Os autores agradecem ao projeto PEC B107 IDRC/FLACSO, à SOFTEX e ao CNPq pelo apoio à realização da pesquisa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os autores agradecem ao projeto PEC B107 IDRC/FLACSO, à SOFTEX e ao CNPq pelo apoio à realização da pesquisa."

Transcrição

1 Parcerias e apoio tecnológico para empresas de software: o caso do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (CESAR). Apresentado no IV Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional, Santa Cruz do Sul, RS, 22 a 24 de outubro de 2008 Autor: Ricardo Furtado Rodrigues (assistente de pesquisa) Co-autores: Renata Lèbre La Rovere (professora associada), Gabriela Calafate Brito (bolsista CNPq/PIBIC) Grupo de Economia da Inovação Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Tema: Arranjos institucionais, governança e políticas públicas territoriais Os autores agradecem ao projeto PEC B107 IDRC/FLACSO, à SOFTEX e ao CNPq pelo apoio à realização da pesquisa. 1 Introdução Atualmente estamos vivenciando um período de transição entre paradigmas técnicoeconômicos, onde as empresas são estimuladas a buscar parcerias, visando à aquisição de vantagens competitivas dentro de um ambiente de inovação e acumulação de conhecimento. Geralmente esse ambiente promove a cooperação através de redes e/ou associações, entre as empresas e as instituições científicas e tecnológicas, promovendo efeitos positivos para o território onde estas se localizam. Dentro desse contexto, este artigo tem como objetivo discutir de que forma as parcerias entre empresas de software podem promover o desenvolvimento local, a partir do estudo de caso do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (CESAR). A criação do CESAR foi motivada pela missão de criar uma instituição cujo papel seria o de conectar a sociedade com a universidade de uma forma inovadora. O CESAR, segundo um dos seus fundadores, foi criado para subverter a orientação do desenvolvimento tecnológico gerado na universidade, de technology push para demand pull. Este é um desafio considerável, tendo em vista o porte reduzido das empresas de software nacionais e a baixa taxa de inovação do setor no país.

2 Além de focar na história, parcerias, e perspectivas do CESAR, o artigo também detalha os casos de empresas que já se envolveram com o CESAR através de parcerias, de compartilhamento de pessoal qualificado ou do próprio processo de incubação. A comparação entre o CESAR e as outras empresas visa a responder à seguinte questão: a experiência do CESAR criou uma cultura de parcerias no território do Recife? A resposta a esta questão permitirá indicar caminhos para a identificação de melhores práticas no estabelecimento de parcerias. A metodologia empregada na pesquisa na qual o artigo se baseia incluiu, além de revisão da literatura, uma pesquisa de campo, onde foi definido um roteiro de entrevistas e definição de um questionário semi-estruturado aplicado no CESAR e em 4 (quatro) empresas de Recife que se envolveram ou tem relação com o CESAR. O artigo sugere que aproveitar as diversas fontes de tecnologia externa às empresas através de acordos de parcerias e cooperação entre empresas, instituições de fomento e universidades pode ser um fator competitivo que além de estimular a capacidade de inovação das empresas de software pode minimizar custos e maximizar os recursos físicos existentes. Pois um dos fatores decisivos para a formalização e consolidação das parcerias e apoio tecnológicos para empresas de software reside nas bases de confiança e interesses comuns entre os empresários e suas estratégias de negócios. 2 Desenvolvimento Local e Cooperação Interfirmas: algumas contribuições do pensamento contemporâneo Neste novo século as contribuições de vários autores ligados às ciências sociais têm buscado agregar contribuições significativas para a política de desenvolvimento. No que se refere a estudos econômicos, Meyer-Stamer (2001) identifica duas linhas principais: a primeira seria representada pelos estudos do Institute for Development Studies (IDS) da Universidade de Sussex, cujos trabalhos recorreram intensamente à discussão de casos de sucesso de distritos industriais, e a segunda contribuição parte de Michael Porter e sua empresa Monitor Consulting, que foi responsável por vários estudos e consultorias sobre desenvolvimento de clusters. Para esse autor as duas linhas pecam, no entanto, por reduzir o desenvolvimento econômico local e regional à simples promoção de clusters.

3 Ainda segundo Meyer-Stamer (2001) a descentralização das atividades econômicas, a política de tecnologia, e o apoio à criação de micro e pequenas empresas surgem como tendências nos países em desenvolvimento, enquanto que nos países industrializados, a promoção do desenvolvimento local é um fato consumado, cuja forma se modificou consideravelmente nos últimos tempos. Para esse autor, mesmo sendo um fenômeno onipresente também em países em desenvolvimento, o apoio a clusters não é o único modelo estruturante de desenvolvimento local. Um outro fator que tem contribuído de forma direta para o desenvolvimento local é a introdução de inovações tecnológicas, que de acordo com Albuquerque (1997) cria condições competitivas que influem diretamente no desenvolvimento das empresas de determinado território. Quando a estrutura empresarial se compõe fundamentalmente de micro, pequenas e médias empresas, a negociação estratégica entre os níveis local e regional da administração pública, o setor privado empresarial e as entidades que prestam serviços às empresas (consultorias tecnológicas; laboratórios de certificação, normatização e homologação; pesquisa de mercados e outros) é decisiva para garantir o acesso a estes serviços avançados de apoio à produção e facilitar a cooperação interfirmas (Albuquerque, 1997). Seguindo a lógica do pensamento de Albuquerque pode-se perceber a importância do apoio político e administrativo, ou seja, o setor público tem um importante papel no fomento às atividades econômicas locais. Nesse contexto, para que haja desenvolvimento local, é fundamental o envolvimento de vários atores sócio-econômicos locais (associações de empresários, entidades financeiras, universidades e institutos de pesquisa e desenvolvimento), com o objetivo de incorporar inovações tecnológicas e organizacionais na estrutura empresarial e produtiva local. Atitudes criativas e inovadoras dentro desse ambiente são fundamentais para a promoção de inovações promovendo o desenvolvimento econômico e social local. Em locais que exista escassez de empresários inovadores, o Governo deve promover o desenvolvimento do empreendedorismo. As políticas públicas de desenvolvimento local seriam assim essenciais para a transformação do território de forma que o mesmo possa alcançar resultados econômicos, abrindo espaço através de oportunidades no mercado global, de forma a preservar seus aspectos locais e ao mesmo tempo enriquecer o território (Machado e Caldeira, 2007).

4 As experiências que formam a atividade inovadora local dependem de crenças, valores, conhecimento e habilidades de cada indivíduo e organização. Para Albagli (2007) essas experiências dependem da difusão de novas práticas pela interação das firmas locais; e provêm também do aprender fazendo. A dimensão tácita do conhecimento reforça a importância do ambiente local para a atividade inovadora. De acordo com Albagli e Maciel (2007) entende-se que as aglomerações produtivas são ambientes que propiciam a interação, a troca do conhecimento e a aprendizagem, com as relações formais e informais. Isto aponta a relevância da noção da territorialidade, revelando as relações entre as dimensões territoriais e sociais e culturais. Para Pires (2007) o desenvolvimento local é o resultado de uma ação coletiva intencional de caráter local e específica, portanto, uma ação associada a uma cultura, a um plano e instituições locais, tendo em vista arranjos de regulação das práticas sociais. Dentro dessa perspectiva as cidades e regiões tornam-se, cada vez mais, as fontes específicas de vantagens competitivas na globalização. Portanto, as relações de cooperação entre empresas e entre estas e demais instituições em aglomerados localizados assumem um papel relevante no que tange aos ganhos de escala, aprendizagem, difusão de conhecimentos, capacidade inovativa e competitividade.(iacono e Nagano, 2007). Assim, o conhecimento e processos inovadores, características específicas das firmas e das indústrias, e o ambiente institucional e governamental, possuem um papel importante em explicar a diversidade de clusters industriais e também suas trajetórias evolutivas. De fato, vários estudos empíricos mostram que a proximidade geográfica facilita as interações e a comunicação entre empresas, estimula a busca por novos conhecimentos e melhora as possibilidades de ações coordenadas. Apontam também que, além da proximidade de indústrias correlatas, a presença de instituições de ensino e pesquisa, laboratórios, centros de P&D e prestadoras de serviços impulsionam o dinamismo empresarial local (Suzigan et al. 2005). No caso de Recife, o surgimento de um aglomerado de empresas de software deveu-se não apenas à presença de uma instituição de ensino e pesquisa forte na área a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) mas também à criação, por empreendedores locais egressos desta universidade, do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (CESAR) e à presença de um escritório regional da Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX). A política pública teve o

5 papel de propiciar as condições de infra-estrutura necessárias para alavancar estas empresas, num projeto denominado Porto Digital. A partir da instalação de uma moderna infra-estrutura de telecomunicações, associada aos centros de ensino e pesquisa e aos fundos de aval e de investimentos, houve a atração de novas empresas de tecnologia da informação para o estado de Pernambuco. Estas novas empresas são responsáveis pela atração de capital e recursos humanos que contribuirão para a consolidação da competitividade das empresas de software locais e para a geração de externalidades positivas para o restante da economia regional (La Rovere e Shehata, 2007). 3 As relações de parceria entre empresas de software O cenário atual de globalização e a rápida mudança tecnológica, como o do período recente, fazem com que as empresas de softwares busquem parcerias, adquirindo vantagens competitivas associadas ao novo paradigma científico - tecnológico. Obviamente, esse ambiente suscita a colaboração entre as empresas e as instituições científicas e tecnológicas, criando os meios mais favoráveis para isso em forma de redes e associações. Por isso, as firmas cada vez mais contam com relações de parcerias com fornecedores de fora da firma, que se transformaram em substitutas efetivas para a geração interna de conhecimento e inovação. A parceria pode se realizar tanto com empresas locais quanto com empresas situadas fora do território. No caso do software, a importância das relações locais de parceria pode ser entendida a partir da constatação que para as firmas cujo desenvolvimento é baseado em conhecimento científico, estar próximo de centros de pesquisa acadêmica de alta qualidade pode ser uma vantagem. No momento de criação de uma firma, a localização em um ambiente científico dinâmico é essencial, mesmo que, com o crescimento da mesma, a importância da proximidade geográfica diminua (Morgan, 2001 apud Amim, 2005). A proximidade geográfica, por proporcionar um maior contato entre as firmas, significa fluência do conhecimento naquele local, circulação de idéias e de know-how, além do aumento do último graças à especialização e à união dos trabalhadores (Morgan, 2001 apud Amim, 2005). A parceria deve ser entendida como um conjunto de procedimentos e ações de respeito mútuo e convergência de interesse entre instituições, ou entre unidades de uma mesma

6 instituição. As partes envolvidas não têm supremacia entre si. A parceria se caracteriza, em conseqüência, por uma ação entre iguais. A igualdade independe do tamanho da organização ou de sua posição financeira. Prevalece, nesse caso, o comprometimento institucional com objetivos comuns e a flexibilidade para responder às demandas apresentadas pelos parceiros. Há na parceria, a utilização compartilhada de recursos humanos, financeiros e físicos (Rodrigues & Barbiero, 2002). Dentro destes recursos compartilhados está o conhecimento codificado, que pode ser deslocado de seu ambiente original e ser utilizado em qualquer outro lugar, e o conhecimento tácito, que é dependente do contexto e socialmente acessível apenas através de interação física direta (Morgan, 2001). Os processos de aprendizado ocorrem facilmente entre empresários em um cluster, facilitados pela proximidade geográfica entre eles. Como conseqüência, as firmas localizadas no mesmo ambiente têm a possibilidade de monitorar, comparar, selecionar e imitar as soluções do vizinho para problemas similares. Portanto, aproveitar as diversas fontes de tecnologia externa às empresas através de acordos de parcerias e cooperação entre empresas, instituições de fomento e universidades pode ser um fator competitivo que além de estimular a capacidade de inovação das empresas de software pode minimizar custos e maximizar os recursos físicos existentes. Pois um dos fatores decisivos para a formalização e consolidação das parcerias e apoio tecnológicos para empresas de software reside nas bases de confiança e interesses comuns entre os empresários e suas estratégias de negócios. Os governos vêm buscando desempenhar um papel de destaque na formação de alianças, assumindo, freqüentemente, a tarefa de promover as atividades de cooperação. Nos países em desenvolvimento vários gestores têm privilegiado a formação de consórcios de pesquisa e desenvolvimento e a promoção de redes de inovação nas suas políticas de suporte à pesquisa, desenvolvimento e inovação. O caso de Recife é interessante para investigar de que forma políticas públicas voltadas para o desenvolvimento de clusters contribuem para a dinamização das empresas locais pois, como já observado, a política pública foi apenas um dos elementos do crescimento da atividade de software. A constituição do CESAR e sua cultura de parcerias foram também fundamentais para estimular a atividade inovadora das empresas locais.

7 4 Um breve histórico do CESAR O CESAR Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife é um instituto privado de inovação que cria produtos, processos, serviços e empresas usando tecnologias da informação e comunicação (TIC). Foi criado em 1996 com a missão de realizar a transferência auto-sustentada de conhecimento em tecnologias da informação entre a sociedade e a universidade; seu objetivo inicial era fixar no município de Recife a mão de obra egressa da universidade, que antes ia para São Paulo, Rio de Janeiro e até os Estados Unidos. A instituição interliga centros de inovação numa rede de conhecimento que realiza projetos de desenvolvimento conectados ao futuro, com qualidade e agilidade. Para isso, agrega a capacidade local de formação, pesquisa e desenvolvimento à sua competência de gerenciar e executar projetos, aliado a parceiros estratégicos de tecnologia, serviços, negócios e investimentos, com visão e atuação de classe mundial. Um dos entrevistados chama a atenção que apesar o CESAR ter sido responsável pela criação de várias empresas de software desde a sua criação, seu foco não é criar empresas e sim construir negócios de classe mundial. Para ele, a pequena empresa de base tecnológica é um meio, e não um fim, como muitos jovens acreditam. O Centro também faz parte do Porto Digital, ambiente de empreendedorismo, inovação e negócios de tecnologias da informação e comunicação no Estado de Pernambuco que surgiu, em 2000, com o objetivo de produzir conhecimento localmente e exportar serviços de valor agregado para o mundo, e reúne mais de 100 empresas no local. Em cinco anos de operação, o Porto Digital transferiu para Recife postos de trabalho, atraindo 10 empresas de outras regiões do país e quatro multinacionais, abrigando, ainda, quatro centros de tecnologia. A sede do CESAR fica no Bairro do Recife, centro histórico da capital de Pernambuco. A localização geográfica do Centro assume importante papel na ocupação urbana do local, estimulada pelo Porto Digital. A presença do CESAR vem consolidar a região como local para instalação de outras empresas afins que o têm como parceiro e referência. Outra contribuição do CESAR tem sido a geração de novos empreendimentos, a partir de um modelo de incubação que estrutura novas empresas de informática.

8 Desde sua inauguração, a instituição foi merecedora de uma série de reconhecimentos e realizações que mudaram o ecossistema pernambucano e nacional das TIC s entre eles o prêmio Info200 de melhor empresa de serviços de software (2005), o prêmio FINEP de mais inovadora instituição de pesquisa do Brasil (2004), a escolha da instituição como exemplo de criação de negócios pelo World Economic Fórum (2001) e uma menção honrosa no Stockholm Challenge (2000). O CESAR foi o primeiro centro a investir na tecnologia Java - que é a linguagem de programação criada por uma equipe de pesquisadores da empresa Sun Microsyste, do Vale do Silício, na Califórnia, e que tem como princípio gerar softwares multiuso -, decisão que inseriu os integrantes do centro no contexto de classe mundial. A estrutura física do CESAR é composta por cinco prédios no Bairro Recife Antigo e dois escritórios, sendo um localizado em Brasília e outro em São Paulo. Hoje o centro soma um número de 680 funcionários em toda sua estrutura, além de manter três empresas incubadas no seu prédio principal na praça Tiradentes em Recife. Atualmente o centro desenvolve projetos com a Motorola, Nokia e Dell. Uma outra iniciativa do CESAR é o seu mestrado profissionalizante que foi criado em agosto desse ano, e para tanto já está sendo montada uma biblioteca como uma das exigências do MEC. Em 11 anos de trabalho foram gerados mais de 900 empregos diretos, além da participação na criação de mais de trinta empreendimentos e estabelecimento de parcerias com clientes em todo o Brasil e no mundo, levando a um crescimento no faturamento de R$ ,00 em 1996 para R$. 48 milhões em Relação de parcerias, atributos de sucesso e perspectivas O CESAR foi concebido pelos seus idealizadores como uma iniciativa visando aproximar a universidade das empresas locais. O CESAR foi fundado com recursos bastante limitados e durante muito tempo funcionou num andar do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco até se mudar para o Porto Digital, onde está atualmente. Sua primeira parceria foi com uma empresa chamada Tivoli (mas tarde

9 comprada pela IBM) com o propósito de desenvolver um serviço para a rede de supermercados Bom Preço. Tratava-se de um portal, que era uma novidade na época. Além do portal foi realizado um treinamento com o Bom Preço. Segundo um entrevistado, esta parceria foi muito boa pois a Tivoli era uma grande empresa, o que proporcionou um aprendizado de negócios bastante interessante. Como mostrado por Prado et al. (2002), o foco inicial do CESAR foi o estabelecimento de parcerias entre empresas locais e empresas internacionais, a partir de projetos desenvolvidos pelo Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (Cin- UFPE). A primeira grande empresa internacional a se associar ao CESAR foi a Motorola, que passou a ser mantenedora do CESAR após ter sido seu cliente. Esta parceria trouxe benefícios significativos ao fortalecer a imagem da empresa. A Lei de Informática foi fundamental para consolidar o CESAR, numa segunda etapa, como uma organização sem fins lucrativos cujo negócio é o fomento a redes de inovação. Hoje o CESAR tem várias parcerias em andamento com grandes empresas internacionais de TI, tais como Sun, IBM, Microsoft e Oracle. Fazem parte da sua rede de negócios 26 empresas nacionais e internacionais de várias áreas, além da UNDP, da FAPESP e do MCT. Segundo nossas entrevistas, o CESAR busca integrar três aspectos básicos na formação de parcerias: o primeiro deles é verificar se existe mercado que represente um conjunto de oportunidades para o que os parceiros estão tentando fazer, segundo, se o apoio ao desenvolvimento do produto/processo será do CESAR ou de outras empresas/instituições, pois o negócio do CESAR não tem fins lucrativos, então o apoio de uma instituição capitalista que entenda de mercado melhor que o CESAR é sempre interessante, e por último se os parceiros da iniciativa privada possuem os mesmos aspectos éticos e morais que o CESAR, pois este não tem interesse em parceiros sem perspectivas e objetividade de negócio. A parceria deve explorar o mercado enquanto oportunidade, e na maioria das vezes são os parceiros que sustentam o esforço no ponto de vista do capital, até porque os recursos financeiros do CESAR são escassos. A relação de parcerias com o CESAR sempre funcionou bem, apesar de não existir um padrão.

10 O CESAR desenvolve sistemas, aplicativos, projetos, consultoria e serviços de produtos (componentes e pacotes). Cria novos empreendimentos de TI a partir da realização de projetos para o mercado, que são captados junto às empresas em todo o Brasil e no exterior. As condições para o fomento a estes empreendimentos são: a) produto ou serviço gerado com abrangência internacional; b) equipe multidisciplinar e complementar; c) tecnologia desenvolvida com um diferencial competitivo; d) negócio desenvolvido em Pernambuco (Prado et.al, 2002). No início dos projetos, o CESAR detém os processos decisórios, de gestão e de desenho de soluções. No processo de incubação, o CESAR é responsável pelos custos e pela personalidade jurídica, mas as unidades de negócios funcionam como empresas independentes. Quando é concluído o spin-off, a empresa obtém sua personalidade jurídica. O CESAR desenvolve propriedade intelectual sob encomenda, e neste caso quando a instituição é contratada e apoiada com 100% dos investimentos de capital, o direito de propriedade intelectual é sem sombras de dúvida da empresa contratante. Neste caso o CESAR é contratado pelo serviço, é remunerado, e consequentemente tem sua margem de lucro no negócio. No que se refere ao apoio externo, a relação do CESAR com a Universidade foi sendo construída aos poucos. Segundo Prado et al. (2002), o capital humano da universidade sempre foi altamente capacitado, mas muitas pesquisas que eram realizadas no CIn- UFPE não eram direcionadas para o mercado. Através da parceria da universidade com o centro, as pesquisas foram direcionadas, e o CIn-UFPE ampliou significativamente seu orçamento. A partir daí, pôde investir em seus laboratórios, melhorando as condições da sua infra-estrutura, aumentando sua capacitação e ganhando uma cultura corporativa. Os alunos de engenharia não costumavam trabalhar em projetos coordenados com a graduação, pois muitos deles trabalhavam em empresas e, por causa da inflexibilidade dos empresários com relação a horários, não terminavam a graduação. Hoje os alunos passaram a fazer projetos integrados com a universidade, com uma perspectiva profissional e com currículos atualizados que visam às necessidades do mercado mundial. Os grandes projetos do CIn foram negociados pelo CESAR. Há um grupo de extensão do CIn que busca outras parcerias, mas em menor escala, até porque o CIn tem uma certa dificuldade em organizar suas parcerias, o que não acontece com o CESAR, que tem parceiros considerados estratégicos e fortes no mercado.

11 Hoje o CESAR mantém conexões estratégicas com uma rede de universidades e institutos de pesquisa em todo o mundo. São eles: Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (CIn/UFPE); Instituto de Tecnologia da Aeronáutica (ITA), Brasil; Universidade de São Paulo (USP), Brasil; Instituto de Automação Industrial e Engenharia de Software (IAS), Alemanha; International Centre for Digital Content (ICDC), Reino Unido; Instituto Nacional de Pesquisa em Informática e Automação (INRIA), França; Indian Institute of Technology (IIT), Índia; Centre de Recherche Public Henri Tudor, Luxemburgo; Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Brasil. Apesar destas conexões indicarem sucesso no esforço de estabelecimento de parcerias para a inovação, nossas entrevistas apontaram que o CESAR vingou porque se constituiu num momento muito particular. Os entrevistados não acreditam que hoje a história do CESAR pode se repetir em outro local. Os atributos considerados essenciais pelo CESAR para o sucesso das parcerias são, além do compromisso entre os parceiros, a coordenação sem excessos, a interdependência com liberdade, e a confiança no sucesso. Já a comunicação não precisa ser com tanta qualidade, no entanto deve ser intensa. Deve sempre haver resolução conjunta de problemas, e minimizar o domínio de um parceiro sobre o outro, e para isso tem que existir liberdade numa parceria para qualquer situação. Parceria bem sucedida depende de uma amizade a longo prazo. De acordo com as entrevistas, se não houver confiança não tem parceria, que é um compartilhamento de estratégia para execução de um conjunto de operações. Argumentos sobre a confiança sugerem que estabelecer relações de longo prazo, confiáveis e exclusivas com alguns fornecedores pode dar retornos acima da média, o que pode também agir como um incentivo para fazer o outsourcing de algumas atividades. É preciso confiar na empresa do outro lado. Parceria é liberdade de comunicação. Outro critério para que a parceria seja bem sucedida seria o foco no mercado, ou seja, as empresas têm que ter objetivo de mercado, para melhorar a qualidade de educação da empresa. Estabelecer metas na parceria é essencial e tem que estar presente no planejamento estratégico, já que exigirá recursos, pessoal, estruturas das empresas.

12 Para um dos entrevistados, um outro caminho para a consolidação de parcerias no setor de software seria o próprio movimento de fusões e aquisições. Segundo ele, das nove mil empresas nacionais de software apenas 500 são relevantes para o desenvolvimento de inovações. Uma alternativa seria aumentar o escopo, a estrutura, o peso, a força, e a capacidade de resolver problemas, reduzindo as 8500 empresas a cerca de No Brasil porém o setor de software se caracteriza por apresentar poucas fusões entre as empresas, pois neste setor o número de parecerias e alianças é limitado. Segundo as conclusões do entrevistado é necessário que as empresas olhem para o mercado. Aliança é baseada no mercado, com objetivos e metas. A aliança e a parceria têm que ser tratadas como uma estratégia e têm que estar presentes no projeto de cada empresa. Além disso, as empresas têm que estar preparadas para fazer adaptações em função da mudança no mercado. 5 A experiência das empresas parceiras e possíveis parceiras do CESAR 5.1 Histórico das empresas A empresa A é uma empresa de soluções de informática com experiência de 17 anos e meio no setor de saúde. Seu principal produto é um software de gestão de hospitais. Ela tem 140 funcionários, atua em 8 cidades brasileiras, sendo que 5 escritórios estão localizados nas cidades de Recife, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, e Curitiba. Já as outras três cidades (Belo Horizonte, Maceió e Goiânia), têm representantes da empresa. Existem no Brasil hoje três fornecedores no mercado de soluções para hospitais, sendo duas empresas localizadas em Recife. A empresa A é a líder do mercado, sendo a primeira empresa de gestão hospitalar na área privada. Hoje a empresa, apesar de ser sediada em Recife, tem no mercado do Rio de Janeiro seu maior faturamento. Uma das idéias discutidas pela empresa é atuar na área de consultoria, ou seja, migrar do software para soluções. A empresa B, uma empresa especializada em gestão de ativos físicos, foi fundada em 1993, quando a SOFTEX lançou seu primeiro edital em Recife. Constituiu-se com quatro sócios, sendo três da área de informática, e o quarto da matemática. Tem atualmente 13 funcionários, 6 estagiários e vários bolsistas, constituindo um quadro de 33 pessoas. Seu

13 carro-chefe é um software de gestão de manutenção, e seus principais clientes são grandes empresas do setor elétrico, nacionais e estrangeiras. Desde 2001 a empresa exporta para uma empresa americana. Para o entrevistado o seu sucesso e todo seu aprendizado só aconteceram em função da sua experiência no CESAR onde teve oportunidade de trabalhar como cliente e fornecedor, e também ao bom relacionamento que existia entre ele e os dois principais fundadores do CESAR. A empresa C é especializada em segurança da informação, focada em prover soluções que proporcionam o nível de proteção adequado à necessidade de cada negócio. As soluções da empresa envolvem serviços de diagnóstico, projetos de consultoria e CoAdmin gestão contínua de proteção, além da certificação digital. A empresa surgiu no ano de 2000 onde foi incubada pelo CESAR até o ano de 2003, e em julho deste ano fez sua primeira fusão com outra empresa de São Paulo. Atualmente a matriz está localizada no Porto Digital em Recife e a filial em São Paulo. E em função da sua forte presença no mercado nacional e internacional, a empresa acumula experiência em fornecer soluções reais para ambientes de missão crítica, com cases em clientes de médio e grande porte dos setores financeiro, industrial, varejo, governo e de energia. Depois da fusão a empresa passou a ter em torno de 60 funcionários, dos quais 25 estão na filial em São Paulo e o restante no Recife. O escritório de São Paulo é mais comercial do que técnico e o desenvolvimento de tecnologia e produtos são realizados na unidade de Recife. De acordo com o gerente de tecnologia a tendência é que haja mais investimentos em capital humano e contratações em Recife. A empresa D é uma empresa brasileira pioneira no desenvolvimento e publishing de jogos para celular na América Latina que está sediada em Recife. A empresa é composta por uma equipe de 75 integrantes especializados, como programadores, artistas, designers, produtores, profissionais de marketing, comunicação e gerenciamento. A empresa surgiu em janeiro de 2001 no CESAR em Recife. Antes do surgimento do CESAR, a empresa ainda não existia, teve início através de um projeto executado em conjunto por uma outra empresa, de celulares, e o próprio CESAR com o objetivo de realizar P&D de aplicativos para os novos celulares da empresa citada utilizando a plataforma J2ME. Atualmente a empresa D está incubada pelo CESAR e segundo um de seu empreendedores, esse processo começou em 2003 e desde então a empresa passou a ter tradição em P&D desenvolvendo softwares para clientes internacionais.

14 5.2 Relação de parcerias, atributos de sucesso e perspectivas A empresa A nunca se aproximou do CESAR, pois a direção não via oportunidades de estabelecimento de parcerias. O CESAR, por sua vez, realizava parcerias dando prioridade às empresas que ele incubava. Esta situação mudou com a ida do entrevistado para a empresa A. A experiência dele de 9 anos no CESAR levou a uma aproximação entre o CESAR e a empresa A, para realizar um projeto em parceria com outras empresas. Uma destas empresas procurou a empresa A a partir da identificação de uma oportunidade. Caso haja sucesso na parceria a empresa A seria a responsável pelo produto, enquanto outra entraria com os equipamentos, outra com os chips e outra com a tecnologia. O CESAR faria a parte de pesquisa e desenvolvimento do projeto, ficando com os royalties gerados pela propriedade intelectual. O CESAR é visto como um parceiro estratégico pela empresa A devido à sua capacidade de realização de P&D. Quanto às outras empresas parceiras, estas já tinham participado de outros projetos da empresa A. O entrevistado acredita que não haverá problemas de segredo nesta parceria, uma vez que cada parceiro está numa posição específica da cadeia de valor. A empresa realiza reuniões mensais com toda a sua equipe, a qual está ciente do projeto e apóia sua realização na medida em que se trata de uma nova oportunidade de negócio para a empresa. Os atributos considerados mais importantes pela empresa A na realização de uma aliança estratégica são qualidade, participação no planejamento, coordenação, compromisso e resolução conjunta de problemas. Além destes, o entrevistado ressaltou as competências de cada empresa, cujo caráter complementar levam ao sucesso da parceria. Enquanto a empresa A precisou de um catalisador para a parceria com o CESAR, na figura de um técnico qualificado, a empresa B sempre foi parceira do CESAR, pois na visão de um dos seus sócios, empresas pequenas só sobrevivem com parceiros: vagões precisam buscar locomotivas. A empresa B é parceira do CESAR pois necessita do P&D desenvolvido por ele, enquanto que o conhecimento específico do setor de energia fica por conta dela. A empresa faz parceria com o CESAR desde 2001/2002, antes a parceria não ocorreu porque seu foco da empresa é muito específico. A parceria foi evoluindo à

15 medida que o CESAR foi amadurecendo enquanto instituição. Na parceria, a propriedade intelectual é quase sempre da empresa B. Não há, porém, compartilhamento de todas as informações. O processo comercial do CESAR, na visão do entrevistado, é muito pesado e não há clareza sobre diversas informações, principalmente no que se refere aos custos de produção. Isso, para o entrevistado, não se constitui num obstáculo para a parceria, pois segundo ele transparência não garante sucesso, se houver regras bem definidas não há necessidade de transparência. As principais vantagens que a empresa B vê na parceria com o CESAR são o nome forte, a proximidade e a capacidade de execução deste. A iniciativa e a concepção da parceria partiram da empresa B. O CESAR é visto como uma organização com cultura corporativa muito forte, e que faria falta na aliança, sem porém ser indispensável. A parceria é considerada bem-sucedida, dentro do esperado. O entrevistado afirma que no começo da parceria faltava participação do CESAR no planejamento, mas este, com o tempo, vem entrando cada vez mais nesta parte do projeto. Ele sempre conseguiu resolver conflitos com o CESAR, considerados normais durante um processo de parceria, a partir de discussões sobre cada projeto objeto da parceria. Um ponto freqüente de conflito é a divisão dos resultados, que é meio a meio, mas fica prejudicada pela falta de clareza em relação aos custos. Ao ser perguntado sobre o que faltava na parceria com o CESAR, o entrevistado respondeu que ainda há pouco compartilhamento de informações Os atributos para o sucesso de uma parceria considerados mais importantes pela empresa B são: coordenação e relacionamento pessoal. Na visão do entrevistado, o relacionamento legal não substitui o relacionamento pessoal, e este é o conselho que ele teria a dar para quem está começando uma parceria. O contrato foi feito para ser quebrado, a palavra não. A empresa C foi incubada pelo CESAR e portanto carrega em si uma espécie de DNA do CESAR, conforme ressaltado por um dos gerentes de tecnologia. A relação sempre foi muito forte tanto com a instituição quanto com as pessoas. Sempre que o CESAR pensa em desenvolver algum projeto na área de segurança a empresa C é convidada a participar do projeto, até porque este é o foco central da empresa. A empresa aprendeu ao longo de sua existência foi que a parceria não funciona apenas no papel, é preciso que as coisas funcionem e para que isso aconteça é necessário que exista um negócio por

16 trás de qualquer parceria. De acordo com o entrevistado não é desenvolvida nenhuma tecnologia junto com o CESAR. Caso o CESAR tenha um projeto que necessita de tecnologia de segurança então a empresa C agrega sua tecnologia no projeto para desenvolver um terceiro produto, mas não é desenvolvido tecnologia conjuntamente. O CESAR não entende de segurança e nem a empresa C de engenharia de software, ou seja, cada um atua de acordo com sua especialidade. Barney (1999) sugeriu que as firmas não precisam possuir todas as habilidades relevantes, contanto que tenham acesso suficiente a elas. Na visão da empresa C são vários os atributos quem podem ser considerados importantes para o sucesso da parceria. O compromisso é importante quando existe disposição pra fazer o que foi acordado. A coordenação, porque a parceria trata várias empresas, então alguém tem que está coordenando. Já interdependência é importante porque ela afirma que uma empresa só vai adiante junto com a outra, neste caso o entrevistado diz que a interdependência é muito mais que um atributo, na verdade seria um motivo da parceria, e por fim viria a confiança no sucesso que poderia ser o menos importante de todos. Uma parceria bem sucedida seria como um casamento de interesses e para dar certo tem que existir o negócio e os recursos para o projeto. Uma parceria é como uma amizade renovada a cada momento, segundo o entrevistado. Até agora todas as parcerias que a empresa do entrevistado já fez corresponderam suas expectativas, sendo que algumas chegaram a superá-las. Para quem está começando agora seria interessante buscar parceiros com o mesmo tamanho, pois pode ser prejudicial para uma empresa fazer uma parceria com outra muito maior do que ela. Outro fator fundamental é a rede de relacionamentos pessoais, pois a liberdade de comunicação é um fator crucial para seguir adiante. A empresa D possui vários sócios-parceiros. O CESAR e uma empresa gestora de fundos de capital empreendedor com cotistas como o BID, SEBRAE Nacional e Sumitomo Corporation, são os sócios majoritários da empresa D. Segundo o entrevistado da empresa D, uma parceria é um acordo feito entre empresas diferentes, então cada uma tem suas informações. As únicas informações compartilhadas são aquelas relevantes para alcançar o objetivo da parceria. O principal motivo da parceria e atuação conjunta com o CESAR do ponto de vista comercial é atender as demandas dos mercados nacional e internacional de uma forma mais completa. Quando a empresa D é contratada

17 para desenvolver determinada tecnologia que exige competências extras, ela então busca parceiros no Porto Digital e às vezes o CESAR com o objetivo comercial, para que juntas possam oferecer um produto com mais qualidade. Com relação à parceria com o CESAR o que mais pesa é o negócio em si. Dependendo do projeto, a empresa D desenvolve tecnologia sozinha, em parceria com o CESAR ou em parceria com outras empresas. Um exemplo é o da parceria entre a empresa D e a Intel para atender as exigências do edital da Finep. Atualmente existem tecnologias que estão sendo desenvolvidas em parceria com o CESAR. O acordo de propriedade intelectual é definido no início do projeto, sendo que às vezes a propriedade intelectual é compartilhada. Com relação aos principais atributos que contribuem para o sucesso numa parceria, foi mencionado na entrevista que o compromisso dos empresários seria um dos mais importantes. E para que se tenha uma comunicação eficiente é necessário que exista entre os parceiros o compartilhamento de informações e com qualidade além da participação efetiva das empresas no planejamento. E em caso de resolução de conflitos, os principais atributos destacados foram a resolução conjunta de problemas, ou seja, a participação de todos; e ainda tentar atenuar da melhor forma possível os conflitos gerados. A parceria entre a empresa D e o CESAR foi considerada bem sucedida. Todos os objetivos desta parceria foram cumpridos: a empresa ficaria na incubadora até crescer e depois iria para o mercado conquistar novos clientes. Como podemos perceber, a parceria foi fundamental, pois viabilizou a criação e os primeiros passos da empresa. Para que a parceria seja bem sucedida é necessário que todos os participantes cumpram seus papéis de acordo com que foi planejado no início e que haja um bom relacionamento e confiança entre os parceiros: afinal, as empresas são compostas por pessoas. 6. Conclusões e Implicações de Política A análise das entrevistas junto ao CESAR e às empresas que já foram parceiras, incubadas ou ainda absorveram mão de obra egressa do CESAR permite estabelecer

18 algumas conclusões e implicações de política. Em primeiro lugar, o CESAR é reconhecido pelas empresas como importante para o ambiente de negócios de software de Recife, apesar de nem todas terem concretizado seus projetos de parceria com ele. A imagem do CESAR e o seu nome forte no mercado têm trazido efeitos positivos para as empresas locais. Em segundo lugar, os atributos considerados mais importantes para o sucesso das parcerias são atributos que estão relacionados com o próprio ambiente de negócios do território, a saber: o compromisso dos empresários, o relacionamento pessoal dos parceiros (que garante liberdade de comunicação e confiança entre eles) e a coordenação do projeto. As competências complementares das empresas também foram apontadas como um fator de sucesso das parcerias. A maior parte das empresas considerou adequado o compartilhamento de informações e conhecimento no contexto local. Em terceiro lugar, constatamos que a relação de parceria do CESAR com as empresas locais levou à adoção, por parte destas, de práticas de gestão também adotadas pelo CESAR, tais como um plano de negócios para cada etapa do desenvolvimento do negócio, a avaliação contínua de pessoal e a capacitação dos funcionários. Assim, a experiência do CESAR parece ter contribuído positivamente para a construção de uma cultura favorável às alianças e desenvolvimento econômico local em Recife, principalmente em função da forte interação que existe entre os diferentes atores locais e da disseminação de conhecimento que existe no Porto Digital. Estas observações reforçam o argumento desenvolvido nas seções 1 e 2 de que as características do ambiente local são fundamentais para o sucesso do estabelecimento de relações de parceria, as quais são importantes para o desenvolvimento da atividade inovadora. A política de promoção de desenvolvimento local deve assim levar em consideração as características deste ambiente para obter sucesso. No caso de Recife, o espírito empreendedor local que levou à criação do CESAR e de suas empresas incubadas foi reconhecido e alavancado pela política pública, que cuidou da instalação da infra-estrutura necessária para o desenvolvimento de uma indústria local de software. Entretanto, não se deve considerar o CESAR como uma mera empresa-âncora do pólo de software de Recife, uma vez que a replicabilidade da sua experiência, de acordo com entrevistados que participaram da sua criação, é limitada. Portanto, o principal desafio colocado à política pública é o reconhecimento das características locais que podem

19 promover as relações entre as firmas e assim contribuir para a construção de um ambiente inovador. 8. Referências Bibliográficas: ALBAGLI, S. Tecnologias da informação, inovação e desenvolvimento. In: VII Cinform Encontro Nacional de Ciência da Informação, Salvador BA, 4 a 6 de junho de ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L. Knowledge Flows, Local Systems of Innovation and Social Configurations. In: Globelics 5th International Conference, 2007, Saratov. Regional and National Innovation Systems for Development, Competitiveness and Welfare: the Government-Academia-Industry Partnership, ALBURQUERQUE, F: Desarrollo económico local y distribución del progreso técnico. Cuadernos ILPES Nº 43, CEPAL, Naciones Unidas, Santiago de Chile, 1997 AMIN, A. COHENDET, P. Geographies of knowledge formation in firms. Industry and Innovation, vol. 12, n.4, , Dezembro CALDAS, E. L.; MARTINS, R. A. Visões do Desenvolvimento Econômico Local a partir do Brasil. El Observatorio Iberoamericano del Desarrollo Local y la Economía Social (OIDLES). Revista OIDLES - Vol 1, Nº 2 (diciembre 2007). IACONO, A.; NAGANO, M. S. Uma análise e reflexão sobre os principais instrumentos para o desenvolvimento sustentável dos arranjos produtivos locais no Brasil. Revista Gestão Industrial. UTFPR, MACHADO, M. P.; CALDEIRA, B. M. S. Integrando Territórios: Fatores de Competitividade em Políticas de Públicas Desenvolvimento Local. In: VI CONFERENCIA REGIONAL DE ISTR PARA AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE. 8 al 11 noviembre de 2007, Salvador, Bahía, Brasil. LA ROVERE, Renata Lèbre; SHEHATA, Lucy. Políticas de apoio a micro e pequenas empresas e desenvolvimento local: alguns pontos de reflexão. Revista REDES, vol.11 n.3, 2007.

20 MEYER-STAMER, J. Estratégias de desenvolvimento local e regional: cluster, política de localização e competitividade sistêmica. Policy Paper, nr. 28, set PIRES, Elson L.S. As lógicas territoriais do desenvolvimento: diversidades e regulação. Interações (Campo Grande), Sept. 2007, vol.8, no.2, p ISSN RODRIGUES, R. F., BARBIERO, A. K. M. Interface entre demanda e oferta tecnológicas: a experiência do Conati Tocantins In: Congresso ABIPTI 2002: pesquisa tecnológica para inovação e competitividade das empresas, Curitiba, SUZIGAN, Wilson, MUNHOZ CERRON, Ana Paula and DIEGUES JUNIOR, Antonio Carlos. Localização, inovação e aglomeração: o papel das instituições de apoio às empresas no Estado de São Paulo. São Paulo Perspec., Apr./June 2005, vol.19, no.2, p ISSN TARAPANOFF, K. Perfil do profissional da informação no Brasil: diagnóstico de necessidades de treinamento e educação continuada. Brasília: IEL/DF, 1997.

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002 Núcleo de Gestão do Porto Digital Plano Bi-anual 2001-2002 Identidade Missão A estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de criar e consolidar empreendimentos de classe mundial

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Projeto 3.10 - Residência em Software

Projeto 3.10 - Residência em Software Projeto 3.10 - Residência em Software Augusto Sampaio 1. Objetivos e justificativas O Programa de Residência em Software no Estado de Pernambuco iniciou em fevereiro de 2002 com o objetivo de treinar e

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA.

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. Alessandro A. da Silveira fluxo@bol.com.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia

Leia mais

ABINEE - MCT. Sergio Cavalcante sergio.cavalcante@cesar.org.br

ABINEE - MCT. Sergio Cavalcante sergio.cavalcante@cesar.org.br II Seminário Resultados da Lei de Informática ABINEE - MCT Sergio Cavalcante sergio.cavalcante@cesar.org.br Nossa missão: Parceria Realizar a Transferência Auto-Sustentada de Conhecimento em Tecnologia

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Seminário MCT Resultados alcançados pelo C.E.S.A.R. Silvio Meira silvio@cesar.org.br

Seminário MCT Resultados alcançados pelo C.E.S.A.R. Silvio Meira silvio@cesar.org.br Seminário MCT Resultados alcançados pelo C.E.S.A.R Silvio Meira silvio@cesar.org.br O C.E.S.A.R Empresa sem fins lucrativos criada em 1996 por iniciativa do Centro de Informática da UFPE Um dos principais

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

Mão-de-obra qualificada, flexibilidade

Mão-de-obra qualificada, flexibilidade > TECNOLOGIA INFORMÁTICA Negócio oportuno Empresas criam centros no Brasil para desenvolver softwares e aplicativos destinados ao mercado mundial DINORAH ERENO ILUSTRAÇÕES BUENO Mão-de-obra qualificada,

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Aurélio Molina. Diretor de Inovação e Competitividade Empresarial

Aurélio Molina. Diretor de Inovação e Competitividade Empresarial Aurélio Molina Diretor de Inovação e Competitividade Empresarial Outubro de 2009 Século XIX quando a terra era grande... Século XXI... Hoje a terra é pequena... Criar um ambiente de desenvolvimento de

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa?

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? 1 O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo Organização e Realização Perfil do Público Alvo Empresários e executivos de MPE de Software e Serviços

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras Incentivos fiscais para a manutenção da competitividade das indústrias mineiras Histórico do APL Eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí A pequena cidade de Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais,

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Nossa Visão e Nossos Valores Compartilhar uma única ambição é a chave para a história de sucesso do BTG Pactual. Ela só poderá ser atingida através

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV)

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) Termo de Referência para contratação de Gestor de Projetos Pleno 14 de Agosto de 2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE GESTOR DE PROJETOS PLENO O presente

Leia mais

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado Autorização Legislativa - Lei nº 12.439 de 18 de outubro de 2007 Assembleia de Fundação em 14/12/2007 REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito

Leia mais

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA ODESENVOLVIMENTOREGIONAL FÓRUMNACIONALCONSECTI PALMAS 31.03.2011 O modelo para promoção do empreendedorismo (inovador) em apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS BRASILEIRAS

IMPLEMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS BRASILEIRAS IMPLEMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS BRASILEIRAS Guerra A. C. Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer - CTI Rodovia Dom Pedro I, km 143,6

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Incubadora

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Incubadora Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Incubadora 7. INCUBADORA 7.1 INCUBEM: desenvolvendo empresas de sucesso A Incubadora de Empresas do Sudoeste Baiano INCUBEM é uma instituição que tem por

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05 RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: Eixo dos Arranjos Produtivos Locais APL s - GRUPO DE TRABALHO 07: Oportunidades para Desenvolvimento Tecnológico na Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA:

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seus desafios em vantagens Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seu negócio As negociações de sempre? Aqueles dias fazem parte do passado. As empresas de hoje devem

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES. Informações preliminares Outubro de 2009

TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES. Informações preliminares Outubro de 2009 TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES Informações preliminares Outubro de 2009 1 OBSERVAÇÃO IMPORTANTE Esta apresentação é baseada na consolidação da proposta preliminar

Leia mais

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário REGULAMENTO I Prêmio do Empreendedorismo Universitário 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente regulamento visa orientar os interessados em participar da 1.ª edição do Prêmio do Empreendedorismo Universitário, iniciativa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 18 ÍNDICE DA PROPOSTA Apresentação da Empresa... 3 Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 6 Consultoria... 6 Capacitação...

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Público Alvo: Investimento. Disciplinas: Profissionais graduados, que lidam ou estejam interessados em atuar com gestão e marketing de serviços.

Público Alvo: Investimento. Disciplinas: Profissionais graduados, que lidam ou estejam interessados em atuar com gestão e marketing de serviços. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Agenda. Motorola: Presença Mundial e no Brasil. Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil. Parcerias no Brasil. Comentários Finais. - Sistemas Celulares

Agenda. Motorola: Presença Mundial e no Brasil. Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil. Parcerias no Brasil. Comentários Finais. - Sistemas Celulares Agenda Motorola: Presença Mundial e no Brasil Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil - Sistemas Celulares - Semicondutores Parcerias no Brasil Comentários Finais Motorola: Presença Mundial e no Brasil Pesquisa

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

Leandro Jesus leandro.jesus@elogroup.com.br

Leandro Jesus leandro.jesus@elogroup.com.br Escritório de Processos: Atuações possíveis e arranjos em estruturas organizacionais Leandro Jesus leandro.jesus@elogroup.com.br ELO Group - Visão Institucional Consultoria especializada nas áreas de Gestão

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente.

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa Brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

Objetivos. Missão. Simplicidade. Transparência. Segurança no Negócio. Qualidade. Produtividade. Respeito pelo Ser Humano.

Objetivos. Missão. Simplicidade. Transparência. Segurança no Negócio. Qualidade. Produtividade. Respeito pelo Ser Humano. Intelbras S.A. Objetivos Missão Ser uma empresa competitiva internacionalmente, atuando no mercado de telecomunicações, mantendo padrões de qualidade e rentabilidade que satisfaçam clientes, colaboradores

Leia mais

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas APROVEITE AS TECNOLOGIAS DE HOJE PARA MAXIMIZAR A ADOÇÃO POR PARTE DOS USUÁRIOS Para os profissionais de venda, o tempo nunca havia

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL O arranjo produtivo dedicado aos resíduos sólidos é uma iniciativa inovadora de agentes produtivos locais como a Ascoles,

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais