UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL 2014

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Administração Superior Valéria Heloísa Kemp Reitora Sérgio Augusto Araújo da Gama Cerqueira Vice-reitor José Tarcísio Assunção Pró-reitoria de Administração Marcelo Pereira de Andrade Pró-reitoria de Ensino de Graduação André Luiz Mota Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Paulo Henrique Caetano Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários Dimas José de Rezende Pró-reitoria de Assuntos Estudantis Cláudio Sérgio Teixeira de Souza Pró-reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Adriana Amorim da Silva Pró-reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas

3 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO Marcelo Pereira de Andrade Pró Reitoria de Ensino de Graduação Iran Dias Borges - Agrônomo Departamento de Ciências Agrárias Renato Vinícius Oliveira Castro Engenheiro Florestal Departamento de Ciências Agrárias Renato da Silva Vieira Engenheiro Florestal Professor Adjunto III do Curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal do Tocantins Silvino Guimarães Moreira Agrônomo Departamento de Ciências Agrárias Diego Antônio França de Freitas Agrônomo Departamento de Ciências Agrárias Leonardo Carnevalli Agrônomo Departamento de Ciências Exatas e Biológicas

4 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO E HISTÓRICO BASE LEGAL DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO CURSO HABILIDADES E COMPETÊNCIAS PERFIL DO EGRESSO OFERECIMENTO Grau Acadêmico Bacharelado Titulação Modalidade e turno Regime curricular e prazos de integralização Número de vagas e periodicidade Carga horária total Equivalência hora-aula FORMAS DE ACESSO ATIVIDADES DO CURSO MATRIZ CURRICULAR A Interdisciplinaridade na matriz curricular dos cursos da UFSJ Áreas do conhecimento da matriz curricular Interface com a pesquisa Interface com a Extensão ESTRUTURA CURRICULAR Disciplinas obrigatórias Disciplinas obrigatórias Disciplinas optativas Matriz de organização curricular FLUXOGRAMA GERAL EMENTARIO DAS DISCIPLINAS Disciplinas obrigatórias Núcleo disciplinas básicas Unidade curricular: Citologia i

5 Unidade curricular: Desenho Técnico Digital Unidade curricular: Química Geral Unidade curricular: Química Orgânica Unidade curricular: Química Analítica Unidade curricular: Anatomia Vegetal Unidade curricular: Cálculo I Unidade curricular: Física I Unidade curricular: Bioquímica Geral Unidade curricular: Zoologia Geral Unidade curricular: Ecologia Geral Unidade curricular: Estatística Básica Unidade curricular: Microbiologia Geral Unidade curricular: Sistemática e Organografia Vegetal Unidade curricular: Metodologia da Pesquisa e Redação Científica Unidade curricular: Algoritmos e Estrutura de Dados Núcleo disciplinas essenciais Unidade curricular: Introdução à Ciência do Solo Unidade curricular: Genética e Melhoramento Florestal Unidade curricular: Fisiologia Vegetal Unidade curricular: Gênese, Propriedades e Classificação do Solo Unidade curricular: Métodos Estatísticos Aplicados à Engenharia Florestal Unidade curricular: Entomologia Geral Unidade curricular: Agrometeorologia Unidade curricular: Química, Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Unidade curricular: Física do Solo e Conservação Do Solo e da Água Unidade curricular: Máquinas e Mecanização Agrícola Unidade curricular: Geoprocessamento e Topografia Aplicados às Ciências Florestais e Ambientais Unidade curricular: Sociologia e Extensão Rural Unidade curricular: Dendrometria Unidade curricular: Ecologia Florestal Unidade curricular: Economia Florestal Unidade curricular: Entomologia Florestal Unidade curricular: Inventário Florestal ii

6 Unidade curricular: Manejo e Gestão de Unidades de Conservação Unidade curricular: Manejo Florestal Unidade curricular: Patologia Florestal Unidade curricular: Política e Legislação Florestal Unidade curricular: Princípios e Métodos Silviculturais Unidade curricular: Sistema Agrosilvopastoril Unidade curricular: Tecnologia da Madeira Unidade curricular: Industrialização da Madeira Unidade curricular: Estruturas de Madeira e Construções Unidade curricular: Estudos de Impactos Ambientais Unidade curricular: Energia da Biomassa Unidade curricular: Recuperação de Ecossistemas Florestais Degradados Unidade curricular: Trabalho de Conclusão de Curso Unidade curricular: Estágio Supervisionado Núcleo disciplinas profissionais específicas Unidade curricular: Introdução a Engenharia Florestal Unidade curricular: Bases para a Tecnologia de Produtos Florestais Unidade curricular: Bases à Biometria Florestal Unidade curricular: Componentes Químicos e Anatômicos da Madeira Unidade curricular: Colheita e Transporte Florestal Unidade curricular: Dendrologia Unidade curricular: Produtos Florestais Não Madeireiros Unidade curricular: Plantas Úteis do Cerrado Unidade curricular: Manejo De Florestas Naturais Unidade curricular: Manejo da Fauna Silvestre e Manejo de Criadouros Conservacionistas Unidade curricular: Viveiros e Sementes Florestais Unidade curricular: Incêndios Florestais Disciplinas optativas Unidade curricular: Modelagem da Produção Florestal Unidade curricular: Manejo de Bacias Hidrográficas e Hidrologia Unidade curricular: Painéis de Madeira e Adesão e Adesivos Unidade curricular: Cartografia e Geoprocessamento Unidade curricular: Biologia e Manejo de Plantas Daninhas iii

7 Unidade curricular: Cultura de Essências Exóticas e Nativas Unidade curricular: Educação Ambiental Unidade curricular: Gerenciamento da Indústria Madeireira Unidade curricular: Gerenciamento de Resíduo de Base Florestal Unidade curricular: Filosofia da Ciência e Ética Unidade curricular: Planejamento Florestal Unidade curricular: Propagação de Plantas Unidade curricular: Receituário Agronômico Unidade curricular: Biologia Molecular Unidade curricular: Produtos Energéticos da Madeira Unidade curricular: Seminários em Engenharia Florestal Unidade curricular: Língua Brasileira de Sinais Libras Unidade curricular: Floricultura e Paisagismo Unidade curricular: Estradas Florestais Unidade curricular: Legislação Ambiental I Unidade curricular: Gestão Ambiental Unidade curricular: Fitopatologia Geral Unidade curricular: Hidráulica Unidade curricular: Irrigação e Drenagem Unidade curricular: Princípios de Economia Unidade curricular: Agroecologia Unidade curricular: Serraria e Secagem da Madeira Unidade curricular: Preservação e Permeabilidade da Madeira Unidade curricular: Tecnologia de Papel e Celulose Unidade curricular: Propriedades Físicas e Mecânicas da Madeira Unidade curricular: Topografia Geoprocessada TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Estágio supervisionado obrigatório Recursos Humanos e Encargos didáticos Encargos didáticos do Departamento de Ciências Exatas e Biológicas - DECEB Encargos didáticos do Departamento de Ciências Agrárias Corpo técnico e administrativo necessário INFRAESTRUTURA iv

8 17.1 Campus de Sete Lagoas Áreas experimentais Fazenda experimental Área experimental Estação experimental Irrigada Laboratórios específicos necessários para o Curso de Engenharia Florestal Laboratório de Dendrologia e Ecologia Florestal Laboratório de Anatomia da madeira e química da madeira Laboratório de Biometria Florestal Laboratório de Manejo Florestal Laboratório de Tecnologia da madeira Laboratório de Industrialização da madeira Laboratório de Viveiros e sementes florestais e Proteção Florestal Laboratório de Melhoramento florestal e Silvicultura Laboratório de Geoprocessamento Laboratório de Manejo de Fauna e Recuperação de áreas degradadas Estimativa de infraestrutura e custo para implantação dos laboratório da Engenharia Florestal Infraestrutura específica necessária para o Curso de Engenharia Florestal Viveiro Florestal Galpão da Engenharia Florestal Unidade de carbonização da madeira Áreas da fazenda para estudo e avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PPC ESTRATÉGIAS E SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Metodologia de ensino Metodologia de avaliação ANEXOS ANEXO I - RESOLUÇÃO CNE/CES nº 3, de 02 de fevereiro de 2006; que Institui as diretrizes curriculares do Curso de Engenharia Florestal no Brasil v

9 ANEXO II - RESOLUÇÃO Nº 2, dispõe sobre carga horária mínima relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial ANEXO III: CONDIÇÕES DE OFERTA E DE CADASTRO DO CURSO PARA A DICON vi

10 1. APRESENTAÇÃO E HISTÓRICO A Universidade Federal de São João del-rei - UFSJ teve origem com a federalização em 1987 de três instituições de ensino superior localizadas na cidade de São João del-rei - MG: Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras; Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis e; Faculdade de Engenharia Industrial. A Lei nº 7.555, de 18 de dezembro de 1986, instituiu a Fundação de Ensino Superior de São João del-rei - FUNREI. A então FUNREI passa a ser UFSJ com a promulgação da Lei N o , de 19 de abril de A sede administrativa da UFSJ está localizada na cidade de São João del-rei. A UFSJ possui seis Campi, sendo que três estão localizados na cidade de São João del-rei: Campus Santo Antônio, Campus Dom Bosco e Campus Tancredo Neves, além do Centro Cultural Solar da Baronesa. Em 2009, foram criados outros três Campi fora da sede administrativa. O Campus Centro-Oeste Dona Lindu localizado na cidade de Divinópolis e que oferece 340 vagas anualmente, para os cursos da área de Saúde: Bioquímica, Enfermagem, Farmácia e Medicina; o Campus Alto Paraopeba localizado na cidade de Ouro Branco e que oferece 500 vagas anualmente entre cinco cursos de graduação: Engenharia Civil, Engenharia de Bioprocessos, Engenharia Mecatrônica, Engenharia de Telecomunicações e Engenharia Química. O Campus Sete Lagoas, que recebe o nome da cidade onde se localiza, oferecendo 200 vagas anualmente para os cursos de Engenharia Agronômica, Engenharia de Alimentos e Bacharelado Interdisciplinar em Biossistemas. O quadro de servidores públicos federais da UFSJ é composto por: 749 docentes efetivos e 475 técnicos-administrativos. Historicamente, a UFSJ primou pela oferta de cursos noturnos. No entanto, com sua expansão a partir dos Programas Expandir e REUNI, a partir de 2008, ampliou a oferta de cursos de 7

11 gradução no período integral. A instituição possui 47 cursos de graduação, totalizando 67 alternativas de entrada tem alunos matriculados nos seus cursos de graduação no ano de BASE LEGAL DO CURSO O Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Florestal da UFSJ foi estruturado com base na legislação e normatização vigentes: Resolução CNE/CES N 11, de 11 de março de 2002; Parecer CNE/CES N 308, de 17 de dezembro de 2004; Resolução CNE/CES N 03, de 02 de fevereiro de 2006; Resolução UFSJ/CONEP N 27, de 11 de setembro de OBJETIVOS DO CURSO No processo de formação do futuro engenheiro florestal, o curso tem como objetivos: Identificar as prioridades e as técnicas na pesquisa florestal e ambiental e o conhecimento da realidade sócio-política do país; Desenvolver senso crítico para atuar no meio social buscando a conquista de novos espaços; Ensinar a manejar as florestas visando garantir o abastecimento de produtos florestais em atenção à sustentabilidade ambiental; Formar para o egresso atuar sobre o meio ambiente mantendo seu equilíbrio e permitindo a sobrevivência da flora e da fauna, o bem estar social, bem como a produtividade dos ecossistemas; Desenvolver o ímpeto para planejar o setor florestal do país adequando a política à realidade nacional; 8

12 Formar na elaboração de projetos ambientais para equacionar e resolver os problemas de deterioração dos Recursos Naturais Renováveis no país; Incentivar na implantação, manejo e utilização dos recursos florestais; Criar o espírito para empreender a busca de modelos que conjuguem os temas e projetos florestais e ambientais; Desenvolver a inovação no uso de produtos florestais não madeireiros como uma referencia de uso sustentado do cerrado como fonte de renda e emprego; Indicar a importância da demanda industrial regional tendo em vista a localização do segundo maior polo siderúrgico do Brasil, além de estar situado em um Estado com um perfil florestal de alto potencial; Desenvolver no futuro profissional o discernimento ético (social, ambiental e econômico); Desenvolver a visão empresarial e o pensamento científico e analíticocrítico. Orientar para a complementação no desenvolvimento social com vistas a autossegurança, relacionamento humano, comunicação e expressão. 4. PERFIL DO CURSO O Curso de Engenharia Florestal da UFSJ visa a formação de engenheiros florestais aptos a desenvolverem atividades nas diversas áreas do conhecimento da engenharia florestal, manejo, tecnologia de produtos florestais, conservação da natureza e silvicultura. O Projeto Pedagógico de Curso de Engenharia Florestal vai ao encontro das necessidades da mesorregião de Sete Lagoas, que apresenta uma vocação florestal de grande magnitude, além de estabelecer estreitas relações com o setor 9

13 siderúrgico, muito importante para região e para o país. Por esse nível de desenvolvimento, também existem problemas ligados, principalmente, às questões ambientais, foco de atenção das instituições de controle, como por exemplo a degradação do cerrado. O PPC do Curso de Engenharia Florestal além de conciliar de forma sustentável a produção e a preservação ambiental, apresenta na formação de seus egressos, alternativas para o manejo do cerrado. Outra contribuição do curso para Minas Gerais é a presença de grandes maciços florestais com mais de ha (ABRAF, 2013), tendo principalmente na região central do Estado a maior quantidade de florestas plantadas do Brasil. Esse pontencial ainda não está se extinguindo tendo em vista ações governamentais como o projeto de lei 3.529/2012 apresentado pelo governo federal que propõe a politica nacional de geração de energia elétrica a partir da biomassa, o que implicará nas alternativas de utilização de resíduos do setor florestal, sejam eles, oriundos do processamento mecânico da madeira ou de resíduos de colheita florestal. Contudo, outro fator preponderante é a constatação da queda da quantidade de florestas nativas em Minas Gerais (ABRAF, 2013). As pressões oriundas do capital e as alterações do Código Florestal Brasileiro aprovado em 2013 podem contribuir para uma diminuição ainda maior das áreas preservadas no Estado. É necessário então apresentar o potencial de utilização do cerrado mineiro de forma racional, apresentado alternativas de uso, como por exemplo os produtos florestais não madeireiros. Isso pode contribuir para a preservação dessa fisionomia vegetal, tendo em vista os recursos que podem ser gerados na extração racional de compostos utilizáveis em diversos segmentos da indústria, seja ela, farmacêutica, alimentícia e química, além da preservação da fauna do cerrado. Esta é mais uma contribuição que o Curso de Engenharia Florestal da UFSJ poderá oferecer à sociedade. Neste contexto, o Curso de Engenharia Florestal se insere na proposta do Campus de Sete Lagoas e dos cursos já existentes, que têm como princípio contribuir no desenvolvimento do Estado de Minas Gerais e do país. 10

14 5. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS O Curso de Engenharia Florestal da UFSJ objetiva desenvolver em seus alunos as seguintes competências e habilidades: Coordenar o planejamento, execução e revisão de planos de manejo florestal; Planejar e executar planos de implantação florestal e recuperação de áreas deterioradas; Coordenar o planejamento e execução de atividades de conservação de ecossistemas visando à manutenção da biodiversidade; Administrar, operar e manter sistemas de produção florestal em florestas naturais e plantadas; Orientar o desenvolvimento de políticas públicas sobre a conservação e uso de ecossistemas florestais; Coordenar o planejamento e linhas de atuação de entidades de defesa do meio ambiente; Cooperar na elaboração e execução de projetos de desenvolvimento rural sustentável; Coordenar o desenvolvimento de planos de utilização de recursos florestais por população tradicionais; Coordenar sistemas de monitoramento ambiental; Coordenar o planejamento e execução de projetos de extensão rural; Coordenar e executar programas de Educação Ambiental; especificamente a técnica; 11

15 Coordenar e executar projetos ambientais; Planejar, mapear, coordenar e executar projetos temáticos em geral, classificação, espacialização e quantificação de recursos naturais renováveis; Planejar, coordenar e executar projetos de levantamento, quantificação e qualificação de recursos florestais; Coordenar o planejamento e execução de projetos de abastecimento de indústrias e controle de qualidade de matéria-prima florestal; Administrar, operar e manter sistemas de processamento de matéria-prima florestal; Planejar e administrar sistemas de colheita e transporte florestal; Planejar e coordenar sistemas agrossilvipastoris; Planejar e coordenar sistemas de produção e cultivo de espécies florestais de interesse regional Planejar e coordenar sistemas de manejo e produção de produtos secundários da floresta (plantas medicinais, decorativas, palmiteiro, sementes, resinas, cogumelos, etc.); Planejar e coordenar projetos de arborização e paisagismo; Planejar e coordenar projetos de fauna silvestre; Planejar e coordenar projetos de avaliação e perícia, bem como laudos técnicos; Planejar e coordenar projetos de turismo rural e ecoturismo; Planejar e executar programas de biotecnologia e melhoramento genético de 12

16 plantas arbóreas e arbustivas; Desenvolver o uso de produto florestais não madeireiros em benefício da sociedade. 6. PERFIL DO EGRESSO O Engenheiro Florestal graduado na Univesidade Federal de São João del- Rei é um profissional que terá: Sólida base nas ciências biológicas, exatas e humanas com forte consciência ética e ecológica quanto à sua responsabilidade na produção florestal e conservação da natureza; Profundos conhecimentos dos ecossistemas terrestres, em particular dos ecossistemas florestais, bem como das realidades sociais e econômicas associadas a tais ecossistemas nas diversas regiões do Brasil; Profundos conhecimentos sobre métodos e técnicas de implantação, condução e manejo de povoamentos florestais formados com espécies de interesse sócio-econômico e sua utilização para fornecimento de matériaprima em sortimentos e qualidades exigidas pelo mercado; Profundos conhecimentos para a elaboração de projetos ambientais; Juízo crítico autônomo na sua área de conhecimento e atuação, sabendo utilizar o método científico e técnicas de comunicação para a análise e condução dos processos de tomadas de decisão dentro dos princípios básicos de sustentabilidade ambiental; Capacidade gerencial e administrativa, desenvolvimento do espírito de liderança e de trabalho em equipe, bem como da ação na sociedade; Capacidade de intervir sobre os recursos naturais renováveis através de métodos de manejo adequados para cada situação ecológica, tecnológica, 13

17 sócio-econômica, ambiental e cultural; Conhecimento de como utilizar máquinas e equipamentos nas práticas florestais, dentro dos critérios de racionalidade operacional e de baixo impacto sobre o ambiente; Conhecimento dos processos de transformação industrial de origens florestais, associadas às propriedades da matéria-prima florestal com a qualidade dos produtos finais desejados; Conhecimento sobre a interação do homem com o meio ambiente de forma a permitir a percepção, o equacionamento, o diagnóstico e a gestão dos problemas ambientais, dentro dos princípios do desenvolvimento sustentável; Conhecimento sobre representação espacial e temporal dos recursos naturais necessários para o preparo de sistemas geográficos de informações; Visão crítica dos processos sociais, sabendo interagir com pessoas de diferentes grupos sociais e étnicos; Visão holística da atuação do Engenheiro Florestal. Aptidão para o trabalho em ambientes naturais e em atividades ligadas ao desenvolvimento rural; Conhecimentos temáticos interpretativos de imagens orbitais e sub-orbitais. Conhecimento amplo em Gestão Ambiental para trabalhar em setores públicos e privados no que se refere às obras de infraestrutura saneamento, redes viárias, hidráulicas, etc. O egresso do Curso de Engenharia Florestal deve ser ético, empreendedorismo e conhecer bem as linhas de marketing, bem como ter visão nas áreas de certificação, ecoturismo e manejo de produtos não madeireiros. 14

18 O profissional egresso do Curso de Engenharia Florestal da UFSJ será capaz de atuar nas seguintes áreas: Gestão Ambiental e Conservação da natureza; Silvicultura; Manejo Florestal; Tecnologia de Produtos Florestais; Engenharia (Hidrologia, Georreferenciamento e Máquimas florestais e automação). 7. OFERECIMENTO O Curso de Engenharia Florestal será oferecido no Campus Universitário de Sete Lagoas, situado na Rodovia MG 424 Km 47 - Caixa Postal, 56, CEP , em Sete Lagoas MG Grau Acadêmico Bacharelado Titulação Ao profissional formado pelo Curso de Engenharia Florestal da UFSJ será conferido o título de Bacharel em Engenharia Florestal, estabelecido nas Diretrizes Curriculares Nacionais por meio da Resolução nº 3 do CNE/CES de fevereiro de Modalidade e turno O Curso de Engenharia Florestal será oferecido na modalidade de educação presencial, em turno integral, nos períodos manhã e tarde. Em acordo com a legislação vigente, até 20% da carga horária total do curso poderá ser de unidades curriculares (UCs) ofertadas na modalidade de ensino a distância. 15

19 7.4. Regime curricular e prazos de integralização O regime curricular do Curso de Engenharia Florestal é em progressão linear, em que a integralização da formação do acadêmico ocorrerá em um único percurso curricular. O prazo mínimo e padrão para a integralização curricular, respectivamente, é de 5 anos (10 semestres). Já o prazo máximo para a integralização curricular é de 7,5 anos (15 semestres) Número de vagas e periodicidade O Curso de Engenharia Florestal oferta 40 vagas anuais, distribuídas em duas entradas semestrais com 20 vagas cada Carga horária total horas 7.7. Equivalência hora-aula A hora-aula aplicada nas unidades curriculares teóricas e práticas no curso de Engenharia Florestal tem duração de 55 minutos. As atividades complementares, o estágio supervisionado e os trabalhos acadêmicos são computados em horas (60 minutos). A carga horária total do curso é composta por: horas de disciplinas, 100 horas de atividades complementares, 72 horas de estágio supervisionado e 36 horas de trabalhos acadêmicos, perfazendo horas. 8. FORMAS DE ACESSO O acesso ao curso é pelo Sistema de Seleção Unificado do Ministério da Educação (SISU) e/ou pelos demais processos seletivos vigentes na UFSJ. 16

20 9. ATIVIDADES DO CURSO As atividades complementares são denominadas as atividades acadêmicas, científicas e culturais (simpósios, congressos, conferências, palestras, cursos, oficinas, projetos de pesquisa e extensão, entre outras) desenvolvidas pelos discentes ao longo do curso de Engenharia Florestal, que perfazem o total de 100 horas. Estas atividades têm como objetivo fortalecer e enriquecer o processo de formação do discente, com especial atenção para a integração do ensino, pesquisa e extensão. As atividades complementares são obrigatórias para conclusão do curso e serão avaliadas pelo Colegiado de Curso, que também é o responsável por sua normatização. 10. MATRIZ CURRICULAR A organização da matriz curricular do Curso de Engenharia Florestal, segue o art. 7º da Resolução CNE/CES N 3, de 02 de fevereiro de 2006, subdividida em núcleos: Conteúdo Básico, Conteúdo Essencial e Conteúdo Específico. O conteúdo curricular também observa a Lei de 10 de março de 2008, que estabelece o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena, que está contemplado em disciplinas deste currículo. Em acordo com a Lei 9.795/ Art. 10º - 1º as disciplinas elencadas na áreas de conservação da natureza estão abordando em suas ementas temas relacionados a educação ambiental distribuídas no núcleo básico, perfazendo um total de 16 disciplinas Quadro 1. Nesta matriz curricular está inserido um grupo de disciplinas obrigatórias que será ofertado na tipificação normal. O acadêmico do Curso de Engenharia Florestal deverá cumprir obrigatoriamente estas disciplinas para que possa integralizar a carga horária para sua formação como bacharel em engenharia florestal. As disciplinas deste grupo serão ofertadas anualmente em semestres alternados de modo a possibilitar a integralização da carga horária exigida, conforme o fluxograma. 17

21 QUADRO 1. DISCIPLINAS DO NÚCLEO BÁSICO DISCIPLINAS Período Tipo (T-P) CHA Citologia 1º OBR Química Geral 1º OBR Desenho Técnico Digital 1º OBR Ecologia Geral 1º OBR Sistemática e Organografia Vegetal 1º OBR Anatomia Vegetal 2º OBR Cálculo I 2º OBR Química Orgânica 2º OBR Química Analítica 2º OBR Zoologia Geral 2º OBR Metodologia da Pesquisa e Redação Científica 3º OBR Física I 3º OBR Bioquímica Geral 3º OBR Estatística Básica 3º OBR Microbiologia Geral 4º OBR Algoritmos e Estrutura de Dados 5º OBR O núcleo de conteúdo profissional essenciais abriga os conteúdos que envolvem o saber da identidade do profissional de engenheira florestal, representado por 31 disciplinas, apresentado no Quadro 2. 18

22 QUADRO 2. DISCIPLINAS DO NÚCLEO ESSENCIAL DISCIPLINAS Período Tipo (T-P) CHA Economia Florestal 4º ou 5º OBR Sistema Agrosilvopastoril 6º ou 7º OBR Política e Legislação Florestal 6º ou 7º OBR Manejo e Gestão de Unidades de Conservação 4º ou 5º OBR Introdução à Ciência do Solo: Mineralogia 1º OBR Gênese Propriedade e Classificação do Solo 4º OBR Métodos Estatísticos Aplicados à Eng. Florestal 4º OBR Tecnologia da Madeira 4º OBR Ecologia Florestal 4º OBR Agrometeorologia 5º OBR Entomologia geral 5º OBR Fisiologia Vegetal 5º OBR Dendrometria 5º OBR Industrialização da Madeira 5º OBR Máquinas e Mecanização Agrícola 6º OBR Química, Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas 6º OBR Inventário Florestal 6º OBR Genética e Melhoramento Florestal 7º OBR Estudos de Impactos Ambientais 7º OBR Princípios e Métodos Silviculturais 7º OBR Recuperação de Ecossistemas Florestais Degradados 7º OBR Geoprocessamento e Topografia Aplicados às 8º OBR Ciências Florestais e Ambientais Entomologia Florestal 8º OBR Patologia Florestal 8º OBR Estruturas de Madeira e Construções 8º OBR Física do Solo e Conservação do Solo e da Água 8º OBR Energia da Biomassa Florestal 8º ou 9º OBR Sociologia e Extensão Rural 9º OBR Manejo Florestal 9º OBR Estágio Supervisionado 10º OBR Trabalho de Conclusão de Curso 10º OBR Já o núcleo de conteúdo profissional específico está inserido no contexto do projeto pedagógico do curso visando a qualificar profissionais frente às características regionais em que o curso está inserido, dando-lhe identidade própria, conforme apresentado no Quadro 3. 19

23 QUADRO 3. DISCIPLINAS DO NÚCLEO ESPECÍFICO DISCIPLINAS Período Tipo (T-P) CHA Colheita e Transporte Florestal 6º ou 7º OBR Manejo de Florestas Naturais 8º ou 9º OBR Incêndios Florestais 6º ou 7º OBR Introdução à Engenharia Florestal 1 OBR Bases à Tecnologia de Produtos Florestais 2º OBR Dendrologia 2º OBR Bases á Biometria Florestal 3º OBR Componentes Químicos e Anatômicos da Madeira 3º OBR Produtos Florestais não Madeireiros 3º OBR Plantas Úteis do Cerrado 4 OBR Viveiros e Sementes Florestais 6º OBR Manejo da Fauna Silvestre e Manejo de 9º OBR Criadouros Conservacionistas A Interdisciplinaridade na matriz curricular dos cursos da UFSJ Este Projeto Pedagógico tem como referência básica as diretrizes curriculadores nacionais para o curso de graduação em Engenharia Florestal. A partir das concepções de eixos, temas geradores e do perfil do profissional da área de conhecimento e do curso, a estrutura curricular deve ser construída na perspectiva da interdisciplinaridade, tendo esta como elemento desencadeador da problematização de sua contribuição para o desenvolvimento da ciência e melhoria da qualidade de vida da humanidade. Deve proporcionar, durante todo o curso, a busca de formulações a partir dos grandes questionamentos, que devem estar representados nos objetivos gerais e específicos, nas disciplinas, interdisciplinas, projetos, e em todas as atividades desenvolvidas no percurso acadêmico e no trabalho de conclusão do curso. Enfim, por meio do ensino e da pesquisa, os alunos deverão refletir sobre a área de conhecimento numa perspectiva mais ampliada e contextualizada como forma de responder aos questionamentos formulados. Será permitido aos acadêmicos do Curso de Engenharia Florestal cursarem disciplinas ofertadas no âmbito da UFSJ, e o seu aproveitamento deverá ser aprovado pelo colegiado de curso. 20

24 10.2. Áreas do conhecimento da matriz curricular A matriz curricular possui áreas de conhecimento distintas que compõem o Curso de Engenharia Florestal. Essas áreas apresentam grande interdisciplinariedade entre os temas abordados pela Engenharia Florestal. São quatro grandes áreas do conhecimento: Tecnologia de Produtos Florestais; Manejo Florestal; Silvicultura e Conservação da Natureza. As disciplinas de cada área do conhecimento específicas da Engenharia Florestal estão relacionadas no Quadro 4. Essa organização das áreas de conhecimento da Engenharia Florestal apresenta uma ideia das potencialidades do curso para a formação do profissional. QUADRO 4. DISCIPLINAS DAS ÁREAS DO CONHECIMENTO DA MATRIZ CURRICULAR TECNOLOGIA DE PRODUTOS FLORESTAIS DISCIPLINAS Período Tipo (T-P) CHA Introdução a Engenharia Florestal 1 OBR Bases para a Tecnologia de Produtos Florestais 2º OBR Componentes Químicos e Anatômicos da 3º OBR Madeira Produtos Florestais não Madeireiros 3º OBR Tecnologia da Madeira 4º OBR Plantas Úteis do Cerrado 4 OBR Estruturas de Madeira e Construções 8º OBR Energia da Biomassa Florestal 8º ou 9º OBR Painéis de Madeira e Adesão e Adesivos X OPT Preservação e Permeabilidade da Madeira X OPT Produtos Energéticos da Madeira X OPT Propriedades Físicas e Mecânicas da Madeira X OPT Serraria e Secagem da Madeira X OPT Tecnologia de Papel e Celulose X OPT Seminários em Engenharia Florestal X OPT Gerenciamento da Indústria da Madeira X OPT Gerenciamento de Resíduos de Base Florestal X OPT MANEJO DISCIPLINAS Período Tipo (T-P) CHA Economia Florestal 4º ou 5º OBR Colheita e Transporte Florestal 6º ou 7º OBR Manejo de Florestas Naturais 8º ou 9º OBR Bases á Biometria Florestal 3º OBR Métodos Estatísticos Aplicados à Eng. Florestal 4º OBR Dendrometria 5º OBR Máquinas e Mecanização Agrícola 6º OBR

25 Inventário Florestal 6º OBR Geoprocessamento e Topografia Aplicados às 8º OBR Ciências Florestais e Ambientais Manejo Florestal 9º OBR Modelagem da Produção Florestal X OPT Planejamento Florestal X OPT Estradas Florestais X OPT Legislação Ambiental I X OPT Princípios de Economia X OPT Gestão Ambiental X OPT Seminários em Engenharia Florestal X OPT SILVICULTURA DISCIPLINAS Período Tipo (T-P) CHA Sistema Agrosilvopastoril 6º ou 7º OBR Viveiros e Sementes Florestais 6º OBR Genética e Melhoramento Florestal 7º OBR Princípios e Métodos Silviculturais 7º OBR Recuperação de Ecossistemas Florestais Degradados 7º OBR Entomologia Florestal 8º OBR Patologia Florestal 8º OBR Cultura de Essências Exóticas e Nativas X OPT Floricultura e Paisagismo X OPT Seminários em Engenharia Florestal X OPT CONSERVAÇÃO DA NATUREZA DISCIPLINAS Período Tipo (T-P) CHA Política e legislação Florestal 6º ou 7º OBR Manejo e Gestão de Unidades de Conservação 4º ou 5º OBR Ecologia Geral 1º OBR Dendrologia 2º OBR Ecologia Florestal 4º OBR Estudos de Impactos Ambientais 7º OBR Manejo da Fauna Silvestre e Manejo de Criadouros Conservacionistas 9º OBR Agroecologia X OPT Educação Ambiental X OPT Seminários em Engenharia Florestal X OPT Interface com a pesquisa Para o atendimento das necessidades da formação profissional do Engenheiro Florestal é importante que o ensino seja permeado pela pesquisa, tendo em vista a dinâmica do conhecimento. É na pesquisa que novos conhecimentos são gerados, além de instigar o acadêmico à curiosidade e potencializar a percepção aos problemas e à maneira de resolvê-los. A iniciação científica e o trabalho de 22

26 conclusão de curso serão importantes espaços de formação para os acadêmicos do Curso de Engenharia Florestal Interface com a Extensão A extensão universitária representa a possibilidade de intercâmbio, em que a produção acadêmica e a tecnologia são socializadas com a sociedade. Por outro lado, as soluções e os problemas da sociedade podem ser avaliados, com ações que viabilizam as teorias de participação comunitária, inclusão social e educacional, ações preventivas e curativas de bem estar social e sanitário, direitos e deveres civis, desenvolvimento sustentável e tecnologias apropriadas. É fundamental chamar atenção para a necessidade de sempre respeitar os conhecimentos das comunidades com as quais o curso interagirá. Trata-se de um processo que pode ser construido passando por pesquisas e ensino das universidades brasileiras, legitimando os conhecimentos não acadêmicos permitindo assim soluções mais profundas para os complexos problemas sócio-econômicos do Brasil como um todo. Deste modo, através deste plano de ação pretende-se realizar a interação dos acadêmicos com as comunidades, para que estes se tornem agentes de mudança nos seus espaços de inserção social, visando o desenvolvimento sócio-econômico e a valorização histórica e cultural. O Campus Sete Lagoas já apresenta alguns programas de extensão com reconhecimento público, os quais envolvem docentes, discentes e técnicoadministrativos. Tais experiências serão incorporadas pelo Curso de Engenharia Florestal. 23

27 11. ESTRUTURA CURRICULAR Disciplinas obrigatórias Período de oferta Unidade curricular Tipologia Natureza do Oferecimento Unidade acadêmica responsável Carga Horária (CHA) Teórica Prática Prérequisito correquisito 1º Introdução a ciência do solo: Mineralogia Disciplina Normal x X 1º Citologia Disciplina Normal DECEB x X 1º Desenho Técnico Digital Disciplina Normal x X 1º Introdução a Engenharia Florestal Disciplina Normal 36 0 x X 1º Química Geral Disciplina Normal DECEB x X 1º Ecologia Geral Disciplina Normal DECEB 72 0 x X 1º Sistemática e organografia vegetal Disciplina Normal DECEB x X 2º Anatomia Vegetal Disciplina Normal DECEB x X 2º Cálculo I Disciplina Normal DECEB 90 0 x X 2º Química analítica Disciplina Normal DECEB Química Geral X 2º Química orgânica Disciplina Normal DECEB x Química Geral Bases para a tecnologia 2º Disciplina Normal 54 0 x X de produtos florestais Ecologia 2º Dendrologia Disciplina Normal Anatomia Vegetal Geral 2º Zoologia Geral Disciplina Normal x X Anatomia Componentes químicos Vegetal, 3º e anatômicos da Disciplina Normal X Química madeira orgânica 3º Física I Disciplina Normal DECEB 72 0 x X Química 3º Bioquímica Geral Disciplina Normal DECEB X orgânica Bases à biometria 3º Disciplina Normal 54 0 Calculo I X florestal Metodologia da 3º pesquisa e redação Disciplina Normal x X científica Produtos Florestais Não Química 3º Disciplina Normal Química orgânica Madeireiros Geral 3º Estatística Básica Disciplina Normal DECEB 72 0 Cálculo I X Component es químicos e anatômicos da madeira, 4º Tecnologia da Madeira Disciplina Normal Bases para a tecnologia de produtos florestais X 4º Gênese propriedade e classificação do solo Disciplina Normal 4º Ecologia Florestal Disciplina Normal 4º Plantas Úteis do Cerrado Disciplina Normal Introdução a ciência do solo: Mineralogia ; Química orgânica Dendrologi a Dendrologi a X X X

28 4º Métodos Estatísticos Aplicados à Engenharia Florestal Disciplina Normal Estatística Básica 4º Microbiologia Geral Disciplina Normal DECEB Citologia x GRUPO DE 4º Disciplina Normal OBRIGATÓRIAS 5º Entomologia Geral Disciplina Normal 5º Agrometeorologia Disciplina Normal º Fisiologia vegetal Disciplina Normal DECEB º 5º Algoritmos e Estrutura de Dados Industrialização da madeira Disciplina Disciplina Normal Normal 5º Dendrometria Disciplina Normal 5º 6º GRUPO DE OBRIGATÓRIAS Química, Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Disciplina Disciplina Normal Normal 6º Inventário Florestal Disciplina Normal 6º 6º 6º 6º 6º 7º 7º 7º 7º 7º 7º 7º 8º Viveiros e sementes florestais Máquinas e Mecanização Agrícola GRUPO DE OBRIGATÓRIAS GRUPO DE OBRIGATÓRIAS GRUPO DE OPTATIVAS - I, III, V, VI Recuperação de ecossistemas florestais degradados Princípios e métodos silviculturais Estudos de impactos ambientais Genética e Melhoramento Florestal GRUPO DE OBRIGATÓRIAS GRUPO DE OBRIGATÓRIAS GRUPO DE OPTATIVAS I, II, III, V, VI Física do solo, conservação do solo e da Água Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Normal Normal Normal Normal Normal Normal Normal Normal Normal Normal Normal Normal Normal Zoologia Geral Cálculo I, Física I, Bases para a tecnologia de produtos florestais Anatomia Vegetal, Bioquímica Geral Cálculo I x Tecnologia da Madeira Bases à biometria florestal Gênese propriedad e e classificaçã x o do solo Dendrometr ia Dendrologi x a, Fisiologia x vegetal Física I x Química, Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Viveiros e sementes florestais Ecologia Florestal Bioquímica Geral Química, Fertilidade do Solo e Nutrição de x x x x x x Princípios e métodos silviculturais x x x Geoprocessamento e topografia aplicados às ciências florestais e ambientais

29 8º Geoprocessamento e topografia aplicados às ciências florestais e ambientais Disciplina Normal 8º Patologia Florestal Disciplina Normal 8º Entomologia Florestal Disciplina Normal 8º 8º Estruturas de madeira e construções GRUPO DE OBRIGATÓRIAS Disciplina Disciplina Normal Normal 9º Manejo Florestal Disciplina Normal Plantas Desenho Técnico Digital Viveiros e sementes florestais, Microbiolog ia Geral Entomologi a Geral, Ecologia Florestal Desenho Técnico Digital, Física I, Tecnologia da Madeira Inventário Florestal 9º Sociologia e Extensão Disciplina Normal 72 0 x Rural Manejo da fauna Zoologia X 9º silvestre e manejo de Geral, Disciplina Normal criadouros Ecologia X conservacionistas Florestal GRUPO DE OPTATIVAS 9º Disciplina Normal II, IV, V, VI GRUPO DE OPTATIVAS 9º Disciplina Normal II, IV, V, VI 10º Estágio Supervisionado Estágio Normal 0 72 x X Trabalho de Conclusão Trabalhos 3.220H ou 10º Normal 36 0 X de Curso acadêmicos 3.497HA X X X 26

30 11.2. Disciplinas obrigatórias Período de oferta Natureza do Unidade curricular TipologiaOferecimento Unidade acadêmica responsável Carga Horária (CHA) Teórica Prática Pré-requisito Correquisito 6º ou 7º (2 semestre) Sistema Agrosilvopastoril Disciplina Normal Ecologia Geral Princípios e métodos silviculturais 4º ou 5º (2 semestre) Manejo e Gestão de Unidades de Conservação Disciplina Normal 54 0 Ecologia Geral x 4º ou 5º (1 semestre) 6º ou 7º (1 semestre) Economia Florestal Disciplina Incêndios Florestais Disciplina Normal Normal Introdução a Engenharia Florestal, Bases à biometria florestal Ecologia Florestal Agrometeorologia x 6º ou 7º (1 semestre) Política e Legislação Florestal Disciplina Normal 36 0 X Ecologia Florestal 8º ou 9º (1 semestre) Manejo de florestas naturais Disciplina Normal Inventário Florestal x 6º ou 7º (2 semestre) Colheita e Transporte Florestal Disciplina Normal Inventário Florestal x 8º ou 9º (2 semestre) Energia da Biomassa Florestal Disciplina Normal Tecnologia da Madeira x Como descrito no item 10 em matriz curricular, este grupo de disciplinas obrigatórias será ofertado na tipificação de normal. O acadêmico do Curso de Engenharia Florestal deverá cumprir obrigatoriamente estas disciplinas para que possa integralizar a carga horária do curso. As disciplinas deste grupo serão ofertadas em semestres intercalados de modo a possibilitar a integralização da carga horária exigida. 27

31 11.3. Disciplinas optativas Grupo Unidade curricular Carga Horária (CHA) Natureza do Unidade acadêmica Tipologia Oferecimento responsável TeóricaPrática Pré-requisito I I I I I I Painéis de madeira e adesão e adesivos Disciplina Normal Preservação e permeabilidade da madeira Produtos energéticos da madeira Propriedades físicas e mecânicas da madeira Serraria e secagem da madeira Tecnologia de papel e celulose Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Normal Normal Normal Normal Normal II Estradas Florestais Disciplina Normal II Hidráulica Disciplina Normal II II II II II II Irrigação e drenagem Modelagem da produção florestal Topografia Geoprocessada Cartografia e Geoprocessamento Planejamento Florestal Manejo de bacias hidrográficas e hidrologia Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Normal Normal Normal Normal Normal Normal III Agroecologia Disciplina Normal III III Floricultura e paisagismo Cultura de essências exóticas e nativas Disciplina Disciplina Normal Normal III Educação ambiental Disciplina Normal III IV Legislação ambiental I Disciplina Normal Biologia e manejo de plantas daninhas Disciplina Normal IV Fitopatologia geral Disciplina Normal Tecnologia da madeira Tecnologia da madeira Tecnologia da madeira Tecnologia da madeira Tecnologia da madeira Tecnologia da madeira Geoprocessamento e topografia aplicados às ciências florestais ambientais Geoprocessamento e topografia aplicados às ciências florestais ambientais Hidráulica e agrometeorologia Inventário florestal Cartografia e geoprocessamento; Desenho Técnico digital X Inventário florestal; princípios e met. Silviculturais Agrometeorologia Ecologia Geral Fisiologia vegetal Princípios e met. Silviculturais X 36 0 Politica e legislação florestal Fisiologia vegetal Microbiologia geral 28

32 IV V V V V Receituário agronômico Princípios de economia Filosofia da ciência e ética Gerenciamento da indústria da madeira Gerenciamento de resíduos de base florestal Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Disciplina Normal Normal Normal Normal Normal V Gestão ambiental Disciplina Normal V Libras Disciplina Normal VI Biologia molecular Disciplina Normal VI VI Propagação de plantas Disciplina Normal DECEB Seminários em engenharia florestal Disciplina Normal Patologia Florestal; Entomologia Florestal, Biologia e manejo de plantas daninhas 54 0 X 36 0 X 36 0 Industrialização da madeira 36 0 Industrialização da madeira; princípios e métodos silviculturais X 72 0 X Microbiologia geral e Bioquimica Geral Fisiologia vegetal Introdução à Engenharia Florestal Grupo I : Tecnologia de produtos florestais; Grupo II : Engenharia; Grupo III : Ciências do Ambiente; Grupo IV: Proteção Florestal; Grupo V : Ciências Sociais Aplicadas e Humanas; Grupo VI : Outras optativas Matriz de organização curricular A organização curricular está divididas em três Núcleos: Básico, Essencial e Específico. Esses núcleos permeiam entre si de forma que os conhecimentos do Núcleo Básico adquiridos darão subsídios para conhecimento das disciplinas do Núcleo Essencial, que por sua vez darão conhecimento para as disciplinas do Núcleo Específico. Embora esses núcleos de disciplinas contemplem a formação científica do Engenheiro Florestal também estão inseridas na organização curricular disciplinas optativas, que dentro da expectativa do acadêmico poderão abordar conhecimentos específicos do curso ou de outras áreas que atenderem sua demanda por conteúdo de seu interesse. Além desses componentes curriculares relacionados à formação científica existem também outros elementos como as atividades acadêmicas, estágio supervisionado e atividades complementares que atuam direta ou indiretamente na 29

33 formação do profissional oportunizando-lhe a aquisição de experiências diversas em instituições privadas e públicas da sua área de formação. Também o relacionamento com o meio cientifico-acadêmico e até mesmo profissional no intuito de estimular as atividades extra universidade como congressos, encontros e reuniões, além da formação de cidadania com as atividades administrativas de classe, entre outras atividades complementares descritas no item 9 deste PPC, muito têm a colaborar na formação do profissional Engenheiro Florestal formado pela UFSJ. Neste projeto a carga horária do curso (CH) é baseada em horas de 60 minutos como referência. Já a carga horária em hora-aula (CHA) é constituída por unidades curriculares em múltiplos de dezoito horas-aula (18 horas-aula), sendo a duração das aulas (DHA) de 55 minutos. Carga horária (CH)/(CHA) Unidade curricular Conteúdo de natureza científico-cultural Atividades complementares Estágio supervisionado Trabalho acadêmico Obrigatória Optativa Eletiva Total H (3.690 HA)* 198 H (216 HA)* 3.581H (3.906 HA)* 100 H 100 H 72 H 72 H 36 H 36 H Outros: Carga horária total para H Integralização Obs.: especificar particularidades na organização curricular com implicações no cadastro da estrutura curricular no CONTAC Devem ser consideradas 324 HA de disciplinas ofertadas dos grupos de obrigatórias para a integralização da carga horária total de disciplinas do curso. * Valores de horas aula múltiplos de 18. H- carga horária em função do tempo de referencia de 60 minutos. 30

34 12 FLUXOGRAMA GERAL 1 PER 2 PER 3 PER 4 PER 5 PER 6 PER 7 PER 8 PER 9 PER 10 PER Int. à ciência do solo: Mineralogia (36 HA) (33 H) Anatomia Vegetal (72 HA) (66H) Comp. químicos e anatômicos da madeira (72 HA) (66H) Tecnologia da Madeira (90 HA) (82,5H) Entomologia Geral (72 HA) (66H) Química, Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas (90 HA) (82,5H) Recup. de ecossistemas florestais degradados (72 HA) (66H) Fís. do solo, conservação do solo e da Água (72 HA) (66H) Manejo Florestal (72 HA) (66H) Estágio Supervisionado (72H) Citologia (54 HA) (49,5 H) Cálculo I (90 HA) (82,5H) Física I (72 HA) (66H) Gênese propriedade e classificação do solo (72 HA) (66H) Agrometeorologia (54 HA) (49,5H) Inventário Florestal (72 HA) (66H) Princípios e métodos silviculturais (72 HA) (66H) Geoproc. e top. aplicado a ciên. Flor. e Ambientais (90 HA) (82,5H) Sociologia e Extensão Rural (72 HA) (66H) Trabalho de Conclusão de Curso (36H) Desenho Técnico Digital (54 HA) (49,5H) Química analítica (72 HA) (66H) Bioquímica Geral (72 HA) (66H) Ecologia Florestal (72 HA) (66H) Fisiologia vegetal (72 HA) (66H) Viveiros e sementes florestais (72 HA) (66H) Estudos de impactos ambientais (54 HA) (49,5H) Patologia Florestal (72 HA) (66H) Man. fauna silv. e man. Criad. conserv. (72 HA) (66H) Intr. à Engenharia Florestal (36 HA) (33H) Química orgânica (54 HA) (49,5H) Bases à biometria florestal (54 HA) (49,5H) Plantas Úteis do Cerrado (36 HA) (33H) Algoritmos e Estrutura de Dados (72 HA) (66H) Máquinas e Mecanização Agrícola (72 HA) (66H) Genética e Melhoramento Florestal (90 HA) (82,5H) Entomologia Florestal (54 HA) (49,5H) Grupo de optativas - II, IV, V, VI Química Geral (54 HA) (49,5H) Bases para a tec.de produtos florestais (54 HA) (49,5H) Metod. da pesq. e redação científica (54 HA) (49,5H) Mét. Estat. Aplicados à Engenharia Florestal (72 HA) (66H) Industrialização da madeira (72 HA) (66H) Grupo de obrigatórias anuais Grupo de obrigatórias anuais Estruturas de madeira e construções (72 HA) (66H) Grupo de optativas - II, IV, V, VI Ecologia Geral (72 HA) (66H) Dendrologia (54 HA) (49,5H) Prod. Flor. Não Madeireiros (36 HA) (33H) Microbiologia Geral (72 HA) (66H) Dendrometria (72 HA) (66H) Grupo de obrigatórias anuais Grupo de obrigatórias anuais Grupo de obrigatórias anuais Grupo de obrigatórias anuais Sistemática e organografia vegetal(54 HA) (49,5H) Zoologia Geral (72 HA) (66H) Estatística Básica (72 HA) (66H) Grupo de obrigatórias anuais Grupo de obrigatórias anuais Grupo de optativas - I, III, V, VI Grupo de optativas - I, II, III, V, VI ATIVIDADES ESPECIAIS COMPLEMENTARES: monitoria, iniciação científica, participação e trabalho em congresso, atividade extensionista, estágio voluntário, minicurso, palestra, curso de línguas, etc. (100 h). 31

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA FLORESTAL. CRÉDITOS Obrigatórios: 241 Optativos: 12.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA FLORESTAL. CRÉDITOS Obrigatórios: 241 Optativos: 12. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:09:29 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br 70 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrícola e Ambiental ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e Ambiental

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br 78 Currículos dos Cursos do CCA UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br 198 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Ambiental ATUAÇÃO O curso de Engenharia Ambiental da UFV

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde BLOCO I ANFITEATRO A 78 carteiras c/ PG - EA Manutenção e Lubrificação de Máquinas Agrícolas PG -EA Ensaio de Máquinas Agrícolas Radiação Solar- SALA 2 SALA 3 SALA 4 50 carteiras c/ SALA 7 SALA 8 SALA

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA

DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA 06/ 05/ INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO º SEMESTRE 05 ANEXO II EDITAL Nº 8/05 DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA Técnico em Redes de Computadores

Leia mais

Tecnologia em Produção de Grãos

Tecnologia em Produção de Grãos Tecnologia em Produção de Grãos Nível/Grau: Superior/Tecnólogo Vagas: 30 Turno: Matutino Duração: 3 anos mais estágio (7 semestres) Perfil do Egresso O profissional estará capacitado para: Produzir grãos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br

ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br 180 Currículos dos Cursos do CCE UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O curso de Engenharia da UFV habilita o futuro profissional

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC ENGENHARIA AMBIENTAL Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 29/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.637, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.637, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.637, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma:

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma: 5.2 Objetivo do Curso Capacitar o aluno para que se torne um profissional com habilidades para produzir mais e melhor, com competência para gerenciar e gerar tecnologias que reduzam os impactos negativos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSOS DE GRADUAÇÃO

ESTRUTURA CURRICULAR CURSOS DE GRADUAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PERÍODO DISCIPLINAS C.H. 1º Antropologia e Sociologia 60 Língua Portuguesa 60 Matemática Básica 60 Metodologia Científica 60 TGA I 60 2º Ciências da Religião 60 Instituições do Direito Público

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO AGENDA 2. ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS 3. MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 07/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Considerando a Resolução Nº 39/99, do CONSEPE/UFPB, que sistematiza a elaboração e reformulação dos projetos pedagógicos; e

Considerando a Resolução Nº 39/99, do CONSEPE/UFPB, que sistematiza a elaboração e reformulação dos projetos pedagógicos; e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 Aprova a estrutura curricular do curso de graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 95/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

FACULDADE SANTA RITA

FACULDADE SANTA RITA FACULDADE SANTA RITA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL BACHARELADO Matriz Curricular 1º SEMESTRE Introdução à Engenharia Geometria Analítica e Álgebra Linear 04 80 Cálculo I 04 80 Tópicos de Economia para Engenharia

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

DISCIPLINAS CHP CHS CHST CHSP

DISCIPLINAS CHP CHS CHST CHSP MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA (Bacharelado) Aplicada aos Ingressantes a partir de 2011/1 Turnos Integral Matutino/Vespertino e Integral Vespertino/Noturno 1 o Período BIOLOGIA CELULAR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 117 Bacharelado ATUAÇÃO O Bacharelado em Ciências Biológicas tem como objetivo principal formar e capacitar

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 65 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 092/07-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR PROCESSOS GERENCIAIS (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES DE OFERTA E DE CADASTRO DO CURSO PARA A DICON

ANEXO III CONDIÇÕES DE OFERTA E DE CADASTRO DO CURSO PARA A DICON ANEO III CONDIÇÕES DE OFERTA E DE CADASTRO DO CURSO PARA A DICON (para cursos em regime de progressão em ciclos, deve ser preenchido um formulário para o 1º ciclo e uma para cada 2º ciclo) Nome do curso:

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Marco Aurélio Pedron e Silva pedron@mail.ufv.

Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Marco Aurélio Pedron e Silva pedron@mail.ufv. 88 Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Marco Aurélio Pedron e Silva pedron@mail.ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 89 Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA Comissão Permanente Organizadora de Concurso Público

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA Comissão Permanente Organizadora de Concurso Público 1 VAGAS REMANESCENTES 0 CUIABÁ Atualizado em 11 de Agosto de 2009 Faculdade de Ciências Médicas Faculdade de Nutrição Instituto de Saúde Coletiva Arquitetura e Urbanismo Ciências Básicas em Saúde Alimentos

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

A formação profissional de engenharia UFRA. Prof. Sergio Pinheiro

A formação profissional de engenharia UFRA. Prof. Sergio Pinheiro A formação profissional de engenharia agronômica pela UFRA Prof. Sergio Pinheiro O Curso de Agronomia da UFRA Início: 1951 Escola de Agronomia da Amazônia (EAA) Criado pelo Decreto Lei nº. 8.290, de 05.12.1945.

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/12/2004, seção 1, pág.29. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA.

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA. EDITAL Nº 00/204 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA Módulo I Educação a Distância e Ambiente Virtual de Aprendizagem História e

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

Edital de Retificação nº 357, de 21 de novembro de 2013

Edital de Retificação nº 357, de 21 de novembro de 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

1º período. 2º período

1º período. 2º período 1º período Eixo Disciplina CH Pré-requisito Correquisito (C) 1 Cálculo I 90 9 Contexto Social e Profissional do Engenheiro Civil 30 7 Desenho Técnico 30 1 Geometria Analítica e Álgebra Vetorial 90 2 Laboratório

Leia mais

Bacharelado em Humanidades

Bacharelado em Humanidades UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado em Humanidades 1. Perfil do Egresso Em consonância

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL (540/I Integral 02 e SEM_02) (Para alunos ingressos entre 2006 a 2008) CÓD. D. DEPTOS. DISCIPLINAS 1º 2º 3º 4º 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª C/H 0872/I DEMAT/I Cálculo I 3 51 0873/I

Leia mais

Ministério da Educação. Gabinete do Ministro

Ministério da Educação. Gabinete do Ministro Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 556, de 25 de fevereiro de 2005 (DOU nº 39, Seção 1 página 23, de 28/2/2005) O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições e tendo

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

POR UMA CIÊNCIA AGRONÔMICA: caminhos para a formação sistêmica nas ciências agrárias

POR UMA CIÊNCIA AGRONÔMICA: caminhos para a formação sistêmica nas ciências agrárias POR UMA CIÊNCIA AGRONÔMICA: caminhos para a formação sistêmica nas ciências agrárias Aquiles Simões Universidade Federal do Pará COMPREENDER UMA REALIDADE AGRÁRIA EM SUA DIVERSIDADE, OS DIFERENTES MODOS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 006/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2013 APRESENTAÇÃO Os programas das Áreas de Concentração

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Mara Rosana dos Santos E-mail: nutricao@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 211 Ser Nutricionista É atuar em todas

Leia mais

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais;

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 34/2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Química Industrial, Bacharelado,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Ciências Sociais Graduação em Ciência Política, Sociologia, Filosofia ou Antropologia. Seminários Graduação em Administração Pública, Administração

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Cursos 2.232 12,69 189,49. Matrículas 492.880 10,65 147,39. Vagas 244.629 12,88 191,25. Candidatos 696.072 10,83 139,22

Cursos 2.232 12,69 189,49. Matrículas 492.880 10,65 147,39. Vagas 244.629 12,88 191,25. Candidatos 696.072 10,83 139,22 Nº em 2010 Crescimento Período 2001/2010 Médio (%) Total (%) Nº em 2015 Cursos 2.232 12,69 189,49 Matrículas 492.880 10,65 147,39 Vagas 244.629 12,88 191,25 Candidatos 696.072 10,83 139,22 Ingressantes

Leia mais

SIC 36/05. Belo Horizonte, 23 de junho de 2005. ENADE. Distribuído a assessorados da CONSAE.

SIC 36/05. Belo Horizonte, 23 de junho de 2005. ENADE. Distribuído a assessorados da CONSAE. SIC 36/05 Belo Horizonte, 23 de junho de 2005. ENADE PORTARIA Nº 2.205, de 22 de junho de 2005. Ministro da Educação. O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto

Leia mais