UMA EUROPA ENVELHECIDA. Desafios do sector europeu de serviços sénior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA EUROPA ENVELHECIDA. Desafios do sector europeu de serviços sénior"

Transcrição

1 UMA EUROPA ENVELHECIDA Desafios do sector europeu de serviços sénior

2 1

3 ENVELHECIMENTO NA EUROPA: DESAFIOS DO SECTOR EUROPEU DE SERVIÇOS SÉNIOR ProjectoLeonardo da Vinci n LLP-2007-DK-LMP O relatório foi desenvolvido pela equipa: Dinamarca: Caesar Szwebs Alemanha: Jeanette Schmidt Ulrich Burmeister Itália: Francesca Scocchera Claudio Sdogati Elisabetta Piangerelli Diego Mancinelli Polónia: Maria Bogowolska- Wepsięć Antoni Zwiefka Portugal: Pedro Pires Vanda Duarte Reino Unido: GrahamSmith Projecto Leonardo da Vinci n.º LLP-2007-DK-LMP PARCERIA: AMU Nordjylland International Department, Denmark LEG Arbeitsmarkt- und Strukturentwicklung GmbH, Germany Cooperativa Sociale COOSS MARCHE ONLUS, Italy Urząd Marszałkowski Woj. Dolnośląskiego, Wydział Zdrowia, Poland Sociedade Promotora de Formacao, Lda, SOPROFOR, Portugal University of Strathclyde, Senior Studies Institute, Scotland Aviso Legal O projecto está a ser financiado com o apoio da Comissão Europeia. O conteúdo desta publicação reflecte exclusivamente as opiniões dos autores, não podendo a Comissão ser responsabilizada por qualquer utilização que dela possa ser feita. 2

4 Agradecimentos Gostaríamos de agradecer a todas as pessoas que nos apoiaram no desenvolvimento do nosso trabalho. Gostaríamos de lhes agradecer por toda a sua ajuda, apoio, interesse e comentários importantes. Áustria: Katharina Meichenitsch, Institute for Social Policy, Department of Economics, Vienna University of Economics and Business Administration, Vienna França: Carole Finifter, Chargée de Direction, Responsable de Formation, Centre AFPA, Montpellier St Jean de Vedas Guy Beauthauville, Responsable Service Emploi, Pôle Emploi Services Hérault, Montpellier Sonia Arnaud, Conseillère technique, URIOPSS LR, Montpellier Jean Claude Ricourt, Responsable de Formation, Centre AFPA, Montpellier St Jean de Vedas Grécia Mata Kaloudaki, Research Centre of Women's Affairs, Athens Ioannis Athanasiou, Help at Home Programme, Athens Holanda Frits Tjadens, VILANS, Expertise-center on long-term care, Utrecht Suécia Hans Dahlin, Victum Kompetensutveckling, Helsingborg Reino Unido: The Age and Employment Network (TAEN), Dr Jo Valis, NHS Education, Scotland UE em geral: Bettina Brenner, CEDEFOP - European Centre for the Development of Vocational Training, Thessaloniki, Greece 3

5 CONTEÚDOS Agradecimentos 4 1. Introdução Enquadramento do Sector Europeu de Serviços Sénior Características comuns e diferenças Responsabilidades e variedade de serviços Tendências e estratégias Dez desafios para uma Europa envelhecida Assegurar estratégias de recrutamento suficiente e conservação eficaz Novos modelos de colaboração Encontrar soluções para a procura de serviços sénior Equilibrar o nível de financiamento dos serviços Medidas habitacionais para apoiar a independência Tecnologias para apoiar a independência Mudanças nas áreas de competências e na 26 Educação e Formação Profissional 3.8 Cuidados de longa duração e grupos especiais Desafios da globalização e da migração Mudar a imagem do sector de apoio Soluções Escolhidas como Modelo Lobbying (pressão) a favor dos cidadãos sénior Combater o Trabalho Ilegal Mudar a imagem do sector e os padrões de emprego 34 Bibliografia

6 PARTE II (CD-ROM) Países Áustria República Checa Dinamarca Inglaterra/País de Gales Finlândia França Alemanha Grécia Irlanda Itália Lituânia Países Baixos Noruega Polónia Portugal Escócia Eslováquia Eslovénia Espanha Suécia 5

7 1. Introdução O objectivo principal deste estudo 1 é apresentar um estudo pan-europeu do sector de serviços sénior, identificando as práticas e os desafios actuais, assim como possíveis oportunidades para o sector tendo em conta as mudanças demográficas e sociais na Europa 2. Prevê-se que estas mudanças antevistas tenham consequências significativas no sector de serviços sénior no futuro com muitos factores, tais como a necessidade de orçamentos estatais, o aumento do custo de vida na reforma e a falta de apoio nos serviços de saúde e de acção social. Um desafio crucial é, por isso, identificar potenciais soluções para apoiar tanto os indivíduos como o sector de serviços sénior a reagir a estas mudanças. Este exercício de enquadramento deverá ser visto em conjunto com uma outra publicação Perfis Profissionais do Sector Europeu de Serviços Sénior 3, oferecendo um panorama completo dos perfis profissionais que existem actualmente nos serviços 1 O estudo é uma das publicações do projecto Leonardo da Vinci n.º LLP-2007-DK-LMP LMP 4 Leaf Clover Quality Model for Senior Service Sector, realizado em O projecto defende a abordagem positiva, encarando os desafios como potencialidade para o desenvolvimento; veja a Comunicação da Comissão: O futuro demográfico da Europa do desafio à oportunidade (DG EMPL 12 de Outubro de 2006). Futuro Demográfico (30-31 de Outubro de 2006) Livro Verde Enfrentar a mudança demográfica; uma nova solidariedade entre gerações (11/12 Julho de 2007); DG REGIO: Respostas das políticas regionais face aos novos desafios demográficos (25/26 Janeiro de 2007), 3 Todas as publicações do projecto estão disponíveis para download no Website do projecto 6

8 sénior na Europa. Esperamos que ambos os trabalhos sejam úteis para outros estudos sobre possíveis soluções que possam ter um impacto positivo e uma influência em áreas como a educação e formação, práticas de recrutamento e modelos de trabalho para trabalhadores do sector. A equipa deste projecto, responsável pelos relatórios, analisou um espectro temático mais amplo de projectos existentes, estudos e publicações, de modo a definir futuros limites do sector de serviços sénior. Esta investigação inclui elementos como apoio pessoal, desenvolvimento tecnológico, saúde e bem-estar, apoio domiciliário e alojamento adequado para os idosos. Para além disso, os investigadores realizaram visitas de estudo e entrevistas nos ambientes académicos e políticos dos países identificados. Os conteúdos do presente relatório ilustram características comuns do sector de serviços sénior num grupo de países europeus escolhidos, estabelecendo responsabilidades e a variedade de serviços existentes. O relatório descreve também um conjunto de desafios que existem actualmente, e no futuro, antes de destacar algumas soluções inovadoras que foram adoptadas em vários países da Europa. Estas soluções mostram elementos de boas práticas no que concerne à abordagem aos desafios principais apresentados no presente relatório. Por último, é apresentada uma lista completa dos perfis dos países, mostrando, mais a fundo, o estudo realizado em cada país com uma listagem de vários dados estatísticos, também eles apresentados. Aalborg- Glasgow- Ancona- Essen- Lisboa- Wroclaw

9 2. Enquadramento do Sector Europeu de Serviços Sénior De forma a salientar a mudança dos limites do sector de acção social futuro, o termo sector de serviços sénior será usado neste trabalho. O sector de serviços sénior abrange mais do que as tarefas da acção social tradicional 4 e pode ser dividido em 5 áreas gerais: Outros serviços relacionados com os idosos, ex.: saúde e bemestar, turismo, serviços relacionados com empresas, serviços domésticos, etc. Sector de acção social 1. Sector de cuidados primários (ex.: Sector de serviços sénior cuidados médicos para os idosos em lares de terceira idade) 2. Serviços pessoais e domésticos (ex.: apoio domiciliário, assistência social, limpeza) 3. Serviços relacionados com empresas (ex.: porteiro/caseiro) 4. Serviços relacionados com a área residencial (ex.: trabalhadores comunitários, enfermeiros ao domicílio) 4 A definição portuguesa de acção social é sinónima do conceito de cuidados (DE: Pflege, DA: omsorg/pleje; PL: opieka; IT: cura; GB: care), tal como é prestada noutros países da Europa. Os serviços de acção social podem destinar-se a todos os tipos de grupos mais vulneráveis, como por exemplo crianças e famílias, pessoas com deficiência, idosos e pessoas com dependências. Para efeitos deste relatório, o centro das atenções serão os idosos que vivem nas suas próprias casas e que precisam de serviços de apoio. Para além disso, também considerará indivíduos que vivem em lares institucionais e as funções de trabalho necessárias para servir estes lares. O âmbito deste estudo analisa a área dos cuidados residenciais para os idosos como sendo apenas um dos elementos relacionados com a prestação de serviços à população idosa no futuro. 8

10 5. Serviços sociais sem fins lucrativos (voluntários) Actualmente, na maior parte dos países há uma distinção clara entre serviços de cuidados primários (médicos) e secundários (acção social). O primeiro é composto por serviços constituídos por pessoal altamente profissionalizado e qualificado. Estes serviços são uniformizados e financiados, como é habitual, por financiamentos públicos ou seguros (embora os seguros de saúde privados sejam uma raridade no contexto europeu). A área da acção social, pelo contrário, centra-se mais no cliente, ou seja, é criada para apoiar a rotina diária e o modo de vida dos idosos. Pode ser vista no modelo do apoio domiciliário, tanto do alojamento como dos conteúdos dos próprios serviços. No entanto, é preciso acrescentar que em alguns países, no que concerne às áreas de trabalho de cuidados de longa duração a idosos, há limites ambíguos entre os hospitais (ou instituições similares) e os cuidados prestados em lares de terceira idade (ex.: unidades especializadas em Alzheimer em muitos países ou o conceito francês de l Hospitalisation a domicile (HAD)). O sector de cuidados primários (médicos de clínica geral médicos de família, clínicas comunitárias, hospitais, etc.) foi interessante para este estudo apenas no que concerne às questões de comunicação e colaboração entre o sistema de saúde primário e as instituições que prestam cuidados ou os ambientes domésticos dos idosos que podem ser relevantes (ex.: no caso da telemedicina). O termo seniores geralmente refere-se a pessoas reformadas com mais de 65 ou 67 anos. Esta idade pode variar consoante a profissão ou o trabalho. No presente relatório o grupo que utiliza o sector de serviços sénior é constituído por seniores com 60 anos ou mais, independentemente de estarem reformados ou a trabalhar. A característica comum é que começam a usar a variedade de serviços disponíveis para os cidadãos seniores, por exemplo, mudando-se para casas especialmente destinadas à população sénior ou usando tipos de tecnologia especialmente desenvolvidos para ajudar nos cuidados de saúde ou bem-estar Características comuns e diferenças Apesar das diferenças nas abordagens políticas e enquadramentos institucionais, os serviços de saúde e de acção social em todos os Estados Membros Europeus 9

11 enfrentam desafios semelhantes em adaptarem-se ao envelhecimento da população, alterarem modelos de emprego e família, progredirem nos desenvolvimentos tecnológicos e problemas de financiamento. A complexidade da situação torna-se pior pelo facto de, por um lado, ir haver um aumento na procura de trabalhadores no apoio social (soluções mais intensas de recrutamento e conservação) e, por outro lado, um perfil diferente de utilizadores a aceder aos serviços de cuidados, o que implica um nível mais elevado de profissionalização dos trabalhadores devido a crescentes expectativas de qualidade. Cuidados Informais Em praticamente todos os países estudados existe uma forte correlação entre os cuidados a idosos e os cuidados informais. Isto é mais comum em países como a Irlanda, Eslovénia e Itália, onde uma grande percentagem de idosos, que ainda vivem de forma independente, conta com a família para lhes prestar cuidados em casa sem qualquer assistência estatal significante. Em termos de custos, esta prática está a poupar aos governos/estados uma enorme quantia de dinheiro e requer mais apoios para permitir que as famílias possam continuar a desempenhar este trabalho, especialmente dado o panorama económico actual. Educação Os requisitos educacionais para empregados a trabalharem no sector de acção social variam por toda a Europa dependendo da profissão. Os países escandinavos, por exemplo, exigem que os cuidadores que trabalham neste sector tenham um dos dois perfis educacionais existentes actualmente. A qualificação é modular e consistente com outros sistemas sectoriais. No entanto, noutros países da Europa, tais como a Grécia e a Polónia, os padrões educacionais estão prestes a ser introduzidos. No Reino Unido e na Irlanda as qualificações baseadas nas competências dos trabalhadores na área dos cuidados têm sido recentemente revistas segundo o sistema modelo estabelecido de competências e qualidade. De um modo geral, a maioria dos países estão actualmente a rever os sistemas educacionais existentes com o objectivo de elevarem os padrões de qualidade e profissionalismo no sector. Envolvimento Governamental/Estatal A maior parte das políticas governamentais ou estatais tendem a encorajar e apoiar os idosos a viver nas suas próprias casas pelo tempo que for possível, usando, por exemplo, medidas preventivas tais como o apoio ao domicílio. Muitos países têm 10

12 sistemas privatizados no que respeita a lares institucionais, onde os residentes, e em alguns casos as famílias, têm de financiar os seus cuidados. Tecnologias de Apoio Muitos países estão já a testar e a abraçar as tecnologias de apoio. Os países do norte da Europa parecem estar mais avançados nesta questão do que os do sul da Europa, tendo algumas funções tais como a saúde e a segurança a serem controladas à distância e outras, tais como sistemas de abertura de portas por activação de voz, controlados no local pelos residentes nas comunidades habitacionais. Recrutamento e Conservação Existe uma grande falta de trabalhadores qualificados no sector dos cuidados em todos os países, o que coloca desafios às políticas governamentais relativamente aos trabalhadores migrantes, como é o caso da Noruega. Para além disso, as políticas que incluem outros grupos que não seriam habitualmente um alvo para fins de recrutamento, tais como candidatos do sexo masculino e indivíduos em mudança de carreira, estão também a ser revistas. Esta questão constitui um desafio para os sistemas educacionais baseados nas competências reconhecerem capacidades e sucessos anteriores, de modo a que um maior número de potenciais trabalhadores possa ser recrutado para o sector Responsabilidades e variedade de serviços Autoridades locais e organizações voluntárias são habitualmente os prestadores de vários serviços que permitem aos indivíduos permanecer nas suas próprias casas mais tempo e até mais tarde, embora o sector privado desempenhe também um papel importante ao oferecer instalações residenciais de longo prazo. Existem grandes diferenças entre os países europeus no que respeita à forma como os serviços de saúde e de apoio social são financiados e prestados. Dois modelos financeiros principais são evidentes: Países onde o sector de acção social tem uma obrigação pública, sendo financiado principalmente pelas receitas dos impostos gerais; Países onde um sistema de seguros existe ou os serviços são financiados por privados. Quando olhamos para as diferenças nacionais de responsabilidades entre os cuidados formais e informais, aparece um mapa da Europa mais dependente de cada 11

13 cultura. Há uma tendência para classificar as sociedades europeias menos e mais orientadas para a família de acordo com uma divisão entre o Norte e o Sul, reflectindo o nível de apoio esperado por parte da família versus a ajuda institucional, onde se encontram os países escandinavos e os Países Baixos de um lado e a Europa do sul do outro lado oposto, com a Europa continental a ser uma mistura. O gráfico seguinte mostra esta diferença. No inquérito Eurobarómetro 5 foi pedida a opinião de pessoas com menos de 40 anos sobre os planos de vida para os seus pais quando estes se tornarem débeis. Portugal Itália Alemanha Grã-bretanha Países Baixos Suécia 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% O progenitor deve mudar-se para casa de um filho Um deve mudar-se para perto do outro O progenitor deve ficar em casa, e receber visitas Um filho deve mudar-se para casa do progenitor O progenitor deve mudar-se para um lar de 3ª idade Depende/Não sei A maioria dos estudos mostra que, apesar das mudanças de mentalidade e da pressão do mercado de trabalho, a área dos cuidados informais não diminuirá, mas antes a sua natureza sofrerá alterações, sendo que os cuidadores informais irão colaborar em maior escala com intervenientes especializados do sistema de cuidados 5 Eurobarómetro A pergunta do inquérito era: Vamos supor que tinha um familiar idoso a viver sozinho. O que acha que seria melhor se este familiar já não conseguisse viver sozinho? ; ver mais em Older People, Family and living arrangements, de Cecília Tomassini em Focus on Older People no Instituto Nacional de Estatística (Reino Unido) 2007; Evert Pommer a.o., Comparing Care. Os cuidados prestados aos idosos em dez países europeus, o Instituto de Investigação Social dos Países Baixos, The Hague, 2007, p

14 formais, dependendo da natureza da especificidade das tarefas de cuidados 6. Quando a escala mais alargada de medidas dos serviços destinados aos idosos aparece na área local, esta forma tradicional de pensar sobre as responsabilidades muda gradualmente Tendências e Estratégias Tendências análogas são observadas por toda a Europa, por exemplo, procurar soluções de financiamento para oferecer residências adequadas e indicadas ou apoiar financeiramente cuidadores informais para que estes continuem a desempenhar o seu papel. Em alguns casos as diferenças regionais são evidentes, por exemplo, os países escandinavos são mais receptivos e progressistas no que concerne às tecnologias de apoio, enquanto que confiar no reforço dos cuidados familiares é algo mais comum nos países da Europa Ocidental e do Sul. Existem várias estratégias novas e não tradicionais que visam melhorar a eficiência do serviço público de saúde e reduzir o fardo que irá ter quando a onda cinzenta (grey wave) chegar em força dentro de alguns anos. O estado e construção dos sistemas de acção social, onde estão incluídas as medidas de apoio destinadas aos idosos, são distintos nos países europeus, havendo uma clara divisão entre o norte da Europa e os países do Sul e Leste. Os sistemas de acção social podem ser divididos de um modo geral em três grupos: 1. Sistema de cuidados de saúde com uma grande tradição e distinção de serviços, tipicamente base nos impostos; exemplos: países escandinavos 2. O modelo misto onde a estrutura bem desenvolvida é tanto da responsabilidade pública como privada; os processos de recrutamento e educação foram vagamente definidos e estão sujeitos a forças do mercado livre; exemplos: Reino Unido, Irlanda e Alemanha 3. Os países menos concentrados no sistema de cuidados de saúde; exemplos: Polónia, Portugal e Grécia 6 Projecto OASIS ( ), Old age and autonomy: the role of service systems and intergenerational family, solidarity. Haifa: Center for Research and Study of Aging K. Glaser a.o, Revisiting convergence and divergence: support for older people in Europe, Eur. I. Ageing (2004) 13

15 No primeiro grupo de países há uma clara tendência para reformar o sistema no que concerne à qualidade dos serviços e tornar os sistemas de recrutamento e educação mais abertos e flexíveis, para que os novos grupos possam ser facilmente integrados no mercado de trabalho. O exemplo disto mesmo é a Reforma do Sistema de Cuidados de Saúde na Dinamarca que começou em No Segundo grupo há uma forte tendência para a profissionalização do sector de acção social. No Reino Unido e na Irlanda a legislação em vigor visa elevar o nível de educação dos cuidadores, através da introdução de um nível mínimo de qualificações de entrada para os cuidadores. Em outros países, como a Itália, estão em curso revisões com o objectivo de aumentar e melhorar a profissionalização da indústria dos cuidados. O terceiro grupo de países tem estado a estabelecer a abordagem sistemática no sector de acção social, que inclui: o alargamento e novos conceitos para o apoio domiciliário e apoio residencial, incluindo a discussão sobre princípios de financiamento uniformização dos conceitos do serviço nos locais de trabalho (descrições das funções e competências, sistemas de gestão de qualidade e de controlo) uniformização da abordagem à educação e formação, que inclui a elaboração dos ficheiros centrais de competências, introduzindo os cursos que dão competências nos locais de trabalho do sector. Estes métodos são visíveis na Polónia e em Portugal. Há um interesse quase explosivo das principais empresas tecnológicas nas tecnologias de apoio e na telemedicina 8. A robótica e a tecnologia sensorial têm potencial para serem um factor crucial para a diminuição de uma enorme falta de profissionais de saúde e bem-estar. A tecnologia comunicativa permite unir profissionais e utilizadores, assim como melhorar a colaboração entre os vários níveis do sector da saúde e bem-estar. O uso da tecnologia tem de ser visto como uma forma de trabalhar de modo mais inteligente e eficiente. A tecnologia desempenha um papel secundário; e não irá substituir, de maneira alguma, o elemento humano. A essência das tarefas de apoio 8 Ver por exemplo os resultados da 9ª Conferência dos Avanços da Tecnologia de Apoio na Europa, San Sebastian, 3-5 Outubro

16 baseia-se nos elementos interpessoais, sendo que a tecnologia de apoio prestará uma ajuda extra em situações em que as tarefas de apoio sejam mais exigentes e demoradas e em que os recursos dos cuidadores e profissionais de saúde sejam limitados ou inexistentes 9. Um exemplo concreto é o acordo político existente na Dinamarca em avançar com as tecnologias economizadoras de trabalho. Esta iniciativa é financiada pelo fundo ABT, de onde foram destinados, para o período de 2009 até 2015, à introdução de soluções tecnológicas, principalmente no sector de cuidados a idosos. Outro elemento do apoio ao idoso que será cada vez mais importante é a influência do cliente. Os idosos deverão poder escolher os seus prestadores. Há um aumento previsto na interacção com o cliente em todos os níveis dos serviços. Todas estas mudanças aumentam a necessidade de comunicação entre os operadores que prestam cuidados aos idosos. Por exemplo, é necessário um maior acesso às bases de dados que contêm informações. Esta questão inclui prestadores de serviços do município, assim como prestadores do sector privado. Empresas de transporte, administradores e familiares irão também precisar de ter acesso a informações importantes. Deste modo, serão necessárias soluções TI seguras e de fácil acesso. Ter idosos a viver nas suas próprias casas significa uma maior necessidade de serviços que estejam disponíveis 24 horas por dia, sete dias por semana. Na maioria dos países este tipo de soluções estão a começar a ser implantadas, havendo uma combinação equilibrada de um serviço de apoio domiciliário profissional e multifacetado, assim como de TI para apoiarem o auto cuidado em casa. As TI podem ajudar as pessoas a manterem-se em contacto com os seus prestadores de serviço, permitindo também que as suas equipas de profissionais sejam o mais eficiente possível. 9 A perspectiva sistemática das soluções tecnológicas está presente noutra publicação deste projecto: Technology and care (Tecnologia e Cuidados); consulte em 15

17 3. Dez desafios para uma Europa envelhecida Os desafios do sector europeu de serviços sénior podem ser resumidos nas seguintes questões-chave: 1. Falta de recrutamento versus aumento da procura por parte do utilizador de serviços e sua distinção 2. A introdução de novas agendas políticas e estratégias de desenvolvimento com o objectivo de profissionalizar e uniformizar o sector 3. Cuidados de longa duração e cuidados destinados a grupos especiais em termos de consumo de recursos, esquemas de qualidade e meios de comunicação mais avançados entre o sector primário de cuidados médicos e as instituições de acção social 4. Distinção e expansão dos limites profissionais dos serviços destinados aos idosos, comparados com a mudança dos padrões sociais, que criam uma nova necessidade de colaboração sectorial transversal e organizacional transversal. O seguinte segmento apresenta vários desafios que são comuns à maioria dos países europeus estudados. Pretende expor a agenda para a criação de estratégias a nível local, nacional e europeu. 16

18 3.1. Assegurar estratégias de recrutamento suficiente e conservação eficaz O envelhecimento da população da Europa trouxe implicações ao nível do recrutamento para o serviço de saúde e de apoio social. O sector terá de competir com outros sectores por um grupo reduzido de talento, especialmente pessoas mais novas. Por exemplo, os institutos de investigação económica estimam que na Alemanha, em 2015, serão necessários cerca de 2 milhões de postos de trabalho relacionados com a prestação de cuidados aos idosos. E, ainda que a falta de profissionais seja algo iminente, existem apenas algumas estratégias locais e nacionais de recrutamento para fazer face a este desenvolvimento. Recrutamento de novos grupos Há uma consciência por parte dos políticos e responsáveis de que uma opção para criar estratégias de recrutamento é identificar grupos não tradicionais e usá-los no mercado de trabalho escondido. Algumas soluções passam por usar trabalhadores migrantes qualificados ou desenvolver locais de trabalho agradáveis para a população sénior, onde os idosos possam ser convencidos a trabalhar até mais tarde, especialmente no que diz respeito aos reformados antecipados. Outras possibilidades incluem encorajar os que mudam constantemente de carreira, tais como trabalhadores de outros sectores, que procuram novas oportunidades de trabalho, ou adultos desempregados que pretendem reentrar no mercado de trabalho, mas que não têm qualquer experiência na área dos cuidados. Dentro destes dois grupos poderá haver um número mais elevado de homens disponíveis e atraídos por este sector predominantemente feminino. O problema escondido Um problema de extrema importância que muitos países enfrentam é a existência do mercado negro de trabalho, ou seja, trabalhadores ilegais que estão a trabalhar no sector, em parte para resolver a falta de trabalho e, muitas vezes, por um nível salarial significativamente mais baixo do que o dos trabalhadores legais. Em países como a França, Alemanha e Itália, dizem que até 50% das funções relacionadas com os cuidados são desempenhadas por trabalhadores ilegais. A situação é agravada pelo facto de provocar a descida de salários para outros, os trabalhadores legítimos. 17

19 As empresas que operam legalmente enfrentam o grande desafio de oferecer salários competitivos a potenciais trabalhadores, uma vez que os trabalhadores legais procuram muitas vezes salários mais elevados. A única vantagem que podem oferecer aos clientes é uma equipa de profissionais adequadamente formados e um serviço de qualidade elevado. Muitos políticos locais e nacionais são muitas vezes acusados de fecharem os olhos a este problema, uma vez que a existência de uma força de trabalho ilegal neste sector ajuda a resolver parcialmente os sérios problemas laborais. Há, no entanto, excepções a esta regra. A região de Trentino, no norte de Itália, iniciou um projecto, financiado pelo projecto Equal, de amnistia (licença de trabalho) e formação dos trabalhadores ilegais do sector de apoio 10. A força de trabalho envelhecida O perfil de idades nas principais funções de trabalho no sector da acção social é similar na maioria dos países. As estatísticas mostram que quase 30% dos empregados terão a oportunidade de sair do mercado de trabalho com reformas antecipadas. Políticas de conservação devem, por isso, ser estabelecidas, de modo a tornar os locais de trabalho mais atractivos para os trabalhadores idosos (com mais de 50 anos). Actualmente, iniciativas políticas estão concentradas principalmente em aumentar a idade de reforma, fazendo assim com que a reforma antecipada não seja financeiramente atractiva. Simultaneamente, políticas e estratégias devem ser também desenvolvidas de forma a atraírem trabalhadores mais novos a permanecerem mais tempo nos postos de trabalho. A duração média do tempo de serviço no sector de serviços sociais é de quatro anos, resultando numa rotatividade relativamente elevada de profissionais. Muitos locais de trabalho adaptaram-se a este problema, no entanto, há uma necessidade de rever estratégias de conservação para permitir uma maior conservação de trabalhadores, algo que ajudará também a reduzir custos de recrutamento. Outra solução é alterar o trabalho em part-time para a tempo inteiro para aquele grupo de mulheres que têm dificuldades em conjugar de forma equilibrada 10 Projecto Equal Promo Care - La promozione delle donne immigrate nei servizi di cura, coordenado pela Federazione Trentina delle Cooperative SCARL 18

20 as funções familiares e profissionais. Neste caso, devem surgir rotinas organizacionais mais flexíveis para satisfazerem as necessidades especiais deste grupo. 11 É necessário adaptar os modelos educacionais existentes tanto para os trabalhadores mais velhos, como para os mais novos. Por exemplo, muitos candidatos mais velhos podem ter mais competências e experiência profissional, mas não qualificações profissionais específicas. As competências adquiridas podem ser adequadas ao cargo, no entanto, a falta de uma qualificação formal pode torná-los inadequados para o empregador. Para que o sistema educacional seja mais flexível, são necessárias qualificações resultantes da experiência profissional e da experiência de vida, juntamente com a possibilidade de módulos educacionais mais curtos que colmatem as lacunas identificadas de qualificação Novos modelos de colaboração Já existem povoações e aldeias predominantemente ocupadas por determinadas nacionalidades, o que estabelece novos e diferentes requisitos para os serviços de saúde e de acção social locais. O actual modelo de prestação de serviços nos cuidados de saúde e na acção social foi criado com base numa relação simples entre o prestador e o utilizador individual. A equipa de profissionais que trabalha no mercado onde as necessidades são cada vez mais variadas e estão relacionadas com diferentes ramos e áreas de trabalho não consegue dar resposta neste modelo organizacional simples. Isto não se trata apenas de alargar as suas funções e áreas de competência, mas também de novas colaborações e esquemas organizacionais que envolvam intervenientes provenientes dos sistemas formais e informais dos sectores de apoio e de outros sectores (ex.: bem-estar, prevenção, turismo) e de coordenar esforços. Na maioria dos países, especialmente quando o sector formal da acção social é fraco, a questão primordial para diminuir o fardo do sector primário (ex.: hospitais) é organizar um modelo fundido de colaboração entre os hospitais, médicos de família e instituições de apoio domiciliário e de acção social. Neste caso a plataforma de comunicação é crucial, pois as informações vitais do paciente podem ser transmitidas entre os sistemas e 11 Ver o Eurobarómetro 2006 sobre possíveis soluções para o futuro problema da falta de força de trabalho devido ao envelhecimento da população inquérito feito em 25 países da Europa; em Futuro Demográfico da Europa: Factos e Números, Commission Staff Working Document, Bruxelas 2007, p

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

UMA EUROPA ENVELHECIDA. Perfis Profissionais do Sector Europeu de Serviços Sénior. Tipologia e Desenvolvimentos.

UMA EUROPA ENVELHECIDA. Perfis Profissionais do Sector Europeu de Serviços Sénior. Tipologia e Desenvolvimentos. UMA EUROPA ENVELHECIDA Perfis Profissionais do Sector Europeu de Serviços Sénior. Tipologia e Desenvolvimentos. 1 PERFIS PROFISSIONAIS DO SECTOR EUROPEU DE SERVIÇOS SÉNIOR. TIPOLOGIA E DESENVOLVIMENTOS.

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA 1. RESUMO Existe um amplo reconhecimento da importância do desenvolvimento profissional contínuo (DPC) e da aprendizagem ao longo da vida (ALV) dos profissionais de saúde. O DPC e a ALV ajudam a assegurar

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011 ESPECIAL PMEs Volume III Fundos europeus 2ª parte O Portal de Negócios Rua Campos Júnior, 11 A 1070-138 Lisboa Tel. 213 822 110 Fax.213 822 218 geral@oportaldenegocios.com Copyright O Portal de Negócios,

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL Retorno ao Trabalho Ambiente Integrado de e-learning Projecto Leonardo: 2007 a 2009 Objectivo da Sessão Recolher opiniões sobre website e ferramentas de

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 O projeto LIFE2 (Competências chave para a vida) visa ajudar os jovens a desenvolver, no decurso da sua formação profissional, as competências e confiança necessárias no mundo

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA

RESUMO DAS PRINCIPAIS QUESTÕES PARA A implementação de políticas de apoio a crianças e jovens pertencentes a minorias étnicas que têm o inglês como língua adicional (incluindo a avaliação do impacto de igualdade) Ministério da Educação Janeiro

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa

Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa Portal ECVET para a Promoção e o Reconhecimento Mútuo das Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa MaecVET 527 330-LLP-1-2012 1 DE-Leonardo-LMP Referencial de Qualificação para as

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2014/2255(INI) 5.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO relativo ao Relatório sobre a implementação, os resultados e a avaliação global do Ano

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

O Líder do futuro também é coach das suas equipas! Como dar o passo?

O Líder do futuro também é coach das suas equipas! Como dar o passo? Luis Morgadinho e Pedro Miguel Geraldes O Líder do futuro também é coach das suas equipas! Como dar o passo? 14 e 1415 e 15 de Março 2012 2012 Centro Congressos do Estoril Centro Congressos do Estoril

Leia mais

Call centres, regiões e ensino superior

Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Frank Peck Center for Regional Economic Development University of Central Lancashire (UK) A UCLAN (Universidade de Central

Leia mais

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português Albino Maria O ASSOCIATIVISMO NOS DIAS DE HOJE DO MODELO DE EXCLUSÃO AO MODELO DE INCLUSÃO DO LEMA MAIS FORTE, MAIS ALTO, MAIS

Leia mais

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia istockphoto Conteúdo Caro leitor, Sobre o projecto... 2 Criando uma base de conhecimento para as regiões de convergência da Europa...

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias BANDA LARGA 03 DE DEZZEMBRO 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde ARTIGO CAP Luís Pereira Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde Cada país da Europa desenvolveu, ao longo de décadas ou de séculos, um modelo de sistemas de saúde que assenta em características

Leia mais

Envelhecimento da População. Trabalho Doméstico. Apoio Domiciliário. Perspectiva Empresarial O papel do Sector Privado de Emprego

Envelhecimento da População. Trabalho Doméstico. Apoio Domiciliário. Perspectiva Empresarial O papel do Sector Privado de Emprego Envelhecimento da População Trabalho Doméstico Apoio Domiciliário Perspectiva Empresarial O papel do Sector Privado de Emprego 1 De acordo com as projecções oficiais há um crescente peso das populações

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projeto AAL4ALL Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION DIREITOS DAS MULHERES ONLINE Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio Coordenadora do Projecto SIITRI, Moçambique Ò o UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTO DA WORLD

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS DE EMPREGO TRABALHO DOMÉSTICO: REGULAMENTAR, VALORIZAR E DIGNIFICAR A PROFISSÃO ARMANDO FARIAS Comissão Executiva do Conselho Nacional da

Leia mais