a) A multidimensionalidade da pobreza b) A interacção multidimensional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "a) A multidimensionalidade da pobreza b) A interacção multidimensional"

Transcrição

1 a) A multidimensionalidade da pobreza b) A interacção multidimensional a) A multidimensionalidade da pobreza A Cáritas sabe que as pessoas pobres não só são vítimas, mas também actores; acredita na dignidade de todos e de cada um. Estas perspectivas de abordagem do pobre e da opção preferencial pelos mais pobres, conduzem-nos a uma descrição da realidade através das ciências humanas e a uma decidida rejeição desta realidade. A Cáritas encara a pobreza como uma ausência de bem-estar, que inclui um conjunto de circunstâncias precárias, caracterizado pela constante carência de recursos financeiros. A pobreza origina outras restrições e limitações graves: as pessoas pobres são muitas vezes pouco saudáveis, estão frequentemente desempregadas e, vivem por vezes em habitações degradadas. Caracterizam-se por baixos níveis de escolaridade e formação profissional, ocupam os postos de trabalho mais precários, dispõem de uma rede social pouco viável. Para identificar a realidade da pobreza e da exclusão social, têm que se abordar todas as suas dimensões. Destacam-se oito dessas dimensões: recursos financeiros, o bem-estar e a saúde, a situação habitacional, o nível educacional, a integração profissional, a integração social, a integração relativa ao estatuto de residência. Há ainda dimensões adicionais: a dimensão psicológica, cultural, ética e espiritual. Quanto mais pobre for uma pessoa numa das oito dimensões e quanto mais dimensões apresentarem limitações, mais precárias são as suas circunstâncias. O aumento dessa precariedade é um movimento em direcção à marginalização e a pobreza é uma situação vivida á margem da sociedade. A pobreza leva à exclusão social e a exclusão social leva à pobreza, mas não são a mesma coisa. Numa sociedade poderá haver pessoas pobres, mas bem integradas na sociedade. Da 1 / 5

2 mesma maneira, podemos imaginar pessoas ricas que estão excluídas. Que eventos podem acelerar esse movimento em direcção à marginalização e, por consequência, uma derrocada social? Que factores contribuem para uma elevação, ou seja, um movimento em direcção à centralidade social? A pobreza e a exclusão não são somente a ausência de bens materiais e bem-estar social. Ligado a esses factores, está também o factor da solidão e do apoio da rede de que cada pessoa faz parte. - Recursos financeiros: os que frequentemente levam à pobreza são o desemprego prolongado, os salários baixos, o baixo rendimento do agregado, as elevadas despesas familiares e o peso esmagador das dívidas. Os acontecimentos específicos de cada pessoa ou família podem fazê-la cair na pobreza: o nascimento de uma criança, um divórcio, a morte do pai ou da mãe, podem desestabilizar uma família. Da mesma maneira, um novo emprego, uma mudança no emprego, um aumento da carga de trabalho ou novas tarefas, podem resultar num aumento do rendimento do agregado familiar e numa melhoria de recursos financeiros. Aprender a gerir melhor os recursos financeiros também pode contribuir para melhorar a situação financeira. - Saúde: o bem-estar relacionado com a saúde ainda depende do estatuto socioeconómico década um, ou seja, do seu nível de escolaridade, estatuto profissional e rendimentos. Não é só a pobreza que torna as pessoas doentes, mas a doença ou acidente também podem causar pobreza. Um hábito viciante também pode restringir os limites da capacidade da pessoa e despoletar uma situação de precariedade. Ao contrário, se uma pessoa vencer um viciou se recuperar após uma doença ou acidente, beneficia de um aumento de bem-estar relacionado com a saúde. A melhoria económica também contribui para uma melhoria da saúde. - Habitação: o direito à habitação (habitação adequada) inclui o viver num lugar seguro, em paz e com dignidade. Os indicadores de circunstâncias precárias relativamente à habitação: sem abrigo, tamanho do espaço habitacional, qualidade das instalações. Os agregados de baixo 2 / 5

3 rendimento vivem, frequentemente, em habitações delapidadas e precárias, muita insegurança e serviços públicos mal organizados. A possível mudança de famílias afectadas pela pobreza, para habitação de mais qualidade, a sua vida melhora. - Educação: a educação foi descrita no Pacto Internacional dos direitos económicos, sociais e culturais como sendo orientada para o desenvolvimento completo da personalidade humana e o sentido da sua dignidade. A baixa escolaridade tem consequências materiais pesadas. As pessoas com baixos níveis de escolaridade e poucas qualificações profissionais correm um maior risco de empobrecer. Isto deve-se ao facto de estarem desempregadas com mais frequência e por períodos mais longos, ou fazerem parte do número de pessoas empregadas e que continuam pobres. Uma melhoria no nível e qualidade educacional pode conseguir-se através da melhoria do nível de escolaridade ou formação, do reconhecimento de certificados e diplomas dos migrantes ou pela formação contínua. Em muitos casos, no e pelo trabalho. - Integração ocupacional: O desemprego de longa duração conduz a um alto risco de empobrecimento. Até pessoas que trabalham estão sujeitas ao risco da pobreza: se tiverem de trabalhar em condições precárias ou atípicas, com falta de protecção jurídica ou rendimento irregular e incerto. Se a pessoa passar a ter empregos mais normalizados, regista-se um aumento na dimensão de integração ocupacional. - Integração social: O desenvolvimento pessoal consegue-se numa vida em comunidade, baseada na dignidade e direitos humanos. Integra-se numa rede primária ( por exemplo a rede familiar), e secundária (circulo de amigos, associações, etc ) Os indicadores de uma situação precária em relação à integração social pode ser o conjunto de problemas na família, poucos contactos sociais e um afastamento de actividades sociais e 3 / 5

4 outras. As pessoas em situação precária, não têm familiares, amigos ou conhecidos com quem possam contar. Tornam-se muito vulneráveis caso tenham que lidar com situações críticas que ameacem desestabilizar a sua vida. Mas se a pessoa encontra saída para o seu isolamento social e começa a estabelecer contactos com a família, vizinhos, entra numa associação ou num clube, pode melhorar a dimensão de integração social. - Estatuto de residente: Os migrantes com autorização temporária, sem autorização ou sem documentos, estão numa situação jurídica precária que afecta negativamente as suas possibilidades no mercado de trabalho e perante a segurança social. Isto sem ter em conta o constrangimento psicológico. Se a autorização de residência for conseguida, a integração torna-se possível e a pessoa pode continuar a planear a sua vida a longo prazo. - Família de origem: Esta dimensão resume o que a pessoa levou consigo da casa dos pais, na forma de herança social, à medida que avançou pelas dimensões de inclusão acima mencionadas. Se os pais têm um elevado nível de escolaridade, se estão social e profissionalmente integrados, se são saudáveis ( ). Quanto mais baixa for a herança social, cultural e económica dos pais, maior é o risco de empobrecimento das crianças. Contudo, os filhos podem encontrar formas de ultrapassar e vencer esse risco. Quanto melhor for a situação inicial da perspectiva da família de origem, maiores são as possibilidades de uma vida plena. b) A interacção multidimensional As dimensões individuais da pobreza são interactivas: as condições de trabalho podem afectar a saúde, os baixos rendimentos podem afectar as condições de alojamento, e um baixo nível 4 / 5

5 de escolaridade pode aumentar o risco de desemprego. Muitas vezes, uma situação crítica na vida de alguém, pode desencadear um movimento que conduz à margem da sociedade. Esta situação terá um impacto negativo noutras dimensões, o que leva, em última instância á manifestação de várias carências. Um exemplo: quando a perda de um emprego leva à perda de identidade e tenta-se a superação recorrendo ao elevado consumo de álcool. Isto afecta a relação conjugal e pode levar ao divórcio, com o decorrente isolamento social. Por outro lado, o desenvolvimento positivo numa dimensão, impulsiona as outras no mesmo sentido. A descrição das dimensões de empobrecimento, também permite descobrir alternativas de mudança. Muito se pode fazer a nível individual, no contexto das potencialidades e competências de cada pessoa, desde que os recursos para esse fim estejam disponíveis. Esse é o desafio que os políticos enfrentam. Esta descrição de multidimensionalidade deixa claro que as políticas de combate à pobreza são iniciativas cruzadas que devem interligar-se e podem ter lugar em diferentes áreas sócio-políticas. 5 / 5

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais 1 Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais Quais as mudanças e as continuidades ocorridas nestas famílias entre 1991-2011? Qual o impacto das mudanças na conjugalidade e na parentalidade,

Leia mais

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo)

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo) APÊNDICE N.º 60 II SÉRIE N.º 114 17 de Maio de 2002 Aviso n.º 4113/2002 Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento

Leia mais

Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação

Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação Paulo Jannuzzi Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI/MDS www.mds.gov.br/sagi www.mds.gov.br/sagi

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 346/XII CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DA CRIANÇA

PROPOSTA DE LEI N.º 346/XII CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DA CRIANÇA PROPOSTA DE LEI N.º 346/XII CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DA CRIANÇA Recentes indicadores sociais confirmam a crescente e indisfarçável gravidade dos problemas da pobreza junto das crianças no nosso País. Os

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS NOTA JUSTIFICATIVA (art.º 116.º do Código do Procedimento Administrativo) Considerando que: Cada vez mais é imprescindível a intervenção da freguesia no âmbito da Acção Social,

Leia mais

Yasfir Daudo Ibraimo

Yasfir Daudo Ibraimo Emprego e Condições de Emprego nas Zonas Rurais, Suas Implicações Para a Pobreza: O Caso da Açucareira De Xinavane Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz SEMINÁRIO IESE e OIT ACÇÃO SOCIAL PRODUTIVA

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

Gráfico1 - População residente com 15 ou mais anos, segundo o grupo etário, perante o grupo socio-económico. Menos de 15 Anos

Gráfico1 - População residente com 15 ou mais anos, segundo o grupo etário, perante o grupo socio-económico. Menos de 15 Anos O Instituto Nacional de Estatística (INE), disponibiliza os dados do Censos 2011. Relativamente ao concelho de Manteigas e concretamente à freguesia de Santa Maria, fizemos uma síntese da informação que

Leia mais

Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas

Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Luanda Bairro Cambamba I Um projecto de apoio a crianças e mulheres desfavorecidas Janeiro Dezembro 2012 Ano I Um Projecto de: SCALABRINIANAS Congregação das Irmãs Missionárias de S. Carlos Borromeu Um

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

POBREZA, EXCLUSÃO E DESIGUALDADES EM PORTUGAL. Professor Catedrático de Economia Vice Presidente do ISEG, Universidade Técnica de Lisboa

POBREZA, EXCLUSÃO E DESIGUALDADES EM PORTUGAL. Professor Catedrático de Economia Vice Presidente do ISEG, Universidade Técnica de Lisboa POBREZA, EXCLUSÃO E DESIGUALDADES EM PORTUGAL REAPN José António Pereirinha Professor Catedrático de Economia Vice Presidente do ISEG, Universidade Técnica de Lisboa 1 POBREZA, EXCLUSÃO E DESIGUALDADES

Leia mais

Desafios Hack for Good

Desafios Hack for Good Desafios Hack for Good workshop com parceiros Entidades participantes Câmara Municipal de Lisboa Alto Comissariado Migrações Centro de Acolhimento de Refugiados Menores Desacompanhados Conselho Português

Leia mais

Edição. Coordenação e Supervisão Técnica. Concepção Gráfica. Impressão. Tiragem exemplares. Depósito Legal /00

Edição. Coordenação e Supervisão Técnica. Concepção Gráfica. Impressão. Tiragem exemplares. Depósito Legal /00 2 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento de Desenvolvimento Social Unidade de Qualificação de Famílias e Territórios Sector de Apoio Técnico Especializado

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO CLIMA DE SEGURANÇA

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO CLIMA DE SEGURANÇA ANEXO I QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO CLIMA DE SEGURANÇA Este questionário pretende conhecer os seus pontos de vista relativamente a diversos aspectos da Segurança no trabalho na SpPM, S.A. Está integrado

Leia mais

Trabalho vencedor na Sessão Distrital Representará Viseu na Sessão Nacional

Trabalho vencedor na Sessão Distrital Representará Viseu na Sessão Nacional Trabalho vencedor na Sessão Distrital Representará Viseu na Sessão Nacional ESCOLA Nome do estabelecimento de ensino Secundária C/3º CEB de Viriato Nome das Professoras Filomena Pires e Ana Capelo ALUNOS

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XII/2.ª REFORÇA OS APOIOS EM SITUAÇÃO DE DESEMPREGO

PROJETO DE LEI N.º./XII/2.ª REFORÇA OS APOIOS EM SITUAÇÃO DE DESEMPREGO Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XII/2.ª REFORÇA OS APOIOS EM SITUAÇÃO DE DESEMPREGO Exposição de motivos O desemprego é o maior flagelo social do país. As políticas de austeridade levaram a um aumento

Leia mais

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família

O Impacto Psicossocial do Cancro na Família O Impacto Psicossocial do Cancro na Família Maria de Jesus Moura Psicóloga Clínica Unidade de Psicologia IPO Lisboa ATÉ MEADOS DO SEC.XIX Cancro=Morte PROGRESSOS DA MEDICINA CURA ALTERAÇÃO DO DIAGNÓSTICO

Leia mais

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001.

Rede Social. Quadro I - População residente activa e empregada segunda seguindo o sexo e o ramo de actividade taxas de actividades em 1991 e 2001. Emprego e Formação Profissional Alguns dos dados constantes nesta área do Pré-diagnóstico foram fornecidos pelo Centro de Emprego de Pinhel e os restantes retirados do XVI Recenseamento geral da População

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO

DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO ESTA FARMÁCIA CUIDA DE SI DEPRESSÃO TRATAR É PRECISO ESTA FARMÁCIA CUIDA DE SI O QUE É A DEPRESSÃO? A depressão é uma perturbação do humor que interfere na capacidade para funcionar

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA MERCADO DE TRABALHO O quadro sociodemográfico apresentado tem consequências directas no mercado de trabalho. Segundo os últimos Censos, os concelhos de Penamacor, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão surgiam

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique

Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição. Junho de Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique Apoio Internacional ao Plano Nacional de Investimento do Sector Agrário (PNISA) e Nutrição Junho de 2013 Matthew Brooke, Delegação da UE, Moçambique 1 Breve Historial Mais de 70%vivem da agricultura Pequenos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS. Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS. Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior Preâmbulo Considerando a necessidade de apoiar as pessoas idosas, proporcionando-lhes momentos lúdicos, de lazer e de

Leia mais

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Introdução Os sentimentos de tristeza, desapontamento, desvalorização e culpa, surgem pontualmente

Leia mais

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio de 2017 Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa

Leia mais

CONCEITOS DE SAÚDE & ENFERMIDADE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

CONCEITOS DE SAÚDE & ENFERMIDADE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CONCEITOS DE SAÚDE & ENFERMIDADE NA ATENÇÃO PRIMÁRIA Dr CECIL G. HELMAN Professor of Medical Anthropology, Brunel University & Senior Lecturer, Department of Primary Care & Population Sciences, Royal Free

Leia mais

Uma perspectiva tridimensional - A experiência na CMB. Ana Cristina Amaro - Médica do Trabalho

Uma perspectiva tridimensional - A experiência na CMB. Ana Cristina Amaro - Médica do Trabalho Uma perspectiva tridimensional - A experiência na CMB Regresso ao Trabalho após uma Doença ou um Acidente; Gestão das questões administrativas relacionadas com os Acidentes de Trabalho; Prevenção dos Riscos

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

Pressupostos e perspectivas para a criação do regime dos trabalhadores agrícolas e das pescas. Manuel Moreira, Representante do MAPTSS

Pressupostos e perspectivas para a criação do regime dos trabalhadores agrícolas e das pescas. Manuel Moreira, Representante do MAPTSS Pressupostos e perspectivas para a criação do regime dos trabalhadores agrícolas e das pescas Manuel Moreira, Representante do MAPTSS Importância da Protecção Social aos trabalhadores rurais e das pescas

Leia mais

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis polis- Rio de Janeiro. Disciplina: População Espaço o e Ambiente - CST-310 310-3 Aluna: Lira Luz Benites Lázaro Profs: Silvana Amaral

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS Índice Planear o orçamento familiar Tipos de rendimentos Tipos de despesas Estrutura de despesas Saldo do orçamento familiar

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

CONSUMER PAYMENT REPORT 2015

CONSUMER PAYMENT REPORT 2015 PORTUGAL CONSUMER PAYMENT REPORT A Intrum Justitia recolheu dados de. consumidores em 1 países europeus para adquirir o conhecimento da vida quotidiana dos consumidores europeus; dos seus gastos e da sua

Leia mais

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário SESSÃO DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO PARA O EMPREGO FCG (SALA DIRECÇÕES) - 23.05.2013, 15H30 Senhor Ministro da Economia e do Emprego Senhor Secretário de Estado do Emprego Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

Padrões de Acumulação Económica e Pobreza em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco (IESE)

Padrões de Acumulação Económica e Pobreza em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco (IESE) Padrões de Acumulação Económica e Pobreza em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco (IESE) carlos.castel-branco@iese.ac.mz www.iese.ac.mz Debate público sobre Questões do crescimento económico e redução

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A Ministério da Educação e Ciência Agrupamento de Escolas de Anadia Ano letivo de 2015-2016 I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A CICLO CÓDIGO - DISCIPLINA ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO PREÂMBULO Procurar respostas sociais dirigidas a utentes dos diferentes grupos etários e à família, significa responder a necessidades humanas (psicológicas, afectivas, sociais, ) por forma a prevenir,

Leia mais

Sem Cerimónia nem Papéis Um estudo sobre as Uniões de facto em Portugal. Ficha de Caracterização dos Entrevistados e Cônjuges Parte I

Sem Cerimónia nem Papéis Um estudo sobre as Uniões de facto em Portugal. Ficha de Caracterização dos Entrevistados e Cônjuges Parte I Sem Cerimónia nem Papéis Um estudo sobre as Uniões de facto em Portugal Ficha de Caracterização dos Entrevistados e Cônjuges Parte I Q1. Sexo M F Concelho de Residência / Distrito --------------- Q2. Situação

Leia mais

QUESTIONÁRIO SÓCIO-CULTURAL-ECONÔMICO-EDUCACIONAL

QUESTIONÁRIO SÓCIO-CULTURAL-ECONÔMICO-EDUCACIONAL ANEXO A QUESTIONÁRIO SÓCIO-CULTURAL-ECONÔMICO-EDUCACIONAL Responder a este questionário é de fundamental importância para a UFES e para o sistema universitário brasileiro. E é nesse sentido que nos dirigimos

Leia mais

3.1 Problemas de comportamento na criança e no adolescente

3.1 Problemas de comportamento na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.1 Problemas de comportamento na criança e no adolescente Introdução A criança manifesta os sentimentos face ao mundo que a rodeia através do seu

Leia mais

C E N T R O D E E M P R E G O E F O R M A Ç Ã O P R O F I S S I O N A L D E BRA G A N Ç A

C E N T R O D E E M P R E G O E F O R M A Ç Ã O P R O F I S S I O N A L D E BRA G A N Ç A CURSOS DE APRENDIZAGEM Formação Inicial com Certificação Escolar e Profissional Estes cursos preparam jovens e adultos para o desempenho de profissões qualificadas, de forma a favorecer a entrada na vida

Leia mais

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Incapacidade Temporária por Doença Profissional (N07

Leia mais

IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES

IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES IGUALDADE NÃO É (SÓ) QUESTÃO DE MULHERES TERESA MANECA LIMA SÍLVIA ROQUE DIFERENÇAS ENTRE HOMENS E MULHERES APENAS UMA QUESTÃO DE SEXO? SEXO GÉNERO SEXO: conjunto de características biológicas e reprodutivas

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 447/X

PROJECTO DE LEI N.º 447/X Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 447/X ALTERA A LEI N.º 53-B/2006, DE 29 DE DEZEMBRO, QUE CRIA O INDEXANTE DOS APOIOS SOCIAIS E NOVAS REGRAS DE ACTUALIZAÇÃO DAS PENSÕES E OUTRAS PRESTAÇÕES SOCIAIS

Leia mais

ASSOCIAÃ Ã ES CONTESTAM ANTEPROPOSTA DE LEI DO GOVERNO 09-Ago-2006

ASSOCIAÃ Ã ES CONTESTAM ANTEPROPOSTA DE LEI DO GOVERNO 09-Ago-2006 ASSOCIAÃ Ã ES CONTESTAM ANTEPROPOSTA DE LEI DO GOVERNO 09-Ago-2006 Mais de 30 associações de imigrantes subscreveram um documento com propostas de alteração à nova lei de imigração, posta à discussão pública

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Outubro de 2014 REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Nota justificativa (art.º 116.º do Código do Procedimento Administrativo)

Leia mais

Nível Sócio Econômico (NSE) das Escolas de Campinas

Nível Sócio Econômico (NSE) das Escolas de Campinas Nível Sócio Econômico (NSE) das Escolas de Campinas Pesquisa contratada pelo Observatório da Educação de Campinas, iniciativa do Compromisso Campinas pela Educação (CCE), da Fundação FEAC. Março 2014 O

Leia mais

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas)

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Introdução É relativamente frequente que, pontualmente, a criança se recuse

Leia mais

Preâmbulo. 1. É aprovado o Regulamento de Bolsa de Estudos do ISPT. 2. O presente Regulamento entra imediatamente em vigor.

Preâmbulo. 1. É aprovado o Regulamento de Bolsa de Estudos do ISPT. 2. O presente Regulamento entra imediatamente em vigor. Preâmbulo Tornando-se necessário regulamentar o processo de atribuição de Bolsas de Estudos à estudantes matriculados no Instituto Superior Politécnico de Tete (ISPT) e, no uso da competência que lhe é

Leia mais

Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho e aí reunida a 7 de Junho de 1994, na sua 81.

Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho e aí reunida a 7 de Junho de 1994, na sua 81. Resolução da Assembleia da República n.º 37/2006 Convenção n.º 175, sobre trabalho a tempo parcial, da Organização Internacional do Trabalho, adoptada em Genebra em 24 de Junho de 1994. A Assembleia da

Leia mais

Caracterização das Instituições de Solidariedade Social e das Famílias carenciadas apresentação do estudo feito em parceria por

Caracterização das Instituições de Solidariedade Social e das Famílias carenciadas apresentação do estudo feito em parceria por Caracterização das Instituições de Solidariedade Social e das Famílias carenciadas apresentação do estudo feito em parceria por com o apoio: CTT e Sociedade de S. Vicente de Paulo Apresentação Resumo Novembro

Leia mais

Economia da Educação 2015/2016 Pedro Telhado Pereira 2ª frequência 9/6/2016 (Duração minutos) Tópicos de resolução

Economia da Educação 2015/2016 Pedro Telhado Pereira 2ª frequência 9/6/2016 (Duração minutos) Tópicos de resolução Nome: Nº: Economia da Educação 2015/2016 Pedro Telhado Pereira 2ª frequência 9/6/2016 (Duração - 120 minutos) Tópicos de resolução As respostas devem ser dadas na folha de enunciado I Uma das competências

Leia mais

Relatório sobre A Situação da População Mundial Fundo de População das Nações Unidas UNFPA

Relatório sobre A Situação da População Mundial Fundo de População das Nações Unidas UNFPA Relatório sobre A Situação da População Mundial 2011 Fundo de População das Nações Unidas UNFPA 7 mil milhões / 7 biliões / 7 bilhões de pessoas: seu mundo, suas oportunidades Relatório 2011 O marco dos

Leia mais

O Perfil do Pai que vive com os filhos

O Perfil do Pai que vive com os filhos 19 de março: Dia do Pai 18 de março 2013 O Perfil do Pai que vive com os filhos Em Portugal, 1 631 376 Pais vivem com filhos/as. A idade média dos Pais é de 47,1 anos. Na sua maioria são casados e vivem,

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda Determinantes Sociais da Saúde Professor: Dr. Eduardo Arruda Conteúdo Programático desta aula Epidemiologia social e os Determinantes Sociais da Saúde (DSS); Principais Iniquidades em Saúde no Brasil;

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsa Social Xadrez Dr.ª Célia Santos

Regulamento de Atribuição de Bolsa Social Xadrez Dr.ª Célia Santos Regulamento de Atribuição de Bolsa Social Xadrez Dr.ª Célia Santos Inscrições Abertas de 20 de fevereiro a 15 março Sede CPC Rua Pedro Álvares Cabral (EB1/JI), Vila Nova de Caparica, 2825-049 Caparica

Leia mais

IMPACTOS DA EDUCAÇÃO NA POBREZA E NA PRIVAÇÃO MATERIAL DAS FAMÍLIAS EM PORTUGAL, 2010

IMPACTOS DA EDUCAÇÃO NA POBREZA E NA PRIVAÇÃO MATERIAL DAS FAMÍLIAS EM PORTUGAL, 2010 DISSERTAÇÃO MESTRADO EM ECONOMIA E POLÍTICAS PÚBLICAS IMPACTOS DA EDUCAÇÃO NA POBREZA E NA PRIVAÇÃO MATERIAL DAS FAMÍLIAS EM PORTUGAL, 2010 Por: SUSANA PAULA P. F. NEVES INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional - Certificação (N28 v4.06) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL

EIXO I ATRACTIVIDADE TERRITORIAL Plano de Acção para 2007 1 Um Plano de Acção, mais do que um documento, pretende-se que seja um instrumento de trabalho manuseável, flexível, ajustável à realidade e útil. Neste sentido, considerou-se

Leia mais

Tipo de Número Número Número Tipo de Data da Registro do Domicílio da Família do Indivíduo Morador Entrevista

Tipo de Número Número Número Tipo de Data da Registro do Domicílio da Família do Indivíduo Morador Entrevista Tipo de Número Número Número Tipo de Data da Registro do Domicílio da Família do Indivíduo Morador Entrevista 7 Bloco E - Atributos Pessoais (10 anos e mais) Dia Mês Ano Nome do Indivíduo Nome do Informante

Leia mais

DEPRESSÃO: UMA CRISE GLOBAL DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL 2012

DEPRESSÃO: UMA CRISE GLOBAL DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL 2012 DEPRESSÃO: UMA CRISE GLOBAL DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL 2012 DEPRESSÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO A depressão é universal e transversal a todos os grupos etários e sociais, com ênfase para as pessoas em desvantagem

Leia mais

ECONOMA DA EMPRESA UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. - Teoria da Empresa -

ECONOMA DA EMPRESA UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. - Teoria da Empresa - ECONOMA DA EMPRESA UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D.HENRIQUE Departamento de Economia - Teoria da Empresa - 1 Índice 1. Motivações para uma teoria da empresa 2. Contributos iniciais para a análise da

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO AO ARRENDAMENTO HABITACIONAL. DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA para instrução da candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO AO ARRENDAMENTO HABITACIONAL. DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA para instrução da candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO AO ARRENDAMENTO HABITACIONAL DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA para instrução da candidatura (APRESENTAR ORIGINAIS E ENTREGAR FOTOCÓPIAS DE TODOS OS DOCUMENTOS) B.I./ C.C./Cédula

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM VIH/SIDA E SUAS FAMÍLIAS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM VIH/SIDA E SUAS FAMÍLIAS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM VIH/SIDA E SUAS FAMÍLIAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 36/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 36/XII Exposição de Motivos O Estado Português, através da assinatura do Memorando de Políticas Económicas e Financeiras, assumiu perante a União Europeia, o Fundo Monetário Internacional

Leia mais

1-Crescimento e desenvolvimento.

1-Crescimento e desenvolvimento. ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA Curso : Científico -Humanístico de Ciências Socioeconómicas Matriz Economia c 12º ano CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS TEMPO PREVISTO (TEMPOS 45 M)

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios

Leia mais

Nº do Domicílio Nº da Nº do Tipo de Data da Entrevista Prenome do Indivíduo Prenome do Informante Família Indivíduo Morador 7

Nº do Domicílio Nº da Nº do Tipo de Data da Entrevista Prenome do Indivíduo Prenome do Informante Família Indivíduo Morador 7 NÚMERO DO QUESTIONÁRIO Nº do Domicílio Nº da Nº do Tipo de Data da Entrevista Prenome do Indivíduo Prenome do Informante Família Indivíduo Morador 7 1 2 6 7 8 9 10 11 12 17 BLOCO E - ATRIBUTOS PESSOAIS

Leia mais

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA Rossetti (Cap. III) As 4 Questões Chave da Economia Eficiência Produtiva Eficácia alocativa Justiça distributiva e Ordenamento Institucional Principais Elementos

Leia mais

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO Entidades Promotoras: Entidades privadas, com ou sem fins lucrativos e Autarquias Locais. Destinatários: Jovens à procura de emprego, entre os 18 e os 30 anos, inscritos no IEFP

Leia mais

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas

Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Regulamento da Academia de Judo de Avenidas Novas Nota justificativa Considerando que a atividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a saúde e bemestar da população; Considerando que a

Leia mais

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O TRABALHO DIGNO, A JUSTIÇA SOCIAL E O FUTURO DO TRABALHO OIT: MISSÃO Desenvolve o seu trabalho no âmbito da redução da

Leia mais

formação desemprego Emprego e Formação Santé autorização de trabalho direitos salário contrato de trabalho procura de emprego equivalência de diplomas

formação desemprego Emprego e Formação Santé autorização de trabalho direitos salário contrato de trabalho procura de emprego equivalência de diplomas direitos autorização de trabalho formação autônomo contrato de trabalho procura de emprego equivalência de diplomas desemprego sindicatos salário Emprego e Formação Santé Trabalhar permite de sustentar

Leia mais

Discurso sobre a Dinamarca e a crise dos refugiados. Excelentíssimos Senhora e Senhor Presidentes das Comissões e Excelentíssimos Senhores Deputados.

Discurso sobre a Dinamarca e a crise dos refugiados. Excelentíssimos Senhora e Senhor Presidentes das Comissões e Excelentíssimos Senhores Deputados. Discurso sobre a Dinamarca e a crise dos refugiados Excelentíssimos Senhora e Senhor Presidentes das Comissões e Excelentíssimos Senhores Deputados. Estamos diante de um problema com refugiados que requer

Leia mais

A inclusão social de requerentes de asilo e refugiados em Portugal: uma abordagem das políticas e das práticas

A inclusão social de requerentes de asilo e refugiados em Portugal: uma abordagem das políticas e das práticas A inclusão social de requerentes de asilo e refugiados em Portugal: uma abordagem das políticas e das práticas Encontro Ciência 2016 - Inclusão Social Lisboa, 4 de julho de 2016 Lúcio Sousa e Paulo Manuel

Leia mais

Dia Internacional da Família 15 de maio

Dia Internacional da Família 15 de maio Dia Internacional da Família 15 de maio 14 de maio de 2013 Como são as famílias em Portugal e que riscos económicos enfrentam Em Portugal as famílias são hoje mais e têm menor dimensão média, em consequência

Leia mais

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 25 de Novembro de 2009 A publicação Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007, apresenta,

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

Entidades sinalizadoras por distrito

Entidades sinalizadoras por distrito Entidades sinalizadoras por distrito Entidades sinalizadoras Os próprios 4 1,2 0 0,0 2 0,2 0 0,00 0 0,0 1 0,2 0 0,0 1 0,3 0 0,0 66 12,4 5 2,9 13 0,5 3 0,6 7 0,5 0 0,0 0 0,0 0 0,0 4 0,8 1 0,2 1 0,2 Os pais

Leia mais

Fig. 1-1 Procura e oferta agregadas no longo prazo. Produto (Y)

Fig. 1-1 Procura e oferta agregadas no longo prazo. Produto (Y) 1. INTRODUÇÃO 1. A macroeconomia 1.1. Estuda o comportamento da economia como um todo as expansões e as recessões, o produto total da economia em bens e serviços, o crescimento do produto, as taxas de

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Regalias Sociais aos Bombeiros da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Avisenses PREÂMBULO

Projeto de Regulamento de Concessão de Regalias Sociais aos Bombeiros da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Avisenses PREÂMBULO Projeto de Regulamento de Concessão de Regalias Sociais aos Bombeiros da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Avisenses PREÂMBULO O Regulamento de Concessão de Regalias Sociais aos Bombeiros

Leia mais

Economia da Educação 2014/2015 Pedro Telhado Pereira Frequência 8/6/2015 (Duração minutos)

Economia da Educação 2014/2015 Pedro Telhado Pereira Frequência 8/6/2015 (Duração minutos) Economia da Educação 2014/2015 Pedro Telhado Pereira Frequência 8/6/2015 (Duração - 120 minutos) Nome: Nº: As respostas devem ser dadas na folha de enunciado I Estudos têm mostrado que a educação pré-primária

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO 1. Introdução O Estado Moçambicano encetou um processo de reformas legislativas e administrativas, visando dotar o País de leis

Leia mais

Riscos no Concelho da Ribeira Brava. Movimentos de Vertente. Cheias Rápidas e Inundações. Anexos I

Riscos no Concelho da Ribeira Brava. Movimentos de Vertente. Cheias Rápidas e Inundações. Anexos I Inquérito Este inquérito foi elaborado no âmbito da Tese de Mestrado em Dinâmicas Sociais e Riscos Naturais: Riscos no Concelho da Ribeira Brava, Movimentos de Vertente, Inundação/Cheias Rápidas, promovido

Leia mais

REGULAMENTO DOS APOIOS EM CEDÊNCIA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

REGULAMENTO DOS APOIOS EM CEDÊNCIA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO REGULAMENTO DOS APOIOS EM CEDÊNCIA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PARA OBRAS PARTICULARES DE AGREGADOS FAMILIARES CARENCIADOS NA FREGUESIA DA PONTA DELGADA Considerando o novo quadro legal de atribuições

Leia mais

PROGRAMA DE INICIATIVA COMUNITÁRIA URBAN II LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA) rodoviárias Avenida de Ceuta, Acessos à Ponte 25 de Abril,

PROGRAMA DE INICIATIVA COMUNITÁRIA URBAN II LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA) rodoviárias Avenida de Ceuta, Acessos à Ponte 25 de Abril, 1. INTRODUÇÃO 1.1. OBJECTIVOS DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DE 2005 Nos termos do artigo 37º do Regulamento (CE) n.º 1260/99 do Conselho, de 21 de Junho, que estabelece as disposições gerais sobre os Fundos

Leia mais

SAUDE MENTAL CASO PRATICO

SAUDE MENTAL CASO PRATICO SAUDE MENTAL CASO PRATICO Marisa Ferreira Assistente Social UDIP Alameda da SCML IDENTIFICACAO DO CASO Não é possível apresentar a imagem neste momento. Homem de 62 anos Diagnóstico de perturbacao Bipolar

Leia mais

Marisa Vidovix. Superintendente

Marisa Vidovix. Superintendente Marisa Vidovix Superintendente Contribuir para a promoção humana e a inclusão socioeconômica, a partir da assistência e da qualificação profissional e cultural de pessoas com e sem deficiência. Ser referência

Leia mais

A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades

A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades A Intervenção com as Comunidades Ciganas: em prol da igualdade de género e de oportunidades A luta das mulheres para conseguir espaços de igualdade é difícil, mas temos de ter a capacidade de tomar decisões

Leia mais

REPORT CARD 7 O bem-estar da Criança nos Países Ricos

REPORT CARD 7 O bem-estar da Criança nos Países Ricos REPORT CARD 7 O bem-estar da Criança nos Países Ricos As 6 Dimensões enunciadas no estudo da UNICEF, no Report Card 7 foram: 1. Bem-estar Material; 2. Saúde e Segurança; 3. Bem-estar Educativo; 4. Relações

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA Exposição de motivos A sociedade moderna tem por obrigação fornecer os instrumentos

Leia mais

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES Um desafio para a igualdade numa perspectiva de gênero Ituporanga 30/04/04 Conferência Espaço de participação popular para: Conferir o que tem sido feito

Leia mais