H I S T Ó R I A. PAES, Maria Helena Simões. A década de 60: rebeldia, contestação e repressão política. São Paulo : Ática, 1992, p. 20.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "H I S T Ó R I A. PAES, Maria Helena Simões. A década de 60: rebeldia, contestação e repressão política. São Paulo : Ática, 1992, p. 20."

Transcrição

1 H I S T Ó R I A 01 - A respeito de Esparta, uma das mais importantes cidades da Grécia antiga, é correto afirmar que (001) a urbanização da pólis foi totalmente concluída em fins da Época Arcaica e início dos tempos clássicos. (002) a pólis era bastante dependente da importação de cereais e não dispunha de minas de ferro. (004) os esparciatas eram cidadãos da pólis, assim como os periecos, súditos de Esparta sem que fossem metecos, os quais gozavam de autonomia interna em suas cidades e povoados. (008) os esparciatas constituíram um caso extremo de especialização militar, a ponto das atividades econômicas serem deixadas aos periecos e aos hilotas, escravos do Estado a serviço dos próprios esparciatas, os quais, por sua vez, viviam como um exército acampado e não como pessoas fixadas em cidades. (016) o termo que designava oficialmente a pólis espartana os lacedemônios não era sinônimo do conjunto dos cidadãos, diferentemente do que ocorria em outras cidades-estados helênicas O texto que segue trata da história mundial na década de Duas outras palavras relevam também o espírito dessa década: contestação e rebelião. Os inconformados com o mundo em que viviam estiveram em todos os segmentos sociais e em todos os cantos do planeta, não só na Ásia e na África ou na América Latina. Mas, talvez, nenhuma contestação tenha sido tão extraordinária quanto aquela realizada pela juventude. Ao lado dos hippies e dos jovens envolvidos em outras manifestações da chamada contracultura, explodia a rebelião dos enragés, os universitários engajados nos movimentos estudantis. Pacíficos ou violentos, os jovens contestaram todas as estruturas: a capitalista e a socialista. O não unia todos eles. PAES, Maria Helena Simões. A década de 60: rebeldia, contestação e repressão política. São Paulo : Ática, 1992, p. 20. A partir da análise do texto apresentado e de seus conhecimentos sobre História Contemporânea, é correto afirmar que são exemplos do espírito de contestação e rebelião da década de 1960 (001) o rock feito por bandas como The Beatles, Led Zeppelin e The Mamas and the Papas, além do produzido por cantores como Bob Dylan, Joan Baez, Janis Joplin e Jimi Hendrix. (002) a oposição ao lema paz e amor, também muito difundido a partir do famoso festival de Woodstock, em (004) a postura da chamada Nova Esquerda (New Left), surgida nos meios universitários dos Estados Unidos e marcada pelo pensamento de Herbert Marcuse, filósofo da Escola de Frankfurt e professor da Universidade de Berkeley. (008) o apoio público à Guerra do Vietnã. (016) as manifestações estudantis que, nos países capitalistas, recusavam o american way of life ou o campo de concentração de luxo ; e, nos países socialistas, contestavam o autoritarismo stalinista das direções partidárias O texto abaixo trata da representação comumente mais divulgada sobre a Idade Média. Nenhum período da História foi vítima de tantos preconceitos como a Idade Média. A própria denominação, empregada para identificar os dez séculos que separam a queda do Império Romano do Ocidente (476) da conquista de Constantinopla pelos turcos otomanos (1453), parece atribuir a esse período duas únicas características próprias: a mediocridade e a mediação. Mediação, é verdade, carregada de conotações negativas: entre o esplendor greco-romano da Antiguidade e as fervilhantes transformações do Renascimento, a Idade Média apresentava-se como idade das trevas, a longa noite dos mil anos durante os quais a civilização ocidental teria quedado adormecida, soterrada em sangue, ignorância e fanatismo religioso. INÁCIO, Inês C. & LUCA, Tania Regina de. O pensamento medieval. 2ª ed. São Paulo : Ática, 1991, p. 7. 1

2 Com base na análise do texto apresentado e em seus conhecimentos sobre História Medieval, é correto apontar como representações históricas e historiográficas sobre a Idade Média (001) a conotação de decadência, visão pejorativa que foi solidificada e difundida durante o longo processo de ascensão e afirmação da burguesia enquanto classe ascendente na Europa, sobretudo a partir do século XVII. (002) a tolerância religiosa da Igreja Católica para com judeus, hereges, infiéis ou pecadores de qualquer espécie que atentassem contra a ortodoxia moral e ideológica por ela defendida. (004) a idealização dos tempos medievais como sendo um período marcado por um grande número de filósofos e outros pensadores que dedicavam sua vida à compreensão da natureza humana. (008) o estigma de idade das trevas ou barbárie, tradição arraigada que, nos dias de hoje, segue sendo difundida pelos meios de comunicação de massa e até mesmo em certos livros de História. (016) a visão de ter sido a guardiã de todo o conhecimento produzido na Antiguidade greco-romana, relíquia guardada com zelo e ignorância pelos monges medievais Sobre a história do Império Inca e da cultura incaica, é correto afirmar que (001) a expansão dos incas na região dos Andes Centrais se deu a partir do Vale de Cuzco, muito antes da chegada de Francisco Pizarro à América do Sul. (002) o Império mantinha uma forte administração político-administrativa em Cuzco, constituindo uma vasta burocracia fortemente hierarquizada. (004) diferentemente dos astecas, os incas não cultuavam o sol, muito menos adoravam Viracocha, o deus maia criador e civilizador do universo. (008) o ayllu pode ser considerado como uma unidade econômica e social nos Andes Centrais, constituído por famílias ligadas por laços de parentesco e reciprocidade, cuja chefia era exercida pelo Kuraka. (016) o poder do Inca era exercido basicamente pela força e pela coação, haja vista que ele não era adorado como um deus, a exemplo do que aconteceu em civilizações da Mesoamérica Acerca da exploração da mão-de-obra indígena na América Espanhola, é correto afirmar (001) que o texto do Requerimiento dava direito de escravização fundamentado na guerra justa. (002) como foi curto o período da existência legal da escravidão nas colônias, breve também foi o saldo de flagelos deixado para os povos indígenas da Mesoamérica e dos Andes Centrais. (004) que, em 1530, a Coroa de Espanha garantiu, por meio de uma nova legislação, o trabalho escravo nos territórios conquistados, apesar dos fortes protestos da Igreja Católica. (008) que a escravidão e a encomienda foram duas formas de trabalho usadas para extrair as riquezas que os conquistadores buscavam nas colônias; a encomienda, em específico, pode ser vista como uma forma de, ao mesmo tempo, difundir a religião católica e explorar a mão-de-obra nativa. (016) que muitos povos ameríndios foram reduzidos à servidão porque, segundo a visão dos vencedores, eram bárbaros e inferiores em relação aos europeus; além disso, os conquistadores argumentavam que possuir escravos nativos era a justa e legítima recompensa pelos serviços prestados à Coroa e pelo perigo a que estiveram expostos Sobre a chamada Questão do Acre, é correto classificar como ações relacionadas a esse episódio das relações diplomáticas entre Brasil e Bolívia (001) a contratação, pelo Governo boliviano, de uma empresa estrangeira, o Bolivian Syndicate, formada por firmas inglesas e norte-americanas para explorar e administrar o território acreano. (002) a contratação, pelo Governo brasileiro, na época representado pelo Barão do Rio Branco, de uma empresa estrangeira, o Bolivian Syndicate, formada por firmas inglesas e norte-americanas para explorar e administrar o território acreano. (004) o acordo entre o Brasil e a Bolívia, em 1903, consolidado na cidade de Petrópolis, Rio de Janeiro; pelo acordo, o Acre, com um total de Km 2, tornou-se parte do território nacional. (008) a renúncia do Bolivian Syndicate a qualquer reclamação sobre o Acre; para conseguir tal atitude da empresa, o Governo brasileiro teve de pagar o montante de libras esterlinas. (016) a determinação, pelo Tratado de Petrópolis, do pagamento de 2 milhões de libras esterlinas à Bolívia, referentes às áreas transferidas Sobre a imigração para a América Latina, é correto afirmar que (001) o período de 1870 a 1930, caracterizou-se, na América Latina, por uma nova espécie de imigração, composta de trabalhadores vindos principalmente do Sul da África. (002) os imigrantes que chegaram à Argentina, ao Uruguai e ao Sul do Brasil, principalmente no período de 1870 a 1930, deram a esses países uma identidade europeizada. (004) até a Segunda Guerra Mundial não havia sido registrada a presença de imigrantes japoneses na América Latina. 2

3 (008) desde 1908, já se podia constatar a presença de imigrantes japoneses na América Latina; nesse ano, foram recebidos oficialmente no Brasil os primeiros imigrantes japoneses. (016) durante o período de 1870 a 1930, mais de cinco milhões de imigrantes europeus chegaram à Argentina e se estabeleceram nas províncias próximas a Buenos Aires O texto abaixo apresentado foi escrito por Abraham Lincoln, conhecido presidente dos Estados Unidos da América. Um oitavo de toda a população era formado de escravos de cor, não distribuídos de um modo geral pela União, porém localizados na sua parte meridional. Tais escravos constituíam um interesse peculiar e poderoso. Todos sabiam que esse interesse, de certo modo, foi a causa da guerra. Fortalecê-lo, perpetuá-lo e ampliá-lo era o objetivo pelo qual os insurretos pretendiam dividir a União, nem que tivessem de recorrer à guerra, ao passo que o governo não reclamava outro direito que o de restringir sua difusão territorial. LINCOLN, Abraham. Segundo discurso de posse da presidência dos Estados Unidos da América, apud EISENBER, Peter L. Guerra Civil Americana. São Paulo : Brasiliense, 1982, p 6. A partir da análise do trecho do discurso de Lincoln e de seus conhecimentos sobre História Americana, é correto afirmar que (001) a mão-de-obra escrava de origem africana constituía um dos pilares de sustenção da economia, na região Sul dos Estados Unidos, antes da Guerra Civil Americana. (002) A mão-de-obra escrava de origem africana constituía, um dos pilares de sustenção da economia, especialmente na região Nordeste dos Estados Unidos, antes da Guerra Civil Americana. (004) a prática da escravidão era um dos principais elementos responsáveis pelas divergências políticoadministrativas entre o Norte e o Sul dos Estados Unidos. (008) os escravos, aliados aos grandes proprietários da parte meridional dos Estados Unidos da América, lutaram pela União entre o Norte e o Sul do país. (016) o governo de Lincoln era favorável à difusão da escravidão na parte Meridional dos Estados Unidos A respeito do mercantilismo, sistema que ganhou força na Europa Ocidental, a partir do século XV, é correto afirmar que (001) havia um grande protecionismo alfandegário, ou seja, altas taxas às importações, porém o Estado não interferia na produção nacional. (002) pregava-se a idéia de circulação das moedas para uma maior dinamização da economia e fortalecimento do comércio. (004) o crescimento demográfico era incentivado, já que um grande aumento na população significaria maior oferta de mão-de-obra e, portanto, de salários mais baixos. (008) a produção interna contava com apoio governamental para que seus produtos se tornassem mais competitivos no mercado externo. (016) a interferência do Estado não só era aceita pelos comerciantes que tinham o apoio institucional como também era incentivada por eles, já que favorecia a produção e a exportação de mercadorias Sobre a conquista e a colonização luso-castelhana da bacia do Alto Paraguai, é correto afirmar que (001) entre as décadas de 1520 e 1540, os primeiros europeus que atingiram a região ali encontraram vários povos indígenas, muitos dos quais formados por grupos classificados, lingüisticamente, como Aruaque, Guaicuru e Guarani. (002) as primeiras expedições que partiram de Assunção rumo à região hoje em dia conhecida como Pantanal, como a expedição comandada pelo adelantado Alvar Núñez Cabeza de Vaca, na década de 1540, também foram motivadas pela procura das minas de prata do Peru. (004) no século XVII, nenhum dos povos indígenas estabelecidos no Pantanal chegou a participar de qualquer missão ou redução dos padres da Companhia de Jesus, haja vista que a região estava muito distante das províncias jesuíticas do Guairá e do Itatim. (008) até fins do século XVII, os bandeirantes de São Paulo não ultrapassavam os limites geográficos da bacia do Paraná, cujos afluentes eram dominados pelo povo Paiaguá, os temidos índios canoeiros; portanto, não atingiram a baixada paraguaia antes do século XVIII, quando os castelhanos de Assunção descobriram ouro na região dos rios Coxipó e Cuiabá. (016) assim como os europeus fizeram em outras regiões da América do Sul, no Alto Paraguai eles também se valeram das antigas rivalidades existentes entre os povos indígenas para assegurarem a conquista e a colonização daquela porção central da América do Sul. 3

4 LÍNGUA PORTUGUESA Apresentamos, a seguir, dois textos. O primeiro é um poema de Manuel Bandeira; o segundo, uma notícia publicada na revista Istoé (22/5/02, p. 20). Leia-os, com atenção, para responder às questões de 11 a 14. Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Texto 1: SATÉLITE Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do velho segredo de melancolia, Não é agora o golfão de cismas, O astro dos loucos e enamorados, Mas tão-somente Satélite. Ah Lua deste fim de tarde, Demissionária de atribuições românticas, Sem show para as disponibilidades sentimentais! Fatigado de mais-valia, Gosto de ti assim: Coisa em si, Satélite. (In: Estrela da vida inteira. 4. ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 1973.) Texto 2: CORAÇÃO DO LUAR Para não desapontar os poetas e os românticos, a Lua esconde por trás da frieza de suas crateras um coração quente e pulsante. Quem garante isso não trabalha com rimas. São, isso sim, os pragmáticos cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato em Pasadena. Eles concluíram que o interior lunar é constituído por rochas derretidas e sua superfície encolhese e expande-se em até 10 cm conforme a gravidade da Terra Em SATÉLITE (texto 1), Bandeira (001) assume uma concepção poética e idealizada da Lua. (002) toma a Lua apenas como um objeto celeste, despojando-a de valores afetivos ou metafóricos. (004) mostra-se avesso aos exageros sentimentais anteriormente atribuídos à Lua. (008) revela seu desprezo pelos loucos e enamorados que se inspiram na Lua para vivenciar seus segredos e emoções. (016) situa a Lua num fim de tarde, descrevendo-a de forma romântica, como mostram os adjetivos plúmbeo e baça. (032) lamenta a frieza do mundo moderno que enfatiza o sentido denotativo da Lua Ao apresentar a Lua como um ser dotado de um coração quente e pulsante, o texto 2 faz uso da prosopopéia ou personificação, que consiste em atribuir a seres inanimados ou irracionais qualidades e/ou sentimentos humanos. Assinale, entre os trechos abaixo, aquele(s) que NÃO apresenta(m) essa figura de pensamento. (001) Contentes, os ramos relaxavam de vez os músculos crispados, já esquecidos das ventanias do Inverno. (Miguel Torga) (002) Toda a noite o rouxinol chorou, Gemeu, rezou, gritou perdidamente. (Florbela Espanca) (004) O sol belisca a pele azul do lago. (Raul Bopp) (008) Minha mãe é um vulto branco. (Roberto Drummond) (016) Naquela manhã de Março o vento Norte levantou-se mal humorado. (Antonio Botto) (032) A geada é um eterno pesadelo. (Monteiro Lobato) 4

5 13 - Comparando o texto 1 e o texto 2, concluímos que (001) o texto 1 mostra-se mais condescendente com aqueles que propõem uma imagem poética ou romântica da Lua do que o texto 2. (002) em ambos os textos, há dois pontos de vista em jogo: aquele que idealiza a Lua, atribuindo-lhe valores sentimentais, e o que a vê de forma pragmática, como um elemento inserido na realidade. (004) a visão da Lua enfatizada por Bandeira mostra-se incompatível com a conclusão manifestada pelos cientistas americanos. (008) a presença marcante da ironia pode ser detectada no texto 1, mas não no texto 2. (016) ao contrário do texto 2, que procura harmonizar diferentes visões da Lua, o texto 1 se constrói sobre uma relação de oposição Marque a(s) proposição(ões) verdadeira(s). (001) Nos vocábulos desmetaforizada, desmitificada e demissionária (texto 1), observamos a presença de prefixo que indica ação contrária. (002) A palavra Lua, que aparece com inicial maiúscula nos dois textos, poderia ser escrita também com inicial minúscula sem qualquer alteração de sentido, o mesmo ocorrendo com o vocábulo Terra (texto 2). (004) Na última estrofe de Satélite (texto 1), o poeta se dirige à Lua, tomando-a como interlocutora. (008) No verso Gosto de ti assim... (texto 1), o advérbio em negrito é um mecanismo de coesão que faz remissão a elemento já citado anteriormente (anáfora). (016) Para não desapontar os poetas e românticos (texto 2) é uma oração reduzida de infinitivo que indica finalidade e possui sujeito elíptico. (032) No céu plúmbeo (texto 1) e por trás da frieza de suas crateras (texto 2) exercem a função sintática de adjunto adverbial de lugar Longe de ser um objeto estático, homogêneo e uniforme, uma língua varia no tempo e no espaço e se diversifica de acordo com as circunstâncias em que se processa a interação verbal. Observe o quadrinho abaixo e assinale a proposição que expressa adequadamente o tipo de variante em jogo. (Fonte: Correio do Estado) (001) Variante histórica ou diacrônica, que diz respeito à evolução da língua no tempo. Assim, o português utilizado numa cantiga de amigo da época medieval é muito diferente do português empregado num poema da atualidade. (002) Variante geográfica ou espacial, que se refere aos usos regionais da língua, ou seja, às particularidades que ela adquire em cada região ou zona onde é utilizada. Por exemplo, os habitantes das regiões Norte e Nordeste usam o termo macaxeira em lugar de mandioca. (004) Variante social, que abrange, além do nível socioeconômico do falante, fatores como idade, sexo e profissão. Desse modo, observam-se diferenças significativas na fala dos mais jovens e na dos mais velhos, na do homem e na da mulher, na de pessoas com ocupações diversas. Trata-se, pois, das variações de um grupo social para o outro. (008) Variante estilística, que engloba as variantes observadas num mesmo indivíduo, conforme a situação de comunicação em que se encontra. Há, portanto, situações que permitem uma linguagem bem informal (conversa com amigos num bar) e outras que exigem um grau considerável de formalidade (apresentação de um trabalho na escola). (016) Variante inerente, que diz respeito ao fato de que um mesmo segmento proferido por um mesmo locutor, numa mesma situação, pode exibir, às vezes, num lapso de tempo bastante breve, diferentes realizações. Um bom exemplo, no português do Brasil, é o emprego de a gente e nós numa mesma frase. 5

6 16 - Entre as alternativas que seguem, assinale aquela(s) cujo comentário está INADEQUADO. (001) A vida podia ser muito mais divertida com um som SEMP TOSHIBA.(Veja, 29/5/02) O conteúdo pressuposto é o de que a vida não é divertida. (002) Dezesseis dias antes de afogar os filhos, o médico de Andrea Yates suspendeu-lhe os medicamentes. (Istoé, 13/3/02) A frase é ambígua, fazendo crer que quem afogou os filhos foi o médico e não a paciente, Andrea Yates. (004) Se correr, o bicho não pega. (Veja, 26/6/02) A frase está em intertextualidade com conhecido dito popular, mas subverte-lhe o sentido. (008) Perfeitos para levar a qualquer lugar. Não pesam na mala nem no bolso. (Veja, 29/5/02) Nesse anúncio sobre computadores de mão, o verbo pesar apresenta dois sentidos diferentes. (016) Setor aéreo tem de gastar para cortar custos. (O Estado de S. Paulo, 16/9/02) Essa manchete está incoerente, pois cortar custos implica necessariamente não gastar. (032) O PPS e o PDT acertaram com o PT apoio à candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva irrestrito e entusiástico, segundo Ciro Gomes, e incondicional, no caso de Leonel Brizola. (Folha de S. Paulo, 9/10/02) Na notícia em questão, as aspas têm por função sinalizar a presença de discurso direto Qual(is) das opções abaixo NÃO está(ão) de acordo com a norma culta da língua portuguesa? (001) O que para você são vontades para o Bradesco são realizações. (Istoé, 10/4/02) (002) Tenho certeza de que Deus estava entre a bala e eu, diz Bial. (Istoé, 10/4/02) (004) Aumento do número de seqüestros assusta a população. (Folha de S. Paulo, 16/9/02) (008) Nós olhamos para você, pensamos em você e fizemos um banco para encaixar certinho nas suas necessidades. (O Estado de S. Paulo, 16/9/02) (016) Eu posso usar Versace, passar as férias em Paris, mas eu sou mesmo é caipira. Zezé Di Carmargo, cantor. (Istoé, 13/3/02) (032) Justiça intermedeia por pagamento de carvoeiro. (Correio do Estado, 5/10/02) 18 - O texto que você lerá a seguir foi retirado do Código de Defesa do Consumidor (Lei n 8.078, de 11 de setembro de 1990), a partir do site Art. 21. No fornecimento de serviços que tenham por objetivo a reparação de qualquer produto, considerar-se-á implícita a obrigação do fornecedor de empregar componentes de reposição originais adequados e novos, ou que mantenham as especificações técnicas do fabricante, salvo, quanto a estes últimos, autorização em contrário do consumidor. Da leitura do artigo acima, depreende-se que (001) todos os produtos necessariamente precisam de reparos. (002) o consumidor tem um amparo legal quanto aos serviços de reparação dos produtos adquiridos. (004) está explicitada a obrigatoriedade, por parte do fornecedor de serviços, de proceder à reparação de produtos. (008) o fornecedor de serviço de reparação de qualquer produto tem a obrigação de empregar componentes de reposição originais adequados e novos e, se isso não for possível, deve utilizar os que mantenham as especificações técnicas de fábrica. (016) quando não for possível a utilização de componentes originais ou similares com especificação técnica de fábrica, o fornecedor de serviços de reposição só poderá utilizar componentes diferentes mediante autorização do consumidor. 6

7 19 - Quando o trem chegar a Aquidauana Cruzando noites E sonhos na escuridão O silêncio de uma procissão Mostra os caminhos E as lendas do Pantanal É um tempo bem mais verdadeiro Algo que deixa a gente sem falar direito Imagens que iluminam nossa memória Pra contar e relembrar nossa história (Boaventura - Rio dos Tuiuiús) No trecho da canção acima, de José Boaventura Sá Rosa, artista da terra, aparece o vocábulo gente, usado como tratamento de 1ª pessoa. Dentre as opções que seguem, assinale onde há emprego similar. (001) E no meio de tanta gente eu encontrei você Entre tanta gente chata sem nenhuma graça Você veio. (Marisa Monte e Arnaldo Antunes - Não vá embora) (002) Poetas contam histórias de gente para quem a honra estava em primeiro lugar nos cordéis. (Propaganda divulgada pelo Banco do Brasil) (004) A gente melhorou a vida deles, claro. Mas eles fizeram muito mais por nós. Fizeram a gente ter a certeza de que solidariedade, atenção e afeto não custam, mas valem muito. (Propaganda da UNICSUL, Veja, 30/10/02) (008) O mundo vai girando cada vez mais veloz A gente espera do mundo, e o mundo espera de nós Um pouco mais de paciência (Lenine - Paciência) (016) Gente, que é que é isso!? (Popular forma exclamativa) (032) Então por que quem escreve, se escrever é afinal dar, evita gente por perto e procura se isolar? (João Cabral de Melo Neto Museu de tudo) 20 - Marque a alternativa que preenche corretamente as lacunas. Convém que não nos... muito nesses... e sim naqueles mais difíceis de... (001) demoremos - ítens - explicarem (002) demoramos - ítens - explicamos (004) demoremos - itens - explicar (008) demoramos - itens - explicar-se (016) demoremos - ítens - explicar 7

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA De uma forma geral, a prova foi boa com questões claras e bem articuladas. Louvável a intenção de cobrar reflexões sobre a históriografia, bem como a de revisitar o passado a partir

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS HABILIDADES/ COMPETÊNCIAS TEMAS/ CONTEÚDO - Compreender a diversidade do trabalho em sociedades que se baseiam nas relações sociais compulsórias e nas de

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I. MUNDOS DO TRABALHO COMPETÊNCIA HABILIDADES CONTEÚDO -Compreender as relações de trabalho no mundo antigo, nas sociedades pré-colombianas e no mundo medieval.

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

A COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA ESPANHOLA

A COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA ESPANHOLA A COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA ESPANHOLA Expansão Marítima Revolução Comercial Ásia, África e AMÉRICA. MERCANTILISMO Pacto Colonial Exploração dos nativos americanos. Civilizações: Astecas Maias Incas Brasil

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01 CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Turno: INTEGRAL Currículo nº 01 Autorizado pela Resolução CEPE n.º 226, DE 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Aulas 15 Império Bizantino

Aulas 15 Império Bizantino Aulas 15 Império Bizantino DeOlhoNoEnem H5 - Identificar as manifestações ou representações da diversidade do patrimônio cultural e artístico em diferentes sociedades.(catedral de Santa Sofia) H12 - Analisar

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2 BIMESTRE O Barroco - a arte que predominou

Leia mais

AUTORAS: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORAS: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Geografia AUTORAS: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. ANA CONSUELO MARTINS LOPES OLIVEIRA Graduada

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo Comentário Geral Como sempre foi ressaltado em sala de aula, temas como Grécia, Idade Média, Revolução Francesa, Direitos Civis, refugiados,

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

a) Analise a posição assumida por Ribeyrolles quanto à imigração chinesa para o Brasil.

a) Analise a posição assumida por Ribeyrolles quanto à imigração chinesa para o Brasil. HISTÓRI 1 Leia o texto a seguir. Espera-se colonizar com os chineses, os coolies, os malaios e todas essas raças degeneradas do oriente, sorte de lepra humana? Já se experimentou a espécie do Celeste Império.

Leia mais

Nome: N.º: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs

Nome: N.º: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões 1 e 2. PLANETA sustentável QUANTO SE GASTA DE ÁGUA

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE:

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1) Combate às políticas de recolonização do continente americano; 2) Aproximação com a América Latina; defesa do não-intervencionismo europeu na América como expressão

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Professor (a): Rodrigo Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Observe as imagens, que pertencem ao manuscrito de um cronista inca, "Guaman Poma de Ayala" (1526-1614). (1,5)

Observe as imagens, que pertencem ao manuscrito de um cronista inca, Guaman Poma de Ayala (1526-1614). (1,5) Observe as imagens, que pertencem ao manuscrito de um cronista inca, "Guaman Poma de Ayala" (1526-1614). (1,5) Leia as afirmações seguintes, a respeito dos incas e marque a afirmativa INCORRETA. a) Tinham

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império;

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; ROMA Roma Antiga O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; Sua queda, em 476, marca o início da Idade Média. O mito

Leia mais

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito *

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * 1. (Fatec) "A cidade-estado era um objeto mais digno de devoção do que os deuses do Olimpo, feitos à imagem de bárbaros humanos. A personalidade humana,

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

As fronteiras na atualidade. Allmaps

As fronteiras na atualidade. Allmaps As fronteiras na atualidade Allmaps Chateau de Chantilly, França Biblioteca Nacional, Paris, França O Surgimento dos estados nacionais Iniciou-se na Baixa Idade Média (a partir do século XV) Do século

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 7º Ano 3º/4º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Luciana Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império

A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império A visão geopolítica luso-brasileira: Colônia Império ECEME IMM / CEE 12/JUN/2013 Marcos Henrique Camillo Côrtes Embaixador À guisa de introdução Fundamentos do Relacionamento Internacional 1. Espaço Geopolítico

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa Leia as questões da prova e, em seguida, responda-as preenchendo os parênteses com V (verdadeiro) ou F (falso). Texto 1 Januária 08 Toda gente homenageia Januária na janela Até o mar faz maré cheia Pra

Leia mais

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS 1º ano Estudo da História Estudo da História O Brasil antes dos portugueses América antes de Colombo Povos indígenas do Brasil A colonização portuguesa A colonização europeia na América Latina Introdução:

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Gabarito 7º Simulado Humanas

Gabarito 7º Simulado Humanas GEOGRAFIA QUESTÃO 01 a) Alguns fatores físico-naturais são: relevo, área de encosta de forte declividade; clima, elevada precipitação pluviométrica e infiltrações em áreas desflorestadas, levando a deslizamentos

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO A partir do século XI Expansão das áreas de cultivo, as inovações técnicas.

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 8 A partir de 2012

CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 8 A partir de 2012 CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Turno: NOTURNO Currículo nº 8 A partir de 2012 Reconhecido pelo Decreto n o 32.242, de 10.02.53, D.O.U. nº 42 de 20.02.53. Renovação de Reconhecimento Decreto nº. 8405,

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

Apoio didático de Geografia 2º ano

Apoio didático de Geografia 2º ano Nome: Nº: Turma: Geografia 2º ano Apoio didático Silvia fev/09 Apoio didático de Geografia 2º ano 1º Semestre I. Formação da Economia Mundo 1. Explique resumidamente as ideias do socialismo. 2. Diferencie

Leia mais

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências entre o Norte e o Sul dos EUA (

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

Quadro de conteúdos HISTÓRIA

Quadro de conteúdos HISTÓRIA Quadro de conteúdos HISTÓRIA 1 Apresentamos, a seguir, o conteúdo a ser trabalhado em cada período do segundo ciclo do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano. 6 o ano 1 A História e a humanidade 2 Sociedades

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: HISTÓRIA Período: Anual Professor: INÊS PEREIRA Série e segmento: 1º ENSINO MÉDIO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE Respeitar e entender a importância do patrimônio

Leia mais

CONCEITOS TERRITORIAIS. Prof. Rogério

CONCEITOS TERRITORIAIS. Prof. Rogério CONCEITOS TERRITORIAIS Prof. Rogério CONCEITOS TERRITORIAIS ORIGEM E FORMAÇÃO HISTÓRICA DO TERRITÓRIO: Final do século XV expansão marítima; Extração de recursos naturais; AMÉRICA PORTUGUESA: Domínio desde

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

HISTÓRIA DA MÚSICA BRASILEIRA

HISTÓRIA DA MÚSICA BRASILEIRA HISTÓRIA DA MÚSICA BRASILEIRA A Formação da música brasileira A música do Brasil se formou a partir da mistura de elementos europeus, africanos e indígenas, trazidos respectivamente por colonizadores portugueses,

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

01. A religião muçulmana, que contribuiu para unificar os povos de origem árabe e lhes forneceu amparo espiritual ao longo de sua expansão,

01. A religião muçulmana, que contribuiu para unificar os povos de origem árabe e lhes forneceu amparo espiritual ao longo de sua expansão, Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 1ª. Disciplina: História (p1,1ª,chamada, 4º. Bimestre) prova dia 23 de outubro de 2015.

Leia mais

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere.

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. Revisão Específicas 1. (FUVEST) Observe esta charge: a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. b) Explique quais são os principais elementos do desenho que permitem identificar

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Exercícios Reorganização Política Internacional

Exercícios Reorganização Política Internacional Exercícios Reorganização Política Internacional 1. (Ufg 2013) Analise a charge a seguir. A charge refere-se a dois temas: o papel do Estado na economia e as relações de trabalho. A respeito desses temas,

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Matemática Matemática Ciências Inglês História Geografia LPG LPG

Matemática Matemática Ciências Inglês História Geografia LPG LPG Joinville, 29 de novembro de 2013. Senhores Pais: Informamos que dia 06/12/2013, sexta feira, a partir das 14h, o boletim on-line estará disponível com notas referentes ao terceiro trimestre (após recuperação

Leia mais