FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA"

Transcrição

1 FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA ALEX MIRANDA CAIRES IDENTIFICAÇÃO AUTOMÁTICA E CAPTURA DE DADOS RIC REGISTRO ÚNICO DE IDENTIDADE CIVIL PRAIA GRANDE 2010

2 ALEX MIRANDA CAIRES IDENTIFICAÇÃO AUTOMÁTICA E CAPTURA DE DADOS RIC REGISTRO ÚNICO DE IDENTIDADE CIVIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial, para obtenção do Grau de Bacharel em Sistemas de Informação apresentado a Faculdade do Litoral Sul Paulista FALS, orientado pelo Prof. Caio Alexandre Costa Sales. PRAIA GRANDE

3 ALEX MIRANDA CAIRES IDENTIFICAÇÃO AUTOMÁTICA E CAPTURA DE DADOS RIC REGISTRO ÚNICO DE IDENTIDADE CIVIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial, para obtenção do Grau de Bacharel em Sistemas de Informação apresentado a Faculdade do Litoral Sul Paulista FALS, orientado pelo Prof. Caio Alexandre Costa Sales., de de Local Data BANCA EXAMINADORA TCC Aprovado ( ) (nome, titulação e assinatura) Aprovado com Louvor ( ) (nome, titulação e assinatura) Reprovado ( ) (nome, titulação e assinatura) 3

4 ALEX MIRANDA CAIRES IDENTIFICAÇÃO AUTOMÁTICA E CAPTURA DE DADOS RIC REGISTRO ÚNICO DE IDENTIDADE CIVIL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial, para obtenção do Grau de Bacharel em Sistemas de Informação apresentado a Faculdade do Litoral Sul Paulista FALS, orientado pelo Prof. Caio Alexandre Costa Sales. AVALIAÇÃO: NOTA: ( ), de de Local Data 4

5 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, Caio Sales, pela disponibilidade e dedicação durante o processo de orientação. A Faculdade do Litoral Sul Paulista, pela oportunidade de realização do curso de graduação. A Prefeitura da Estância Balneária de Praia Grande, por conceder a bolsa de estudo. 5

6 RESUMO Este TCC diz respeito ao sistema de Identificação Automática e Captura de dados, o RIC Registro Único de Identidade Civil. O RIC é o novo documento do cidadão brasileiro, criado para facilitar a vida do brasileiro em diversos fatores. Um deles é a facilidade de identificação, já que antigamente era necessário apresentar diversos documentos diante de alguma compra, venda ou algum tipo de cadastro, com o RIC isto se tornará muito mais fácil e prático, pois, nele conterá todos os documentos e dados pessoais como: RG, CPF, Título de Eleitor, Passaporte, Tipo sanguíneo, altura, cor dos olhos e etc. Será comentado também neste mesmo trabalho, a respeito da tecnologia utilizada na Captura destes dados, e também como funciona em diversos outros países que já adquiriram este documento. PALAVRAS-CHAVE: RIC, REGISTRO ÚNICO, RG, CPF, IDENTIDADE, DOCUMENTOS, DADOS PESSOAIS E SEGURANÇA. 6

7 ABSTRACT This TCC concerns about a system for Automatic Identification and Data Capture, RIC - Registration Unified Civil Identity. The RIC is the new Brazilian document, created to facilitate the life of Brazilians on several factors. One is the ease of identification, as was for formerly necessary to submit several documents before any purchase, sale or some sort of registration, with the RIC it will become much easier and more convenient, because it will contain all document and personal data such as RG, CPF, Passport, blood type, height, eye color and etc. Will be discussed also in this same work, about the technology used to capture these data, also how it works in several other countries that have already purchased this document. KEYWORDS: RIC, BRAZILIAN DOCUMENT, CPF, PASSPORT, BLOOD TYPE, DOCUMENTS AND SECURITY. 7

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DOCUMENTOS ATUAIS SOLUÇÃO MUDANÇA NA IDENTIFICAÇÃO RIC PRINCIPAIS PROBLEMAS SANÇÃO DA LEI 9454 / AFIS HISTÓRIA AFIS SISTEMA DE ARMAZENAMENTO AFIS AFIS NO BRASIL EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA SMART CARD CARTÃO INTELIGENTE O RIC AO REDOR DO MUNDO PORTUGAL ESPANHA BÉLGICA ÁUSTRIA ESTÓNIA COMO TIRAR O SEU RIC...40 GLOSSÁRIO...41 CONCLUSAO...42 BIBLIOGRAFIA

9 1. INTRODUÇÃO O Registro Único de Identidade Civil (RIC) foi implantado no ano de 2009, com base na Lei 9454/1997. Este novo documento substituirá nosso RG convencional, integrando vários outros documentos como carteira de motorista, CPF, título de eleitor e carteira de habilitação e também informações pessoais como Tipo sanguíneo, cor dos olhos, cor da pele, altura e etc. Todos esses dados serão gravados a laser em camadas interiores do cartão, tornando impossível sua remoção por agentes químicos, configurando-se assim em um documento altamente seguro. Além disso, conta com os mais modernos itens de segurança como fundos complexos, tintas e efeitos óticos especiais, além de chip microprocessador que armazenará os dados do cidadão e certificado digital. O RIC possui uma tecnologia onde seus dados são gravados em um Chip, de forma segura, evitando fraude ou falsificação deste documento, a mesma utilizada em Cartões de Crédito e bancários. 9

10 2. DOCUMENTOS ATUAIS Estes documentos, como atualmente utilizados, supõem uma identificação presencial. No sistema atual de identificação brasileiro são emitidos documentos em papel, cujo modelo é padronizado em todo o território nacional (Fonte: LEI Nº 7.116, de 29 de Agosto de 1983, DECRETO Nº , de 27 de Dezembro de 1983). Apesar da padronização, tais documentos são emitidos em meio e formato ultrapassados, facilmente vulnerável a alterações ou fraudes, não fornecendo garantias de nãorepúdio. De acordo com estatísticas fornecidas pela Polícia Civil do Distrito Federal, as ocorrências envolvendo o roubo de documentos atingiram boletins em 2007, com alta de 23,84% em relação a Este fato demonstra que a falta de mecanismos inteligentes que preservem a garantia de confiabilidade e integridade deste tipo de documento coloca em risco não só a boa reputação do cidadão, que pode ter seus dados copiados e utilizados para fins ilícitos, mas também toda uma cadeia de acreditação que se baseia em técnicas ultrapassadas para promover sua identificação e registro. Com a multiplicação da capacidade de atendimento do Estado a determinados serviços utilizando meios eletrônicos, se torna imperiosa a revisão do conceito de documentação do cidadão, de forma que esse possa acessar remotamente informações pessoais e serviços, sem que se comprometam a Integridade e Confidencialidade dos seus dados, e seja assegurado o Não-Repúdio dos atos por ele praticados. 10

11 3. SOLUÇÃO O Governo Brasileiro buscou informatizar os serviços oferecidos à população, afim de facilitar as relações entre o Estado e o cidadão brasileiro, tornando-as mais ágeis, permitindo que fluam com maior liberdade, pra que o exercício da cidadania seja uma realidade palpável nessa relação entre ambas as partes. Exemplos disso são as criações dos portais E-Gov e Brasil, a consulta à situação fiscal junto à Receita Federal, consulta a serviços do INSS (PrevCidadão), consulta a saldos do FGTS. Até o momento porém, cada uma dessas consultas exige um diferente tipo de cadastramento prévio para fins de acesso, com a Receita Federal utilizando já uma forma dentro dos moldes padronizados e mundialmente adotados de identificação segura. Além disso, alguns bancos já utilizam essa modalidade de autenticação para os clientes de internet banking. Com a instituição da Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira ICP-Brasil, e com a promulgação de Medidas Provisórias que apóiam a utilização de Certificados Digitais em todas as esferas do Governo e também pelo cidadão comum, buscou-se encontrar uma solução para estas questões, pois se determina que os documentos produzidos, emitidosou recebidos por órgãos e empresas públicas por meio eletrônico têm o mesmo valor jurídico que os produzidos em papel ou em outro meio físico reconhecido legalmente, desde que assegurada a sua autenticidade, integridade e não-repúdio.surge então o RIC (Registro Único de Identidade Civil). 11

12 4. MUDANÇA NA IDENTIFICAÇÃO Um registro único confere mais praticidade na confecção de novos documentos e na identificação dos cidadãos. Com ele, você poderá retirar uma nova via de qualquer documento em qualquer estado da Federação, com a garantia de manter os mesmos dados e também o mesmo número de documento. Através do número do seu Registro de Identificação Civil, dados e informações referentes a todos os seus documentos são acessados rapidamente, o que também deve agilizar o processo de disponibilização de novos documentos. Ou seja, ao invés de ter que informar seu número de CPF, RG, título de eleitor e tantos outros documentos que existem, apenas uma única sequência numérica dará conta de tudo o que é preciso saber acerca de sua identidade civil. 5. RIC Este novo documento, foi criado para facilitar a vida do cidadão brasileiro. Com ele você será cadastrado em uma central nacional de informações, com todas as suas informações datiloscópicas, fotografia 3x4, números de documentos (RG, CPF, título de eleitor, PIS/PASEP, carteira de trabalho e carteira nacional de habilitação) e também dados como altura e cor dos olhos. O RIC só foi viabilizado por meio de um investimento de 35 milhões de dólares feito pelo Governo Federal em 2004, na aquisição do Sistema Automatizado de Identificação de Impressões Digitais (o AFIS, do inglês Automated Fingerprint Identification System). Esse sistema foi repassado ao Ministério da Justiça, o responsável pela identificação dos cidadãos, que planeja que até 2017 o total de 150 milhões de brasileiros façam parte do RIC. 12

13 O projeto brasileiro de um RIC Registro de Identificação Civil será fortemente baseado no sistema AFIS do INI - Instituto Nacional de Identificação. O processo de coleta das impressões digitais seria o embrião do SINRIC Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil. A idéia é submeter as digitais coletadas do cidadão candidato ao documento ao sistema, para que seja verificada, em todo o cadastro já existente (pesquisa 1:N), a existência dessas digitais. Em caso negativo, o sistema atribuirá ao cidadão um número de identificação único para todo o território nacional, e prosseguirá no processo de elaboração do documento. Caso contrário, se trata de tentativa provavelmente fraudulenta - de obter uma nova identidade. Pela proposta atual, a solicitação do documento e a respectiva coleta de dados para sua elaboração caberiam aos Institutos de Identificação estaduais. O Instituto Nacional de Identificação seria o encarregado de operar o sistema e emitir o documento, que seria validado, como vimos, antes da emissão. A captura e posterior remessa dos dados ao INI pode ser on-line, por remessa em meio magnético ou por remessa de formulários em papel, tudo isso dependendo da disponibilidade de meios no local da coleta. As metas divulgadas prevêem o início de um projeto piloto em janeiro de aproveitando parte da estrutura do SINIC além do AFIS, estações de coleta, servidores web e de armazenamento, impressoras visando atingir um público alvo de 2 milhões de cidadãos. Esse número seria ampliado em 2010 para 8 milhões de cidadãos. Em 2011 seriam emitidas 20 milhões de carteiras, com ampliação de capacidade para aquisições/dia, e já cobrindo os 27 estados. Armazenamento também ampliado para 30 milhões. Objetivo final seria alcançado em 2017, com 150 milhões de documentos emitidos. O custo estimado pelo Instituto Nacional de Identificação para todo o projeto seria de US$ , sendo que para ampliação do AFIS e implantação do sistema seriam gastos de US$ 250 a , o custo de emissão das carteiras seria, a preços de hoje, US$ Se prevê a instalação de 4700 estações de coleta, US$ seu custo aproximado. O novo número seria gerado quando da primeira emissão do novo documento, que é estimada para os cidadãos com mais de dezesseis anos de idade. O modelo proposto pelo Instituto 13

14 Nacional de Identificação para o RIC se assemelha aos dos demais países europeus mencionados. Suas funções seriam identificar o cidadão presencial e remotamente. Teria como conteúdo visível foto, assinatura e a impressão digital de um dos indicadores. Teria também o identificador OCR padrão 9303 da ICAO (International Civil Aviation Organization, emite padrões para os MRTD Machine Readable Travel Documents), que o habilitaria como documento internacional em viagens para países do Mercosul, por exemplo. O conteúdo não-visível, gravado no chip, teria, entre outros, impressões digitais dos dez dedos, chaves privada e pública geradas quando de sua emissão, e certificado digital. Seu protótipo é como segue: RIC Modelo brasileiro: imagem retirada do site Carreira de TI. Fonte: 14

15 5.1 PRINCIPAIS PROBLEMAS Apesar da segurança e facilidades que estas ferramentas proporcionam, o alto custo de implantação para cidadãos comuns e pequenas empresas tem dificultado a plena difusão da prática do uso do Certificado Digital no dia-a-dia. Complexidade da estrutura do Estado: Intervenção de diversos Ministérios, Estados da federação, Departamento de Polícia Federal, Polícias estaduais, Presidência da República, Banco Central, Tribunal Superior Eleitoral, Cartórios de Registro, entre outros com distintos graus de liberdade e de interesses, resultando em dificuldade de estabelecer padrões. Complexidade da solução Disponibilidade da infra-estrutura, alternativas de coleta e transmissão de dados num país com nossas características geográficas, políticas e sociais. A coleta para o sistema AFIS hoje é aplicada sobre universo de 2 por cento da população, e demanda intervenção humana especializada para dirimir casos de falsos positivos e falsos negativos. Preocupações com a privacidade e o controle que o estado poderia exercer sobre o cidadão, em contraste com um aumento da segurança por identificar claramente os desonestos e dificultar suas ações. 5.2 SANÇÃO DA LEI 9454 / 1997 O projeto tem doze anos que foi aprovado no Congresso Nacional. De autoria do senador Pedro Simon (PMDB-RS), a Lei 9.454/97 foi sancionada no dia 07 de abril de 1997, tendo sido aprovada pelo Senado federal em 1996 e pela Câmara dos Deputados em

16 Conforme citado, a Lei 9454/97 que em seu artigo 1º determina que É instituído o número único de Registro de Identidade Civil, pelo qual cada cidadão brasileiro, nato ou naturalizado, será identificado em todas as suas relações com a sociedade e com os organismos governamentais e privados., e no artigo 2º É instituído o Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil, destinado a conter o número único de Registro Civil acompanhado dos dados de identificação de cada cidadão., teve como inspiração fatos que levaram ao impeachment de um presidente brasileiro, e que expuseram uma das fragilidades do sistema de identificação no Brasil, qual seja: Obedecendo ao princípio federativo, cada estado tem competência, delegada pela Lei 7116/83, para emitir carteiras de identidade que são, na sua esmagadora maioria, elaboradas a partir de certidões de nascimento ou casamento. Essas certidões são verificadas visualmente apenas, não sendo impossível sua adulteração ou falsificação. Como não há comunicação entre os estados, nada impede que uma pessoa obtenha documentos de identidade em distintos estados, com numerações diferentes (para não falar na possibilidade da adulteração da certidão original), o que dificulta a identificação. A regulamentação dessa lei, porém, demora até os dias de hoje, dadas as dificuldades materiais e políticas para se mudar a estrutura de identificação vigente, e os debates surgidos em função do número único do RIC. A introdução da Internet com sua posterior expansão para as áreas de finanças (home banking), comércio (ecommerce) e governo (egov), no entanto se encarregou de tirar a Lei 9454 do limbo jurídico, já que passou a ser do interesse dos segmentos citados. De acordo com estatísticas realizadas, dentro de 9 anos pelo menos 150 milhões de brasileiros já terão seu novo documento em mãos, que terá o mesmo número que seu RG, contendo também algumas informações adicionais. Segue abaixo a lei decretada pelo Atual presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva: DECRETO Nº 7.166, DE 5 DE MAIO DE 2010 Cria o Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil, institui seu Comitê Gestor, regulamenta disposições da Lei nº 9.454, de 7 de abril de 1997, e dá outras providências. 16

17 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea a, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei nº 9.454, de 7 de abril de 1997, DECRETA: Art. 1º Fica criado o Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil com a finalidade de implementar o número único do Registro de Identidade Civil - RIC e o Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil. 1º O Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil tem como objetivos: I - fixar diretrizes e critérios para implantação, manutenção e controle do RIC e regulamentar sua operacionalização; II - operacionalizar o RIC e o Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil; III - coletar e processar os dados relativos à operacionalização do RIC e do Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil; IV - gerir o Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil e adotar as medidas necessárias ao seu aprimoramento; V - compartilhar informações por meio da utilização de sistema informatizado, na forma do art. 8º; e VI - avaliar a eficácia e a efetividade das medidas adotadas. 2º O Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil terá como órgão central o Ministério da Justiça. 3º Os Estados e o Distrito Federal poderão integrar o Sistema Nacional de Registro de 17

18 Identificação Civil, mediante convênio ou ajuste a ser firmado com o Ministério da Justiça. 4º Os órgãos e entidades da União, que tenham cadastros de identificação civil em âmbito nacional, poderão integrar o Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil. Art. 2º O Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil contará com um Comitê Gestor, responsável pelo estabelecimento de diretrizes para seu funcionamento, disseminação e gestão, cabendo-lhe ainda: I - disciplinar procedimentos para implementação, operacionalização, controle e aprimoramento do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil, do Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil e do RIC; II - definir as especificações do Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil e do documento de identificação a ser emitido com o RIC, estabelecendo seu formato, conteúdo e demais características, inclusive tecnológicas; III - estabelecer os níveis de acesso às informações do Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil e os procedimentos para sua utilização em base de dados de outros órgãos ou entidades públicas, de acordo com suas competências institucionais; Civil; IV - fixar critérios para participação no Sistema Nacional de Registro de Identificação V - estabelecer diretrizes e procedimentos para orientar a substituição de outros processos ou documentos de identificação; VI - zelar pela eficácia e atuação harmônica dos órgãos responsáveis pela implementação, coordenação e controle do Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil; VII - requisitar a realização de estudos e pesquisas voltados para o aprimoramento do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil; e 18

19 VIII - aprovar seu regimento interno, com regras para sua organização e funcionamento, observadas as disposições deste Decreto. Art. 3º O Comitê Gestor será composto por um representante de cada órgão e entidade a seguir indicados: I - Ministério da Justiça, que o coordenará; II - Ministério da Defesa; III - Ministério da Fazenda; IV - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; V - Ministério do Trabalho e Emprego; VI - Ministério da Previdência Social; VII - Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; VIII - Ministério da Saúde; IX - Ministério das Cidades; X - Ministério do Desenvolvimento Agrário; XI - Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República; XII - Casa Civil da Presidência da República; e XIII - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI. 19

20 1º Será assegurado o direito à participação no Comitê Gestor de um representante por região geográfica de órgãos de identificação civil estadual ou distrital, integrantes do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil, bem como do Instituto Nacional de Identificação do Departamento de Polícia Federal. Gestor. 2º O Ministério da Justiça exercerá a função de Secretaria-Executiva do Comitê 3º Os membros do Comitê Gestor, titular e suplente, serão indicados pelo dirigente máximo do órgão ou entidade que representam e designados pelo Ministro de Estado da Justiça, para cumprimento de mandato de três anos, permitida uma recondução. 4º Os nomes dos representantes das regiões geográficas referidos no 1º serão aprovados previamente, por consenso, pelas unidades federadas conveniadas da respectiva região. 5º Na ausência de consenso entre as unidades da região geográfica, adotar-se-á o revezamento entre os Estados e o Distrito Federal, por ordem alfabética, não se aplicando no caso a recondução prevista no 3º. Art. 4º As deliberações do Comitê Gestor serão adotadas por maioria simples, presentes pelo menos metade mais um dos seus membros, cabendo ao coordenador votar somente com a finalidade de desempate. Art. 5º O Comitê Gestor poderá convidar representantes de órgãos ou entidades, públicas ou privadas, para participar de suas atividades. Art. 6º A participação no Comitê Gestor é considerada atividade de relevante interesse público e não será remunerada. Art. 7º O Ministério da Justiça ficará responsável pela coordenação, armazenamento e controle do Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil, cabendo-lhe ainda: 20

21 I - propor ao Comitê Gestor as diretrizes e critérios para implementação, operacionalização, controle e aprimoramento do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil e prover os meios para o seu funcionamento; II - promover o contínuo aprimoramento do Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil; III - fornecer o RIC aos órgãos de identificação conveniados ao Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil, aos quais compete controlar sua distribuição e utilização; e IV - gerir convênios ou ajustes celebrados no âmbito do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil. Art. 8º Caberá aos entes federados conveniados, em regime de compartilhamento com o órgão central: I - operacionalizar e atualizar o Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil; II - controlar o processo de distribuição do RIC; III - transmitir os dados de identificação colhidos para emissão do RIC ao órgão central do Sistema; e IV - emitir documento de identificação contendo o RIC. Art. 9º O Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil será constituído a partir da utilização do RIC para indexação dos dados necessários à identificação unívoca dos cidadãos. Art. 10º Os demais cadastros públicos federais de identificação do cidadão poderão adotar o RIC em substituição ao seu próprio número, observadas as peculiaridades de cada órgão ou entidade. 21

22 Parágrafo único. A implementação do RIC não comprometerá a validade dos demais documentos de identificação. Art. 11º O RIC deverá observar sistemática que favoreça a unificação dos demais documentos de identificação vigentes, com prioridade para a integração das bases de dados das carteiras de identidade emitidas por órgãos de identificação dos Estados e do Distrito Federal, na forma da Lei nº 7.116, de 29 de agosto de Art. 12º O RIC será: I - gerado e fornecido pelo órgão central, após a confirmação da unicidade da identificação do cidadão, com base no processo datiloscópico padrão decadactilar; II - representado por número seqüencial; e III - formado por dígitos que comportem número de registros acumulados da ordem de unidade de bilhão, com dígito de controle de verificação. Parágrafo único. Em nenhuma hipótese o RIC poderá ser reutilizado. Art. 13º O documento de identificação contendo o RIC possuirá fé pública, validade em todo o território nacional e será emitido, em formato padronizado, regularmente pelos órgãos indicados pelos entes federados conveniados ou, quando necessário, pelo órgão central. Art. 14º O intercâmbio de informações entre os integrantes do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil será garantido por sistema padronizado e seguro, disponibilizado pelo órgão central. Art. 15º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 5 de maio de 2010; 189º da Independência e 122º da República. 22

23 LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA 5.3 AFIS Um sistema AFIS captura impressões digitais e permite processá-las estabelecendo um relacionamento entre as impressões e pessoas que tenham sido previamente cadastradas. Reconhecimento da Impressão digital. (Fonte: Existem duas maneiras de projetar um sistema AFIS. Na primeira, chamada 1:1, cadastram-se pessoas que supostamente terão algum direito restrito a elas e suas impressões digitais. Posteriormente, confirma-se a presença dessas pessoas pela análise das digitais fornecidas. É o caso de sistemas que usam impressões digitais como senhas. O nome 1:1 indica que o universo de pessoas a consultar é pequeno e para cada tentativa todo o banco de dados pode ser percorrido. 23

24 Os sistemas 1:n, ao contrário, buscam identificar uma determinada impressão, a priori desconhecida, contra um arquivo de impressões, que em geral é grande, para se verificar se aquela impressão já não fora anteriormente capturada. Existem 2 tipos de erro associados a este exame. O chamado falso negativo, quando a impressão já existe no arquivo, mas ela deixa de ser recuperada. O falso positivo, é o retorno de uma impressão de pessoa diferente como se fosse daquela proprietária da impressão sob análise. Todos estes sistemas analisam a imagem da impressão, efetuam uma série de processamentos visando melhorar a imagem e depois identificam-na. Os processos de melhoria são o recorte, a limiarização e o afinamento. A identificação passa pela localização de pontos chave na impressão (denominadas minúcias) e sua codificação de alguma maneira. Veja na figura ao lado, duas minúcias. Cada software em uso no mundo para AFIS usa uma tecnologia proprietária para fazer esta identificação. Por exemplo, no software ARID (Análise e Reconhecimento de Impressões Digitais) desenvolvido aqui pertinho de nós, no CEFET-PR e em uso em inúmeros clientes Brasil afora, a identificação se faz pela criação de um grafo descritor das minúcias. A transformação da imagem em um descritor de minúcias, também conhecido como template, dá-se com uma razoável economia de espaço. Uma imagem de impressão digital (512 x 512 pixels em 256 níveis de cinza, em 500 dpi) que ocupa bytes antes de ser comprimida e entre 20 e 30 Kb após, gera um template de cerca de 5K bytes. O template não só é menor, como permite comparação e cálculo de similaridade, coisas que a imagem pura não permite. O algoritmo de compressão utilizado neste tipo de sistema é conhecido como WSQ e garante taxas de compressão de cerca de 15:1. Além do template, necessário para posteriormente recuperar a identidade do proprietário de uma dada impressão, as imagens também têm de ser guardadas. Isto é feito para possibilitar a um perito humano a emissão de um laudo 24

25 comparativo. De acordo com a lei, peritos têm de confrontar duas imagens antes de atestar pela igualdade e além disso, peritos não sabem interpretar templates. Em resumo, um sistema AFIS de identificação de pessoas, passa pelos seguintes passos: 1. Cadastramento e identificação de pessoas, através de 2 fotos (frente e perfil), 10 imagens de impressão digital, dados alfanuméricos, assinatura e, eventualmente, imagens dos originais de documentos apresentados no cadastramento. A captura das digitais pode ser feita on-line (em sensores especiais) ou pelo rastreamento (scanner) de impressões de dedos entintados em papel, o que se conhece na gíria como tocar piano. 2. Para os 10 dedos capturados, as imagens são convertidas em WSQ e salvas. 3. Para cada imagem WSQ salva, o sistema AFIS faz um tratamento e uma extração de minúcias, gerando um template, que também é salvo. Tudo isto é armazenado em computadores, à espera do dia em que uma certa imagem de uma digital, ou de parte de uma digital (também conhecida como latente) precise ter sua origem investigada. Por exemplo, na reidentificação de pessoas ou no levantamento de impressões na cena de um crime. Nestes casos: 1. A impressão é obtida diretamente da pessoa ou indiretamente através de técnicas policiais. 2. É fornecida ao sistema AFIS, junto com parâmetros de limiares de confiança. 3. O AFIS processa essa impressão, gera-lhe as minúcias e passa o template agora gerado para um computador que terá a missão de confrontar este template com os templates lá guardados. Este computador é denominado match server. 4. Todas as impressões existentes no arquivo serão colocadas em um dos 3 grupos: a) Seguramente não é esta pessoa. 25

26 b) Talvez seja esta pessoa. c) Seguramente é esta pessoa. O tamanho dos grupos é controlado pelo parâmetro limiar. Para um limiar pequeno, o grupo do talvez será pequeno (ou até vazio) e o grupo da certeza terá 1 ou nenhum elemento. O risco aqui é o do falso negativo. Para um limiar maior, o grupo do talvez cresce e, eventualmente, até o grupo da certeza. O problema aqui é a maior quantidade de trabalho manual na posterior confrontação de imagens. Note-se que a busca, mesmo feita por computadores, é demorada, razão pela qual na medida em que cresce o tamanho do arquivo há que se colocar mais match servers a fim de manter o tempo de busca e recuperação dentro de parâmetros aceitáveis. Qualquer auxílio na busca é bem vindo. Por exemplo, se for dito que uma determinada impressão é de um dedo da mão direita, o tamanho da busca cai à metade. Se se conseguir individualizar de qual dedo é a impressão, a busca cai a 10% do tamanho original. Apenas para exemplificar esta parte, vamos aos seguintes dados do sistema de identificação do DETRAN/PR. Lá existem dois problemas: garantir que uma mesma pessoa não tire duas carteiras distintas e garantir que na hora do exame o examinado seja de fato a pessoa em nome da qual sairá a carteira. O sistema tem um arquivo de impressões digitais (cerca de pessoas com 5 dedos em média de cada um) e um ritmo de entrada de cerca de 1000 novas pessoas/dia, são processadas quanto à duplicidade em cerca de 1h30 em um Pentium 450MHz com 2 processadores. O objetivo deste sistema é impedir que pessoas já cadastradas busquem um novo cadastro falseando informações de identidade. Ressalte-se que o sistema já pegou uns bons quantos sujeitos tentando fazer isso. Outro exemplo bem interessante de uso desta tecnologia está na Secretaria de Segurança Pública. Lá um sistema AFIS está identificando e cadastrando todas as pessoas que passam pelo centro de triagem. Ressalte-se que no aspecto criminal é muito importante que as pessoas 26

Entendendo a Certificação Digital

Entendendo a Certificação Digital Entendendo a Certificação Digital Novembro 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. O que é certificação digital?... 3 3. Como funciona a certificação digital?... 3 6. Obtendo certificados digitais... 6 8.

Leia mais

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico Conceitos de Segurança da Informação, Certificação Digital e suas Aplicações no TJPE 3ª Edição - Maio/2013 Elaboração Núcleo de Segurança da Informação SETIC Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013 Assunto: Estabelece

Leia mais

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL?

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? Os computadores e a Internet são largamente utilizados para o processamento de dados e para a troca de mensagens e documentos entre cidadãos, governo e empresas. No entanto,

Leia mais

SISTEMA HOMOLOGNET E CERTIFICAÇÃO DIGITAL CAMBORIÚ/SC - 2013

SISTEMA HOMOLOGNET E CERTIFICAÇÃO DIGITAL CAMBORIÚ/SC - 2013 SISTEMA HOMOLOGNET E CERTIFICAÇÃO DIGITAL CAMBORIÚ/SC - 2013 NOVOS CONTORNOS DA ATUAÇÃO SINDICAL NA ASSISTÊNCIA À Rescisão Do CONTRATO DE TRABALHO Zilmara Alencar Consultoria FUNDAMENTO LEGAL PARA ATUAÇÃO

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA GARANTIR O DIREITO A IDENTIDADE AS PESSOAS EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE

ESTRATÉGIAS PARA GARANTIR O DIREITO A IDENTIDADE AS PESSOAS EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE ESTRATÉGIAS PARA GARANTIR O DIREITO A IDENTIDADE AS PESSOAS EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE TECNOLOGIAS APLICADAS AO REGISTRO CIVIL E IDENTIFICAÇÃO EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REGIÃO ESTRATÉGIAS DE GOVERNO

Leia mais

Certificação Digital - Previsão Legal

Certificação Digital - Previsão Legal Certificação Digital - Previsão Legal De acordo com o Art. 18 da Portaria GM/MS nº 53, de 16/01/13, o SIOPS passou a adotara Certificação Digital no processo de interface dos usuários. Art. 18. Seráadotada

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 4 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 4 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 4 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica Criptografia

Leia mais

Projeto IRS e Biometria. Implementação da visão unificada dos cadastros de indivíduos e uso da tecnologia de identificação biométrica nas aplicações

Projeto IRS e Biometria. Implementação da visão unificada dos cadastros de indivíduos e uso da tecnologia de identificação biométrica nas aplicações Implementação da visão unificada dos cadastros de indivíduos e uso da tecnologia de identificação biométrica nas aplicações Liliane Utz/SJS - maio/2013 Agenda Parte I Biometria o Conceitos o Tecnologia

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3.CNES - LEGISLAÇÃO EM VIGOR PARA UTILIZAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO DIGITAL 4.CERTIFICAÇÃO DIGITAL - COMO OBTER E INICIAR UMA SOLICITAÇÃO 5.CNES - COMO INICIAR

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 26, DE 24 DE OUTUBRO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 26, DE 24 DE OUTUBRO DE 2003 Casa Civil da Presidência da República Presidência da República Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Secretaria Executiva RESOLUÇÃO Nº 26, DE 24 DE OUTUBRO DE 2003 Altera os Critérios e

Leia mais

Projeto de lei 2330, de 2011 (Do PODER EXECUTIVO) EMENDA DE PLENÁRIO SO SUBSTITUTIVO DO RELATOR Nº

Projeto de lei 2330, de 2011 (Do PODER EXECUTIVO) EMENDA DE PLENÁRIO SO SUBSTITUTIVO DO RELATOR Nº Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de lei nº 2330, de 2011, do Poder Executivo, que dispõe sobre as medidas relativas à Copa das Confederações FIFA de 2013 e à Copa do Mundo FIFA

Leia mais

O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL

O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL Resumo A necessidade de comprovar a autenticidade de documentos e atribuir lhes um valor legal, seja através de uma assinatura de próprio

Leia mais

Certificados Digitais

Certificados Digitais Certificados Digitais Cert-JUS Roteiro para obtenção de certificados digitais Cert-JUS emitidos pela AC CAIXA-JUS Certificado Digital Cert-JUS 1. O que é. O certificado digital é um documento eletrônico

Leia mais

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes Certificados Digitais - Perguntas Frequentes O que é um certificado digital? O certificado, na prática, equivale a uma carteira de identidade, ao permitir a identificação de uma pessoa, quando enviando

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

CLIPPING GRIAULE. 1 Brasil Inovador O Desafio Empreendedor: 40 histórias de sucesso de empresas que investem em inovação.

CLIPPING GRIAULE. 1 Brasil Inovador O Desafio Empreendedor: 40 histórias de sucesso de empresas que investem em inovação. CLIPPING GRIAULE 1 Brasil Inovador O Desafio Empreendedor: 40 histórias de sucesso de empresas que investem em inovação. 2 Revista VEJA Fev/2006 A Riqueza é o Saber: A vibrante geração de inovadores brasileiros

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. Dispõe sobre a simplificação do atendimento público prestado ao cidadão, ratifica a dispensa do reconhecimento de firma em documentos produzidos

Leia mais

RESOLUÇÃO 287 DE 29 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO 287 DE 29 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO 287 DE 29 DE JULHO DE 2008 Regulamenta o procedimento de coleta e armazenamento de impressão digital nos processos de habilitação, mudança ou adição de categoria e renovação da Carteira Nacional

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Institui Regime Especial para dispensa da guarda e arquivo das Notas Fiscais de Serviços, condicionada à guarda e ao arquivo, pelo período decadencial, dos respectivos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

Manual do Usuário Certificado Digital AC PRODERJ

Manual do Usuário Certificado Digital AC PRODERJ Manual do Usuário Certificado Digital AC PRODERJ Guia CD-18 Público Índice 1. Emissão dos Certificados Digitais PRODERJ... 3 2. Documentos Necessários para Emissão dos Certificados... 3 3. Responsabilidades...

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. O CONSELHO

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL BASE LEGAL Portaria nº 83, de 18 de março de 2010 (atualizada até a Portaria nº 310, de 26 de setembro de 2013)

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 4 Introdução aos Sistemas Biométricos 1. Identificação, Autenticação e Controle

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 338. DE 19 DE JANEIRO DE 1999 (Revogada pela Resolução nº 428/04)

RESOLUÇÃO Nº 338. DE 19 DE JANEIRO DE 1999 (Revogada pela Resolução nº 428/04) RESOLUÇÃO Nº 338 DE 19 DE JANEIRO DE 1999 (Revogada pela Resolução nº 428/04) Ementa: Institui modelo de cédula de identidade profissional do farmacêutico e certificado de regularidade único, estabelece

Leia mais

A rede de dados mais confiável do país. Proposta de Parceria para. Certificado Digital

A rede de dados mais confiável do país. Proposta de Parceria para. Certificado Digital A rede de dados mais confiável do país. Proposta de Parceria para Certificado Digital 1. Objetivo Esta proposta tem por objetivo realizar a emissão e validação do Certificado Digital da Serasa Experian.

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

PORTARIA Nº 236, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 236, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 236, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta o credenciamento de empresas de tecnologia para geração de códigos de segurança cifrados (CSC) inseridos em códigos bidimensionais de resposta rápida

Leia mais

Nunca foi tão fácil utilizar

Nunca foi tão fácil utilizar Nunca foi tão fácil utilizar o Conectividade Social da CAIXA O que antes era feito com a autenticação de disquetes e precisava do antigo programa CNS para o relacionamento com a CAIXA e prestação de informações

Leia mais

DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO ÚNICO: O CIDADÃO DIGITAL. Cláudio Kaipper Ceratti

DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO ÚNICO: O CIDADÃO DIGITAL. Cláudio Kaipper Ceratti DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO ÚNICO: O CIDADÃO DIGITAL Cláudio Kaipper Ceratti 2007 CLÁUDIO KAIPPER CERATTI DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO ÚNICO: O CIDADÃO DIGITAL Monografia apresentada para a obtenção do título

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 PORTARIA Nº 60, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 Estabelece orientações e procedimentos a serem adotados na celebração de Contratos, Termos de Cooperação, Acordos de Cooperação Técnica e outros instrumentos congêneres,

Leia mais

ID AuthentiScan premium

ID AuthentiScan premium ID AuthentiScan premium Keesing ID AuthentiScan PREMIUM Keesing A solução automatizada de autenticação de documentos de identificação AuthentiScan Automated authentication of ID documents Ideal para otimizar

Leia mais

A Sua Excelência o Senhor Deputado Federal RÔMULO GOUVEIA DD. Presidente da Comissão Especial do PL 1.775/2015

A Sua Excelência o Senhor Deputado Federal RÔMULO GOUVEIA DD. Presidente da Comissão Especial do PL 1.775/2015 Nota Técnica ADPF/ANPR/AJUFE Registro Civil Nacional (RCN) Proposição: PL 1.775/2015 Ementa: Dispõe sobre o Registro Civil Nacional - RCN e dá outras providências. Explicação da Ementa: Revoga a Lei nº

Leia mais

Certificação Digital a forma segura de navegar na rede

Certificação Digital a forma segura de navegar na rede Certificação Digital a forma segura de navegar na rede O que é o Certificado Digital ICP-Brasil? É um certificado emitido em conformidade com as regras e legislações da Infra-estrutura de Chaves Públicas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os processos de emissão de Certificados Digitais aos membros, servidores, equipamentos e aplicações do Ministério Público Federal.

Leia mais

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras Eder Soares

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70

MUNICÍPIO DE ITAPEMIRIM CNPJ 27.174.168/0001-70 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Informativo Oficial do Municipio de Itapemirim - Criado pela Lei Municipal nº 1.928/05 e Regulamentado pelo Decreto nº 2.671/05 - Ano IX - 1618 DECRETOS DECRETO Nº. 8.552 /2015

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 282, DE 26 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 282, DE 26 DE JUNHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 282, DE 26 DE JUNHO DE 2008 Estabelece critérios para a regularização da numeração de motores dos veículos registrados ou a serem registrados no País. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 04/2010 Dispõe sobre procedimentos para expedição e uso do

Leia mais

MAIO / 2007. Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança

MAIO / 2007. Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança Siissttema de Assssiinattura Diigiittall MAIO / 2007 Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança A internet facilitando nossa vida As exigências e as pressões crescentes da vida moderna, o caos urbano,

Leia mais

100 vezes Boletim. nº 100 - Brasília, 05 de Setembro de 2008

100 vezes Boletim. nº 100 - Brasília, 05 de Setembro de 2008 nº 100 - Brasília, 05 de Setembro de 2008 100 vezes Boletim Você acaba de receber o Boletim Digital de número 100. Esse veículo vem contando, há quase dois anos e meio, a história da consolidação da Infra

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. ANEXO l

TERMO DE REFERÊNCIA. ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO l 1. OBJETO Aquisição de certificados digitais para pessoa física e jurídica, para servidores WEB, incluindo opcionalmente serviços de validação on site, leitoras, cartões inteligentes

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 Dispõe sobre a entrega, o envio e a disponibilização dos dados e das informações em meio informatizado, que os responsáveis pelos órgãos ou entidades da administração direta

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.598, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2007. Estabelece diretrizes e procedimentos para a simplificação e integração do processo de registro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados.

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. PORTARIA Nº 693, DE 20 DE AGOSTO DE 2009 Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TENOLOGIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 1 CONFIAR EM CERTIFICADOS DIGITAIS? ITI O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. ANEXO l

TERMO DE REFERÊNCIA. ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO l 1. OBJETO Aquisição de certificados digitais para pessoa física e jurídica, para servidores WEB, incluindo opcionalmente serviços de validação on site, leitoras, cartões inteligentes

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro Aula 1 Introdução à Certificação

Leia mais

Colégio Notarial do Brasil - Seção São Paulo

Colégio Notarial do Brasil - Seção São Paulo 1) O que é assinatura digital? A assinatura digital é uma modalidade de assinatura eletrônica, resultado de uma operação matemática que utiliza criptografia e permite aferir, com segurança, a origem e

Leia mais

O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e;

O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e; Institui a Central de Informações do Registro Civil CRC e disciplina outras providências. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e;

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 6 Projeto de Sistema Biométrico 1. Definição de Metas A primeira etapa no projeto

Leia mais

Cartilha: Certificado Digital

Cartilha: Certificado Digital Certificação de Entidades Beneficientes de Assistência Social - CEBAS - 1 - Ministério da Educação Secretaria Executiva Secretaria de Educação Continuada, Alfabetizada e Diversidade Diretoria de Tecnologia

Leia mais

CH & TCR. Tecnologias de Identificação

CH & TCR. Tecnologias de Identificação Tecnologias de Identificação Código de barras O sistema de identificação conhecido por código de barras teve origem nos EUA, em 1973, com o código UPC (universal product code) e, em 1977, esse sistema

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

Serasa Experian Orientações SIOPS 04/02/2013 SERASA EXPERIAN

Serasa Experian Orientações SIOPS 04/02/2013 SERASA EXPERIAN SERASA EXPERIAN Orientações para Emissão de Certificado Digital tipo A3, Pessoa Física, com Financiamento pelo Ministério da Saúde para Operadores da Funcionalidade Restrita do Sistema de Informações sobre

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Certificado Digital A1 Geração Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. - 2012 Página 1 de 41 Pré-requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Abril/ Certificado Digital A1 Geração Página 1 de 32 Abril/ Pré requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo de instalação tenha sucesso, é necessário obedecer aos

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Certificado Digital Modelo NF-e. Manual do Usuário

Certificado Digital Modelo NF-e. Manual do Usuário Certificado Digital Modelo NF-e Manual do Usuário Parabéns! Você acaba de adquirir o seu Certificado Digital Serasa Experian. Este manual é composto por informações importantes para que você possa usar

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre o Cadastro de Convenentes da Administração Estadual. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

Soluti Orientações SIOPS 22/03/2013 SOLUTI

Soluti Orientações SIOPS 22/03/2013 SOLUTI SOLUTI Orientações para a Emissão do Certificado Digital, tipo A3, Pessoa Física, com Financiamento pelo Ministério da Saúde para Operadores da Funcionalidade Restrita do Sistema de Informações sobre Orçamentos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o. 222 1 a. PARTE ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N o. 42/2010-DG/DPF,

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE CBIS 2006

CONGRESSO BRASILEIRO DE CBIS 2006 CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA EM SAÚDE CBIS 2006 Padrões e Certificação em Saúde Florianópolis, 16/10/06 A Certificação SBIS-CFM ROBERTO LUIZ d AVILAd Cardiologista Corregedor do Conselho Federal

Leia mais

João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br. José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br

João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br. José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br BCInfo Consultoria e Informática 14 3882-8276 WWW.BCINFO.COM.BR Princípios básicos

Leia mais

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários...

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários... Agradecimentos... 7 O autor... 8 Prefácio... 15 Objetivos do livro... 17 Parte I Introdução... 19 Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21 Introdução à ICP... 21 Serviços oferecidos

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo 1. Introdução O envio e o recebimento de informações são uma necessidade antiga, proveniente de centenas de anos. Nos últimos tempos, o surgimento da Internet e de tantas outras tecnologias trouxe muitas

Leia mais

Smart Cards. Uma tecnologia abrindo o seu caminho

Smart Cards. Uma tecnologia abrindo o seu caminho Smart Cards Uma tecnologia abrindo o seu caminho Sumário Visão geral - história Tecnologias Aplicações Digicon 2 Historia dos cartões plásticos Inicialmente utilizados para identificação. Inicio uso para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte Verifique a documentação necessária. Atenção: Não há renovação nem prorrogação de passaporte, se o seu está

Leia mais

Portal Cidadão - Governo

Portal Cidadão - Governo Portal Cidadão - Governo A Certisign Manaus Recife Brasília Goiânia Belo Horizonte São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre A Certisign Pioneira no mercado Certificação na América Latina Única com foco exclusivo

Leia mais

SAJ SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DO JUDICIÁRIO

SAJ SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DO JUDICIÁRIO SAJ SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DO JUDICIÁRIO PORTAL DE SERVIÇOS DO PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA MANUAL PETICIONAMENTO ELETRÔNICO Versão 2.6.0 Conteúdo Portal e-saj... 3 Serviços integrantes do Portal e-saj...

Leia mais

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 (Dispõe sobre a instituição e obrigatoriedade da nota fiscal eletrônica de serviços, da declaração eletrônica de prestadores e tomadores de serviços, com pertinência

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER)

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) Dispõe sobre as empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança e dá outras Providências. O Congresso nacional decreta: CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

PORTARIA AGEPEN Nº 09, DE 07 DE OUTUBRO DE 2015.

PORTARIA AGEPEN Nº 09, DE 07 DE OUTUBRO DE 2015. PORTARIA AGEPEN Nº 09, DE 07 DE OUTUBRO DE 2015. Dispõe sobre a Assistência Religiosa Voluntária nas Unidades Prisionais da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário do Estado do Mato

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais