Gerenciamento de Energia. Answers for industry.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de Energia. Answers for industry."

Transcrição

1 Gerencimento de Energi Answers for industry.

2 Gerencimento de Energi Reduzindo os custos opercionis... Identifique dispositivos com elevdo consumo de energi pr implementr medids energétics eficzes. Ofereç suporte o responsável pel quisição de energi de su empres, disponibilizndo históricos de perfis de demnd e modelos de consumo de energi. Otimize seus investimentos de cpitl destindos projetos de mplição ds instlções, loclizndo oportuniddes de gnho n distribuição de energi. Aumente conscientizção dos custos energéticos em seus deprtmentos trvés do rteio exto os centros de custo....e umentndo disponibilidde ds instlções... Aumente o tempo de funcionmento de sus instlções, detectndo situções crítics (p. ex.: protocolos de lrme e de eventos) de form rápid e utomátic. Evite situções de sobrecrg identificndo os limites de cpcidde de su distribuição de energi. Assegure qulidde d energi elétric trvés de constnte monitormento e nálise. Otimize seus custos de mnutenção nlisndo plicção de seus componentes de distribuição de energi....pr obter miores benefícios no futuro. Beneficie-se ds trifs menores pelo contrto de fornecimento de energi limitndo s situções de pico. Evite custos dicionis em sus conts de energi por meio d gestão de crgs. 2

3 Situção Atul Custos energéticos cd vez mis elevdos Flt de trnsprênci no consumo FASE 1 Crir trnsprênci FASE 2 Representção por utilitário FASE 3 Gerencir s crgs Documentr o fluxo de energi Reduzir o consumo de energi Otimizr o contrto de fornecimento de energi Aumentr disponibilidde ds instlções Otimizr os investimentos Atribuir o consumo os centros de custo Aumentr conscientizção dos custos Compensção de situções de crgs lts e bixs Estruturr de form eficz o processo de produção segundo critérios energéticos Processo de melhori contínu O primeiro psso rumo um mior eficáci no uso d energi consiste em um gerencimento de energi que ofereç trnsprênci necessári como bse pr reduzir os custos opercionis, brngendo todo o sistem de distribuição de energi. Isto é possível trvés de um sistem de registro e nálise contínuo e completo dos ddos, que proporcione um nível máximo de trnsprênci dos fluxos de energi desde limentção té os utilitários. O efeito positivo: plicção mis eficz dos recursos energéticos e identificção mis objetiv dos potenciis de economi. N segund fse, os ddos do consumo registrdos utomticmente oferecem, entre outros ftores, possibilidde de umentr conscientizção dos custos de energi em seus deprtmentos. Você não quis sempre sber o montnte exto dos custos de energi e onde são origindos? E melhor ind: trvés d tribuição ext dos respectivos utilitários os centros de custo, você pode incentivr s áres conscientizds sobre energi e, por exemplo, permitir que tenhm prticipção n redução dos custos. Isto reduz seus custos longo przo e ind estimul miores otimizções. Dependendo d empres, terceir fse brnge um vsto cmpo de soluções. O idel é plnejr produção segundo critérios de eficáci d fbricção e d energi. Pr gestão ds operções e gestão d empres, pode-se utilizr os ddos de um sistem de gerencimento de energi e processá-los devidmente. Vi de regr, em pequens e médis empress, gestão gerl dos processos revel-se mis simples. Nests empress, trnsprênci dos ddos energéticos obtid n primeir fse gerlmente permite implementção diret e eficz de medids de otimizção dos processos, controle de demnd, consumo e ftor de potênci. A colet detlhd e complet de todos os ddos energéticos possibilit que você se dpte rpidmente lterções ns condições básics e estbeleç um processo de melhori contínu. O resultdo: um empres otimizd, contrtos de energi melhordos e um melhor situção dos custos. 3

4 Automção e distribuição otimizd de energi pr indústri e infrestrutur Corporte control level Plnt control level Power mngement Totlly Integrted Automtion Totlly Integrted Power Por que o gerencimento de energi d Siemens? Com o gerencimento de energi d Siemens, você investe em um sistem inovdor e de futuro. Fundmentdo n tecnologi industril, este sistem cumpre exigêncis específics de qulidde e disponibilidde. Com o gerencimento de energi como componente integrnte d Totlly Integrted Automtion e Totlly Integrted Power, você proveit s vntgens de produtos e sistems integrdos, d plicção de componentes pdronizdos, de um filosofi opercionl uniforme e de um engenhri simples. Em resumo: o gerencimento de energi possibilit explorr totlmente o potencil de otimizção de um solução brngente. 4

5 Diferentes soluções pr diferentes necessiddes SIMATIC WinCC Automção de Fábrics Softwre: WinCC powerrte Hrdwre: SIMATIC S7, SENTRON PAC SIMATIC PCS 7 Automção de Processos Softwre: PCS7 powerrte Hrdwre: SIMATIC S7, SENTRON PAC SIMART 32 Gerencimento de Energi e Utiliddes Softwre: SIMART 32 Hrdwre: SIG-M, SIG-C, SENTRON PAC 5

6 SIMATIC WinCC powerrte SIMATIC WinCC é um dicionl o WinCC que mostr o consumo de energi desde limentção principl té crg. Os ddos de potênci são continumente coletdos, rquivdos e processdos. Com um conhecimento exto do perfil de consumo é possível identificr potenciis de economi, otimizr s sus condições de fornecimento de energi e ssim reduzir os custos. O monitormento do limite de energi corddo contrtulmente jud, por um ldo, prevenir mults desnecessrimente lts e, por outro, fzer uso totl do limite de energi estbelecido. A integrção complet o WinCC hbilit o uso fácil de interfces pdrão, por exemplo, pr SIMATICIT ou funcionliddes pdrão do WinCC. SIMATIC WinCC powerrte é constituído dos seguintes componentes: Módulos pr quisição e processmento de ddos de energi. Fceplte pr presentção e processmento dos ddos de energi. Mcro em Excel pr locção de ddos de energi os centros de custo. Componentes pr implementção do gerencimento de crg (clculndo tendêncis, monitorndo limites, estbelecendo/desbilitndo crgs). Fceplte pr presentção de resultdos e pr configurção do gerencimento de crg. Mcro Excel pr determinção d curv de durção, sendo utilizd como bse pr decisões de gerencimento de crg. Benefícios Identificção de dispositivos e de consumos de energi pr introduzir medids pr melhorr eficiênci energétic. Comprção de perfis de consumo pr mior eficiênci do processo. Otimizção do processo com os prâmetros de energi e vlição de consumo e custos. Conformidde com o limite de energi corddo contrtulmente, prevenindo ssim o pgmento de mults por um ultrpssgem do vlor de demnd. Aplicção SIMATIC WinCC powerrte é utilizdo em tods s áres ns quis o WinCC é utilizdo. A totl integrção o WinCC signific que não há necessidde de um mbiente de sistem especil. Módulos e símbolos pré-definidos proporcionm grnti de construção sobre componentes de produto testdos e certificdos, com interfces que possibilitm expnsibilidde personlizd. O SIMATIC WinCC powerrte V 3.0 pode ser utilizdo com o SIMATIC S7-317 e mis recentes. SIMATIC WiNCC powerrte V 3.0 Peso PU PS* Tipo Pr SIMATIC WinCC V 6.2 SP2 e V7.0 Licenç de Engenhri e licenç de RunTime pr um sistem de utomção. Licenç de RunTime pr um sistem de utomção. 230 g 1 unidde 230 g 1 unidde 3ZS CC30-0YGO 3ZS CC30-6YHO Atulizção do SIMATIC WinCC powerrte V 2.0 pr V 3.0 Pr SIMATIC WinCC V 6.2 SP2 e V7.0 Licenç de Engenhri e licenç de RunTime pr um sistem de utomção. Licenç de RunTime pr um sistem de utomção. 230 g 1 unidde 3ZS CC30-0YEO 230 g 1 unidde 3ZS CC30-6YFO 6 Not: Um licenç por sistem de utomção é necessári! *Você pode solicitr est quntidde ou um múltiplo dest.

7 Configurção, Visulizção e Controle com SIMATIC Aquisição e processmento de ddos de energi Utilizndo módulos pré-fbricdos, os ddos de energi podem ser coletdos de qulquer dispositivo, por exemplo, trvés de um rede Profibus. Os ddos podem ser n form de pulsos de contgem, vlores de contgem ou vlores de energi. A prtir destes ddos, o módulo clcul s médis de energi e os vlores de operção durnte um período de tempo pré-definido. Os vlores de contgem podem ser inseridos mnulmente. Os resultdos são rquivdos no plictivo PCS 7 Tg Logging Archive ou no WinCC Archive. Além disso, há um previsão do limite extrpoldo pr cd período. Um função de mostr pode ser dptd trvés de interfces berts qulquer momento conforme s necessiddes do processo. Isto foi implementdo pr visulizr cálculos person- lizdos. A leitur de ddos de contdores mnuis pode ser inserid diretmente no sistem e utilizd pr vlições dicionis. Processmento dicionl de ddos Os ddos rquivdos podem ser exportdos diretmente do PCS 7 ou WinCC pr o plictivo Excel. Utilizndo mcros pré-definids é possível crir vários reltórios: Reltório do centro de custo Aqui o consumo pode ser tribuído diferentes centros de custo e os custos clculdos com bse em rzões pré-definids. Os resultdos podem ser emitidos em dois reltórios n form de tbel conforme os gráficos o ldo. Apresentção dos ddos de energi Os ddos de energi tulmente coletdos são presentdos como vlores médios de operção de energi de cordo com o intervlo de tempo. Um visulizção dentro do fceplte possibilit vlição dos ddos de energi rquivdos. Reltório n form de tbel Reltório como gráfico de brrs Período de um Curv Um nálise é relizd com bse ns médis de energi rquivds pr estbelecer frequênci n qul um determind médi de energi ocorreu em um determindo período. A prtir dest curv torn-se rpidmente evidente se houve picos de energi em um curto período de tempo. É possível tmbém o processmento dos ddos de energi exportdos. Se os ddos forem rquivdos no plictivo PCS 7 Tg Logging Archive ou no WinCC Archive, tmbém podem ser cessdos com s ferrments do PCS 7 ou WinCC. 7

8 SIMATIC PSC 7 powerrte SIMATIC PCS 7 é um dicionl o PCS 7 que mostr o consumo de energi desde limentção principl té crg. Os ddos de potênci são continumente coletdos, rquivdos e processdos. Com um conhecimento exto do perfil de consumo é possível identificr potenciis de economi, otimizr s sus condições de fornecimento de energi e ssim reduzir os custos. O monitormento do limite de energi corddo contrtulmente jud, por um ldo, prevenir mults desnecessrimente lts e, por outro, fzer uso totl do limite de energi estbelecido. A integrção complet o PCS 7 hbilit o uso fácil de interfces pdrão, por exemplo, pr SIMATIC IT ou funcionliddes pdrão do PCS 7. SIMATIC PCS 7 powerrte é constituído dos seguintes componentes: Módulos pr quisição e processmento de ddos de energi. Fceplte pr presentção e processmento dos ddos de energi. Mcro em Excel pr locção de ddos de energi os centros de custo. Componentes pr implementção do gerencimento de crg (clculndo tendêncis, monitorndo limites, estbelecendo/desbilitndo crgs). Fceplte pr presentção de resultdos e pr configurção do gerencimento de crg. Mcro Excel pr determinção d curv de durção, sendo utilizd como bse pr decisões de gerencimento de crg. 8

9 Benefícios Identificção de dispositivos e de consumos de energi pr introduzir medids pr melhorr eficiênci energétic. Comprção de perfis de consumo pr mior eficiênci do processo. Otimizção do processo com os prâmetros de energi e vlição de consumo e custos. Aplicção SIMATIC PCS 7 powerrte é utilizdo em tods s áres ns quis o PCS 7 é utilizdo. A totl integrção o PCS 7 signific que não há necessidde de um mbiente de sistem especil. Módulos e símbolos pré-definidos proporcionm grnti de construção sobre componentes de produto testdos e certificdos, com interfces que possibilitm expnsibilidde personlizd. SIMATIC PCS 7 powerrte V 3.0 Peso PU PS* Tipo Pr SIMATIC PCS 7 V 6.1 SP1, V 6.1 SP2 e V 7.0 SP1 Licenç de Engenhri e licenç de RunTime pr um sistem de utomção. Licenç de RunTime pr um sistem de utomção. 230 g 1 unidde 230 g 1 unidde 3ZS CC30-0YGO 3ZS CC30-6YHO Atulizção do SIMATIC PCS 7 powerrte V 2.0 pr V 3.0 Pr SIMATIC PCS 7 V 6.1 SP1, V 6.1 SP2 e V 7.0 SP1 Licenç de Engenhri e licenç de RunTime pr um sistem de utomção. 230 g 1 unidde 3ZS CC30-0YEO Licenç de RunTime pr um sistem de utomção. 230 g 1 unidde 3ZS CC30-6YFO Not: Um licenç por sistem de utomção é necessári! *Você pode solicitr est quntidde ou um múltiplo dest. 9

10 SIG-M Gerencimento de Energi Elétric e Utiliddes O SIG-M é um concentrdor de ddos que, o ser conectdo o medidor d concessionári de energi elétric e um rede de medidores de energi elétric ou de utiliddes (por exemplo, vzão), se trnsform, junto com um softwre de supervisão, n ferrment idel pr gestão de energi e utiliddes de seu ptrimônio ou de seus clientes, dentro ds regrs do mercdo. O sistem ssim formdo é cpz de fornecer supervisão locl/remot em tempo rel, lém de reltórios e nálises de fturs e compnhmento de resultdos, podendo ser integrdo diretmente os nossos sistems de controle e energi (demnd, consumo e ftor de potênci). Com su rquitetur modulr e lt flexibilidde de comunicção com estções de supervisão e medidores de cmpo, o SIG-M vibiliz desde pequens plicções iniciis té quels que contemplm tod gestão de um empreendimento comercil ou industril. Principis crcterístics Comunicção vi port seril locl, modem fixo, modem celulr e port ethernet. Supervisão locl e/ou remot vi supervisório SIMART 32. Gestão remot vi serviço SIMART WEB. Até 24 medições reis de energi elétric contemplndo: medições virtuis trvés de fórmuls. rmzenmento de registros de demnd e consumo. registros de qulidde de energi: tensão, corrente e hrmônicos. Até 24 medições de utiliddes (águ, gás, vpor, etc.) ou processos (tempertur, pressão, etc.). A quem se destin Administrdores de Ptrimônio que necessitm gerir e contbilizr os gstos do condomínio trvés de ferrments confiáveis e utomátics, visndo vlorizção do empreendimento. Comercilizdors de Energi Elétric que necessitm contbilizr e projetr os consumos de seus clientes dentro ds regrs do mercdo livre de energi. Supervisão e Gerencimento Remoto BROWSER INTERNET SERVIDOR WEB Cbo direto Modem Fixo Modem Celulr Rede Corportiv SOFTWARE SIMART 32 Operção Locl Consumidores Finis que necessitm supervisionr e gerencir locl ou remotmente medição d concessionári e eventulmente energi/utiliddes de setores, lojs, uniddes, equipmentos etc., incluindo rteio ds respectivs fturs globis. Medição d Concessionári ESCOs (Energy Service Compny) e Consultoris que necessitm compnhr e vlidr os resultdos obtidos dos projetos de eficiênci energétic em seus clientes. Medições de Energi Elétric e Utiliddes 10

11 Análises Ferrments de gestão Gráficos Demnd tiv e reltiv, consumo, ftor de potênci, ftor de crg (por postos trifários). Tensão, corrente e hrmônicos. Consumo horário de utiliddes. Vlores instntâneos pr tods s vriáveis. Simulção de novos cenários pr crgs: indutivs e cpcitivs. Contrto de Demnd. Bncos de cpcitores pr correção do ftor de potênci. Met de consumo gerl e setoril. Reltórios Fturs globis e setoriis (mercdo livre vi SMART WEB). Rteio de custos de energi e utiliddes. HIstórico de eventos e lrmes. UNIDADE 1 UNIDADE N Medição d Concessionári Medição d Concessionári Medições de Energi Elétric e Utiliddes Medições de Energi Elétric e Utiliddes Crcterístics técnics ETHERNET TCP-IP Sincronismo com Concessionári Períodos de trifção pont/for pont indutivo e cpcitivo/reservdo; Dimensões: 70 (L) x 122 (A) x 111 (P) mm; Peso: 200 g Fixção: Trilho DIN 35 mm ou fundo de pinel; Ambiente de operção de 0 70ºC Alimentção: VCC/5 W Ports de supervisão: Ethernet UTP RJ45 10 Mbps ou RS232 ou RS485 ou modem vi Modbus RTU; Medição setoril: RS485 Modbus RTU e/ ou Ethernet; Medição d concessionári: Vi síd do usuário pdrão CODI/ABNT noml ou estendido; Retenção de ddos por bteri; Proteção contr surtos; Isolção glvânic entre limentção / medição / Ethernet. 11

12 SIG-C Controle e Gerencimento de Energi Elétric O SIG-C é um gerencidor que, o ser conectdo o medidor d concessionári de energi elétric e um rede de medidores de energi elétric e uniddes remots de Entrds e Síds, se trnsform, junto com um softwre de supervisão, n ferrment idel pr gestão de energi e utiliddes de seu ptrimônio ou de seus clientes, dentro ds regrs do mercdo. O sistem ssim formdo é cpz de fornecer supervisão locl/remot em tempo rel, lém de reltórios e nálises de fturs e compnhmento de resultdos, podendo ser integrdo diretmente o concentrdor SIG-M pr gestão de utiliddes. Com su rquitetur modulr e lt flexibilidde de comunicção com estções de supervisão, uniddes remots e medidores de energi elétric, o SIG-C vibiliz plicções desde concessionári té um controle distribuído e hierárquico entre os setores de um mesm instlção, com sincronismo e diferencição de postos trifários, constituindo-se n bse pr qulquer projeto de eficiênci energétic. Principis crcterístics Comunicção vi port seril locl, modem fixo, modem celur e port ethernet. Supervisão locl e/ou remot vi supervisório SIMART 32. Gestão remot vi serviço SIMART WEB. Até 8 medições reis de energi elétric contemplndo: medições virtuis trvés de fórmuls. rmzenmento de registros de demnd e consumo. registros de qulidde de energi: tensão, corrente e hrmônicos. Até 64 síds digitis pr controle de consumo, demnd e ftor de potênci. Até 64 entrds digitis pr monitorção de sttus. A quem se destin Consumidores Industriis e Comerciis de qulquer porte e segmento trifdos n ctegori convencionl ou horoszonl que desejm otimizr seus gstos com energi elétric sem prejuízo do respectivo negócio, contemplndo controles de consumo, demnd e ftor de potênci. Supervisão e Gerencimento Remoto BROWSER INTERNET SERVIDOR WEB Operção Locl ESCOs e Consultoris que necessitm compnhr e vlidr os resultdos obtidos dos projetos de eficiênci energétic. Cbo direto Modem Fixo Modem Celulr Rede Corportiv SOFTWARE SIMART 32 Administrdores de Ptrimônio que necessitm gerir, controlr e contbilizr os gstos do condomínio trvés de ferrments confiáveis e utomátics, visndo vlorizção do empreendimento. Medição d Concessionári Comercilizdors de Energi Elétric que, lém de contbilizr e projetr os consumos de seus clientes dentro ds regrs do mercdo livre de energi, necessitm otimizr os gstos dos mesmos. Medições e Controle de Demnd, Consumo ou Ftor de Potênci 12

13 Análises Ferrments de gestão Gráficos Demnd tiv e reltiv, consumo, ftor de potênci, ftor de crg (por postos trifários). Tensão, corrente e hrmônicos. Consumo horário de utiliddes. Vlores instntâneos pr tods s vriáveis. Simulção de novos cenários pr crgs: indutivs e cpcitivs. Contrto de Demnd. Bncos de cpcitores pr correção do ftor de potênci. Met de consumo gerl e setoril. Reltórios Fturs globis e setoriis (mercdo livre vi SIMART WEB). Rteio de custos de energi e utiliddes. HIstórico de eventos e lrmes. UNIDADE 1 UNIDADE N Medição d Concessionári Medição d Concessionári Medições de Energi Elétric e Utiliddes Medições de Energi Elétric e Utiliddes ETHERNET TCP-IP Crcterístics técnics Sincronismo com Concessionári Períodos de trifção pont/for pont indutivo e cpcitivo/reservdo; Dimensões: 70 (L) x 122 (A) x 111 (P) mm; Peso: 200 g Fixção: Trilho DIN 35 mm ou fundo de pinel; Ambiente de operção de 0 70ºC Alimentção: VCC/5 W Ports de supervisão: Ethernet UTP RJ45 10 Mbps ou RS232 ou RS485 ou modem vi Modbus RTU; Medição setoril: RS485 Modbus RTU e/ ou Ethernet; Estrtégis de Controle Controle de demnd por projeção (preditivo) grntindo o máximo ftor de crg com o mínimo de chvemento ns crgs; Controle de demnd dpttivo permitindo mudnç utomátic de prioridde no chvemento ds crgs conforme s restriçõe do processo; Controle de demnd por médi móvel (jnel móvel); Controle de demnd por vlor cumuldo, controle de ftor de potênci (preditivo) contemplndo rodízio de cpcitores; Controle de consumo progrmção horári otimizndo o uso ds crgs em dts e horários pré-estbelecidos, incluindo progrmção de dts especiis (feridos). Medição d concessionári: Vi síd do usuário pdrão CODI/ABNT noml ou estendido; Retenção de ddos por bteri; Proteção contr surtos; Isolção glvânic entre limentção / medição / Ethernet. 13

14 Medição precis com SENTRON PAC Vntgens SENTRON PAC é um instrumento de pinel de controle pr medição e indicção de vriáveis de distribuição de energi elétric como, por exemplo, tensão, corrente, energi e frequênci, com seus vlores mínimo, máximo e médio. Su operção é relizd trvés do seu formto compcto e cpcidde de lto desempenho. Um mplo visor, com luz de fundo, pode ser lido mesmo grndes distâncis. A operção migável e intuitiv é feit trvés do visor em nove idioms em combinção com qutro botões de função. A seleção do idiom é possível diretmente no dispositivo ou utilizndo o softwre de configurção. SEN- TRON PAC oferece váris opções de comunicção lém de entrds e síds digitis. Pr integrção um sistem de gerencimento de energi de nível superior, é possível utilizr interfce Ethernet integrd ou com módulos de expnsão disponíveis opcionlmente. SENTRON PAC está disponível tmbém com provções UL e CSA pr utilizção nos Estdos Unidos e no Cndá. O softwre de configurção SENTRON powerconfig está disponível pr configurção e compnh o produto no seu fornecimento. O softwre pr supervisão dos prâmetros de energi elétric é disponibilizdo grtuitmente por um ou mis multimedidores SENTRON PAC em rede. Dispositivo de medição com pinel de controle trifásico pr medição de vriáveis elétrics. Alt precisão de medição pr operção elétric; Clsse 0,5S e 0,2S conforme IEC Pode ser utilizdo pr medições monofásics bem como pr medições multi-fses em redes de 3 e 4 condutores. Pode ser conectdo diretmente redes industriis trifásics té 690/400 V ou té no máximo 500/289 V pr dispositivos com fonte de limentção CC (CATIII). Medição de tensões elevds utilizndo um trnsformdor de tensão; com rzão justável do trnsformdor. Pr trnsformdores de corrente x/1a e x/5a; com rzão de corrente do trnsformdor justável. Slot pr módulos de expnsão como, por exemplo, módulos de comunicção SENTRON PAC PROFIBUS DP ou SENTRON PAC RS485 MODBUS Tmnho reduzido grçs o formto compcto (96 mm x 96 mm, profundidde de montgem de 51 mm ou 77 mm. Visor LCD gráfico mplo com operção intuitiv utilizndo botões de função. Seleção por menu, tels de teste e documentção disponíveis em nove idioms (Inglês, Português e outros). Seleção de idiom no dispositivo IP65 utilizndo vedção pdrão. Entrd digitl multifuncionl pr detecção de pulsos de contgem ou pr monitormento do sttus de dispositivos de comutção. Síd digitl multifuncionl pr emissão de pulsos de energi tivos ou retivos (S0) ou pr indicção de violções do vlor limite. Monitormento de té 12 vlores limites e conexão de vlores limites com ports lógics. Memóri de mss pr rmzenmento de vlores de té 40 dis. Medidor de hors de operção pr inicilizção do tempo de operção de crg. Interfce Ethernet integrd (Modbus TCP) pr integrção de sistems de gerencimento de energi. SENTRON PAC TIPO PAC Terminis tipo prfuso U AUX VCA ± 10%, 50/60 Hz V CC ± 10% máx /400V CA, 50/60 Hz U e 7KM2112-0BA00-3AA0 PAC Terminis tipo prfuso U AUX VCA ± 10%, 50/60 Hz V CC ± 10% Máx /400V CA, 50/60 Hz U e 7KM4212-0BA00-3AA0 14

15 Funções de medição Crcterístics Grndezs básics de medição Tensão Corrente Corrente do neutro Potênci prente Potênci tiv Potênci retiv totl Potênci retiv fundmentl Ftor de potênci Ftor de potênci fundmentl Frequênci Vlores min./máx l dt e hor Vlores médios móvies Grndezs mplids de medição Ângulo de deslocmento de fse Ângulo de fse THD de tensão THD de corrente Hrmônics de tensão Hrmônics de corrente Forç d distorção de corrente Vlores máximos l dt e hor Assimetri l tensão l corrente Registrdores / contdores de energi Energi prente Energi tiv Energi retiv 2 contdores de trif (TP/TPF) Vlores diários de energi p/ 365 dis Demnd de energi do último período Período de medição Vlores min./máx de energi Contdor de hors de operção Contdor universl L-L,L-N, médi ds 3 fses por fse, médi ds 3 fses por fse e totl por fse e totl por fse e totl por fse e totl por fse e totl por fse d fse referênci função de ponteiro de rrste U, I, S, P, Q, LF entre tensão e corrente por fse entre tensões de fse por fse por fse por fse por fse por fse função de ponteiro de rrste sistem trifásico Contdor contínuo de energi totl Contdor contínuo de energi totl Importd e exportd Contdor contínuo de energi totl Importd e exportd Energi prente, tiv e retiv Energi prente, tiv e retiv Vlor médio de energi tiv e retiv Ajustável em minutos Dentro do período de medição Período de operção ds crgs Multifuncionl PAC 3200 / THD-R (UL-N) THD-R (IL1..3) / Unb l Inb PAC4200 / THD-R (UL-N& UL-L) THD-R (IL1..3) / Unb l Inb 1) Os vlores indicdos são vlores médios de tods s três fses. 2) Pode ser indicdo somente trvés de comunicção. As médis de potênci (vlores de contgem de potênci), incluindo vlores mínimo e máximo, são trnsmitidos durnte um período de medição selecionável. O período de medição pode ser seleciondo n fix min; o juste pdrão é 15 min. 3) Os vlores pr rzão lt e rzão bix são exibidos no visor. Medição possível Medição impossível ou não significtiv. Benefícios Grçs à mpl gm de funções, somente um vrinte de dispositivo é necessári pr diferentes trefs de medição. Isto economiz custos de rmzenmento e custos de quisição. Montgem fácil e rápid que economiz custos de instlção. Conexão com s redes de energi té 690 V 1) sem um trnsformdor de tensão, podendo ssim economizr espço n cbine de controle e custos (custos de trnsformdor, montgem e instlção do trnsformdor). Medições de potênci preciss pr identificção de potenciis de economis no sistem. As diverss funções de medição e monitormento diferentes do SENTRON PAC3200 contribuem indiretmente pr um nível superior de disponibilidde devido o fto de s flhs serem detectds previmente. Um visor gráfico mplo e ilumindo s segur bo leitur mesmo em condições de luz frc e bre um áre de plicção mior pr o dispositivo. Grçs à interfce Ethernet, que é incluíd sem custo dicionl em cd dispositivo, os custos de integrção do sistem podem ser reduzidos. Ao mesmo tempo, lt velocidde de trnsmissão jud umentr notvelmente o desempenho gerl do sistem. O softwre de configurção SENTRON powerconfig fcilit configurção dos dispositivos. Isto result em considerável economi de tempo, prticulrmente qundo váris uniddes PAC devem ser configurds. A fácil integrção em sistems de utomção ou sistems de gerencimento de energi, por exemplo, SIMATIC powerrte, é fvorecid pel interfce dos módulos de comuniccão, economizndo tempo e custos de implementção. SENTRON PAC tem profundidde de montgem reduzid, o que signific que tmbém pode ser instldo em equipmentos com pouc profundidde. 1) Máx. 500 V (U Ll L) pr versão com fonte de limentção CC 15

16 Siemens Ltd. Industry Sector Control nd Distribution Av. Muting, Piritub São Pulo - SP Sujeito lterções sem viso prévio. I IA CD 2405-CA Agosto de 2009 Impresso n Brsil As informções presentes nest publicção contêm pens descrições ou crcterístics de desempenho que nem sempre coincidirão com determindos csos concretos de plicção, ou els ind podem vrir em função de um eventul continução no desenvolvimento dos produtos. As crcterístics de desempenho somente terão um vínculo obrigtório qundo existir um desão por escrito nos termos do contrto. Tods denominções de produto podem ser mrcs registrds d Siemens AG ou de fornecedores dest, cujo uso por terceiros pode implicr n violção de direitos utoris.

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

SOFTWARE FUNCIONAL DA SÉRIE VNX DA EMC

SOFTWARE FUNCIONAL DA SÉRIE VNX DA EMC SOFTWARE FUNCIONAL DA SÉRIE VNX DA EMC Aumente o desempenho dos plictivos, protej informções essenciis e reduz os custos de rmzenmento com o softwre brngente d EMC DESTAQUES O pcote de softwre VNX Softwre

Leia mais

www.siemens.com.br/instrumentos Power Management Instrumentos Elétricos para Painéis

www.siemens.com.br/instrumentos Power Management Instrumentos Elétricos para Painéis www.siemens.com.br/instrumentos Power Management Instrumentos Elétricos para Painéis SENTRON PAC A família de dispositivos de medição SENTRON PAC pode ser utilizada tanto em indústrias como em instalações

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

McAfee Email Gateway Blade Server

McAfee Email Gateway Blade Server Gui de início rápido Revisão B McAfee Emil Gtewy Blde Server versão 7.x Esse gui de início rápido serve como um roteiro ásico pr instlção do servidor lde do McAfee Emil Gtewy. Pr oter instruções detlhds

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Um parceiro com objectivos

Um parceiro com objectivos Um prceiro com objectivos Índice 1. Sistem de Automção scolr... 3 2. Portri... 5 3. Gestão Finnceir I... 6 4. Sls de Aul... 14 5. Internet... 15 6. Gestão de Alunos.. 16 7. sttístics. 17 8. Inforvist:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) « IFPB» Concurso Público Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico» Editl Nº 136/2011 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «21. Um dos principis equipmentos

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

UMG 511 Analisador de qualidade de energia Classe A. de acordo com IEC 61000-4-30 UMG 511

UMG 511 Analisador de qualidade de energia Classe A. de acordo com IEC 61000-4-30 UMG 511 UMG 511 UMG 511 Analisador de qualidade de energia Classe A de acordo com IEC 61000-4-30 O analisador de qualidade de energia UMG 511 é particularmente adequado para monitorar a qualidade da energia de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996 Hydrulics Uniddes Hidráulics CATÁLOGO 2600-500/NR AGOSTO 1996 Grnti Certificção Termo de grnti A Prker Hnnifin Ind. e Com. Ltd, Divisão Hidráulic, dorvnte denomind simplesmente Prker, grnte os seus produtos

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O P A R A A L C A N Ç A R S E U A L V O

I N F O R M A Ç Ã O P A R A A L C A N Ç A R S E U A L V O I N F O R M Ç Ã O P R L C N Ç R O S E U L V O COM INFOBUSINESS VOCÊ TERÁ Você quer DDOS CERTOS para poder tomar DECISÕES CERTS? Procura CONFIRMÇÕES para as suas INTUIÇÕES? Quer RESPOSTS IMEDITS? Você DESPERDIÇ

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção ITS-2000 INDICADOR, TOTALIZADOR E TRANSMISSOR DE VAZÃO PARA CANAL ABERTO Cod: 073AA-032-122M Rev. F Dezembro / 2009 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

COMPONENTES PARA PROJETO DE SIMULAÇÃO DE PROGRAMAS SUPERVISÓRIOS (VISUAL BASIC) Manual de operação

COMPONENTES PARA PROJETO DE SIMULAÇÃO DE PROGRAMAS SUPERVISÓRIOS (VISUAL BASIC) Manual de operação COMPONENTES PARA PROJETO DE SIMULAÇÃO DE PROGRAMAS SUPERVISÓRIOS (VISUAL BASIC) Mnul de operção Mnul de operção pr utilizção de componentes ActiveX pr Visul Bsic e lingugens Visuis que ceitem este recurso.

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Dado Seguro. Gestão Inteligente de Backup. Manual de Criação e configuração. Criação: CS-Consoft - Documentação & CSU

Dado Seguro. Gestão Inteligente de Backup. Manual de Criação e configuração. Criação: CS-Consoft - Documentação & CSU Gestão Inteligente de Bckup Mnul de Crição e configurção Crição: CS-Consoft - Documentção & CSU Indice Introdução... 1 I. Aquisição d solução de Bckup Remoto Ddo Seguro Pro... 1 1. Downlod do plictivo...

Leia mais

Cód. 04 Analista de Suporte Técnico

Cód. 04 Analista de Suporte Técnico PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2008 Cód. 04 Anlist de Suporte Técnico 1. Considerndo configurção prcil de um plc de rede conforme presentd n figur bixo, o Gtewypdrão

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 07 2013 ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA - SISAB Brsíli, 19 de bril de 2013 (tulizd em julho de 2013 com Portri nº 1.412, de 10 de julho de

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 Pronto pr um câmer digitl de primeir com CCD de 6,0 meg piels?! A Genius gor nunci um câmer digitl de estilo único em su fmíli G-Shot: G-Shot P6533. Em um cbmento vermelho etrordinário, est DSC epress

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

Smart Energy & Power Quality Solutions. Registrador de dados ProData. O mais compacto registrador de dados

Smart Energy & Power Quality Solutions. Registrador de dados ProData. O mais compacto registrador de dados Smart Energy & Power Quality Solutions Registrador de dados ProData O mais compacto registrador de dados Inteligente e compacto: Nosso registrador de dados universal que mais gerencia os custos de energia

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME Protej o que tem de mis vlioso, o resultdo ds sus ideis! www.misvlorpme.pt VlorPME APOIAR, DIFUNDIR E ORGANIZAR A PROPRIEDADE INDUSTRIAL + futuro + inovção + proteção + competitividde + vlor www.misvlorpme.pt

Leia mais

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S UMG 96S UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida Os instrumentos de medição universal com montagem embutida da família de produto UMG 96S foram principalmente concebidos para utilização

Leia mais

Produtos de Baixa Tensão. Medidores

Produtos de Baixa Tensão. Medidores Produtos de Baixa Tensão Medidores Indicadores analógicos e digitais Indicadores analógicos Voltímetros e amperímetros ferro-móvel Amperímetros e voltímetros True RMS para conexão direta ou através de

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE AÇÕES E FUNDOS DE AÇÕES: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE AÇÕES E FUNDOS DE AÇÕES: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP ESTUDO COMPARATIVO ENTRE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE AÇÕES E FUNDOS DE AÇÕES: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP Crolyne Morn Fusco (FATEC ) mornfusco@gmil.com Neste trblho são nlisdos, especificmente, o mercdo

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4 A E ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 MODELAGEM DO COMONENTE DE TEMA

Leia mais

Manual de funcionamento de EasyMP Multi PC Projection

Manual de funcionamento de EasyMP Multi PC Projection Mnul de funcionmento de EsyMP Multi PC Projection Índice Gerl 2 Sobre o EsyMP Multi PC Projection Estilos de reunião disponibilizdos pelo EsyMP Multi PC Projection... 5 Relizr reuniões utilizndo váris

Leia mais

Colchões mais seguros

Colchões mais seguros Colchões mis seguros Eficáci comprovd n prevenção e terpi de úlcers por pressão Úlcers por pressão um grve risco à súde Apesr de todos os vnços d medicin, s úlcers por pressão (tmbém denominds escrs de

Leia mais

about us zone soft mercado nacional clientes vs softwares

about us zone soft mercado nacional clientes vs softwares bout us zone soft mercdo ncionl clientes vs softwres S Cfé S Rest S POS 1 bout us fturção fturção zone soft 2 bout us the crew Suporte Técnico 3 colbordores Apoio Agentes Testes Softwre Desenvolvimento

Leia mais

Paulo de Loyola. Apresentação. Sumário. Áreas de Atuação

Paulo de Loyola. Apresentação. Sumário. Áreas de Atuação Apresentção Sumário Designer gráfico com foco ns áres de comunicção visul (crtzes), projetos pr emblgens frmcêutics e de produtos de consumo e web. Experiênci em diverss mídis como mídi eletrônic, impress

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

André Luís Almeida Bastos (FURB) abastos@furb.br

André Luís Almeida Bastos (FURB) abastos@furb.br XXVI ENEGEP - Fortlez, CE, Brsil, 9 11 de Outubro de 006 FMEA (Filure Mode nd Effect Anlysis) Como Ferrment de Prevenção d Qulidde em Produtos e Processos Um Avlição d Aplicção em um Processo Produtivo

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Cpítulo Cpítulo 1. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO MATÉRIAS (bens dquiridos pr trnsformção): Prims: quels que são trnsformdos noutros produtos Subsidiáris: quels que poim trnsformção

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

SITUAÇÃO ATUAL DA ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 08 2014 SITUAÇÃO ATUAL DA ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA Avlição d situção tul e sugestões de encminhmento bseds ns discussões relizds em Reunião d Câmr Técnic de Informção e Informátic do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

NOVAS FORMAS DE NEGÓCIOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - DIRECT SHIPMENT

NOVAS FORMAS DE NEGÓCIOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - DIRECT SHIPMENT NOVAS FORMAS DE NEGÓCIOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - DIRECT SHIPMENT Eng. Mário Eugênio Longto Universidde Pulist - São Pulo SP Dr. João Pulo Alves Fusco Universidde Pulist São Pulo SP Dr Antonio Roberto

Leia mais

UO: SENAI/SC - SÃO JOSÉ DR: SC

UO: SENAI/SC - SÃO JOSÉ DR: SC UO: SENAI/SC - SÃO JOSÉ DR: SC Reltório d Unidde Opercionl CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Brg de Andrde Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET Rfel Esmerldo Lucchesi Rmcciotti

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Norm Comprtilhmento de Postes d Rede de Energi Elétric Processo Plnejr, Amplir e Melhorr Rede Elétric Atividde Elbor Projetos e Orçmentos / Obrs de Distribuição Código Edição

Leia mais

SpaceStation. e SpaceCom. Instruções de Uso. Válido para Software 695D

SpaceStation. e SpaceCom. Instruções de Uso. Válido para Software 695D SpceSttion e SpceCom Instruções de Uso Válido pr Softwre 695D ÍNDICE ÍNDIC E Índice......3 Segurnç do Pciente......4 Cpítulo 1 A SpceSttion em detlhe...8 1.1 Fixção de um SpceSttion...9 1.2 Montgem e

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 13:29 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais