Histopatologia, imunopatologia e estadiamento dos tumores neuroendócrinos gastrointestinais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Histopatologia, imunopatologia e estadiamento dos tumores neuroendócrinos gastrointestinais"

Transcrição

1 Programa de Atualização em GIST e TNE 4 4 Roberto El Ibrahim CRM SP Patologista; fundador e diretor do Laboratório Diagnóstika Histopatologia, imunopatologia e estadiamento dos tumores neuroendócrinos gastrointestinais Objetivos de aprendizado Conhecer a morfologia e a imunopatologia dos tumores neuroendócrinos gastrointestinais e sua relação com o prognóstico Revisar a proposta de estadiamento TNM (UICC/AJCC) O sistema neuroendócrino gastrointestinal é o maior e mais complexo órgão endócrino do corpo humano (1). As células neuroendócrinas (CNEs) são distribuídas difusamente no epitélio do estômago, dos intestinos, do esôfago distal e do ânus e podem originar tumores neuroendócrinos (TNE) em qualquer dessas localizações. Seu número, seu conteúdo e sua estrutura diferem de acordo com a topografia. A maioria das CNEs localiza-se no epitélio e algumas estão presentes na lamina propria do estômago e do apêndice cecal. As CNEs são reconhecidas por sua morfologia nos preparados histológicos rotineiros (H&E), por intermédio de outras técnicas ou, recentemente, por métodos imuno-histoquímicos. Os anticorpos para cromogranina (CGA) e sinaptofisina (SNF) (Figura 1), além de CD56 (molécula de adesão celular neural), são marcadores imunológicos comumente utilizados para CNE, mas não informam sobre a produção hormonal. A expressão dos hormônios pode ser avaliada com anticorpos específicos. Frequentemente os TNEs expressam receptores de somatostatina, cujos subtipos podem selecionar pacientes para tratamento com análogos do peptídeo. Os TNEs exibem várias alterações genéticas, incluindo deleções de genes, mutações pontuais, perdas e ganhos cromossômicos e metilação do DNA, envolvendo oncogenes e genes supressores de tumores. Síndromes genéticas, como

2 5 Fascículo 4 Pontos-chave carcinoides são tumores epiteliais de baixo grau potencialmente malignos. Figura 1 Tumor carcinoide: imuno-histoquímica CGA: cromogranina; SNF: sinaptofisina. neoplasia endócrina múltipla tipo 1 (MEN-1) e neurofibromatose tipo 1 (NF-1), podem estar associadas a esses tumores. Neoplasias neuroendócrinas podem ser desde carcinoides a carcinomas pouco diferenciados de alto grau de pequenas ou grandes células. Podem ser classificados de acordo com localização e expressão hormonal ou como benignos, de malignidade incerta, de baixo ou alto grau de malignidade (2). carcinoides apendiculares são, em geral, tumores pequenos incidentais, que raramente determinam metástases, enquanto tumores jejunais e ileais frequentemente apresentam metástases por ocasião do diagnóstico inicial. TNE bem diferenciado (carcinoide) Carcinoides são tumores epiteliais de baixo grau potencialmente malignos. Apresentam histologia característica, com arquitetura trabecular, insular ou de cordões celulares anastomosantes e células com ausência ou apenas leve pleomorfismo e raras mitoses (Figura 2). Seu comportamento clínico não pode ser determinado em bases morfológicas, e critérios histológicos de malignidade tradicionais não são aplicáveis a esse grupo de tumores, enquanto sítio de origem e tamanho são determinantes de prognóstico (3). Assim, carcinoides apendiculares são, em geral, tumores pequenos incidentais, que raramente determinam metástases, enquanto tumores jejunais e ileais frequentemente apresentam metástases por ocasião do diagnóstico inicial. Os critérios de estadiamento anatomopatológico variam de acordo com a localização e o tamanho do tumor. Recente consenso estabelecido Figura 2 Padrões histológicos de TNEs bem diferenciados: (A) organoide e trabecular, (B) insular ou sólido, (C) tubular e (D) microacinar TNEs: tumores neuroendócrinos.

3 Programa de Atualização em GIST e TNE 6 Ponto-chave Os carcinomas neuroendócrinos bem diferenciados são invasivos na túnica muscular e têm caracteres histológicos e comportamento biológico intermediário entre os pouco diferenciados e o carcinoide típico. pela European Neuroendocrine Tumor Society (ENETS) propõe um sistema de gradação para TNEs de estômago, duodeno e pâncreas (foregut), tendo como base a contagem mitótica e/ou a avaliação imuno-histoquímica do marcador de proliferação Ki-67 (4) (Tabela). Grau histológico Grau I Grau II (carcinomas NEs bem diferenciados) Grau III (carcinomas NEs pouco diferenciados) Tabela Gradação de TNEs (ENETS) Número de mitoses < 2 mitoses/ 10 campos 2 a 20 mitoses/ 10 campos > 20 mitoses/ 10 campos Ki-67 (%) < ou igual a 2% > 2% e < 20% > 20% TNEs: tumores neuroendócrinos; ENETS: European Neuroendocrine Tumor Society; NEs: neuroendócrinos. Carcinoma neuroendócrino Pode ser bem (carcinoide atípico) ou pouco diferenciado, em geral carcinoma de pequenas células. Presença de necrose e elevado índice mitótico são característicos, e a SNF é o melhor marcador imuno-histoquímico dessas neoplasias. Os carcinomas neuroendócrinos bem diferenciados são invasivos na túnica muscular e têm caracteres histológicos e comportamento biológico intermediário entre os pouco diferenciados e o carcinoide típico. Os carcinomas neuroendócrinos pouco diferenciados podem ser de pequenas e grandes células e representam 0,1% a 1% dos tumores malignos gastrointestinais (Figura 4). Possuem comportamento biológico agressivo e prognóstico muito desfavorável, semelhante ao carcinoma de pequenas células do pulmão, e a maioria dos pacientes apresenta metástases (5). O estadiamento anatomopatológico TNM (T: tumor, N: linfonodo, M: metástase) dessas neoplasias é o mesmo dos carcinomas usuais do trato gastrointestinal. TNE gástrico Classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para TNEs gástricos: TNE bem diferenciado (carcinoide): - benigno não funcionante, confinado à mucosa e/ou submucosa, não angioinvasivo, < 1 cm;

4 7 Fascículo 4 Ponto-chave Figura 3 Carcinoma neuroendócrino pouco diferenciado (carcinoma de pequenas células). (A) HE 200 ; (B) Ki-67 positivo em 100% das células (imuno-histoquímica) HE: hematoxilina e eosina. mais de 70% dos casos de tumor carcinoide do estômago ocorrem em mulheres com idade média de 63 anos associados a gastrite autoimune - benigno ou de baixo grau de malignidade não funcionante, confinado à mucosa e/ou submucosa com ou sem angioinvasão, 1-2 cm de tamanho; carcinoma neuroendócrino bem diferenciado: - baixo grau de malignidade invasão muscular própria ou metástases, maior que 2 cm, não funcionante ou funcionante (síndrome carcinoide, gastrinoma); carcinoma neuroendócrino pouco diferenciado: - alto grau de malignidade. Carcinoide (TNE bem diferenciado) do estômago (Figura 4) Tipo I Cerca de três quartos dos TNE gástricos; mais de 70% dos casos ocorrem em mulheres com idade média de 63 anos associados a gastrite autoimune; endoscopia nódulos submucosos múltiplos em corpo e fundo, a maior parte de 1 a 3 mm (6) ; histologia de tumor carcinoide típico; comportamento benigno, raras metástases regionais em linfonodos ou fígado (7). Tipo II TNE associado a MEN-1, síndrome de Zollinger-Ellison. De 6% a 10% dos TNEs gástricos; resultantes de TNE secretor de gastrina, geralmente tumor de ilhotas pancreáticas; hipertrofia de pregas gástricas por hiperplasia de células parietais e enterocromafins; tumores de corpo e fundo múltiplos, geralmente maiores que 1 cm, infiltrativos em túnica muscular própria; histologia de tumor carcinoide típico; frequentes metástases linfonodais regionais e hepáticas (7).

5 Programa de Atualização em GIST e TNE 8 Ponto-chave A maioria dos tumores (90%) origina-se na região periduodenal, delimitada superiormente pelos ductos cístico e biliares comuns, inferiormente pela transição entre 2a e 3a porções duodenais e medialmente pelo corpo do pâncreas, sendo aproximadamente 13% deles primários duodenais, em geral, na 2a porção. Tipo III TNE esporádico carcinoma neuroendócrino bem diferenciado. De 10% a 15% dos TNEs gástricos; três quartos dos pacientes são do sexo masculino; lesões submucosas únicas de tamanho, em geral, maior que 2 cm, sem localização preferencial; diversos padrões histológicos de proliferação neuroendócrina, frequentemente sólidos insulares; mitoses frequentes (2-20 mitoses/10 campos de grande aumento) e invasão vascular; 70% dos tumores maiores que 2 cm com invasão vascular apresentam metástases ganglionares (8). Tipo IV Carcinoma neuroendócrino de alto grau. Raro; sem localização preferencial, invasivo e metastático; prognóstico ruim. Figura 4 Neoplasia neuroendócrina bem diferenciada do estômago TNE de duodeno e jejuno proximal Classificação da OMS TNE bem diferenciado (carcinoide): benigno não funcionante, confinado à mucosa e/ou submucosa, não angioinvasivo, < 1 cm; - paraganglioma gangliocítico periampular benigno de qualquer tamanho ou extensão; benigno ou de baixo grau de malignidade confinado à mucosa e/ou submucosa, com ou sem angioinvasão ou maior que 1 cm de tamanho; - gastrinoma esporádico ou associado a MEN-1; - tumor não funcionante, produtor de somatostatina associado ou não a NF-1; - tumor não funcionante, produtor de serotonina. Carcinoma neuroendócrino bem diferenciado: baixo grau de malignidade invasão muscular própria (ou além dela) ou metástases. - gastrinoma esporádico ou associado a MEN-1; - carcinoma não funcionante periampular, produtor de somatostatina associado ou não a NF-1;

6 9 Fascículo 4 - carcinoma não funcionante ou associado a síndrome carcinoide; - paraganglioma gangliocítico maligno. Carcinoma neuroendócrino pouco diferenciado: alto grau de malignidade. Estima-se que até 22% dos TNEs gastrointestinais originem-se no duodeno (9), sendo aproximadamente dois terços produtores de gastrina, seguidos por produtores de somatostatina (15% a 21%), paragangliomas gangliocíticos (9%) e outros. Dos gastrinomas duodenais, 75% são esporádicos e 25% associados a MEN-1. Esses são os TNEs funcionantes mais comuns. Pacientes com síndrome de Zollinger-Ellison apresentam a doença em idade mais jovem e têm maior frequência de metástases. A maioria dos tumores (90%) origina-se na região periduodenal, delimitada superiormente pelos ductos cístico e biliares comuns, inferiormente pela transição entre 2 a e 3 a porções duodenais e medialmente pelo corpo do pâncreas, sendo aproximadamente 13% deles primários duodenais, em geral, na 2 a porção. São tumores submucosos pequenos, menores que 1 cm na maioria dos pacientes e múltiplos quando associados a MEN-1. Embora pequenos, a frequência de metástases ganglionares é alta (cerca de 50%). Gastrinomas apresentam histologia semelhante aos demais TNEs, sendo trabecular/pseudoglandular o padrão arquitetural mais comum. A imunorreatividade à gastrina define o diagnóstico. São tumores de crescimento lento, com metástases linfonodais precoces e metástases hepáticas tardias. A sobrevida está relacionada com a presença de metástases hepáticas. Pacientes com tumores esporádicos tendem a pior prognóstico que aqueles portadores de MEN-1 (9). Ponto-chave cerca de 80% dos TNEs de intestino delgado originam-se no íleo, especialmente em sua porção terminal, o sítio mais comum de ocorrência desses tumores no trato gastrointestinal. TNE de jejuno e íleo Cerca de 80% dos TNEs de intestino delgado originam-se no íleo, especialmente em sua porção terminal, o sítio mais comum de ocorrência desses tumores no trato gastrointestinal. De 25% a 30% desses TNEs são múltiplos, provavelmente metástases murais de um único tumor primário. Deve-se tomar o cuidado de examinar todo o intestino delgado para afastar multiplicidade de tumores. Histologicamente mostram padrão arquitetural sólido (insular), leve pleomorfismo e baixa atividade mitótica. São tumores desmoplásicos, que frequentemente determinam angulação da alça intestinal e podem causar obstruções e aderências. Quando diagnosticados, são normalmente maiores que 2 cm e invasivos na túnica muscular, além de apresentarem metástases ganglionares. Aproximadamente 20% dos pacientes desenvolvem metástases hepáticas e síndrome carcinoide, enquanto metástases extra-abdominais são muito raras. A taxa de sobrevida de cinco anos dos pacientes com metástases hepáticas é de 50% (10). Classificação da OMS para TNE de íleo, cólon e reto TNE bem diferenciado (carcinoide): benigno não funcionante, confinado à mucosa e/ou submucosa, não angioinvasivo, < 1 cm (íleo) e até 2 cm (cólon e reto);

7 Programa de Atualização em GIST e TNE 10 Pontos-chave O TNE do apêndice cecal é o mais comum do trato gastrointestinal, ao lado dos tumores ileais, e apresenta prognóstico muito favorável. metástases linfonodais são incomuns em TNE do apêndice cecal menores que 2,5 cm. benigno ou de baixo grau de malignidade não funcionante, confinado à mucosa e/ou submucosa, angioinvasivo, < 1 cm (íleo) ou até 2 cm (cólon e reto). Carcinoma neuroendócrino bem diferenciado: baixo grau de malignidade invasão muscular própria (ou além dela) ou metástases; - carcinoma não funcionante ou funcionante, produtor de serotonina (síndrome carcinoide); - carcinoma não funcionante, produtor de enteroglucagon. Carcinoma neuroendócrino pouco diferenciado: alto grau de malignidade. TNE do apêndice cecal É o mais comum do trato gastrointestinal, ao lado dos tumores ileais, e apresenta prognóstico muito favorável. É lesão de diagnóstico incidental, localizada na ponta do apêndice, em geral pequeno, mas invasivo em túnica muscular e mesoapêndice (Figura 5). Metástases linfonodais são incomuns em tumores menores que 2,5 cm. A síndrome carcinoide raramente ocorre, visto que metástases hepáticas não são frequentes (11). De maneira semelhante ao que ocorre no íleo, carcinomas neuroendócrinos pouco diferenciados não são encontrados no apêndice cecal. A rara variante denominada carcinoide de células caliciformes é considerada um tumor misto com componente epitelial exócrino e que apresenta pior prognóstico que o carcinoide apendicular usual. Classificação da OMS Figura 5 Tumor carcinoide do apêndice cecal infiltrativo no mesoapêndice TNE bem diferenciado (carcinoide): benigno não funcionante, confinado à parede do apêndice cecal, não angioinvasivo, com 2 cm ou menos; benigno ou de baixo grau de malignidade não funcionante, invasivo no mesoapêndice, angioinvasivo, maior que 2 cm. Carcinoma neuroendócrino bem diferenciado: baixo grau de malignidade invasão profunda do mesoapêndice, maior que 2,5 cm ou com metástases; - carcinoma não funcionante ou associado a síndrome carcinoide.

8 11 Fascículo 4 Carcinoma misto exócrino e neuroendócrino: baixo grau de malignidade; - carcinoide de células caliciformes. TNE do cólon Esse tipo de tumor não é comum, constituindo cerca de 5% dos TNEs do trato gastrointestinal. Apresentam-se, em geral, como tumores maiores que 2 cm, invasivos em túnica muscular e frequentemente com metástases. Aproximadamente 50% ocorrem no ceco. A histologia mais comum é de tumores com crescimento sólido, menos diferenciados que os Figura 6 Neoplasia neuroendócrina bem diferenciada do reto TNEs das demais localizações e seu prognóstico é desfavorável (12). No reto, os TNEs são mais frequentes e possuem prognóstico favorável. A maioria corresponde a tumores submucosos menores que 1 cm (Figura 6) e são mais comuns em pacientes com doença inflamatória crônica intestinal. Um subgrupo menor de pacientes apresenta tumores maiores que 2 cm, invasivos e metastáticos, que eventualmente apresentam síndrome carcinoide relacionada com metástases hepáticas. Histologicamente exibem arquitetura celular cordonal, sólida ou acinar. Tumores com arquitetura histológica cordonal tendem a pior prognóstico, embora o principal fator prognóstico seja o tamanho do tumor. Metástases são raras em tumores menores que 1 cm, enquanto 60% a 100% dos tumores maiores que 2 cm apresentam metástases (13). Pontos-chave no reto, os TNEs são mais frequentes e possuem prognóstico favorável. A maioria corresponde a tumores submucosos menores que 1 cm e são mais comuns em pacientes com doença inflamatória crônica intestinal. A maioria dos TNEs pancreáticos (TNEPs) é de neoplasias bem diferenciadas de baixo grau de malignidade. TNE do pâncreas A maioria dos TNEs pancreáticos (TNEPs) é de neoplasias bem diferenciadas de baixo grau de malignidade. Os TNEPs são classificados por grau, tamanho e estado funcional. Carcinomas neuroendócrinos pouco diferenciados do pâncreas são muito raros. Classificação da OMS TNE bem diferenciado benigno confinado ao pâncreas, menor que 2 cm, sem invasão vascular ou perineural e menos que 2 mitoses/10 campos de grande aumento;

9 Programa de Atualização em GIST e TNE 12 Pontos-chave A maioria dos TNEs clinicamente relevantes do pâncreas é de tumores não funcionantes e bem diferenciados. O prognóstico dos TNEPs é geralmente imprevisível, como o dos outros tumores neuronedócrinos bem diferenciados, embora como grupo os TNEPs costumem ser mais agressivos que os TNEs do trato gastrointestinal. benigno ou baixo grau de malignidade (comportamento incerto) confinado ao pâncreas, com invasões vascular e perineural, tamanho maior ou igual a 2 cm ou 2 a 10 mitoses/10 campos de grande aumento. Carcinoma neuroendócrino bem diferenciado: baixo grau de malignidade invasão local e/ou metástases. Carcinoma neuroendócrino pouco diferenciado: alto grau de malignidade. São também classificados em funcionantes e não funcionantes de acordo com presença ou ausência da síndrome endócrina paraneoplásica (p. ex., insulinoma, glucagonoma etc.). A maioria dos TNEs clinicamente relevantes do pâncreas é de tumores não funcionantes e bem diferenciados. São definidos como tumores com tamanho maior que 0,5 cm, de arquitetura organoide e atividade mitótica menor que 10 mitoses/10 campos de grande aumento. São mais frequentes entre 40 e 60 anos e acometem pacientes com MEN-1, sendo comuns nesse subgrupo síndromes funcionais. Aproximadamente 60% dos TNEPs são localizados na cauda do pâncreas, tumores expansivos geralmente circundados por pseudocápsula. Tumores maiores frequentemente apresentam infiltração de tecidos moles extrapancreáticos. Histologicamente o TNEP pode apresentar qualquer dos padrões histológicos dos carcinoides (Figura 7) e variável quantidade de colágeno frouxo ou hialinizado, deposição de amiloide e calcificação. Tumores com mais de 10 mitoses/10 campos de grande aumento são considerados, por definição, carcinomas neuroendócrinos pouco diferenciados. Recentemente foi proposto um sistema de gradação que utiliza a forte correlação de atividade proliferativa e necrose para separar TNEPs em baixo grau e grau intermediário de malignidade (14). Nessa classificação, neoplasias de baixo grau não apresentam necrose e menos que 2 mitoses/50 campos de grande aumento, enquanto aquelas de grau intermediário têm áreas de necrose ou atividade mitótica entre 2 e 50 mitoses/50 campos de grande aumento. Metástases, quando ocorrem, são mais frequentemente encontradas nos linfonodos regionais e no fígado. O prognóstico dos TNEPs é geralmente imprevisível, como o dos outros tumores neuronedócrinos bem Figura 7 Neoplasia neuroendócrina bem diferenciada do pâncreas. Observe o tumor expansivo à esquerda da figura, separado por pseudocápsula fibroconjuntiva do tecido pancreático à direita

10 13 Fascículo 4 diferenciados, embora como grupo os TNEPs costumem ser mais agressivos que os TNEs do trato gastrointestinal. A maior parte dos insulinomas são tumores menores que 2 cm, limitados ao pâncreas e possuem bom prognóstico. A maioria dos tumores não funcionantes são maiores ao diagnóstico, e aproximadamente 50% a 80% dessas neoplasias recidivam ou apresentam metástases, embora estas possam ocorrer muitos anos após o tratamento cirúrgico. A sobrevida de TNEPs não funcionantes após cirurgia é de 65% em cinco anos e 45% em dez anos (14). Muitos pacientes com metástases têm sobrevida longa devido à baixa agressividade dessas neoplasias. Informações adicionais Ponto-chave A maioria dos tumores não funcionantes são maiores ao diagnóstico, e aproximadamente 50% a 80% dessas neoplasias recidivam ou apresentam metástases, embora estas possam ocorrer muitos anos após o tratamento cirúrgico. Apresentamos a seguir o sistema TNM de estadiamento proposto, aplicável apenas para neoplasias neuroendócrinas bem diferenciadas. a) Estômago Tumor primário (pt) - ptx: tumor primário não acessado - pt0: sem evidências de tumor primário - ptis: carcinoma in situ/displasia (tumor menor que 0,5 mm), confinado à mucosa - pt1: tumor invade lamina propria ou submucosa e 1 cm ou menos em tamanho - pt2: tumor invade muscularis propria ou maior que 1 cm - pt3: tumor penetra a subserosa - pt4: tumor invade peritônio visceral (serosa), outros órgãos ou estruturas adjacentes Linfonodos regionais (pn) - Linfonodos não acessados - pn0: sem metástases em linfonodos regionais - pn1: metástases em linfonodos regionais - Especificar número de linfonodos examinados e de envolvidos Metástases a distância (pm) - Não aplicável - pm1: metástases a distância presentes - Especificar o sítio de metástase, se reconhecido b) Intestino delgado Tumor primário (pt) - ptx: tumor primário não acessado - pt0: sem evidências de tumor primário

11 Programa de Atualização em GIST e TNE 14 Referências 1. Ahlman H, Nilsson O. The gut as the largest endocrine organ in the body. Ann Oncol. 2001; 12: S Kloppel G, Perren A, Heitz PU. The gastroenteropatic neuroendocrine cell system and its tumors: the WHO classification. Ann N Y Acad Sci. 2004; 1014: Rorstad O. Prognostic indicators for carcinoid neuroendocrine tumors of the gastrointestinal tract. J Surg Oncol. 2005; 89(3): Rindi G, Kloppel G, Alhman H, et al.; and all other Frascati Consensus Conference participants; European Neuroendocrine Tumor Society (ENETS). TNM staging of foregut (neuro)endocrine tumors: a consensus proposal including a grading system. Virchows Arch. 2006; 449: Brenner B, Tang LH, Klimstra DS, et al. Smallcell carcinomas of the gastrointestinal tract: a review. J Clin Oncol. 2004; 22: Williams GT. Endocrine tumors of GI tract: selected topics. Histopathology. 2007; 50: Rindi G, Bordi C, Rappel S, et al. Gastric carcinoids and neuroendocrine carcinomas: pathogenesis, pathology and behavior. World J Surg. 1996; 20: Borch K, Ahren B, Ahlman H, et al. Gastric carcinoids biologic behavior and prognosis after differentiated treatment in relaton to type. Ann Surg. 2005; 242: Modlin IM, Kidd M, Latich I, et al. Current status of gastrointestinal carcinoids. Gastroenterology. 2005; 128: pt1: tumor invade lamina propria ou submucosa e 1 cm ou menos em tamanho (intestino delgado); tumor menor que 1 cm (ampola de Vater) - pt2: tumor invade muscularis propria ou maior que 1 cm (intestino delgado); tumor maior que 1 cm (ampola de Vater) - pt3: tumor penetra a subserosa, sem comprometer o revestimento da serosa (tumores ileais ou jejunais), ou invade pâncreas ou retroperitônio (tumores duodenais ou ampulares) ou tecidos não peritonalisados - pt4: tumor invade peritônio visceral (serosa) ou outros órgãos Linfonodos regionais (pn) - Linfonodos não acessados - pn0: sem metástases em linfonodos regionais - pn1: metástases em linfonodos regionais - Especificar número de linfonodos examinados e de envolvidos Metástases a distância (pm) - Não aplicável - pm1: metástases a distância presentes - Especificar o sítio de metástase, se reconhecido c) Apêndice cecal Tumor primário (pt) - ptx: tumor primário não acessado - pt0: sem evidências de tumor primário - pt1: tumor de 2 cm ou menos de maior dimensão - pt1a: tumor com 1 cm ou menos de maior dimensão - pt1b: tumor com mais de 1 cm, mas não com mais de 2 cm - pt2: tumor maior de 2 cm, mas não com mais de 4 cm, ou com invasão do ceco - pt3: tumor com mais de 4 cm ou invasão do íleo - pt4: tumor invade outros órgãos ou estruturas adjacentes (p. ex., parede abdominal ou músculo esquelético) Linfonodos regionais (pn) - Linfonodos não acessados - pn0: sem metástases em linfonodos regionais - pn1: metástases em linfonodos regionais - Especificar número de linfonodos examinados e de envolvidos Metástases a distância (pm) - Não aplicável - pm1: metástases a distância presentes - Especificar o sítio de metástase, se reconhecido d) Cólon e reto Tumor primário (pt)

12 15 Fascículo 4 - ptx: tumor primário não acessado - pt0: sem evidências de tumor primário - pt1: tumor invade lamina propria ou submucosa e 2 cm ou menos em tamanho - pt1a: tumor com 1 cm ou menos de maior dimensão - pt1b: tumor com mais de 1 cm, mas não com mais de 2 cm - pt2: tumor invade muscularis propria ou maior que 2 cm com invasão de lamina propria ou submucosa - pt3: tumor penetra a subserosa ou invade tecidos perirretais ou pericólicos não peritonalisados - pt4: tumor invade peritônio visceral (serosa) ou outros órgãos Linfonodos regionais (pn) - Linfonodos não acessados - pn0: sem metástases em linfonodos regionais - pn1: metástases em linfonodos regionais - Especificar número de linfonodos examinados e de envolvidos Metástases a distância (pm) - Não aplicável - pm1: metástases a distância presentes - Especificar o sítio de metástase, se reconhecido e) Pâncreas Tumor primário (pt) - ptx: tumor primário não acessado - pt0: sem evidências de tumor primário - pt1: tumor limitado ao pâncreas, de 2 cm ou menos de maior dimensão - pt2: tumor limitado ao pâncreas, maior que 2 cm - pt3: tumor estende-se além do pâncreas, mas sem comprometimento do plexo celíaco ou da artéria mesentérica superior - pt4: tumor com comprometimento do plexo celíaco ou da artéria mesentérica superior Linfonodos regionais (pn) - Linfonodos não acessados - pn0: sem metástases em linfonodos regionais - pn1: metástases em linfonodos regionais - Especificar número de linfonodos examinados e de envolvidos Metástases a distância (pm) - Não aplicável - pm1: metástases a distância presentes - Especificar o sítio de metástase, se reconhecido 10. Oberg K, Jelic S (ESMO Guidelines Working Group). Neuroendocrine gastroenteropancreatic tumors. ESMO clinical recommendation for diagnosis, treatment and follow-up. Ann Oncol. 2009; 20(Suppl 4): iv Moertel CG, Weiland LH, Nagorney DM, Dockerty MB. Carcinoid tumor of the appendix: treatment and prognosis. N Engl J Med. 1987; 317: Grabowski PJ, Schonfelder G, Ahnert-Hilger, et al. Expression of neuroendocrine markers: a signature of human undifferentiated carcinoma of the colon and rectum. Virchow s Arch. 2002; 441: Burke M, Shepherd N, Mann CV. Carcinoid tumors of the rectum and anus. BR J Surg. 1987; 74: Hockwald SN, Zee S, Conlon KC, et al. Prognostic factors in pancreatic endocrine neoplasms: an analisis of 136 cases with a proposal for low-grade and intermediate-grade groups. J Clin Oncol. 2002; 20: 2633.

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO Luíse Meurer MANEJO DO CÂNCER GÁSTRICO: PAPEL DO PATOLOGISTA prognóstico Avaliação adequada necessidade de tratamentos adicionais MANEJO

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Tumores Neuroendócrinos Epidemiologia e Classificação

Tumores Neuroendócrinos Epidemiologia e Classificação Tumores Neuroendócrinos Epidemiologia e Classificação Riad N. Younes Departamento de Cirurgia Universidade de São Paulo Hospital São José São Paulo TNE Epidemiologia 2 Tumores Neuroendócrinos Epidemiologia

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 APESP 246 Caso Botucatu Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 História Clínica LP, 55 anos, homem, branco, pedreiro, hipertenso Massa palpável em flanco E TC = massa de 8 cm no pólo superior renal

Leia mais

Tumores Neuroendócrinos

Tumores Neuroendócrinos I Simpósio Gastrointestinal Oncologia D Or Rio de Janeiro, 17 de maio de 2014 Tumores Neuroendócrinos Rui Weschenfelder Oncologia Clíinica Declaração de conflitos de interesse De acordo com a resolução

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

Tratamento cirúrgico dos tumores neuroendócrinos do trato gastrointestinal e pancreáticos

Tratamento cirúrgico dos tumores neuroendócrinos do trato gastrointestinal e pancreáticos Programa de Atualização em GIST e TNE 4 5 Eduardo Linhares CRM 320843-RJ Tratamento cirúrgico dos tumores neuroendócrinos do trato gastrointestinal e pancreáticos Doutor em Cirurgia; chefe do Serviço de

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 22/07/04 Anastomoses Bilio-digestivas Intra-hep hepáticas em Tumores da Convergência Diego Teixeira Alves Rangel Tratamento Paliativo em 10

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Tumores neuroendócrinos do intestino delgado: experiência do Instituto Nacional de Câncer em 12 anos

Tumores neuroendócrinos do intestino delgado: experiência do Instituto Nacional de Câncer em 12 anos Artigo Original Tumores neuroendócrinos do intestino delgado: experiência do Instituto Nacional de Câncer em 12 anos Neuroendocrine tumors of the small intestine: experience of the National Cancer Institute

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO

Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO TUMORES ODONTOGÊNICOS Tumores odontogênicos - grupo de doenças heterogêneas que vão desde hamartomas ou proliferação de tecido não neoplásico a neoplasias

Leia mais

TUMORES NEUROENDÓCRINOS

TUMORES NEUROENDÓCRINOS TUMORES NEUROENDÓCRINOS MEDICINA NUCLEAR Inês Lucena Sampaio Serviço de Medicina Nuclear do IPO-Porto TNE: DEFINIÇÃO The North American Neuroendocrine Tumor Society (NANETS) (NANETS Guidelines, The Pathologic

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE São Paulo 17/11/2011 Estudo genético da síndrome de Birt- Hogg-Dubé (variante Hornstein- Knickenberg) Bolsista: Sergio Aparecido do Amaral Junior (Faculdade

Leia mais

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Gustavo Rêgo Coêlho (TCBC) Serviço de Cirurgia e Transplante de Fígado Hospital das Clínicas - UFC Tumores Cís+cos do Pâncreas Poucos tópicos

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Prof. Dr. José Gomes Pereira

Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. Considerações preliminares Série: órgãos tubulares e glandulares 1.1. Funções estruturas modificadas e especializadas Ingestão Mastigação Deglutição Digestão Absorção Eliminação

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA NA CIRURGIA DO CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Guilherme Pinto Bravo Neto, TCBC-RJ Prof. Adjunto Departamentoamento de Cirurgia FM UFRJ Coordenador

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

Tecido Epitelial Glandular

Tecido Epitelial Glandular Tecido Epitelial Glandular Revestimento Glandular Tecido epitelial É constituído por células epiteliais especializadas na atividade de secreção As moléculas a serem secretadas são armazenadas em grânulos

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva).

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 1 Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 2 O câncer surge de uma única célula que sofreu mutação, multiplicou-se por mitoses e suas descendentes

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual .Leucoplasia: (grego: leuco = branco - plasis = formação) Transformação metaplásica do epitélio escamoso estratificado não ceratinizado consistindo em aumento das camadas de ceratina. Exemplos: mucosa

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Tumores inte t s e ti t nais Sônia Maria Ne N umann Cup u olilo

Tumores inte t s e ti t nais Sônia Maria Ne N umann Cup u olilo Tumores intestinais Sônia Maria Neumann Cupolilo Patologia Especial II UFJF - 2013 Carcinoma coloretal: fatores FATORES AMBIENTAIS, DIETÉTICOS, BAIXO CONTEÚDO DE FIBRAS, ALTO CONTEÚDO DE GORDURAS E CARBOIDRATOS

Leia mais

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino NTRR 31/2013 Solicitante: Juiz Juarez Raniero Número do processo:0479.13.003726-6 Reu: Secretaria de Saúde de Passos Data: 25/03/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Octreotida LAR

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1)

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1) AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL Prof. Erivan Façanha Tem início no hiato aórtico do diafragma (T12). Trajeto descendente, anterior aos corpos vertebrais e à esquerda da veia cava

Leia mais

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÕES PADRONIZADAS UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS - 10ª Revisão (CID-10) CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO

PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO O FUTURO DA PRÁTICA DA ONCOLOGIA EM PORTUGAL: BASEADA NO ÓRGÃO VERSUS ENTIDADE NOSOLÓGICA CASE STUDY: TUMORES NEUROENDÓCRINOS PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO Inês Lucena Sampaio Assistente Hospitalar

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

TUMORES NEUROENDÓCRINOS Endocrinologia. Ana Paula Santos Serviço de Endocrinologia IPO - Porto

TUMORES NEUROENDÓCRINOS Endocrinologia. Ana Paula Santos Serviço de Endocrinologia IPO - Porto TUMORES NEUROENDÓCRINOS Endocrinologia Ana Paula Santos Serviço de Endocrinologia IPO - Porto IHQ (Cg, sinaptofisina) Grading (Mitoses, %Ki67) ptnm (ENETS/AJCC) APRESENTAÇÃO CLÍNICA - 1 APRESENTAÇÃO CLÍNICA

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. Na imunohistoquímica, qual(is) dos marcadores tumorais abaixo, em um paciente com carcinoma metastático de sítio primário desconhecido, sugere primário

Leia mais

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI T1 ALTO GRAU DOENCA AGRESSIVA 4ª Causa de Óbito oncológico Pouca melhora

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

Síndromes Hereditários de Cancro Coloretal. André Goulart Interno Cirurgia Geral 4º ano

Síndromes Hereditários de Cancro Coloretal. André Goulart Interno Cirurgia Geral 4º ano Síndromes Hereditários de Cancro Coloretal André Goulart Interno Cirurgia Geral 4º ano Introdução Epidemiologia CCR 2ª causa de morte Risco desenvolver CCR 6% 90% CCR após os 50 anos Incidência aumentou

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores.

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores. Célula Normal Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G 2 /M Divisão Celular Neoplasias Fatores Reguladores Controlada Estimuladores Inibidores Homeostase Célula Neoplásica Divisão Celular Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS)

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS) LINFONODOS A capacidade de reconhecer linfonodos normais, assim como os anormais, na TC esta diretamente relacionada com a quantidade de tecido adiposo mediastinal presente. Os linfonodos aparecem com

Leia mais

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA Dr. Ira Bleiweiss of Mount Sinai OPINIÃO

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015 UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES ONCOGÊNESE O QUE É O CÂNCER Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 Digestão É o conjunto de transformações fisioquímicas ou físico-químicas que os alimentos

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Curso de Patologia Digestiva

Curso de Patologia Digestiva Curso de Patologia Digestiva Neoplasias Linfóides do Tracto Gastro-Intestinal Aspectos Histológicos Sofia Loureiro dos Santos Serviço de Anatomia Patológica Hospital Fernando Fonseca, EPE SPG, Lisboa,

Leia mais

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares:

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: Capítulo 1: Parte 3 1 II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: O epitélio que participa principalmente da secreção está geralmente disposto em estruturas denominadas glândulas. As substâncias

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

História natural de carcinoma lobular x ductal

História natural de carcinoma lobular x ductal Filomena Marino Carvalho filomena@usp.br História natural de carcinoma lobular x ductal 1 Classificaçãohistológicados tumores de mama Carcinoma invasivo de tipo não especial (ductal invasivo) Subtipos

Leia mais

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V.

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. 1 1 Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná. Introdução e Objetivo O

Leia mais

NEOPLASIA DE ESÔFAGO. Rodrigo Bordin Trindade

NEOPLASIA DE ESÔFAGO. Rodrigo Bordin Trindade NEOPLASIA DE ESÔFAGO Rodrigo Bordin Trindade INTRODUÇÃO HISTOLOGIA Ca de esôfago 3ª malignidade do TGI Entre os 10 mais prevalentes no mundo Taxa de sobrevida em 5 anos 57-78% para diagnóstico precoce

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. CARDOSO, Michel¹; DELFINO, Gabriel Felipe Lima¹; NEGRETTI, Fábio² ¹Acadêmico do curso de Medicina da Unioeste ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

Estadiamento dos Tumores do Tubo Digestivo

Estadiamento dos Tumores do Tubo Digestivo Liga Acadêmica de Gastro-Cirurgia - 2010 Estadiamento dos Tumores do Tubo Digestivo Giuseppe D Ippolito EPM DDI Setor do Abdome Hospital São Luiz scoposl@uol.com.br Câncer do Esôfago, Estômago e Cólon

Leia mais

Epidemiologia, aspectos clínicos e diagnóstico das síndromes endócrinas associadas

Epidemiologia, aspectos clínicos e diagnóstico das síndromes endócrinas associadas Programa de Atualização em GIST e TNE 1 Epidemiologia, aspectos clínicos e diagnóstico das síndromes endócrinas associadas Ricardo C. Barbuti CRM: 66103-SP Médico assistente; doutor do Grupo de Estômago

Leia mais

NEOPLASIAS MALIGNAS PRIMÁRIAS DE APÊNDICE CECAL

NEOPLASIAS MALIGNAS PRIMÁRIAS DE APÊNDICE CECAL Medicina, Ribeirão Preto, 32: 193-198, abr./jun. 1999 CASO CLÍNICO NEOPLASIAS MALIGNAS PRIMÁRIAS DE APÊNDICE CECAL PRIMARY MALIGNANT TUMOURS OF THE APPENDIX Affonso A.P. Mércio 1 ; Marcos Weindorfer 2

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS RADIOLOGIA 21. A localização mais comum dos leiomiomas é: a) Subseroso. b) Submucoso. c) Intramural. d) Ligamento largo. 22. Um paciente de 45 anos, do sexo feminino,

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais