BEXIGA HIPERATIVA E TOXINA BOTULÍNICA- BOTOX

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BEXIGA HIPERATIVA E TOXINA BOTULÍNICA- BOTOX"

Transcrição

1 BEXIGA HIPERATIVA E TOXINA BOTULÍNICA- BOTOX 1 - O que é bexiga hiperativa? Bexiga hiperativa é um conjunto de sinais e sintomas, o que caracteriza uma síndrome. O principal componente é a urgência miccional, que geralmente está associada à polaciúria (necessidade de urinar maior ou igual a oito vezes em 24 horas) e noctúria (necessidade de acordar duas ou mais vezes para urinar à noite). Em muitos pacientes, essa condição pode ocasionar perda urinária decorrente da urgência miccional. Como conceito, a bexiga hiperativa é definida pela Sociedade Internacional de Continência como a presença de urgência miccional, acompanhada ou não de incontinência, com aumento da freqüência urinária (polaciúria) e na ausência de fatores patológicos locais ou fatores metabólicos. 2 - Qual a prevalência da bexiga hiperativa (BH)? A prevalência de BH aumenta com a idade. Em indivíduos entre 40 e 44 anos de idade, a prevalência de BH é estimada em 3% para homens e 9% para mulheres. Em pessoas com idade igual ou superior a 75 anos, a prevalência aumenta para 42% nos homens e para 31% nas mulheres. Estima- se que a bexiga hiperativa afeta 34 milhões de americanos. 3 - A bexiga hiperativa (BH) traz alguma conseqüência social para o paciente? Pacientes com BH apresentam um prejuízo significativo da qualidade de vida, com comprometimento psicológico, social, ocupacional, físico e sexual, sendo causa de isolamento social, frustração e ansiedade, podendo acarretar depressão e queda da auto- estima. Além disso, a necessidade de acordar durante a noite leva a distúrbios do sono, cansaço e queda da produtividade durante o dia. 4 - Quais as outras consequências da bexiga hiperativa (BH)? A BH pode trazer disfunção irreversível para a musculatura detrusora da bexiga e alterações no esvaziamento vesical, podendo ter como conseqüências deterioração do trato urinário superior. Em paciente com espinha bífida há uma deterioração da função renal em 53% dos casos, em três anos, se não tratados. O espectro pode variar desde alterações mais benignas, como ITU de repetição, até casos mais dramáticos de hidronefrose e insuficiência renal crônica. 5 - Quais as causas da bexiga hiperativa (BH)? Basicamente podemos dividir as causas em três grupos: congênitas, adquiridas e idiopáticas Congênitas Entre as causas congênitas situam- se a maioria dos defeitos congênitos do tubo neural, como lipocele, meningomielocele, espinha bífida, agenesias sacrais e lesões espinhais ocultas.

2 Adquiridas Nas causas adquiridas, temos as traumáticas (trauma crânio- encefálico, trauma raquimedular, lesões de nervos periféricos), infecciosas (meningites, mielites), doenças degenerativas (esclerose múltipla, Guilain Barré, tumores), doenças vasculares (acidente vascular cerebral, diabetes) e doenças inflamatórias. Outras causas de BH são pós- cirúrgicas (neurocirurgias e cirurgias pélvicas) e pós radioterapia (para tratamento de tumores ginecológicos, urológicos ou coloproctológicos). Idiopática Existe em grupo de pacientes em que nenhuma causa é identificada 6 - Como é clinicamente o paciente com bexiga hiperativa (BH)? Pacientes com BH apresentam necessidade urgente de urinar, com o risco iminente de perda urinária. Esses sintomas estão usualmente associados com a presença de contrações involuntárias do músculo detrusor. Essas contrações, embora nem sempre passíveis de serem demonstradas, surgem durante o enchimento vesical e ocasionam um aumento da pressão no interior da bexiga. Quando essa pressão supera a pressão imposta pelo esfíncter, podem ocorrer perdas. 7 - Como surgem essas contrações involuntárias na bexiga hiperativa (BH)? O surgimento dessas contrações pode ter etiologia neurológica, não neurológica ou idiopática. A BH neurogênica ocorre em pacientes com alterações neurológicas em algum nível do sistema nervoso central relacionado com a micção, como, por exemplo: Cortical acidente vascular cerebral, Alzheimer, demência por múltiplos infartos e doença de Parkinson. Medular esclerose múltipla, estenose cervical ou lombar, hérnia de disco, trauma raquimedular. Nervos Periféricos lesão traumática do nervo, neuropatia diabética. Por outro lado, muitos pacientes apresentam quadro de BH sem lesões neurológicas aparentes. Esses pacientes representam um grande desafio clínico e são caracterizados como portadores de BH idiopática. Existem várias teorias tentando explicar a fisiopatologia da bexiga hiperativa idiopática, entre elas podemos citar o aumento da sensibilidade da musculatura detrusora à acetilcolina, diminuição do controle inibitório do SNC, aumento de fibras sensitivas ou mesmo presença de lesões neurológicas que não puderam ser identificadas por meio de exames convencionais. Independentemente da etiologia, tais alterações estão, direta ou indiretamente, associadas com perturbações do controle funcional da micção. 8 - Quais as implicações clínicas dessas contrações involuntárias na bexiga hiperativa (BH)? Além dos sintomas de urgência, polaciúria e noctúria, essas contrações podem atingir um limiar em que a pressão intra vesical supera a pressão de saída (pressão

3 uretral) ocorrendo a incontinência. Em determinados níveis de lesões neurológicas, junto com a contração detrusora há uma contração da musculatura do esfíncter uretral, caracterizando a dissinergia detrusor esfincteriana. Nesses casos, a pressão intravesical pode ser tão elevada que pode trazer como conseqüência danos na própria musculatura vesical (surgimento de divertículos, lesões nas fibras musculares do detrusor e substituição das fibras colágenas por fibrose) e danos ao trato urinário superior, principalmente em pacientes com refluxo vésico- ureteral. 9 - Quais as implicações fisiopatológicas dessas contrações involuntárias na bexiga hiperativa (BH)? Quando a pressão detrusora no enchimento vesical excede 40 cmh2o, a taxa de filtração glomerular diminui e a drenagem pielocalicial e uretral deterioram, levando à hidronefrose e refluxo vésico- ureteral. Pressões elevadas predispõem à disfunção do trato urinário superior, infecção do trato urinário e insuficiência renal crônica. Aumento intermitente da pressão detrusora leva à hiperreflexia e hipertonia detrusora. Hiperreflexia causa aumento intermitente da pressão, principalmente na presença de dissinergia, num círculo vicioso. Sob um longo período de pressão elevada, a hiperreflexia pode levar à descompensação detrusora (arreflexia por falência miogênica) ou hipertrofia detrusora com formação de pseudo- divertículos. Essas alterações fisiopatológicas afetam as propriedades viscoelásticas da bexiga podendo levar à obstrução mecânica da junção uretrovesical. Aumento contínuo da pressão intravesical também pode ser decorrência de detrusor hipertônico ou de bexiga de pequena capacidade, secundária à obstrução infravesical Quais são as funções da bexiga? A bexiga possui duas funções básicas: armazenamento de urina sob baixa pressão em um reservatório continente; esvaziamento periódico da urina armazenada, de forma coordenada, eficiente e completa Como essas funções vesicais devem ocorrer? Essas duas funções são determinadas pela musculatura lisa e estriada da bexiga, uretra e esfíncter uretral, sob o controle de vários circuitos neuronais no cérebro e medula espinhal. Para que estes fenômenos ocorram nestas condições, é absolutamente necessária a integridade do sistema neurológico que controla estas funções. A falta de maturação do sistema nervoso central pós- natal faz com que a micção seja iniciada e controlada por circuitos neurológicos reflexos. Em crianças mais velhas e nos adultos, após maturação dos centros neurológicos do sistema nervoso central, a micção passa a ser controlada voluntariamente por circuitos localizados no cérebro.

4 12 - Como funciona a bexiga na fase de enchimento em condições normais? Durante o enchimento vesical, a bexiga progressivamente acumula maior quantidade de urina com manutenção de níveis pressóricos baixos. Nesta fase, a atividade neuronal predominante é do sistema nervoso simpático, originário dos núcleos intermediolaterais da medula espinhal, entre T10 e L2 e mediado pela noradrenalina. Os efeitos predominantes da atividade simpática são a inibição da atividade parassimpática e a contração da musculatura lisa uretral e da base da bexiga, mantendo aumentado o tônus de saída da urina da bexiga. Simultaneamente, a musculatura estriada uretral e do assoalho pélvico são estimuladas pelos nervos pudendos, levando à contração das mesmas. As contrações da musculatura do esfíncter externo, conjugadas às do esfíncter interno, mantêm a pressão uretral maior que a vesical. Esta é a base do mecanismo da continência. Enquanto a resistência uretral for maior que a pressão intravesical, não há fluxo urinário. Caso, por condições patológicas, a pressão vesical seja anormalmente alta ou a resistência uretral seja anormalmente baixa, pode ocorrer fluxo urinário já nas fases iniciais do enchimento vesical Como funciona a bexiga na fase de esvaziamento em condições normais? O esvaziamento vesical não é só um ato reflexo, envolve coordenação de vias supra- espinhais e controle voluntário. Durante o esvaziamento vesical, cessa- se a atividade simpática e inicia- se a atividade parassimpática que leva à contração detrusora. Simultaneamente é findada a estimulação pelos nervos pudendos sobre a musculatura estriada uretral e assoalho pélvico, levando ao seu relaxamento, o que possibilita a expulsão da urina com mínima resistência. O principal mediador parassimpático é a acetilcolina. Imediatamente antes da contração vesical, ocorre relaxamento esfincteriano e do assoalho pélvico, sendo este um provável estímulo para a contratação vesical. A contração da musculatura longitudinal interna da uretra, concomitantemente com a da bexiga, leva ao encurtamento uretral e ao afunilamento do colo vesical, contribuindo para o direcionamento da força vesical e a diminuição da resistência uretral. Quando desejamos interromper voluntariamente a micção antes do total esvaziamento vesical, realizamos a contração tanto das fibras estriadas periuretrais, quanto da musculatura perineal, resultando no aumento da resistência uretral e na conseqüente interrupção do fluxo. Estímulos aferentes vesicais também estão envolvidos no controle da micção. Normalmente os estímulos aferentes oriundos de receptores localizados na parede e mucosa vesical são conduzidos por fibras mielinizadas de condução rápida, denominadas fibras A. Contudo, parece existir uma segunda via de condução através de fibras finas, desmielinizadas e de condução lenta, denominadas fibras C, que em condições normais permaneceriam latentes Quais são as pressões em uma bexiga normal? Em bexigas normais, a mudança de pressão entre vazia e cheia é normalmente inferior a cmh2o. Pressões de micção para homens e mulheres são de cmh2o e de cmh2o, respectivamente.

5 15 - Como é o funcionamento vesical na bexiga hiperativa (BH)? A fisiopatologia da bexiga hiperativa não é totalmente conhecida. Provavelmente existem vários mecanismos envolvidos, o que talvez seja uma das explicações para a diversidade de sintomas descritos e diferentes respostas aos tratamentos disponíveis. Geralmente, na bexiga hiperativa há o surgimento de contrações detrusoras involuntárias. Disfunções em vários níveis podem acometer o trato urinário levando a distúrbios de armazenamento e eliminação da urina. Incapacidade de armazenar urina pode levar à incontinência e a incapacidade de esvaziamento adequado, à obstrução. Existem várias teorias para a elucidação da fisiopatologia da hiperatividade vesical. Um dos postulados sugere que a transmissão do impulso nervoso no detrusor de uma pessoa normal é mantida por tempo suficiente para o esvaziamento vesical. Na fase de armazenamento há pequenas áreas de atividade, multifocais, que desaparecem espontaneamente. São essas áreas multifocais que não desaparecem na hiperatividade, associada à propagação dessa, tornado- se em uma contração clinicamente detectável, também chamada de excitação assincrônica do detrusor pelos seus defensores Existem outras teorias para a bexiga hiperativa? Sim. Uma teoria defende que a hiperatividade detrusora pode ser desencadeada por alterações da inervação sensitiva vesical. Lesões que excluem o centro pontino ativam o reflexo mediado por informações mecânicas, levadas ao centro sacral parassimpático através de fibras C amielínicas, desencadeando a contração detrusora. Outra teoria preconiza alterações dos neurotransmissores da parede vesical como causa da hiperatividade detrusora. Haveria liberação de ATP pelo urotélio em resposta a distensão vesical, ativando terminações nervosas subepiteliais que transmitiriam a informação ao SNC, desencadeando a contração detrusora. Existem outros neurotransmissores, como o neuropeptídeo Y, substância P, óxido nítrico, taquicininas e neurocininas, que também desempenhariam efeito semelhante na hiperatividade Somente lesões neurológicas podem causar hiperatividade detrusora? Não, algumas outras doenças podem levar ao surgimento da bexiga hiperativa (BH). A obstrução infravesical (hiperplasia prostática, estenose de uretra, prolapsos vaginais) leva a um aumento das pressões de micção do músculo detrusor. Esse aumento constante da pressão causa uma hipertrofia do detrusor, com alterações nas suas propriedades viscoelásticas (aumento na taxa muscular de colágeno) e diminuição da quantidade de inervação. Além disso, pressões intravesicais constantemente elevadas causam isquemia, o que justifica a substituição de fibras musculares por tecidos menos contráteis e diminuição da inervação. Além disso, pode acarretar formação de pseudo- divertículos, com infecções do trato urinário

6 (ITU) recorrentes devido a resíduo urinário, agravando o dano neurológico vesical por meio de processo de inflamação transmural e fibrose. Juntos, alta pressão intravesical e/ou refluxo vesicoureteral e ITU podem levar a episódios de pielonefrite e dano renal irreversível. Outra causa de BH de causa não neurológica é a incontinência urinária de esforço, não bem elucidada ainda. Acredita- se que nessa doença, devido a abertura do colo vesical, hipermobilidade uretral ou defeito intrínseco do esfíncter uretral, há extravasamento de urina para o lúmen uretral, desencadeando as contrações reflexas do detrusor. Há também os casos de BH em que não se encontra defeitos anatômicos ou funcionais, nem lesões neurológicas ou outras doenças que possam ser a causa da hiperatividade, sendo então denominada BH idiopática Como se inicia a avaliação da bexiga hiperativa? A anamnese é a peça fundamental, pois trata- se de uma síndrome clínica. Uma história clínica completa deve ser realizada para identificar possíveis alterações neurológicas, metabólicas e locais que possam justificar o quadro, além do uso de medicamentos. Em homens, atenção especial deve ser dada a avaliação da obstrução infravesical decorrente da hiperplasia prostática benigna, que pode levar a sintomas de BH. Em mulheres, atenção deve ser dada a história ginecológica pregressa, incluindo cirurgias e sua correlação com o início dos sintomas. Também devemos investigar outras causas que podem cursar com sintomas de bexiga hiperativa, como diabetes, insuficiência cardíaca, constipação crônica e doenças endócrinas. Atenção também deve ser dada a alterações neurológicas, história de cirurgias ou radioterapias prévias, tratamentos para incontinência urinária ou hiperatividade, além de traumas e acidentes prévios Existe outro recurso clínico que posso utilizar em casos de bexiga hiperativa (BH)? Pode- se utilizar uma ferramenta de grande valia na caracterização dos hábitos urinários dos pacientes. O diário miccional é um teste simples e muito importante, que fornece informações sobre o ritmo miccional do paciente, débito urinário diurno e noturno, capacidade cistométrica funcional, número de micções e episódios de perda urinária, devendo ser preenchido, preferencialmente, por um período de três dias. Além disso, o diário miccional tem- se mostrado útil para avaliar os efeitos do tratamento O que deve ser investigado no exame físico de pacientes com bexiga hiperativa (BH)? O exame físico é fundamental no sentido de confirmar lesões neurológicas e afastar outras doenças que poderiam levar a sintomas semelhantes aos da bexiga hiperativa. A realização de um exame neurológico sumário, observando alterações da marcha, da sensibilidade perineal e do tônus do esfíncter anal, é importante para

7 avaliar a integridade do centro medular sacral, responsável pelo arco reflexo da micção (arco reflexo sacral S2- S3 - S4), e se o componente motor do nervo pudendo está preservado. Deve- se procurar cicatrizes de cirurgias previas ou lesões congênitas. A realização do exame ginecológico, avaliando as condições da mucosa vaginal, sinais de hipoestrogenismo, prolapsos, vulvovaginites, incontinência aos esforços, sinais de correção de IUE, cirurgias pélvicas ou vaginais prévias, é fundamental. No homem, é mandatório o exame digital retal para avaliação prostática Quais exames complementares devem ser solicitados na avaliação da bexiga hiperativa (BH)? Uma vez que a infecção urinária pode desencadear sintomas bastante semelhantes ao da bexiga hiperativa, o exame do sedimento urinário e, quando indicado (suspeita clínica), a urocultura com antibiograma devem ser realizados de rotina. A presença de hematúria sugere a possibilidade de neoplasia ou litíase, devendo ser adequadamente investigadas. Pacientes acima dos 50 anos de idade com sintomas de bexiga hiperativa, passado de tabagismo e hematúria devem ser avaliados quanto à possibilidade de tumor urotelial da bexiga. Dosagens de creatinina e glicemia devem ser realizadas, visto que pacientes em fase inicial de insuficiência renal crônica e pacientes diabéticos podem apresentar aumento da diurese e polaciúria. Nos homens, dosagem de PSA faz parte da avaliação prostática. A avaliação urodinâmica auxilia no diagnóstico e na orientação terapêutica dos pacientes com bexiga hiperativa. Ultrassonografia do trato urinário e da pelve permitem avaliar a presença de massas na cavidade pélvica, além de fornecer informações sobre resíduo pós- miccional e lesões do trato urinário. A presença de resíduo pós- miccional inferior a 50 ml é considerada normal Como funciona o estudo urodinâmico(eud)? A urodinâmica é um estudo fisiológico do armazenamento e esvaziamento vesical. Durante a avaliação urodinâmica, tentamos reproduzir os sintomas sob condições controladas. A avaliação urodinâmica poderia ajudar na orientação terapêutica de pacientes com sintomas de bexiga hiperativa, que não responderam ao tratamento inicial menos invasivo e para os quais se planeja uma abordagem mais agressiva. O EUD consiste na introdução de um pequeno cateter no interior da bexiga e um balão retal para avaliar a pressão intra- abdominal. Na maioria das vezes, o cateter vesical possui dois canais, um que irá medir a pressão no interior da bexiga e outro que será utilizado para realizar o enchimento vesical com soro fisiológico. O exame geralmente não gera dor, apenas um pequeno desconforto pela passagem do cateter.

8 23 - Existem outras doenças que podem simular bexiga hiperativa (BH)? Diversas condições podem apresentar sintomas semelhantes aos da BH. Devemos sempre excluir a possibilidade de infecção do trato urinário e genital, cistite intersticial, carcinoma in situ ou invasivo da bexiga, litíase, endometriose, amiloidose, corpo estranho e incontinência urinária de esforço Todos os pacientes com bexiga hiperativa (BH) apresentam incontinência urinária? Não. Em torno de 40% dos pacientes com diagnóstico clínico de BH apresentam perda urinária por urgência, sendo mais comum em mulheres do que em homens. Os sintomas de bexiga hiperativa tornam- se mais freqüentes com o aumento da idade, devendo ser suspeitada em pacientes idosos com quadro clínico compatível Quais são os objetivos do tratamento da bexiga hiperativa (BH)? Os objetivos do tratamento da BH são: permitir um estado de continência socialmente aceitável para o paciente, tornando possível o retorno ao convívio habitual; eliminar ou diminuir a alta pressão intra- vesical; prevenir ou evitar as lesões ao trato urinário superior. CONCLUSÃO: A administração da Toxina botulínica na bexiga é realizada através de um cistoscópio (tipo de endoscópio para via urinária), sob anestesia local, raquidiana ou sedação. O procedimento é realizado em caráter ambulatorial ou de Hospital Dia, sendo que o paciente tem condições de alta após aproximadamente duas horas. Os efeitos adversos com a aplicação da Toxina botulínica na bexiga são raros e de pequena magnitude. É fundamental ser ressaltado que por se tratar de um produto biológico, não há equivalência de dose entre as várias toxinas botulínicas. São contra- indicações ao uso da Toxina botulínica na bexiga: a presença de infecção urinária e alergia à toxina. Contra- indicações relativas são a presença de neuropatias como a Miastenia Gravis, uso de aminoglicosídeos, gestação e obstrução infra- vesical. Podemos concluir que o tratamento da bexiga hiperativa com Botox intravesical é seguro, altamente eficaz e apresenta raros e transitórios efeitos adversos. DR.CHARLES ROSENBLATT Tel

9

10

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic Mal formações do trato urinário Luciana Cabral Matulevic Refluxo Vésico-Ureteral Fluxo anormal de urina da bexiga para o trato urinário superior Achado isolado ou associado a outras malformações Causas

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA SEXOLOGIA CLÍNICA Rafaela Prado M. Fleury Fisioterapeuta em Urologia, Ginecologia, Obstetrícia e recuperação pós retirada

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Incontinência por imperiosidade

Incontinência por imperiosidade Incontinência por imperiosidade Autor: Luís Abranches Monteiro, Dr., Urologista, Hospital Curry Cabral Lisboa Actualizado em: Julho de 2010 Uma micção imperiosa define-se como aquela que é difícil de adiar,

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

SÍNDROMES MEDULARES. Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira

SÍNDROMES MEDULARES. Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira SÍNDROMES MEDULARES Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Divisão de Neurologia Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Processo de Trabalho em saúde: Integralidade e Cuidado do 6º ou 7º Biossegurança no trabalho, aspectos legais, suas classificações

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

Urologia Fundamental CAPÍTULO. Bexiga Neurogênica. Flávio Eduardo Trigo Rocha Cristiano Mendes Gomes

Urologia Fundamental CAPÍTULO. Bexiga Neurogênica. Flávio Eduardo Trigo Rocha Cristiano Mendes Gomes Urologia Fundamental CAPÍTULO 27 Bexiga Neurogênica Flávio Eduardo Trigo Rocha Cristiano Mendes Gomes UROLOGIA FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO Bexiga neurogênica (BN) é um termo criado para descrever disfunções

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

Doença do Neurônio Motor

Doença do Neurônio Motor FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Doença do Neurônio Motor Acd. Mauro Rios w w w. s c n s. c o m. b r Relato de Caso Paciente M.V., sexo masculino, 62 anos,

Leia mais

Boletim Informativo 6-2007

Boletim Informativo 6-2007 PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS TTOI ICCOLLOGI IAA Conforme muitos pedidos de médicos veterinários e também por solicitação de muitos proprietários, podemos contar agora com um

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

Qual o tamanho da próstata?

Qual o tamanho da próstata? É o aumento benigno do volume da próstata. A próstata é uma glândula situada na parte inferior da bexiga e anterior ao reto. No seu interior passa a uretra (o canal pelo qual a urina é eliminada do corpo).

Leia mais

Incontinência urinaria. Claudia witzel

Incontinência urinaria. Claudia witzel Incontinência urinaria Claudia witzel A Incontinência Urinária (IU) é a queixa de qualquer perda involuntária de urina, caracterizando uma condição que gera grandes transtornos para a vida das pessoas

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

Patologia Geral. Adaptações Celulares. Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider. h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/

Patologia Geral. Adaptações Celulares. Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider. h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Patologia Geral Adaptações Celulares Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Adaptações Celulares Alterações do: Volume celular aumento = hipertrofia - diminuição

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Infecção do trato urinário

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Infecção do trato urinário CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida : Ivaldo Silva Incontinência urinária Definição Incontinência é a perda involuntária de urina da bexiga. Uma avaliação mais completa pode determinar a sua causa. A incidência

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES Deteta informação sensorial Processa e responde à informação sensorial (integração) Mantém a homeostasia Centro das atividades mentais Controla os movimentos do corpo através dos

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO UROLOGISTA. Cerca de 90% dos cânceres da bexiga são classificados como:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO UROLOGISTA. Cerca de 90% dos cânceres da bexiga são classificados como: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO UROLOGISTA QUESTÃO 21 Cerca de 90% dos cânceres da bexiga são classificados como: a) Papilomas vesicais. b) Carcinomas epidermóides. c) Carcinomas de células

Leia mais

Disfunções miccionais na criança

Disfunções miccionais na criança Disfunções miccionais na criança Rui Almeida Pinto Departamento de Urologia, Centro Hospitalar de São João Faculdade de Medicina, Universidade do Porto Desenvolvimento e Micção: 1. Controle nocturno fecal

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

INFECCAO URINARIA. DR Fernando Vaz

INFECCAO URINARIA. DR Fernando Vaz INFECCAO URINARIA DR Fernando Vaz Complicada x não complicada Infecção urinária não complicada Leve Trato urinário normal Infecção urinária complicada Mais grave Trato urinário comprometido Infecção Urinária

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INTRODUÇÃO ITU invasão por microorganismos que desencadeiam resposta inflamatória. Bactérias que atingem via ascendente, hematogência ou linfática Cistite : mucosa vesical -

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

5/13/2010. Conjunto de sinais e sintomas específicos previsíveis, que resulta de uma determinada lesão do SNC, SNP ou músculos esqueléticos;

5/13/2010. Conjunto de sinais e sintomas específicos previsíveis, que resulta de uma determinada lesão do SNC, SNP ou músculos esqueléticos; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VETERINÁRIA Conjunto de sinais e sintomas específicos previsíveis, que resulta de uma determinada lesão do SNC, SNP

Leia mais

tract in children: lessons from the last 15 years Michael Riccabona Pediatr Radiol (2010) 40:947 955

tract in children: lessons from the last 15 years Michael Riccabona Pediatr Radiol (2010) 40:947 955 Obstructive diseases of the urinary tract in children: lessons from the last 15 years Michael Riccabona Pediatr Radiol (2010) 40:947 955 Resumo A obstrução do tracto urinário é um problema frequente em

Leia mais

Líder Mundial em produtos para Incontinência Urinária. www.tena.com.br

Líder Mundial em produtos para Incontinência Urinária. www.tena.com.br Líder Mundial em produtos para Incontinência Urinária www.tena.com.br Guia Completo Sobre a Incontinência Sobre a Incontinência Nas páginas seguintes falaremos de uma maneira prática e ilustrada sobre

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor.

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor. 7 LEANDRO RAATZ BOTTURA EFEITOS DA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR SOBRE O SISTEMA NERVOSO CENTRAL Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da Odontologia

Leia mais

Incontinência Urinária

Incontinência Urinária Incontinência Urinária Marco Antonio Arap 1 Cristiano Mendes Gomes 1 Epidemiologia e Quadro Clínico Incontinência urinária é a perda involuntária de urina pelo meato uretral, caracterizando um sintoma

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

14/4/2015. Quando as bactérias entram nos rins ou na bexiga urinária, se multiplicam na urina e causam ITU. As ITU inferiores incluem:

14/4/2015. Quando as bactérias entram nos rins ou na bexiga urinária, se multiplicam na urina e causam ITU. As ITU inferiores incluem: UNESC FACULDADES ENFERMAGEM NEFROLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES A infecção do trato urinário (ITU) é a infecção ou colonização do trato urinário (rins, ureteres, bexiga e uretra) por microorganismos. A infecção

Leia mais

mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP

mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP Infecção urinária ria na mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP Epidemiologia Queixa freqüente ente em atendimentos de ginecologia

Leia mais

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo:

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo: Diabetes insípidus O que é Diabetes insípidus? Diabetes insípidus consiste em um distúrbio de controle da água no organismo, no qual os rins não conseguem reter adequadamente a água que é filtrada. Como

Leia mais

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP DEMÊNCIAS Medicina Abril 2007 Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP Queixa de memória, autocrítica excessiva depressão, ansiedade efeito de doença sistêmica ou medicação envelhecimento

Leia mais

Refluxo Vesicoureteral em Crianças

Refluxo Vesicoureteral em Crianças Refluxo Vesicoureteral em Crianças Refluxo Vesicoureteral em crianças O RVU (Refluxo vesicoureteral) é uma condição que se apresenta em crianças pequenas. Ao redor do 1% das crianças de todo o mundo tem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL Investigação Imagens Anomalias obstrutivas do trato urinário Obstrução da junção ureteropélvica Obstrução

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

Sessão Televoter Urologia

Sessão Televoter Urologia 2012 Norte 17 de Novembro Sábado Sessão Televoter Urologia Tomé Lopes Palma dos Reis LUTS (Lower Urinary Tract Symptoms) Obstructivos (Esvaziamento) Irritativos (Armazenamento) Hesitação inicial Jacto

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de revenção do câncer

Leia mais

Anatomia e Fisiologia da Micção

Anatomia e Fisiologia da Micção Urologia Fundamental CAPÍTULO 2 Anatomia e Cristiano Mendes Gomes Marcelo Hisano UROLOGIA FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO A bexiga funciona como reservatório para armazenamento e eliminação periódica da urina.

Leia mais

PREVENÇÃO DA INFEÇÃO URINÁRIA

PREVENÇÃO DA INFEÇÃO URINÁRIA PREVENÇÃO DA INFEÇÃO URINÁRIA i Enf.ª Alda Maria Cavaleiro de Melo Enfermeira Especialista em Enfermagem de Reabilitação Serviço de Neurologia Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra EPE PREVENÇÃO

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Distúrbios do tônus Prof a. Ana Karolina Pontes de Lima

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

Patologias do Trato Urinário Inferior

Patologias do Trato Urinário Inferior Patologias do Trato Urinário Inferior M.V. Eduardo Garrido Aprimorando em Patologia Animal, FCAVJ-UNESP, campus de Jaboticabal garridovet@gmail.com Dr. Gervásio H. Bechara Professor Titular em Patologia

Leia mais

Controle da bexiga e do intestino após dano na medula espinhal.

Controle da bexiga e do intestino após dano na medula espinhal. Agent s Stamp FINETECH - BRINDLEY Controle da bexiga e do intestino após dano na medula espinhal. www.finetech-medical.co.uk Phone: +44 (0)1707 330942 Fax: +44 (0)1707 334143 Especialistas na produção

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Diagnóstico de endometriose

Diagnóstico de endometriose Diagnóstico de endometriose Endometriose se caracteriza pelo achado de glândulas e/ou estroma endometrial em locais anormais. Acomete aproximadamente 15% das mulheres em idade fértil tornando-se uma doença

Leia mais

Incontinência Urinária

Incontinência Urinária Como funciona o sistema urinário? Para entender como ocorrem as perdas de urina, é importante conhecer o funcionamento básico do sistema urinário: A urina é produzida pelos rins, escoada pelos ureteres,

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

COMPONENTE CURRICULAR - UROLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA - CRONOGRAMA DE ATIVIDADES PERÍODO: 8º - 2015.2 DIA ATIVIDADE/AULA PROFESSOR

COMPONENTE CURRICULAR - UROLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA - CRONOGRAMA DE ATIVIDADES PERÍODO: 8º - 2015.2 DIA ATIVIDADE/AULA PROFESSOR FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES CNPJ 28.964.252/0001-50 005.104.008/17.169 C.A.P. FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS Av. Alberto Torres, 217 Centro Campos dos Goytacazes-RJ CEP 28 035-581 Telefone/Fax (22)

Leia mais

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Autônomo PSICOLOGIA Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Central: Encéfalo (cérebro, bulbo, ponte, cerebelo) Medula Sistema Nervoso Sistema Nervoso Periférico: Nervos Periféricos 12 craniais

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças Funcionamento e coordenação nervosa Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças No Sistema Nervoso as mensagens são

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

"Após a lesão medular, é preciso compreender a nova linguagem do corpo, para descobrir que é a mesma pessoa, com desejos, manias e grande potencial.

Após a lesão medular, é preciso compreender a nova linguagem do corpo, para descobrir que é a mesma pessoa, com desejos, manias e grande potencial. Lesão Medular Dra. Beatriz G. Castiglia Especialista em Medicina Física e Reabilitação "Após a lesão medular, é preciso compreender a nova linguagem do corpo, para descobrir que é a mesma pessoa, com desejos,

Leia mais

Incontinência urinária: o estudo urodinâmicoé indispensável?

Incontinência urinária: o estudo urodinâmicoé indispensável? Mariana Olival da Cunha marianaolival@ig.com.br Incontinência urinária: o estudo urodinâmicoé indispensável? Mariana Olival da Cunha (R2) Orientadora: Dra. Rebecca Sotelo Definições* IU: perda involuntária

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Disfunção Erétil. Acd. Francisco Caubi. w w w. s c n s. c o m.

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Disfunção Erétil. Acd. Francisco Caubi. w w w. s c n s. c o m. FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Disfunção Erétil Acd. Francisco Caubi w w w. s c n s. c o m. b r Relato do Caso Paciente, S.R.M, sexo masculino, 32 anos,

Leia mais

EFICÁCIA E SEGURANÇA DA TADALAFILA 5 MG/DIA EM HOMENS COM LUTS/HPB COM E SEM DISFUNÇÃO ERÉTIL

EFICÁCIA E SEGURANÇA DA TADALAFILA 5 MG/DIA EM HOMENS COM LUTS/HPB COM E SEM DISFUNÇÃO ERÉTIL EFICÁCIA E SEGURANÇA DA TADALAFILA 5 MG/DIA EM HOMENS COM LUTS/HPB COM E SEM DISFUNÇÃO ERÉTIL ADOLFO CASABÉ LUTS/HPB E DISFUNÇÃO ERÉTIL Mecanismo fisiopatológico em comum LUTS Diminuição da capacidade

Leia mais

Síndromes Neurológicos

Síndromes Neurológicos Síndromes Neurológicos Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Roberto Caron O Monstro Neurológico... Os 4 Passos do Diagnós?co Neurológico Elicitação dos fatos clínicos Anamnese Exame Clínico Diagnóstico Síndrômico

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

A causa exata é determinada em apenas 12-15% dos pacientes extensamente investigados

A causa exata é determinada em apenas 12-15% dos pacientes extensamente investigados LOMBALGIA Prof. Jefferson Soares Leal Turma: Fisioterapia e Terapia Ocupacional Faculdade de Medicina da UFMG Aula e bibliografia recomendada estarão disponíveis para os alunos para donwload no site www.portalvertebra.com.br

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais