Canção infantil e educação musical: uma reflexão sobre a produção de música para crianças 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Canção infantil e educação musical: uma reflexão sobre a produção de música para crianças 1"

Transcrição

1 Canção infantil e educação musical: uma reflexão sobre a produção de música para crianças 1 Viviane Beineke 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul / Universidade do Estado de Santa Catarina Sérgio Paulo Ribeiro de Freitas 3 Universidade Estadual de Campinas / Universidade do Estado de Santa Catarina Resumo: Esta comunicação procura refletir sobre alguns entrelaçamentos entre as concepções de canção infantil e educação musical na produção de música para crianças. Inicialmente, são apresentadas algumas questões inquietantes que provocam a reflexão sobre as concepções e compromissos na produção de música para crianças. Dialogando com esses questionamentos, que se inserem nos debates que vêm sendo realizados nos encontros do Movimento da Canção Infantil Latino-americana e Caribenha (GULLCO, 2005; PESCETTI, 2005; TADEU, 2005; BRUM, 2005 e SOSSA, 2005), serão colocados em discussão alguns princípios musicais e educacionais que podem orientar a produção de música para crianças. Finalizando, são apresentados os princípios musicais e educacionais que orientaram a elaboração do livro de música, Cd e Cd-rom Lenga la Lenga: jogo de mãos e copos, que procura conjugar a qualidade artística e educativa na elaboração de propostas pedagógico-musicais para uso do professor na educação básica. Palavras-chave: canção infantil; produção musical; material didático. Introdução Esta comunicação procura refletir sobre alguns entrelaçamentos entre as concepções de canção infantil e educação musical na produção de música para crianças. Pretendemos colocar em discussão algumas questões que nos inquietam, que nos fazem refletir sobre as concepções que estão presentes na produção de música para crianças. Dialogando com esses questionamentos, apresento alguns debates que vêm sendo realizados nos encontros do Movimento da Canção Infantil Latino-americana e 1 Trabalho apresentado no XVI Encontro Anual da ABEM e Congresso Regional da ISME na América Latina Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Música da UFRGS. Professora da Universidade do Estado de Santa Catarina. Autora da coleção Canções do Mundo para Tocar e do livro/cd/cd-rom Lenga la lenga: jogos de mãos e copos, publicado no Brasil, Portugal e Uruguai. 3 Bacharel em Composição pela Universidade Estadual de Campinas UNICAMP. Mestre em Artes pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP. Doutorando pelo Programa de Pós- Graduação em Música da UNICAMP. Professor da Universidade do Estado de Santa Catarina. Co-autor do livro/cd/cd-rom Lenga la lenga: jogos de mãos e copos, publicado no Brasil, Portugal e Uruguai.

2 2 Caribenha, os quais podem contribuir com alguns referenciais para a discussão da canção infantil no campo da educação musical. O Movimento Latino-americano e Caribenho da Canção Infantil O Movimento Latino-americano e Caribenho da Canção Infantil surgiu nos encontros que se realizam desde 1995, em diferentes países, com a finalidade de elevar o nível conceitual e de qualidade artística das propostas musicais para a infância no continente. Buscando o desenvolvimento das identidades culturais dos participantes através do intercâmbio de experiências, do conhecimento mútuo entre educadores e compositores, são elaboradas reflexões conjuntas sobre os trabalhos realizados, sempre com a preocupação em respeitar a enorme diversidade de propostas do continente. Este movimento caracteriza-se como resultante de uma convocatória gestada por artistas, educadores, produtores e diferentes personalidades preocupadas com a qualidade musical dos trabalhos desde um enfoque educativo responsável e que não deixe de lado os direitos das crianças em construir uma identidade cultural própria (BRUM, 2005). Os Encontros do Movimento, realizados a cada dois anos, oferecem um espaço para a apresentação do trabalho artístico e acadêmico sobre a canção infantil para os grupos profissionalmente envolvidos com a música infantil, como compositores, intérpretes, docentes, promotores e pesquisadores, bem como para o público infantil do país onde o encontro está sendo sediado. O evento se estrutura em torno de sessões de caráter acadêmico (conferências, relatos de experiência e oficinas) e de apresentações musicais abertas ao público, organizadas em forma de festival. Passo então a discutir algumas concepções sobre a produção de música para crianças que vêm sendo discutidas por autores participantes do Movimento Latino-americano e Caribenho da Canção Infantil. A produção de música para crianças No campo de estudo da música para crianças, diversos autores (GULLCO, 2005; PESCETTI, 2005; TADEU, 2003, 2005; BRUM 2003, 2005, BURBA, 2005; SOSSA, 2005; BOSCH, 2007; RESCALA, 2007), vêm pesquisando as relações entre a

3 3 produção, circulação, recepção e o consumo da música para crianças, um trabalho que necessita ser ampliado de modo a incluir a participação de compositores, intérpretes, pedagogos e educadores musicais (GULLCO, 2005). Segundo Julio Gullco (2005), a música para crianças e, em especial, a produção de canções para crianças na atualidade, aparece na intersecção entre as preocupações com a infância, a educação, a criação musical e literária e a identidade. Sobre isso, Jorge Enrique Sossa (2005) reflete sobre a necessidade de serem conceitualizadas e problematizadas as propostas musicais para crianças desenvolvidas nos países caribeo-latino-americanos. Uma discussão central para quem produz música para crianças é o que diferencia a música para crianças da música dos adultos. Sobre isso, Susana Bosch (2007) sustenta que, independente de quem é o destinatário da sua música, o cuidado, o rigor do trabalho e a exigência devem ser as mesmas. O que é diferente são as necessidades de cada destinatário e, se o destinatário são crianças, é fundamental que quem faz essa música conheça crianças e o universo infantil. Segundo ela, qualquer um pode cantar bem, pode tocar bem uma canção infantil, mas isso fica mais difícil quando não se conhece o universo infantil. Procurando mapear o que faz com que as canções se tornem infantis, Luis Maria Pescetti (2005) cita três elementos: (1) as letras que se referem ao mundo infantil; (2) o trabalho com elementos musicais reduzidos/essenciais e (3) a presença do jogo. O autor destaca que obviamente não é necessário que se cumpram essas três características ao mesmo tempo, com a mesma densidade ou importância nas canções infantis. Assim, a presença mais significativa de uma delas pode permitir que a outra receba um tratamento mais complexo. Para Pescetti, o elemento mais importante na caracterização da canção infantil é a presença do jogo, explicando que a canção não precisa ser um jogo em si, mas que o compositor, o arranjador ou o intérprete tenham jogado e joguem ao compor, arranjar ou interpretar a música; que tenham jogado com as palavras, com a linguagem musical, com as possibilidades timbrísticas e interpretativas (PESCETTI, 2005, p. 24). Segundo o autor, é o caráter lúdico de uma música, ou de uma aula, ou de um programa de rádio, que permite que se mantenha o clima infantil mesmo quando se apresentam materiais complexos que não são dirigidos exclusivamente às crianças.

4 4 Há muitas canções infantis cuja música poderia ser de uma canção para adultos, como aquelas que reconhecemos como tais somente porque a letra se refere ao universo infantil. Também há outros casos de canções em que a letra e a música são para adultos, no entanto, ao permitirem jogos musicais nos arranjos e na interpretação, podem ser assimiladas pelo mundo infantil (PESCETTI, 2005, p. 26). Julio Brum ressalta a riqueza das qualidades recreativas, interpretativas e musicais presentes nos jogos das crianças, que mostram sua própria identidade musical, um patrimônio exclusivo delas, na hora de jogar e cantar. O autor reflete sobre a necessidade de que músicos e educadores construam uma real atitude de escuta e respeito no momento de conhecer os jogos e brincadeiras das crianças, respeitando e valorizando a cultura infantil. Segundo ele, nossos espetáculos e canções deveriam ser concebidos como geradores lúdicos de vivências e instâncias estéticas de comunicação que resgatem e reelaborem ritmos, jogos e gestos melódicos tradicionais (BRUM, 2005, p. 70). Segundo Pereira quando trabalhos com música para crianças, o primeiro passo é redescobrir e reconstruir, em nós mesmos, o gosto pelo fazer lúdico, buscando em nossas experiências remotas ou não, brincadeiras de infância e de adolescência, ampliando nosso repertório de brinquedos (PEREIRA, 2005, p. 2). E foi dessa idéia que partimos para a elaboração do trabalho Lenga la Lenga: jogos de mãos e copos (BEINEKE e FREITAS, 2006). A produção de Lenga la Lenga: jogos de mãos e copos O caráter lúdico, a presença do jogo e a recriação de ritmos, jogos e canções tradicionais são alguns dos elementos que marcaram todo o processo de criação e produção do livro / CD e CD-ROM Lenga la lenga: jogos de mãos e copos. Este trabalho começou a ganhar forma quando começamos a nos interessar em conhecer melhor alguns brinquedos tradicionais infantis, em especial aqueles apresentados nos trabalhos de Lydia Hortélio, Eugenio Tadeu e Miguel Queiroz (Duo Rodapião), além de jogos de mãos e de copos brincados em Florianópolis (SILVA, 2004). Conhecendo esses trabalhos, fomos, cada vez mais, nos tornando brincantes; e como brincantes, fomos gradativamente nos sentindo mais livres e capacitados para criar e recriar os jogos musicais infantis. Passamos a interagir com essas manifestações, reinventando-as de diversas formas: criando jogos de copos e jogos de mãos, explorando sonoridades

5 5 percussivas com a flauta doce ou com o corpo na elaboração de acompanhamentos rítmicos, musicando parlendas, trava-línguas e adivinhas, experimentando outras maneiras de brincar e tocar as músicas. Uma outra preocupação que está refletida no trabalho que deu origem trabalho diz respeito ao repertório, que foi cuidadosamente pesquisado, buscando-se o resgate de canções pouco registradas em livros ou CDs para crianças. Além disso, nos preocupamos em pesquisar canções ou elaborar acompanhamentos e brincadeiras que nos permitissem interagir com elementos presentes nas mais diversas culturas musicais brasileiras, infantis ou não. Assim, o repertório inclui canções de capoeira, de maracatu, de bumba-meu-boi, de boi-de-mamão, além de ritmos e gêneros musicais como o xote, o baião, o choro e o samba. Mais do que um sentido de resgate do folclore, procuramos refletir nas canções, nos arranjos e na interpretação elementos culturais que são a própria essência ou razão de ser de algumas músicas. Permitimos-nos dialogar de uma forma lúdica com essas canções, sempre as entendendo como produções culturais. Brincando, criando e refletindo sobre o potencial pedagógico do que estava sendo produzido no grupo, esse repertório foi se tornando cada vez mais vivo e significativo musicalmente. Consideramos essas vivências muito importantes para o educador musical, à medida que, como ressalta Pescetti (2005), são mais ricas as canções que são significativas para aqueles que as criaram, interpretaram ou arranjaram. Segundo ele, é fundamental que o músico ou o professor busquem um repertório do qual realmente gostem, porque quando o professor ou o músico se exclui da sua criação, o resultado é evidentemente pobre (PESCETTI, 2005, p. 35). Para cada música do livro pensamos uma forma da criança poder, além de cantar, participar do arranjo e brincar coletivamente, interagindo com a música de diversas formas: tocando em grupo, criando e recriando arranjos, ouvindo e analisando. Procuramos utilizar materiais simples e acessíveis, favorecendo a expressão criativa e prazerosa da criança no fazer musical coletivo. As gravações produzidas para o CD partem das composições e arranjos dimensionados para as interações típicas das brincadeiras infantis, procurando recriálos, agora respeitando o potencial e as características do suporte gravado. Nesse sentido, as gravações do CD não são registros prévios que ensinam às crianças aquilo que elas deverão tocar na sala de aula; não se trata de uma intenção cover, onde a música gravada seria uma partitura sonora a ser literalmente copiada pelas crianças. Os

6 6 arranjos da gravação foram elaborados pelos músicos que participaram de cada faixa, em um processo totalmente acústico e artesanal, sempre procurando que eles soassem muito claros e expressivos, com uma riqueza de timbres e sonoridades. As gravações, reinvenções do material produzido para as crianças que tomam como base os elementos musicais utilizados nos arranjos para a execução em sala de aula, podem servir como pretexto para reinvenção pelas crianças, que poderão interagir com os elementos sonoros utilizados na gravação. Nesse processo, ao ouvir as gravações, aquelas crianças que participaram das brincadeiras e jogos poderão reconhecer algumas passagens, poderão encontrar ali elementos do seu próprio fazer musical, vivenciando a música de outra forma, podendo identificar-se mais facilmente com a proposta da gravação, como se fizessem parte dela. Acreditamos que o uso de elementos que fazem parte do próprio universo das crianças nas brincadeiras para a sala de aula é uma forma de valorizar o saber infantil, ampliar os valores estéticos, fantasias e o imaginário, tornando o aprendizado mais significativo para a criança. Além disso, as gravações das músicas ampliam as possibilidades de reinvenção do material, estimulam outras faculdades sensoriais, perceptivas, criativas e musicais, transcendem o tempo e o espaço da sala de aula, e favorecem a interação com a família e os amigos, professores e alunos, em situações e ambientes diversos. É importante destacar que as brincadeiras que criamos são apenas pontos de partida ou referências que o professor pode (ou não) utilizar no trabalho em sala de aula. Não estamos propondo experiências metódicas ou sistemáticas através dos jogos que criamos, porque assim estaríamos indo de encontro aos princípios que geraram o trabalho, com o caráter lúdico e brincante que o caracteriza. Interessante seria se, como diz Pescetti, a experiência musical com as crianças pudesse incluir o professor como um ser humano com gostos e vivências para compartilhar (2005, p. 39). Para isso, o professor também precisa apropriar-se criativamente das canções, dos jogos e brincadeiras. Nessa perspectiva, cada professor, cada criança ou grupo poderá interagir de forma diferente com as canções, dependendo dos seus interesses, conhecimentos ou habilidades musicais. Pescetti (2005) nos chama a atenção para o fato de que o grau de dificuldade depende do tipo de participação ou resposta que esperamos das crianças, ouvindo, cantando, tocando um instrumento, dançando, batendo palmas livremente ou

7 7 simplesmente ouvindo. O professor não pode confundir habilidades com capacidade de fruição, de gozo, de prazer, de desfrutar; mesmo que não tenhamos a capacidade de compreender ou realizar tudo (PESCETTI, 2005). Assim, há muitas formas de participar do fazer musical e muitos níveis de leitura das canções, permitindo múltiplas formas de escuta e utilização do material em sala de aula. Referências bibliográficas BEINEKE, Viviane; FREITAS, Sérgio Paulo Ribeiro de. Lenga la Lenga: jogos de mãos e copos. São Paulo, Ciranda Cultural, BOSCH, Susana. Aprendiendo de ellos. Disponível em: <http://papagayo.montevideo.com.uy./alter.htm> Acesso em: 30 de maio BRUM, Julio. Dirección escénica de los espectáculos musicales infantiles. Palestra apresentada no 6º Encontro da Canção Latino-americana e Caribenha, Belo Horizonte, UFMG, Disponível em: <http://jupiter.cp.ufmg.br/6encontro/port/docum/p5_julio%20brum.doc> Acesso em: 18 de dez BRUM, Julio. La batalla por el imaginario: hacerle cosquillas a las ideas, agitar la sensibilidad, navegar por otros mundos. In: BRUM, Julio (org.). Panorama del Movimiento de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña: estudios, reflexiones y propuestas acerca de las canciones para la infancia. Montevideo, 7º Encuentro de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña, 2005, p GULLCO, Julio. La canción para niños en América Latina y el Caribe como genérico musical. In: BRUM, Julio (org.). Panorama del Movimiento de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña: estudios, reflexiones y propuestas acerca de las canciones para la infancia. Montevideo, 7º Encuentro de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña, 2005, p PEREIRA, Eugenio Tadeu. Brinquedos e Infânica. Presença Pedagógica, n. 44, março/abril 2002 Disponível em: <http://www.editoradimensao.com.br> Acesso em 06 de jul PESCETTI, Luis Maria. Canciones de siete leguas. In: BRUM, Julio (org.). Panorama del Movimiento de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña: estudios, reflexiones y propuestas acerca de las canciones para la infancia. Montevideo, 7º Encuentro de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña, 2005, p RESCALA, Tim. Música alternativa? Mídia alternativa. Disponível em: <http://papagayo.montevideo.com.uy./alter.htm> Acesso em: 30 de maio SILVA, Gabriela Flor Visnadi e. Um estudo sobre brincadeiras cantadas da infância: jogos de mãos apresentados por crianças de Florianópolis. Trabalho de Conclusão de Curso. Florianópolis, Universidade do Estado de Santa Catarina, 2004.

8 8 SOSSA, Jorge. Una puesta en escena pensada en los niños o la expedición al mundo infantil. In: BRUM, Julio (org.). Panorama del Movimiento de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña: estudios, reflexiones y propuestas acerca de las canciones para la infancia. Montevideo, 7º Encuentro de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña, 2005, p TADEU, Eugenio. Cotidiano Sonoro. In: BRUM, Julio (org.). Panorama del Movimiento de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña: estudios, reflexiones y propuestas acerca de las canciones para la infancia. Montevideo, 7º Encuentro de la Canción Infantil Latinoamericana y Caribeña, 2005, p

Culturas infantis e produção de música para crianças: construindo possibilidades de diálogo *

Culturas infantis e produção de música para crianças: construindo possibilidades de diálogo * Culturas infantis e produção de música para crianças: construindo possibilidades de diálogo * Viviane Beineke vivibk@gmail.com Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Resumo: Esta comunicação

Leia mais

Música, jogo e poesia na educação musical escolar

Música, jogo e poesia na educação musical escolar MÚSICA na educação bбsica Música, jogo e poesia na educação musical escolar As ilustrações deste artigo foram cedidas por Diego de los Campos (2006). V. 3 N. 3 setembro de 2011 vivibk@gmail.com Doutora

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

Cantando pelo Mundo. II - Disciplinas envolvidas no projeto: Música, Língua Portuguesa, História e Geografia.

Cantando pelo Mundo. II - Disciplinas envolvidas no projeto: Música, Língua Portuguesa, História e Geografia. Cantando pelo Mundo I - Período do projeto: 2º Bimestre de 2015 II - Disciplinas envolvidas no projeto: Música, Língua Portuguesa, História e Geografia. III Problematização Intercâmbio musical e cultural

Leia mais

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo Planejamento de atividades lúdicas em Educação Musical Planejamento de atividades em Educação Musical Criando estratégias de ensino e aprendizagem musical Questões para pensar estratégias de ensino e aprendizagem

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 34, Toledo PR Fone: 377-850 PLANEJAMENTO ANUAL DE MÚSICA SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR: Carla Iappe

Leia mais

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Juliana Rigon Pedrini jupedrini@terra.com.br Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. O presente trabalho é

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / à / ÁREA DO CONHECIMENTO: Música CARGA HORÁRIA: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DA I UNIDADE - Conhecer e criar novas melodias. - Desenvolver

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Andréia Veber Rede Pública Estadual de Ensino de Santa Catarina andreiaveber@uol.com.br Viviane Beineke Universidade do Estado

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Resumo. As crianças desde o seu nascimento estão imersas em uma cultura para qual, inevitavelmente, terão

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Comunicação Relato de Experiência

Comunicação Relato de Experiência OBSERVANDO AULAS DE MÙSICA NA ESCOLA: AS ORIENTAÇÕES DO PROFESSOR EM PRÁTICAS DE CONJUNTO COM PERCUSSÃO E NO PROCESSO DE CRIAÇÃO MUSICAL UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Armando César da Silva ac_guitar@hotmail.com

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1 DO ENSINO BÁSICO CE 1 CE 5 CE 8 CE 12 CE 14 Interpretação e comunicação

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA OBJETIVOS GERAIS Explorar e identificar elementos da música para se expressar e interagir com outros; Interpretar músicas

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO MAIS EDUCAÇÃO CANTO CORAL JUSTIFICATIVA É conhecida a importância da música na vida das pessoas, seja no tocante à saúde, auto - estima conhecimento,

Leia mais

Curso: EnCANTAR Brincando

Curso: EnCANTAR Brincando Curso: EnCANTAR Brincando Um novo jeito de Ensinar, uma nova maneira de Aprender! Musicalização Infantil: Formação docente para Educação Ambiental Público alvo: Professores de Educação Infantil, Séries

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Modalidades de prática musical na Oficina

RELATÓRIO FINAL. Modalidades de prática musical na Oficina UMA FESTA AGITADA: relato de projeto de composição em Oficina de Música para crianças Viviane Beineke 1, Juliana Sens 2, Rosecler Luisa Reckziegel 3 Palavras-chave: composição musical; oficina de música;

Leia mais

A FLAUTA DOCE E A MUSICALIZAÇÃO COMO UM DOS RECURSOS NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NAS ESCOLAS

A FLAUTA DOCE E A MUSICALIZAÇÃO COMO UM DOS RECURSOS NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NAS ESCOLAS A FLAUTA DOCE E A MUSICALIZAÇÃO COMO UM DOS RECURSOS NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NAS ESCOLAS 57 Mirtes Antunes Locatelli Strapazzon CBAJ 1 mirtes@belasartesjoinville.com.br Resumo: A importância da

Leia mais

letra de música e poesia CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

letra de música e poesia CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz letra de música e poesia CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Associação Brasileira de Educação Musical ISSN 2175-3172 MÚSICA. na educação básica

Associação Brasileira de Educação Musical ISSN 2175-3172 MÚSICA. na educação básica Associação Brasileira de Educação Musical ISSN 2175-3172 MÚSICA na educação básica Vol. 3 - Número 3 Setembro de 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL - ABEM DIRETORIA NACIONAL Presidente: Profa.

Leia mais

Formação lúdica. Cursos, Oficinas e Palestras Artístico-Pedagógicos

Formação lúdica. Cursos, Oficinas e Palestras Artístico-Pedagógicos Cursos, Oficinas e Palestras Artístico-Pedagógicos PROPOSTA PEDAGÓGICA DO BANDO DE BRINCANTES: O Bando de Brincantes tem a convicção de que o mundo lúdico é fundamental ao ser humano em todas as fases

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Projeto: Teatro Infantil

Projeto: Teatro Infantil Cooperativa de Ensino e Cultura de Santa Rita Projeto: Teatro Infantil O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico Garcia Lorca) 1 Unidade Executora: Coordenação Pedagógica, Grupo

Leia mais

14. As áreas de conhecimento e o desenvolvimento da criança de até 6 anos

14. As áreas de conhecimento e o desenvolvimento da criança de até 6 anos 14. As áreas de conhecimento e o desenvolvimento da criança de até 6 anos Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil Volume III Âmbito de Conhecimento de Mundo Este volume do RCNEI orienta

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento INTRODUÇÃO Educadores musicais têm manifestado sua preocupação com a observância da Lei nº 11769, que é a lei de inclusão da música no currículo das

Leia mais

Projeto Paz na Escola

Projeto Paz na Escola Projeto Paz na Escola Olímpia Terezinha da Silva Henicka Dariléia Marin Em uma sociedade como a nossa, na qual a riqueza é tão mal distribuída, a preocupação com a sobrevivência deve ser maior que as preocupações

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

O QUE O REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA EDUCAÇÃO INFANTIL ESCLARECE SOBRE A EDUCAÇÃO MUSICAL NO CONTEXTO ESCOLAR?

O QUE O REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA EDUCAÇÃO INFANTIL ESCLARECE SOBRE A EDUCAÇÃO MUSICAL NO CONTEXTO ESCOLAR? 1123 O QUE O REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA EDUCAÇÃO INFANTIL ESCLARECE SOBRE A EDUCAÇÃO MUSICAL NO CONTEXTO ESCOLAR? Everton Tomiazzi 1, Luciana Carolina Fernandes de Faria 2, Raquel Rosan Christino

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB

MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB SILVA 1, Ana Karenina Ferreira da Centro de Comunicação, Turismo e Artes/ Departamento de Educação

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Planejamento na Educação Musical Infantil

Planejamento na Educação Musical Infantil Planejamento na Educação Musical Infantil Ricardo Dourado Freire Universidade de Brasília freireri@unb.br Sandra Ferraz Freire Universidade de Brasília sandra.ferraz@gmail.com Sumário: O processo de planejamento

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL]

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] 2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] Plano Anual de Expressão Musical Ano Letivo 2012/2013 Introdução: Esta atividade pretende que os alunos fortaleçam o gosto natural pela expressão musical

Leia mais

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Autora: Juliete Soares de Albuquerque Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Co-autora: Geruslandia Almeida

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO. 1.1. A Música e o Movimento como práticas educativas no cotidiano escolar

1. IDENTIFICAÇÃO. 1.1. A Música e o Movimento como práticas educativas no cotidiano escolar 1. IDENTIFICAÇÃO. 1.1. A Música e o Movimento como práticas educativas no cotidiano escolar 1.3. Área de Conhecimento na qual o curso se insere: Educação Musical 1.4.Data de Início: Segundo semestre de

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Projetos Pedagógicos. Agosto 2012

Projetos Pedagógicos. Agosto 2012 Projetos Pedagógicos Agosto 2012 AMIZADE Amigo a gente cuida, faz carinho, brinca, sorri e até chora junto, e percebemos o quanto precisamos um do outro. A amizade é muito valiosa para nós que construímos

Leia mais

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2 A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A DANÇA, JOGOS E BRINCADEIRAS NO CONTEXTO ESCOLAR Experiência teórica e prática por meio de um projeto extensionista Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya

Leia mais

MAS NÃO SOU FORMADO EM MÚSICA... E AGORA? POSSIBILIDADES MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

MAS NÃO SOU FORMADO EM MÚSICA... E AGORA? POSSIBILIDADES MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MAS NÃO SOU FORMADO EM MÚSICA... E AGORA? POSSIBILIDADES MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lidiane Cristina Loiola Souza i Introdução Música... Explorar... Criar... Tocar... Como essas situações podem ser

Leia mais

groups.google.com/forum/#%21forum/professoresdemusicadobrasil Fóruns de Partilhas de Práticas em Educação Musical (FOPPEM)

groups.google.com/forum/#%21forum/professoresdemusicadobrasil Fóruns de Partilhas de Práticas em Educação Musical (FOPPEM) LINKS ÚTEIS* *Em breve, esta listagem estará atualizada em meu blog: www.darcyalcantara.blogspot.com ABEM Associação Brasileira de Educação Musical abemeducacaomusical.org.br Revistas da ABEM abemeducacaomusical.org.br/revistas.html

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda.

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. 2 Habilidades: H12 Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho da produção dos artistas em seus meios culturais. 3 Música clássica- baseada no folclore Heitor

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Uma visita ao zoológico. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO As Vogais vão ao zoológico e têm contato com

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS Sessão n.º 1 1- Apresentação do projeto: objectivos e finalidades; 2- Apresentação dos objetivos e finalidades; 3- Música Timorense (He-le-le);

Leia mais

Foto: Carlos Filipe Fotografia Profissional. Educação e Expressão Musical 2011/12

Foto: Carlos Filipe Fotografia Profissional. Educação e Expressão Musical 2011/12 Plano de Intervenção Pedagógica Foto: Carlos Filipe Fotografia Profissional Educação e Expressão Musical 2011/12 1 Entidade adjudicada: A Musikater é uma organização em nome individual, sedeada em Condeixa-a-

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial.

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial. A TECITURA DA PROFISSÃO PROFESSOR: REFLEXÕES A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS NO PIBID Gloria Ramona Gomes Aguero 1 ; Laudelina Sanabria Trindade 2 ; Almerinda Mª dos Reis Vieira Rodrigues 3. 1 Bolsista Pibid

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini A favor da comunidade, que espera o bloco passar Ninguém fica na solidão Embarca com suas dores

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira

BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE Zilma de Moraes Ramos de Oliveira HISTÓRICO Constituição brasileira LDB Plano Nacional de Educação CONSTITUIÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

PROJETO: OUVIR CANTAR E DANÇAR OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM. Eixos temáticos: Objetivos: Faixa etária: De um a cinco anos (educação Infantil)

PROJETO: OUVIR CANTAR E DANÇAR OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM. Eixos temáticos: Objetivos: Faixa etária: De um a cinco anos (educação Infantil) PROJETO: OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM OUVIR Eixos temáticos: Diferentes linguagens Artes visuais Movimento CANTAR Linguagem Oral; Natureza e Sociedade Objetivos: E DANÇAR Interagir com músicas e movimentos

Leia mais

Release do Espetáculo

Release do Espetáculo Forró Floreado Release do Espetáculo O espetáculo Forró Floreado, do Trio Sinhá Flor, tem uma proposta estética bem definida: apresentar ao público o gênero forró sob uma perspectiva feminina. Essa proposta

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular CICLO GERAL OU CICLO BÁSICO AR081- FOLCLORE BRASILEIRO OBRIGATÓRIO 1 30 30 60 3 Fórmula: AR280 AR280- FOLCLORE BRASILEIRO FOLCLORE, ORIGENS, CAMPOS DE ATUAÇÃO E INTERLIGAÇÃO COM OUTRAS CIÊNCIAS, INFLUÊNCIA

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 4

INFORMATIVO 2015 GRUPO 4 INFORMATIVO 2015 GRUPO 4 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

PROGRAMA QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MÚSICA VERA MARIA RODRIGUES ALVES SÃO PAULO ABRIL

PROGRAMA QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MÚSICA VERA MARIA RODRIGUES ALVES SÃO PAULO ABRIL 1 PROGRAMA QUALIDADE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA MÚSICA VERA MARIA RODRIGUES ALVES SÃO PAULO ABRIL 2015 ROTEIRO 2 1. O que é Música 2. Para fazer música na creche é preciso: 3. O que devemos evitar 4. Qualidades

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo Linguagem Letras do alfabeto Nome próprio, nome da escola, histórias Nome das profissões, histórias, músicas Histórias, nome das plantas Histórias em quadrinho, brincadeiras, nome dos brinquedos Nome dos

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES Autor(es) KELLY CRISTINA SILVA COTA Co-Autor(es) CAROLINE MANESCO

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

MOVIMENTO E CORPOREIDADE MATERNAL II

MOVIMENTO E CORPOREIDADE MATERNAL II MOVIMENTO E CORPOREIDADE MATERNAL II Desenvolver reações físicas - rítmicas à música (palmas, marchas, etc); Representar, com movimentos corporais elementos e objetos do meio circundante; Deslocar com

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

O PIBID NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PIBID NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL O PIBID NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Diana Gonçalves Figueiredo¹ Resumo:O presente trabalho apresenta o subprojeto de Pedagogia no PIBID relatando a sua importância para o processo formativo dos alunos

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Infantil II Segmento I PLANO DE CURSO 2009 INFANTIL II Disciplina: ARTES Série: INFANTIL II Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS -

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais