CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas"

Transcrição

1 CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das e 3º Seminário de Marketing Relacionado a Causas 25 de outubro de

2 Objetivos Estudar atitudes e comportamentos do setor privado (empresas e organizações sociais) em relação ao marketing relacionado a causas. Levantar a incidência de ações de MRC no mercado brasileiro. 2

3 Metodologia Quantitativa, com entrevistas autopreenchidas através da Internet Universo Pesquisado e Amostra: ( Amostra = 88) Selecionadas entre as 1000 Maiores e Melhores empresas de 2005, publicada pela Revista Exame em 2006 Com os responsáveis pelas ações na área social ou parcerias com organizações sociais. Os dados foram ponderados para representar os setores de atividade (Indústria 53%, Serviços 26%, Comércio 18% e Construção 3%) ( Amostra = 92) Com os responsáveis por estas organizações. Alguns resultados foram comparados aos da pesquisa sobre MRC de 2003, realizada entre as 500 maiores empresas e com a Pesquisa realizada entre Consumidores, apresentada no Seminário MRC em 2005 Coleta de dados: de 14 de agosto a 17 de setembro de

4 Resultados 4

5 A maioria das organizações sabe o que é Marketing Relacionado a Causas Você sabe o que é MRC? Não 12% Sim 88% Em pesquisa com empresas em 2003, 55% disseram conhecer o conceito 5

6 E percebem os vários aspectos positivos do Marketing Relacionado a Causas Na sua opinião o MRC: (estimulada) É uma forma legítima e efetiva para captar recursos financeiros para a Organização Fortalece a imagem da Organização, contribuindo para agregar valor à sua marca É uma ferramenta importante para conscientizar e mobilizar a sociedade civil em prol de uma causa Contribui para disseminar uma causa com mais abrangência que a disseminação isolada da Organização Base Dados em %

7 Principais fontes de financiamento Parcerias com empresas e Doações de indivíduos Fontes de Financiamento: (estimulada) Dados em % Parceria com empresas Doações de indivíduos Venda de produtos e serviços Financiamento internacional Recurso do governo brasileiro Fundações / Institutos/ Outras ONGs Eventos promocionais Base Origem do maior volume de recursos: 46% 37% Financiamento Internacional 37% Governo 7

8 As ações de MRC são, naturalmente, mais propostas pelas, porém também há próatividade por parte das empresas OSC s % Quem propôs a ação de MRC? (estimulada) Organização 45 Empresa 32 Ambos/ Algumas situações a organização e outras o parceiro 23 71% dos contratos são negociados em 6 meses 19% levam de 6 meses a um ano em negociação 8

9 O Marketing Relacionado a Causas é uma experiência relativamente nova para grande parte das organizações. 84% realizam ações há menos de 5 anos (%) Há quanto tempo realiza ações de MRC? Menos de 1 ano + de 1 a 5 anos + de 5 a 10 anos + de 10 anos 9

10 A motivação para realizar uma ação de MRC está baseada no seguinte trinômio: OSC s Captação de recursos (94%) Divulgação da ONG (68%) Disseminação da causa (61%) Na visão dos consumidores (2005) as que realizam ações de MRC conquistam: Mais recursos financeiros (50%) Maior credibilidade (21%) Disseminação da causa (10%) Base: 811 Maior visibilidade (8%) 10

11 Quase a metade dos programas tem prazo indeterminado Duração do Programa (estimulada) Prazo indeterminado Com freqüência prédeterminada (1x por mês, 2x por ano, etc.) Até um ano Mais de um a três anos Apenas uma vez / Dia D (dia único de mobilização) Base Dados em % Total

12 53% das não têm uma área ou profissionais específicos para a captação de recursos OSC s Possui uma área ou profissionais específicos para a captação de recursos? Não 53% Sim 47% Base: Total de OS s (92) E 55% das que realizam MRC têm pessoal específico para cuidar de Marketing Relacionado a Causas Possui uma pessoa específica para cuidar de MRC? Sim 55% Não 45% Base: que realizam/ já realizaram MRC (31) 12

13 & 13

14 93% das empresas realizam investimentos sociais. As áreas responsáveis passaram a ser mais estratégicas % Tipo de Investimento Doação Patrocínio Voluntariado corporativo Beneficio fiscal Financiamento Apoio logístico Base Dados em % Não Sim Áreas Responsáveis Dados em % Área de RH Instituto ou fundação corporativa Ação ou responsabilidade social/ corporativa Presidência/ Vice Presidência/ Superintendência Área de marketing Assuntos corporativos/ relações institucionais Comunicação (social/ corporativa/ cidadania) Base Empresa

15 Em 2007 cresceu a proporção das empresas que trabalham com a definição de mais de um tema para as ações sociais Desenvolvimento Comunitário é um tema relevante em 2007 (%) Empresa/07 82 Número de temas? Qual? Qual? Educação Desenvolvimento Comunitário Meio ambiente Dados em % Empresa Saúde Empresa/ Cultura 10 Esporte 6 Não há tema prédefinido Mais de um tema Apenas um tema Não há tema definido Base

16 Concordância com Princípios e Premissas na Parceria (continua) O comprometimento e sinergia entre os parceiros são princípios assimilados por ambas as partes, em teoria. P.31A RU % de concordo totalmente Parceiros devem manter postura ética e transparente na concepção/ implementação do programa com seus públicos de interesse O programa deve ser monitorado e avaliado para viabilizar os ajustes necessários e a prestação de contas constante aos públicos envolvidos A parceria deve beneficiar todos os envolvidos: a causa, a empresa e a sociedade Devese buscar objetivo comum que se quer alcançar com o programa e deixar claro os objetivos específicos de cada um dos parceiros Os parceiros devem estar comprometidos no longo prazo, com a alta gerência envolvida e acordos formalizados Base

17 Concordância dos Princípios e Premissas na Parceria (continuação) P.31A RU % de concordo totalmente Os parceiros devem compartilhar valores que estejam alinhados com a causa do programa O programa deve ser norteado por uma visão de responsabilidade social e de desenvolvimento sustentável Os parceiros devem respeitar suas diferenças, valorizar seus ativos e aproveitar a expertise de cada um para promover o aprendizado mútuo Os parceiros devem buscar a excelência na operacionalização de todas as suas atividades (negócio/ prestação de serviço/ institucionais) Os parceiros devem zelar por sua missão e valores e manter sua sustentabilidade independentemente do programa Base OSC s

18 Na prática...apenas metade das monitoram os recursos financeiros e os resultados sociais do MRC, já entre as OCSs este percentual é maior. Continua pequena a proporção de que medem os resultados mercadológicos Monitoram os recursos financeiros do MRC? (%) Houve alguma mensuração dos resultados sociais? Houve alguma mensuração dos resultados mercadológicos gicos? OSC s OSC s ** Empresa * Empresa * Empresa * Empresa Empresa Empresa * Base pequena ** Apenas 18

19 A maioria das e fazem prestação pública de contas do recurso financeiro arrecadado (%) OSC s 31 Empresa * Sim Não *Base pequena E 74% das e 82% das empresas se utilizam de relatórios para a prestação de contas, juntamente com a web e imprensa 19

20 Ações de MRC Situação em relação ao MRC: atual e futura pretendem continuar realizando/ realizar estas ações (89%) Aumentou o % de empresas que não realizam e não pretendem realizar ações de MRC. Lembrando que 93% realizam investimentos sociais em geral % 27% OCS s 92 /07 88 Nunca realizou e não pretende realizar Nunca realizou mas pretende realizar Realizou e não pretende realizar Realizou e pretende realizar Realiza atualmente e pretende continuar /

21 As principais motivações para adoção de um programa de MRC são a visão de responsabilidade social da empresa e agregar valor à imagem da marca Nesta medição a percepção do valor agregado à marca é bem maior Principais razões Faz parte da visão de responsabilidade social da empresa Agregar valor à imagem da marca Comunicar ao meu consumidor a causa que a empresa apóia Arrecadar recursos para a causa que a empresa já havia adotado Vontade do presidente/ liderança Aumentar vendas e/ou market share Base Dados em % Empresa * 30 Para os consumidores (2005), o retorno do MRC para as empresas se relaciona com: Valorização da marca (36%) Aumento nas vendas (35%) Maior credibilidade do consumidor (27%) *Base pequena 21

22 Mais da metade das empresas que nunca utilizaram MRC demonstram desconhecimento da ferramenta, resultado semelhante ao de 2003 Principais razões (estimulada) Falta conhecimento/ proposta A natureza do negócio não é adequada para a utilização da ferramenta Desconhece ferramenta/ não sabe utilizála Ainda não surgiu oportunidade/ não foi necessário/ não é prioridade Não encontramos parceiros adequados/ Falta de equipe para buscar A Empresa é contrária ao MRC A empresa tem como postura não misturar ações de cunho social ou ambiental com o marketing Está em andamento/ fundação opera Base Dados em % ONG nova / pouco conhecida/ Está iniciando

23 Todos concordam que as ações de marketing ligadas a causas sociais contribuem com a empresa, inclusive os que nunca realizaram MRC % Sim Contribuir para atingir objetivos da empresa Contribuir para atingir objetivos sociais da empresa É uma excelente oportunidade de agregar valor à marca Contribuir para a empresa atingir seus objetivos de marketing Contribuir para a fidelização dos clientes Trazer retorno financeiro para a empresa Receio que a associação da marca a causas possa parecer oportunista Total Base: 88 23

24 (%) e consideram a comunicação importante para o sucesso do MRC As reforçam que as empresas devem comunicar o seu apoio à causas sociais. Importância da Comunicação Concorda que as empresas comuniquem o seu apoio a causas sociais e/ ou organizações? (%) 2 16 Outros motivos que levam a concordar: Dados em % Não utilizar o apoio às causas para autopromoção Total 94 OSC s Empresa * Pouco importante + ou importante Importante Muito importante 82 OSC s 31 Disc., porém por outro(s) motivo(s) Conc., porém por outro(s) motivo(s) Conc., porque quer saber o que as empresas estão fazendo pelo social 24 Dão exemplo para motivar as demais Agregar valor à marca / fortalece a marca Devem ser transparentes no uso de recursos Para saber a área de atuação da empresa para futuras alianças Base 88% dos consumidores (2005) concordam/ concordam totalmente que É importante que as empresas comuniquem o que estão fazendo pelo social Base: * *Base pequena

25 Critérios para escolha da causa Continuam valorizando, principalmente, a importância da causa para a sociedade e sua adequação à política de responsabilidade social da empresa 2007 % Top % Top 2 Importância da causa para a sociedade Adequação da causa à política de responsabilidade social da empresa Afinidade da causa com o produto, público, posicionamento de marca Visibilidade da causa Alinhamento da causa com a estratégia do negócio Causa apoiada pelos colaboradores da empresa e dirigentes Já tinha ações sociais relacionadas com a causa apoiada Muito importante Nada importante Não sei avaliar 25 *Base pequena

26 Os temas/ causas continuam diversificados Há tendência de ampliar o foco ambiental e inclusão social Causa/ tema da ação ( estimulada) Ecologia e meioambiente (conservação ambiental / reciclagem) Saúde (câncer infantil/ compra de remédios/ atendimento a enfermos) Ações de apoio à crianças/ adolescentes Inclusão social de pessoa deficiente Combate à fome/ apoio na alimentação (arrecadação de alimentos/ restaurante popular) Educação Infraestrutura/ bem estar da comunidade (construção de reservatório de água/ saneamento básico etc.) Cultura (estimular a produção de TV e cinema) Microcrédito Base *Base pequena 26 Dados em % * Empresa 2003 Em 2005, os consumidores sugeriam causas voltadas para os seguintes públicos: Crianças (40%) Saúde (30%) População de baixa renda (17%) Idosos (17%)

27 A estratégia de associação de imagem da marca com a causa foi mais aplicada no MRC Associação de imagem com uma causa Disseminação/ informação sobre a causa apoiada Venda de produtos da empresa vinculada à causa Empresa ajudou a vender produtos de uma ONG ou causa social Financiamento direto Reversão de uma porcentagem das vendas dos produtos da instituição Captação de recursos junto a pessoa física e jurídica % Natureza do programa Para 63% das empresas as ações são contínuas, ao longo do ano 27 *Base pequena

28 Os principais retornos dos programas para as são: % de vendas, fortalecimento da imagem da instituição e a disseminação da causa Forma de retorno do programa ( estimulada) Dados em % Percentual de vendas/ Licenciamento Associação de imagem/ fortalecimento da Imagem institucional Disseminação da causa Valor fixo Arrecadação de doações junto a clientes Valor fixo agregado ao produto Base

29 Várias áreas das OCSs/ se envolvem nos programas de MRC Em 2007 cresce a participação das áreas nas empresas. Áreas envolvidas Dados em % Presidência/ diretoria/ superintendência Diretoria 84 Presidência 66 Comunicação/ Marketing Administração/ Assuntos Corporativos Técnico/ Operacional/ Projetos Voluntários 35 RH Captação de recursos/ mobilização de recursos/ responsabilidade social Comercial Ação Social 6 20 Base 31 19* 30 *Base pequena 29

30 Cresce a participação geral dos públicos nas ações, principalmente funcionários, comunidade e fornecedores. Os que mais participam Públicos que participaram da ação Funcionários % GAP Crescimento 2003 vs p.p. Comunidade p.p. Consumidores/ Clientes p.p. O que mais cresceu Fornecedores p.p. Outras empresas *Base pequena 30

31 Critérios para escolha da empresa/ organização parceira Credibilidade da empresa /Transparência % Critério considerado 97 Importância 94 3 ** % Top Alinhamento com os valores da Organização/ causa ** Seriedade e competência comprovadas Visibilidade do parceiro Indicação de pessoas de confiança Proximidade geográfica da Organização Política já existentes do programa de investimento social ** Muito importante Nada importante Não sei avaliar ** Atributo não avaliado no segmento 31 *Base pequena

32 Entre as a intenção é de aumentar o investimento em MRC Metade das empresas que praticam ações de MRC tem a intenção de aumentar seus investimentos nestas ações, resultado semelhante a 2003 (%) OSC s 31 Empresa * Empresa Aumentar Manter Diminuir *Base pequena 32

33 Concluindo... Sobre os investimentos sociais das empresas 93% das empresas realizam investimentos sociais mesmo patamar de 2003 Há um maior número de temas definidos para as ações: Mais de um tema definido 75% em 2007 vs. 42% em 2003 Apenas um tema definido 13% em 2007 vs. 35% em 2003 Como conseqüência, mais áreas estão sendo beneficiadas, principalmente: Desenvolvimento Comunitário Meio ambiente Educação Saúde 33 Os que mais aumentaram em relação a 2003 Os que mais aumentaram em relação a 2003

34 Conhecimento Participação Opinião 83% das sabem o que é MRC: 33% realizam ou já realizaram e pretendem continuar 55% nunca realizaram, mas pretendem realizar 11% nunca realizaram e não pretendem realizar, alegando desconhecimento ou falta de propostas. Em geral, para as, o MRC: É uma forma legítima e efetiva para captar recursos financeiros, Fortalece a sua imagem, É importante para conscientizar a sociedade sobre a causa e Contribui para disseminála A relação das com o MRC: 84% realizam ações de MRC há menos de 5 anos, o que resulta em poucas realizações 68% realizaram de 1 a 5 ações 34

35 A relação das com o MRC: Participação Opinião 21% das realizam ações de MRC ou já realizaram e pretendem continuar. 35% nunca realizaram, mas pretendem realizar Entre as que nunca realizaram e não pretendem realizar (41% vs. 36% em 2003), as principais razões são: Falta de conhecimento Falta de propostas Ser contrária ao MRC (Receio da imagem de oportunistas) 35

36 A relação das com o MRC: Participação Opinião As que realizaram/ já realizaram ações de MRC pensam: Mais nos valores intangíveis: Agrega valor à marca (97%), Transmite seus valores sócioambientais (95%), Ajuda a atingir seus objetivos Menos nos valores tangíveis: Fideliza o consumidor (72%) Aumenta as vendas / traz retorno financeiro (62%) sociais (92%) 36

37 Entre os que realizam/ realizaram ações de MRC O que os motiva? Captação de recursos, Divulgação da Organização, Disseminação da causa motivações alinhadas com a visão dos consumidores (2005), que consideram que, através da prática do MRC, as OSC s obtêm: mais recursos financeiros (50%), maior credibilidade (21%), disseminação da causa (10%), maior visibilidade (8%) Visão de responsabilidade social da empresa, Agregar valor à marca Para os consumidores (2005) empresas que praticam MRC valorizam sua marca (36%) e aumentam sua credibilidade (27%) 37

38 Ação de MRC mais recente... Critérios mais importantes para a escolha da causa: Importância da causa para a sociedade Adequação da causa à política de responsabilidade social da empresa 38

39 Ação de MRC mais recente... Critérios mais importantes para a escolha da causa: Importância da causa para a sociedade Adequação da causa à política de responsabilidade social da empresa Os temas e públicos são diversificados: Tema: Ecologia e meioambiente Saúde Ações de apoio à crianças/ adolescentes Público: Adolescentes Crianças População de baixa renda 39

40 Ação de MRC mais recente... Critérios mais importantes para a escolha da causa: Importância da causa para a sociedade Adequação da causa à política de responsabilidade social da empresa Os temas e públicos são diversificados: Tema: Público: Ecologia e meioambiente Adolescentes Saúde Crianças Ações de apoio à População de baixa renda crianças/ adolescentes O programa funciona, principalmente, através da Associação de imagem com uma causa e da Disseminação/ informação sobre a causa apoiada ação contínua ao longo do ano 40

41 Ação de MRC mais recente... Em mais da metade das OCSs não há uma área ou profissionais específicos para captação de recursos, mas mais da metade conta com pessoal específico para cuidar de Marketing Relacionado a Causas Tanto nas empresas quanto nas várias áreas participam do programa de MRC. A participação é das empresas é maior que em Investimentos em MRC: Markenting / Produto continua sendo a principal área da empresa responsável pelo financiamento dos programas, porém cresce a participação de outras áreas 90% das pretendem aumentar seu investimento para o próximo ano, enquanto apenas metade das tem a mesma intenção (resultado semelhante à 2003) 41

42 Parcerias entre e Critérios considerados para escolha das parceiras: : Credibilidade da empresa /Transparência Alinhamento com os valores da Organização/ causa Seriedade e competência comprovadas Contrato de parceria: : Seriedade e competência comprovadas Visibilidade do parceiro Há um contrato, geralmente, com tempo indeterminado A negociação dura até 6 meses Metade das empresas/ OSC s assinam contratos com garantias financeiras 42

43 Sobre os resultados das ações de MRC mais recentes... A teoria não está totalmente em prática São raras as empresas que mensuram os resultados mercadológicos das ações de MRC (23%) Já os resultados sociais são acompanhados: 68% nas e 46% nas empresas (cai em relação a 2003: 46%) A maioria das e fazem prestação de contas pública do recurso financeiro arrecadado 43

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e 3º Seminário de Marketing Relacionado a Causas 25 de outubro de 2007 1 Objetivos Estudar atitudes e comportamentos

Leia mais

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL Jôer Corrêa Batista Considerações Preliminares. Filantropia Assistência Ação Social Transformação Social Tendências O amadorismo no Terceiro Setor vem

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO

SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO SANTANDER INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO DASHBOARD CICLO DE 3 ANOS DE AVALIAÇÃO NOSSA CAUSA Inclusão social e econômica da população brasileira. DIRETRIZES Fortalecer políticas públicas e não se perder em

Leia mais

2012 ABERJE Estudo sobre o Mercado Fornecedor de Comunicação Associação Brasileira de Comunicação Empresarial

2012 ABERJE Estudo sobre o Mercado Fornecedor de Comunicação Associação Brasileira de Comunicação Empresarial FEVEREIRO DE 2012 2012 ABERJE Estudo sobre o Mercado Fornecedor de Comunicação Associação Brasileira de Comunicação Empresarial Concepção, planejamento e coordenação: Prof. Dr. Paulo Nassar Desenvolvimento:

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade BRASILPREV SEGUROS E PREVIDÊNCIA S/A 24.09.2014 Sumário 1. INTRODUÇÂO 3 2. DEFINIÇÕES 4 3. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES 6 4. DIRECIONAMENTO 7 5. PREMISSAS 9 6. DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Tendências do voluntariado empresarial estratégico

Tendências do voluntariado empresarial estratégico Grupo de Estudos do Voluntariado Empresarial Tendências do voluntariado empresarial estratégico Reinaldo Bulgarelli Txai Consultoria e Educação CVSP, 05 de outubro de 2011 NOSSA AGENDA DE TRABALHO: 8h30

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

Workshop Alinhamento. Junho 2009

Workshop Alinhamento. Junho 2009 Workshop Alinhamento Junho 2009 Mini-censo Educação Atuar em parceria não é novidade para associados que praticam seu ISP na área da Educação na própria execução de seus programas recebendo aportes de

Leia mais

Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE

Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE CONTEXTO: O TERCEIRO SETOR Terceiro Setor O Terceiro Setor é um tipo de Frankenstein : grande, heterogêneo, construído de pedaços, desajeitado,

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO 12/5/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 4 4 CONCEITOS... 4 5 DIRETRIZES... 4 6 REGRAS... 5 7 RESPONSABILIDADES... 7 8 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 7 2 1 OBJETIVO

Leia mais

Apresentação. Ideograma japonês que significa ser humano;

Apresentação. Ideograma japonês que significa ser humano; Apresentação Ideograma japonês que significa ser humano; Apresentação As barras significam a necessidade de se construir uma sociedade mais justa com cidadãos conscientes das suas obrigações. Não devemos

Leia mais

Relatório de Investimento e Gestão Social 2014

Relatório de Investimento e Gestão Social 2014 Relatório de Investimento e Gestão Social 2014 Divisão de Promoção da Cidadania Empresarial e Projetos com a Sociedade - PCSC Departamento de Responsabilidade Social e Projetos com a Sociedade PCS Sumário

Leia mais

Política de Responsabilidade Social, Doações e Patrocínios

Política de Responsabilidade Social, Doações e Patrocínios Política de Responsabilidade Social, Doações e Patrocínios Política de Responsabilidade Sumário Introdução Objetivo Aprovação Patrocínios 3 4 5 6 1. Categorias de Patrocínios 6 2. Patrocínios via Leis

Leia mais

Departamento. Responsabilidade Social ELETROBRÁS

Departamento. Responsabilidade Social ELETROBRÁS Departamento de Responsabilidade Social ELETROBRÁS das@eletrobras.com (21) 2514-6146 Histórico de Criação da Área 1º Momento 27.01.2003 Res - 038/2003 Coordenadoria para o Desenvolvimento Humano e Responsabilidade

Leia mais

Política de investimentos sociais 3M

Política de investimentos sociais 3M Política de investimentos sociais 3M 1. Objetivos A presente política tem por finalidade estabelecer os critérios para investimento em projetos sociais com recursos próprios visando: Estabelecer os princípios

Leia mais

PEQUENA CASA DA CRIANÇA

PEQUENA CASA DA CRIANÇA PROJETO REDE EXTENSIVA DE APRENDIZAGEM ENTIDADE BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO MISSÃO VISÃO VALORES IMPACTO DIAGNÓSTICO DA REGIÃO Pequena Casa da Criança CNPJ: 92.852.953/0001-04 Registrada sob o nº 429

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

Construindo a cultura da sustentabilidade

Construindo a cultura da sustentabilidade Construindo a cultura da sustentabilidade Fabio Pozza Superintendente de Desenvolvimento e Mercado Unimed Londrina Muito se discute a respeito do tema, mas em termos empresariais, o que é sustentabilidade?

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia nacional

Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia nacional Excelência na Gestão Desafio dos Pequenos Negócios INSTITUCIONAL SEBRAE MISSÃO Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

Bienvenidas y bienvenidos

Bienvenidas y bienvenidos Bienvenidas y bienvenidos Responsabilidade Social: o investimento social de micro e pequenas empresas da Rede PDEOS Helena Queiroz Michelle Queiroz Fundação Dom Cabral Brasil helenatrilha@gmail.com michelletrilha@gmail.com

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Convênio Nacional Petrobras-Sebrae: Inserção de MPEs na cadeia

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Atual DE Denominação PÚBLICOS Social DE da Draft II Participações INTERESSE S.A. Sumário Introdução 3 Objetivo da Norma 4 Conceitos básicos

Leia mais

Os desafios de capacitação dos profissionais certificados Workshop de Certificação

Os desafios de capacitação dos profissionais certificados Workshop de Certificação Os desafios de capacitação dos profissionais certificados Workshop de Certificação 01.10.2015 A promoção da Educação Financeira é um das prioridades da ANBIMA Fortalecer o mercado de capitais no Brasil

Leia mais

Gestão de Negócios (8)

Gestão de Negócios (8) Gestão de Negócios (8) Modelo: BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Hernan E. Contreras Alday A grande idéia O Balanced Scorecard (painel balanceado de controle) usa, essencialmente, a medição integral de desempenho

Leia mais

TENDÊNCIAS PARA O MERCADO DE COACHING

TENDÊNCIAS PARA O MERCADO DE COACHING TENDÊNCIAS PARA O MERCADO DE COACHING 2017 ANÁLISE REALIZADA POR: CAROLINE CALAÇA - (DEVELOPMENT) FONTES: SHERPA SURVEY 2016 ERICKSON INTERNATIONAL SURVEY Perfil das pessoas que responderam a pesquisa

Leia mais

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea Carlos Henrique Paganetto Roma Junior SUSTENTABILIDADE NA SOCIEDADE Problemas centrais Uso insustentável e predatório dos recursos

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PRIORIDADE DE INVESTIMENTO: INVESTIMENTO NA CONSERVAÇÃO, PROTECÇÃO, PROMOÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO PATRIMÓNIO CULTURAL

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x

Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x São Bernardo de Campo SP, 04 de março de 2015 Contato: James Allen james@olab.com.br Neste relatório,

Leia mais

Título. Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI

Título. Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI Título Diretrizes de Investimento Social Privado desenvolvida pela AMAGGI Nossos números em 2015 30.004 pessoas beneficiadas diretamente 13 municípios atendidos 18 colaboradores diretos e 01 indireto (cedido

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade.

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. O Baobá é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. Especializada em gestão e sociedade, com foco em sustentabilidade para os setores público e privado.

Leia mais

Escopo de trabalho para elaboração de material e treinamento junto as OSCs do município de Catalão - Goiás

Escopo de trabalho para elaboração de material e treinamento junto as OSCs do município de Catalão - Goiás Escopo de trabalho para elaboração de material e treinamento junto as OSCs do município de Catalão - Goiás 1. Antecedentes Global Communities está buscando empresas parceiras com experiência na elaboração

Leia mais

Sindipan Joinville - Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria de Joinville SACOLA ECOLÓGICA PERMANENTE

Sindipan Joinville - Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria de Joinville SACOLA ECOLÓGICA PERMANENTE Sindipan Joinville - Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria de Joinville SACOLA ECOLÓGICA PERMANENTE a) Iniciativas de Responsabilidade Social da Entidade O Sindicato da Indústria de Panificação

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Patrocínios das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE PATROCÍNIOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Patrocínios das Empresas Eletrobras Política de Patrocínios das Empresas Eletrobras Versão 2.0 19/05/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceito de Patrocínio... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 4.1. Áreas de atuação... 4 4.2. Restrições...

Leia mais

Sustentabilidade como alavanca de valor. Campinas, 7 novembro de 2013

Sustentabilidade como alavanca de valor. Campinas, 7 novembro de 2013 Sustentabilidade como alavanca de valor Campinas, 7 novembro de 2013 Visão Energia é essencial ao bem-estar das pessoas e ao desenvolvimento da sociedade. Nós acreditamos que produzir e utilizar energia

Leia mais

AULA 2. Foi fundada em 1991 para promover a produtividade e a competitividade pela disseminação do Modelo de Excelência da Gestão (MEG)...

AULA 2. Foi fundada em 1991 para promover a produtividade e a competitividade pela disseminação do Modelo de Excelência da Gestão (MEG)... .: ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO ::.. Prof. Leonardo Guimarães Garcia AULA 2 1 Sobre a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) 2 O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 3 Os 8 Fundamentos da Gestão

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO 2016

PLANO DE COMUNICAÇÃO 2016 PLANO DE COMUNICAÇÃO 2016 Associação Executiva de Apoio à Gestão de Bacias Hidrográficas Peixe Vivo Janeiro 2016 AGB PEIXE VIVO SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Contexto... 4 3. Justificativa... 6 4. Objetivo

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

Política de Comunicação Integrada do Sistema Eletrobrás

Política de Comunicação Integrada do Sistema Eletrobrás Política de Comunicação Integrada do Sistema Eletrobrás Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 3 1 OBJETIVOS Promover a comunicação integrada entre as empresas do Sistema e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL

GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL CAPITAL INTELECTUAL Valor agregado aos produtos da organização por meio de informação e conhecimento. Composto: Habilidades e conhecimentos das pessoas Tecnologia Processos

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS

CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS CASE - MARKETING DE DESTINO PARA EVENTOS Premissas Importantes Os eventos têm importância significativa na área do turismo, além de ser a atividade que mais crescem nesse segmento. Segundo Zanella (2003),

Leia mais

GESPÚBLICA - FMVZ/USP

GESPÚBLICA - FMVZ/USP Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia GESPÚBLICA - FMVZ/USP Desburocratização & Excelência 2008 O que é GESPÚBLICA? É o programa do Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA. Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto

PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA. Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROPOSTA AUTOR: Laerte Silveira Porto Participação efetiva

Leia mais

Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA.

Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA. SUSTENTABILIDADE Para a Unimed, sustentabilidade significa o equilíbrio entre SAÚDE AMBIENTAL, SAÚDE SOCIAL e SAÚDE ECONÔMICA. Na busca deste equilíbrio, propõe-se a reduzir resíduos e emissões, estimular

Leia mais

INSPETOR. defesa da sociedade. Importante aliado na DO CREA SP ANOS INSPETORES

INSPETOR. defesa da sociedade. Importante aliado na DO CREA SP ANOS INSPETORES INSPETOR DO CREA SP Importante aliado na defesa da sociedade ANOS C O M V O C Ê INSPETORES 1 Inspetor do Crea-SP: nosso importante aliado na defesa da sociedade Para garantir a segurança da sociedade e

Leia mais

Artigo: Planejamento com foco na execução

Artigo: Planejamento com foco na execução Artigo: Planejamento com foco na execução O uso do BSC no BANDES Gilson Domingues Cardoso Planejamento com foco na execução Gilson Domingues Cardoso gilson@ bandes.com.br e gilsondc@gmail.com RESUMO Trata

Leia mais

Cultura Ética. Deives Rezende Filho Superintendência de Ética e Ombudsman

Cultura Ética. Deives Rezende Filho Superintendência de Ética e Ombudsman Cultura Ética Deives Rezende Filho Superintendência de Ética e Ombudsman 1 18 maio 2011 Ética e Ombudsman Missão: Promover um ambiente institucional íntegro, orientando os colaboradores a cultivar o respeito

Leia mais

1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA

1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA 1º ENCONTRO INTERMUNICIPAL DE ESCOLAS DE GOVERNO DA REGIÃO DE SOROCABA A Avaliação de Desempenho em municípios paulistas, com destaque para o município de Tarumã Maria do Carmo M. T. Cruz Gestão de Pessoas

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações

Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações Sustentabilidade nas Contratações Públicas Agosto de 2013 Consumo Sustentável e a Política Federal de Contratações Fernanda Capdeville Analista Ambiental, Especialista em Gestão Pública Departamento de

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO

COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO COMUNICATTION ON PROGRESS - COP São Paulo 2016 1.Apresentação Situada em posição estratégica na Vila Guilherme - Zona Norte de São Paulo a A.S. Transportes Ltda. é uma empresa

Leia mais

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL 1. PoliticadoGrupoThyssenKrupp Esta política trata-se de um complemento à Politica «Group Policy on Corporate Citizenship Activities,MembershipsandTicketsPurchases(últimamodificaçãoJaneiro2013)».

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO INTERNA DA UNIMED CAMPO GRANDE Núcleo de Comunicação e Marketing agosto de 2016

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO INTERNA DA UNIMED CAMPO GRANDE Núcleo de Comunicação e Marketing agosto de 2016 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO INTERNA DA UNIMED CAMPO GRANDE Núcleo de Comunicação e Marketing agosto de 2016 1. INTRODUÇÃO A imagem da Unimed Campo Grande é uma responsabilidade de todos. A forma como nos comunicamos

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor 2016

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor 2016 O que é o Padrão de Gestão e Transparência Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) 2013-2014 é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Maio 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

Marketing, Consumo, Estado e Sociedade

Marketing, Consumo, Estado e Sociedade Marketing, Consumo, Estado e Sociedade Conceito de Marketing...um processo pelo qual se planeja e efetua a concepção, a fixação do preço, a promoção e a distribuição de idéias, bens e serviços que estimulam

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indústria brasileira volta a reduzir seus investimentos 16 foi o terceiro ano consecutivo de grandes dificuldades para a indústria, o que comprometeu os planos

Leia mais

I Fórum ABRH-Brasil de Sustentabilidade O papel do RH na promoção da cultura da sustentabilidade

I Fórum ABRH-Brasil de Sustentabilidade O papel do RH na promoção da cultura da sustentabilidade I Fórum ABRH-Brasil de Sustentabilidade O papel do RH na promoção da cultura da sustentabilidade Anna Paula Rezende Diretora Executiva de Talentos & Sustentabilidade 17 de Novembro de 2015 Quem somos Uma

Leia mais

PROGRAMA ALÉM DOS MUROS

PROGRAMA ALÉM DOS MUROS PROGRAMA ALÉM DOS MUROS Regulamento para inscrição de projetos O Instituto Positivo (IP) é uma organização sem fins lucrativos, que tem o objetivo de gerenciar as atividades de investimento social do Grupo

Leia mais

LEI ANTIFUMO. Luciana Ghidetti de Oliveira

LEI ANTIFUMO. Luciana Ghidetti de Oliveira LEI ANTIFUMO Luciana Ghidetti de Oliveira No dia 4 de setembro, foi publicado no Diário Oficial o decreto que regulamenta a Lei Antifumo no estado do Espírito Santo. Com isso, a Futura foi às ruas conhecer

Leia mais

Política Territorial da Pesca e Aquicultura

Política Territorial da Pesca e Aquicultura Política Territorial da Pesca e Aquicultura Esplanada dos Ministérios, bloco D, CEP 70.043-900 - Brasília/DF Telefone: (61) 3218-3865 Fax (61)3218-3827 www.mpa.gov.br comunicacao@mpa.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

A Empresa Criadora do Conhecimento

A Empresa Criadora do Conhecimento A Empresa Criadora do Conhecimento A Empresa Criadora do Conhecimento 7 DIMENSÕES DA GESTÃO DO CONHECIMENTO (TERRA, 2000) 1.Alta administração: definição dos campos de conhecimento que deverão ter prioridade

Leia mais

PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015

PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015 PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015 Apoio: Cooperação: SOBRE OS AUTORES Hugo Ferreira Braga Tadeu é Professor e Pesquisador da Fundação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Página 1 de 6 RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento sobre a Política Nacional de Comunicação (PNC) no âmbito do Sistema CFN/CRN e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

Rede Mobilizadores. Elaboração de Projetos Sociais: aspectos gerais

Rede Mobilizadores. Elaboração de Projetos Sociais: aspectos gerais Atividade Final: Elaboração de Pré-Projeto Aluno: Maurício Francheschis Negri 1 Identificação do Projeto Rede Mobilizadores Elaboração de Projetos Sociais: aspectos gerais Um dia na escola do meu filho:

Leia mais

OS OBJETIVOS TORNAR A EDUCAÇÃO A GRANDE PAUTA NACIONAL

OS OBJETIVOS TORNAR A EDUCAÇÃO A GRANDE PAUTA NACIONAL OS OBJETIVOS TORNAR A EDUCAÇÃO A GRANDE PAUTA NACIONAL Aumentar a consciência da sociedade de que Educação é a chave para o crescimento pessoal e do país Ampliar o conhecimento da população sobre as principais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

Política Inst. Concessão de Patrocínio

Política Inst. Concessão de Patrocínio Política de Backup Política de Backup Política Inst. Concessão de Patrocínio Página 1 de 5 1. Descrição Política Institucional de Concessão de Patrocínio A Política de Patrocínio da Cooperativa de Economia

Leia mais

O PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA

O PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA O PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA Mobilizando pessoas, transformando vidas O Programa Criança Esperança, uma iniciativa da TV Globo em parceria com a UNESCO desde 2004, é um programa de mobilização social que

Leia mais

CONTRATOS EM INFRAESTRUTURA 2º SEMESTRE DE 2014

CONTRATOS EM INFRAESTRUTURA 2º SEMESTRE DE 2014 CONTRATOS EM INFRAESTRUTURA 2º SEMESTRE DE 2014 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944 com

Leia mais

Introdução PP. Aula 9: Anunciantes

Introdução PP. Aula 9: Anunciantes Introdução PP Aula 9: Anunciantes Conceito Cliente/empresa/organização/instituição ou pessoa que faz uso da propaganda para resolver algum problema de comunicação e atender a uma finalidade específica

Leia mais

METAS DE SUSTENTABILIDADE 2017

METAS DE SUSTENTABILIDADE 2017 METAS DE SUSTENTABILIDADE 2017 Marketing Criar calendário de divulgação de temas específicos (Plano de Comunicação); Ajustar site para deficientes; visuais; In In company Viabilizar um workshop sobre os

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

PROJETOS APOIADOS SISTEMA CACB E PARCEIROS

PROJETOS APOIADOS SISTEMA CACB E PARCEIROS PROJETOS APOIADOS SISTEMA CACB E PARCEIROS AL INVEST 5.0 03 grandes blocos focados no empoderamento feminino: Mentoring para Mulheres AÇÃO FOCO META Desenvolvimento de negócio, mulheres na política e mulheres

Leia mais

SSC570 Empreendedores em Informática. Plano de Negócios. Profa. Ellen Francine ICMC/USP

SSC570 Empreendedores em Informática. Plano de Negócios. Profa. Ellen Francine ICMC/USP SSC570 Empreendedores em Informática Plano de Negócios Profa. Ellen Francine ICMC/USP 1 Motivação Por que preparar um plano de negócios? 2 Processo Empreendedor Identificar e avaliar a oportunidade Desenvolver

Leia mais

PROMOÇÃO DE VENDAS & MERCHANDISING

PROMOÇÃO DE VENDAS & MERCHANDISING PROMOÇÃO DE VENDAS & Prof. Msc. Nilvo A. Colucci 2s 2016 OBJETIVOS DA AULA Aula inaugural: apresentações iniciais e do conteúdo. Fundamentação teórica e alinhamento de conceitos. 1 - Definições e conceitos;

Leia mais

Liderança direta líder da área onde o programa de voluntariado está inserido

Liderança direta líder da área onde o programa de voluntariado está inserido Liderança direta líder da área onde o programa de voluntariado está inserido 1. Quais as principais causas da falta de apoio ao programa? Quando o gestor diretor é da área responsável pelo programa ele

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO. Uma visão. gestão organizacional.

MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO. Uma visão. gestão organizacional. MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO Uma visão sistêmica da gestão organizacional. FUNDAMENTOS DA EXCELÊNCIA Pensamento Sistêmico Aprendizado organizacional Cultura de inovação Liderança e constância de propósitos

Leia mais

Branding para a Eletrobras

Branding para a Eletrobras Branding para a Eletrobras por onde passamos: Reunião de kickoff Entrevistas com executivos da Eletrobras e formadores de opinião 1º Comitê - Diagnóstico de Branding º Comitê - Plataforma da Marca 3º Comitê

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO I MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO I MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS 1. Resumo Executivo (Síntese das principais informações que constam em seu PN. É a principal seção do Plano de Negócios, pois através dele é que o leitor decidirá se

Leia mais

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 A importância da liderança como diferencial competitivo Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 Ellebe Treinamento em Gestão Organizacional A Ellebe atua em empresas públicas e privadas nas áreas

Leia mais

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória.

CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES. 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE CONDIÇÕES EXCLUDENTES 1 Apresentação telemática no prazo estabelecido na convocatória. 2 Apresentação do formulário completo. 3 Orçamento FEDER em conformidade com o que está

Leia mais

CASA RONALD MCDONALD / ASSOCIAÇÃO PROJETO CRESCER ABC

CASA RONALD MCDONALD / ASSOCIAÇÃO PROJETO CRESCER ABC Quem somos CASA RONALD MCDONALD / ASSOCIAÇÃO PROJETO CRESCER ABC A Associação Projeto Crescer do ABC (APC-ABC) é uma instituição sem fins lucrativos e foi criada em maio de 1994 por voluntários do Rotary

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE GESTÃO DA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA GESTÃO DE PESSOAS DIREITO EMPRESARIAL E TRABALHISTA CONTABILIDADE Os recursos

Leia mais

Sustentabilidade Faz Parte do Negócio

Sustentabilidade Faz Parte do Negócio Diretoria de Desenvolvimento Sustentável Sustentabilidade Faz Parte do Negócio São Paulo, 14 de Maio de 2009 Grupo Santander Brasil Grupo Santander Brasil: Mais de 8,5 milhões de correntistas 3.592 Agências

Leia mais

Relatório Investimento Social - 2013

Relatório Investimento Social - 2013 Relatório Investimento Social - 2013 Divisão de Promoção da Cidadania Empresarial e Projetos com a Sociedade - PCSC Departamento de Responsabilidade Social e Projetos com a Sociedade PCS Sumário Projetos

Leia mais