Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2"

Transcrição

1 Testes de Software

2 Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2

3 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação o programa está de acordo com as expectativas do cliente (construímos o esperado?) É necessário 1. Identificar as faltas que estão na origem das falhas testar 2. Corrigir e remover as faltas depurar Testes de Software 3

4 Falhas, Erros e Faltas Erro uma acção humana que produz faltas de software Falta é um estado incoerente do software provocado por um erro Falha um desvio vísivel do comportamento esperado do sistema Testes de Software 4

5 Causas das Falhas As causas são diversas e a sua origem está muito frequentemente associada a ruído de comunicação entre os intervenientes no processo de desenvolvimento: A especificação não está de acordo com aquilo que o cliente deseja ou necessita, devido a um requisito errado ou omisso A especificação contém um requisito que é impossível de implementar O desenho do sistema possui uma falta que impede a implementação de um requisito O desenho do programa ou a sua implementação podem estar errados Testes de Software 5

6 Organização dos Testes Teste de Unidade Verifica a funcionalidade dos componentes para os diversos tipos de entradas Teste de Integração Verifica se os componentes funcionam conjuntamente como especificado no desenho do sistema Teste da Funcionalidade Verifica se as funcionalidades descritas na especificação de requisitos são executadas pelo sistema integrado Testes de Software 6

7 Organização dos Testes Teste da Não-Funcionalidade Verifica se o sistema integrado satisfaz os requisitos não-funcionais Teste de Aceitação Valida os requisitos do utilizador/cliente de acordo com o documento de requisitos Teste de Instalação Assegura que o sistema funciona no ambiente onde será usado Testes de Software 7

8 Equipa de Testes A equipa de desenvolvimento faz testes de unidade e de integração A equipa de testes faz o teste da funcionalidade, nãofuncionalidade,... Os testes podem por em causa os programadores pelo que deve ser definido um contexto de teste onde os programadores são vistos como parte de um sistema e não os directos responsáveis pelas faltas Testes de Software 8

9 Quando Parar de Testar? Pode-se alguma vez ter a certeza de que não existem mais faltas? Probabilidade de existirem mais faltas Número de faltas encontradas Testes de Software 9

10 Teste de Unidade Verifica a funcionalidade dos componentes para os diversos tipos de entradas Testes de Software 10

11 Testar os Programas Os testes são uma série de experiências que dizem como é que o programa vai funcionar no seu ambiente de execução Um caso de teste define uma escolha particular de dados de entrada que devem ser usados para testar o programa Um teste é um conjunto finito de casos de teste Testes de Software 11

12 Estratégias de Teste Caixa Fechada os testes são feitos ignorando a estrutura interna do objecto verificando apenas quais são as saídas produzidas para cada entrada Pode não permitir escolher um conjunto significativo de casos de teste Caixa Aberta os testes têm em consideração a estrutura do objecto a ser testado para o testar de diferentes formas Pode ser difícil testar todos os caminhos Testes de Software 12

13 Processo de Testes 1. Definir o objectivo dos testes Todos as instruções executam adequadamente Todas as funções executam correctamente 2. Escolher a estratégia de teste e identificar os casos de teste caixa fechada: identificar todas as possíveis classes de entradas, valores de a, b e c caixa aberta: examinar o código do módulo, valor de b 2-4ac 3. Executar os casos de teste 4. Comparar os resultados Testes de Software 13

14 Dados de Teste Os dados de teste devem ser agrupados em classes com as seguintes propriedades 1. Qualquer possível entrada pertence a uma das classes 2. Nenhuma entrada pertence a mais do que uma das classes 3. Se a execução mostra uma falta para uma entrada então a execução para qualquer outra entrada da classe deve mostrar a mesma falta Testes de Software 14

15 Profundidade de Teste Cobertura de Instrução cada instrução do componente é executado pelo menos uma vez Cobertura de Ramo para cada ponto de decisão do código, cada alternativa é executada pelo menos uma vez Cobertura de Caminho cada caminho distinto através do código é executado pelo menos uma vez Testes de Software 15

16 Número de Casos de Testes POINTER = FALSE 1 2 X > K? YES POINTER = TRUE 3 NO X = X CALL SUB (X, POINTER, RESULT) 5 6 RESULT > 0? YES PRINT RESULT 7 NO Testes de Software 16

17 Número de Casos de Testes Cobertura de instrução Cobertura de ramo Cobertura de caminho Testes de Software 17

18 Teste de Integração Verifica se os componentes funcionam conjuntamente como especificado no desenho do sistema Testes de Software 18

19 Objectivo e Estratégias O teste de integração combina os componentes, que foram testados individualmente, num sistema Existem várias estratégias Integração de Big-Bang Integração de Baixo-Para-Cima Integração de Cima-Para-Baixo... Testes de Software 19

20 Hierarquia de Componentes A B C D E F G Testes de Software 20

21 Integração de Big-Bang Teste B Teste D Teste F Teste A Teste C Teste E Teste G Teste A,B,C,D, E,F,G Testes de Software 21

22 Integração de Big-Bang Difícil localizar a causa das falhas pois todos os componentes são integrados de uma vez só As faltas de interface entre componentes não podem ser facilmente distinguidas de outros tipos de faltas Testes de Software 22

23 Integração de Baixo-Para-Cima Cada componente dos níveis mais baixos da hierarquia do sistema é testado individualmente primeiro Os componentes a testar a seguir são os que invocam os de baixo (+) adequada à programação com objectos (-) os componentes de topo (no paradigma de desenvolvimento funcional) são normalmente os mais importantes a ser testados Testes de Software 23

24 Integração de Cima-Para-Baixo Os componentes de topo são testados isoladamente Todos os componentes invocados pelos componentes já testados são integrados e testados conjuntamente Teste A Teste A,B,C,D Teste A,B,C,D, E,F,G Testes de Software 24

25 Integração de Cima-Para-Baixo (+) todos os aspectos e faltas associados aos aspectos funcionais podem ser detectados logo de inicio (-) é necessário definir stubs para simular os componentes abaixo (-) a escrita de stubs pode ser difícil devido ao elevado número de condições a ser testadas (-) os stubs têm de ser testados para se verificar da sua correcção (-) é requerido um grande número de stubs Testes de Software 25

26 Teste da Funcionalidade Testa o que o sistema deve fazer de acordo com os requisitos funcionais do sistema Para facilitar a detecção da causa de um problema deve-se: Escolher cuidadosamente a ordem pela qual as funcionalidades são testadas Começar o teste da funcionalidade ainda antes de o sistema estar completamente construído Testes de Software 26

27 Teste da Funcionalidade O teste deve: Ter uma grande probabilidade de detectar uma falta Utilizar uma equipa de testes independente dos programadores Saber quais são as acções e as saídas esperadas Testar entradas válidas e inválidas Nunca alterar o sistema apenas para tornar os testes mais simples Ter um critério de paragem Testes de Software 27

28 Teste da Não-Funcionalidade Testa os requisitos não funcionais do sistema São difíceis de gerir e requerem que os requisitos não funcionais tenham sido escritos de modo a serem testáveis Testes de Software 28

29 Tipos de Teste NF Carga testa no contexto de um grande número de utilizadores Volume testa o tratamento de uma grande quantidade de dados Configuração testa as várias configurações de software e de hardware Compatibilidade testa as interfaces entre sistemas Operacional testa de acordo com os perfis de utilização Testes de Software 29

30 Tipos de Teste NF Segurança testa a confidencialidade e integridade de dados e serviços Desempenho testa o tempo de resposta Qualidade testa a fiabilidade, disponibilidade e facilidade de manutenção do sistema Recuperação testa a resposta à presença de faltas ou perdas de informação Testes de Software 30

31 Tipos de Teste NF Manutenção testa as ferramentas de diagnóstico e procedimentos de ajuda para localizar a origem dos problemas Documentação verifica a coerência e existência de documentos Factores Humanos investiga os aspectos relacionados com a interface utilizador, facilidade de utilização,... (usabilidade) Testes de Software 31

32 Testes de Aceitação O cliente dirige os testes e define os casos a testar de modo a permitir que os clientes e utilizadores determinem se o sistema realmente satisfaz as suas necessidades e expectativas Os testes de aceitação permitem que o cliente verifique o que deseja mesmo que não esteja nos requisitos Testes de Software 32

33 Tipos de Teste Aceitação Piloto instala o sistema numa base experimental e espera que a utilização diária teste todas as funções do sistema Os testes alfa têm lugar no local onde o software foi desenvolvido Os testes beta são testes piloto no local do cliente Testes de Software 33

34 Tipos de Teste Aceitação Benchmark o cliente usa um conjunto de casos de teste que representam as condições típicas de utilização. Pode servir para escolher entre vários sistemas Testes paralelos possibilitam que o sistema execute em paralelo com a versão anterior Testes de Software 34

35 Testes de Instalação Testes finais que envolvem a instalação do sistema no local do cliente e dos utilizadores Após a instalação, testes regressivos têm lugar para assegurar que o sistema funciona no local de operação Quando o cliente está satisfeito com os resultados, os testes estão completos e o sistema é formalmente entregue Testes de Software 35

36 Conclusões P107 Seguir os Testes até aos Requisitos Que requisitos são verificados por cada teste? P108 Planear os Testes Desde Muito Cedo Desenvolver os componentes na ordem mais adequada para os testes Testes de Software 36

37 Conclusões P111 Os Testes Expõem a Existência de Faltas Os testes aumentam a confiança mas não demonstram que o programa está correcto P112 Falácia da Ausência de Erros Um sistema sem erros pode não fazer o que é pedido P113 Um Teste bem Sucedido Encontra um Erro Testes de Software 37

38 Conclusões P114 50% dos Erros estão em 15% dos Módulos P115 Utilizar Testes de Caixa Fechada e de Caixa Aberta P116 Um Caso de Teste Inclui os Resultados Esperados Testes de Software 38

39 Conclusões P117 Testar Entradas Inválidas P118 Fazer Testes de Carga P121 Utilizar Métricas de Terminação de Teste Percentagem de novos erros detectados por semana Percentagem de erros semeados e encontrados... Testes de Software 39

40 Conclusões P122 Conseguir uma Cobertura Eficaz dos Testes Cobertura de instrução,... P125 Analisar as Causas dos Erros Informar os restantes elementos da equipa de desenvolvimento P126 Não Tomar os Erros Pessoalmente Testes de Software 40

41 Referências Pfleeger98, Capítulo 7 (7.1, 7.2, apenas parte de Testing Program Components de 7.3, 7.4, 7.6 e início de 7.8) e 8 (8.2, 8.3, 8.5 e 8.6). Também não foram cobertas as seguintes partes: Orthogonal Defect Classification p282 Cause-and-Effect Graph p345 David95, Alguns Princípios do Capítulo 6. Testes de Software 41

Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani. Teste de Software

Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani. Teste de Software Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani Teste de Software Técnicas de Teste de Software Testabilidade Operabilidade; Observabilidade; Controlabilidade; Decomponibilidade; Simplicidade; Estabilidade;

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 8 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 8-17/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Testes de Software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Causas de faltas e falhas de software Requisitos errados: não é o que o cliente pretende

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Testes de Software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Causas de faltas e falhas de software Requisitos errados: não é o que o cliente pretende

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3 Testes Versão 0.3 ori_visao_conceitual_testes.odt 1 de 10 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/04/2010 0.1 Versão inicial Fernanda Monteiro 07/10/10 0.2 Verificação ortográfica Ana Eckel

Leia mais

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 60 minutos 1. Considerando as seguintes afirmações: I. 100% de cobertura de sentença (comando) garante 100% de cobertura de desvio II. 100% de cobertura de desvio

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução... 2 2 SLAs a aplicar

Leia mais

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos Teste de defeitos Teste de Software Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema Ian Sommerville 2000 Software Engineering, 6th edition. Chapter 20 Slide 1 Ian Sommerville 2000

Leia mais

IV.4 Análise de Dados da Avaliação

IV.4 Análise de Dados da Avaliação Melhor e Pior? IV - Avaliação IV.4 Análise de Dados da Avaliação Interactive System Design, Cap. 10, William Newman IV.4 Análise de Dados da Avaliação 2 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior! Avaliação com

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

1. Introdução ao teste de software 2. Testes em um ciclo de vida de software 3. Especificado vs. Implementado 4. Preenchendo um modelo de

1. Introdução ao teste de software 2. Testes em um ciclo de vida de software 3. Especificado vs. Implementado 4. Preenchendo um modelo de Gustavo Lopes 1. Introdução ao teste de software 2. Testes em um ciclo de vida de software 3. Especificado vs. Implementado 4. Preenchendo um modelo de especificação de testes 5. Técnicas para construção

Leia mais

B.I.S.T. Built-In Self Test

B.I.S.T. Built-In Self Test Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado de Engenharia Electrotécnica Automação e Sistemas Disciplina de Síntese Alto Nível de Componentes Programáveis B.I.S.T. Built-In Self Test Elaborado por:

Leia mais

Diagrama de transição de Estados (DTE)

Diagrama de transição de Estados (DTE) Diagrama de transição de Estados (DTE) O DTE é uma ferramenta de modelação poderosa para descrever o comportamento do sistema dependente do tempo. A necessidade de uma ferramenta deste tipo surgiu das

Leia mais

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída DCC / ICEx / UFMG Testes de Software Testes de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Teste de software buscam por erros ou anomalias em requisitos funcionais e não funcionais Classificação

Leia mais

Testes de Software Fases. Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins

Testes de Software Fases. Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins Testes de Software Fases Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins Tópicos Testes de Unidades Testes de Integração Testes de Aceitação e de Sistemas Testes de Regressão Testes de Unidades Visam

Leia mais

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1 1-Estratégia Global 1.1-Visão Global de Estratégias Para Teste A estratégia

Leia mais

Unidade VI. Validação e Verificação de Software Teste de Software. Conteúdo. Técnicas de Teste. Estratégias de Teste

Unidade VI. Validação e Verificação de Software Teste de Software. Conteúdo. Técnicas de Teste. Estratégias de Teste Unidade VI Validação e Verificação de Software Teste de Software Profa. Dra. Sandra Fabbri Conteúdo Técnicas de Teste Funcional Estrutural Baseada em Erros Estratégias de Teste Teste de Unidade Teste de

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

Princípios do teste de software

Princípios do teste de software Teste de Software Princípios do teste de software Conforme a Lei de Pareto, 80% dos erros podem ser localizados em 20% do projeto, geralmente nos módulos principais do sistema; A atividade de teste não

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste)

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste) Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software (Tipos de Teste) Av. Conde de Valbom, nº 30 8º 1050-068 Lisboa Telf: +351 213 510 540 Fax: +351 213 510 549 Controlo do Documento Elaborado

Leia mais

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento Desenvolvimento Iterativo Esta abordagem ao desenvolvimento assegura que o sistema cresce de forma incremental assegura que a complexidade se mantém controlada permite ainda obter rápido feedback de várias

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional Tolerância a Faltas Sistema Computacional Sistema computacional: Formado por um conjunto de componentes internas Contém um estado interno Está sujeito a um conjunto de entradas, ou estímulos externos Tem

Leia mais

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança SQS Software Quality Systems SQS Portugal Apresentação A SQS Portugal - Software Quality Systems, é uma empresa especializada em ajudar os seus clientes

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Engenharia de software A economia de todos os países desenvolvidos depende do software. O

Leia mais

Sumário. Engenharia de Software. Gestão da Complexidade. Objectivos. Engenharia de Software

Sumário. Engenharia de Software. Gestão da Complexidade. Objectivos. Engenharia de Software Engenharia de Software Engenharia de Software António Rito Silva Rito.Silva@inesc-id.pt Objectivos Problemas Qualidades Técnicas Conclusões Referências Sumário Engenharia de Software 2 Objectivos A engenharia

Leia mais

Prof. Esp. Anderson Barbosa

Prof. Esp. Anderson Barbosa Prof. Esp. Anderson Barbosa Entregar o produto final dentro das expectativas de qualidade dos usuários; Dentro do prazo e custo do projeto; Dentro dos níveis de erros esperados; Atender aos requisitos

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Limitações dos Computadores

Limitações dos Computadores Limitações dos Computadores Baseado em Computers Ltd. What they really can t do, David Harel. Oxford University Press, 2000. Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 2004/07

Leia mais

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação 070112=SINFIC HM Processo Manutencao MSI.doc, Página 1 Ex.mo(s) Senhor(es): A SINFIC agradece a possibilidade de poder apresentar uma proposta

Leia mais

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade?

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade? Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 30 minutos 1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? a) Acompanhamento b) Revisão técnica c) Revisão informal d) Aprovação da gerência 2. Qual

Leia mais

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída DCC / ICEx / UFMG Testes de Software Testes de Software Teste de software buscam por erros ou anomalias em requisitos funcionais e não funcionais Classificação de testes pelo objetivo Teste de Validação:

Leia mais

Gerência de Redes Áreas Funcionais de Gerenciamento. Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com

Gerência de Redes Áreas Funcionais de Gerenciamento. Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com Gerência de Redes de Gerenciamento Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com de Gerenciamento Gerenciamento de Falhas; Gerenciamento de Desempenho; Gerenciamento de Contabilização; Gerenciamento de Configuração;

Leia mais

Desenho de Software. Desenho de Software 1

Desenho de Software. Desenho de Software 1 Desenho de Software Desenho de Software 1 Sumário Caracterização Conceitos fundamentais Desenho funcional e desenho OO Qualidades Desenho de Software 2 Bibliografia Pfleeger, Capítulo 6 Design the Modules

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

www.klueng.com info@klueng.com

www.klueng.com info@klueng.com SIMULAÇÃO ESTRUTURAL Descrição do caso: Um fabricante de compressores, em um dos seus modelos de baixa capacidade, recebia constantemente reclamos de seus clientes devido à cobertura do mesmo, esta em

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Testes em aplicações WEB Uma Visão Geral Programa de Capacitação em Testes de Software Desktop system WEB system Ambiente de aplicativo da Web Rede de

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 14 de Dezembro de 2013

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL v.3

Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame simulado B, versão 3.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Não existem perguntas capciosas.

Leia mais

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 02 Planejamento dos Testes Plano de Teste Análise de Risco

Leia mais

Versão Final do Projecto. Versão Final do Projecto ( http://www.vmnf.net/vmnf/ist/meic/cadeiras/12-immi/projecto/ )

Versão Final do Projecto. Versão Final do Projecto ( http://www.vmnf.net/vmnf/ist/meic/cadeiras/12-immi/projecto/ ) Versão Final do Projecto ( http://www.vmnf.net/vmnf/ist/meic/cadeiras/12-immi/projecto/ ) Navegador Multimodal de Imagens (NavMI( NavMI) vmnf@yahoo.com (v3.00-2005/07/11) Agenda Projecto NavMI O que é?

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 14 Revisão http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 14-07/05/2006 1 Processo de Software Qual é a diferença entre uma atividade de arcabouço e uma atividade guarda chuva?

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Verificação e Validação

Verificação e Validação Verificação e Validação Patrícia Macedo Joaquim Filipe João Ascenso 2005/2006 EST, Setúbal Verificação e Validação Verificação Garante que o software cumpre as especificações Consistência interna Estamos

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio ÍNDICE 1. Descrição da empresa 2. Descrição do problema 2.1 Subcontratação da produção 2.2 Relacionamento da empresa 2.3 Dois departamentos de qualidade 2.4 Inspecções actualmente efectuadas 2.5 Não conformidades

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Natasha de Souza Arruda natasha.arruda@ig.com.br FGS Resumo:Engenharia de Requisitos é um dos processos fundamentais para o desenvolvimento de software.

Leia mais

Técnicas de Teste de Software

Técnicas de Teste de Software Técnicas de Teste de Software Fabrício Sousa fabricio@uesb.br Projeto de Caso de Teste Conjunto de técnicas para criação de casos de testes Série de casos de testes que tem grande probabilidade de encontrar

Leia mais

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos. Interrupções Uma interrupção é equivalente a uma chamada de procedimento. A chamada é equivalente a um CALL gerado pela execução de uma instrução. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Teste e Depuração de Sistemas Web Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Testando Aplicações Web Ê É bem mais complicado testar interfaces Web do que classes de objetos Ê Aplicações WEB não

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education Sistemas Críticos Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade Objetivos Explicar o que significa um sistema crítico, e onde a falha de sistema pode ter conseqüência severa humana ou econômica. Explicar quatro

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 30 de Novembro

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE GARANTIA WALLFUTURE 1 Descrição das Garantias WALLFUTURE 1.1 A Garantia WALLFUTURE destina-se a repor a normalidade

Leia mais

1 Detecção e correcção de erros 1 1.1 Erros sintáticos... 1 1.2 Erros de execução... 2 1.3 Erros semânticos... 5 1.4 Erros semânticos...

1 Detecção e correcção de erros 1 1.1 Erros sintáticos... 1 1.2 Erros de execução... 2 1.3 Erros semânticos... 5 1.4 Erros semânticos... Nesta aula... Conteúdo 1 Detecção e correcção de erros 1 1.1 Erros sintáticos............................. 1 1.2 Erros de execução............................ 2 1.3 Erros semânticos............................

Leia mais

Pesquisa experimental

Pesquisa experimental 1 Aula 7 Interação Humano-Computador (com foco em métodos de pesquisa) Prof. Dr. Osvaldo Luiz de Oliveira 2 Pesquisa experimental Wilhelm Wundt (1832-1920), Pai da Psicologia Experimental. Leituras obrigatórias:

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

Estratégias de Teste de Software. Fabrício de Sousa

Estratégias de Teste de Software. Fabrício de Sousa Estratégias de Teste de Software Fabrício de Sousa O que é Teste? Processo de executar um programa com a intenção de descobrir um erro Um teste bem-sucedido é aquele que revela um erro ainda não descoberto.

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Teste de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005 Slide

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO

AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO Alison Luis Kohl Diego Luis Eckstein Flávio Pedroso AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO Ergonomia de Interfaces; Usabilidade dos Sistemas. Problema de ergonomia e de usabilidade *Eficácia

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

Engenharia de Requisitos 2 - Conceitos Básicos da Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos 2 - Conceitos Básicos da Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos 2 - Conceitos Básicos da Engenharia de Requisitos Pedro Campos Professor Auxiliar, Universidade da Madeira http://dme.uma.pt/pcampos - pcampos@uma.pt 1 O que é a engenharia? A

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

*Os usuários devem possuir um CMA ou um Resource Manager registrado de modo a ativar as capacidades de geração de relatórios.

*Os usuários devem possuir um CMA ou um Resource Manager registrado de modo a ativar as capacidades de geração de relatórios. DESCRITIVO DE SERVIÇOS Serviço Advantage O Serviço Advantage é uma oferta de suporte que proporciona assistência técnica telefônica prioritária 24x7 para clientes de porte médio e corporativos que tenham

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 2 INFRAESTRUTURA DE TI Para garantir o atendimento às necessidades do negócio, a área de TI passou a investir na infraestrutura do setor, ampliando-a,

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais