O PREFEITO MUNICIPAL DE RIO VERDE, Estado de Goiás no uso de suas atribuições legais etc.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PREFEITO MUNICIPAL DE RIO VERDE, Estado de Goiás no uso de suas atribuições legais etc."

Transcrição

1 DECRETO Nº 689/2007 (Aprova o novo Regulamento do Sistema de Transporte Alternativo de Transporte Individual de Passageiros em Motocicleta de Aluguel Moto-táxi) O PREFEITO MUNICIPAL DE RIO VERDE, Estado de Goiás no uso de suas atribuições legais etc. Art. 1º - Fica aprovado o novo Regulamento do Sistema Alternativo de Transporte Individual de Passageiros em Motocicleta de Aluguel Moto-táxi, criado através da Lei Municipal n /97, de 19 de dezembro de Art. 2º - A prestação do serviço de moto-táxi consiste no transporte individual de passageiros, dentro dos limites do Município de Rio Verde. Art. 3º - O serviço de moto-táxi será autorizado pelo Poder Executivo à pessoas jurídicas, nos termos da Lei Municipal n /97, de 19 de dezembro de 1997 e do Regulamento ora aprovado A autorização de que trata o caput deste artigo poderá ser revogada a qualquer tempo, em caso de transgressão das normas deste Regulamento e na

2 forma nele prevista, sem que caiba ao autorizado o direito de qualquer indenização. 2º - As autorizações terão validade até o dia 31 de dezembro de cada exercício e serão concedidas e renovadas, mediante comprovação de quitação dos tributos municipais e o cumprimento das exigências deste Regulamento. 3º - Cada pessoa jurídica terá autorização para trabalhar com 35 (trinta e cinco) moto-táxis; Art. 4º As atividades de planejamento, gerenciamento e fiscalização do serviço, de que trata este Regulamento, serão exercidas exclusivamente pela SMT. CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES Art. 5º Para os fins do disposto neste Regulamento, considera-se: I - poder autorizador: Município de Rio Verde GO, através do Poder Executivo; II - órgão gestor: Superintendência Municipal de Trânsito - SMT; 2

3 III empresa: pessoa jurídica autorizada a explorar o serviço de moto-táxi; IV - moto-táxi: serviço de transporte individual de passageiros através de motocicletas, no Município de Rio Verde, mediante cobrança de tarifa; V autorização: ato do Poder Executivo que expressa o consentimento para que a empresa explore os serviços de moto-táxi, desde que demonstre capacidade para o desempenho, por sua conta e risco; VI moto-taxista: condutor autônomo que explora o serviço de moto-táxi; VII - termo de autorização: documento expedido pela SMT à empresa e ao mototaxista, em caráter precário, ou seja, em caso de descumprimento das normas deste regulamento referidas autorizações poderão ser revogadas; VIII - cadastros das garagens e moto-taxistas: prontuário dos autorizados registrados na SMT, em que consta todos os dados pertinentes à pessoa jurídica e física, veículo, o serviço executado, às infrações e outros; IX - ponto de moto-táxi: estacionamento rotativo para motocicletas, demarcado pela SMT, como apoio às empresas; X garagem: espaço físico pertencente a cada empresa, devidamente estruturado para acomodação, centralização e organização dos moto-taxistas. 3

4 XI advertência: ato fiscal, por escrito, para correção de irregularidades, através de Notificação/orientação; XII multa: penalidade pecuniária imposta à empresa e/ou moto-taxista, classificada em leve, média, grave e gravíssima; XIII - cassação da autorização da empresa e/ou do moto-taxista - ato anulatório da autorização dada pelo Poder Executivo Municipal; XIV - documentos obrigatórios: documentos que o condutor deverá portar, quando em serviço, tais como: cartão de autorização, matrícula, identidade, habilitação, CRLV, selo, tabela de tarifas e outros que se fizerem necessários; XV licenciamento: renovação anual do cadastro de autorização, do cartão e vistoria do veículo; CAPÍTULO III DO REGIME DE EXPLORAÇÃO Art. 6º - A exploração do serviço, de que trata este Regulamento, será realizada em caráter contínuo e permanente, desde que obedecida a obrigatoriedade das 4

5 empresas contarem com, no mínimo 10% (dez por cento) e no máximo 50% (cinqüenta por cento) das cotas em seu nome, obedecendo também as demais normas dispostas no presente, comprometendo-se as empresas a manter a sua regularidade, continuidade, segurança, higiene, conforto e cortesia na sua prestação, correndo por conta da autorizada toda e qualquer despesa oriundas da autorização, inclusive as relativas a pessoal, operação, manutenção, tributos e demais encargos. Art O Termo de Autorização conterá, além dos dados necessários à sua perfeita caracterização: I- os dizeres "município de Rio Verde", denominado poder autorizador; II - a proibição da transferência da autorização a terceiros; III - nome e sigla da Superintendência Municipal de Trânsito SMT; IV - número de ordem e data em que foi expedido; V - identificação da empresa (razão social e telefone) e do moto-taxista (nome, nacionalidade, profissão, CPF, RG, tipo sangüíneo, CNH e outros necessários); VI - prazo de validade do cadastro, que é anual, vencendo todo dia 31 de dezembro. 5

6 Art A SMT poderá, a qualquer tempo, modificar a especificação dos serviços, não cabendo à empresa e/ou moto-taxista direito a indenizações de qualquer natureza que seja. Art A SMT poderá implementar propostas de modificações de quaisquer características do serviço, objetivando atender às necessidades e conveniências do poder público municipal, dos usuários, das garagens e da comunidade. Parágrafo único. As modificações, de que trata o caput deste artigo, basear-se-ão em pesquisas, estudos técnicos e avaliações de seus reflexos econômicos, sociais e políticos. Art A SMT manterá um acompanhamento permanente da operação deste serviço, buscando adaptar as especificações da oferta e eventuais alterações detectadas na demanda. Art Para atender as modificações das necessidades dos usuários ou nas condições da exploração dos serviços, a SMT poderá propor novas normas, ou alterações das já existentes, com vistas ao aprimoramento do serviço oferecido à comunidade. 6

7 CAPÍTULO IV DOS VEÍCULOS Art Para operar o serviço, os veículos deverão estar registrados em nome das empresas, dos moto-taxistas ou de terceiros, mediante apresentação de contrato de locação, ficando todos sob a responsabilidade da primeira. 1º - Os moto-taxistas pagarão às empresas taxas de ocupação de espaço físico e apoio nas garagens, cujo valor será estipulado pela Superintendência Municipal de Trânsito, mediante apresentação das planilhas de custos pelas empresas até o dia 15 (quinze) de janeiro de cada exercício. 2º - Após apresentação das planilhas, a SMT as apreciará e submeterá à Chefia do Poder Executivo para a aprovação do valor de locação da moto e do espaço físico da garagem. Art. 13 Os veículos de moto-táxi a serem utilizados deverão ser dotados de 02 (duas) ou 03 (três) rodas, com potência mínima de 125 (cento e vinte e cinco) cilindradas e ter no máximo 05 (cinco) anos de uso e estar em pleno estado de conservação. 7

8 Art As motos deverão ser vistoriadas anualmente pela SMT, todo mês de janeiro de cada exercício, e obrigatoriamente os veículos deverão ter: I faixa padrão amarela com indicação moto-táxi em preto, visivelmente afixada no tanque; II número da autorização expedida pela SMT; III proteção sobre o escapamento para evitar queimaduras aos usuários, de forma padronizada; IV tabela de tarifas em vigor, expedida pela Superintendência Municipal de Trânsito, aposta nas costas do colete do moto-taxista; V protetor lateral ( mata-cachorro ); VI alças de segurança, na qual o passageiro possa segurar e deverá ser utilizada sob o colete usado pelo moto-taxista; VII colete padronizado da garagem, com o número da autorização expedido pela SMT, nome e número do telefone garagem, bem como a indicação da tarifa; VIII capacete, o qual deverá conter os selos de regularização do cadastro expedido pela SMT, afixados nas laterais, tanto do condutor quanto do passageiro; 8

9 IX toca descartável que deverá ser fornecida ao passageiro. Art A vistoria dos veículos e a renovação da licença do moto-taxista, dar-se-á anualmente quando serão verificadas as características fixadas pela SMT, especialmente quanto ao conforto, à segurança, a higiene, ao funcionamento e programação visual do veículo, a fim de prevenir e evitar acidentes, devendo o veículo estar apto para o tráfego. 1º Não sendo revalidada a licença e não realizada a vistoria até o dia 15 de fevereiro de cada exercício, a matrícula do condutor ficará automaticamente suspensa por 30 (trinta) dias e após a suspensão caso não seja regularizada a matrícula será cancelada, independente de notificação. 2º Somente será vistoriado o veículo, desde que o moto-taxista apresente certidões negativas de débitos com a Superintendência Municipal de Trânsito, Prefeitura Municipal de Rio Verde e com o DETRAN-GO; 3º Independentemente da vistoria prevista no caput deste artigo, ou a que se fizer por solicitação da SMT, poderão ser realizadas vistorias extraordinárias, a qualquer tempo. Art O moto-taxista operará e deverá, por ocasião de seu cadastramento e licenciamento, preencher os seguintes requisitos: 9

10 I comprovar experiência mínima de dois anos na condução de motociclista, ressalvado o direito adquirido dos condutores já credenciados pela Superintendência Municipal de Trânsito; II - ser proprietário do veículo, admitido o arrendamento mercantil em nome do mesmo, ou apresentação do contrato de locação, o qual ateste que o moto-taxista ou a empresa à qual se vincula são locadores; III - ser portador da Carteira Nacional de Habilitação definitiva, categoria "A", excluindo-se a autorização provisória; IV - quitação eleitoral e, se do sexo masculino, quitação militar; V - atestado médico de sanidade física e mental, emitido há 30 (trinta) dias, no máximo, por profissionais estabelecidos no município de Rio Verde. VI - comprovante de endereço emitido há, no máximo, 60 (sessenta) dias; VII - duas fotografias de identificação recentes e datadas, de frente e no tamanho 3 X 4 (três por quatro); VIII - ter o veículo emplacado e registrado no município de Rio Verde, na categoria aluguel; 10

11 IX - estar qualificado em curso regulamentado pelo CONTRAN e/ou pela SMT (direção defensiva, primeiros socorros, legislação de trânsito, cidadania e meio ambiente, relações interpessoais e outros, com no mínimo 10 horas de carga horária; X - apresentar certidão negativa criminal, considerados 30 (trinta) dias de validade; XI - apresentar exame com tipo sangüíneo (fator RH), realizado por laboratório especializado; XII - comprovante de quitação, dos três últimos meses, com o INSS, como autônomo, ou caso também exerça a condição de empregado em outro local, cópia da CTPS e do último holerite; Art. 17 As empresas são obrigadas a contratar seguro contra riscos para o condutor do veículo e para o passageiro, em valor não inferior ao abaixo especificados, por pessoa, sem prejuízo da cobertura do seguro obrigatório (DPVAT - Lei Federal n.º 6.194, de 19/12/74): I R$ ,00 (dez mil reais) em caso de invalidez parcial; II R$ ,00 (quinze mil reais) em caso de invalidez total; III R$ ,00 (vinte mil reais) em caso de morte. 1º - A empresa que optar pelo pagamento parcelado do Seguro deverá mensalmente apresentar na SMT o comprovante de pagamento da parcela. 11

12 2º - Referidos valores expressos no caput do presente artigo refere-se ao exercício de 2007, cujos valores deverão ser reajustados anualmente pelo INPC ou por qualquer outro índice que venha a substituí-lo. CAPÍTULO V - DAS EMPRESAS Art Os serviços de moto-táxi somente poderão ser executados por empresas registradas na JUCEG e inscritas na Secretaria da Fazenda Municipal de Rio Verde e na Superintendência Municipal de Trânsito. Art As empresas autorizadas deverão anualmente, todo mês de abril, apresentar os seguintes documentos perante a Superintendência Municipal de Trânsito: I alvará de localização e funcionamento; II cópia autêntica do contrato social e da última alteração contratual da empresa; III certificado geral do Ministério da Fazenda CNPJ; IV Cadastro de Atividades Econômicas CAE, junto à Secretaria de Finanças do município de Rio Verde, GO; V certidão negativa de tributos municipal, estadual e federal; 12

13 VI certidão negativa criminal e certidão cível dos sócios das empresas. Art A autorização outorgada à empresa devidamente inscrita terá: I as garagens somente poderão cobrar as diárias dos moto-taxistas após a aprovação e expedição do referido cadastro de moto-taxista; II caso o moto-taxista que for explorar o serviço não seja quotista da garagem, deverá ser formalizado entre ambos e apresentado perante a SMT no ato de expedição e/ou renovação do cadastro, cópia autêntica do contrato de locação para exploração do serviço, cujo prazo não poderá ser inferior a 06 (seis) meses; III o capital social da empresa deverá alcançar no mínimo 10 (dez) por cento do valor das motos credenciadas na empresa; IV caso a empresa diminua o capital social, terá o número de frota reduzida, na forma e na proporção estabelecido no inciso anterior. Art As empresas interessadas em explorar o serviço de moto-táxi deverão preencher todos os requisitos e exigências da Superintendência Municipal de Trânsito, tendo em vista o interesse público, de maneira a atender as conveniências do trânsito e do projeto urbanístico da cidade As garagens deverão ser limpas e organizadas, contar com sanitários masculino e feminino, ter espaço físico suficiente para abrigar, no mínimo, 15 (quinze motos). 13

14 2 0 - É proibido o estacionamento das motos na calçada. 3 0 Os pontos serão distribuídos por setor e de acordo com a necessidade da demanda; 4 0 É proibido o embarque e desembarque de passageiros nos pontos de ônibus e de táxis, dentro das faixas a eles destinadas; Qualquer ato de indisciplina, perturbação da ordem e desobediência aos dispositivos legais ou alteração das características originais do ponto implicará na aplicação das penalidades legais e, conforme a gravidade da falta, poderá haver cassação da autorização da empresa. CAPÍTULO VI DA OPERAÇÃO Art São normas básicas da operação do Serviço de moto-táxi: I - o veículo só poderá operar o serviço, quando atendidos os requisitos e condições de segurança, estabelecidos neste Regulamento, no Código de Trânsito Brasileiro CTB e em Resoluções do CONTRAN; 14

15 II - somente será permitido conduzir passageiros de acordo com as normas estabelecidas por este Regulamento, pelo Código de Trânsito Brasileiro CTB e pelo CONTRAN; III é proibido recusar passageiros, exceto: a) menores de 07 (sete) anos; b) doentes mentais; c) drogados ou alcoolizados; d) portadores de objetos quaisquer que coloquem em risco a segurança; e) passageiros usando trajes impróprios ou ofensivos à moral e aos bons costumes. IV as garagens deverão se organizar e manter, aos domingos e feriados, no máximo 50% (cinqüenta por cento) de sua frota de moto-taxistas obrigados a operar, podendo, entretanto, contar com moto-taxistas voluntários, sendo o limite obrigatório designado mediante escala e ainda, 15% (quinze por cento) de sua frota durante a semana após as 22:00 (vinte e duas horas) e, aos sábados, após as 14:00 (quatorze horas); V - o condutor só poderá operar no veículo em que estiver credenciado; VI - é vedada a publicidade e/ou propaganda de qualquer natureza no veículo, no vestuário, nos capacetes e em quaisquer acessórios, exceto quando autorizado pelo órgão competente e aprovado o modelo pela SMT; 15

16 VII - é obrigatório o condutor, quando em serviço, o uso dos seguintes equipamentos: a) alças de segurança que deverão ser utilizadas sob o colete; b) capacete de segurança selado, individual para o condutor e passageiro (com viseira ou óculos protetores); c) oferecer touca descartável para o passageiro. VIII não utilizar o veículo para a prática de crime; IX - dirigir o veículo de modo a proporcionar segurança, conforto e regularidade do serviço ao passageiro; X - não ultrapassar a velocidade permitida no perímetro urbano; XI - abster-se de ingerir bebidas alcoólicas ou outras substâncias tóxicas, em serviço ou quando estiver próximo de assumi-lo, submetendo-se aos ditames do art. 165 da Lei n /97 Código Brasileiro de Trânsito; XII - abster-se do uso de quaisquer espécies de arma durante o serviço; XIII - tratar o passageiro com urbanidade e respeito. 16

17 Art. 23- Os moto-taxistas poderão circular livremente em busca de passageiros, em todo o Município de Rio Verde, obedecidas as normas de trânsito, e seu ponto de atendimento será a sede da empresa, onde estiverem cadastrados, e/ou estacionamentos rotativos estabelecidos pela SMT. Art Somente poderão operar o serviço os profissionais devidamente habilitados conforme o Código de Trânsito Brasileiro (Lei n.º 9.503/97 e suas Resoluções) e o presente Regulamento. Art Sempre que necessário e conveniente ao interesse público, serão definidos, a qualquer tempo, estacionamentos rotativos para as motocicletas, em função de estudos técnicos da SMT. Art As empresas poderão instalar sistema de controle por rádio comunicação, nos seus veículos, desde que autorizadas pelo órgão nacional de telecomunicações competente. CAPÍTULO VII DA TARIFA Art. 27 Para a definição da tarifa a ser cobrada dos usuários do serviço de mototáxi, as empresas apresentarão, até o dia 15 de janeiro de cada exercício, planilha 17

18 de custos à SMT, que procederá à análise, encaminhando-a à Chefia do Poder Executivo para aprovação. CAPÍTULO VIII DAS OBRIGAÇÕES DAS EMPRESAS E CONDUTORES DE MOTO-TÁXIS Art Constituem obrigações das empresas e dos condutores: I - cumprir e fazer cumprir o presente Regulamento e demais normas legais pertinentes, observadas rigorosamente as especificações e características de exploração do serviço permitido; II - prestar o serviço em conformidade com as especificações da SMT; III participar de programas e cursos destinados aos profissionais de moto-táxi, qualificando e aperfeiçoando a prestação do serviço; IV após dois anos da realização do curso mínimo, o moto-taxista deverá fazer a atualização do curso, sob pena de ter a matrícula suspensa; V - assegurar, em caso de interrupção da viagem, a não cobrança ou devolução do valor da tarifa e providenciar outra condução para o passageiro; 18

19 VI - tratar com polidez e urbanidade os passageiros, prepostos, os outros autorizados e o público em geral; VII - recolher o veículo envolvido em acidente com vítima; VIII - informar à SMT qualquer alteração cadastral; IX - portar, quando em serviço, capacetes selados para o condutor e o passageiro, bem como toucas descartáveis; X - permanecer, quando em serviço, com vestuário padronizado e identificado, conforme as determinações da SMT; XI as empresas são responsáveis pelas despesas decorrentes do serviço, manutenção, tributos, encargos sociais e previdenciários, bem como as despesas decorrentes da compra de equipamentos para garantir os níveis de segurança do serviço; XII - manter apólice de seguro contra riscos para o condutor do veículo e para o passageiro, nos termos do artigo 20 do presente, sem prejuízo da cobertura do seguro obrigatório (DPVAT - Lei Federal n.º 6.194, de 19/12/74); XIII - utilizar no Serviço apenas veículos cadastrados na SMT; 19

20 XIV - manter o veículo e acessórios em perfeitas condições de mecânica, elétrica, higiene, conservação, segurança e funcionamento, e com padrões de programação visual definidos pela SMT; XV - portar, quando em serviço, a documentação referente à autorização, à propriedade e licenciamento do veículo, à habilitação e credenciamento do condutor, bem como outros que venham ser obrigatórios; XVI - executar o plano de manutenção preventiva recomendado pelo fabricante do veículo e pela SMT; XVII - substituir, imediatamente, o veículo quando este atingir o limite de vida útil estabelecida neste Regulamento; XVIII - submeter o veículo, dentro dos prazos fixados, às vistorias que lhes forem determinadas; XIX - atender, de imediato, as determinações das autoridades competentes, apresentando os documentos e o veículo, quando solicitados; XX - adotar todas as providências determinadas nas notificações e intimações emanadas da SMT; 20

21 XXI - descaracterizar o veículo quando da substituição do mesmo e/ou quando da desistência do serviço, dando baixa, inclusive, na respectiva placa de aluguel; XXII - utilizar no veículo somente combustível permitido pela legislação em vigor; XXIII - manter em operação somente veículo com certificado válido de vistoria e portando todos os equipamentos obrigatórios; XXIV - permitir e facilitar à SMT o exercício de suas funções, inclusive o acesso ao veículo e locais onde o mesmo estiver; XXV - manter atualizadas as obrigações fiscais e providenciarias; XXVI as empresas deverão apresentar à SMT, até o quinto dia útil do mês subseqüente, o relatório mensal da demanda de passageiros transportados no período, pelos moto-taxistas credenciados na respectiva garagem; XXVII os moto-taxistas deverão renovar o cadastro anualmente; XXVIII deverá ser renovado e atualizado anualmente o cadastro das empresas; A autorização concedida ao moto-taxista será suspensa por por 02 (dois) meses, após atingir 03 (três) infrações ao Regulamento, num período de 12 (doze) meses. 21

22 2 0 Ocorrerá a revogação da autorização da empresa após 05 (cinco) infrações ao Regulamento, num período de 12 (doze) meses. 3 0 O responsável pela empresa e/ou o moto-taxista deverá comparecer pessoalmente à SMT, nos seguintes casos: a) para proceder a inclusão em, exclusão de, ou atualização de cadastro de mototaxista, sendo que a exclusão somente será aceita após a justificação fundamentada por escrito devidamente protocolizada na SMT; b) vistoria de veículo; c) recebimento do Termo de Autorização e Cadastro; d) licenciamento anual; e) entrega das planilhas de custos; f) renovação anual do cadastro das empresas e dos moto-taxistas; g) outros atos exigidos pela SMT. 22

23 CAPÍTULO IX DAS PROIBIÇÕES Art Constitui infração ao presente Regulamento: I permitir, a garagem, que pessoa não cadastrada na SMT conduza o veículo; II - utilizar o veículo não cadastrado para operar o serviço e, mesmo sendo o veículo cadastrado, utilizá-lo para quaisquer outros fins não autorizados pela SMT; III - utilizar-se, ou de qualquer forma concorrer para a utilização, do veículo em prática de ação delituosa, como tal definida em lei; IV - abastecer o veículo quando estiver transportando passageiro; V - recusar o transporte de passageiros, salvo em caso de extremíssima gravidade ou daqueles que a legislação proibir; VI - cobrar tarifa diferente daquela estabelecida pela SMT; VII - interromper a operação do Serviço sem a prévia comunicação e anuência da SMT; 23

24 VIII - interromper a viagem, salvo em caso de avaria ou risco iminente; IX - operar sem os equipamentos de segurança exigidos pela SMT, tais como, alças de segurança, colete, capacetes, touca higiênica, e outros que vierem a ser exigidos; X - não portar os documentos obrigatórios exigidos pela SMT; XI - transportar ou permitir o transporte de: a) explosivos; b) inflamáveis; c) drogas ilegais; d) objetos volumosos, cargas ou animais que comprometam o conforto e a segurança do passageiro; XII - fazer ponto em locais não autorizados pela SMT; XIII - trafegar com: a) passageiro acomodado fora do assento da moto ou do carro lateral; 24

25 b) veículo que haja ultrapassado o limite de vida útil, estabelecido neste Regulamento; c) usar capacete com data de validade vencida, conforme instrução do fabricante; d) utilizar capacetes do condutor e do passageiro sem os adesivos de regularidade expedido pela SMT; XIV - operar o serviço sem os equipamentos de controle exigidos pela SMT; XV - portar ou manter no veículo arma de qualquer espécie e, se encontrada, as autoridades competentes poderão ser acionadas, bem como a empresa será notificada do ocorrido; XVI - fumar ou permitir que fumem durante o percurso de viagem; XVII - conduzir o veículo efetuando partidas, freadas ou conversões bruscas; XVIII - aliciar passageiros; XIX lavar, consertar ou reparar o veículo em logradouro público; 25

26 XX - forçar a saída de outro moto-taxista estacionado, ou dificultar seu estacionamento, em ponto rotativo; XXI - operar o serviço de moto-táxi em veículo, ou condutor, não autorizado para o mesmo. XXII - comercializar, alugar ou arrendar as quotas e/ou autorização e/ou o respectivo veículo para terceiro, sem comunicar à SMT; XXIII deixar, a empresa, de oferecer condições de trabalho aos moto-taxistas e funcionários; XXIV - deixar, o moto-taxista, de comparecer à empresa na qual esteja cadastrado para prestar atendimento no serviço de moto-táxi, sem justificativa consistente; XXV - não obedecer a fila no estacionamento rotativo; XXVI - abandonar o veículo no ponto rotativo, com o intuito de burlar a fiscalização, ou utilizar do mesmo para efetuar serviços que não o de espera de passageiros. XXVII utilizar-se, o condutor, de fones nos ouvidos conectados a aparelhagem sonora ou de telefone celular com o veículo em movimento. 26

27 CAPÍTULO X DO CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO Art Compete à SMT exercer, em caráter permanente, o controle e a fiscalização do Sistema de Transporte de Passageiros, através de motocicletas, no Município de Rio Verde, intervindo quando e da forma que se fizer necessária, para assegurar a continuidade, qualidade, segurança e padrões fixados. 1º As atividades de controle e fiscalização serão desenvolvidas pela SMT e as determinações decorrentes serão consubstanciadas em atos formais. 2º No exercício da fiscalização poderão ser utilizados equipamentos para medição de velocidade e controle de ingestão de bebida alcóolica. Art A fiscalização do órgão executivo de trânsito e transportes do Município fará observar, ainda: I - a conduta da empresa; II a conduta do moto-taxista; 27

28 III - a segurança, a higiene, as condições de chapeação, mecânica e elétrica de funcionamento do veículo, e outros necessários; IV - o porte da documentação obrigatória; V - a cobrança das tarifas estabelecidas; VI - a instalação, manutenção e uso dos equipamentos de segurança exigidos pela SMT; VII - outros que se fizerem necessários. CAPÍTULO XI DA AUTUAÇÃO Art O registro das irregularidades detectadas será feito pelo Agente Municipal de Trânsito mediante Auto de Infração, lavrado em formulário próprio. 1º Dependendo de sua natureza ou tipicidade, as infrações poderão ser constatadas pela fiscalização em campo e/ou nos arquivos e registros próprios. 28

29 2º Constatada a infração, será lavrado de ofício o Auto de Infração e a notificação será entregue pessoalmente, na garagem ou via postal, mediante recibo. 3º Sempre que possível, o Agente Municipal de Trânsito deverá solicitar a assinatura do infrator no auto de infração. 4º A ausência da assinatura do infrator não invalida o Auto de Infração. Art O Auto de Infração, de que trata o artigo anterior, deverá conter as seguintes informações: I - o nome da empresa e/ou o nome do moto-taxista; II - o número da autorização e/ou do cadastro; III - a placa de identificação do veículo; IV - a identificação do infrator, quando possível; V - o registro do infrator junto a SMT, quando possível; VI - o dispositivo regulamentar infringido; VII - local, data e hora da irregularidade ou infração; 29

30 VIII - descrição sucinta da ocorrência; IX - assinatura ou rubrica e o número de matrícula do agente que o lavrou; X - assinatura do infrator ou seu preposto, quando possível, valendo esta como notificação do cometimento da infração. CAPÍTULO XII DAS INFRAÇÕES, PENALIDADES E MEDIDAS ADMINISTRATIVAS SEÇÃO I - DAS INFRAÇÕES Art Constitui infração a inobservância a qualquer preceito deste Regulamento, Portarias e Anexos, sendo o infrator sujeito às penalidades e medidas administrativas indicadas em cada parágrafo a seguir: 1º - Não executar o plano de manutenção preventiva recomendado pelo fabricante e/ou pela SMT: Infração: leve Medida administrativa: impedimento operacional. 30

31 2º - Falta de higiene, conforto e conservação do veículo: Infração: leve Medida administrativa: impedimento operacional. 3º - Moto-taxista, quando em serviço, em condições inadequadas de asseio: Infração: leve 4º - Lavar ou consertar ou reparar o veículo em logradouro público: Infração: leve 5º - Deixar de fornecer touca higiênica descartável ao passageiro ou cobrar por isso: Infração: grave 6º - Não permitir ou dificultar a SMT no levantamento de informações e realização de estudos: Infração: leve 31

32 7º - Não tratar com polidez e urbanidade os passageiros, colegas de trabalho e o público em geral: Infração: leve 8º - Não atender ao pedido de embarque e desembarque de passageiro em locais autorizados: Infração: leve 9º - Fumar ou admitir que alguém fume durante o percurso de viagem: Infração: leve 10 - Abastecer o veículo quando transportando passageiro: Infração: leve 11 - Transportar pessoas em trajes impróprios ou ofensivos à moral e aos bons costumes: Infração: leve 32

33 12 - Aliciar passageiros: Infração: leve 13 - Não providenciar outro veículo para o transporte de passageiros, em caso de interrupção de viagem: Infração: média 14 - Cobrar ou não devolver a tarifa paga, no caso de interrupção de viagem: Infração: média 15 - Transportar ou permitir o transporte de objetos volumosos, animais, carga e substância que prejudique o conforto, a comodidade, a saúde e a segurança dos usuários: Infração: leve 33

34 16 - Não manter, a garagem, apólice de seguro, contra riscos para o condutor do veículo e para o passageiro, nos termos estipulados no artigo 20 do presente Regulamento; Infração: grave Medida administrativa: impedimento operacional 17 - Não recolher o veículo para reparo, quando solicitado pelo agente de fiscalização da SMT: Infração: grave Medida Administrativa: apreensão do veículo 18 - Trafegar com veículo que apresente defeito mecânico, elétrico ou estrutural que implique desconforto ou risco de segurança para os passageiros ou o trânsito em geral: Infração: grave Medida administrativa: apreensão do veículo Portar ou manter arma de qualquer espécie no veículo: Infração: gravíssima Medida administrativa: apreensão do veículo 34

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás PROJETO-DE-LEI Nº 1.527, DE 14 DE AGOSTO 1998.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás PROJETO-DE-LEI Nº 1.527, DE 14 DE AGOSTO 1998. PROJETO-DE-LEI Nº 1.527, DE 14 DE AGOSTO 1998. Disciplina o serviço de mototáxi no Município de Morrinhos, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001 LEIN 1.195/2001 Institui o Serviço de Transporte Individual de Passageiros em Motocicletas de aluguel (Mototáxi) O Prefeito Municipal de Rio Brilhante, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE:

PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE: PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE: O PRESIDENTE DA AGÊNCIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO, TRANSPORTES E MOBILIDADE, no uso de suas atribuições legais conferidas pela Lei Complementar n 183, de 19

Leia mais

Estado do Mato Grosso Prefeitura Municipal de Colniza

Estado do Mato Grosso Prefeitura Municipal de Colniza Lei n.º 091-B/2002. Súmula: REGULAMENTA, DISCIPLINA O TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS EM MOTOCICLETAS DE ALUGUEL MOTO-TÁXI E DETERMINA A LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS, BEM COMO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Eu,

Leia mais

LEI Nº 237/2010 de 07 de Dezembro de 2010

LEI Nº 237/2010 de 07 de Dezembro de 2010 LEI Nº 237/2010 de 07 de Dezembro de 2010 Súmula: Dispõe Sobre O Serviço de Moto-Táxi no Município Itanhangá MT, e dá Outras Providências. O Prefeito Municipal de Itanhangá, Sr. Vanderlei Proenço Ribeiro,

Leia mais

LEI Nº 4.695. Art. 1º - Fica instituído o serviço de transporte individual de passageiros denominado Moto Táxi. CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SERVIÇO

LEI Nº 4.695. Art. 1º - Fica instituído o serviço de transporte individual de passageiros denominado Moto Táxi. CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SERVIÇO LEI Nº 4.695 Institui o Serviço de Moto Táxi e dá outras providências Lei; O PREFEITO MUNICIPAL DE PELOTAS, Estado do Rio Grande do Sul. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo

Leia mais

2005 GOIÂNIA, 07 DE ABRIL DE 2005 - QUINTA-FEIRA DECRETO N 1135, DE 30 DE MARÇO DE 2005.

2005 GOIÂNIA, 07 DE ABRIL DE 2005 - QUINTA-FEIRA DECRETO N 1135, DE 30 DE MARÇO DE 2005. Diário Oficial MUNICÍPIO DE GOIÂNIA 2005 GOIÂNIA, 07 DE ABRIL DE 2005 - QUINTA-FEIRA Nº 3.611 DECRETO N 1135, DE 30 DE MARÇO DE 2005. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, RESOLVE nomear

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PROCESSO Nº 1544/04 - PROJETO DE LEI Nº 187 INTERESSADO: Vereador Edson Antonio Fermiano ASSUNTO: Dispõe sobre os serviços de transporte coletivo escolar e dá outras providências. -0- Senhor Presidente

Leia mais

LEI N 1.051, DE 25 DE ABRIL DE 2005

LEI N 1.051, DE 25 DE ABRIL DE 2005 LEI N 1.051, DE 25 DE ABRIL DE 2005 Dispõe sobre autorização para funcionamento dos serviços de transporte individual de passageiros em motocicletas de aluguel (moto - taxis) no Município de Bonito/MS

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO I DO SERVIÇO DE MOTO-TÁXI

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO I DO SERVIÇO DE MOTO-TÁXI LEI Nº 597/98 DATA: 15 de setembro de 1998. SÚMULA: Autoriza o Chefe do Poder Executivo Municipal a instituir normas para exploração dos serviços denominados Moto - Taxi, no município, e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 729/ 13. DE 26 DE 06 DE 2013. A CÂMARA MUNICIPAL DE PIRENÓPOLIS, ESTADO DE GOIÁS aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 729/ 13. DE 26 DE 06 DE 2013. A CÂMARA MUNICIPAL DE PIRENÓPOLIS, ESTADO DE GOIÁS aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 729/ 13. DE 26 DE 06 DE 2013. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS ATIVIDADES DOS PROFIS SIONAIS EM TRANSPORTE DE PASSAGEI ROS ATRAVÉS DE MOTOCICLETAS NO MUNICÍPIO DE PIRENÓPOLIS E DÁ

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...) LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N.... Ano...) DISPÕE SOBRE O TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS ATRAVÉS DE TÁXI. O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no uso das atribuições que lhe

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

Câmara Municipal de Guarujá

Câmara Municipal de Guarujá 1 LEI Nº 3.899/2011 (Projeto de Lei nº 026/2011) (Vereador Gilberto Benzi) Regulamenta a utilização e a fiscalização dos veículos motorizados empregados no serviço de motofrete, e dá outras providências.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI Nº. 1.937, DE 10 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre o serviço de Mototáxi E Motofrete no Município de São Gotardo e dá outras providências. O Povo do Município de São Gotardo, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

Gabinete do Prefeito Lei nº 120/2009 de 27 de fevereiro de 2009.

Gabinete do Prefeito Lei nº 120/2009 de 27 de fevereiro de 2009. Lei nº 120/2009 de 27 de fevereiro de 2009. Dispõe sobre a utilização de motocicletas no transporte de passageiros no município de Nortelândia, e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.688, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2012.

LEI MUNICIPAL Nº 4.688, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2012. -Disciplina o exercício das atividades dos profissionais de moto-táxi, dispondo sobre regras de segurança na prestação de serviços de transporte remunerado em motocicletas, no município de Tatuí e dá outras

Leia mais

MULTA MULTA VALOR EM R$

MULTA MULTA VALOR EM R$ - Aplicadas pela autoridade de trânsito (posteriormente): I - advertência por escrito; II - multa; III - suspensão do direito de dirigir; IV - apreensão do veículo; V - cassação da Carteira Nacional de

Leia mais

MULTA VALOR EM UFIR MULTA

MULTA VALOR EM UFIR MULTA MULTA -Imposta e arrecadada pelo órgão com circunscrição sobre a via onde haja ocorrido a infração. -O valor decorre da natureza da infração, assim como a respectiva pontuação. NATUREZA DA INFRAÇÃO MULTA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Serra Talhada Estado de Pernambuco

Prefeitura Municipal de Serra Talhada Estado de Pernambuco LEI COMPLEMENTAR Nº 134, DE 16 DE AGOSTO DE 2011. Modifica a Lei Complementar Municipal nº 20, de 24 de dezembro de 2003, que instituiu o transporte individual de passageiros através de motocicletas e

Leia mais

DECRETA: CAPÍTULO I DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE FRETAMENTO Seção I Disposições preliminares

DECRETA: CAPÍTULO I DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE FRETAMENTO Seção I Disposições preliminares Disciplina a autorização para prestação de serviço fretado de transporte rodoviário intermunicipal de pessoas e altera o Decreto nº 32.656, de 14 de março de 1991. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 0315/05.

PROJETO DE LEI Nº 0315/05. 1 PUBLICADO DOC 17/06/2006 PARECER Nº 631/2006 DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA SOBRE O PROJETO DE LEI Nº 0315/05. Trata-se de Projeto de Lei, de iniciativa do Nobre Vereador Ricardo Montoro, que

Leia mais

DECRETO Nº 50.446 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009

DECRETO Nº 50.446 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009 DECRETO Nº 50.446 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009 REGULAMENTA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS por veículos de carga nas vias públicas do Município de São Paulo, nos termos da legislação específica. GILBERTO

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARAGOJIPE GABINETE DA PREFEITA DECRETO MUNICIPAL Nº123/2014 DE 01 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MARAGOJIPE GABINETE DA PREFEITA DECRETO MUNICIPAL Nº123/2014 DE 01 DE JULHO DE 2014. DECRETO MUNICIPAL Nº123/2014 DE 01 DE JULHO DE 2014. Regulamenta o procedimento administrativo para responsabilização civil e administrativa decorrente de danos durante o uso ou condução dos veículos da

Leia mais

LEI N 9217 DE 26 DE ABRIL DE

LEI N 9217 DE 26 DE ABRIL DE LEI: LEI N 9217 DE 26 DE ABRIL DE 2007 Dispõe sobre o Serviço de Transporte Escolar no Município de Fortaleza, esclarece condições para o seu funcionamento e fiscalização, revoga o art. 4, 3, alínea a,

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

Ano 52 São Paulo, sábado, 28 de julho de 2007 Número 138 Ano 52 São Paulo, sábado, 28 de julho de 2007 Número 138

Ano 52 São Paulo, sábado, 28 de julho de 2007 Número 138 Ano 52 São Paulo, sábado, 28 de julho de 2007 Número 138 Diário Oficial CIDADE DE SÃO PAULO Prefeito: GILBERTO KASSAB Ano 52 São Paulo, sábado, 28 de julho de 2007 Número 138 Ano 52 São Paulo, sábado, 28 de julho de 2007 Número 138 GABINETE DO PREFEITO Prefeito:

Leia mais

Regulamenta o Serviço de Motofrete do Município de Belo Horizonte.

Regulamenta o Serviço de Motofrete do Município de Belo Horizonte. Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011 Ano XVII - Edição N.: 3979 Poder Executivo Secretaria Municipal de Serviços Urbanos - BHTRANS PORTARIA BHTRANS DPR Nº 129/2011 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011 Regulamenta

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã LEI Nº. 820/2009. AUTORIA: VEREADORES SELUIR PEIXER REGHIN e JONAS CANARINHO. SÚMULA: DISPÕE SOBRE O SERVIÇO DE MOTO TAXI NO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Aripuanã

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 10, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 20/10/2010, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 19 do Estatuto, consubstanciado

Leia mais

Manifesta apelo no sentido da regulamentação em nível municipal da atividade entrega de mercadorias por motos (motofrete)

Manifesta apelo no sentido da regulamentação em nível municipal da atividade entrega de mercadorias por motos (motofrete) Sr. Presidente, Srs.Vereadores, Sras. Vereadoras: MOÇÃO DE APELO Manifesta apelo no sentido da regulamentação em nível municipal da atividade entrega de mercadorias por motos (motofrete) Considerando que

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001; RESOLUÇÃO ANTT Nº 1.737, de 21/11/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga - RNTRC,

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº. 3.477 DE 30 DE MAIO DE 2011

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº. 3.477 DE 30 DE MAIO DE 2011 HOMOLOGA O REGULAMENTO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE ESCOLAR REMUNERADO NO MUNICÍPIO DE ARACAJU. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU, no uso das atribuições legais que lhe são conferidas pelo art. 120, inciso

Leia mais

1º - Assegura-se o direito mínimo de 2 (dois) táxis para cada distrito, dos quais um deles, necessariamente, será do tipo táxilotação.

1º - Assegura-se o direito mínimo de 2 (dois) táxis para cada distrito, dos quais um deles, necessariamente, será do tipo táxilotação. BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 015/89 ESTABELECE NORMAS PARA A EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE CARROS-DE-ALUGUEL (TÁXI) E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. AFRANIO

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos do Setor de Frotas (Transportes); 1.2) Proteger o Patrimônio Público contra o uso indevido, bem como atender a legislação em vigor e evitar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 25/2015 CAPÍTULO I - DOS DISPOSITIVOS PRELIMINARES

PROJETO DE LEI Nº 25/2015 CAPÍTULO I - DOS DISPOSITIVOS PRELIMINARES PROJETO DE LEI Nº 25/2015 ESTABELECE NORMAS GERAIS PARA O SERVIÇO DE INTERESSE PÚBLICO DE TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS EM VEÍCULO DE ALUGUEL- TÁXI NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO 1 LEI Nº 1485/2014 DISPÕE SOBRE AS PERMISSÕES DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS, ATRAVÉS DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO DE INHAÚMA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99

RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99 RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99 DISPÕE SOBRE A INSCRIÇÃO DE PESSOAS FÍSICAS NOS CONSELHOS REGIONAIS DE NUTRICIONISTAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Conselho Federal de Nutricionistas, no uso de suas atribuições

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Seção I Do Objeto

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Seção I Do Objeto CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Do Objeto Art. 1.º O presente regulamento tem por objeto disciplinar as condições para a exploração dos serviços de transporte de pequenas cargas, mediante

Leia mais

Prefeitura de Júlio de Castilhos

Prefeitura de Júlio de Castilhos LEI N.º 3.112, DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. Regulamenta o exercício das atividades de mototáxi e motofrete no município de Júlio de Castilhos. VERA MARIA SCHORNES DALCIN, Prefeita do Município de JÚLIO DE

Leia mais

DECRETO Nº 8.279 DE 27 DE SETEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 8.279 DE 27 DE SETEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 8.279 DE 27 DE SETEMBRO DE 2007. Dispõe sobre o uso dos veículos a serviço da Administração Municipal e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DO NATAL, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS APROVADA NA REUNIÃO REALIZADA EM 18/02/2011, DO CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS. SUMÁRIO 1. Objetivo... 3 2. Âmbito

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 333 DISPOSIÇÕES GERAIS

LEI COMPLEMENTAR Nº 333 DISPOSIÇÕES GERAIS DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO, CONSERVAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE ELEVADORES E APARELHOS DE TRANSPORTE AFINS, REGULAMENTA A HABITAÇÃO DAS EMPRESAS PRESTADORAS DESSES SERVIÇOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 370 /009 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009.

GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 370 /009 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009. LEI Nº. 370 /009 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009. INSTITUI O SISTEMA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ATRAVÉS DE MOTOCICLETAS NO MUNICÍPIO DE URUPÁ/RO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE 11/03/2012 FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE Veículos / Modelo Ano Placas GM MERIVA JOY 2007/2008 IOK2202 NISSAN SENTRA FLEX 2009 IRS4402 GM ZAFIRA ELEGANCE 2010 / 2011 IRS3302 MARCOPOLO Modelo

Leia mais

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos;

I - Apresentar Carteira Nacional de Habilitação, categoria A, em validade, expedida há pelo menos dois anos; CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 10 - O presente regulamento dispõe sobre o serviço de transporte de carga, na modalidade denominada motoentrega, consiste no serviço de entrega e coleta de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DESPACHO 2007 N O PROJETO DE LEI Nº 1310/2007 INSTITUI O SERVIÇO E COLETA DE PEQUENAS CARGAS, MEDIANTE UTILIZAÇÃO DE MOTOCICLETAS, NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, DENOMINADO MOTO-FRETE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 Dispõe sobre instalação e funcionamento de elevadores e outros aparelhos de transporte, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município de

Leia mais

DECRETO N 17349 DE 26 DE FEVEREIRO DE 1999

DECRETO N 17349 DE 26 DE FEVEREIRO DE 1999 DECRETO N 17349 DE 26 DE FEVEREIRO DE 1999 Regulamenta a Lei nº 2582, de 28 de outubro de 1997, que instituiu o Serviço de Transporte Coletivo de Passageiros sob o regime de fretamento e dá outras providências.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA ESTADO DE SÃO PAULO LEI Nº 5.305, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2011. Altera dispositivos da Lei Municipal n.º 4.794, de 06 de maio de 2008 e dá outras providências. João Antonio Salgado Ribeiro, Prefeito Municipal, faz saber que

Leia mais

A harmonia de procedimentos que deve existir entre os diversos Conselhos Regionais de Nutricionistas; CAPÍTULO I DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO

A harmonia de procedimentos que deve existir entre os diversos Conselhos Regionais de Nutricionistas; CAPÍTULO I DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO Página 1 de 1 RESOLUÇÃO CFN Nº 466/2010 Dispõe sobre a inscrição de Nutricionistas nos Conselhos Regionais de Nutricionistas, e dá outras providências O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), no uso

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU DECRETO N 11.368, DE 18 DE OUTUBRO DE 2.010 P. 34.777/06 Ap. 1.785/10 (EMDURB) Altera o Regulamento do Transporte Remunerado de Passageiros de Natureza Privada denominado FRETAMENTO, no Município de Bauru,

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015)

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015) ( 2015) 1 Art. 24. Compete aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição: Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233, DE 25 DE JUNHO DE 2003 DOU de 02 DE JULHO de 2003

RESOLUÇÃO Nº 233, DE 25 DE JUNHO DE 2003 DOU de 02 DE JULHO de 2003 RESOLUÇÃO Nº 233, DE 25 DE JUNHO DE 2003 DOU de 02 DE JULHO de 2003 Regulamenta a imposição de penalidades por parte da ANTT, no que tange ao transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros.

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para racionalizar regras de procedimento administrativo e de competência de órgãos públicos.

Leia mais

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edital de Credenciamento de examinadores de trânsito, conforme arts. 148 e 152 do CTB, art. 12 da Resolução nº 168/2004 do CONTRAN, e art. 24 da Resolução nº 358/2010 do CONTRAN para prestação de serviços

Leia mais

DECRETO Nº 19.127, DE 8 DE SETEMBRO DE 2015.

DECRETO Nº 19.127, DE 8 DE SETEMBRO DE 2015. DECRETO Nº 19.127, DE 8 DE SETEMBRO DE 2015. Disciplina os cursos de qualificação profissional do transporte individual por táxi do Município de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso

Leia mais

Prefeitura do Município de Carapicuiba

Prefeitura do Município de Carapicuiba DECRETO Nº 4.337, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2.014. Dispõe sobre as rotinas e procedimentos de gerenciamento, controle e uso da frota de veículos da Administração Direta e Indireta do Município de Carapicuíba.

Leia mais

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: Decreto Nº 30.374, de 12 de setembro de 1989 12/09/1989. Aprova o regulamento de autorização de acesso pelas rodovias estaduais aos terrenos lindeiros às suas faixas de domínio, onde se instalem estabelecimentos

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 LEI N 4.158, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE FEIRAS ITINERANTES E CONTÉM OUTRAS DISPOSIÇÕES.

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 Dispõe sobre registro, cadastro, cancelamento e responsabilidade técnica das Pessoas Jurídicas da jurisdição do CRP16 e revoga a Resolução CRP 16 nº 004/2007, de 10 de novembro

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o procedimento de fiscalização para fins de SUSPENSÃO e CANCELAMENTO de Alvará de Funcionamento e INTERDIÇÃO em estabelecimentos empresariais e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.714, DE 25 DE ABRIL DE 2011 Institui o Sistema de Estacionamento Rotativo pago, nas vias e logradouros públicos denominado Zona Azul São José dos Pinhais. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais,

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

Publicação do DOU 1 do dia 27/04/2011 - Resolução nº 3.658/11 - Regulamenta o Pagamento do Valor do Frete.

Publicação do DOU 1 do dia 27/04/2011 - Resolução nº 3.658/11 - Regulamenta o Pagamento do Valor do Frete. Publicação do DOU 1 do dia 27/04/2011 - Resolução nº 3.658/11 - Regulamenta o Pagamento do Valor do Frete. MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO No-

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICIPIO DE RIO VERDE GOIÁS ATRAVÉS DO FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A EMPRESA LORENA GUIMARAES SANTOS

Leia mais

FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU, DE AUTORIA DO VEREADOR SEBASTIÃO RODRIGUES DE CAMPOS JUNIOR E, ELE SANCIONA E PROMULGA A PRESENTE LEI:

FAZ SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU, DE AUTORIA DO VEREADOR SEBASTIÃO RODRIGUES DE CAMPOS JUNIOR E, ELE SANCIONA E PROMULGA A PRESENTE LEI: LEI Nº 1.646, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2.011. (Altera a redação dos artigos 2º, 3º e 4º, renumerando-se os demais artigos e capítulos da Lei nº 1.616, de 05 de Novembro de 2010, e dá outras providências).

Leia mais

LEI Nº 8822 De 18 de dezembro de 2002

LEI Nº 8822 De 18 de dezembro de 2002 LEI Nº 8822 De 18 de dezembro de 2002 Dá nova disciplina à atividade relativa ao serviços de transporte individual de passageiros em motocicletas mediante aluguel moto táxi e dá outras providências. Prefeito

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre os registros definitivos e temporários de profissionais no Conselho de Arquitetura e Urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura e

Leia mais

LEI Nº 124/95. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 124/95. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Alterado pela Lei 495/01, 656/04 e 782/07. LEI Nº 124/95 Dispõe sobre o serviço de transporte de passageiros em veiculos automóveis de aluguel - táxi, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRASÍLIA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 1.682, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRASÍLIA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 1.682, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 1.682, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTABELECE NORMAS PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXI) NO MUNICÍPIO DE BRASÍLIA DE MINAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BRASÍLIA DE MINAS, Estado

Leia mais

Autorização Especial de Trânsito AET

Autorização Especial de Trânsito AET Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte Urbano Autorização Especial de Trânsito AET Amparo legal: Lei Complementar Municipal nº 205/2009: que acrescenta, altera e regulamenta a Seção XI, do Capítulo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe sobre o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

CAPÍTULO XVI DAS PENALIDADES

CAPÍTULO XVI DAS PENALIDADES CAPÍTULO XVI DAS PENALIDADES Art. 256. A autoridade de trânsito, na esfera das competências estabelecidas neste Código e dentro de sua circunscrição, deverá aplicar, às infrações nele previstas, as seguintes

Leia mais

-: LEI Nº. 4.065/14 :-

-: LEI Nº. 4.065/14 :- -: LEI Nº. 4.065/14 :- Dispõe sobre: Institui o Sistema de Transporte Coletivo Urbano do Município de Pirapozinho SP., e dá outras providências. ORLANDO PADOVAN, Prefeito Municipal de Pirapozinho, Estado

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER)

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) Dispõe sobre as empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança e dá outras Providências. O Congresso nacional decreta: CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66 LEI N.º 809/2014 SÚMULA: Disciplina procedimentos de controle da frota e transporte municipal e da outras providências. aprovou, e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte A Câmara Municipal de Guaraniaçu,,

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00416/2015 do Vereador Ricardo Young (PPS)

PROJETO DE LEI 01-00416/2015 do Vereador Ricardo Young (PPS) Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo PROJETO DE LEI 01-00416/2015 do Vereador Ricardo Young (PPS) "Dispõe sobre a organização e funcionamento do

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2795 ERNESTO GUILHERME KELLER FILHO, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI MUNICIPAL Nº 2795 ERNESTO GUILHERME KELLER FILHO, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI MUNICIPAL Nº 2795 Consolida a legislação sobre veículos de aluguel, licenciamento, lotação trânsito e dá outras providências. ERNESTO GUILHERME KELLER FILHO, PREFEITO MUNICIPAL DE CARAZINHO, ESTADO

Leia mais

Instrução Normativa 002/2009

Instrução Normativa 002/2009 Instrução Normativa 002/2009 Estabelece normas e procedimentos para a utilização de veículos oficiais do Município de Laranjeiras do Sul. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU SALVADOR BA APROVADA NA REUNIÃO DE 16/02/2006 S U M Á R I O 1 - Objetivo 2 - Âmbito de aplicação 3 - Competências 4 - Definições

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 085/01

LEI COMPLEMENTAR Nº 085/01 LEI COMPLEMENTAR Nº 085/01 DISPÕE SOBRE O SERVIÇO DE TÁXI NO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber a todos os habitantes do município de Florianópolis, que a Câmara de Vereadores

Leia mais

LEI Nº 3.741, DE 08/11/2013.

LEI Nº 3.741, DE 08/11/2013. LEI Nº 3.741, DE 08/11/2013. DISPÕE SOBRE O SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ARACRUZ, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO; FAÇO SABER QUE A CÂMARA

Leia mais

SEÇÃO II DA TAXA DE LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS

SEÇÃO II DA TAXA DE LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS CAPÍTULO II DAS TAXAS DECORRENTES DO EXERCÍCIO DO PODER DE POLÍCIA ADMINISTRATIVA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 82 - As taxas de licença têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia

Leia mais

Neste manual você também pode consultar todas as penalidades do Código de Trânsito Brasileiro, bem como seus direitos e deveres.

Neste manual você também pode consultar todas as penalidades do Código de Trânsito Brasileiro, bem como seus direitos e deveres. Controle de Multas O smartlist de Controle de Multas destina-se a controlar todas as multas do condutor de veículos. Valores, prazos de pagamento, pontos da Carteira de Habilitação e penalidades recebidas.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº /05

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº /05 MINUTA 1 TERMO DE CONTRATO Tomada de Preços nº 010/05 Processo nº 10.091/05 Contratante: Prefeitura Municipal de Franca Contratada: Valor: R$ ( ) OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM TRANSPORTE

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2.

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. Disciplina o serviço de transporte de passageiros em veículos de aluguel (táxi). A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ, ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1072, DE 02 DE MAIO DE 2008. Regulamenta a Lei nº 8.622, de 26 de março de 2008, e altera o Regulamento do Serviço de Moto-táxi. O PREFEITO DE GOIÂNIA,

Leia mais

PORTARIA Nº 7.465, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 7.465, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2012. PORTARIA Nº 7.465, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe quanto à integração, desvinculação, desfazimento, classificação, destinação, uso, identificação e controle, relacionados aos veículos oficiais da frota

Leia mais