Mancha bacteriana marrom Tobacco ringspot virus Bean pod mottle virus Southern bean mosaic virus. Rafael Moreira Soares - Fitopatologista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mancha bacteriana marrom Tobacco ringspot virus Bean pod mottle virus Southern bean mosaic virus. Rafael Moreira Soares - Fitopatologista"

Transcrição

1 Mancha bacteriana marrom Tobacco ringspot virus Bean pod mottle virus Southern bean mosaic virus Rafael Moreira Soares - Fitopatologista

2 Mancha bacteriana marrom Nova doença da soja no Brasil

3 Mancha bacteriana marrom Curtobacterium flaccumfaciens pv. flaccumfaciens (Hedges) Collins & Jones Bacterial tan spot

4 Histórico A bactéria é conhecida em feijoeiro, denominada murcha-de-curtobacterium ou murcha bacteriana.. EUA - feijoeiro: 1922, Dakota do Sul perdas de até 90% - soja: 1975, Iowa - perdas de até 13%. Brasil feijoeiro: 1995, São Paulo. Atualmente em MS, MG, GO, PR, SC e DF. - soja: safra 2011/2012. Guarapuava, PR.

5

6 Morfologia C. flaccumfaciens pv. flaccumfaciens é uma bactéria gram +, de formato bastonete, aeróbica, com motilidade devido a flagelos laterais. Foto: Rafael M. Soares Colônias são geralmente amarelas, circulares e lisas, podendo ter superfície plana ou levemente convexa. A temperatura ideal de crescimento é de 24 a 27⁰C. Fonte: Harveson and Vidaver, 2008.

7 BIOLOGIA A bactéria pode ser transmitida dentro ou na superfície das sementes de soja, sendo esta a principal forma de transmissão. A descoloração do tegumento indica infecção. Pode sobreviver em sementes por cerca de 2 anos ou tanto quanto for a sobrevivência da semente; no solo por até 10 meses. Infecção através de ferimentos nas raízes e folhas.

8 Feijoeiro Sintomas Plântulas infectadas normalmente morrem. Plantas que sobrevivem à doença podem chegar a produzir. A doença é caracterizada por murcha das folhas durante as horas quentes do dia, recuperando durante a noite. Como resultado do entupimento dos vasos o suprimento de água é afetado e as folhas tornam-se marrons e caem. Algumas vezes os sintomas de murcha não aparecem e são substituídos por lesões amareladas e necróticas. A bactéria pode infectar as vagens e sementes através do sistema vascular.

9 Sintomas observados em feijoeiro Foto:H. F. Schwartz Foto: Rafael M. Soares Foto:H. F. Schwartz

10 Foto: Carlos H. Uesugi, UnB

11 . Soja Sintomas Plântulas infectadas murcham durante o dia e ficam túrgidas durante a noite. Há aparecimento de clorose ou necrose marginal nas folhas que progridem para o centro da folha. As lesões variam no tamanho e forma, e podem coalescer, formando áreas de tecido morto de coloração marrom. A necrose não é precedida por anasarcas. Plantas mais velhas não murcham, mas em condições de seca as folhas desenvolvem lesões cloróticas. As sementes podem ser descoloridas devido ao crescimento da bactéria.

12 Sintoma da bactéria em soja. Foto: Carlos H. Uesugi, UnB

13

14

15

16

17

18 PLANTAS HOSPEDEIRAS O ciclo de plantas hospedeiras é amplo mas restrito à família Fabaceae. Feijão: Phaseolus spp., P. vulgaris, P. coccineus, P. lunatus Vigna angularis, Vigna radiata e V. mungo; Soja Ervilha Caupi Lablab purpureus.

19 Detecção e inspeção A bactéria pode ser identificada debaixo do tegumento das sementes por métodos de cultivo em meio específico e testes de aglutinação. Testes sorológicos são rápidos. No entanto, métodos moleculares podem ser utilizados.

20 PCR - primers CffFOR2 and CffREV4. (M) 100pb DNA ladder; (1-6) positive controls Cff Feij-2500 and Feij-2912 isolates; (7-15) three candidates samples Cff1, Cff2 and Cff4 respectively; (16-18) a negative controls; (19) no template control (sterile distilled water).

21 CONTROLE O controle é feito usando sementes de campos indenes, uso de cultivares resistentes e manejo adequado da irrigação. Segundo Maringoni & Rosa a maioria das cultivares de soja testadas artificialmente são resistentes, mas utilizando isolado de feijoeiro.

22 MEDIDAS FITOSSANITÁRIAS Segundo a EPPO (European and Mediterranean and Plant Protection Organization): Sementes importadas de países onde há a doença deve ser de regiões livres da bactéria ou de lavouras onde não se detectou a doença. Certificação de patologia de sementes com resultado negativo pode ser utilizado.

23 PROCEDIMENTOS COMPLEMENTARES EXPORTAÇÃO DE SOJA - MERCOSUL Requisitos Fitossanitários para Glycine max (soja), segundo país de destino e de origem para o MERCOSUL IN FEDERAL 45/2006

24 PROCEDIMENTOS COMPLEMENTARES EXPORTAÇÃO DE SOJA - MERCOSUL Requisitos Fitossanitários para Glycine max (soja), segundo país de destino e de origem para o MERCOSUL IN FEDERAL 45/2006

25 PROCEDIMENTOS COMPLEMENTARES EXPORTAÇÃO DE SOJA - MERCOSUL Requisitos Fitossanitários para Glycine max (soja), segundo país de destino e de origem para o MERCOSUL IN FEDERAL 45/2006

26 Tobacco ringspot virus TRSV

27 Histórico EUA em soja: 1941 perdas de 25 a 100%. Brasil em batata: 1969 (Cupertino e Costa, 1969). Ainda não encontrado em soja.

28 Epidemiologia É um Nepovirus. Causa infecção sistêmica. Sementes é o principal meio de transmissão e disseminação (viável por até 5 anos). Fonte de inóculo primário: trips, nematóide (Xiphinema). Possui um ampla gama de plantas hospedeiras que servem como reservatório do vírus.

29 Sintomas - Plantas infectadas com menos de 5 semanas de idade ficam atrofiadas; - queima e morte da extremidade da haste, que se curva como um gancho; - brotamento excessivo dos botões florais;

30 TSRV Foto: A.M.R. Almeida

31 .Sintoma de queima e morte da extremidade da haste, que se curva como um gancho, causada pelo Tobacco Ringspot Virus em soja. Photo: L. Giesler, University of Nebraska-Lincoln.

32

33 Controle Resistência genética Poucas cultivares identificadas como resistentes. Utilizar sementes sadias, evitar solos infestados com nematóides e bom controle de plantas daninhas.

34 Bean pod mottle virus BPMV (Vírus do Mosqueado do Feijoeiro)

35 Histórico EUA em soja: 1958 perdas de 3 a 52% Brasil em soja: Distrito Federal em 1992 (Anjos et al.,2000) perdas de até 21%.

36 Epidemiologia É um Comovirus transmitido por besouros, principalmente Cerotoma arcuata e Diabrotica sp.(brasil) e C. trifurcata (EUA). Fonte de inóculo primário: sementes infectadas, plantas daninhas (leguminosas) e besouros que hibernam no inverno. C. arcuata C. trifurcata

37 Sintomas - Mosqueado verde amarelado nas folhas do dossel superior - Torna as plantas mais sensíveis a falta de água, podendo a levar a redução na formação de vagens em até 40%. - Pode ocorrer associado ao Soybean mosaic virus, aumentando a severidade dos sintomas. - Plantas infectadas com o vírus são mais predispostas a infecção de sementes por Phomopsis sp.

38

39 Controle Resistência genética - Cultivares variam quanto a sensibilidade ao vírus, mas cultivares imunes ainda não foram encontradas. Controle químico Tratamento de semente e pulverização com inseticidas para controlar o besouro vetor.

40 Southern bean mosaic virus SBMV (Vírus do mosaico-do-sul)

41 Histórico EUA em feijão: 1942 Brasil em feijão: 1982 (Cupertino et al., 1982). Não identificada em soja no Brasil.

42 É um Sobemovirus Epidemiologia Transmitido por semente e besouros (vaquinhas Cerotoma trifurcata) O vírus pode ser distinguido de outras viroses pela morfologia, grau de sedimentação, serologia e estreita gama de hospedeiros.

43 Sintomas Causa mosaico e mosqueado nas folhas. Lesões cloróticas localizadas no feijoeiro > Mosqueado sistêmico leve na soja.

44 Clareamento de nervuras e encarquilhamento em folhas de Vigna unguiculata (cv. California Blackeye infectadas sistemicamente.

45 Controle Uso de cultivares resistentes, controle dos besouros vetores e uso de sementes produzidas em áreas livres do virus.

46 Viroses identificadas em soja no Brasil Vírus Gênero RNA/DNA Vetor Abutilon mosaic* Begomovirus DNA Mosca branca Alfalfa mosaic* Alfamovirus RNA afideos Bean golden mosaic* Begomovirus DNA Mosca branca Bean mosaico-em-desenho* Comovirus RNA besouros Bean pod mottle* Comovirus RNA besouros Bean yellow mosaic* Potyvirus RNA afideos Blackeye cowpea mosaic Potyvirus RNA afideos Black gram mottle Carmovirus RNA besouros Cowpea aphid-borne mosaic Potyvirus RNA afideos Cowpea chlorotic mottle Bromovirus RNA besouros Cowpea mild mottle* Carlavirus RNA Mosca branca Cowpea severe mosaic* Comovirus RNA besouros Euphorbia mosaic* Begomovirus DNA Mosca branca Soybean mosaic* Potyvirus RNA afideos Bean rugose mosaic* Comovirus RNA besouros Tobacco mosaic* Tobamovirus RNA desconhecido Tomato spot wilt* Tospovirus RNA Trips Tobacco streak* Ilarvirus RNA Trips

47 Método 1. Avaliação da gama de plantas hospedeiras 2. Determinação do modo de transmissão do vírus Objetivo Avaliar quais as espécies ou famílias botânicas são infectadas pelo vírus Determinação do vetor auxilia a identificação do vírus 2.1 Relação com vetor Verificar o tipo de transmissão: não persistente, semi persistente, persistente circulativo, persistente propagativo 3. Purificação: Determinar a massa da proteína capsidial e análise do ácido nucléico; 1.Análise da proteína capsidial 2.Análise do ácido nucléico (RNA ou DNA) Comparar partes da proteína do vírus com seqüências similares de outros vírus Comparar o ácido nucléico do vírus com seqüências similares de outros vírus 4. Microscopia eletrônica Determinar o tamanho e a forma da partícula viral 5. Sorologia Auxiliar a diagnose 5.1 Testes sorológicos (precipitina, difusão em gel, ELISA, etc.) Métodos de Diagnose Identificar semelhanças entre vírus 6. Métodos moleculares Identificar e caracterizar o vírus, a partir de comparações com seqüências conhecidas depositadas em banco de dados. 6.1 PCR Amplificar parte do genoma viral 6.2 Sequenciamento de aminoácidos Ver item Sequenciamento de nucleotídeos Ver item 3.2

48 A relação do vírus com o vetor, no caso dos insetos, é classificada em: I) Transmissão não persistente: o inseto contamina o aparelho bucal e infecta plantas imediatamente. Essa condição desaparece após a picada de prova e o inseto torna-se não transmissor (avirulífero); II) Transmissão semi-persistente: o inseto adquire o vírus após alguns minutos de prova e a transmissão estende-se, imediatamente, por até alguns dias, não havendo circulação do vírus no vetor (besouro x Bean pod mottle). III) Transmissão persistente, circulativa: insetos transmitem apenas uma espécie de vírus ou, algumas estirpes, apenas; IV) Transmissão persistente, propagativa: após um período de aquisição (15 min ou mais) e um período de latência de alguns dias, o inseto continua virulífero por toda sua vida. Neste caso, o vírus multiplica-se no inseto (afídeo e cigarrinha).

49 Fim da 1ª parte

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil

Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil Ailton Reis (ailton@cnph.embrapa.br) Alice Maria Quezado Duval (alice@cnph.embrapa.br)

Leia mais

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE ORIGEM Pragas da Cultura

Leia mais

Principais vírus transmitidos pela Bemisia tabaci para solanáceas. Profª Renate Krause Sakate UNESP-Botucatu

Principais vírus transmitidos pela Bemisia tabaci para solanáceas. Profª Renate Krause Sakate UNESP-Botucatu Principais vírus transmitidos pela Bemisia tabaci para solanáceas Profª Renate Krause Sakate UNESP-Botucatu Bemisia tabaci é praga e vetora de diferentes vírus Bemisia tabaci 1500 espécies de mosca branca

Leia mais

The bean is attacked, in addition to fungi, nematodes

The bean is attacked, in addition to fungi, nematodes DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS NA CULTURA DE FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) Felipe Rafael Garcés Fiallos Unidad de Investigación Científica y Tecnológica, Universidad Técnica Estatal de Quevedo, km 7 vía

Leia mais

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Coelho Germano Equipe de fitopatologia da OR Melhoramento de Sementes Ltda 1. Introdução. A diagnose (determinação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO

CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO Iul Brinner Expedito de SOUSA 1 ; Antonio Augusto Rocha ATHAYDE 2 ; Vanessa ANDALÓ 2 ; Gabriel Avelar LAGE 1 ; Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1

Leia mais

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis Apresentação O agronegócio brasileiro tem passado por profundas modificações, as quais aumentaram a competitividade de seus produtos e subprodutos na economia interna e externa. Neste contexto, a soja

Leia mais

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94 Foto 1. Deficiência de nitrogênio: clorose nos folíolos das folhas mais velhas com posterior necrose e queda. Foto 2. À esquerda, planta com nutrição normal; à direita, planta deficiente em nitrogênio.

Leia mais

Circular. Técnica. Os Geminivírus em Sistema de Produção Integrada de Tomate Indústria ISSN 1415-3033. Autores

Circular. Técnica. Os Geminivírus em Sistema de Produção Integrada de Tomate Indústria ISSN 1415-3033. Autores ISSN 1415-3033 71 Os Geminivírus em Sistema de Produção Integrada de Tomate Indústria Circular Técnica Brasília, DF Novembro, 2009 Autores Alice Kazuko Inoue Nagata Pesquisadora, DSc. Fitopatologia alicenag@cnph.embrapa.br

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa Vídeo Hidroponia: controle de doenças e pragas da alface 1. Quais as medidas que podem ser adotadas preventivamente para o controle

Leia mais

MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS E ANIÔNICOS

MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS E ANIÔNICOS Micronutrientes MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS E ANIÔNICOS Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br Micronutrientes MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS Volnei Pauletti Jana

Leia mais

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti Doenças e Pragas da Videira Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti 1-INTRODUÇÃO DOENÇAS PARASITÁRIAS: Fungos, Bactérias, Vírus, Nematóides, etc. DOENÇAS NÃO PARASITÁRIAS: Resulta das condições

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS Cibele Mantovani 2013 Sumário Introdução 2 Podridão Negra Pythium ultimum 3 Murcha ou Podridão de raiz e pseudobulbo Fusarium oxysporium 5 Antracnose Colletotrichum

Leia mais

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Área: Fitossanidade ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Márcia Patrícia Paula Nascimento 1 ; Laysa Luna de Moura Carvalho 2 ; Paulo Henrique Soares da Silva 3. 1

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS ÍNDICE Carlos Alberto Lopes Embrapa Hortaliças INTRODUÇÃO... 1 DOENÇAS... 2 1. Tombamento...2 2. Murcha-de-fitóftora (Requeima, Podridão-de-fitóftora, Pé-preto)...2

Leia mais

O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010

O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010 O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010 No artigo O que são vírus Parte 1 (www.aeal.com.br na seção artigos técnicos) os vírus foram apresentados resumidamente sobre suas principais características,

Leia mais

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO ARROZ EQUIPE MELHORAMENTO GENÉTICO IMPORTÂNCIA DA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO NO RS... PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO Eng. Agr..

Leia mais

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO DISSEMINAÇÃO Liberação Dispersão Deposição (Inoculação) SOBREVIVÊNCIA ciclo secundário ciclo primário PENETRAÇÃO INFECÇÃO Estabelecimento das relações parasitárias

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Comunicado Técnico. Multiplicação de batata- semente para uso próprio. Introdução. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio Daniels 3

Comunicado Técnico. Multiplicação de batata- semente para uso próprio. Introdução. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio Daniels 3 Comunicado Técnico 207 ISSN 1806-9185 Junho, 2009 Pelotas, RS SEMENTEIRO: Multiplicação de batata- semente para uso próprio Figura 1. Plantio de batata. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio

Leia mais

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Msc. Martha Maria Passador Novembro/2010 16ª Reunião Técnica do PROTEF Doenças em eucalipto Doenças foliares Mancha de micosferela Mycosphaerella

Leia mais

DOENÇAS DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

DOENÇAS DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill) DOENÇAS DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill) Claudia Vieira Godoy 1 ; Álvaro Manuel Rodrigues Almeida 1 ; Rafael Moreira Soares 1 ; Claudine Dinali Santos Seixas 1 ; Waldir Pereira Dias 1 ; Maurício Conrado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA HUMANA Maria Izabel Florindo Guedes Grupo de Pesquisa: Grupo de Inovação Biotecnológica em Saúde Maria Izabel Florindo Guedes Desenvolvimento

Leia mais

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae Arboviroses Flaviviridae Flavivirus - único gênero Diversas espécies: f.amarela, dengue vírus

Leia mais

BIOTECNOLOGIA VEGETAL E SUAS APLICAÇÕES NO AGRONEGÓCIO

BIOTECNOLOGIA VEGETAL E SUAS APLICAÇÕES NO AGRONEGÓCIO BIOTECNOLOGIA VEGETAL E SUAS APLICAÇÕES NO AGRONEGÓCIO Dr. Paulo S. T. Brioso Laboratório Oficial de Diagnóstico Fitossanitário/ UFRRJ http://www.fito2009.com brioso@bighost.com.br AGRADECIMENTOS Comissão

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

ISSN 1516-781X Julho, 2005 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Soja Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos256 Manual de Identificação de Doenças

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Dispõe sobre as normas de classificação dos experimentos com vegetais geneticamente modificados quanto aos níveis de risco e de contenção. A COMISSÃO TÉCNICA

Leia mais

Comunicado 172 Técnico

Comunicado 172 Técnico Comunicado 172 Técnico ISSN 9192-0099 Dezembro, 2007 Brasília, DF VÍRUS DETECTADOS EM GERMOPLASMA VEGETAL INTRODUZIDO NO BRASIL PELO LABORATÓRIO DE QUARENTENA (2004-2007) Vera L. A. Marinho 1 Viviane S.

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 Muda : papel fundamental na obtenção de uma planta bem formada e SADIA Qualidade sanitária das mudas:

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, setembro de 2009. PRINCIPAIS DOENÇAS FÚNGICAS NA CULTURA DO ALHO Marco Antônio Lucini 1 O Brasil é um

Leia mais

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br VÍRUS DISCIPLINA: BIOLOGIA 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS - 20 a 300 nm; Micrômetro Nanômetro UNIDADE REPRESENTAÇÃO / VALOR 1 μm = 0,001 milímetro 1 nm = 0,001 micrômetro - Ácido nucléico + proteína

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

Circular. Técnica. Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle. Autores. Introdução. 1. Doença causada por bactéria ISSN 1415-3033

Circular. Técnica. Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle. Autores. Introdução. 1. Doença causada por bactéria ISSN 1415-3033 ISSN 1415-3033 Circular Técnica 96 Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle Brasília, DF Dezembro, 2011 Autores Ailton Reis ailton@cnph.embrapa.br Eng. Agr., D. Sc. Embrapa Hortaliças

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII Zuleide A. Ramiro Instituto Biológico, Centro Experimental Central do Instituto Biológico, CP 70, CEP 13001-970, Campinas, SP, Brasil. E-mail: zramiro@uol.com.br

Leia mais

Atualização sobre mosca branca e helicoverpa. Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão, Brasília, 12/06/2013

Atualização sobre mosca branca e helicoverpa. Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão, Brasília, 12/06/2013 Atualização sobre mosca branca e helicoverpa Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão, Brasília, 12/06/2013 Sumário Mosca branca (Bemisia tabaci)» Informações e slides fornecidos pela Dra.

Leia mais

DOENÇAS DO ALGODOEIRO

DOENÇAS DO ALGODOEIRO S.E. 2 NOVOS PROBLEMAS DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO VARIABILIDADE DE PATÓGENOS EDIVALDO CIA PROBLEMAS ATUAIS DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO RAFAEL GALBIERI MOFO BRANCO NO ALGODOEIRO NELSON SUASSUNA DEFINIÇÃO DE

Leia mais

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS PODRIDÃO NEGRA. Principal doença de crucíferas cultivadas, principalmente de repolho, couve e couve-flor.

Leia mais

VIRUS O QUE SÃO VIRUS São as menores entidades biológicas: têm DNA e proteínas. Medem entre 15 e 300 nm. São seres acelulares: São parasitas intracelulares obrigatórios: Só se reproduzem dentro de células.

Leia mais

DISSERTAÇÃO COWPEA MILD MOTTLE VIRUS: TRANSMISSÃO, CÍRCULO DE HOSPEDEIRAS E RESPOSTA À INFECÇÃO DE CULTIVARES IAC DE FEIJÃO E SOJA

DISSERTAÇÃO COWPEA MILD MOTTLE VIRUS: TRANSMISSÃO, CÍRCULO DE HOSPEDEIRAS E RESPOSTA À INFECÇÃO DE CULTIVARES IAC DE FEIJÃO E SOJA DISSERTAÇÃO COWPEA MILD MOTTLE VIRUS: TRANSMISSÃO, CÍRCULO DE HOSPEDEIRAS E RESPOSTA À INFECÇÃO DE CULTIVARES IAC DE FEIJÃO E SOJA JULIO MASSAHARU MARUBAYASHI CAMPINAS 2006 INSTITUTO AGRONÔMICO CURSO DE

Leia mais

Resistência a múltiplas doenças: Plantas resistentes a quais doenças?? Resistência mal manejada: Vulnerabilidade genética das plantas

Resistência a múltiplas doenças: Plantas resistentes a quais doenças?? Resistência mal manejada: Vulnerabilidade genética das plantas Por quê estudar MELHORAMENTO DE PLANTAS VISANDO RESISTÊNCIA A DOENÇAS?? Má distribuição de alimentos Resistência a doenças maior oferta de alimentos População brasileira: Trigo resistente à ferrugem Arroz

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente:

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 1 Ano Disciplina: Biologia 1) Com que finalidade se classificam os seres vivos? 2) Considere os seguintes

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE SEMENTES DE FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) PARA O CONTROLE DE Curtobacterium flaccumfaciens pv.

TRATAMENTO QUÍMICO DE SEMENTES DE FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) PARA O CONTROLE DE Curtobacterium flaccumfaciens pv. UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FITOPATOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOPATOLOGIA TRATAMENTO QUÍMICO DE SEMENTES DE FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) PARA

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110)

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) Resistência Genética a Doenças em Plantas Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) 1807 Prevost doenças: agente causal carvão do trigo - fungo Fins do séc. XIX Smith doenças - bactérias O que é DOENÇA?

Leia mais

LIVRO TEXTO CONCEITOS EM FITOPATOLOGIA REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS 1. INTRODUÇÃO FITOPATOLOGIA: DEFINIÇÃO

LIVRO TEXTO CONCEITOS EM FITOPATOLOGIA REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS 1. INTRODUÇÃO FITOPATOLOGIA: DEFINIÇÃO REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS LIVRO TEXTO REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS CONCEITOS EM FITOPATOLOGIA 1. INTRODUÇÃO FITOPATOLOGIA: DEFINIÇÃO Phyton = planta Pathos = doença Logos = estudo 2. CONCEITO DE DOENÇA

Leia mais

Como crescer soja em Moçambique

Como crescer soja em Moçambique Como crescer soja em Moçambique A soja é uma excelente safra de levantar em sua fazenda A soja é muito nutritivo e é um bom substituto para a carne. Ela pode ser feita em vários tipos diferentes de alimentos,

Leia mais

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões Abobrinhas e Pepinos Pimentões Compromissos Seminis Produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes Conhecimento Rede global de melhoramento genético Soluções

Leia mais

A lagarta Helicoverpa armigera

A lagarta Helicoverpa armigera A lagarta Helicoverpa armigera Na última safra, um ataque severo de lagartas do Gênero Helicoverpa foi observado nas lavouras de algodão, soja e milho na região Norte. Inicialmente, várias suposições foram

Leia mais

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho Prof. Fernanda Basso Métodos de diagnóstico Diagnose Visual Diagnose Foliar Diagnose visual Consiste em se

Leia mais

Comunicado Técnico 49

Comunicado Técnico 49 Comunicado Técnico 49 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Pragas da Fase Vegetativa e Reprodutiva Ivan Cruz 1 Paulo Afonso Viana José Magid Waquil Os danos causados pelas pragas

Leia mais

VIROSES QUARENTENÁRIAS DE BATATA E FUMO

VIROSES QUARENTENÁRIAS DE BATATA E FUMO CURSO DE CERTIFICAÇÃO FITOSSANITARIA DE ORIGEM - CFO/CFOC VIROSES QUARENTENÁRIAS DE BATATA E FUMO José S. Giampani Nilceu R. X. de Nazareno Área de Proteção de Plantas Tel: 43 3376-2194 jsgiampa@iapar.br

Leia mais

Comunicado78 Técnico. Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira. Importância. ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF

Comunicado78 Técnico. Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira. Importância. ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF Comunicado78 Técnico ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF Foto: Carlos A. Lopes Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira Ailton Reis 1 Importância A requeima é a doença mais

Leia mais

Estudo das espécies de vírus vegetais do Estado de São Paulo (versão preliminar - dezembro/1996)

Estudo das espécies de vírus vegetais do Estado de São Paulo (versão preliminar - dezembro/1996) Estudo das espécies de vírus vegetais do Estado de São Paulo (versão preliminar - dezembro/1996) E.W.Kitajiima NAPIMEPA-Fitopatologia-ESALQ C.Postal 9 13-418-900 Piracicaba,SP fone- 01 9-4294405 fax 01

Leia mais

ANEXO XVI NORMAS E PADRÕES ESPECÍFICOS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA (Vitis spp.)

ANEXO XVI NORMAS E PADRÕES ESPECÍFICOS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA (Vitis spp.) ANEXO XVI NORMAS E PADRÕES ESPECÍFICOS PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA (Vitis spp.) 1. ABRANGÊNCIA. 1.1. As presentes normas estabelecem exigências para produção, comercialização

Leia mais

VIROSES DE PLANTAS ORNAMENTAIS E MEDIDAS DE CONTROLE

VIROSES DE PLANTAS ORNAMENTAIS E MEDIDAS DE CONTROLE VIROSES DE PLANTAS ORNAMENTAIS E MEDIDAS DE CONTROLE Eliana Borges Rivas Vírus que infectam plantas Em culturas comerciais, um importante agente disseminador de vírus é o próprio produtor. Como os vírus

Leia mais

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.)

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) Aspectos gerais Família: Fabaceae (ex) Leguminosae Mesma espécie do feijoeiro comum Qualquer cultivar de feijão pode ser usada para colheita de vagens,

Leia mais

Atualizado em 18/03/2015 Prof. Associado, Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (http://lattes.cnpq.br/8099996221105627) SINTOMATOLOGIA*

Atualizado em 18/03/2015 Prof. Associado, Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (http://lattes.cnpq.br/8099996221105627) SINTOMATOLOGIA* UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E FITOPATOLOGIA ÁREA DE FITOPATOLOGIA IB 237 (PATOLOGIA FLORESTAL) Atualizado em 18/03/2015 Prof. Associado,

Leia mais

Seminário Regional Sobre Manejo e Controle de Pragas e Doenças da Soja - Maringá - 11/dez./2013

Seminário Regional Sobre Manejo e Controle de Pragas e Doenças da Soja - Maringá - 11/dez./2013 Seminário Regional Sobre Manejo e Controle de Pragas e Doenças da Soja - Maringá - 11/dez./2013 Manejo das principais doenças da soja Rafael Moreira Soares Fitopatologista - EMBRAPA SOJA Doenças no ciclo

Leia mais

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com

INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL. Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com INTRODUÇÃO À VIROLOGIA MORFOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO VIRAL Larissa dos Santos Professora Auxiliar de Virologia larissa.ss@gmail.com APRESENTAÇÃO Site: virologia UFF http://www.proac.uff.br/virologia/ Livros:

Leia mais

O QUE É GREENING? DOENÇA CAUSADA POR BACTÉRIAS DE FLOEMA

O QUE É GREENING? DOENÇA CAUSADA POR BACTÉRIAS DE FLOEMA (HUANGLONGBING) O QUE É GREENING? DOENÇA CAUSADA POR BACTÉRIAS DE FLOEMA CANDIDATUS LIBERIBACTER ASIÁTICA - PREDOMINA NO BRASIL AFRICANA AMERICANA - APENAS NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2008 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 230 Integração da Avaliação de Danos Causados

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares;

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares; 6 CULTIVARES MUNDO - Elevado número de cultivares; -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra BRASIL - Mantidas coleções de linhagens e cultivares

Leia mais

n. 9 - setembro - 2007

n. 9 - setembro - 2007 n. 9 - setembro - 2007 ISSN 0103-4413 Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais Av. José Cândido da Silveira, 1.647 - Cidade Nova - 31170-000 Belo Horizonte - MG - site: www.epamig.br - e-mail:

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Ameaças fitossanitárias a soja no Mercosul. Marcelo Lopes da Silva Laboratório de Quarentena Vegetal Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia

Ameaças fitossanitárias a soja no Mercosul. Marcelo Lopes da Silva Laboratório de Quarentena Vegetal Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Ameaças fitossanitárias a soja no Mercosul Marcelo Lopes da Silva Laboratório de Quarentena Vegetal Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Conteúdo Introdução Caracterização dos riscos fitossanitários

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes PRAGAS DO ALGODOEIRO Germano Leão Demolin Leite Vinicius Matheus Cerqueira Bom dia pessoal! Hoje vamos falar

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia Prevenção e conscientização é a solução Ciências e Biologia Dengue Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. A palavra dengue tem origem

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99 ISSN 004-564 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 6, km 5,6 - Trecho Dourados-Caarapó Caixa Postal 66 79804-970 Dourados

Leia mais

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Roteiro: Breve introdução. Controles básicos recomendados para todas as culturas. Medidas profiláticas. (rotação de culturas, destruição

Leia mais

Alguns aspectos da. História da Virologia

Alguns aspectos da. História da Virologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia (DEMIP) Alguns aspectos da História da Virologia Prof. Paulo Michel Roehe Dr. Fabrício Souza Campos Dr.

Leia mais

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems ABCBio (Associação Brasileira das empresas de Controle Biológico) foi fundada em 2007, com a missão de congregar as empresas de

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

A CULTURA DO FEIJÃO CAUPI

A CULTURA DO FEIJÃO CAUPI A CULTURA DO FEIJÃO CAUPI 1 Introdução 1.1 Botânica: - Família: Fabaceae = Leguminosae - Gênero: Vigna - Espécie Vigna Unguiculata (L) Walp 1.2 Centro de Origem: Sudeste asiático O feijão Caupi é uma cultura

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E FITOPATOLOGIA ÁREA DE FITOPATOLOGIA IB 237 (PATOLOGIA FLORESTAL) Atualizado em 05/04/2015 Prof. Associado,

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia Catálogo Soja 2013 Cultivares de Soja Marca Pionee r Mesorregião MT-RO Diversidade genética e qualidade A DuPont Pioneer, com mais de 85 anos de melhoramento, é

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

MíLDiO DO TOMATEiRO. Tomada de decisão. Medidas culturais PRAGAS E DOENÇAS. Luta química. (MONT.) DE bary

MíLDiO DO TOMATEiRO. Tomada de decisão. Medidas culturais PRAGAS E DOENÇAS. Luta química. (MONT.) DE bary Tomada de decisão Tratar quando aparecerem os primeiros sintomas e sempre que se verificarem as condições favoráveis ao desenvolvimento da doença: Humidade relativa elevada, superior a 50%; Temperaturas

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia INTRODUÇÃO Laboratório de Fitopatologia e a Clínica de Doenças de Plantas atuam em 4 áreas:

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 Edmilson José Ambrosano Eng. Agr., Dr., PqC do Pólo Regional Centro Sul/APTA ambrosano@apta.sp.gov.br Fabrício Rossi Eng. Agr., Dr.,

Leia mais