Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos"

Transcrição

1 Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos 1

2 LEI Nº , DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 Art. 7 o Até 31 de dezembro de 2014, contribuirão sobre o valor da receita bruta, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, à alíquota de 2% (dois por cento): I - as empresas que prestam os serviços referidos nos 4 o e 5 o do art. 14 da Lei n o , de 17 de setembro de 2008; II - as empresas do setor hoteleiro enquadradas na subclasse /01 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE 2.0; III - as empresas de transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, municipal, intermunicipal em região metropolitana, intermunicipal, interestadual e internacional enquadradas nas classes e da CNAE 2.0 (incluído pela Lei nº efeitos a partir de 01/01/2013); IV - as empresas do setor de construção civil, enquadradas nos grupos 412, 432, 433 e 439 da CNAE 2.0. (incluído pela MPV 601 efeitos a partir de 01/04/2013) 1 o Durante a vigência deste artigo, as empresas abrangidas pelo caput e pelos 3 o e 4 o deste artigo não farão jus às reduções previstas no caput do art. 14 da Lei nº , de o O disposto neste artigo não se aplica a empresas que exerçam as atividades de representante, distribuidor ou revendedor de programas de computador, cuja receita bruta decorrente dessas atividades seja igual ou superior a 95% (noventa e cinco por cento) da receita bruta total. 6 o No caso de contratação de empresas para a execução dos serviços referidos no caput, mediante cessão de mão de obra, na forma definida pelo art. 31 da Lei n o 8.212, de 24 de julho de 1991, a empresa contratante deverá reter 3,5% (três inteiros e cinco décimos por cento) do valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços. (Incluído pela Lei nº ) Art. 8 o Até 31 de dezembro de 2014, contribuirão sobre o valor da receita bruta, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos, à alíquota de um por cento, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, as empresas que fabricam os produtos classificados na Tipi, aprovada pelo Decreto nº 7.660, de 23 de dezembro de 2011, nos códigos referidos no Anexo I. 1 o O disposto no caput: I - aplica-se apenas em relação aos produtos industrializados pela empresa; II - não se aplica: a) a empresas que se dediquem a outras atividades, além das previstas no caput (art. 8 o ), cuja receita bruta decorrente dessas outras atividades seja igual ou superior a 95% (noventa e cinco por cento) da receita bruta total; e b) aos fabricantes de automóveis, comerciais leves (camionetas, picapes, utilitários, vans e furgões), caminhões e chassis com motor para caminhões, chassis com motor para ônibus, caminhões-tratores, tratores agrícolas e colheitadeiras agrícolas autopropelidas. 2

3 c) às empresas aéreas internacionais de bandeira estrangeira de países que estabeleçam, em regime de reciprocidade de tratamento, isenção tributária às receitas geradas por empresas aéreas brasileiras. (incluído pela MPV 601 efeitos a partir de 01/04/2013) 2 o Para efeito do inciso I do 1 o, devem ser considerados os conceitos de industrialização e de industrialização por encomenda previstos na legislação do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI. 3 o O disposto no caput também se aplica às empresas: (Incisos I a X - incluídos pela Lei nº efeitos a partir de 01/01/2013 e Incisos XI e XII incluídos pela MPV 601 efeitos a partir de 01/04/2013) I - de manutenção e reparação de aeronaves, motores, componentes e equipamentos correlatos; II - de transporte aéreo de carga; III - de transporte aéreo de passageiros regular; IV - de transporte marítimo de carga na navegação de cabotagem; V - de transporte marítimo de passageiros na navegação de cabotagem; VI - de transporte marítimo de carga na navegação de longo curso; VII - de transporte marítimo de passageiros na navegação de longo curso; VIII - de transporte por navegação interior de carga; IX - de transporte por navegação interior de passageiros em linhas regulares; X - de navegação de apoio marítimo e de apoio portuário; XI - de manutenção e reparação de embarcações; e XII - de varejo que exercem as atividades listadas no Anexo II. (incluído pela MPV 601 efeitos a partir de 01/04/2013) 4º A partir de 1º de janeiro de 2013, ficam incluídos no Anexo I referido no caput os produtos classificados nos seguintes códigos da Tipi: (Incluído pela Lei nº ) Efeitos a partir de 01/01/2013 I , , , , , , , , , , , , , , ; 5º No caso de contratação de empresas para a execução dos serviços referidos no 3º, mediante cessão de mão de obra, na forma definida pelo art. 31 da Lei nº 8.212, de 1991, a empresa contratante deverá reter 3,5% (três inteiros e cinco décimos por cento) do valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços. (incluído pela MPV 601 efeitos a partir de 01/04/2013) Art. 9 o Para fins do disposto nos arts. 7 o e 8 o desta Lei: I a receita bruta deve ser considerada sem o ajuste de que trata o inciso VIII do art. 183 da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976; II - exclui-se da base de cálculo das contribuições a receita bruta: a) de exportações; e b) decorrente de transporte internacional de carga; (alterado pela MPV 601 efeitos a partir de 01/01/2013) 3

4 III a data de recolhimento das contribuições obedecerá ao disposto na alínea b do inciso I do art. 30 da Lei nº 8.212, de 1991; IV a União compensará o Fundo do Regime Geral de Previdência Social, de que trata o art. 68 da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000, no valor correspondente à estimativa de renúncia previdenciária decorrente da desoneração, de forma a não afetar a apuração do resultado financeiro do Regime Geral de Previdência Social (RGPS); e V com relação às contribuições de que tratam os arts. 7 o e 8 o, as empresas continuam sujeitas ao cumprimento das demais obrigações previstas na legislação previdenciária. 1 o No caso de empresas que se dedicam a outras atividades além das previstas nos arts. 7 o e 8 o, até 31 de dezembro de 2014, o cálculo da contribuição obedecerá: I - ao disposto no caput desses artigos quanto à parcela da receita bruta correspondente às atividades neles referidas; e II - ao disposto no art. 22 da Lei n o 8.212, de 24 de julho de 1991, reduzindo-se o valor da contribuição a recolher ao percentual resultante da razão entre a receita bruta de atividades não relacionadas aos serviços de que trata o caput do art. 7 o ou à fabricação dos produtos de que trata o caput do art. 8 o e a receita bruta total, apuradas no mês. 2 o A compensação de que trata o inciso IV do caput será feita na forma regulamentada em ato conjunto da Secretaria da Receita Federal do Brasil, Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda, Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e Ministério da Previdência Social, mediante transferências do Orçamento Fiscal. 3 o Relativamente aos períodos anteriores à tributação da empresa nas formas instituídas pelos arts. 7 o e 8 o desta Lei, mantém-se a incidência das contribuições previstas no art. 22 da Lei n o 8.212, de 24 de julho de 1991, aplicada de forma proporcional sobre o 13 o (décimo terceiro) salário. 4 o Para fins de cálculo da razão a que se refere o inciso II do 1 o, aplicada ao 13 o (décimo terceiro) salário, será considerada a receita bruta acumulada nos 12 (doze) meses anteriores ao mês de dezembro de cada anocalendário. 5 o O disposto no 1 o aplica-se às empresas que se dediquem a outras atividades, além das previstas nos arts. 7 o e 8 o, somente se a receita bruta decorrente de outras atividades for superior a 5% (cinco por cento) da receita bruta total. 6 o Não ultrapassado o limite previsto no 5 o, a contribuição a que se refere o caput dos arts. 7 o e 8 o será calculada sobre a receita bruta total auferida no mês. 7 o Para efeito da determinação da base de cálculo, podem ser excluídos da receita bruta: I - as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos; III - o Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI, se incluído na receita bruta; e IV - o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, quando cobrado pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário. (...) Brasília, 14 de dezembro de 2011; 190 o da Independência e 123 o da República. 4

5 Anexo I NCM Capítulo 16 Capítulo Últimas Alterações (Acréscimos) Exclusões e a partir de 04/ MP 601/2012 5

6 (Exceto Ex 01) Redação modificada pela MP 601/

7

8 Capítulo Capítulo 55 Capítulo Capítulo 57 Capítulo 58 Capítulo 59 Capítulo 60 Capítulo Capítulo 62 Capítulo 63 8

9 Capítulo 64 Capítulo 65 (exceto código )

10 Excluído a partir de 04/ MP 601/2012 Excluído a partir de 04/ MP 601/2012 Excluído a partir de 04/ MP 601/2012 Excluído a partir de 04/ MP 601/2012 Excluído a partir de 04/ MP 601/2012 Excluído a partir de 04/ MP 601/2012 Excluído a partir de 04/ MP 601/

11

12 (exceto código )

13

14 (exceto código ) (exceto código )

15 (exceto código ) (exceto códigos e )

16 Excluído a partir de 04/ MP 601/

17

18

19 (exceto ) (exceto código )

20

21

22 (exceto código ) (exceto código )

23 (exceto código )

24 Capítulo

25

26

27 Excluído a partir de 04/ MP 601/

28 Excluído a partir de 04/ MP 601/

29

30 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/

31 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Incluído pela Lei / Em vigor desde 01/2013 Anexo II Lojas de departamentos ou magazines, enquadradas na Subclasse CNAE /01 Comércio varejista de materiais de construção, enquadrado na Subclasse CNAE /05 Comércio varejista de materiais de construção em geral, enquadrado na Subclasse CNAE /99 Comércio varejista especializado de equipamentos e suprimentos de informática, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista especializado de equipamentos de telefonia e comunicação, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista especializado de eletrodomésticos e equipamentos de áudio e vídeo, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista de móveis, enquadrado na Subclasse CNAE /01 Comércio varejista especializado de tecidos e artigos de cama, mesa e banho, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista de outros artigos de uso doméstico, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista de livros, jornais, revistas e papelaria, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista de discos, CDs, DVDs e fitas, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista de brinquedos e artigos recreativos, enquadrado na Subclasse CNAE /01 Comércio varejista de artigos esportivos, enquadrado na Subclasse CNAE /02 Comércio varejista de produtos farmacêuticos, sem manipulação de fórmulas, enquadrado na Subclasse CNAE /01 Comércio varejista de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista de calçados e artigos de viagem, enquadrado na Classe CNAE Comércio varejista de produtos saneantes domissanitários, enquadrado na Subclasse CNAE /05 Comércio varejista de artigos fotográficos e para filmagem, enquadrado na Subclasse CNAE /08 31

32 DECRETO Nº 7.828, DE 16 DE OUTUBRO DE 2012 Regulamenta a incidência da contribuição previdenciária sobre a receita devida pelas empresas de que tratam os arts. 7º a 9º da Lei nº , de 14 de dezembro de A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei n o , de 14 de dezembro de 2011, DECRETA: Art. 1º A incidência da contribuição previdenciária devida pelas empresas de que tratam os arts. 7º a 9º da Lei nº , de 14 de dezembro de 2011, ocorrerá em conformidade com o disposto neste Decreto. Art. 2º Entre 1º de dezembro de 2011 e 31 de dezembro de 2014, incidirão sobre o valor da receita bruta, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, as contribuições das empresas que prestam exclusivamente os serviços de Tecnologia da Informação - TI e de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC, assim considerados: I - análise e desenvolvimento de sistemas; II - programação; III - processamento de dados e congêneres; IV - elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos; V - licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; VI - assessoria e consultoria em informática; VII - suporte técnico em informática, inclusive instalação, configuração e manutenção de programas de computação e bancos de dados; e VIII - planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas. 1º O disposto neste artigo não se aplica às empresas que exerçam exclusivamente as atividades de representante, distribuidor ou revendedor de programas de computador. 2º Entre 1º de abril de 2012 e 31 de dezembro de 2014, será aplicado o disposto no caput às empresas de call center e de TI e TIC, ainda que se dediquem a outras atividades, além das previstas nos incisos I a VIII do caput, observado o disposto no art. 6º. 3º Entre 1º de agosto de 2012 e 31 de dezembro de 2014: I - aplica-se o disposto no caput às empresas: a) do setor hoteleiro enquadradas na subclasse /01 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE 2.0; e b) que exerçam atividades de concepção, desenvolvimento ou projeto de circuitos integrados; 32

33 II - não se aplica o disposto no caput às empresas que exerçam as atividades de representação, distribuição ou revenda de programas de computador e cuja receita bruta que decorra dessas atividades seja igual ou superior a noventa e cinco por cento da receita bruta total; e III - no caso de contratação de empresas para execução dos serviços referidos neste artigo, por meio de cessão de mão de obra, na forma definida pelo art. 31 da Lei nº 8.212, de 1991, a empresa contratante deverá reter três inteiros e cinco décimos por cento do valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços. 4º Entre 1º de janeiro de 2013 e 31 de dezembro de 2014, será aplicado o disposto no caput às empresas: I - de transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, municipal, intermunicipal em região metropolitana, intermunicipal, interestadual e internacional enquadradas nas classes e da CNAE 2.0; II - de manutenção e reparação de aeronaves, motores, componentes e equipamentos correlatos; III - de transporte aéreo de carga; IV - de transporte aéreo de passageiros regular; V - de transporte marítimo de carga na navegação de cabotagem; VI - de transporte marítimo de passageiros na navegação de cabotagem; VII - de transporte marítimo de carga na navegação de longo curso; VIII - de transporte marítimo de passageiros na navegação de longo curso; IX - de transporte por navegação interior de carga; X - de transporte por navegação interior de passageiros em linhas regulares; e XI - de navegação de apoio marítimo e de apoio portuário. 5º As alíquotas da contribuição a que se refere o caput serão de: I - dois inteiros e cinco décimos por cento, no período entre 1º dezembro de 2011 e 31 de julho de 2012; II - dois por cento, no período entre 1º de agosto e 31 de dezembro de 2012; III - dois por cento, no período entre 1 o de janeiro de 2013 e 31 de dezembro de 2014, para as empresas referidas no inciso I do 4 o ; e IV - um por cento, no período entre 1º de janeiro de 2013 e 31 de dezembro de 2014, para as empresas referidas nos incisos II a XI do 4º. 6º Não farão jus às reduções previstas no caput do art. 14 da Lei nº , de 17 de setembro de 2008: I - a partir de 1º de dezembro de 2011, as empresas que prestam exclusivamente os serviços de TI e TIC referidos nos incisos I a VIII do caput; e II - a partir de 1º de abril de 2012, as empresas que se dediquem a outras atividades além das referidas nos incisos I a VIII do caput e as empresas de call center. 33

34 7º As empresas que prestam exclusivamente os serviços a que se referem os incisos I a VIII do caput e as empresas de call center continuam fazendo jus às reduções das contribuições devidas a terceiros a que se refere o 7º do art. 14 da Lei nº , de Art. 3º Entre 1º de dezembro de 2011 e 31 de dezembro de 2014, incidirão sobre o valor da receita bruta, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei nº 8.212, de 1991, as contribuições das empresas que fabriquem os produtos classificados na Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados - TIPI, aprovada pelo Decreto nº 7.660, de 23 de dezembro de 2011, nos seguintes códigos: I , 40.15, 42.03, 43.03, , a 63.05, , e nos capítulos 61 e 62; e II , , , , , , a º Entre 1º de abril de 2012 e 31 de dezembro de 2014, aplica-se o disposto no caput às empresas que fabriquem os produtos classificados na TIPI nos seguintes códigos e posições: I , 41.05, 41.06, e 41.14; II , , , e ; e III º Entre 1º de agosto de 2012 e 31 de dezembro de 2014: I - aplica-se o disposto no caput às empresas que fabricam os produtos classificados na TIPI nos códigos referidos no Anexo I; e II - não se aplica o disposto no caput às empresas: a) que se dediquem a atividades diversas das previstas neste artigo, cuja receita bruta delas decorrente seja igual ou superior a noventa e cinco por cento da receita bruta total; e b) aos fabricantes de automóveis, comerciais leves - camionetas, picapes, utilitários, vans e furgões; caminhões e chassis com motor para caminhões, chassis com motor para ônibus, caminhões-tratores, tratores agrícolas e colheitadeiras agrícolas auto propelidas. 3º Entre 1º de janeiro de 2013 e 31 de dezembro de 2014, aplica-se o disposto no caput às empresas que fabricam os produtos classificados na TIPI nos códigos referidos no Anexo II. 4º As alíquotas das contribuições referidas neste artigo serão de: I - um inteiro e cinco décimos por cento, no período de 1º dezembro de 2011 a 31 de julho de 2012; e II - um por cento, no período de 1º de agosto de 2012 a 31 de dezembro de º O disposto no caput aplica-se apenas em relação aos produtos industrializados pela empresa. 6º Para os fins do 5º, serão considerados os conceitos de industrialização e industrialização por encomenda previstos na legislação do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI. 7º Nos casos em que a industrialização for efetuada parcialmente por encomenda, o disposto no caput aplica-se também às empresas executoras, desde que de suas operações resulte produto discriminado neste artigo. 34

35 Art. 4º As contribuições de que tratam os arts 2º e 3º têm caráter impositivo aos contribuintes que exerçam as atividades neles mencionadas. Parágrafo único. As empresas que se dedicam exclusivamente às atividades referidas nos arts. 2 o e 3 o, nos meses em que não auferirem receita, não recolherão as contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei nº 8.212, de Art. 5º Para fins do disposto nos arts. 2º e 3º: I - a receita bruta deve ser considerada sem o ajuste de que trata o inciso VIII do caput do art. 183 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976; e II - na determinação da base de cálculo da contribuição previdenciária sobre a receita, poderão ser excluídos: a) a receita bruta de exportações; b) as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos; c) o IPI, quando incluído na receita bruta; e d) o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, quando cobrado pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário. 1º As contribuições de que tratam os arts. 2º e 3º deverão ser apuradas e pagas de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica. 2º A informação e o recolhimento das contribuições de que tratam os arts. 2º e 3º ocorrerão na forma estabelecida pela Secretaria da Receita Federal do Brasil do Ministério da Fazenda, em ato próprio. 3º As empresas a que se referem os arts. 2º e 3º continuam sujeitas ao cumprimento das demais obrigações previstas na legislação previdenciária. Art. 6º No caso de empresas que se dediquem a outras atividades, além das previstas nos arts. 2º e 3º, até 31 de dezembro de 2014, o cálculo da contribuição obedecerá: I - ao disposto nos arts. 2º e 3º, em relação às receitas referidas nesses artigos; e II - quanto à parcela da receita bruta relativa a atividades cuja contribuição não se sujeita às substituições previstas nos arts. 2º e 3º, ao disposto no art. 22 da Lei nº 8.212, de 1991, reduzindo-se o valor das contribuições referidas nos incisos I e III do caput do mencionado art. 22 ao percentual resultante da razão entre a receita bruta de atividades não relacionadas aos serviços de que trata o caput do art. 2º ou à fabricação dos produtos de que trata o caput do art. 3º e a receita bruta total. 1º Nos meses em que não auferirem receita relativa às atividades previstas nos arts. 2º e 3º, as empresas a que se refere o caput deverão recolher as contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei nº 8.212, de 1991, sobre a totalidade da folha de pagamentos, não sendo aplicada a proporcionalização de que trata o inciso II do caput. 2º Nos meses em que não auferirem receita relativa a atividades não abrangidas pelos arts. 2º e 3º, as empresas deverão recolher a contribuição neles prevista, não sendo aplicada a proporcionalização de que trata o inciso II do caput. 3º O disposto neste artigo aplica-se às empresas que se dediquem a outras atividades, além das previstas nos arts. 2º e 3º, somente se a receita bruta decorrente dessas outras atividades for superior a cinco por cento da receita bruta total. 35

36 4º Não ultrapassado o limite previsto no 3º, as contribuições a que se referem os arts. 2º e 3º serão calculadas sobre a receita bruta total auferida no mês. Art. 7º Relativamente aos períodos anteriores à tributação da empresa nas formas instituídas nos arts. 2º e 3º, mantém-se a incidência das contribuições previstas no art. 22 da Lei nº 8.212, de 1991, aplicada de forma proporcional sobre o décimo-terceiro salário. Parágrafo único. Para fins de cálculo da razão a que se refere o inciso II do caput do art. 6º, aplicada ao décimo-terceiro salário, será considerada a receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao mês de dezembro de cada ano-calendário. Art. 8º A União compensará o Fundo do Regime Geral de Previdência Social, de que trata o art. 68 da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de Lei de Responsabilidade Fiscal, no valor correspondente à estimativa de renúncia previdenciária decorrente da desoneração, por meio de transferência do Orçamento Fiscal, de forma a não afetar a apuração do resultado financeiro do Regime Geral de Previdência Social. Parágrafo único. A compensação de que trata o caput será feita na forma regulamentada em ato conjunto da Secretaria da Receita Federal do Brasil e da Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda, e do Instituto Nacional do Seguro Social. Art. 9º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 16 de outubro de 2012; 191º da Independência e 124º da República. DILMA ROUSSEFF Nelson Henrique Barbosa Filho 36

37 Processo de Consulta nº 2/12 Órgão: Superintendência Regional da Receita Federal - SRRF / 6a. Região Fiscal Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias. Ementa: CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA. EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO QUE SE DEDIQUEM A OUTRAS ATIVIDADES. De 1º de dezembro de 2011 até 31 de dezembro de 2014, a contribuição devida pelas empresas que prestam exclusivamente os serviços de Tecnologia da Informação (TI) e de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), referidos no 4o do artigo 14 da Lei no /2008, incidirá sobre o valor da receita bruta, observadas as exclusões legalmente permitidas, em substituição às contribuições patronais incidentes sobre as remunerações pagas, devidas ou creditadas aos segurados empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais, à alíquota de 2,5% (dois inteiros e cinco décimos por cento). Não se consideram serviços de TI e TIC os treinamentos relacionados à área de informática. Sobre a parcela da receita percebida em função da prestação de serviços não considerados serviços de TI e TIC, a exemplo dos treinamentos relacionados à área de informática, a contribuição incidirá, a partir de 1º de abril de 2012 e até 31 de dezembro de 2014, sobre as remunerações pagas, devidas ou creditadas aos segurados empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais prestadores dos serviços, reduzindo-se o valor da contribuição a recolher ao percentual resultante da razão entre a receita bruta das atividades não relacionadas no 4o do artigo 14 da Lei no /2008 e a receita bruta total. DISPOSITIVOS LEGAIS: MP nº 540/2011, artigos 7º e 23, 2º, Lei nº /2011, artigos 7º, 1º e 3º e 52, 2º e 3º, Lei nº /2008, artigo 14, 4º e Lei nº 8.212/1991, artigo 22, I e III. MÁRIO HERMES SOARES CAMPOS - Chefe (Data da Decisão: DOU ) 37

38 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 7 de 10 de Janeiro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO - TI E TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC. SUBSTITUIÇÃO DA BASE DE INCIDÊNCIA DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. APLICAÇÃO. A substituição da base de incidência da contribuição previdenciária prevista no art. 22, incisos I e III, da Lei nº 8.212, de 1991, de que trata o caput do art. 7º da Lei nº , de 2011 (art. 7º da Medida Provisória nº 540, de 2011), aplica-se às empresas que prestam exclusivamente serviços de tecnologia da informação TI e tecnologia da informação e comunicação TIC, a partir de primeiro de dezembro de No caso de empresa que se dedique a outras atividades, além das previstas no caput do art. 7º da Lei nº , de 2011 (art. 7º da Medida Provisória nº 540, de 2011), a substituição da base de incidência dessa contribuição aplica-se a partir de primeiro de abril de 2012, observada a forma de cálculo do 3º desse artigo. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 12 de 13 de Marco de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - Cofins EMENTA: O conceito de empresa definido no art. 15 da Lei nº 8.212, de 1991, aplica-se ao regime estabelecido no art. 7º da Lei nº , de

39 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 17 de 22 de Maio de 2012 ASSUNTO: Normas Gerais de Direito Tributário EMENTA: LEI N.º , DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. RECEITAS INCENTIVADAS E NÃO INCENTIVADAS. REDUTOR. CÁLCULO. A sociedade empresária deve recolher, como contribuição previdenciária sobre a receita bruta de que trata o artigo 8º, parágrafo único, inciso I da Lei n.º , de 2011, o montante calculado a partir da consideração do total das receitas incentivadas multiplicado pelo percentual de 1,5% (um inteiro e cinco décimos por cento), em DARF e de forma centralizada pelo estabelecimento matriz. Como contribuição previdenciária reduzida, na forma do artigo 8, parágrafo único, inciso II da mesma lei, a sociedade empresária deve recolher, por cada estabelecimento distinto (matriz e filiais), em GPS, os valores resultantes da razão aferida entre o somatório das outras receitas não incentivadas de todos os estabelecimentos dividido pela receita bruta total da empresa como um todo, multiplicando essa razão pela contribuição normal de 20% (vinte por cento) sobre a remuneração paga ou creditada por cada um dos estabelecimentos, considerados individualmente. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 38 de 21 de Maio de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB). O regime da chamada Contribuição Previdenciária Patronal substitutiva da folha de pagamento, instituído, na espécie, pelo art. 8º da Lei nº , de 2011, alterado pela Medida Provisória nº 563, de 2012, é obrigatório para as empresas abrangidas por essas disposições legais, e os recolhimentos dos valores referentes à CPRB devem ser efetuados de forma centralizada pelo estabelecimento matriz, nos mesmos moldes das demais contribuições sociais incidentes sobre a receita bruta, de modo que a respectiva base de cálculo alcança, inclusive, portanto, a receita bruta auferida por filiais, ainda que, na hipótese, estas últimas exerçam, exclusivamente, atividade comercial. 39

40 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 42 de 22 de Maio de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: O conceito de empresa definido no art. 15 da Lei nº 8.212, de 1991, aplica-se ao regime estabelecido no art. 7º da Lei nº , de ALTERAÇÃO DE SOLUÇÃO DE CONSULTA. Reforma-se a Solução de Consulta SRRF04/Disit nº 12, de 13 de março de 2012, para corrigir erro na classificação do assunto constante da ementa. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 45 de 14 de Junho de 2012 ( Retificada - Vide Parecer Normativo n 03 de 21/11/2012 ) ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB). Os recolhimentos dos valores pertinentes à chamada Contribuição Previdenciária Patronal substitutiva da Folha de Pagamentos, instituída, na espécie, pelo art. 8º da Lei nº , de 2011, alterado pela Medida Provisória nº 563, de 2012, devem ser efetuados de forma centralizada pelo estabelecimento matriz, nos mesmos moldes das demais contribuições sociais incidentes sobre a receita bruta, de modo que, na respectiva base de cálculo, deve ser incluída, portanto, a receita bruta auferida por filiais, ainda que, na hipótese, estas últimas exerçam, exclusivamente, atividade comercial. Para os fins da citada CPRB, considera-se receita bruta o valor percebido na venda de bens e serviços nas operações em conta própria ou alheia, bem como o ingresso de qualquer outra natureza auferido pela pessoa jurídica, independentemente de sua denominação ou de sua classificação contábil, sendo irrelevante o tipo de atividade exercida pela empresa. Porém, não integram tal base de cálculo: a) as vendas canceladas; b) os descontos incondicionais concedidos; c) o valor do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI destacado em nota fiscal, e d) o valor do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS devido pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário, desde que destacado em documento fiscal. 40

41 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 70 de 27 de Junho de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA. EMPRESAS OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL. NÃO APLICAÇÃO. 1. Às empresas optantes pelo Simples Nacional, cujos segmentos tenham sido contemplados pelo art. 7º da Medida Provisória nº 540, de 2011, e pelo art. 7º da Lei nº , de 2011, não se aplica o regime substitutivo de desoneração da folha de salários. 2. Havendo interesse da pessoa jurídica de recolher as contribuições na forma do regime substitutivo, ela deverá solicitar sua exclusão do Simples Nacional, considerando que não é possível a utilização de regime misto, com incidência, concomitante, da Lei Complementar nº 123, de 2006, e das normas que regulam o regime substitutivo de desoneração da folha de pagamento. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 90, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (6ª Região Fiscal) - D.O.U.: ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA. EMPRESAS QUE EXERCEM OUTRAS ATIVIDADES ALÉM DAQUELAS SUBMETIDAS AO REGIME SUBSTITUTIVO. 1. A empresa que exerce atividade sujeita à contribuição substitutiva prevista no artigo 8º da Lei nº , de 2011, e outras atividades não submetidas ao regime de substituição deve recolher a contribuição previdenciária incidente sobre a folha de pagamento prevista no art. 22, incisos I e III, da Lei nº 8.212, de 1991, mediante aplicação de um redutor resultante da razão verificada entre a receita bruta das atividades não sujeitas ao regime substitutivo e a receita bruta total, utilizando-se, para apuração dessa razão, o somatório das receitas de todos os estabelecimentos da empresa (matriz e filiais). 2. O recolhimento da referida contribuição deve ser feito em Guia da Previdência Social - GPS, por estabelecimento da empresa, com utilização do mencionado redutor. 3. A contribuição substitutiva incidente sobre a receita bruta deve ser recolhida em DARF, de forma centralizada pelo estabelecimento matriz. DISPOSITIVOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988, art. 195, 13; Medida Provisória nº 540, de 2011, arts. 8º e 9º; Medida Provisória nº 563, de 2012, art. 45; Lei nº , de 2011, arts. 8º e 9º; Lei n.º 8.212, de 1991, art. 22, I e III; Ato Declaratório Executivo Codac nº 86, de 2011, art. 1º; Ato Declaratório Executivo Codac nº 93, de 2011, arts. 3º, 4º, 5º e 6º; Instrução Normativa RFB nº 1.110, de 2010, art. 6º. MÁRIO HERMES SOARES CAMPOS Chefe 41

42 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 91, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (6ª Região Fiscal) - D.O.U.: ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA. EMPRESAS QUE EXERCEM OUTRAS ATIVIDADES ALÉM DAQUELAS SUBMETIDAS AO REGIME SUBSTITUTIVO. 1. A contribuição substitutiva incidente sobre a receita bruta prevista no art. 7º da Lei nº , de 2011, tem caráter impositivo ao contribuinte cujas atividades acham-se contempladas no referido artigo, não se apresentando como opcional. 2. A empresa submetida ao regime substitutivo descrito no artigo 7º da Lei nº , de 2011, e que também desenvolva atividades não sujeitas ao referido regime deve efetuar a Escrituração Fiscal Digital da Contribuição Previdenciária sobre a Receita (EFD-Contribuições) nos termos do inciso V do art. 4º da Instrução Normativa RFB nº 1.252, de DISPOSITIVOS LEGAIS: : Constituição Federal de 1988, art. 195, 13; Medida Provisória nº 540, de 2011, arts. 7º e 9º; Medida Provisória nº 563, de 2012, art. 45; Lei nº , de 2011, arts. 7º e 9º; Lei n.º 8.212, de 1991, art. 22, I e III; Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 1999, art. 225, II, e 13; Instrução Normativa RFB nº 1.110, de 2010, art. 6º; Instrução Normativa RFB nº 1.252, de 2012, art. 4º; Instrução Normativa RFB nº 971, de 2009, art. 47, inciso IV, e 5º; Ato Declaratório Executivo Codac nº 86, de 2011; Ato Declaratório Executivo Codac nº 93, de MÁRIO HERMES SOARES CAMPOS Chefe MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 121 de 26 de Junho de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO SOBRE A RECEITA BRUTA. BASE DE CÁLCULO. COMPOSIÇÃO. Na receita bruta a que se refere o caput do art. 8º da Lei nº , de 2011, não se incluem o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), quando cobrado pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário. Da receita bruta podem ser excluídas as vendas canceladas, inclusive por devolução de mercadorias. 42

43 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 105 de 02 de Outubro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA. EMPRESAS QUE EXERCEM OUTRAS ATIVIDADES ALÉM DAQUELAS SUBMETIDAS AO REGIME SUBSTITUTIVO. BASE DE CÁLCULO. REGIME DE COMPETÊNCIA. 1. O regime substitutivo previsto no art. 8º da Lei nº , de 2011, é de caráter obrigatório às empresas ali descritas e aos produtos relacionados no Anexo da referida Lei. 2. A empresa que exerce, conjuntamente, atividade sujeita à contribuição substitutiva prevista no artigo 8º da Lei nº , de 2011, e outras atividades não submetidas à substituição, deve recolher: a) a contribuição sobre a receita bruta em relação aos produtos que industrializa e que se acham submetidos ao referido regime; b) a contribuição previdenciária incidente sobre a folha de pagamento prevista no art. 22, incisos I e III, da Lei nº 8.212, de 1991, mediante aplicação de redutor resultante da razão entre a receita bruta das atividades não sujeitas ao regime substitutivo e a receita bruta total, utilizando, para apuração dessa razão, o somatório das receitas de todos os estabelecimentos da empresa (matriz e filiais). 3. A base de cálculo da contribuição substitutiva prevista nos artigos 7º e 8º da Lei nº , de 2011, é a receita bruta, considerada sem o ajuste de que trata o inciso VIII do art. 183 da Lei nº 6.404, de 1976, e com exclusão apenas das vendas canceladas, dos descontos incondicionais concedidos, da receita bruta de exportações, do IPI, se incluído na receita bruta, e do ICMS, quando cobrado pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário. 4. A apuração da contribuição substitutiva para as pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real deve observar o regime de competência, não se lhes aplicando, para fins de reconhecimento de receitas, o comando contido no art. 407 do Regulamento do Imposto de Renda (Decreto nº 3.000/99). 5. No regime misto, aplicável às empresas que exercem, conjuntamente, atividades sujeitas ao regime substitutivo prevista nos artigos 7º e 8º da Lei nº , de 2011, e outras atividades não submetidas ao referido regime, o recolhimento da contribuição sobre a folha de pagamento deve ser feito em Guia da Previdência Social - GPS, por estabelecimento da empresa, com utilização do redutor previsto no 1º do art. 9º da referida Lei. 6. A contribuição substitutiva incidente sobre a receita bruta deve ser recolhida em DARF, de forma centralizada pelo estabelecimento matriz. 43

IV - elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos;

IV - elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos; Diário Oficial da União, Seção 1, Edição nº 201, p. 4, 17.10.2012 Decreto nº 7.828, de 16.10.2012 - Regulamenta a incidência da contribuição previdenciária sobre a receita devida pelas empresas de que

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos

Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos Lei 12.546/11 atualizada (Artigos 7º a 9º), p.02 Anexo II (Varejo), p.06 Decreto 7.828/12 (Regulamento), p.07 Soluções de Consulta

Leia mais

Av. Baruel, São Paulo - SP - CEP (11)

Av. Baruel, São Paulo - SP - CEP (11) Vide Medida Provisória nº 582, de 2012 NCM 02.03 02.06 02.09 02.10.1 05.04 05.05 05.07 05.10 05.11 Capítulo 16 Capítulo 19 2515.11.00 2515.12.10 2516.11.00 2516.12.00 30.02 30.03 30.04 3005.90.90 3815.12.10

Leia mais

Data de Ingresso 01/12/ /08/ /11/ /03/2015

Data de Ingresso 01/12/ /08/ /11/ /03/2015 SETOR 1. Serviços de Tecnologia da Informação (TI) e de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Análise e desenvolvimento de sistemas Data de Ingresso Alíquotas Programação Análise e desenvolvimento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empresas enquadradas na desoneração da folha de Pagamento com alíquotas distintas entre as atividades

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empresas enquadradas na desoneração da folha de Pagamento com alíquotas distintas entre as atividades Pagamento com alíquotas distintas entre as atividades 20/05/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 8 4. Conclusão...

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI /2011

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI /2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI 12.546/2011 COMÉRCIO VAJERISTA / CRITÉRIO DE APLICAÇÃO POR CNAE Os segmentos de comércio varejista, ficam sob a alíquota de 1%, cujas atividades

Leia mais

Palestra. Desoneração da Folha de Pagamento Atualização. Março Elaborado por:

Palestra. Desoneração da Folha de Pagamento Atualização. Março Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 opções 2 ou 3 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

ANO XXIV ª SEMANA DE ABRIL DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2013

ANO XXIV ª SEMANA DE ABRIL DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2013 ANO XXIV - 2013-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2013 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO - ATUALIZAÇÃO E INCLUSÃO DE NOVAS ATIVIDADES CONFORME MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E DESONERAÇÃO DA FP. José de Carvalho filho

PREVIDÊNCIA SOCIAL E DESONERAÇÃO DA FP. José de Carvalho filho PREVIDÊNCIA SOCIAL E DESONERAÇÃO DA FP X José de Carvalho filho DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? Substituição da base de cálculo da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamento por uma base

Leia mais

Palestra. Desoneração da Folha de Pagamento - Tributação Sobre Receita. Janeiro Elaborado por: Mário Aparecido Hessel

Palestra. Desoneração da Folha de Pagamento - Tributação Sobre Receita. Janeiro Elaborado por: Mário Aparecido Hessel Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IN RFB 1.436/13 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº de D.O.U.:

IN RFB 1.436/13 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº de D.O.U.: IN RFB 1.436/13 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 1.436 de 30.12.2013 D.O.U.: 02.01.2014 Dispõe sobre a Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB), destinada ao

Leia mais

Referência: IN RFB nº 1.436/13 - INSS - Desoneração da folha de pagamento - Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) e retenção.

Referência: IN RFB nº 1.436/13 - INSS - Desoneração da folha de pagamento - Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) e retenção. Of. Circ. Nº 003/14 Rio de Janeiro, 03 de janeiro de 2014 Referência: IN RFB nº 1.436/13 - INSS - Desoneração da folha de pagamento - Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) e retenção.

Leia mais

1) Sobre o Regime de Desoneração da Folha Lei nº /2011

1) Sobre o Regime de Desoneração da Folha Lei nº /2011 Belo Horizonte, 06 de abril de 2017. AO SINDINFOR. Referência: Consulta jurídica sobre as alterações promovidas pela Medida Provisória nº 774/2017, de 30 de março de 2017, e seus reflexos sobre as contribuições

Leia mais

Sistema de Informações Jurídico-Tributárias - SIJUT

Sistema de Informações Jurídico-Tributárias - SIJUT Página 1 de 8 Sistema de Informações Jurídico-Tributárias - SIJUT Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1436, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2013 (Publicado(a) no DOU de 02/01/2014, seção 1, pág. 12) Dispõe sobre

Leia mais

ANO XXV ª SEMANA DE JULHO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2014

ANO XXV ª SEMANA DE JULHO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2014 ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE JULHO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2014 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO ATUALIZAÇÃO DE ACORDO COM A LEI N 12.995/2014 E A MP 651/2014 - PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANO XXVIII ª SEMANA DE ABRIL DE 2017 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2017

ANO XXVIII ª SEMANA DE ABRIL DE 2017 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2017 ANO XXVIII - 2017-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2017 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2017 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO - ATUALIZAÇÕES E CONSIDERAÇÕES GERAIS... Pág. 398 ASSUNTOS TRABALHISTAS

Leia mais

DESONERAÇÃO Lei /2011. Seminário de Assuntos Contábeis de Uruguaiana 05/04/2013

DESONERAÇÃO Lei /2011. Seminário de Assuntos Contábeis de Uruguaiana 05/04/2013 DESONERAÇÃO Lei 12.546/2011 Seminário de Assuntos Contábeis de Uruguaiana 05/04/2013 Tópicos do nosso trabalho Legislação básica Códigos de DARF Objetivos Preenchimento no SEFIP Trata-se de um novo Tributo?

Leia mais

SUMÁRIO. JB Software Ltda Av. Belém, 2084 Cx Postal 42 CEP Pinhalzinho-SC Fone: Fax:

SUMÁRIO. JB Software Ltda Av. Belém, 2084 Cx Postal 42 CEP Pinhalzinho-SC Fone: Fax: SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 2.1 Art. 7 da Lei 12.546/11 2%... 2 2.2 Art. 8 da Lei 12.546/11 1%... 3 3. CONFIGURAÇÕES E FACILIDADES NO JB FOLHA... 3 3.1 Cadastro de empresas... 3

Leia mais

SUMÁRIO 1. Introdução 2. Empresas com Atividades Exclusivas 3. Empresas com Atividades Concomitantes 4. Empresas com Atividades Mistas

SUMÁRIO 1. Introdução 2. Empresas com Atividades Exclusivas 3. Empresas com Atividades Concomitantes 4. Empresas com Atividades Mistas Desoneração da Folha de Pagamento 13º Salário SUMÁRIO 1. Introdução 2. Empresas com Atividades Exclusivas 3. Empresas com Atividades Concomitantes 4. Empresas com Atividades Mistas 1. Introdução A alteração

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA. Lei /12

PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA. Lei /12 PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA Lei 12.715/12 Plano Brasil Maior - Evolução Legislativa MP 540/11 Lei nº. 12.546/11 MP 563/12 Lei nº. 12.715/12 COFINS-IMPORTAÇÃO Alíquota Adicional Setores

Leia mais

[(Receita Bruta Não Beneficiada x 100) / Receita Bruta Total) = Fator de aplicação

[(Receita Bruta Não Beneficiada x 100) / Receita Bruta Total) = Fator de aplicação CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA A Lei 12.546 de 14/12/2011 instituiu, entre outras medidas, a CPRB Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta, ou seja, alterou a base de cálculo

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL Desoneração da Folha de Pagamento Ampliação do Número de Empresas Beneficiadas

PREVIDÊNCIA SOCIAL Desoneração da Folha de Pagamento Ampliação do Número de Empresas Beneficiadas PREVIDÊNCIA SOCIAL Desoneração da Folha de Pagamento Ampliação do Número de Empresas Beneficiadas Todos os comentários e considerações da matéria Desoneração da Folha de Pagamento Ampliação do Número de

Leia mais

LTPS - PREVIDÊNCIA SOCIAL - FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO

LTPS - PREVIDÊNCIA SOCIAL - FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO LTPS - PREVIDÊNCIA SOCIAL - FOLHA DE PAGAMENTO I DESONERAÇÃO 5.7. DESONERAÇÃO 5.7.1. INTRODUÇÃO A desoneração da folha de pagamentos é uma medida governamental que visa reduzir a carga tributária de alguns

Leia mais

Ao SINDUSCON/CE Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará Rua Tomás Acioly, nº 840, 8º andar Fortaleza Ceará

Ao SINDUSCON/CE Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará Rua Tomás Acioly, nº 840, 8º andar Fortaleza Ceará Fortaleza, 14 de novembro de 2014. Ao SINDUSCON/CE Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará Rua Tomás Acioly, nº 840, 8º andar Fortaleza Ceará Prezados Senhores, Encaminhamos-lhes em anexo o

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 232 - Data 25 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA. LEI

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Data 11/01/2013

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Data 11/01/2013 M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Data 11/01/2013 Foi publicada a Medida Provisória ( MP ) n 601, de 28 de dezembro de 2012, que altera

Leia mais

Rafael Köche. Advogado OAB/RS Mestrando em Direito Público (UNISINOS-RS) Consultor Tributário da Lauermann Schneider Auditoria & Consultoria

Rafael Köche. Advogado OAB/RS Mestrando em Direito Público (UNISINOS-RS) Consultor Tributário da Lauermann Schneider Auditoria & Consultoria Rafael Köche Advogado OAB/RS 89.362 Mestrando em Direito Público (UNISINOS-RS) Consultor Tributário da Lauermann Schneider Auditoria & Consultoria Elaborado em: junho de 2013 Uma necessária contextualização

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta; a Lei nº 12.469, de 26 de agosto de

Leia mais

PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº, DE 2017 (Proveniente da Medida Provisória nº 774, de 2017)

PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº, DE 2017 (Proveniente da Medida Provisória nº 774, de 2017) ERRATA Nº 2 Perante a COMISSÃO MISTA, ao relatório lido na 4ª Reunião, em 20 de junho de 2017, sobre a Medida Provisória nº 774, de 30 de março de 2017, que dispõe sobre a contribuição previdenciária sobre

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

DESONERAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO Instrutor : Márcio Henrique Quadros 1 PRINCIPAIS REFERENCIAIS DESONERAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº 93 DE 19/12/2011; ATO DECLARATÓRIO

Leia mais

LEI Nº , DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº , DE 31 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 13.161, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Altera as Leis nºs 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta, 12.780, de 9 de janeiro de 2013, que dispõe sobre

Leia mais

Simples nacional / lucro presumido

Simples nacional / lucro presumido Simples nacional / lucro presumido Exemplo 1: Anexo I comércio Uma Empresa comercial, que não auferiu receita decorrente de venda de mercadorias sujeitas à substituição tributária ou receita de exportação,

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Medidas Provisórias 601/12 e 612/13.

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Medidas Provisórias 601/12 e 612/13. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Medidas Provisórias 601/12 e 612/13. A Medida Provisória 601/12 estendeu os benefícios fiscais da desoneração da folha de pagamento aos setores da construção civil, do

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Compensação da CPRB

Orientações Consultoria De Segmentos Compensação da CPRB Compensação 23/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 7 6. Referências...

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta 02/08/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Palestra. Desoneração Previdenciária - Atualização. Outubro Elaborado por: O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Palestra. Desoneração Previdenciária - Atualização. Outubro Elaborado por: O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

MARIA EDUARDA SIMÕES 1

MARIA EDUARDA SIMÕES 1 MARIA EDUARDA SIMÕES 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES TRIBUTÁRIAS: SISTEMA TRIBUTÁRIO - REVISÃO DESONERAÇÃO DA FOLHA DECISÕES DO STF 2 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES TRIBUTÁRIAS: IMPOSTOS - NOTAS FISCAIS LEGISLAÇÃO SÃO

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO GLAUCO MARCHEZIN Advogado, graduado em Direito pela PUC/SP, consultor de empresas IOB e Especialista em Direito do Trabalho e Previdenciário, foi professor de Direito

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 083/2012 MFZ /11/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 083/2012 MFZ /11/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima Rua Visconde de Inhaúma, 134 Gr 1005 CEP 20094-900 - Centro - Rio de Janeiro RJ Brasil Tel.: (55 21) 3232-5600 Fax.: (55 21) 3232-5619 E-mail: syndarma@syndarma.org.br

Leia mais

1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento

1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento 1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento A desoneração da folha de pagamento é constituída de duas medidas complementares. Em primeiro lugar, o governo está eliminando a atual contribuição previdenciária

Leia mais

Informe Técnico Dezembro 2015

Informe Técnico Dezembro 2015 Informe Técnico Dezembro 2015 ÍNDICE LEGISLAÇÃO FEDERAL...3 ESTADUAL...166 MUNICIPAL...398 2 LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. Lei nº 13.196 de 01.12.2015 DOU 1 de 2.12.2015 Altera a Medida Provisória nº 2.228-1,

Leia mais

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes Hugo Medeiros de Goes SIMPLES NACIONAL (2ª parte) De acordo com a Lei Complementar nº 123, de 14/12/2006 (arts. 12 e 88), em 1º de julho de 2007, entra em vigor o Regime Especial Unificado de Arrecadação

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA COMÉRCIO VAREJISTA

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA COMÉRCIO VAREJISTA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA COMÉRCIO VAREJISTA Ope Legis Consultoria Empresarial RECEITA BRUTA COMÉRCIO VAREJISTA Governo desloca a contribuição previdenciária patronal sobre a folha

Leia mais

Ilma. Sra. Dra. Sinara Inácio Meireles Chenna Presidente da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA/MG Nesta

Ilma. Sra. Dra. Sinara Inácio Meireles Chenna Presidente da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA/MG Nesta Belo Horizonte, 20 de janeiro de 2015 Ref: 002/2015-S Ilma. Sra. Dra. Sinara Inácio Meireles Chenna Presidente da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA/MG Nesta Ref.: Contribuição Previdenciária

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento - Tributação sobre Receita

Desoneração da Folha de Pagamento - Tributação sobre Receita Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 24 - Data 23 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. RECEITA

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 ANO XXVII - 2016-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA DECLARAÇÃO SOBRE A OPÇÃO DE TRIBUTAÇÃO DE PLANOS PREVIDENCIÁRIOS DPREV 2016 INFORMAÇÕES GERAIS...

Leia mais

1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento

1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento 1. Desoneração da Folha de Folha de Pagamento A desoneração da folha de pagamento é constituída de duas medidas complementares. Em primeiro lugar, o governo está eliminando a atual contribuição previdenciária

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 19 - Data 1 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL Na espécie, relativamente a fatos geradores ocorridos

Leia mais

Desoneração do INSS Patronal. Aumentos da COFINS na Importação e do Imposto de Importação

Desoneração do INSS Patronal. Aumentos da COFINS na Importação e do Imposto de Importação Desoneração do INSS Patronal Aumentos da COFINS na Importação e do Imposto de Importação Desoneração do INSS Patronal (20%) O que é a desoneração da folha de pagamento? A desoneração da folha de pagamento

Leia mais

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008.

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. LEI Nº 11.827, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. Altera as Leis n os 10.833, de 29 de dezembro de 2003, e 11.727, de 23 de junho de 2008, relativamente à incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados

Leia mais

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA Código das Melhores Práticas de N 40 Data 02.12.2016 Período Governança pesquisado: Atos publicados entre 25.11.2016 a 02.12.2016 RECEITA FEDERAL DO BRASIL Data da publicação:

Leia mais

GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia.

GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia. GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES 19.10.2015 1. ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia. 2. Legislação Federal SOLUÇÃO DE CONSULTA DISIT/SRRF07 Nº 7045, DE

Leia mais

Condição: Sujeito ou NÃO Sujeito à CPRB

Condição: Sujeito ou NÃO Sujeito à CPRB Exercício 1: Objeto Social da Empresa "A": Elaboração de programas de computador (softwares), consultoria em tecnologia da informação, representação comercial de softwares de terceiros prontos para uso,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 4 - Data 6 de janeiro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS LEI Nº 12.546, DE 2011. EQUIPARAÇÃO

Leia mais

Desoneração de folha. Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta CPRB. Ricardo Mariz de Oliveira Elidie Palma Bifano

Desoneração de folha. Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta CPRB. Ricardo Mariz de Oliveira Elidie Palma Bifano Desoneração de folha Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta CPRB Ricardo Mariz de Oliveira Elidie Palma Bifano Origem da substituição da contribuição social: Constituição Federal Seguridade

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos INSS da 2ª Parcela do 13º Salário de Empresas que Deixaram de Contribuir pela CPRB em 2015

Orientações Consultoria De Segmentos INSS da 2ª Parcela do 13º Salário de Empresas que Deixaram de Contribuir pela CPRB em 2015 Orientações Consultoria De Segmentos INSS da 2ª Parcela do 13º Salário de Empresas que Deixaram de Contribuir pela CPRB em 2015 23/02/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas

Leia mais

Diário Oficial do Estado de São Paulo Seção 1 Volume 126 Número 243 São Paulo, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Diário Oficial do Estado de São Paulo Seção 1 Volume 126 Número 243 São Paulo, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016 Diário Oficial do Estado de São Paulo Seção 1 Volume 126 Número 243 São Paulo, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016 DECRETO Nº 62.385, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2016 Dispõe sobre a possibilidade de contribuintes

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 15 14 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 202 - Data 11 de julho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL Há redução dos percentuais relativos ao PIS/Pasep

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS MARÇO DE 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS MARÇO DE 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS MARÇO DE 2014 Dia: 06 Salário Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da CLT. Quando o pagamento

Leia mais

Desoneração de folha de pagamento

Desoneração de folha de pagamento Desoneração de folha de pagamento Outubro/2012 1 Contexto Visando uma maior competitividade em alguns setores da economia foi instituído o Plano Brasil Maior. * - Medida Provisória 540/2011 Plano Brasil

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2015 Dia: 06/02/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços; permite depreciação

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2014 Dia: 06 Salário Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da CLT. Quando o pagamento

Leia mais

DECRETO 6.003, DE 28 DE DEZEMBRO DE

DECRETO 6.003, DE 28 DE DEZEMBRO DE DECRETO 6.003, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006 Regulamenta a arrecadação, a fiscalização e a cobrança da contribuição social do salário-educação, a que se referem o art. 212, 5º, da Constituição, e as Leis 9.424,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP, da COFINS, da Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação incidentes sobre

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Altera a Instrução Normativa SRF nº 247, de 21 de novembro de 2002, que dispõe sobre o PIS/Pasep e a Cofins. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL Tributo federal Lei Complementar 123/2006 e 128/2008 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

Aspectos Tributários Software via Download. Raquel do Amaral Santos

Aspectos Tributários Software via Download. Raquel do Amaral Santos Aspectos Tributários Software via Download Raquel do Amaral Santos rasantos@tozzinifreire.com.br Aspectos Gerais - Software Espécies de Software: Software Não Customizado: é aquele produzido em larga escala

Leia mais

PARECER. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP.

PARECER. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP. PARECER EMENTA: Contribuição PASEP. Regimes Próprios de Previdência. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP. As

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO DE JANEIRO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO DE JANEIRO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO DE JANEIRO CURSO DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO 03-2016 Instrutor: Valério Lopes Toledo Contador, Advogado, Consultor Especialista em Direito do Trabalho

Leia mais

Boletim Técnico. Fundamentação Legal. Desoneração da Folha de Pagamento Cálculo Misto. Produto : Microsiga Protheus Gestão de Pessoal Versão 10

Boletim Técnico. Fundamentação Legal. Desoneração da Folha de Pagamento Cálculo Misto. Produto : Microsiga Protheus Gestão de Pessoal Versão 10 Desoneração da Folha de Pagamento Cálculo Produto : Microsiga Protheus Gestão de Pessoal Versão 10 Chamado : TGPTIO Data da publicação : 15/05/13 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Ajustado na

Leia mais

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA Código das Melhores Práticas de N 05 Data 11.03.2016 Período Governança pesquisado: Atos publicados entre 04.03.2016 a 11.03.2016 LEGISLAÇÃO FEDERAL Não houve. RECEITA

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14 21/07/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. Perguntas RFB... 3 2.2. Artigo Portal Tributário... 4 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Manual SPED...

Leia mais

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 240, DE 9 DE SETEMBRO DE 2008: A substituição de embalagens de produtos, alterando sua apresentação, exceto se destinada unicamente ao transporte

Leia mais

Agenda Tributária: de 16 a 22 de Fevereiro de 2012

Agenda Tributária: de 16 a 22 de Fevereiro de 2012 Agenda Tributária: de 16 a 22 de Fevereiro de 2012 Dia: 16 SP - Guia de Informação e Apuração - GIA - Regime mensal - I.E. finais 0 e 1 Os contribuintes com a inscrição estadual final 0 ou 1, deverão apresentar

Leia mais

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL As empresas tributadas pelo lucro real, que optaram pela apuração anual, deverão recolher mensalmente antecipações de IRPJ e CSLL com base em lucro estimado

Leia mais

Reoneração da Folha: Aspectos Polêmicos da Opção em 2015

Reoneração da Folha: Aspectos Polêmicos da Opção em 2015 Câmara de Comércio e Indústria Japonesa no Brasil Reunião Mensal da Comissão Jurídica Reoneração da Folha: Aspectos Polêmicos da Opção em 2015 São Paulo, 22 de outubro de 2015 1 2 Panorama Legal e Regulamentar

Leia mais

APEMEC EM ACAO. Perguntas e Respostas sobre a Desoneração da Folha de Pagamento das construtoras e suas terceirizadas.

APEMEC EM ACAO. Perguntas e Respostas sobre a Desoneração da Folha de Pagamento das construtoras e suas terceirizadas. Perguntas e Respostas sobre a Desoneração da Folha de Pagamento das construtoras e suas terceirizadas. Fonte: APeMEC, 17/05/2013 A APeMEC informa aos seus associados, que o SindusCon-SP, preparou as orientações

Leia mais

Janeiro-Dezembro/2014

Janeiro-Dezembro/2014 IRRF - Décimo terceiro salário 2014 - Roteiro Aqui serão analisados os aspectos gerais relacionados à retenção do Imposto de Renda incidente no pagamento do décimo terceiro salário. Introdução Os rendimentos

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGOSTO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 05 06 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 18 19 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

Discussões Tributárias em matéria tributária ano 2017 Marciano Buffon Marina Furlan.

Discussões Tributárias em matéria tributária ano 2017 Marciano Buffon Marina Furlan. Discussões Tributárias em matéria tributária ano 2017 Marciano Buffon Marina Furlan www.buffonefurlan.com.br Decisão da Receita Federal sobre a incidência de INSS sobre verbas salariais A Secretaria da

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. Projeto SPED x SFFISCAL Lucro Presumido

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. Projeto SPED x SFFISCAL Lucro Presumido Projeto SPED x SFFISCAL Lucro Presumido Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Desoneração e Contribuição Previdenciária 13o Salário

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Desoneração e Contribuição Previdenciária 13o Salário Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Desoneração e Contribuição Previdenciária 13o Salário 18/02/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I SUSPENSO O PAGAMENTO DE PIS/COFINS SOBRE A VENDA DE PRODUTOS SUÍNOS E AVICULÁRIOS E DE DETERMINADOS INSUMOS RELACIONADOS E CONCEDE CRÉDITO PRESUMIDO EM DETERMINADAS OPERAÇÕES

Leia mais

ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON

ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON CONCEITOS ANTECIPAÇÃO E DIFERENCIAL DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS: Art. 4 - Nas operações com mercadorias ou bens considera-se

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A MAIO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 13 14 15 16 16 17 18 19 20 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 29 28 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 83 - Data 8 de junho de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL REVENDA DE PRODUTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO CONCENTRADA

Leia mais

Referência: Lei nº /15 - IPI, PIS/PASEP e COFINS - Bebidas e Programa de Inclusão Digital - Tributação Alterações.

Referência: Lei nº /15 - IPI, PIS/PASEP e COFINS - Bebidas e Programa de Inclusão Digital - Tributação Alterações. Rio de Janeiro, 05 de janeiro de 2016. Of. Circ. Nº 010/16 Referência: Lei nº 13.241/15 - IPI, PIS/PASEP e COFINS - Bebidas e Programa de Inclusão Digital - Tributação Alterações. Senhor(a) Presidente,

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição adicional devida ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI)

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição adicional devida ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) Aprendizagem Industrial (SENAI) 13/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Normas Legais... 4 3.1.1 IN RFB nº 566/2005...

Leia mais

Desoneração do INSS Patronal. Aumentos da COFINS na Importação e do Imposto de Importação

Desoneração do INSS Patronal. Aumentos da COFINS na Importação e do Imposto de Importação Desoneração do INSS Patronal Aumentos da COFINS na Importação e do Imposto de Importação Desoneração do INSS Patronal (20%) O que é a desoneração da folha de pagamento? A desoneração da folha de pagamento

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A DEZEMBRO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 07 08 09 09 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 20 20 21 22 23 23 24 25 26 27 28 29 30 30 31-1

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A NOVEMBRO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 14 15 16 16 17 18 18 19 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 30-1

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A MAIO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 19 20 21 22 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais