EFICIÊNCIA E SELETIVIDADE DE HERBICIDAS APLICADOS EM GRAMA BERMUDA PARA O CONTROLE DE ERVA-CAPITÃO E TREVO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFICIÊNCIA E SELETIVIDADE DE HERBICIDAS APLICADOS EM GRAMA BERMUDA PARA O CONTROLE DE ERVA-CAPITÃO E TREVO"

Transcrição

1 VII SIGRA - Simpósio sobre Gramados Botucatu SP, Brasil, 09 a 10 de junho de EFICIÊNCIA E SELETIVIDADE DE HERBICIDAS APLICADOS EM GRAMA BERMUDA PARA O CONTROLE DE ERVA-CAPITÃO E TREVO Cleber Daniel de Goes Maciel (1) ; André Augusto Pazinato da Silva (2) ; Ricardo André Kloster Karpinski (2) ; Enelise Osco Helvig (3) ; Carlos Rafael Brandalize Soares (3) & Luiz Gustavo Munhoz (4) (1) Professor Adjunto, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO, CEP: , Guarapuava, PR, (2) Mestrandos, Programa de Pós-graduação em Agronomia da Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO, CEP: , Guarapuava, PR, (3) Graduanda do Curso de Agronomia, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO, CEP: , Guarapuava, PR, (4) Graduando do Curso de Técnico em Agropecuária, Colégio Agrícola Estadual Arlindo Ribeiro, CEP: , Guarapuava, PR, RESUMO Na implantação e manutenção de gramados, o controle de plantas daninhas é um dos maiores problemas para os consumidores ou profissionais do ramo de gramados. O trabalho teve como objetivos avaliar a eficiência e seletividade de herbicidas para o controle das plantas daninhas erva-capitão (Hydrocotyle bonariensis) e trevo (Oxalis corniculata) em grama Bermuda. O experimento foi desenvolvido a campo em área sombreada, localizada na Universidade Estadual do Centro- Oeste - UNICENTRO, Guarapuava/PR, utilizando vasos com unidade experimental. O delineamento foi o inteiramente casualizado, com dezesseis tratamentos herbicidas e três repetições. Os herbicidas Kapina e Kapina Plus foram altamente seletivos à grama Bermuda, mas apenas o Kapina Plus, controlou satisfatoriamente a erva-capitão e o trevo aos 25 DAA, utilizando 2550 ml. Roundup Original causou a morte da grama Bermuda e foi apenas eficiente no controle de trevo. Plateau e Contain foram fitotóxicos para grama Bermuda e ineficientes para erva-capitão e trevo. Palavras-chave: Cynodon dactylon, Hydrocotyle bonariensis, Oxalis corniculata. INTRODUÇÃO O município de Guarapuava fica localizado na região sul do Brasil, Centro-Oeste do Paraná, terceiro planalto, zona fisiográfica dos Campos Gerais. Nessa região, entre as plantas daninhas prevalecentes de gramados encontram-se a ervacapitão (Hydrocotyle bonariensis) e o trevo (Oxalis corniculata) (HELVING et al., 2014). Segundo Guang (2000), o controle de plantas daninhas é um componente chave no sucesso de qualquer programa de manejo de gramado, onde existem vários herbicidas podem ser utilizados. Entretanto, Deuber (1997) e Christoffoleti & Aranda (2001), mencionam a escassez de estudos no Brasil sobre o manejo de plantas daninhas em gramados e a seletividade de herbicidas. As plantas invasoras crescem juntamente com a grama e podem implicar em perdas diretas, pela competição por água, luz, CO 2 e nutrientes, assim como podem exercer inibição química sobre o desenvolvimento do gramado e ainda prejudicar a aparência do mesmo, perdendo valor comercial (Henriques, 2003). Kojoroski-Silva et al. (2011), mencionaram que o gênero Cynodon encontram-se entre as principais espécies de grama utilizada no Brasil para a formação de jardins e campos esportivos. No entanto, podendo também ser encontrada em obras públicas, parques industriais e áreas residenciais. O objetivo do trabalho foi avaliar a eficiência e a seletividade de herbicidas aplicados em grama bermuda para o controle de erva-capitão e trevo. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido a campo em condição de área sombreada por copa de árvores. O delineamento experimental utilizado foi o

2 inteiramente casualizado, com dezesseis tratamentos e três repetições, constituídos pelos herbicidas imazapyr nas formulações Kapina (750, 1500 e 2250 ml ) e Kapina Plus (750, 1500 e 2250 ml ), Contain (500, 1000 e 1500 ml ), imazapic (Plateau 70, 140 e 210 g ), glyphosate (Roundup Original 1000, 2000 e 3000 ml ) e uma testemunha sem aplicação. As unidades experimentais foram representadas por vasos com 5,0 kg de solo juntamente com as plantas daninhas erva-capitão (Hydrocotyle bonariensis), trevo (Oxalis corniculata) e a grama bermuda (Cynodon dactylon), as quais na aplicação dos tratamentos encontravam se em pleno vigor vegetativo. As aplicações foram realizadas aos 02/04/2015, utilizando-se um pulverizador costal pressurizado a CO 2, equipado com duas pontas TTi (Teejet ), espaçadas entre si em 0,5 m e a 0,5 m de altura das folhas do gramado, constituindo taxa de aplicação de 200 L. As unidades experimentais haviam sido irrigadas um dia anterior à aplicação, e aplicações efetuadas das 16:00 as 16:30 hs, onde a média da umidade relativa do ar, temperatura e velocidade dos ventos foram, respectivamente, de 64,3 %; 24,9 ºC e 1,5 km h -1. As características avaliadas foram: porcentagem de fitointoxicação da grama e controle das plantas daninhas, por meio de escala de notas visuais (SBCPD, 1995), onde 0% correspondeu à ausência de injúrias e 100% à morte das plantas aos 5, 10, 15, 20 e 25 DAA (dias após aplicação) e matéria seca da parte aérea (MSPA) aos (g/unidade experimental). A matéria seca da parte aérea da superfície da grama e plantas daninhas foi coletada e acondicionada em sacos de papel, com posterior secagem em estufa de circulação forçada de ar, por período de 72 horas a 65 C. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e suas médias comparadas pelo teste de agrupamento de Scott-Knott, a 5% de probabilidade. RESULTADOS E DISCUSSÃO Para erva-capitão, nenhum dos herbicidas e suas respectivas dosagens estudadas apresentaram níveis de controle eficientes até os 25 DAA, apesar de todos os tratamentos reduzirem significativamente a MSPA e o número de novas plântulas emergidas (Tabela 1). Para a referida espécie, o máximo de controle obtido foi com o herbicida imazapyr na formulação Kapina Plus, utilizado a dosagem de 2550 ml, onde os danos causados caracterizouse apenas como nível satisfatório (81%) aos 25 DAA, apesar de ter inibido totalmente a emergência de novas brotações e suprimido o desenvolvimento da MSPA, em torno de 68%. Portanto, de forma geral, apesar da baixa eficiência de controle da ervacapitão, o herbicida imazapyr Kapina Plus, nas dosagens 1500 e 2250 ml, assim como a maior dose da formulação Kapina (2250 ml ) foram significativamente superiores ao Contain, imazapic (Plateau ) e glyphosate (Roundup Original ). Para o trevo, o controle total da espécie foi obtido com Roundup Original a partir dos 15 DAA, para todas as dosagens estudadas (Tabela 2). O herbicida imazapyr na formulação Kapina Plus, novamente somente atingir nível satisfatório (81%) aos 25 DAA, quando utilizado com 2550 ml. De forma semelhante ao ocorrido com a erva-capitão, todos os demais herbicidas apresentaram eficiência insatisfatória no controle de trevo para todas as épocas de avaliações. Os maiores níveis de injúrias na grama Bermuda foram constatados para o Roundup Original, em todas as doses avaliadas, sendo que 2,0 e 3,0 L praticamente causaram a morte da parte aérea da grama entre 20 e 25 DAA (Tabela 3). Os sintomas visuais de fitointoxicação do herbicida Contain também foram bastante severos, principalmente nas dosagens de 1,0 e 1,5 L, sendo apenas inferiores aos glyphosate, uma vez que caracterizaram fitointoxicação na ordem de 52% e 65%, respectivamente, aos 25 DAA. O herbicida Plateau apresentou comportamento fitotóxico semelhante ao Contain, sendo no comparativo apenas inferior em praticamente 50% dos danos aos 20 e 25 DAA. Entretanto, foi o herbicida que menos suprimiu a formação de MSPA da grama Bermuda. As formulações dos herbicidas Kapina e Kapina Plus foram altamente seletivas a grama Bermuda, diferindo significativamente dos demais herbicidas, e apresentando apenas pequenas injúrias visuais inferiores a 5% somente até os 10 DAA (Tabela 3). Maciel et al. (2012; 2013) também registraram alta seletividade das formulações dos herbicidas Kapina e Kapina Plus para a grama Bermuda em trabalho a campo e casa-de-vegetação, onde foram mantidos níveis adequados para preservação da estética visual. CONCLUSÕES Os herbicidas Kapina e Kapina Plus foram altamente seletivos à grama Bermuda, mas apenas o Kapina Plus, controlou satisfatoriamente a ervacapitão e o trevo aos 25 DAA, utilizando 2550 ml. Roundup Original causou a morte da grama Bermuda e foi apenas eficiente no controle de trevo. Plateau e Contain foram fitotóxicos para grama Bermuda e ineficientes para erva-capitão e trevo. REFERÊNCIAS CHRISTOFFOLETI, P. J.; ARANDA, A. N. Seletividade de herbicidas a cinco tipos de gramas.

3 Planta Daninha, Viçosa, v. 19, n. 2, p , DEUBER, R. Manejo de plantas daninhas em áreas não agrícolas. In: Ciência das Plantas Infestantes: manejo. Campinas: Edição do autor, v. 2, p GUANG, X. A set of technology for weed control in golf turf. In: Third International Weed Science Congress, 3., 2000, Foz do Iguassu. Abstracts Foz do Iguassu, Brazil, 6p. CD-ROM. HELVING, E. O.; OLIVEIRA, C. N. M.; DUDA, D. E.; MACHADO, J. E. ; SOUZA, J. I.; MACIEL, C. D. G. Levantamento de plantas daninhas de grama sempre verde em diferentes épocas no município de Guarapuava/PR. In: XXIX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas, 29, 2014, Gramado, Resumos..., Gramado: SBCPD, (CD-ROM). HENRIQUES, E.S. Principais pragas, doenças e plantas daninhas dos gramados cultivados. In: I Sigra - Simpósio Sobre Gramados: Produção, Implantação e Manutenção. FEPAF: Botucatu. p.48-55, KOJOROSKI-SILVA, C. M.; SCHEFFER-BASSO, S. M.; CARNEIRO, C. M.; GUARIENTI, M. Desenvolvimento morfológico das gramas esmeralda, são carlos e tifton 419. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 3, p , V.E.W.; SILVA, A.F. Seletividade dos herbicidas Kapina e Kapina Plus aplicados em fairway de grama bermuda Tifway 419. Revista Brasileira de Herbicidas, v.11, n.3, p , V.E.W.; SILVA, A.F. Seletividade e eficácia dos herbicidas Kapina e Kapina Plus no controle de tiririca em gramas bermuda e esmeralda. Revista Brasileira de Herbicidas, v.12, n.1, p.39-46, SBCPD - Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas. Procedimentos para instalação, avaliação e análise de experimentos com herbicidas. 1ª ed. Londrina: SBCPD, p. Kapina e Kapina Plus aplicados em fairway de grama bermuda Tifway 419. Revista Brasileira de Herbicidas, v.11, n.3, p , V.E.W.; SILVA, A.F. Seletividade e eficácia dos herbicidas Kapina e Kapina Plus no controle de tiririca em gramas bermuda e esmeralda. Revista Brasileira de Herbicidas, v.12, n.1, p.39-46, SBCPD - Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas. Procedimentos para instalação, avaliação e análise de experimentos com herbicidas. 1ª ed. Londrina: SBCPD, p. HENRIQUES, E.S. Principais pragas, doenças e plantas daninhas dos gramados cultivados. In: I Sigra - Simpósio Sobre Gramados: Produção, Implantação e Manutenção. FEPAF: Botucatu. p.48-55, KOJOROSKI-SILVA, C. M.; SCHEFFER-BASSO, S. M.; CARNEIRO, C. M.; GUARIENTI, M. Desenvolvimento morfológico das gramas esmeralda, são carlos e tifton 419. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 3, p , V.E.W.; SILVA, A.F. Seletividade dos herbicidas

4 Tabela 1 - Controle (%) de erva-capitão (H. bonariensis), número de novas plântulas emergidas e matéria seca da parte aérea (MSPA), e respectivas porcentagens de redução (valores de % entre parênteses), em relação à testemunha sem aplicação. Tratamentos ml p.c. Controle (H. bonariensis) (%) 5 DAA 10 DAA 15 DAA 20 DAA 25 DAA N Plts (novas) 1. Kapina 1/ 750 4,3 E 16,0 D 31,0 B 36,0 C 46,0 C 3,7 B (49,3%) 9,0 C (50,3%) 2. Kapina ,7 D 22,7 C 39,3 B 44,3 C 56,0 B 4,3 B (41,1%) 8,5 C (53,0%) 3. Kapina ,0 B 34,3 A 60,0 A 71,0 A 72,7 A 3,3 B (54,8%) 8,1 C (50,2%) 4. Kapina Plus 1/ 750 9,3 D 24,3 C 55,0 A 59,3 B 66,0 B 0,7 C (90,4%) 7,0 C (61,3%) 5. Kapina Plus ,0 C 30,3 B 63,3 A 67,7 A 73,7 A 0,0 C (100%) 6,5 D (64,1%) 6. Kapina Plus ,0 A 34,3 A 60,0 A 72,7 A 81,0 A 0,0 C (100%) 5,8 D (68,0%) 7. Contain 2/ 500 3,7 F 6,0 F 40,0 B 41,0 C 46,0 C 0,7 C (90,4%) 8,6 C (52,5%) 8. Contain ,0 E 8,7 F 53,3 A 51,7 B 62,0 B 3,0 B (59,0%) 8,4 C (53,6%) 9. Contain ,7 D 12,0 E 48,3 A 55,0 B 61,7 B 3,7 B (49,3%) 7,9 C (56,3%) 10. Plateau 3/ 70 3,0 F 11,0 E 33,3 B 33,3 C 38,3 C 6,0 A (17,8%) 13,7 B (24,3%) 11. Plateau 140 3,0 F 16,0 D 37,7 B 38,7 C 44,7 C 3,3 B (54,8%) 13,2 B (27,1%) 12. Plateau ,3 D 21,0 C 42,7 B 44,3 C 47,7 C 2,3 B (68,5%) 12,3 B (32,0%) 13. Roundup Original 4/ ,0 E 11,0 E 36,0 B 38,7 C 42,7 C 4,3 B (41,1%) 5,6 D (69,0%) 14. Roundup Original ,3 D 16,0 D 36,7 B 41,0 C 46,0 C 3,0 B (59,0%) 6,2 D (65,7%) 15. Roundup Original ,0 D 18,7 D 48,3 A 54,7 B 60,3 B 3,3 B (54,8%) 6,5 D (64,1%) 16. Testemunha - 0,0 G 0,0 G 0,0 C 0,0 D 0,0 D 7,3 A 18,1 A Fcal 65,823* 78,443* 9,482* 26,272* 39,194* 8,344* 22,675* CV (%) 14,22 10,92 20,14 12,77 9,91 39,75 13,98 Tabela 2 - Controle (%) de trevo (O. corniculata), número de novas plântulas emergidas e matéria seca da parte aérea (MSPA), e respectivas porcentagens de redução (valores de % entre parênteses), em relação à testemunha sem aplicação. Tratamentos ml p.c. Controle (O. corniculata) (%) 5 DAA 10 DAA 15 DAA 20 DAA 25 DAA 1. Kapina 1/ 750 3,0 F 6,0 G 34,3 D 37,7 F 43,7 G 0,309 A (25,9%) 2. Kapina ,0 F 8,7 F 42,7 C 46,0 E 56,0 E 0,201 A (51,8%) 3. Kapina ,3 E 12,7 E 49,3 C 53,7 D 65,3 D 0,255 A (38,8%) 4. Kapina Plus 1/ 750 9,3 E 8,7 F 43,3 C 61,0 C 68,7 D 0,318 A (23,7%) 5. Kapina Plus ,3 E 14,3 E 49,3 C 59,3 C 72,0 C 0,261 A (37,4%) 6. Kapina Plus ,3 D 17,0 D 71,7 B 78,7 B 83,3 B 0,135 B (67,6%) 7. Contain 2/ 500 0,0 G 0,0 H 18,3 F 21,0 G 25,3 I 0,298 A (28,5%) 8. Contain ,0 G 0,0 H 33,7 D 40,3 F 44,3 G 0,262 A (37,2%) 9. Contain ,0 G 0,0 H 37,7 D 38,3 F 49,3 F 0,205 A (50,8%) 10. Plateau 3/ 70 0,0 G 0,0 H 15,0 F 16,0 G 20,0 J 0,333 A (20,1%) 11. Plateau 140 0,0 G 0,0 H 17,7 F 23,3 G 26,7 I 0,304 A (27,1%) 12. Plateau 210 0,0 G 0,0 H 26,0 E 32,7 F 35,3 H 0,338 A (18,9%) 13. Roundup Original 4/ ,7 C 89,3 C 100,0 A 100,0 A 100,0 A 0,009 C (97,8%) 14. Roundup Original ,0 B 94,3 B 100,0 A 100,0 A 100,0 A 0,000 C (100%) 15. Roundup Original ,3 A 98,3 A 100,0 A 100,0 A 100,0 A 0,000 C (100%) 16. Testemunha - 0,0 H 0,0 H 0,0 G 0,0 H 0,0 K 0,417 A Fcal 389,680* 3237,570* 139,614* 216,435* 356,237* 9,602* CV (%) 12,18 5,06 9,99 7,23 5,05 31,61 Tabela 3 - Fitointoxicação e matéria seca da parte aérea (MSPA) da grama Bermuda, e respectivas porcentagens de redução (valores de % entre parênteses), em relação à testemunha sem aplicação. Fitointoxicação (%) Tratamentos ml p.c. 5 DAA 10 DAA 15 DAA 20 DAA 25 DAA 1. Kapina 1/ 750 0,0 E 0,0 F 0,0 F 0,0 H 0,0 H 13,2 A (6,40%) 2. Kapina ,0 D 3,0 E 0,0 F 0,0 H 0,0 H 13,3 A (5,70%) 3. Kapina ,0 D 3,0 E 0,0 F 0,0 H 0,0 H 9,3 B (34,0%) 4. Kapina Plus 1/ 750 3,0 D 2,0 F 0,0 F 0,0 H 0,0 H 10,2 B (27,6%) 5. Kapina Plus ,7 D 5,0 E 2,0 F 0,0 H 0,0 H 9,6 B (32,0%)

5 6. Kapina Plus ,0 C 5,0 E 7,0 E 3,7 H 0,0 H 9,9 B (29,8%) 7. Contain 2/ 500 3,0 D 5,0 E 10,3 E 19,3 F 26,0 F 9,8 B (30,5%) 8. Contain ,7 D 8,7 D 17,0 D 40,3 D 52,0 E 10,3 B (27,0%) 9. Contain ,0 C 9,3 D 19,3 D 49,3 C 65,0 D 8,8 B (37,6%) 10. Plateau 3/ 70 3,0 D 7,0 D 11,7 E 14,3 G 12,7 G 12,1 A (14,2%) 11. Plateau 140 4,3 C 11,0 C 17,7 D 24,3 E 26,0 F 10,2 B (27,6%) 12. Plateau 210 5,0 C 12,7 C 20,0 D 27,7 E 37,7 F 9,1 B (35,4%) 13. Roundup Original 4/ ,0 C 11,0 C 37,7 C 42,7 D 73,3 C 9,5 B (32,6%) 14. Roundup Original ,0 B 22,7 B 73,0 B 78,7 B 88,7 B 10,6 B (25,0%) 15. Roundup Original ,7 A 32,7 A 88,3 A 92,0 A 98,3 A 10,4 B (26,2%) 16. Testemunha - 0,0 E 0,0 F 0,0 F 0,0 H 0,0 H 14,1 A Fcal 32,387* 114,010* 296,146* 382,631* 562,099* 2,967* CV (%) 21,32 16,12 13,98 10,57 8,53 15,31

UTILIZAÇÃO DO BAS 800 01 H NO MANEJO DAS PLANTAS DANINHAS PARA O PLANTIO DIRETO DE MILHO (Zea mays L.)

UTILIZAÇÃO DO BAS 800 01 H NO MANEJO DAS PLANTAS DANINHAS PARA O PLANTIO DIRETO DE MILHO (Zea mays L.) UTILIZAÇÃO DO BAS 800 01 H NO MANEJO DAS PLANTAS DANINHAS PARA O PLANTIO DIRETO DE MILHO (Zea mays L.) MARINHO, J. F. (UNICAMP, Campinas/SP - fabris.j@gmail.com, FOLONI, L. L. (UNICAMP, Campinas/SP - lfoloni@gmail.com,

Leia mais

ESTIMATIVA DO PERÍODO QUE ANTECEDE A INTERFERÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA, VAR. COODETEC 202,

ESTIMATIVA DO PERÍODO QUE ANTECEDE A INTERFERÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA, VAR. COODETEC 202, 231 ESTIMATIVA DO PERÍODO QUE ANTECEDE A INTERFERÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA, VAR. COODETEC 202, POR MEIO DE TESTEMUNHAS DUPLAS 1 Estimate of the Period Prior to Weed Interference in Soybean

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE GRAMADOS SUBMETIDOS À APLICAÇÃO DE RETARDADORES DE CRESCIMENTO EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE LUMINOSIDADE 1

DESENVOLVIMENTO DE GRAMADOS SUBMETIDOS À APLICAÇÃO DE RETARDADORES DE CRESCIMENTO EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE LUMINOSIDADE 1 Desenvolvimento de gramados submetidos à aplicação de... 383 DESENVOLVIMENTO DE GRAMADOS SUBMETIDOS À APLICAÇÃO DE RETARDADORES DE CRESCIMENTO EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE LUMINOSIDADE 1 Development of Turfgrass

Leia mais

PRODUÇÃO DE GRAMAS 1. INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE GRAMAS 1. INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE GRAMAS Carlos Henrique Pimenta Eng. Agr. Especialista Gestão de Agronegócios e pós-graduando MBA Gestão Financeira, Gerente Regional Comercial e de Produção Itograss Agrícola Ltda., Rua T 36

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA - MESTRADO. Esse modelo deverá ser seguido para o projeto de pesquisa do mestrado

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA - MESTRADO. Esse modelo deverá ser seguido para o projeto de pesquisa do mestrado MODELO DE PROJETO DE PESQUISA - MESTRADO Esse modelo deverá ser seguido para o projeto de pesquisa do mestrado UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO -PR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina X-015 - MONITORAMENTO VIA INTERNET DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TIPO

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ANÁLISE DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE GIRASSOL RENATA PEREIRA LUZ 1, BRUNO OLIVEIRA CARVALHO 2, MARIA LAENE MOREIRA DE CARVALHO 3, VALQUÍRIA DE FÁTIMA FERREIRA 4, CLÁUDIO

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ

Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ Rafael Gonçalves dos Santos, Wesley Esdras Santiago, Patrick Diesel, Jair Antônio

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Revista Planta Daninha

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Revista Planta Daninha Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de Letras SEC 498 Estágio Supervisionado RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Revista Planta Daninha Lívia Lacerda

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO WORKSHOP DESENVOLVIMENTO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO ARARIPE ARARIPINA, 29 E 30 DE MAIO DE 2007 MANEJO FLORESTAL DE NATIVAS E EXÓTICAS: VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA

Leia mais

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Gerson Sander 1, Antonio Carlos Torres da Costa 2, Jose Barbosa Junior Duarte 3 1 Eng. Agrôn., Mestrando

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

QUADRO SINTESE POR FUNCOES 3000000 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 31527800 694 SERVIÇOS FINANCEIROS 31527800 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 3000000

QUADRO SINTESE POR FUNCOES 3000000 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 31527800 694 SERVIÇOS FINANCEIROS 31527800 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 3000000 FONTES R$ 1,00 FUNCOES 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 25 ENERGIA 694 SERVIÇOS FINANCEIROS 752 ENERGIA ELÉTRICA FUNCOES/ 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 694 SERVIÇOS FINANCEIROS 25 ENERGIA 752 ENERGIA ELÉTRICA 0295 ENERGIA

Leia mais

INFLUÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS QUIMICOS EM TRATAMENTO DE SEMENTES NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DA SOJA

INFLUÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS QUIMICOS EM TRATAMENTO DE SEMENTES NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DA SOJA INFLUÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS QUIMICOS EM TRATAMENTO DE SEMENTES NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DA SOJA Carmo Guilherme Giebelmeier 1, Saulo Mendes 1, Marcos Antônio Marchioro Júnior 1, Amanda

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ENGENHARIA FLORESTAL PADRÃO DE RESPOSTA O estudante deve redigir um texto dissertativo, em que: a) aborde pelo menos duas das seguintes consequências: aumento da emissão de poluentes

Leia mais

VIVEIRISTA DE PLANTAS E FLORES

VIVEIRISTA DE PLANTAS E FLORES PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM VIVEIRISTA DE PLANTAS E FLORES EIXO TECNOLÓGICO: Recursos Naturais Carga Horária: 160 horas CATALÃO GO JANEIRO - 2014 SUMÁRIO 1-Objetivo...3 2-Dados de Identificação...3

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE DE CÉLULAS TERMO-SOLARES PARA AQUECIMENTO DE FLUIDOS LÍQUIDOS E GASOSOS

DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE DE CÉLULAS TERMO-SOLARES PARA AQUECIMENTO DE FLUIDOS LÍQUIDOS E GASOSOS DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE DE CÉLULAS TERMO-SOLARES PARA AQUECIMENTO DE FLUIDOS LÍQUIDOS E GASOSOS Hélida M. C. Fagnani, Marcelo M. Teixeira, Thalles E. W. Silva, Camilo F. M. Morejon (Orientador/UNIOESTE)

Leia mais

CORPO DOCENTE DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM LINHAS ESPECÍFICAS EM AGRONEGÓCIOS E GESTÃO AMBIENTAL ANO - 2014

CORPO DOCENTE DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM LINHAS ESPECÍFICAS EM AGRONEGÓCIOS E GESTÃO AMBIENTAL ANO - 2014 CORPO DOCENTE DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM LINHAS ESPECÍFICAS EM AGRONEGÓCIOS E GESTÃO AMBIENTAL ANO - 2014 Adalberto Wolmer do Nascimento Silva (Mestre) Regime de Trabalho: Horista Área de Conhecimento:

Leia mais

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota S ÉRIE TÉCNICA IPEF v. 11, n. 0, p. 5-1, mai., 1997 Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota Hélder Bolognani Andrade; Vanderlei Benedetti José Carlos Madaschi;

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12,999,976 km 9,136,765 km 1,276,765 km 499,892 km 245,066 km 112,907 km 36,765 km 24,159 km 7899 km 2408 km 76 km 12 14 16 9 10 1 8 12 7 3 1 6 2 5 4 3 11 18 20 21 22 23 24 26 28 30

Leia mais

Manejo de solo em pomar

Manejo de solo em pomar Manejo de solo em pomar Dr Fernando Alves de Azevedo Centro de Citricultura Sylvio Moreira/IAC Conservação do solo: Conjunto de práticas aplicadas para promover o uso sustentável do solo para o plantio.

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DE VAZÃO PARA FINS AQUÍCOLAS. Santos Junior, H. dos; Marques, F. de S.; Ferrari, J. L.

AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DE VAZÃO PARA FINS AQUÍCOLAS. Santos Junior, H. dos; Marques, F. de S.; Ferrari, J. L. AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DE VAZÃO PARA FINS AQUÍCOLAS Santos Junior, H. dos; Marques, F. de S.; Ferrari, J. L. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E EXTENSÃO REGULAMENTO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Relatório Semestral da Ouvidoria da Faculdade Arthur Thomas

Relatório Semestral da Ouvidoria da Faculdade Arthur Thomas Relatório Semestral da Ouvidoria Período: Janeiro a Junho de 2012 Rua Prefeito Faria Lima, 400, Jardim Maringá, Londrina PR Fone: (43) 3031-5050 CEP: 86.061-450 1 1 APRESENTAÇÃO A Ouvidoria é um elo entre

Leia mais

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2 Uso de Terra de Diatomácea para Proteção de Grãos de Milho 24 Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO Dionisio Link 1 Rodolpho Saenger Leal 2 RESUMO A avaliação econômica do controle preventivo das pragas iniciais da cultura do fumo

Leia mais

DESEMPENHO DO GERADOR CLIMÁTICO PGECLIMA_R, NA SIMULAÇÃO DE DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIAS SECOS

DESEMPENHO DO GERADOR CLIMÁTICO PGECLIMA_R, NA SIMULAÇÃO DE DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIAS SECOS DESEMPENHO DO GERADOR CLIMÁTICO PGECLIMA_R, NA SIMULAÇÃO DE DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIAS SECOS Ketleyn Pobb¹, Maysa de Lima Leite², Jorim Souza das Virgens Filho³,Bruna Luisa Dal Gobbo 4, Rafaela

Leia mais

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO:

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: - Na seleção do material devem-se observar: 1 - Aspectos agronômicos; 2 - Qualidade da maniva de mandioca; 3 - Sanidade da maniva de mandioca; 3 - Armazenamento de manivas.

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE COORDENADORIA DA UAB/MEC-UNICENTRO EDITAL Nº 013/2014 UAB/MEC UNICENTRO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE COORDENADORIA DA UAB/MEC-UNICENTRO EDITAL Nº 013/2014 UAB/MEC UNICENTRO ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO DE ALUNOS PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - MODALIDADE A DISTÂNCIA A Coordenação da UAB/MEC-UNICENTRO e a Comissão de Seleção do Programa de Pós- Graduação Lato Sensu

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Lista de Prédios - 2ª Fase

Lista de Prédios - 2ª Fase AMERICANA - SP ETEC POLIVALENTE DE AMERICANA - BLOCOS A/B/C AV. NOSSA SENHORA DE FATIMA Nº 567 13478-540 VILA ISRAEL 576 ARACATUBA - SP UNIP - CAMPUS DE ARAÇATUBA - BLOCO B - TÉRREO RUA BAGUACU, 1939 16018-555

Leia mais

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

Universidade de Brasília UnB Licenciatura em Computação Dezembro/2001

Universidade de Brasília UnB Licenciatura em Computação Dezembro/2001 Formação Rafael de Alencar Lacerda 19/12/78, brasileiro SQS 414 Bloco J Ap. 207 Telefone: (61) 9258 9758 e-mail: rafael@raleduc.com.br site: http://www.raleduc.com.br Pós-graduação: Doutorado (trancado)

Leia mais

Eficácia de herbicidas no controle pós-emergente de Sisyrinchium micranthum Cav. e Agrostis sp. 1

Eficácia de herbicidas no controle pós-emergente de Sisyrinchium micranthum Cav. e Agrostis sp. 1 Revista Brasileira de Herbicidas, v.12, n.3, p.296-306, set./dez. 2013 (ISSN 2236-1065) DOI: http://dx.doi.org/10.7824/rbh.v12i3.216 www.rbherbicidas.com.br Eficácia de herbicidas no controle pós-emergente

Leia mais

Rafael Vasconcelos Ribeiro - Pesquisador Científico -

Rafael Vasconcelos Ribeiro - Pesquisador Científico - INSTITUTO AGRONÔMICO Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Ecofisiologia e Biofísica NECESSIDADES FISIOLÓGICAS DE CITROS EM PLANTIOS ADENSADOS: Uma questão de disponibilidade energética Rafael Vasconcelos

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL.

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. PAIXÃO, M.F. Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR, mferpaixao@hotmail.com;

Leia mais

Avaliação da fertilidade química dos solos em áreas de amoreirais utilizadas na criação do bicho-da-seda no Estado do Paraná.

Avaliação da fertilidade química dos solos em áreas de amoreirais utilizadas na criação do bicho-da-seda no Estado do Paraná. Avaliação da fertilidade química dos solos em áreas de amoreirais utilizadas na criação do bicho-da-seda no Estado do Paraná. André Dias Lopes 1 Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado do Paraná

Leia mais

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max)

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) Autor(es): Apresentador: Rodrigo Ciotti Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: MOTTA, Marcelo;

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

Sistema de condução da Videira

Sistema de condução da Videira Sistema de condução da Videira Reginaldo T. Souza EMBRAPA UVA E VINHO - EEVT Videiras em árvores Evolução no cultivo da videira Evolução no cultivo da videira Espaldeira Gobelet Latada Lira Mito ou realidade

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99 ISSN 004-564 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 6, km 5,6 - Trecho Dourados-Caarapó Caixa Postal 66 79804-970 Dourados

Leia mais

O documentário gaúcho contemporâneo: memória e identidade (1995-2010). De Moringue a Barão do Jacuí: a trajetória de Francisco Pedro de Abre.

O documentário gaúcho contemporâneo: memória e identidade (1995-2010). De Moringue a Barão do Jacuí: a trajetória de Francisco Pedro de Abre. 35. MESTRADO EM HISTÓRIA (CÓDIGO 1049) 35.1. Área de Concentração e vagas: História, Poder e Cultura: 15 (quinze) vagas 35.1.1 Linha de Pesquisa e vagas: Integração, Política e Fronteira: oito vagas PROFESSOR

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

TREINAMENTO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

TREINAMENTO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Rafain Palace Hotel & Convention Center Foz do Iguaçu / PR 27/06 a 01/07/2011 Dia 27/06/2011 PROGRAMA 08:00 às 12:00 INSCRIÇÕES: TREINAMENTO + CICLO TREINAMENTO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS 13:30 às 14:00

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

Evolução da área foliar da videira de vinho cv. Syrah pé franco e enxertada em Paulsen 1103, no período de formação do parreiral em Petrolina, PE

Evolução da área foliar da videira de vinho cv. Syrah pé franco e enxertada em Paulsen 1103, no período de formação do parreiral em Petrolina, PE Evolução da área foliar da videira de vinho cv. Syrah pé franco e enxertada em 93 Evolução da área foliar da videira de vinho cv. Syrah pé franco e enxertada em Paulsen 1103, no período de formação do

Leia mais

a) Formulário de inscrição preenchido;

a) Formulário de inscrição preenchido; EEDI ITTALL Nºº 002200//22001111 -- PPEEQ ABERTURA DE INSCRIÇÃO PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA QUÍMICA - NÍVEL MESTRADO PARA O ANO LETIVO DE 2012.

Leia mais

Noemi Cristina Hernandez

Noemi Cristina Hernandez Noemi Cristina Hernandez METROLOGISTA Metrologia, gerência de laboratorio, instrumentação, certificação/normalização QUALIFICAÇÕES Experiência de 09 anos em metrologia de fluidos, atuando em laboratório

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação.

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação. SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADOS NA ANÁLISE DA EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO SUDOESTE DA CIDADE DE MONTES CLAROS MG E A SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO NOS ANOS DE 2000 Á 2011 OLIVEIRA, Gustavo Henrique Gomes de

Leia mais

DÉBORA SAMARA CRUZ ROCHA FARIAS 1, JOSÉ DANTAS NETO 2

DÉBORA SAMARA CRUZ ROCHA FARIAS 1, JOSÉ DANTAS NETO 2 IRRIGAÇÃO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA SUPERFICIAL POLUÍDA E DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO FOSFATADA NA INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE INFLORESCÊNCIA DO PINHÃO MANSO DÉBORA SAMARA CRUZ ROCHA FARIAS 1, JOSÉ DANTAS

Leia mais

Copyright by Frédéric Monié, Jacob Binsztok et alii, 2012

Copyright by Frédéric Monié, Jacob Binsztok et alii, 2012 Copyright by Frédéric Monié, Jacob Binsztok et alii, 2012 Direitos desta edição reservados à MAUAD Editora Ltda. Rua Joaquim Silva, 98, 5º andar Lapa Rio de Janeiro RJ CEP: 20241-110 Tel.: (21) 3479.7422

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA PARA USO EM IRRIGAÇÃO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DO CINTURÃO VERDE, MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA

QUALIDADE DA ÁGUA PARA USO EM IRRIGAÇÃO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DO CINTURÃO VERDE, MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA QUALIDADE DA ÁGUA PARA USO EM IRRIGAÇÃO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DO CINTURÃO VERDE, MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA R.S. Moura 1 ; F.B.T. Hernandez 2 M.A. Leite 3 ; R.A.M. Franco 4 ; D.G. Feitosa 5 ; L.F. Machado

Leia mais

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS 50 EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ¹Maycon Amim Vieira, ²Neimar Rotta Nagano, ¹Fernando Donha Bianchi, ¹Ronis Pereira da Silva ¹ Discente em Agronomia da Universidade

Leia mais

E-mail: giuliana@unicentro.br

E-mail: giuliana@unicentro.br GIULIANA GELBCKE KASECHER BOTELHO Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Paraná (1999), mestrado em Ciências Veterinárias pela Universidade Federal do Paraná (2001) e doutorado

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REVEGETAÇÃO PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREA MINERADA PELA CRM EM CANDIOTA

AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REVEGETAÇÃO PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREA MINERADA PELA CRM EM CANDIOTA Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação de Inovação Tecnológica CTEC Serviço de Tecnologias Limpas - SETL AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REVEGETAÇÃO PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Categoria ABERTA Nº Equipe Cidade UF 1 Bola Running Florianópolis SC 2 Vitória Runner 2 Vitória ES 3 Maximize Assessoria Esportiva Vitória ES 4

Categoria ABERTA Nº Equipe Cidade UF 1 Bola Running Florianópolis SC 2 Vitória Runner 2 Vitória ES 3 Maximize Assessoria Esportiva Vitória ES 4 Categoria ABERTA 1 Bola Running Florianópolis SC 2 Vitória Runner 2 Vitória ES 3 Maximize Assessoria Esportiva Vitória ES 4 Sandro Castilho Equipe Black São Paulo SP 5 OXTEAM - 2P`s 1 Cuiabá MT 6 OXTEAM

Leia mais

Rafael Baptistella Luiz

Rafael Baptistella Luiz 1 de 13 18/9/2012 17:51 Rafael Baptistella Luiz Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/0675607550446920 Última atualização do currículo em 10/09/2012 Mestre em Design pela UFPR (2011) e graduação

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS: VULNERABILIDADES NA AGRICULTURA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS: VULNERABILIDADES NA AGRICULTURA MUDANÇAS CLIMÁTICAS: VULNERABILIDADES NA AGRICULTURA 7 a ECOLATINA 16 a 19 de outubro de 2007 Belo Horizonte Luiz Cláudio Costa (l.costa@ufv.br) Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE AGRONOMIA Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE AGRONOMIA Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE ORDEM C I. I - EXAME DE ATRIBUIÇÕES - PROVIDÊNCIAS ARAÇATUBA 1 JOSÉ LUIS SUSUMU SASAKI C-819/2010 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DR. JOSÉ LUIZ VIANA COUTINHO BARRETOS 2 C-209/1997 ESCOLA TÉCNICA

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

Uma proposta da ISES do Brasil

Uma proposta da ISES do Brasil Uma proposta da ISES do Brasil INTRODUÇÃO: Aeroportos x Geração Fotovoltaica Características construtivas: praticamente horizontais, grandes áreas; Formadores de opinião e tomadores de decisão passam por

Leia mais

Leituras da paternidade, leituras de Íon, de Eurípides. De 16 a 18 de setembro de 2015. Programação

Leituras da paternidade, leituras de Íon, de Eurípides. De 16 a 18 de setembro de 2015. Programação Leituras da paternidade, leituras de Íon, de Eurípides De 16 a 18 de setembro de 2015 Programação 16 de setembro de 2015 Quarta-feira 8hs 9hs Credenciamento 9hs30 12hs Conferências de abertura: Leituras

Leia mais

Planejamento de data center, com ênfase em sistemas hardened para melhorias de dependabilidade focado em variação de temperatura e umidade.

Planejamento de data center, com ênfase em sistemas hardened para melhorias de dependabilidade focado em variação de temperatura e umidade. Planejamento de data center, com ênfase em sistemas hardened para melhorias de dependabilidade focado em variação de temperatura e umidade. Orientando: Rafael Roque de Souza Orientador: Paulo R. M. Maciel

Leia mais

Ariadne Basseti Soares Hilel

Ariadne Basseti Soares Hilel Ariadne Basseti Soares Hilel I IDENTIFICAÇÃO Nome: Ariadne Bassetti Soares Hilel Nasc: 23/03/1961 Sta. Tereza ES Graduação: Universidade Federal do Esp. Santo Vitória Setembro/1985 CRM: 3463 ES Identidade:

Leia mais

Comunicado 35 Técnico

Comunicado 35 Técnico Comunicado 35 Técnico ISSN 1516-8638 Jaguariúna, SP Maio, 2006 Estação Meteorológica Automática da Embrapa Meio Ambiente Anderson Soares Pereira 1 A Embrapa Meio Ambiente, localizada no município de Jaguariúna,

Leia mais

NUTRIÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÃO

NUTRIÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÃO NUTRIÇÃO DE GRAMADOS Leandro J. Grava de Godoy & Roberto Lyra Villas Bôas Eng. Agr. Msc. Doutorando em Agronomia & Eng Agr. Dr. Professor Departamento de Recursos Naturais / Ciência do Solo- Faculdade

Leia mais

Palavras-chave: Cobertura florestal madeireiras - desmatamento

Palavras-chave: Cobertura florestal madeireiras - desmatamento 1 A COBERTURA FLORESTAL NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR NO ESPAÇO E NO TEMPO Patrícia dos Santos pati.patita@bol.com.br Marquiana de Freitas V.B.Gomes (Orientadora) marquiana@gmail.com Universidade Estadual

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POROSIDADE DE SOLO DE ÁREA DEGRADADA APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO

AVALIAÇÃO DA POROSIDADE DE SOLO DE ÁREA DEGRADADA APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO AVALIAÇÃO DA POROSIDADE DE SOLO DE ÁREA DEGRADADA APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO Ricardo Bezerra Hoffmann (1) ; Dayane Valentina Brumatti (2) ; Moacir Caetano do Couto Junior (3) ; Guilherme Bongiovani Tavares

Leia mais

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Página 1077 CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Ricardo Pereira Veras 1 ; Pedro Dantas Fernandes 2 ; Eduardo Maciel Oliveira Laime 3 ; Janivan Fernandes Suassuna 4

Leia mais

RELAÇÃO DOS DIRIGENTES E COORDENADORES DE CURSOS

RELAÇÃO DOS DIRIGENTES E COORDENADORES DE CURSOS RELAÇÃO DOS DIRIGENTES E COORDENADORES DE CURSOS Presidente Fundação Mineira de Educação e Cultura Prof. Mateus José Ferreira Conselho de Curadores Prof. Pedro Arthur Victer - Presidente Prof. Erix Morato

Leia mais

PORTFÓLIO FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP

PORTFÓLIO FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP PORTFÓLIO FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP 2014 FELCO FALEIROS PROJETOS E CONSULTORIA EM ENGENHARIA LTDA. EPP A Felco Faleiros () é uma empresa prestadora de serviços técnicos

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR TPH EM SOLO CONTAMINADO COM DERIVADOS DE PETRÓLEO UTILIZANDO O AQUECIMENTO POR RADIAÇÃO MICROONDAS

AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR TPH EM SOLO CONTAMINADO COM DERIVADOS DE PETRÓLEO UTILIZANDO O AQUECIMENTO POR RADIAÇÃO MICROONDAS AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR TPH EM SOLO CONTAMINADO COM DERIVADOS DE PETRÓLEO UTILIZANDO O AQUECIMENTO POR RADIAÇÃO MICROONDAS Rayana Hozana Bezerril, Adriana Margarida Zanbotto Ramalho, Márcio Henrique

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO ACADEMIA STORE

REGULAMENTO PROMOÇÃO ACADEMIA STORE REGULAMENTO PROMOÇÃO ACADEMIA STORE A promoção ACADEMIA STORE será realizada pela empresa MELTEX AOY FRANCHISING LTDA, com sede na Rod. BR 101 Norte Contorno 290, 600, galpão 01 a 09, CEP 29154-504, Tabajara,

Leia mais

Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO

Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO PERÍODO CRÍTICO DE PREVENÇÃO DA INTERFERÊNCIA NA CULTURA DO MILHO P.T.P.I. Manejo préplantio Mato-competição Pós-colheita S VE V1 V2

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE FILEIRAS NA CULTURA DO FEIJÃO CAUPI SOB CONDIÇÕES IRRIGADAS NO CARIRI CEARENSE

INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE FILEIRAS NA CULTURA DO FEIJÃO CAUPI SOB CONDIÇÕES IRRIGADAS NO CARIRI CEARENSE Área: Fitotecnia INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE FILEIRAS NA CULTURA DO FEIJÃO CAUPI SOB CONDIÇÕES IRRIGADAS NO CARIRI CEARENSE Josefa Maria Francieli da Silva 1 ; Paulo José de Moraes Máximo 1 ; Wesley

Leia mais

Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR

Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR Justificativa: A agricultura familiar é responsável por parte considerável da produção agrícola do país, abastecendo principalmente

Leia mais

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS Dacio Rocha Brito 1, Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2, Jadson de Lira

Leia mais

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas Paulo Augusto Vianna Barroso Experimentação com OGM Regulada pela Lei de Biossegurança (11.105/2005) Experimentação

Leia mais

Yara Brasil Fertilizantes Endereços e Telefones

Yara Brasil Fertilizantes Endereços e Telefones 1 / 6 Our date 2015-08-24 Yara Brasil Fertilizantes Endereços e Telefones Unidade Alfenas Cidade: Alfenas (MG) Sigla: UM-ALF Endereço: Rodovia Alfenas Areado BR-491, s/nº KM 176 SALA A, Bairro Fazenda

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Departamento de Engenharia - Universidade Federal de Lavras

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Departamento de Engenharia - Universidade Federal de Lavras Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas e Automação Histórico Início 2007 com foco em modelagem biológica (Engenharias IV Capes) e característica multidisciplinar com professores da área de

Leia mais