EDSON MILHOMEM JÁCOME ESTUDO DA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRIMAVERA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDSON MILHOMEM JÁCOME ESTUDO DA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRIMAVERA"

Transcrição

1 EDSON MILHOMEM JÁCOME ESTUDO DA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRIMAVERA PALMAS 2006

2 EDSON MILHOMEM JÁCOME ESTUDO DA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRIMAVERA Relatório apresentado como requisito parcial da disciplina Prática de Sistemas de Informação I Trabalho de Estágio, orientado pela Profª. Cristina D Ornellas Filipakis. Palmas 2006

3 iii EDSON MILHOMEM JÁCOME Estudo da Ferramenta de Gerenciamento de Projetos Primavera Relatório apresentado como requisito parcial da disciplina Prática de Sistemas de Informação I Trabalho de Estágio, orientado pela Profª. M.Sc. Cristina Filipakis BANCA EXAMINADORA Profª. Esp. Cristina D Ornellas Filipakis Centro Universitário Luterano de Palmas Prof. M.Sc. Fabiano Fagundes Centro Universitário Luterano de Palmas Prof. M.Sc. Fernando Luis de Oliveira Centro Universitário Luterano de Palmas Palmas 2006

4 iv AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, por ter guiado meus passos e minhas decisões, de tal forma a sempre tomar o caminho certo na hora certa. Agradeço a meus pais, meus irmãos, minhas sobrinhas, minha namorada, minhas cunhadas por terem me dado apoio e força nas horas mais difíceis. Agradeço a minha professora orientadora que me ajudou com este trabalho, que soube contornar minhas dificuldades com coerência e paciência. Agradeço a todos meus amigos que estiveram sempre por perto me dando aquela força, e ajudando a descontrair também.

5 v Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, a sobra do Onipotente descansará. Salmo 91-1

6 vi SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... vii LISTA DE TABELAS... viii RESUMO... ix 1. INTRODUÇÃO Objetivos da Pesquisa Resultados Esperados Organização do trabalho REVISÃO DE LITERATURA Engenharia de Software Gerenciamento de Projetos Fases do projeto Riscos do projeto Formação da Equipe Rede de Atividades Ms Project Software Primavera MATERIAIS E MÉTODOS Local e Período Materiais Hardware Software Fontes Bibliográficas Metodologia RESULTADO E DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 41

7 vii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Gerenciamento de projetos (FIGUEIREDO, 2001) Figura 2: Representação da Rede de Atividades no Método Americano (MENEZES, 2005). 20 Figura 3: Representação da Rede de Atividades no Método Francês (MENEZES, 2005) Figura 4: Tela inicial do Ms Project Figura 5: Tela do Ms Project com tarefas cadastradas e Gráfico de Gantt Figura 6: Tela inicial do Primavera Figura 7: Tela de cadastro de um novo projeto Figura 8: Tela de cadastro do escopo do projeto Figura 9: Continuação do cadastro de novas atividades do projeto Figura 10: Tela de inclusão de predecessores Figura 11: Tela de cadastro dos recursos do sistema Figura 12: Tela de cadastro de novo recurso Figura 13: Tela de Predecessores através de gráficos de Pert Figura 14: Tela de Configuração da Caixa Atividades Figura 15: Tela demonstrativa do traço lógico Figura 16: Seqüência para organizar o gráfico por semana Figura 17: Demonstração da divisão de atividades semanais Figura 18: Demonstração do acompanhamento das tarefas Figura 19: Seqüência até o relatório final Figura 20: Seqüência até o relatório final Figura 21: Relatório do projeto Figura 22: Tela de um de projeto completo... 38

8 viii LISTA DE TABELAS Tabela 1: Representação da Rede de Atividades no Método Americano (MENEZES, 2005). 20 Tabela 2: Representação da Rede de Atividades no Método Francês (MENEZES, 2005)... 21

9 ix RESUMO Para se desenvolver um projeto existe a necessidade de um gerenciamento de projetos adequado, aplicando técnicas para o auxílio no controle sobre as pessoas envolvidas e nos serviços atribuídos a elas, preocupando-se com os prazos, custos e benefícios de cada produto. Para tanto, o uso de um software como o Ms Project ou o Primavera é indispensável. O Primavera, foco deste trabalho, possui inúmeras funções para o auxílio do usuário no gerenciamento de projetos, visando melhorias na execução das tarefas pelas partes envolvidas. A proposta deste trabalho é fazer um estudo sobre o software Primavera com a finalidade de obter conhecimentos de suas funcionalidades, das vantagens e desvantagens enfatizando principalmente as funcionalidades em busca de melhores desempenhos no desenvolvimento de projetos.

10 1. INTRODUÇÃO Em busca de melhores resultados no desenvolvimento de projetos, fez-se evidente a necessidade de um gerenciamento de projetos, com a presença de um gerente, cuja função está em coordenar e orientar o pessoal e suas tarefas. Para tanto, existe a necessidade de utilização de um software adequado para o auxílio no desenvolvimento destes projetos. Dentre outros, podem ser citados o Project, da Microsoft, e o Primavera, da STEI (Serviços Técnicos de Engenharia e Informática). O software de gerenciamento de projetos Primavera tem como objetivo contribuir com os engenheiros no controle das tarefas, em busca de agilidade, de melhor qualidade e desempenho no projeto, proporcionando aos clientes, assim, maior qualidade no produto final ou na prestação de serviços. O gerente é indispensável no desenvolvimento de projetos, pois possui a responsabilidade de controlar todo o trabalho. Para tanto, o mesmo deve ter um espírito de liderança, com a autoridade em atribuir e fiscalizar funções específicas para as pessoas envolvidas no projeto. Ocorrendo uma deficiência no gerenciamento, o mesmo pode ocasionar inúmeros problemas como o atraso na entrega do projeto ou deixando o cliente insatisfeito com o serviço Objetivos da Pesquisa O objetivo deste trabalho é realizar um estudo da ferramenta de gerenciamento de projetos Primavera, demonstrando suas funcionalidades, vantagens e desvantagens, através de testes com o software. Para tanto, será feito inicialmente uma pesquisa sobre os conceitos referentes a Engenharia de Software e Gerência de Projetos, para contribuição ao entendimento do mesmo Resultados Esperados

11 11 Ao o término deste trabalho espera-se obter, com a investigação das funcionalidades, um conhecimento da ferramenta Primavera, bem como suas vantagens e desvantagens, podendo auxiliar os gerentes de projetos que forem utilizar a ferramenta Organização do trabalho Este trabalho está elaborado da seguinte maneira: no capítulo 2 são citados conceitos básicos da Engenharia de Software e de Gerenciamento de Projetos e seus objetivos. No capítulo 3 são abordados os materiais e métodos utilizados na elaboração deste trabalho. No capítulo 4 são expostos os resultados e discussão, onde é apresentado um estudo do software Primavera, explicando suas funcionalidades. O capítulo 5 expõe as considerações finais do trabalho. Finalmente o capítulo 6 é composto pelas referências bibliográficas, ou seja, os livros, sites, artigos os quais foram buscados auxílios para a obtenção de informações para o desenvolvimento deste trabalho.

12 2. REVISÃO DE LITERATURA Para alcançar os objetivos deste trabalho foram realizadas algumas pesquisas, que envolveram conceitos referentes a Engenharia de Software e a Gerência Projetos, e que se encontram expostos na seqüência deste. Em seguida, foram feitos testes com o software Primavera. 2.1 Engenharia de Software Com o aumento da concorrência industrial e comercial, a disputa por mercados internacionais, os avanços tecnológicos tornaram-se constantes em diversas áreas. Com isso surgiu a informática, que foi de grande importância nesse avanço tecnológico. Surgindo então, a necessidade da criação de computadores pelos engenheiros, os quais preocupavam-se em criar um hardware com melhor qualidade, com custo reduzido e maior capacidade de armazenamento de dados. Porém, tendo como objetivo um melhor desempenho computacional, surgiram as necessidades de avanço com relação aos softwares, os quais tornaram-se essenciais para a evolução tecnológica. A partir daí, os engenheiros começaram a dedicar-se à pesquisas voltadas para melhoramento dos sistemas, buscando melhor qualidade, confiabilidade e agilidade (PRESSMAN, 1995). Para alcançar a esperada melhoria dos sistemas, foi criada a Engenharia de Software, que tem por finalidade gerenciar os profissionais de desenvolvimento de sistemas, com regras e definições importantes para um melhor desempenho preocupandose com a performance e buscando melhor qualidade e confiabilidade dos softwares (PRESSMAN, 1995). Em busca da perfeição, os engenheiros de software necessitam desenvolver sistemas eficazes e precisos, e este fato faz com que as atividades de projetar antes de implementar precisem ser realizadas, garantindo qualidade e um melhor desempenho. Para tanto, existem algumas fases a serem desenvolvidas, que são explicadas a seguir:

13 13 O engenheiro deve fazer a coleta de dados, através dos quais serão analisados os requisitos do software, e se conhecerão as funções e exigências do sistema. Então, uma documentação contendo o levantamento dos requisitos será elaborada, para exposição ao cliente. Alguns atributos deverão ser levados em consideração no projeto de software, como estrutura de dados, arquitetura de software, detalhes procedimentais e caracterização de interfaces (PRESSMAN, 1995). A codificação do projeto é feita mecanicamente, transformando-o em linguagem de máquina. O software deverá ser maleável à alterações, pois o cliente pode solicitar algumas mudanças, exigindo do engenheiro uma manutenção, ou mesmo uma atualização (PRESSMAN, 1995). Alguns testes e verificações devem ser feitos para garantir que o software esteja de acordo com as especificações e sem erros (NASCIMENTO, 2003) 2.2 Gerenciamento de Projetos A obtenção de resultados mais eficazes na implementação de um software tem demandado cada vez mais ações de Gerenciamento de Projetos com uma relação de integração com a área de Engenharia de Software. O gerenciamento de recursos nas empresas torna-se praticamente indispensável à necessidade de garantia e manutenção de padrões elevados de qualidade e competitividade na oferta de novos produtos (FIGUEIREDO, 2001). O papel da Gerência de Projetos nesta integração pode ser delimitado como a execução de técnicas de desenvolvimento, previsão de eventuais problemas futuros no andamento do projeto e o fornecimento aos usuários de potencialidades de planejamento. Agregam-se ainda a essas atribuições a análise de riscos, a elaboração de cronogramas e a confecção de planejamento organizacional (FIGUEIREDO, 2001). A Gerência de Projetos responsabiliza-se pela pontualidade do prazo de entrega do projeto, conforme solicitado pelo cliente. Há a necessidade da figura de um gerente de projetos, sob cuja responsabilidade está a coordenação do pessoal envolvido na execução de tarefas e metas traçadas desde o início do projeto. Este deve ter um perfil adequado, possuir liderança, autoridade à altura de sua responsabilidade e possuir um entendimento das responsabilidades do projeto empresa (IETEC, 2003). Em termos de responsabilidade pelo projeto como um todo, o

14 14 gerente é, sem dúvida, a pessoa mais importante, posto que cabe ao gerente de projetos zelar criteriosamente pela operação harmoniosa das partes envolvidas no desenvolvimento de softwares, não somente do ponto de vista da qualidade técnica, do provimento de materiais, acompanhamento de cronograma de execução e gestão de recursos financeiros, mas igualmente no que diz respeito aos aspectos de relacionamento humano e convivência em uma (FIGUEIREDO, 2001). Durante todo o ciclo de vida do projeto é necessária a interação dos clientes com o gerente e o projeto, pois o mesmo passou a ser uma figura estratégica em empresas de software. A figura 1 representa as atividades de gerenciamento de projetos, dividindo-as em fases e mostrando as ações e os objetivos de cada fase. Figura 1: Gerenciamento de projetos (FIGUEIREDO, 2001). Em todo o projeto é necessário fazer uma estimativa orçamentária, levando-se em conta o tipo e a quantidade de recursos necessários ao projeto. Feito isto, o gerente terá condições de obter uma estimativa dos custos do projeto, não descartando a possibilidade de falhas, que levaria à necessidade de correções e alterações no projeto. Esta estimativa deve ser levada em conta na aquisição de hardwares, softwares e manutenção dos mesmos. Para tanto, deve-se fazer uma estimativa salarial dos empregados e seus benefícios e custos relativos a custos de energia.

15 15 As ações como estimativas de custo do projeto, prazos de entrega, recursos, serão demonstrados na ferramenta Primavera, na seção Resultados e Discussão Fases do projeto A elaboração de um projeto é subdividida em fases para um melhor gerenciamento, ou seja, o ciclo de vida do projeto, sendo elas: Levantamento de Requisitos É a fase inicial do projeto, na qual são determinados os principais casos de uso do sistema, os quais deverão ser elaborados com grande precisão para ser feita uma estimativa de custos e prazos. Esta fase tem como atividades identificar as necessidades do projeto, determinar os objetivos e metas, analisar e fazer uma estimativa dos recursos disponíveis (hardware, software, pessoal capacitado, etc.), elaborar um planejamento e posteriormente mostrar a proposta do projeto ao cliente. É a fase em que o gerente de projeto deve uma maior interação com o usuário, pois o mesmo mostra as propostas, expõe suas necessidades ao profissional de informática. O término dessa fase se dá somente quando os objetivos do projeto são examinados e aprovados, para que o gerente e a equipe possam dar continuidade ao desenvolvimento (PRESSMAN, 1995) Análise de Requisitos Nesta fase é feita a estruturação e a viabilização do projeto. Esta fase tem como atividades detalhar as metas e objetivos determinados na fase anterior, analisar os riscos e restrições, programar o uso dos recursos humanos e materiais necessários ao gerenciamento e fazer o treinamento dos envolvidos no projeto. Aqui, os requisitos colhidos são transformados em modelos os quais representam o sistema em nível conceitual. Esta fase é a modelagem lógica do sistema. Finalizando esta fase deve-se ter um documento o qual deve ser preciso, completo, consistente, facilmente modificável, documento este que servirá de instrumento para a comunicação entre os profissionais envolvidos e os usuários (PRESSMAN, 1995) Projeto

16 16 Na construção de um software o projeto é de suma importância para que se tenha uma boa qualidade, pois o mesmo serve como base para as outras fases da engenharia. Ao se construir um software sem projeto, pode-se ter um software com falhas e com futuros problemas na manutenção, comprometendo assim a qualidade do mesmo. Esta fase é necessária para que o software possa ser analisado e avaliado antes mesmo da implementação. Os modelos conceituais são transformados em modelos físicos, partindo daí para a implementação (PRESSMAN, 1995) Implementação É a fase em que o projeto é traduzido para uma forma que a máquina interprete. O programador irá escolher uma linguagem de programação adequada, que se enquadre melhor com a performance do seu projeto, levando em conta sua complexidade, desempenho, ambiente que será desenvolvido, entre outras. Esta linguagem de programação a qual dever ser utilizada será o meio pelo qual será feita a conexão entre o computador e o usuário (PRESSMAN, 1995). O programador deverá criar uma interface de maneira que o usuário tenha condições adequadas para interagir com o software. Para tanto, esta interface deverá ser clara e objetiva Testes No desenvolvimento de sistemas existem inúmeras possibilidades de erros e falhas desde o início do projeto, tanto humano como do próprio sistema, inerentes à tecnologia, necessitando que o engenheiro faça alguns testes durante o desenvolvimento, cuja finalidade é tentar corrigir eventuais erros, visando atingir um nível de qualidade competitível ao mercado de trabalho. Nesta fase, o engenheiro tenta de várias formas atacar seu próprio sistema a fim de verificar seu comportamento, suas defesas e encontrar possíveis erros e falhas no mesmo. Após o resultado do teste, se houver alguma anomalia, ou o resultado não seja o esperado, logo é feita uma correção pelo engenheiro, antes da entrega para o cliente. Portanto, o teste é uma tentativa de descobrir erros, de maneira rápida e eficaz (PRESSMAN, 1995).

17 17 Segundo Pressman (1995), o engenheiro de software nunca terminará a fase de teste de um software, pois após a entrega do sistema, cada vez que o cliente executá-lo, o mesmo estará fazendo teste no programa, podendo ou não ocorrer falhas Manutenção Após o gerente do projeto ter feito os testes no sistema, caso tenha encontrados e identificados possíveis erros, é necessário fazer alterações ou adaptações, para possibilitar um bom funcionamento do sistema, permitindo assim uma melhor, agilidade e qualidade do sistema. As atividades corretivas ou adaptativas devem ser feitas com bastante critério para que não venha a comprometer o funcionamento do sistema (MEDSOLUTION, 2005). A manutenção pode ser bem simples dependendo do caso, se houver uma documentação bem feita Riscos do projeto Nem sempre um bom planejamento garante o sucesso de um projeto, pois muitos fatores influenciam no andamento do projeto. Para tanto o gerente de projetos será responsável pelo levantamento dos riscos e pelo controle dos mesmos, sendo habilitado a identificá-los, o qual pode ter origem no próprio projeto, ou oriundo de fatores externos (QSP, 2006). Risco é a possibilidade que alguma coisa possa dar errado, ou seja, possíveis contratempos que podem ocorrer no projeto, fazendo com que o mesmo possa causar alguns transtornos aos envolvidos, dentre outros o atraso de entrega do projeto (PRESSMAN, 1995). Segundo Pressman (1995), para se trabalhar com os riscos devem ser observados alguns itens, como identificar os riscos, sua projeção, avaliação e administração dos riscos. Os riscos podem ser de projeto (afetam o software ou os recursos do projeto), de produto (afetam a qualidade ou o desempenho do produto) ou de negócio (afetam as pessoas envolvidas no sistema ou os clientes). Alguns dos riscos mais comuns são: problemas financeiros, falta de pessoal capacitado, problemas de saúde nos funcionários e tempo de desenvolvimento do projeto subestimado. Um dos principais riscos de negócio, é o profissional criar um projeto que ninguém interesse em adquirí-lo, sendo um fracasso para o gerente de projeto (PRESSMAN, 1995).

18 18 Após a identificação, o risco deve ser examinado para que possa ser feita uma qualificação do risco, observando as possibilidades que ele possa ocorrer e, caso ocorra, verificar os possíveis problemas ou prejuízos que possam vir a trazer ao projeto. Em seguida, deve ser traçada uma estratégia para neutralizá-lo e finalizá-lo o mais rápido possível, pois quanto mais tempo demorar, maiores conseqüências podem ocorrer no projeto (QSP, 2006). Os resultados da análise dos riscos devem ser documentados ao projeto, com suas conseqüências. Segundo Pressman (1995), um bom exemplo para melhor explicar o monitoramento dos riscos seria o seguinte: Um projeto tem a possibilidade de 30% de passar do prazo de entrega, a duração do projeto deve aumentar em torno de 10%, com isso aumentará o custo em 5%. Ou seja, foi identificado o risco, a sua probabilidade que aconteça, e seu impacto no projeto. Os riscos possuem uma probabilidade alta de ocorrência nos projetos, pois não existe como eliminá-los por completo. Através de um bom monitoramento é possível controlar, fazendo que o mesmo não provoque grandes impactos no projeto Formação da Equipe Para um bom gerenciamento de projeto deve ser formada uma equipe de pessoas que devem ter suas características individuais, ou seja, vontades, aspirações, objetivos profissionais, relacionamentos, temperamentos e caráter (MENEZES, 2005). Dentre estas pessoas devem existir o Patrocinador, o Gerente de projeto, os Gerentes funcionais e os Especialistas. O bom relacionamento destas pessoas é de grande importância para o sucesso do projeto, pois os mesmos devem estar sempre de comum acordo para que possam dar prosseguimento no projeto e para que sejam atingidas as metas estipuladas no inicio do projeto (MENEZES, 2005). Por ser a pessoa mais importante dentre as pessoas envolvidas, o gerente de projeto deve estar atento ao comportamento de todos, ou seja, observar a convivência, evitando conflitos entre os mesmos (IETEC, 2003). O papel do gerente de projetos varia, dependendo do tipo de projeto a ser desenvolvido, mas geralmente é de sua responsabilidade a elaboração de propostas do projeto como objetivos do projeto e como o mesmo será realizado, selecionar e gerenciar as pessoas qualificadas para trabalharem no projeto, bem como os equipamentos

19 19 necessários, além de monitorar a parte financeira do projeto. É sua função fazer o planejamento e acompanhamento do projeto, para que não fuja da linha do projeto inicial, Para tanto é ainda de sua responsabilidade fazer um levantamento dos riscos, para que possam ser solucionados, visando um controle geral do projeto (CIDADE DO CONHECIMENTO, 2005) O gerente é responsável pelas atribuições das práticas que possam garantir uma boa qualidade e uma integridade do projeto. Monitorar o progresso para o cumprimento do prazo de entrega e para que os custos não ultrapassem o orçamento, lembrando que a qualidade do projeto pode ser comprometida caso o orçamento não seja suficiente para aquisição de uma equipe qualificada e até mesmo de matérias e equipamentos. O patrocinador, por sua vez, é responsável pela busca de soluções aos possíveis problemas não resolvidos pelo gerente de projeto. Cabe a ele também proporcionar um bom relacionamento entre os envolvidos no projeto durante as decisões tomadas para as soluções de tais problemas. O Especialista é responsável pela execução do projeto, devendo tentar solucionar os possíveis problemas não absorvidos pelos gerentes funcionais. "Gerente funcional é o principal responsável pela execução das atividades de sua área específica". É de sua responsabilidade fazer o equilíbrio das tarefas do projeto de sua equipe (MENEZES, 2005) Rede de Atividades Numa rede de atividades podem-se citar alguns marcos os quais são distribuídos da seguinte forma: O Evento é representado pelo tempo da execução da atividade, ou seja, inicio, meio e fim do projeto. Por sua vez as atividades são definidas pelas operações realizadas na construção do projeto. Para construir uma Rede de Atividades é necessário observar a lista das tarefas a serem executadas no projeto, as relações de antecedência e de subseqüência entre as tarefas e, por final, o tempo previsto para a execução das tarefas. É possível fazer a configuração do projeto de diversas maneiras, sendo a mais usada o método americano, no qual as atividades são demonstradas por setas e os eventos por círculos (MENEZES, 2005).

20 20 seguinte. A figura 2 descreve uma lista de eventos de um projeto, representada pela tabela Figura 2: Representação da Rede de Atividades no Método Americano (MENEZES, 2005). Tabela 1: Representação da Rede de Atividades no Método Americano (MENEZES, 2005). Evento Descrição Eventos Procedentes 0 Iniciar desenhos e listas de materiais - 1 Desenhos e listas de materiais executados 0 2 Ordem de compra para o conjunto A. 1 3 Recebimento do conjunto A 2 4 Ordem de compra materiais conjunto B 1 5 Recebimento dos materiais do conjunto B 4 6 Início da usinagem do conjunto B 5 7 Fim da usinagem do conjunto B 6 8 Inicio da montagem 3 e 7 9 Final da montagem 8 A outra maneira de representação é o método francês, mais recente e pouco conhecido, que representa por setas a seqüência de ligação das tarefas, e por nós as atividades (MENEZES, 2005). A figura 3 descreve uma lista de eventos de um projeto, representada pela tabela 4. Onde: Cada atividade definida é representada por um único nó. A seta representa as atividades, sendo que seu destino depende de seu precedente, ou seja, só pode passar para uma tarefa adiante, caso tenha feito a posterior (uma depende da outra).

21 21 B E Fim Inicio A C D Figura 3: Representação da Rede de Atividades no Método Francês (MENEZES, 2005). Tabela 2: Representação da Rede de Atividades no Método Francês (MENEZES, 2005). Atividade Descrição Atividades Precedentes A Preparar desenhos e listas de materiais - B Comprar materiais para o conjunto A A C Comprar materiais para o conjunto B A D Usinar o conjunto B C E Montar os conjuntos A e B B e D Ms Project Apesar de não ser o objetivo deste trabalho falar sobre o Ms Project, será feito uma breve abordagem do mesmo, devido ser o software mais utilizado e mais conhecido no mercado de trabalho. Por causa da competitividade de mercado, com evoluções cotidianas, houve a necessidade cada vez maior por oferecer melhores produtos e serviços, pois gerenciar um projeto é algo essencial para um bom desenvolvimento de um sistema. Para lidar com essa situação, surgiram alguns softwares de gerenciamento de projetos, dentre eles o Ms Project. O Ms Project é uma ferramenta utilizada para o gerenciamento de pessoas e projetos que oferece vários recursos para o auxílio ao usuário em seu projeto, fornecendo a possibilidade de melhor controle de suas atividades, mais segurança, agilidade e eficácia em seus processos, além de possuir uma interface gráfica simples (FIGUEIREDO, 2001). Desde o início de sua primeira versão, em 1985, este software vem aprimorando-se casa vez mais, sempre em busca de melhor qualidade e perfeição. O Ms Project possui um

22 22 ambiente padrão de trabalho chamado Gráfico de Gantt. Através dele pode-se ter uma visualização mais ampla e detalhada do projeto. O Ms Project é baseado no diagrama de Rede, que assim como o Gráfico de Gantt possui diversas funcionalidades. O Ms Project fornece relatórios de informações do projeto que aparecem nos diagramas, facilitando assim a visualização das mesmas. É exposta na figura 4, a tela inicial do Ms Project, com suas funcionalidades e recursos onde o usuário faz o cadastro e o controle de suas atividades e serviços, para o acompanhamento do projeto. Figura 4: Tela inicial do Ms Project Na figura 5 é demonstrada a tela do Ms Project com algumas tarefas cadastradas, com suas predecessoras, e a visualização do Gráfico de Gantt.

23 23 Figura 5: Tela do Ms Project com tarefas cadastradas e Gráfico de Gantt Software Primavera O Primavera foi criado visando um melhor gerenciamento de projetos, objetivando a possibilidade ao gerente de projetos adicionar várias metas para cada projeto. O Primavera permite ao gerente de projeto planejar e controlar grandes projetos com eficiência, consistindo em um conjunto de ferramentas de gerenciamento de projetos cooperativo (STEI, 2005). O Primavera possui uma interface composta por várias ferramentas as quais fornecem algumas funções individualizadas. O Primavera possibilita o controle de projetos de tal maneira que provê grandes benefícios a empresa, expondo relatórios a fim de possibilitar que os gerentes de projetos possam controlar os funcionários, fazendo com que as tarefas sejam divididas de maneira que não sobrecarregue-os e permite ainda que todos possuam uma interface funcional. Através da opção Organizing Activities, as atividades podem ser divididas em grupos distintos usando o código das atividades, ou por categorias, podendo ser ajustada de acordo com exigências do programador ou a necessidade do projeto. Dentre estas e outras funcionalidades este software só vem a agregar benefícios ao crescimento da empresa (STEI, 2005). A seqüência da explicação de como o Primavera funciona será feita no capitulo 4.

24 3. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Local e Período Este trabalho foi desenvolvido no primeiro semestre de 2006, com o objetivo de avaliação da disciplina Estagio Supervisionado em Sistema de Informação. Os locais usados na sua elaboração foram os laboratórios do curso de Sistemas de Informação do CEULP/ULBRA Materiais Os recursos de software e hardware que foram utilizados foram disponibilizados pelo curso de Sistemas de Informação CEULP/ULBRA Hardware Pentium 4, 900 MHz, com 256 Mb de RAM; Pentium 3, 750 MHz, com 128 Mb de RAM; Software Microsoft Windows 2000 Professional; Microsoft Office 2000; Internet Explore v 6; Microsoft Project; Primavera Project Planner; Fontes Bibliográficas Livros; Artigos;

25 25 Sites diversos; 3.3. Metodologia Para o desenvolvimento deste trabalho foi necessário fazer um estudo sobre o processo de desenvolvimento de sistemas, e posteriormente, sobre as atividades de um gerenciamento de projetos. Este estudo teve inicio a partir da teoria sobre os conceitos e aplicações para o desenvolvimento do projeto. Em seguida iniciou-se o estudo do software Primavera, fazendo alguns testes, como o cadastramento de atividades, acompanhamento de prazos de entrega, e custos, com o objetivo de adquirir informações referentes ao domínio deste trabalho.

26 4. RESULTADO E DISCUSSÃO A finalidade deste capítulo é expor o funcionamento do software Primavera. O Primavera tem a finalidade de proporcionar ao gerente a possibilidade de administrar os projetos, com o objetivo de trazer grandes benefícios a empresa, bem como dar condições ao gerente para elaborar relatórios do desenvolvimento do projeto, gerenciar as pessoas envolvidas e as tarefas atribuídas a cada uma delas. Dentre outras funcionalidades, o Primavera procura através de seu desempenho, propor mais agilidade, segurança, confiabilidade ao projeto. Ao iniciar o Primavera, é mostrado uma tela inicial na qual o usuário deverá escolher a opção novo para iniciar o projeto, conforme mostra a figura 6. Figura 6: Tela inicial do Primavera. Na tela inicial da criação de um novo projeto, faz-se necessário preencher alguns campos obrigatórios, como o nome do projeto (com exatamente 4 caracteres), número da versão, título do projeto e companhia. Na seqüência, deve-se optar pela freqüência de trabalho (dia, semana ou mês). Optando pela semana, deve-se indicar quantos dias da semana a equipe irá trabalhar, entre 1 a 7 dias e em que dia da semana a mesma começa.

27 27 Em seguida, seleciona-se em que dia do mês terá o início e término previsto. Através do Browser, seleciona-se a pasta onde deverá ser armazenado o projeto, não dando a opção de criar uma nova pasta a partir dali. Após este cadastro inicial, o usuário clicará em add para gravar o projeto, conforme mostra a figura 7. Figura 7: Tela de cadastro de um novo projeto. Após iniciar seu projeto, o usuário deve adicionar uma atividade clicando em Activity ID e digitando na barra de endereço o atributo desejado e clicando no ícone ao lado para adicioná-lo. O campo Activity Description é o local no qual insere-se a descrição da atividade. Existem ainda os campos para inserir a data de início e a data de previsão do término das atividades do projeto, conforme mostra a figura 8.

28 28 Figura 8: Tela de cadastro do escopo do projeto Este software disponibiliza ao usuário um campo onde o mesmo faz um controle de precedência, ou seja, uma atividade fica vinculada à outra, possibilitando que seja inicializada sua execução a partir do momento que seu vinculo precedente seja concluído. Para que possa executar esta ação é necessário seguir os seguintes passos: através de um duplo clique na atividade, ou com o botão direito sobre a mesma, clica-se em Activity Detail Predecessors, e aparecerá uma barra no final do formulário, conforme figura 9. Clica-se em Predecessors, e na barra que indica o número da atividade através de seu número de identificação, como mostra a figura 10. Através da tecla de atalho F7 pode chegar mais rápido, ou ainda através de outra tecla de atalho CTRT+E, a qual mostra logo a tela dos predecessores, facilitando e agilizando assim o trabalho do usuário.

29 29 Figura 9: Continuação do cadastro de novas atividades do projeto Figura 10: Tela de inclusão de predecessores. Existe ainda a opção de escolha dos sucessores. Para tanto, o usuário deve clicar na opção Successors, ou na tecla de atalho CTRT+J e indicar a próxima tarefa a ser seguida. Caso não seja preenchida esta opção, as atividades poderão ser executadas independentes das outras. Para inserir os recursos a serem usados, deve-se ir à barra de controle no final da tela e clicar em Cost. Então aparecerá um formulário no qual deve-se clicar no sinal de mais e em seguida digitar os recursos, como os funcionários e as máquinas utilizadas no projeto, conforme mostra a figura 11.

30 30 Figura 11: Tela de cadastro dos recursos do sistema. Caso o recurso a ser cadastrado não tiver sido utilizado anteriormente, irá aparecer outra tela na qual deverá ser cadastrado aquele recurso, conforme mostra a figura 12. Figura 12: Tela de cadastro de novo recurso Caso o recurso já tenha sido cadastrado, basta clicar na seta, que permitirá ao usuário selecionar o recurso desejado. Para ver o esquema de atividades com seus respectivos predecessores através de gráficos, deve-se clicar em View Pert. Desta forma o usuário visualizará as tarefas em forma de gráficos, observando também as ligações entre o predecessor de cada tarefa, conforme mostra a figura 13.

31 31 Figura 13: Tela de Predecessores através de gráficos de Pert Nesta tela existe a opção de retorno para a tela anterior através da opção View Biar Chart. Para possibilitar inserção de novas atividades através do gráfico de Pert, deve dar um duplo clique no espaço em branco, ou ainda clicar em Insert Activity, em seguida dar outro duplo clique na nova atividade. Ao aparecer o formulário de atividades, coloca-se o nome da nova atividade, seu identificador e a duração do tempo previsto da atividade. Outra maneira de mostrar o formulário de atividades é clicando no ícone Activity Form. Para voltar a tela anterior deve clicar em Activity Form, idem ao anterior. Clica-se em Insert e Autolink sempre que for criada uma nova atividade a mesma já virá com seu identificador automaticamente, incrementando em 10 em 10. O Primavera também fornece modelos de formatos de atividades, através da caixa de atividades, clicando em Format Activity Box Configuration, possibilitando alterações de fonte e outras características, conforme mostra a figura 14.

32 32 Figura 14: Tela de Configuração da Caixa Atividades O Primavera dispõe de inúmeras opções de visualizações para as atividades, como mais zoom, menos zoom. Para tanto, existe uma maneira que permite a visualização das atividades do projeto separadamente, clicando numa das atividades em seguida clicando no ícone Traço Lógico, mostrará uma tela com a atividade selecionada e seu primeiro predecessor e seu primeiro sucessor, como mostra a figura 15.

33 33 Figura 15: Tela demonstrativa do traço lógico Existe uma opção de organizar o projeto de forma que o gerente de projetos possa ter um melhor controle de seus projetos. Para isso deve-se selecionar a opção Format, Organize, onde será mostrada uma nova tela na qual deve-se selecionar a opção Arrangement, e clicar em Pert layout Winth Timescale, e em Organize, conforme mostra a figura 16. Com isso surgirá uma barra com as datas dividindo-as por semana, conforme a figura 17.

34 34 Figura 16: Seqüência para organizar o gráfico por semana Figura 17: Demonstração da divisão de atividades semanais

35 35 No decorrer do projeto o gerente necessita fazer um acompanhamento das tarefas que estão sendo executadas. Para tanto, o Primavera disponibiliza a opção de controlar o andamento das tarefas, datas, porcentagens concluídas, porcentagens pendentes. Para isso deve selecionar a tarefa que deseja fazer o acompanhamento e no Activity Form, selecionar a opção Budget, o qual disponibiliza uma nova tela com uma tabela de controle. Ao inserir a quantidade de recursos disponíveis por dia, o mesmo automaticamente completa a quantidade de dias que serão necessárias para a conclusão da tarefa. Ao inserir a quantidade em porcentagem do que já foi concluído da tarefa, será demonstrada na seqüência a porcentagem restante. Ao fechar a tabela de acompanhamento de tarefas, nada será alterado na tela principal do Primavera, ou seja, sempre que o gerente desejar visualizar este acompanhamento, será necessário que ele selecione a opção Budget, no Activity Form, conforme figura 18. Figura 18: Demonstração do acompanhamento das tarefas Após o cadastro do projeto, ou seja, o formulário preenchido com todos os dados necessários, o Primavera disponibiliza um relatório para que o gerente de projetos possa visualizar melhor seu projeto e imprimi-lo. Para isso deve-se selecionar a opção View Pert para que possa ir primeiro para o gráfico de Pert, em seguida selecionar a opção Schedule. Então será mostrada uma tela na qual deve-se escolher a opção Schedule Now, conforme mostra a figura 19.

36 36 Figura 19: Seqüência até o relatório final Na seqüência aparecerá outra tela que dará a opção para escolha de uma pasta para salvar o relatório, conforme figura. 20. Figura 20: Seqüência até o relatório final Após esses passos será mostrado o relatório detalhado com todos os dados do projeto a ser executado, conforme figura 21.

37 37 Figura 21: Relatório do projeto O Primavera disponibiliza de muitos recursos como, segurança, acompanhamento dos riscos, das atividades, para facilitar o desempenho dos trabalhos dos gerentes de projetos. A figura 23 mostra uma tela do Primavera com um exemplo de um projeto completo, com algumas atividades cadastradas, com o gráfico de Pert e várias funcionalidades, como as datas de inicio e término, recursos e custos de cada atividade.

38 Figura 22: Tela de um de projeto completo 38

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Clorisval Gomes Pereira Júnior Possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília (1993), graduação em Educação Artística pela Universidade de Brasília (1989) e mestrado em Design

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES SUMÁRIO 1. PREENCHIMENTO DA PLANILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS...3 1.1 Menu...3 1.2 Termo de Abertura...4 1.3 Plano do Projeto...5 1.4

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 Microsoft Project 2003 1 [Módulo 4] Microsoft Project 2003 2 Definindo durações Inter-relacionamentorelacionamento Caminho crítico Microsoft Project 2003 3 1 Duração das Atividades Microsoft Project 2003

Leia mais

Neste curso, seguiremos um tutorial de aprendizado. Este tutorial, por sua vez, segue as nossas etapas essenciais de planejamento como visto abaixo.

Neste curso, seguiremos um tutorial de aprendizado. Este tutorial, por sua vez, segue as nossas etapas essenciais de planejamento como visto abaixo. 1. Criação e Edição de Projetos 1.1. Visão Geral: Neste curso, seguiremos um tutorial de aprendizado. Este tutorial, por sua vez, segue as nossas etapas essenciais de planejamento como visto abaixo. Planejamento

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido.

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Sumário Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Introdução ao Project Um projeto é uma seqüência bem definida de eventos, com um início e um final identificável. O foco de um projeto é obter

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS SERENA OPEN PROJ FABIANO KEIJI TAGUCHI ESTE MATERIAL TEM UM OBJETIVO DE COMPLEMENTAR OS ASSUNTOS ABORDADOS DENTRO DE SALA DE AULA, TORNANDO-SE UM GUIA PARA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas Funções Básicas Fevereiro 2015 - 1) Selecionar o menu Portfólio > Projetos, clique para janela projetos abrir. 2) Selecione botão incluir para abrir um projeto. Preencha os campos obrigatórios nos Dados

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO UNIVERSITÁRIO DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES SISTEMA 1ª EDIÇÃO SETEMBRO/2013

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013 Apresentação do Professor Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Formação Acadêmica: Bacharel em Sistemas de Informação Pós graduado em Didática e Metodologia para

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO ORÇAMENTO DA SIA 07/2013 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 29 de julho de 2013. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ORDENS DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA VIA INTERNET

SISTEMA DE CONTROLE DE ORDENS DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA VIA INTERNET SISTEMA DE CONTROLE DE ORDENS DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA VIA INTERNET FONSECA, Alexei Boncewicz, acadêmico de Engenheira Elétrica Centro Federal de Educação Tecnológica do

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Modelo Cascata. Alunos: Bruno Nocera Zanette Pedro Taques

Modelo Cascata. Alunos: Bruno Nocera Zanette Pedro Taques Modelo Cascata Alunos: Bruno Nocera Zanette Pedro Taques Principais Características Gerenciamento Simples das etapas Também conhecido como "Ciclo de Vida Clássico", sugere uma abordagem sistemática e sequencial

Leia mais

MicrovixPOS Instalação do Logmein

MicrovixPOS Instalação do Logmein MicrovixPOS Instalação do Logmein Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data Autor Descrição 13/06/2012 Rodrigo Cristiano Desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 8. Recursos

Capítulo 8. Recursos Capítulo 8 Recursos 138 TRABALHANDO COM RECURSOS CRIANDO A LISTA DE RECURSOS DO PROJETO Para completarmos o planejamento precisamos listar os recursos que serão utilizados no projeto. Esse processo é feito

Leia mais

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4 Versão 4.6.4 Sexta-feira, 08 de fevereiro de 2008 ÍNDICE 3 4 EDITORIAL NOVAS FUNCIONALIDADES 4 12 13 14 15 16 Novo Cronograma 4 5 5 6 7 8 8 9 9 10 10 Edição Rápida do Cronograma Recurso de Arrastar e Soltar

Leia mais

Guia Rápido. Projects & Teamwork

Guia Rápido. Projects & Teamwork Guia Rápido Projects & Teamwork Conteúdo 1. Meu Perfil, tutoriais y ajuda contextual... 3 2. Criar projetos... 6 3. Criar usuários e atribuir usuários a projetos e tarefas... 7 4. Criar e controlar tarefas...10

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Cláudio Leones Bazzi 1 ; Juliano Rodrigo Lamb

Leia mais

Guia Rápido Programs & Portfolio

Guia Rápido Programs & Portfolio Guia Rápido Programs & Portfolio Índice Índice 2 1. Meu Perfil, tutoriais y ajuda contextual... 3 2. Criar projetos... 6 3. Criar usuários e atribuir usuários a projetos e tarefas... 7 4. Criar e gerenciar

Leia mais

1998-2012 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2012 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Evandro sistemas comerciais e web.

Evandro sistemas comerciais e web. Evandro sistemas comerciais e web. Sistema de Gerenciamento Comercial. Contatos: Site: www.evandropf.ubbi.com.br e-mail: acraseado@yahoo.com.br msn: evanf@bol.com.br Tel. (19)9212-7827 O Sistema Este sistema

Leia mais

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Departamento de Planejamento Pró-reitoria de Planejamento e Finanças Universidade Federal de Santa Catarina 1 Sumário O que é um projeto?... 4 O que é

Leia mais

GPWeb Gestão de projetos

GPWeb Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GPWeb Gestão de projetos Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário O que é um projeto?... 5 O que é o GPWeb?... 6 Como criar um projeto no GPWeb:... 6 As partes envolvidas: Integração/

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13 Visão Empresa de Contabilidade Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

Departamento de Treinamentos BIG SISTEMAS. Certificação em Entradas Configurações Gerais Entrada Manual Entrada NFe Conferência

Departamento de Treinamentos BIG SISTEMAS. Certificação em Entradas Configurações Gerais Entrada Manual Entrada NFe Conferência Departamento de Treinamentos BIG SISTEMAS Certificação em Entradas Configurações Gerais Entrada Manual Entrada NFe Conferência Sumário Índice de Figuras... 3 Histórico de Revisões... 4 Introdução... 5

Leia mais

João Filho Borges Leite

João Filho Borges Leite João Filho Borges Leite DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB DE GERENCIAMENTO PARA AS DISCIPLINAS DE MODELAGEM E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Palmas 2006 i João Filho Borges Leite DESENVOLVIMENTO

Leia mais

COLABORAÇÃO, CRM, GERÊNCIA DA PRODUÇÃO, PROJETOS, SERVIÇOS, OBRAS E VENDAS VIA INTERNET

COLABORAÇÃO, CRM, GERÊNCIA DA PRODUÇÃO, PROJETOS, SERVIÇOS, OBRAS E VENDAS VIA INTERNET MANUAL DO USUÁRIO BITÁVEL GERENCIADOR ONLINE (GOL) Software Web para: COLABORAÇÃO, CRM, GERÊNCIA DA PRODUÇÃO, PROJETOS, SERVIÇOS, OBRAS E VENDAS VIA INTERNET Versão 2.5.1 1 Índice de Conteúdo 1) LICENÇA

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3

1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3 2.1. OBJETIVO DOS SERVIÇOS DE CUSTOMIZAÇÕES 3 2.2. NÃO SE COMPREENDE COMO SERVIÇOS DE CUSTOMIZAÇÕES 3 2.3. RESPONSABILIDADE SOBRE ARTEFATOS

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

Guia Rápido de Preenchimento do Formulário de Apresentação do Plano de Negócios Inova Saúde Equipamentos Médicos 02/2013

Guia Rápido de Preenchimento do Formulário de Apresentação do Plano de Negócios Inova Saúde Equipamentos Médicos 02/2013 Guia Rápido de Preenchimento do Formulário de Apresentação do Plano de Negócios Inova Saúde Equipamentos Médicos 02/2013 Recomendamos que este Guia Rápido seja lido previamente ao preenchimento. Devido

Leia mais

Manual Wincall Atualizado em 19/09/2007 Pág. 1

Manual Wincall Atualizado em 19/09/2007 Pág. 1 MANUAL CALL CENTER Pág. 1 INTRODUÇÃO AO MODULO CALL CENTER Esse módulo do Sistema gerencia todo relacionamento da empresa com seus clientes, registrando todos os contatos realizados, controlando todo o

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Sistema de Planejamento

Sistema de Planejamento Sistema de Planejamento Copyright 2013 by Softplan Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqueTecAlfa João Paulo CEP 88030-000 Florianópolis SC Telefone: (48) 3027-8000 Homepage:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS V PORTAL WEB Revisão: 07 Versão: 7.9.109 JM Soft Informática Março, 2015 SUMÁRIO 1 AVALIAÇÕES... 9 2 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL...

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um Projetos, Programas e Portfólios Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um programa, quando se relacionam

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

Mozilla Firefox 2.0 Janeiro/ 2007

Mozilla Firefox 2.0 Janeiro/ 2007 Mozilla Firefox 2.0 Janeiro/ 2007 ESTE MATERIAL FOI DESENVOLVIDO EM PARCEIRA ENTRE A COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO METRÔ E A BARROS MARTINS CONSULTORIA E TREINAMENTO EM INFORMÁTICA LTDA E ESTÁ

Leia mais

Microsoft Word INTRODUÇÃO

Microsoft Word INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O Word é uma ferramenta utilizada para o processamento e editoração eletrônica de textos. O processamento de textos consiste na possibilidade de executar e criar efeitos sobre um texto qualquer,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática.

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. 1 Introdução 1.1 Propósito O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos

Leia mais

Visão Cliente da Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13

Visão Cliente da Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13 Visão Cliente da Empresa de Contabilidade Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Índice CAPÍTULO 1 INICIAÇÃO DE PROJETOS... 4 CAPÍTULO 2 PLANEJAMENTO DE PROJETOS... 5 CAPÍTULO 3 CONTROLE DE PROJETOS...

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS Rosiane da Silva Biscaia Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

TUTORIAL DO USUÁRIO CRM SOLUTION EM 05/02/2011

TUTORIAL DO USUÁRIO CRM SOLUTION EM 05/02/2011 TUTORIAL DO USUÁRIO CRM SOLUTION EM 05/02/2011 Manual de operação revisão 20110205 Pagina 1/18 Login no Sistema Para poder utilizar o sistema. 1 - Receba com o gestor do sistema o endereço na WEB no qual

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 COMO COMEÇAR... 3 5 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 4 6 CADASTRO DE VEÍCULO... 6 7 ALINHAMENTO...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 09 de outubro de 2015. Aprovado, Leandro Costa Pereira Crispim de Sousa Fabio Faizi Rahnemay

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

REQUISITOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REQUISITOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião REQUISITOS Prof. Msc. Hélio Esperidião OS REQUISITOS O que são requisitos? Uma descrição de um serviço ou de uma limitação O que é a engenharia de requisitos? O processo envolvido no desenvolvimento de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos: Conceitos.

Gerenciamento de Projetos: Conceitos. ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aula 10: 1 1 O que é Projeto 2 Caracterização de um projeto 3 Processos e áreas do gerenciamento de projeto 4 Análise de viabilidade do projeto 5 O papel do gerente de

Leia mais

Guia Rápido do Formulário de Apresentação de Planos de Negócio Inova Energia 01/2013

Guia Rápido do Formulário de Apresentação de Planos de Negócio Inova Energia 01/2013 Guia Rápido do Formulário de Apresentação de Planos de Negócio Inova Energia 01/2013 A FINEP desenvolveu um novo Formulário de Apresentação de Planos de Negócio que será utilizado neste Edital do Inova

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Iniciando o TR4... 8 2.1 Como efetuar o login... 8

Sumário. Capítulo 2 Iniciando o TR4... 8 2.1 Como efetuar o login... 8 1 Sumário Capítulo 1 Introdução ao TR4... 4 1.1 Requisitos Mínimos... 4 1.2 Layout do Sistema... 5 1.3 Legenda... 5 1.4 Visão geral das funcionalidades... 6 1.4.1 O Menu Administração... 6 1.4.2 O Menu

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL

MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL Manual de Procedimentos - SISPREV WEB MONTAGEM DE PROCESSO VIRTUAL 1/15 O treinamento com o Manual de Procedimentos É com muita satisfação que a Agenda Assessoria prepara este manual para você que trabalha

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE FREQUÊNCIA

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE FREQUÊNCIA Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE FREQUÊNCIA MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO:...3 2.0 ACESSO AO SISTEMA:...3 3.0 BOLETIM DE FREQÜÊNCIA:...4

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE Manual de Utilização do MSDN-AA Software Center Aracaju/SE 2009 Sumário Apresentação... 3 1. Solicitando ativação no MSDN-AA... 3 2. Acessando o Portal

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

Manual de uso do Gerente

Manual de uso do Gerente Manual de uso do Gerente Manual do Hypnobox: www.hypnobox.com.br/manual Índice Acessar o Hypnobox Endereço o www Login e Senha Tela Principal Perfil de acesso Editar Dados pessoais Fila de corretores Gerenciar

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Manual de uso PSIM Client 2010

Manual de uso PSIM Client 2010 MANUAL DE USO PSIM MESSENGER VERSÃO 2010 ÍNDICE Manual de uso PSIM Client 2010 INSTALAÇÃO...2 INSTALAÇÃO LOCAL...2 CONFIGURAÇÃO DE USUÁRIO NO PSIM CLIENT 2010...12 QUANDO O FUNCIONÁRIO JÁ ESTÁ CADASTRADO

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. II - Nome do gerente do projeto, suas responsabilidades e sua autoridade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. II - Nome do gerente do projeto, suas responsabilidades e sua autoridade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE ESCOPO SCOPE STATEMENT Preparado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto Versão 3 Aprovado por Ricardo Viana Vargas Patrocinador 01/11/2010 I - Patrocinador Ricardo

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Documento de Visão Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Junho de 2011 Histórico de revisão: DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 19/02/2011 1.0 Versão inicial. João Ricardo, Diogo Henrique. 24/02/2011 2.0 Modificação

Leia mais

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012 Fábrica de Software Dados do Projeto Nome do Projeto Data de Inicialização Responsáveis Autores Fingerprint Access Users 14/04/2012 Adriana Lima de Almeida, Espedito Alves Leal, Jaciel Dias de Souza, Samuel

Leia mais

Documentação de Apoio. para uso do. Dashboard Corporativo V3 (Completo)

Documentação de Apoio. para uso do. Dashboard Corporativo V3 (Completo) para uso do Dashboard Corporativo V3 (Completo) 21225_ Completo- Dashboard Rev - Cópia.doc Página 1 de 27 Histórico das Alterações Data Descrição Autor Emissão da documentação Rev. Contempla procedimentos

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais