Oficina Porcentagem e Juros

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oficina Porcentagem e Juros"

Transcrição

1 Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma revisão do conceito de porcentagem. Na segunda parte, os alunos deverão aplicar os conceitos vistos na primeira parte em situações-problema da vida financeira, que envolvem juros em aplicações e dívidas. Todas essas etapas têm o objetivo de desenvolver as seguintes habilidades: H2 Efetuar cálculos nos campos aditivos e multiplicativos envolvendo os números reais. H63 Calcular juros simples/compostos apresentados em situações do contexto financeiro. 1ª parte Revisão de porcentagem Falar para os alunos que esta primeira parte tem o objetivo de relembrar o significado de porcentagem, as técnicas de cálculo e a diferença entre valores absolutos e relativos. a) Interpretação de uma porcentagem Para uma problematização inicial, é interessante selecionar textos, manchetes ou trechos de notícia de jornais que mencionem porcentagens. Seguem alguns dos inúmeros exemplos, retirados de notícias recentes de jornais: - Prova do ensino fundamental aponta que 57% não sabem matemática. - Umidade do ar chega a 10% em Ribeirão Preto. - Banco Central prevê inflação 'ao redor' de 4% em De 2004 a 2010, matrículas na EJA caem 48,5% no estado de São Paulo. - Na seleção, Mano Menezes possui aproveitamento de 60%. - O rendimento da poupança foi de 0,6235% em agosto. Após mostrar as frases acima (ou outras que julgue interessantes) aos alunos, questioná-los sobre o significado da porcentagem em cada contexto, perguntando como eles interpretam as informações dadas na forma de porcentagem em cada caso. Em seguida, perguntar o que estes significados têm em comum.

2 A ideia é direcionar a discussão para a percepção de que as porcentagens são sempre usadas para representar partes de alguma coisa. Ou seja, as porcentagens são usadas com o mesmo objetivo das frações. Na verdade, porcentagens SÃO frações: frações de denominador. Esse conceito é absolutamente fundamental, e deve ser explicado desde o início. Ele ficará mais claro na análise das frases acima. Seguem alguns comentários/explicações/reflexões para fazer com os alunos nessa atividade. Na primeira frase, quando se lê que 57% dos alunos do EF não sabem matemática, isso significa que uma fração de 57 (57 centésimos) do total de alunos tem desempenho insatisfatório nessa disciplina. Isto é, se tomarmos o total de alunos do EF e dividirmos esse total em partes, uma quantidade equivalente a 57 dessas partes tem desempenho insatisfatório. No exemplo da umidade, a porcentagem também indica uma parte, mas a interpretação é um pouco mais elaborada. O significado da umidade relativa é o seguinte. A concentração de vapor de água (umidade) no ar atmosférico tem um valor máximo, que é chamado de valor de saturação. Em condições normais de temperatura e pressão, esse valor é de aproximadamente 25 g/m 3. Isto é, a maior concentração possível de vapor de água na atmosfera é de 25 g de vapor para cada metro cúbico de ar. A umidade relativa do ar em um dia qualquer é dada pela parte que a concentração de vapor no dia representa do valor máximo (valor de saturação), e essa parte é dada normalmente em termos de um porcentual. Por exemplo, em um dado dia, a umidade relativa do ar é de 10%. Isso significa que a concentração de vapor de água na atmosfera nesse dia vale uma fração de 10 (10 centésimos) de 25 g/m 3, ou seja, 2,5 g/m 3 (pois 10 de 25 = 2,5). No caso do aproveitamento de Mano Menezes à frente da seleção brasileira, a porcentagem referese à parte que os pontos ganhos representam do total de pontos disputados, considerando que a vitória vale 3 pontos, o empate 1 e a derrota 0. Por exemplo, em 4 partidas, são disputados 12 pontos (4 3). Se um time ganha 1 jogo e empata 3, faz 6 pontos e seu aproveitamento é de 6 em 12. Como veremos adiante, esse aproveitamento equivale a 50%. Assim, quando se diz que o aproveitamento de Mano Menezes é de 60%, isso significa que a fração que os pontos ganhos representam em relação ao total de pontos disputados é uma fração equivalente a 60. Discutir com os alunos os significados da porcentagem nas demais frases. Para finalizar essa etapa, pedir que os alunos representem graficamente uma porcentagem, apresentando um quadrado e propondo que eles pintem uma superfície com área igual a 35% da área do quadrado. Para isso, eles deverão fazer algum tipo de divisão do quadrado em partes iguais. Uma possibilidade é dividir o quadrado em 10 linhas e 10 colunas, formando um quadriculado de quadradinhos, para, em seguida, pintar 35 deles. Outra possibilidade é dividir o quadrado em 10 linhas e pintar três linhas e meia.

3 b) Cálculos de porcentagem Reforçar com os alunos que o termo por cento tem exatamente o mesmo significado de centésimo. Com esse conceito em mente, os cálculos se tornam bastante simples. Mostrar que os problemas que envolvem cálculos de porcentagens podem ser classificados em dois tipos básicos: Problema Tipo 1: calcular uma dada porcentagem de um número. Exemplo: Há cerca de 30 milhões de analfabetos funcionais no Brasil, mas apenas 3,7% estão matriculados na EJA. Qual o número de analfabetos funcionais matriculados na EJA no Brasil? Resolução: Devemos interpretar 3,7% como a fração 3,7. Assim 3,7% de 30 milhões = 3, = Problema Tipo 2: calcular qual a porcentagem que um número representa de outro. Exemplo: O salário mínimo era de R$ 510,00 e passou para R$ 545,00. Qual foi o aumento porcentual? Resolução: Primeiramente, deve-se identificar que a questão pede o aumento porcentual. Como o aumento foi de R$ 35.00, deve-se descobrir que porcentagem 35 representa de 510.

4 Para isso, podemos usar a regra de três. A parte que 35 representa de 510 é a mesma parte que x representa de. 35 = x x = 35 x = 35 6,86 6,9 510 Assim, 35 é aproximadamente 6,9% de 510 Analisando os exemplos acima, podemos sistematizar a forma de resolver ambos os tipos de problema da seguinte maneira. Tipo 1 Calcular x% de y Multiplicar x por y. Tipo 2 Calcular a porcentagem que x representa de y Dividir x por y e multiplicar o resultado por Os cálculos se tornam mais diretos quando as porcentagens são expressas na forma decimal. Retomar a representação decimal de porcentagens com os alunos. 80% = 80 = 0,8 1% = 1 = 0,01 1,5% = 1,5 = 0,015 0,65% = 0,65 = 0, % = 110 = 1,1 200% = 200 = 2 comentar que estas são partes maiores do que a unidade, e que isso é perfeitamente possível Propor aos alunos os seguintes exercícios, usando a representação decimal das porcentagens: - Calcular 12,5% de R$ 500,00. (resposta: 0, = R$ 62,50) - Calcular que porcentagem 12 representa de 60 (resposta: 12 = 0,2 = 20%). 60

5 Por fim, é fundamental reforçar com os alunos que toda porcentagem refere-se a algum valor, e esse valor deve ser explicitado quando se fala de uma porcentagem (tantos por cento de alguma coisa). Por exemplo, quando se fala que o consumo de energia elétrica no Brasil aumentou 6% no último ano, deve-se informar em relação a que os 6% se referem (aumentou 6% em relação ao consumo do ano anterior, ou dois anos antes etc). Para mostrar como a referência é importante, discutir com eles o seguinte problema: - Dona Neusa tinha R$,00. Ganhou 10%. Depois perdeu 10% do que tinha. Com quanto ficou? Resposta: R$ 99,00 Situação inicial: Dona Neusa tinha R$,00 Ganho de 10%: Dona Neusa ficou com + 0,10 = R$ 110,00. Perda de 10%: Dona Neusa ficou com 110 0, = = R$ 99,00 Reforçar com os alunos que os primeiros 10% referem-se a R$,00 e o segundo porcentual referese a R$ 110,00. Assim, ganhar 10% e depois perder 10% NÃO significa ficar na mesma. b) Valor absoluto x valor relativo Após a atividade inicial de interpretação dos significados de porcentagem e da revisão das técnicas de cálculo, concluir a parte 1 com uma discussão sobre valores absolutos e valores relativos, que está diretamente ligada ao tema das porcentagens. Propor a seguinte pergunta aos alunos: o que tem mais água, uma uva ou uma banana? Caso os alunos se apressem em responder, lembrar que para responder corretamente são necessárias algumas informações. Fornecer a eles os seguintes dados: - Em uma uva de 5 g, há cerca de 4 g de água. - Em uma banana de g, há cerca de 75 g de água. Mostrar aos alunos que há duas interpretações possíveis para a pergunta. Uma possível resposta é que há mais água na banana (75 g, contra 4 g na uva). Explicar que, nesse caso, estão sendo comparados os valores absolutos de água na banana e na uva. Entretanto, uma segunda interpretação refere-se aos valores relativos de água, isto é à proporção, (fração, parte) que a água ocupa na massa total de cada fruta. Perguntar aos alunos como eles calculariam essas partes, fazendo uso da porcentagem. - Em 5 g de uva há 4 g de água. Que porcentagem 4 representa de 5? Resposta: 4 = 0,8 ou 80%. 5 - Em g de banana, há 75 g de água. Que porcentagem 75 representa de? Resposta (essa é fácil!): 75 = 0,75 ou 75%. Isto é, em valores relativos (parte em relação ao todo) a uva tem mais água que a banana (80% contra 75%).

6 Propor o seguinte problema aos alunos para reforçar a ideia de valores absolutos e valores relativos: Problema: Analise o número de assassinatos ocorridos no último ano em duas cidades. População Nº de assassinatos Cidade A Cidade B Qual cidade é mais violenta? Resposta: Em termos absolutos, a cidade A tem mais assassinatos do que a cidade B (2.000 contra 1.000), porém em termos relativos ela tem menos (2.000 em = 0,0002, ou 0,02%; já em = 0,001 ou 0,1%). Neste caso, a comparação deve ser feita entre os números relativos. 2ª parte Juros Uma boa conceituação de juros encontra-se na enciclopédia Wikipedia. Ler o texto abaixo com os alunos e explicar, caso eles tenham dúvidas no conceito. O juro pode ser compreendido como uma espécie de "aluguel sobre o dinheiro". A taxa seria uma compensação paga pelo tomador do empréstimo para ter o direito de usar o dinheiro até o dia do pagamento. O credor, por outro lado, recebe uma compensação por não poder usar esse dinheiro até o dia do pagamento e por correr o risco de não receber o dinheiro de volta (risco de inadimplência). Fonte: A comparação com o aluguel é muito esclarecedora. Quando uma família aluga (toma emprestado) um imóvel, ela se compromete a devolver para o proprietário, após um tempo determinado, o imóvel mais um valor em dinheiro, referente ao aluguel. Nessa lógica, o próprio dinheiro também pode ser visto como um bem a ser usado, assim como um imóvel. Quando alguém aluga esse bem, deve pagar/receber por isso. Mostrar que na vida cotidiana, há basicamente dois tipos de situações que envolvem pagamento de juros: - dívidas contraídas (empréstimos bancários, crediários etc) - rendimento de aplicações financeiras (poupança, fundos etc). Discutir ambas as situações e a lógica da cobrança de juros: Dívidas: Quando, por exemplo, se retira de uma conta bancária mais dinheiro do que realmente há nela, ela fica no negativo, ou no vermelho. Esse valor negativo é uma dívida adquirida pelo correntista para com o banco, isto é, um empréstimo dado pelo banco ao correntista. Sobre esse valor emprestado é cobrado um aluguel os juros. Os juros são sempre calculados a partir de uma

7 porcentagem sobre o valor da dívida, chamada taxa de juros. Veja as taxas de juros médias cobradas em algumas modalidades de empréstimo bancário, em março de 2011 (valores aproximados): Cheque especial (dívidas em conta corrente): 9% ao mês Crédito pessoal : 5% ao mês Cartão de crédito: 11% ao mês Crédito direto ao consumidor: 3% ao mês Assim, se uma pessoa ficou com um saldo negativo de R$ 1.000,00 na conta corrente, ela deverá pagar ao final do mês, além desse valor, R$ 90,00 de juros do cheque especial para quitar sua dívida (9% de = 0, = 90). É interessante observar que o cálculo do valor total da dívida pode ser feito de uma só vez. Ao invés de primeiro calcular os juros para depois somá-los ao valor inicial da dívida, podemos fazer uma única multiplicação. Veja: , = = (1+0,09) Assim, faz-se primeiro a multiplicação para calcular os juros e depois somam-se os juros ao valor inicial da dívida. Coloca-se o fator comum em evidência 1,09 Este número, dado pela soma 1 + taxa de juros é chamado fator de correção Assim, o valor da dívida de R$ 1.000,00 acrescida de juros de 9% pode ser calculado diretamente por: 1, = Assim, faz-se apenas uma multiplicação entre o fator de correção (1,09) e o valor inicial da dívida. Rendimento: Quando um cliente deposita uma quantia em uma aplicação financeira, é como se ele estivesse emprestando dinheiro ao banco. Por esse empréstimo, o banco paga um aluguel, os juros da aplicação, que também é dado por uma porcentagem do valor aplicado. A caderneta de poupança, por exemplo, tem uma taxa de juros de aproximadamente 0,6% ao mês. Isso significa que se uma pessoa aplicar R$ 1.000,00 na poupança, após 1 mês ela terá direito aos R$ 1.000,00 originais mais os juros de 0,6% sobre eles. 0,6% de = 0, = 6. Ou seja, ela terá direito a resgatar R$ 1.006,00. Outras aplicações apresentam taxas um pouco maiores. Veja alguns valores de março de 2011: CDB: 0,88% ao mês CDI: 0,92% ao mês Poupança: 0,62% ao mês Renda fixa: 0,93% ao mês Fonte:

8 É muito interessante discutir com os alunos sobre as diferenças entre as taxas de juros que os bancos cobram para os empréstimos e as taxas de juros que eles pagam para as aplicações. Eles cobram uma taxa muito maior do que pagam! É essencialmente por esse motivo que o ramo bancário é um dos mais lucrativos que existem! Problemas: 1. Um cliente investe R$ 1.000,00 em uma aplicação financeira cuja taxa de juros é de 1% ao mês. Quanto ele terá após um mês? Quanto ele terá após 2 meses? (obs: lembrar que os juros do 2º mês são calculados sobre o valor ao final do 1º mês, e não sobre os R$ 1.000,00 iniciais). Resposta: Ao final do 1º mês ele terá % de = = R$ 1.010,00 Ao final do 2º mês ele terá % de = ,10 = R$ 1.020,10 Observação: os cálculos poderiam ser feitos de forma mais direta por: Ao final do 1º mês ele terá 1, = R$ 1.010,00 Fator de correção para 1 mês Ao final do 2º mês ele terá 1,01 (1, ) = (1,01) = R$ 1.020,10 Valor ao final do 1º mês Fator de correção para 2 meses 2. Um correntista está com uma dívida de R$ 1.000,00 no cheque especial. Sobre essa dívida incidem juros de 11% ao mês. Qual o valor da dívida após um mês? Qual o valor da dívida após 2 meses? Resposta: Ao final do 1º mês a dívida será de % de = = R$ 1.110,00 Ao final do 2º mês a dívida será de % de = ,10 = R$ 1.232,10 Observação: novamente, os cálculos poderiam ser feitos de forma mais direta por: Ao final do 1º mês ele deverá 1, = R$ 1.110,00 Ao final do 2º mês ele deverá 1,11 (1, ) = (1,11) = R$ 1.232,10 Dívida ao final do 1º mês

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma revisão do conceito de porcentagem. Na segunda parte, os conceitos vistos na primeira parte serão aplicados

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma breve revisão, de caráter mais teórico, sobre o conceito de porcentagem e juros. Na segunda parte, os alunos

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS Nome: Ano: 3º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº 02 Assunto: JUROS E PORCENTAGENS 1) Porcentagem Definição: É uma fração que indica a participação de uma quantidade sobre um todo.

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 28 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Amigos, amigos, negócios à parte!

Amigos, amigos, negócios à parte! Reforço escolar M ate mática Amigos, amigos, negócios à parte! Dinâmica 4 2º Série 2º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 2ª Numérico Aritmético Matemática Financeira Primeira

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Oficina - Frações e Porcentagem

Oficina - Frações e Porcentagem Oficina - Frações e Porcentagem Esta oficina está dividida em 5 etapas. - A primeira etapa tem por objetivo chamar a atenção dos alunos para as inúmeras situações cotidianas em que fazemos uso da ideia

Leia mais

A Matemática e o dinheiro

A Matemática e o dinheiro A Matemática e o dinheiro A UUL AL A Muita gente pensa que a Matemática, em relação ao dinheiro, só serve para fazer troco e para calcular o total a pagar no caixa. Não é bem assim. Sem a Matemática, não

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 8 Matemática Financeira II Para início de conversa... Passagens de ônibus ficam mais caras este mês Vitor Ferri (vferri@redegazeta.com.br)_ Redação Multimídia A Agência Nacional de Saúde

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A Matemática Financeira como elemento de contextualização crítica no Ensino Fundamental - Prof. Ilydio Sá 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Mundo das Especialidades Orçamento Familiar - Habilidades Domésticas - 06

Mundo das Especialidades Orçamento Familiar - Habilidades Domésticas - 06 Mundo das Especialidades Orçamento Familiar - Habilidades Domésticas - 06 Texto: Khelven Klay e Diagramação: Ranmaildo Revorêdo, Quem sabe você ainda não esteja muito habituado a ouvir palavras ligadas

Leia mais

SIGNIFICADO DAS PORCENTAGENS Dizer que 10% (lê-se: dez por cento) dos brasileiros são analfabetos é igual a dizer

SIGNIFICADO DAS PORCENTAGENS Dizer que 10% (lê-se: dez por cento) dos brasileiros são analfabetos é igual a dizer Olá pessoal! Este é o nosso segundo encontro. Nele faremos uma revisão de porcentagem. Assunto muito querido pela banca FCC, Vamos começar. PORCENTAGEM TEORIA A expressão por cento significa por cada cem,

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo *

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * Estamos acostumados à idéia de que o valor do dinheiro muda ao longo do tempo, pois em algum momento convivemos com algum tipo de inflação e/ou

Leia mais

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses.

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses. JUROS COMPOSTOS Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados até o período de montante anterior. Neste regime de capitalização a

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA: ENSINANDO A ENFRENTAR OS DESAFIOS DO COTIDIANO

MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA: ENSINANDO A ENFRENTAR OS DESAFIOS DO COTIDIANO MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA: ENSINANDO A ENFRENTAR OS DESAFIOS DO COTIDIANO Lilian Nasser UFRJ /CETIQT/SENAI Geneci Alves de Sousa SME-RIO/ UNIABEU/ CETIQT/SENAI José Alexandre R. Pereira SME-RIO/

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veículo: Estadão Data: 26.11.13 Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veja qual produto é mais adequado ao seu bolso: até R$ 10 mil, de R$ 10 mil a R$ 100 mil e acima

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES MATEMÁTICA DESAFIO DO DIA AGENDA DO DIA. Conteúdo: Juros

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES MATEMÁTICA DESAFIO DO DIA AGENDA DO DIA. Conteúdo: Juros DESAFIO DO DIA Conteúdo: Juros DESAFIO DO DIA Habilidades: Calcular Juros Simples, Capital, Taxa e Tempo; interpretar e resolver exercícios sobre Juros Simples. DESAFIO DO DIA Conceito de Juros Didaticamente,

Leia mais

Conceitos e princípios básicos de Matemática Financeira aplicada à vida cotidiana do cidadão

Conceitos e princípios básicos de Matemática Financeira aplicada à vida cotidiana do cidadão Conceitos e princípios básicos de Matemática Financeira aplicada à vida cotidiana do cidadão Aula 6 Técnico em Saúde Bucal Matéria: Administração de Serviços em Saúde Bucal Dr. Flavio Pavanelli CROSP 71347

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA Lilian Nasser Projeto Fundão (UFRJ) e CETIQT/SENAI lnasser@im.ufrj.br Resumo: A inclusão da Matemática Financeira na grade do Ensino Médio deve ser um

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Principais Conceitos CAPÍTULO 1

Principais Conceitos CAPÍTULO 1 Principais onceitos APÍTULO 1 Principais onceitos O estudo da Matemática Financeira pode ser resumido como sendo a análise do valor do dinheiro ao longo do tempo. Diariamente nos deparamos com situações

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil

Raciocínio Lógico-Matemático para Banco do Brasil Aula 00 Raciocínio Lógico-Matemático Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... 3 Juros Simples - Introdução... 5 Juros... 5 Formas de Representação

Leia mais

P185. O(A) sr.(a) tem ou já teve cota em banco? Base: Total da Amostra C

P185. O(A) sr.(a) tem ou já teve cota em banco? Base: Total da Amostra C DISCRIMINAÇÃO RACIAL E PRECONCEITO DE COR NO BRASIL CONTA BANCÁRIA: (Espontânea e única, em %) 35% 44% 21% 51 Tem Não tem, mas já teve Nunca teve 39 40 41 36 34 43 21 28 20 24 23 Branca Parda Preta Indígena

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG Projeto Institucional de Formação Continuada Aprendizagem de Matemática Mediada por suas Aplicações 6 o Encontro: Matemática Financeira Professor José Carlos

Leia mais

PORCENTAGEM. PORCENTAGEM pode ser definida como a centésima parte de uma grandeza, ou o cálculo baseado em 100 unidades.

PORCENTAGEM. PORCENTAGEM pode ser definida como a centésima parte de uma grandeza, ou o cálculo baseado em 100 unidades. PORCENTAGEM * Definição PORCENTAGEM pode ser definida como a centésima parte de uma grandeza, ou o cálculo baseado em 100 unidades. É visto com freqüência as pessoas ou o próprio mercado usar expressões

Leia mais

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração (ANEFAC) realizou durante o mês de outubro de a 15ª edição da Pesquisa de Utilização do 13º salário.

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio.

DESCONTO SIMPLES. Os títulos de crédito mais utilizados em operações financeiras são a nota promissória, a duplicata e a letra de câmbio. DESCONTO SIMPLES Se uma pessoa deve uma quantia em dinheiro numa data futura, é normal que entregue ao credor um título de crédito, que é o comprovante dessa dívida. Todo título de crédito tem uma data

Leia mais

% em sua dívida! Aproveite, pague à vista ou em parcelas.

% em sua dívida! Aproveite, pague à vista ou em parcelas. São Paulo, 30 de JANEIRO de 2014 Prezado(a) JEFERSON BATISTA DA SILVA, temos uma ótima oportunidade para você. Pague à vista Pague 48 Parcelas de R$ 82,60 R$ 2.223,95 Ou (*) cada. (*) Este é o valor para

Leia mais

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22 I - APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (SIMPLIFICADA) 1 - CONCEITO A Apuração do Resultado do Exercício também chamado de Rédito - consiste em verificar o resultado econômico atingido pela empresa em determinado

Leia mais

RELATÓRIO I Data: 23.04.2015

RELATÓRIO I Data: 23.04.2015 RELATÓRIO I Data: 23.04.2015 Discutir conteúdos trabalhados em sala de aula, sucessor, antecessor, oposto, simétrico, módulo, expressões numéricas envolvendo adição e subtração de números inteiros. 1)

Leia mais

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas...

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas... 1 MÓDULO VI Como podemos observar, já estamos no MÓDULO VI que traz temas sobre matemática financeira (porcentagem, juros simples e montante), bem como, alguma noção sobre juros compostos e inflação. Mas

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

Matemática Financeira Módulo 2

Matemática Financeira Módulo 2 Fundamentos da Matemática O objetivo deste módulo consiste em apresentar breve revisão das regras e conceitos principais de matemática. Embora planilhas e calculadoras financeiras tenham facilitado grandemente

Leia mais

Matemática III. IFRS Campus Rio Grande

Matemática III. IFRS Campus Rio Grande 1.31. Introdução à Matemática Financeira Uma das aplicações das sequências é a Matemática Financeira. odemos associar os dois sistemas monetários com nossas As e Gs! O sistema de juros simples é associado

Leia mais

Manual de. Educação Financeira. Dicas para planejar e poupar seu dinheiro. Cecreb MANUAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA

Manual de. Educação Financeira. Dicas para planejar e poupar seu dinheiro. Cecreb MANUAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA Manual de Educação Financeira MANUAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA Dicas para planejar e poupar seu dinheiro 1 A filosofia da Manual de Educação Financeira 2 Um dos princípios básicos das Cooperativas de Crédito

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Use bem o seu dinheiro

Use bem o seu dinheiro 1016323-6 - abr/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

0,25 120 1,2 100 2,3 100

0,25 120 1,2 100 2,3 100 Tema de vida: O mundo em mudança somos consumidores Nome do Formando: Data: / / A percentagem é um dos conceitos matemáticos mais utilizado no dia-a-dia. Por exemplo, quando lemos jornais, ouvimos a rádio,

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

Gestão de Finanças Pessoais Nome do Palestrante

Gestão de Finanças Pessoais Nome do Palestrante Gestão de Finanças Pessoais Nome do Palestrante Como nos relacionamos com o dinheiro? O que é dinheiro? Como nos relacionamos com o dinheiro? O que o dinheiro significa para você? Sonhos Sonhos não se

Leia mais

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. E pode-se iniciar o estudo sobre o tema com a seguinte frase: NÃO SE SOMA OU SUBTRAI QUANTIAS EM DINHEIRO

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F.

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. Lista de Exercícios (L10) a Colocarei aqui algumas explicações e exemplos de exercícios para que você possa fazer todos com segurança e tranquilidade, no entanto,

Leia mais

QUESTÕES PARA O 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES

QUESTÕES PARA O 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÕES PARA O 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÃO 01 1 Identificar a localização/movimentação de objeto, em mapas, croquis e outras representações gráficas.

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Conceito Matemática Financeira: É a disciplina que estuda o quanto vale o dinheiro ao longo do tempo. É o instrumento usado para avaliar e regular as operações à prazo e nos permite

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele.

Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele. Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele. Saiba como limpar o nome. E mantê-lo limpo. Todos sabemos como é precioso o nosso nome e que dificuldades aparecem para todo mundo. Em muitos momentos da vida nos

Leia mais

04 Os números da empresa

04 Os números da empresa 04 Os números da empresa Além de conhecer o mercado e situar-se nele, o empreendedor tem de saber com clareza o que ocorre com os números de sua empresa. Neste capítulo conheça os principais conceitos,

Leia mais

INVESTIMENTOS CONSERVADORES

INVESTIMENTOS CONSERVADORES OS 4 INVESTIMENTOS CONSERVADORES QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA 2 Edição Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos

Leia mais

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006

Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Manual de instruções Banco Imobiliário e Banco Imobiliário Luxo Documento eletrônico criado e revisado em 01/04/2006 Um pouco de história: Em 1934, Charles B. Darrow da cidade de Germantown no estado da

Leia mais

Cartilha de Poupança

Cartilha de Poupança Cartilha depoupança Poupança O que é?... 2 Segurança... 2 Modalidades de poupança do BB... 3 Reajuste Monetário... 4 Juros... 4 Imposto de renda... 4 Valor mínimo... 5 Abertura... 5 Aniversário da poupança...

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6. 1. Números Proporcionais...7

APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6. 1. Números Proporcionais...7 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6 1. Números Proporcionais...7 2. Operações sobre Mercadorias... 12 2.1 - Preços de custo e venda:...13 2.2 - Lucros e Prejuízos:...13 3. Taxa de Juros...17 3.1 -

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira Parte 01

Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Autor: Guilherme Yoshida Facebook: facebook.com/guilhermeyoshida90 Google+: https://plus.google.com/108564693752650171653 Blog: Como Calcular Curta a Página do

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Financeiro)

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Financeiro) SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Financeiro) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 LANÇAMENTO DE CONTAS

Leia mais

DATUSPREV CHEGOU O MOMENTO DE APROVEITAR!

DATUSPREV CHEGOU O MOMENTO DE APROVEITAR! DATUSPREV INFORMATIVO CHEGOU O MOMENTO DE APROVEITAR! Quem já cumpriu 5 anos de contribuição pode solicitar o benefício de aposentadoria programada? Essas e mais informações pra você neste Informativo.

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

Veja dicas para se livrar das dívidas e usar bem o crédito

Veja dicas para se livrar das dívidas e usar bem o crédito Veja dicas para se livrar das dívidas e usar bem o crédito Especialistas dão dicas para sair do vermelho. É fundamental planejar gastos e usar bem o crédito. Por Anay Cury e Gabriela Gasparin Do G1, em

Leia mais

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar.

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Guia do uso consciente do crédito O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Afinal, o que é crédito? O crédito é o meio que permite a compra de mercadorias, serviços

Leia mais

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Roberto Luis Troster* São Paulo, novembro de 2008 *Roberto Luis Troster é economista e doutor em economia pela USP Universidade de São Paulo e pósgraduado

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-2 tipo D-5 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos do 5

Leia mais

Como o consumidor brasileiro paga as contas (consumidores) Outubro 2012

Como o consumidor brasileiro paga as contas (consumidores) Outubro 2012 Como o consumidor brasileiro paga as contas (consumidores) Outubro 2012 METODOLOGIA Plano amostral Público alvo: Consumidores de todas as Capitais do Brasil. Tamanho amostral da Pesquisa Perfil Adimplente

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Objetivo Auxiliar no gerenciamento de dívidas e de como quitá-las, conscientizando as pessoas da importância em diminui-las e de

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ANÁLISE DE INVESTIMENTO AULA 02: CAPITALIZAÇÃO, DESCONTO E FLUXO DE CAIXA TÓPICO 01: CAPITALIZAÇÃO SIMPLES E COMPOSTA CAPITALIZAÇÃO SIMPLES CONCEITO Na capitalização simples, os

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 04/10 Prof. Pedro Souza UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro.

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Juros simples Juros simples Juro é a remuneração do capital emprestado podendo ser entendido de forma simplificada como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Quem possui recursos pode utilizá-lo na

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO Microsoft Excel Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO 1-) Funções financeiras no Excel... 2 1.1-) Função = VF( )... 2 1.2-) Função =VP( )... 3 1.3-) Função = PGTO ( )... 3 1.4-) Valor Presente Utilizando

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo F- TIPO D-6 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 6º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avali ar o desempenho dos alunos do 6 o ano

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

ORÇAMENTO FAMILIAR. Por que fazer um orçamento doméstico?

ORÇAMENTO FAMILIAR. Por que fazer um orçamento doméstico? 1 Autor: Eloi Myszka NRE: Guarapuava Escola: Colégio Estadual Mahatma Gandhi, Ensino Fundamental e Médio. Disciplina: Matemática ( ) Ensino Fundamental ( X ) Ensino Médio Disciplina da relação interdisciplinar

Leia mais

Matemática Financeira RECORDANDO CONCEITOS

Matemática Financeira RECORDANDO CONCEITOS 1 Matemática Financeira RECORDANDO CONCEITOS Propriedades da matemática Prioridades: É importante relembrar e entender alguns conceitos da matemática, que serão muito úteis quando trabalharmos com taxas.

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA. Gestão do orçamento familiar

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA. Gestão do orçamento familiar PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Gestão do orçamento familiar 1 PLANO DE EXPOSIÇÃO A importância do orçamento familiar Rendimentos e despesas Risco e incerteza Saldo do orçamento Elaboração do orçamento

Leia mais

Vamos poupar dinheiro!

Vamos poupar dinheiro! Módulo 2 Unidade 8 Vamos poupar dinheiro! Para início de conversa... Observe a história em quadrinho abaixo: Matemática e suas Tecnologias Matemática 33 Todos nós sabemos que é muito bom guardar um dinheirinho

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

Manual do Servidor Sistema Curitiba Consig

Manual do Servidor Sistema Curitiba Consig PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Manual do Servidor Sistema Curitiba Consig www.zetrasoft.com.br www.curitiba.pr.gov.br Manual do Servidor Sistema Curitiba Consig A Prefeitura Municipal de Curitiba implantou

Leia mais

Conceitos Básicos 09/10/2015. Módulo IV Capitalização Composta. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas

Conceitos Básicos 09/10/2015. Módulo IV Capitalização Composta. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas Módulo IV Capitalização Composta Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas Conceitos Básicos No sistema de juros compostos (regime de capitalização composta),

Leia mais

UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011

UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011 UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011 Entendendo as mordidas do leão como funciona o cálculo do imposto de renda Profa. Raquel Lehrer Todos

Leia mais

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO APOSTILA 16 Parabéns!!! Você já é um vencedor! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 6 Reciprocidade Bancária São exigências estabelecidas pelas instituições

Leia mais

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO JUROS E TAXAS MARCOS CARRARD CARRARD@GMAIL.COM INTRODUÇÃO A Matemática Financeira teve seu início exatamente quando o homem criou os conceitos de Capital, Juros, Taxas e Montante. Daí para frente, os cálculos

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias.

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias. MATEMÁTICA COMERCIAL APRESENTAÇÃO Caro aluno, A partir de agora, iremos começar os estudos de matemática comercial. O objetivo deste curso é propiciar uma introdução dinâmica sobre o assunto, de maneira

Leia mais