Curso Introdutório. data: 19 de outubro de 2016 Local: auditório do segundo andar da CAP facilitadora: Karen Athié

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Introdutório. data: 19 de outubro de 2016 Local: auditório do segundo andar da CAP facilitadora: Karen Athié"

Transcrição

1 SMS

2 Curso Introdutório data: 19 de outubro de 2016 Local: auditório do segundo andar da CAP facilitadora: Karen Athié

3 Bolsa Família Fonte:

4

5

6 Início em julho de 2008 Objetivo de apoiar as Equipes de Saúde da Família a partir de três eixos metodológicos: Clínica Ampliada; Apoio Matricial; Projeto Terapêutico Singular. Cobertura por equipe do NASF/ 5 a 9 Equipes de Saúde da Família

7 Poderão compor os NASF as seguintes ocupações do Código Brasileiro de Ocupações (CBO): Médico acupunturista; assistente social; profissional/professor de educação física; farmacêutico; fisioterapeuta; fonoaudiólogo; médico ginecologista/obstetra; médico homeopata; nutricionista; médico pediatra; psicólogo; médico psiquiatra; terapeuta ocupacional; médico geriatra; médico internista (clínica médica), médico do trabalho, médico veterinário, profissional com formação em arte e educação (arte educador) e profissional de saúde sanitarista. em uma dessas áreas. ou seja, profissional graduado na área de saúde com pósgraduação em saúde pública ou coletiva ou graduado diretamente. Fonte:

8 gestores municipais e critérios de prioridade: 1. dados epidemiológicos 2. necessidades locais 3. e das equipes de saúde que serão apoiadas.

9 Bases Conceituais Coordenação do cuidado Busca ativa Colaboração Rede Educação Permanente Integralidade Longitidunalidade

10 Onde tem NASF na AP 1.0? Clínicas da Família Área Coberta Numero de equipes NASF 1 Dona Zica Mangueira 5 Carioca da Gema 2 Nélio de Oliveira Gamboa 3 Cidade do Samba 3 Sérgio Vieira de Mello Catumbi 6 Cidade do Samba 4 Estácio de Sá Estácio de Sá 5 Sem cobertura 5 Fernando Braga Lopes Caju 7 Sem cobertura 6 CSE São Francisco de Assis Cidade Nova 3 Sem cobertura 7 CSE Lapa Lapa 2 Sem cobertura 8 CF Estivadores São Cristovão 2 Sem cobertura 9 CF Medalhista Olímpico Mauricio Silva Benfica, Vasco da Gama 6 Sem cobertura 10 CF Medalhista Olímpico Ricardo Lucarelli Souza Estácio de Sá 5 Sem cobertura

11 Onde tem NASF AP 1.0? Serviços ESF NASF 1 Unidade Integrada de saúde Manuel Antonio Vilaboim 2 equipes Não tem 2 CMS Ernani Agrícola 2 equipes Não tem a equipe do CMS matricia 3 CMS Ernesto Zeferino Tibau Junior 3 equipe s NASF Carioca da Gema e CAPS Magal retaguarda matricial para casos graves 4 CMS José Messias do Carmo 4 equipes Não tem 5 CMS Marcolino Candau 3 equipes Não tem -a equipe do amb tem buscado parcerias para o matriciamento 6 CMS Oswaldo Cruz 1 equipes Carioca da Gema 2 Equipes de Consultório na Rua 7 CMS Salles Neto 6 equipes Não tem/ psiquiatra matriciador do IPUB/ Otávio 8 Policlínica Antonio Ribeiro Neto ( Unidade C) Não tem Não tem

12 Profissionais NASF Das 60 equipes da ESF 18 são apoiadas pelos NASF O matriciamento também tem acontecido também sem o NASF

13 Profissionais NASF Todas as especialidades que compõem a equipe NASF podem realizar ações de saúde mental. Das 66 equipes da ESF 18 são apoiadas pelos NASF (27% de cobertura da ESF) Equipe Carioca da Gema Equipe Cidade do Samba Vídeo Patel ( o caso da saúde mental global) ealth_for_all_by_involving_all?language=pt-br

14

15

16 Serviços Hospitalares 1. Hospital Geral 2. Emergência 3. Hospital Psiquiatríco Serviços Especializados de Saúde Mental 1. Ambulatórios 2. CAPS (cobertura por área/ hab) Serviços de Atenção Primária 1. UBS ( cobertura por área/ hab) 2. Serviços de Saúde baseados na Comunidade a. ESF b. NASF c. Consultório na Rua

