RESUMO AMOSTRA INSTRUMENTARIUM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO AMOSTRA INSTRUMENTARIUM"

Transcrição

1 RESUMO O trabalho que apresentamos propõe um estudo do perfil antropométrico e somatótipo do atleta português de Orientação da classe Elite do sexo masculino. Foram avaliados 10 atletas com uma média de idades 30 ± 4.97, de acordo com o método Heath / Carter, no sentido de obter dados sobre o perfil antropométrico nesta modalidade desportiva. Estes dados sugerem, dentro da nossa amostra (n=10), que o somatótipo corporal médio, 2.41 ± ± ± 5.24, do atleta de corrida de Orientação da classe Elite é predominantemente ectomorfo, sendo mesomorfismo superior ao do endomorfismo com uma percentagem 7.15 ± 0.95 de massa gorda. AMOSTRA As mensurações foram realizadas numa amostra constituída por um grupo de dez (dez) atletas Elite do sexo masculino (n=10), com a média de idades (30 ± 4.97), respectivamente. INSTRUMENTARIUM O instrumentarium utilizado nas medições marca Rosscraf Advanced O Scale Systam 2000 Course Serie, contou de um plissómetro, antropómetro, uma escala para medir a altura (graduada em mm, máx. 2m), uma craveira reduzida e média e uma fita métrica. Utilizou-se ainda uma balança digital portátil marca Worten. Para os cálculos estatísticos e determinação do somatótipo foi utilizado o programa de computador Excel, versão da Microsoft Officer PROCEDIMENTOS As variáveis independentes definidas para o presente estudo envolvem medidas antropométricas e o somatótipo. Participaram neste estudo dez (10) atletas federados da classe Elite da corrida de Orientação do sexo masculino. Os sujeitos constituintes da amostra participaram voluntariamente neste estudo e foram observados na cidade de Torre Novas a 6 I Congresso Científico de Orientação 1

2 Fevereiro de Todos os testes foram realizados (conduzidos) durante um período de uma manhã no qual se realizou a prova a contar para a taça de Portugal de corrida de Orientação. Todos os sujeitos foram testados num estado de descanso pelo menos uma hora antes da competição. A massa do corpo foi determinada sem sapatos usando uma balança calibrada electrónica e portátil. A altura foi medida por aproximação ao centímetro. A proporção altura/ peso foi calculada através da fórmula (ALT/? Peso). A soma das seis (6) pregas foi registada e a densidade do corpo foi estimada de acordo com equações generalizadas de Ross e Marffell-Jones (1983). A percentagem de gordura no corpo (% gordura) foi avaliada (estimada) através da equação utilizada por Carter (1982) para cada sujeito. Para os dados recolhidos respeitantes às variáveis quantitativas contínuas foram calculadas a média e o desvio padrão. MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS As mensurações realizadas incidiram sobre duas (2) dimensões corporais, incluindo, além da altura e do peso, comprimentos, diâmetros, perímetros e pregas de adiposidade subcutânea. Obtivemos assim os valores de Trinta e um (31) variáveis. PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS Medidas somáticas Somatótipo e sua determinação A determinação do somatótipo foi feita de acordo com a técnica antropométrica de Heath & Carter e o cálculo das componentes baseia-se nas equações propostas por Ross e Marffell-Jones (1983). I Congresso Científico de Orientação 2

3 PERFIL ANTROPOMÉTRICO E SOMÁTICO Perfil Antropométrico e Somatótipo na Orientação 1. Medidas somáticas Quadro 1 Valores de média, desvio padrão, referentes ao peso, altura, altura sentado, comprimento do membro superior, comprimento do membro inferior, comprimento da coxa, comprimento da perna, comprimento do pé e a largura do pé. Média ± Desvio Padrão Peso (Kg) ± 4.54 Altura (Cm) ± 5.87 Alt. Sentado (cm) ± 2.41 Comprimento do M.S. (cm) ± 3.28 Comprimento M.I. (cm) ± Comprimento da coxa (cm) ± 3.98 Comprimento da perna (cm) ± 2.88 Comprimento do pé (cm) ± 1.03 Largura do pé (cm) 8.80 ± 0.42 Dos resultados apresentados o comprimento do membro inferior apresenta um desvio padrão muito elevado. Quadro 2 Valores de média, desvio padrão, referentes ao diâmetro biocrominal, diâmetro tóraco transversal, diâmetro tóraco sagital, diâmetro bicôndilo humeral, diâmetro estílico ulnar, diâmetro bicondilo fémural e diâmetro bimaleolar. Média ± Desvio Padrão Diâmetro biocrominal (cm) ± 1.77 Diâmetro tóraco transversa (cm) ± 1.36 Diâmetro tóraco - sagital (cm) ± 2.03 Diâmetro bicôndilo humeral (cm) 6.99 ± 0.37 Diâmetro estílico - ulnar (cm) 5.68 ± 0.33 Diâmetro bicondilo fémural (cm) 9.90 ± 0.58 Diâmetro bimaleolar (cm) 7.44 ± 0.34 Nos resultados referentes aos diâmetros não existe grandes discrepâncias dos valores apresentados. Quadro 3 Valores de média, desvio padrão, referentes ao perímetro torácico inspiratório e expiratório, perímetro braquial em relaxação, perímetro braquial em I Congresso Científico de Orientação 3

4 contracção máxima, perímetro subgluteo, perímetro da coxa, perímetro do joelho, perímetro do tornozelo e perímetro da perna. Média ± Desvio Padrão Perímetro torácico (inspiração) (cm) ± Perímetro torácico (expiração) (cm) ± 4.40 Perímetro braquial em relaxação (cm) ± 1.62 Perímetro braquial em contracção Máx. (cm) ± 2.07 Perímetro subgluteo (cm) ± 2.22 Perímetro da coxa (cm) ± 1.71 Perímetro do joelho (cm) ± 1.17 Perímetro do tornozelo (cm) ± 0.99 Perímetro da perna (cm) ± 1.25 Relativamente aos perímetros, podemos observar que o perímetro torácico no momento de inspiração apresenta um elevado desvio padrão. Quadro 4 Valores de média, desvio padrão, referente às pregas tricipital, subscapular, supra espinal, abdominal, crural, geminal. Média ± Desvio Padrão Tricipital (mm) 3.90 ± 1.10 Subscapular (mm) 9.00 ± 1.83 Supra espinal (mm) ± 3.95 Abdominal (mm) 7.30 ± 2.00 Crural (mm) 7.00 ± 2.49 Geminal (mm) 4.80 ± 0.63 Nos resultados referentes às pregas não existem grandes descrepâncias entre os valores. 2. Somatótipo Quadro 5 Valores de média, desvio padrão, referentes às componentes do somatótipo. Média ± Desvio Padrão Endomorfismo 2.41 ± Mesomorfismo 4.95 ± 1.83 Ectomorfismo 7.17 ± 5.24 Índice ponderal recíproco ± 2.88 Referente aos valores apresentados o endomorfismo apresenta um desvio padrão acentuado. I Congresso Científico de Orientação 4

5 A média dos dez (10) atletas para o tipo somático apresenta características de ectomorfismo; como se pode observar (fig. 1) o grupo na somatacarta, apresenta uma dispersão em relação ao ponto médio. Figura 1 Somatocarta com a representação da distribuição dos 10 atletas de orientação da classe elite (pontos azuis) e do valor médio (ponto vermelho). 3. Composição corporal Quadro 6 Valores de média, desvio padrão, referentes a indicadores da percentagem de massa gorda. Média ± Desvio Padrão Massa Gorda (%) 7.15 ± 0.95 A média da percentagem da massa gorda entre os dez atletas do presente estudo é de 7.15%. I Congresso Científico de Orientação 5

6 DISCUSSÃO Altura / peso / Idade Perfil Antropométrico e Somatótipo na Orientação Os resultados da nossa amostra relativamente à relação altura / peso revelaram algumas diferenças com os atletas de orientação de França (Cholopin, 1994). Quadro 7 Representação dos valores da altura e do peso (adaptado de Cholopin, 1994). Altura Peso Idade (Classe H21E n=10) (Classes H20 e H21 n=14) Francês ± ± ± 0.6 Presente Estudo ± ± ± 4.97 Quando comparamos o valor médio da altura e do peso, reparamos que existe semelhança quanto à relação altura/peso, no entanto os atletas da nossa amostra apresentam uma faixa etária superior em relação ao atleta francês. Ao comparamos, também, os resultados do nosso estudo (quadro 8) relativamente ao mesmo escalão (H21E), em outras amostras, deparamos com as mesmas semelhanças. È de referir a significativa diferença no peso do peso em atletas na nossa amostra em relação aos atletas franceses o que já não se verifica em relação a outras amostras (ver quadro 8). Quadro 8 Representação dos valores da altura e do peso do sexo masculino (adoptado de Creagh et al., 1995) Masculino Estudo Amostra Altura Peso Knowlton et al. (1980) n=13 (*) ± (*) 72.2 ± 6.5 Barrell & Cooper (1982) n= ± ± 5.9 Mero & Rusko (1987) n= ± ± 5.2 Presente Estudo n= ± ± 4.58 (*) Valores não apresentados no estudo. Quadro 9 Apresentação de valores de média e desvio padrão (sd) das variáveis altura e peso, referentes a sujeitos do sexo masculino pertencentes, algumas modalidades desportivas individuais (adaptado de Belo, 1996). Modalidades Individuais Altura Peso Média ± sd Média ± sd Carter et al. (1982) boxe, n=22 172,6 ± 10,40 66,3 ± 10,90 Carter et al. (1982) canoagem, n=12 185,4 ± 05,13 79,1 ± 05,89 I Congresso Científico de Orientação 6

7 Carter et al. (1982) ciclismo, n=18 177,1 ± 06,17 69,6 ± 10,24 Carter et al. (1982) esgrima, n=9 183,6 ± 07,36 77,6 ± 08,08 Carter et al. (1982) ginástica, n=11 169,3 ± 05,61 63,5 ± 06,92 Carter et al. (1982) natação, n=33 178,6 ± 04,73 73,0 ± 08,04 Carter et al. (1982) corredores, n=40 179,1 ± 07,71 73,4 ± 15,28 Presente estudo Orientação n= ± ± 4.54 No entanto, é interessante observar que quando analisamos o valor médio desta variável (altura) com os praticantes de algumas modalidades desportivas individuais, como se pode observar no quadro 9, o presente estudo apresenta valores inferiores, quando comparados com o ciclismo os valores são semelhantes, sugerindo, assim, que a nossa amostra apresenta características ectomórficas. A relação da Altura/Peso com a modalidade de ciclismo poderá estar relacionadas com exigências fisiológicas de ambas modalidades. Para se ter uma boa performance, os orientadores necessitam de ter uma boa capacidade aeróbia e uma boa capacidade muscular, pois segundo Bird (1996), o orientador necessita grande força muscular e grande capacidade aeróbia. Força muscular, devido às diferenças do terreno, levando a uma resposta e adaptação (quanto à intensidade, duração e frequência de estímulos), estimulando assim o desenvolvimento da massa muscular (ver quadro 3), nomeadamente nos membros inferiores. Ao relacionarmos o presente estudo com o estudo de Creagh et. Al. (1995) deparamos que a massa muscular da coxa do atleta de orientação português é superior (51.40 ± 1.71) ao do referido estudo (36.0 ± 1.8). Segundo Creagh & Reilly (1997), os atletas de orientação têm baixos índices de tecido adiposo, como qualquer atleta de corrida (média e longa duração), eles possuem um elevado nível aeróbio, relacionado com elevado número de fibras do tipo I e consequentemente ume redução das fibras do tipo II, estas fibras do tipo II são acompanhadas pela pouca força muscular e também com um baixo índice anaeróbio entre os orientadores. Capacidade aeróbia Segundo Bird (1996), as atletas de Orientação de Elite, como outros desportos, tais como, ciclismo e maratona, apresentam elevados VO2 máx., em que os atletas de Orientação internacionais apresentam valores de VO2, cerca de 70 ml/kg/min., tendo em conta estes valores de VO2, de uma forma indirecta os atletas do nosso estudo apresentam, em média, um perímetro torácico nos momentos expiratório de 85.3 ± e inspiratório de 86.7 ± 4.4. I Congresso Científico de Orientação 7

8 Segundo Creagh & Reilly (1997), afirma que os orientadores de Elite podem manter um elevado nível de intensidade do exercício, apesar das dificuldades do terreno existentes, mas que podem resultar numa descida no ritmo de corrida e dos valores do coração nos atletas com menos experiência. Gordura corporal / somatótipo Ao analisarmos o quadro 10 verificamos que, revelam uma aproximação às pregas tricipital, abdominal e crural aos atletas de maratona, à excepção da prega subscapular que é mais elevada no presente estudo em relação aos dos atletas de maratona. Quadro 10 Apresentação de seis pregas cutâneas em diferentes desportos (adaptado de McArdle, 1998). Homens P. Tricipital P. Subsc. P. Supraesp. P. Abdominal P. Crural Natação Maratona (*) (*) Presente estudo (*) Valores não apresentados no estudo do autor. P. Geminal As percentagens relativamente baixas avaliadas em relação à gordura corporal e soma das pregas indicam uma maior redução na massa do corpo que não contribuiriam para rendimento desportivo. O excesso de gordura no corpo aumentaria o esforço muscular necessário para um suporte geral e progressão. É devido a este facto que em modalidades que impliquem grandes percursos, a gordura corporal seja reduzida (ver quadro 11). Quadro 11 Apresentação de valores da composição corporal (McArdle, 1998). Especialidade Gordura corporal (%) Sprinters 10.1 Maratona 2.7 Corrida dos 5000 metros 1.4 Orientação (presente estudo) 7.15 Segundo McArdle (1998) a gordura essencial mais a gordura do corpo específica do sexo atinge 3% e 12% da massa total do corpo em masculinos e femininos respectivamente. Quadro 12 Representação dos valores da gordura corporal (%) e somatótipo do sexo feminino em atletas de Orientação de Elite (Ceragh et al., 1995) Feminino Estudo Amostra Gordura corporal (%) Somatótipo Creagh & Reilly (1995) n= ± I Congresso Científico de Orientação 8

9 Knowlton et al. (1980) n= ± Laukkanen et al. (1991) n= ± (*) (*) Barrell & Cooper (1982) n=5 (*) Presente estudo n= ± (*) Valores não apresentados no estudo. Segundo Barata et al. (1993) um indivíduo pode ter um peso saudável e contudo não ter o peso ideal para a sua prática desportiva. Isto aplica-se a modalidades que impliquem esforços de resistência prolongados, destreza e rapidez. Há desportistas cujo peso ideal, em termos de rendimento desportivo, está claramente abaixo ou acima dos valores médios, para indivíduos saudáveis da mesma idade e sexo, sendo o peso um dos factores principais que interferem na condição física e na prestação desportiva. Quadro 13 Representação dos valores da gordura corporal (%) e somatótipo do sexo masculino em atletas de Orientação de Elite (Ceragh et al., 1995) Masculino Estudo Amostra Gordura corporal (%) Somatótipo Knowlton et al.(1980) n= ± Barrell & Cooper (1982) n=12 (*) Mero & Rusko (1987) n= ± 0.9 (*) Presente estudo n= ± (*) Valores não apresentados no estudo. A percentagem 7.15 ± 0.95 de gordura corporal do nosso estudo é mais baixa comparado com as percentagens 16.3 ± 1.9 e 16.8 ± 0.9 dos autores Knowlton et al. (1980) e Mero & Rusko (1987), respectivamente (ver quadro 13). Assim a baixa percentagem de gordura corporal (7.15 ± 0.95) corrobora com o alto valor de ectomorfia do presente estudo, é de se referir também no presente estudo, a grande dispersão existente dos valores ectomorficos (ver figura 1), em relação à média. Deste modo, o valor reduzido da percentagem de gordura corporal, normalmente está associado a um elevado consumo máximo de O2, a partir para uma componente ectomórfica significativa nas provas de Orientação, o que vai ao encontro dos valores do somatótipo dos atletas do nosso estudo. O mesomorfismo é de facto responsável por dar a estimar uma predominância muscular, a ectomorfia, representa características, tais como a magreza e a linearidade, o somatótipo do presente trabalho , sendo a 3º componente dominante e a 2º têm um valor superior ao da 1º. I Congresso Científico de Orientação 9

10 Verificamos que os atletas do presente estudo, quando comparados com outros atletas de Orientação apresentam valores superiores ao nível do mesomorfismo e principalmente no ectomorfismo. As diferenças do somatótipo poderão estar relacionadas com as diferenças corporais entre as várias populações Europeias. As amostras dos referidos autores (ver quadro 13) foram retiradas de população do norte da Europa. Quadro 14 Comparação dos perfis antropometrios e somatótipos (Viviani et al., 1991) Somatótipo Grupo Autores X idades Escaladores Viviani e Calderan, ,1 2,0 4,0 3,7 Jovens saltadores Jogadores de futebol (jun.) Viviani (sem data publicada) End o Mes o Ecto 19,4 1,5 3,9 3,5 Classificação Viviani, ,1 2,0 4,0 3,4 Ecto-mesomorfo Grupo não atlético Viviani e Contarin (s. d. p.) 21,7 2,7 4,4 2,5 Corredores olímpicos (jun.) Thorland et al ,6 2,2 4,0 3,9 Corredores de longa distância Withers et al , ,4 3,7 Velocistas/obstáculos Withers et al ,4 1,8 4,1 3,9 Guinienses (não atletas) Viviani e Grassivaro, ,3 2,3 3,5 3,5 Himalaios (não atletas) Singh, 1981 > 25 2,0 3,6 3,5 Himalaios (não atletas) Singh, 1981 > 25 1,9 3,4 3,6 Atletas Juguslavos Heimer et al., ,3 2,2 3,6 3,2 Mesomorfo equilibrado Atletas Australianos Withers et al ,7 2,1 4,5 3,5 Ecto-mesomorfo Atletas Venezuelanos Mendez de Pérez, ,0 1,9 4,4 3,6 Ecto-mesomorfo Mexicanos olímpicos De Garay et al ,0 2,0 4,3 3,5 Ecto-mesomorfo Orientação Presente estudo Ectomorfo Ao compararmos o somatótipo do presente estudo com os estudos representados no quadro 14, reparamos que o valor que mais se assemelha à nossa amostra é o estudo de Withers et al. (1986), excepto o valor ectomórfico, sendo este diferente para todos eles. Mas no entanto os autores: Withers et al. (1986), Medez de Pérez (1981), Garay et al. (1974) e Viviani (1988) revelam nos seus estudos características ecto-mesomorfos, em que os valores mesomorfos assemelham-se ao valor do presente estudo. A explicação para estes valores, poderá estar, em relação à dispersão de cinco atletas da nossa amostra que apresentam características de mesomorfos (ver figura 1). A divergência, relativamente ao elevado valor de ectomorfia apresentado no nosso estudo, a explicação poderá residir no facto da população abordada pelos autores (ver I Congresso Científico de Orientação 10

11 quadro 13) serem de origem do norte da Europa, as amostras serem reduzidas ou as distâncias praticadas pelos atletas serem curtas ou longas. Deste modo os requisitos fisiológicos de uma prova de Orientação de longa distância apontam para valores reduzidos de percentagem de gordura corporal o que vai ao encontro de uma componente ectmórfica significativa nos atletas de Orientação da nossa amostra. Para além destas considerações deve-se considerar que para se ser um bom orientador não é apenas uma questão de forma corporal e de capacidade física mas também o factor técnica. CONCLUSÃO No presente estudo conclui-se que, o perfil antropométrico e somatótipo da nossa amostra apresenta características ectomórficas (2.41 ± ± ± 5.24), sendo a percentagem de massa gorda de 7.15 ± 0.95, sendo esta percentagem de massa gorda inferior noutras populações. A percentagem da massa gorda da nossa amostra é significativamente inferior a outros estudos com atletas Elite masculinos de Orientação. As exigências físicas de uma prova de Orientação sugerem uma reduzida percentagem de gordura corporal e uma componente ectomórfica significativa, o que vem ao encontro do nosso estudo. O perfil antropométrico e somatótipo dos atletas da nossa amostra apresentam um perfil semelhante ao dos corredores de longa distância. I Congresso Científico de Orientação 11

Crescimento e Maturação

Crescimento e Maturação FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA 4º MESTRADO TREINO DE ALTO RENDIMENTO Crescimento e Maturação Estudo comparativo de uma criança praticante de Hóquei em Patins Nuno Miguel Cordeiro Ferrão Julho de 2002

Leia mais

Medidas Somáticas dos Tenistas NOVEMBRO DE 2009

Medidas Somáticas dos Tenistas NOVEMBRO DE 2009 Medidas Somáticas dos Tenistas das Selecções Regionais ATPorto NOVEMBRO DE 2009 Contributos A ATPorto gostaria de agradecer individualmente aos seguintes intervenientes que permitiram a elaboração deste

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 %MASSA GORDA SAUDÁVEL Homens 20 anos %MGsaudável = 10% (a partir dos 20 anos acresce-se 1% por cada 3 anos de idade, até ao limite de 25% ou até 50 anos de idade). Ou usando

Leia mais

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Perimetria Medida da circunferência de determinados segmentos corporais, podendo ser realizados estando o corpo relaxado ou contraído. 2. Fita Métrica Equipamentos

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol Bateria de Medidas e Testes Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol 2004 Nota Introdutória A bateria de medidas e testes a ser aplicada nos centros de formação resulta de um conjunto

Leia mais

Departamento de Educação Física e Desporto

Departamento de Educação Física e Desporto ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Ano Letivo 2013-2014 Departamento de Educação Física e Desporto CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Disciplina de Educação Física Revisto em Departamento no dia

Leia mais

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO.

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. - Indivíduo descalço e usando pouca roupa, na posição antropométrica sobre uma superfície lisa e perpendicular ao antropómetro. - Calcanhares juntos e

Leia mais

Prof.. Claudio Pavanelli

Prof.. Claudio Pavanelli Comparação de resultados de testes por posição em jogadores de futebol profisional Prof.. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Exigência Fisiológica no Futebol: Grau de intensidade

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO 1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO Unidade III Trabalho: A trajetória humana, suas produções e manifestações. 2 Aula 8.1 Conteúdo A pressa é inimiga da malhação: Os somatotipos. 3

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES 1 FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL (04 COMPONENTES) GORDURA CORPORAL MASSA ÓSSEA MASSA MUSCULAR RESÍDUOS FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

Quesitos da função prática. Antropometria

Quesitos da função prática. Antropometria Quesitos da função prática Antropometria breve histórico Filósofos, teóricos, artistas e arquitetos estudaram, ao longo da história, as proporções do corpo humano; antropometria física: viagens de Marco

Leia mais

Um breve histórico da GA

Um breve histórico da GA Ginástica Artística Um breve histórico da GA Séc. XIX Alemanha O nome que mais se destaca na história da formação da ginástica moderna foi do alemão Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852), grande nacionalista

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

Medidas Somáticas das Tenistas NOVEMBRO DE 2009

Medidas Somáticas das Tenistas NOVEMBRO DE 2009 Medidas Somáticas das Tenistas das Selecções Regionais ATPorto NOVEMBRO DE 2009 Contributos A ATPorto gostaria de agradecer individualmente aos seguintes intervenientes que permitiram a elaboração deste

Leia mais

A RELAÇÃO DO PERFIL SOMATOTIPOLÓGICO DE INDIVÍDUOS DE 18 A 24 ANOS, COM AS RESPOSTAS HIPERTRÓFICAS DO TREINAMENTO DE MUSCULÇÃO EM GOIÂNIA.

A RELAÇÃO DO PERFIL SOMATOTIPOLÓGICO DE INDIVÍDUOS DE 18 A 24 ANOS, COM AS RESPOSTAS HIPERTRÓFICAS DO TREINAMENTO DE MUSCULÇÃO EM GOIÂNIA. A RELAÇÃO DO PERFIL SOMATOTIPOLÓGICO DE INDIVÍDUOS DE 18 A 24 ANOS, COM AS RESPOSTAS HIPERTRÓFICAS DO TREINAMENTO DE MUSCULÇÃO EM GOIÂNIA. Victor Hugo Camargo - Acadêmico de Educação Física ESEFFEGO/UEG

Leia mais

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA A. Homologação de Recordes de Portugal 1. GENERALIDADES Para que uma marca possa ser

Leia mais

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05.

A Proposta da IAAF 03. Campeonato para 13-15 anos de idade 03. Formato da Competição 04. Organização da Competição 05. Índice: A Proposta da IAAF 03 Campeonato para 3-5 anos de idade 03 Formato da Competição 04 Organização da Competição 05 Resultados 06 Arbitragem necessária para o Evento 07 Preparação do Equipamento Necessário

Leia mais

ANTROPOMETRIA MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS PESO CORPORAL (EM KG):

ANTROPOMETRIA MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS PESO CORPORAL (EM KG): ANTROPOMETRIA O método mais utilizado para avaliação da composição corporal é a Antropometria, devido à sua facilidade de aplicação, tanto no laboratório como no campo, na área clínica e em estudos populacionais.

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Avaliação da unidade Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,5 ponto) As principais mudanças no corpo de uma pessoa ocorrem na adolescência. É nesta fase que as meninas e os meninos desenvolvem o amadurecimento

Leia mais

Histórico de Medalhas e Modalidades Paralímpicas - Portugal

Histórico de Medalhas e Modalidades Paralímpicas - Portugal Histórico de Medalhas e Modalidades Paralímpicas - Portugal Igualdade, Inclusão & Excelência Desportiva Departamento Técnico, Fevereiro de Índice Introdução... Medalhas... Gráficos de Medalhas... Atletas

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

Testes Físicos Documento Orientador

Testes Físicos Documento Orientador Testes Físicos Documento Orientador Época 2015-2016 Página 2 INTRODUÇÃO A realização de provas físicas na arbitragem acontece em todos os Países e, em particular, no âmbito da UEFA e da FIFA. Estas Organizações

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO Programa Euro-Sénior

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO Programa Euro-Sénior Depois da Final da Taça do Mundo em 2008 a FPPM volta a receber a elite mundial da modalidade com a organização do Campeonato da Europa de Seniores 2016, o maior evento internacional jamais realizado em

Leia mais

A, B Preto, Branco etc.

A, B Preto, Branco etc. 1 2 Qualidade a desenvolver Velocidade Reacção Velocidade máxima Conteúdos e métodos a utilizar Jogos de reacção (Barra do lenço, A e B) com distâncias entre 10 e 15 metros Jogos e repetições curtas Distâncias

Leia mais

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Relatório Grupo 515: Carolina Correia Elder Vintena Francisco Martins Salvador Costa Sara Palhares 2 Índice Introdução...4 Objectivos...5 Método...6 Dados Obtidos...7

Leia mais

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS PEDRO MAIA FITNESS & CYCLING BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS PLANEAMENTO OS PRINCÍPIOS DE TREINO Quando treinamos, temos como principal objetivo melhorar alguns dos aspetos das nossas

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

7 LEVANTAMENTO ANTROPOMÉTRICO

7 LEVANTAMENTO ANTROPOMÉTRICO 7 LEVANTAMENTO ANTROPOMÉTRICO Apresentamos aqui os resultados obtidos na pesquisa de campo realizada com quarenta ciclistas profissionais. Buscamos obter dados no que diz respeito a dores na coluna vertebral

Leia mais

Escola Evaristo Nogueira

Escola Evaristo Nogueira Escola Evaristo Nogueira Grupo Disciplinar de Educação Física Ano Lectivo 2014 / 2015 Critérios de Avaliação Os critérios de avaliação constituem referenciais dos professores que lecionam as disciplinas

Leia mais

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706 Edgar Rocha Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 71-76 Nota sobre a população activa agrícola do sexo feminino, segundo o Recenseamento e segundo o Inquérito Permanente ao Emprego : em busca de 3 mulheres

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução As proteínas são um importante nutriente necessário para o crescimento

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DAS CRIANÇAS DE 07 A 10 ANOS DE IDADE QUE FREQUENTAM O PROJETO, APRIMORAMENTO DAS AÇÕES MOTORAS ATRAVÉS DA GINÁSTICA ARTÍSTICA NO MEPROVI PEQUENINOS. França, Bruna S.* Silva, Janaina

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

Minas Olímpica/ Jogos de Minas 2015

Minas Olímpica/ Jogos de Minas 2015 Minas Olímpica/ Jogos de Minas 2015 Regulamento Específico Ciclismo Art. 1º - A competição de ciclismo do Minas Olímpica/Jogos de Minas obedecerá as regras da Confederação Brasileira de Ciclismo e Federação

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

MATEMÁTICA ANO: 2013 IFPB QUESTÃO 01

MATEMÁTICA ANO: 2013 IFPB QUESTÃO 01 MATEMÁTICA ANO: 2013 IFPB QUESTÃO 01 Os Jogos Olímpicos foram criados pelos gregos por volta de 2500 a.c. e foram retomados por iniciativa do Barão de Coubertin no final do século XIX. Em 1960, foram disputados

Leia mais

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga.

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. ANÁLISE DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS E MOTIVOS DA DESISTÊNCIA EM PRATICANTES

Leia mais

Projeto Mini Craque. Juventude Vidigalense

Projeto Mini Craque. Juventude Vidigalense Projeto Mini Craque Telefone: 244 833 799 Telemóveis: 912 727 166 ou 961 701 645 E-mail: geral@juventudevidigalense.org Prof. Nataniel Lopes: 913 091 989 E-mail: nataniel-lopes@juventudevidigalense.org

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A Ano Letivo: 0/03. Introdução A Educação Física, enquanto área curricular estabelece um quadro de relações com as que com ela partilham

Leia mais

Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa

Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa ARTIGO ORIGINAL Ocorrência de entorse e lesões do joelho em jogadores de futebol da cidade de Manaus, Amazonas Eduardo Telles de Menezes Stewien

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (Universidade do Brasil) ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS. Antropometria

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (Universidade do Brasil) ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS. Antropometria UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (Universidade do Brasil) ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS Antropometria PROFª DRª FÁTIMA PALHA DE OLIVEIRA Professor Adjunto IV UFRJ Doutora em Ciências de Engenharia

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL EM SAÚDE OCUPACIONAL E GINÁSTICA LABORAL O

ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL EM SAÚDE OCUPACIONAL E GINÁSTICA LABORAL O Educação Física A profissão de Educação Física é caracterizada por ter um vasto campo de atuação profissional, tendo um leque com várias opções para realização das atividades pertinentes ao Educador Físico.

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA GINÁSTICA AERÓBICA REGULAMENTOS TÉCNICOS TN 2014 PARTICIPANTES: TORNEIO NACIONAL É aberta a participação no TNGAE a qualquer entidade filiada às Federações Estaduais de Ginástica ou de alguma forma ligadas

Leia mais

3 MODALIDADES DO CICLISMO

3 MODALIDADES DO CICLISMO 3 MODALIDADES DO CICLISMO Não há muitos registros sobre cada modalidade, além de haver uma variedade muito grande de informações sobre uma mesma modalidade. PORTE (1996), porém, nos relata sobre os vários

Leia mais

Tarefa Inquiry: O que é Velocidade?

Tarefa Inquiry: O que é Velocidade? Tarefa Inquiry: O que é Velocidade? Duração: 90 minutos "velocidade", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/velocidade [consultado em 09-12-2013].

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul

Universidade Cruzeiro do Sul PESO, ALTURA E MASSA CORPÓREA UMA RELAÇÃO MATEMÁTICA E UM ESTILO DE VIDA. Ana Paula Simões Ana@t-gestiona.com.br José Roberto Pereira robertpe@ig.com.br Noemi Pinheiro do Nascimento Fujii Noemi.pnascimento@sp.senac.br

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL CENTRO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Universidade do Porto Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. Autores:

Universidade do Porto Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. Autores: PRÉMIO CIÊNCIA Universidade do Porto Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física Comparação dos efeitos do treino cárdio-vascular com e sem electroestimulação na deplecção de gordura abdominal

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES *

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * José Jacinto Vasconcelos Raposo João Paulo Lázaro Luís Filipe da Silva Cerqueira chapas@net.sapo.pt RESUMO Pretendeu-se verificar

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

A importância da anamn m ese s......

A importância da anamn m ese s...... Importância da Anamnese Dobras Cutâneas BIOTIPOS COMPOSIÇÃO CORPORAL PERIMETRIA A importância da anamnese... Conceito A anamnese (do grego anamnesis significa recordação) consiste na história clínica do

Leia mais

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão Estatística Descritiva com Excel Complementos. 77 3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão 3.1- Introdução No módulo de Estatística foram apresentadas as medidas ou estatísticas

Leia mais

97% dos indivíduos com idade entre os 10 e os 15 anos utilizam computador, 93% acedem à Internet e 85% utilizam telemóvel

97% dos indivíduos com idade entre os 10 e os 15 anos utilizam computador, 93% acedem à Internet e 85% utilizam telemóvel 97% dos indivíduos com idade entre os 10 e os 15 anos utilizam computador, 93% acedem à Internet e 85% utilizam telemóvel De acordo com o Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da pelas

Leia mais

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Temas orientadores: 1) O conceito de talento esportivo 2) Procedimentos de detecção do talento esportivo 3) Aspectos

Leia mais

Health Care & Human Care

Health Care & Human Care Health Care & Human Care O sistema ideal para cuidar da saúde e bem-estar A tecnologia BIA criou um novo standard Liderar a nova tecnologia proporciona resultados precisos em que pode confiar - Composição

Leia mais

Métodos e Técnicas de Investigação em Ciências do Desporto

Métodos e Técnicas de Investigação em Ciências do Desporto UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA 5º MESTRADO TREINO DO JOVEM ATLETA Métodos e Técnicas de Investigação em Ciências do Desporto AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA

Leia mais

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de

No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o. Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de 6. Associativismo No que se refere ao Associativismo poderemos adiantar que o Concelho de Rio Maior é, de facto, um Concelho rico em termos de movimento associativo e em termos de serviços/acções disponibilizados

Leia mais

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL Prof. MsC Cláudio Diehl Nogueira Professor Assistente do Curso de Educação Física da UCB Classificador Funcional Sênior

Leia mais

Distribuição dos pacientes vítimas de Acidente de Trânsito, segundo faixa etária na ocasião do acidente 20,0 16,6 19,4 11,3

Distribuição dos pacientes vítimas de Acidente de Trânsito, segundo faixa etária na ocasião do acidente 20,0 16,6 19,4 11,3 Os Acidentes de Trânsito foram responsáveis por um total de 799 internações nos hospitais SARAH-Brasília, SARAH-Salvador, SARAH-Belo Horizonte e SARAH-São Luís no período de 01/01/2009 a 30/06/2009, correspondendo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

texto I partes I e II Língua Portuguesa e Matemática Futebol de rua De preferência os novos, do colégio.

texto I partes I e II Língua Portuguesa e Matemática Futebol de rua De preferência os novos, do colégio. partes I e II Língua Portuguesa e Matemática texto I Futebol de rua Pelada é o futebol de campinho, de terreno baldio. Mas existe um tipo de futebol ainda mais rudimentar do que a pelada. É o futebol de

Leia mais

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Exame de Equivalência. à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Exame de Equivalência à disciplina de: EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de

Leia mais

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade.

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación Física, La Plata, 2013. Avaliação

Leia mais

UFPel - CENG - CÁLCULO 1

UFPel - CENG - CÁLCULO 1 UFPel - CENG - CÁLCULO 1 FUNÇÕES -Parte I 1. Esboce os gráficos das funções afins, indicando as interseções com os eixos. a) f(x) = 400 3x b) f(x) = 10x + 75 c) S(t) = s 0 + vt, sendo s 0 = 20m e v = 5m/s

Leia mais

PUBERDADE E SUAS MUDANÇAS CORPORAIS

PUBERDADE E SUAS MUDANÇAS CORPORAIS PUBERDADE E SUAS MUDANÇAS CORPORAIS Texto extraído do artigo: FERRIANI, M. G. C. & SANTOS, G. V. B. Adolescência: Puberdade e Nutrição. Revista Adolescer, Cap. 3 (http://www.abennacional.org.br/revista/cap3.2.html.

Leia mais

O QUE CONTA É A QUALIDADE DO PESO E NÃO A QUANTIDADE Pode parecer magro e afinal estar obeso!!!

O QUE CONTA É A QUALIDADE DO PESO E NÃO A QUANTIDADE Pode parecer magro e afinal estar obeso!!! O QUE CONTA É A QUALIDADE DO PESO E NÃO A QUANTIDADE Pode parecer magro e afinal estar obeso!!! Por Personal Trainer Rui Barros PESO / ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL VS. PESO IDEAL O peso ideal é aquele

Leia mais