acrescenta profundidade financeira à economia, canalizando essa poupança para investimentos nos mercados de ações primário e secundário, em títulos corporativos e no mercado imobiliário, 44 transformando assim o capital inativo ou improdutivo em capital mais dinâmico, de longo prazo TheCityUK (2011). Sw iss Re (2011). Liedtke (2007). Liedtke et al. (2009). Banco Mundial (1994). Comitê sobre o Sistema Financeiro Global (2011). Associação de Seguradores Britânicos (2005a). 28

29 Caixa de Texto 3 O debate sobre seguro e risco sistêmico A experiência em seguro é uma condição essencial no debate corrente sobre risco sistêmico a ameaça representada por grandes instituições à economia global no caso de uma falência e a necessidade de regular as instituições financeiras, mesmo com base nos mais altos níveis regulatórios. 45 A falta de entendimento sobre o mercado de seguros e como ele opera pode contribuir para uma regulação equivocada no contexto das atuais reformas na área de fiscalização. Isso teria um efeito negativo sobre a capacidade do mercado de fazer negócios e, por conseguinte, teria repercussões financeiras e sociais como consequência. Tais consequências podem incluir prêmios mais elevados para os consumidores e uma capacidade reduzida do mercado para contribuir no desenvolvimento de serviços financeiros (veja na página 31, "Fomentar o desenvolvimento de serviços financeiros"), assim como uma capacidade reduzida para segurar causada por maiores exigências regulatórias de capital. A Associação de Genebra e outras entidades têm demonstrado, no entanto, que as principais atividades de seguro não apresentam risco sistêmico que, de fato, o mercado de seguros funcionou como uma fonte de estabilidade durante a crise financeira. 46 Terri Vaughan, CEO da Associação Nacional dos Comissários de Seguro (NAIC) levantou essa questão em sua palestra na 39ª. Assembleia Geral da Associação de Genebra, realizada em Washington, D.C., no dia 7 de junho de Ela referiu-se ao precedente histórico da Grande Depressão, em que o seguro provou ser uma fonte de estabilidade em tempos de agitação e os seguradores de vida em particular "desempenharam um importante papel como fonte de capital nos anos seguintes." Na verdade, dentro de um contexto de alta volatilidade, como por exemplo, o que existe hoje, "um sector que pode sobreviver a esta volatilidade tem um papel importante a desempenhar." A primeira razão pela qual os seguradores não contribuem para a instabilidade, e sim funcionam como estabilizadores, é o funcionamento estrutural do seguro, ou seja, ele é pré-financiado por pagamentos antecipados de prêmios. Os riscos dos eventos ocorrerem, os quais resultam em pagamentos, são calculados atuarialmente e estocasticamente, e são mantidos em fundos de reserva apropriados. Ademais, considerando que esses eventos, em geral, não podem desencadear-se voluntariamente, uma corrida às companhias de seguros é um estranho conceito para o setor, em absoluto contraste com a tão temida corrida aos bancos. Há também o desincentivo geralmente criado sob forma de sanções para segurados no que diz respeito a resgate, ou seja, a renúncia prematura a um contrato, caso de forma alguma exista a opção de resgate, em particular em se tratando de seguro vida Associação de Genebra (2012b). OCDE (2011) e Associação de Genebra (2010). Associação de Genebra (2012a). 29

30 Uma segunda razão é a falta de interligação entre o mercado de seguros e demais setores financeiros, 48 e a independência do mercado em relação aos ciclos econômicos (pessoas diferentes, em regiões geográficas diferentes, são afetadas pelo risco de maneira diferente, e em momentos diferentes). 49 Em outras palavras, e com base na pesquisa detalhada disponível atualmente, a falência até mesmo de uma companhia de seguros de grande porte não desestabilizaria o maior mercado financeiro. No entanto, os reguladores podem inclusive solicitar como fizeram com os bancos que qualquer seguradora que eles considerem sistemicamente importante 50 deve estabelecer um procedimento de resolução que lhes permitisse encerrar suas operações em um processo bem ordenado. Entretanto, novamente em contraste com o segmento bancário, o mercado de seguros já tem uma estrutura de longa data para ressarcimento e resolução destinada a proteger os segurados em caso de falência. Qualquer regulamentação adicional poderia afetar, indevidamente, o funcionamento do mecanismo do seguro, ou até mesmo ser contraproducente. Figura 4. Seguro Um estabilizador na recente crise 48 Veja Associação de Genebra (2010), página 20, "Os seguradores não dependem de financiamento do mercado para liquidez", e página 36, "A exposição em relação a outras instituições financeiras". Han et al. (2010). É importante notar que a partir da publicação do presente relatório, "seguradoras sistemicamente importantes", se houver, serão apontados no início de

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA

COMUNICADO À IMPRENSA 27 NOVEMBRO 2012 PODE A ECONOMIA MUNDIAL SUPORTAR UM OUTRO 2011? Novo relatório global destaca os riscos de um déficit de $168 bilhões anualizado em seguros afetando as economias de alto crescimento Uma

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio.

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Separadas, XL e Catlin eram duas empresas fortes e inovadoras. Juntas, somos ainda mais fortes. Conteúdo Conheça a XL Catlin Pessoas

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Página 1 Conceitos Risco É um evento incerto cuja ocorrência tem um efeito negativo. Esse evento pode

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Seguros Empresariais. Alexandre Vilardi

Seguros Empresariais. Alexandre Vilardi Seguros Empresariais Alexandre Vilardi Segmentação das Empresas no Brasil Introdução O mercado brasileiro é composto por mais de 5 milhões de empresas classificadas em Grandes, Médias, Pequenas e Micros,

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SEGURO PARA A SOCIEDADE. *Especialista em Regulação e Supervisão de Seguros da Associação de Genebra

A IMPORTÂNCIA DO SEGURO PARA A SOCIEDADE. *Especialista em Regulação e Supervisão de Seguros da Associação de Genebra A IMPORTÂNCIA DO SEGURO PARA A SOCIEDADE por Kathrin Hoppe* *Especialista em Regulação e Supervisão de Seguros da Associação de Genebra Traduzido por CNseg O seguro é importante para a sociedade em vários

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Este documento fornece a estrutura que B Lab utiliza para avaliar as estratégias fiscais que atendam aos requisitos da Certificação

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais

Os seguros na crise financeira

Os seguros na crise financeira Os seguros na crise financeira Intervenção do Presidente do ISP, Professor Doutor José Figueiredo Almaça, na Conferência Os seguros em Portugal, organizada pelo Jornal de Negócios Lisboa, 13 maio 2014

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas.

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. SUPERENDIVIDAMENTO Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. Nos últimos anos, houve um crescimento significativo de endividados no Brasil. A expansão da oferta de crédito e a falta de controle do orçamento

Leia mais

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL Carmem Lucia Castro da Cruz Introdução Nick Dallas, no livro Como tornar sua empresa ecologicamente responsável, discorre de

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

O Seguro como estratégia e forma de mitigar Riscos

O Seguro como estratégia e forma de mitigar Riscos O Seguro como estratégia e forma de mitigar Riscos Os seguros de D&O e RCP (Responsabilidade Civil Profissional) raramente são pensados como uma estratégia de captação de recursos, ainda que a maioria

Leia mais

Como funciona o seguro

Como funciona o seguro Como funciona o seguro Sobre a Insurance Europe A Insurance Europe é a federação de seguradoras e resseguradoras da Europa. Por meio dos seus 34 órgãos membros as associações nacionais de seguradoras a

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Como esta nova geração está mudando o setor de finanças. Brasil Julho de 2015

Como esta nova geração está mudando o setor de finanças. Brasil Julho de 2015 Conquistando Millennials: Como esta nova geração está mudando o setor de finanças Brasil Julho de 2015 1 Metodologia PESQUISA GLOBAL AMOSTRA GLOBAL CRITÉRIOS RESULTADOS DO BRASIL Pesquisa online de 20

Leia mais

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes 1 Introdução O Grupo de Instituições Financeiras Wolfsberg 1 ¹ considera que estes princípios constituem uma orientação

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS E PLANOS DE CONTINGÊNCIA Professor: Hêlbert A Continuidade de Negócios tem como base a Segurança Organizacional e tem por objeto promover a proteção

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA Novos Cenários Crises Recentes: Desaquecimento Econômico e Baixo Retorno Financeiro Mudanças Econômicas Maior Concorrência Novos Cenários

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E INVESTMENT BANKING EFICÁCIA COMPROVADA HOJE. PREPARADO PARA O AMANHÃ. ADAPTIV RISKBOX: CONTROLE AVANÇADO DE RISCOS

MERCADO DE CAPITAIS E INVESTMENT BANKING EFICÁCIA COMPROVADA HOJE. PREPARADO PARA O AMANHÃ. ADAPTIV RISKBOX: CONTROLE AVANÇADO DE RISCOS MERCADO DE CAPITAIS E INVESTMENT BANKING EFICÁCIA COMPROVADA HOJE. PREPARADO PARA O AMANHÃ. ADAPTIV RISKBOX: CONTROLE AVANÇADO DE RISCOS EFICÁCIA COMPROVADA HOJE. PREPARADO PARA O AMANHÃ. MELHORES PRÁTICAS

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais