PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO. Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO. Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14"

Transcrição

1 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

2

3 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14 1ª. Edição Curitiba, abril de 2015.

4 2015. Serviços de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná SEBRAE/PR Todos os direitos reservados. A produção não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (lei n ). Serviços de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná SEBRAE/PR Rua Caeté, 150 Prado Velho Curitiba, PR Telefone: Presidente do Conselho Deliberativo Edson Luiz Campagnolo Diretoria Executiva Vitor Roberto Tioqueta Julio Cezar Agostini José Gava Neto Gerência da Unidade de Negócios Competitivos Agnaldo Gerson Castanharo Coordenação PROGRAMA ALI - PARANÁ Luciana Nalon Autoria Dórian L. Bachmann (www.bachmann.com.br) Taiana Mirela Rodrigues Revisão de texto Neida Maria da C. Padilha (MEC nº ) Projeto gráfico Saulo Kozel Teixeira Diagramação e editoração SK Editora Ltda. 4 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

5 Sumário Executivo Este relatório registra o progresso na gestão da inovação nas empresas atendidas na edição do Programa Agentes Locais da Inovação, no Paraná. O Programa Agentes Locais de Inovação (ALI) é resultado de um acordo de cooperação técnica entre o SEBRAE e o CNPq, com o objetivo de promover a prática continuada de ações de inovação nas empresas de pequeno porte, por meio de orientação proativa e personalizada. A metodologia usada na avaliação foi desenvolvida pela Bachmann & Associados, com base nas 12 dimensões da inovação descritas pelo prof. Mohanbir Sawhney, da Kellogg School of Management (EUA), acrescentadas da dimensão ambiência inovadora. Foram comparadas as médias dos escores (grau de maturidade) de cada uma das dimensões da inovação, no início do atendimento e em períodos posteriores. A análise indica a evolução ocorrida, oferece algumas conclusões que podem servir de referência para estudos ou análises mais elaboradas e caracteriza as diferenças decorrentes do setor de negócio e da localização geográfica das empresas. Os resultados obtidos mostram que, no geral, houve avanço nas dimensões mensuradas, atestando o sucesso do Programa ALI. Os valores também confirmam que o Radar da Inovação tem sensibilidade às diferentes situações e é, portanto, um instrumento adequado para diagnosticar e avaliar o progresso obtido pelo Programa. As empresas mais inovadoras não são necessariamente aquelas que mais investem em P&D, mas sim as que dominam a gestão do processo de inovação. Instituto Inovação

6 Sumário Objetivo 7 Introdução 8 Radar da Inovação 9 Escala de medição 9 Horizonte temporal 10 Origem dos dados 11 Metodologia 14 Análise 15 Visão regional 21 Visão setorial 25 Agroindústria 28 Construção civil 31 Metal-mecânico 34 Moveleiro 37 Saúde 40 Software 43 Turismo 46 Varejo 49 Confecções e vestuário 52 Conclusões 55 Glossário 57 Referências 60 Anexo I Dimensões da Inovação 61 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

7 Objetivo Este texto apresenta a evolução das empresas paranaenses participantes do Programa Agentes Locais de Inovação, do SEBRAE, na implantação do processo de gestão da inovação. Ao mesmo tempo, o trabalho oferece informações que podem direcionar os esforços do SEBRAE e seus parceiros no incentivo à inovação, como forma de aumentar a competitividade das empresas de pequeno porte (EPP).

8 Introdução O Programa Agentes Locais de Inovação, iniciado em 2008 pelo SEBRAE, oferece às empresas de pequeno porte o acesso a conhecimentos e recursos que facilitam a implantação do processo de gestão da inovação, contribuindo para o aumento da competitividade das empresas. Para isso, profissionais recém-formados são treinados nos conceitos de inovação, em técnicas voltadas à busca de soluções inovadoras, e municiados com informações sobre instituições e facilidades que podem contribuir para a inovação nas empresas. Para a avaliação da maturidade do processo de gestão da inovação, foi utilizada uma métrica conhecida como Radar da Inovação [1]. Desse modo, é possível comparar a situação encontrada no início do atendimento e em momentos posteriores. O acompanhamento histórico dos resultados permite avaliar a eficácia do Programa e também decidir sobre seu aprimoramento, pois situações pontuais de melhor e pior desempenho podem ser cotejadas, gerando aprendizado e a identificação das melhores práticas. O trabalho anterior [2], baseado em amostra de 530 empresas, registrou os resultados do período , apresentando as situações existentes antes do início do trabalho dos Agentes Locais de Inovação e cerca de um ano depois. Na ocasião, o escore geral evoluiu de 2,1 para 2,6. Este novo relatório avalia o período PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

9 Radar da Inovação O Radar da Inovação, usado neste trabalho, é uma metodologia desenvolvida pela Bachmann & Associados, com base no trabalho do professor Mohanbir Sawhney, diretor do Center for Research in Technology & Innovation, da Kellogg School of Management, Illinois, EUA [3] [4]. A abordagem original considera as seguintes dimensões nas quais uma empresa pode inovar: 1. As ofertas criadas; 2. Os clientes atendidos; 3. Os processos empregados; 4. Os locais de presença usados. Entre essas, são apontadas mais oito dimensões que também devem ser observadas. Complementando a abordagem de Sawhney, a Bachmann & Associados adicionou uma dimensão denominada Ambiência inovadora, que avalia a existência de clima organizacional propício à inovação, requisito importante para uma empresa inovadora [1]. Um resumo sobre cada uma das dimensões da inovação pode ser encontrado no Anexo I. Descrições mais detalhadas podem ser encontradas no relatório Metodologia para Estimar o Grau de Inovação nas MPE [5]. A abordagem adotada presume que a inovação não é um evento ou fato isolado, mas fruto de um processo. Daí a preocupação em avaliar não o simples resultado (quantidade de inovações), mas a maturidade do processo de gestão da inovação das empresas. O indicador, resultante da média dos escores (grau de maturidade) de cada uma das dimensões da inovação (obtido pela pontuação de aproximadamente 40 questões objetivas), é útil para mensurar a maturidade na Gestão da Inovação nas empresas de pequeno porte. O conhecimento da pontuação em cada uma das dimensões também se constitui em ferramenta de diagnóstico, pois permite identificar onde estão os pontos fortes e as oportunidades de melhoria da organização avaliada. Escala de medição A ideia de classificar empresas segundo uma perspectiva binária de empresa inovadora ou não inovadora é limitada e equivocada, pois a inovação deve ser entendida como um processo e não um evento isolado [6]. Assim, mesmo entendendo que se trata de um continuum, para simplificar a avaliação foi adotada uma escala com apenas 3 situações (Quadro I), porém com graduação variando de 1 a 5, para maior sensibilidade.

10 Quadro I - Classificação das empresas Tipo de empresa Definição Escore Inovadora Sistêmica É aquela que pratica sistematicamente Acima de 4. a gestão da inovação. Inovadora Ocasional É a empresa que inovou nos últimos anos, Acima de 3 e abaixo de 4. porém não há sistematização do processo. Pouco ou nada É a empresa que inova pouco ou não inova. Acima de 1 e abaixo de 2,9. Inovadora Se a pontuação for 1 (um) a empresa não é inovadora. Fonte: Silva Néto, Ana Teresa da. Mensuração do Grau de Inovação em Micro e Pequenas Empresas do Estado de Sergipe. Dissertação de mestrado da Universidade Federal de Sergipe. Sergipe Entretanto, essa classificação exige algum cuidado, pois dependendo do item que eleva o resultado de 3,9 para 4,0, por exemplo, não podemos afirmar que a empresa deixa de ser uma inovadora ocasional e passa, automaticamente, a ser uma inovadora sistêmica. Em outras palavras, a escala não tem o nível de objetividade desejável e existe uma zona cinzenta entre cada uma das três situações possíveis. Horizonte temporal Como o objetivo é avaliar o Radar da Inovação das organizações da forma mais pontual possível para que se possa acompanhar a evolução delas, havia necessidade de se estabelecer um período de tempo a considerar na avaliação. Assim, acompanhando diversos outros trabalhos com objetivos semelhantes, a metodologia tomou um horizonte de 3 anos para o levantamento dos dados. Cabe observar que, no diagnóstico das empresas de pequeno porte, é possível que um bom número delas tenha menos de 3 anos; nesse caso, todos os seus produtos e serviços correm o risco de ser considerados inovadores. Nos casos das questões objetivas, usadas para determinar se a empresa tinha ou não um determinado recurso ou ativo - uma patente, por exemplo - foi escolhido um momento específico (momento da entrevista), como indicado na figura 1. Momento Figura 1 - Horizonte de tempo Fonte: Bachmann & Associados Período 10 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

11 Origem de dados A coleta de dados foi feita por meio de formulário eletrônico existente no Sistema ALI do SEBRAE Paraná. Foram solicitados dados sobre a empresa e sobre o entrevistador, para permitir a rastreabilidade das informações e o agrupamento dos dados em conjuntos homogêneos, além das informações necessárias ao cálculo do escore de cada item do Radar da Inovação. Para reduzir a subjetividade nas avaliações, dando maior consistência aos resultados, os Agentes Locais de Inovação passaram por capacitação para o correto preenchimento dos formulários. Os dados usados neste trabalho foram coletados em três períodos. O primeiro, de 24 de julho de 2012 a 1º de julho de 2013, correspondente à situação inicial das empresas, isto é, descreve a situação anterior ao trabalho desenvolvido pelos agentes de inovação. O segundo, de 27 de maio de 2013 a 9 de julho de 2014, apresenta a situação das empresas após algum tempo de participação no Projeto. A superposição de períodos decorre da entrada de novas empresas ao longo da execução do trabalho. Um número menor de empresas - apenas 95 - foi submetido ao terceiro diagnóstico, entre 27 de maio de 2013 e 8 de julho de Este trabalho enfatiza os dados das duas primeiras avaliações, dada a baixa representatividade da terceira mensuração. A amostra incluiu empresas, de nove cadeias produtivas instaladas em 23 municípios, nas seis regionais do SEBRAE-PR (Tabelas 1 e 2). Tabela 1 Descrição das empresas por setor e regional, número de empresas Regional Agroindústria Construção Civil Metal-mecânico Moveleiro Saúde Software Turismo Varejo Vestuário Total Centro Leste* Noroeste Norte Oeste Sudoeste Total Notas: Uma empresa não forneceu o setor. * Inclui as empresas de Curitiba.

12 É interessante observar a concentração de alguns negócios nos municípios, como confecções e vestuário em Cianorte e turismo, em Tibagi. Os municípios com maior número de empresas na amostra foram Maringá (641 empresas) e Londrina (378 empresas). Tabela 2 - Distribuição das empresas por setor e município, número de empresas Regional Agroindústria Construção Civil Metal-mecânico Moveleiro Saúde Software Turismo Varejo Vestuário Total Apucarana Arapongas Campo Mourão Cascavel Cianorte Curitiba* Foz do Iguaçu Francisco Beltrão Ivaiporã Laranjeiras do Sul Londrina Mal. Cândido Rondon Marialva 2 2 Maringá Paranavaí Pato Branco Ponta Grossa Rio Azul Rolândia Sto. Antônio do Sudoeste Tibagi Toledo Umuarama Nota: *Inclui algumas empresas de municípios limítrofes. 12 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

13 A distribuição das empresas por setor de negócio (Figura 2) mostra a prevalência do varejo, com quase um terço da amostra. Figura 2 - Distribuição das empresas por setor de negócio, % Varejo Turismo Metal-mecânico Vestuário Agroindústria Software Saúde Moveleiro Confecção e vestuário A maioria das empresas atendidas tem faturamento anual inferior a R$ ,00 (Tabela 3). Tabela 3 - Distribuição das empresas, por porte Porte Quantidade Percentual Micro - até R$360 mil/ano ,5 Pequeno - de R$360 mil a R$3,6milhões/ano ,3 Média ou grande - acima de R$3,6 milhões/ano 34 0,8 Não informado 405 9,4 Total ,0 Nota: Resultado da amostra completa, incluindo as empresas que só tinham informações da medição inicial.

14 Metodologia O desenvolvimento do trabalho, em linhas gerais, obedeceu às seguintes etapas: Recebimento dos dados, na forma de planilhas Excel. Consolidação dos dados em uma única planilha. Consistência, para retirar dados incompletos e informações incompatíveis com a amostra. Agrupamento dos resultados da avaliação inicial (R 0 ) e das mensurações posteriores (R 1 er 2 ). Estratificação dos dados por regional, setor de negócio, etc. Análises dos estratos, comparações e teste de hipóteses. Consolidação do material e das conclusões neste relatório. Para permitir a análise da evolução, além do escore médio de cada setor de negócio nos diferentes momentos, foram comparados os resultados individuais das diversas dimensões da inovação. Outro critério para a análise foi a estratificação geográfica, uma vez que as características locais são relevantes na definição do ambiente em que as empresas estão inseridas, influenciando seus resultados. Por exemplo, a regional Leste conta com o maior volume de facilidades, como universidades, laboratórios, eventos, etc. que são úteis no processo de inovação. 14 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

15 Análise O escore médio das empresas avaliadas no momento do início do Projeto foi 2,1 (Tabela 4a). Como a escala vai de 1 a 5, esse valor corresponde a pouco menos de metade da escala. A situação é a mesma encontrada no levantamento do período 2008/10 [2], indicando que as empresas não atendidas têm gestão da inovação incipiente. Na segunda avaliação (Tabela 4b), realizada em média 13 meses após a primeira medida, o resultado geral da amostra subiu para 2,6, mostrando progresso. É importante lembrar que os processos relacionados à gestão da inovação estão associados às mudanças comportamentais que têm elevada inércia e são, portanto, de lenta maturação. Entretanto, caso haja persistência, a melhora tende a acelerar. Isso foi confirmado pela terceira avaliação (Tabela 4c), que resultou em um escore de 3,4. Infelizmente, essa medida corresponde à média de apenas 95 empresas e, portanto, tem menor representatividade. Tabela 4a Radar da Inovação (situação inicial) Dimensão Média Mínimo Máximo Moda Oferta 2,4 1,0 5,0 1,0 Plataforma 3,6 1,0 5,0 3,0 Marca 2,9 1,0 5,0 3,0 Clientes 2,3 1,0 5,0 2,5 Soluções 2,0 1,0 5,0 1,0 Relacionamento 2,2 1,0 5,0 1,0 Agregação de valor 1,7 1,0 5,0 1,0 Processos 1,7 1,0 4,7 1,3 Organização 1,8 1,0 5,0 1,0 Cadeia de fornecimento 1,9 1,0 5,0 1,0 Presença 1,7 1,0 5,0 1,0 Rede 1,9 1,0 5,0 1,0 Ambiência inovadora 1,7 1,0 5,0 1,3 Geral 2,1 1,0 5,0 1,5

16 Tabela 4b Radar da Inovação (segunda medição) Dimensão Média Mínimo Máximo Moda Oferta 2,9 1,0 5,0 3,0 Plataforma 4,0 1,0 5,0 5,0 Marca 3,3 1,0 5,0 3,0 Clientes 2,9 1,0 5,0 3,0 Soluções 2,7 1,0 5,0 3,0 Relacionamento 3,0 1,0 5,0 3,0 Agregação de valor 2,2 1,0 5,0 1,0 Processos 2,1 1,0 5,0 2,0 Organização 2,4 1,0 5,0 2,5 Cadeia de fornecimento 2,4 1,0 5,0 1,0 Presença 2,1 1,0 5,0 1,0 Rede 2,7 1,0 5,0 3,0 Ambiência inovadora 2,1 1,0 5,0 2,0 Geral 2,6 1,0 5,0 2,5 Tabela 4c Radar da Inovação (terceira medição) Dimensão Média Mínimo Máximo Moda Oferta 3,4 1,0 5,0 3,0 Plataforma 4,5 1,0 5,0 5,0 Marca 3,8 1,0 5,0 4,0 Clientes 3,6 1,0 5,0 5,0 Soluções 3,5 1,0 5,0 5,0 Relacionamento 3,8 1,0 5,0 5,0 Agregação de valor 3,3 1,0 5,0 5,0 Processos 2,9 1,0 5,0 2,3 Organização 3,4 1,0 5,0 4,5 Cadeia de fornecimento 3,1 1,0 5,0 3,0 Presença 3,1 1,0 5,0 5,0 Rede 3,6 1,0 5,0 5,0 Ambiência inovadora 2,7 1,0 5,0 3,8 Geral 3,4 1,0 5,0 4,2 16 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

17 A figura 3 sintetiza a evolução dos resultados em cada uma das dimensões, nos três momentos do Projeto. Figura 3 Variação dos escores por dimensão 5,0 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 Oferta R0 R1 Plataforma Marca Clientes Soluções Relacionamento Agregação de valor Processos Organização Cadeia de fornecimento Presença Rede Ambiência inovadora R2

18 Com base na tabela 5a, que mostra a variação nos escores médios entre a medida inicial e a segunda medição, podemos observar que todas as dimensões apresentaram crescimento, confirmando a eficácia do Projeto. O maior progresso ocorreu nas dimensões Relacionamento e Rede, enquanto as dimensões Plataforma, Marca, Processos e Ambiência Inovadora tiveram as menores evoluções. Tabela 5a Evolução entre a primeira e a segunda medição Dimensão Situação Segunda Variação entre inicial medição a segunda e a primeira medição Oferta 2,4 2,9 0,6 Plataforma 3,6 4,0 0,4 Marca 2,9 3,3 0,4 Clientes 2,3 2,9 0,6 Soluções 2,0 2,7 0,6 Relacionamento 2,2 3,0 0,8 Agregação de valor 1,7 2,2 0,6 Processos 1,7 2,1 0,4 Organização 1,8 2,4 0,6 Cadeia de fornecimento 1,9 2,4 0,5 Presença 1,7 2,1 0,5 Rede 1,9 2,7 0,7 Ambiência inovadora 1,7 2,1 0,4 Geral 2,1 2,6 0,5 Como esperado, o progresso entre a segunda e a terceira medições foi bem mais significativo, com o escore geral crescendo de 2,6 para 3,4 (diferença de 0,8). Isso se deve, em princípio, à quebra da inércia inicial decorrente das restrições de conhecimento e confiança existente em todo processo de mudança. O progresso no período completo do Projeto (diferença entre a terceira e a primeira medições) foi de 1,3 e é apresentado na tabela 5b. Entretanto, é importante destacar que a terceira medição é menos representativa, pois contou com apenas 95 observações. 18 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

19 Tabela 5b Evolução entre a primeira e a terceira medição Dimensão Situação Terceira Variação entre inicial medição a terceira e a primeira medição Oferta 2,4 3,4 1,0 Plataforma 3,6 4,5 0,8 Marca 2,9 3,8 0,9 Clientes 2,3 3,6 1,3 Soluções 2,0 3,5 1,5 Relacionamento 2,2 3,8 1,6 Agregação de valor 1,7 3,3 1,7 Processos 1,7 2,9 1,2 Organização 1,8 3,4 1,6 Cadeia de fornecimento 1,9 3,1 1,3 Presença 1,7 3,1 1,4 Rede 1,9 3,6 1,7 Ambiência inovadora 1,7 2,7 1,0 Geral 2,1 3,4 1,3 Uma visão mais geral da evolução dos resultados na edição é dada na figura 4. Figura 4 Evolução do Radar da Inovação Ambiência inovadora Oferta 5 4 Plataforma Rede 3 2 Marca Presença 1 0 Clientes R0 R1 R2 Cadeia de fornecimento Soluções Organização Relacionamento Processos Agregação de valor

20 A tabela 6 mostra que o percentual de empresas com escore inferior a 2 caiu sensivelmente ao longo do período de atendimento e que, na segunda medição, quase um terço (31,0%) já apresentava escore igual ou superior a 3. A pequena quantidade de empresas com escore igual ou superior a 4, ao final do período, indica que ainda existe bastante espaço para melhoria, justificando a continuidade do esforço. Tabela 6 - Empresas em cada faixa de escore Faixa de Situação inicial Segunda medição Terceira medição escores Número de Número de Número de empresas % empresas % empresas % 5 0 0,0 0 0,0 0 0,0 4-4,9 9 0, , ,8 3-3, , , ,6 2-2, , , ,1 1-1, , ,2 8 8,4 Total , , ,0 20 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

21 Visão regional Acredita-se que aspectos culturais e socioeconômicos, associados à localização, possam influenciar de forma significativa a inovação nas organizações. Para avaliar esse efeito, foram comparados os resultados médios obtidos pelas empresas e o progresso ocorrido em cada regional (Figura 5). Figura 5 Evolução do escore, por regional R0 R1 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,0 Centro Leste Noroeste Norte Oeste Sudoeste Na comparação dos resultados médios obtidos em cada uma das seis regionais na medida inicial (tabela 7), o escore da regional Leste (2,5) se destacava positivamente, por ser 0,4 pontos superior à média estadual. A regional Oeste apresentava o escore mais baixo (2,0). Na segunda medida, a média da regional Oeste cresceu para 2,6 e a da Norte cresceu para 2,9, apresentando o sensível progresso de 0,7. A regional Leste, apesar de não ter tido o maior crescimento, continuou na liderança após a segunda medida (3,1). Mas, nessa análise, é importante destacar que algumas regionais atenderam um número pequeno de empresas e ficaram concentradas em poucos setores (Tabela 1). Também cabe observar que o progresso foi relativamente uniforme nas diferentes regionais, variando entre 0,4 e 0,7.

22 Tabela 7 - Escore nas Regionais (comparação histórica) Regional Situação inicial Segunda medição Diferença Centro 2,4 2,9 0,5 Leste* 2,5 3,1 0,6 Noroeste 2,1 2,5 0,4 Norte 2,2 2,9 0,7 Oeste 2,0 2,6 0,6 Sudoeste 2,1 2,6 0,5 Notas: Os melhores resultados estão destacados em negrito. * Inclui as empresas de Curitiba. Para identificar práticas que possam ser replicadas nas outras regionais, foram levantadas as dimensões com escore mais elevado nos dois momentos. Os melhores resultados, tanto na situação inicial (Tabela 8a) quanto na segunda medição (Tabela 8b), foram apresentados pelas regionais Leste e Centro. Entretanto, a regional Centro trabalhou apenas 75 empresas, todas do setor do turismo, enquanto a regional Leste atendeu 132 empresas da agroindústria, software e varejo, o que pode distorcer a comparação, contrastando com as regionais Noroeste e Norte, que atenderam nove setores e uma quantidade significativamente maior de empresas (Tabela 1). Tabela 8a Radar da Inovação nas Regionais (situação inicial) Dimensão Centro Leste* Noroeste Norte Oeste Sudoeste Oferta 2,4 2,8 2,4 2,4 2,1 2,3 Plataforma 4,1 3,5 3,9 3,9 2,8 3,6 Marca 2,9 3,2 3,1 2,9 2,7 2,7 Clientes 2,5 2,7 2,2 2,5 2,1 2,4 Soluções 2,6 2,7 1,8 2,3 1,9 2,1 Relacionamento 2,5 2,5 2,2 2,2 2,2 1,9 Agregação de valor 1,9 2,1 1,5 1,8 1,6 1,7 Processos 1,7 2,0 1,6 1,8 1,6 1,6 Organização 1,9 2,4 1,6 2,0 1,8 1,7 Cadeia de fornecimento 2,7 2,3 1,6 2,2 1,8 1,9 Presença 1,7 2,0 1,7 1,7 1,5 1,7 Rede 2,8 2,6 1,9 1,9 1,8 2,1 Ambiência inovadora 1,7 2,0 1,6 1,8 1,8 1,7 Geral 2,4 2,5 2,1 2,2 2,0 2,1 Notas: * Inclui as empresas de Curitiba. Os melhores resultados em cada dimensão estão destacados em negrito. 22 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

23 Tabela 8b Radar da Inovação nas Regionais (segunda medição) Dimensão Centro Leste* Noroeste Norte Oeste Sudoeste Oferta 2,9 3,3 2,8 3,1 2,9 3,0 Plataforma 4,5 4,0 4,2 4,4 3,4 4,0 Marca 3,4 3,8 3,4 3,4 3,0 3,1 Clientes 3,2 3,1 2,6 3,2 2,9 2,9 Soluções 3,2 3,1 2,3 3,2 2,8 2,7 Relacionamento 3,2 3,1 3,0 3,1 3,0 2,8 Agregação de valor 2,4 2,6 2,0 2,5 2,3 2,2 Processos 2,0 2,7 2,0 2,4 2,1 1,9 Organização 2,4 3,3 2,2 2,7 2,5 2,2 Cadeia de fornecimento 4,1 3,0 2,1 2,7 2,3 2,3 Presença 2,0 2,4 2,0 2,2 2,0 2,2 Rede 3,7 3,1 2,5 2,8 2,7 2,7 Ambiência inovadora 1,9 2,7 2,0 2,2 2,2 2,3 Geral 2,9 3,1 2,5 2,9 2,6 2,6 Notas: * Inclui as empresas de Curitiba. Os melhores resultados em cada dimensão estão destacados em negrito. A Tabela 9 permite comparar as realidades do interior (inclui todas as empresas não instaladas no município de Curitiba) e as da capital. As empresas de Curitiba apresentam melhor resultado em todas as dimensões, exceto na Plataforma, onde o interior supera ligeiramente na medição inicial e se iguala na segunda. Destaca-se a grande diferença na dimensão Organização, recomendando-se o reforço das ações de melhoria e inovação nessa dimensão. Esses resultados sugerem que, ao menos nas etapas iniciais do processo, a proximidade física com os ativos tecnológicos e fontes de recursos de fomento pode favorecer a inovação. Mas é interessante observar que, segundo os dados da Pintec 1 de 2008, apenas 13,4% das empresas inovadoras no Brasil atribuíram alta/média importância para as universidades como fontes de informação para suas atividades inovadoras e 12% para institutos de pesquisa [7]. E, no caso particular do Programa ALI, muitas inovações são de menor complexidade e compreendem também aspectos organizacionais e de marketing, nos quais o acesso ao conhecimento está mais disseminado e não depende tanto dos ativos tecnológicos. 1. Pesquisa de Inovação Tecnológica realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística )IBGE)

24 Tabela 9 Radar da Inovação em Curitiba e Interior Dimensão Situação inicial Segunda medição Curitiba Interior Curitiba Interior Oferta 2,8 2,3 3,3 2,9 Plataforma 3,5 3,6 4,0 4,0 Marca 3,2 2,9 3,8 3,3 Clientes 2,7 2,3 3,1 2,9 Soluções 2,7 2,0 3,1 2,7 Relacionamento 2,5 2,2 3,1 3,0 Agregação de valor 2,1 1,6 2,6 2,2 Processos 2,0 1,6 2,7 2,1 Organização 2,4 1,7 3,3 2,4 Cadeia de fornecimento 2,3 1,8 3,0 2,3 Presença 2,0 1,6 2,4 2,1 Rede 2,6 1,9 3,1 2,6 Ambiência inovadora 2,0 1,7 2,7 2,1 Geral 2,5 2,1 3,1 2,6 Nota: Os melhores resultados em cada dimensão estão destacados em negrito. A figura 6 apresenta uma visão geral da evolução alcançada pelas empresas instaladas em Curitiba no período entre a primeira e a segunda mensuração. Figura 6 Evolução do Radar da Inovação das empresas de Curitiba Ambiência 5 4 Oferta Plataforma Rede 3 2 Marca Presença 1 Clientes R0 0 R1 Cadeia de de fornecimento Soluções Organização Relacionamento Processos Agregação de valor 24 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

25 Visão setorial Vários fatores que contribuem para a maior ou menor inovação nas empresas estão relacionados às características do setor de atividade [8]. Assim, para uma análise mais detalhada, foram comparados os resultados obtidos nos setores atendidos. Tanto na avaliação inicial quanto na segunda mensuração, os negócios que apresentaram melhor resultado (Tabela 10) foram os de software e turismo. No período, o setor de software evoluiu pouco, passando de 2,4 para 2,8, enquanto o de turismo avanço de 2,4 para 3,1. Os setores mais conservadores foram os da construção civil, metal-mecânico e moveleiro, que apresentaram escore de 1,9 na primeira medida e na segunda evoluíram para 2,2, 2,3 e 2,5 respectivamente. Era esperado que os setores com empresas organizadas em Arranjos Produtivos Locais 2, como os metal-mecânico, moveleiro, software e confecções e vestuário, tivessem um desempenho superior, especialmente nas dimensões Organização e Cadeia de Fornecimento, mas isso não foi evidenciado. Os setores que tiveram maior progresso (diferença de 0,7) foram os do turismo e de confecções e vestuário, enquanto a menor evolução se deu na construção civil (diferença de 0,3). Tabela 10 Radar da Inovação Comparação setorial Agroindústria Construção Metal- Moveleiro Saúde Software Turismo Varejo Vestuário Dimensão Civil mecânico R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 Oferta 2,4 2,9 1,8 2,1 1,8 2,1 2,3 2,9 1,9 2,4 2,3 2,7 2,7 3,5 2,6 3,3 2,4 2,9 Plataforma 3,7 4,1 3,8 4,1 3,8 4,0 3,6 4,2 3,4 3,9 3,1 3,6 4,0 4,4 3,4 3,8 4,0 4,2 Marca 3,2 3,4 3,1 3,3 2,9 3,1 2,5 3,1 2,8 3,2 3,4 3,7 3,0 3,5 2,7 3,1 3,3 3,6 Clientes 2,2 2,8 1,9 2,2 2,0 2,4 2,1 2,5 2,3 2,9 2,9 3,3 2,7 3,5 2,1 2,7 2,6 3,3 Soluções 1,7 2,3 1,8 2,1 1,7 2,0 1,5 2,1 2,1 2,9 2,6 3,0 2,5 3,4 2,1 2,8 2,0 2,9 Relacionamento 1,5 2,1 1,8 2,3 2,0 2,7 2,0 3,1 2,6 3,7 2,4 3,1 2,5 3,6 2,2 2,9 2,3 3,1 Agregação de valor 1,4 1,8 1,5 1,7 1,4 1,7 1,2 1,6 1,9 2,5 2,1 2,6 2,1 2,7 1,6 2,2 1,6 2,5 Processos 1,6 2,0 1,6 1,9 1,8 2,2 1,5 2,0 1,6 2,1 1,8 2,4 1,9 2,5 1,5 1,9 1,8 2,2 Organização 1,7 2,3 1,6 2,0 1,6 2,0 1,4 1,9 1,8 2,5 2,4 3,1 2,1 2,7 1,7 2,3 1,6 2,6 Cadeia de fornecimento 1,8 2,2 1,8 1,9 1,8 2,2 1,8 2,4 1,8 2,1 1,8 2,0 2,4 2,9 1,7 2,2 2,2 2,9 Presença 1,8 2,1 1,6 1,8 1,5 1,7 1,5 2,1 1,6 1,9 1,9 2,3 2,0 2,5 1,5 1,9 1,9 2,9 Rede 1,4 1,9 1,5 1,9 1,8 2,4 1,8 2,3 2,1 3,1 2,6 3,2 2,5 3,6 1,7 2,4 2,1 3,1 Ambiência inovadora 1,6 2,0 1,5 1,7 1,6 1,8 1,5 2,0 1,9 2,3 2,1 2,5 1,9 2,4 1,7 2,1 1,6 2,2 Geral 2,0 2,4 1,9 2,2 1,9 2,3 1,9 2,5 2,1 2,7 2,4 2,8 2,4 3,1 2,0 2,6 2,2 2,9 2. Ver

26 A figura 7a facilita a comparação dos resultados iniciais das dimensões entre os setores avaliados. É possível observar que, com a execução do Projeto (figura 7b), as diferenças se acentuaram. Figura 7a Escore, por setor de negócio (situação inicial)). Ambiência inovadora Rede Presença Cadeia de fornecimento Organização Processos Agregação de valor Relacionamento Soluções Clientes Marca Plataforma Oferta 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 Vestuário Varejo Turismo Software Saúde Moveleiro Metal-mecânico Construção civil Agroindústria 26 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

27 Figura 7b - Escore, por setor de negócio (segunda medição) Ambiência inovadora Rede Presença Cadeia de fornecimento Organização Processos Agregação de valor Relacionamento Soluções Clientes Marca Plataforma Oferta 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 Vestuário Varejo Turismo Software Saúde Moveleiro Metal-mecânico Construção civil Agroindústria Para melhor compreensão, segue uma análise individualizada para cada setor. Além dos resultados médios, foram levantados os melhores e piores escores de cada setor, em cada dimensão. Essas tabelas também mostram a moda valor mais frequente na amostra que pode ser mais representativa para a situação existente do que a média, por ser menos influenciada por um pequeno número de bons ou maus resultados.

28 Agroindústria A medida inicial nas empresas agroindustriais representada por 249 empresas - resultou na média de 2,0 (Tabela 11), com bons resultados especialmente nas dimensões Plataforma (3,7) e Marca (3,2). Na segunda mensuração, a média ficou em 2,4 (diferença de 0,5) e os resultados das dimensões Plataforma e Marca subiram para 4,1 e 3,4 respectivamente. Tabela 11 Radar da Inovação Agroindústria Dimensão Média Mínimo Máximo Moda R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 Oferta 2,4 2,9 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Plataforma 3,7 4,1 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 5,0 Marca 3,2 3,4 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Clientes 2,2 2,8 1,0 1,0 4,5 5,0 2,5 3,0 Soluções 1,7 2,3 1,0 1,0 4,0 5,0 1,0 1,0 Relacionamento 1,5 2,1 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Agregação de valor 1,4 1,8 1,0 1,0 4,0 5,0 1,0 1,0 Processos 1,6 2,0 1,0 1,0 3,3 4,0 1,7 2,0 Organização 1,7 2,3 1,0 1,0 4,0 5,0 1,0 1,0 Cadeia de fornecimento 1,8 2,2 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Presença 1,8 2,1 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Rede 1,4 1,9 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Ambiência inovadora 1,6 2,0 1,0 1,0 3,0 3,6 1,3 1,3 Geral 2,0 2,4 1,0 1,0 4,3 4,7 1,6 1,8 Na observação das diferenças geográficas (tabelas 12a e 12b), a regional Norte apresentou o maior crescimento e continuou tendo o melhor resultado, evoluindo de 2,1 para 2,9. Os resultados obtidos pelas regionais Norte e Noroeste na dimensão Plataforma merecem destaque e devem servir de referência para a busca das melhores práticas. 28 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

29 Tabela 12a Radar da Inovação da agroindústria Diferenças regionais (situação inicial) Dimensão Leste Noroeste Norte Oferta 2,4 2,1 3,0 Plataforma 3,3 3,9 3,6 Marca 3,3 3,3 2,9 Clientes 2,0 2,1 2,7 Soluções 1,9 1,3 2,0 Relacionamento 1,9 1,4 1,4 Agregação de valor 1,4 1,2 1,8 Processos 1,7 1,5 1,7 Organização 1,6 1,4 2,2 Cadeia de fornecimento 2,0 1,3 2,3 Presença 2,3 1,9 1,2 Rede 1,6 1,3 1,4 Ambiência inovadora 1,7 1,3 1,8 Geral 2,1 1,8 2,1 Tabela 12b Radar da Inovação da agroindústria Diferenças regionais (segunda medição) Dimensão Leste Noroeste Norte Oferta 2,8 2,5 3,8 Plataforma 3,8 4,1 4,4 Marca 3,8 3,5 3,2 Clientes 2,5 2,4 3,6 Soluções 2,4 1,6 3,5 Relacionamento 2,5 2,0 1,9 Agregação de valor 1,9 1,4 2,5 Processos 2,1 1,8 2,1 Organização 2,4 1,8 3,0 Cadeia de fornecimento 2,5 1,5 3,3 Presença 2,7 2,1 1,6 Rede 1,9 1,6 2,5 Ambiência inovadora 2,2 1,6 2,4 Geral 2,5 2,1 2,9

30 O progresso na gestão da inovação nas empresas agroindustriais pode ser observado na figura 8. Figura 8 Evolução do Radar da Inovação Agroindústria Ambiência inovadora Oferta 5 4 Plataforma Rede 3 2 Marca Presença 1 0 Clientes Cadeia de fornecimento Soluções Organização Relacionamento Processos Agregação de valor Média R0 Média R1 30 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

31 Construção civil Na mensuração inicial (Tabela 13), o setor da construção civil representado por 97 empresas - apresentou o menor resultado (1,9), junto com o de metal-mecânica e o moveleiro, confirmando o elevado conservadorismo que já havia sido identificado em levantamentos anteriores [2 e 9]. Na segunda avaliação, houve um avanço para 2,2 (diferença de 0,3), o menor progresso entre os setores atendidos nesta edição do programa. Os maiores avanços ocorreram nas dimensões Organização e Rede; e o menor, na Agregação de Valor. Tabela 13 Radar da Inovação Construção civil Dimensão Média Mínimo Máximo Moda R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 Oferta 1,8 2,1 1,0 1,0 4,6 4,6 1,4 1,8 Plataforma 3,8 4,1 1,0 1,0 5,0 5,0 4,0 5,0 Marca 3,1 3,3 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Clientes 1,9 2,2 1,0 1,0 5,0 5,0 1,5 2,5 Soluções 1,8 2,1 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Relacionamento 1,8 2,3 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 2,0 Agregação de valor 1,5 1,7 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Processos 1,6 1,9 1,0 1,0 3,3 3,7 1,3 1,7 Organização 1,6 2,0 1,0 1,0 4,0 4,0 1,5 1,5 Cadeia de fornecimento 1,8 1,9 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Presença 1,6 1,8 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Rede 1,5 1,9 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Ambiência inovadora 1,5 1,7 1,0 1,0 2,5 3,0 1,5 1,5 Geral 1,9 2,2 1,0 1,0 4,4 4,5 1,6 1,8

32 As tabelas 14a e 14b mostram a elevada semelhança nos resultados das regionais Norte e Noroeste. Tabela 14a Radar da Inovação da Construção Civil Diferenças regionais (situação inicial) Dimensão Noroeste Norte Oferta 1,8 1,9 Plataforma 3,8 3,8 Marca 3,1 3,0 Clientes 1,9 2,0 Soluções 1,4 2,2 Relacionamento 1,8 1,8 Agregação de valor 1,5 1,6 Processos 1,5 1,7 Organização 1,6 1,8 Cadeia de fornecimento 1,8 1,7 Presença 1,4 1,9 Rede 1,6 1,5 Ambiência inovadora 1,5 1,5 Geral 1,9 2,0 Tabela 14b Radar da Inovação da Construção Civil Diferenças regionais (segunda medição) Dimensão Noroeste Norte Oferta 2,0 2,4 Plataforma 4,0 4,1 Marca 3,3 3,2 Clientes 2,1 2,2 Soluções 1,8 2,5 Relacionamento 2,3 2,3 Agregação de valor 1,6 1,8 Processos 1,9 1,9 Organização 2,0 2,0 Cadeia de fornecimento 2,1 1,8 Presença 1,6 2,0 Rede 2,1 1,8 Ambiência inovadora 1,8 1,7 Geral 2,2 2,2 32 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

33 O progresso na gestão da inovação nas empresas de construção civil pode ser observado na figura 9. Figura 9 Evolução do Radar da Inovação Construção civil Ambiência inovadora Oferta 5 4 Plataforma Rede 3 2 Marca Presença 1 0 Clientes Cadeia de fornecimento Soluções Organização Relacionamento Processos Agregação de valor Média R0 Média R1

34 Metal-mecânico A medida inicial nas empresas do setor metal-mecânico representado por 352 empresas resultou na média de 1,9 (Tabela 15), o mesmo da construção civil e do moveleiro, caracterizando maior conservadorismo. Os melhores resultados ocorreram nas dimensões Plataforma (3,8) e Marca (2,9). Na segunda mensuração, a média ficou em 2,3 (aumento de 0,4) e os resultados das dimensões Plataforma e Marca cresceram para 4,0 e 3,1 respectivamente. Como várias empresas conseguiram escores bastante elevados em quase todas as dimensões, a troca de ideias entre elas pode contribuir para melhorias no setor. Tabela 15 Radar da Inovação Metal-mecânico Dimensão Média Mínimo Máximo Moda R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 Oferta 1,8 2,1 1,0 1,0 4,6 4,6 1,0 1,0 Plataforma 3,8 4,0 1,0 1,0 5,0 5,0 5,0 5,0 Marca 2,9 3,1 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Clientes 2,0 2,4 1,0 1,0 4,5 5,0 1,0 1,0 Soluções 1,7 2,0 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Relacionamento 2,0 2,7 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 3,0 Agregação de valor 1,4 1,7 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Processos 1,8 2,2 1,0 1,0 3,7 4,3 1,3 2,0 Organização 1,6 2,0 1,0 1,0 5,0 4,0 1,0 1,0 Cadeia de fornecimento 1,8 2,2 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Presença 1,5 1,7 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Rede 1,8 2,4 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 3,0 Ambiência inovadora 1,6 1,8 1,0 1,0 4,0 4,3 1,3 1,5 Geral 1,9 2,3 1,0 1,0 4,7 4,8 1,5 1,9 Na observação das diferenças geográficas (tabelas 16a e 16b), a regional Oeste apresentou o maior crescimento, mas a regional Norte continuou com o melhor resultado, evoluindo de 2,4 para 2,8. O resultado obtido pela regional Norte na dimensão Plataforma (4,9) merece destaque e pode servir de referência para a busca das melhores práticas. 34 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

35 Tabela 16a Radar da Inovação do setor metal-mecânico Diferenças regionais (situação inicial) Dimensão Noroeste Norte Oeste Oferta 1,7 2,1 1,6 Plataforma 3,8 4,7 2,4 Marca 2,9 3,0 2,8 Clientes 1,7 3,1 2,1 Soluções 1,5 2,2 1,8 Relacionamento 1,9 2,2 2,3 Agregação de valor 1,3 1,7 1,5 Processos 1,7 2,4 1,8 Organização 1,4 1,8 2,1 Cadeia de fornecimento 1,5 3,2 1,9 Presença 1,5 1,5 1,2 Rede 1,6 2,6 2,3 Ambiência inovadora 1,5 1,6 1,7 Geral 1,8 2,4 1,9 Tabela 16b Radar da Inovação do setor metal-mecânico Diferenças regionais (segunda medição) Dimensão Noroeste Norte Oeste Oferta 1,9 2,9 2,2 Plataforma 4,1 4,9 2,6 Marca 3,1 3,2 3,0 Clientes 2,0 3,7 2,7 Soluções 1,8 2,7 2,4 Relacionamento 2,5 2,8 3,3 Agregação de valor 1,6 1,9 2,3 Processos 2,0 3,0 2,4 Organização 1,8 2,3 2,6 Cadeia de fornecimento 1,8 3,7 2,5 Presença 1,7 1,7 1,9 Rede 2,1 3,2 2,8 Ambiência inovadora 1,8 1,8 1,9 Geral 2,1 2,8 2,5

36 O progresso na gestão da inovação no setor metal-mecânico pode ser observado na figura 10. Figura 10 Evolução do Radar da Inovação Metal-mecânico Ambiência inovadora Oferta 5 4 Plataforma Rede 3 2 Marca Presença 1 0 Clientes Cadeia de fornecimento Soluções Organização Relacionamento Processos Agregação de valor Média R0 Média R1 36 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

37 Moveleiro A medida inicial nas empresas do setor moveleiro representado por 217 empresas resultou na média de 1,9 (Tabela 17), o mesmo da construção civil e do metal-mecânico, caracterizando maior conservadorismo. O escore alcançado na dimensão Plataforma (4,2) mostra elevada disposição e criatividade para o uso inovador dos recursos de produção. Entretanto, outras dimensões como Agregação de Valor (1,6) e Organização (1,9) apresentam elevado potencial para melhoria. Tabela 17 Radar da Inovação Moveleiro Dimensão Média Mínimo Máximo Moda R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 Oferta 2,3 2,9 1,0 1,0 5,0 5,0 2,6 3,0 Plataforma 3,6 4,2 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 5,0 Marca 2,5 3,1 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 3,0 Clientes 2,1 2,5 1,0 1,0 4,5 5,0 1,0 2,0 Soluções 1,5 2,1 1,0 1,0 4,0 5,0 1,0 1,0 Relacionamento 2,0 3,1 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 4,0 Agregação de valor 1,2 1,6 1,0 1,0 3,0 5,0 1,0 1,0 Processos 1,5 2,0 1,0 1,0 2,7 4,7 1,3 2,0 Organização 1,4 1,9 1,0 1,0 4,0 4,5 1,0 1,0 Cadeia de fornecimento 1,8 2,4 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 3,0 Presença 1,5 2,1 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Rede 1,8 2,3 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Ambiência inovadora 1,5 2,0 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,5 Geral 1,9 2,5 1,0 1,0 4,5 4,9 1,4 2,1 Na observação das diferenças geográficas (tabelas 18a e 18b), a regional Norte apresentou o maior crescimento e continuou tendo o melhor resultado, evoluindo de 2,1 para 3,2. Os resultados obtidos pelas regionais Norte e Sudoeste na dimensão Plataforma merecem destaque. Também o resultado obtido pela regional Norte na dimensão Relacionamento deve servir de referência para a busca das melhores práticas.

38 Tabela 18a Radar da Inovação do setor moveleiro Diferenças regionais (situação inicial) Dimensão Noroeste Norte Sudoeste Oferta 2,5 2,4 2,1 Plataforma 3,4 4,1 3,7 Marca 2,6 2,7 2,2 Clientes 2,0 2,9 2,0 Soluções 1,6 1,3 1,4 Relacionamento 2,1 2,2 1,8 Agregação de valor 1,3 1,3 1,1 Processos 1,5 1,7 1,6 Organização 1,4 1,5 1,4 Cadeia de fornecimento 1,5 1,8 2,0 Presença 1,6 2,0 1,3 Rede 1,6 2,3 1,9 Ambiência inovadora 1,5 1,5 1,5 Geral 1,9 2,1 1,8 Tabela 18b Radar da Inovação do setor moveleiro Diferenças regionais (segunda medição) Dimensão Noroeste Norte Sudoeste Oferta 3,1 3,3 2,3 Plataforma 4,0 4,5 4,4 Marca 3,2 3,7 2,7 Clientes 2,5 3,6 2,1 Soluções 2,3 2,6 1,4 Relacionamento 3,1 4,2 2,7 Agregação de valor 1,9 1,9 1,1 Processos 1,8 3,0 1,7 Organização 2,0 2,5 1,5 Cadeia de fornecimento 2,4 3,3 2,1 Presença 2,0 3,6 1,3 Rede 1,9 3,8 2,2 Ambiência inovadora 1,9 2,4 1,9 Geral 2,4 3,2 2,1 38 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

39 O progresso na gestão da inovação nas empresas moveleiras pode ser observado na figura 11. Figura 11 Evolução do Radar da Inovação Moveleiro Ambiência inovadora Oferta 5 4 Plataforma Rede 3 2 Marca Presença 1 0 Clientes Cadeia de fornecimento Soluções Organização Relacionamento Média R0 Média R1 Processos Agregação de valor

40 Saúde A medida inicial no setor da saúde representado por 230 empresas - resultou na média de 2,1 (Tabela 19), com bons resultados especialmente nas dimensões Plataforma (3,4) e Marca (2,8). Na segunda mensuração, a média ficou em 2,7 (diferença de 0,6) e os resultados das dimensões Plataforma e Marca subiram para 3,9 e 3,2 respectivamente. Destacam-se o progresso na dimensão Relacionamento e as oportunidades para melhoria na dimensão Presença (2,1). Tabela 19 Radar da Inovação Saúde Dimensão Média Mínimo Máximo Moda R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 Oferta 1,9 2,4 1,0 1,0 4,0 5,0 2,0 3,0 Plataforma 3,4 3,9 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 5,0 Marca 2,8 3,2 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Clientes 2,3 2,9 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 2,5 Soluções 2,1 2,9 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 3,0 Relacionamento 2,6 3,7 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 5,0 Agregação de valor 1,9 2,5 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 2,0 Processos 1,6 2,1 1,0 1,0 4,3 4,7 1,3 1,7 Organização 1,8 2,5 1,0 1,0 4,0 5,0 1,5 2,5 Cadeia de fornecimento 1,8 2,1 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Presença 1,6 1,9 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Rede 2,1 3,1 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 3,0 Ambiência inovadora 1,9 2,3 1,0 1,0 3,0 3,9 1,8 2,0 Geral 2,1 2,7 1,0 1,0 4,5 4,8 1,7 2,6 Na observação das diferenças geográficas (tabelas 20a e 20b), a regional Norte apresentou o maior crescimento e continuou tendo o melhor resultado, evoluindo de 2,2 para 2,9. Os resultados obtidos pela regional Noroeste nas dimensões Plataforma e Relacionamento merecem destaque e podem servir de referência para a busca das melhores práticas. 40 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

41 Tabela 20a Radar da Inovação na saúde Diferenças regionais (situação inicial) Dimensão Noroeste Norte Oeste Oferta 2,2 1,8 1,8 Plataforma 3,9 3,5 2,6 Marca 3,1 2,7 2,6 Clientes 2,3 2,3 2,2 Soluções 1,8 2,4 1,7 Relacionamento 3,4 2,4 2,2 Agregação de valor 1,8 2,2 1,4 Processos 1,7 1,8 1,2 Organização 2,1 1,7 1,6 Cadeia de fornecimento 2,3 1,9 1,1 Presença 1,4 1,8 1,2 Rede 2,6 2,3 1,3 Ambiência inovadora 2,0 1,9 1,9 Geral 2,3 2,2 1,8 Tabela 20b Radar da Inovação na saúde Diferenças regionais (segunda medição) Dimensão Noroeste Norte Oeste Oferta 2,7 2,3 2,3 Plataforma 4,5 3,9 3,2 Marca 3,5 3,3 2,8 Clientes 2,6 3,2 2,8 Soluções 2,5 3,5 2,3 Relacionamento 4,3 3,8 3,1 Agregação de valor 2,2 3,0 2,0 Processos 2,0 2,4 1,5 Organização 3,0 2,5 2,2 Cadeia de fornecimento 2,4 2,5 1,4 Presença 1,6 2,3 1,3 Rede 3,4 3,1 2,7 Ambiência inovadora 2,1 2,3 2,4 Geral 2,8 2,9 2,3

42 O progresso na gestão da inovação nas empresas do setor da saúde pode ser observado na figura 12. Figura 12 Evolução do Radar da Inovação Saúde Ambiência inovadora Oferta 4 Plataforma Rede 3 2 Marca Presença 1 0 Clientes Cadeia de fornecimento Soluções Organização Relacionamento Média R0 Média R1 Processos Agregação de valor 42 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

43 Software O setor de software representado por 246 empresas obteve o segundo melhor resultado da amostra (Tabela 21), só sendo superado pelo de turismo. Possivelmente, isso se deve à elevada dinâmica do negócio, em que o avanço tecnológico explosivo exige esforço permanente para inovar, sob o risco de perda de competitividade. O setor apresentou a maior média inicial (2,4), junto com o de turismo, destacando-se os resultados das dimensões Marca (3,4) e Plataforma (3,1). Na segunda mensuração, o resultado foi 2,8, com seis dimensões apresentando resultados superiores a 3,0 (Marca, Plataforma, Clientes, Rede, Relacionamento e Soluções). As maiores oportunidades para melhoria estão nas dimensões Cadeia de Fornecimento (2,0) e Presença (2,3). Tabela 21 Radar da Inovação Software Dimensão Média Mínimo Máximo Moda R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 Oferta 2,3 2,7 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 2,5 Plataforma 3,1 3,6 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 4,0 Marca 3,4 3,7 1,0 2,0 5,0 5,0 3,0 4,0 Clientes 2,9 3,3 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Soluções 2,6 3,0 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Relacionamento 2,4 3,1 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 3,0 Agregação de valor 2,1 2,6 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 2,0 Processos 1,8 2,4 1,0 1,0 4,3 4,3 1,7 2,0 Organização 2,4 3,1 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 2,5 Cadeia de fornecimento 1,8 2,0 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Presença 1,9 2,3 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 2,0 Rede 2,6 3,2 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Ambiência inovadora 2,1 2,5 1,0 1,0 4,0 4,5 2,0 2,3 Geral 2,4 2,8 1,0 1,1 4,8 4,9 2,2 2,6 Na observação das diferenças geográficas (tabelas 22a e 22b), a regional Norte apresentou o maior crescimento, mas a Noroeste continuou tendo o melhor escore geral, destacando-se pelos resultados nas dimensões Plataforma e Marca. A regional Leste obteve o escore mais alto na dimensão Organização.

44 Tabela 22a Radar da Inovação no setor de software Diferenças regionais (situação inicial) Dimensão Leste Noroeste Norte Oeste Sudoeste Oferta 3,4 2,2 1,8 1,8 2,2 Plataforma 4,1 3,6 2,5 2,3 3,1 Marca 3,6 3,7 3,2 3,5 3,2 Clientes 3,4 3,1 2,6 2,6 3,1 Soluções 3,5 3,0 2,3 1,7 2,4 Relacionamento 3,0 2,4 2,0 2,5 2,1 Agregação de valor 2,7 2,8 1,6 1,9 1,8 Processos 2,3 2,1 1,5 1,9 1,5 Organização 3,2 2,7 2,2 1,9 2,0 Cadeia de fornecimento 2,8 2,2 1,1 1,7 1,2 Presença 1,9 2,0 1,9 1,9 1,8 Rede 3,7 2,7 1,9 2,9 2,0 Ambiência inovadora 2,3 2,4 2,0 1,9 2,1 Geral 3,0 2,7 2,0 2,2 2,2 Tabela 22b Radar da Inovação no setor de software Diferenças regionais (segunda medição) Dimensão Leste Noroeste Norte Oeste Sudoeste Oferta 3,8 2,8 2,5 1,9 2,4 Plataforma 4,2 4,0 3,8 2,2 3,8 Marca 3,9 4,1 3,8 3,6 3,4 Clientes 3,6 3,4 3,2 2,8 3,4 Soluções 3,7 3,7 2,9 1,9 2,9 Relacionamento 3,6 3,5 3,0 2,8 2,6 Agregação de valor 3,2 3,5 2,2 2,0 2,1 Processos 3,1 2,7 2,2 2,1 1,9 Organização 4,1 3,5 3,2 2,1 2,5 Cadeia de fornecimento 3,2 3,1 1,1 1,7 1,3 Presença 2,4 2,2 2,7 1,9 2,1 Rede 4,2 3,5 2,9 3,0 2,4 Ambiência inovadora 2,9 2,8 2,3 2,0 2,8 Geral 3,5 3,2 2,7 2,3 2,6 44 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

45 O progresso na gestão da inovação nas empresas de software pode ser observado na figura 13. Figura 13 Evolução do Radar da Inovação Software Ambiência inovadora Oferta 4 Plataforma Rede 3 2 Marca Presença 1 0 Clientes Cadeia de fornecimento Soluções Organização Relacionamento Média R0 Média R1 Processos Agregação de valor

46 Turismo Com o apoio dado pelos agentes de inovação, o setor de turismo representado por 359 empresas foi o que mais avançou, crescendo de 2,4 para 3,1 (Tabela 23). Certamente o setor também se beneficiou da elevada atenção recebida das instituições públicas e dos investimentos feitos para eventos como a Copa do Mundo. As maiores contribuições para esse escore foram as das dimensões Plataforma (4,4), Relacionamento (3,6) e Rede (3,6), enquanto as maiores oportunidades de ganho estão nas dimensões Ambiência Inovadora (2,4), Processos (2,6) e Rede (2,6). Tabela 23 Radar da Inovação Turismo Dimensão Média Mínimo Máximo Moda R0 R1 R0 R1 R0 R1 R0 R1 Oferta 2,7 3,5 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 3,0 Plataforma 4,0 4,4 1,0 2,0 5,0 5,0 5,0 5,0 Marca 3,0 3,5 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Clientes 2,7 3,5 1,0 1,0 5,0 5,0 2,5 3,0 Soluções 2,5 3,4 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 3,0 Relacionamento 2,5 3,6 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 5,0 Agregação de valor 2,1 2,7 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 3,0 Processos 1,9 2,5 1,0 1,0 4,3 5,0 1,7 2,0 Organização 2,1 2,7 1,0 1,0 5,0 5,0 2,0 2,0 Cadeia de fornecimento 2,4 2,9 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Presença 2,0 2,5 1,0 1,0 5,0 5,0 1,0 1,0 Rede 2,5 3,6 1,0 1,0 5,0 5,0 3,0 3,0 Ambiência inovadora 1,9 2,4 1,0 1,0 4,1 5,0 1,5 2,0 Geral 2,4 3,1 1,0 1,1 4,8 5,0 2,1 2,7 Na observação das diferenças geográficas (tabelas 24a e 24b), destaca-se o crescimento da regional Oeste, mas a regional Norte apresentou o melhor escore geral. Os resultados alcançados na dimensão Plataforma merecem destaque. 46 PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO Medida do progresso nas pequenas empresas do Paraná Edição 2012/14

47 Tabela 24a Radar da Inovação no setor de turismo Diferenças regionais (situação inicial) Dimensão Centro Noroeste Norte Oeste Sudoeste Oferta 2,4 2,1 3,1 2,2 3,0 Plataforma 4,1 4,2 4,1 3,5 4,2 Marca 2,9 3,5 3,1 3,4 2,5 Clientes 2,5 2,1 3,6 2,2 2,8 Soluções 2,6 2,1 3,1 1,7 2,8 Relacionamento 2,5 2,8 3,6 2,6 1,9 Agregação de valor 1,9 1,8 2,4 1,4 2,3 Processos 1,7 1,5 2,4 1,6 2,1 Organização 1,9 1,5 3,2 1,6 2,3 Cadeia de fornecimento 2,7 1,3 2,5 1,2 3,2 Presença 1,7 1,7 2,0 1,8 2,4 Rede 2,8 2,0 2,0 2,2 2,9 Ambiência inovadora 1,7 1,5 2,4 1,9 2,1 Geral 2,4 2,1 2,9 2,1 2,6 Tabela 24b Radar da Inovação no setor de turismo Diferenças regionais (segunda medição) Dimensão Centro Noroeste Norte Oeste Sudoeste Oferta 2,9 3,1 3,8 3,8 3,9 Plataforma 4,5 4,9 4,2 4,2 4,4 Marca 3,4 4,2 3,7 3,5 3,0 Clientes 3,2 3,4 4,0 3,8 3,5 Soluções 3,2 3,3 3,8 3,5 3,5 Relacionamento 3,2 4,1 4,1 4,4 2,9 Agregação de valor 2,4 2,7 3,0 2,5 2,9 Processos 2,0 2,4 2,9 3,0 2,5 Organização 2,4 2,3 3,7 2,6 2,8 Cadeia de fornecimento 4,1 1,6 2,8 1,2 3,6 Presença 2,0 2,3 2,4 2,7 3,0 Rede 3,7 3,1 3,2 4,5 3,5 Ambiência inovadora 1,9 2,0 2,6 2,7 2,6 Geral 2,9 3,0 3,3 3,2 3,2

Agentes Locais de Inovação. Uma medida do progresso nas MPEs do Paraná

Agentes Locais de Inovação. Uma medida do progresso nas MPEs do Paraná Agentes Locais de Inovação Uma medida do progresso nas MPEs do Paraná 2010. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná SEBRAE/PR Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta

Leia mais

PERFIL DO GRAU DE INOVAÇÃO DAS MPEs DO PARANÁ

PERFIL DO GRAU DE INOVAÇÃO DAS MPEs DO PARANÁ PERFIL DO GRAU DE INOVAÇÃO DAS MPEs DO PARANÁ Perfil do Grau de Inovação das MPEs do Paraná 2009. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná SEBRAE/PR Todos os direitos reservados. A reprodução

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

INOVAR PARA FIDELIZAR: ANÁLISE DAS DIMENSÕES CLIENTES, RELACIONAMENTO E REDE DO SEGMENTO DE DROGARIAS

INOVAR PARA FIDELIZAR: ANÁLISE DAS DIMENSÕES CLIENTES, RELACIONAMENTO E REDE DO SEGMENTO DE DROGARIAS INOVAR PARA FIDELIZAR: ANÁLISE DAS DIMENSÕES CLIENTES, RELACIONAMENTO E REDE DO SEGMENTO DE DROGARIAS Dayanny Machado de Melo Moreira Agente Local de Inovação atuante na região metropolitana de Goiânia

Leia mais

PROGRAMA NAGI PG AUTO-DIAGNÓSTICO DE INOVAÇÃO DAS EMPRESAS

PROGRAMA NAGI PG AUTO-DIAGNÓSTICO DE INOVAÇÃO DAS EMPRESAS PROGRAMA NAGI PG AUTO-DIAGNÓSTICO DE INOVAÇÃO DAS EMPRESAS Entrevistas: 8 Questionários: 30 Pesquisa junto a Empresários e Lideranças 2011 (CIESP, FIESP, Sindicatos e Associações) Associações/ Instituições

Leia mais

Programa NAGI P&G 2013-2014

Programa NAGI P&G 2013-2014 Programa NAGI P&G Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo Prof. Moacir de Miranda Oliveira Jr. Edital Pro- Inova FINEP/2010 2013-2014 O programa dura cerca

Leia mais

Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso

Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso Cleina Yayoe Okoshi, Francisco Rodrigues Lima Junior, Leandro

Leia mais

Apoio: Março de 2010. Realização:

Apoio: Março de 2010. Realização: Panorama do Setor de Software e Serviços de TI do Paraná Relatório Final Apoio: Março de 2010 Realização: 1 Sumário 1 Introdução 04 Parte I - Caracterização das Empresas de Software no Brasil, Sul, Paraná

Leia mais

RESULTADOS GESTaO Administrativa, Financeira, Portfolio de Produtos, Pessoas, Infraestrutura Fisica e de TIC. Jose Gava Neto Dir Adm Fin

RESULTADOS GESTaO Administrativa, Financeira, Portfolio de Produtos, Pessoas, Infraestrutura Fisica e de TIC. Jose Gava Neto Dir Adm Fin RESULTADOS GESTaO Administrativa, Financeira, Portfolio de Produtos, Pessoas, Infraestrutura Fisica e de TIC Jose Gava Neto Dir Adm Fin BSC Mapa Estrategico Sebrae/PR Público Alvo P6 Ter excelencia em

Leia mais

Organização da produção - Renato Garcia, setembro de 2005. renato.garcia @poli.usp.br

Organização da produção - Renato Garcia, setembro de 2005. renato.garcia @poli.usp.br Mesa - Organização da Produção Caracterização da estrutura produtiva em Sistemas Locais de Produção (APLs) proposições e implicações de políticas Renato Garcia, POLI-USP renato.garcia@poli.usp.br Apresentação

Leia mais

ANÁLISE DO GRAU DE INOVAÇÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DA CIDADE DE MINEIROS GOIÁS

ANÁLISE DO GRAU DE INOVAÇÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DA CIDADE DE MINEIROS GOIÁS ANÁLISE DO GRAU DE INOVAÇÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DA CIDADE DE MINEIROS GOIÁS André Felipe Dotto Agente Local de Inovação SEBRAE/GO e CNPq no Programa Agente Local de Inovação ALI, 2014 e 2015.

Leia mais

Inovação como Estratégia de Negócio. Filipe cassapo, Sistema FIEP Federação das Industrias do Estado do Paraná C2i Centro Internacional de Inovação

Inovação como Estratégia de Negócio. Filipe cassapo, Sistema FIEP Federação das Industrias do Estado do Paraná C2i Centro Internacional de Inovação Inovação como Estratégia de Negócio Filipe cassapo, Sistema FIEP Federação das Industrias do Estado do Paraná C2i Centro Internacional de Inovação Conteúdos Desafios da Competitividade Industrial no PR

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

PRÊMIO EXCELÊNCIA EM GESTÃO COLÉGIO SESI

PRÊMIO EXCELÊNCIA EM GESTÃO COLÉGIO SESI PRÊMIO EXCELÊNCIA EM GESTÃO COLÉGIO SESI Caros Colaboradores dos Colégios Sesi, Finalmente divulgamos a todos o resultado do primeiro indicador do Prêmio Excelência em Gestão, iniciando nossa caminhada

Leia mais

Cerâmicas e Olarias. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

Cerâmicas e Olarias. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção Cerâmicas e Olarias SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento ao Público para Vigias e Porteiros

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Ariana Martins Vieira (UEM) - arianamvi@yahoo.com.br Henrique Mello (UEM)

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2013 Data da Previsão: 16/09/2013 Duração da Primavera: 22/09/2013(17h44min) a 21/12/2013 (14h11min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Ata da 4ª Reunião da Comissão de Acompanhamento e Avaliação do Programa COMSUS Curitiba, 20 de fevereiro de 2014.

Ata da 4ª Reunião da Comissão de Acompanhamento e Avaliação do Programa COMSUS Curitiba, 20 de fevereiro de 2014. Ata da 4ª Reunião da Comissão de Acompanhamento e Avaliação do Programa COMSUS Curitiba, 20 de fevereiro de 2014. Aos vinte dias do mês de fevereiro de 2014, às 09:00 horas, esteve reunida na sala de reuniões

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

POTENCIAL DO SETOR DE TI, E O DESENVOLVIMENTO DOS APL s

POTENCIAL DO SETOR DE TI, E O DESENVOLVIMENTO DOS APL s POTENCIAL DO SETOR DE TI, E O DESENVOLVIMENTO DOS APL s POR LUÍS MÁRIO LUCHETTA VICE- PRESIDENTE DE ARTICULAÇÃO POLÍTICA DA ASSESPRO NACIONAL 29.10.2009. QUEM É ASSESPRO Associação das Empresas Brasileiras

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Autor: Katia Melissa Bonilla Alves 1 Co-autores: Ricardo Wargas 2 e Tomas Stroke 3 1 Mestre em Economia pela Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

Uma nova cultura em processos e projetos

Uma nova cultura em processos e projetos Uma nova cultura em processos e projetos 10 KPMG Business Magazine Mercado caminha para a maturidade, com uma maior percepção dos benefícios da gestão por processos para atender aos objetivos estratégicos

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

QUÍMICA, FARMACÊUTICA E MATERIAL PLÁSTICO

QUÍMICA, FARMACÊUTICA E MATERIAL PLÁSTICO QUÍMICA, FARMACÊUTICA E MATERIAL PLÁSTICO SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento ao Público para

Leia mais

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com RESUMO Em razão da abertura de

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009.

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009. Regulamento O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores brasileiros, desenvolvidos

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

5 Considerações Finais 5.1 Conclusão

5 Considerações Finais 5.1 Conclusão 5 Considerações Finais 5.1 Conclusão Nos dias atuais, nota-se que a marca exerce papel relevante para criar a diferenciação da empresa e de seus produtos tanto no mercado interno como nos mercados internacionais.

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

Resultados de Segurança do Trabalho na Cadeia Produtiva do Papel

Resultados de Segurança do Trabalho na Cadeia Produtiva do Papel Resultados de Segurança do Trabalho na Cadeia Produtiva do Papel Autores*: Dorian L. Bachmann 1 Caroline Machado 1 Flávio Triochi 2 Introdução Os acidentes no ambiente de trabalho são um resultado indesejável

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

O QUE É A JUNIOR ACHIEVEMENT?

O QUE É A JUNIOR ACHIEVEMENT? O QUE É A JUNIOR ACHIEVEMENT? A Junior Achievement é uma entidade sem fins lucrativos fundada em 1919, nos EUA. Sua missão é despertar o espírito empreendedor nos jovens ainda na escola, estimulando seu

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- CONECTADEL GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 1. Objetivo

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática. Comunicação Oral Relato de Experiência

Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática. Comunicação Oral Relato de Experiência Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática Elisabete Ap. Zambelo e-mail: elisabete.zambelo@usc.br Daniel Freire e Almeida e-mail: daniel.almeida@usc.br Verônica

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

APARELHOS ELÉTRICOS, ELETRÔNICOS E TELECOMUNICAÇÃO

APARELHOS ELÉTRICOS, ELETRÔNICOS E TELECOMUNICAÇÃO APARELHOS ELÉTRICOS, ELETRÔNICOS E TELECOMUNICAÇÃO SENAI - AMPÉRE auxiliar administrativo e de produção industrial SENAI - APUCARANA Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

PESQUISA SOBRE EMPREGO E RENDA NA REGIÃO NORDESTE SISTEMATIZAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS RELATIVOS AO PROGER E AO PROTRABALHO

PESQUISA SOBRE EMPREGO E RENDA NA REGIÃO NORDESTE SISTEMATIZAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS RELATIVOS AO PROGER E AO PROTRABALHO PESQUISA SOBRE EMPREGO E RENDA NA REGIÃO NORDESTE SISTEMATIZAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS RELATIVOS AO PROGER E AO PROTRABALHO SUDENE Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste DIEESE Departamento Intersindical

Leia mais

O RELACIONAMENTO COMO FONTE DE INOVAÇÃO: O PROGRAMA ALI EM DROGARIAS E FARMÁCIAS DE ANÁPOLIS - GO

O RELACIONAMENTO COMO FONTE DE INOVAÇÃO: O PROGRAMA ALI EM DROGARIAS E FARMÁCIAS DE ANÁPOLIS - GO O RELACIONAMENTO COMO FONTE DE INOVAÇÃO: O PROGRAMA ALI EM DROGARIAS E FARMÁCIAS DE ANÁPOLIS - GO Jordana Laís Miranda Ricardo Soares Agente Local de Inovação atuante na regional Centro - Anápolis do Programa

Leia mais

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia.

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO O presente mini-ensaio, apresenta os desvios que envolvem o conceito de micro e pequena empresa

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Figura 1 Nível de maturidade em gerenciamento de projetos PMI. Fonte: Estudo de Benchmarking do PMI (2013)

Figura 1 Nível de maturidade em gerenciamento de projetos PMI. Fonte: Estudo de Benchmarking do PMI (2013) A elevação da maturidade das organizações em gerenciamento de projetos tem sido muito vagarosa, pois como demonstra a figura 1, 82% das empresas respondentes ao Estudo de Benchmarking do PMI (2013) estão

Leia mais

Confiança do comércio paranaense volta a subir

Confiança do comércio paranaense volta a subir Pesquisa de Opinião do Empresário do www.fecomerciopr.com.br www.sebraepr.com.br COMÉRCIO Nº 25 ANO 11 MÊS JANEIRO / JUNHO 2014 Confiança do comércio paranaense volta a subir Apresentação 1º 2014 Confiança

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM INOVAÇÃO MINAS Devolutiva da Dinâmica de Escolha dos Temas de 2011

CENTRO DE REFERÊNCIA EM INOVAÇÃO MINAS Devolutiva da Dinâmica de Escolha dos Temas de 2011 CENTRO DE REFERÊNCIA EM INOVAÇÃO MINAS Devolutiva da Dinâmica de Escolha dos Temas de 2011 Março 2011 Introdução Os rumos da inovação em Minas, foi o debate central do encontro que marcou o lançamento

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

USO DE SOFTWARE NAS EMPRESAS DO RAMO DE INFORMÁTICA ATENDIDAS PELO PROGRAMA ALI

USO DE SOFTWARE NAS EMPRESAS DO RAMO DE INFORMÁTICA ATENDIDAS PELO PROGRAMA ALI USO DE SOFTWARE NAS EMPRESAS DO RAMO DE INFORMÁTICA ATENDIDAS PELO PROGRAMA ALI Bruno Henrique Pereira Gonçalves Mestre em Engenharia Elétrica e de Computação (UFG); graduado em Engenharia de Computação

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

A MARCA: UM REGISTRO NÃO OBRIGATÓRIO, MAS NECESSÁRIO

A MARCA: UM REGISTRO NÃO OBRIGATÓRIO, MAS NECESSÁRIO A MARCA: UM REGISTRO NÃO OBRIGATÓRIO, MAS NECESSÁRIO Joatan Trade Alves Agente Local de Inovação atuante na região Noroeste de Goiás do Programa ALI (2013-2015), formado em Administração de Empresas atuante

Leia mais

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO 20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Brasília / 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET

COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET COORDENAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PROCEDIMENTOS DE GERÊNCIA DE DOCUMENTOS: SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA EXTRANET Rosana PICORAL M.Sc. PROPAR/UFRGS, Arq., Prof. da FAU/PUCRS e FENG/PUCRS.

Leia mais

Alimentos e bebidas. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção

Alimentos e bebidas. Qualificação profissional básica Operador de Processos de Produção Alimentos e bebidas SENAI - AMPÉRE SENAI - APUCARANA Higiene Aplicada à Manipulação de Alimentos Planejamento, Programação e Controle de Produção - PPCP SENAI - ARAPONGAS Administração de Materiais Atendimento

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Conheça mais sobre a coleta de dados por meio de bastão de rondas, entrevistas e auditorias. Artigo Publicado no Jornal da Segurança

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais