$ 63URGXWRUD. Projeto de Rede. Jorge Martins, José Luiz,Josias Crespo, Juliano Rachid, Tiago Correia 5HGHV&(,17(5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "$ 63URGXWRUD. Projeto de Rede. Jorge Martins, José Luiz,Josias Crespo, Juliano Rachid, Tiago Correia 5HGHV&(,17(5"

Transcrição

1 $ 63URGXWRUD Projeto de Rede Jorge Martins, José Luiz,Josias Crespo, Juliano Rachid, Tiago Correia 5HGHV&(,17(5

2 Ë1',&( (035(6$ PARCEIROS...6 6,78$d 2$78$/ ANALISE DA SITUAÇÃO ATUAL...9 /DQ +DUGZDUH 6RIWZDUH :DQ $'(35(67$d 2'(6(59,d26 62/8d $ INTEGRAÇÃO DOS ESCRITÓRIOS...20 LAN...21 (VWUXWXUDGRV3UpGLRV 7RSRORJLDGRV6HUYLGRUHV 'HVFULomRGRV6HUYLGRUHV WAN HFQRORJLD8WLOL]DGD 7RSRORJLD:DQ $QDOLVHGH7UDIHJR 3/$12'((1'(5(d$0(172 TABELA DE INTERFACE DOS ROTEADORES...48 ',675,%8,d 2'(9Ë'(26 6(*85$1d$ FIREWALL...53 NAT...54 %$&.83(&217,1*Ç1&,$ BACKUP...56 CONTINGÊNCIA...59 *(5(1&,$0(172 &5212*5$0$ $&20(5&,$/ JUSTIFICATIVA...68,19(67,0(1726 &21),*85$d 2'2),5(:$//$1(;2, &21),*85$d 2'26527($'25(6$1(;2,, 2

3 (48,3$0(1726$1(;2,,, RACKS...90 SWITCH S...93 CABEAMENTO...98 ROTEADORES SERVIDORES DESKTOPS...111,26$1(;2,9 %,%/,2*5$),$ 3

4 (PSUHVD Apresentação, Proposta de Prestação de Serviço 4

5 Surgiu da idéia de 5 (cinco) alunos formandos no curso de Tecnologia em Redes de Computadores, que gostariam de trabalhar com serviços em uma empresa de TI Tendo conhecimento das necessidades do mercado, decidiram montar sua própria empresa. A idéia foi bem aceita e reconhecida pelo mercado, que respondeu positivamente, contratando logo de início os serviços prestados. Os sócios da empresa são: Jorge Martins Diretor de Marketing José Luiz Diretor Geral Josias Crespo Diretor Comercial Juliano Rachid Diretor Financeiro Tiago Correia Gerente de Projetos A missão da (7HFQRORJLD é gerar e implementar soluções para os negócios dos clientes, utilizando a tecnologia da informação, capacidades e especializações, com fortes diferenciais competitivos. 'LIHUHQFLDLV» Planejamento e modelagem de soluções totalmente aderentes às necessidades dos clientes, com alta qualidade e agregação de valores;» Desenvolvimento e implementação de projetos amparados em modernas técnicas de planejamento, gestão de objetivos, requisitos, recursos, comunicação, riscos, integração, planos de trabalho e demais fatores agregados;» Comprometimento com os objetivos de nossos clientes, sustentados pela qualidade, superação, disciplina, a atualização, seriedade e o respeito com a marca da nossa empresa; 5

6 » Busca constante no domínio efetivo dos negócios e tecnologia de nossos clientes, possibilitando, maior produtividade, melhor qualidade e, ainda, política de transferência de conhecimentos, e investimentos na capacitação contínua e melhorias sociais de nossos colaboradores 3DUFHULD A (7HFQRORJLDconta com grandes parcerias, viabilizando, assim, a estruturação dos projetos. 6

7 6LWXDomR$WXDO LAN, WAN, Equipamentos, Protocolos, Análise de Tráfego, Custo 7

8 $QiOLVHGD6LWXDomR$WXDO Fusão de duas empresas do ramo de cinema: A Atlântica Produções (5 escritórios) e a Souza Produções (6 escritórios). Os escritórios mencionados estão distribuídos em todo Brasil, da seguinte maneira: $WOkQWLFD3URGXo}HV (SP, RJ, CE, PE, PR) 6RX]D3URGXo}HV (SP(2), AM, PE, PR, RJ) As empresas possuem, aproximadamente, 400 usuários. Dos problemas encontrados, é importante destacar três: - Conexão dial-up - Servidor de baseado em Windows NT - Endereçamento IP mal dimensionado em ambas as empresas Uma das grandes dificuldades para este processo e a falta de consenso entre ambos os centro de IT, de quais tecnologias e métodos as serem utilizados para a integração dos mesmos. Um dos exemplos das grandes dificuldades e a discussão entre quais protocolos será utilizado, onde foram encontradas duas soluções: 1º Uma solução mais complexa onde as duas redes utilizarão apenas um protocolo de comunicação (IP), porém uma solução que terá um tempo maior para conclusão. 2º Seria uma solução onde cada empresa irá manter os protocolos utilizados atualmente (IP e Apple Talk), sendo esta uma solução de integração teoricamente mais simples e com resultado mais imediato. 2EMHWLYRV Construção de uma rede WAN para a integração (físicas, financeiras e operacionais) das duas empresas, levando em consideração a confiabilidade e custo-benefício da mesma. Após a integração, a A&S Produções disponibilizará em seu website, filmes para o público em geral, comercializará produções em streaming e processos de produções dos filmes ao vivo. 8

9 7RSRORJLD/$1 A estrutura da LAN das empresas está definida da seguinte maneira: - Cabos UTP, par trançado (Cat. 5E), para o cabeamento horizontal - Path Panel (Padrão RJ-45) - RJ-45 Fêmea - Hub Abaixo temos a topologia LAN de cada empresa: $WOkQWLFD3URGXo}HV 9

10 6RX]D3URGXo}HV 2EVHUYDomR A utilização de hub não é a melhor alternativa. Há uma perda considerável de performance na rede, devido ao fato de os hubs compartilharem o mesmo domínio de colisão, provocando, assim, o broadcast. 10

11 +DUGZDUH 'LVWULEXLomRGH(VWDo}HV $QGDU 4XDQWLGDGH 3º 15 4º 15 9º 15 10º 7 Sites Remotos 100 7RWDO 152 (VWDo}HV'HVNWRSV (PSUHVD 3URFHVVDGRU +' 5$0 Atlântica Pentium GHz 20 GB 256 MB Pentium Souza 4 GB 64 MB MHz (PSUHVD Atlântica Souza (VWDo}HV1RWHERRNV &RQILJXUDomR Toshiba Tecra 8100 P3 750 MHz Toshiba Sattelite 2340CDT 6HUYLGRUHV (PSUHVD 3URFHVVDGRU +' 5$0 Atlântica Pentium GHz 40 GB 1.0 GB Atlântica Pentium GHz 60 GB 1.0 GB Atlântica Souza Souza Souza Pentium MHz Pentium MHz Pentium MHz Pentium MHz 8 GB 256 MB 15 GB 128 MB 20 GB 128 MB 8 GB 128 MB 11

12 6RIWZDUH 0DF2V Souza Pentium MHz 8 GB 128 MB È um sistema estável e compatível com sistemas operacionais de mesa. Foi projetado para trabalhar com a plataforma Macintosh. Tem uma arquitetura baseada em aplicativos de sistema, interface do usuário, conjunto de framework de aplicativos. :LQGRZVH:LQGRZV6HUYHU È um sistema baseado na tecnologia NT. Reduz o custo, porque simplifica o gerenciamento do sistema. O Windows 2000 server oferece vários recursos para rede e gerenciamento do mesmo. &RUHO'UDZ Aplicativo para edição digital de imagens e animações. $GREH3UHPLHUH Aplicativo para edição de vídeos. $GREH3KRWRVKRS È um aplicativo para edição de imagem digital. É indipensável para design gráficos e design para Web. 3DJH0DNHU É o aplicativo ideal para criações de folhetos e boletins informativo. 0LFURVRIW2IILFH O Microsoft Office disponibiliza Excel ( Planilha de cálculos ),Word ( para textos ),Access (para criação de banco de dados), Power Point ( Apresentação de slides e imagens ), Front Page (editor criação de páginas na Internet)e Outlok (correio eletrônico, calendário e contatos) 12

13 0LFURVRIW([FKDQJH O Exchange Server foi desenvolvido para atender as necessidades de mensagens e colaboração de empresas de todos os portes. Juntamente com o seu software cliente, o Microsoft Outlook, o Exchange fornece uma infra-estrutura de mensagens e colaboração altamente confiável, escalonável e de fácil gerenciamento. 0LFURVRIW2XWORRN É um aplicativo que vem integrado com o Microsoft Office e no Exchange Server,sua funcionalidade é organizar informações para trabalhar de modo rapido com aplicações do Office. Os protocolos para funcionalidade do outlook com a internet (SMTP,POP3 e IMAP4) 6$3 SAP é um software de Gestão Empresarial. Seu nome oficial e R/3. Possibilita a interligação dos processos de negócios, contribuindo para integrar a organização e compartilhando as informações em tempo real, de maneira confiável e segura. É altamente integrado, abastece de maneira imediata, em tempo real, alterações sobre informações criticas que afetam todas as funções organizacionais. 3HRSOH6RIW È um softaware de Gestão Empresarial,possui uma família de produtos para setores empresarias. PeopleSoft Enterprise, possui uma configuração flexível e aberta é destinado a órgãos financeiros, governamentais, de educação, assistência médica e outros setores. É adequada também para funções empresariais de amplo alcance, como recursos humanos, finanças, IT, compras, marketing, serviços e vendas em todos os setores. PeopleSoft EnterpriseOne, é software de aplicativo de negócios destinado ao setor, possui uma estrutura rápida de ser implantado e fácil de administrar. PeopleSoft World, é um software para plataforma IBM iseries,sua principal vantagem é que os aplicativos estão integrados e reunidos e um banco de dados,com arquitetura habilitada para a Web. 13

14 6\JDWH)LUHZDOO Possui um poderoso sistema de segurança contra intrusos, trojans e ataques hacker. Quando o programa detecta um port scanning ou tentativa de invasão, ele automaticamante bloqueia a conexão e avisa-o sobre o problema antes que o hacker roube dados do seu computador. 1RUWRQ$QWLYLUXV É um programa que basicamente tem como funcionalidade,protejer e detectar e limpar os arquivos infectados com virus,para que o mesmo não venha a interferir na funcionalidade do sistema. 1RUWRQ8WLOLWLHV È um programa que possui ferramentas essências para melhorar o desempenho do micro e para achar possíveis problemas com hardware e com windows e corrigilas. 1RUWRQ)LUHZDOO O programa é um firewall que protege seus PC contra invasores, inclui instruções, painel de controle entre outras funções para esconder seu PC de Hackers. 0F$IHH9VKLHOG È um programa que tem como objetivo protejer e detectar e limpar arquivos infectados com vírus. 14

15 7RSRORJLD:$1 Fazendo uma análise das topologias WAN das empresas, nota-se problemas em comum. Ambas dependem apenas um local como concentrador de informações, ou seja, não há duplicação de dados, o que gera uma grande insegurança em toda a rede. Outro problema considerável é a utilização da conexão dial-up, que acarreta uma lentidão notavél na troca de informações de aplicativos, tráfego de s, etc. Abaixo temos a topologia WAN das empresas: $WOkQWLFD3URGXo}HV 15

16 6RX]D3URGXo}HV 16

17 3URSRVWDGHSUHVWDomRGHVHUYLoR 17

18 A (7HFQRORJLDirá viabilizar a integração de maneira ágil, confiante e renovadora dentro do mercado de tecnologia atual, contando com um corpo técnico altamente qualificado e gerentes competentes para montar toda a estrutura lógica do projeto. O projeto visa toda uma transformação no quadro tecnológico das empresas:,qiud(vwuxwxud Toda a infra-estrutura será renovada visando um projeto simplificado, onde os custos iniciais serão justificados pela facilidade que toda a rede da empresa A&S terá em um futuro crescimento, no ágil gerenciamento e na consolidação de serviços e informações da empresa. /yjlfd Dentro do quadro atual das empresas, a estrutura lógica não suportaria a prestação de serviços visada através da fusão. Toda esta estrutura foi revista e aproveitada dentro dos possíveis méritos do projeto para que uma nova estrutura fosse criada. )XQFLRQDOLGDGH O projeto visa deixar a rede com a maior funcionalidade possível, fazendo-o de forma simples e eficaz, atendendo e superando as espectativas do contratante. 0DQXWHQomR O projeto da E5, não visa somente a implantação de novos serviços e renovação da área tecnológica da A&S, mas também visa toda a manutenção futura que será necessária dentro de todos os sites da empresa. Com esta preocupação, a ( 7HFQRORJLD pretende fazer com que a manutenção destes sites tenham um tempo muito maior para ser executado do que outros projetos possam oferecer. A segurança da empresa e todo o seu patrimônio serão aumentados significativamente, não sendo submetidos a intervenções por outras empresas prestadoras de serviços. 18

19 6ROXomR3URSRVWD LAN, WAN, Equipamentos, Protocolos, Análise de Tráfego, Custo 19

20 ,QWHJUDomRGRV(VFULWyULRV No primeiro momento os gastos das duas empresas terão uma ligeira elevação com a fusão dos sites, mas como poderemos notas futuramente, estes gastos serão rapidamente recompensados. &HQWUDOL]DomRGRJHUHQFLDPHQWR Facilidade no gerenciamento de usuários, tráfego de rede, banda utilizada pelo site, informações, arquivos e documentação de toda a rede. 5HGXomRGHFXVWRVFRPLQIUDHVWUXWXUDGDGRVHOpWULFDLPyYHO WHOHFRPXQLFDomR Todos os custos serão reduzidos a partir do momento em que todas as estruturas físicas e lógicas estiverem montadas em um só lugar deixando de haver, desta maneira, a necessidade de haver locações dos mesmos serviços em dois locais diferentes. 6HJXUDQoD Tendo toda a infra-estrutura lógica da empresa em apenas um local, a proteção a esta estrutura será muito mais ágil e segura, sendo que estes sites terão suas informações salvas localmente e também na matriz. $JLOLGDGHQDPDQXWHQomRJHUDOGRVVLWHV Todos os serviços terceirizados atualmente dentro das duas empresas serão filtrados para que não haja duplicidade entre os mesmos, reduzindo desta maneira os custos com todos os tipos de manutenção necessária para o funcionamento do site. 20

21 /$1 21

22 (VWUXWXUDGRVSUpGLRV Escritórios da Atlântica e da Souza que estavam no mesmo estado foram integrados. Aplicado esse critério temos a seguinte distribuição para a A&S Produções: São Paulo-SP (Matriz) São Paulo-SP (Filial) Rio de Janeiro-RJ Fortaleza-CE Recife-PE Curitiba-PR Manaus-AM /RFDO 3UpGLR 3RQWRV$QGDU SP (Matriz) 6 andares 1200 m² 120 SP 5 andares 1200 m² 120 RJ 5 andares 1200 m² 120 CE 2 andares 1000 m² 100 PE 5 andares 1200 m² 120 PR 5 andares 1200 m² 120 AM 5 andares 1200 m²

23 (VWUXWXUD3UpGLR0DWUL]63 23

24 (VWUXWXUDGR3UpGLRGDV)LOLDLV635-3(35H$0 24

25 (VWUXWXUDGR3UpGLRGD)LOLDO&( 25

26 3ODQWDEDL[DGRVDQGDUHVGHPð 26

27 3ODQWDEDL[DGRVDQGDUHVGHPð 27

28 7RSRORJLDGRV6HUYLGRUHV±0DWUL] 7RSRORJLD6HUYLGRUHV±)LOLDLV 28

29 'HVFULomRGRV6HUYLGRUHV0DWUL]±/DQ 6HUYLGRU &659 'HVFULomR 'RPDLQ&RQWUROOHU Para serviço de diretório, logon da rede local e o gerenciamento de contas e direitos de usuários dentro da rede. '16 Para resolver nomes na Internet e na rede local. :,16 Para resolver nomes locais. '+&3 Para distribuição de IP s para a rede local. &659 'RPDLQ&RQWUROOHU Para serviço de diretório, logon na rede local e o gerenciamento de contas e direitos de usuários, este por sua vez irá juntamente com o CSRV1 fazer o balanceamento de carga e tolerância à falhas, sendo que os usuários poderão se logar tanto no CSRV1 ou no CSRV2 e se algum deles cair por falha de sistemas ou precisar de manutenção o outro estaria disponível para suprir este serviço dentro da rede. '16 Para resolver nomes na Internet e na rede local. Este, por sua vez, irá juntamente com o CSRV1 fazer o balanceamento de carga e tolerância a falhas. :,16 Para resolver nomes locais. '+&3 Para distribuição de IP s para a rede local este por sua vez irá juntamente com o CSRV1 fazer o balanceamento de carga e tolerância a falhas, pois é recomendado que tenha outro escopo para a mesma rede para que o CSRV1 possa entrar em manutenção sem que a disponibilidade da rede seja afetada. 29

30 $54 Servidor de Arquivos de toda a rede local, sendo que o tipo de arquivo ficará definido pela política adotada de criar quotas e quais tipos de arquivos poderão ser gravados neste servidor. %.3 Este Servidor ira fazer o gerenciamento dos backups e agentes, de todos os jobs da rede local (matriz) junto com robô de backup. (0/ Servidor Exchange 2003 Enterprise Edition, com o IIS instalado rodando o SMTP, HTTP. Ele guardará toda a base de s da rede local, através do POP. Este servidor terá instalado o antivírus para o Exchange e também o cliente de antivírus. Servidor de certificados digitais, para comunicação assinada digitalmente. 6(* Servidor de antivírus interno, que fará distribuição das atualizações para os clientes da rede local e para os servidores das filiais que conseqüentemente farão a distribuição para os seus clientes locais. Sus Software Update Server. %' Este será o banco de dados da empresa onde estarão os dados de informação de toda a empresa, como funcionários, clientes, fornecedores, etc. :(% Responsável pelo gerenciamento e toda distribuição de aplicação da Intranet. 35; Será o Proxy da rede. Fará o bloqueio de acesso a sites, armazenamento de páginas em cache e autenticação de cada usuário que tenta entrar em algum site. 30

31 'HVFULomRGRV6HUYLGRUHV0DWUL]±'0= (0/ Servidor Exchange 2003 Enterprise Edition que será o FRONT/END da organização. Neste servidor será feita a transição dos s através do SMTP e através dele será utilizado o webmail da empresa através de HTTP. '16 Será o DNS Primário para resolução de nomes na internet. 9,'(2 Responsável pelo armazenamento dos vídeos que serão disponibilizados via WEB. %' Neste servidor teremos uma cópia da tabela de endereços de vídeos a serem disponibilizados para os usuários, sendo que esta tabela esta localizada inicialmente no servidor de BD(1). :(% Responsável pelo armazenamento do website da empresa. Este também será o nosso servidor de DNS secundário que irá resolver nome na Internet e se comunicar com o primário. 'HVFULomRGRV6HUYLGRUHV0DWUL]±2II/DQ Este servidor ira executar o sistema de proteção à intrusão da empresa.,'6 Em cada um dos switchs teremos uma porta mirror, ou seja, uma porta espelhada com as outras e irá enxergar todo o conteúdo das outras portas, devido ao fato de termos um IDS de seguimento, onde irá fazer o monitoramento de todo o trafego que vai para DMZ e para a rede interna. Este monitoramento será logado e analisado na Workstation ligada ao IDS. 31

32 'HVFULomRGRV6HUYLGRUHV)LOLDLV±/DQ Para serviço de diretório, logon da rede local e o gerenciamento de contas e direitos de usuários dentro da rede. '16 Para resolver nomes na internet e na rede local. :,16 Para resolver nomes locais. &659 '+&3 Para distribuição de ip ś para a rede local. Servidor Exchange 2003 Enterprise Edition, como o IIS instalado rodando o SMTP, HTTP, esse Exchange guardara toda a base de s da rede local, através do POP. Terá antivírus para o Exchange e também o cliente de antivírus. Servidor de antivírus interno, que fará distribuição das atualizações para os clientes da rede local. Para serviço de diretório, logon na rede local e o gerenciamento de contas e direitos de usuários. Irá juntamente com o CSRV1 fazer o balanceamento de carga e tolerância à falhas, sendo que os usuários poderão se logar tanto no CSRV1 ou no CSRV2 e se algum deles cair por falha de sistemas, ou precisar de manutenção, o outro estaria disponível para suprir este serviço dentro da rede. &659 '16 Para resolver nomes na Internet e na rede local este por sua vez irá juntamente com o CSRV1 fazer o balanceamento de carga e tolerância a falhas. :,16 Para resolver nomes locais. '+&3 Para distribuição de IP ś para a rede local este por sua vez irá juntamente com o CSRV1 fazer o balanceamento de carga e 32

33 tolerância a falhas, pois é recomendado que tenha outro escopo para a mesma rede para que o CSRV1 possa entrar em manutenção sem que a disponibilidade da rede seja afetada. Servidor de Arquivos de toda a rede local sendo que o tipo de arquivo ficará definido pela política adotada de criar quotas e quais tipos de arquivos poderão ser gravados neste servidor. 33

34 :$1 34

35 7HFQRORJLD8WLOL]DGD )UDPH5HOD\ Levando em consideração que o projeto deverá interligar várias LANs, geograficamente dispersas, em alta velocidade, escolhemos o Frame Relay. Outra característica importante é que a tecnologia suporta muito bem o tráfego em rajadas, ou seja, um alto volume de informações em um curto intervalo de tempo, o que fundamental para o nosso projeto. Haverá uma otimização de recursos, visto que teremos um ponto concentrador de acesso a vários outros pontos. 3URWRFROR5,3Y O protocolo RIP é baseado em uma troca de mensagens entre os roteadores, onde cada mensagem do RIP contém uma série de informações sobre as rotas que o roteador conhece. Isso é feito com base na sua tabela de roteamento atual e a distância do roteador para cada uma das rotas. A distância entre roteadores é calculada por hopes, ou seja, número de saltos necessários para alcançar determinado ponto. A troca de informações entre roteadores acontece quando o mesmo é inicializado, quando há atualização na tabela de roteamento do roteador causada por uma mudança nas rotas da rede, ou simplesmente pela atualização por intervalos regulares, geralmente de 30 segundos. É um protocolo de simples configuração e implementação nas redes. Em cada roteador configurado com RIP, deve-se contemplar todas as redes adjacentes conectadas ao respectivo roteador. Para a estrutura projetada para a A&S Produções, o protocolo RIP trabalha de forma eficiente. O RIP utiliza o algoritmo do tipo distance-vector (distância vetorial), ou seja, há uma determinação o melhor caminho entre dois pontos, levando em conta somente o numero de saltos (hops) entre eles. Esta técnica ignora outros fatores que fazem diferença nas linhas entre os dois pontos, como: velocidade, utilização das mesmas (tráfego) e toda as outras métricas que podem fazer diferença na hora de se determinar o melhor caminho entre dois pontos. 35

36 7RSRORJLD:DQ 36

37 $1È/,6('(75È)(*2 37

38 0tQLQR 0i[LPR 3RUFHQWDJHP 4WG0tQLPR4WG0i[LPR % 0 5, % 8,32 16, ,96 145, % 25,6 51, % 56,32 112, % 10,24 20,48 $WOkQWLFD0tQLPR $WOkQWLFD0i[LPR +RUiULR 4XDQWLGDGH 7DPDQKRESV +RUiULR 4XDQWLGDGH 7DPDQKRESV 01: , ,92 01: , ,18 02: , ,80 02: , ,18 03: , ,90 03: , ,60 04: , ,80 04: , ,18 05: , ,78 05: , ,60 06: , ,90 06: , ,60 07: , ,74 07: , ,94 08: , ,68 08: , ,68 09: , ,88 09: , ,80 10: , ,70 10: , ,41 11: , ,68 11: , ,18 13: , ,98 13: , ,59 14: , ,18 14: , ,52 15: , ,74 15: , ,12 16: , ,59 16: , ,62 17: , ,78 17: , ,89 18: , ,89 18: , ,86 19: , ,14 19: , ,10 20: , ,84 20: , ,33 21: , ,37 21: , ,03 22: , ,30 22: , ,78 23: , ,30 23: , ,78 38

39 6RX]D0tQLPR 6RX]D0i[LPR +RUiULR 4XDQWLGDGH 7DPDQKRESV +RUiULR 4XDQWLGDGH 7DPDQKRESV 01: , ,88 01: , ,27 02: , ,70 02: , ,26 03: , ,34 03: , ,40 04: , ,70 04: , ,26 05: , ,17 05: , ,39 06: , ,34 06: , ,40 07: , ,10 07: , ,40 08: , ,52 08: , ,01 09: , ,32 09: , ,70 10: , ,54 10: , ,62 11: , ,52 11: , ,76 13: , ,46 13: , ,38 14: , ,78 14: , ,77 15: , ,62 15: , ,17 16: , ,39 16: , ,43 17: , ,18 17: , ,34 18: , ,83 18: , ,28 19: , ,71 19: , ,16 20: , ,26 20: , ,49 21: , ,55 21: , ,55 22: , ,46 22: , ,67 23: , ,46 23: , ,67 39

40 $ 60tQLPR $ 60i[LPR +RUiULR 4XDQWLGDGH 7DPDQKRESV +RUiULR 4XDQWLGDGH 7DPDQKRESV 01: , ,90 01: , ,22 02: , ,25 02: , ,72 03: , ,12 03: , ,00 04: , ,25 04: , ,72 05: , ,47 05: , ,50 06: , ,12 06: , ,00 07: , ,92 07: , ,17 08: , ,60 08: , ,84 09: , ,60 09: , ,25 10: , ,12 10: , ,01 11: , ,60 11: , ,47 13: , ,72 13: , ,48 14: , ,48 14: , ,14 15: , ,68 15: , ,64 16: , ,49 16: , ,53 17: , ,48 17: , ,61 18: , ,36 18: , ,07 19: , ,93 19: , ,13 20: , ,05 20: , ,41 21: , ,96 21: , ,29 22: , ,88 22: , ,22 23: , ,88 23: , ,22 40

41 '(7$/+$0(172'269$/25(60Ë1,026 +RUiULR 7DPDQKR /$1 :$1 01:00 02: : : : : :00 08:00 09:00 10:00 11:00 13:00 14:00 15:00 16: :00 18:00 19: : : : : UDIHJRWRWDO 7UDIHJRPpGLR 41

42 '(7$/+$0(172'269$/25(60È;,026 +RUiULR 4XDQWLGDGH /$1 :$1 01:00 02: : : : : :00 08:00 09:00 10:00 11:00 13:00 14:00 15:00 16: :00 18:00 19: : : : : UDIHJRWRWDO 7UDIHJRPpGLR 42

43 1~PHURGH+RVWV &21&/86 2 %DVHGHFiOFXOR 0DWUL]0ESV )LOLDO0ESV 7RWDO Trafego Máximo Trafego Minimo Diferença Médio kbps/host &iofxorgrv/lqnv 0DWUL] 7RWDO)LOLDLV 7RWDOSRU)LOLDLV CIR ,74 Be EIR

44 Gráfico 01 44

45 Gráfico 02 45

46 3ODQRGH(QGHUHoDPHQWR 46

47 Todo o esquema de endereçamento foi refeito em cima de sub-redes. Com elas pode-se obter um melhor dimensionamento e distribuição dos endereços, evitando-se disperdícios. Foram utilizados ranges de IP ś de classe B*. Cada site terá o seu próprio range de ip definido e gerenciado localmente sem manter nenhuma dependência da matriz. Dentro deste escopo alguns dos IPs disponíveis, para as redes serão reservados para equipamentos que necessitem por motivos de funcionalidade ou de segurança um número fixo de IP. 0DWUL] Terá os primeiros 22 números válidos reservados para estes equipamentos: ± O restante do range para a LAN : ± Dentro da matriz teremos um segundo range de IP reservado exclusivamente para a DMZ da empresa onde estarão localizados os servidores que irão ter acesso público. )LOLDLV Terá os primeiros 10 números validos reservados para estes equipamentos**: ± O restante do range para a LAN : ± * O segundo octecto representa a região (SP,RJ,PE, etc). ** Entre as filiais haverá mudança somente no segundo octecto para identificação da regia onde se encontra a filial. /RFDO 7DEHODGH(QGHUHoDPHQWR (QGHUHoDPHQWR,3 SP (matriz) /22 SP (matriz DMZ) /24 SP /22 RJ /22 PR /22 PE /22 CE /23 AM /22 47

48 7DEHODGH(QGHUHoDPHQWRGDV,QWHUIDFHVGRV5RWHDGRUHV 5RWHDGRU,QWHUIDFH,3 M S /30 M S /30 A S /30 A S /30 SP S /30 SP S /30 C S /30 C S /30 RJ S /30 RJ S /30 C S /30 C S /30 CE S /30 CE S /30 C S /30 C S /30 PE S /30 PE S /30 B S /30 B S /30 PR S /30 PR S /30 B S /30 B S /30 AM S /30 AM S /30 B S /30 B S /30 M E /22 SP E /22 RJ E /22 CE E /23 PE E /22 PR E /22 M E /22 48

49 'LVWULEXLomRGH9tGHRV 49

50 'LVWULEXLomRGH9tGHRV Através de seu website, A&S Produtora distribuirá e comercializará filmes, produções em streaming e processo de produções dos filmes em tempo real. 3~EOLFRHPJHUDO poderão fazer downloads ou assistir em streaming trechos de filmes (PSUHVDVFDGDVWUDGDV poderão fazer downloads ou assistir em streaming trechos de filmes e produções completas. &OLHQWHV poderão fazer downloads ou assistir em streaming trechos de filmes, produções completas e o processo de produção dos filmes ao vivo. O processo de distribuição em tempo-real funcionará da seguinte maneira: A câmera captura as imagens e as direcionam para um transmissor O transmissor repassa para um receptor O receptor usa o servidor como armazenador das cenas, este servidor também será gerenciado de maneira interna para que se possa ter um controle do delay na transmissão do vídeo que ira efetuar este controle dando inicio somente quando 65KB do filme estiver armazenado então se dara a transmissão dos vídeos. Os dados passam pelo roteador onde estará definida uma política de QOS para a priorização de pacotes na transmissão de vídeo. Na estação dos usuários será dado o início ao processo de bufferização e transmissão do vídeo. 3~E OLFR 50

51 6HJXUDQoD 51

52 Para garantir total funcionalidade e a tranqüilidade referente ao nosso projeto dentro da A&S Produções,foram definidas algumas políticas e tecnologias para a garantia da segurança das informações. Temos a oferecer a A&S Produções projeto de segurança centralizado dentro da matriz para que a gerência destas políticas fiquem focadas em pessoas ou equipes, e não segmentadas por diversos pontos da empresa. -,QWHUQHW Através da nossa topologia WAN todas as filiais da empresa terão que passar primeiro pela matriz antes que saiam para a nuvem da Internet. Desta forma, teremos diversas possibilidades de gerência neste tópico tais como: o Controle ao conteúdo acessado pelos usuários. o Bloqueio de sites inseguros ou de conteúdos indesejados. o Eliminação de possíveis pontos de ataques. - )LUHZDOO Todas as unidades serão controladas apenas por um firewall central, uma vez que a saída para Internet também será centralizada na matriz. Desta maneira, qualquer tentativa de invasão, a qualquer uma das localidades, será facilmente detectada e bloqueada. - 6HUYLGRUHV Para todos os servidores iremos utilizar as próprias policies do sistema operacional Windows. Serão habilitados senhas e usuários individuais para cada administrador dos servidores. Todos os servidores de acesso público estarão separados por uma DMZ, na qual terá um range de ip diferenciado do restante dos demais servidores que prestam algum tipo de serviço somente para a rede interna.,'6 Tanto a área de servidores públicos, como a área onde se encontra os servidores da LAN, serão monitorados em tempo integral pelo IDS, que visa detectar e barrar as tentativas de invasão aos nossos servidores. Este equipamento terá uma máquina ligada a ele somente para a análise de eventos e logs sendo que esta maquina não fará parte de nenhuma das duas redes. - 5RWHDGRUHV Como temos em nosso projeto uma homogeneidade dos nossos roteadores iremos adotar algumas regras de boas maneiras indicadas pela própria fabricante (CISCO), tais como: - Desabilitação de serviços que não serão utilizados pela empresa - Ter aplicado em cada roteador o conceito de senha forte. - Criptografia de senha. - Filtros de pacotes ACL s 52

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 6: Firewall Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Qual a função básica de um firewall? Page 2 Introdução Qual a função básica de um firewall? Bloquear

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Prof.: Roberto Franciscatto Introdução FIREWALL Introdução Firewall Tem o objetivo de proteger um computador ou uma rede de computadores,

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Definição O Firewal é um programa que tem como objetivo proteger a máquina contra acessos indesejados, tráfego indesejado, proteger serviços que estejam rodando

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR FIREWALL LIVRE UTILIZANDO IPTABLES

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR FIREWALL LIVRE UTILIZANDO IPTABLES PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR FIREWALL LIVRE UTILIZANDO IPTABLES 1. Introdução O IPTABLES é um software usado para analisar os pacotes que passam entre redes. A partir desse princípio podemos

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall

Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall Douglas Costa Fábio Pirani Fernando Watanabe Jefferson Inoue Firewall O que é? Para que serve? É um programa usado para filtrar e dar segurança em

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7 ÍNDICES OBJETIVOS 1 JUSTIFICATIVAS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 SEGURANÇA - INTERNET 1 SISTEMA OPERACIONAL 2 PROTOCOLO TCP/IP 2 INTRANET 2 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 ESTAÇÕES 2 MICROS 3 IMPRESSORAS 3 PLANTA

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Oficina de ferramentas de Gerência para Redes em Linux

Oficina de ferramentas de Gerência para Redes em Linux Oficina de ferramentas de Gerência para Redes em Linux Introdução Mesmo as pessoas menos familiarizadas com a tecnologia sabem que a internet não é um "território" livre de perigos. É por esta razão que

Leia mais

Elaboração de Script de Firewall de Fácil administração

Elaboração de Script de Firewall de Fácil administração Elaboração de Script de Firewall de Fácil administração Marcos Monteiro http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br IPTables O iptables é um firewall em NÍVEL DE PACOTES e funciona baseado

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI Ambiente Windows Small Business Rev 10501 DATA : 5 / 07/ 2007 Pag : 1 de7 1) Servidores a) Hardware o Servidor Alocado em Rack Fechado em ambiente reservado e refrigerado

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Firewall NetFilter (iptables) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução O firewall é um programa que tem como objetivo proteger

Leia mais

Firewall - IPTABLES. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.

Firewall - IPTABLES. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity. Firewall - IPTABLES Conceitos e Prática Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com 01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com O que são Firewalls? São dispositivos constituídos por componentes de hardware (roteador capaz de filtrar

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

LABORATÓRIO V. NAT E FIREWALL Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO V. NAT E FIREWALL Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO V NAT E FIREWALL Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Julho / 2010 Laboratório V NAT e Firewall

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais Serviço Proxy - SQUID Prof. Bruno Pereira

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores - Parte 1 Prof.: Roberto Franciscatto Introdução O que é uma Rede de Computadores? Conjunto de módulos de processamento interconectados

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

NAT com firewall - simples, rápido e funcional

NAT com firewall - simples, rápido e funcional NAT com firewall - simples, rápido e funcional Todo administrador de redes aprende logo que uma das coisas mais importantes para qualquer rede é um bom firewall. Embora existam muitos mitos em torno disto,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Compartilhamento da internet, firewall

Compartilhamento da internet, firewall da internet, firewall João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 29 Exemplo de transmissão 2 / 29 Exemplo de transmissão Dados trafegam em pacotes com até 1460 bytes de dados e dois headers de 20 bytes

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

Iptables. Adailton Saraiva Sérgio Nery Simões

Iptables. Adailton Saraiva Sérgio Nery Simões Iptables Adailton Saraiva Sérgio Nery Simões Sumário Histórico Definições Tabelas Chains Opções do Iptables Tabela NAT Outros Módulos Histórico Histórico Ipfwadm Ferramenta padrão para o Kernel anterior

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR GERENCIA DE REDES DE COMPUTADORES 4º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Erik de Oliveira, Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRONIM, IMPLANTAÇÃO SQL SERVER GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA Cliente GOVBR, UEM-MARINGA / Prefeitura Municipal de PEROLA Data 10/09/2015 Versão 1.0 Objeto:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. O processo de Navegação na Internet A CONEXÃO USUÁRIO

Leia mais

Instalação e Configuração Iptables ( Firewall)

Instalação e Configuração Iptables ( Firewall) Instalação e Configuração Iptables ( Firewall) Pág - 1 Instalação e Configuração Iptables - Firewall Desde o primeiro tutorial da sequencia dos passo a passo, aprendemos a configurar duas placas de rede,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Firewall. Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br

ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX. Firewall. Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br ADMINISTRAÇÃO DE REDES I LINUX Firewall Frederico Madeira LPIC 1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br São dispositivos que têm com função regular o tráfego entre redes distintas restringindo o

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Estado do Paraná PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Estado do Paraná PROMOÇÃO POR COMPETÊNCIAS E HABILIDADES (Decreto nº 1.306/2011) TÉCNICO DE GESTÃO PÚBLICA FUNÇÃO PLEITEADA: TGPC14 - Assistência em Análise e Suporte

Leia mais

Obs: Endereços de Rede. Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante. Obs: Padrões em Intranet. Instalando Interface de Rede.

Obs: Endereços de Rede. Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante. Obs: Padrões em Intranet. Instalando Interface de Rede. Obs: Endereços de Rede Firewall em Linux Kernel 2.4 em diante Classe A Nº de IP 1 a 126 Indicador da Rede w Máscara 255.0.0.0 Nº de Redes Disponíveis 126 Nº de Hosts 16.777.214 Prof. Alexandre Beletti

Leia mais

Autor: Armando Martins de Souza Data: 12/04/2010

Autor: Armando Martins de Souza <armandomartins.souza at gmail.com> Data: 12/04/2010 http://wwwvivaolinuxcombr/artigos/impressoraphp?codig 1 de 12 19-06-2012 17:42 Desvendando as regras de Firewall Linux Iptables Autor: Armando Martins de Souza Data: 12/04/2010

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

IPTABLES. Helder Nunes Haanunes@gmail.com

IPTABLES. Helder Nunes Haanunes@gmail.com IPTABLES Helder Nunes Haanunes@gmail.com Firewall Hoje em dia uma máquina sem conexão com a internet praticamente tem o mesmo valor que uma máquina de escrever. É certo que os micros precisam se conectar

Leia mais

Nettion Security & Net View. Mais que um software, gestão em Internet.

Nettion Security & Net View. Mais que um software, gestão em Internet. Nettion Security & Net View Mais que um software, gestão em Internet. Net View & Nettion Security Mais que um software, gestão em Internet. A Net View e a Nettion Security Software se uniram para suprir

Leia mais

Firewalls, um pouco sobre...

Firewalls, um pouco sobre... Iptables Firewalls, um pouco sobre... Firewalls Realizam a filtragem de pacotes Baseando-se em: endereço/porta de origem; endereço/porta de destino; protocolo; Efetuam ações: Aceitar Rejeitar Descartar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Processo Seletivo Instrutor nº 03/2011

Processo Seletivo Instrutor nº 03/2011 l CRONOGRAMAS E TEMAS DAS Verifique o dia, o horário e o local das aulas práticas no quadro-resumo e nas tabelas seguintes de acordo com o seu número de inscrição e o seu cargo. QUADRO-RESUMO CARGO DESCRIÇÃO

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

A gestão e monitoria é feita via interfaceweb no estilo Dashboard com idioma em português e inglês. Um solução da VAMIZI, LDA.

A gestão e monitoria é feita via interfaceweb no estilo Dashboard com idioma em português e inglês. Um solução da VAMIZI, LDA. INTRODUÇÃO O Vamizi Firewall é uma plataforma baseada em Linux especializada na proteção e monitoria de rede que possui uma interface WEB de gestão, agregando diversos serviços em um pacote integrado de

Leia mais

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Ø Computador Ø Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Ø Arquiteturas físicas e lógicas de redes de

Leia mais

Firewalls em Linux. Tutorial Básico. André Luiz Rodrigues Ferreira alrferreira@carol.com.br

Firewalls em Linux. Tutorial Básico. André Luiz Rodrigues Ferreira alrferreira@carol.com.br Firewalls em Linux Tutorial Básico André Luiz Rodrigues Ferreira alrferreira@carol.com.br 1 O que é um Firewall? Uma série de mecanismos de proteção dos recursos de uma rede privada de outras redes. Ferramenta

Leia mais

Professor Claudio Silva

Professor Claudio Silva Filtragem caso o pacote não seja permitido, ele é destruído caso seja permitido, ele é roteado para o destino Além das informações contidas nos pacotes o filtro sabe em que interface o pacote chegou e

Leia mais

FIREWALL COM IPTABLES. www.eriberto.pro.br/iptables. by João Eriberto Mota Filho 3. TABELAS. Tabela Filter ESQUEMA DA TABELA FILTER

FIREWALL COM IPTABLES. www.eriberto.pro.br/iptables. by João Eriberto Mota Filho 3. TABELAS. Tabela Filter ESQUEMA DA TABELA FILTER FIREWALL COM IPTABLES www.eriberto.pro.br/iptables by João Eriberto Mota Filho 3. TABELAS Tabela Filter Vejamos o funcionamento da tabela filter (default) e as suas respectivas chains: ESQUEMA DA TABELA

Leia mais

Firewall e Proxy. Relatório do Trabalho Prático nº 2. Segurança em Sistemas de Comunicação

Firewall e Proxy. Relatório do Trabalho Prático nº 2. Segurança em Sistemas de Comunicação Segurança em Sistemas de Comunicação Relatório do Trabalho Prático nº 2 Firewall e Proxy Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 07.11.2006

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FITOTECA AUTOMATIZADA Substituição dos Silos Robóticos Storagetek 9310

ESPECIFICAÇÃO DE FITOTECA AUTOMATIZADA Substituição dos Silos Robóticos Storagetek 9310 Especificação Técnica 1. A Solução de Fitoteca ofertada deverá ser composta por produtos de Hardware e Software obrigatoriamente em linha de produção do fabricante, não sendo aceito nenhum item fora de

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Hardening de Servidores

Hardening de Servidores Hardening de Servidores O que é Mitm? O man-in-the-middle (pt: Homem no meio, em referência ao atacante que intercepta os dados) é uma forma de ataque em que os dados trocados entre duas partes, por exemplo

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

Apresentação - Winconnection 7

Apresentação - Winconnection 7 Apresentação - Winconnection 7 Conteúdo: Principais Novidades Produtos Recursos Plugins Requisitos Comparativo Dicas de Configuração Principais Novidades Principais Novidades: Novo Administrador Web Sistema

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

PERGUNTAS FREQUÊNTES SOBRE O FLAI SECURITY 3.0 DEPARTAMENTO COMERCIAL. Última Revisão: 05/12/2008

PERGUNTAS FREQUÊNTES SOBRE O FLAI SECURITY 3.0 DEPARTAMENTO COMERCIAL. Última Revisão: 05/12/2008 Página 1 / 13 PERGUNTAS FREQUÊNTES SOBRE O FLAI SECURITY 3.0 DEPARTAMENTO COMERCIAL Última Revisão: 05/12/2008 Página 2 / 13 SISTEMA P1: Quais são as grandes inovações do Flai 3.0? R: Além do remodelamento

Leia mais

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Laboratório de IER 7 o experimento Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Introdução LANs Ethernet (padrão IEEE 802.3 e extensões) atualmente são construídas com switches

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Delfa M. HuatucoZuasnábar 2010 2 A década de 50 - Uso de máquinas complexas de grande porte operadas por pessoas altamente especializadas e o enfileiramento de usuários para submeter

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

Proposta de serviços Plot

Proposta de serviços Plot Proposta de serviços Plot Situação da Plot e expectativas Por favor confira. A proposta depende destas informações serem corretas. A Plot possui hoje aproximadamente 30 estações de trabalho para seus funcionários

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

acesse: vouclicar.com

acesse: vouclicar.com Transforme como sua empresa faz negócios, com o Office 365. Vouclicar.com A TI chegou para as pequenas e médias empresas A tecnologia é hoje o diferencial competitivo que torna a gestão mais eficiente,

Leia mais

ENH916-NWY. Manual do Usuário

ENH916-NWY. Manual do Usuário ENH916-NWY Manual do Usuário Aviso da FCC Este equipamento foi testado e se encontra em conformidade com os limites de dispositivo digital de Classe B, de acordo com a Parte 15 das Regras de FCC. Estes

Leia mais

BEMATECH LOJA LIVE. Requerimento de Infra-instrutura (servidores no cliente)

BEMATECH LOJA LIVE. Requerimento de Infra-instrutura (servidores no cliente) BEMATECH LOJA LIVE Requerimento de Infra-instrutura (servidores no cliente) Versão 1.0 03 de março de 2011 DESCRIÇÃO Este documento oferece uma visão geral dos requerimentos e necessidades de infra-estrutura

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

SEG. EM SISTEMAS E REDES. Firewall

SEG. EM SISTEMAS E REDES. Firewall SEG. EM SISTEMAS E REDES Firewall Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2014 SUMÁRIO 1) Firewall 2) Sistema de detecção/prevenção de intrusão (IDS) 3) Implementação de

Leia mais