GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE: UM ESTUDO DE CASO NA AGROINDÚSTRIA CATARINENSE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE: UM ESTUDO DE CASO NA AGROINDÚSTRIA CATARINENSE"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE: UM ESTUDO DE CASO NA AGROINDÚSTRIA CATARINENSE Francis Becker José Alexandre De Toni Universidade Comunitária Regional de Chapecó UNOCHAPECÓ Caixa Postal 747, Chapecó SC Resumo Este artigo tem o objetivo de mostrar um estudo feito sobre o gerenciamento e controle de projetos de software, utilizando a ferramenta PERT/CPM e alguns conceitos de CMM. O estudo é baseado nas agroindústrias catarinenses, em específico as do ramo frigorífico que possuem uma equipe interna de desenvolvimento de sistemas. O conhecimento da ferramenta PERT/CPM, pelo gerente de projetos, suas características, recursos e como ela pode ser utilizada no gerenciamento de projetos de software, contribuem para estes sejam bem sucedidos. A proposta do trabalho apresentado neste artigo, é o desenvolvimento de um protótipo de auxílio no gerenciamento de projetos de software da empresa Chapecó Cia. Indl. de Alimentos(CCIA), baseado na ferramenta PERT/CPM. Para isto, é feito um estudo do ambiente de tecnologia da informação da empresa CCIA, apontando as necessidades do supervisor de desenvolvimento de sistemas, no gerenciamento e controle dos projetos e atividades em andamento. Para o desenvolvimento do protótipo foi utilizada a linguagem de programação Delphi 6 com banco de dados Interbase 6. Palavras-chave: Gerenciamento de Projetos, Projetos de Software, CMM, PERT/CPM, Engenharia de Software, Análise de Sistemas. Abstract This article has the objective of showing a study done on the management and control of software projects, using the tool PERT/CPM and some concepts of CMM. The study is based on them agriculture industries catarinenses, in specific the one of the refrigerating branch that possess an internal team of development of systems. The knowledge of the tool PERT/CPM, for the manager of projects, its characteristics, resources and like her it can be used in the management of software projects, they contribute to these they are well happened. The proposal of the work presented in this article, is the development of a prototype of aid in the management of projects of software of the company Chapecó Cia. Indl. of Alimentos(CCIA), based on the tool PERT/CPM. Para this, it is made a study of the atmosphere of technology of the information of the company CCIA, aiming the

2 supervisor's of development of systems needs, in the management and control of the projects and activities in process. For the development of the prototype the programming language was used Delphi 6 with database Interbase 6. Keywords: Management of Projects, Projects of Software, CMM, PERT/CPM, Engineering of Software, Analysis of Systems. 1. INTRODUÇÃO Este artigo refere-se ao estudo do gerenciamento e controle do desenvolvimento de software, fazendo o uso da ferramenta PERT/CPM, abordando a importância de se gerenciar, identificando os problemas que podem ocasionar a falta de controle e má seleção dos projetos a serem desenvolvidos. O campo de estudo do trabalho apresentado neste artigo, são as agroindústrias catarinenses, em específico, as do ramo frigorífico. As maiores empresas desta área encontram-se no oeste catarinense, sendo estas responsáveis pela maior fatia do mercado nacional no setor. Por serem todas da mesma região, existe uma competição muito grande para manutenção e conquista de novos clientes. Como são empresas de grande porte, a maioria pode contar com uma equipe interna de desenvolvimento de sistemas. Para atender as necessidades dos usuários, em um ambiente de constantes mudanças, estas equipes precisam apresentar qualidade nos projetos de desenvolvimento de software, em curtos espaços de tempo e com recursos limitados. A cada dia são solicitadas novas alterações de sistemas à equipe de desenvolvimento, gerando um grande número de atividades com pouco tempo para serem concluídas. Desta forma é preciso planejamento, definindo prioridades e objetivos, analisando a real necessidade de cada projeto e sua viabilidade. A utilização do PERT/CPM no gerenciamento, permite ao gerente de projetos ter uma boa visão de como será o andamento deste. Através de variáveis como folga livre, folga total da atividade e caminho crítico, o PERT/CPM permite identificar quais atividades não poderão sofrer atrasos com o risco de comprometer todo o projeto. Desta forma, é possível ao gerente delegar seus melhores recursos de pessoal e equipamentos para a realização destas etapas críticas. O uso de uma ferramenta de gerenciamento baseada nestas técnicas, permite que se tenha um melhor controle das atividades pelo gerente de desenvolvimento, como também, uma garantia do término do projeto com o custo e tempo de duração prédeterminados, e principalmente, permite alcançar um trabalho de ótima qualidade. O presente artigo, trata então, de uma proposta de implementação de um protótipo de apoio no gerenciamento e controle dos projetos de software das

3 agroindústrias, baseado nas técnicas da ferramenta PERT/CPM. Para isto, foi realizado um estudo de caso na empresa Chapecó Cia. Indl. de Alimentos, apontando as necessidades do supervisor de desenvolvimento de sistemas da empresa. Este artigo divide-se em seis títulos onde são abordados vários temas relacionados ao assunto. No segundo título são apresentados aspectos gerais das agroindústrias catarinenses. O terceiro, engloba vários assuntos, divididos em subtítulos, onde serão abordados todos os conceitos, técnicas e teorias relacionadas ao desenvolvimento do trabalho. Após, é apresentado um estudo de caso do ambiente onde o trabalho será aplicado, e proposta a criação de um protótipo que atenda as necessidades apontadas. O título 5, é apresenta o protótipo desenvolvido a partir dos conceitos e necessidades levantadas, e finalizando o título 6 aponta a importância do trabalho realizado. 2. ASPECTOS DA AGROINDÚSTRIA CATARINENSE As agroindústrias catarinenses, a qual o trabalho se refere, são empresas sociedade anônima que tem seu ramo de atividade voltado ao abate, frigorificação e industrialização de suínos e aves. Além da industrialização e comercialização, as agroindústrias trabalham diretamente com o produtor. Com políticas de parceria abrangentes, atendem famílias de pequenos e médios avicultores e suinocultores. Principalmente nos estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul[CHA 02]. Além das unidades produtoras, essas empresas também contam com núcleos de apoio a produção, como granjas, incubatórios e unidades de genética para desenvolvimento de produtos com maior qualidade. O mercado de carnes e seus derivados, possui um grande público consumidor. As agroindústrias atendem todo o mercado nacional, através de representantes comerciais e operadores logísticos. Tendo como seus maiores consumidores a Região Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Além do mercado nacional, essas indústrias têm uma forte atuação no mercado internacional, chegando a destinar 40% da sua produção para a exportação. Os maiores importadores estão na Europa(Alemanha, Inglaterra), Ásia(Rússia) e Oriente Médio(Arábia Saudita, Emirados Árabes). Além da América do Sul(Argentina, Uruguai)[CHA 02]. 2.1 Modelos de Gerenciamento de Projetos de Software na Agroindústria Catarinense

4 Em geral, nas agroindústrias que possuem uma equipe de desenvolvimento interna, não há ou não existia até pouco tempo um modelo de gerenciamento de projetos de sistema, e nem mesmo uma metodologia de desenvolvimento. O uso de um software de gerenciamento de projetos de sistema é inexistente em algumas empresas. Outras criaram sua própria ferramenta, que em geral, realiza somente um controle das tarefas executadas pela equipe. O que se observa, é uma grande defasagem tecnológica no que diz respeito à área de tecnologia da informação nestas empresas. 3. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE Neste item serão tratados alguns conceitos e técnicas relacionadas ao gerenciamento de projetos de software. Conceitos de metodologia de desenvolvimento e gerência de projetos. Dentre todas as técnicas utilizadas no gerenciamento e controle de projetos, o PERT/CPM será objeto de estudo aprofundado, já que servirá de base para o desenvolvimento de um protótipo que será proposto e apresentado mais adiante neste artigo. Também serão expostos aqui alguns conceitos de CMM, assunto este que trata da qualidade do processo de desenvolvimento de software. 3.1 Metodologia de Desenvolvimento Estruturada A metodologia de desenvolvimento estruturada, propõe a construção de um modelo lógico do sistema apresentado de forma gráfica, sendo de fácil compreensão e visualização pelo usuário, por isso é um dos métodos mais amplamente usado. Esta metodologia, consiste em dividir o sistema em partes funcionais, detalhando então, o que deve ser construído em cada uma[kel 90]. O uso desta metodologia em projetos de desenvolvimento define claramente o papel do gerente de projetos, analista e usuário. A metodologia estruturada, faz o uso de ferramentas que modelam o conteúdo e o fluxo das informações do sistema que será desenvolvido. Uma destas ferramentas é o Diagrama de Fluxo de Dados(DFD), que modela o fluxo das informações do sistema, e as transformações que irão ocorrer nelas desde a entrada de dados até a sua saída[pre 95]. O Dicionário de Dados, é outra ferramenta utilizada pela metodologia de desenvolvimento estruturada, ele é construído a partir do DFD, detalhando cada componente deste, através de uma listagem precisa dos dados do sistema [YOU 92].

5 Também existe a especificação de processos, que consiste em descrever os processos que aparecem no último nível de refinamento do DFD, através de um texto narrativo, explicando o seu funcionamento [PRE 95]. O Diagrama de Entidades Relacionamentos(DER), diferente do DFD que serve para mostrar as funções, modela através de um diagrama os dados armazenados no sistema. Ele mostra em detalhes as informações contidas nos depósitos de dados do DFD, e o relacionamento existente entre eles[you 92]. 3.2 Gerenciamento de Projetos de Software Gerenciar um projeto consiste em planejar sua execução antes de iniciá-lo, acompanhar seu desenvolvimento e sua atuação após ser acabado. No planejamento do projeto são estabelecidas as metas(ou objetivos) a serem atingidos, as atividades a serem realizadas e a sua seqüência com base nos recursos necessários e disponíveis[pra 98]. Por se tratar de um processo que tem um determinado tempo para ser concluído, todo projeto passa por algumas etapas que se costuma chamar de ciclo de vida do projeto. Existem algumas fases que podemos considerar como sendo parte do ciclo de vida genérico de um projeto: Fase conceptual : inclui todas as atividades que vão desde a idéia inicial do assunto a se pesquisar, a qual engloba a elaboração da proposta até a aprovação da mesma. As decisões tomadas nesta fase, em meio a dúvidas e incertezas, são responsáveis pelos maiores efeitos e conseqüências do restante da vida do projeto [VAL 98]. Fase de planejamento e organização : fase em que o projeto é traçado com os mínimos detalhes necessários para sua execução e controle. Nesta etapa são determinadas as responsabilidades e as condições de controle, quanto a prazos, custos e desempenho. Fase de implementação : esta fase consiste na realização e controle das tarefas, ou seja, executar o que foi planejado e ajustar a execução quando necessário para atingir o objetivo, dentro das condições pré-determinadas. Fase de encerramento : os resultados do projeto são passados ao cliente que efetua a sua aprovação. Nesta fase além da aprovação do cliente que é o objetivo principal, a equipe realiza uma avaliação interna de todo o projeto, efetua as prestações de contas e entrega sua documentação final[val 98]. O gerenciamento de projetos de software tem algumas particularidades em relação aos projetos genéricos. Para realizar um projeto de software com sucesso, devese ter bem claro o seu escopo, os riscos que poderão ocorrer, as tarefas a serem

6 executadas, os pontos de controle a serem acompanhados, os recursos humanos, financeiros e materiais(hardware, software) necessários, o esforço empregado e o cronograma a ser seguido. Antes de iniciar o planejamento do projeto é necessário que os objetivos e o escopo estejam bem definidos, deve-se pensar em soluções alternativas, e identificar todas as restrições administrativas e técnicas que possam ocorrer. De posse dessas informações é possível ter uma estimativa de custo confiável, uma correta divisão das tarefas e programação do projeto[shn 02]. O uso da ferramenta PERT/CPM auxilia o gerente de projetos na divisão do trabalho, e consequentemente na distribuição dos recursos necessários para cada etapa, de maneira correta e eficaz [PRE 95].Nos itens a seguir ela apresentada com sua variáveis, técnicas e diferentes formas de utilização. 3.3 PERT/CPM Histórico O termo PERT/CPM surgiu na década de cinqüenta, como uma ferramenta de apoio no planejamento e controle de projetos, tendo grande influência no crescimento da gerência de projetos. [DAR 98]. O governo norte-americano, na década de 50, iniciou um projeto de construção de uma série de submarinos atômicos, o projeto POLARIS. Para gerenciar o POLARIS, foi criada uma equipe para planejar, fiscalizar e acompanhar a sua execução. A esta equipe deu-se o nome de PERT(Program Evaluation And Review Task Force). A equipe PERT inovou a gerência de projetos em algumas áreas, criando uma nova maneira de representar um projeto através de uma rede. O Projeto Polaris obteve grande êxito na sua execução. Terminado dentro do orçamento planejado e num período de apenastrês anos [DAR 98]. Atualmente, o termo PERT/CPM é usado para designar qualquer tipo de representação de projetos por rede. A maioria dos softwares de gerenciamento de projetos existentes no mercado, utilizam-no [DAR 98]. Nos itens a seguir serão apresentadas algumas técnicas e formas de utilização do PERT/CPM com mais detalhes [DAR 98] Diagrama de Setas em Escala O Diagrama de Setas em Escalas, utiliza o método Pert/CPM para solucionar as deficiências do Gráfico de Gantt, o qual não mostra claramente as dependências existentes entre as etapas do projeto. Neste diagrama substitui-se a barra do Gráfico de

7 Gantt por uma seta, sendo que a seqüência de setas mostra a dependência existente entre as atividades [DAR 98]. O primeiro diagrama da figura 1 mostra o diagrama de setas em escala, nele a seta tracejada mostra a dependência existente entre as atividades Primeiras Datas Em um projeto, toda atividade que o compõe, tem uma data de início e término, sendo assim, estas datas recebem o nome de primeiras datas de início e término. No primeiro diagrama apresentado na figura 1, é possível observar que a atividade E tem sua primeira data de início no dia 7, e sua primeira data de término no dia 12 [DAR 98]. Primeira Data de Início( PDI ) conhecida também como data de início mais cedo, refere-se a data em que a atividade deve ser iniciada, observando que as atividades que a antecedem respeitem as suas durações estimadas. Primeira Data de Término( PDT ) também conhecida como data de término mais cedo, refere-se a data de término da atividade que inicia em PDI e tem a sua duração respeitada [DAR 98] Folga Livre(FL) Folga livre da atividade refere-se a folga disponível a ela, contanto que não prejudique o início das suas sucessoras. Na figura 1, é possível observar no primeiro diagrama que, a atividade E tem seu término no dia 12, a atividade H que é sua sucessora tem seu início no dia 15. Verifica-se que entre o término da atividade E, e o início da atividade H, como mostra a seta tracejada, existem 2 dias de intervalo. Diz-se então, que a atividade E possui 2 dias de folga livre [DAR 98] Últimas Datas Quando uma atividade do projeto é colocada imediatamente antes da data de início da sua atividade sucessora, as datas de início e término da atividade recebem o nome de últimas datas de início e término [DAR 98]. Última Data de Término( UDT ) é a última data em que atividade pode ser encerrada. O não cumprimento desta data, pode comprometer o término do projeto na data prevista; Última Data de Início( UDI ) refere-se a data limite para início da atividade, para que ela possa ser concluída em UDT.

8 3.3.5 Folga Total(FT) folga total da atividade, é a soma da sua folga livre com as folgas livres das suas atividades sucessoras, ou a diferença entre UDT PDT ou UDI PDI Caminho Crítico O caminho crítico constitui-se em uma seqüência de atividades, que não podem sofrer atraso, com a penalidade de comprometer todo o projeto. É um fator de muita importância para o gerente de projetos, pois tendo o conhecimento destas atividades críticas, ele pode destinar seus melhores recursos, de pessoal e ferramentas, para a execução destas etapas. É claro que, também não se pode descuidar das outras etapas do projeto, pois se uma outra atividade consumir a sua folga total, as sucessoras estarão formando um novo caminho crítico no projeto [DAR 98] Diagrama de Setas Sem Escala No diagrama de setas sem escala, diferente do diagrama de setas com escala, o tamanho da seta que indica a atividade não é proporcional a sua duração. Para indicar as datas de início e término da atividade, estas são escritas ao lado da atividade. Quando for necessário alterar alguma data, somente alterasse as informações escritas ao lado da atividade, não sendo necessário desenhar o diagrama novamente [DAR 98]. O segundo diagrama da figura 1 mostra o diagrama de setas sem escala Diagrama de Blocos ou de Precedências Existem algumas diferenças entre o Diagrama de Blocos e os Diagramas de Setas. Uma delas é que no Diagrama de Blocos não existem atividades fantasmas, o que facilita nos cálculos, pois no diagrama de setas cerca de 20% a 40 % das atividades e eventos são fantasmas, o que implica em perda de tempo calculando atividades que não existem. O Diagrama de Setas é de fácil visualização e comunicação, por ser desenhado em escalas. Por outro lado, o seu desenho é muito trabalhoso, o que contribui para o baixo uso desta técnica [DAR 98].

9 Para desenhar o Diagrama de Blocos é bastante simples, basta partir de uma tabela de ordenação das atividades, e ir colocando os blocos de acordo com a ordem da tabela. Na figura 1 é possível observar as diferentes técnicas de utilização do PERT/CPM, mostrando a mesma seqüência de atividades com suas respectivas durações para os três exemplos [DAR 98]. FIGURA 1 Comparação Diagramas :Seta Com Escalas x Sem Escalas x Blocos [DAR 98] CMM(Capability Maturity Model for Software)

10 O CMM(traduzindo, Modelo de Maturidade da Capacitação), está relacionado a qualidade do software, e consequentemente a melhoria do seu processo de desenvolvimento [FIO 98]. O modelo CMM divide-se em cinco níveis, que estão relacionados à capacidade e maturidade que a empresa tem em desenvolver software. As técnicas do PERT/CPM complementam as propostas do CMM, auxiliando o gerente de desenvolvimento no planejamento e controle do projeto, podendo observar todo o desenvolvimento deste, e se necessário tomar ações corretivas para que este consiga cumprir suas tarefas dentro dos prazos, com recursos e orçamento estabelecidos. Como conseqüência, poderá se alcançar um produto final com maior qualidade e dentro do que foi planejado. Um dos princípios do CMM, é documentar toda e qualquer alteração no processo de desenvolvimento de software, ações de melhoria ou de correções, e comunicar todas as partes envolvidas no projeto [FIO 98]. 4. ESTUDO DE CASO Este item abordará aspectos relacionados ao setor de Tecnologia da Informação(TI) da empresa Chapecó Cia. Indl. de Alimentos(CCIA), apresentando um estudo do ambiente de desenvolvimento de sistemas da empresa, levantando as necessidades desta em relação aos projetos de software existentes. A Chapecó Cia. Indl. de Alimentos(CCIA), atua no ramo de abate e frigorificação de suínos e aves, sendo uma das maiores empresas neste segmento. A mais de cinqüenta anos atuando, tem um forte nome no mercado nacional, e também internacional, para onde destina algo em torno de 40% da sua produção. Na área de TI, a CCIA conta com uma equipe consideravelmente grande, com 36 funcionários. Destes, no Centro de Processamento de Dados(CPD), concentra-se o maior número. O pessoal de CPD, tem como principal função garantir a troca de informações entre as filiais, e a integridade desta para o usuário final. A equipe de CPD, também se reveza na área de suporte a microinformática e sistema operacional. A equipe de desenvolvimento de sistemas é composta pelo supervisor, 4 analistas e 3 programadores. Estes, além de dar suporte aos sistemas existentes, a cada dia são solicitados para desenvolver novos programas de computador que atendam a necessidade da empresa. 4.1 Necessidades Apontadas Junto à Equipe de Desenvolvimento

11 A partir do estudo de caso realizado no ambiente de desenvolvimento de sistemas da CCIA, pode-se apontar algumas necessidades do supervisor da área no controle dos projetos da empresa: Controle sobre quais projetos estão em andamento(iniciados, atrasados, cancelados, não iniciados); Controle de atividades por projeto(controlar o cumprimento dos prazos das atividades, para que não atrasem o término do projeto); Controle sobre quais projetos foram concluídos(por analista, por diretoria, por área, por usuário solicitante); Controle sobre o desempenho da equipe de desenvolvimento(atividades realizadas, o que foi concluído no prazo, o que está atrasado); Controle sobre alocação de mão de obra da equipe(quais setores ou áreas da empresa solicitaram mais serviços); Controle de versões dos programas(necessário para evitar o uso de programas com versões diferentes nas filiais). A partir das necessidades apontadas acima, no próximo item será apresentada a proposta de criação de um protótipo de controle e gerenciamento dos projetos de software, que servirá de apoio ao supervisor de desenvolvimento de sistemas da CCIA. 4.2 Proposta Com base nos conceitos abordados no item 3 deste artigo, conhecimentos sobre PERT/CPM e das necessidades apontadas no ambiente de TI e desenvolvimento de sistemas da CCIA, este trabalho propõe a criação de uma ferramenta protótipo de apoio no gerenciamento dos projetos de software da empresa. Dentre as funções que o protótipo irá disponibilizar destaca-se: controle sobre os projetos que estão em andamento, observando quais já foram iniciados, os que estão em atraso, os cancelados e os que ainda serão iniciados; utilizando as técnicas do PERT/CPM, possibilitar ao supervisor de sistemas da CCIA ter uma visão geral de como será o andamento do projeto. permitir ao gerente do projeto observar quais atividades não poderão sofrer atraso, identificando o caminho crítico do projeto através de suas datas de início e término, podendo assim, destinar seus melhores recursos computacionais e humanos para realizar estas tarefas. possibilitar ao gerente de desenvolvimento, identificar quais os setores ou usuários da empresa que mais solicitaram serviços da equipe;

12 manter um histórico de todos os projetos e atividades realizadas, permitindo assim a realização de estimativas para projetos futuros. Por estes motivos, o uso de uma ferramenta deste gênero é de grande importância para o supervisor de sistemas na seleção, planejamento e, principalmente, no acompanhamento dos projetos de software. 5. RESULTADOS ALCANÇADOS COM O PROTÓTIPO A apresentação de resultados obtidos a partir da utilização do protótipo proposto, é importante, para mostrar que o desenvolvimento de uma ferramenta de gerenciamento de projetos de software é muito útil para as organizações que desenvolvem programas de computador. Os resultados mostrados aqui são baseados nas necessidades levantadas no ambiente onde este será aplicado, mostrando também, a aplicação dos conceitos de controle e gerenciamento de projetos do método PERT/CPM utilizados no protótipo. 5.1 Implementação do Protótipo No desenvolvimento do protótipo, procurou-se contemplar os estudos realizados no sobre o PERT/CPM, juntamente com o levantamento dos requisitos do supervisor de desenvolvimento de sistemas da CCIA. O protótipo está dividido em cinco módulos. Um para cadastro de parâmetros, que serão usados nos demais módulos do protótipo. Módulo para cadastro de informações relacionadas as características da empresa onde o protótipo será aplicado. Módulo onde serão efetuados os cadastros e controle dos projetos da empresa. Módulo para geração de relatórios, mostrando os resultados alcançados nos projetos, e um módulo onde serão gerados gráficos dos resultados obtidos. 5.2 Alguns Resultados Obtidos com a Utilização do Protótipo Nos módulos de Relatório e Gráfico, o usuário do protótipo poderá dispor de informações relativas aos projetos da empresa. Através de gráficos o usuário pode obter dados do sistema como, a quantidade de projetos que está sendo realizado por filial, por setor, por analista responsável ou por usuário solicitante. Também dispõe de relatórios de acompanhamento de projetos onde as variáveis PERT/CPM são usadas. Abaixo é apresentado a tela de geração de relatórios. A tela de geração de gráficos é a mesma, a única mudança são as opções de geração.

13 FIGURA 2 Tela de Geração de Relatórios(Menu Relatório). A figura 3 mostra um gráfico geral dos projetos que estão em andamento na empresa. Permite ao gerente ter um controle dos projetos que estão em andamento. FIGURA 3 Gráfico Geral de Projetos por Filial(Menu Gráfico/Projeto)

14 A figura 4 mostra um gráfico de acompanhamento por projeto, onde o usuário informa o código do projeto e tem como retorno o status de todas as atividades do projeto. FIGURA 4 Gráfico de Projeto Por Código de Projeto/Status Atividade(Menu Gráfico/Projeto) 6. CONCLUSÕES FINAIS Os conceitos, técnicas e métodos apresentados neste artigo, utilizados para o desenvolvimento do protótipo de gerenciamento de projetos de software, certamente atenderão as necessidades de outras agroindústrias catarinenses do ramo frigorífico, que pretendam desenvolver um software deste tipo. Hoje, o gerenciamento de projetos é uma atividade de suma importância para a sobrevivência das organizações. Algumas empresas, já adotam um setor que trabalha somente com gerência e desenvolvimento de projetos. Na área de desenvolvimento de softwares não é diferente, as equipes precisam acompanhar as inúmeras mudanças que ocorrem no mercado, e constantemente necessitam atualizar os sistemas da empresa, para que esta consiga atender as necessidades do cliente. Para que a empresa tenha um bom aproveitamento do protótipo apresentado neste trabalho, sugere-se que este seja continuado e aprimorado, utilizando os seus recursos por completo. Para que o protótipo tenha uma aplicação mais direcionada aos

15 conceitos de engenharia de software, sugere-se para o melhoramento deste, em trabalhos futuros, o controle da análise de requisitos realizada diretamente no protótipo, assim como o controle das análises de risco, e o uso mais efetivo das métricas de software entre outros conceitos da engenharia de software que podem ser melhor estudados e utilizados. O objetivo deste trabalho foi apresentar um protótipo para auxílio aos gerentes ou supervisores da área de desenvolvimento de sistemas, no gerenciamento dos seus projetos. É necessário destacar a sua importância, pois trata-se de um trabalho que terá uma aplicação direta no gerenciamento dos projetos de software das agroindústrias, e que pode ter o seu uso facilmente adaptado as características de empresas de outros ramos que desenvolvem software, e até para outros tipos de projeto. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [PRA 98] PRADO, Darci Santos do. Planejamento e controle de projetos. Belo Horizonte : Desenvolvimento Gerencial, [DAR 98] PRADO, Darci Santos do. PERT/CPM. Belo Horizonte : Desenvolvimento Gerencial, [CHA 02] CHAPECÓ Informativo Comercial CHAPECÓ Informativo Comercial. Disponível por www em (29 abril 2002). [KLU 90] KLUGER, José Luiz Carlos; FERNANDES, Aguinaldo Aragon. Gerência de projetos de sistemas 2. ed. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos Editora, [VAL 98] VALERIANO, Dalton L.. Gerência em Projetos Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia. São Paulo: Makron Books, [BUL 97] BULGARELLI, Waldírio. Manual das Sociedades Anônimas. 9. ed. Atual. São Paulo: Atlas, [KEL 90] KELLER, Robert. Análise estruturada na prática : Desmistificando mitos; Tradução Josué Gomes Duarte; Revisão técnica Laerte Garcia Martins. São Paulo: McGraw-Hill, [LAR 02] LARA, Jusane Farina Gerenciamento e Planejamento de Projetos - Disponível por www em (11 Abril 2002). [SHN 02] SHNEIDER, Ricardo Luiz. Fundamentos da Engenharia de Software. Disponível em www por (12 abril 2002).

16 [PRE 95] [FIO 98] [YOU 92] [ROC 01] PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software; Tradução José Carlos Barbosa Dos Santos; São Paulo: Makron Books, FIORINI, Soeli T; STAA, Arndt von; BAPTISTA, Renan Martins. Engenharia de Software com CMM; Rio de Janeiro: Brasport, YOURDON, Edward. Análise Estruturada Moderna; Tradução Dalton Conde de Alencar; Rio de Janeiro: Campus, ROCHA, Ana Regina Cavalcanti da; MALDONADO, José Carlos; WEBER, Kival Chaves. Qualidade de Software Teoria e Prática; São Paulo: Prentice Hall, 2001.

Metodologia Baseada No CMM Para o Centro de Processamento de Dados do Centro Universitário Franciscano

Metodologia Baseada No CMM Para o Centro de Processamento de Dados do Centro Universitário Franciscano Metodologia Baseada No CMM Para o Centro de Processamento de Dados do Centro Universitário Franciscano Marcos André Storck 1, Walkiria Helena Cordenonzi 1 1 Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) Rua

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE PARANAENSE - UNIPAR Reconhecida pela Portaria - MEC nº 1580, de 09/11/93 - D.O.U. 10/11/93 Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC UMUARAMA TOLEDO GUAÍRA PARANAVAÍ CIANORTE

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle 2.5. Diagramas de redes de precedência O CPM Critical Path Method, consiste em uma rede com setas representativas

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos. Utilizado para gerenciar tempo e custos dos empreendimentos

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Gerenciamento de Prazo 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE

Leia mais

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Viviana Regina Weber 1 Anderson Yanzer Cabral 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

Planejamento Recursos

Planejamento Recursos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento Recursos Prof. Régis K. Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos da

Leia mais

INTEGRANDO MÉTRICA DE SOFTWARES AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

INTEGRANDO MÉTRICA DE SOFTWARES AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS I Congresso Brasileiro de Computação CBComp 2001 109 INTEGRANDO MÉTRICA DE SOFTWARES AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Fabiane Barreto Vavassori 1,2 Everton Wilson de Souza 1 Julio César Fiamoncini 1 fabiane@inf.univali.br

Leia mais

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Luciano Gomes Helvinger, Rodrigo Prestes Machado Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdade

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Pós-graduação Gestão Empresarial Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Prof. MSc José Alexandre Moreno prof.moreno@uol.com.br agosto/2009 Gerenciamento de Custos 5 Orçamento atividades do projeto

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço Adriano Alves da Silva 1, José Flávio Gomes Barros 2, Henrique Rocha Fontenele e Jean Carlo Galvão Mourão 3 1 Bacharel em Sistemas de Informação - Faculdade

Leia mais

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Departamento de Planejamento Pró-reitoria de Planejamento e Finanças Universidade Federal de Santa Catarina 1 Sumário O que é um projeto?... 4 O que é

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R ENCARTE R Estimativa de de Software Estimativa de de Software: Contratação de Serviços de Fábrica de Software Página 1 de 10 SUMÁRIO 1 REFERÊNCIAS... 3 1 INTRODUÇÃO... 3 3.1 ESTIMATIVA PRELIMINAR... 4

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 Microsoft Project 2003 1 [Módulo 4] Microsoft Project 2003 2 Definindo durações Inter-relacionamentorelacionamento Caminho crítico Microsoft Project 2003 3 1 Duração das Atividades Microsoft Project 2003

Leia mais

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação

Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Ferramenta de Testes de Programas para Auxílio na Aprendizagem de Programação Denise Santiago (FURB) denise@senior.com.br Maurício Capobianco Lopes (FURB) mclopes@furb.br Resumo. Este artigo apresenta

Leia mais

FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE

FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar Rua Uruguai, 458 Centro Itajaí(SC) CEP: 88.302-202

Leia mais

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software 167 Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software Josiane Banov Russo 1, Ettore Bresciani Filho 2 1 Gerente da Qualidade Instituto de Pesquisas Eldorado Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 118,5

Leia mais

Organização da Aula Gestão de Projetos

Organização da Aula Gestão de Projetos Organização da Aula Gestão de Projetos Aula 6 Profa. Me. Carla Patricia S. Souza Gestão de processos do projeto Integração, comunicações, recursos humanos, escopo, tempo, custos, aquisições, qualidade

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais

Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais CSE-208-4 Introdução à Gestão de Projetos L.F. Perondi 18.07.2010 PARTE 2 SUMÁRIO 1. Processos de Gerenciamento de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Exercícios Aula 2 (com gabarito)

Exercícios Aula 2 (com gabarito) Gestão dos Prazos e Custos do Projeto Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Aula 2 31 de outubro de 2013 1 Gestão dos Prazos e Custos do Projeto - Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Aula 2 (com gabarito)

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO DA CONFIANÇA CIA. DE SEGUROS

ANÁLISE CRÍTICA DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO DA CONFIANÇA CIA. DE SEGUROS ANÁLISE CRÍTICA DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ISO DA CONFIANÇA CIA. DE SEGUROS Alessandra Lübbe 1 Paulo Roberto de Miranda Samarani 2 RESUMO Este artigo refere-se a proposta de trabalho de conclusão do curso

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Tempo

Plano de Gerenciamento de Tempo Documento: Nome do Projeto: Gerente do Projeto: Sponsor: Equipe do Projeto: Plano de Gerenciamento de Tempo RESTAURANTE Renato Kaufmann João Cunha Angela Guglielmi Elizabet Sanae João Cunha Renata Santos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration)

Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration) Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration) CMM CapabilityMaturityModel O CMM é um modelo desenvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI) em parceria

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Sistemas Multimídia/CPD033 Conceitos de multimídia e sistemas multimídia. Arquitetura e aplicações multimídia. Classificação dos tipos de sistemas multimídia. Dispositivos de entrada e saída em ambientes

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À DECISÃO: AVALIAÇÃO E GESTÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

SISTEMA DE APOIO À DECISÃO: AVALIAÇÃO E GESTÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU SISTEMA DE APOIO À DECISÃO: AVALIAÇÃO E GESTÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Nivaldo L Coppini - ncoppini@unimep.br Marta H. T. Bragáglia - mhbragag@unimep.br Ivan M. da Silva - menerval@dglnet.com.br

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Aplicação de Métricas de Software com Scrum

Aplicação de Métricas de Software com Scrum Aplicação de Métricas de Software com Scrum Mateus Luiz Gamba. Ana Cláudia Garcia Barbosa Curso de Ciência da Computação Unidade Acadêmica de Ciências, Engenharias e Tecnologias - Universidade do Extremo

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café!

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café! Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção - Aula 6 Gestão de projetos / Diagrama de precedência Diagrama de redes Cronograma Agosto/9 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 6 Gerenciamento

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

GPWeb Gestão de projetos

GPWeb Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GPWeb Gestão de projetos Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário O que é um projeto?... 5 O que é o GPWeb?... 6 Como criar um projeto no GPWeb:... 6 As partes envolvidas: Integração/

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VI Tempo

Gerenciamento de Projetos Modulo VI Tempo Gerenciamento de Projetos Modulo VI Tempo Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Análise e projeto de sistemas PROF. REGILAN SILVA

Análise e projeto de sistemas PROF. REGILAN SILVA Análise e projeto de sistemas PROF. REGILAN SILVA Apresentação da disciplina Ver ementa... Solução Técnicas para identificação e detalhamento de requisitos Técnicas para modelagem de sistemas Definir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HUGO ARAUJO DE ALMEIDA SGA SISTEMA GERENCIADOR DE ATIVIDADES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HUGO ARAUJO DE ALMEIDA SGA SISTEMA GERENCIADOR DE ATIVIDADES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HUGO ARAUJO DE ALMEIDA SGA SISTEMA GERENCIADOR DE ATIVIDADES CURITIBA 2015 HUGO ARAUJO DE ALMEIDA SGA - SISTEMA GERENCIADOR DE ATIVIDADES Monografia apresentada como requisito

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

A TÉCNICA DE ANÁLISE DE PONTO DE FUNÇÃO COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA ORGANIZAÇÃO

A TÉCNICA DE ANÁLISE DE PONTO DE FUNÇÃO COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA ORGANIZAÇÃO A TÉCNICA DE ANÁLISE DE PONTO DE FUNÇÃO COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA ORGANIZAÇÃO Francisco Jovando Rebelo de Albuquerque Prof. Me. da Instituição de Ensino UNIFESO Centro Universitário

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características Projetos - definição Pesquisa Operacional II Projeto é uma série de atividades que objetivam gerar um produto (saída, output) Geralmente consiste em um empreendimento temporário Michel J. Anzanello, PhD

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

isystems Versão 4.0 Documento Visão Sistema de Controle de Presença Online Alunos: Gabriel M, Pedro H, Lucas D e Luiz H.

isystems Versão 4.0 Documento Visão Sistema de Controle de Presença Online Alunos: Gabriel M, Pedro H, Lucas D e Luiz H. isystems Sistema de Controle de Presença Online Alunos: Gabriel M, Pedro H, Lucas D e Luiz H. Versão 4.0 Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/03/2015 1.0 Versão inicial

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS SERENA OPEN PROJ FABIANO KEIJI TAGUCHI ESTE MATERIAL TEM UM OBJETIVO DE COMPLEMENTAR OS ASSUNTOS ABORDADOS DENTRO DE SALA DE AULA, TORNANDO-SE UM GUIA PARA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA

Leia mais

Tópicos Especiais em Engenharia de Software

Tópicos Especiais em Engenharia de Software Tópicos Especiais em Engenharia de Software andre@faccamp.br Ian Sommerville 2000 - Software Engineering, 6th edition Slide 1 Tópicos Especiais em Engenharia de Software Gerenciamento de Projeto de Software

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR RESUMO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR RESUMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR SOUZA, R. C. F. 1 VERONA, E. D. 2 RESUMO Este artigo mostra o desenvolvimento de um sistema computacional (CONTROCAR) voltado para gerenciamento de empresas que

Leia mais

CICLO DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - VISÃO CONCEITUAL DOS MODELOS CLÁSSICO, ESPIRAL E PROTOTIPAÇÃO

CICLO DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - VISÃO CONCEITUAL DOS MODELOS CLÁSSICO, ESPIRAL E PROTOTIPAÇÃO CICLO DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - VISÃO CONCEITUAL DOS MODELOS CLÁSSICO, ESPIRAL E PROTOTIPAÇÃO Rafael Ferreira Alves UNIMEP - Faculdade de Ciência e Tecnologia da Informação Rodovia do Açúcar,

Leia mais

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais 16-junho-2008 L.F.Perondi Definição Projeto A unique set of coordinated

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Controle de Mudanças em Ambiente de Produção

Controle de Mudanças em Ambiente de Produção Controle de Mudanças em Ambiente de Produção Ederaldo Antônio Mirandola, Ivan Antônio Miranda Campos Júnior, Jeferson Adriano Martins MBA em Gestão de Sistemas de Informação Universidade Católica de Brasília

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE Aumento de Eficiência na Construção com o uso de Cronogramas Estruturados Giovani L Castro, PgMP, PMP, RMP (ex-opm3) - AACE member - Gestão de Riscos Planta de Celulose de $ 2

Leia mais

Análise estruturada de sistemas

Análise estruturada de sistemas Análise estruturada de sistemas Prof. Marcel O que é Engenharia de software Engenharia de software é uma área do conhecimento da computação voltada para a especificação, desenvolvimento e manutenção de

Leia mais

Capítulo 7. Sequenciamento das Tarefas

Capítulo 7. Sequenciamento das Tarefas Capítulo 7 Sequenciamento das Tarefas 125 5.1 RELACIONAMENTO ENTRE TAREFAS Para que o cronograma do projeto seja executado corretamente e as mudanças inseridas seja calculadas de forma correta é importante

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. (UNIFEI) sanches@iem.efei.br Dalton Péricles de Almeida (UNIFEI) dalton.almeida@ig.com.br

Leia mais

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto Gerenciamento de Tempo Principal objetivo garantir que o projeto seja concluído dentro do prazo determinado; O cronograma do projeto é sempre

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 3. Gerência de

Leia mais

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Clorisval Gomes Pereira Júnior Possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília (1993), graduação em Educação Artística pela Universidade de Brasília (1989) e mestrado em Design

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Gerenciamento de Projeto de Software Leitura: Sommerville - Pressman

Gerenciamento de Projeto de Software Leitura: Sommerville - Pressman Gerenciamento de Projeto de Software Leitura: Sommerville - Pressman Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 6º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 (Planejamento) Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia

Leia mais

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Daniel Catunda Marreco Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

1. Introdução. João Victor Cunha Oliveira Gomes 1, Bruno Souto Borges 1. CEP 75500-000 Itumbiara GO Brasil

1. Introdução. João Victor Cunha Oliveira Gomes 1, Bruno Souto Borges 1. CEP 75500-000 Itumbiara GO Brasil 88 Estudo de Caso Aplicado na Gestão da Cadeia de Suprimentos de uma Indústria de Cereais Matinais Modelagem e Desenvolvimento de um Sistema de Informação para a Gestão da Cadeia de Suprimentos João Victor

Leia mais

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras Hugo Queiroz Abonizio 1, Rodolfo Miranda de Barros 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais