Gênero e Juventude. ST 1 Leonardo Turchi Pacheco UFMG Palavras-chave: Masculinidade, Identidade, Grupos Juvenis Urbanos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gênero e Juventude. ST 1 Leonardo Turchi Pacheco UFMG Palavras-chave: Masculinidade, Identidade, Grupos Juvenis Urbanos"

Transcrição

1 Gênero e Juventude. ST 1 Leonardo Turchi Pacheco UFMG Palavras-chave: Masculinidade, Identidade, Grupos Juvenis Urbanos Som de Macho : Uma reflexão sobre identidade, masculinidade e alteridade entre os headbangers Esse trabalho tem como proposta fazer uma reflexão sobre os códigos culturais dos headbangers enfocando as relações existentes entre a construção de identidade, a masculinidade e a percepção da alteridade. No primeiro passo será identificar o gênero musical denominado heavy metal e o estilo de vida denominado headbanger. Nesse momento será importante fazer um relato sobre os gostos musicais e a estética desse grupo urbano. Em seguida, serão analisadas as resenhas dos discos, as cartas de leitores contidas nas três maiores publicações nacionais do estilo as revistas Rock Brigade, Roadie Crew e Valhalla e as entrevistas realizadas com tatuadores e body piercers entre o período de 1998 á A ênfase recairá sobre as relações de gênero e sobre as relações de poder. A partir dos conflitos instaurados por essas relações é que a representação das garotas, dos outsiders e dos desviantes, bem como a representação dos garotos, dos estabelecidos e dos normais serão construídas. Os headbangers, que também são chamados de heavys, metaleiros, metalheads, metal,os de camisas pretas, formam um grupo urbano que estabelecem redes de relações sociais por compartilharem, entre outros aspectos, os mesmos gostos musicais; ou seja, apreciam um tipo de música rotulada heavy metal. O heavy metal é um sub gênero do rock que surge no final da década de 60, início da década de 70. Suas raízes estão ligadas as bandas de rock inglesas e norteamericanas, como o Cream, The Who, Jimi Hendrix e The Doors, que abusavam das distorções e solos de guitarra, dando assim, um novo direcionamento para o que então se chamava de Rock and Roll. Não há um consenso sobre a origem desse gênero de musica. O que se sabe é que o termo surge primeiramente na música Born to be Wild 1 da banda Steppen Wolf e é utilizado para se referir à potência do motor da motocicleta Harley Davidson: Heavy metal Thunder. O termo heavy metal se popularizou porque os críticos de revistas especializadas em rock, como a americana Creem, utilizavam-no para denominar as bandas Led Zeppelin, Black Sabbath, Deep

2 Purple, MC5 e outras que faziam um som repleto de distorções de guitarra, de ritmos sincopados e de outros elementos que se tornariam códigos musicais desse gênero. Os códigos musicais são essenciais para a formação e desenvolvimento desse estilo 2. Como aponta Deena Weinstein (2000), a comunicação de potência mediante o som dos instrumentos é um elemento importante para o código e a identificação do heavy metal como um gênero musical e estilo de vida. É através de gradações de potência, técnica 3, velocidade e melodia que as bandas serão classificadas 4 e julgadas como boas ou ruins, masculinas ou femininas, verdadeiras ou falsas 5, pelas revistas especializadas e conseqüentemente pelos membros da subcultura. As resenhas dos discos das bandas nas revistas Roadie Crew e Rock Brigade revelam essa associação: ARCH ENEMY Doomsday machine nota 8,5 (...)Eis que Michael Amott, em 2002, surge com a vocalista Angela Gossow e então conseguiram explorar de vez o potencial, além de colocarem uma dose a mais de curiosidade. Afinal, o Arch Enemy não é nenhuma banda gótica ou criando músicas tranqüilas para ter uma mulher no vocal. Ângela canta de maneira gutural em uma banda que faz som brutal. (CV, Roadiecrew, nº 81, Outubro/2005, pg 40) NELSON Life nota 4 Nessa época em que poser era sinônimo de viadagem, um rapaz admitir que gostava de Nelson tinha praticamente o mesmo resultado de que se resolvesse fazer implante de peito (RF,Rock Brigade, nº 159 Outubro /99, pg 29) HATE ETERNAL Conquering the throne nota 9 (...) mais isso aqui tem que vir com um aviso, alguma coisa que prepare o ouvinte para o massacre que vai tomar de assalto seus alto-falantes! Que desgraça, que massacre, que porrada! (...) sem tecladinhos para dar clima (...) o que existe e em profusão são riffs insanos, peso assustador, velocidade anormal, vocais guturais e grosserias generalizadas (RF, Rock Brigade, nº 159 Outubro /99, pg 31) Mas a potência não está localizada somente no som, ela o transcende e se instaura no cultivo do corpo e no comportamento agressivo como evidencia Caiafa: Para os heavys a força só vem da força. É o máximo para produzir o máximo. O corpo no auge de seu desenvolvimento (músculos) e o cabelo longo compõem também uma espécie de figura do bárbaro, uma posição anticivilização em que a destruição é estritamente trabalho muscular. Para produzir intensidade de som, o máximo de equipamentos: guitarras potentíssimas, toda sorte de pedais, muitos distorcedores. Também na performance: para impactuar, ficar o máximo possível de tempo utilizando esses recursos, daí solos longuíssimos de guitarra hiperdistorcida e tudo ligado no maior volume possível de som (...) como acontece com a pornografia que por mostrar demais parece distorcer tudo sob uma lente de aumento (Caiafa,1985:132). Segundo Deena Weinstein (2000), nos Estados Unidos os headbangers são na sua maioria jovens brancos, do sexo masculino, provenientes dos extratos menos abastados da sociedade, mas especificamente relacionadas com trabalhadores braçais ( blue collar ). A autora aponta que a partir da década de noventa houve uma agregação muito grande de jovens de origem hispânica na subcultura em questão, o que acaba por desvirtuar esta característica de uma cultura de jovens brancos ( whiteness ). No Brasil o grupo apresenta praticamente as mesmas características: eles também são na sua maioria jovens do sexo masculino das classes médias e baixas, porém não

3 podemos afirmar que são em sua vasta maioria composta por brancos, mas sim que há uma mistura de raças resultando daí, na maioria dos casos, uma maior tolerância. O visual é um elemento não musical importante para o grupo. Eles se vestem de jeans, jaqueta de couro e camisa preta estampadas com o emblema da banda favorita, ou mesmo com desenhos que remetem as capas dos discos dessas bandas. O cabelo é sempre bem longo, mas ultimamente devido às misturas com outros estilos, também podem ser bem curtos, ou simplesmente raspados. Os corpos são tatuados e cheio de piercings. A música continua sendo o elemento agregador, mas o visual adquire importância no sentido em que é a partir dele que o indivíduo torna-se visível e identificável na multidão. Neste caso a estética visual revela quem é de dentro e quem é de fora dotando o grupo de um estilo particular. Para o iniciado o estilo passa a ser um texto que pode ser lido. Assim, o cabelo longo, as tatuagens, os piercings, as camisetas pretas, o jeans surrado se apresentam como símbolos de pertencimento e de ligação entre os indivíduos. Nunca será demais insistir: à autenticidade dramática do social corresponde a trágica superficialidade da socialidade. Já demonstrei, a propósito da vida quotidiana, como a profundidade pode ocultar-se na superfície das coisas. Daí a importância da aparência. (...) ela é vetor de agregação. (...) a estética é um meio de experimentar, de sentir em comum e é, também, um meio de reconhecer-se. Parva esthetica? Em todo o caso, os matizes da vestimenta, os cabelos multicoloridos e outras manifestações punk, servem de cimento. A teatralidade instaura e reafirma a comunidade. (Maffesoli,1998: 108) O cabelo longo e as tatuagens aparecem como marcas de identidade e de lealdade para com o movimento e como aponta Mafessoli são elementos reafirmadores da comunidade. O cabelo longo é uma marca, entre outras coisas, pela sua visibilidade. O seu tamanho é geralmente associado com a longevidade da lealdade pelo movimento, isto porque o cabelo para ficar de um tamanho considerado longo demanda anos e anos de cultivo. O cabelo longo é utilizado para acompanhar o ritmo das músicas nos shows em um movimento onde a cabeça se movimenta para frente e para trás ou de forma circular e o cabelo segue estes movimentos, encobrindo o rosto para depois revelar uma expressão de prazer e raiva, na qual a boca se abre e os dentes são cerrados. Afinal não é à toa que a tribo se chama headbanger: literalmente as cabeças que balançam. O cabelo longo é, também, um atrativo para o sexo oposto, já que as garotas muitas das vezes se referem ao pretendente como um cabeludo bonito. As tatuagens implicam uma lealdade ainda maior. Os cabelos podem ser cortados, as tatuagens são permanentes. Os desenhos da tatuagens são relativos as capas de discos, aos logotipos das bandas, ou algum detalhe de uma pintura relevante para o estilo. Eles tatuam muito

4 cara de demônio, olhos gosmentos, tribal e capas de discos do Morbid Angel, Sepultura e Biohazard (T.O. tatuador, Belo Horizonte). Como aponta Clastres (2003), quando trata dos rituais de torturas nas sociedades primitivas, o corpo marcado traz em suas feridas lembranças de pertencimento a uma determinada sociedade. Para esse autor, um homem iniciado é um homem marcado e além disso o corpo é uma memória (Clastres, 2003: 201). Elas marcam uma passagem do meu dia a dia fazendo um diário (...) mas meu diário é de revolta, sacou?! (L. tatuador e tatuado de Belo Horizonte). Este ritual de memória e individualização do corpo é uma das formas de diferenciação dentro do grupo. Existe uma relação entre mostrar e esconder as tatuagens. Elas não se apresentam em toda a visibilidade, quando aparecem podem até gerar reações de admiração por indivíduos do mesmo sexo. É importante notar que apesar de ser uma cultura que preza muito a masculinidade olhar para o corpo de um outro homem pode conotar homossexualismo, viadagem, boiolagem olhar para um tatuado em algumas situações pode ser considerado um gesto de admiração e de respeito. Não é raro que os tatuados, já iniciados na arte, mostrarem entre si as tatuagens que possuem no corpo. Elas são associadas ao prazer proveniente da dor e ao vício de se tatuar, uma espécie droga que injeta rajadas de adrenalina no corpo. O respeito é conquistado através da coragem, da valentia, do enfrentamento da dor. Por fim elas se apresentam como a forma máxima de demonstrar a união entre o tatuado e o movimento heavy metal. É uma forma de identificação de delimitação da comunidade. dá para definir uma pessoas pela tatuagem que tem (...) geralmente um cara tatua uma coisa que tem relação com a personalidade dele. Um cara cheio de caveira (sic) e demônio (sic) não vai ser crente, pode até ser mais arrependido (...). você nunca vai ver uma pessoa que gosta de Cannibal Corpse e Napalm Death, com uma tatoo de florzinha, nunca!!! Pode até ter, mais em baixo vai ter uma caveira de todo tamanho (N. body piercer, Belo Horizonte). As camisetas pretas com emblemas desenhados são vendidas em shows e em lojas especializadas. As camisetas vendidas em shows possuem maior valor simbólico do que as vendidas em lojas. Isto ocorre porque as camisetas de show, também conhecidas como de turnês, dão autoridade para o headbanger falar da performance de determinada banda. As camisetas de turnês são as que mais dão status ao headbanger, porque atestam a longevidade da fidelidade de seu portador ao movimento. Neste momento se percebe uma relação de hierarquia que se apresentava nas cartas das revistas especializadas: a relação entre os novos headbangers e os velhos headbangers. Os

5 indivíduos mais velhos do movimento acusavam os mais novos de não serem verdadeiros headbangers, por seguirem modas, por não compartilharem dos mesmos ídolos, por não reconhecerem as bandas clássicas como fundamentais para o movimento e assim por diante. É muito importante ser considerado verdadeiro. Ser verdadeiro é ter atitude, não seguir modas, não escutar sons comerciais, enfim, seguir os códigos do estilo, reconhecer as bandas pelo nome, as músicas pelo nome, a ordem em que estão no disco entre outras coisas. Por outro lado, o falso metal é sempre associado com os boys, com os cuzões, com as pessoas que falam besteiras, não sabem nada de música, não tem integridade e nem atitude. E ser um boy e um cuzão é ser o outro hostilizado, não partilhar da comunhão do grupo. Maxwell, quando um fdp passar mexendo, faça como a grande maioria: jogue uma pedra! Ou quando estiver em grupo e reconhecer o camarada, de umas porradas nesse playboy e fode este cuzão (AG. F. São Paulo, Rock Brigade n.165, ano 19, abril / 2000, p.47). Como se percebe, o aspecto mais marcante e constantemente reafirmado para a construção da identidade e da alteridade é a masculinidade. Os estereótipos masculinos estão presentes na forma de representação da força, da agressividade e do auto-controle do corpo masculino e também na representação da mulher e do homossexual como sendo submissos e passivos. Nesse sentido é que ser um falso, um cuzão, uma patricinha, uma groupie, um clubber, um boy, um mélódico está associado a passividade e a desmoralização perante os pares. Como aponta Connell (1995) há uma relação de poder, que estabelece graus de dominação/autoridade e subordinação/marginalização, entre os diversos tipos de masculinidade, dependendo da posição em que o indivíduo ocupa em relação aos outros. Em outras palavras, ser mais ou menos masculino está ligado com o poder simbólico ou material que um grupo ou indivíduo possui em relação a outros grupos ou indivíduos. É nesse sentido que Nolasco (1993), Mosse (1996) e Oliveira (2004) apontam para instabilidade da identidade masculina. Para esses autores a masculinidade ser homem não é algo dado, mas sim uma construção social e histórica que está em constante mudança e por isso precisa ser reforçada a todo instante. E essa reafirmação da masculinidade dita hegemônica, se dá através de ações que são prenhes de misoginia, desmoralização, degradação, desumanização e violência física ou simbólica contra aqueles que são vistos como desviantes. No caso dos headbangers esses desviantes são as mulheres, os homossexuais e todos aqueles que são representados como efeminados. O homossexualismo é condenado. Há uma intolerância contra os homossexuais que não chega a ser tão agressiva quanto aos do skinheads 6. Aqui não há o hábito skin de queer bashing

6 (espancamento das bichas). Na realidade o que se percebe é que os headbangers fazem uma relação entre música e comportamento. Desta forma se a música não é tida como agressiva, ela será associada à falta de masculinidade. Logo, a falta de agressividade é associada à um comportamento delicado e afetado, comportamento que destoa do que ditaria o código de masculinidade do grupo: seu filho da puta, você não sabe de nada, não entende de música. Aquela sua namorada é uma puta, transformou você num gay, abriu seus olhos para a viadagem. O heavy metal é música de homem e nunca irá morrer. Se eu te conhecesse pessoalmente, você tomaria jeito de homem de tanta porrada que ia levar (B.T.G. João Pessoa/PB Rock Brigade nº 163, ano 18, fevereiro/2000, p.46). Este comportamento machista implica uma ambivalência em relação as mulheres que partilham da mesma subcultura. Elas são vistas como quase iguais, se não exibem em demasia a sua feminilidade, provam que gostam do som e amam a música. São referidas como vadias que estão no local para agarrar cabeludos ou patricinhas sismadas (sic) a anti cristo se expõem em demasia a feminilidade e não mostram interesse pela música. se você não fosse apenas uma dessas clubbers piranhas ou alguma patricinha sismada (sic) a anti cristo só porque não conseguiu que um headbanger te fodesse, saberia que a maioria das bandas black (metal) idolatra o heavy metal (...)sua puta, vadia, égua (T.D. de Belo Horizonte/MG, Rock Brigade de janeiro de 97/ nº150, p.46). Esta representação feminina na subcultura heavy metal é tão evidente que leva algumas headbangers a protestarem e lamentarem o machismo que permeia a cena e não raro, culparem outras mulheres as falsas, as groupies pela atitude dos homens: é extremamente desagradável ir para um show e ser molestada sexualmente por pseudo-homens que precisam passar a mão para se sentirem mais machos. Mas atribuo somente parte dessa culpa a esses frustrados, pois a outra parte se deve a incrível arte das saracoteantes groupies. Elas podem usar e abusar de seus dotes artísticos, pois para mim é indiferente. O problema é que nós garotas que vamos ao show para curtir heavy metal e fazer amizades e não para caçar cabeludos, somos vítimas das ações dessas garotas, que queimam nosso filme. Isso faz com que nossa imagem no cenário heavy seja tipificada como sinônimo de putaria ( M. Várzea Grande Paulisat/SP, Rock Brigade nº 157 agosto/99, pg 46) Percebe-se a misoginia como uma estratégia de demarcação das diferenças intra-grupais. A exacerbação da misoginia reflete um conflito que visa colocar as garotas no seu devido lugar, ou seja, fora da cena. É o que os leitores através de suas cartas expressam de forma enfática. Novamente, as mulheres são associadas ao elemento desagregador e negativo da subcultura. Elas são falsas, posers, não entendem nada de som e além disso, são vistas como objeto de desejo sexual. Elas são rejeitadas, não são percebidas como iguais, a não ser, que se comportem como homens.

7 sou contra as mulheres no meio do metal pois elas não curtem porra nenhuma. Digo uma coisa pra elas : vão lavar roupa e varrer o chão, esse é o lugar de vocês (L. Rio de Janeiro/RJ, Rock Brigade nº152, ano 18, março/ 99 p.47). não existem garotas reais no black metal. Todas são umas falsas e modistas que não manjam nada. Em vez de apreciarem o som da banda, elas apreciam as rolas dos caras. Mulheres só servem para trepar e ficarem na cozinha fazendo comida. Black metal é coisa de homem ( N. São Paulo/SP, Rock Brigade nº 157 agosto/99, pg 46) gostaria de deixar bem claro que sou totalmente contra garotas no meio underground.todas são falsas, posers e não entendem nada do verdadeiro som, o heavy metal. Em vez de escutar o som da banda, ficam pensando no tamanho da pica dos integrantes. Garotas só servem para chupar nossas rolas e fazer missin miojo (H.W.C.F, Poços de Caldas/MG, Rock Brigade nº 161 Dezembro/99, pg 47) Enfim, como foi percebido mediante a análise das cartas de leitores e das resenhas de discos, contidas nas principais revistas especializadas em heavy metal no Brasil entre 1998 e 2005, a música e o visual são os dois códigos principais da subcultura. É primeiro o som, através do peso e agressividade, fruto das distorções e altos decibéis, que afirma toda a identidade da subcultura. Em seguida o visual vem reforçar, através de sua estética corporal, como relatam os tatuadores, os parâmetros masculinos que imperam nas relações de poder que definem os lugares e posições de cada indivíduo dentro do grupo. As garotas, assim como todos aqueles, que por seu comportamento ou gosto musical, se aproximam delas são vistas como desagregadoras e perturbadoras da homosocialidade que identifica a subcultura. Referências CAIAFA, Janice. Movimento punk na cidade-a invasão dos bandos sub. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed,1989. CLARKE, John. STYLES. In: HALL, Stuart e JEFFERSON, Tony (org.). Resistance through Ritual: youth subcultures in post-war Britain. London: Routledge, CLASTRES, Pierre. A Sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosak & Naify, CONNELL, R.W. Masculinities: knowledge, power and social change. Berkeley and Los Angeles, Califórnia: University of California Press, COSTA, Márcia Regina da. Os Carecas de subúrbio : os caminhos de um nomadismo moderno. Petrópolis: ed Vozes,1993. MAFESSOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, MOSSE, George. The Image of Man. New York/ Oxford: Oxford University Press, 1996.

8 NOLASCO, Sócrates. O mito da Masculinidade. Rio de Janeiro: Rocco, OLIVEIRA, Pedro Paulo. A construção Social da Masculinidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, WEINSTEIN, Deena. Heavy Metal: the music and its culture. United States: Da Capo, Essa música ficou conhecida por fazer parte da trilha sonora do filme Easy Rider, épico da contracultura hippie de Easy Rider é um filme que enfoca as experiências de dois motoqueiros que decidem cruzar os Estados Unidos em suas motocicletas Harley Davidson. 2 Aqui uso a categoria estilo como denominou Clarke (1998): um processo interno e externo de identificação dos grupos envolvidos em uma relação. Processo que estabelece fronteiras delimitativas, posições e lugares definidos para os de dentro e os de fora, o nós e o eles a partir de elementos estéticos e comportamentais que são valorizados e reforçados ou desvalorizados, negados e rechaçados. 3 Ao contrário do que ocorre com os punks, que enfatizam a simplicidade no tocar, os headbangers valorizam a habilidade para tocar um instrumento. A técnica é um elemento importante para o estilo: os solos de guitarras, os ritmos na bateria só podem ser executados se forem praticados incansavelmente em uma rotina intensa de estudos individuais ou em grupos de músicos. 4 É a partir dessas gradações de andamento da música e da potência que as bandas são distinguidas. É assim que se identificam os diversos subgêneros dentro do gênero heavy metal. Aprender que tipo de som cada banda faz e reconhecer cada disco profundamente é uma obrigação para os membros desse grupo urbano. Isso demanda tempo livre e paciência, mais é extremamente importante. Só para se ter uma idéia da complexidade do aprendizado cito os nomes das bandas e os subgêneros que elas pertencem: Poison Light rock, também de chamado de poser ou rock farofa, Aerosmith Hardrock. Judas Priest, Iron Maiden Heavy clássico, tradicional, Angra, Stratovarius Heavy Melódico, Dream Theater Progmetal, Korn Newmetal, Rage Speed metal, Metallica, Sepultura Thrash metal, Obituary, Entombed Death metal, Arch enemy, Inflames Melodic death metal Cannibalcorpse Splatter metal, Krisium, Hate eternal brutal death metal, Darkthrone, Mayhem Black metal, Dimmu Borgir Melodic black metal e assim por diante. 5 Verdadeiro e Falso são duas categorias nativas muito relevantes para a subcultura. Essas são categorias que se revelam muito complexas e fluídas, pois que mudam dependendo da posição dos atores que as enunciam. Os conflitos do grupo giram em torno dessas duas categorias que são usadas para estabelecer quem são os outsiders e quem tem a autoridade para se definir como um verdadeiro bangers. 6 Para um estudo abrangente dos skinheads e dos carecas de subúrbio ver Costa, 1993.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

Colégio Ofelia Fonseca IDENTIDADE DO HEAVY METAL

Colégio Ofelia Fonseca IDENTIDADE DO HEAVY METAL Colégio Ofelia Fonseca IDENTIDADE DO HEAVY METAL Ilan Dayan São Paulo, Brasil 2012 1 Ilan Dayan IDENTIDADE DO HEAVY METAL Trabalho realizado e apresentado sob a orientação do Professor Henrique, da disciplina

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DE CENTROS URBANOS E SUSTENTABILIDADE: OS EXEMPLOS DA ESTAÇÃO DAS DOCAS E DA CIDADE DE BARCELONA

REVITALIZAÇÃO DE CENTROS URBANOS E SUSTENTABILIDADE: OS EXEMPLOS DA ESTAÇÃO DAS DOCAS E DA CIDADE DE BARCELONA REVITALIZAÇÃO DE CENTROS URBANOS E SUSTENTABILIDADE: OS EXEMPLOS DA ESTAÇÃO DAS DOCAS E DA CIDADE DE BARCELONA Bernard Arthur Silva da Silva * Franknaldo Silva de Oliveira ** 1 Quando a década de 90 se

Leia mais

estoril Saiba mais sobre as atrações!

estoril Saiba mais sobre as atrações! Realização A Petrúcio Maia chega à sua sétima edição em 2015 como um dos eventos mais importantes para a cena autoral de Fortaleza. A Mostra é uma homenagem a um dos maiores compositores cearenses! Saiba

Leia mais

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC Escola Secundária Ferreira Dias Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos Curso técnico de vitrinismo Disciplina: TIC Professora: Vanda Pereira Novembro de 2013 Índice Introdução... 1 Moda dos

Leia mais

JUVENTUDE PERDIDA: METAL, CONSERVADORISMO E PRECONCEITO NA DÉCADA DE 1980. Palavras-chaves: heavy metal, juventude, conservadorismo.

JUVENTUDE PERDIDA: METAL, CONSERVADORISMO E PRECONCEITO NA DÉCADA DE 1980. Palavras-chaves: heavy metal, juventude, conservadorismo. JUVENTUDE PERDIDA: METAL, CONSERVADORISMO E PRECONCEITO NA DÉCADA DE 1980 Reubert Marques Pacheco Universidade Federal de Goiás/ Campus Catalão (Aluno graduação) Orientadora: Profa. Dra. Márcia Pereira

Leia mais

Movimento Gótico: revelando preconceitos e estereótipos Lucas Fernando Braga da Silva 1

Movimento Gótico: revelando preconceitos e estereótipos Lucas Fernando Braga da Silva 1 Movimento Gótico: revelando preconceitos e estereótipos Lucas Fernando Braga da Silva 1 RESUMO: Este trabalho procura refletir sobre a imagem criada para os góticos como estranhos, vândalos e rebeldes.

Leia mais

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch? Escalas - I Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=ek0phekndbu Sumário Introdução Escalas Musicais...0 Escala Pentatônica Menor Histórico

Leia mais

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII CATEGORIA: EM

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

O adolescente Emo e as questões antropológicas envolvidas nesse grupo

O adolescente Emo e as questões antropológicas envolvidas nesse grupo O adolescente Emo e as questões antropológicas envolvidas nesse grupo Na sociedade ocidental atual, os adolescentes em geral enfrentam um conflito intenso dentro de si mesmos: ao passo que a sexualidade

Leia mais

Entrevista com Atomic Fear

Entrevista com Atomic Fear Entrevista com Atomic Fear 1- Quando a Atomic Fear diz que foge dos lugares comuns em suas composições, oque vocês realmente desejam expressar? Que não nos preocupamos em seguir determinadas tendências,

Leia mais

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES Vinícius Lopes Torres 1 Resumo: A homossexualidade é um tema que ganha cada vez mais

Leia mais

Introdução. Como tudo começou

Introdução. Como tudo começou PROJETO SEXTA ÀS SEIS: UMA ETNOGRAFIA DE SEUS FREQUENTADORES Ivonete Taubateano Faculdade Sagrada Família ivonetetaubateano@hotmail.com Aline Ferreira Biglia Wasilewski Universidade Estadual de Ponta Grossa

Leia mais

Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos

Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos Seja Bem Vindo! Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Psiquiatra

Leia mais

Tribos Urbanas: metáfora ou categoria? 1. Selvagens, desajustados?

Tribos Urbanas: metáfora ou categoria? 1. Selvagens, desajustados? Tribos Urbanas: metáfora ou categoria? 1 Selvagens, desajustados? Quando a imprensa noticia certo tipo de ocorrência, geralmente envolvendo grupos de jovens ou adolescentes enfrentamentos entre bandos

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M Mais que uma programação feita para ouvintes exigentes, a Mundo Livre FM ultrapassa a frequência do rádio e se estabelece como uma identidade conceitual. No ar há 7 anos,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 Sofia Z. Na parte anterior vimos algumas das razões do declínio do tesão entre os casais que têm uma relação estável. Nesta parte vamos fazer algumas considerações

Leia mais

Homofobia nas escolas

Homofobia nas escolas Homofobia nas escolas Seminário Plano Nacional de Educação Mobilização por uma Educação sem Homofobia Brasília, 23 de novembro de 2011. Miriam Abramovay 1 Escola e violência O fenômeno das violências nas

Leia mais

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação Conteúdos: Gêneros musicais: Rock Revisão Avaliação Habilidades: Valorizar as diversas culturas musicais, especialmente as brasileiras Habilidades: Reconhecer e utilizar com propriedade diversas técnicas

Leia mais

TIME FOR FUN ANUNCIA SHOWS NO BRASIL DO G3, TRIO DE GUITARRISTAS FORMADO POR JOE SATRIANI, JOHN PETRUCCI E STEVE MORSE

TIME FOR FUN ANUNCIA SHOWS NO BRASIL DO G3, TRIO DE GUITARRISTAS FORMADO POR JOE SATRIANI, JOHN PETRUCCI E STEVE MORSE TIME FOR FUN ANUNCIA SHOWS NO BRASIL DO G3, TRIO DE GUITARRISTAS FORMADO POR JOE SATRIANI, JOHN PETRUCCI E STEVE MORSE Apresentações acontecem em outubro no Rio de Janeiro, dia 11 e em São Paulo, dia 12

Leia mais

A fotografia de Jørgen Angel

A fotografia de Jørgen Angel A fotografia de Jørgen Angel Jørgen Angel (nascido em 1951, em Copenhagen na Dinamarca) trabalhou como fotógrafo profissional no cenário musical desde sua adolescência, no final dos anos 60, até o início

Leia mais

Poder Invisível Use sua mente a seu favor!

Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Lucyana Mutarelli Poder Invisível Use sua mente a seu favor! 1 Edição Abril de 2013 "Concentre-se naquilo que tem na sua vida e terá sempre mais. Concentre-se

Leia mais

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE 11º Colóquio de Moda 8ªEdição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE The youth fashion

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

A construção dos estilos de vida na cultura contemporânea a partir do consumo simbólico da moda

A construção dos estilos de vida na cultura contemporânea a partir do consumo simbólico da moda A construção dos estilos de vida na cultura contemporânea a partir do consumo simbólico da moda Ludmila Prado Massarotto Data de defesa: 01/09/2008 Instituição: Centro Universitário Senac - SP Este trabalho

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

ENTRE OS INSTRUMENTISTAS E AS CANTORAS: O LUGAR DO FEMININO E DO MASCULINO NO SAMBA, NO CHORO E NO FADO

ENTRE OS INSTRUMENTISTAS E AS CANTORAS: O LUGAR DO FEMININO E DO MASCULINO NO SAMBA, NO CHORO E NO FADO ENTRE OS INSTRUMENTISTAS E AS CANTORAS: O LUGAR DO FEMININO E DO MASCULINO NO SAMBA, NO CHORO E NO FADO Marina Bay Frydberg 1 Nestes últimos dez anos, jovens músicos estão redescobrindo gêneros músicas

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Amanda Medeiros Cecília Aragão Mais importante do que a roupa é a vida que se vive dentro da roupa. A gente é mais bonita quando está feliz. Quem se

Leia mais

SER EMO: PROCESSOS IDENTITÁRIOS EM TRIBOS DE JOVENS URBANOS

SER EMO: PROCESSOS IDENTITÁRIOS EM TRIBOS DE JOVENS URBANOS SER EMO: PROCESSOS IDENTITÁRIOS EM TRIBOS DE JOVENS URBANOS Juliana Brunoro de Freitas UFES - julibrunoro@hotmail.com Julia Alves Brasil UFES - julinhaj@hotmail.com Elisa Avellar Merçon De Vargas UFES

Leia mais

Pedimos a cinco profissionais para criar a capa de um álbum fictício

Pedimos a cinco profissionais para criar a capa de um álbum fictício 60 Project three Promotion and packaging Foto Nelson Alves Jr. Livraria Cultura - Conjunto Nacional Desafio de design Pedimos a cinco profissionais para criar a capa de um álbum fictício Dentro do diverso

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, COMUNICAÇÃO, LETRAS E ARTE CURSO DE COMUNICAÇÃO E MULTIMEIOS DISCIPLINA FLEXÍVEL Disciplina: Música-voz-som e processos criativos:

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Release Principais shows Clipping 1 Clipping 2 Clipping 3 Mapa de palco Input List Discografia Demo clipe Contato

Release Principais shows Clipping 1 Clipping 2 Clipping 3 Mapa de palco Input List Discografia Demo clipe Contato Release Principais shows Clipping 1 Clipping 2 Clipping 3 Mapa de palco Input List Discografia Demo clipe Contato A banda surgiu em 2005 na cidade de Moreno (PE) através de uma reunião organizada entre

Leia mais

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h.

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programação Geral Música Regional Brasileira A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programa destinado a divulgar a música típica das regiões do Brasil. Toca os grandes mestres da música nordestina e mostra

Leia mais

Grupo Terapêutico: diminuindo impactos da violência familiar em crianças 1

Grupo Terapêutico: diminuindo impactos da violência familiar em crianças 1 Grupo Terapêutico: diminuindo impactos da violência familiar em crianças 1 Veruska Galdini 2 1. Introdução Durante os 17 anos de existência da ACER, temos encontrado crianças 3 que apresentam uma referência

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

SOBRE PROJETO OCUPAR URBANO

SOBRE PROJETO OCUPAR URBANO SOBRE PROJETO OCUPAR URBANO SUMÁRIO O QUE É OCUPAR URBANO MISSÃO OBJETIVO PLATAFORMA PRODUTOS SUSTENTÁVEL FORMAS DE PARTICIPAÇÃO REDES SOCIAIS MÍDIAS ELETRÔNICAS LOGOTIPO PROJETO EDITORIAL PROJETO GRAFICO

Leia mais

Aprender linguagem > 18 meses a 3 anos > 1. VOCABULÁRIO. Primeiras palavras. Vamos acompanhar

Aprender linguagem > 18 meses a 3 anos > 1. VOCABULÁRIO. Primeiras palavras. Vamos acompanhar Aprender linguagem > 18 meses a 3 anos > 1. VOCABULÁRIO Primeiras palavras. Vamos acompanhar 1 Aprender linguagem > 18 meses a 3 anos > 1. VOCABULÁRIO > 1.1. Vamos acompanhar 01. Aproxima-se de 50 palavras?

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha uns 14 anos e um amigo chegou com aquele papo de experimenta,

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OBOÉ

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OBOÉ INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE OBOÉ Você vai descobrir o oboé e aprender a tocar e aperfeiçoar a técnica! O objetivo deste documento de Introdução ao Estudo de Oboé é de divulgar e esclarecer os tópicos mais

Leia mais

(Never give out your password or credit card number in an instant message conversation)

(Never give out your password or credit card number in an instant message conversation) Nada mais adeqüado do que usar a web para uma entrevista de uma edição da fluxo que tem como tema principal os meios digitais de comunicação e produção de informação; foi exatamente isso que fizemos para

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE TRIBOS URBANAS ATRAVÉS DO CONCEITO DE TIPO-IDEAL: O CONSUMO COMO POSSIBILIDADE DE SER

A CONSTRUÇÃO DE TRIBOS URBANAS ATRAVÉS DO CONCEITO DE TIPO-IDEAL: O CONSUMO COMO POSSIBILIDADE DE SER A CONSTRUÇÃO DE TRIBOS URBANAS ATRAVÉS DO CONCEITO DE TIPO-IDEAL: O CONSUMO COMO POSSIBILIDADE DE SER RAFAEL RIBEIRO 1 LAÍS RAFAELA FUZETO 2 CONTATO: laisrafaela.f@gmail.com RESUMO - A oficina A Construção

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

A proposta deste trabalho, a partir da história fictícia de Melvin, protagonista do

A proposta deste trabalho, a partir da história fictícia de Melvin, protagonista do Prévia do Estudo de Caso A proposta deste trabalho, a partir da história fictícia de Melvin, protagonista do filme Melhor Impossível, tem o intuito de fazer a correlação entre a vivência do personagem

Leia mais

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 Isabelle IMAY 2 Isabelle HUNDSDORFER 3 Paulo Negri FILHO 4 Centro Universitário Internacional Uninter, Curitiba, PR RESUMO Trabalho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA CURSO DESIGN DE MODA. Isadora Stein Elias. Carolina Moraes Hauqui INDIES: UMA TRIBO URBANA

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA CURSO DESIGN DE MODA. Isadora Stein Elias. Carolina Moraes Hauqui INDIES: UMA TRIBO URBANA 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA CURSO DESIGN DE MODA Isadora Stein Elias Carolina Moraes Hauqui INDIES: UMA TRIBO URBANA PORTO ALEGRE 2012 2 CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA CURSO DESIGN DE MODA

Leia mais

O ambiente digital está alterando nosso cérebro de forma inédita, diz neurologista britânica

O ambiente digital está alterando nosso cérebro de forma inédita, diz neurologista britânica O ambiente digital está alterando nosso cérebro de forma inédita, diz neurologista britânica Texto adaptado por Luciana Milazzo* Susan Greenfield, especialista em fisiologia cerebral, diz que estamos cada

Leia mais

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS VANESSA COUTO SILVA A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula SÃO PAULO 2012 Introdução Este trabalho buscará uma problematização

Leia mais

A intrínseca relação entre a música e a mídia Gilberto André Borges

A intrínseca relação entre a música e a mídia Gilberto André Borges A intrínseca relação entre a música e a mídia Gilberto André Borges Refletir sobre a questão da mídia é tarefa fundamental a todos que direta ou indiretamente sofrem a sua influência em seu campo de trabalho.

Leia mais

Muito além do barulho: uma aproximação sobre a identidade do heavy metal representada na revista Rock Brigade

Muito além do barulho: uma aproximação sobre a identidade do heavy metal representada na revista Rock Brigade Muito além do barulho: uma aproximação sobre a identidade do heavy metal representada na revista Rock Brigade Jaime Luis da SILVA 1 Resumo: Um dos subgêneros do rock de maior longevidade, o heavy metal

Leia mais

13 Como estudar Teclado - Conteúdo

13 Como estudar Teclado - Conteúdo Introdução Tempo dedicado ao estudo Alongamento e aquecimento Fatores para tornar a leitura mais ágil Fatores para tornar o estudo mais produtivo Preparação para apresentar a peça em público Prazer de

Leia mais

REFERÊNCIAS DE CASES

REFERÊNCIAS DE CASES REFERÊNCIAS DE CASES CASE 01 Categoria: I MELHOR CAMPANHA DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA. Título da campanha: MARCADOS PELO ROCK Cliente: SKY Conceito: Para marcar o maior festival de música do mundo, juntamos

Leia mais

PARA ALÉM DO CHOQUE VISUAL: REPRESENTAÇÕES DA CULTURA TRADICIONAL JAPONESA ATRAVÉS DO ROCK

PARA ALÉM DO CHOQUE VISUAL: REPRESENTAÇÕES DA CULTURA TRADICIONAL JAPONESA ATRAVÉS DO ROCK PARA ALÉM DO CHOQUE VISUAL: REPRESENTAÇÕES DA CULTURA TRADICIONAL JAPONESA ATRAVÉS DO ROCK João Rodolfo Munhoz Ohara 1 ohara.hal@gmail.com Orientador: Prof. Dr. André Luiz Joanilho Resumo: Em meio ao visual

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LÍNGUA INGLESA E O PROCESSO DE COMPOSIÇÃO DE MÚSICAS DE HEAVY METAL NUMA VISÃO CRÍTICA E FUNCIONALISTA DA LINGUAGEM

A RELAÇÃO ENTRE A LÍNGUA INGLESA E O PROCESSO DE COMPOSIÇÃO DE MÚSICAS DE HEAVY METAL NUMA VISÃO CRÍTICA E FUNCIONALISTA DA LINGUAGEM A RELAÇÃO ENTRE A LÍNGUA INGLESA E O PROCESSO DE COMPOSIÇÃO DE MÚSICAS DE HEAVY METAL NUMA VISÃO CRÍTICA E FUNCIONALISTA DA LINGUAGEM Pedro Lazaro dos Santos - Universidade Federal do Piauí - UFPI 1 Introdução:

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile Fuga v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile laurabarile@gmail.com CENA 1 - EXT. RUA - DIA DORA sai do carro, bate a porta. Usa um vestido sem mangas, de algodão, comprido e leve, o cabelo levemente desarrumado,

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão

Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão Sonia Beatriz Sodré Teixeira Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutora em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ,

Leia mais

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor:

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor: Projeto ESCOLA SEM DROGAS Interpretando o texto Por trás das letras Nome: Escola: Série: Título: Autor: O que a capa do livro expressa para você? Capitulo 1 - Floresta Amazônia Por que a autora faz uma

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

COMUNICAÇÃO COM PESSOAS USHER. Um casal descreve os efeitos de Usher na comunicação e como estes podem ser ultrapassados.

COMUNICAÇÃO COM PESSOAS USHER. Um casal descreve os efeitos de Usher na comunicação e como estes podem ser ultrapassados. COMUNICAÇÃO COM PESSOAS USHER Um casal descreve os efeitos de Usher na comunicação e como estes podem ser ultrapassados. RUSS PALMER: nasceu surdo e foi diagnosticado com síndrome de Usher aos 21 anos.

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock POUCA E BOAS DA MARI - Max, você, o Sté e o Carlinhos tocam juntos desde 2003. Em 2005, o Thiago entrou na banda, foi quando surgiu

Leia mais

Tirado do website: www.spiritlessons.com

Tirado do website: www.spiritlessons.com Tirado do website: www.spiritlessons.com A artista foi levada para o inferno pelo proprio senhor Jesus. Essa artista vinha atendendo as reuniões de oração desde Abril de 2009 e continua a faze-lo. Nisso

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Banda de rock Pau com Arame

Banda de rock Pau com Arame Banda de rock Pau com Arame A banda de rock Pau com Arame, de Belo Horizonte, foi formada em 1997 e trouxe para o mundo o rock "elíptico", moderno e original enfocando temas atuais e retratando o cotidiano

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL E MÚSICA: UMA ATUAÇÃO JUNTO A ADOLESCENTES DA CASA DA CRIANÇA DO MORRO DA PENITENCIÁRIA DE FLORIANÓPOLIS

PSICOLOGIA SOCIAL E MÚSICA: UMA ATUAÇÃO JUNTO A ADOLESCENTES DA CASA DA CRIANÇA DO MORRO DA PENITENCIÁRIA DE FLORIANÓPOLIS Resumo PSICOLOGIA SOCIAL E MÚSICA: UMA ATUAÇÃO JUNTO A ADOLESCENTES DA CASA DA CRIANÇA DO MORRO DA PENITENCIÁRIA DE FLORIANÓPOLIS Iris Hermes Zanella, Lílian Caroline Urnau Acadêmicas do Curso de Psicologia

Leia mais

ANUNCIAÇÃO. Caçávamos. Digo caçávamos porque estava acompanhado,

ANUNCIAÇÃO. Caçávamos. Digo caçávamos porque estava acompanhado, ANUNCIAÇÃO Caçávamos. Digo caçávamos porque estava acompanhado, mas, na realidade, deveria dizer que caçava. A minha companheira era quem dirigia, e quem atirava era eu. A garota no banco do motorista

Leia mais

indivíduo se chamava Darwin e que ele foi odiado por seculares e comunistas. Os primeiros porque contrariava a teoria da criação divina, os segundos

indivíduo se chamava Darwin e que ele foi odiado por seculares e comunistas. Os primeiros porque contrariava a teoria da criação divina, os segundos O Burro e a Raposa Havia um tempo em que os animais falavam, mas numa língua que os humanos não entendiam. Dizem que ainda falam e que os homens ainda não aprenderam o bichonês. Se não os entendemos, a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA / 5º ANO / SIGA EDIÇÃO 2014 / ANGUERA POLUIÇÃO DO SOLO

AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA / 5º ANO / SIGA EDIÇÃO 2014 / ANGUERA POLUIÇÃO DO SOLO AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA / 5º ANO / SIGA EDIÇÃO 2014 / ANGUERA POLUIÇÃO DO SOLO É na camada mais externa da superfície terrestre, chamada solo, que se desenvolvem os vegetais. Quando o solo é contaminado,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DISCIPLINA:TEORIA E ENSINO DA DANÇA PROF.ESP.SAMANDA NOBRE Elementos Estruturantes da dança RITMO MOVIMENTO Ritmo Ritmo vem do grego Rhytmos e designa aquilo que flui,

Leia mais

MÚSICA COMO ELEMENTO PSICOSSOCIAL E TERAPÊUTICO * Rosemyriam Cunha 1 Maria Carolina dos Santos Cruz 2

MÚSICA COMO ELEMENTO PSICOSSOCIAL E TERAPÊUTICO * Rosemyriam Cunha 1 Maria Carolina dos Santos Cruz 2 MÚSICA COMO ELEMENTO PSICOSSOCIAL E TERAPÊUTICO * Rosemyriam Cunha 1 Maria Carolina dos Santos Cruz 2 RESUMO Este trabalho configura-se como uma pesquisa empírico-exploratória, de caráter qualitativo,

Leia mais

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm O LOBO E OS SETE CABRITINHOS Irmãos Grimm Era uma vez uma velha cabra que tinha sete cabritinhos, e os amava como as mães amam os filhos. Certo dia, ela teve de ir à floresta em busca de alimento e recomendou

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

ÍNDICE. Introdução...3. Como escolher sapatos infantis?...4. Como escolher sapatos femininos?...5. Como escolher sapatos masculinos?...

ÍNDICE. Introdução...3. Como escolher sapatos infantis?...4. Como escolher sapatos femininos?...5. Como escolher sapatos masculinos?... 1 ÍNDICE Introdução...3 Como escolher sapatos infantis?...4 Como escolher sapatos femininos?...5 Como escolher sapatos masculinos?...8 Conclusão... 10 Sobre a Agittus... 11 Introdução A vida corrida que

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICO-POLISSÊMICA NA MÚSICA VENDO A VISTA

ANÁLISE SEMÂNTICO-POLISSÊMICA NA MÚSICA VENDO A VISTA ANÁLISE SEMÂNTICO-POLISSÊMICA NA MÚSICA VENDO A VISTA Janaina Quintino Faria (G-CLCA-UENP/CJ) Luana Carla Barros (G-CLCA-UENP/CJ) Valdinei Gonçalves De Oliveira (G-CLCA-UENP/CJ) Eva Cristina Francisco

Leia mais

GUIA PARA ESCREVER MELHOR. Saiba que erros evitar para ter um bom desempenho na prova de redação

GUIA PARA ESCREVER MELHOR. Saiba que erros evitar para ter um bom desempenho na prova de redação GUIA PARA ESCREVER MELHOR Saiba que erros evitar para ter um bom desempenho na prova de redação Í N D I C E Capítulo 1 Não exagere nos adjetivos Capítulo 2 Evite o queísmo Capítulo 3 Não seja intrometido(a)

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais