A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes:"

Transcrição

1 ANÁLISE CUSTO/VOLUME/LUCRO Sabe-se que o processo de planejamento empresarial envolve a seleção de objetivos, bem como a definição dos meios para atingir tais objetivos. Neste sentido, cabe assinalar que a maximização dos lucros constitui o objetivo mais relevante e clássico de qualquer organização empresarial com fins de lucro. Contudo, o lucro é uma variável-resultado, ou seja, é a conseqüência final da gestão empresarial, para qual concorrem muitas outras variáveis tais como receitas, custos, despesas, volume ou nível de atividade etc. Por esta razão, para a alta administração das organizações empresariais, é de vital importância dispor de uma técnica de análise que permita estudar os inter-relacionamentos entre as variáveis acima mencionadas, bem como a influência das mesmas em relação ao lucro., Tal técnica existe e é conhecida como Análise de Custo-Volume-Lucro, doravante denotada por ACVL. A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes: a) Os preços de venda permanecerão constantes para qualquer nível de atividade ou, em outras palavras, não há interdependência entre o preço unitário e o volume de produção. Este suposto garante que a receita será uma função linear, que dependerá apenas do volume de vendas e, conseqüentemente, poderá ser representada, graficamente, por uma reta. b) Todos os custos e despesas podem ser decompostos em uma parte fixa e outra variável ou, em outras palavras, qualquer custo e/ou despesa poderá ser classificado como custo ou despesa variável, ou como custo ou despesa fixo. Este suposto inclui os custos e despesas semi-variáveis ou semi-fixos, os quais deverão ser decompostos para efeitos da análise. c) O montante dos custos fixos permanecerá constante para qualquer nível de atividade, ou seja, os custos fixos totais independem do volume de produção. É importante salientar que este suposto diz respeito aos custos fixos totais e não aos custos fixos por unidade, dado que, neste último caso, haverá uma relação inversamente proporcional entre o volume de produção e o custo fixo por unidade. d) O montante dos custos variáveis será diretamente proporcional ao volume de produção ou, em outras palavras, será uma função linear que dependerá apenas do nível de atividade, e poderá ser representado por uma linha reta. Igual ao caso anterior, este suposto refere-se aos custos variáveis totais e não aos custos variáveis unitários, dado que, estes últimos, deverão permanecer constantes para qualquer nível de atividade. e) Os preços dos insumos permanecerão constantes para qualquer volume de compras ou, em outras palavras, não haverá interdependência entre o preço unitário dos insumos e a quantidade de insumos comprados e/ou utilizados. f) Durante o período de tempo correspondente ao horizonte de planejamento, não haverá mudanças na política administrativa, no processo produtivo, na eficiência de homens e máquinas, nem no controle de custos. Este suposto garante que o comportamento dos custos e despesas não sofrerá modificações durante o período de planejamento.

2 g) No caso de empresas multiprodutoras, a participação dos diversos produtos na receita total, durante o período de planejamento, obedecerá a uma relação predeterminada. Este suposto garante que a participação de cada produto na receita total, permanecerá constante, mesmo que a receita aumente ou diminua. h) O volume de produção e o volume de vendas apresentarão um alto grau de sincronização, isto é, não haverá mudanças significativas dos níveis de inventário. É evidente que a validade de alguns supostos é maior do que a de outros, e que esta validade diminui, em geral, gradativamente na medida que o horizonte de planejamento é maior. Por esta razão, é importante que quem efetua, ou interpreta, a ACVL, tenha presente os supostos a fim de compreender suas limitações. A ACVL pode ser utilizada com sucesso para subsidiar a tomada de decisões, bem como para auxiliar os processos de planejamento e controle empresariais. Entre as decisões que podem ser abordadas satisfatoriamente por esta técnica cabe mencionar, por exemplo, decisões de fabricar ou comprar, substituição de equipamentos, decisões de fechamento de empresas, introdução de novas linhas de produtos e/ou eliminação de outras, determinação de preços de venda etc. Em relação ao planejamento e controle empresariais, a ACVL fornece importantes subsídios que facilitam a elaboração de orçamentos, bem, como a projeção do lucro, dado que a análise supõe conhecido o comportamento dos custos e despesas, em relação ao nível de atividade, o qual constitui um requisito indispensável para a elaboração de qualquer orçamento. Finalmente, cabe salientar que a ACVL pode ser aplicada tanto em empresas industriais, quanto em empresas de serviços, públicas ou privadas, com fins lucrativos ou sem eles. SUPOSIÇÕES DA ANÁLISE CUSTO-VOLUME-LUCRO A análise CVL está baseada num conjunto de suposições que limitam suas conclusões e especificações: Preço de venda não se altera com a quantidade vendida; A empresa trabalha com um único produto; Os custos podem ser segregados em fixos e variáveis e o comportamento destes obedece a uma expressão linear; A produtividade e eficiência são constantes; A quantidade produzida é igual à quantidade vendida. Formação de resultado diante do comportamento dos custos fixos e variáveis A análise do comportamento dos custos, diante de parâmetros definidos, tais como volume de produção ou outras medidas físicas, constitui relações objetivas nos modelos de planejamento, controle e tomada de decisões. Alguns custos são tradicionalmente identificáveis, como, por exemplo, o custo de material direto, que possui comportamento

3 bastante definido em relação às unidades produzidas, o que denominamos de custo variável. Os custos variáveis mudam em proporção às mudanças no nível de produção. Os custos fixos são aqueles que, durante períodos de tempo, não se alteram em função do volume de produção. É o caso do salário do chefe da fábrica, que não varia em função da produção ou do volume de vendas. O fator crítico para compreender o comportamento dos custos é reconhecer que os gestores devem conhecer sua demanda efetiva antes de comprometer o suprimento dos recursos. A representação gráfica dos custos é a seguinte: Custo Total Custo Variável Volume de produção e venda Custo Fixo Para uma avaliação de resultados em função do comportamento dos custos, os gestores devem saber qual o nível de produção que gerará receita necessária e suficiente para a cobertura dos custos totais. Denomina-se PONTO DE EQUILÍBRIO o nível em que o volume de vendas se iguala aos custos totais, ou seja, o ponto em que o lucro se iguala a zero. A análise Custo Volume Lucro identifica como o lucro e os custos irão se alterar com a mudança do volume. Mais especificamente, observa os efeitos no lucro das mudanças de fatores como custos fixos, variáveis, preços de venda etc. Esse estudo pode ser útil nas decisões de planejamento e controle da empresa A análise do ponto de equilíbrio é uma parte da análise CVL e determina o nível de vendas em que os custos serão iguais às receitas. A análise poderá responder a questões como: Qual o volume de vendas exigido para o ponto de equilíbrio? Qual o nível de vendas para obter determinado lucro desejado? Qual o lucro que pode ser esperado para um dado nível de vendas? Como a mudança no preço de vendas, nos custos variáveis, nos custos fixos ou na quantidade irá afetar os lucros?

4 Além dos conceitos de custos fixos e de custos variáveis, é preciso conhecer os seguintes conceitos: Margem de contribuição Total (MC): diferença entre a receita de vendas (R) e os custos variáveis (V). A margem de contribuição deve ser superior aos custos fixos para que a empresa possa estar operando com lucro. MC = R CV Margem de contribuição unitária (Mcu): diferença entre o preço de venda do produto (p) e os custo variável unitário (v). Representa quanto cada unidade adicional de um produto que é vendido pela empresa contribui para o aumento no lucro. Simbolicamente: Mcu = p v. Taxa da Margem de contribuição: representa a relação entre a margem de contribuição e as receitas de vendas isto é: % MC = MC/R %MC = Mcu/p O ponto de equilíbrio representa a quantidade que a empresa deve vender para ter um lucro igual a zero. A análise do ponto de equilíbrio pode ser feita por meio da expressão matemática ou por meios gráficos. Sua expressão encontra-se baseada nos conceitos, desenvolvidos anteriormente, de custos variáveis e fixos e variações desses custos a mudanças no volume de atividades. Representação gráfica das relações de Custo-volume-lucro De acordo com os pressupostos que foram destacados anteriormente, sob os quais se estrutura a ACVL, é possível representar por meio de linhas retas cada um dos custos incorridos na empresa, assim como as receitas obtidas pela venda de seus produtos. Com este objetivo, representar-se-á esta situação em um sistema de coordenadas, onde, no eixo das abscissas, figuram os diversos níveis de atividades (volume), medidos sobre uma certa base dada e, no eixo das ordenadas, representam-se tanto os custos quanto as receitas.

5 Custo e Receitas Receita Custo Total Ponto de equilíbrio Lucro Custo Variável Prejuízo Custo Fixo Volume de produção e vendas A análise do ponto de equilíbrio baseia-se na decomposição dos custos fixos e variáveis. A equação do custo pode ser descrita da seguinte forma: CT = CF + CV Em que: CT = custo total CF = custo fixo CV = custo variável CV = cv x q Se a produção de Q unidades é vendida ao preço de $ P por unidades, a receita de unidades totaliza P x Q. O lucro dessa operação é dado pela seguinte operação: Receita = P x Q Lucro = R CT Podendo ser também: Lucro = Margem de contribuição total Custo Fixo A diferença (P V) entre o preço e o custo variável unitário é definida como margem de contribuição unitária. Esse é o montante com que cada unidade produzida e

6 vendida contribui para cobrir os custos fixos e obter lucro. A equação do lucro fica da seguinte forma: Lucro = Margem de contribuição Unitária x Produção em Unidades Custos Fixos Para determinar o ponto de equilíbrio em unidades (Q), considere-se o lucro igual a zero: Peq = CF PV C V PONTO DE EQUILÍBRIO EM UNIDADES = CUSTOSFIXOS MARGEMDECONTRIBUIÇÃOUNITÁRIA A análise do ponto de equilíbrio pode ser utilizada quando precisamos determinar o nível de produção necessário para atender à expectativa de um lucro predeterminado, um lucro meta (LM). Assim, a equação do lucro fica da seguinte forma: Peq = CF PV + LM CV Peq= CUSTOSFIXO S + LUCROMETA MARGEMDECONTRIBUIÇÃOUNITÁRIA Existe uma segunda situação, que a determinação do lucro desejado é dada como percentual das vendas: Peq = CF MCu %. p Para demonstrar essas duas situações, considere os seguintes números apresentados (preço = $ 20,00; custo variável unitário = $ 12,00; e custo fixo = $ 5.000). Na primeira situação, suponha um lucro de $ Nesse caso, a quantidade necessária para obter esse valor é dada por: Peq= = 8.000/8,00 = 1.000unidades

7 Comprovando: Unitário Quantidade Valor total Receita de vendas 20, ,00 Custos Variáveis 12, ,00 Margem de 8, ,00 contribuição Custos Fixos 5.000,00 Lucro 3.000,00 Suponha que a empresa deseje obter 20% de lucro sobre as vendas. Nesse caso, a quantidade necessária de vendas seria dada por: PeqLM% = = 8,00 0,20x20, / 4,00 = 1.250unidades Comprovando: Unitário Quantidade Valor total Receita de vendas 20, ,00 Custos Variáveis 12, ,00 Margem de 8, ,00 contribuição Custos Fixos 5.000,00 Lucro 5.000,00 O ponto de equilíbrio é determinado pela divisão dos custos fixos pela Margem de contribuição unitária. Entender o comportamento dos custos facilita a análise de determinação do nível de operação provável para maximizar os lucros. Ponto de Equilíbrio em unidades monetárias O ponto de equilíbrio pode ser expresso tanto em unidades físicas quanto em unidades monetárias. No segundo caso, o ponto de equilíbrio corresponde à receita de vendas que permite, exatamente, dar cobertura aos custos fixos e variáveis. No caso de empresas mono-produtoras, o cálculo do ponto de equilíbrio em unidades monetárias torna-se extremamente simples se conhecido o ponto de equilíbrio em unidades físicas. PEQ$ = p x PEQ Porém, em empresas multi-produtoras é impossível utilizar a expressão anterior dado que, como será visto posteriormente, o ponto de equilíbrio em unidades físicas só

8 pode ser determinado depois de calcular o ponto de equilíbrio em unidades monetárias. Por esta razão, é interessante aproveitar a simplicidade que caracteriza o caso de empresas mono-produtoras, a fim de deduzir uma expressão que permita determinar o ponto de equilíbrio em unidades monetárias, sem necessidade de conhecer previamente o ponto de equilíbrio em unidades físicas. Sabe-se que: Peq$ CF 1 cv / p Análise de Custo-Volume-Lucro em Empresas Multi-produtoras Até agora tem sido apresentada a análise de custo-volume-lucro para empresa que fabricam só um produto. Porém, a ACVL pode ser aplicada também, em empresas que fabricam mais de um produto. No caso de empresas multi-produtoras será necessário calcular, primeiramente, o ponto de equilíbrio expresso em unidades monetárias para, posteriormente, determinar o ponto de equilíbrio em unidades físicas. A necessidade de observar esta seqüência tem sua origem na impossibilidade de expressar o volume total de vendas em unidades físicas, porque os produtos fabricados pela empresa não necessariamente apresentam a mesma unidade de medida. A primeira dificuldade no caso da produção múltipla, é que cada um dos produtos fabricados pela empresa terá seu próprio preço de venda, sua própria razão de contribuição e seu próprio custo variável unitário e, portanto, pode-se ter tantas razões de contribuição diferentes quanto produtos fabricados pela empresa. Os produtos então contribuirão em distintas proporções para cobrir os custos fixos, conforme os volumes de venda de cada um deles. Por esta razão, deve-se determinar uma Razão de Contribuição Ponderada, para o qual é preciso conhecer, além da razão de contribuição de cada produto, que parte da receita total de vendas da empresa é originada pela venda de cada um dos produtos que se fabricam, ou seja, é preciso conhecer a composição das vendas. Pontos de Equilíbrio Contábil, Econômico e Financeiro Ponto de equilíbrio contábil Seja ainda a empresa do exemplo anterior em que o Preço de venda = R$ 0,60/u Custos variáveis = R$ 0,50/u Custos fixos = R$ 6.000,00 por ano

9 Então, Ponto de equilíbrio contábil = CF 6.000/ ano = = u / anoour$36.000,00/ anodevendas pv cv 0,60/ u 0,50 A fórmula do ponto de equilíbrio tal como deduzido anteriormente, que é o ponto onde o lucro é igual a zero, representa pois o ponto de equilíbrio contábil. Ponto de equilíbrio econômico Supondo que a empresa tenha tido um patrimônio líquido, no início do ano, de R$ ,00 e colocado a render um mínimo de 10% ao ano tem-se um lucro líquido anual desejado de R$ 2.000,00. Nesse caso, então, ao custo fixo deverão ser adicionados R$ 2.000,00, pois, no caso, o equilíbrio de receitas e despesas só se dará no ponto de lucro igual a R$ 2.000,00 e não no do lucro igual a zero, como no caso clássico. Ponto de equilíbrio econômico = CF + LUCRODESEJADO = = u / anoour$48.000,00/ anodevenda pv cv 0,60 0,50 Ponto de equilíbrio Financeiro Supondo, por outro lado, que exista uma depreciação de R$ 1.000,00 e como não representam desembolsos de caixa, tudo se passa como se os desembolsos fixos fossem de apenas R$ 5.000,0 Ponto de equilíbrio financeiro = CF = = u / anoour$30.000,00/ anodevendas pv cv 0,60 0,50 Limitações da Análise de Custo-Volume-Lucro As limitações da análise do custo-volume-lucro se originam, fundamentalmente, a partir dos pressupostos nos quais se baseia. A análise supõe uma situação estática, a qual não pode manter-se por muito tempo, posto que são muitas as variáveis que, em definitiva, determinam o comportamento dos custos e, em conseqüência, qualquer mudança que elas experimentam significará uma mudança na estrutura de custo-volume-lucro. Além disto, a relação existente entre custos, volume e lucro, está estreitamente vinculada ao nível de atividade que a empresa apresenta num determinado momento, e não se pode esperar que ela se mantenha constante perante flutuações consideráveis no nível de

10 atividade, visto que o comportamento dos custos deixa de ser linear por causa de descontos, aumento de desperdícios, tempo ocioso, baixa produtividade etc. Outra das limitações que deve ser ressaltada, diz respeito à forma como se costuma representar graficamente as relações custo-volume-lucro. Via de regra, as retas de receitas e custos totais se traçam desde a origem. Contudo, a um certo nível de atividade, inferior ao ponto de fechamento, a empresa não deve continuar operando posto que, neste caso, os prejuízos que sofreria seriam maiores aos que ocorreriam se optasse pelo fechamento da empresa. Por outro lado, à direta do gráfico, o traçado de retas de receitas e custos deixam a impressão de que se poderia prolongar sem limite. Porém, este prolongamento está limitado, logicamente, pela capacidade instalada da empresa. Alem disto, dentro dos limites máximo e mínimo, ou seja, capacidade instalada e ponto de fechamento, haverá um intervalo relevante para o qual será válida a relação custovolume-lucro, dado que, fora deste intervalo, se produzirão distorções significativas no comportamento dos custos, o que implicará numa alteração de dita relação. Imagine, para efeito de exemplificação, que uma pizzaria com entrega em domicílio, especializada em pizzas de mussarela, vende seu produto a $ 10 a unidades e que tenha projetado seus custos para uma produção mensal entre e unidades. Itens se custo Estimativa de unid. Farinha $ Tomates $ Mussarela $ Fermento $ Outros ingredientes $ Pessoal de cozinha $ Pessoal de entrega $ Aluguel $ Publicidade $ Custo totais $ O segundo passo é identificar quais são os custos fixos e os custos variáveis. O custo variável total de cada item deverá ser dividido pela quantidade produzida para se determinar o custo variável unitário.

11 Assim, tem-se: Itens Tipo de custo Custo Fixo Custo Variável unit. Farinha Variável $ 0,31 Tomates Variável $ 0,20 Mussarela Variável $ 0,25 Fermento Variável $ 0,15 Outros Ingredientes Variável $ 0,30 Pessoal de cozinha Fixo $ Pessoal de entrega Variável $ 0,20 Aluguel Fixo $ Publicidade Fixo $ Total $ $ 1,41 A margem de contribuição por pizza de mussarela é calculada pela diferença entre preço unitário de venda e o custo variável unitário (pv cv) Margem de Contribuição Unitária = $ 10 - $ 1,41 Margem de Contribuição Unitária = $ 8,59 O ponto de equilíbrio (PE) em unidades de pizza é determinado pela divisão dos custos fixos pela margem de contribuição unitária: PE q= CustoFixo M argemdecontribuição PE q= $6.500 = $8, pizzas R = CT pv. q = cvu. q 10, x 757 = 1,41 x = 1.067, = 7.567,37 Assim para cobrir os custos e igualar o lucro a zero, deverão ser produzidas e vendidas ao menos 757 pizzas. Se vender mais, obtém lucro; vendendo menos que 757 unidades, tem prejuízo. Comprovando:

12 Unitário Quantidade do Peq Total R$ Receita de vendas $ 10,00 757u Custos Variáveis $ 1,41 757u 1067,37 Margem de $ 8, ,63 contribuição Custos Fixos 6.500,00 Lucro operacional 2,63 Quantas pizzas deverão ser produzidas e vendidas por mês para gerar um lucro de $ ? Lucro Meta = $ PE q = PE q = CustoFixo + LucroMeta M argemdecontribuição $ $ = $8, pizzas Para gerar um lucro de $ , deverão ser produzidas e vendidas pizzas por mês. Demonstrando: Unitário Quantidade Valor total R$ Receita de vendas R$ 10, u Custos Variáveis R$ 1, u 4.349,85 Margem de R$ 8, ,15 Contribuição Custo Fixo Lucro Operacional ,15 R = CT pv. q = cvu. q 10, x 3085= 1,41 x ( ) = 4.349, = ,85 Entender a relação entre a produção e seus respectivos custos permite que os gestores desenvolvam modelos de planejamento e executem a análise do ponto de equilíbrio. Essa análise é importante para avaliar as alternativas da empresa às mudanças na lucratividade com as mudanças nos níveis das atividades de produção e vendas

13 FAÇA UMA SÍNTESE DESTE CONTEÚDO. EM SALA DE AULA PROCURE FAZER EM CASA UMA SIMULAÇÃO IGUAL AO EXEMPLO DA PIZZA. IREI DEIXAR POR CONTA DA SUA CRIATIVIDADE, PODERÁ FABRICAR BOLOS, CHOCOLATES, PIZZAS, PRATOS COMUNS OU QUALQUER OUTRO ELEMENTO QUE VOCÊ TENHA CONHECIMENTO. VOCÊ IRÁ ESTIMAR CUSTOS VARIÁVEIS E FIXOS PARA A PRODUÇÃO DE 100 UNIDADES. OK! Itens se custo Estimativa de 100 unid. Custo totais

14 EXERCÍCIOS 1.Com os dados a seguir, calcular o ponto de equilíbrio em quantidades: Preço de venda unitário $ Margem de contribuição unitária $ 400 Custo Fixo Total $ Com base nos dados da questão anterior, quantas unidades deveriam ser vendidas para que o lucro líquido fosse de $ ? 3. Uma empresa industrial apresentou os seguintes custos, relativos a um período de produção: Vendas totais $ ,00 Custos Fixos $ ,00 Custos Variáveis $ ,00 Lucro líquido do exercício $ ,00 Logo, a margem de contribuição total é de: a. ( ) $ ,00; b. ( ) $ ,00; c. ( ) $ ,00; d. ( ) $ , Uma indústria de transformação completou a fabricação de réguas, ao custo total de produção no valor de $ ,00. Entretanto, 600 unidades do produto foram refugada e consideradas como perdas totais do período. Considerando que a empresa efetua o custeamento das perdas pelos produtos acabados, verificamos que o custo unitário final do produto acabado foi de: a. ( ) $ 81,42; b. ( ) $ 95,00; c. ( ) $ 49,99; d. ( ) $ 41,00. 5.Formiga e Thiago Ltda. Produz um único tipo de calçado, cujo preço de venda unitário é de $ 1.400,00 cada par. Seus custos primários (diretos) somam $ 600,00 cada par e os custos fixos da empresa alcançaram, no mesmo período, o valor total de $ ,00. A quantidade de pares de calçados que a empresa deve produzir para atingir o ponto de equilíbrio é de: a. ( ) 450 pares; b. ( ) 257 pares;

15 c. ( ) 600 pares; d. ( ) 572 pares. 6.Com os mesmos dados da questão n. 6, quantos pares de calçados deverão ser vendidos para a empresa cobrir os custos mencionados e obter ainda um lucro total de $ ,00. a. ( ) 800 pares b. ( ) 350 pares; c. ( ) 600 pares; d. ( ) 430 pares. 7. Assinale o conceito correto; a. ( ) A margem de contribuição unitária é constituída pelo custo variável unitário mais a parcela de absorção dos custos fixos por unidade. b. ( ) A contribuição de cobertura corresponde à diferença entre o preço de venda de cada produto e o custo do mesmo, calculado pelo custeio por absorção. c. ( ) No ponto de equilíbrio, a empresa atinge nível de vendas suficientes para recuperar seus custos fixos e variáveis. 8.Assinale a alternativa que contém um conceito correto: a. ( ) Quando ocorre alteração dos custos variáveis, mantendo-se iguais os custos fixos e a receita de venda, a margem de contribuição também se altera. b. ( ) No ponto de equilíbrio, a empresa atinge o equilíbrio financeiro, ou seja, não apresenta obrigação vencida, pendente de pagamento. c. ( ) A contribuição de cobertura é a diferença positiva entre o preço de venda e os custos fixos da empresa industrial. Dados para responder as questões n.ºs 09 a 11 Informações: Custos Fixos: $ Custo variável unitário $ 300 Receita unitária $ O ponto de equilíbrio é igual a: a. ( ) 2.000unidades b. ( ) 1.000unidades c. ( ) 2.500unidades

16 d. ( ) 1.200unidades 10.A receita total no ponto de equilíbrio é de: a. ( ) $ ; b. ( ) $ ; c. ( ) $ ; d. ( ) $ O lucro, no ponto de equilíbrio, é de a. ( ) zero; b. ( ) $ ; c. ( ) $ ; d. ( ) $ Se a quantidade do ponto de equilíbrio passar para unidades, o lucro será de: a. ( ) $ ; b. ( ) $ ; c. ( ) $ ; d. ( ) $

17 REFERÊNCIAS CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso básico de contabilidade de custos. São Paulo: Atlas, 1999.

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Aula Escrita Gestão de Custos

Aula Escrita Gestão de Custos Aula Escrita Gestão de Custos Uma das maiores dificuldades da precificação baseada em custo é o próprio cálculo do custo propriamente dito. A contabilidade possui basicamente dois modelos: absorção e variável.

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

Custeio Variável e Margem de Contribuição

Custeio Variável e Margem de Contribuição Tema Custeio Variável e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professora Pós-graduação MBA em Engenharia da Produção Custos Industriais Custeio Variável e Margem de Contribuição Luizete

Leia mais

Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição

Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição O que é Margem de Contribuição? Quais as técnicas para o cálculo da Margem de Contribuição? Qual a diferença entre a Margem de Contribuição

Leia mais

PLANEJAMENTO DE DESPESAS- CUSTOS INDIRETOS DE PRODUÇÃO,DESPESAS DE VENDAS E ADMINISTRATIVAS VALDIANA SILVEIRA RAFAEL MESQUITA

PLANEJAMENTO DE DESPESAS- CUSTOS INDIRETOS DE PRODUÇÃO,DESPESAS DE VENDAS E ADMINISTRATIVAS VALDIANA SILVEIRA RAFAEL MESQUITA PLANEJAMENTO DE DESPESAS- CUSTOS INDIRETOS DE PRODUÇÃO,DESPESAS DE VENDAS E ADMINISTRATIVAS VALDIANA SILVEIRA RAFAEL MESQUITA PLANEJAMENTO E DESPESAS O controle de custos deve estar associado a programas

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Unidade II MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Receita Total A receita é o valor em moeda que o produtor recebe pela venda de x unidades do produto produzido e

Leia mais

LL = Q x PVu Q x CVu CF

LL = Q x PVu Q x CVu CF UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ANÁLISE FINANCEIRA 2745 CARGA HORÁRIA: 68 PROFESSOR: MSc Vicente Chiaramonte

Leia mais

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação 1 Alguns conceitos de custos... gasto, despesa ou custo? Gasto: Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou qualquer serviço 1. Investimento: Gasto ativado em função

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Unidade II PREÇO E RECEITA TOTAL.1 Definição Receita é o valor em moeda que o produtor recebe pela venda de X unidades do produto produzido e vendido por ele. Consideremos

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

ANÁLISE CUSTO-VOLUME-LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA UMA MICRO EMPRESA DO SETOR VAREJISTA

ANÁLISE CUSTO-VOLUME-LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA UMA MICRO EMPRESA DO SETOR VAREJISTA ANÁLISE CUSTO-VOLUME-LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA UMA MICRO EMPRESA DO SETOR VAREJISTA LAERCIO ROGERIO FRIEDRICH (UNISC ) laerciof@unisc.br Denise Swarowsky (UNISC ) deniseswarowsky@yahoo.com.br

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS

CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS Bruni & Fama (2007), explicam que a depender do interesse e da metodologia empregada, diferentes são as classificações empregadas na contabilidade de custos. Os sistemas,

Leia mais

www.analise-grafica.com SIMULAÇÃO DE VIABILIDADE DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO

www.analise-grafica.com SIMULAÇÃO DE VIABILIDADE DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 Olá! Tudo Bem? JOSÉ CARLOS GONÇALVES falando! Muito Obrigado por ter comprado este infoproduto! Espero que você tenha lido o e-book GERIR CUSTOS & FORMAR PREÇOS que disponibilizei

Leia mais

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO DE EQUILÍBRIO DE UMA EMPRESA

ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO DE EQUILÍBRIO DE UMA EMPRESA ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO O que é Ponto de Equilíbrio? Quais são as hipóteses consideradas para análise do Ponto de Equilíbrio? Como determinar as várias modalidades do Ponto de Equilíbrio? Como elaborar

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, ICMS PE 2014: Resolução da prova de Hoje farei alguns comentários acerca da prova da Secretaria

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Roberto Biasio. Resumo:

Roberto Biasio. Resumo: ANÁLISE DAS RELAÇÕES CUSTO-VOLUME-LUCRO: TÉCNICAS E MODELOS MATEMÁTICOS PARA CALCULAR O PONTO DE EQUILIBRO E AS SUAS ALTERAÇÕES EM EMPRESAS MULTIPRODUTORAS Roberto Biasio Resumo: O estudo apresenta conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Custos para Tomada de Decisões Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Exemplo Planilha de Custos Quantidade Vendida 10.000 12.000 Item de Custo

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

MATEMÁTICA PARA NEGÓCIOS - GST1075 Semana Aula: 1 Aula 1. Função Custo. Objetivos

MATEMÁTICA PARA NEGÓCIOS - GST1075 Semana Aula: 1 Aula 1. Função Custo. Objetivos MATEMÁTICA PARA NEGÓCIOS - GST1075 Semana Aula: 1 Aula 1. Função Custo. Objetivos Ao final desta aula, o aluno deverá ser capaz de: Diferenciar o custo fixo do custo variável. Determinar a função custo

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Ponto de Equilíbrio Contábil

Ponto de Equilíbrio Contábil CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Viviane da Costa Freitag 3. ANÁLISE CUSTO X VOLUME X LUCRO A análise da relação Custo x Volume x Lucro, busca apresentar o comportamento dos custos e do lucro em função do

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente.

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente. CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade Gerencial CUSTO PADRÃO O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a empresa pode se beneficiar

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br Custos... afinal, o que é isto? São essencialmente medidas monetárias dos sacrifícios com os quais uma organização tem que

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira

1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira 1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira É o ramo da matemática que tem como objeto de estudo o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Avalia-se a maneira como este dinheiro

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Procuramos com este trabalho de resolução dos 10 (dez) exercícios propostos no site: http://www.fabianocoelho.com.br, levar aos alunos, de maneira simples e didática os cálculos

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Centro Universitário Padre Anchieta CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Professor: Josué Centro Universitário Padre Anchieta 1. INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 1 do Livro Suficiência

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Modelagem e Decisão Planilhas Eletrônicas

Modelagem e Decisão Planilhas Eletrônicas Modelagem e Decisão Planilhas Eletrônicas Modelagem e Decisão (07181) Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis (ICEAC) Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Introdução Objetivo

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Capítulo 5. Custo de Produção

Capítulo 5. Custo de Produção Capítulo 5 Custo de Produção 1. Custos de Produção i. Conceito: os custos de produção são os gastos realizados pela empresa na aquisição dos fatores fixos e variáveis que foram utilizados no processo produtivo;

Leia mais

Bases para o conhecimento de custos

Bases para o conhecimento de custos capítulo 1 Bases para o conhecimento de custos OBJETIVO O objetivo deste capítulo é apresentar os principais conceitos relacionados a custos, possibilitando ao leitor: identificar os métodos de custeio

Leia mais

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS Custos Industriais e Custos Não Industriais Custos controláveis e não controláveis Custos

Leia mais

Análise de Custos 2014

Análise de Custos 2014 Análise de Custos 2014 Marcelo Stefaniak Aveline Análise de Custos 2014 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Apresentação da Disciplina EMENTA Esta disciplina trata da definição de custos, da análise de custos e

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

KA-dicas. Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir!

KA-dicas. Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir! KA-dicas Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir! Os KA-dicas são mini e-books com dicas rápidas e práticas para que você e sua equipe possam aplicar no seu dia a dia. Para mais, acesse nosso

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Os Custos de Produção Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Medição de Custos: Quais custos considerar? Custos no Curto Prazo Custos no Longo Prazo Mudanças Dinâmicas nos Custos:

Leia mais

A RELAÇÃO DE CUSTO/VOLUME/LUCRO: UM ESTUDO EM UMA INDÚSTRIA METALÚRGICA DO MUNICÍPIO DE SINOP - MT

A RELAÇÃO DE CUSTO/VOLUME/LUCRO: UM ESTUDO EM UMA INDÚSTRIA METALÚRGICA DO MUNICÍPIO DE SINOP - MT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Esquema Básico da Contabilidade de Custos

Esquema Básico da Contabilidade de Custos Tema Esquema Básico da Contabilidade De Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Engenharia de Produção Custos Industriais Esquema Básico da Contabilidade de Custos Luizete Aparecida Fabbris Kenedy

Leia mais

COMO REDUZIR CUSTOS NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

COMO REDUZIR CUSTOS NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMO REDUZIR CUSTOS NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS! Como determinar consistentemente a redução de custos possível na ampliação de um contrato de prestação de serviços! Utilizando a velha fórmula do ponto de

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE

Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE Divonsir de Jesuz da Silva Dutra (CEFET-PR) Dr. Kazuo Hatakeyama (CEFET-PR)

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANOTAÇÕES DE AULA: PARTE I DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS II 5º PERIODO- 2014_2 PROF. JOCIMAR D. PRADO, MS E MAIL: JECONTPRADO@GMAIL.COM

Leia mais

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA CAP. b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA A influência do Imposto de renda Do ponto de vista de um indivíduo ou de uma empresa, o que realmente importa, quando de uma Análise de investimentos, é o que se ganha

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

1. NECESSIDADE DE UM SISTEMA DE CUSTEIO

1. NECESSIDADE DE UM SISTEMA DE CUSTEIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

ENTENDENDO CUSTOS, DESPESAS E PREÇO DE VENDA

ENTENDENDO CUSTOS, DESPESAS E PREÇO DE VENDA ENTENDENDO CUSTOS, DESPESAS E PREÇO DE VENDA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 CENÁRIO ATUAL O mercado cada vez mais competitivo. Preocupação dos empresários com seus custos. Política

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais