O Estado de São Paulo no Censo Elaboração : Suzana Pasternak

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Estado de São Paulo no Censo 2010. Elaboração : Suzana Pasternak"

Transcrição

1 O Estado de São Paulo no Censo 2010 Elaboração : Suzana Pasternak Colaboraram Lucia Maria Machado Bógus e Eliana Rodrigues Introdução O Estado de São Paulo atinge, em 2010, uma população de habitantes, 95,94%% vivendo em áreas urbanas e 58,53% nas suas áreas metropolitanas institucionais; São Paulo, Santos e Campinas. O grau de urbanização no Estado de São Paulo é alto, bem maior que a da Região Sudeste, de 92,95% e a do Brasil, de 84,36%, mostrando um estado com população rural reduzida, de apenas pessoas em A urbanização no estado de São Paulo é crescente: a proporção de população urbana era, em 1950, de 52,59%, subindo para 88,65% em 1980, 93,41% em 2000 e atingindo em 2010 o percentual de 95,94%. Tabela 1: Grau de urbanização, Brasil, Região Sudeste e Estado de São Paulo, em % da população total ano Brasil Sudeste ESP ,16 47,55 52, ,08 57,36 62, ,98 72,76 80, ,70 82,83 88, ,47 88,01 92, ,23 90,52 93, ,36 92,95 95,94 Fonte: Censos Demográficos de 1950 a 2010 O peso da população paulista no total da população brasileira subiu até o ano de 1980, quando São Paulo possuía quase metade da população do Brasil. Desde então, esta proporção vem descendo lentamente, representando hoje quase 22% da população brasileira (Tabelas 2 e 3). Até o decênio de as taxas de crescimento da população paulista eram sempre maiores que as taxas brasileiras (Tabela 4). O incremento absoluto da população paulista na primeira década de 2000 foi de pessoas. Grande proporção deste incremento se deu nas 3 regiões metropolitanas institucionais: São Paulo, Campinas e Santos, com aumento de moradores entre 2000 e 2010, ou seja, mais de 58% do aumento da população estadual entre 2000 e 2010 aconteceu nas regiões metropolitanas, indicando, além de urbanização, concentração populacional. As 3 regiões metropolitanas institucionais são responsáveis 1

2 por 58,53% da população do Estado em 2010 (este valor era de 58,57% em 2000, indicando estabilidade na proporção das metrópoles na população estadual). A Região Metropolitana de São Paulo vem diminuindo muito lentamente seu peso na população do Estado: chegou a representar quase a metade da sua população em 1980, chegando em 2010 a 47,72% (Tabela 3) Tabela 2: População do Brasil do Estado de São Paulo, da Grande São Paulo e do Município de São Paulo, data Brasil ESP GSP MSP Fonte: Censos Demográficos de 1872 a 2010; em alguns anos, é fornecida a população presente. Tabela 3: Proporção da população, diversas bases, data ESP/Brasil GSP/ESP GSP/Brasil MSP/ESP MSP/GSP ,43% 3,75% ,66% 4,69% ,09% 10,51% ,99% 12,61% ,41% 21,84% 3,80% 18,47% 84,58% ,59% 29,44% 5,18% 24,06% 81,75% ,28% 36,93% 6,75% 29,48% 79,84% ,00% 45,32% 8,61% 27,72% 61,17% ,95% 49,61% 10,39% 33,84% 68,22% ,47% 48,97% 10,51% 30,52% 62,32% ,84% 48,28% 10,54% 28,10% 58,20% ,63% 47,72% 10,32% 27,28% 57,17% Fonte: Censos Demográficos de 1872 a 2010 As taxas históricas de crescimento populacional do Estado de São Paulo sempre foram superiores as taxas brasileiras, até a década de , como mostra a Tabela 4. Assim, é na primeira década do século XXI que a taxa de crescimento da população brasileira supera a paulista: a brasileira com valor de 1,18% ao ano, e a paulista com 1,08% 2

3 anuais. Observa-se também o declínio de 40% no valor da taxa de incremento populacional da Região Metropolitana de São Paulo, que até 1991 costumavam ser superiores à taxa estadual. Este declínio deve-se sobretudo à diminuição do crescimento do município sede Tabela 4: Taxas anuais de crescimento populacional, Brasil, Estado de São Paulo, Grande São Paulo e Município de São Paulo, intervalo Brasil ESP GSP MSP ,06% 2,83% 4,12% ,98% 5,12% 13,96% ,86% 2,86% 4,51% ,50% 2,26% 4,23% ,34% 2,44% 5,54% 5,18% ,17% 3,57% 5,95% 5,70% ,90% 3,30% 5,44% 2,67% ,51% 3,52% 4,46% 5,60% ,77% 2,00% 2,00% 1,04% ,61% 1,80% 1,64% 0,87% ,18% 1,08% 0,97% 0,79% Fonte: Censos Demográficos de 1872 a 2010 Para analisar o perfil deste território, à luz dos primeiros resultados do Censo 2010, neste texto será considerada a sua divisão mesoregional, suas regiões metropolitanas institucionalizadas e o município de São Paulo. São 15 meso regiões que compõe o tecido estadual: 1. Araçatuba, com 36 municípios; cidades mais importantes: Araçatuba, Andradina 2. Araraquara, com 21 municípios; cidades mais importantes: Araraquara, São Carlos 3. Assis, com 35 municípios; cidade mais importante: Assis 4. Bauru, com 56 municípios; cidades mais importantes: Botucatu, Bauru, Barra Bonita, Avaré, Jaú 5. Campinas, com 49 municípios; cidades mais importantes: Americana, Amparo, Campinas, Paulínia, Santa Bárbara d Oeste, Serra Negra, Sumaré. Valinhos, Vinhedo; neste meso região situam-se 16 dos 17 municípios que compõem a Região Metropolitana de Campinas. Apenas um município, o de Itatiba, faz parte da RMC e encontra-se noutra mesoregião, a Macro Metropolitana Paulista. 6. Itapetiniga, com 36 municípios; cidades mais importantes; Itapetiniga, Itapeva, Tatuí 7. Litoral Sul Paulista, com 17 municípios; cidades mais importantes; Registro, Itanhaém, Peruíbe, Cananéia. Nesta meso região estão 3 entre os 9 municípios que integram a RM Baixada Santista: Itanhaém, Monguaguá e Peruíbe. 3

4 8. Macro Metropolitana Paulista, com 36 municípios; cidades mais importantes:atibaia, Bragança paulista, Itu, Ibiúna, Jundiaí, Porto Feliz, São Roque, Sorocaba 9. Marília, com 20 municípios; cidades mais importantes; Marília, Tupã 10. Piracicaba, com 26 municípios; cidades mais importantes: Araras, Piracicaba, Rio Claro 11. Presidente Prudente, com 54 municípios; cidades mais importantes: Presidente Prudente, Presidente Venceslau, Adamantina 12. Ribeirão Preto, com 66 municípios; cidades mais importantes: Barretos, Batatais, Ribeirão Preto, Santa Rita do Passa Quatro 13. São José do Rio Preto, com 108 municípios; cidades mais importantes: Catanduva, São José do Rio Preto 14. Vale do Paraíba Paulista, com 39 municípios; cidades mais importantes: Aparecida, Campos do Jordão, Caraguatatuba, São Bento do Sapucaí, São José dos Campos, Taubaté, Ubatuba 15. Região Metropolitana de São Paulo, com 47 municípios: os 39 da Grande São Paulo (metrópole institucionalizada) e Bertioga, Cubatão, Guarujá, Praia Grande, Santos e São Vicente, que compõe, com outros 3 da meso região Litoral Sul Paulista, a Região Metropolitana da Baixada Santista 2. Distribuição da população Mapa 1; Meso regiões do Estado de São Paulo Mais de 64 % da população paulista se encontra nas meso regiões a leste: Vale do Paraíba Paulista, Macro Metropolitana, Metropolitana de São Paulo e Litoral Sul Paulista. A maior concentração situa-se na meso região Metropolitana de São Paulo, 4

5 com 51% da população estadual. É nesta meso região que se situa a região institucionalizada da Grande São Paulo e parte da Região Metropolitana da Baixada Santista. As duas meso regiões ao norte da meso região metropolitana de São Paulo, Campinas e Piracicaba, concentram 12,5% da população do Estado. Percebe-se que nestas 6 meso regiões residem 76,80% dos habitantes paulistas.os outros 20% se distribuem nas 8 outras meso regiões, apresentando certa concentração nas meso regiões de Ribeirão Preto (5,76%) e São José do Rio Preto (3,80%). O incremento populacional também se concentra nas primeiras meso regiões: as 4 meso regiões próximas à Grande São Paulo com 62,94% do incremento estadual, e Campinas- Piracicaba com 15,89% do aumento de população no intervalo Tabela 5- População total residente, incremento absoluto e relativo, taxa geométrica de crescimento anual, segundo meso regiões geográficas. Estado de São Paulo, 2000 e 2010 população total increemento taxa de crescimento meso regiões % pop ESP relativo ao ESP São José do Rio Preto , ,51 1,00 Araçatuba , ,42 0,91 Presidente Prudente , ,05 0,54 Ribeirão Preto , ,43 1,22 Araraquara , ,17 1,21 Bauru , ,42 1,05 Marília , ,52 0,51 Assis , ,86 0,68 Itapetininga , ,79 0,97 Campinas , ,15 1,47 Piracicaba , ,74 1,23 Vale do Paraíba Paulista , ,44 1,20 Macro Metropolitanapaulista , ,31 1,63 Metropolitana de São Paulo , ,29 0,98 Litoral Sul Paulista , ,90 0,86 Estado de São Paulo , ,00 1,09 Fonte: IBGE Censos Demográficos de 2000 e 2010 Pode-se notar que as 3 meso regiões a oeste: Marília, Assis e Itapetiniga apresentam taxas de crescimento bastante reduzidas, menores que a taxa estadual. Seu crescimento absoluto foi de apenas habitantes na década, pouco mais de 3% do incremento estadual. Praticamente mantiveram seu peso relativo no estado: 4,41% da população em 2000 e 4,55% em As 3 meso regiões a noroeste, São José do Rio Preto, Araçatuba e Presidente Prudente, tinham 7,33% da população estadual em 2000 e 7,55% em Todas apresentaram saldos positivos na década, e o seu crescimento absoluto foi de habitantes, 5,98% do crescimento estadual. Estas meso regiões também apresentam taxas de crescimento mais baixas que a média estadual: Presidente Prudente com 0,54% ao ano no período , Araçatuba com 0,91% e São José do Rio Preto com 1,00% anuais 5

6 As meso regiões mais centrais.: Ribeirão Preto, Araraquara e Bauru possuíam, em 2000, 11,16% da população estadual e em 2010 este percentual foi de 11,25%. Ribeirão Preto e Araraquara aumentaram ligeiramente seu peso relativos (Ribeirão de 5,68% para 5, 76% e Araraquara de 1,94% para 1,97%), enquanto Bauru mostrou ligeira queda (de 3,54% para 3,52%). As taxas de crescimento destas meso regiões ultrapassam 1%, sendo que Ribeirão Preto cresce a 1,22% anuais e Araraquara a 1,21% ao ano. Uma das maiores taxas de crescimento estadual foi na meso região de Campinas, com 1,47% ao ano no período A meso região de Campinas abriga 12,15% da população estadual, teve um saldo de mais de 500 mil pessoas entre 2000 e Entre os 49 municípios que compõem a meso região de Campinas encontram-se 16 dos 17 da Região Metropolitana institucional de Campinas. Apenas esta metrópole cresceu quase 1,5 milhão de pessoas na década, sendo responsável, assim, por todo o crescimento da meso região. A meso região de Piracicaba também teve taxa de crescimento superior à estadual, de 1,23% ao ano. As meso regiões ao leste do estado: Macro Metropolitana, Vale do Paraíba Paulista e Litoral Sul Paulista concentram mais de 64% da população estadual. A Macro Metropolitana Paulista, limítrofe à Grande São Paulo, cresce a taxa de 1,63% ao ano, superior à taxa estadual, assim como a meso região Vale do Paraíba Paulista, com taxa de incremento populacional na década de 1,20% anuais. A meso região Metropolitana de São Paulo, entretanto, tem taxa de 0, 98% anuais. Esta meso região é composta da Grande São Paulo, que teve crescimento de 0,97% na década, e de alguns municípios da Baixada Santista, como Santos, Guarujá, Cubatão, Praia Grande e São Vicente. Entre estes municípios da Baixada, apenas Praia Grande apresentou alta taxa de incremento populacional na década: 3,02%. O Litoral Sul Paulista é uma região bastante deprimida, com crescimento de apenas 0,86% ao ano. De outro lado, o Vale do Paraíba Paulista é composto de alguns municípios com alto vigor econômico e com grande taxa de crescimento da população, como São José dos Campos (1,53% entre 2000 e 2010), São Sebastião (2,44%), Taubaté (1,33%) e Pindamonhangaba (1,55%). Com relação às regiões metropolitanas institucionalizadas, observa-se: Como já foi dito, o peso das Regiões Metropolitanas na população estadual manteve-se estável entre 2000 e 2010: a população das 3 RMs representava 58,58% da população estadual em 2000, passando a 58,52% em Ou seja, quase 60% da população paulista reside nas 3 regiões metropolitanas institucionais, mostrando grande concentração. Comparativamente à taxa média de crescimento das regiões metropolitanas no Brasil (1% a.a. no período ), a Grande São Paulo cresceu menos, mas as outras duas metrópoles paulistas ultrapassaram este limiar, com ênfase em Campinas, com taxa de 1,81%. Outro fenômeno semelhante nas 3 metrópoles: a taxa de crescimento dos municípios periféricos foi, nas três, bem superior à taxa de crescimento nos núcleos. Na RM de São Paulo a cidade de São Paulo apresenta crescimento reduzido. Mas mesmo assim é responsável por 19,37% do incremento estadual. Os municípios da Grande São 6

7 Paulo que não a capital responsabilizam-se por mais de 23% do crescimento da população do estado. Na Baixada Santista o núcleo o município de Santos- teve um crescimento reduzidíssimo na década, mas os municípios periféricos cresceram a taxa alta, de 1,62%. A periferização do crescimento metropolitano é uma constante no estado de São Paulo. O peso relativo da população dos outros municípios que não o núcleo é crescente. Tabela 6- Regiões Metropolitanas no estado de São Paulo: população total, núcleo e periferia, 2000 e 2010 região população total participação na RM taxa de crescimento metropolitana RM São Paulo ,00% 100,00% 0,97% núcleo -São Paulo ,36% 57,17% 0,76% periferia ,64% 42,83% 1,25% RM Campinas ,00% 100,00% 1,81% núcleo - Campinas ,46% 38,61% 1,09% periferia ,54% 61,39% 2,29% RM Baixada Santista ,00% 100,00% 1,20% núcleo- Santos ,30% 25,22% 0,04% periferia ,70% 74,71% 1,62% Fonte: IBGE- Censos Demográficos Tabela 7: Incrementos das Regiões Metropolitanas e do Estado de São Paulo região incremento % RM % ESP metropolitana RM São Paulo ,00% 42,68% núcleo -São Paulo ,38% 19,37% periferia ,62% 23,31% RM Campinas ,00% 10,85% núcleo - Campinas ,12% 2,62% periferia ,88% 8,23% RM Baixada Santista ,00% 4,43% núcleo- Santos ,95% 0,04% periferia ,49% 4,36% ESTADO SÃO PAULO ,96% 100,00% Fonte: IBGE- Censos Demográficos de 2000 e 2010 Sumarizando, a distribuição e o crescimento da população paulista mostra taxas mais altas de crescimento nas regiões do centro oeste - meso regiões de Ribeirão Preto, 7

8 Araraquara e Bauru, das meso regiões de Campinas e Piracicaba e das meso regiões do leste, com exceção da deprimida Litoral Sul Paulista. São justamente as meso regiões com PIB per capita mais elevado, com exceção de Bauru, onde este valor foi apenas de 9800,00 reais em Campinas lidera o PIB per capita entre as meso regiões, com mais de ,00 reais em 2003, acompanhada de perto pela meso região do Vale do Paraíba Paulista, com ,00 reais. Ribeirão Preto e Araraquara apresentam, respectivamente, ,00 e ,00 reais. A Metropolitana de São Paulo e a Macro Metropolitana paulista tinham, em 2003, um PIB per capita de quase ,00 reais. Internamente a elas, as 3 regiões metropolitanas institucionais; Campinas, São Paulo e Baixada Santista, destacando-se os municípios periféricos. Tabela 8 -Meso regiões do estado de São Paulo: área, população e PIB per capita, 2003 meso regiões área Pop 2010 densidade 2010 PIB/hab ( 2003) São José do Rio Preto , , Araçatuba , , ,01 Presidente Prudente , , ,08 Ribeirão Preto , , ,70 Araraquara 9.455, , ,41 Bauru , , ,81 Marília 7.170, , ,25 Assis , , ,83 Itapetininga , , ,80 Campinas , , ,63 Piracicaba 9.045, , ,79 Vale do Paraíba Paulista , , ,00 Macro Metropolitanapaulista , , ,94 Metropolitana de São Paulo 9.298, , ,00 Litoral Sul Paulista , , ,29 Estado de São Paulo , , ,94 Fonte: IBGE, 2010 A pesquisa da Atividade Econômica Paulista (Paep) de 2001, assim como sua precedente de 1996, confirmam a existência de forte núcleo na Região Metropolitana de São Paulo, complementado com atividade econômica intensa nas regiões que compõem o seu entorno Sorocaba, Campinas, São José dos Campos e Baixada Santista- e uma região interiorana com menor escala de produção. Os dados demográficos das meso regiões seguem a tendência econômica: A meso região Macro metropolitana, onde se encontra parte da RA de Sorocaba cresce a taxa de 1,63% ao ano, a do Vale do Paraíba paulista (onde aloca-se a RA de São José dos Campos) a 1,20% ao ano, a de Campinas cresce a 1,47% anuais no período , e a meso região Metropolitana de São Paulo, que inclui a metrópole institucional e parte da Baixada Santista, a 0,96% ao ano no período. No período a metrópole institucional de São Paulo perdeu participação relativa, de 60% para 53% do PIB estadual, enquanto que Campinas, São José dos Campos e Santos aumentaram sua participação estadual no período. Nas regiões que elevaram sua participação estadual encontram-se indústrias como aço e 8

9 aeronáutica (Embraer) e alimentos (cana e laranja). Nas regiões de Campinas e Santos se encontram as principais refinarias do Estado (Paulínia e Cubatão). Tabela 9- Estado de São Paulo e Município de São Paulo: PIB por habitante, 1999 a 2008 região PIB/capital ESP ESP ,95 ESP ,04 MSP ,54 MSP ,23 MSP ,96 Fonte: Fundação Seade A pujança econômica dos municípios paulistas é claramente percebida na comparação com os municípios de outros estados do país. Destaca-se o caso da capital do Estado de São Paulo, cuja participação no PIB nacional (12%) supera não só a de todos os municípios como também a de todos os estados, com exceção de São Paulo. Além disso, dos 30 maiores municípios brasileiros melhor classificados em termos da riqueza por habitante gerada, 11 situam-se no estado de São Paulo e são responsáveis por cerca de 20% do PIB nacional, conforme o Quadro 1 abaixo. Quadro 1 Trinta municípios mais bem classificados no ranking do PIB municipal. Brasil, 2008 municípios ranking municípios ranking São Paulo 1 Barueri 16 Rio de Janeiro 2 Betim 17 Brasilia 3 Santos 18 Curitiba 4 Vitória 19 Belo Horizonte 5 Recife 20 Manaus 6 São José dos Campos 21 Porto Alegre 7 Goiânia 22 Duque de Caxias 8 Belém 23 Guarulhos 9 Jundiaí 24 Osasco 10 Contagem 25 São Bernardo do Campo 11 São Luis 26 Salvador 12 Uberlândia 27 Campinas 13 Ribeirão Preto 28 Campos dos Goytacazes 14 Santo André 29 Fortaleza 15 Joinville 30 Fonte: Fundação Seade O PIB dos Municípios Paulistas, 2010, p 3 9

10 A partir do quadro, percebe-se que as atividades econômicas estão concentradas nas meso regiões Região Metropolitana de São Paulo, que agrega parte de Baixada Santista, Campinas, Vale do Paraíba, Macro Metropolitana de São Paulo e Ribeirão Preto. As informações acima demonstram também como esta concentração econômica se reflete em termos geográficos, já que apenas o município da capital foi responsável por mais de 35% do PIB paulista em Além disso, é importante destacar que os 6 municípios responsáveis por cerca de 50% do PIB estadual localizam-se a menos de 100 km da capital, e 5 pertencem à Grande São Paulo: São Paulo, Guarulhos, Osasco, São Bernardo do Campo, Barueri, um à meso região Macro Metropolitana (Jundiaí). As exceções em relação ao vigor econômico referem-se à meso região de Ribeirão Preto, cujo município sede localiza-se a mais de 300 km e meso região da Vale do Paraíba Paulista, onde se situa São José dos Campos, a 140 km da capital. 3. Composição da população O Estado de São Paulo apresentou uma nítida transformação na sua estrutura demográfica: percebe-se uma diminuição de sua população jovem, até 15 anos (26,13% do total populacional em 2000 para 21,47% em 2010) e aumento de quase 2 pontos percentuais na população idosa, com 65 anos e mais. Há aumento da participação percentual da população adulta, a partir dos 25 anos de idade. Este comportamento etário se dá em ambos os sexos, embora se perceba também que entre as mulheres a proporção de pessoas com mais de 65 anos é superior: 4,55% das mulheres em 2010 têm mais de 65 anos, para 3,29% dos homens. 10

11 Tabela 10: População por sexo e grupo etário, Estado de São Paulo, 2000 e 2010 ESP grupo etário H 2000 M T H 2010 M T 0 a 4 anos 4,39% 4,23% 8,62% 3,30% 3,18% 6,48% 5 a 9 anos 4,35% 4,21% 8,55% 3,53% 3,40% 6,93% 10 a 14 anos 4,62% 4,52% 9,14% 4,09% 3,97% 8,06% 15 a 19 anos 4,91% 4,92% 9,83% 4,04% 3,97% 8,01% 20 a 24 anos 4,75% 4,80% 9,55% 4,45% 4,37% 8,82% 25 a 29 anos 4,28% 4,37% 8,66% 4,56% 4,62% 9,18% 30 a 34 anos 4,03% 4,17% 8,21% 4,22% 4,40% 8,62% 35 a 39 anos 3,78% 4,03% 7,81% 3,75% 3,96% 7,72% 40 a 44 anos 3,35% 3,58% 6,93% 3,50% 3,72% 7,22% 45 a 49 anos 2,78% 2,98% 5,76% 3,17% 3,50% 6,67% 50 a 54 anos 2,21% 2,38% 4,59% 2,79% 3,12% 5,90% 55 a 59 anos 1,61% 1,79% 3,40% 2,25% 2,56% 4,82% 60 a 64 anos 1,32% 1,53% 2,84% 1,71% 2,01% 3,72% 65 a 69 anos 1,01% 1,23% 2,24% 1,21% 1,48% 2,69% 70 a 74 anos 0,76% 0,99% 1,75% 0,90% 1,17% 2,08% 75 a 79 anos 0,45% 0,64% 1,09% 0,60% 0,86% 1,46% 80 anos ou mais 0,38% 0,65% 1,03% 0,58% 1,04% 1,62% total 48,98% 51,02% 100,00% 48,66% 51,34% 100,00% Fonte: Censos Demográficos de 2000 e 2010 Comparando-se com 2000, dos dados do Censo Demográfico de 2010 mostram que em São Paulo os grupos etários entre 0-4 anos e 5-9 anos mostram forte perda absoluta no seu contingente populacional, seguido pelos grupos entre 10 e 14 anos e 15 a 19 anos, para os dois sexos. Figura 1 - Pirâmides populacionais: Estado de São Paulo, 2000 e

12 Tabela 11- Estado de São Paulo: população residente, variação absoluta e percentual por idade e sexo, ESP variação variação percentual grupo etário H M H M H M H M 0 a 4 anos ,15% -16,23% 5 a 9 anos ,46% -9,93% 10 a 14 anos ,32% -2,18% 15 a 19 anos ,26% -10,21% 20 a 24 anos ,42% 1,38% 25 a 29 anos ,57% 17,81% 30 a 34 anos ,65% 17,40% 35 a 39 anos ,63% 9,62% 40 a 44 anos ,36% 15,90% 45 a 49 anos ,11% 31,09% 50 a 54 anos ,38% 45,85% 55 a 59 anos ,77% 59,66% 60 a 64 anos ,60% 47,14% 65 a 69 anos ,28% 33,65% 70 a 74 anos ,20% 32,52% 75 a 79 anos ,80% 50,67% 80 anos ou mais ,54% 77,28% total ,69% 12,13% Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 2000 e 2010 Os ganhos mais expressivos vão acontecer em grupos etários elevados, acima de 45 anos. Percebe-se também a feminização da população estadual, já que a variação da população feminina foi superior à masculina: a razão de sexo estadual em 2000 era de 96,01, passando para 94,87 homens para cada 100 mulheres.o Estado de São Paulo tornou-se mais feminino e mais idoso. Para o Brasil como um todo a proporção de jovens é de 24,08% da população total em 2010, e a de pessoas com 65 anos e mais, de 7,38%, contra 21,47% e 7,85% para São Paulo, respectivamente. Em relação às meso regiões, apenas duas delas- Itapetininga e Litoral Sul Paulista mostram percentuais de população jovem (entre 0 e 15 anos) no mesmo nível que a população brasileira como um todo: no Litoral Sul a proporção de pessoas com até 15 anos de idade foi de 25,68% no ano 2010, enquanto que em Itapetininga esta porcentagem alcançou 24,06%. São nestas duas meso regiões onde acontece o PIB per capita mais baixo do Estado de São Paulo. Na porção centro oeste do estado, onde as meso regiões crescem a taxas mais elevadas, o percentual de população idosa (com 65 anos e mais) fica em torno de 8 a 9%; já na parte leste do estado este percentual cai para 7%, com exceção do litoral Sul, onde atinge 9,25%. 12

13 Tabela 12- Estrutura etária das meso regiões do Estado de São Paulo, 2010 meso regiões e mais São José do Rio Preto 18,74 70,95 10,29 Noroeste Araçatuba 19,35 71,01 9,63 Presidente Prudente 19,93 69,93 10,14 Ribeirão Preto 21,07 70,56 8,37 Centro Oeste Araraquara 19,07 71,25 8,78 Bauru 21,06 69,97 8,97 Marília 19,94 69,89 10,17 Oeste Assis 21,32 69,13 9,55 Itapetiniga 24,06 68,11 7,84 Campinas 20,15 72,70 7,15 Centro Piracicaba 20,78 70,88 8,34 Vale do Paraíba Paulista 21,66 71,14 7,20 Macro Metropolitana 21,76 70,65 7,59 Leste Metropolitana de São Paulo 21,92 70,83 7,25 Litoral Sul 25,68 65,07 9,25 Estado de São Paulo 21,47 70,69 7,84 Brasil 24,08 68,54 7,38 Fonte: IBGE Censo Demográfico de 2010 Tabela 13- Proporção da população residente segundo grupos etários- Estado de São Paulo, meso regiões geográficas 2010 noroeste centro oeste oeste meso regiões 2010 São José do Rio Preto Araçatuba Presidente Prudente Ribeirão Preto Araraquara Bauru Marilia Assis Itapetininga 0 a 4 anos 5,72% 5,93% 5,85% 6,38% 6,09% 6,34% 5,90% 6,47% 6,98% 5 a 9 anos 5,99% 6,07% 6,45% 6,85% 6,38% 6,81% 6,36% 6,83% 7,84% 10 a 14 anos 7,04% 7,35% 7,63% 7,85% 7,50% 7,91% 7,67% 8,02% 9,24% 15 a 19 anos 7,59% 7,75% 8,08% 8,25% 7,99% 8,11% 7,88% 8,23% 8,85% 20 a 24 anos 8,53% 8,33% 8,43% 9,10% 8,99% 8,70% 8,37% 8,37% 8,55% 25 a 29 anos 8,63% 8,54% 8,19% 9,19% 9,14% 8,85% 8,38% 8,16% 8,58% 30 a 34 anos 8,13% 8,25% 7,87% 8,32% 8,45% 8,30% 8,07% 7,73% 8,06% 35 a 39 anos 7,45% 7,81% 7,39% 7,36% 7,55% 7,42% 7,43% 7,26% 7,27% 40 a 44 anos 7,40% 7,52% 7,47% 7,04% 7,20% 7,00% 7,19% 7,11% 6,71% 45 a 49 anos 7,08% 7,15% 7,04% 6,69% 6,94% 6,71% 6,85% 6,88% 6,31% 50 a 54 anos 6,40% 6,20% 6,14% 5,92% 6,09% 6,01% 6,24% 6,04% 5,52% 55 a 59 anos 5,33% 5,20% 5,09% 4,84% 5,00% 4,99% 5,21% 5,15% 4,57% 60 a 64 anos 4,41% 4,24% 4,24% 3,85% 3,91% 3,89% 4,27% 4,20% 3,69% 65 a 69 anos 3,43% 3,30% 3,38% 2,83% 2,86% 2,93% 3,32% 3,27% 2,74% 70 a 74 anos 2,80% 2,61% 2,75% 2,23% 2,32% 2,37% 2,69% 2,49% 2,12% 75 a 79 anos 1,97% 1,78% 1,94% 1,58% 1,70% 1,76% 1,97% 1,85% 1,46% 80 anos ou mais 2,09% 1,93% 2,07% 1,73% 1,89% 1,91% 2,21% 1,93% 1,51% total 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 13

14 central leste Campinas Piracicaba Vale do Paraíba Paulista Macro Metropolitana Metropolitana de São PAulo Litoral Sul 0 a 4 anos 6,35% 6,27% 6,07% 6,50% 6,64% 0, a 9 anos 5,91% 6,67% 7,18% 7,01% 7,10% 8,32% 10 a 14 anos 7,89% 7,83% 8,42% 8,25% 8,18% 9,91% 15 a 19 anos 8,23% 8,09% 8,39% 8,25% 7,89% 8,61% 20 a 24 anos 9,19% 8,96% 8,73% 8,86% 8,88% 7,28% 25 a 29 anos 9,60% 9,24% 9,09% 9,14% 9,42% 7,41% 30 a 34 anos 8,82% 8,45% 8,64% 8,57% 8,86% 7,59% 35 a 39 anos 7,89% 7,54% 7,70% 7,69% 7,89% 6,91% 40 a 44 anos 7,47% 7,11% 7,21% 7,18% 7,26% 6,38% 45 a 49 anos 6,84% 6,79% 6,77% 6,73% 6,56% 6,05% 50 a 54 anos 6,07% 5,99% 5,98% 5,89% 5,80% 5,57% 55 a 59 anos 4,88% 4,89% 4,90% 4,70% 4,71% 5,05% 60 a 64 anos 3,70% 3,84% 3,74% 3,66% 3,56% 4,22% 65 a 69 anos 2,60% 2,79% 2,62% 2,64% 2,50% 3,43% 70 a 74 anos 1,97% 2,17% 1,89% 2,01% 1,91% 2,52% 75 a 79 anos 1,31% 1,59% 1,28% 1,41% 1,33% 1,65% 80 anos ou mais 1,27% 1,79% 1,40% 1,52% 1,51% 1,65% total 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% 100,00% Fonte: IBGE Censo Demográfico de 2010 Outro indicador que revela ainda com maior expressividade as mudanças etárias do estado e as meso regionais é o índice de idosos (que mede a proporção entre o número de pessoas com 65 anos e mais e o número de crianças e adolescentes abaixo de 15 anos: quanto maior for este índice, mais envelhecida é a população). Em 2000, o índice de idosos no Estado de São Paulo era de 23,23, subindo para 36,50 idosos para cada 100 jovens em No Brasil, em 2010, o índice atingiu 30,66 idosos para cada 100 jovens. Pela Tabela 14 percebe-se que as meso regiões do noroeste do estado- São José do Rio Preto, Araçatuba e Presidente Prudente - apresentam índice de envelhecimento bem superior ao estadual, assim como as meso regiões de Araraquara, Bauru (no centrooeste), Marília e Assis (no oeste) e Piracicaba (na parte central do estado). Já as meso regiões situadas a leste e com atividade econômica bastante fortalecida, com Campinas, Vale do Paraíba paulista, Macros Metropolitana e Metropolitana de São Paulo apresentam índices de envelhecimento mais baixos, próximos á média estadual. Entre as meso regiões com maior vigor econômico, apenas a de Ribeirão Preto mostra índice superior ao estadual. Figura 2 - Meso regiões a noroeste do Estado: pirâmides etárias de 2010 Da mesma forma a razão de sexo varia conforme as meso regiões. Para o Estado de São Paulo, em 2000, a razão de sexo era de 96,01 homens para cada 100 mulheres. Em 2010 a população estadual ficou mais feminina, com 94,78 homens para cada 100 mulheres. 14

15 No ano 2010, apenas as meso regiões de Presidente Prudente, Itapetininga e Campinas conservam a razão de sexo acima de 100. Em todas as outras vai existir o predomínio feminino, de forma acentuada na meso região Metropolitana de São Paulo. Embora a idade média populacional seja indicador mais frágil que a idade mediana, em termos comparativos revela tendências: percebe-se que a idade média estadual é superior á brasileira e ultrapassa 35 anos nas meso regiões do noroeste e em Marília. Mostra-se inferior á 33 anos apenas na meso região de Itapetiniga. Figura 3 - Meso regiões no centro oeste do estado: pirâmides etárias de 2010 Figura 4 Meso regiões a oeste do estado: pirâmides etárias de

16 Tabela 14- Idade média, razão de sexo e índice de envelhecimento das meso regiões no estado de São Paulo, 2010 meso regiões idade média razão de sexo indice de envelhecimento São José do Rio Preto 35,87 97,71 54,86 Noroeste Araçatuba 35,36 99,38 49,77 Presidente Prudente 35,33 100,27 50,91 Ribeirão Preto 33,83 96,90 39,74 Centro Oeste Araraquara 34,49 97,33 43,94 Bauru 34,25 98,81 42,57 Marília 35,39 95,38 51,03 Oeste Assis 34,62 97,17 44,78 Itapetiniga 32,58 100,88 32,57 Campinas 33,57 103,04 35,48 Centro Piracicaba 33,99 97,78 40,14 Vale do Paraíba Paulista 33,27 98,48 33,21 Macro Metropolitana 33,29 98,06 34,87 Leste Metropolitana de São Paulo 33,09 91,98 33,08 Litoral Sul 33,16 98,72 36,01 Estado de São Paulo 33,56 94,78 36,50 Brasil 32,11 95,95 30,66 Fonte: IBGE Censo Demográfico de 2010 Figura 5- Meso regiões de Campinas e Piracicaba: pirâmides etárias de

17 Figura 6 Meso regiões a leste do estado: pirâmides etárias de Grande São Paulo Como já foi colocado pela tabela 4, a taxa de crescimento da população da Grande São Paulo (metrópole institucionalizada, com 39 municípios) mostra tendência declinante nas últimas décadas: até 1980, as taxas de crescimento demográfico eram altas, acima de 4 % ao ano; já entre 1980 e 1991 a taxa reduziu-se para 1,86, e esta redução continuou entre 1991 e 2000 (1,64%), atingindo 0,97% anuais entre 2000 e Embora o peso das 3 metrópoles institucionalizadas (São Paulo, Baixada Santista e Campinas) na população estadual tenha se mantido estável em torno de 58%, As taxas de crescimento demográfico das outras duas metrópoles paulistas têm sido superiores à da Grande São Paulo: entre 2000 e 2010 Campinas e a Baixada Santista cresceram 1,81 % e 1,20% ao ano, respectivamente. O peso da Grande São Paulo na população estadual reduziu-se na última década de 48,28% para 47,72%, enquanto que os pesos de 17

18 Campinas e da Baixada Santista subiram de 6,31% e 3,39% em 2000 para 6,78% e 4,03% no ano Assim como nas outras duas metrópoles, o crescimento da Grande São Paulo é maior na periferia que no núcleo (município de São Paulo): do seu incremento absoluto de pessoas na década, 54,62% de alocaram nos municípios periféricos. A taxa de crescimento do núcleo foi de 0,76% ao ano na década, enquanto que na periferia atingiu 1,25%. A população da metrópole de São Paulo ficou mais feminina (a razão de sexo em 2000 era de 93,04, passando a 92,03 no ano 2000), mais velha (o índice de envelhecimento mudou de 20,73 em 2000 para 32,48 idosos para cada 100 jovens em 2010, com proporção de pessoas com 65 anos e mais indo de 5,48% da população total para 7,12%), com menor percentual de crianças e adolescentes (a população de até 15 anos que era de 26,42% no ano 2000 mudando para 21,93% em 2010). A tabela 15 detalha a estrutura por idade e sexo para 2000 e Tabela 15 Região Metropolitana de São Paulo: estrutura por idade e sexo, 2000 e 2010 RMSP 2010 H M total RMSP 2000 H M total 0 a 4 anos 3,38% 3,26% 6,64% 0 a 4 anos 4,54% 4,40% 8,94% 5 a 9 anos 3,61% 3,49% 7,10% 5 a 9 anos 4,30% 4,19% 8,48% 10 a 14 anos 4,14% 4,05% 8,19% 10 a 14 anos 4,51% 4,48% 8,99% 15 a 19 anos 3,95% 3,94% 7,90% 15 a 19 anos 4,84% 4,99% 9,83% 20 a 24 anos 4,44% 4,49% 8,94% 20 a 24 anos 4,81% 5,04% 9,85% 25 a 29 anos 4,61% 4,86% 9,48% 25 a 29 anos 4,42% 4,65% 9,07% 30 a 34 anos 4,27% 4,63% 8,90% 30 a 34 anos 4,12% 4,35% 8,47% 35 a 39 anos 3,79% 4,13% 7,91% 35 a 39 anos 3,75% 4,11% 7,86% 40 a 44 anos 3,48% 3,80% 7,27% 40 a 44 anos 3,29% 3,65% 6,94% 45 a 49 anos 3,05% 3,50% 6,55% 45 a 49 anos 2,72% 3,04% 5,76% 50 a 54 anos 2,66% 3,12% 5,78% 50 a 54 anos 2,12% 2,39% 4,51% 55 a 59 anos 2,13% 2,55% 4,68% 55 a 59 anos 1,49% 1,73% 3,21% 60 a 64 anos 1,57% 1,96% 3,53% 60 a 64 anos 1,17% 1,44% 2,61% 65 a 69 anos 1,07% 1,40% 2,46% 65 a 69 anos 0,86% 1,14% 2,01% 70 a 74 anos 0,77% 1,10% 1,87% 70 a 74 anos 0,64% 0,93% 1,57% 75 a 79 anos 0,50% 0,80% 1,30% 75 a 79 anos 0,38% 0,60% 0,98% 80 anos ou mais 0,49% 0,99% 1,49% 80 e mais 0,31% 0,61% 0,92% total 47,93% 52,07% 100,00% total 48,27% 51,73% 100,00% Fonte: IBGE, Censos Demográficos de 2000 e 2010 Nota-se, pela Tabela 16, que tanto para homens como para mulheres, as 4 primeiros grupos etários até 20 anos- apresentam redução. Esta redução, para o sexo feminino, chega até 25 anos de idade. Entre os homens, a redução é de quase 4% entre os de até 20 anos; entre as mulheres, de 3,71% até os 25 anos. De outro lado, há dois picos de acréscimo populacional para os dois sexos: entre 25 e 35 anos, indicando uma possível entrada migratória, e entre os 50 e 60 anos. E nas idades mais avançadas, pós 65 anos, há incremento nos dois sexos, maior nas mulheres (2,79%) que nos homens (1,80%), resultante de uma maior expectativa de vida feminina. 18

19 Figura Região Metropolitana de São Paulo- pirâmides etárias 2000 e 2010 Tabela 16- Região Metropolitana de São Paulo: população residente, variação absoluta e percentual por idade e sexo, idade variação absoluta variação percentual H M H M H M H M 0 a 4 anos ,70% -1,57% 5 a 9 anos ,66% -0,66% 10 a 14 anos ,05% -0,04% 15 a 19 anos ,00% -1,26% 20 a 24 anos ,17% -0,18% 25 a 29 anos ,36% 1,36% 30 a 34 anos ,22% 1,45% 35 a 39 anos ,88% 0,84% 40 a 44 anos ,11% 1,02% 45 a 49 anos ,32% 1,58% 50 a 54 anos ,67% 2,02% 55 a 59 anos ,78% 2,08% 60 a 64 anos ,16% 1,39% 65 a 69 anos ,64% 0,76% 70 a 74 anos ,43% 0,54% 75 a 79 anos ,35% 0,55% 80 e mais ,48% 0,94% total ,32% 10,83% Fonte: IBGE Censos Demográficos de 2000 e 2010 A composição demográfica varia entre o núcleo da metrópole (município de São Paulo) e a periferia (demais municípios). A população da capital tem maior proporção de idosos (com 65 anos e mais): 8,13% do total em 2010, comparando com a dos municípios da periferia (5,78%), Isto se traduz num índice de envelhecimento de 39,16 na capital e em 24,60 idosos para cada 10 jovens na periferia. A proporção de menores 19

20 de 15 anos é superior nos outros municípios que não a capital: 23,50% do total populacional para a periferia e 20,76% no município de São Paulo. A razão de sexo na capital favorece mais as mulheres que na periferia: 89,93 homens para cada 100 mulheres, enquanto que na periferia esta proporção foi de 94,90. A tabela 17 mostra a distribuição populacional por sexo e grupo etário para o núcleo e a periferia. Tanto no núcleo da metrópole como na periferia o grupo etário com maior concentração é o de 25 a 29 anos, para os dois sexos. Tabela 17- Região Metropolitana de São Paulo: população residente por sexo e grupo etário, núcleo e periferia, 2010, em percentual núcleo periferia idade Homens Mulheres total Homens Mulheres total 0 a 4 anos 3,21% 3,10% 6,32% 3,60% 3,48% 7,08% 5 a 9 anos 3,43% 3,31% 6,74% 3,86% 3,73% 7,59% 10 a 14 anos 3,90% 3,81% 7,71% 4,47% 4,36% 8,83% 15 a 19 anos 3,74% 3,75% 7,48% 4,24% 4,20% 8,44% 20 a 24 anos 4,35% 4,46% 8,81% 4,57% 4,54% 9,10% 25 a 29 anos 4,62% 4,93% 9,55% 4,61% 4,77% 9,38% 30 a 34 anos 4,28% 4,70% 8,98% 4,27% 4,54% 8,81% 35 a 39 anos 3,76% 4,14% 7,90% 3,82% 4,11% 7,94% 40 a 44 anos 3,42% 3,80% 7,22% 3,55% 3,79% 7,34% 45 a 49 anos 3,04% 3,56% 6,60% 3,07% 3,42% 6,48% 50 a 54 anos 2,68% 3,25% 5,93% 2,64% 2,95% 5,58% 55 a 59 anos 2,17% 2,70% 4,87% 2,08% 2,34% 4,42% 60 a 64 anos 1,63% 2,13% 3,76% 1,49% 1,74% 3,23% 65 a 69 anos 1,13% 1,56% 2,69% 0,98% 1,18% 2,17% 70 a 74 anos 0,85% 1,26% 2,11% 0,67% 0,88% 1,56% 75 a 79 anos 0,57% 0,95% 1,52% 0,41% 0,61% 1,01% 80 anos ou mais 0,59% 1,23% 1,82% 0,36% 0,68% 1,05% total 47,35% 52,65% 100,00% 48,69% 51,31% 100,00% Fonte: IBGE- Censo Demográfico de 2010 A tabela 18 fornece a população dos 39 municípios da metrópole de São Paulo, desde Nota-se que, além da capital, 4 municípios metropolitanos apresentam população de mais de 500 mil habitantes:guarulhos, com mais de 1 milhão, Osasco, Santo André e São Bernardo do Campo. E, em todos os municípios as taxas de crescimento populacional são declinantes, embora alguns ainda mostrem altas taxas, com Arujá (2,91%), Cajamar (2,36%), Cotia (3,04%), Itapevi (2,15%), Mairiporã (3,02%), Pirapora do Bom Jesus ( 3,82%), Taboão da Serra ( 2,16%) e Vargem Grande Paulista (2,77%) 20

21 Tabela 18- Região Metropolitana de São Paulo; população dos municípios, 1950 a 210 municípios Aruaja Barueri Biritiba Mirim Caieiras Cajamar Carapicuiba Cotia Diadema Embu Embu Guaçu Ferraz de Vasconcelos Francisco Morato Franco da rocha Guararema Guarulhos Itapecerica da Serra Itapevi Itaquaquecetuba Jandira Juquitiba Mairiporã Mauá Mogi das Cruzes Osasco Piraporado Bom Jesus Poá Ribeirão Pires Rio Grande da Serra Salesópolis Santa Isabel Santana do Parnaíba Santo André São Bernardo do Campo São Caetano do Sul São Lourenço da Serra São Paulo Suzano Taboão da Serra Vargem Grande Paulista total Fonte IBGE: Censo Demográfico de

22 Tabela 19- Região Metropolitana de São Paulo: taxas geométricas de crescimento populacional, taxas geométricas de crescimento municípios Aruaja 4,18% 5,24% 6,05% 7,33% 5,16% 2,91% Barueri 13,99% 8,61% 6,97% 5,22% 5,31% 1,46% Biritiba Mirim 2,19% 4,65% 4,03% 2,66% 3,66% 1,49% Caieiras 19,58% 5,21% 4,80% 4,15% 6,90% 1,98% Cajamar 5,47% 4,97% 7,63% 4,05% 4,64% 2,36% Carapicuiba 9,61% 1,68% 26,50% 3,98% 2,19% 0,71% Cotia 1,65% 7,96% 7,23% 5,08% 3,70% 3,04% Diadema 15,07% 20,48% 11,12% 2,70% 1,76% 0,78% Embu 2,27% 13,69% 17,99% 4,60% 3,23% 1,46% Embu Guaçu 2,27% 8,02% 7,29% 5,15% 5,13% 1,00% Ferraz de Vasconcelos 12,29% 9,57% 7,97% 5,28% 4,46% 1,69% Francisco Morato 22,93% 15,96% 9,59% 10,46% 5,32% 1,46% Franco da Rocha 0,49% 3,69% 3,29% 4,93% 2,64% 1,98% Guararema -0,74% 5,20% 1,67% 1,61% 2,23% 1,67% Guarulhos 11,31% 8,92% 8,33% 3,68% 3,49% 1,31% Itapecerica da Serra 3,63% 7,99% 9,00% 4,07% 3,75% 1,63% Itapevi 9,82% 8,50% 6,70% 6,71% 4,64% 2,15% Itaquaquecetuba 8,38% 9,79% 9,48% 7,81% 5,75% 1,66% Jandira 3,33% 19,83% 11,07% 5,24% 4,33% 1,68% Juquitiba 0,05% 2,22% 5,43% 4,43% 3,18% 0,83% Mairiporã 3,18% 4,35% 3,37% 3,49% 4,65% 3,02% Mauá 11,81% 13,45% 7,19% 3,38% 2,34% 1,39% Mogi das Cruzes 6,19% 3,99% 3,50% 3,02% 2,13% 1,60% Osasco 11,03% 9,52% 5,19% 1,68% 1,55% 0,21% Piraporado Bom Jesus 1,05% 4,10% 2,51% 4,77% 5,05% 2,41% Poá 6,41% 7,44% 4,92% 3,46% 2,56% 1,02% Ribeirão Pires 6,83% 5,50% 6,69% 3,85% 2,31% 0,79% Rio Grande da Serra 6,83% 7,62% 9,14% 3,74% 2,42% 1,74% Salesópolis 0,46% 1,00% 0,54% 0,60% 2,64% 0,86% Santa Isabel 3,38% 3,88% 5,34% 2,48% 1,58% 1,44% Santana do Parnaíba 1,80% 0,39% 18,14% 2,46% 7,89% 3,82% Santo André 8,92% 5,55% 2,75% 1,02% 0,57% 0,37% São Bernardo do Campo 12,71% 9,41% 7,66% 2,68% 2,42% 0,85% São Caetano do Sul 6,70% 2,81% 0,78% -0,80% -0,72% 0,65% São Lourenço da Serra 5,31% 4,82% 1,20% 5,40% 1,38% São Paulo 5,69% 4,57% 3,55% 1,18% 0,88% 0,75% Suzano 9,28% 7,48% 6,06% 4,26% 4,13% 1,39% Taboão da Serra 19,08% 8,95% 4,67% 2,37% 2,16% Vargem Grande Paulista 8,36% 2,77% total 6,17% 5,24% 4,40% 1,89% 1,63% 0,96% Fonte- IBGE; Censo Demográfico de

23 5. Município de São Paulo O núcleo central da metrópole, município de São Paulo, vê suas taxas de crescimento populacional declinar desde a década de 1960 (Tabela 20). O incremento de habitantes entre 2000 e 2010 representa uma taxa de apenas 0,76% ao ano. Mesmo assim, tem mais de 11 milhões de moradores, constituindo-se no município mais populoso do Brasil. O censo de 2010 mostrou uma inversão de tendência intra-urbana que se dava desde 1980: seu crescimento era essencialmente periférico, com perda de moradores nos anéis mais centrais. Até o ano 2000 o processo de periferização dentro do tecido urbano municipal acompanhava o seu transbordamento para os municípios vizinhos. Pela Tabelas 20 e 21 pode-se notar que as taxas de crescimento populacional nos anéis centrais, interior e intermediários foram negativas desde 1980, mostrando o esvaziamento do centro municipal. O peso do crescimento do anel periférico, que já década de 1960 era de 43% do incremento municipal, nos anos 70 cresceu para 55%, e nos anos 80 representou 97% do incremento paulistano. Entre 1980 e 1991 o crescimento de São Paulo foi quase que exclusivamente periférico; nos anéis centrais observou-se uma perda populacional de mais de 250 mil residentes, que aumentou para 265 mil nos anos 90. Esta situação mudou na primeira década do século XXI, quando os 3 anéis centrais ganharam216 mil residentes. Este ganho é menor que nos dois anéis mais periféricos, onde o ganho atingiu mais de 600 mil habitantes. Mas mostra uma inversão da tendência dos últimos 20 anos. Figura 5- Município de São Paulo: anéis 23

24 Tabela 20- Município de São Paulo: população por anéis, 1960 a 2010 anel central interior intermediário exterior periférico total Fonte: IBGE: Censo Demográficos de 1960 a 2010 Tabela 21- Município de São Paulo: taxas geométricas de crescimento populacional por anel, 1960 a 2010 anel central 0,69% 2,23% -0,94% -2,05% 1,24% interior 0,08% 1,26% -1,17% -1,78% 1,05% intermediário 2,79% 1,28% -0,71% -0,79% 0,81% exterior 5,52% 3,13% 0,83% 0,13% 0,33% periférico 12,81% 7,39% 3,05% 2,71% 0,96% total 4,78% 3,66% 1,13% 0,92% 0,76% Fonte- IBGE.Censos Demográficos de 1960 a 2010 A análise da composição populacional do município de São Paulo mostra uma população com razão de sexo de 89,94 homens para cada 100 mulheres e um índice de envelhecimento de 39,16 idosos para cada 100 jovens entre 0 e 15 anos. A população paulistana tornou-se mais feminina e mais idosa: no ano 2000 a razão de sexo foi de 92,26 homens para cada 100 mulheres e o índice de envelhecimento de 26,12. Esta composição por idade e sexo varia bastante por anel, conforme se pode observar nas pirâmides abaixo: os anéis central, interior e intermediário tem população jovem extremamente reduzida, de 12,07%, 13,40% e 15,76% do total, respectivamente, enquanto que nos anéis exterior e periférico a população com até 15 anos de idade atinge 19,61% e 24,28%, respectivamente. Chama a atenção que no anel interior, o com população com renda mais alta, a razão de sexo seja a menor, de 84 homens para cada 100 mulheres, e o índice de envelhecimento mostre 103,23 idosos para cada 100 jovens até 15 anos. O anel central de São Paulo também mostra uma população feminina e envelhecida: a razão de sexo é de 89 mulheres para cada 100 homens e o índice de envelhecimento de 98,0. De outro lado, os jovens residem no anel periférico: neste anel a população com até 15 anos atinge 24,28% do total, resultando num índice de envelhecimento de 22,05. A razão de sexo é a maior entre os anéis: 92,37 homens para cada 100 mulheres. A Tabela 22 resume estes dados por anel intra-urbano. 24

25 Tabela 22- Município de São Paulo:razão de sexo e índice de envelhecimento por anel anel razão de sexo indice de envelhecimento pop 65 e mais pop ate 15 central 88,1 98,04 11,84% 12,07% interiro 84,28 103,23 13,84% 13,40% intermediário 85,99 79,70 12,56% 15,76% exterior 89,07 46,94 9,21% 19,61% periférico 92,37 22,05 5,35% 24,28% Fonte- IBGE: Censo Demográfico de 2010 Figura 6 Pirâmides etárias dos anéis central e interior Figura 7 Pirâmides etárias dos anéis intermediário e exterior 25

26 Figura 8 Pirâmide etária do anel periférico 6. Considerações finais 6.1 Em relação à distribuição da população no Estado O Estado de São Paulo atinge, em 2010, uma população de habitantes, 21,6% da população brasileira; trata-se de um estado com alto grau de urbanização (95,94%), bem maior do que a brasileira, de 84,36%; As taxas de crescimento da população paulista eram, até 2000, superiores à da população brasileira. Na década esta situação se inverte: São Paulo cresceu a 1,08% ao ano e o Brasil a 1,18% anuais; A população paulista está concentrada nas 3 regiões metropolitanas institucionais: em 2000 as metrópoles de São Paulo, Campinas e Baixada Santista concentravam 58,57% da população estadual; este valor praticamente se mantém no ano 2010, com 58,53% As 3 metrópoles institucionais apresentaram taxas de crescimento dos municípios periféricos superiores às taxas dos núcleos; O Estado de São Paulo possui 15 meso regiões: mais de 64% da população estadual reside nas 4 meso regiões a leste do Estado: Vale do Paraíba Paulista, Macro Metropolitana, Metropolitana de São Paulo e Litoral Sul. As duas meso regiões ao norte da Meso Região Metropolitana de São Paulo: Campinas e Piracicaba concentram 12,5% da população do Estado. Os outros 20% se distribuem nas outras 8 meso regiões; As meso regiões a noroeste e a oeste do Estado apresentaram taxas de crescimento populacional baixas, inferiores a 1% ao ano; as meso regiões mais centrais: Ribeirão Preto, Araraquara e Bauru, que possuíam, no ano 2010, 11% 26

Guia da internet 2013

Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 1 2 Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 3 Região Metropolitana de São Paulo Cajamar Santana de Parnaíba Carapicuíba Presidente Prudente Embu Teodoro

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

Ranking da criminalidade nos maiores municípios Paulistas

Ranking da criminalidade nos maiores municípios Paulistas Ranking da criminalidade nos maiores municípios Paulistas Este trabalho desenvolvido pelo pesquisador estatístico José Peres Netto, cria um ranking de criminalidade nos 60 maiores municípios de São Paulo

Leia mais

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água 2.6. Sistemas de Abastecimento de Água A RMSP está localizada na porção sudeste do estado de São Paulo e abrange 39 municípios. Destes, 33 são operados pela SABESP e 6 têm Administração Municipal. Do total

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana Março / 2012 Mobilidade é o deslocamento de pessoas e bens nas cidades. É sustentável quando: Valoriza o deslocamento do pedestre. Proporciona mobilidade às

Leia mais

Tabela 1 - Preços da gasolina nos municípios do Estado de São Paulo

Tabela 1 - Preços da gasolina nos municípios do Estado de São Paulo Tabela 1 - Preços da gasolina nos municípios do Estado de São Paulo Nº DE POSTOS PREÇO AO CONSUMIDOR MARGEM DO PREÇO DE VENDA DA DISTRIBUIDORA AMOSTRADOS PREÇO MÉDIO PREÇO MÍNIMO PREÇO MÁXIMO POSTO PREÇO

Leia mais

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

ANEXO I - Edital 001/2013 VAGAS PREVISTAS PARA NÍVEL SUPERIOR

ANEXO I - Edital 001/2013 VAGAS PREVISTAS PARA NÍVEL SUPERIOR ANEXO I - Edital 001/2013 VAGAS PREVISTAS PARA NÍVEL SUPERIOR NÍVEL MUNICÍPIO ÁREA DO CURSO PARA ESTUDANTES CURSANDO DO 1º AO PENÚLTIMO SEMESTRE DO CURSO SOMENTE PARA ESTUDANTES CURSANDO OS 2 ÚLTIMOS ANOS

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E SERVIÇOS

PLANO DE AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E SERVIÇOS PLANO DE AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E SERVIÇOS Prezado Expositor, Estamos na reta final para a realização da EXPOLAZER 2015 e queremos compartilhar com você tudo que preparamos para fazer uma grande feira. Aqui

Leia mais

Os equipamentos são ocultados no veículo, não necessitando nem mesmo de antenas externas ou algo que possa indicar que o equipamento está instalado.

Os equipamentos são ocultados no veículo, não necessitando nem mesmo de antenas externas ou algo que possa indicar que o equipamento está instalado. Manual do Cliente A Empresa A Ituran é uma multinacional israelense que atua na Argentina, Brasil, Estados Unidos e Israel. Desde o início das suas operações no Brasil, em 2000, a empresa se destaca como

Leia mais

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA)

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA) 1 INTRODUÇÃO Este relatório consolida os principais resultados obtidos com a pesquisa sobre acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas brasileiras pesquisa Renavam, efetuada como parte integrante do

Leia mais

Nova Política Comercial

Nova Política Comercial A Cultura já tem grade de programação diferenciada. Agora também com proposta comercial diferenciada. O cálculo da tabela de preços da TV Cultura deixou de ser baseado no IPC - Índice Potencial de Consumo

Leia mais

CONTRATOS TV POR ASSINATURA

CONTRATOS TV POR ASSINATURA CONTRATOS TV POR ASSINATURA CIDADE LOCAL DE Nº DE DATA DE AMERICANA SP Oficial de Registro de Títulos e Documentos de Americana - SP 233339 28/12/2007 ANAPOLIS GO 2º Ofício de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

ZARA S EXPRESS TABELA DE PONTOS - SERVIÇOS AVULSOS MOTO FRETE FONE: 11 2606-9330 / NEXTEL: 11 94759-1121 /94707-8867 RÁDIO: 35*22*75829 / 35*1*28443

ZARA S EXPRESS TABELA DE PONTOS - SERVIÇOS AVULSOS MOTO FRETE FONE: 11 2606-9330 / NEXTEL: 11 94759-1121 /94707-8867 RÁDIO: 35*22*75829 / 35*1*28443 ZARA S EXPRESS TABELA DE PONTOS - SERVIÇOS AVULSOS MOTO FRETE FONE: 11 2606-9330 / NEXTEL: 11 94759-1121 /94707-8867 RÁDIO: 35*22*75829 / 35*1*28443 LOCALIDADES/REGIÃO SERVIÇO MÍNIMO LOCALIDADE CENTRO

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

PLANO DE SERVIÇO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA DENOMINADO NET VÍRTUA 512Kbps Internet Popular

PLANO DE SERVIÇO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA DENOMINADO NET VÍRTUA 512Kbps Internet Popular PLANO DE SERVIÇO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA DENOMINADO NET VÍRTUA 512Kbps Internet Popular Plano (Denominação do Plano de Serviço) 1. Aplicação Este Plano de Serviço do Serviço de Comunicação

Leia mais

PLANO COPARTICIPAÇÃO PME

PLANO COPARTICIPAÇÃO PME PLANO COPARTICIPAÇÃO PME Além das coberturas e vantagens já oferecidas em todos os planos comercializados pela UP, estamos disponibilizando os planos Coparticipação PME: O que é o plano Coparticipação?

Leia mais

15ª. Região Ano 2014. Resíduo em Dez/2014 1.159 1.310 1.944 2.259 1.901 2.399 965 1.923 813 2.265 297 270 798 890 1.370 1.435 1.202 1.261 1.375 1.

15ª. Região Ano 2014. Resíduo em Dez/2014 1.159 1.310 1.944 2.259 1.901 2.399 965 1.923 813 2.265 297 270 798 890 1.370 1.435 1.202 1.261 1.375 1. 1ª de Adamantina 1ª de Americana 2ª de Americana Américo Brasiliense - Posto Avançado 1ª de Amparo 1ª de Andradina 1ª de Aparecida 1ª de Araçatuba 2ª de Araçatuba 3ª de Araçatuba 1ª de Araraquara 2ª de

Leia mais

Cidade de Prova - 01 ADAMANTINA. Cidade de Prova - 02 AMERICANA. Cidade de Prova - 03 ANDRADINA. Cidade de Prova - 04 APIAI

Cidade de Prova - 01 ADAMANTINA. Cidade de Prova - 02 AMERICANA. Cidade de Prova - 03 ANDRADINA. Cidade de Prova - 04 APIAI Cidade de Prova - 01 ADAMANTINA 001-029 - Agente de Organização Escolar - Adamantina 2.195 Total na Cidade 2.195 Cidade de Prova - 02 AMERICANA 001-030 - Agente de Organização Escolar - Americana 1.115

Leia mais

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA distribuição da população e do pib

Leia mais

} Fundado em novembro de 2004. } É composto por um conjunto de mais de 45 empresas. operadoras. } Operam nos 39 municípios da RMSP

} Fundado em novembro de 2004. } É composto por um conjunto de mais de 45 empresas. operadoras. } Operam nos 39 municípios da RMSP Cartão BOM CMT- Consórcio Metropolitano de Transportes } Fundado em novembro de 2004. } É composto por um conjunto de mais de 45 empresas operadoras } Operam nos 39 municípios da RMSP O sistema do CMT

Leia mais

I REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO I.1 - CARACTERIZAÇÃO GERAL

I REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO I.1 - CARACTERIZAÇÃO GERAL I REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO I.1 - CARACTERIZAÇÃO GERAL A Região Metropolitana de São Paulo é constituída pelo município de São Paulo e mais 38 municípios que se agrupam em torno da Capital do Estado,

Leia mais

ANEXO I NÍVEL SUPERIOR

ANEXO I NÍVEL SUPERIOR ÁREA DO CURSO MUNICÍPIO ANEXO I NÍVEL SUPERIOR PARA ESTUDANTES CURSANDO DO 1º AO PENÚLTIMO SEMESTRE DO CURSO VAGAS PREVISTAS SOMENTE PARA ESTUDANTES CURSANDO OS 2 ÚLTIMOS ANOS DO CURSO Administração ADAMANTINA

Leia mais

Uso de Serviços Públicos de Saúde

Uso de Serviços Públicos de Saúde Uso de Serviços Públicos de Saúde Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. OBJETIVO GERAL Levantar junto à população da área em estudo

Leia mais

Orientações Gerais para Inscrição e Participação nos Cursos 2012-2ª EDIÇÃO

Orientações Gerais para Inscrição e Participação nos Cursos 2012-2ª EDIÇÃO Orientações Gerais para Inscrição e Participação nos Cursos 2012-2ª EDIÇÃO JUNHO DE 2012 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quem pode se inscrever em cursos da RETEC... 3 3 Em quais cursos o aluno poderá se

Leia mais

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR INTERIOR DE SÃO PAULO Flavio Amary Vice-presidente do Interior do Secovi-SP e Diretor Regional em Sorocaba e Região PARTICIPAÇÃO % DO

Leia mais

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 7 Novembro 2011 Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Esta edição do SP Demográfico, que complementa

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL IPRS 2008

ÍNDICE PAULISTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL IPRS 2008 ÍNDICE PAULISTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL IPRS 2008 Fevereiro 2011 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL IPRS 2008 versão 2010 2000: Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo solicitou

Leia mais

Talento Jovem Programa de Bolsas de Estudos

Talento Jovem Programa de Bolsas de Estudos Programa de Bolsa de Estudos Rotary e Faculdades Integradas Rio Branco em prol da Educação 1 4610 RCSP 1001 4610 RCSP-Alto da Lapa 1002 4610 RCSP-Alto de Pinheiros 1003 4610 RCSP-Armando de Arruda Pereira

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP

Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP De acordo com a Anatel, são esperadas instabilidades momentâneas. Ligações sem o 9 ainda acontecem normalmente até 7 de agosto. Márcio

Leia mais

Ranking Município P2i - Lead Alto Padrão Médio Padrão Baixo Padrão

Ranking Município P2i - Lead Alto Padrão Médio Padrão Baixo Padrão 1 São Bernardo do Campo -SP 0,8200 Ótimo Ótimo Ótimo 2 Campo Grande -MS 0,7670 Ótimo Ótimo Ótimo 3 Santo André -SP 0,7670 Ótimo Ótimo Ótimo 4 Osasco -SP 0,7460 Ótimo Ótimo Ótimo 5 Natal -RN 0,7390 Ótimo

Leia mais

DDD DO MUNICÍPIO. Região UF Área Local SÃO PAULO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 12 SANTOS BAURU 14 SOROCABA RIBEIRÃO PRETO

DDD DO MUNICÍPIO. Região UF Área Local SÃO PAULO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 12 SANTOS BAURU 14 SOROCABA RIBEIRÃO PRETO Região UF Área Local DDD DO MUNICÍPIO SÃO PAULO 11 3 SP SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 12 SANTOS 13 BAURU 14 SOROCABA 15 RIBEIRÃO PRETO 16 RIBEIRÃO PRETO 16 SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 17 PRESIDENTE PRUDENTE 18 CAMPINAS

Leia mais

Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo. Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008

Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo. Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008 Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008 PESQUISA ORIGEM E DESTINO 2007 SÍNTESE DAS INFORMAÇÕES PESQUISA DOMICILIAR

Leia mais

MORTALIDADE INFANTIL Níveis e Tendências

MORTALIDADE INFANTIL Níveis e Tendências Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 6 nº 2 Julho 2005 MORTALIDADE INFANTIL Níveis e Tendências A taxa de mortalidade infantil a razão entre o número de óbitos de crianças no primeiro ano de vida e o

Leia mais

NORTE PTA. FRANCA ALTA MOGIANA BEBEDOURO BATATAIS PITANGUEIRAS SERTÃOZINHO MONTE ALTO RIBEIRÃO PRETO JABOTICABAL MOCOCA S.

NORTE PTA. FRANCA ALTA MOGIANA BEBEDOURO BATATAIS PITANGUEIRAS SERTÃOZINHO MONTE ALTO RIBEIRÃO PRETO JABOTICABAL MOCOCA S. Presença no Estado de São Paulo VICE- DRACENA ANDRADINA PRESIDENTE PRUDENTE JALES BIRIGUI ADAMANTINA ARAÇATUBA PENÁPOLIS TUPÃ ASSIS FERNANDÓPOLIS VOTUPORANGA MARÍLIA LINS OURINHOS S. JOSÉ DO RIO PRETO

Leia mais

São Paulo: transformações recentes na estrutura urbana

São Paulo: transformações recentes na estrutura urbana São Paulo: transformações recentes na estrutura urbana Região Metropolitana de São Paulo : população, área, evolução Questões norteadoras do estudo Década de 80: Década de 90: visão geral da década economia

Leia mais

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO AUMENTA A CONCENTRAÇÃO DE MÉDICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO Com um médico para 410 habitantes, taxa cresceu 33% em dez anos, revela levantamento do Cremesp realizado em março de 2010 Aconcentração de médicos

Leia mais

População do Estado de São Paulo atingirá 43 milhões de residentes em maio de 2015

População do Estado de São Paulo atingirá 43 milhões de residentes em maio de 2015 Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 15 n o 3 Maio 2015 População do Estado de São Paulo atingirá 43 milhões de residentes em maio de 2015 Monica La Porte Teixeira Mestre em Saúde

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

As informações da Pesquisa de Emprego

As informações da Pesquisa de Emprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC NOVEMBRO DE 2014 Mercado de trabalho e mobilidade do trabalhador As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED na Região do ABC, rea lizada pela

Leia mais

MÍDIA KIT. Jornal Impresso Internet Mobile Agência de Notícias E-mails. www.jcconcursos.com.br

MÍDIA KIT. Jornal Impresso Internet Mobile Agência de Notícias E-mails. www.jcconcursos.com.br 2016 MÍDIA KIT Jornal Impresso Internet Mobile Agência de Notícias E-mails www.jcconcursos.com.br Rua Norma Pieruccini Giannotti, 206 Barra Funda / São Paulo SP CEP 01137 010 e mail: publicidade@jcconcursos.com.br

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

CONCILIAÇÃO É A SOLUÇÃO RÁPIDA E EFICAZ PARA O ATENDIMENTO DA POPULAÇÃO

CONCILIAÇÃO É A SOLUÇÃO RÁPIDA E EFICAZ PARA O ATENDIMENTO DA POPULAÇÃO 1 CONCILIAÇÃO É A SOLUÇÃO RÁPIDA E EFICAZ PARA O ATENDIMENTO DA POPULAÇÃO Desembargador José Roberto Neves Amorim Coordenador do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos NUPEMEC

Leia mais

MERCADORIA TRANSPORTADA COM PAZ E SEGURANÇA UM NOVO CONCEITO DE LOGISTICA E TRANSPORTE RODOVIARIO

MERCADORIA TRANSPORTADA COM PAZ E SEGURANÇA UM NOVO CONCEITO DE LOGISTICA E TRANSPORTE RODOVIARIO SHALLON express SUA MERCADORIA TRANSPORTADA COM PAZ E SEGURANÇA UM NOVO CONCEITO DE LOGISTICA E TRANSPORTE RODOVIARIO EMPRESA - HISTÓRICO Aqui nasce um novo conceito de transporte rodoviário" Em Janeiro

Leia mais

A Força do Grande ABC no Mercado Imobiliário de São Paulo. Flavio Amary Vice-Presidente do Secovi-SP

A Força do Grande ABC no Mercado Imobiliário de São Paulo. Flavio Amary Vice-Presidente do Secovi-SP A Força do Grande ABC no Mercado Imobiliário de São Paulo Flavio Amary Vice-Presidente do Secovi-SP Momento Econômico Atual Indicadores Econômicos Taxa de Desemprego (média) Medo Desemprego 11,5% 97,50

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

TABELA DE COBERTURA BRASILIA CIDADE OCIDENTAL LUZIANIA NOVO GAMA VALPARAISO DE GOIAS ABADIA DE GOIAS APARECIDA DE GOIÂNIA GOIANIRA CALDAS NOVAS

TABELA DE COBERTURA BRASILIA CIDADE OCIDENTAL LUZIANIA NOVO GAMA VALPARAISO DE GOIAS ABADIA DE GOIAS APARECIDA DE GOIÂNIA GOIANIRA CALDAS NOVAS BRASILIA CIDADE OCIDENTAL LUZIANIA NOVO GAMA VALPARAISO DE IAS ABADIA DE IAS APARECIDA DE IÂNIA ARAIANIA CALDAS NOVAS IANIA IANIRA ITAGUACU ITUMBIARA SANTA ROSA DO MEIA PONTE SÃO SIMAO SENADOR CANEDO TRINDADE

Leia mais

Vendas de imóveis usados crescem no Estado pelo 3º mês consecutivo; aluguel de imóveis tem nova queda

Vendas de imóveis usados crescem no Estado pelo 3º mês consecutivo; aluguel de imóveis tem nova queda São Paulo, dezembro de 2004 Pesquisa CRECI-SP Imóveis usados/aluguel residencial Estado de São Paulo Outubro de 2004 Vendas de imóveis usados crescem no Estado pelo 3º mês consecutivo; aluguel de imóveis

Leia mais

Estatística de Candidatos Inscritos

Estatística de Candidatos Inscritos Cidade de Aplicação: ARACATUBA 012 Escrevente Técnico Judiciário - 2.ª Região - Andradina 667 935 1602 013 Escrevente Técnico Judiciário - 2.ª Região - Araçatuba 1750 2338 4088 014 Escrevente Técnico Judiciário

Leia mais

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Transparlog é uma empresa nova no mercado, com profissionais que vieram do setor de Transporte Rodoviário de Carga, tanto como contratante quanto contratado do serviço. Onde foi possível

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E SERVIÇOS

AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E SERVIÇOS AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E SERVIÇOS EDIÇÃO 2015 Prezado Expositor, Estamos na reta final para a realização da ESCOLAR OFFICE BRASIL 2015 e queremos compartilhar com você as ações de comunicação que desenvolvemos

Leia mais

Legenda: Áreas migradas do 0800 para o 4004. Áreas onde o 4004 já estava ativado.

Legenda: Áreas migradas do 0800 para o 4004. Áreas onde o 4004 já estava ativado. Legenda: Áreas migradas do 0800 para o 4004. Áreas onde o 4004 já estava ativado. CÓD. ÁREA (DDD) UF ÁREA METROPOLITANA REGIÃO CONURBADA 11 SP SÃO PAULO ARUJA BARUERI BIRITIBA-MIRIM CAIEIRAS CAJAMAR CARAPICUIBA

Leia mais

1. Mudanças demográficas e o comportamento das matrículas no ensino básico

1. Mudanças demográficas e o comportamento das matrículas no ensino básico nº 36 Maio 2014 1. Mudanças demográficas e o comportamento das matrículas no ensino básico 1.1 - Introdução O presente artigo tem por objetivo analisar alguns dados sobre matrículas na educação básica

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social lança Selo Amigo do Idoso e anuncia a construção de novos equipamentos para idosos

Secretaria de Desenvolvimento Social lança Selo Amigo do Idoso e anuncia a construção de novos equipamentos para idosos PRESS RELEASE ~""rl.d.r:oo.:i'nfimt'1~ ~,..jit lança Selo Amigo do Idoso e anuncia a construção de novos equipamentos para idosos Para obtenção do Selo Pleno, o município terá que desenvolver ações voltadas

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Distribuição das Instituições Espíritas no Estado de São Paulo

Distribuição das Instituições Espíritas no Estado de São Paulo Distribuição das Instituições Espíritas no Estado de São Paulo Uma análise geo-política-social Ivan Franzolim Dezembro 2006 Associação de Divulgadores do Espiritismo de São Paulo Índice Introdução...

Leia mais

IDEAL 420 - PRINCIPAIS HOSPITAIS E/OU PS

IDEAL 420 - PRINCIPAIS HOSPITAIS E/OU PS IDEAL 420 - PRINCIPAIS HOSPITAIS E/OU PS ESTADO CIDADE PRESTADOR SP AMERICANA HOSPITAL SAMAM SP AMERICANA HOSPITAL SAO FRANCISCO DE AMERICANA SP AMERICANA HOSPITAL SAO LUCAS SP AMPARO BENEFICENCIA PORTUGUESA

Leia mais

Rede Credenciada Intermédica A1

Rede Credenciada Intermédica A1 Rede Credenciada Intermédica A1 Max 200 - Enf Rede Própria: CC Ipiranga (PA); CC Santa Cecilia (PA); CC São Joao (PA); CM Mulher Pacaembu (PA); H Sacrecoeur (H/M/PS); Qualivida - SP (PA); Qualivida Case

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 *

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 * OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES CNPq/INCT Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo no Censo 2010 * Jupira Mendonça ** André Junqueira Caetano *** 1. INTRODUÇÃO O estado de Minas Gerais, um dos maiores

Leia mais

PORTARIA 77 DE 05 DE JUNHO DE 1998

PORTARIA 77 DE 05 DE JUNHO DE 1998 PORTARIA 77 DE 05 DE JUNHO DE 1998 CELSO PITTA, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, e Considerando a necessidade de aprovar documentos a serem expedidos

Leia mais

Confira a lista de instituições conveniadas: Universidade Bandeirante De São Paulo. Centro Universitário Claretiano

Confira a lista de instituições conveniadas: Universidade Bandeirante De São Paulo. Centro Universitário Claretiano Confira a lista de instituições conveniadas: Universidade Bandeirante De São Paulo Centro Universitário Claretiano Batatais Faculdades Integradas Claretianas Rio Claro Faculdade Bertioga Bertioga UNIVERSIDADE

Leia mais

CLASS 620 - PRINCIPAIS HOSPITAIS E/OU PS

CLASS 620 - PRINCIPAIS HOSPITAIS E/OU PS CLASS 620 - PRINCIPAIS HOSPITAIS E/OU PS ESTADO CIDADE PRESTADOR SP AMERICANA HOSPITAL SAMAM SP AMERICANA HOSPITAL SAO FRANCISCO DE AMERICANA SP AMERICANA HOSPITAL SAO LUCAS SP AMPARO BENEFICENCIA PORTUGUESA

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA 2015 CIDADE CURSOS TURNO INSCRITO VAGA C/V

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA 2015 CIDADE CURSOS TURNO INSCRITO VAGA C/V FATECs CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA 2015 CIDADE CURSOS TURNO INSCRITO VAGA C/V Análise e Desenvolvimento de Sistemas Manhã 130 40 3,25 Análise e Desenvolvimento

Leia mais

ENCONTRO DA REGIÃO METROPOLINA DE SÃO PAULO SOBRE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E NASCIDOS

ENCONTRO DA REGIÃO METROPOLINA DE SÃO PAULO SOBRE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E NASCIDOS ENCONTRO DA REGIÃO METROPOLINA DE SÃO PAULO SOBRE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E NASCIDOS São Paulo Março/2012 O conjunto de ações relativas à coleta, codificação, processamento de dados, fluxo,

Leia mais

Manual de Renovação do Certificado Digital OAB

Manual de Renovação do Certificado Digital OAB 1 Manual de Renovação do Certificado Digital OAB Caro(a) Advogado(a), Renove sua certificação digital OAB antes que complete (três) anos. A renovação do certificado, enquanto não expirado, poderá ser realizada

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica População jovem no Brasil: a dimensão demográfica Introdução O conhecimento detalhado dos aspectos demográficos, sociais, culturais, econômicos, de saúde, entre tantos outros, que dizem respeito a segmentos

Leia mais

RESULTADOS INSTITUCIONAIS NA ESCOLHA DOS BONS CANAIS DE COMUNICAÇÃO

RESULTADOS INSTITUCIONAIS NA ESCOLHA DOS BONS CANAIS DE COMUNICAÇÃO RESULTADOS INSTITUCIONAIS NA ESCOLHA DOS BONS CANAIS DE COMUNICAÇÃO Antônio Silvio Amaral Costa Superintendente de Recursos Próprios SISTEMA UNIMED O Sistema Unimed, fundado em 1971, atualmente é formado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS INSTITUTO AGRONÔMICO IAC

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS INSTITUTO AGRONÔMICO IAC GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS INSTITUTO AGRONÔMICO IAC CENTRO DE MONITORAMENTO E MITIGAÇÃO DE SECA E ADVERSIDADES

Leia mais

Danilo Piccoli Neto Geógrafo e Mestrando UNESP Rio Claro Bolsista FAPESP danilopiccoli@yahoo.com.br

Danilo Piccoli Neto Geógrafo e Mestrando UNESP Rio Claro Bolsista FAPESP danilopiccoli@yahoo.com.br REDEFINIÇÕES TERRITORIAIS: COMPARATIVO ESPACIAL DAS AGLOMERAÇÕES DO SETOR METAL-MECÂNICO PAULISTA, SEGUNDO OS EMPREGADOS E ESTABELECIMENTOS EM 1995 E 2005 REDEFINICIONES TERRITORIALES: COMPARATIVO ESPACIAL

Leia mais

1. Trabalho Infantil na Região Metropolitana de São Paulo - Censo 2010

1. Trabalho Infantil na Região Metropolitana de São Paulo - Censo 2010 nº 25 Junho 2013 1. Trabalho Infantil na Região Metropolitana de São Paulo - Censo 2010 O IBGE, em atendimento ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS, ao Ministério Público do Trabalho

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2010 CATEGORIA FRANQUEADOR MASTER

PRÊMIO ABF-AFRAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2010 CATEGORIA FRANQUEADOR MASTER PRÊMIO ABF-AFRAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2010 CATEGORIA FRANQUEADOR MASTER Seus Dados Nome empresa Água Doce Data de fundação 1990 Número de funcionários 28 colaboradores Localização (cidade e estado

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO Veja tudo o que preparamos para o sucesso desta edição.

PLANO DE COMUNICAÇÃO Veja tudo o que preparamos para o sucesso desta edição. PLANO DE COMUNICAÇÃO Veja tudo o que preparamos para o sucesso desta edição. Prezado Expositor, Você está recebendo o Plano de Comunicação completo da Natal Show 2015 com as ações online e offline desenvolvidas

Leia mais

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo *

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Bernadette Cunha Waldvogel Fundação Seade Lilian Cristina Correia Morais Fundação Seade Palavras-chave: mortalidade, Aids, distribuição

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

2ª Região SP Ano de 2013

2ª Região SP Ano de 2013 1ª de Arujá 483 304... 1ª de Barueri 2.966 2.299 2.988 2ª de Barueri 3.250 3.073 2.408 3ª de Barueri 3.093 2.544 2.559 1ª de Caieiras 1.046 1.001 545 1ª de Cajamar 264 799 394 1ª de Carapicuíba 34 447

Leia mais

Estatísticas Vitais Mostram Mudanças na Dinâmica Demográfica Paulista na Primeira Década do Século XXI

Estatísticas Vitais Mostram Mudanças na Dinâmica Demográfica Paulista na Primeira Década do Século XXI Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 12 nº 1 Março 212 Estatísticas Vitais Mostram Mudanças na Dinâmica Demográfica Paulista na Primeira Década do Século XXI As estatísticas demográficas

Leia mais

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1 AC Rio Branco Cerest Estadual (68) 3223-4266 cerest.saude@ac.gov.br AL Maceió Cerest Estadual (82) 3315-2759 (82) 3315-3920 cerest@saude.al.gov.br AL Maceió Cerest Regional (82) 3315-5260 cerest@sms.maceio.al.gov.br

Leia mais

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Abril DE 2014 EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Em 2013, cresceu o número de diaristas e diminuiu o de mensalistas com e sem carteira de trabalho. Elevou-se o rendimento médio

Leia mais

OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: Território, Coesão e Governança Democrática

OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: Território, Coesão e Governança Democrática UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: Território, Coesão e Governança Democrática Relatório de Pesquisa Dimensão socioespacial

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

ANALISTA ADMINISTRATIVO, SOCIOCULTURAL E AGENTE TÉCNICO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE:

ANALISTA ADMINISTRATIVO, SOCIOCULTURAL E AGENTE TÉCNICO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE: COORDENADORIA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SESSÃO DE ESCOLHA DE VAGAS ANALISTA SOCIOCULTURAL, ANALISTA ADMINISTRATIVO E AGENTE TÉCNICO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE A Coordenadora da

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Os custos da (i)mobilidade nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo

Os custos da (i)mobilidade nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Nº 3 Os custos da (i)mobilidade nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo As Regiões Metropolitanas do Rio de Janeiro 1 e de São Paulo

Leia mais

PREMIUM 840 - PRINCIPAIS HOSPITAIS E/OU PS

PREMIUM 840 - PRINCIPAIS HOSPITAIS E/OU PS PREMIUM 840 - PRINCIPAIS HOSPITAIS E/OU PS ESTADO CIDADE PRESTADOR SP AMERICANA HOSPITAL SAMAM SP AMERICANA HOSPITAL SAO FRANCISCO DE AMERICANA SP AMERICANA HOSPITAL SAO LUCAS SP AMPARO BENEFICENCIA PORTUGUESA

Leia mais

REFORMAS ESTATUTÁRIAS

REFORMAS ESTATUTÁRIAS REFORMAS ESTATUTÁRIAS Dar nova redação a aliena k do artigo 2º k) elaborar e imprimir em gráfica própria ou de terceiros, jornais, revistas e periódicos de interesse da categoria e do público em geral,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Instituições de ensino participantes

Instituições de ensino participantes Instituições de ensino participantes Nome Fantasia Município de sede Universidade Bandeirante de Centro Universitário Claretiano Batatais Faculdades Integradas Claretianas Rio Claro Faculdade Bertioga

Leia mais

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA CURSOS VAGAS 2013/2.º INSCRITOS C/V FATEC AMERICANA Análise e Desenvolvimento de Sistemas Manhã 40 112 2,80 Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tarde

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139, DE 16 DE JUNHO DE 2011

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139, DE 16 DE JUNHO DE 2011 Página 1 de 7 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139, DE 16 DE JUNHO DE 2011 Reorganiza a Região Metropolitana da Grande São Paulo, cria o respectivo Conselho de Desenvolvimento e dá providências correlatas O GOVERNADOR

Leia mais

PLANO DE SERVIÇO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA DENOMINADO NET VÍRTUA 30Mbps

PLANO DE SERVIÇO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA DENOMINADO NET VÍRTUA 30Mbps PLANO DE SERVIÇO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA DENOMINADO NET VÍRTUA 30Mbps Plano (Denominação do Plano de Serviço) 1. Aplicação Este Plano de Serviço do Serviço de Comunicação Multimídia é aplicável

Leia mais

Repasses mensais do Programa Pró-Santas Casas

Repasses mensais do Programa Pró-Santas Casas Repasses mensais do Programa Pró-Santas Casas GRANDE S. PAULO MOGI DAS CRUZES HOSP N SENHORA APARECIDA SUZANO 175.000,00 2 ARAÇATUBA ANDRADINA 35.000,00 HOSPITAL DE BASE ILHA SOLTEIRA 35.000,00 ARACATUBA

Leia mais