A CRISE DO MODELO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CRISE DO MODELO SOCIAL"

Transcrição

1 A CRISE DO MODELO SOCIAL EUROPEU ANTÔNIO PAIM Membro do Conselho Consultivo da Revista Ibérica, do Núcleo de Estudos Ibéricos e Ibero-Americanos da UFJF. Professor Visitante da Universidade Católica Portuguesa, Lisboa. Instituto Tancredo Neves Brasília. SUMÁRIO APRESENTAÇÃO I. RECONHECIMENTO DA CRISE DO ESTADO PROVIDÊNCIA E ADOÇÃO DO MODELO JUPPÉ 1. O alerta de Rosanvallon 2. O modelo Juppé 3. Reformas recentes II. EXAME DOS EQUÍVOCOS EM QUE INCIDE O DEBATE ATUAL 1.Negação da existência de Welfare nos Estados Unidos 2. Negação da existência de modalidade diferente de financiamento 3.Atribuição indevida de méritos ao modelo europeu III. COMO PODEMOS TIRAR PARTIDO DO DEBATE EUROPEU IV. FINANCIAMENTO DAS APOSENTADORIAS E PENSÕES 1.O novo modelo alemão 2.Desempenho e papel dos fundos de pensões V. DESEMPREGO E POLÍTICAS BEM SUCEDIDAS PARA ENFRENTÁ-LO 1.Situação atual do desemprego 2.A experiência inglesa 3.A experiência holandesa 4. O caso espanhol 5. De que dependeria a relativa estabilização do emprego VI. COMO A EUROPA LIDA COM A REMANESCENTE POBREZA EXTREMA VII. EM BUSCA DE UMA FORMA DURADOURA DE ORGANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR

2 1.Delimitação do objeto 2.Assegurar a sobrevivência, preservada a universalidade VIII. ALGUNS ASPECTOS TEÓRICOS RELEVANTES IX.Referências bibliográficas APRESENTAÇÃO Convencionou-se denominar de modelo social europeu ao sistema de seguridade social construído na Europa, basicamente no século XX. Ainda que haja diferenças marcantes entre os diversos países que a integram, o traço comum consiste no financiamento mediante contribuições correntes, denominado tecnicamente de pay as you go. Essa modalidade chegou a um impasse na medida em que os compromissos com aposentados e pensionistas avolumaram-se crescentemente, ao contrário do que ocorria com o contingente de contribuintes. Tratava-se de alteração irreversível na composição etária da população. Essa situação foi tornada clara por renomado intelectual francês, o social democrata Pierre Rosanvallon, em livro de 1981, intitulado A crise do Estado Providência. Soluções paliativas foram sendo aplicadas até que, em 1995, o então primeiro ministro francês Allain Juppé sistematizou uma política que, embora tenha provocado intensa reação, a ponto de resultar no seu afastamento do governo, acabou sendo adotada universalmente em todos os países. Em síntese, consiste no seguinte: 1º) aumentar a idade requerida para obtenção de aposentadoria 2º) reduzir prazos e valores do apoio a desempregados 3º) aumentar o valor das contribuições e incluir aos próprios aposentados na categoria de contribuintes; e, 4º) eliminar situações especiais em matéria de benefícios, sobretudo em se tratando de aposentadoria. Como o déficit do sistema amplia-se a cada ano, devendo ser atendido por impostos, o tema volta a ocupar o centro do debate na oportunidade da elaboração orçamentária. Tudo isto cria uma situação de insegurança generalizada. Sem apresentar soluções alternativas, as agremiações de esquerda batizam de neoliberal as iniciativas consideradas e acusam os governos (mesmo se os socialistas encontrem-se no poder) de pretenderem a liquidação do consagrado modelo europeu. Nunca se falou tanto em solidariedade. Em face do clima emocional criado, o debate permanente da momentosa questão incide em dois grandes equívocos: a) consideração de todos os temas englobadamente, sem atentar para a possibilidade de soluções parciais específicas; 2º) negação da existência de modalidade de financiamento diferente da que se encontra em crise na Europa; e, 3º) distorção grosseira do modelo social norte-americano, com o propósito de negar possa inserir experiências dignas de serem copiadas. No fundo trata-se de impedir alterações mais profundas, únicas capazes de debelar a crise. Os que, presentemente, se encontram em situação confortável adotam uma atitude que, sem exagero, corresponde à consigna depois de mim o dilúvio, revelando uma grande capacidade de mobilização da opinião pública, sobretudo na França. Contudo, em 2

3 que pese esse empenho, há experiências merecedoras de consideração. Acompanhá-las bem como ao próprio debate, de um modo geral pode proporcionar-nos valiosos ensinamentos. Ainda que em termos qualitativos a seguridade social brasileira nem de longe se compare à européia, apresenta não obstante problemas muito parecidos. Levando em conta o interesse despertado pela questão, dediquei o seminário anual que costumo realizar no Instituto de Estudos Políticos (IEP), da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa, ao que denominei de A redefinição do modelo social europeu. Esses seminários são sempre muito concorridos e facultam o aprofundamento do tema através dos trabalhos de classe dos alunos. De modo que muito contribuiu no sentido de que pudesse dar conta do presente estudo. Mais uma vez agradeço ao prof. João Carlos Espada, diretor e inspirador do IEP -- que corresponde a uma das mais importantes iniciativas no contemporâneo ambiente cultural português--, essa oportunidade que me tem sido facultada. Pude contar ainda com a inestimável atenção do prof. José Manuel Moreira, da Universidade de Aveiro, destacado estudioso da problemática que considero, inserida no conjunto da presente conjuntura político-social européia. Por este valioso apoio, deixo aqui de público o meu agradecimento. Lisboa, Outubro de A. Paim I-RECONHECIMENTO DA CRISE DO ESTADO PROVIDÊNCIA E ADOÇÃO DO MODELO JUPPÉ 1.O alerta de Rosanvallon (1981) Existem na Europa quatro modelos de assistência social, a saber: I)continental; II) nórdico; III) mediterrâneo e IV) britânico. Todos têm ampla abrangência, compreendendo sistema de aposentadorias e pensões, amparo à velhice, desemprego e saúde. Distinguemse por incluir mais um ou outro plano (por exemplo, programas de estímulo à natalidade) ou na proporção em que participam o Estado, o empresariado e os trabalhadores. O traço relevante comum consiste em que o financiamento provém de recursos correntes, isto é, as despesas são atendidas por contribuições anuais. Ainda que uma ou outra modalidade seja designada como seguro, não se trata de que seja financiada por rendimentos resultantes de aplicações, atividade típica das seguradoras, que não intervêm no caso. Mais recentemente e nesta ordem --, Inglaterra, Holanda e Alemanha introduziram alterações substanciais nessa forma de financiamento, como alternativa à crise que se tornou patente nos anos setenta. O alerta quanto à nova situação criada adveio no livro La crise de l État-Providence, publicado em 1981, que se tornaria célebre. Seu autor, Pierre Rosanvallon, renomado intelectual, inclui-se entre os mais destacados sociais democratas franceses. Para o pensador francês, não pairam dúvidas de que, entre 1946 e 1970, o Estado Providência trouxe tranquilidade às sociedades européias, preocupadas, desde meados do 3

4 século XIX, com a chamada questão social. Contudo, cabe reconhecer que entrou em crise. A seu ver, essa crise apresenta aspectos distintos. Antes de mais nada, temos o aspecto financeiro. A partir da década de setenta, os gastos sociais, notadamente os correspondentes à saúde, continuaram crescendo no ritmo anterior (incrementos entre 7% e 8% anuais), enquanto que as receitas passaram a aumentar em proporções sempre menores, chegando a variar entre 1% e 3%. Como determinantes deste estado de coisas, tem-se, de um lado, a crise econômica que se instaurou a partir de meados daquela década. O cerne da questão proviria entretanto das alterações ocorridas na composição etária da população, de que resultou a sucessiva redução do número de contribuintes, que se fazia acompanhar da elevação do contingente de beneficiários. Apareceu o chamado fenômeno da terceira idade. Adicionalmente instaurou-se desemprego de grandes dimensões. As soluções paliativas que começaram a ser encaminhadas não alteraram substancialmente o quadro. Para comprová-lo, vejamos alguns dados da situação, ainda tomando por exemplo a França. Em 1996, o sistema de aposentadorias consumia 12,5% do PIB, enquanto equivalia a 5,1% em Aproximadamente num quarto de século, aumentou uma vez e meia. Algo de semelhante ocorreu com os dispêndios com pensões, assistência às famílias, desemprego e assistência médico-hospitalar, isto é, nas diversas áreas abrangidas pelo sistema. As medidas para tentar reverter o quadro tiveram início na própria década de oitenta. Até meados do decênio seguinte, as contribuições (universais) praticamente dobraram. Apesar disso, o déficit, atendido por recursos orçamentários, alcançou mais de dez bilhões de euros. Resultou basicamente dessa política que os impostos e contribuições correspondam em média a 56,6% dos rendimentos das pessoas, tornando impossível ulteriores aumentos de impostos. Num livro posterior, La nouvelle question sociale: repenser l État-Perovidence (1995) que viria a ser editado no Brasil pelo Instituto Teotonio Vilela Rosanvallon indica que a crise e o caminho empreendido para combatê-la tem suscitado novas questões. Uma delas é o desgaste experimentado pela burocracia tradicional, perante contingentes cada vez mais expressivos da opinião. Juntamente com os que se acham encastelados num sistema que clara e unilateralmente os beneficia, tem conseguido bloquear novo tipo de encaminhamento da questão 1. Vejamos, em síntese, qual tem sido a estratégia seguida pelos diversos países continentais, já que a Inglaterra, como indicaremos, encontra-se numa posição singular. 1 Esclareça-se que, no Caderno Liberal n. 12, editado pelo ITN Avaliação crítica da social democracia. O exemplo francês submete-se à crítica a solução preconizada por Rosanvallon (transferir todos os encargos para o Orçamento), na medida em que eterniza o sistema pay as you go, justamente o que se tem revelado insustentável. 4

5 2.O modelo Juppé Eleito em 1995, Chirac escolheu a Alain Juppé para Primeiro Ministro, que submeteu à Assembléia, em Novembro desse ano, um projeto de reforma do Welfare que se tornou modelo e referência na Europa. Não se trata de que haja inovado em relação às medidas em curso para enfrentar as dificuldades crescentes. Seu mérito consiste sobretudo em tê-las sistematizado. A principal opção do Modelo Juppé consiste em manter o sistema chamado de gastos correntes, isto é, a cobertura dos gastos é efetivada por contribuições anuais. Adicionalmente, adota o seguinte esquema de corte de despesas: -Elevação da idade para a aposentadoria e correspondente ampliação dos anos de contribuição -Redução dos prazos de recebimento de seguro desemprego no nível da remuneração obtida no trabalho -Eliminação de sistemas especiais Em matéria de fonte de recursos, tendo optado pela manutenção da modalidade tradicional, a única hipótese seria promover a elevação das contribuições. Nessa matéria, a grande novidade consistia em que os próprios aposentados passariam a ser tratados como contribuintes. O Modelo Juppé foi entendido como tentativa de liquidação do Welfare sem nada colocar em seu lugar. A França foi submetida a uma convulsão tremenda. As greves em 1995 bateram um recorde histórico: seis milhões de jornadas de trabalho perdidas, sendo 60% no setor público. Jacques Chirac viu-se na contingência se afastar o seu Primeiro Ministro. Alain Juppé, por sua vez, desde então afastou-se da vida política. Sendo professor, obteve transferência para escola implantada na zona francesa do Canadá. Em 2006, mais de dez anos depois, portanto, a imprensa sugeriu que poderia reaparecer na movimentação política de 2007, quando haverá renovação da Assembléia e do governo. O Parlamento conseguiu apenas aumentar as contribuições e introduzir mudanças no seguro desemprego, medidas essas que, sucessivamente, revelaram-se insuficientes. O déficit passou a ser atendido pelo Orçamento. Permaneceram os sistemas especiais. Contudo, as regras básicas desse modelo passaram a vigorar em quase todos os países da Comunidade. Jacques Chirac foi eleito Presidente em Maio de Presumivelmente devido à celeuma provocada pelas pretendidas alterações na seguridade social, dissolveu antecipadamente o Parlamento, tendo sido derrotado em Maio de Segue-se a coexistência entre Presidência liberal (Chirac) e Primeiro Ministro socialista (Jospin). Devido à circunstância de que o déficit do Welfare passa a ser atendido pelo Orçamento (situação generalizada na Europa), todos os anos o tema volta à discussão. 5

6 3. Reformas recentes (2005; relacionadas ao Orçamento de 2006) Duas reformas recentes, na Espanha e Portugal, continuam seguindo o Modelo Juppé.São as seguintes as medidas contempladas na reforma espanhola: -Prolongar a atividade dos 65 para os 70 anos - Fixar em 35 anos o período de contribuições necessário à obtenção de aposentadoria integral -Aposentadoria antecipada passa dos 60 para os 65 anos -Alterações no sistema de pensões Na reforma portuguesa fala-se em diversificação das fontes de receita mas tendo em vista impostos. O aumento do IVA é justificado nessa perspectiva. Fixam-se limites para as pensões. O governo pretendeu também eliminar sistemas especiais (dos militares e membros do Judiciário) provocando reações acirradas, com ameaças de indisciplina nas Forças Armadas e greve no Judiciário, o que por sua vez causou grande desconforto na opinião pública. Houve uma espécie de unanimidade na condenação à greve dos juízes. II. EXAME DOS EQUÍVOCOS EM QUE REPOUSA O DEBATE ATUAL 1.Negação da existência de Welfare nos Estados Unidos. O jornal El Mundo (Madrid), do dia primeiro de Setembro de 2005, publicou extensa matéria sob o título seguinte: A pobreza dispara nos Estados Unidos. Os dados apresentados são da repartição fazendária. Esclareça-se que, nos Estados Unidos, todos os maiores são obrigados a tornarem-se contribuintes, ainda que na declaração anual de rendimentos fiquem isentos de impostos. O ano fiscal abrange o segundo semestre de determinado ano e o primeiro do seguinte. De modo que, geralmente no mês de agosto, tornam-se públicos os dados relativos à distribuição da população segundo faixas de renda. As famílias com rendimentos inferiores a vinte mil dólares anuais formam um grupo à parte por uma razão que a matéria em apreço omite. São beneficiários de um programa de renda mínima, financiado pelo Social Security, fundo constituído por contribuições compulsórias universais. As famílias que não alcançam esse patamar recebem, do mencionado fundo, a correspondente complementação. No exercício fiscal 2004/2005, as famílias com rendimentos inferiores àquela quantia correspondiam a 12,7% da população. O autor da matéria não se dá conta da real magnitude dos números com que está lidando, e ainda que efetue a conversão em euros (pouco menos de 16 mil anuais; mais ou menos mensais) tenta apresentar o quadro como se correspondesse à situação de indigência. Tanto nos Estados Unidos como na Europa, rendimentos de euros mensais de modo algum configuram situação de indigência. Mais grave é a suposição de que o Social Security equivaleria ao Welfare europeu. O programa de renda mínima norte-americano corresponde a tema dos mais discutidos no país, sendo extensa a bibliografia correspondente. Não teria cabimento tentar resumi-la, 6

7 bastando referir que o objetivo é adotar iniciativas (cursos ou o que seja) que facultem aos integrantes dessa faixa de renda elevá-la de modo a prescindir dessa ajuda. Em 1982, as famílias pobres correspondiam a 15% da população. Nos meados da década baixou um pouco mas desde então não se verificaram alterações substanciais. Destacados estudiosos consideram que tal ocorreu devido à decisão de incorporar ao programa as mães solteiras. Alguns consideram mesmo que tal disposição que destoaria inteiramente da larga tradição anglo-saxônica da defesa intransigente da paternidade responsável estimularia esse tipo de opção existencial. O Social Security é constituído por contribuições obrigatórias. A alíquota é de 6,2%, incidente sobre a renda anual situada acima de determinado limite. No exercício fiscal de 1997/98, abrangia rendimentos superiores a US$ 65 mil. No mesmo exercício fiscal, a aposentadoria limitava-se a US$1.300/mês. A cada exercício, a família cuja renda anual não haja alcançado determinado patamar, recebe a complementação. No exercício fiscal de 2004/2005 esse nível de renda era pouco inferior a vinte mil dólares. Em 1996, o número de segurados que receberam benefícios era de 44 milhões, compreendendo não só a complementação de renda como às aposentadorias. Ainda em fins da década passada, o governo criou uma comissão independente para avaliar as perspectivas do Social Security. Os resultados dessa avaliação estão contidos na publicação intitulada It is time to reform social security?, de Edward M. Gramlich, professor da Universidade de Michigan, que presidiu a comissão (University of Michigan Press, 1998, 103 p.). A conclusão é de que não havia probabilidade de déficit no horizonte do estudo (2020). Apesar disso, o Partido Republicano insiste em que lhe sejam aplicadas as regras existentes para os fundos de pensões 2, que são a instituição garantidora da aposentadoria ao nível da renda que o associado haja alcançado no período anterior. São constituídos por contribuições voluntárias. Por sua relevância, voltaremos a esse tema dos fundos de pensões. Os recursos disponíveis pelo Social Secutity são significativos. Como proporção do PIB, tem evoluído como segue: Ano % , , , , ,9 Fonte: US Treasury Em conformidade com o balanço do primeiro trimestre do ano fiscal 2005/2006 (meses de Julho, Agosto, Setembro), o Social Security representou 6,9% do PIB. 2 Os argumentos utilizados são de índole moral. Afirma-se que num país em que existem tantas oportunidades de trabalho -- e de crescimento material --, nada justificaria que uma pessoa fique na dependência do Social Sucirity durante períodos dilatados. 7

8 Há um outro programa relacionado à renda mínima, o denominado medcare, que faculta assistência médico-hospitalar à camada populacional considerada pobre. Seus dispêndios têm crescido (2% do PIB em 1999/2000; 2,2% nos exercícios seguintes e 2,4% no primeiro trimestre do ano fiscal 2005/2006). Esse programa é de todo discutível, na medida em que presta-se à prática de burlas, tanto por usuários como prestadores de serviços. Assim, por exemplo, no governo Reagan verificou-se que o número de beneficiários permanecia estável enquanto se elevavam os honorários médicos. Sob vigilância e debaixo de críticas, tem sido mantido. Para que se disponha de um parâmetro de comparação, tenha-se presente que os dispêndios com a defesa, que era de 3% do PIB em 2000/2001, evoluíram no primeiro trimestre do exercício fiscal 2005/2006 para 3,9%. Em diversos estados há alguns programas específicos, com base em recursos orçamentários. Tal é o caso do amparo à velhice. No balanço que efetiva dos vários programas, Edward D. Berkowitz (America s Welfare State. From Roosevelt to Reagan, John Hopkins University Press, 1991) considera-os bem sucedidos. Mas prefere o que denomina de seguro social. Destaca que estes seguro médico e seguro desemprego beneficiam-se da concorrência entre empresas e aportam recursos às inversões, enquanto os programas assistenciais dos governos dependem da integridade de executores, nunca se podendo determinar, de modo rigoroso, as razões de eventuais fracassos ou sucessos. O fato de que um jornal como El mundo, considerado de direita, se permita distorcer a tal ponto a realidade - sem encontrar reprimenda de quem quer que seja -- é uma demonstração expressiva daquilo a que Jeal-François Ravel chamou de obsessão antiamericana, que, na Europa, parece corresponder a unanimidade. 2. Negação da existência de modalidade diferente de financiamento Na discussão das alterações introduzidas pelo governo português na segurança social, com vistas a reduzir o déficit orçamentário em 2006, o Ministro do Trabalho negou que houvesse outra forma de financiamento, isto é, aumento das contribuições ou dos impostos. O foco entretanto está errado. As despesas decorrentes da manutenção dos principais programas da seguridade social (com exclusão, apenas, dos que no Brasil se denominou de rede de proteção social, isto é atendimento a situações de indigência) configuram, em todas as circunstâncias, situações futuras. As pessoas somente se aposentam depois de muitos anos de trabalho. A pretensão de assistência em caso de enfermidade ou desemprego também equivale a situações que podem ou não apresentar-se no futuro. Sendo assim, não há nenhuma razão que justifique sejam atendidas como se se tratasse de gastos correntes, isto é, despesas a serem reembolsadas quando aparecem. Portanto, as situações contempladas pela seguridade social requerem seguro, isto é, poupança que assegure rendimentos suficientes para atendê-las quando se apresentem. O fato de que historicamente não se tenha conseguido estruturá-las nessa forma não significa, de modo algum, que não possam ser revertidas. 8

9 A modalidade consagrada de atender a encargos de seguro consiste em utilizar para pagamentos correntes os rendimentos auferidos de aplicações. Nos começos da segurança social, tanto no Brasil como em Portugal, além das contribuições dos associados, havia investimentos do Estado, com vistas a auferir receitas quando se tratasse de pagar as prometidas aposentadorias. Esses investimentos, de um modo geral, foram encaminhados para imóveis, sobretudo moradias. A experiência demonstrou que não assegurava o retorno requerido. De modo que, quando chegou a época de atender aos compromissos, introduziu-se a praxe de utilizar as contribuições para esse fim. A crise diz respeito precisamente a essa modalidade. Nos Estados Unidos o problema foi desde logo tratado como um seguro, mediante o estímulo à criação de fundos de pensões. Mas há outras formas, a exemplo da alienação de bens do Estado a fim de constituir fundos de que possam resultar, num dado prazo, certos níveis de rendimentos. A Noruega deu recentemente início a uma nova modalidade. O superávit orçamentário resultante dos royalties e dos lucros da atividade petrolífera (empresa estatal Statoil, que conta com 30% de participação privada) estão sendo encaminhados a Fundo de Investimentos destinado a fazer aplicações exclusivamente externas. Em 2002, esse Fundo dispunha de US$ 114 milhões para realizar investimentos. A suposição é de que as reservas de petróleo, de que o país dispõe, durariam vinte anos. O patrimônio assim acumulado destina-se, a longo prazo, a financiar o sistema de segurança social. 3. Atribuição indevida de méritos ao modelo europeu Na discussão dos problemas existentes no modelo social europeu e nas dificuldades encontradas para a sua reformulação, editorial do jornal O Público editado em Lisboa e que corresponderia ao Le Monde francês, isto é, dedicado à defesa de posições moderadas de esquerda -- suscitou a tese de que diria respeito aos valores sociais. Comparando os modelos europeu e norte-americano, alegou-se, em desfavor deste último, a existência de altos níveis de criminalidade. Invocou-se este exemplo: o sistema carcerário na Califórnia consome dispêndios idênticos aos encaminhados para a educação. Parece-me haver aqui um grande equívoco. Quando Jacques Delors 3 refere a Solidariedade como o princípio norteador no subsistema social obviamente não tem em vista a sociedade como um todo. Os dois outros subsistemas (economia de mercado e democracia) também dizem respeito à vida social. A solidariedade é o princípio norteador da proteção social. Permito-me lembrar que os especialistas estabelecem diferenciação entre solidariedade voluntária (equivalente, no âmbito em que a estamos considerando, à tradicional caridade privada) daquilo que temos em vista, por eles denominada de solidariedade obrigatória, porquanto pública e universal. Cumpre ainda distinguí-la da equidade. Finalmente, é de todo evidente que tem servido sobretudo para criar dependência. Levando em conta 3 Jacques Delors, conhecido líder socialista francês, foi presidente da Comissão Européia de 1985 a Num documento elaborado após o Tratado de Roma (1992)-- que definiu as dimensões do projeto da Comunidade indicou que o modelo social europeu, concebido a partir de enfoque sistêmico, deveria basearse neste tripé: no sistema político, Democracia; no econômico, Mercado; e, no social, Solidariedade. 9

10 balanços consistentes da experiência de aplicação dessas políticas que teremos oportunidade de apresentar aqui com o imprescindível detalhamento--, os socialistas britânicos entendem que o princípio da solidariedade, nas situações de que se trata, isto é, de políticas públicas, deve ser substituído pelo da reciprocidade. No sentido próprio e nos adequados limites em que é enunciado, o princípio em apreço aparece pela primeira vez no Poor Law Report, documento que instruiu a aprovação pelo Parlamento inglês, em 1834, do Poor Law Amendement Act. O novo estatuto distinguiu indigência ( estado da pessoa incapaz de obter, em retribuição ao seu trabalho, os meios de subsistência ) de pobreza ( estado daqueles que, para obter a própria subsistência, são obrigados a recorrer ao trabalho ). Esclareceu ainda que a indigência compreende, além dos incapacitados a manter-se por si próprios, os velhos e os enfermos. A lei determinou que o apoio a essas pessoas não deve ficar na dependência apenas da caridade privada, devendo resultar de um sistema público e legal de amparo, mantido por contribuições compulsórias. O estabelecimento de critérios objetivos para precisar em que consistia o mínimo necessário para a sobrevivência seria devido a Sheebohm Rowntree, que os apresentou no livro Poverty: a Study of Town Life (London, Macmillan, 1901). Louvou-se de medidas tomadas por um nutricionista norte-americano e do registro e observações feitas em prisões inglesas. A esse mínimo, que dizia respeito à alimentação, adicionou dispêndios com a manutenção da casa, chegando a um desembolso semanal. Todos os estudos posteriores tomaram por base a contribuição pioneira de Rowntree. Os países desenvolvidos, de um modo geral, eliminaram o problema da indigência desassistida. O padrão mais comum reside nos programas de assistência à velhice. Na França, o problema é contemplado ainda pelo programa de assistência às famílias. As pensões, a que fazem jus o cabeça da família, se transferem a dependentes sem renda, havendo ainda amparo às que não obtêm o mínimo necessário à sobrevivência. Acoplou-se a esse tipo de assistência, prêmios de fomento à natalidade. Com idêntico objetivo, alguns países mantêm programas de renda mínima. De modo que a redução da criminalidade ou outros indicadores que eventualmente possam traduzir padrões morais adequados à convivência social não podem estar compreendidos nos resultados esperados da observância, do princípio da solidariedade, na organização dos sistemas de proteção social. III. COMO PODEMOS TIRAR PARTIDO DO DEBATE EUROPEU A questão do Welfare não pode certamente ser dissociada do conjunto de aspectos suscitados pelo modelo econômico social vigente na Europa. Depois de Delors, Tony Blair propôs-se discuti-lo com toda a amplitude. Ao assumir a Presidência Rotativa da Comunidade apresentou o conjunto de providências que submetia à consideração da Europa, na sessão do Parlamento Europeu de 23 de Junho de Em seguida, convocou a Cimeira denominada HAMPTON COURT (nome do palácio em que teve lugar, na Inglaterra), levada a cabo a 27/10/

11 Numa abordagem com a máxima amplitude como não poderia deixar de ser --, o centro da discussão passou a ser qual o rumo a ser dado à economia. Enfatizou-se a circunstância de que, num mundo globalizado, a Europa não podia dar-se ao luxo de proteger-se da importação de produtos cujos custos decorressem, em grande medida, do emprego de mãode-obra. Ao invés de protecionismo, cabia privilegiar aquelas atividades exigentes de tecnologias de ponta, onde a região poderia concorrer com vantagem. Nessa mesma linha de raciocínio, o governo britânico investiu contra os subsídios agrícolas, de que a França não se dispunha a abrir mão. Desta vez, contudo, não obteve grandes apoios. Contudo, em que pese a importância para o nosso comércio exterior a posição que a Europa adote no que se refere ao protecionismo na importação de produtos industriais ou em relação aos subsídios agrícolas, no que se refere ao Welfare, se queremos aprender com as iniciativas que a presente crise vem exigindo, cabe evitar a abordagem global, que de certo modo tem sido imposta pelo encaminhamento resultante do Modelo Juppé. Entendo que os seus aspectos essenciais precisariam ser abordados de per-si. Nesse pressuposto, das questões levantadas por Blair consideraríamos apenas as que se acham diretamente associadas à estratégia de redução ou eliminação -- do desemprego. O tema da saúde também poderia ser discutido de forma autônoma, do mesmo modo que a questão das aposentadorias e pensões. Em síntese, vamos nos ater a estes aspectos: a) a questão do encontro de uma nova forma de financiamento das aposentadorias e pensões com base no novo modelo adotado na Alemanha b) reavaliação das políticas relacionadas ao desemprego c) a questão das remanescentes situações de pobreza extrema; e d) encontro de uma forma duradoura de organização da assistência médico-hospitalar. IV. FINANCIAMENTO DAS APOSENTADORIAS E PENSÕES 1. O novo modelo alemão O Parlamento alemão aprovou, em 2001, a nova legislação relativa ao financiamento das aposentadorias. O objetivo central consistia em adicionar ao atual sistema tecnicamente denominado de pay-as-you-go, isto é, os dispêndios são cobertos por contribuições correntes, anuais uma nova modalidade. Esta opera segundo o modelo das companhias seguradoras, isto é, as aposentadorias serão pagas pelos rendimentos provenientes de investimentos. A nova modalidade será voluntária, sendo que os principais sindicatos estabeleceram determinado padrão, consoante se refere adiante. Continuará sendo obrigatória uma contribuição destinada a assegurar aposentadoria mínima, vale dizer, aquela que seria requerida pela sobrevivência. Assim, o novo sistema diz respeito à renda adicional que possa assegurar, na aposentadoria, a manutenção de padrão de renda equiparável ao obtido na fase precedente. Espera-se que, no prazo de trinta anos, o novo modelo haja sido universalizado. Ainda que a lei faculte ao empregado a livre escolha do fundo em que fará aplicações, as maiores organizações sindicais optaram por organizar fundo próprio, em parceria com os empregadores. Em seguida apresento a indicação das características gerais do fundo 11

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS CARTILHA Previdência Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS Índice 1. Os planos de Previdência Complementar e os Regimes Tributários... Pág. 3 2. Tratamento tributário básico... Pág. 4 3. Características próprias

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª Tributa as mais-valias mobiliárias realizadas por Sociedades Gestores de Participações Sociais (SGPS), Sociedades de Capital

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Decreto Legislativo nº 155, de 2015 (nº 62, de 2015, na origem), de autoria da Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal?

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal? Boletim do FMI ENTREVISTA SOBRE PORTUGAL FMI delineia plano conjunto de apoio com UE para Portugal Boletim digital do FMI 6 de Maio de 2011 Café no Bairro Alto, em Lisboa. A criação de novos empregos,

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil?

Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil? 74 Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil? 23.10.1997 Fala-se em reforma tributária no Brasil, no entanto se avança tão pouco ainda, se comparada às necessidades

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

Trabalhadores sem fronteiras

Trabalhadores sem fronteiras Trabalhadores sem fronteiras 28 KPMG Business Magazine Autores: Valter Shimidu e Adriana Soares, respectivamente diretor e gerente sênior da área de TAX; Patricia Quintas, sócia da área de International

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 980, DE 2003.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 980, DE 2003. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 980, DE 2003. Altera a Lei nº 6.321, de 14 de abril de 1976, que dispõe sobre o Programa de Alimentação do Trabalhador, a fim

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO BES/GES

COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO BES/GES COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO BES/GES Intervenção Inicial do Presidente da CD do FdR e Vice-Governador do BdP 25 de novembro de 2014 Sumário 1 2 3 4 Enquadramento institucional da Função de Resolução

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

Medidas Provisórias 664 e 665 ( Pacote Levy ): mudanças no seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença, pensão por morte OTAVIO PINTO E SILVA

Medidas Provisórias 664 e 665 ( Pacote Levy ): mudanças no seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença, pensão por morte OTAVIO PINTO E SILVA Medidas Provisórias 664 e 665 ( Pacote Levy ): mudanças no seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença, pensão por morte OTAVIO PINTO E SILVA Pacote Levy No dia 30 de dezembro de 2014, o Governo

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª INTRODUZ UM MECANISMO DE SALVAGUARDA DA EQUIDADE FISCAL PARA TODOS OS CONTRIBUINTES E ELIMINA AS ISENÇÕES DE TRIBUTAÇÃO SOBRE MAIS-VALIAS OBTIDAS POR SGPS

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO ACPREV... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativo... 8 Participante Assistido...

Leia mais

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva A visão Social da Previdência Complementar Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva Protecção Social Obrigatória vs Protecção Social Complementar As alterações efectuadas nos últimos anos ao Regime da Segurança

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7 Sumário A função do 3 Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4 Contribuições do Participante 6 Contribuições da Patrocinadora 7 Controle de Contas 8 Investimento dos Recursos 9 Benefícios 10 Em caso de

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL?

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL? EM QUE CONSISTE? As entidades devedoras de pensões, com exceção das de alimentos, são obrigadas a reter o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) no momento do seu pagamento ou colocação

Leia mais

Tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas (IRPF) tem de ser reajustada em 46,84%

Tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas (IRPF) tem de ser reajustada em 46,84% Tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas (IRPF) tem de ser reajustada em 46,84% A correção de 8% na tabela do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), válida a partir de 1º de fevereiro de 2006, não

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO. Uma questão do servidor

MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO. Uma questão do servidor MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO Uma questão do servidor PREVI-RIO EM TESE (I) O Previ-Rio é o Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários Um novo plano, com muito mais futuro Plano 5x4 dos Funcionários Sumário 03 Um novo plano, com muito mais futuro: 5x4 04 Comparativo entre o plano 4 x 4 e 5 x 4 08 Regras de resgate 10 Como será o amanhã?

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos.

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Vamos ao nosso assunto de hoje! Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO: A LDO é

Leia mais

Tributação do lucro imobiliário na alienação de imóvel

Tributação do lucro imobiliário na alienação de imóvel Tributação do lucro imobiliário na alienação de imóvel João dos Santos * 1. Os imóveis de propriedade das pessoas físicas são registrados e mantidos na declaração de bens que integra a declaração de ajuste

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 10. PLANOS DE PREVIDÊNCIA

Marcos Puglisi de Assumpção 10. PLANOS DE PREVIDÊNCIA Marcos Puglisi de Assumpção 10. 2010 Uma das maiores preocupações de um indivíduo é como ele vai passar o final de sua vida quando a fase de acumulação de capital cessar. É preciso fazer, o quanto antes,

Leia mais

Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato

Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato Muito se discute hoje acerca das contribuições compulsórias destinadas aos Sindicatos, em especial das contribuições assistencial e confederativa.

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2007 O MERCADO DE TRABALHO SOB A ÓPTICA DA RAÇA/COR Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego permitem diversos tipos de detalhamento

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

Projeto de Lei n.º 703/XII-4ª. Estabelece restrições à penhora e execução de hipoteca sobre a habitação. Exposição de motivos

Projeto de Lei n.º 703/XII-4ª. Estabelece restrições à penhora e execução de hipoteca sobre a habitação. Exposição de motivos PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 703/XII-4ª Estabelece restrições à penhora e execução de hipoteca sobre a habitação Exposição de motivos As dificuldades impostas às famílias

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV...

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... 7 CONHEÇA O PLANO DENTALUNIPREV... 8 PARTICIPANTES... 9 Participante

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7 GRUPO 7.2 MÓDULO 7 Índice 1. A educação e a teoria do capital humano...3 2 1. A EDUCAÇÃO E A TEORIA DO CAPITAL HUMANO Para Becker (1993), quando se emprega o termo capital, em geral, o associa à ideia

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais