REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ"

Transcrição

1 Srs. Condôminos, Arquitetos e Engenheiros. Assunto: Alterações no Regulamento de Normas Construtivas. Prezados senhores! Desde a entrada em vigor do REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS em janeiro de 2006, novas avaliações dessa norma, visando melhores esclarecimentos, incrementos e modificações, foram periodicamente elaboradas e acrescidas. Em 27/03/2010, foi feito algumas adequações no REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS, porém houve a necessidade de novas avaliações desta Norma. Logo, em 03/12/2013, o Conselho Deliberativo, no exercício das atribuições convencionais, debateu e aprovou modificações e acréscimos necessários, resultando assim nas alterações dos artigos do REGULAMENTO, que seguem abaixo em parágrafos evidenciados em marca texto e em negrito. (Artigos alterados: 09, 12, 46, 57, 58, 64 e 72). Tais acréscimos entram em vigor a partir de sua publicação. Cordialmente! Diretoria Executiva Conselho Deliberativo Cuiabá, 06 de janeiro de REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ I - DO OBJETO Art. 1º - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo e a aprovação de projetos, e define as penalidades aplicáveis em caso de infração a tais preceitos. Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federal, estadual e municipal. Art. 2º - As disposições do presente regulamento aplicam-se indistintamente a todos os lotes e devem ser cumpridas por todos os condôminos. Art. 3º - É de responsabilidade de o condômino informar aos projetistas, empreiteiros e a todas as pessoas envolvidas na execução da obra, sobre as disposições contidas neste regulamento. Art. 4º - O condômino responde pelas infrações às disposições, ainda que cometidas por seus contratados, sujeitando-se ao cumprimento das penalidades previstas neste regulamento. 1

2 II DOS USOS Art. 5º - Não é permitida a construção de mais de uma residência e respectiva construção secundária por lote, que se destinará exclusivamente à habitação de uma única família e seus empregados. (Multa C) Art. 6º - Não é permitida a construção de edificação residencial multifamiliar e de edificações para fins comerciais, industriais e de escritórios, de forma a nunca se exercerem nelas atividades como as de: comércio, indústria, todo e qualquer estabelecimento de ensino ou que se preste a ministração de aulas complementares de reforço, hospital, clínica, consultório, ateliê para prestação de serviços, lan houses, templos, cinema, teatro, hotel, motel, pensão, clubes e associações recreativas, etc. (Multa C) Art. 7º - Não é permitida a execução de edificação pré-fabricada - construção em série - quando esta for caracterizada por projetos pré-definidos. (Multa C) Art. 8º - A edificação que utilizar estrutura pré-fabricada em uma das etapas da obra, atendendo a um projeto arquitetônico exclusivo, poderá ter a sua execução permitida, desde que tenha a autorização do Conselho Deliberativo do Condomínio. (Multa C) Art. 9º - É permitida a criação de animais domésticos (cães, gatos e pássaros) desde que restritos aos limites do lote de cada condômino. Neste caso o projeto deverá contemplar uma área específica e delimitada para abrigar estes animais. (Multa C) Art. 9º - É permitida a criação de animais domésticos (cães, gatos e pássaros) desde que restritos aos limites do lote de cada condômino. Observando sempre a Legislação Municipal, vigente. Neste caso o projeto deverá contemplar uma área específica e delimitada para abrigar estes animais. (Multa C). (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) III DA APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO Art Somente o Condômino adimplente com as suas obrigações pecuniárias, incluindo multas e taxas, poderá dar entrada ao processo de aprovação de projetos. Único A existência de débitos de qualquer natureza junto ao Condomínio, devidos por proprietários anteriores, impedirá a entrada do pedido de aprovação de projetos pelo atual proprietário, enquanto tais débitos não sejam regularizados junto ao Condomínio. Art Todos e quaisquer projetos de construção ou modificação/acréscimo em relação à edificação já concluída, deverão ser previamente apresentados para a aprovação do Condomínio, que verificará o cumprimento das disposições do presente regulamento. (Multa C).(Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em ) Art Todo e qualquer projeto de modificação, sobre o projeto original aprovado, seja sobre a obra em execução, paralisada ou concluída, deverá ser previamente submetido à análise do Condomínio para verificação do cumprimento dos dispositivos deste regulamento e aprovação. A não observância deste artigo sujeitará o condômino à multa, sem advertência prévia. (Multa C). (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art Para ínicio do processo de aprovação, o proprietário deverá fornecer ao Condomínio, 01 (uma) cópia do projeto arquitetônico acompanhado das considerações que se julgarem necessárias ao perfeito entendimento do mesmo, e uma cópia do contrato de aquisição do lote ou da escritura do imóvel. (Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em ) 1º O projeto Arquitetônico deverá contemplar a planta baixa, planta de cortes e fachadas, planta de cobertura e a planta de situação/ localização. (Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em ) 2º - Na planta de cortes deverá ser indicada a LNT (linha natural do terreno) e na planta de situação - exceto para os lotes que apresentam terreno plano - as curvas de nível do terreno. (Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em ) Art Para ínicio do processo de análise, o condômino proprietário do lote deverá fornecer ao Condomínio os seguintes documentos no ato da apresentação do projeto: a) Requerimento assinado pelo condômino proprietário. (disponível no site ) b) Cópia do RG e CPF do condômino requerente e proprietário do imóvel. c) 01 (uma) cópia do projeto arquitetônico acompanhado das considerações que se julgarem necessárias ao perfeito entendimento do mesmo. d) Alternativamente, cópia do contrato de compra e venda do lote ou escritura pública. O documento apresentado deverá ser autenticado. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art Para início do processo de análise, o condômino proprietário do lote deverá fornecer ao Condomínio os seguintes documentos no ato da apresentação do projeto: a) Requerimento assinado pelo condômino proprietário. (disponível no site ) b) Cópia do RG e CPF do condômino requerente e proprietário do imóvel. c) 01 (uma) cópia do projeto arquitetônico acompanhado das considerações que se julgarem necessárias ao perfeito entendimento do mesmo. 2

3 d) Alternativamente, cópia do contrato de compra e venda do lote ou escritura pública. O documento apresentado deverá ser autenticado. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) e) 01 (uma) cópia do projeto Planialtimetrico atualizado do terreno. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 1º - Sem a entrega dos documentos elencados, o projeto não será recebido pelo Condomínio para análise. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 2º - O condômino requerente deverá ser o responsável financeiro pelas obrigações pecuniárias junto ao Condomínio. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 3º - Para perfeita compreensão do projeto o Condomínio poderá solicitar complementarmente plantas adicionais, memoriais e quaisquer documentos que porventura sejam necessários. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 4º - O prazo para análise do projeto (primeira apresentação) pelo Condomínio será de até 30 (trinta) dias corridos, contados a partir da data da emissão do protocolo. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 5º - O prazo para reanálise (s) do projeto pelo Condomínio, na segunda e demais apresentações será de até 30 (trinta) dias corridos, contados a partir da data da emissão do(s) protocolo(s). (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art Aprovado o projeto, o Condômino deverá fornecer 04 (quatro) cópias do projeto sendo que o Condomínio reterá uma delas. As demais cópias devidamente certificadas deverão ser encaminhadas pelo condômino para apreciação das autoridades competentes. (Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em ) Art Aprovado o projeto pelo Condomínio, este reterá a cópia apresentada e o condômino deverá providenciar cópias idênticas e submetê-las à apreciação e aprovação da Prefeitura. (Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em ) Único Somente será permitido o início da construção da obra após a apresentação do protocolo de entrada de projeto para fins de expedição de Alvará emitido pela Prefeitura. A não observância deste artigo sujeitará o condômino à multa diária, até a regularização e apresentação do Alvará ao Condomínio. (Multa A a ser aplicada diariamente até a regularização). (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art Será cobrada uma taxa de aprovação de projeto no valor de ½ salário mínimo, cujo valor será cobrado no boleto da taxa condominial. (Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em ) Único - O projeto que apresentar modificações superiores a 50% da área total construída, será considerado como um novo projeto e deverá ser cobrada uma nova taxa de aprovação. (Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em Art. 14 Será cobrada taxa de análise de projeto no valor equivalente à uma cota condominial do lote padrão 432 M². A taxa de análise será cobrada no boleto da cota condominial. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 1º - O pagamento da taxa de análise de projeto propiciará a elaboração de até 02 (dois) relatórios pelo Condomínio, onde serão elencadas as não conformidades, informações insuficientes, omissões e irregularidades a serem sanadas. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 2º - Não sendo sanadas as não-conformidades após a emissão do segundo relatório, haverá a cobrança de uma nova taxa para reanálise do projeto, no valor equivalente a uma cota condominial do lote padrão 432 M², que propiciará a elaboração de até 02 (dois) relatórios. O condômino deverá formalizar e encaminhar ao condomínio a autorização de cobrança da nova taxa, para que o projeto seja reanalisado. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 3º - Estará sujeito à cobrança de nova taxa de análise de projeto no valor equivalente à uma cota condominial do lote padrão 432M², o projeto que, uma vez aprovado pelo Condomínio e cuja obra não tenha ainda iniciado, seja novamente modificado. Ocorrendo tal situação, serão aplicados os procedimentos elencados no caput do artigo e parágrafos anteriores. (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 4º - Na hipótese de ocorrência da situação prevista no parágrafo anterior, desde que comprovado que tais modificações tenham sido necessárias e exigidas em razão de lei ou norma interna superveniente à aprovação do projeto pelo Condomínio e Prefeitura, não haverá a cobrança de nova taxa de análise. No entanto, o projeto em questão deverá ser adequado às novas normas e submetido ao Condomínio para análise e aprovação. A não observância deste dispositivo sujeitará o condômino à multa. (Multa B). (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 5º - Caso o condômino com obra em execução, concluída ou paralisada deseje executar qualquer modificação, sobre o projeto original aprovado, deverá submeter previamente o projeto para à análise do Condomínio e aprovação. No caso em questão, será cobrada taxa de análise no valor equivalente à 15% (quinze por cento) da cota condominial do lote padrão 432 M². A taxa adicional propiciará a elaboração de até 02 (dois) relatórios de análise. A não observância deste dispositivo sujeitará o condômino à multa. (Multa A) (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 3

4 Art Após a aprovação do projeto, será permitida a construção de muros de divisas, tapumes, banheiro e barracão de obra. (Multa C) (Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em Art. 15 Somente serão permitidos serviços de terraplenagem, execução de muros de divisas, tapumes, banheiro e barracão de obra, após a aprovação do projeto pelo condomínio e apresentação do protocolo de entrada de projeto para fins de expedição de Alvará emitido pela Prefeitura. A não observância deste dispositivo sujeitará o condômino à multa sem advertência prévia. (Multa C). (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Único Banheiro e bebedouro deverão ser instalados simultaneamente à colocação do tapume e execução do muro de divisa. A não observância deste dispositivo sujeitará o condômino à multa sem advertência prévia. (Multa C) (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 1º - Banheiro e bebedouro deverão ser instalados simultaneamente à colocação do tapume e execução do muro de divisa. A não observância deste dispositivo sujeitará o condômino à multa sem advertência prévia. (Multa C). (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 2º - Após a aprovação do projeto e antes do inicio da obra ou de qualquer serviço no canteiro, incluindo os das concessionárias publicas e os elencados no caput e parágrafo anterior, o condômino proprietário e/ou seus prepostos deverão atender à reunião de implantação de obra com o departamento de engenharia do condomínio. (Multa C).(Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art Durante a construção, deverá permanecer no canteiro de obras, uma pasta contendo cópia do projeto aprovado pelo Condomínio e pelas autoridades competentes, cópia do presente Regulamento, bem como as autorizações, os comunicados e as instruções emitidas pelo Condomínio. (Multa B) Art O Condomínio poderá, a qualquer tempo, fiscalizar os lotes, as obras em andamento, e as edificações paralisadas ou conclusas a fim de verificar o integral cumprimento às disposições do presente Regulamento. Único - O proprietário deverá permitir o acesso ao lote, obra ou edificação pela pessoa designada pelo Condomínio, podendo para tanto indicar pessoa para acompanhar a fiscalização quando a obra estiver conclusa e habitada. (Multa C) Art O condômino não poderá executar obra ou serviço diferente daquele previamente aprovado no projeto submetido ao Condomínio. As obras ou serviços nestas condições serão considerados como irregulares, sujeitos às multas e as penalidades cabíveis. (Multa C) (Redação alterada pelo Conselho Deliberativo em ) Art. 18 O Condômino não poderá apresentar à Prefeitura ou executar obra ou serviço diferente do projeto anteriormente aprovado pelo Condomínio, sob pena de ser a obra ou serviço considerado irregular e sujeito às multas e as penalidades cabíveis. (Multa C) (Redação aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art O Condomínio não se responsabilizará, em hipótese alguma, por qualquer erro de localização de obra ou demarcação de terreno que implique na invasão de lotes vizinhos. 1º - O Condomínio dispõe de uma planta geral dos lotes, a qual poderá ser consultada para facilitar a localização dos mesmos. 2º - A aprovação do projeto não implica na responsabilidade do Condomínio no tocante à propriedade do lote ou sua correta demarcação. IV DA UNIFICAÇÃO E DESDOBRO DOS LOTES Art. 20º - É permitida a unificação e desdobro de lotes contíguos, de modo a formar um ou mais lotes. Todas as disposições previstas neste regulamento continuarão aplicáveis a esses novos lotes, além das seguintes restrições abaixo classificadas: (Multa C) a) Testada mínima do lote: 13,50m (treze metros e cinqüenta centímetros); b) Área mínima do lote: 402,00 m² (quatrocentos e dois metros quadrados); c) Para os lotes contíguos por divisa lateral, deverá ser mantida a profundidade padrão da quadra em que estão situados, podendo a sua recomposição ser feita unicamente por testada; d) Para os lotes contíguos por divisa de fundos, somente será permitida a unificação para a obtenção de um único lote, com duas testadas, aplicando-se ao recuo frontal de 5,00m (cinco metros) para ambos os alinhamentos, tendo cada frente, no mínimo 13,50m (treze metros e cinqüenta centímetros). No lote resultante, somente será permitida a construção de uma única residência com a sua respectiva construção secundária. 4

5 e) Não será permitida, em hipótese alguma, a abertura de vielas, ruas, praças ou passagens de pedestres, quando da unificação ou desdobro de lotes. V DOS RECUOS Art A construção principal obedecerá aos seguintes recuos mínimos obrigatórios: (Multa C) a) Recuo frontal: 5,00m (cinco metros); b) Recuo de fundo: 2,00m (dois metros); c) Recuo lateral: 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros); d) Recuo entre a construção principal e a secundária: 3,00m (três metros); e) Recuo lateral do lote de esquina: 5,00m (cinco metros); f) Recuo (lateral e de fundo) do lote com divisa para a APP ou área verde: 2,00m (dois metros). Único - Todos os recuos mencionados no artigo acima serão contados a partir da alvenaria acabada. Art As projeções de sacadas, jardineiras, e outros elementos arquitetônicos não deverão avançar sobre qualquer recuo. (Multa C) Art O pavimento subsolo deverá respeitar a todos os recuos acima definidos, exceto aquele que se destinará ao abrigo de veículos. (Multa C) Art Os beirais da cobertura e as projeções das marquises poderão avançar sobre as faixas de recuo mínimo obrigatório, obedecendo à projeção máxima de 1,00m (um metro) contados da alvenaria acabada. (Multa C) Art É permitida a execução de pergolados nos recuos laterais e de fundo do lote sem a construção de cobertura sobre os mesmos. Poderão ser executados sobre o muro de divisa, desde que respeitada a altura máxima de 2,50m em relação à linha natural do terreno LNT, (Linha Natural do Terreno) ou executados com pilares locados sobre a linha divisória do lote. No recuo frontal os pergolados poderão ser executados em balanço obedecendo à projeção máxima de 1,00m (um metro), contados a partir da alvenaria acabada. (Multa C) Único - O condômino poderá construir os pergolados sobre o muro de divisa e com o limite de altura de 3,00m (três metros) em relação ao nível natural do terreno, desde que, o proprietário do lote vizinho, conceda formalmente uma autorização, a qual deverá ser apresentada à administração do Condomínio. (Multa C) Art É permitida a construção de piscinas, decks, ducha e casa de bomba, dentro do recuo lateral e de fundo do lote. (Multa C) Art É permitida a construção de piscinas, decks, ducha e casa de bomba, dentro do recuo lateral e de fundo do lote, desde que respeitado o recuo em uma das laterais. (Multa C). (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art É permitida a construção de garagem no recuo lateral, desde que a sua extensão, incluindo a cobertura, não seja superior a 7,00m (sete metros) na divisa e a sua altura não ultrapasse a 4,50m (quatro metros e cinqüenta centímetros), contados da linha natural do terreno (LNT) ao ponto mais alto da cobertura. (Multa C) Art No caso da existência de abrigo para veículos, piscinas, decks, ducha e casa de bomba, sobre a faixa de recuo lateral, somente será permitida a construção, se todos estiverem na mesma lateral. (Multa C) Art É permitida a execução de canteiros e jardins nos recuos laterais e de fundos. Art A faixa de recuo frontal somente poderá ser usada como jardim, não sendo permitida a execução de qualquer elemento arquitetônico como espelhos d água, fontes, estátuas e bancos de jardins. Os acessos para pedestres e veículos situados dentro do recuo poderão ser pavimentados. (Multa C) VI EDIFICAÇÕES Art A soma da área total construída das construções principal e secundária não poderá ser inferior a 150,00m² (cento e cinqüenta metros quadrados). (Multa C) Art A área de construção real de edificação será no máximo equivalente a uma vez a área do lote, ou seja, um coeficiente de aproveitamento máximo igual a 1,00 (um). (Multa C) 5

6 Art A área de projeção da construção principal (com um ou mais pavimentos), somada a área da construção de outras edificações, não poderá ultrapassar a 50% (cinqüenta por cento) da área do lote; ou seja, uma taxa de ocupação igual a 50% (cinqüenta por cento). (Multa C) Único Caso haja a construção de piscina a área da mesma não será incluída no cálculo de taxa de ocupação, porém, deverá ser incluída em área total de construção para fins de contagem de votos em Assembléia Geral. (Parágrafo introduzido pelo Conselho Deliberativo em 25/04/2009) Art O coeficiente de permeabilidade do lote não deverá ser inferior a 25% (vinte e cinco por cento), ou seja, o lote deverá ter uma área permeável mínima de 25% em relação a sua área total. (Multa C) Art Toda construção poderá ter mais que dois pavimentos acima do nível da rua, desde que a edificação principal obedeça à altura máxima de 12,00m (doze metros) em relação a qualquer ponto do terreno. (Multa C) Art A construção secundária (área de serviço, churrasqueira, sauna, etc.) será sempre construída em um único pavimento, não podendo ultrapassar a altura de 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros) quando respeitado o recuo de fundo de 1,00m (um metro) ou altura de 4,00m (quatro metros) quando respeitado o recuo de fundo de 2,00m (dois metros). Deverá ter afastamento mínimo de 3,00m (três metros) em relação à construção principal, respeitados os recuos laterais. (Multa C) Único - A construção secundária não poderá ser construída antes da construção principal. (Multa C) Art Nos lotes situados nos extremos das quadras é permitida a construção da edificação secundária desde que respeitado o afastamento mínimo de divisa. (Multa C) Art Todos os lotes situados nos extremos das quadras poderão ter o acesso à garagem pela lateral ou pela frente do lote. Único Os lotes situados ao longo da Av. Primavera, até a rotatória central, deverão ter acesso à garagem somente pela lateral do lote. (Multa C) Art Nos recuos obrigatórios e nas áreas externas não compreendidas pela edificação principal ou secundária (edícula) não é permitido a execução de aterro que ultrapasse 1,00m (um metro) de altura em relação ao nível natural do terreno. (Multa C) VII DOS MUROS E CALÇADAS Art É permitida a construção de muros de arrimo nas divisas com altura máxima de 1,00m (um metro), porém, no trecho da divisa lateral compreendido pela faixa de recuo frontal, o muro deverá ser executado a partir do nível da calçada. (Multa C) Art É permitida a construção de muros de divisa lateral e de fundo, exceto na faixa de recuo frontal. Poderão ser executados com altura máxima de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros) em relação ao nível natural do terreno. (Multa C) Art É permitido o fechamento frontal do lote e a construção de muro ou gradil invadindo os recuos laterais, desde que respeitados os 5,00m (cinco metros) de recuo frontal. (Multa C) 1º - O condômino poderá construir os muros de divisas com altura superior a 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros) e com o limite de altura de 3,00m (três metros) em relação ao nível natural do terreno, desde que os proprietários dos lotes vizinhos, em comum acordo, concedam formalmente uma autorização, que deverá ser apresentada ao Condomínio. (Multa C) 2º - Todo muro deverá ser revestido externamente com chapisco, quando não houver edificação no lote vizinho. (Multa B) Art Os lotes das quadras 01, 02, 13 e 24, que possuem divisas com as áreas verdes ou APP (área de preservação permanente), somente poderão fazer fechamento com cerca viva, a um limite de altura de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros) em relação ao nível natural do terreno. (Multa C) Único - É permitida a colocação de gradil junto à cerca viva, desde que fique encoberto pela vegetação, observando-se a altura total de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros) em relação ao nível natural do terreno. É proibida a execução de mureta e pilares de concreto para a instalação do gradil. (Multa C) Art A calçada deverá obrigatoriamente seguir o padrão determinado pelo Condomínio. Deverá ser executada com largura total de 3,00 m (três metros), obedecendo aos seguintes detalhes: duas faixas de grama de 75 cm (setenta e cinco centímetros) intercaladas por uma faixa de concreto desempenado de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros). (Multa C) 1º - Não é permitido a execução de rampas ou degraus na calçada, devendo esta constituir uma faixa contínua de pavimento. (Multa C) 2º - Não é permitida a aplicação de tintas, resinas ou quaisquer tipos de revestimentos sobre o concreto desempenado da calçada. (Multa C) 6

7 VIII DAS INSTALAÇÕES EM GERAL Art As instalações: elétrica, telefone, campainha e similares serão obrigatoriamente subterrâneas, entre os pontos de entrada até a edificação principal. (Multa C) Art As caixas-d água devem ser construídas ou instaladas no corpo da residência, sobre a laje, ou torre arquitetonicamente concebida e conjugada à estrutura da casa. Não será permitida a construção de caixas-d água em torres isoladas. (Multa C) Art As caixas d água devem ser construídas ou instaladas no corpo da residência, sobre a laje, ou torre arquitetonicamente concebida e conjugada à estrutura da casa. Não será permitida a construção de caixas d água em torres isoladas. (Multa C). 1º - As máquinas dos ares-condicionados devem ser colocadas no telhado, longe da divisa com vizinhos. (Multa C). (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art É proibida a instalação de grades (metalon, tela artística), ofendículos de qualquer natureza, cercas elétricas e cercas de arame galvanizado sobre os muros de divisas do(s) lote(s). (Multa C) Único - É permitido aos imóveis e lotes que possuírem quadras ou mini-campos, instalar telas de proteção fixadas em postes metálicos dentro dos recuos laterais e de fundo do lote. As telas poderão ter altura superior ao muro de divisa e deverão ser confeccionadas em nylon 100% de poliestireno na cor preta. Art Todo condômino é obrigado a conceder servidão para passagem de tubulações de esgoto e águas pluviais, nas faixas de recuo lateral do lote. (Multa C) 1º - Correrá por conta do usuário da servidão toda e qualquer despesa inerente a este serviço, bem como a sua manutenção. 2º - Os Condôminos proprietários dos lotes envolvidos deverão acordar e fixar as regras para a instalação das tubulações, por meio de instrumento formal devidamente assinado pelas partes, o qual deverá ser apresentado ao Condomínio antes do inicio da instalação. (Multa B) Art As águas pluviais serão captadas em redes independentes da rede de esgoto e deverão ser lançadas na sarjeta ou boca de lobo, quando esta estiver localizada no limite da testada do lote. (Multa C) 1º - É expressamente proibida a utilização inversa das redes, ou seja, lançar esgoto na rede de águas pluviais e viceversa. (Multa C) Art Não é permitida a construção da fossa séptica no lote residencial, a tubulação de esgoto da edificação deverá ser interligada diretamente na rede coletora de esgoto do Condomínio. (Multa C) Art O abrigo de gás deverá ser incorporado à construção principal ou secundária, desde que respeitados todos os recuos obrigatórios e obedecidas às dimensões máximas: altura de 2,00m (dois metros), largura de 50 cm (cinqüenta centímetros) e comprimento de 2,00m (dois metros). (Multa C) Único - É obrigatória à instalação de esquadrias com ventilação permanente para o depósito e acondicionamento de cilindros e botijões de gás que ficarem confinados em locais fechados. (Multa C) IX DOS PRESTADORES DE SERVIÇO Art Todos os prestadores de serviços (funcionários, empreiteiros, e outros) que tiverem acesso à obra, deverão ser previamente autorizados pelo condômino ou seu preposto, e, cadastrados no sistema de identificação do Condomínio. 7

8 Art Visando a segurança, a boa ordem e a disciplina, o Condomínio reserva-se no direito de impedir a entrada na obra e no Condomínio, de prestadores de serviço, que se negarem a fornecer dados pessoais para a realização do cadastramento de acesso, ou, daqueles cuja conduta e má reputação já tenham o condomínio conhecimento. Art Em caso de dispensa do funcionário, o responsável da obra deverá informar o Condomínio para o cancelamento da liberação do acesso. O mesmo procedimento deverá ser adotado ao término da obra. Art É expressamente proibida a entrada e a permanência dos prestadores de serviço nas áreas de Preservação Permanente, nas áreas verdes, nos banheiros da área comum, nos espaços comunitários e de lazer do Condomínio que são destinados exclusivamente aos condôminos. Caberá ao condômino e aos seus prepostos orientar os prestadores de serviço quanto ao eficaz cumprimento desta norma, cujo descumprimento incidirá em multa ao condômino proprietário da obra ou residência onde o prestador de serviço esteja trabalhando e acarretará a desabilitação e cancelamento do acesso dos prestadores de serviço, impossibilitando a entrada dos mesmos no Condomínio. (Multa C) Art É expressamente proibida a permanência ou a pernoite de vigias e prestadores de serviço nas obras. (Multa C) Art O horário de funcionamento das obras será de segunda à sexta-feira, das 07:00 às 18:00 horas. Não será permitido qualquer tipo de trabalho nas obras nos sábados, domingos e feriados. (Multa B) Art O horário de funcionamento das obras será de segunda à sexta-feira, das 07:00 às 17:30 horas. Não será permitido qualquer tipo de trabalho nas obras nos sábados, domingos e feriados. (Multa B) (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 1º - o horário de mudança será de segunda á sexta-feira, das 07:00 ás 17:00 horas. Não será permitida mudança nos sábados, domingos e feriados. (Multa B) (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 1º - Caminhões de mudança terão livre acesso de segundas-feiras a sextas-feiras das 08:00 as 18:00 e aos sábados 08:00 as 11:00hs. (Multa B) (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 2º - Caminhões de quaisquer tamanhos excluindo-se os de mudança, somente poderão trafegar internamente de segunda a sexta das 07:00 às 17:30 horas. (Multa B) (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) X DA EXECUÇÃO DA OBRA Art Toda obra antes de ser iniciada, deverá ser murada ou fechada com tapumes ao longo de todo o perímetro do lote. Os tapumes deverão ser totalmente fechados, pintados na cor branca e com altura mínima de 2,00m (dois metros). Poderão ser executados em chapa de madeira compensada (resinada com cola fenólica de 10mm ou Placa de compensado USB de 8mm), telha de chapa metálica ou placas pré-moldadas de concreto (muro japonês). Deverão ser mantidos em bom estado de conservação até a conclusão da obra. (Multa B) Art. 58º - Toda obra antes de ser iniciada, deverá ser murada ou fechada com tapumes ao longo de todo o perímetro do lote. Os tapumes deverão ser totalmente fechados, pintados na cor branca e com altura mínima de 2,00m (dois metros). O Tapume deverá ser executado em telha de zinco ondulada. Deverão ser mantidos em bom estado de conservação e na cor branca até a conclusão da obra. O tapume deve obedecer ao recuo que corresponde a calçada de 3,00. (Multa B). (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 1º - É permitida a ocupação do passeio para ampliar o espaço de armazenamento de materiais dentro do canteiro de obras. 1º - Não é permitido o uso do passeio para colocação de tapume, a calçada deve ficar livre para o pedestre. (Multa B) 2º - Não é permitida a personalização dos tapumes como forma de propaganda. (Multa A) 3º - É obrigatória a instalação de telas de proteção como dispositivo de segurança nos limites das divisas do lote de obra em execução com imóveis concluídos, visando proteger as áreas vizinhas contra derramamento dos resíduos, queda de rebocos, sujidades, materiais, alvenaria, ferramentas e outros. (Multa B). (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 8

9 4º - Também será obrigatória a instalação da tela de proteção nos limites das divisas quando ocorrer reforma em imóveis concluídos utilizando serviços de pintura e/ou reboco da fachada. (Multa B). (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) 5º - A altura da tela ficará condicionada à altura da edificação em construção/reforma, devendo ser mantida íntegra e em bom estado durante o tempo em que durar a construção/reforma. (Multa A) (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art É obrigatória a construção de sanitário no canteiro de obras e a sua ligação na rede de esgoto do Condomínio. (Multa B) Único É vedada a construção do sanitário destinado a atender o canteiro de obras no lote vizinho. (Multa B) Art É responsabilidade de o condômino providenciar a total limpeza das sujeiras e remoção do material excedente no final da obra, além daqueles decorrentes dos serviços de terraplenagem, fundações ou transporte de materiais, que se encontram espalhadas nas sarjetas, nas vias públicas ou nas áreas comuns do Condomínio. (Multa A) Único Em caso de descumprimento, o Condomínio realizará a devida limpeza e remoção e cobrará do condômino responsável todas as despesas relativas ao serviço. (Multa A) Art A sondagem, os serviços topográficos e o levantamento planialtimétrico são de responsabilidade do condômino e poderão ser realizados independentemente da aprovação do projeto. Art Cabe ao condômino tomar as providências necessárias para o pedido de ligações de água, esgoto e energia, provisórias e definitivas, junto às concessionárias de serviços públicos. Art Somente as placas referentes à autoria dos projetos e a responsabilidade técnica de execução da obra poderão ser fixadas no tapume ou expostas exteriormente às obras. (Multa A) Art O barracão de obra poderá ser executado em alvenaria, compensado (padrão tapume Art. 58) ou, utilizado container metálico, devendo ser mantido sempre em bom estado de conservação. (Multa A) Art. 64º - O barracão de obra poderá ser executado em alvenaria, compensado ou, utilizado container metálico, devendo ser mantido sempre em bom estado de conservação e na cor branca. (Multa A) (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Único - Se no lote existir somente a execução do barracão e a obra não for iniciada dentro do prazo de 120 (cento e vinte) dias a contar da data da fiscalização, o condômino deverá realizar a demolição do mesmo. Em caso de descumprimento, o Condomínio realizará a devida demolição e limpeza e cobrará do condômino responsável todas as despesas relativas ao serviço. (Multa A) Art É permitida a utilização de um único lote vizinho como apoio à obra, desde que o proprietário conceda antecipada e formalmente uma autorização, a qual deverá ser apresentada ao Condomínio. (Multa B) Único - O lote vizinho deverá obedecer ao mesmo padrão do canteiro de obra, no que diz respeito à colocação e conservação do tapume. (Multa B) Art Após a conclusão da obra, o lote vizinho deverá ser devolvido da mesma forma e situação em que foi encontrado, ou seja, sem os vestígios de materiais e entulhos provenientes da obra. (Multa B) Art A entrada de veículos pesados, máquinas, equipamentos e materiais na obra somente serão permitidos após a aprovação do projeto pelo Condomínio. (Multa B) Único - É expressamente proibida a entrada de carretas ou caminhões com mais de 3 eixos no condomínio. Art. 68 O recebimento de materiais deve ser realizado pelo responsável pelo canteiro de obras ou pessoa indicada pelo condômino proprietário. Se por qualquer motivo algum funcionário ou terceirizado que preste serviço ao Condomínio, vier a acompanhar o caminhão de entrega, esclarece-se que tal ato não caracteriza a responsabilidade do Condomínio quanto à conferência, acondicionamento, quantidade ou inviolabilidade do material descarregado. O Condomínio não assume em hipótese alguma qualquer responsabilidade por recibos assinados por seus funcionários ou terceirizados, os quais não possuem autorização para tal. Art Os materiais e equipamentos deverão ser armazenados e fechados no interior do canteiro da obra ou do lote vizinho, sendo proibido o seu depósito nas calçadas, vias públicas ou áreas verdes. (Multa B) 9

10 Art É proibido o preparo de concreto, massas para revestimentos ou qualquer outro serviço que comprometa a qualidade do pavimento, calçada ou áreas verdes. (Multa A) Art É proibido utilizar a calçada, o meio fio e o asfalto para efetuar a lavagem de equipamentos, lançar restos de tinta ou qualquer tipo de material, bem como, a preparação de massas. (Multa A) Art O canteiro de obra e o lote vizinho deverão ser mantidos limpos. Os entulhos de obra deverão ser retirados com freqüência para não ocasionar acúmulo. (Multa A) Único O container do tipo bota fora deverá ser mantido obrigatoriamente dentro do canteiro de obras ou no lote de apoio (desde que haja autorização do proprietário). Não será permitida a colocação do container nas vias públicas do condomínio. (Multa B).(Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Único O container do tipo bota fora deverá ser mantido obrigatoriamente na via publica obedecendo a regra de colocação (colocando-o em cima de dois caibros) (Normas da Prefeitura), dentro do canteiro de obras ou no lote de apoio desde que haja autorização do proprietário. (Multa A) (Redação acrescida e aprovada pelo Conselho Deliberativo em ) Art É expressamente proibido o depósito e a permanência de lixo, entulhos e restos de materiais, nos lotes não edificados. (Multa A) Art É expressamente proibido o trânsito de veículos e máquinas sobre as áreas de Preservação Permanente, áreas verdes e área comum do Condomínio. (Multa B) XI DA MOVIMENTAÇÃO DE TERRA Art São permitidos os serviços de movimento de terra no lote, quando vinculados à execução da construção principal e ao projeto aprovado pelo Condomínio. (Multa C) 1º - Os serviços de movimento de terra não poderão intervir na topografia original dos lotes vizinhos, alterando a integridade destes, salvo se for expressamente autorizado pelo proprietário. (Multa C) 2º - A operação de máquinas para movimentação de terra deve ser realizada observando as normas de segurança e supervisionada pelo condômino proprietário ou responsável pela obra. (Multa C) 3º - A entrada destas máquinas deverá ser expressamente autorizada pelo Condomínio, para tanto, o condômino interessado deverá solicitar formalmente tal autorização, com antecedência mínima de 24 horas. (Multa B) Art Qualquer máquina de terraplenagem só poderá ter acesso ao loteamento, observando-se as limitações descritas adiante. 1º - Danos no leito carroçável, guias, gramados, árvores, sarjetas, meio-fio e outros, decorrentes da operação de máquina e/ou por caminhões serão de responsabilidade do condômino proprietário do lote, os consertos e as reposições necessárias deverão ser efetuados em 48 horas. Caso o condômino não tome as providências após este prazo, caberá aplicação de multa do tipo b, e, efetuando o Condomínio os consertos e reposições, cobrará do condômino responsável todas as despesas relativas às reparações dos danos. (Multa B) 2º - Serviços de movimentação de terra que impliquem no comprometimento da segurança das casas e obras vizinhas, integridade de lotes, sistema viário, sistema de águas ou qualquer evento danoso, poderá ter a sua execução suspensa pelo Condomínio, não cabendo ao mesmo qualquer ônus decorrente desta medida. 3º - Os custos decorrentes dos serviços de remoção de terra indiscriminadamente espalhada no leito carroçável ou nos lotes serão debitados ao condômino proprietário do lote que deu causa. (Multa A) X DA PARALISAÇÃO DA OBRA Art Antes que a obra seja paralisada, o condômino deverá providenciar a limpeza do lixo e do entulho existente no canteiro de obra e no lote vizinho. (Multa A) Art A obra paralisada deverá: a) manter fechado todo o seu perímetro. (Multa B) b) manter o tapume em bom estado de conservação durante o período da paralisação. (Multa B) c) manter sua área interna limpa e livre de focos de contaminação de larvas de mosquitos. (Multa B) Art O lote vizinho deverá ser imediatamente reconstituído e liberado. (Multa B) XI DA CONCLUSÃO DA OBRA Art Após a conclusão da obra, o condômino deverá solicitar ao Condomínio uma Carta de Liberação para solicitar o habitese na prefeitura e para realizar a ocupação e a entrada no imóvel. (Multa B) 10

11 Art Somente o condômino adimplente com as suas obrigações pecuniárias, incluindo multas e taxas, poderá receber a carta de liberação para proceder a entrada de mudança e ocupação do imóvel. Art O Condomínio concederá a carta de liberação mediante o cumprimento dos seguintes itens: a) A remoção e a limpeza dos restos de materiais, entulhos e lixo da obra existente no lote e no lote vizinho; b) A reconstituição e liberação do lote vizinho; c) O pagamento de todas as multas que foram aplicadas durante a execução da obra. Art Havendo o descumprimento de qualquer dos itens acima, o Condomínio realizará uma nova vistoria e será cobrada multa. (Multa A) XI DAS INFRAÇÕES E DAS SANÇÕES Art O descumprimento às disposições deste regulamento, acarretará a aplicação de multas e a demolição da edificação irregular, além das medidas previstas no Art. 88. Art As multas serão aplicadas por tipo de infração, conforme previsto em alguns itens deste regulamento: a) Multa A: 25% do Salário Mínimo vigente. b) Multa B: 50% do Salário Mínimo vigente. c) Multa C: 100% do Salário Mínimo vigente. 1º - Em caso de reincidência na mesma infração as multas serão aplicadas com valor dobrado. 2º - As multas serão cobradas no boleto da taxa condominial. Art Constatada a infração, o Condomínio notificará o condômino, concedendo-lhe um prazo para sanar a irregularidade encontrada. Este prazo será informado na notificação e começara a contar a partir da data do recebimento desta. 1º - Para o recebimento da notificação ou imposição de multa, o condômino poderá optar: a) Pela entrega ao responsável da obra por ele indicado preposto; b) Por ser comunicado pessoalmente através de telefone para a retirada das mesmas na administração do Condomínio em um prazo máximo de 48 horas; 2º - A não retirada e/ou recusa do recebimento da notificação, não exime o condômino da obrigação de sanar a irregularidade ou do pagamento da multa. 3º - Caso o condômino não retire e/ou recuse o recebimento da imposição de multa, esta poderá ser validada e considerada eficaz para todos os propósitos, mediante a assinatura de duas testemunhas. Art Terminado o prazo concedido na notificação sem que a irregularidade tenha sido sanada, será cobrada uma nova multa em valor dobrado. Art Nos casos em que o condômino, reincidente ou não, for notificado pelo descumprimento às disposições desta norma e não tomar as providências cabíveis dentro do prazo concedido no auto de infração; o Condomínio poderá adotar as medidas legais cabíveis para que as normas sejam cumpridas, bem como, a seu exclusivo critério, realizar os serviços necessários visando à adequação e proceder a cobrança relativa aos custos deste serviço do condômino responsável em seu boleto da cota condominial. XII DISPOSIÇÕES FINAIS Art O cumprimento das disposições previstas neste regulamento poderá ser exigido pelo Condomínio e por qualquer condômino. Art O Condomínio se isenta de qualquer responsabilidade e não indenizará qualquer prejuízo ou dano relativo a furto ou roubo de materiais de qualquer natureza, equipamentos e veículos durante a construção da obra e após a sua conclusão. Art. 91- As presentes normas previstas neste regulamento retratam as necessidades de regulamentação existentes por ocasião de sua elaboração, podendo, no entanto, serem modificadas ou acrescidas a qualquer momento pelo Conselho Deliberativo, desde que novos fatos ou necessidades as prejudiquem. Art Os casos omissos serão avaliados e deliberados pelo Conselho Deliberativo. Art A falta de expressa aceitação de todas as normas implica o impedimento da aprovação do projeto e conseqüentemente do inicio da construção. 11

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL I - DO OBJETO REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Artigo 1º - O presente regulamento disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS VILLA JARDIM É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT.

End.: Avenida Florais, Bairro Ribeirão do Lipa, Cuiabá MT. REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS e URBANÍSTICAS FLORAIS DOS LAGOS É condição essencial desta Escritura Pública de Compra e Venda a observância das disposições abaixo mencionadas, a que estão obrigados

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS PRIMOR DAS TORRES GOLD MÁLAGA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS SPE LTDA ( Incorporadora ; Ginco ) inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ)

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados.

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados. SEM MARCADOR TEXTO ORIGINAL GRIFADO EM VERDE ALTERAÇÕES A SEREM APROVADAS NA ASSEMBLÉIA REGIMENTO INTERNO Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS 1 OBJETIVO Este Manual Técnico de Projetos e Obras tem por objetivo orientar e informar aos proprietários dos lotes, bem como

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

Normas de Construção

Normas de Construção Normas de Construção As presentes normas foram elaboradas em complemento as normas e procedimentos já existentes do Residencial Granja Carneiro Viana, objetivando ampliar as disposições e regras da Prefeitura

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Sociedade Residencial REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Aqui a vida se renova. 1) APRESENTAÇÃO: 1.1 A filosofia deste Regulamento é apresentar limitações supletivas, ou seja, prevalecem

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções:

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções: * Código citado no Artigo 10º, item I do Estatuto Social. 1 - APROVAÇÃO DE PROJETOS 1.1 Para primeira análise: 01(uma) via do projeto arquitetônico completo (inclusive projeto contendo memorial de áreas);

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Quais os casos passíveis de licenciamento ambiental junto ao setor Anexo III Áreas Verdes do (DLA), visando a Autorização Ambiental Municipal? São passíveis de licenciamento ambiental pelo Anexo III:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA- A JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas, diretrizes e condicionantes

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO Art. 52 - É condição essencial e imperativa a observância dos termos deste Estatuto Social, Regimento Interno e das Normas para Construção

Leia mais

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 Dispõe sobre instalação e funcionamento de elevadores e outros aparelhos de transporte, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município de

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições limitativas do uso e ocupação

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

Propostas de Alteração do Regimento Interno

Propostas de Alteração do Regimento Interno Propostas de Alteração do Regimento Interno 1- Proposta de Antônio de Jesus Ribeiro Q22 L17: Incluir Único no Artigo 1º Parágrafo único Caso o dano seja no meio, caberá ao proprietário da unidade danificada

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS

ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS CIRCULAR Nº 003/2015 Curitiba, 05/06/2015. ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS A Síndica do Condomínio Le Jardin Residencial, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ÍNDICE ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES pág. 02 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA pág. 03 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS pág. 08

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA PROVISÓRIA Esta Autorização provisória permitirá a execução dos seguintes itens: - Limpeza do lote e nivelamento; - Implantação da mureta de medidores; - Fechamento

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS Que entre si celebram, de um lado, a SOCIEDADE ALPHAVILLE RESIDENCIAL 5, inscrita no C.G.C./MF, sob o n.º 51.244.861/0001-56, isenta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL FINALIDADE 1. Este regulamento tem por finalidade definir direitos e deveres e orientar a conduta de todas as pessoas que se encontrarem, a

Leia mais

LEI Nº 4.876 DISPÕE SOBRE A LIMPEZA DE FAIXA DE DOMÍNIO E DE TERRENOS URBANOS BALDIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 4.876 DISPÕE SOBRE A LIMPEZA DE FAIXA DE DOMÍNIO E DE TERRENOS URBANOS BALDIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1 LEI Nº 4.876 DISPÕE SOBRE A LIMPEZA DE FAIXA DE DOMÍNIO E DE TERRENOS URBANOS BALDIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Povo do Município de Varginha, Estado de Minas Gerais, por seus representantes na Câmara

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA 1 PROJETO Nº 013/2014 Solicitação: MEMORIAL DESCRITIVO Tipo da Obra: PINTURA MURETA, POSTES, BRINQUEDOS DO PARQUE INFANTIL E TROCA PISO SALAS DE AULA Reforma: local indicado em planta Local: EMEI CRIANÇA

Leia mais

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 12.693 DE 25 DE ABRIL DE 2007 Estabelece procedimentos

Leia mais

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA 1. Apresentar cópia de Planta Aprovada pela Prefeitura Municipal de Campinas, cópia do Alvará de Execução para liberação de obra e cópia da ART recolhida do responsável

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA - B (AMORAEVILLE FASE 2) JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas,

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 ITENS REVISADOS: ARTIGO 14, alínea c c) Todos os recuos mencionados na alínea b deverão ser totalmente livres, sendo que a projeção de beirais com largura de até

Leia mais

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre a regularização de parcelamentos do solo e de edificações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

EMPRESA MUNICIPAL DE OBRAS E URBANIZAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE URBANO ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL ANUÊNCIA PRÉVIA PARA CONSTRUÇÃO INICIAL DE EDIFICAÇÃO NÃO RESIDENCIAL 1. Requerimento assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. 2. Nº da inscrição cadastral do imóvel para prova

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA.

FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA. FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA. LEI Nº 15.002, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 (Projeto de Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3)

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) Estabelece as diretrizes e critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos superficiais para fins de captação por

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA À ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ATHENAS PROPRIETÁRIO:... TEL:...

AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA À ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ATHENAS PROPRIETÁRIO:... TEL:... AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA À ASSOCIAÇÃO DOS S DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ATHENAS REF. AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA LOTE:... QUADRA:... :... TEL:... Venho através deste, comunicar a

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a conservação e a proteção das águas subterrâneas no Estado de Pernambuco e dá outras providências Capítulo I - Da conservação e proteção das águas subterrâneas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. Formulário Padrão (fornecido pelo IMPLURB) devidamente preenchido, sendo imprescindível conter o nome do interessado, número do telefone, número do celular

Leia mais

Lei Municipal N.º 1413

Lei Municipal N.º 1413 1 EMENTA: -- Disciplina o parcelamento da terra no Município de Volta Redonda, Estado do Rio de Janeiro. A Câmara Municipal Aprova e Eu Sanciono a Seguinte Lei: -- CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art.

Leia mais

http://devel.americana.sp.gov.br/americanav5/legislacao/lei_3115.html

http://devel.americana.sp.gov.br/americanav5/legislacao/lei_3115.html Page 1 of 5 LEI Nº 3.115, DE 05 DE DEZEMBRO DE 1997. Alterada pelas Leis nº 3.279, de 17/03/1999 e nº 3.611, de 26/12/2001 (Observar a Lei nº 3.502, de 26/12/2000 - Conversão dos valores expressos em unidades

Leia mais

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas Tão bom quanto um Damha. só outro Damha. Bem-vindo ao Residencial Damha II O Residencial Damha II Brasília seguirá o mesmo padrão e a mesma infraestrutura de sucesso

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS LISBOA

REGULAMENTO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS LISBOA REGULAMENTO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS LISBOA Os adquirentes de lotes obrigar-se-ão a contribuir para a manutenção do alto nível deste loteamento. O cumprimento desta obrigação, como de todas

Leia mais

CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PROMITENTES VENDEDORES:

CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PROMITENTES VENDEDORES: <identificação dos vendedores, nome endereço cpf cgc etc> CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA PROMITENTES VENDEDORES: PROMITENTES COMPRADORES:

Leia mais

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS DO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS I 1 PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1.1 - Os proprietários e seus contratados (engenheiros e arquitetos) são obrigados a cumprir integralmente

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Aprovado em Assembleia Extraordinária de / / Í N D I C E ASSUNTO ITENS PÁGINA I. Princípios Gerais... 01 a 05... 02 II. Restrições da Construção

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PUBLICADO NO DOM N o 80 DE 20 / OUTUBRO / 2005 DECRETO N o 1.255 Regulamenta a Lei n o 11.035/04 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344

Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344 Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344 Endereço da obra: Quadra 128, situada na esquina da Rua Ijui esquina Rua Inhacorá, Bairro Recanto do Sol, Horizontina - RS. O

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO E O PARECER TÉCNICO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO

MEMORIAL DESCRITIVO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC MEMORIAL DESCRITIVO 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO O presente Memorial Descritivo tem por finalidade estabelecer as condições que orientarão os serviços de construção,

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio:

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio: ANEXO I REGULAMENTO DE OBRAS Cuidados ao iniciar a obra: Toda obra ou reforma na unidade deve ser comunicada ao síndico, com antecedência mínima de 10 dias, através da apresentação de respectivo croqui

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 MIGUEL HADDAD, Prefeito do Município de Jundiaí, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e, em especial, ao que consta do art. 10 da Lei Municipal

Leia mais

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença.

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença. DECRETO N o 1487/2006 DATA: 27 de janeiro de 2006. SÚMULA: Aprova, com ressalvas, o Loteamento denominado LOTEAMENTO ALPHAVILLE. MARINO JOSE FRANZ, Prefeito Municipal de Lucas do Rio Verde, Estado de Mato

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a: Atualizada até LC 610/2007. LEI COMPLEMENTAR N.º 528 DE 18 DE ABRIL DE 2005 ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE VAGAS PARA ESTACIONAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM GERAL E A ADOÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS ÀS ATIVIDADES

Leia mais

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Altera a redação do Decreto nº 2.378, de 16 de agosto de 2006, que regulamenta a Lei Complementar nº 112, de 25 de julho de 2006, e dispõe sobre a Autorização

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL PARQUE DOS RESEDÁS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL PARQUE DOS RESEDÁS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL PARQUE DOS RESEDÁS MANUAL DE NORMAS DE CONSTRUÇÃO O presente Manual foi elaborado em complementação ao Regulamento Interno da Associação dos Moradores do Residencial

Leia mais