A Risk Breakdown Structure proposal for Multiple Project Software Environments

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Risk Breakdown Structure proposal for Multiple Project Software Environments"

Transcrição

1 A Risk Breakdown Structure proposal for Multiple Project Software Environments Camila Gomes Pereira (Universidade Federal de Pernambuco, PE, Brasil) - Júlio Venâncio de Menezes Júnior (Universidade Federal de Pernambuco, PE, Brasil) Cristine Martins Gomes de Gusmão (Universidade Federal de Pernambuco, PE, Brasil) With the advance of the need for software solutions, the number of projects being developed also grows. Hence, a company hardly realize just one project at a time. Several distinct projects are developed simultaneously, and this environment is called Multiple Project Environments. Every software project is susceptible to events that may affect its success. Aiming to minimize these negative events arises the process of risk management. The process of risk management involves tools that make it possible to assist on the process of management. On this context, the Risk Breakdown Structure (RBS), is a tool that lists the risk factors categorically. The objective of this work is to analyse and propose enhancements on the RBS proposed by Almeida et al (2012), with the goal of making the tool more comprehensive and effective on the process of risk identification. Keywords: Risk Breakdown Structure, Multiple Project Software Environment, Risk Factors, Risk Management. 1. Introdução No contexto atual as mudanças acontecem em grande velocidade, levando as empresas a terem que se adaptar constantemente às novas mudanças. Diante disso, as empresas se veem em um ambiente extremamente competitivo, onde é necessário fazer a percepção dos ambientes internos e externos à empresa para identificar possíveis oportunidades e ameaças (PORTO; BANDEIRA, 2006). Este cenário exige que as organizações busquem formas de tornarem-se mais competitivas em relação às outras. Técnicas e ferramentas são adotadas para alavancar a produtividade e eficiência, para assim se destacar perante a concorrência. Nesta busca por vantagem competitiva, a evolução tecnológica influenciou o ambiente organizacional. Soluções em software passaram a ser importantes ferramentas que auxiliam as organizações a atingirem seus objetivos. Neste contexto, a utilização de software é considerada como de grande importância para a sobrevivência das empresas. Atualmente, não só as empresas têm recorrido à utilização de software, mas também todas as áreas da atividade humana (GUSMÃO, 2007). Isso levou a um aumento da demanda de produção de software, onde as empresas desenvolvedoras de software precisam produzir projetos para as mais diversas funções. Com o aumento da demanda, empresas desenvolvedoras de software precisam saber gerenciar mais de um projeto simultaneamente, levando em consideração os diferentes objetivos de cada projeto e as metas da organização. Projetos de desenvolvimento de software estão sujeitos aos mais diversos eventos que podem influenciar o seu sucesso. Segundo Heldman (2005), riscos podem causar consequências negativas como também oportunidades. O gerenciamento de riscos tem como objetivos aumentar a probabilidade e o impacto dos eventos positivos e reduzir a 5235

2 probabilidade e o impacto dos eventos negativos no projeto (PMI, 2013). Nesse contexto, o gerenciamento de riscos contribui para aumentar a probabilidade de sucesso do projeto. Existem vários riscos que podem afetar o andamento do projeto. Onde é preciso identificar os riscos associados ao projetos. A identificação de riscos é uma atividade que pretende coletar os possíveis riscos para o projeto, compondo uma documentação sobre os dados coletados. Identificar riscos muitas vezes produz apenas uma enorme lista de riscos, que pode ser difícil de entender e de gerenciar. Os riscos encontrados devem ser estruturados hierarquicamente de forma a tornem-se compreensíveis (HILLSON, 2002). Nesse contexto, surge a Estrutura Analítica de Riscos (EAR), uma ferramenta que auxilia a gestão de riscos, com o objetivo de apresentá-los de forma clara, a fim de serem melhor gerenciados (HILLSON, 2002). E que pode ser usada em conjunto com outras técnicas de comunicação e identificação de riscos. Neste sentido, o presente trabalho tem como objetivo avaliar e propor melhorias em estrutura analítica de riscos já existente para ambientes de múltiplos projetos de software (ALMEIDA et al, 2012), pois alguns riscos e fatores de riscos foram considerados relevantes após revisão de literatura. Este artigo encontra-se dividido seis seções, a primeira iniciaa abordagem de forma mais ampla sobre o assunto estudado, passando pela explanação da proposta da estrutura analítica de riscos. A seção dois aborda de forma geral os conceitos de riscos em engenharia de software. A seção três aborda os objetivos e a importância do gerenciamento de riscos em projetos de software. A seção quatro caracteriza o ambiente de desenvolvimento de múltiplos projetos de software, trazendo a diferenciação entre o gerenciamento de portfólio de projetos e gerenciamento de múltiplos projetos. A seção cinco apresenta um dos métodos de identificação de riscos, EAR, enfatizando a taxonomia proposta pelo Software Engineering Institute (CARR et. al,1993 ). A seção seis abordou o processo metodológico de construção da EAR proposta, como também a demonstração da mesma. A seção sete destina-se a apresentar as contribuições da EAR proposta, como também os trabalhos futuros. 2. Riscos Desde os primórdios que os riscos fazem parte da vida humana. As decisões estão cercadas de possibilidades e incertezas, o que leva o homem a procurar mitigar os impactos negativos de suas escolhas (GUSMÃO, 2007). Conscientemente ou não, pessoas e organizações tomam decisões todos os dias. Entretanto, esta atividade precisa ser esclarecida, o que propiciará o entendimento sobre a natureza dos riscos. Levando assim a melhor adoção de técnicas e estratégias que diminuam ou neutralizem seus efeitos (GUSMÃO, 2007). Muitas vezes a palavra risco está associada e efeitos negativos. Entretanto, eles também podem ser oportunidades (HELDMAN, 2005).Saber gerenciar essas oportunidades se tornou peça chave para obter o sucesso do projeto. Muitas abordagens para gerenciar riscos vêm sendo propostas. Pode-se citar o modelo de Boehm (BOEHM, 1988), que propôs o ciclo de vida espiral, onde acrescentava o paradigma de gerenciamento de riscos. 3. Gerenciamento de Riscos em Projetos de Software Projetos de desenvolvimento de software estão expostos aos mais diversos tipos de eventos. Estes eventos podem tanto trazer danos como benefícios ao projeto. Em engenharia de software a área que gerencia esses eventos é gerência de riscos. Esta área é 5236

3 responsável por diminuir as probabilidades de fracasso do projeto, ajudando a alcançar as metas estabelecidas para o projeto. Além disso, essa importância ganha mais significado, uma vez que riscos estão sendo definidos como exposições a consequências da incerteza, sendo assim eles podem significar tanto perdas como ganhos em potencial (GUSMÃO, 2007). Sendo assim, o objetivo do gerenciamento de riscos é identificar e tratar os possíveis problemas relacionados ao projeto a fim de que seus efeitos sejam minimizados ou neutralizados; em conjunto com a identificação das possíveis oportunidades, a fim de que elas sejam aproveitadas. Neste contexto, saber gerenciar riscos tornou-se uma atividade fundamental às empresas modernas, uma vez que incertezas fazem parte dos projetos de software. Apesar do gerenciamento de riscos ser um processo de grande importância, o desenvolvimento de software, particularmente, envolve riscos imprevisíveis e difíceis de serem tratados, como exemplo: mudanças de requisitos, variações tecnológicas, etc. (KENDRICK, 2003). Este risco compromete o sucesso do projeto, impedindo que os objetivos da organização sejam alcançados. A importância do gerenciamento de riscos é amplamente reconhecida. A cada dia, mais profissionais e empresas apontam esta prática como essencial para o sucesso do projeto. Apesar disso, a aplicação do gerenciamento de riscos está abaixo da expectativa. Em parte isto pode ser explicado pelo fato de que o processo de gerenciamento de riscos é complexo, e isso torna-se ainda mais difícil em um ambiente de múltiplos projetos (GUSMÃO, 2007) Atividades da Gerência de Riscos O processo de gerenciamento de riscos é desenvolvido como um processo iterativo, com atividades sequênciais, de modo que possibilite a tomada de decisão e o desempenho organizacional. Nos tópicos a seguir, serão apresentados os 5 processos de gerenciamento de riscos de acordo com o Guide to the Project Management Body of Knowledge Guia PMBOK (PMI, 2013) Planejamento do Gerenciamento de Riscos Neste processo é definido como as atividades de gerenciamento de riscos serão conduzidas. Onde as equipes de planejamento fazem reuniões para desenvolver o plano de gerenciamento de riscos, que contém as diretrizes adotadas para o projeto como: prazos, orçamento, metodologia, papéis e responsabilidades. Este processo é importante, pois garante a visibilidade dos riscos no projeto Identificação de Riscos Este processo identifica e documenta os riscos que podem afetar o projeto. A documentação dos riscos permite à equipe melhor conhecê-los, para assim tomar as devidas decisões. Por ser um processo iterativo, novos riscos vão sendo documentados ao longo do projeto, à medida que forem sendo considerados como ameaças ou oportunidades. O envolvimento de toda a equipe na identificação de riscos contribui para o aumento do número e riscos identificados, ajudando assim tanto no presente projeto, como nos que serão desenvolvidos futuramente Análise de Riscos 5237

4 Após os riscos serem identificados, nesta etapa eles são avaliados de acordo com a sua probabilidade de ocorrência e impacto. Existem duas maneiras de analisar os riscos: Análise Qualitativa dos Riscos: Esta análise prioriza os riscos identificados de acordo com a probabilidade de ocorrência e seu impacto no projeto. Análise Quantitativa dos Riscos: Com o objetivo de servir de base para a tomada de decisões, a análise quantitativa de riscos analisa numericamente os impactos que os riscos identificados podem trazer ao projeto Planejar Respostas aos Riscos Nesta fase desenvolvem-se as ações necessárias para mitigar as ameaças e aumentar as oportunidades. Este processo ajuda o gerente a direcionar seus esforços para os riscos considerados como prioritários Controle de Riscos Esta fase tem como objetivo verificar a eficiência do processo de riscos durante todo ao projeto. Com esta verificação, é possível corrigir os possíveis erros cometidos durante o projeto, melhorando assim, o processo de gerenciamento.entre outros benefícios pode-se citar a atualização de riscos identificados e lições aprendidas, que também servirão de suporte em projetos futuros. É importante ressaltar que o monitoramento de riscos deve ser realizado durante todo o projeto. 4. Ambientes de Múltiplos Projetos O desenvolvimento de um produto é composto pela organização de várias tarefas que podem ser executadas de várias maneiras. Saber gerenciar essas atividades veem ganhando notoriedade com o surgimento da área de gerência de projetos, onde o sucesso das empresas depende em grande parte do resultado de seus projetos. Para aumentar a eficácia e a eficiência do processo de desenvolvimento, novas abordagens estão sendo introduzidas (DANILOVIC; BÖRJESSON, 2001). Atualmente, devida à alta demanda por soluções em software, dificilmente as empresas desenvolvedoras de software realizam um projeto por vez. Nesse ambiente, as empresas têm que lidar com os diferentes objetivos de cada projeto, onde cada projeto pode ser influenciado por outros que estejam sendo executados simultaneamente. Ao mesmo tempo em que há dificuldade em alocar recursos, onde, de certa forma, todos os projetos são inter-relacionados e interdependentes. Isso cria uma estrutura multi-nível chamado ambiente de multiprojetos (DANILOVIC; BÖRJESSON, 2001). 4.1 Gerenciamento de Portfólio de Projetos É comum a mistura entre os conceitos de gerenciamento de portfólio e gerenciamento de múltiplos projetos. Por isso é importante ressaltar a diferença entre eles. Com a multiplicidade de projetos sendo desenvolvidos simultaneamente, a gestão precisa avaliar e priorizar os projetos que serão desenvolvidos para que o plano estratégico da empresa seja atingido. Então há a seleção para executar os projetos que se enquadrem nos objetivos da empresa. Já a gerência de múltiplos projetos se encarrega de distribuir e controlar os recursos entre os diversos projetos sendo executados simultaneamente, considerando as particularidades de cada um deles. 5. Estrutura Analítica de Riscos 5238

5 Uma das formas de proporcionar melhorias em ambientes de desenvolvimento de software é através do uso de métodos, técnicas e ferramentas. Que têm como objetivo acelerar processos, produzir estimativas precisa e garantir a qualidade do processo e do produto. Na literatura são encontrados diversos tipos de processos e ferramentas para incorporar à gerência de riscos. Neste contexto está inserida a Estrutura Analítica de Riscos (EAR), que é uma forma de representar categoricamente os riscos em diversos níveis. Uma EAR serve de apoio para a identificação de riscos através da organização por categorias. Os riscos encontrados são inseridos nas categorias existentes. Este é um processo iterativo, onde novos riscos podem ser inseridos a medida que forem sendo identificados. Abaixo, na figura 1, está um exemplo de uma EAR segundo o PMBOK (2013): Figura 1. Exemplo de Estrutura Analítica de Riscos (EAR) (PMBOK, 2013) A Estrutura Analítica de Riscos mostra a sua importância através de benefícios como: facilitar a comunicação e a compreensão dos riscos, permite a inserção de novos riscos a medida que eles forem encontrados, ajuda a tomada de decisão através dos riscos catalogados, entre outros. 5.1 Taxonomia do SEI A taxonomia de riscos produzida pela SEI (Software Engineering Institute) fornece um método estruturado disciplinado para a gestão de riscos em desenvolvimento de software. A taxonomia também serve como base para o desenvolvimento de outros métodos e atividades para o gerenciamento de riscos (CARR et al, 1993). 5239

6 Figura 2. Estrutura Analítica de Riscos em Desenvolvimento de Software (CARR et al, 1993) Conforme apresentado na figura 2, a taxonomia do SEI está organizada em três classes principais: Engenharia de Produto: Refere-se aos aspectos técnicos do trabalho desenvolvido. Ambiente de Desenvolvimento: Refere-se aos procedimentos, ferramentas e métodos utilizados no desenvolvimento do produto. Restrições de Programa: Refere-se aos fatores contratuais, operacionais e organizacionais do projeto de desenvolvimento de software, mas que estão fora do controle da gestão. 6. Proposta de EAR para Ambientes de Múltiplos Projetos A construção da EAR proposta no presente artigo foi feita tendo como base o trabalho de Almeida e demais autores (2012), com o objetivo de avaliar e propor melhorias na Estrutura de Riscos já existente, pois após uma revisão bibliográfica foram encontrados riscos considerados relevantes. Além disso, é notória a necessidade de evolução de estudos e pesquisas na área de Gerenciamento de Riscos no contexto de Múltiplos Projetos de Software. Sendo assim, a EAR proposta contém a categorização de novos riscos encontrados na literatura de engenharia de software. Tornando-se uma ferramenta mais completa e abrangente que auxiliará no processo de gerenciamento de riscos. a EAR proposta por Almeida e demais autores (2012) foi construída a partir da taxonomia de riscos desenvolvida pelo SEI. Essa escolha, segundo os autores, se deve ao fato de que a EAR do SEI consiste em uma estrutura hierárquica já consolidada, além de mapear características genéricas e processos de desenvolvimento de software (ALMEIDA et al, 2012). A EAR proposta no presente trabalho foi feita em três etapas. Na primeira foi feita uma revisão bibliográfica com o objetivo de coletar riscos presentes em ambientes de múltiplos projetos de software. Após a coleta, a segunda etapa consistiu na inserção dos riscos 5240

7 encontrados e a sua categorização para serem melhor entendidos. Com isso, foi feita uma análise desta EAR, onde foi notado que novos riscos considerados relevantes não estavam presentes. Por fim, na terceira etapa, os riscos coletados na revisão bibliográfica foram agregados à EAR 6.1. Revisão Bibliográfica Esta etapa consistiu na busca por trabalhos que apresentassem fatores de riscos identificados em projetos de software a fim de aprimorar a EAR. A seguir será descrito o passo-a-passo da pesquisa bibliográfica Processo de Busca O processo de busca foi feito nas seguintes bases de dados: IEEE Xplore 1. Google Scholar 2. O IEEE Xplore é uma biblioteca digital que disponibiliza conteúdos técnicos e científicos publicados pelo IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers). O Google Scholar é uma ferramenta de pesquisa para literatura acadêmica, abrangendo as mais diversas disciplinas e modalidades de trabalhos (livros, teses, artigos, dissertações entre outros). O objetivo da pesquisa foi encontrar trabalhos relacionados a riscos em projetos de software. Para isso, as pesquisas foram feitas através do uso das seguintes palavraschaves: Software Project Risk Software Project Software Development Desenvolvimento de software Identificação riscos software Identification risks software Riscos projetos software Gerenciamento riscos software Risk management software Critérios de Aceitação Os trabalhos retornados pela pesquisa passaram por um processo de avaliação, onde primeiramente foram analisados seus títulos e resumos para verificar a compatibilidade com o tema pesquisado. Os trabalhos que se enquadraram com o objetivo da pesquisa foram salvos para posteriormente serem lidos por completo. No total foram salvos 23 trabalhos Coleta dos Fatores de Riscos Os trabalhos salvos na etapa anterior foram lidos por completo. A leitura pretendia confirmar se os trabalhos salvos realmente se enquadravam no objetivo pesquisado. Do total de 23 trabalhos salvos, após a leitura a penas 13 foram considerados relevantes para a pesquisa. Através desta leitura, foram extraídos os fatores de riscos para múltiplos projetos de software. Todos os fatores de riscos foram listados em um documento para poderem ser analisados a fim de se eliminar as redundâncias e os fatores de risco duplicados. 1 ieeexplore.ieee.org/

8 Construção da Estrutura Analítica Proposta Os fatores de riscos redundantes e duplicados foram eliminados da listagem. O total de fatores de riscos resultantes após a filtragem de acordo com as classes em que foram inseridos foi: Engenharia de Produto: 35 Ambiente de Desenvolvimento: 72 Restrições de Programa: 26 No total foram mapeados 133 novos fatores de riscos que encontram-se representados graficamente de acordo com suas classes na figura 3: Total de fatores de riscos Engenharia de Produto Ambiente de Desenvolvimento Restrições de Programa Figura 3. Fatores de Riscos para Ambientes de Múltiplos Projetos de Software por Classe Após uma análise, os fatores de riscos foram classificados de acordo com os elementos mais compatíveis. Abaixo, na tabela 1, está a número dos fatores de riscos de acordo com os elementos em que foram distribuídos: Elementos Quantidade Requisitos 11 Design 9 Codificação e teste unitário 3 Integração e teste 3 Eng. de especialidades 9 Processo de desenvolvimento 21 Sistema de desenvolvimento 8 Processo de gerenciamento 20 Métodos de gerenciamento 7 Ambiente de trabalho

9 Recursos 6 Contrato 4 Interfaces de programa 16 Tabela 1. Fatores de Riscos para Ambientes de Múltiplos Projetos de Software por Elementos Os fatores de riscos foram organizados numa planilha com a mesma estrutura feita por Almeida e demais autores (2012). Para cada atributo foi feita uma análise para saber em qual classe da estrutura analítica de riscos ele se encaixaria. A Tabela 2 mostra parcialmente onde são apresentados os fatores de risco relacionados a fonte de risco Requisitos, da classe Engenharia de Produto. Risco Nível 0 Classes Nível 1 Fontes de Riscos Nível 2 ID do Fator de Risco Fatores de Risco Nível 3 Riscos de Desenvolvimento de Software Engenharia de Produto Requisitos 1 Granularidade adequada ao desenvolvimento de software 2 Gold-Plating 3 Requisito padrão 4 5 Adequação ao tamanho e complexidade do projeto Requisitos conflitantes Tabela 2. Disposição dos Fatores de Riscos Encontrados de Acordo com a Taxonomia do SEI Parcial 6.2. Principais Resultados e Discussões A medida que as pesquisas sobre gerenciamento de riscos em projetos de software avança, também crescem os riscos identificados. Nesse contexto é notória a necessidade de aprimorar as ferramentas existentes para que melhor auxiliem seus usuários, neste caso os gerentes de projetos. Os resultados da pesquisa não somente contribuiu para o aprimoramento da EAR, mas como também para a identificação dos fatores de riscos mais citados na literatura de engenharia de software. Neste sentido foi observado que os fatores de riscos relacionados a processos de gerenciamento são os mais citados pelos autores, isto evidencia como as práticas de gerenciamento de projeto são importantes para o sucesso do mesmo. 5243

10 Outro fator de risco bastante citado na literatura foi em relação aos preocessos de desenvolvimento, onde os paradigmas, práticas e ferramentas usadas auxiliam no desenvolver do produto software. O conhecimento acerca destas informações sobre os riscos auxiliam tanto o gerente como a sua equipe a melhor lidar com os possíveis eventos que possam afetar o projeto. 7. Conclusões e trabalhos em andamento Atualmente, o uso das tecnologias está presente nas mais diversas atividades humanas. Isso levou a um aumento da demando por soluções em software, onde empresas desenvolvedoras de software executam mais de um projeto simultaneamente para conseguir dar conta da demanda. Somando-se a isso, tem-se a necessidade de gerenciar os ricos inerentes a todo projeto de software. Precisando de uma gerência que mitigue os riscos que podem causar danos ao projeto. Neste contexto, a Estrutura Analítica de Riscos é uma importante ferramenta que auxilia no gerenciamento de riscos, no sentido de identificá-los e catalogá-los hierarquicamente, ajudando o gerente e sua equipe. Este artigo teve como objetivo avaliar e aprimorar a EAR proposta por Almeida, Venâncio e Gusmão (2012), pois através de pesquisa bibliográfica foram encontrados riscos considerados relevantes. Durante a pesquisa bibliográfica foram encontrados 133 fatores de risco para ambiente de múltiplos projetos de software que foram distribuídos entre os elementos da EAR após uma análise que identificou em qual elemento o fator de risos melhor se encaixaria. O resultado disto foi uma EAR mais abrangente, que auxiliará os gerentes e suas equipes a melhor identificar os riscos em seus projetos, tanto os atuais, como os futuros. Através deste mapeamento foi possível identificar que os riscos mais citados na literatura são oriundos do processo de gerenciamento e do processo de desenvolvimento. Isso permite ao gerente maior percepção dos riscos associados ao seu processo de desenvolvimento, como também permite a equipe identificar quais os possíveis riscos que podem aparecer durante o processo de desenvolvimento do software. A Estrutura Analítica de riscos fornece suporte à identificação de riscos e também a incorporação de novos à medida que forem sendo encontrado. Com o avanço das pesquisas em gerenciamento de riscos em projetos de software, e através do mapeamento sistemático em outras bases de dados será possível encontrar novos fatores de riscos para ambientes de múltiplos projetos de software. Através do mapeamento sistemático da literatura, foi elaborada uma EAR mais abrangente que auxiliará no processo de gerenciamento de riscos, através de uma forma categorizada que permitirá a sua adequação em diferentes projetos de software. Como continuidade a esse trabalho, no próximo passo será feito um estudo comparativo entre as abordagens de cálculo de similaridade para relacionar as características dos projetos de software. O objetivo deste estudo é fazer uma comparação entre as principais abordagens de cálculo de similaridade. O resultado final desta etapa é escolher o método que melhor se adéqüe ao contexto de ambiente de múltiplos projetos de software de acordo com o desempenho e métricas estabelecidas, gerando novos trabalhos que apresentem os resultados das avaliações com as lições aprendidas. Agradecimentos Os autores agradecem ao CNPq pelo apoio necessário à realização deste trabalho. 5244

11 Referências ANDRADE, M. J. et al. Consequências e Características de um Processo de Desenvolvimento de Software de Qualidade e Aspectos que o Influenciam: uma avaliação de especialistas. BARRETO, A. O. S.; ROCHA, A. R. Analyzing the Similarity among Software Projects to Improve Software Project Monitoring Processes. In: Seventh International Conference on the Quality of Information and Communications Technology, BOEHM. B. W.: A spiral model for software development and enhancement. IEEE Computer, 21 (5), p CARR, M. J. et al. Taxonomy Based Risk Identification. RelatórioTécnico. Pittsburgh DANILOVIC, M.; BÖRJESSON, H. Managing the MultiprojectEnviroment. In: The Third Dependence Structure Matrix (DSM) International Workshop, 2001, Boston. Proceedings. GUSMÃO, C. M. G. Um Modelo de Processo de Gestão de Riscos para Ambientes de Múltiplos Projetos de Desenvolvimento de Software. Tese de Doutorado em Ciências da Computação. Centro de Informática. Universidade Federal de Pernambuco/Brasil HELDMAN, K. Project Manager s Spotlight on Risk Management. (Harbor Light Press, Ed.). San Francisco HILLSON, D. The Risk Breakdown Structure (RBS) as an Aid to Effective Risk Management. Fifth European Project Management Conference. Cannes KENDRICK, T. Identifying and managing project risk: essential tools for failureproofingyour project. 1.a. ed. New York, NY, USA: Amacom, PMBOK, G. Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos. 5 o Pensilvânia Edição. PORTO, Maria Alice Guedes; BANDEIRA, Anselmo Alves. O processo decisório nas organizações. In: SIMPEP, 13., 2006, Bauru. São Paulo,

PROPOSTA DE UMA ESTRUTURA ANALÍTICA DE RISCOS PARA AMBIENTES DE MÚLTIPLOS PROJETOS DE SOFTWARE

PROPOSTA DE UMA ESTRUTURA ANALÍTICA DE RISCOS PARA AMBIENTES DE MÚLTIPLOS PROJETOS DE SOFTWARE PROPOSTA DE UMA ESTRUTURA ANALÍTICA DE RISCOS PARA AMBIENTES DE MÚLTIPLOS PROJETOS DE SOFTWARE Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia da Computação Kenelly Silva Rodrigues de Almeida Orientador: Prof.

Leia mais

Gestão de Riscos em Projetos de Software

Gestão de Riscos em Projetos de Software Gestão de Riscos em Projetos de Software Júlio Venâncio jvmj@cin.ufpe.br 2 Roteiro Conceitos Iniciais Abordagens de Gestão de Riscos PMBOK CMMI RUP 3 Risco - Definição Evento ou condição incerta que, se

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Airton Eustaquio Braga Junior aebjr@terra.com.br MBA Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pos-Graduação IPOG Goiania, GO, 02 de Setembro

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS TRADICIONAL X GERENCIAMENTO DE PROJETOS ÁGIL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA.

GERENCIAMENTO DE PROJETOS TRADICIONAL X GERENCIAMENTO DE PROJETOS ÁGIL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA. 3rd International Conference on Information Systems and Technology Management 3º Congresso Internacional de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação 11 th World Continuous Auditing Conference De 31

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE T.I.

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE T.I. A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE T.I. Melina Gatti Duque Faculdade do Litoral Sul Paulista (1) Rua Eurico Gaspar Dutra, 836 Canto do Forte CEP 11700-330 Praia Grande/SP melinagatti@yahoo.com.br

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software

Requisitos de Ferramentas de Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software Requisitos de Ferramentas de Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software Keyla Guimarães Macharet Brasil 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Alessandro Liebmam Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP: 31270-010

Leia mais

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira APLICAÇÃO DO PROCESSO TOLL-GATE PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES E PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS EM EUMA EMPRESA FORNECEDORA DE BENS E SERVIÇOS PARA O SETOR DE ENERGIA Resumo Autoria: Nestor de Oliveira Filho,

Leia mais

Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley

Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley Orlando Ovigli 1, Arthur Gomes 1, Patrícia Kimie 1, Márcia Ito 1,2 1 Gestão e Engenharia de Processos para desenvolvimento de Software

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Renata Miranda Pires Boente

Renata Miranda Pires Boente Uso do Modelo Qualitativo de Análise de Risco (Karolak) na Gestão de Projetos de TI: Um estudo de caso na Justiça Federal de Primeiro Grau Seção Judiciária do Rio de Janeiro Renata Miranda Pires Boente

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol

Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol Resumo. O gerenciamento de projetos tem se tornado, durante os últimos anos, alvo de

Leia mais

José Benedito Alves Junior

José Benedito Alves Junior 1 José Benedito Alves Junior Gerenciamento de Projetos de TI: Uma análise sobre a possibilidade de aplicação da estrutura motivacional sugerida pelo Project Management Body of Knowledge - PMBOK - em uma

Leia mais

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 E 12 de Julho Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Definição de Ontologia para Identificação

Leia mais

[6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI

[6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI [6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI Flávio Franco Knob, Filipi Pereira da Silveira, Afonso Inácio Orth, Rafael Prikladnicki

Leia mais

Mapeamento do Gerenciamento de Riscos no PMBOK, CMMI-SW e RUP

Mapeamento do Gerenciamento de Riscos no PMBOK, CMMI-SW e RUP Mapeamento do Gerenciamento de Riscos no PMBOK, CMMI-SW e RUP Pascale Correia Rocha, Arnaldo Dias Belchior Universidade de Fortaleza - Mestrado de Informática Aplicada (UNIFOR) Av. Washington Soares, 1321

Leia mais

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI?

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? Os projetos de Tecnologia de Informação possuem características marcantes, que os diferencia dos demais são projetos onde o controle

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos 1.1 Introdução 31 1.2 O que é um projeto? 31 1.3 Ciclo de vida do projeto 33 1.4 O que é gerenciamento de projetos? 36 1.5 Relacionamento entre grupos

Leia mais

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Mariano Montoni, Cristina Cerdeiral, David Zanetti, Ana Regina Rocha COPPE/UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Sumário Sumário O problema O desafio IBM Rational Portfolio Manager O problema Cenário atual 84% das organizações ou não montam o business

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

GMP: Uma Ferramenta para a Gestão de Múltiplos Projetos

GMP: Uma Ferramenta para a Gestão de Múltiplos Projetos GMP: Uma Ferramenta para a Gestão de Múltiplos Projetos Bruno Celso Cunha de Freitas, Hermano Perrelli de Moura Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Caixa Postal 7851 - Cidade

Leia mais

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Corneli Gomes Furtado Júnior 1, Thiago Ferraz 1, Rossana Maria de Castro Andrade 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal

Leia mais

Uma Abordagem para Gerência Estratégica de Portfólio com Foco na Seleção de Projetos

Uma Abordagem para Gerência Estratégica de Portfólio com Foco na Seleção de Projetos Uma Abordagem para Gerência Estratégica de Portfólio com Foco na Seleção de Projetos Adler Diniz de Souza 1,2, Ana Regina Rocha 1, Gleison Santos 1, Tiago Vinícius Paiva do Carmo 2, Douglas Batista Alexandre

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Fernando Simon (UNISC) fsimonbr@gmail.com Rejane Frozza (UNISC) frozza@unisc.br Joao Carlos Furtado (UNISC) jcarlosf@unisc.br

Leia mais

Fasci-Tech MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Fasci-Tech MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Resumo: Carlos Alberto dos Santos 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Abstract: Num ambiente globalizado e em constante

Leia mais

Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI

Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI 2010 TenStep Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos)

Leia mais

Project Management Institute Building professionalism in project management

Project Management Institute Building professionalism in project management Project Management Institute Building professionalism in project management Marco Antônio Kappel Ribeiro marcokr@via-rs.net Julho / 2004 Project Management Institute Building professionalism in project

Leia mais

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros PMBok x Flávia David de Oliveira Gomes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel flavia@cp2ejr.com.br Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel guilherme@inatel.br

Leia mais

Gestão de Projetos PMI - PMBOK

Gestão de Projetos PMI - PMBOK Os Processos de um projeto 2 Projetos são organizados por processos, adaptados, à sua natureza e ao seu ciclo de vida. Gestão de Projetos PMI - PMBOK São realizados por pessoas que estão alocadas no projeto

Leia mais

Gestão de Projetos de Software

Gestão de Projetos de Software Gestão de Projetos de Software Atividade Essencial à Engenharia de Software U Antonio Mendes da Silva Filho antoniom.silvafilho@gmail.com Professor e consultor em área de tecnologia da informação e comunicação

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Definição de um Processo Ágil de Gestão de Riscos em Ambientes de Múltiplos Projetos

Definição de um Processo Ágil de Gestão de Riscos em Ambientes de Múltiplos Projetos Definição de um Processo Ágil de Gestão de Riscos em Ambientes de Múltiplos Projetos Lucio Ribeiro 1, Cristine Gusmão 1,2 1 Departamento de Sistemas e Computação Escola Politécnica de Pernambuco (POLI/UPE)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM AGÊNCIAS WEB BASEADO NO PMI E METODOLOGIAS ÁGEIS 1 Peter Rizzon 2 Resumo: Com a crescente demanda no desenvolvimento de softwares baseados na plataforma web, as empresas

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Integrando o Gerenciamento de Projetos à Estratégia da Empresa

Integrando o Gerenciamento de Projetos à Estratégia da Empresa 4 th International Conference on Industrial Engineering and Industrial Management XIV Congreso de Ingeniería de Organización Donostia- San Sebastián, September 8 th -10 th 2010 Integrando o Gerenciamento

Leia mais

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Viviana Regina Weber 1 Anderson Yanzer Cabral 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS. Turma 90

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS. Turma 90 IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS Turma 90 Gerenciamento de riscos Aliado a Gerência do Conhecimento Frederico Ribeiro Nogueira Belo Horizonte, 05/07/2010 IETEC INSTITUTO

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

RiskFree Uma Ferramenta de Gerenciamento de Riscos Baseada no PMBOK e Aderente ao CMMI i

RiskFree Uma Ferramenta de Gerenciamento de Riscos Baseada no PMBOK e Aderente ao CMMI i RiskFree Uma Ferramenta de Gerenciamento de Riscos Baseada no PMBOK e Aderente ao CMMI i Flávio Knob, Filipi Silveira, Afonso Inácio Orth, Rafael Prikladnicki Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

SOBRE O WORKSHOP [ WORKSHOP

SOBRE O WORKSHOP [ WORKSHOP WORKSHOP [ WORKSHOP SOBRE O WORKSHOP O PMDome é um treinamento muito dinâmico e prático em gerenciamento de projetos onde os participantes são divididos em times que, em uma competição desafiadora e animada,

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software 6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software Alunos Filipi Silveira Flávio Knob Orientadores Afonso Orth Rafael Prikladnicki Agenda O problema O processo O projeto

Leia mais

UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA GESTÃO DE RISCOS

UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA GESTÃO DE RISCOS WAMPS 2013 IX Workshop Anual do MPS Campinas-SP, 28 a 30 de Outubro de 2013 RISAGI: UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA GESTÃO DE RISCOS EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Apresentador: Espc. Kleoson Bruno

Leia mais

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre?

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? RESUMO DA SOLUÇÃO CA Clarity e Nova for PPM da Kalypso Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? agility made possible Obtenha as ferramentas e informações necessárias

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

Introdução a Projetos

Introdução a Projetos Gerenciando Projetos 2 Prazos Curtos Ausência de Integração Introdução a Projetos Escopo - Início Confuso Planejamento e Controles Inexistentes Muitas Questões Sem Respostas Comunicação Ineficaz Falta

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA em Gestão Avançada de Projetos - Turma nº20 28 de maio de 2015 Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software: Trata de práticas para entregar um software que respeite os custos, padrões e o tempo. Padrões Custos Engenheiro de Software Projeto de Software

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SIMPLIFICADO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SIMPLIFICADO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SIMPLIFICADO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Jônatas Araújo de Almeida (UFPE) jonatasaa@hotmail.com Caroline Maria de Miranda Mota (UFPE) carolmm@ufpe.br Neste trabalho

Leia mais

ESTRUTURA ANALÍTICA DE RISCOS EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NO SETOR BANCÁRIO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

ESTRUTURA ANALÍTICA DE RISCOS EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NO SETOR BANCÁRIO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO ESTRUTURA ANALÍTICA DE RISCOS EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NO SETOR BANCÁRIO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO RESUMO Autoria: Marco Alexandre Terlizzi, Cesar Augusto Biancolino A gestão de riscos

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Análise qualitativa com cálculo da exposição a riscos em projetos

Análise qualitativa com cálculo da exposição a riscos em projetos Análise qualitativa com cálculo da exposição a riscos em projetos Carlos Henrique Ferreira de Menezes FIC Faculdade Integrada do Ceará carlosheniquefm@gmail.com Resumo O gerenciamento de riscos de projetos

Leia mais

Modelos e Abordagens para Gerenciamento de Riscos de Projetos de Software

Modelos e Abordagens para Gerenciamento de Riscos de Projetos de Software 1 de 13 03/04/2012 22:06 www.devmedia.com.br [versão para impressão] Artigo Engenharia de Software 3 - Modelos e Abordagens para Gerenciamento de Riscos de Projetos de Software Artigo da Revista Engenharia

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas?

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? RESUMO DA SOLUÇÃO Pacote CA Clarity PPM on Demand Essentials for 50 Users qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? agility made possible Agora a CA Technologies oferece

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais