COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE"

Transcrição

1 COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

2

3 DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário. QUALIFICADO APLICAR É qualificado para aplicar seu conhecimento. É capaz de desempenhar com pouca ou nenhuma assistência sob circunstâncias normais. EXPERIENTE APRIMORAR É experiente o suficiente para aprimorar.tem conhecimento avançado e experiência significativa. É capaz de desempenhar de forma autônoma em um ambiente complexo e de propor aprimoramentos. É capaz de capacitar/treinar/desenvolver colaboradores de nível mais júnior. MASTER INOVAR Domina o suficiente para inovar. Tem conhecimento de ponta e vasta experiência. Capaz de desempenhar em todos os ambientes e de inovar. É reconhecido como referência transferindo conhecimento e experiência a outros.

4 COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QASA NEGÓCIO E CONSUMIDOR 1. Contribuição da Qualidade para a estratégia do negócio 2. Gestão de projetos e de portfólio 3. Gestão de clientes e consumidores TÉCNICA E CIÊNCIA 4. Formulação, processo e equipamentos 5. Ciências dos Alimentos SISTEMAS E MÉTODOS 6. Sistemas de Gestão de Qualidade e de Segurança Alimentar 7. Gestão e análise de risco 8. Resolução de Problemas - PDCA CONFORMIDADES 9. Sustentabilidade e Meio Ambiente 10. Regulamentação Alimentar

5 1 Contribuição da Qualidade para a Estratégia do Negócio Habilidade para: > Agregar valor para a realização dos desafios de negócio da CBU SABER > Conhece e compreende os objetivos globais do negócio e a contribuição da estratégia de Qualidade de sua CBU para o alcance destes objetivos > Compreende o plano de negócio de Qualidade de sua CBU e entende sua contribuição > Compreende os KPI s relevantes e os considera em suas ações e relatórios > Assegura que suas ações estejam alinhadas com os objetivos de Qualidade APLICAR > Considera as limitações e oportunidades da CBU em suas ações > Contribui para a elaboração e a implementação do Plano de Negócio da Qualidade > Analisa oportunidades versus objetivo traçado e contribui para a implementação de planos de ação corretivos > Integra e participa ativamente na gestão de mudanças nos projetos APRIMORAR > Define objetivos de médio prazo e assegura que estes objetivos estejam alinhados com a estratégia corporativa da CBU/WWBU > Faz recomendações para a elaboração do Plano de Negócio da Qualidade > Gerencia e assegura o acompanhamento do Plano de Negócio da Qualidade em seu campo de atuação > Lidera Projetos de gestão de mudanças em sua CBU INOVAR > Antecipa a evolução de desafios de negócio de longo prazo da CBU/WWBU > Considera os desafios corporativos da CBU/WWBU para desenhar e vender o Plano de Negócio da Qualidade > Gerencia o acompanhamento do Plano de Negócio da Qualidade integrando e capacitando equipes multifuncionais > Recomenda e gerencia projetos de gestão de mudanças da WWBU

6 2 Gestão de Projetos e Portfólio Habilidade para: > Gerenciar projetos de Qualidade e contribuir para projetos transversais da CBU agregando valor através de visão voltada para a Qualidade SABER > Conhece e aplica os princípios de gestão de projetos na Danone > Compreende as dificuldades dos projetos e contribui eficientemente > Organiza o investimento de seu tempo entre responsabilidades funcionais e projetos, sabendo priorizar APLICAR > Gerencia com autonomia projetos simples > Para cada etapa de um projeto, conduz a análise de risco, comunica os resultados e propõe plano de ação antecipando e gerenciando os riscos > Gerencia total ou parcialmente uma ampla gama de projetos (projetos transversais ou multifuncionais) > Define projetos em sua área APRIMORAR > Gerencia projeto(s) de larga abrangência > Contribui eficientemente para todas as etapas dos projetos: análise de riscos relevantes e recomendações, acompanha o cronograma e tem influência nos membros da equipe de projetos > Antecipa oportunidades e riscos em cada etapa do projeto e propõe ações relevantes para gerenciá-los > Identifica e adapta métodos levando em consideração o contexto específico de um projeto > Controla e coordena a carteira de projetos que tem impacto em sua área de atuação (priorização, alocação de recursos humanos e financeiros) INOVAR > Patrocina Projetos de Qualidade ou transversais de sua CBU > Propõe e cria novos projetos respondendo à estratégia da CBU > Em sua área, promove ideias inovadoras e as vende para ganhar apoio (comunicação, rede de relacionamentos) > Identifica os projetos da CBU que requerem a participação e o envolvimento funcional de Qualidade e promove sua intervenção > Gerencia em sua totalidade a carteira de projetos de Qualidade (recursos, meios, comunicação)

7 3 Gestão de Clientes e Consumidores Habilidade para: > Medir a satisfação de clientes e consumidores > Antecipar as expectativas de clientes e consumidores para melhorar a fidelidade à marca > Identificar oportunidades de negócio por meio do feedback de consumidores. SABER > Compreende a organização e os processos usados para ouvir os clientes e consumidores e coletar dados > Usa apropriadamente ferramentas de coleta de dados e relatórios > Conhece e acompanha os principais KPI s de gerenciamento de clientes e consumidores > Transforma dados em informação relevante, gráficos > Tem conhecimento básico de ferramentas estatísticas APLICAR > Identifica problemas e informa seu superior > Analisa feedback e o traduz em recomendações e planos de ação > Acompanha a efetividade de ações por meio dos KPI s > Conhece e aplica ferramentas estatísticas e métodos específicos, usados para avaliar a satisfação do consumidor > Promove benchmark para avaliar o nível de desempenho da CBU > Utiliza termos técnicos compreensíveis com consumidores APRIMORAR > Identifica e informa sobre potenciais problemas críticos por meio de análise prévia dos indícios > Gerencia um call-center e mede a conformidade de Nível de Serviço (tempo de resposta, repetição etc.) > Faz benchmark de boas práticas com companhias reconhecidas na mesma área de atuação ou não > Gerencia planos de ação para melhoria contínua > Representa e protege os interesses dos consumidores na Danone INOVAR > Define KPI s relevantes para avaliar a satisfação de clientes e consumidores > Influencia a organização por meio de feedback de consumidores para gerenciar mudança e melhoria, baseado em dados e números > Gerencia o feedback a clientes e consumidores de uma forma positiva criando oportunidades de negócios > Antecipa o impacto de riscos ou problemas > Recomenda, gerencia e desenvolve a organização para captar feedback de clientes e consumidores com uma mentalidade inovadora > Encoraja e gerencia uma mentalidade de benchmark e antecipa mudanças

8 4 Formulação, processo e equipamentos Habilidade para: > Contribuir com ou ser responsável por inovação de matérias-primas e embalagens, produtos e processos SABER > Compreende e aplica conhecimentos básicos de tecnologia e processamento de alimentos > Compreende e reporta KPI s, parâmetros relevantes, padrões > Participa em projetos de formulação e especificações de equipamentos e processos > Identifica problemas, oportunidades nos requisitos de qualidade/segurança de alimentos e os leva à gerência APLICAR > Implementa requerimentos de qualidade/segurança de alimentos > Prepara uma análise de risco e traça planos de ação (antecipa reações adversas entre matérias-primas e embalagens ao longo do processo industrial) > Define KPI s, parametriza objetivos e padrões > Propõe melhorias (matérias-primas e embalagens, processos, equipamentos) de modo a maximizar qualidade, segurança alimentar e eficiência APRIMORAR > Gerencia a implementação de melhorias (matérias-primas e embalagens, processo, equipamentos) de modo a maximizar qualidade, segurança alimentar e eficiência: identifica oportunidades e assegura que as ferramentas estejam disponíveis > Realiza uma análise de risco e identifica e apresenta o plano de ação para todas as funções necessárias > Acompanha KPI s e os revisa periodicamente > Desafia especificações e recomendações solicitadas por Operações ou R&D > Antecipa, desafia e apoia demais funções em inovações/mudanças (processos, especificações, matérias-primas e embalagens, equipamentos, tecnologia) INOVAR > Inicia e implementa novos projetos (produtividade, melhoria de qualidade) > Assegura que a totalidade dos processos e recursos para gerenciar os projetos são relevantes para o projeto e para a CBU > Define metas e planos de ação para desenvolver a expertise de Qualidade e difundir sua mentalidade em outras funções > Valida especificações e recomendações fornecidas por Operações ou R&D > Define padrões de qualidade

9 5 Ciências dos alimentos Habilidade para: > Conhecer os requisitos de ciências dos alimentos adequados para o negócio SABER > Tem o conhecimento básico de matérias-primas, embalagens e produtos acabados, requeridos para compreender o ambiente interno (química, microbiologia, física) > Compreende resultados de análises e controla a conformidade em relação aos padrões > Tem o conhecimento básico de organoléptica e análise sensorial requeridos para compreender o ambiente interno > Tem o conhecimento básico de toxicologia e alergênicos requeridos para compreender segurança alimentar APLICAR > Implementa planos de ação de conformidade no que se refere aos padrões > Desenvolve um conhecimento aprofundado em uma área específica e é ponto de contato com fornecedores ou colegas > Analisa e resolve problemas simples em sua área de conhecimento > Transmite conhecimento de ferramentas de controle e análises específicas em sua área > Acompanha os KPI s, analisa as oportunidades e define ações APRIMORAR > Desenha os planos de melhoria de qualidade e segurança alimentar e coordena sua implementação > Identifica a especialização requerida para resolução de problemas e coordena as implementações > Contribui para o estabelecimento de KPI s e padrões > Analisa elementos complexos em um ambiente complexo, estabelece e vende os planos de melhoria e coordena sua implementação > Transmite sua expertise e conhecimento no campo de métodos analíticos e controle para sua equipe assim como para outros INOVAR > Desenvolve um conhecimento aprofundado em um campo de atividade específico e tem um papel de especialista na organização > Constitui uma rede de relacionamentos com especialistas e gerencia estudos internos e externos de matériasprimas e embalagens > Desenvolve métodos e ferramentas de gestão de conhecimento, de modo a compartilhar e transferir o conhecimento > Identifica conhecimento, evoluções de ferramentas e métodos, antecipa sua implementação no Grupo e desenvolve as competências necessárias

10 6 Sistemas de Gestão de Qualidade e Segurança de Alimentos Habilidade para: > Sistemas de Gestão de Qualidade e Segurança de Alimentos SABER > Conhece as ferramentas básicas para Sistemas de Gestão de Qualidade e de Segurança Alimentar > Trabalha com outros departamentos usando ferramentas adequadas para Gestão de Qualidade e de Segurança Alimentar > Contribui ativamente para a realização de procedimentos diários e atividades com outros departamentos > Contribui para a realização de auditorias APLICAR > Implementa sistemas de QASA, ferramentas e as apresenta para outras funções como pré-requisitos no dia a dia do negócio (treinamento, comunicação) > Para novos procedimentos de QASA, assegura coerência com os processos de outras funções > Contribui ativamente para os procedimentos de rotina juntamente com outros departamentos > Organiza e anima planos de comunicação referentes ao sistema de gestão de qualidade e segurança alimentar > Contribui para a preparação de auditorias externas e conduz auditorias internas ou de fornecedores APRIMORAR > Define e gerencia Sistemas de Qualidade e de Segurança Alimentar com métodos e comportamentos adequados e em coerência com a estratégia de Qualidade > Identifica e lidera melhorias de QASA e processos multifuncionais, de modo a melhorar a eficiência de sistemas de Qualidade e a coerência com a estratégia de Qualidade > Convence todas as funções das mudanças necessárias > Desenvolve eficiência das equipes por meio de planos de treinamento e planos de comunicação > Gerencia auditorias de certificação de processo SMQFS (auditoria, planos de ação, comunicação) INOVAR > Antecipa necessidades importantes do negócio e adapta os sistemas de gestão da qualidade e segurança alimentar continuamente > Desafia a CBU a desenvolver os sistemas em cada departamento e assegura eficiência multifuncionalmente > Conduz a companhia na direção de constante melhoria ao assegurar procedimentos e atividades adequados > Está ciente das maiores evoluções de sistemas e antecipa sua aplicação para o Grupo

11 7 Análise e Gestão de riscos Habilidade para: > Antecipar, avaliar e escalar riscos, de modo a recomendar e implementar soluções para gerenciá-los SABER > Conhece os riscos em sua área e as ações necessárias para gerenciá-los > Está familiarizado com o sistema de gerenciamento de riscos de sua organização > Conhece e implementa os métodos de análise de riscos (HACCP ou outros e análise de risco de projetos) > Integra análise de riscos em suas ações diárias e informa a gerência se necessário APLICAR > Contribui para a implementação e revisão dos planos HACCP ou outros > Antecipa o impacto de suas ações no que se refere a risco e usa o conhecimento necessário para gerenciar os impactos > Lidera análise de risco e organiza os riscos em uma hierarquia > Implementa os planos de controle em projetos quando necessário > Está familiarizado com os métodos fundamentais de gerenciamento de crises da Danone APRIMORAR > Lidera o desenvolvimento de sistemas e ferramentas de gestão de riscos, incluindo os planos HACCP ou outros > Define, prioriza e assegura o acompanhamento de elementos fornecidos pelo sistema de controle de riscos em sua área > Comunica os riscos em sua área e recomenda soluções para gerenciá-los > Participa na gestão de crises de sua área INOVAR > Executa monitoramento de riscos em sua área de especialização ou de responsabilidade > Antecipa, organiza riscos em uma hierarquia e propõe ações de modo a gerenciá-los > Define, gerencia e melhora os sistemas de gerenciamento de riscos em sua área > Comunica eficientemente em relação a riscos e as formas de gerenciá-los

12 8 Sustentabilidade e meio ambiente Habilidade para: > Identificar, avaliar e medir os impactos ambientais da atividade para desenhar e implementar os planos de ação relevantes SABER > Conhece e assegura as políticas de conformidade do Grupo Danone no que se refere aos impactos ambientais da atividade > Conhece e compreende o conteúdo da ISO e prepara auditorias de conformidade > Assegura a implementação de normas, métodos e KPI s para gerenciar e monitorar impactos ambientais > Contribui para a avaliação de práticas que podem causar riscos ambientais > Participa na implementação de planos de ação ambientais APLICAR > Conhece e assegura as políticas de conformidade para regulamentação relevante em sua área > Lidera a implementação de planos de ação e monitoramento para obter a certificação ISO > Monitora e analisa o conjunto dos KPI s do Grupo e recomenda os planos de ação relevantes > Busca o envolvimento de todos os participantes em projetos ambientais por meio de comunicação e feedback, gerencia as atividades para atingir resultados > Conhece os papéis e responsabilidades de todos os participantes internos e obtém seu comprometimento para com o meio ambiente APRIMORAR > Desenha e coordena planos de ação em conformidade com a regulamentação e com as políticas da Danone > Assegura parcerias com as autoridades locais, especialistas do Grupo e gerentes operacionais > Analisa o impacto de riscos ambientais em sua atividade para fornecer a todos os participantes envolvidos o cenário completo > Estabelece planos de comunicação em ações e medidas > Identifica e constroi planos de contingência (procedimentos, definições e organização de simulações) baseados em plano de análise de risco INOVAR > Coordena análises de impacto nas atividades da CBU no que se refere a problemas ambientais > Define e inicia o estabelecimento da política ambiental para a CBU, e lidera ações para garantir a melhoria da estratégia de Qualidade na CBU > Cria e estimula uma rede de relacionamentos de líderes de opinião de modo a representar e projetar os interesses do Grupo > Cria e estimula uma rede de relacionamento com especialistas para assegurar inteligência científica e regulatória e antecipar evoluções > Lidera a gestão de crises ambientais, em linha com os métodos da Danone

13 9 Regulamentação Alimentar Habilidade para: > Compreender e conhecer as regras de regulamentação para o negócio e os produtos Antecipar e influenciar evoluções para que tenham impacto positivo no desenvolvimento do negócio Contribuir para a validação de alegações judiciais SABER > Compreende o básico de uma regulamentação nacional e internacional > Compreende o básico de nutrição > Conhece as políticas de nutrição e problemas regulatórios do Grupo/WWBU > Implementa, em sua área, processos de validação de nutrição e regulatórios > Conhece os papéis e responsabilidades dos diferentes participantes da CBU em regulamentação e envolve especialistas quando necessário APLICAR > Garante documentação necessária disponível em sua área > Está ciente das principais evoluções regulatórias e as comunica > Envolve as pessoas necessárias de regulamentação por meio de ações de comunicação, de informação e de treinamento > Valida, em sua área, que novos produtos e todas as mudanças (produtos, embalagens, rótulos etc.) estejam em conformidade com a regulamentação e a tabela nutricional APRIMORAR > Cria nova documentação quando necessário > Representa os interesses do Grupo Danone em reuniões técnicas preparando regulamentação > Gerencia as relações com as autoridades de regulamentação de alimentos em sua área > Assegura que as diretrizes nutricionais sejam amplamente aplicadas > Valida as solicitações da CBU (embalagem e publicidade) de acordo com as regras da tabela nutricional INOVAR > Define a aplicação das regras de regulamentação para a CBU e garante sua implementação > Antecipa o impacto de atualizações de regulamentação e inicia planos de ação > Representa os interesses do Grupo em conselhos internacionais e no conselho de órgãos nacionais de alimentos > Influencia as diferentes instâncias a incluir os interesses da Danone nas atualizações de regulamentação > Participa ativamente e desenvolve rede de relacionamentos com especialistas externos/concorrentes

14 10 Resolução de Problemas - PDCA Habilidade para: > Direcionar para resolução completa de problemas : «este problema não irá aparecer novamente pelos próximos dez anos» SABER > É um membro ativo de Grupos de Resolução de Problemas > Participa de fortes implementações de soluções decisivas, incluindo verificação de não recorrência APLICAR > Conhece as ferramentas clássicas de resolução de problemas > Lidera e promove Grupos de Resolução de Problemas, seguindo a lógica PDCA APRIMORAR > Valida a relevância de resolução de problemas: assegura que as causas-raiz tenham sido identificadas apropriadamente, assegura que o problema não irá aparecer novamente por pelo menos dez anos > Ajuda equipes a decidir prioridades de 1) Clientes 2) Impacto de custos (planejamento de plano de melhoria e reação a preocupações de qualidade) > Quando útil, orienta o Grupo de Resolução de Problemas por meio de ferramentas e métodos avançados (Kepner & Tregoe, Desenho de Experimento se necessário com a ajuda de um especialista externo) INOVAR > Constroi e melhora os processos diários e de médio prazo de Melhoria Contínua > Estabelece o nível de demanda no que se refere ao rigor e ao ritmo de processos de Resolução de Problemas > Organiza treinamentos e atividades relevantes para todo o pessoal > Conduz, com o Comitê de Qualidade, o Plano Geral de Melhoria Contínua de Qualidade

15 anotações

16 anotações

17 anotações

18 anotações

19 Anotações

20

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUPPLY CHAIN

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUPPLY CHAIN COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUPPLY CHAIN DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS DO COMERCIAL

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS DO COMERCIAL COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS DO COMERCIAL DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

competências FUNcioNaiS COMUNICAÇÃO INTERNA

competências FUNcioNaiS COMUNICAÇÃO INTERNA competências FUNcioNaiS COMUNICAÇÃO INTERNA DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS aprendiz SabEr Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE descrições dos níveis APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013 Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos Junho, 2013 1 Contexto Concentração espacial, econômica e técnica; Indústria é de capital intensivo e business to business

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa?

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Conselho de Administração / Alta Direção Nós estamos extraindo o maior valor possível dos nossos

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Perfis Profissionais e Modelo de Carreira da Informática em Saúde. Versão 1.0 para CONSULTA PÚBLICA

Perfis Profissionais e Modelo de Carreira da Informática em Saúde. Versão 1.0 para CONSULTA PÚBLICA Perfis Profissionais e Modelo de Carreira da Informática em Saúde Versão 1.0 para CONSULTA PÚBLICA Janeiro de 2012 SUMÁRIO 1. Estrutura dos Perfis Funcionais... 5 2. Perfis Funcionais por Área de Domínio...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

O Livro Schindler do Navegador Definindo os objetivos. Preparando o caminho. Diretrizes estratégicas para o sucesso no mercado de elevadores e

O Livro Schindler do Navegador Definindo os objetivos. Preparando o caminho. Diretrizes estratégicas para o sucesso no mercado de elevadores e O Livro Schindler do Navegador Definindo os objetivos. Preparando o caminho. Diretrizes estratégicas para o sucesso no mercado de elevadores e escadas. Jürgen Tinggren Nosso compromisso Caros colegas Miguel

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do TC 50 - Qualidade do Sistema Único de Saúde - QUALISUS,

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação Gestão de Segurança da Informação (Normas ISO 27001 e 27002) Italo Valcy Italo Valcy Seg e Auditoria de SI, 2013.1 Licença de

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (GSI/PR) OBJETIVO Identificar a Metodologia de Gestão de SIC na APF AGENDA Gestão

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Portifólio de Serviços

Portifólio de Serviços Portifólio de Serviços A PM11K conta com uma abrangência de mercado muito grande graças ao seu modelo inovador. Aqui você contrata um consultor e, junto dele, mais centenas de outros consultores em rede,

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais