ETHOPOIÉSIS E HEAVY METAL: Subjetivação e consumo na cena de Natal-RN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETHOPOIÉSIS E HEAVY METAL: Subjetivação e consumo na cena de Natal-RN"

Transcrição

1

2 JÉSSICA DA SILVEIRA MESSIAS ETHOPOIÉSIS E HEAVY METAL: Subjetivação e consumo na cena de Natal-RN Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), como exigência para a obtenção do título de Mestre em Ciências Sociais. Orientador: Prof. Dr. Alexsandro Galeno Araújo Dantas NATAL 2013

3 JÉSSICA DA SILVEIRA MESSIAS ETHOPOIÉSIS E HEAVY METAL: Subjetivação e consumo na cena de Natal-RN Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), como exigência para a obtenção do título de Mestre em Ciências Sociais. Aprovada em: / / BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Alexsandro Galeno Araújo Dantas (PPGCS/UFRN) Orientador Prof. Dr. Orivaldo Pimentel Lopes Júnior (PPGCS/ UFRN) Profª. Drª. Rosamaria Luiza de Melo Rocha (PPGCOM/ESPM)

4 AGRADECIMENTOS Inicialmente, gostaria de avisar àqueles que estão acostumados com agradecimentos de um parágrafo, ou que acham entediante lê-los, que eu costumo ser prolixa nessa parte, então, sintam-se à vontade para pulá-la. Escrever os agradecimentos que representam uma fase que se encerra agora, mas que durou dois anos, é algo muito prazeroso, pois traz à tona várias boas lembranças! Em primeiro lugar, acho que devo agradecer ao Heavy Metal e as Ciências Sociais, pelo papel importante que têm em minha vida e por terem se entrelaçado de tal maneira, possibilitando o surgimento desse trabalho. Minha família também merece lugar de destaque nesses agradecimentos. Meu pai, que detesta Heavy Metal, (assim como eu detesto o Nelson Gonçalves dele) por todo o apoio e carinho e por ser um pai orgulhoso, que sai espalhando aos quatro ventos que a filha dele, aos 23 anos, está terminando o mestrado. Meu irmão, que começou a ouvir Metal junto comigo. Geralmente, irmãos costumam brigar, mas nós não, nos amamos muito e não desgrudamos um do outro. Obrigada, Yuri, por ter lido o trabalho (meio a contragosto, no início, subornado com um pouco de videogame...) e por todo o apoio e carinho. E, finalmente, obrigada a minha mãe querida que, como eu falei nos agradecimentos da minha monografia, é meu anjo! Não tenho palavra melhor para defini-la! Meu anjo que sempre está comigo, me protegendo, cuidando de mim e que fala: Põe aquela música daquela banda que eu gosto. (Risos) Amo vocês! Agradeço à amiga Martha Isabelle, que sempre está lá quando eu preciso, seja para o que for! Inclusive, para ler minha dissertação, subornada com cookies e sorvete. Amigos de verdade são assim e eu espero que você saiba que pode contar comigo para

5 tudo, assim como eu também conto com você! Já que estou falando das pessoas que se deram o trabalho de ler minha dissertação, agradeço logo à amiga Larissa, que estará comemorando aniversário no mesmo dia que eu, na minha defesa. Obrigada por ter lido e me ajudado a revisar! Espero que tenha gostado de ser subornada com a comida da minha mãe! (Risos) Aproveito para agradecer ao chato do Gilson (brincadeira), por ter lido uma parte do terceiro capítulo e dado sua opinião. Mesmo que tenha sido aos trancos e barrancos... acho que você demorou a ler porque não teve suborno! (Risos) Agradeço as amigas Jacilda e Jossana que, mesmo não estando tão presentes durante o processo da escrita, por estarem ocupadas com suas graduações, sempre me apoiaram com sua amizade e carinho. Afinal, 8 anos de amizade, quase 9, não são pra se desconsiderar! Amo vocês! Aos meus amigos espalhados pelo país (principalmente em São Paulo) por tudo o que vocês representam pra mim! Valéria (morrr!), Dayt, Bimy, Maga, Yara, Grack, Victor, Douglas, Iris, Rafa (que nunca levou o famoso doce, pra eu provar!) e o Anderson. Gostaria também de agradecer a cidade de São Paulo, por ter acolhido tão bem essa carioca que vos fala. Todas as vezes que fui a São Paulo foram mágicas! Devo muito disso a Val, que facilitou demais todas as minhas estadias, me acolhendo em seu lar e se transformando em uma das pessoas mais queridas nesse mundo, para mim. Uma de minhas melhores amigas! Agradeço também ao meu Alexis Sawyer, sabor maçã verde, por tudo que houve e tudo que haverá! Amo todos vocês também! Os eventos que participei em 2012 também significaram muito para mim e para o meu trabalho. O II SIEP consumo, na PUC de São Paulo, o VI ENEC e II Encontro Luso-Brasileiro de Estudos sobre o Consumo, que ocorreram simultaneamente no Rio de Janeiro, organizados pela ESPM. E o I Encontro Nacional da Rede de Grupos de Pesquisa em Comunicação, organizado pelo Filocom, em São Paulo também, belíssimo

6 evento! (Parabéns mais uma vez, Lauren!) Em cada um desses eventos, eu pude perceber que o meu trabalho foi muito bem aceito. Tive a oportunidade de apresentá-lo e debater sobre ele com pessoas muito interessantes. Inicialmente, por ter escolhido estudar o Heavy Metal, imaginei que o trabalho não seria tão bem aceito como foi, preconceito bobo esse meu, não? Aos amigos Ericksen e Dayana, que sempre me acompanham nos shows de Heavy Metal e pelos quais eu tenho um grande carinho. Aos meus entrevistados, que colaboraram bastante com tudo. Ao artista, Allan Leal, que fez uma bela capa. Aos colegas da turma de mestrado, lembram-se do sufoco que enfrentamos juntos no seminário de dissertação? Agradeço também àqueles que tiveram uma participação não tão positiva na minha vida, durante esses dois anos de mestrado. Afinal, as más experiências também são engrandecedoras, a meu ver. Bom, gostaria de encerrar agradecendo a alguns professores que foram muito importantes na minha formação, desde a graduação. Primeiro ao meu orientador, Alex, que, para além da academia, se mostrou um amigo! Obrigada pelos puxões de orelha, pelos elogios e pelo processo de orientação, em geral. À professora Norma Takeuti e ao professor Eduardo Pellejero, por terem acompanhado meu trabalho desde a préqualificação, dando sempre conselhos valiosos e avaliando rigorosamente. Aos que fizeram parte da minha formação, na graduação: Alípio, Edmundo, Vitullo e Willington. Ao Orivaldo, que fará parte da banca e que é o professor do qual eu falo nas considerações finais. E também à professora Rose de Melo, por participar da banca. Espero não ter me esquecido de agradecer a ninguém, mas, se for o caso, perdoem minha memória!

7 RESUMO Nossa pesquisa visa compreender a configuração da resistência (Foucault) enquanto estilização da vida na contemporaneidade, tendo o Heavy Metal enquanto objeto de estudo específico. Acreditamos que o Metal se configure em um dispositivo ethopoiético possibilitador de práticas de liberdade frente aos hábitos morais reificados desde os primórdios da socialização do sujeito. Isso se reflete, principalmente, na criação de novas maneiras de estilizar a vida que são individuais e grupais, ao mesmo tempo. Sugerimos também uma ampliação do pensamento sobre o tema da resistência, em Foucault, tendo em vista a sociedade de consumo descrita por Zygmunt Bauman. Nossa hipótese é a de que o contato com o mundo underground do Heavy Metal é o possibilitador de novas formas éticas (Foucault), onde há a adesão e o comprometimento do sujeito com o Heavy Metal enquanto um modo de vida. A partir daí, o consumo se torna uma palavra chave, na medida em que, participar do underground do Heavy Metal - enquanto uma prática de liberdade, um modo de existência particular constitui também uma forma de consumo que foge às regras gerais do mercado, sendo um consumo diferenciado tanto na forma quanto na sua duração. Palavras-chave: Heavy Metal; Resistência; Consumo.

8 ABSTRACT Our research intends to comprehend the configuration of the resistance (Foucault) as the stylization of life in the contemporary world, taking Heavy Metal as the specific object of study. We believe that Heavy Metal is an ethopoietical device which admits practices of freedom withstanding the reified moral habits since the beginning of the socialization. This is reflected, mainly, in the creation of new individual and communal ways to stylize the life. We also suggest an expansion of Foucault s concept of resistance, considering the idea of consumer society described by Zygmunt Bauman. Our hypothesis understands that the contact with the underground of Heavy Metal provides new ethical manners (Foucault), where the individual take the Heavy Metal as a way of life. At this point, the consumption becomes a key-word since the participation in the underground of Heavy Metal is a way of consumption out of the rules of marketing a practice of freedom, a way of particular existence, being different in both mode and duration. Key-words: Heavy Metal; Resistance; Consumption.

9 SUMÁRIO Introdução Capítulo 1 Headbanger: Uma estilística de vida e resistência na contemporaneidade Resistência enquanto elaboração de novas éticas Heavy Metal: liberdade, escolha pessoal e ética Capítulo 2 Modernidade, solidez e liquidez Vida líquida e consumismo na sociedade contemporânea A experimentação de um consumo diferenciado a partir do Heavy Metal Capítulo 3 A Cena Heavy Metal, em Natal: O Heavy Metal para além dos shows Considerações Finais Anexos Referências Bibliográficas

10 Introdução Escolhi, para esta pesquisa, ter o Heavy Metal como objeto de estudo. Mais especificamente, a cena Heavy Metal na cidade de Natal RN. Faz-se mister, nesse espaço, explicitar as razões pelas quais se deu a escolha do meu objeto de pesquisa. Primeiramente, gostaria de me apresentar enquanto parte integrante dessa cena que pesquiso agora. Comecei a ouvir Heavy Metal por volta dos 14 anos de idade e, desde então, esse tipo de música, além de ter mexido comigo de uma forma diferente e mais intensa, me fez parar para observar certas idiossincrasias presentes em seus apreciadores. Eu estava diante de algo novo e de uma relação diferenciada com a música, a qual eu nunca havia observado anteriormente em outras pessoas e, muito menos, vivenciado eu mesma. Tratavam-se de pessoas singulares, de alguma forma, e isso era um fato fascinante e inegável para mim. Deu-se o primeiro contato o encantamento com a cena! A partir de então fui adentrando cada vez mais nesse universo e me apaixonando mais e mais por ele. O primeiro contato se deu no ensino médio. Posteriormente, me inseri no mundo das Ciências Sociais, outro universo peculiar e não menos fascinante. A partir do contato com esses dois mundos, que têm grande peso na minha formação, tive a ideia de uni-los, de alguma forma, abordando o Metal enquanto temática de pesquisa dentro da Sociologia. Este trabalho é uma forma de estudar algo que me fascinou, passando a limpo o porquê desse fascínio. E, mais do que isso, também é uma forma que achei de contribuir mais com a cena Heavy Metal, como terei a oportunidade de falar melhor no decorrer dessas páginas. Agora, que já coloquei sobre a mesa a minha relação com o que pesquiso, pois quem fala, fala sempre de algum lugar, ressalto o maior grau de dificuldade da proposta 9

11 de falar de algo que também faço parte. Parte importante da minha pesquisa se deu na forma de entrevistas semi-estruturadas e sempre ressaltava para meus entrevistados, que além de colaboradores, são meus amigos, o fato estranho de estar perguntando sobre coisas que eu já deveria saber, que qualquer um dentro da cena sabe, e a importância disso dentro da minha pesquisa, pois, por mais que todos sempre falem de algum lugar, deve haver um estranhamento em relação ao objeto de estudo. E perguntar coisas que parecem óbvias, mesmo para quem pesquisa, é uma tarefa sempre surpreendente, pois, com o ato de pesquisar, sempre descobrimos que o que parecia óbvio, nunca o é, pelo contrário, nos revela muitas surpresas instigantes. Essa é a sensação de fazer uma pesquisa dentro de um ambiente familiar ao pesquisador e acho que ela deve estar presente em qualquer pesquisa. O pesquisador sempre constrói um projeto para sua futura pesquisa e nele lança suas hipóteses. A atividade de pesquisar deve ser encarada como um caminho, de idas e vindas, um ensaio. 1 Aquele pesquisador que não constrói sua pesquisa durante esse caminho, mas que a pressupõe a partir de seu projeto fechado, não é um bom pesquisador. Muito curioso também foi o interesse, de todos os que contatei, em ajudar e contribuir para o meu trabalho, de fazerem parte disso. Explicitadas as razões da escolha do objeto e minha relação com o mesmo, se faz necessário introduzir o leitor minimamente no universo do Heavy Metal. O Estilo começa a tomar forma no final da década de 60, a partir de influências do Blues e tendo como contexto de surgimento o período logo após o ano de 1968, marcado por protestos da juventude contra o status quo. Há controvérsias acerca do seu surgimento, que giram em torno de qual seria a primeira banda de Heavy Metal da história. Existem duas 1 Aqui, faço claras referências a dois textos que fizeram parte da minha formação acadêmica: o primeiro capítulo de Educar na era planetária, de Edgar Morin, intitulado O Método; e O ensaio como forma, de Theodor Adorno. Os dois textos propõem o ensaio como uma forma de escrita mais rica, ao contrário dos textos científicos, que restringem e enquadram a escrita. 10

12 opiniões mais aceitas. Alguns dizem que foi o Led Zeppelin, outros, que foi o Black Sabbath. No geral, a versão mais aceita é a de que o Led Zeppelin trouxe muitos elementos importantes que viriam a contribuir para o surgimento do Heavy Metal, porém, que a primeira banda considerada realmente do estilo seria o Black Sabbath, com o lançamento da música que leva o mesmo nome da banda, no ano de Black Sabbath é uma música que traz um elemento novo: o peso. As notas graves e a afinação mais grave dos instrumentos traz o sombrio como uma característica nova. Weinstein divide a estratificação do gênero em cinco fases: erupção entre 1969 e 1972, com bandas apresentando características de um código em formação ainda sem a classificação do termo heavy metal, tais como a tríade britânica Led Zeppelin, Deep Purple e Black Sabbath, e os norte-americanos Iron Buterfly e Blue Cheer; cristalização entre 1973 e 1975, com a adoção do nome de batismo; golden age entre 1976 e 1979; expansão de limites geográficos de público e aumento do número de bandas e de fãs, entre 1979 e 1983, com o florescimento da New Wave of British Heavy Metal, de bandas como o Iron Maiden e o Motorhead; crescimento, incorporação de novas influências e subdivisão em múltiplos subgêneros, depois de 1983 (2000:21), com o surgimento dos subgêneros thrash, death, black, power, gothic, prog e new metal entre outros. (LOPES, 2006, pág: 120) Falando especificamente sobre o Heavy Metal em Natal, podemos dizer que a cena é pequena e restrita, sem muita expressividade dentro de uma cidade onde predomina o gosto pelo forró, como em muitas cidades do nordeste do país. Muitas pessoas que habitam em Natal, quando souberam do meu objeto de pesquisa, fizeram o seguinte questionamento: Mas existe uma cena Heavy Metal aqui? Pois é, essa cena existe sim, apesar de pequena e não muito aparente. E o fato de esse estilo musical ter pouca expressividade aqui não significa que ele cumpra menos sua função ethopoiética 11

13 para aqueles que são amantes do Metal. Ter poucos adeptos implica numa maior dificuldade da manutenção desse estilo. Gostar de Heavy Metal e, mais ainda, vivê-lo, torna-se mais complicado em um lugar onde ele é um estilo marginal, por assim dizer. Se nos dias de hoje é complicado, quem dirá na década de 80, quando a cena começou a surgir. Porém, essa dificuldade inicial se traduzia também em um maior sentimento de união da cena, sentimento esse que, segundos os headbangers, se esvai a cada dia, principalmente com o advento da internet. A internet tem um papel fundamental no acesso a todo tipo de materiais e músicas, sem falar na comunicação com pessoas que estão distantes, o que é muito importante dentro do Heavy Metal, que é um estilo global. Porém, a internet também causou o distanciamento e uma mudança de hábitos no que se refere às formas de socialização dos ouvintes de Metal em Natal e nas formas de compartilhamento de material. Atualmente, temos uma cena em que a velha guarda do Metal coexiste com os mais novatos, algumas coisas mudaram desde os primórdios da cena e trataremos melhor disso no nosso terceiro capítulo. A hipótese central desse trabalho é a de que o Heavy Metal é ethopoiético, que é um dispositivo que cumpre funções específicas de subjetivação (Foucault), que forma novas éticas, novas estilísticas de vida e isso é visto por nós como uma forma de resistência na sociedade contemporânea. E, como estamos falando de sociedade contemporânea, incluímos Zygmunt Bauman nas nossas reflexões, pois esse autor nos dá um diagnóstico, que julgamos interessante, do mercado enquanto regulador social na contemporaneidade e dos efeitos disso nas relações sociais. Bauman fala de uma sociedade consumista, pois bem, temos como hipótese que o consumo, dentro do Heavy Metal é diferenciado, por não estar de acordo com os padrões de consumo dessa sociedade líquido-moderna descrita por Bauman. Os produtos consumidos são 12

14 diferentes, as razões pelas quais se consome são diferentes e a duração desse consumo se diferencia também, como falaremos no nosso segundo capítulo. No primeiro capítulo lançamos uma das bases teóricas do nosso estudo, que é construída a partir das reflexões de Michel Foucault. Bem como, apresentamos algumas partes das entrevistas que realizamos. No segundo capítulo, tratamos da outra base teórica do nosso estudo. Ela é composta principalmente pelas reflexões de Zygmunt Bauman sobre a contemporaneidade. Esse capítulo é encerrado com o antropólogo David Le Breton e suas ideias sobre o corpo como acessório. Em nosso terceiro capítulo discutimos de forma mais específica sobre a cena Heavy Metal de Natal, fazendo um pequeno resgate da sua história e tentando mostrar como ela funciona, o Metal para além dos shows, pois nem só de shows se faz o Heavy Metal. Demonstrar isso é uma das nossas propostas, fazer ver que o Metal é algo para além de um estilo de música que se ouve. Finalizamos nosso terceiro capítulo apresentando de forma mais detalhada perfis de alguns headbangers natalenses que foram entrevistados durante a pesquisa. Como forma de tentar imprimir alguma musicalidade em um trabalho escrito sobre a música, produzimos um DVD que acompanha o texto da dissertação, no qual exibimos um vídeo de cada uma das bandas de Natal que foram citadas no trabalho. Somente a primeira música do DVD é de uma banda de Black Metal sueca, que também aparece no decorrer do texto. Esperamos que este seja um trabalho que inicie aqueles que não têm contato com o universo do Heavy Metal e que, para os colegas e amigos headbangers, seja apreciado como fonte de conhecimento novo e de uma visão diferente daquilo que eles já conhecem tão bem. 13

15 1 Headbanger: Uma estilística de vida e resistência na contemporaneidade. Nessa pesquisa, tomamos como objeto de estudo a cena do Heavy Metal 2, na cidade de Natal RN, no entanto, apesar de termos escolhido um objeto bem específico, temos como objetivo, a partir desse recorte, falar de questões bem mais amplas, que dizem respeito à sociedade contemporânea em geral. Num primeiro momento, explicitaremos as bases teóricas do nosso estudo, bem como, apresentaremos essas questões mais abrangentes, que acabam, de certa forma, ultrapassando o nosso recorte. Deste modo, podemos afirmar que nosso objetivo geral com essa discussão é, a partir desse nosso objeto, suscitar questões que pensamos ser de suma importância na contemporaneidade. Este primeiro momento, representado nos dois primeiros capítulos, será, portanto, um escrito que refletirá o nosso caminho de pensamento 3, onde aparecerão os autores e as questões que norteiam nossa reflexão. As bases teóricas para essa pesquisa nos foram dadas a partir da leitura de, principalmente, dois autores: Michel Foucault, pensador francês, e Zygmunt Bauman, sociólogo polonês. O conceito de resistência, de Foucault, associado a elaborações mais tardias deste autor, que dizem respeito ao tomar-se a si mesmo enquanto obra de arte, na construção de novas éticas, é de suma importância na composição de nossa reflexão, como também a sociedade líquido-moderna, descrita por Bauman, nos servirá de pano de fundo. 2 Utilizamos o termo Heavy Metal aqui, de forma geral, abrangendo com isso todas as ramificações associadas a esse estilo musical. O termo Heavy Metal também pode ser utilizado quando se fala especificamente do Heavy Metal clássico, que deu origem a incontáveis subdivisões, como, por exemplo, o Death Metal, o Thrash Metal, o Power Metal e assim por diante. 3 Expressão que tomamos emprestada de Heidegger, em seu ensaio A questão da técnica. 14

16 Ao longo do texto também explicitaremos nossa pesquisa empírica, que se deu na forma de entrevistas semi-estruturadas. Apesar de essa primeira parte ter um cunho notadamente teórico, nosso objetivo é fazer um trabalho que prime por uma boa relação entre teoria e prática. Então, tratar-se-á de um escrito mais teórico, onde aparecerão, também, as vozes de nossos interlocutores mescladas às vozes dos pensadores que sustentarão nossa caminhada. Primeiramente, gostaríamos de explicitar o uso do termo cena na denominação do todo que abrange os sujeitos e as práticas relacionadas ao Heavy Metal. Além de cena ser um termo amplamente utilizado pelos próprios headbangers 4, o sociólogo inglês Keith Kahn-Harris propõe a utilização do conceito de cena, em detrimento do conceito de subcultura, ou do conceito de tribo urbana, de Michel Maffesoli, sociólogo francês. Para Kahn-Harris, o Heavy Metal não pode ser descrito enquanto uma subcultura, pois este conceito designa algo mais voltado para um ajuntamento com objetivos políticos, no sentido de uma resistência política contra-hegemônica. O Heavy Metal, como discutiremos mais adiante, não é um ajuntamento com objetivos políticos, pelo menos, não no sentido usual do termo política. O movimento Punk, por exemplo, poderia entrar na classificação de uma subcultura, já que suas aspirações de cunho político e contra cultural são bem explícitas, ao contrário do Heavy Metal. Mais a frente, explicitaremos nossa proposição do Heavy Metal enquanto resistência na configuração de uma ética particular. O conceito de tribos urbanas, de Maffesoli, também é deixado de lado por esse autor, pois designa um ajuntamento que se dá 4 Headbanger é um termo que vem da língua inglesa e que traduzido literalmente significa: batedor de cabeça. Esse termo é amplamente utilizado na denominação dos fãs de Heavy Metal em geral. Está intimamente ligado ao ato de bater cabeça, ou seja, balançar a cabeça de acordo com o ritmo da música que se ouve. 15

17 somente na forma de alianças afetivas baseadas em sensibilidades temporariamente compartilhadas. 5 (KAHN-HARRIS, 2007, pág. 18, tradução nossa). A utilização do conceito de cena, segundo Kahn-Harris, seria no sentido de intermediar os conceitos de subcultura e tribos urbanas, já que esses dois conceitos tornam-se restritivos para falar acerca do Heavy Metal, pelos motivos descritos no parágrafo anterior. O ajuntamento proporcionado pelo Heavy Metal não se restringe a objetivos políticos, no sentido de constituir uma contra-hegemonia, tampouco baseia-se apenas em uma afetividade compartilhada. Apesar de ser constituído também das características que estruturam esses dois conceitos. As Alan Blum has shown, scene has rich connotations of the urban and of nightlife. John Irwin notes that the term can be used in two very different ways in everyday language. It can be used in the sense of that s not my scene, connoting vague notions of lifestyle. It can also mean something subcultural. However, the two senses of the term are not necessarily contradictory. They both connote something that is shared, something we choose or not to participate in. Scene can be both a public space and a more general way of living. 6 KAHN-HARRIS, 2007, pág. 18) O trecho citado acima, da obra Extreme Metal. Music and Culture on the Edge, de Kahn-Harris, nos traz uma definição rápida do conceito de cena utilizado pelo autor. Cena traz o elemento urbano, que é parte integrante do Heavy Metal, e pode significar 5 temporarily shared sensibilities, do original, em inglês. 6 Como Alan Blum nos mostra, cena tem ricas conotações do urbano e da vida noturna. John Irwin observa que o termo pode ser usado de duas formas diferentes na linguagem cotidiana. Pode ser usado no sentido de esta não é a minha cena implicando noções vagas de estilo de vida. Pode significar também algo subcultural. No entanto, os dois significados do termo não são necessariamente contraditórios. Os dois sugerem algo que é compartilhado, algo que escolhemos participar ou não. Cena pode ser os dois: um espaço público e um modo de vida mais geral. (Tradução nossa) 16

18 algo referente a uma subcultura porém, como falamos aqui, para o autor, esses dois conceitos são distintos ou algo relativo a um estilo de vida. O principal aspecto desse conceito, no entanto, é que ele traduz a noção de algo que é compartilhado e, como fala o autor nesse trecho citado, algo que nós escolhemos participar ou não. 1.1 Resistência enquanto elaboração de novas éticas. Foucault, geralmente, é mais conhecido por suas elaborações acerca do poder disciplinar, das relações de poder, da positividade do poder na construção de corpos dóceis. Porém, para fins didáticos, costuma-se dividir sua obra em três momentos. Primeiramente, os estudos da constituição do sujeito a partir do discurso científico e das relações entre sujeito, verdade e saber. Momento esse que tem como principal referência a obra As Palavras e as Coisas. Em um segundo momento, também o mais conhecido, Foucault irá se preocupar com o engendramento do sujeito pelos dispositivos disciplinares, onde ele vai se debruçar sobre a questão do poder, de forma mais específica, e sobre quais instituições estão produzindo o sujeito e de que forma elas o produzem. Uma obra representativa dessa segunda subdivisão do seu pensamento é Vigiar e Punir. Já em um terceiro momento, que não é tão conhecido quanto os outros dois anteriores, o qual nos interessa nesse trabalho de pesquisa, o pensador francês irá tomar com mais centralidade a questão do sujeito, que, segundo ele, sempre permeou suas discussões desde o início de sua obra, porém, não com a centralidade que é dada nesse terceiro momento. Nos últimos anos de sua vida, Foucault vai se preocupar com o 17

19 modo pelo qual o homem se torna sujeito de si através da insubmissão do pensamento, da estilização da vida, através da criação de novas éticas enquanto práticas de liberdade. Foucault, em O Sujeito e o Poder, escrito que pertence a esse terceiro momento do qual falamos, sugere uma nova forma de proceder com a investigação dos fenômenos sociais. Ele propõe ter como ponto de partida não somente as relações de poder, mas também as formas de resistência criadas pelos sujeitos contra as diferentes formas de poder. A partir do estudo das resistências nós poderíamos analisar as relações de poder e o modo como se dão os antagonismos na dinâmica social. E para compreender o que são as relações de poder, talvez devêssemos investigar as formas de resistência e as tentativas de dissociar essas relações. (FOUCAULT, 1995, pág. 234) A nossa proposta central aqui é a de que o Heavy Metal pode ser pensado enquanto uma ética, no sentido foucaultiano do termo. Desta maneira, o Heavy Metal pode ser visto enquanto uma forma de resistência, uma insubmissão do pensamento, uma prática de liberdade. Iremos falar de forma mais cuidadosa dessa questão no decorrer do texto. Estudar as formas de resistência significa estudar as formas tomadas pelas lutas antiautoritárias, que se constituem enquanto lutas de resistência a determinadas relações de poder. Segundo Foucault, as lutas antiautoritárias têm alguns aspectos em comum. Primeiramente, são lutas transversais, ou seja, são lutas globais. O Heavy Metal, enquanto forma de resistência, tem essa característica de ser global. O fenômeno do Heavy Metal não se restringe a um país, nem tampouco a um continente, esse estilo é escutado e executado em quase todo o mundo. O antropólogo canadense Sam Dunn produziu um documentário que fala especificamente dessa questão, denominado Global 18

20 Metal 7. O antropólogo se coloca como questão de pesquisa como esse estilo ultrapassou as fronteiras da América do Norte e Europa, onde ele tem grande peso, e afetou culturas em torno de quase todo o mundo. Dunn fez sua jornada de pesquisa pela Ásia, Oriente Médio e América do Sul, e passou por países em que ele, anteriormente, achava que não encontraria o Heavy Metal, principalmente, com a intensidade com a qual ele se deparou. Ele também produziu outro documentário sobre Heavy Metal, denominado: Metal: A Headbanger s Journey 8, no qual ele faz um resgate das raízes desse estilo, fala sobre algumas controvérsias existentes e conversa com fãs sobre o significado que a música tem na vida deles. A partir desse documentário, Dunn nos conta que teve a oportunidade de receber diversos s de várias partes do mundo agradecendo pelo belo trabalho feito por ele. Na ocasião, ele entrou em contato com pessoas de locais onde ele jamais imaginou que o estilo estivesse presente. Então, surgiu o interesse em fazer o segundo documentário falando sobre o aspecto global do Heavy Metal e questionando como as diferentes culturas assimilaram o Metal. O autor inicia seu documentário no Wacken Open Air, o maior festival mundial dedicado aos mais diversos gêneros e expressões do Heavy Metal. Segundo o autor, a cada ano, mais de sessenta mil pessoas do mundo inteiro acampam na pequena cidade de Wacken, ao norte da Alemanha, para prestigiar seus ídolos. Tendo explicitado o primeiro aspecto que as lutas antiautoritárias têm em comum, podemos agora passar ao segundo aspecto, que diz respeito aos objetivos dessas lutas. Elas têm como objetivo os efeitos de poder enquanto tais. Desta forma, o 7 Metal Global, em português. Referência do documentário na parte de referências bibliográficas. 8 Metal: Uma jornada headbanger, em português. 19

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII CATEGORIA: EM

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente INTRODUÇÃO Basta ficar atento ao noticiário para ver que o assunto mais citado nos últimos tempos varia entre os temas de estresse, equilíbrio e falta de tempo. A Qualidade de Vida está em moda no mundo

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 2 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1 Direitos Reservados - Pg 1 Aviso aos que se acham malandros, ou que querem ser processados ou parar na cadeia. Este livro é registrado com todos os direitos reservados pela Biblioteca Nacional. A cópia,

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

Copyright 2011 Manual Gere Afiliados - www.gerasite.com MANUAL. Gere Afiliados. Copyright 2011 - Júnior Resende - Direitos Reservados

Copyright 2011 Manual Gere Afiliados - www.gerasite.com MANUAL. Gere Afiliados. Copyright 2011 - Júnior Resende - Direitos Reservados GERA SITE Apresenta... MANUAL Gere Afiliados Como Criar Seu Próprio Site de Vendas e Marketing de Afiliados Facilmente Copyright 2011 - Júnior Resende - Direitos Reservados Direitos de Reprodução Este

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO PATRÍCIA CAPPUCCIO DE RESENDE (FUNDAÇÃO DE ENSINO DE CONTAGEM), MARCELO GUIMARÃES BELGA (FUNEC - UNIDADE NOVO PROGRESSO),

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 Sofia Z. Na parte anterior vimos algumas das razões do declínio do tesão entre os casais que têm uma relação estável. Nesta parte vamos fazer algumas considerações

Leia mais

Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] 1

Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] 1 Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] Categorias Apresentação do instrumento [-] Mobilidade/ portabilidade [,] 0 0 Transcrição Alguns

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Filmes com muitas vontades

Filmes com muitas vontades Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio

Leia mais

Meditações para os 30 dias de Elul

Meditações para os 30 dias de Elul 1 Meditações para os 30 dias de Elul O Zohar explica que quanto mais preparamos a alma durante o mês que precede Rosh Hashaná, melhor será o nosso ano. De acordo com a Kabbalah, o Recipiente para receber

Leia mais

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela A música do Brasil e do mundo Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela Sergio Molina Projeto A Música na Escola, roda de conversa número seis vai discutir

Leia mais

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA RAVENA FLÁVIA MEDEIROS DE FREITAS, POLIANA SALDANHA DE SOUSA, PATRICIA FERREIRA DOS SANTOS, AIVONEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Entrevista com Atomic Fear

Entrevista com Atomic Fear Entrevista com Atomic Fear 1- Quando a Atomic Fear diz que foge dos lugares comuns em suas composições, oque vocês realmente desejam expressar? Que não nos preocupamos em seguir determinadas tendências,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Ensino de Arte e Encontro Regional de Pólos da Rede Arte na Escola (UFU/ UFG/ UNIPAM). pela professora Dra. Cristina Grossi.

Ensino de Arte e Encontro Regional de Pólos da Rede Arte na Escola (UFU/ UFG/ UNIPAM). pela professora Dra. Cristina Grossi. A RELAÇÃO INDIVÍDUO-MÚSICA NUM PROJETO SOCIAL: ASPECTOS INTRODUTÓRIOS DA COLETA DE DADOS 1 Paula Andrade Callegari - paula_callegari@yahoo.com.br Universidade Federal de Uberlândia UFU; Conservatório Estadual

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Diálogos na pós-modernidade

Diálogos na pós-modernidade Diálogos na pós-modernidade Romilson Belo 1 Por seres tão inventivo e pareceres contínuo, Tempo tempo tempo tempo, és um dos deuses mais lindos... Tempo tempo tempo tempo... Caetano Veloso, Oração ao Tempo,

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

OS USOS DA HISTÓRIA NO ENSINO DE MATEMÁTICA EM MOSSORÓ (RN)

OS USOS DA HISTÓRIA NO ENSINO DE MATEMÁTICA EM MOSSORÓ (RN) OS USOS DA HISTÓRIA NO ENSINO DE MATEMÁTICA EM MOSSORÓ (RN) Resumo: Muitas são as pesquisas que nos mostram a importância do uso da história no ensino de matemática, observamos a necessidade de saber se

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão Zeca Camargo foi o convidado da segunda edição do RBS Debates, dia 23 de Julho, em Florianópolis. O evento reuniu mais de mil estudantes e

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD ATIVIDADE INTEGRADORA ASSOCIADA A PRÁTICA DE ENSINO Módulo IV Desenvolvimento e Crescimento Estudo do desenvolvimento

Leia mais

Os 4 passos para ser aprovado no Exame de Certificação PMP

Os 4 passos para ser aprovado no Exame de Certificação PMP Os 4 passos para ser aprovado no Exame de Certificação PMP Andriele Ribeiro 1 Um passo de cada vez. Não consigo imaginar nenhuma outra maneira de realizar algo. Michael Jordan O alcance da certificação

Leia mais