Um portal para o comércio electrónico em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um portal para o comércio electrónico em Portugal"

Transcrição

1 Um portal para o comércio electrónico em Portugal Dissertação de mestrado apresentada por David Rafael Nogueira Ribeiro Sob orientação do Prof. Doutor Ramiro Gonçalves Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Departamento de Engenharias 2007

2 I Agradecimentos A realização deste projecto de investigação é resultado de um intenso trabalho de investigação. A motivação e empenho na realização deste documento, bem como a sua prospecção não seriam possíveis sem o apoio de várias pessoas que tanto apoiaram no dia-a-dia. Aos meus pais, Mário e Ermelinda, aos quais todas as páginas desta dissertação se demonstram insuficientes para descrever o quanto lhes devo e sinto por eles. Aos meus irmãos, Mário e Catarina, e cunhados, Cidália e Manuel, pela disponibilidade, amizade, compreensão e apoio que sempre me deram. Ao orientador e mentor deste projecto, Professor Doutor Ramiro Gonçalves, cuja presença ao longo deste projecto em muito contribuiu para o seu nascimento e desenvolvimento, através da constante transmissão de conhecimento, excelente capacidade de orientação, apoio e oportunidades criadas. Aos meus sempre amigos da Licenciatura em Informática e Mestrado em Informática, que através do convívio do dia-a-dia sempre se revelaram pessoas de grande amizade e confiança, desejo que a vida sempre lhes sorria! Aos meus prezados amigos Marco, Cláudia, Vítor e Sónia, pela amizade e boa disposição sempre presentes! À Juliana, uma pessoa muito especial, cuja paciência, compreensão e presença na minha vida potenciam a minha motivação. A todas as pessoas não mencionadas que apoiaram ao longo da carreira académica e ao longo da ainda tão curta carreira profissional, um grande obrigado pelo seu constante apoio!

3 II Resumo Desde o surgimento da Internet e com o desenvolvimento das Tecnologias da Informação e da Comunicação surgiram novos paradigmas de negócio, principalmente com recurso ao Comércio Electrónico, que consiste na compra de bens ou serviços através de redes electrónicas de dados como a Internet, e tem sido visto como um fenómeno crucial para o sucesso e evolução de algumas organizações dadas as suas características únicas que em simultâneo desafiam e revolucionam o pensamento empresarial tradicional. Ao longo dos últimos anos tem sido reconhecida a importância do recurso ao mercado electrónico como meio comum dos cidadãos, através da criação de condições para a adesão ao mesmo, numa sociedade cuja necessidade de sensibilização é elevada, nomeadamente nas camadas das Pequenas e Médias Empresas, pessoas individuais ou mesmo organizações governamentais. Embora existam conteúdos variadíssimos, de origens e tipos distintos, estes encontram-se dispersos pela Internet sem qualquer infra-estrutura especializada, levando ao consumo de imenso tempo na sua pesquisa e encontro de conteúdos intermediários sem qualquer credibilidade ou referência. As próprias iniciativas existentes na área têm-se revelado insuficientes no processo de aculturação de um fenómeno tão vasto e complexo como o Comércio Electrónico, principalmente no sentido sensibilizador e persuasivo que deveria ser resultado das mesmas. Com fundamento nestes pressupostos, pretende-se criar um portal para o Comércio Electrónico em Portugal, no sentido de disponibilizar vários conteúdos de referência na área, em quantidades equilibradas, que permitam aos cidadãos nacionais obter um conhecimento vasto e devidamente completo do fenómeno, casos de sucesso, a importância e conforto da compra online, através de canais como estudos (ex. estatísticas, estudos próprios), eventos (ex. seminários, conferências, workshops), notícias, investigação (ex. artigos científicos publicados, teses), formação (ex. cursos na área de Comércio Electrónico e Internet) entre outros. Palavras-chave: Portal, Internet, Comércio Electrónico

4 III Abstract Since the appearing of the Internet and the development of Information and Communication Technologies, new business paradigms had appeared, mainly with resource to Electronic Commerce, which consists of the purchase of good or services through electronic means of data such as the Internet, and has been seen as a crucial phenomenon for the success and evolution of some organizations, given its unique characteristics that simultaneous defy and revolutionize the traditional enterprise thought. Throughout the last years the relevance of the resource to the electronic market has been recognized as a common citizen s mean, through the creation of conditions to its adhesion, in a society whose need for sensibilization is considerable, mainly in the layers of the Small and Medium Enterprises, individual people or even governmental organizations. Although there are several contents, of distinct kinds and origins, these are fragmented through the Internet without any specialized infrastructure, taking to an immense time consume in its research and finding several intermediary contents without any credibility or reference. The existent initiatives themselves have been revealed insufficient in the acculturating process of such a vast and complex phenomenon as the electronic commerce, mainly in the sensibilization and persuasive sense that should be result of them. With bedding on these contents, we pretend to create an Electronic Commerce web portal in Portugal, in a way to dispose several contents of reference in this area, in balanced amounts, that allow national citizens to obtain a huge knowledge and duly complete of this phenomenon, case studies, the relevance of the comfort on the on-line purchasing, through channels such as studies (eg. statistics, own studies), events (eg. seminaries, conferences, workshops), news, investigation (eg. scientific published articles, thesis), formation (eg. courses in electronic commerce area), among many others. Keywords: Web Portal, Internet, Electronic Commerce

5 IV Índice 1 Introdução Contexto histórico A Internet e a As Tecnologias da Informação e da Comunicação Objectivos do projecto de investigação Organização da dissertação Comércio Electrónico Definição de comércio electrónico Surgimento do CE contexto histórico Comércio electrónico e negócio electrónico Comércio electrónico e globalização As empresas no contexto do CE e da globalização Tipos de bens classificação Tipos de comércio electrónico Comércio electrónico forças, fraquezas, oportunidades e ameaças Forças Fraquezas Oportunidades Ameaças O mercado de CE em Portugal e na Europa Iniciativas e eventos Portais Web Surgimento dos portais Web Levantamento histórico de portais Web Tipos de portais Web Quanto à dimensão do portal... 42

6 V Quanto à profundidade do conteúdo Quanto ao público-alvo Estrutura básica de um portal Layout Normas de acessibilidade Modelos de rendimento dos portais Projecto de investigação Abordagem de investigação Processo de investigação Definição da área de investigação Estruturação do projecto de investigação Diagnóstico Planeamento do desenvolvimento do portal Desenvolvimento do portal Conclusão Um portal para o Comércio Electrónico em Portugal A missão do portal para o Comércio Electrónico em Portugal Conteúdos do portal Funcionalidades a nível de CE Funcionalidades a nível Web Modelo de desenvolvimento de SW adoptado Razões para utilizar o modelo de desenvolvimento em espiral Análise de Requisitos Requisitos funcionais Requisitos não funcionais Características Segurança... 74

7 VI Performance Políticas de acesso Privacidade de dados Conectividade com o SGBD Especificação do portal Diagramas de casos de uso Diagramas de classes Desenvolvimento Protótipo criado Testes Instalação Conclusões Objectivos iniciais e resultados obtidos Contributos Trabalho futuro Conclusão Bibliografia... 99

8 VII Índice de imagens Figura 1. Crescimento da Internet baseado no número de hosts de 1994 a Figura 2. Posse de computador, Internet e Banda larga em casa ( )... 6 Figura 3. Crescimento do investimento em TIC em Portugal e na Europa... 7 Figura 4. Tipos de comércio electrónico interacção Figura 5. Volume de dinheiro movimentado em CE B2B e B2C Figura 6. Posse de computador, ligação à Internet e acesso à banda larga Figura 7. Utilizadores de comércio electrónico, (%) Figura 8. Exemplo de venda de livro novo e usado na Amazon Figura 9. Exemplo de promoção numa compra on-line na Kanguru Figura 10. Volume de vendas dos Sítio Web das lojas on-line Figura 11. Compras efectuadas on-line de 15 países da Europa em Figura 12. Cronologia de serviços disponibilizados no portal Google Figura 13. Portal SAPO Categoria de cinema fornecida pela Lusomundo Figura 14. Dimensões e tipos de portais Web Figura 15. Portal transaccional Minfo Figura 16. Portal informativo UMIC Figura 17. Portal horizontal SAPO Figura 18. Portal vertical Booking.com Figura 19. Portal público do governo português Figura 20. Portal privado Cisco Figura 21. Estrutura básica de um portal Figura 22. Partes normativas de uma página Web de um sítio Web Figura 23. Processo de investigação adoptado Figura 24. Funcionalidades a nível de CE... 65

9 VIII Figura 25. Funcionalidades a nível Web Figura 26. Modelo em espiral definido para o portal de CE em Portugal Figura 27. Tipos de utilizadores do portal e relação de generalização Figura 28. Casos de uso do actor Utilizador anónimo Figura 29. Casos de uso do actor Utilizador Registado Figura 30. Casos de uso do actor Administrador Figura 31. Diagrama de classes do portal (1 de 3) Figura 32. Diagrama de classes do portal (2 de 3) Figura 33. Diagrama de classes (3 de 3) Figura 34. Protótipo inicial do portal Portugal Electrónico Figura 35. Protótipo actual do portal Portugal Electrónico... 93

10 IX Índice de tabelas Tabela 1. Principais diferenças entre a primeira e segunda era do CE Tabela 2. Forças do CE na Internet Tabela 3. Fraquezas do CE na Internet Tabela 4. Oportunidades do CE na Internet Tabela 5. Ameaças do CE na Internet Tabela 6. Aspectos e ferramentas de avaliação de portais de CE Tabela 7. Grelha de funcionalidades identificadas a nível de CE Tabela 8. Grelha de funcionalidades identificadas a nível Web Tabela 9. Grelha de funcionalidades escolhidas a nível de CE Tabela 10. Grelha de funcionalidades escolhidas a nível Web... 66

11 X Acrónimos Ao longo da dissertação são utilizados vários acrónimos cujo significado é abordado a primeira vez que surgem no documento: CE CSS EDI FAQ NE PME SI SIC SW TIC UE URL W3C WWW Comércio Electrónico Cascading Style Sheet Electronic Data Interchange Frequently Asked Questions Negócio Electrónico Pequena Média Empresa Sistema de Informação Sociedade da Informação e da Comunicação Software Tecnologias da Informação e da Comunicação União Europeia Universal Resource Locator World Wide Web Consortium World Wide Web

12 Capítulo 1 Introdução 1 1 Introdução Neste primeiro capítulo da dissertação pretende-se enquadrar o projecto de investigação no panorama actual das práticas mais recentes e comuns na área de Comércio Electrónico (CE), principalmente quando servido de meios como a Internet, World Wide Web (WWW) e Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC). O comércio é uma actividade que sempre foi associada ao homem, desde os tempos mais remotos [Silva et al., 2003], quando se efectuavam trocas de bens por outros bens ou serviços, até ao surgimento de novas formas de pagamento tais como dinheiro, crédito ou vales. À medida que esta prática foi evoluindo, foram surgindo organizações especializadas em áreas bem definidas, tirando partido desta especialização para obtenção de resultados positivos com a compra ou troca de bens ou serviços que disponibilizavam. Comércio pode ser definido como troca de valores, permutação de produtos ou troca de um produto por dinheiro [Editora, 2006]. A evolução dos meios de comunicação facilitou o surgimento das práticas de CE e introduziu novos desafios e novas oportunidades de negócio, abrindo portas a um novo conceito de comércio. De forma a compreender o âmbito no qual surgiu este fenómeno e como evoluiu, é fundamental enquadrar historicamente os principais meios dos quais este se serve actualmente a Internet e a WWW. 1.1 Contexto histórico A Internet e a WWW O surgimento da Internet e da WWW conduz-nos a conceitos remotos de redes de comunicações. Numa perspectiva de contextualização, os primeiros passos foram dados na década de 60, quando os militares dos Estados Unidos da América iniciaram investigação na área de redes de comunicações de modo a garantir que os seus computadores e mísseis em todo o mundo pudessem continuar a comunicar mesmo que alguma das partes da conexão estivesse corrompida, o que levou à criação da ARPANET 1, uma rede descentralizada onde os dados eram transformados em porções de informação denominadas pacotes [Chanson, 1998]. Ao longo da década de 70 e 80, esta tecnologia foi partilhada entre várias Universidades e várias empresas, para fins de investigação, realização de trabalhos ou 1 ARPANET Advanced Research Projects Agency Network

13 Capítulo 1 Introdução 2 exploração da tecnologia, que viu o seu auge nos finais da década de 80 [Wikipédia, 2006]. O surgimento do protocolo TCP/IP 2, permitiu cobrir a necessidade de interligar redes que até então não conseguiam comunicar, servindo-se do segundo protocolo para efectuar a entrega de pacotes ponto a ponto [Lam, 2005], e do primeiro para garantir o seu transporte. Este conjunto de redes ficou conhecida por Internet 3, que permite a todas as pessoas comunicação e troca de informações electrónicas [Chanson, 1998]. Foi, no entanto, na década de 90 que lhe foi conferida a sua verdadeira importância. O seu crescimento deu-se graças ao aparecimento da WWW [DSI, 2006], criada como um mundo interactivo de informação partilhada, através do qual as pessoas poderiam comunicar entre elas e com máquinas [Berners-Lee, 1996]. A Wikipédia [Wikipédia, 2006], apresenta a Internet como um aglomerado de redes em escala mundial de milhões de computadores interligados que permite o acesso a informações e todo tipo de transferência de dados, referindo ainda WWW como rede de computadores na Internet que fornece informação em forma de hipertexto. A WWW fornece acesso a conteúdos através de ambientes gráficos muito mais fáceis e agradáveis de utilizar [Hefley e Morris, 1995]. Com o seu surgimento, a Internet assumiu um papel de infra-estrutura para apresentação de conteúdos, sendo responsável por toda a gestão de envio e recepção de informações [Wikipédia, 2006]. Para que a informação em modo de hiper texto possa ser correctamente visualizada, é necessária a presença de um browser 4, um pequeno programa que interpreta hiper texto HTML 5. A presença de uma camada de interface agradável e de fácil navegação, o aumento das velocidades de acesso em detrimento da diminuição dos custos de acesso, permitiram uma grande adesão dos utilizadores à Internet ao longo dos últimos anos [Hefley e Morris, 1995]. À medida que a Internet crescia, novas empresas surgiam, dedicadas à disponibilização de meios de acesso à mesma, conhecidos por ISP 6, que fornecem 2 TCP/IP Transmisson Control Protocol / Internet Protocol 3 Interconnected Network 4 Browser Programa utilizado para navegar na WWW que interpreta e organiza hiper texto 5 HTML HyperText Markup Language 6 ISP Internet Service Provider

14 Capítulo 1 Introdução 3 acesso à Internet a uma determinada velocidade e a um determinado custo [Rajiv et al., 1999]. Os utilizadores que subscrevem os seus serviços ligam-se ao servidor dos mesmos e navegam na Internet. No início da década de 90, a Internet chegava às Universidades portuguesas através de um programa da Rede da Comunidade Científica Nacional. No entanto, foi em 1994 que surgiu o primeiro ISP nacional, fornecendo serviços de Internet a utilizadores comuns, cujo custo de navegação era elevado, pois era cobrado o tempo de utilização mais uma taxa de acesso ao serviço. Actualmente existem múltiplos ISPs, e as velocidades de acesso têm aumentado progressivamente, enquanto os custos têm diminuído [DSI, 2006], [Silva et al., 2003]. Foi a partir de 1995 que os meios de comunicação social começaram a divulgar a Internet e a sua importância. As ligações de então à Internet eram feitas via modem 7 pela maioria dos utilizadores. Nesse ano, já se ligavam mais de 25 milhões de pessoas à Internet em todo o mundo, através de mais de 2 milhões de computadores [Hefley e Morris, 1995]. Dois anos mais tarde (1997), mais de 100 milhões de pessoas teriam tido algum contacto com Internet, e estimava-se que existissem mais de 16 milhões de computadores ligados à Internet com endereço IP [Chanson, 1998]. As larguras de banda têm progredido desde os comuns 56Kbps 8 de 1995, passando pelos 64Kbps da RDIS 9 alcançando velocidades actuais na ordem dos 8 a 24Mbps 10 da ADSL 11. Actualmente existem cerca de uma dezena de ISPs com ofertas variadas de acesso à Internet. Com o passar dos anos, o reconhecimento do valor da Internet e das suas potencialidades, despertaram os interesses de vários intervenientes, levando a várias iniciativas no sentido de tornar o seu acesso cada vez mais rápido e mais barato, sendo a maioria delas levadas a cabo pela ANACOM 12, o governo Português, os órgãos da União Europeia (UE) e autoridades reguladoras de vários membros, de modo a massificar o acesso e utilização do maior Sistema de Informação (SI) do mundo a própria Internet [Anacom, 2004a]. A presença da Internet na vida dos cidadãos tem 7 Modem Modulador/Demodulador 8 Kbps Kilobits por segundo 9 RDIS - Rede Digital de Integração de Serviços 10 Mbps Megabits por segundo 11 ADSL - Asymmetric Digital Subscriber Line 12 ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações

15 Capítulo 1 Introdução 4 efectuado alterações também nos ambientes de negócio, potenciando o aparecimento de novas técnicas e disponibilização de serviços [Renken, 2004]. Na Figura 1, é possível verificar o crescimento da Internet ao longo dos últimos anos a nível de hosts 13 com endereço IP. Estima-se que ao longo dos últimos anos o tráfego de Internet tenha vindo a crescer 8 vezes a cada ano que passa [Garret e Skevington, 1999]. Crescimento da Internet medido em número de hosts Número de hosts (em milhões) Ano Figura 1. Crescimento da Internet baseado no número de hosts de 1994 a 2006 (adaptado de [ISC, 2006]) A Internet é um meio cada vez mais utilizado. A nível de famílias, o crescimento médio desde 2002 tem sido de 27% a nível de acesso à Internet, tendo o acesso através de banda larga crescido em média 58% ao ano, enquanto o número de utilizadores de Internet tem crescido 19% [OSIC e UMIC, 2005]. Na função pública, a nível de câmaras municipais e Administração Pública, a Internet tem sido alvo de aumentos de 22 a 26% médios anuais de utilização, a par de um aumento das condições de acesso, como por exemplo a largura de banda, pois a maioria tem acesso superior a 512Kbps [OSIC e UMIC, 2005]. 1.2 As Tecnologias da Informação e da Comunicação As TIC têm um papel fundamental no desenvolvimento da Internet desde a década de 90. Enquanto maior SI do mundo, a Internet permite aceder a informações 13 Host computador ligado à rede pública (Internet)

16 Capítulo 1 Introdução 5 relativas a variadíssimos temas, com grande facilidade. Aspectos como rapidez, segurança e eficiência são evocados pela ANACOM [Anacom, 2004a] como vantagens do recurso a tecnologias para automatização de inúmeros processos, que as têm tornado potenciais ferramentas ao cumprimento de vários objectivos por parte das organizações [Cohen e Nijkamp, 2006]. As TIC mais recentes podem ajudar as empresas não só a progredir e ultrapassar vários obstáculos, como também a sobreviver. A maioria das organizações, privadas ou públicas, quer na produção em série ou prestação de serviços recorrem a várias formas de TIC para suportar as suas operações de forma rentável e eficaz [Renken, 2004]. O desenvolvimento da tecnologia ao longo dos últimos anos, a par de uma diminuição dos custos de aquisição de equipamentos como computadores pessoais, permitem o acesso ao mundo digital a um custo mais baixo quando comparado com o custo de equipamentos semelhantes da década de 90. Juntamente com o desenvolvimento dos acessos à Internet, cada vez mais rápidos e mais acessíveis, a sua adesão juntamente com a das TIC têm aumentado progressivamente em Portugal. As TIC têm-se tornado o maior aliado das organizações ao longo dos últimos anos como facilitadoras de actividades de negócio e automatização de várias tarefas. Embora o custo de acesso às tecnologias mais recentes seja significativamente menor quando comparado com a década de 90, o custo de aquisição de vários equipamentos ainda pode constituir um entrave principalmente para várias famílias. Iniciativas governamentais previam a possibilidade de adquirir um computador pessoal por cerca de 200, e a realidade enquadra-se na ordem dos 500 [Gonçalves, 2005]. Outro entrave importante é o custo de acesso à Internet elevado que surgiu em Portugal e tem estagnado. No entanto, o recurso às TIC e à Internet tem sido alvo de grande atenção por parte do governo e dos cidadãos Portugueses. Na Figura 2, é possível verificar o crescimento que estes aspectos têm sido alvo ao longo dos dois últimos anos, representando, em percentagem, os agregados familiares com computador, acesso à Internet, e Internet por banda larga em Portugal.

17 Capítulo 1 Introdução 6 Posse de computador, Internet e Banda larga em casa ( ) 60% 50% 40% 30% 20% 47% 30% 17% 51% 35% 26% Agregados com computador Agregados com Internet em casa 10% 0% Dez-04 Jan-06 Agregados com banda larga em casa Figura 2. Posse de computador, Internet e Banda larga em casa ( ) (Adaptado de: [Anacom, 2006]) Uma camada que necessita de grande atenção é a das Pequenas e Médias Empresas (PMEs), muito comuns em Portugal, onde, segundo o INE 14 [INE, 2006] e a UMIC 15 [UMIC e INE, 2005], 91% destas empresas com dez ou mais pessoas ao serviço, utilizam computador, sendo 82% possuidoras de acesso à Internet e 37% têm ainda presença na WWW através de um sítio Web 16. No entanto, a implementação de TIC numa empresa revela-se um problema muito comum. O recurso às TIC por parte das empresas é sempre uma questão de tomada de decisão cuidadosa. A geração actual das TIC tem maior ênfase no CE, em aspectos como marketplaces 17, notas de encomenda, Web Services 18 e cadeias electrónicas de fornecedores [Esswein et al., 2004]. Portugal ainda se encontra muito atrasado no que diz respeito ao recurso às TIC, em relação ao resto da Europa. No entanto, prevê-se que até 2009, Portugal ultrapasse a média Europeia no que diz respeito a investimento e recurso a TIC, como se pode verificar na Figura 3 [IDC, 2006]. 14 INE Instituto Nacional de Estatística 15 UMIC Unidade Missão Inovação e Conhecimento 16 Sítio Web Colecção de páginas Web acessíveis através da WWW 17 Marketplace sítios orientados ao CE que funcionam como ponto de oferta / procura no mercado virtual 18 Web Service colecção de protocolos e standards utilizados para troca de informações entre aplicações e sistemas

18 Capítulo 1 Introdução 7 Crescimento do investimento em TI em Portugal e na Europa 10,00% Aumento de investimento 8,00% 6,00% 4,00% 2,00% 0,00% Ano Europa Portugal Figura 3. Crescimento do investimento em TIC em Portugal e na Europa (Adaptado de: [IDC, 2006]) O acentuado crescimento da utilização de meios de acesso à Internet, auxilia o desenvolvimento da WWW e das comunidades que vão surgindo nela, tanto a nível de adesão como de conteúdos, pois mesmo os utilizadores comuns favorecem o crescimento de grandes comunidades on-line tais como fóruns de discussão, blogs, visitas a portais e sítios Web, e podem, eventualmente contribuir para o progresso económico de uma série de organizações. 1.3 Objectivos do projecto de investigação O panorama actual do recurso ao CE como prática dos portugueses é abordado por várias entidades nacionais como o INE, UMIC, OSIC 19, ACEP 20 e ANACOM. O resultado destes estudos reflecte o escasso recurso às práticas electrónicas por parte da comunidade nacional. A disponibilização de vários conteúdos de referência é, neste momento, inalcançável num só sítio Web em Portugal. Na realidade, não existe nenhum portal Web dedicado exclusivamente ao CE em Portugal, que forneça conteúdos que constituam marcos referenciais na área, como notícias, estudos, publicações, formação, eventos, destaques. Pretende-se assim, como resultado do trabalho desenvolvido através do presente projecto de investigação, obter um portal para o CE em Portugal. Para que um 19 OSIC Observatório para a Sociedade da Informação e da Comunicação 20 ACEP - Associação do Comércio Electrónico em Portugal

19 Capítulo 1 Introdução 8 produto eficaz seja obtido como resultado deste projecto de investigação releva-se fundamental a identificação e selecção de várias actividades e considerações. De alguma forma este tipo de conteúdos são passíveis de ser encontrados na WWW, no entanto, o tempo gasto para as encontrar, a quantidade de conteúdos acessórios que são encontrados ao longo do processo de pesquisa, e a falta de qualidade e credibilidade de uma série de conteúdos e informações intermediárias e/ou finais, gera motivação para mobilizar o nosso interesse particular em gerar um centro aglomerador de conteúdos especializados na área de CE, que constitua um portal especializado na área. De forma a atingir o objectivo final e principal deste projecto de investigação, foram elaboradas várias tarefas, respeitando um processo de investigação, a par de um modelo de desenvolvimento de SoftWare (SW). Deste modo foram traçadas várias etapas sequenciais de forma a atingir os objectivos propostos: Levantamento do estado da arte do fenómeno de CE; Levantamento do estado da arte dos portais Web; Identificação e análise aprofundada a portais de CE internacionais e nacionais; Definição de um processo de investigação de suporte ao presente projecto de investigação; Criação do portal para o CE em Portugal. 1.4 Organização da dissertação A presente dissertação é composta por vários capítulos que, sequencialmente, vão efectuando passos progressivos no sentido de compreender os fenómenos inerentes ao projecto de investigação, a forma como serão lidados e analisados, e o proveito retirado dessas fases para fundamentar o desenvolvimento do portal para o CE em Portugal. Embora os capítulos sejam independentes entre si, a sequência como estão apresentados e a forma como os assuntos são redigidos permitem obter um crescendo de temas e conteúdos que explica rigorosamente todo o processo criado. O documento é constituído por dois grandes momentos: um primeiro momento composto pelos capítulos 2 e 3, onde são abordados os dois principais assuntos

20 Capítulo 1 Introdução 9 directamente relacionados com o projecto em si CE e portais Web, num sentido conceptual de orientação e análise sobre os fenómenos a explorar; o segundo momento é composto pelos capítulos 4 e 5, nos quais são justificados os fundamentos científicos inerentes a todo o projecto de investigação e a criação do portal resultante do presente projecto, desde o processo de investigação, actividades elaboradas, modelo de desenvolvimento de SW e características de segurança, privacidade, performance e protecção de dados. O primeiro e presente capítulo tem como objectivo elaborar uma síntese de todo o projecto de investigação subsequente, permitindo obter uma percepção do surgimento do fenómeno objecto de análise ao longo de todo o projecto CE aspectos e outros fenómenos relacionados que de alguma forma permitiram o seu surgimento e progresso. Resumidamente são também explicados os objectivos propostos e a síntese de cada capítulo subsequente. O segundo capítulo apresenta o fenómeno principal em análise neste projecto de investigação, o CE. É apresentado o conceito, várias perspectivas de definição, tipos de CE, surgimento, o mercado global, negócio electrónico, iniciativas, de forma a obter um conhecimento claro e considerado sustentável para a elaboração das actividades subsequentes. O terceiro capítulo aborda o tema portais Web, o seu surgimento na WWW, a sua necessidade, progresso e estado actual. São comparadas duas eras fundamentais de portais Web, os tipos existentes, distinção entre sítio Web e portal Web, estrutura de um portal Web, normas de desenvolvimento e adopção de normas na realidade, informações fundamentais para compreender a missão destas plataformas na WWW, uma vez que o presente projecto visa a construção de um portal contributo para o desenvolvimento do CE em Portugal. O quarto capítulo aborda a estrutura das actividades do projecto de investigação, a par da comparação de abordagens de investigação, epistemologias filosóficas e definição de um processo de investigação consequente. São também abordadas e explicadas as várias actividades levadas a cabo no projecto de investigação tendo em conta a metodologia adoptada. O quinto capítulo constitui o principal contributo deste projecto. É abordado o processo que constitui a forma como foi desenvolvido um protótipo e que modelo de

Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636

Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636 Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636 As últimas décadas permitiram ligar o mundo e dinamizar os mercados, intensificando a competitividade existente. A Internet tornou o mundo mais pequeno e

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução Internet? Introdução 11-03-2007 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2 Internet Introdução É uma rede global de computadores interligados que comunicam

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas Apresentação do Estudo Acessibilidade Web Ponto da Situação das maiores empresas Portuguesas 17 de Setembro de 2009 Átrio da Casa do Futuro da Fundação Portuguesa das Comunicações Acessibilidade Web -

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações Informática Aula 7 Redes e Telecomunicações Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução Para as empresas modernas funcionarem eficazmente, são vitais as ligações que conectam as suas

Leia mais

T ecnologias de I informação de C omunicação

T ecnologias de I informação de C omunicação T ecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Aferir sobre a finalidade da Internet Identificar os componentes necessários para aceder

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM:

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: Decidiu apoiar as PME através deste programa, que permite: Modernizar a sua infraestrutura de comunicações Fazer crescer o seu negócio Incorporar competências essenciais

Leia mais

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO SEMINÁRIO QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas Nuno Rodrigues Observatório da Sociedade

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System Redes - Internet 9º C 2008 09 24 Sumário } Estrutura baseada em camadas } Endereços IP } DNS -Domain Name System } Serviços, os Servidores e os Clientes } Informação Distribuída } Principais Serviços da

Leia mais

Internet. Professor: Francisco Silva

Internet. Professor: Francisco Silva Internet e Serviços Internet A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros serviços

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO Documento Metodológico Preliminar 19-08-09 1 1. Introdução No âmbito da participação do Instituto Nacional de Estatística (INE), no Grupo de Trabalho do Eurostat sobre

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005 Micro Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2005 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Universo das empresas em Portugal com menos de 10 trabalhadores

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

CE também significa Crime Electrónico. Imperativos éticos no comércio electrónico / negócio electrónico

CE também significa Crime Electrónico. Imperativos éticos no comércio electrónico / negócio electrónico Imperativos éticos no comércio electrónico / negócio electrónico Luís Manuel Borges Gouveia Dezembro /99 Adaptado da apresentação de Rafee Yusoff, Junho /98 COMÉRCIO ELECTRÓNICO & NEGÓCIO ELECTRÓNICO DEFINIÇÃO

Leia mais

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo Tecnologias na Contabilidade 1 SUMÁRIO 1. Introdução Impacto das Novas 2. Impacto das Novas Tecnologias na Economia e na Sociedade a) A Empresa na Hora b) A Empresa On-line c) A informação Empresarial

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet,os computadores, os telefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt &RPpUFLRHOHFWUyQLFRSULQFLSDLVTXHVW}HVHVXDGLYXOJDomRHP 3RUWXJDO SRU 5RGULJR$OEHUWR$OPHLGD%DSWLVWD Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 3 Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Aula nº 2º Período Escola EB 2,3 de Taíde Ano lectivo 2009/2010 SUMÁRIO Introdução à Internet: história

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Principais referenciais apoiados:

Principais referenciais apoiados: Enquadramento A Inova-Ria - Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro, com o propósito de reforçar o reconhecimento nacional da promoção da qualidade do setor TICE e contribuir para o

Leia mais

geas www.sensocomum.pt

geas www.sensocomum.pt geas Como uma aplicação online pode facilitar a gestão da minha associação + fácil fichas de sócio online + rápido consulta de cotas + controlo histórico de alteração dados Com uma ferramenta disponível

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Software de gestão em tecnologia Web

Software de gestão em tecnologia Web Software de gestão em tecnologia Web As Aplicações de Gestão desenvolvidas em Tecnologia Web pela Mr.Net garantem elevados níveis de desempenho, disponibilidade, segurança e redução de custos. A Mr.Net

Leia mais

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações

Informática. Aula 9. A Internet e seu Uso nas Organizações Informática Aula 9 A Internet e seu Uso nas Organizações Curso de Comunicação Empresarial 2º Ano O Que é a Internet? A Internet permite a comunicação entre milhões de computadores ligados através do mundo

Leia mais

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal www.quidgest.com quidgest@quidgest.com 1. Introdução Novo contexto económico e tecnológico Metodologia 2. Agilidade Organizacional das

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

// Questões para estudo

// Questões para estudo // Questões para estudo 2 // Ferramentas Básicas de Internet e Web 2.0 1. Sobre a internet, marque a opção correta: A) A internet poder ser definida como uma rede mundial, composta por mihões e milhões

Leia mais

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema.

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema. Caso de Sucesso Microsoft Canal de Compras Online da PHC sustenta Aumento de 40% de Utilizadores Registados na Área de Retalho Sumário País: Portugal Industria: Software Perfil do Cliente A PHC Software

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 04 de Dezembro 2007 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 MAIS DE 7 EM CADA 10 EMPRESAS COM DEZ E MAIS PESSOAS AO SERVIÇO ACEDEM

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

ACEPI/Netsonda Barómetro Trimestral do Comércio Electrónico em Portugal 1º Trimestre 2012. Página 1

ACEPI/Netsonda Barómetro Trimestral do Comércio Electrónico em Portugal 1º Trimestre 2012. Página 1 Página 1 Sobre a ACEPI A ACEPI - Associação de Comércio Electrónico e Publicidade Interactiva, é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

Como vender na Internet

Como vender na Internet Como vender na Internet Ideias-base para uma iniciação à venda via Internet Gonçalo Carvalhinhos Secretário-Geral Associação do Comércio Electrónico em Portugal goncalo.carvalhinhos@portugalacep.org ACEP

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais Um Caminho para a Internacionalização

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Empresas - Sector J. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2004

Empresas - Sector J. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2004 Empresas - Sector J Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados Inquérito à utilização das TIC nas Empresas do Sector J - BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência:

Leia mais