17 Exemplo do Caso do Eduardo Emílio KQ

18

19 Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganizaçäo do trabalho em saúde / Local reference teams and specialized matrix support: an essay about reorganizing work in health services Author Campos, Gastão Wagner de Sousa. Source Ciênc. saúde coletiva; 4(2): , Resumo Propöe um novo arranjo organizacional para o trabalho em saúde. É desenvolvido e ampliado o conceito de equipe de referência - proposto e experimentado desde É também reelaborado o conceito de organizaçäo matricial do trabalho, invertendo-se em relaçäo ao esquema original o que seria permanente e aquilo que seria transitório (recorte matricial) nos serviços de saúde. Säo também apresentadas consideraçöes teóricas que autorizam e justificam a construçäo desta nova proposta.(au)

20

21 O Que é que o NASF faz? O NASF faz matriciamento!!!!

22 E o que é matriciamento? Quantos nomes e quantas definições cabem nesse encontro de profissões diferentes com metodologias de trabalho diferentes e um determinado fim: O CUIDADO em Saúde?

23

24 Algumas questões Qual é a diferença entre o NASF e a prática de matriciamento? Ou trabalho integrado Ou apoio matricial Ou trabalho compartilhado Ou trabalho interdisciplinar Multidisciplinar ou conjunto??? Por que o NASF é importante? Q

25 Matriciamento - prioridades Escuta e acolhimento das diversas dimensões do sofrimento. Formulação de diagnóstico multiaxial. Manejo dos transtornos mentais comuns (ansiedade leve, poliqueixosos, deprimidos), quadros psicóticos estabilizados. Acompanhamento de usuários AD, ações de Redução de Danos e desintoxicação alcoólica. Intervenções psicossociais como condução de atividades grupais. Uso racional de psicofármacos e desmame de benzo dependentes.

26 Matriciamento -instrumentos Consulta conjunta Interconsulta Visita domiciliar conjunta Elaboração de projetos terapêuticos Planejamento e organização de grupos terapêuticos com ou sem especialistas Reuniões com as equipes ou com outros setores envolvidos com a saúde da população Grupos de prevenção e promoção de saúde

27 Matriciamento Não é MATRICIAMENTO Não é: Supervisão Encaminhamento ao especialista Atendimento individual ou intervenção psicossocial realizada apenas pelo profissional de referencia do NASF Ação desenvolvida exclusivamente com os ACS, sem o planejamento dos demais profissionais da equipe Resumir os encontros à discussão de caso ou capacitação em determinado assunto. Ex. SM

28 Como o NASF recebe os casos? A porta de entrada do NASF é a equipe da ESF Todos os casos do NASF são da área de cobertura da ESF Demandas da equipe mínima

29 Resultados esperados Trabalho em colaboração promove a educação permanente (resolutividade) O profissional do NASF oferece sua parceria para facilitar processos de cuidado com os usuários (acesso)

30 É importante observar Os diferentes tempos profissionais O alinhamento da linguagem usada Processo de aprendizagem contínuo

31 Contatos Karen Athié Psicóloga Blog de Saúde Mental da CAP1.0 Meu blog profissional:

32

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié Apoiadora Técnica Saúde Mental e

Leia mais

SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA DOCUMENTO DE APOIO PARA AS SOLICITAÇÕES DE ENCAMINHAMENTO VIA SISREG RIO DE JANEIRO AP1.0

SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA DOCUMENTO DE APOIO PARA AS SOLICITAÇÕES DE ENCAMINHAMENTO VIA SISREG RIO DE JANEIRO AP1.0 SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA DOCUMENTO DE APOIO PARA AS SOLICITAÇÕES DE ENCAMINHAMENTO VIA SISREG RIO DE JANEIRO AP1.0 Orientações Gerais para a cidade do Rio de Janeiro 1. O atendimento em saúde mental

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié e Liu Leal Apoiadoras Saúde Mental,

Leia mais

Conversa intersetorial sobre a atenção psicossocial na AP 1.0

Conversa intersetorial sobre a atenção psicossocial na AP 1.0 Conversa intersetorial sobre a atenção psicossocial na AP 1.0 O que é que a gente quer com essa conversa? 1. apresentar os processos atuais 2. projetar os nossos desejos em processo de construção 3. fortalecer

Leia mais

SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA

SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA DOCUMENTO DE APOIO PARA AS SOLICITAÇÕES DE ENCAMINHAMENTO VIA SISREG RIO DE JANEIRO AP1.0 Atualizado 11 de junho de 2018 ATENÇÃO O documento é o passo a passo de como a gestão

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié e Liu Leal Apoio Técnico GUIA DE

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié Apoiadora Técnica Saúde Mental e

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié Apoiadora Técnica Saúde Mental e

Leia mais

Relatório de Gestão A Rede de Atenção Psicossocial da AP 1.0

Relatório de Gestão A Rede de Atenção Psicossocial da AP 1.0 Coordenadoria da Área Programática 1.0 Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Relatório de Gestão A Rede de Atenção Psicossocial da AP 1.0 Responsável técnico: Karen Athié

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié Apoiadora Técnica Saúde Mental NASF e Consultório na Rua Como nasce essa ideia? Problemas de saúde mental sem

Leia mais

SMS-Rio CAP 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

SMS-Rio CAP 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 SMS-Rio GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS CAP 1.0 SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Fórum de SAÚDE MENTAL GUIA DE ARGUMENTOS DE Local: CAP 1.0 Data:25.04.2018 VENDAS CAP 1.0 SUBPAV Coordenação

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié Apoiadora Técnica Saúde Mental e

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié Apoiadora Técnica Saúde Mental e

Leia mais

43,0% 40% 33,0% 32,4% 31,7% Fevereiro Maio Agosto SMS CMS TURANO 1041 - TURANO 1 - BISPO 1042 - TURANO 2 - VISTA ALEGRE. Cadastrados Agosto 2014

43,0% 40% 33,0% 32,4% 31,7% Fevereiro Maio Agosto SMS CMS TURANO 1041 - TURANO 1 - BISPO 1042 - TURANO 2 - VISTA ALEGRE. Cadastrados Agosto 2014 AP 1.0 - SMS CMS TURANO - MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO - FEV/MAI/AGO - 2014 44,6% 43,0% 41,5% 33,0% 32,4% 31,7% 20% 18,3% 17,4% 16,6% 10% SMS CMS TURANO 1041 - TURANO 1 - BISPO 1042 - TURANO 2 - VISTA ALEGRE

Leia mais

MÓDULO 2 PROCESSO DE TRABALHO COLABORATIVO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CELINA RAGONI DE MORAES CORREIA / CAROLINA CARDOSO MANSO

MÓDULO 2 PROCESSO DE TRABALHO COLABORATIVO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CELINA RAGONI DE MORAES CORREIA / CAROLINA CARDOSO MANSO MÓDULO 2 PROCESSO DE TRABALHO COLABORATIVO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CELINA RAGONI DE MORAES CORREIA / CAROLINA CARDOSO MANSO GABARITO DAS QUESTÕES NORTEADORAS QUESTÃO NORTEADORA 1: Histórias

Leia mais

Às Coordenadorias Gerais de Atenção Primária, com vistas às Organizações Sociais de Saúde

Às Coordenadorias Gerais de Atenção Primária, com vistas às Organizações Sociais de Saúde Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF nº 01/2016 Rio de Janeiro, 09 de março de 2015. Às Coordenadorias Gerais de Atenção Primária, com vistas às Organizações Sociais de Saúde Assunto: Diretrizes de atuação dos

Leia mais

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016 Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016 Rio de Janeiro, 07 de dezembro de 2016. Às Coordenadorias Gerais de Atenção Primária, com vistas às Organizações Sociais de Saúde Assunto: Diretrizes de

Leia mais

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS TEXTOS DIDÁTICOS DO CEMED Nº 2.c Compreendendo o SUS e a Assistência Farmacêutica Módulo 2 Tema 8 Aula Expositiva 6 O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS Simone Alves do Vale Secretaria

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié Apoiadora Técnica Saúde Mental e

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA. Dezembro 2013

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA. Dezembro 2013 SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA Dezembro 2013 Atenção Básica Fundamentos e Diretrizes TERRITÓRIO LONGITUDINALIDADE COORDENAR A INTEGRALIDADE O Início da Conversa O que há de SM na AB? A Política Nacional

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE

SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE COLEGIADO NASF Panorama NASF da Área Programá8ca 1.0 Apresentação das a8vidades do NASF na área Programá8ca 1.0 Dia 23/08 Horário: 9h às

Leia mais

Coordenação de Policlínicas e NASF. Rafaella Peixoto

Coordenação de Policlínicas e NASF. Rafaella Peixoto Coordenação de Policlínicas e NASF Rafaella Peixoto Maio/2016 II SEMINÁRIO NASF RIO Problematizando o trabalho do NASF : como coordenar o cuidado e ser resolutivo Como será o dia Conferência de abertura:

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié Apoiadora Técnica Saúde Mental NASF e Consultório na Rua AVALIAÇÃO CURSO MHGAP LACUNAS DE CUIDADO EM SAÚDE MENTAL

Leia mais

"Os desafios para a sustentabilidade das Redes de Atenção Psicossocial"

Os desafios para a sustentabilidade das Redes de Atenção Psicossocial ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS "Os desafios para a sustentabilidade das Redes de Atenção Psicossocial"

Leia mais

Seminário de apresentação de experiências 6 a 8 de março. Brasília 2018

Seminário de apresentação de experiências 6 a 8 de março. Brasília 2018 Seminário de apresentação de experiências 6 a 8 de março Brasília 2018 Saúde mental, construção de rede de cuidados e educação permanente em saúde " a experiência da Área Programática 1.0 na cidade do

Leia mais

Manejo da Saúde Mental na Atenção Primária/Básica 80% da demanda de sofrimento psíquico pode (e deve) ser manejado na A.P. Envolve mais do que a Doenç

Manejo da Saúde Mental na Atenção Primária/Básica 80% da demanda de sofrimento psíquico pode (e deve) ser manejado na A.P. Envolve mais do que a Doenç Apoio Matricial em Saúde Mental na Atenção Básica sandra fortes FCM/UERJ Manejo da Saúde Mental na Atenção Primária/Básica 80% da demanda de sofrimento psíquico pode (e deve) ser manejado na A.P. Envolve

Leia mais

GT DE SAÚDE MENTAL. Produto do quarto encontro 19/06/2017

GT DE SAÚDE MENTAL. Produto do quarto encontro 19/06/2017 GT DE SAÚDE MENTAL Produto do quarto encontro 19/06/2017 Participaram aproximadamente 20 profissionais de saúde Objetivo: construir o desenho da gestão do cuidado da equipe estratégica de atenção psicossocial

Leia mais

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Área Técnica da Atenção Básical Gerência de Atenção à Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Vitória Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Enfª Cláudia

Leia mais

Política Nacional de Saúde Mental

Política Nacional de Saúde Mental Política Nacional de Saúde Mental Coordenação de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas/DAPES Secretaria de Atenção à Saúde Brasília, Agosto de 2017 Política

Leia mais

O processo de trabalho do NASFAB do município de Boa Vista

O processo de trabalho do NASFAB do município de Boa Vista O processo de trabalho do NASFAB do município de Boa Vista Samanta Hosokawa Dias de Nóvoa Rocha (NASF Boa Vista) Junho - 2018 NASF AB Núcleo Ampliado de Saúde da Família PORTARIA Nº 2436 DE 21 DE SETEMBRO

Leia mais

Apresentação. Sumário. Ficha Técnica. Autoria do texto: Dafylla Kelly Silva Oliveira. Ilustrações: Dafylla Kelly Silva Oliveira

Apresentação. Sumário. Ficha Técnica. Autoria do texto: Dafylla Kelly Silva Oliveira. Ilustrações: Dafylla Kelly Silva Oliveira Ficha Técnica Autoria do texto: Dafylla Kelly Silva Oliveira Ilustrações: Dafylla Kelly Silva Oliveira Elaboradas online no site tagul.com Orientadora: Milena Coelho Fernandes Caldato Este Produto Educativo

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

O Médico Veterinário como Profissional de Atenção Básica em Saúde: situação e perspectivas. Organização:

O Médico Veterinário como Profissional de Atenção Básica em Saúde: situação e perspectivas. Organização: O Médico Veterinário como Profissional de Atenção Básica em Saúde: situação e perspectivas. Organização: 30 de Outubro de 2014. São Paulo S.P. A inclusão do Médico Veterinário no contexto institucional

Leia mais

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE RESPEITO E SUCESSO EXPERIÊNCIA DE ARACAJU 2002 Ampliação do PSF cobertura de 70% da população; Implantação do Acolhimento; Na Saúde Mental a implantação de equipes

Leia mais

Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família. Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti

Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família. Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti Uma breve contextualização... Psicólogo Clínico desde 2008 na SMS-PMF. Equipes de Saúde Mental:

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

CONHECENDO O NASF: Uma ferramenta de apoio a estratégia saúde da família (ESF) KNOWING THE NASF: Supporting tool the family health strategy (FHS)

CONHECENDO O NASF: Uma ferramenta de apoio a estratégia saúde da família (ESF) KNOWING THE NASF: Supporting tool the family health strategy (FHS) CONHECENDO O NASF: Uma ferramenta de apoio a estratégia saúde da família (ESF) KNOWING THE NASF: Supporting tool the family health strategy (FHS) Clovis Alves de Oliveira Filho clovis_cont@hotmail.com

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Relatório de abrigos e ações de saúde oferecidos pela ESF e CnaRua da AP 1.0

Relatório de abrigos e ações de saúde oferecidos pela ESF e CnaRua da AP 1.0 Relatório de abrigos e ações de saúde oferecidos pela ESF e CnaRua da AP 1.0 Sumário RIO DE JANEIRO AGOSTO DE 2017 1. Introdução 2. Instituições Municipais de acolhimento à população vulnerável localizadas

Leia mais

Núcleos Ampliados de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF-AB

Núcleos Ampliados de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF-AB Núcleos Ampliados de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF-AB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico,

Leia mais

Etel Matielo Florianópolis, SC, junho de 2019

Etel Matielo Florianópolis, SC, junho de 2019 Etel Matielo Florianópolis, SC, junho de 2019 Núcleos Ampliados de Saúde da Família e Atenção Básica - NASF-AB A Atenção Básica/Atenção Primária é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e

Leia mais

ENFERMAGEM DEPENDÊNCIA. ALCOOLISMO Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM DEPENDÊNCIA. ALCOOLISMO Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM DEPENDÊNCIA ALCOOLISMO Aula 5 Profª. Tatiane da Silva Campos uma política nacional de atenção à saúde, de forma relacionada ao consumo de álcool, implica na implementação da assistência, ampliando

Leia mais

Vânia Cristina Alves Cunha

Vânia Cristina Alves Cunha Vânia Cristina Alves Cunha Carmo do Paranaíba, localiza-se na região Macrorregional Noroeste e Microrregional de Patos de Minas. População de 30.861 habitantes. Atividade econômica predominante é a cafeicultura.

Leia mais

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos Débora Martini Saúde Direito de todos Núcleo de Apoio a Saúde da Família - NASF Atenção Primária à Saúde Centros de Saúde Assistência

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL FONTE: Google Região de Saúde Espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de municípios limítrofes (identidades culturais, econômicas e sociais e de redes de

Leia mais

Cartilha CosensV2.indd 1 17/04/ :26:47

Cartilha CosensV2.indd 1 17/04/ :26:47 Cartilha CosensV2.indd 1 17/04/2017 09:26:47 I. INTRODUÇÃO Secretários Municipais de Saúde O Conselho Regional de FISIOTERAPIA e TERAPIA OCUPACIONAL do Estado de São Paulo - CREFITO 3, tem a honra de apresentar

Leia mais

Nível:SUPERIOR Cargo: ANALISTA CLÍNICO Tipo 2 Tipo 3

Nível:SUPERIOR Cargo: ANALISTA CLÍNICO Tipo 2 Tipo 3 Tipo 1 Nível:SUPERIOR Cargo: ANALISTA CLÍNICO Tipo 2 Tipo 3 Questão Resposta Questão Resposta Questão Resposta Questão Resposta Questão Resposta Questão Resposta 1 D 41 NULA 1 E 41 NULA 1 A 41 NULA 2 D

Leia mais

REDE SAUDE MENTAL SÃO BERNARDO DO CAMPO

REDE SAUDE MENTAL SÃO BERNARDO DO CAMPO REDE SAUDE MENTAL SÃO BERNARDO DO CAMPO ARTICULAÇÃO COM ATENÇÃO BÁSICA Descentralização do Ambulatório de Saúde Mental para os 10 territórios da Saúde. Casos leves vem sendo inseridos nos programas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HELOISA APARECIDA DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HELOISA APARECIDA DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HELOISA APARECIDA DE OLIVEIRA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE CARMÓPOLIS FLORIANÓPOLIS (SC) 2014 2 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

MÓDULO 6 - USO NOCIVO DE SUBSTÂNCIAS - ÁLCOOL

MÓDULO 6 - USO NOCIVO DE SUBSTÂNCIAS - ÁLCOOL MÓDULO 6 - USO NOCIVO DE SUBSTÂNCIAS - ÁLCOOL GABARITO DAS QUESTÕES NORTEADORAS (Aspectos que devem ser contemplados na resposta das questões norteadoras) PERGUNTA NORTEADORA 1: Neste caso temos cinco

Leia mais

O Apoio Matricial do Farmacêutico no NASF. Noemia Liege Maria da Cunha Bernardo

O Apoio Matricial do Farmacêutico no NASF. Noemia Liege Maria da Cunha Bernardo apresentam O Apoio Matricial do Farmacêutico no NASF Noemia Liege Maria da Cunha Bernardo Apresentação O Apoio Matricial do Farmacêutico no NASF 2010 2013 2015 Pesquisa Serviço Ensino Objetivo Compartilhar

Leia mais

Manual Instrutivo. Relatório de Atividades dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no. Prontuário Eletrônico VERSÃO 3.0

Manual Instrutivo. Relatório de Atividades dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no. Prontuário Eletrônico VERSÃO 3.0 Manual Instrutivo Relatório de Atividades dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no Prontuário Eletrônico VERSÃO 3.0 RIO DE JANEIRO - 2015 Prefeito Eduardo Paes Secretário Municipal de Saúde Daniel Soranz

Leia mais

O QUE É O MATRICIAMENTO? Rafael Moreno Médico Psiquiatra

O QUE É O MATRICIAMENTO? Rafael Moreno Médico Psiquiatra O QUE É O MATRICIAMENTO? Rafael Moreno Médico Psiquiatra COMO FUNCIONAM ATUALMENTE OS ENCAMINHAMENTOS? - Transferência de responsabilidade ao encaminhar ( Esse paciente é da saúde mental. ). - Comunicação

Leia mais

ANEXO I FUNÇÕES PÚBLICAS DA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL QUADRO DE VAGAS POR PROGRAMA

ANEXO I FUNÇÕES PÚBLICAS DA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL QUADRO DE VAGAS POR PROGRAMA Ano IX - Edição Ordinária nº 339 de 6 de maio de 209 - Pg 5 ANEXO I FUNÇÕES PÚBLICAS DA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL QUADRO DE VAGAS POR PROGRAMA Tabela BOLSA FAMÍLIA Entrevistador CADÚNICO 02 40 horas

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS. SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié e Lui Leal Apoiadoras GUIA DE ARGUMENTOS

Leia mais

Equipes de Atenção Básica e o trabalho do NASF-AB

Equipes de Atenção Básica e o trabalho do NASF-AB Equipes de Atenção Básica e o trabalho do NASF-AB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento,

Leia mais

APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG

APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG BETIM Localização: 30 Km de Belo Horizonte. É um dos principais polos de concentração Industrial

Leia mais

O PROCESSO DE TRABALHO DO NASF EXPERIÊNCIAS DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES

O PROCESSO DE TRABALHO DO NASF EXPERIÊNCIAS DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES O PROCESSO DE TRABALHO DO NASF EXPERIÊNCIAS DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES PREFEITO MUNICIPAL DEBENEVIDES RONIE SILVA RUFINO SECRETÁRIA DE SAÚDE MUNICIPAL SIMONE BERVELY DIRETORA DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE

Leia mais

Gestão da Atenção Especializada e articulação com a Atenção Básica

Gestão da Atenção Especializada e articulação com a Atenção Básica Gestão da Atenção Especializada e articulação com a Atenção Básica 31º Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Março/2017 06/04/2017 1 1 2 2 Rede assistencial / pontos de atenção

Leia mais

TABELA I Previsão de Vagas e Formação de Cadastro Reserva

TABELA I Previsão de Vagas e Formação de Cadastro Reserva TABELA I Previsão de Vagas e Formação de Cadastro Reserva ATENÇÃO BÁSICA EMAD EQUIPE MULTIDISCIPLINAR ATENDIMENTO DOMICILIAR NASF NÚCLEO ATENÇÃO A SAÚ DA FAMÍLIA PAI PROGRAMA ATENÇÃO AO IDOSO UBS UNIDA

Leia mais

Ana Raquel Octaviano SMS Piraí - RJ

Ana Raquel Octaviano SMS Piraí - RJ Ana Raquel Octaviano SMS Piraí - RJ POPULAÇÃO: 26.314 DISTRITOS: SEDE, ARROZAL, SANTANÉSIA, VILA MONUMENTO. (mapa) ÁREA TERRITORIAL: 505 KM² DENSIDADE DEMOGRÁFICA: 52,21 HAB/KM² 0,16% DA POPULAÇÃO DO

Leia mais

Experiências de Educação em Ciências de Saúde para a Atenção Primária em Saúde

Experiências de Educação em Ciências de Saúde para a Atenção Primária em Saúde Experiências de Educação em Ciências de Saúde para a Atenção Primária em Saúde Coordenadora Geral de Ações Técnicas em Educação na Saúde - SGTES/MS/BRASIL Base político-jurídica 1988 Constituição Federal

Leia mais

APOIO MATRICIAL NA ATENÇÃO

APOIO MATRICIAL NA ATENÇÃO APOIO MATRICIAL NA ATENÇÃO BÁSICA PRÁTICAS DE APOIO EM REDES - O Apoio: função gerencial que pressupõe relação horizontal, desburocratizada, suporte, dimensão pedagógica na gestão do trabalho; - Se dá

Leia mais

PROGREA Programa do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas. ECIM Enfermaria de Comportamentos Impulsivos

PROGREA Programa do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas. ECIM Enfermaria de Comportamentos Impulsivos ECIM Enfermaria de Comportamentos Impulsivos 1. Inter nação hospitalar - UNIDADE DE DEPENDÊNCIA QUÍMICA A Unidade de Dependência Química é uma enfermaria para pacientes com problemas relacionados ao uso

Leia mais

Integração Atenção Primária Atenção Especializada: cuidados colaborativos. Funciona? Modelo Brasileiro E o processo de trabalho? Consultas e visitas

Integração Atenção Primária Atenção Especializada: cuidados colaborativos. Funciona? Modelo Brasileiro E o processo de trabalho? Consultas e visitas Integração Atenção Primária Atenção Especializada: cuidados colaborativos. Funciona? Modelo Brasileiro E o processo de trabalho? Consultas e visitas domiciliares conjuntas registro Experiência da Saúde

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO ENFERMAGEM DISCIPLINA: ENFERMAGEM DA FAMÍLIA 5º SEMESTRE

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO ENFERMAGEM DISCIPLINA: ENFERMAGEM DA FAMÍLIA 5º SEMESTRE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO ENFERMAGEM DISCIPLINA: ENFERMAGEM DA FAMÍLIA 5º SEMESTRE POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA - BRASIL PORTARIA GM/MS 648 ( 28 DE MARÇO DE 2006):

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM REDE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE

PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM REDE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM REDE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE Tatiane Pecoraro Psicóloga Coordenadora de Saúde Mental Salgado Filho -PR Caracterização do Município Município de

Leia mais

Oficina 5: Os desafios para sustentabilidade da RAPS - Rede de Atenção Psicossocial

Oficina 5: Os desafios para sustentabilidade da RAPS - Rede de Atenção Psicossocial Oficina 5: Os desafios para sustentabilidade da RAPS - Rede de Atenção Psicossocial Loiva dos Santos Leite Secretaria Municipal da Saúde de Porto Alegre Julho/2016 SUStentabilidade da RAPS sob os aspectos

Leia mais

LINHA DE CUIDADO PREVENÇÃO DO SUICÍDIO

LINHA DE CUIDADO PREVENÇÃO DO SUICÍDIO CURITIBA 2018 LINHA DE CUIDADO PREVENÇÃO DO SUICÍDIO Secretaria de Saúde de Curitiba Departamento de Atenção à Saúde Coordenação de Saúde Mental Cenário epidemiológico Centro de Epidemiologia Secretaria

Leia mais

MUNICÍPIO DE FRANCISCO SÁ MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL1/2016 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS

MUNICÍPIO DE FRANCISCO SÁ MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL1/2016 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS E OUTRAS EXIGÊNCIAS ** 1 Auxiliar de Serviços Gerais 47 45 02 Ensino Fundamental Incompleto. 30h 880,00 2 Copeiro Ensino Fundamental Incompleto. 3 Magarefe Ensino Fundamental Incompleto. 1.614/2016 4 Porteiro

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL SUS Sistema Único de Saúde Princípios: Universalidade Equidade Integralidade Diretrizes: Descentralização Resolubilidade Regionalização e Hierarquização Participação dos Cidadãos

Leia mais

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto elaborado para implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família tipo do Município de Mês ano Sumário 1 Apresentação 2 Caracterização do Município

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE REFLEXÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE

EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE REFLEXÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE REFLEXÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE O conhecimento permanece como uma aventura, para a qual a educação deve fornecer o apoio

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM PSIQUIATRA SOCIEDADE REGIONAL DE ENSINO E SAUDE LTDA

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM PSIQUIATRA SOCIEDADE REGIONAL DE ENSINO E SAUDE LTDA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM PSIQUIATRA REGIONAL DE ENSINO E SAUDE LTDA I- OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivos Gerais: Formar médicos especialistas em psiquiatria que sejam capazes de interagir eficientemente

Leia mais

INTRODUÇÃO. FIEP BULLETIN - Volume 85 - Special Edition - ARTICLE I - 2015 (http://www.fiepbulletin.net)

INTRODUÇÃO. FIEP BULLETIN - Volume 85 - Special Edition - ARTICLE I - 2015 (http://www.fiepbulletin.net) A PARTICIPAÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA: PROTAGONISMO PROFISSIONAL ALÉM DA APLICAÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA INTRODUÇÃO JEFERSON SANTOS JERÔNIMO Universidade

Leia mais

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo 31º Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São

Leia mais

Chamada nº 16/2016. Processo Seletivo Simplificado para profissionais de nível superior do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II).

Chamada nº 16/2016. Processo Seletivo Simplificado para profissionais de nível superior do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II). Chamada nº 16/2016 Processo Seletivo Simplificado para profissionais de nível superior do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II). A FIOTEC, em observância, ao Contrato de Gestão firmado com a Prefeitura

Leia mais

Capítulo 2. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. Rosane Lowenthal

Capítulo 2. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. Rosane Lowenthal Capítulo 2 Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental Rosane Lowenthal SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LOWENTHAL, R. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. In: Saúde mental

Leia mais

Farmacêutico em equipe multiprofissional

Farmacêutico em equipe multiprofissional Atuação clínica do Farmacêutico em equipe multiprofissional na Atenção BásicaB Lucas Bronzatto Silveira Farmacêutico especialista em Saúde da Família (egresso da Residência Multiprofissional em Saúde da

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família. Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS

Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família. Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS SUS - Princípios Gerais 1 - A Saúde Como Direito de Todos

Leia mais

Políticas públicas e gestão de serviços de saúde

Políticas públicas e gestão de serviços de saúde Interfaces da psicologia da saúde e hospitalar com políticas públicas de saúde Políticas públicas e gestão de serviços de saúde Sandra Maria Sales Fagundes políticas públicas como ações, programas, projetos,

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO ADMINISTRATIVO I ADMINISTRATIVO II COMUNITÁRIO DE SAÚDE DE COMBATE A ENDEMIAS ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ATRIBUIÇÕES Executar tarefas auxiliares de escritórios e secretária envolvendo registros,

Leia mais

Humanização da Atenção à Criança e ao Adolescente: o apoio matricial. Carlos Alberto Severo Garcia Júnior Marcelo José Fontes Dias

Humanização da Atenção à Criança e ao Adolescente: o apoio matricial. Carlos Alberto Severo Garcia Júnior Marcelo José Fontes Dias Humanização da Atenção à Criança e ao Adolescente: o apoio matricial Carlos Alberto Severo Garcia Júnior Marcelo José Fontes Dias Quais os objetivos? Debater sobre o trabalho de apoio matricial e seus

Leia mais

CUIDADO É FUNDAMENTAL

CUIDADO É FUNDAMENTAL R E V I S T A O N L I N E D E P E S Q U I S A CUIDADO É FUNDAMENTAL Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Escola de Enfermagem Alfredo Pinto Anais do VII fórum nacional de mestrados profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Disciplina: Atividade Física e Saúde Professora: Caroline de Oliveira Martins Unidade 2: Políticas Públicas

Leia mais

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 855, DE 22 DE AGOSTO DE 2012 O Secretário de Atenção à Saúde, no

Leia mais

MATRIZ DIAGNÓSTICA DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

MATRIZ DIAGNÓSTICA DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL MATRIZ DIAGNÓSTICA DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REGIÃO: RRAS 2 MUNICÍPIOS: ARUJÁ, BIRITIBA MIRIM, FERRAZ DE VASCONCELOS, GUARAREMA, GUARULHOS, ITAQUAQUECETUBA, MOGI DAS CRUZES, POÁ, SALESÓPOLIS, SANTA

Leia mais

Atenção Pisicosocial P R O F E N F º D I O G O J A C I N T H O

Atenção Pisicosocial P R O F E N F º D I O G O J A C I N T H O Atenção Pisicosocial P R O F E N F º D I O G O J A C I N T H O Centro de Atenção Psicossocial - CAPS CAPS são serviços da Rede de Atenção Psicossocial - RAPS abertos destinados a prestar atenção diária

Leia mais

ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO NASF: TEORIA E PRÁTICA

ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO NASF: TEORIA E PRÁTICA apresentam ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO NASF: TEORIA E PRÁTICA Carolina Calado Carneiro Nutricionista da prefeitura Municipal de Florianópolis com especialidade em Saúde da Família e atualmente preceptora

Leia mais

DESAFIOS NA PROMOÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: REFLEXÃO A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO

DESAFIOS NA PROMOÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: REFLEXÃO A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO DESAFIOS NA PROMOÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: REFLEXÃO A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO Kenedy Ânderson da Silva Centro Universitário Tiradentes- UNIT Kenedyanderson17@live.com Orientador:

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA ATENÇAO PRIMÁRIA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA III Mostra Nacional de Produção em Saúde

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da VI Seminário Internacional da Atenção Básica A construção de modelagens de AB em grandes centros urbanos Aparecida Linhares Pimenta SMS de Diadema Vice presidente do CONASEMS REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL. Prof. Domingos de Oliveira

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL. Prof. Domingos de Oliveira POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL Prof. Domingos de Oliveira DIRETRIZES E POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL A Política de Saúde Mental instituída no Brasil através da Lei Federal No 10.216/01, tem como premissa fundamental

Leia mais