OUT / NOV / DEZ 2013 No 4 ANO XXXVII

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OUT / NOV / DEZ 2013 No 4 ANO XXXVII"

Transcrição

1 OUT / NOV / DEZ 203 No 4 ANO XXXVII

2

3 Editorial Carlos Drummond de Andrade, em seu poema Definitivo, nos disse que A dor é inevitável. O sofrimento é opcional.... Em versos que não poderiam ter sido escritos por outra pessoa, em todo o poema discorre sobre diversas situações da vida pelas quais passamos e sofremos. O desenvolvimento de novos tratamentos e tecnologias possibilitou aumento da expectativa de vida da população em que as doenças crônicas se tornaram importante causa de morbimortalidade. Tratamos justamente destes pacientes, pelos quais fomos escolhidos para acompanhá-los não apenas por toda a vida, mas também em seu fim. Em busca da cura e na luta pela vida, frequentamos os principais congressos da especialidade, discutimos com maestria os mais recentes artigos publicados e prescrevemos medicações de última geração. Entretanto, não somos deuses, nem anjos ou demônios. Nosso poder é limitado, quando, enfim, realmente percebemos que sempre se tratou de um pseudopoder. O paciente não deve sofrer ou morrer na busca infundada pela cura, quando, em alguns momentos, parece que estamos tratando a nós mesmos. Há situações em que um aperto de Afinal, o que somos? mão, um abraço ou o enxugar de uma lágrima é tão importante quanto a prescrição do remédio específico. Sabemos reconhecer os nossos limites e estamos preparados para tudo? Paliar não significa abreviar ou adiantar o processo de finitude. Faz parte deste momento aliviar a dor e diminuir o sofrimento do paciente e de todos ao seu redor. Trazemos neste boletim o novo conceito de medicina paliativa dentro do tratamento das doenças crônicas e da reumatologia. Em condições clínicas em fase avançada sem possibilidade de cura, o código de ética médica diz que o médico não abandonará o paciente por ser este portador de doença crônica ou incurável e continuará a assisti-lo ainda que para cuidados paliativos. Enfim, não há o que temer. Não há do que fugir. Somos iguais e mortais. Tratar do ser humano também exige que sejamos humanos. Todos passaremos pelo mesmo processo. O inevitável pode ser encarado com maturidade e devemos dignamente reconhecer os nossos limites para oferecer o melhor ao próximo. Parafraseando a jornalista Mariana Bomfim, Viver bem não inclui não morrer. Inclui morrer bem. Edgard Reis SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA Diretoria Executiva da SBR Biênio Presidente Walber Pinto Vieira CE Secretário Geral Francisco José Fernandes Vieira CE º Secretário Lauredo Ventura Bandeira SP 2 a Secretária Rosa Maria Rodrigues Pereira SP Tesoureiro José Eyorand Castelo B Andrade CE Vice-Tesoureiro José Roberto Provenza SP Diretor Científico Mittermayer Barreto Santiago BA Presidente eleito Cesar Emile Baaklini Representante junto à Panlar Adil Muhib Samara SP Antonio Carlos Ximenes GO Fernando Neubarth RS Maria Amazile Ferreira Toscano SC Representante junto ao Ministério da Saúde Ana Patrícia de Paula DF Mário Soares Ferreira DF Representante junto à AMB Eduardo de Souza Meirelles SP Gustavo de Paiva Costa DF Morton A Scheinberg SP Boletim da Sociedade Brasileira de Reumatologia Av. Brig. Luís Antônio, 2.466, conjuntos 93 e São Paulo - SP Tel.: () / Coordenação editorial Jornalista responsável Kaline Medeiros Costa Pereira Maria Teresa Marques Edgard Torres dos Reis Neto Editores Tania Caroline Monteiro de Castro Frederico Augusto Gurgel Pinheiro Colaborador Plinio José do Amaral Layout Sergio Brito Impressão Sistema Gráfico SJS Tiragem: exemplares Índice ÍNDICE 4 Notas 8 SBR.doc 9 Reumato.com 0 O melhor do Brasil Foco em 2 Profissão Reumato 4 Rheuma & Ethos 7 Espaço do residente 8 Hits da Reumatologia 9 Primeira fila 20 Coluna Seda 22 Além da Reumatologia BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203 3

4 Notas Pesquisadores brasileiros no ACR 203 e 25 a 30 de outubro de 203, foi realizado na cidade de San Diego, EUA, o American College of Rheumatology DAnnual Meeting (Congresso Americano de Reumatologia). Trata-se do maior congresso da especialidade realizado atualmente e, para muitos, também o melhor. Temas de ciência básica, novos métodos diagnósticos e tratamentos foram destaque. Mais uma vez os reumatologistas brasileiros se sobressaíram em debates de alto nível com apresentações orais e em pôster. Deliciem-se abaixo com os trabalhos apresentados! Parabéns a todos os pesquisadores brasileiros! TRABALHOS Universidade de São Paulo /USP LONG-TERM EVALUATION OF CARDIAC FUNCTION IN JUVENILE IDIOPATHIC ARTHRITIS UNDER ANTI-TUMOR NECROSIS FACTOR THERAPY. A.C. Lianza, N.E. Aikawa, J.C.B. Moraes, G.N. Leal, S.S. Morhy, E. Bonfá, C.A. Silva. TNF BLOCKAGE IN PSORIATIC ARTHRITIS: LONG-TERM EFFECT ON LIPID PROFILE. J.C.B. Moraes, C.G.S. Saad, A.C. Ribeiro, C. Goldenstein-Schainberg, C.R. Gonçalves, P.D. Sampaio-Barros e E. Bonfá. LATENT TUBERCULOSIS SCREENING AND TREATMENT IN ANKYLOSING SPONDYLITIS PATIENTS ELIGIBLE FOR ANTI-TNF THERAPY IN ENDEMIC AREA. R. Miossi, K.R. Bonfiglioli, C.G.S. Saad, A.C. Ribeiro, J.C.B. Moraes e E. Bonfa. BENEFITIAL EFFECTS OF A SIMPLE STRETCHING EXERCISE PROGRAM FOR PATIENTS WITH ANKYLOSING SPONDYLITIS: A RANDOMIZED CONTROLLED TRIAL. A.L. Gallinaro, C.G.S. Saad, C. Goldenstein-Schainberg, P.D. Sampaio-Barros, J.C.B. Moraes, H. Roschel, A.L.S. Pinto e C.R. Gonçalves. FAT MASS AND RESISTIN: PREDICTIVE FACTORS FOR ANTI-TNF THERAPY RESPONSE IN ANKYLOSING SPONDYLITIS PATIENTS. C.G.S. Saad, A.S. Abreu, A.C.M Ribeiro, J.C.B. Moraes, L.A. Perandini, T. Dassouki, R.M. R. Pereira, E. Bonfa e A.LS. Pinto. WORSE MENTAL HEALTH IN EMPLOYED ADULT PATIENTS WITH JUVENILE IDIOPATHIC ARTHRITIS (JIA): MORE THAN JUST A JOB. N.E. Aikawa, J. Gordo, R. Krieger, L. E. Paula, C. Goldenstein-Schainberg. OVARIAN DYSFUNCTION IN ADULT CHILDHOOD-ONSET SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS PATIENTS: A POSSIBLE ROLE OF METHOTREXATE? D.B. Araujo, L. Yamakami, E. Bonfá, V.S.T. Viana, S.G. Pasoto, R.M. Pereira, P.C. Serafin, E.F. Borba, C.A. Silva. HIGH PREVALENCE OF METABOLIC SYNDROME IN TAKAYASU ARTERITIS: AN INCREASED CARDIOVASCULAR RISK AND LOWER ADIPONECTIN SERUM LEVELS. T. Silva, M. Levy-Neto, R.M.R. Pereira. E. Bonfá. BEHÇET`S DISEASE ACTIVITY: AN IMPORTANT FACTOR FOR IMMUNOGENICITY OF UNADJUVANTED INFLUENZA A/HN VACCINE. L.L. Prado, C.G.S. Saad, J.C.B. Moraes, A.C.M. Ribeiro, N.E. Aikawa, C.A. Silva, C. Goldenstein- Schainberg, P.D. Sampaio-Barros, A.R. Precioso, M.A. Ishida, E. Bonfá, C. Goncalves. ABNORMAL COLLAGEN FIBERS DEPOSITION IN THE SYNOVIAL JOINTS IS A CHARACTERISTIC OF THE TEMPORAL EVOLUTION OF THE DIABETIC RATS MODEL INDUCED BY STREPTOZOTOCIN. P.C. Andrade, A.P. P. Velosa, J. Morais, E. R. Parra, C. Goldeinstein-Schainberg, V.L. Capelozzi, W.R. Teodoro. EFFICACY AND SAFETY OF LOW-INTENSITY RESISTANCE TRAINING COMBINED WITH VASCULAR OCCLUSION IN POLYMYOSITIS AND DERMATOMYOSITIS. M. Mattar, L.A. Perandini, T. Dassouki, S.K. Shinjo, B. Gualano, H. Roschel, F.R. Lima, A.L.S. Pinto. BENEFICIAL EFFECT OF LONG-TERM USE OF LOW-COST MINIMALIST FOOTWEAR ON JOINT LOAD, CLINICAL, AND FUNCTIONAL ASPECTS OF ELDERLY WOMEN WITH KNEE OSTEOARTHRITIS. F. Trombini-Souza, A. Matias, M. Yokota, M. Butugan, I. Pereira, C. Goldenstein- Schainberg, R. Fuller, I.C.N. Sacco. 23-VALENT POLYSACCHARIDE PNEUMOCOCAL VACCINE IN JUVENILE IDIOPATHIC ARTHRITIS PATIENTS: ANTI-TUMOR NECROSIS FACTOR THERAPY ROLE IN SHORT AND LONG-TERM IMMUNOGENICITY. N.E. Aikawa, I.L.A. França, A.C.M. Ribeiro, A.M. Sallum, E. Bonfá, C.A. Silva. ALTERED APOPTOSIS PROFILE AND ASSOCIATED SOLUBLE FACTORS IN PATIENTS WITH JUVENILE-ONSET SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS. B. Liphaus, M.H.B. Kiss, S. Carrasco, C. Goldenstein-Schainberg. INACTIVE SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS: CYTOKINES AND SOLUBLE TUMOR NECROSIS FACTOR RECEPTORS RESPONSE TO MODERATE/INTENSE EXERCISE. L. A. Perandini, D. Sales-de-Oliveira, S.B.V. Mello, N.O. Camara, F.R. Lima, E.F. Borba, E. Bonfá, A.L. Sá-Pinto, H. Roschel, B. Gualano. ACTIVE SYSTEMIC LUPUS ERUTHEMATOSUS: CYTOKINES AND SOLUBLE TUMOR NECROSIS FACTOR RECEPTORES RESPONSE TO MODERATE/INTENSE EXERCISE. L.A. Perandini, D. Sales-de-Oliveira, S.B.V. Mello, N.O. Camara, F.R. Lima, E.F. Borba, E. Bonfá, A.L. Sá-Pinto, H. Roschel, B. Gualano. OVARIAN RESERVE IN WOMEN WITH PRIMARY ANTIPHOSPHOLIPID SYNDROME. L. Yamakami, P. Serafini, D.B. Araujo, E. Bonfá, E.P. Leon, E.C. Baracat, C.A. Silva. Universidade Federal de São Paulo / Unifesp PRELIMINARY PROSPECTIVE STUDY OF ULTRASONOGRAPHY IN PATIENTS WITH JUVENILE IDIOPATHIC ARTHRITIS IN CLINICAL REMISSION: SUBCLINICAL SYNOVITIS MAY PREDICT FLARE? V.B. Miotto e Silva, S.A.V. Mitraud, R.N.V Furtado, J. Natour, M.T.Terreri. ENTHESES ULTRASOUND IN PATIENTS WITH ANKYOSING SPONDYLITIS: A CONTROLLED STUDY WITH HEALTHY SUBJECTS. S. Narimatsu, A. Rosenfeld, G.B.Q. Estrela, J.E.P. Proglhof, R.N.V. Furtado, J. Natour. EFFECTIVENESS OF PILATES METHOD FOR THE TREATMENT OF CHRONIC MECHANICAL NECK PAIN. L.A. Cazotti, A. Jones, D.R. Silva, L.H.C. Ribeiro, J. Natour. BENEFITS OF PROGRESSIVE MUSCLE STRENGTHENING USING A SWISS BALL IN PATIENTS WITH ANKYLOSING SPONDYLITIS: A RANDOMIZED CONTROLLED TRIAL. M. Souza, F. Jennings, H. Morimoto, J. Natour. GLOBAL POSTURAL REEDUCATION TO TREAT CHRONIC LOW BACK PAIN: RANDOMIZED, CONTROLLED TRIAL. P.A. Lawand, I. Lombardi Jr, C.C. Sardim, L.H.C. Ribeiro, A. Jones, J. Natour ASSESSMENT OF GESTURE BEHAVIOR AND KNOWLEDGE ON LOW BACK PAIN. AMONG NURSES. H. Morimoto, A. Jones, J. Natour. 4 BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

5 INTERPHALANGEAL INTRA-ARTICULAR INJECTION WITH TRIAMCINOLONE HEXACETONIDE: ASSESSMENT OF EFFECTIVENESS IN HAND OSTEOARTHRITIS. N.O. Spolidoro, J. Natour, R.N.V. Furtado, F.S. Machado, H.A. Oliveira. A MULTIPLE CAUSE-OF-DEATH STUDY IN RHEUMATOID ARTHRITIS. F.A.G. Pinheiro, D.C.C. Souza, E.I. Sato. THE EFFECT OF RAMIPRIL ON ENDOTHELIAL FUNCTION AND ENDOTHELIAL PROGENITOR CELLS IN PATIENTS WITH SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS. A.C. Machado, Luiz Samuel G. Machado, E.I. Sato. CLINICAL PERFORMANCE OF 4 METHODS FOR DETECTING LATENT TUBERCULOSIS INFECTION (LTBI) IN PATIENTS WITH ACTIVE CHRONIC INFLAMMATORY ARTHRITIS TAKING TNF_ BLOCKERS. C.M.F. Gomes, M.T.Teresa Terreri, M.I. Pinto, K. Oseki, F. Spina, M.M. Pinheiro. EVALUATION OF THE EFFECT OF SILDENAFIL ON THE MICROVASCULAR BLOOD FLOW AND ON THE ENDOTHELIAL PROGENITOR CELLS IN PATIENTS WITH EARLY SYSTEMIC SCLEROSIS: A RANDOMIZED, DOUBLE-BLIND, PLACEBO-CONTROLLED STUDY. F.V. Andrigueti, P.C.C. Ebbing, M.I. Arismendi, C.Kayser. MICROVASCULAR ABNORMALITIES IN PATIENTS WITH EARLY SYSTEMIC SCLEROSIS: LESS SEVERE MORPHOLOGICAL CHANGES COMPARED TO PATIENTS WITH DEFINITE DISEASE. C. Camargo, J. Sekiyama, M. I. Arismendi, C. Kayser. NF-_B PATHWAY IS DEPLETED IN PHAGOCYTES FROM BEHC ET_S DISEASE PATIENTS SECONDARILY TO CONSTITUTIVE PHOSPHORYLATION OF THE P65 SUBUNIT. S. F. Perazzio, P.V.S. Pereira, A.W.S. Souza, A. Condino-Neto, L.E.C. Andrade. PLASMA OF ACTIVE BEHÇET_S DISEASE INCREASES OXIDATIVE METABOLISM PROFILE OF NORMAL AND PATIENTS PHAGOCYTES. S.F. Perazzio, P.V.S. Pereira, A.W.S. Souza A. Condino-Neto, L.E.C. Andrade. Universidade Estadual de Campinas / Unicamp COGNITIVE FUNCTIONS IN CHILDHOOD-ONSET SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS. B. Bellini, C. de Souza, M. Postal, N.A. Sinicato, P.T Fernandes, R. Marini, S. Appenzeller. COGNITIVE DYSFUNCTION IN CHILDHOOD SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS: COMPARISON OF DIFFERENT CLASSIFICATION CRITERIA. B. Bellini, C. de Souza, M. Postal, N.A. Sinicato, P.T Fernandes, R. Marini, S. Appenzeller. SERUM S00_ IS ASSOCIATED WITH NEUROPSYCHIATRIC MANIFESTATIONS IN CHILDHOOD-ONSET SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS. A.T. Lapa, M. Postal, N.A. Sinicato, B. Bellini, P.T Fernandes, R. Marini, S. Appenzeller. TNF-_ IS ASSOCIATED WITH COGNITIVE IMPAIRMENT IN CHILDHOOD-ONSET SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS. M. Postal, N.A. Sinicato, A.T. Lapa, K. Pelicari, B. Bellini, P.T Fernandes, R. Marini, S. Appenzeller. Rio Grande do Sul ARTHRITIS AND NAIL INVOLVEMENT IN PATIENTS WITH PLAQUE-TYPE PSORIASIS. O.A. Monticielo, K.R.R. Schons 2, C.F. Knob, W. Neumaier 2, M.O. Beck 2, A.A.C. Beber 2. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2 Universidade Federal de Santa Maria. A SYSTEMATIC REVIEW AND META-ANALYSIS COMPARING LOW - VERSUS HIGH - DOSE RITUXIMAB FOR RHEUMATOID ARTHRITIS. M. Bredemeier, F. K. de Oliveira, C. M. Rocha. Hospital Nossa Senhora da Conceição. EFFECT OF RC-3095, AN ANTAGONIST OF GASTRIN-RELEASIN PEPTIDE RECEPTOR, REGULATING SYNOVIAL FIBROBLASTS IN EXPERIMENTAL ARTHRITIS. P. Oliveira, L. Filippin, M. Farinon, V. Clarimundo, G. Schwartsmann, R. M. Xavier. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. HIP FRACTURE RISK FACTORS TO ONE YEAR AND IN-HOSPITAL MORTALITY, A PROSPECTIVE COHORT IN SOUTH BRAZIL. T. A. Ribeiro, M. O. Premaor, J.A. Larangeira, M. Luft, L.G. Brito, LW. Guterres, O.A. Monticielo 2. Universidade Federal de Santa Maria, 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Espírito Santo DIAGNOSTIC VALUE OF LABIAL MINOR SALIVARY GLAND BIOPSY FOR PRIMARY SJÖGREN S SYNDROME. R. Altoe, V. Valim, M.C.S. Santos 2, E.V. Serrano, S.T. Miyamoto. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2 Universidade de Vila Velha. EULAR SJÖGREN S SYNDROME PATIENT REPORTED INDEX (ESSPRI) IS INCREASED IN SJÖGREN S SYNDROME PATIENT WITH FIBROMYALGIA. V. Valim, S.T. Miyamoto, M. Paganotti, E. V. Serrano, R. Alto. Universidade Federal do Espírito Santo. Pernambuco A RANDOMIZED TRIAL OF A PHYSICAL SELF-MANAGEMENT PROGRAM FOR FIBROMYALGIA SYNDROME. A. Ranzolin, S.S. Barros, V.M. Fernandes 2, E.A.S. Pimentel 2, C.D.L. Marques, A.L.B.P. Duarte. Universidade Federal de Pernambuco, 2 Centro Universitário Maurício de Nassau. Trabalhos multicêntricos com autores do Brasil (Citados apenas nome e instituição dos autores brasileiros) THE INFLUENCE OF SOCIOECONOMIC AND RACE IN DAMAGE SCORE IN PATIENTS WITH SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS. R. Teixeira, E.F. Borba 2, G. Christopoulos 3, E.I. Sato. Unifesp, 2 USP, 3 Santa Casa de Misericórdia de Maceió. PULMONARY INVOLVEMENT IN MIXED CONNECTIVE TISSUE DISEASE: SLOW PROGRESSION AFTER 0 YEARS OF FOLLOW-UP. L. Kawano-Dourado, O.M. Dias, F.U. Kay, T.E.H. Gripp, P.S. Gomes 2, R. Fuller, B.G. Baldi, R.A. Kairalla, C.R.R. Carvalho, M.T.C. Caleiro. Universidade de São Paulo/USP, 2 Hospital do Servidor do Estado de São Paulo. CYTOKINES, OXIDATIVE STRESS MARKERS AND BRAIN-DERIVED NEUROTROPHIC FACTOR IN FIBROMYALGIA SYNDROME. A. Ranzolin, C. Antônio da C. Neto 2, B.M. Ascoli, B. Wollenhaupt-Aguiar, A.L.B.P. Duarte 2, M. Bredemeier 3, F. Kapczinski, R.M. Xavier. UFRS, 2 UFPE, 3 Hospital Nossa Senhora da Conceição. CROSS-CULTURAL ADAPTATION, VALIDATION AND RELIABILITY OF THE BRAZILIAN VERSION OF THE PSORIATIC ARTHRITIS SCREENING EVALUATION TOOL. R. Ranza, C.G. Schainberg 2, S. Carneiro 3, G. Martins 4, J.J Rodrigues 2, J. Carneiro 4, R. Romiti 2, T.B.M. Barros 2, A.L. Sampaio 5, A. Pedreira 5, C.Z. Costa, R.M.C Pinto, M.E. Husni, A. A. Qureshi. UFU, 2 USP, 3 Brazilian Registry of Spondyloarthritis, 4 UNB, 5 UFRJ. POWER DOPPLER ULTRASOUND 7-JOINT SCORE VS. SIMPLIFIED DISEASE ACTIVITY INDEX IN RHEUMATOID ARTHRITIS ASSOCIATED WITH FIBROMYALGIA. R. Chakr, M. Behar, J.A. Mendonça 2, D. Cervantes, N. Calegaro, N. Andrade, I. Siqueira, D. Zanchet, A. Gasparin, P.E. Palominos, C. Kohem 3, O. A. Monticielo, C. Brenol, R. M. Xavier, J.C.T. Brenol. UFRS, 2 PUC Campinas, 3 Brazilian Registry of Spondyloarthritis. DEVELOPING INTERNATIONAL CONSENSUS DEFINITIONS OF IMPROVEMENT FOR ADULT AND JUVENILE DERMATOMYOSITIS AND POLYMYOSITIS. S.K. Oliveira. UFRJ. GOOD INTER-RATER RELIABILITY OF MYOSITIS EXPERTS IN ASSESSING CLINICAL IMPROVEMENT. S.K. Oliveira. UFRJ. INITIAL BENCHMARKING OF THE QUALITY OF MEDICAL CARE OF CHILDREN AND ADOLESCENTS WITH LUPUS. C.A. Silva, M.F. Sliva, S. Appenzeller 2, M. Centeville 2. USP, 2 Unicamp. >> BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203 5

6 >> Notas Pesquisadores brasileiros no ACR 203 PHASE 2 TRIAL ON TRIPTORELIN FOR OVARY PROTECTION IN CHILDHOOD-ONSET SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS. C.A. Silva. USP. PREVALENCE OF CARDIOVASCULAR RISK FACTORS AND CARDIOVASCULAR DISEASE IN RHEUMATOID ARTHRITIS PATIENTS ACROSS INTERNATIONAL REGIONS: A COMPARISON OF THE CORRONA INTERNATIONAL AND CORRONA UNITED STATES REGISTRIES. S.C. Radominski, I. Laurindo 2. UFPR, 2 USP. VARIATIONS IN DISEASE ACTIVITY AND THERAPEUTIC MANAGEMENT OF RHEUMATOID ARTHRITIS IN DIFFERENT INTERNATIONAL REGIONS: A COMPARISON OF DATA FROM THE CORRONA INTERNATIONAL AND CORRONA UNITED STATES REGISTRIES. S.C. Radominski, I. Laurindo 2. UFPR, 2 USP. GENOME WIDE ASSOCIATION META-ANALYSIS IMPLICATES HLA-DRB, THE BTNL2/HLA-DRA REGION, AND A NOVEL SUSCEPTIBILITY LOCUS ON CHROMOSOME IN SYSTEMIC JUVENILE IDIOPATHIC ARTHRITIS. C.A. Len, S.K. Oliveira 2 and on Behalf Of the International Childhood Arthritis Genetics Consortium. Unifesp, 2 UFRJ. ASSESSMENT OF GLOBAL DISEASE ACTIVITY IN RHEUMATOID ARTHRITIS BY PATIENTS AND PHYSICIANS: CULTURAL DIFFERENCES AMONG COUNTRIES IN THE METEOR DATABASE. R. Wolterbeek, C. Brenol. UFRS. ORAL SCAN: EFFECTS OF THE ORAL JAK INHIBITOR TOFACITINIB IN COMBINATION WITH METHOTREXATE ON PATIENT REPORTED OUTCOMES IN A 24-MONTH PHASE 3 TRIAL OF ACTIVE RHEUMATOID ARTHRITIS. V.C.A.F. Zerbini. Centro Paulista de Investigacão Clínica, SP. INCIDENCE OF ADVERSE EVENTS IN PATIENTS WITH RHEUMATOID ARTHRITIS AND SPONDYLOARTHRITIS EXPOSED TO ANTI-TNF THERAPY. DATA FROM THE BRAZILIAN REGISTRY FOR MONITORING OF BIOLOGIC THERAPIES IN RHEUMATIC DISEASES (BIOBADABRASIL). R. Ranza, D.C. Titton 2, V. Vallim 3, I. Silveira 4, A. Ranzolin 5, A. Hayata 6, M.M. Abreu 7, P. Louzada-Jr 8, A.L.B.P. Duarte 5, C. Brenol 9, G.C. Pinheiro 0, G.R. Castro, H.M. Carvalho 2, I. Costa 3, J.C. Macieira 4, J.R. Miranda 5, J.C.M. Bertacini 6, L.S.G. Barbosa 7, M.B. Bertolo 8, M.M. Pinheiro 2, M.F. Sauma 9, M.B. Silva 20, M. Freire 2, R.A. Toledo 22, V. Fernandes 23. UFU, 2 UFPR, 3 UFES, 4 PUCRS, 5 UFPE, 6 CRO Osasco, 7 UFSC, 8 USP Ribeirão Preto, 9 UFRS, 0 UERJ, Hospital Governador Celso Ramos, 2 Brazilian Registry of Spondyloarthritis, 3 UFMS, 4 UFS Aracaju, 5 Artrocenter Clinica Medica Taubaté, 6 USP SP CDMAC, 7 UFMT, 8 UNICAMP, 9 UFPA, 20 Hospital Universitário Evangélico, 2 UFTM, 22 Funfarp, 23 UNIC. COMBINED AXIAL AND PERIPHERAL INVOLVEMENT IS ASSOCIATED WITH MISCEGENATION IN A LARGE AND HETEROGENEOUS BRAZILIAN COHORT OF 505 PATIENTS WITH SPONDYLOARTHRITIS. P.D. Sampaio-Barros, M. Santiago, A.B. Bortoluzzo, A.C. Ximenes, J.A.B. da Silva, M.B. Bértolo, S.L. Ribeiro, M. Keisermann, R. Menin, T.L. Skare, S. Carneiro, V.F. Azevedo, W.P. Vieira, E. Albuquerque, W.A. Bianchi, R. Bonfiglioli, C. Campanholo, H.M. Carvalho, I.P. Costa, A.L.B.P. Duarte, C. Kohem, N. Leite, S. Lima, E.S. Meirelles, I.A. Pereira, M.M. Pinheiro, E. Polito, G.G. Resende, F.A.C. Rocha, M.F.L.C. Sauma, V. Valim, C.R. Gonçalves. Brazilian Registry of Spondyloarthritis. KEY ROLES FOR INTERFERON AND MACROPHAGE ACTIVATION IN PROGRESSIVE LUNG FIBROSIS ASSOCIATED WITH SYSTEMIC SCLEROSIS. R. Christmann, G. Stifano, C. Borges 2, C. Carvalho 3, R. Kairalla 3, E. R. Parra 3, A. Spira, R. W. Simms, P. D. Sampaio-Barros 3, V. L. Capelozzi 3, R. Lafyatis. Boston University School of Medicine, 2 CEUMA, 3 USP. ANTI-_2GP-DOMAIN- ANTIBODIES ARE A MARKER OF APS SEVERITY. L. Seguro. USP. DEVELOPING GUIDELINE FOR POLYMYALGIA RHEUMATICA: PRIORITISATION OF OUTCOME MEASURES PERSPECTIVE OF PATIENTS, GENERAL PRACTITIONERS AND RHEUMATOLOGISTS. A.W.S. Souza. Unifesp. THE ASSOCIATION BETWEEN ANTIPHOSPOLIPID ANTIBODIES AND RELATED CLINICAL OUTCOMES: A CRITICAL REVIEW OF THE LITERATURE. G.R. Jesus on Behalf of APS Action. UERJ. THE SAFETY AND EFFICACY OF TOCILIZUMAB SUBCUTANEOUS IN COMBINATION WITH TRADITIONAL DMARDS IN PATIENTS WITH MODERATE TO SEVERE RHEUMATOID ARTHRITIS UP TO 48 WEEKS (BREVACTA). S.C. Radominski. UFPR. THE EFFICACY AND SAFETY OF TOCILIZUMAB SUBCUTANEOUS VERSUS TOCILIZUMAB INTRAVENOUS, IN COMBINATION WITH TRADITIONAL DMARDS IN PATIENTS WITH RAAT 49 WEEKS (SUMMACTA). D. Feldman. Unifesp. ATTAINMENT OF REMISSION, FUNCTIONAL, AND QUALITY OF LIFE IMPROVEMENTS WITH GOLIMUMAB TREATMENT IN RHEUMATOID ARTHRITIS ARE ASSOCIATED WITH PATIENT EXPECTATIONS. C. Zerbini. Hospital Heliópolis. EFFICACY OF A 6-MONTH TREATMENT WITH STRONTIUM RANELATE 2G/DAY IN THE IMPROVEMENT OF LONG BONE FRACTURES WITH DELAYED-UNION OR NON-UNION. L.A.T. Russo. CCBR Brasil, RJ. CLINICAL AND RADIOGRAPHIC OUTCOMES AT TWO YEARS AND THE EFFECT OF TOCILIZUMAB DISCONTINUATION FOLLOWING SUSTAINED REMISSION IN THE SECOND YEAR OF THE ACT-RAY STUDY. R. M. Xavier. UFRS. A RANDOMIZED, CONTROLLED, MULTICENTER, 2-ARM, PARALLEL-GROUP, DOUBLE-BLIND STUDY TO DEMONSTRATE THE EQUIVALENCE OF CT-P0 TO INNOVATOR RITUXIMAB WITH RESPECT TO PHARMACOKINETIC PROFILE IN PATIENTS WITH RHEUMATOID ARTHRITIS. S. Radominski. CETI Centro de Estudos em Terapias Inovadoras Ltda, Curitiba. EFFECTS OF CHRONIC TREATMENT WITH BLISIBIMOD, AN INHIBITOR OF B CELL ACTIVATING FACTOR, ON RENAL AND INFLAMMATION BIOMARKERS IN PATIENTS WITH SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS: OBSERVATIONS FROM THE PLACEBO- CONTROLLED PEARL-SC AND OPEN-LABEL EXTENSION STUDIES. M. A. Scheinberg. Hospital Abreu Sodré Pesquisa Clínica, SP. EFFECTS OF BLISIBIMOD, AN INHIBITOR OF B CELL ACTIVATING FACTOR, ON SERUM IMMUNOGLOBULINS AND INFECTION RISK IN PATIENTS WITH SYSTEMIC LUPUS ERYTHEMATOSUS: OBSERVATIONS FROM THE PLACEBO-CONTROLLED PEARL-SC AND OPEN-LABEL EXTENSION STUDIES. M. A. Scheinberg. Hospital Abreu Sodré Pesquisa Clínica, SP. Reunião do Biobada Brasil tem destaque em site do Iats Com o tema Segurança dos agentes biológicos contra doenças reumáticas no SUS, a reunião do Biobada Brasil, realizada no final de setembro de 203, foi destaque no site do Instituto de Avaliação de Tecnologia em Saúde (Iats). Para ler o texto na íntegra, acesse o link 6 BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

7 Perdemos Wolfgang Dihlmann Dr. Achiles Cruz Filho, Belo Horizonte Em 3 de outubro de 203, faleceu aos 85 anos em Hamburgo, Alemanha, o prof. dr. Wolfgang Dihlmann, que foi por muitos anos professor de Radiologia na Universidade de Hamburgo. Embora fosse Radiologista de formação, Dihlmann dedicou-se durante toda a vida a estudar a radiologia osteoarticular, pelo que se tornou internacionalmente conhecido dos reumatologistas. Uma de suas obras chegou a ser traduzida para o inglês e publicada nos Estados Unidos: Joint and Vertebral Connections, um tratado que ganhou notoriedade no Brasil. Wolfgang Dihlmann nasceu em Stettin, Alemanha, hoje Polônia. Teve uma adolescência difícil, pois aos 4 anos já era soldado alemão, comandando uma bateria antiaérea alemã, no final de guerra, quando ficou ferido. Como radiologista, exerceu a medicina de início no famoso Hospital Charité, de Berlim, depois se transferindo para a Clínica Reumatológica de Aachen, onde o conheci, em 963, quando iniciei minha residência naquele hospital e me tornei amigo dele. Uma amizade, pois, de 50 anos. Da Faculdade de Medicina de Aachen, se transferiu no final dos anos 70 para a Universidade de Hamburgo, já como professor. Também ao final dos anos 70, se tornou Membro Honorário da Sociedade Brasileira de Reumatologia, tendo participado de alguns congressos nossos, sempre discorrendo sobre radiologia nas doenças reumáticas. Em 975, deu um curso de três dias em Belo Horizonte, onde retornou algumas vezes. Eu o visitava de vez em quando em Hamburgo. Pela última vez, o vi, em junho de 202, após o Eular de Berlim. Em nome da SBR e entristecido, transmito os sentimentos a sua única filha, dra. Ariane Dihmann, médica em Munique. Trabalho de pesquisadoras do DF ganha o Panlar Prize É com grande prazer que a SBR comunica que o trabalho Immune Response to Revaccination with the Vaccine 7 D in Patients with Autoimmune Diseases who have inadvertently vaccinated against Yellow Fever, de Ana Cristina Vanderley Oliveira, Licia Maria Henrique da Mota e Vanessa P. Magalhães Pascoal, foi laureado com o prêmio internacional Panlar Prize on Basic Science Research 203, concedido pelo Panlar Prize Selection Committee. Dra. Licia Maria durante evento em que foi laureada com o Panlar Prize Reumatologistas são destaque no 5º Bradoo D urante o 5º Bradoo Congresso Brasileiro de Densitometria, Osteoporose e Osteometabolismo realizado em Porto de Galinhas /PE de 24 a 26 de outubro de 203, mais uma vez reumatologistas brasileiros foram destaque. No congresso foram premiados os melhores trabalhos nas áreas básica, clínica e de densitometria óssea com destaque para trabalhos desenvolvidos no Laboratório de Metabolismo Ósseo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Parabéns aos autores: Diogo Domiciano, Luana G. Machado, Jaqueline B. Lopes, Camille P. Figueiredo, Valéria Caparbo, Liliam Takayama, Rosa M.R. Pereira. Segundo lugar na Área de Densitometria: Baixa densidade mineral óssea e maiores níveis de paratormônio: preditores independentes de mortalidade em indivíduos idosos da comunidade. São Paulo Ageing & Health Study (SPAH) Segundo lugar da Área Clínica: Incidência e fatores de risco para fratura vertebral por osteoporose em idosos brasileiros da comunidade: São Paulo Ageing & Health Study (SPAH) Sua opinião sobre o nosso boletim A pesquisa sobre o nosso boletim foi um sucesso, com ampla participação dos membros da SBR. Estamos avaliando as respostas e sugestões dos leitores para aprimorar o conteúdo e a forma do boletim. Aguardem as novidades. BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203 7

8 SBR.doc Parecer da Comissão de Dor, Fibromialgia e Reumatismos de Partes Moles - SBR Avaliação da Termografia como diagnóstico para Síndrome da Fibromialgia Por questionamentos recorrentes e recentes à Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) sobre o uso de da termografia em patologias musculoesqueléticas, a Comissão de Dor, Fibromialgia e Reumatismo de Partes Moles da SBR emite parecer sobre o assunto. Após pesquisa bibliográfica, foram encontrados somente seis artigos relacionados ao tema, nenhum destes com nível de evidência A, mostrando que sua indicação em reumatologia ainda é questionável. Em 203, Zaproudina N. e cols. demonstraram que a termografia para paciente com cervicalgia de qualquer natureza deve ser interpretada com cautela, uma vez que somente houve significância em indivíduos com maior sensibilidade ao frio ou hiper-resposta simpática. Em 2007, Brioschi ML e cols. 2, observaram que a imagem deve ser analisada em conjunto com o exame clínico e outros exames complementares, além de enfatizarem a necessidade de ambiente específico para a realização do teste. Também em 2007, Brioschi ML e cols. 3 avaliando a termografia em síndrome miofascial, demonstraram a validade do exame como diagnóstico complementar, uma vez que o ponto de gatilho tem aumento de temperatura local. No entanto, afirmam que encontrar um ponto hiper-radiante na imagem infravermelha não é suficiente para identificar um ponto de gatilho abaixo dele, sendo necessários avaliação clínica, equipamento especializado e expertise no assunto. Em 2009, Brioschi ML e cols. 4, avaliando o uso da termografia no retorno ao trabalho, afirmaram que a avaliação clínica e os exames complementares foram corroborados pela termografia, mostrando sua equivalência em várias patologias relacionadas a LER/DORT, inclusive a síndrome da fibromialgia. No entanto, nesta última, os critérios modificados de Biasi e Ammer para termografia fornecem a probabilidade (grifo nosso) de o paciente ter fibromialgia. Em 203, Nahm FS 5 ressaltam que o uso da termografia não está aprovado para uso na síndrome da fibromialgia pelo FDA. Além disto, afirma ainda não ter sido estabelecida nenhuma padronização dos chamados ROI (region of interest). Com relação aos aspectos médico-legais na síndrome da fibromialgia, Brioschi ML. e cols. 6, em 2008, levantaram argumentos contrários ao seu reconhecimento como doença, a dificuldade de reconhecer simuladores e a subjetividade dos sintomas como fatores de avaliação pericial. Para tanto, propôs um índice diagnóstico termográfico para fibromialgia, baseado em uma imagem em manto associada a um fenômeno de Raynaud leve. Aproveitamos para reproduzir o parecer do CRM do Paraná (aprovado na Sessão Plenária nº 2679, de 22/02/20), emitido pela Dra. Keti Stylianos Patsis: (...) O artigo de revisão mais recente sobre a indicação do exame de termometria cutânea, encontrado por esta conselheira e veiculado na Internet, data de abril de Sua conclusão é a seguinte: Não há evidências suficientes na literatura revisada que permitam concluir sobre os efeitos da termografia, em qualquer indicação. A literatura científica não é suficiente para validar o papel da termografia clínica e não existem estudos publicados que tenham demonstrado como os resultados da termografia podem ser usados para melhorar a gestão do paciente ou para melhorar os resultados de seu tratamento. Pesquisa realizada no banco de dados da Medline até 28 de fevereiro de 2006 não identificou qualquer estudo publicado que altere esta determinação. Em artigo de 989, do Health Technology Assessment Report sobre a indicação do uso de termografia em outros diagnósticos, além de câncer de mama, esta conselheira encontrou a seguinte conclusão: As informações obtidas a partir da literatura não conseguiram reconhecer a eficácia da termografia como uma modalidade de diagnóstico útil. Ao contrário, estes estudos sugerem que a termografia carece de sensibilidade, especificidade e de valor preditivo. Faltam dados para indicar que a termografia seja um guia útil para monitorar o efeito do tratamento de qualquer entidade ou doença. A evidência sugere que a termografia só pode confirmar a presença de uma diferença de temperatura, que outros procedimentos são necessários para chegar a um diagnóstico específico, e que a termografia pode acrescentar pouco ao que os médicos já sabem, baseados na história, no exame físico e em outros estudos. PARECER Concluímos que o exame de termografia infravermelha ainda não tem sua base científica validada, consequentemente pode ensejar questionamentos quanto a sua sensibilidade e especificidade. (...) Todo o exposto acima nos coloca em uma posição de dúvida quanto à validade da termografia para uso em reumatologia e em especial na síndrome da fibromialgia. Podemos colocar as seguintes questões:. Não há nenhuma evidência científica realmente válida sobre o assunto 8 BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

9 Reumato.com Convidamos os reumatologistas a acessarem o portal da SBR - -, em que vários temas de interesse da área estão à disposição para consulta. 2. Praticamente todos os trabalhos foram feitos pelo mesmo grupo, não havendo universalização do exame difícil comprovação? 3. A necessidade de um ambiente extremamente controlado dificulta o exame. Poderia haver interferência grave no resultado quando feito por outro profissional? 4. A questão pericial, que vem sendo levantado nas questões feitas por leigos, poderia estar influenciando na legalização do exame como diagnóstico, quando na verdade ele é apenas complementar? VÍDEO Aulas online de propedêutica articular Exame Físico do Aparelho Locomotor - Propedêutica Reumatológica: Parte I - Coluna Vertebral Exame Físico do Aparelho Locomotor - Propedêutica Reumatológica: Parte II - Quadril e Membros Inferiores Exame Físico do Aparelho Locomotor - Propedêutica Reumatológica: Parte III - Membros Superiores Menu=Ferramentas&Pagina=ferramentas/in_central_ multimidia_arquivo.asp#aulas 5. Nenhum artigo da bibliografia coloca a termografia como definitiva para diagnóstico, exceto para dor miofascial, mas não para síndrome da fibromialgia. 6. O parecer do CRM-PR corrobora estes questionamentos. Talvez os nossos maiores problemas sejam o fato de haver um código específico da tabela AMB para termografia (indica sua validação para o leigo) e a venda pela internet da ideia de um diagnóstico com valor legal para perícia. CONCLUSÃO: A Comissão de Dor, Fibromialgia e Reumatismo de Partes Moles da SBR não aceita o exame complementar TER- MOGRAFIA como diagnóstico definitivo para Síndrome da Fibromialgia, até que sejam demonstradas evidências científicas fortes e realmente válidas. Bibliografia. Zaproudina N, Airaksinen O, Narhi M. Are the infrared termography findings skin temperature-dependent? A sudy on neck pain patients. Skin Res. And Tech 203: Brioschi ML, Yeng TY, Pastor E, Teixeira MJ. Ver Bras. Reumat, 2007: Brioschi ML, Yeng TY, Pastor E, Colman D, Silva F, Teixeira MJ. Documentação da síndrome dolorosa miofascial por imagem infravermelha. Acta Fisiat, 2007; 4: Brioschi ML, Cherem AJ, Ruiz RC, Sradá Jr Jj, Silva F. O uso de termografia infravermelha na avaliação do retorno ao trabalho em programa de reabilitação ampliada (PRA). Acta Fisiar 2009; 6: Nahm FS. Infrared termography in pain medicine. Korean J. pain 203; 26: Brioschi ML, Yeng TY, Kasiyama H, Pastor E, Heupa S, Silva F, Teixeira MJ. Documentação médico-legal da síndrome fibromiálgica: índica termográfico. Rev Dor 2008; 9: Portal dá acesso a conteúdo de diversas especialidades Univadis é um portal de informações médicas, gratuito, livre de propagandas de medicamentos e patrocinado pela Merck Sharp Dohme. Apesar do vínculo laboratorial, seu conteúdo é baseado em revistas renomadas como The Lancet, Jama e BMJ. O endereço permite acesso ao conteúdo de diversas especialidades, que podem ser definidas pelo usuário, possibilitando o recebimento de informações atualizadas na sua área de interesse. Na aba associada ao The Lancet, o usuário poderá ler com exclusividade os artigos recém-publicados e terá acesso ao arquivo em formato PDF após sete dias de sua publicação on line. Na aba do BMJ Learning, existem mais de 200 cursos do British Medical Journal, sendo 50 em português, e já certificados pela Associação Médica Brasileira (AMB), valendo créditos na certificação de especialidade. Na aba Imagens e Vídeos, encontram-se diversos recursos multimídia, incluindo imagens, áudio, vídeos e slides nas mais diversas especialidades, permitindo ainda que sejam realizados downloads da rede. Além disso, há acesso ao Manual Merck na íntegra, a imagens anatômicas em 2D ou 3D, imagens de tomografia computadorizada, acesso ao Pubmed, etc. Enfim, trata-se de ótima fonte para obter informações médicas seguras, conseguir imagens nas especialidades ou apenas para passear pelo conteúdo de revistas renomadas. DICA NA WEB: Univadis Site: Requisição: cadastro simples, rápido e gratuito. BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203 9

10 O melhor do Brasil Notícias das regionais Boas-vindas às novas sociedades locais entro dos objetivos da nova gestão da nossa sociedade de que todos os Estados brasileiros tenham uma DRegional, é com prazer que a SBR comunica a criação das sociedades de reumatologia nos Estados de Rondônia e Tocantins. Damos as boas-vindas a essas entidades, que muito irão contribuir para o desenvolvimento de nossa atividade e sua divulgação para a população em geral. Sociedade de Reumatologia de Rondônia (SRR) Criada em novembro, a entidade tem a presidência do dr. Liszt Jonney Silva dos Santos. Sociedade de Reumatologia do Tocantins (Soreto) Criada em setembro, tem como presidente a dra. Daniela Japiassú. Alagoas Campanha para divulgar reumatologia A Sociedade Alagoana de Reumatologia promove a campanha Atitude Reumato para divulgar a especialidade e esclarecer a população sobre as doenças tratadas pela reumatologia e a necessidade de buscar um especialista precocemente. Campanha sempre realizada durante o mês de outubro, neste ano, contou com outdoors espalhados por diversos pontos em Maceió, Arapiraca e Penedo e com um jingle veiculado em rádios de boa penetração também nas três cidades durante horários variados do dia com o slogan A vida pode ser muito melhor sem dor. Procure um Reumatologista. A campanha foi muito bem aceita por todos os colegas da regional e tem trazido retornos positivos dos pacientes. Paraná III Curso de Imagenologia trouxe palestras e esclarecimentos Participantes do curso de imagenologia realizado pela SPR os dias 3 e 4 de setembro deste ano, a Sociedade Paranaense de Reumatologia Npromoveu, com patrocínio dos Laboratórios Abbott, o III Curso de Imagenologia para Reumatologistas. No evento, houve palestras dos professores André Gomes, Rodrigo Aguiar e Luiz Otávio Coelho, destinadas a estimular os reumatologistas para a avaliação de imagens. No comando da Abrasso A SPR congratula-se com seu sócio, ex-presidente e professor da UFPR, Sebastião Cezar Radominski, que assumiu a presidência da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso). 0 BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

11 Foco em Serviço de Reumatologia de Brasília: 40 anos de trabalho Desde 972, muito se evoluiu. Hoje a atividade concentra, além de reumatologistas, imunologistas, radiologistas, clínicos, ortopedistas, fisioterapeutas, educadores físicos e terapeutas ocupacionais. o sobrevoar pela primeira vez a vastidão desconcertante do vazio Aonde seria construída a nova capital do país, em 957, Juscelino Kubitschek escreveu no Livro de Ouro: Deste Planalto Central, desta solidão que em breve se transformará em cérebro das altas decisões nacionais, lanço os olhos mais uma vez sobre o amanhã do meu país e antevejo esta alvorada com fé inquebrantável e uma confiança sem limites no seu grande destino. Sensação semelhante deve ter experimentado o dr. Francisco Aires Corrêa Lima, ao chegar em Brasília, assim como outros pioneiros da Reumatologia do Distrito Federal. Eram poucos, e não havia um serviço organizado. A própria Universidade de Brasília (UnB), e o posteriormente denominado Hospital Universitário de Brasília (HUB) estavam ainda em seus primórdios quando o dr. Aires implementou, em 972, o que seria o primeiro Serviço de Reumatologia, e posteriormente, em 987, a primeira residência médica em Reumatologia do Distrito Federal. Hoje, o serviço, chefiado pelo dr. Rodrigo Aires Corrêa Lima, conta com outros nove preceptores: Francisco Aires Corrêa Lima, Cezar Kozak Simaan, Leopoldo Luiz dos Santos Neto (clínico), Licia Maria Henrique da Mota, Cleandro Pires de Albuquerque, Leandro Crispim, Mariana Castilho Rassi, Luciana Feitosa Muniz, e Guillermo Enrique Ortega Moncada (ortopedista), além da colaboração de imunologistas, radiologistas, clínicos, ortopedistas, fisioterapeutas, educadores físicos e terapeutas ocupacionais, que atuam conjuntamente nos Equipe que atua no Serviço de Reumatologia do HUB/UnB ambulatórios e nas diversas atividades científicas realizadas semanalmente. São oferecidas quatro vagas de residência na especialidade Reumatologia, sendo duas para residentes do primeiro ano e duas para residentes do segundo ano. O serviço recebe também residentes de Clínica Médica, Radiologia, Ortopedia, Dermatologia e Doenças Infecciosas e Parasitárias, para estágios eletivos regulares. Aos pacientes O atendimento é estruturado em ambulatórios gerais e de especialidade, com atendimentos diferenciados para as doenças do colágeno, artrite reumatoide inicial, artrite reumatoide estabelecida, espondiloartrites. São realizados, em média, 9 mil atendimentos/ano. O serviço conta com oito salas para atendimento ambulatorial, sala de infiltração, sala de infusão de quimioterápicos e imunobiológicos com capacidade para dez pacientes, oito leitos fixos para internação de pacientes, laboratório de reumatologia, sala de pesquisa e sala para realização de exames de capilaroscopia e ultrassonografia. Atualmente, o Serviço de Reumatologia HUB-UnB sofre com os mesmos problemas que afetam grande parte dos hospitais públicos federais do país, tendo perdido parte do seu efetivo médico e de recursos nos últimos anos. Apesar disso, o serviço mantém a atividade assistencial, de ensino e de pesquisa, com enfoque recente na última. Com a criação da Coorte Brasília de Artrite Reumatoide Inicial, e a participação no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina da UnB, onde são ofertadas semestralmente as disciplinas Prática Interdisciplinar no Manejo da Artrite Reumatoide e Estágio em Docência- Reumatologia, o serviço expandiu a sua produção científica. Prova do reconhecimento dessas atividades são a conquista dos prêmios Edgard Atra e Luiz Verztman, promovidos pela SBR e Panlar Prize in Basic Research nos dois últimos anos. BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

12 Profissão Reumato Cuidados paliativos em r Dra. Sara Krasilcic* Em relação aos pacientes em nossa área, podemos contribuir com nossa experiência em controle de sintomas, de que rotineiramente fazemos procura ativa e registro de intensidade diária (caso internado) ou a cada consulta * Médica clínica geral, com especialização em Cuidados Paliativos, assistente do Serviço de Cuidados do Hospital do Servidor Público Estadual - SP 2 C uidados Paliativos é área de atuação relativamente nova na medicina, surgida na década de 70. É definida desde 2002 pela OMS como: abordagem que promove a qualidade de vida de pacientes e seus familiares, que enfrentam doenças que ameacem a continuidade da vida, por meio da prevenção e do alívio do sofrimento. Requer identificação precoce, avaliação e tratamento da dor e de outros problemas de natureza física, psicossocial e espiritual. O Código de Ética vigente atualmente desde 2009 preconiza que: nos casos de doença incurável e terminal deve o médico oferecer todos os cuidados paliativos disponíveis sem empreender ações diagnósticas ou terapêuticas inúteis ou obstinadas, levando sempre em consideração a vontade expressa do paciente ou, na sua impossibilidade, a de seu representante legal. Para que isso ocorra, é necessária comunicação impecável e gentil que implica uma revisão dos papéis na parceria médico-paciente e novas possibilidades do encontro entre seres humanos. Afinal, a palavra paliar vem de manto, acolhimento... Mais do que novos conhecimentos científicos específicos, essa futura especialidade médica admite que as doenças que ameaçam a vida levam inexoravelmente à terminalidade dessa vida e pretende tratar os pacientes de maneira proporcional ao seu prognóstico. Dessa maneira, não falamos em investir em casos, termo mais apropriado ao mercado de ações, mas falamos em cuidar, ainda que não tenhamos como objetivo a cura. Incluímos conceitos bioéticos em cada discussão de conduta à beira do leito e consideramos beneficência, não-maleficência, justiça e autonomia do indivíduo. Nesse rol de valores humanos a serem considerados, após priorizar a biografia, os valores e o contexto social daquele doente, acabamos por rever o bom uso da medicina. Assim, cada procedimento, exame, sonda, antibiótico, analgésico e sedativo deve ser prescrito e indicado com parcimônia. Conforme fala da dra. Maria Goretti Salles Ma- ciel, referência na área, não utilizamos protocolos, mas princípios e repertório de possibilidades terapêuticas. Propõe-se discutir e rever comportamentos que causam prolongamento do processo de morrer e que inclui: intransigência e futilidade terapêutica, quando não o pior, a distanásia. Interessante colaboração tem ocorrido entre as mais diversas especialidades e os Cuidados Paliativos (CP). Recente editorial do New England Journal of Medicine (março, 203) sugere que alguns dos objetivos primordiais dos CP deveriam fazer parte da rotina de quem trata, como controle de sintomas e melhor alinhamento entre objetivos do tratamento e do paciente. Mas que essa nova especialidade, ainda em número de profissionais insuficiente até nos Estados BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

13 m reumatologia Mais do que novos conhecimentos científicos específicos, essa futura especialidade médica admite que as doenças que ameaçam a vida levam inexoravelmente à terminalidade dessa vida e pretende tratar os pacientes de maneira proporcional ao seu prognóstico. Unidos, deve ser convocada em casos de sintomas refratários, reuniões familiares complexas e quando se identifica grande sofrimento existencial. Penso que a interface entre Cuidados Paliativos/especialidades médicas pode ir além do sugerido nesse periódico: auxílio na comunicação, experiência em manejo de opioides, identificação e quantificação de sintomas não relatados espontaneamente e na interface com outras disciplinas/categorias profissionais. A avaliação cuidadosa de um paliativista pode ajudar esse especialista a avaliar um prognóstico reservado e a rever planejamentos desproporcionais, tão difíceis para um profissional que estiver temporal e/ou emocionalmente envolvido em um caso. Alguns critérios gerais, bem identificados na literatura médica, tais como, perda de capacidade funcional e necessidade progressiva de assistência para as atividades da vida diária; escaras; perda de peso não intencional; sarcopenia; reinternações frequentes; e hiponatremia reincidente colaboram para melhor diagnóstico da situação de terminalidade. Associadas a esses critérios, algumas especialidades identificam claramente seus pacientes em situação de terminalidade: a insuficiência cardíaca classe funcional IV; o hepatopata através do Meld; o doente pulmonar retentor de gás carbônico e que não satura mais com oxigenioterapia; os demenciados acamados e com escaras que pioram a despeito de cuidados adequados; os doentes com câncer em que a doença progride em vigência de tratamento. Não encontrei, em diversas revisões literárias, esses parâmetros específicos para os pacientes reumatológicos. Questiono se devem ser BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203 caracterizados e se haveria benefícios em sua prática diária e deixo essa pergunta como desafio aos especialistas da área. Em relação aos pacientes da reumatologia podemos contribuir com nossa experiência em controle de sintomas, que rotineiramente fazemos procura ativa e registro de intensidade diária (caso internado) ou a cada consulta. Dentre os mais frequentes, considero dor, fadiga e dispneia como previsíveis em pacientes reumatológicos: Para a dor, além da escada da OMS para seu controle, sugiro um profundo conhecimento dos coadjuvantes e antidepressivos para dores crônicas; Para a fadiga, usamos medidas de contenção de energia, corticoides e estimulantes como o metilfenidato; Para dispneia, lembramos do tratamento de causas reversíveis (broncopneumonias, derrames pleural, tromboembolismos, insuficiência cardíaca) e o uso contínuo de opiáceos naturais como a codeína (5 a 30 mg, via oral, comprimidos ou xarope a cada quatro horas), a morfina (também via oral a partir de 5mg a cada quatro oras) e a hidromorfona. Nossos pacientes por vezes ficam muito doentes e optamos por estar ao lado dessas pessoas no momento de sua maior vulnerabilidade. Devemos nos empenhar ao máximo curando-os ou aliviando seu sofrimento. Não raro, eles acabam por morrer. Desejo que possamos contribuir para identificar quando estão partindo e cuidar também desse momento, com a melhor qualidade de vida possível, preferencialmente sem dor e sintomas intoleráveis. Enquanto a vida for possível. 3

14 Rheuma & Ethos Medicina paliativa: campo Temas sobre terminalidade da vida estão na agenda dos eventos de bioética e ganham n imp José Marques Filho Membro da Comissao de Ética da Sociedade Brasileira de Reumatologia e da Sociedade Paulista de Reumatologia. A filosofia trazida aqui nos ensina, página a página, que a guerra contra a dor e a morte jamais pode ser considerada perdida : em todos os estágios da vida humana há, sim, o que ser feito, para garantir que a trajetória dos nossos acompanhados mantenha-se digna e amparada. Do início ao fim da vida. ssa frase do dr. Henrique Carlos Gonçalves, então presidente do Conselho Regional de EMedicina do Estado de São Paulo (Cremesp), encerra o texto de apresentação de uma importante obra técnica e ética: Cuidado Paliativo. Esse livro, considerado pioneiro em nosso país, publicado em 2008, foi fruto do trabalho intensivo de um grupo de profissionais que, em sua maior parte, participou ativamente das reuniões iniciadas por volta de 2005, sobre terminalidade da vida, que resultou na Resolução CFM 805/ Essa norma, um indiscutível avanço no campo bioético relativo aos cuidados com nossos pacientes, regulamenta o comportamento ético do médico na seguinte condição: Na fase terminal de enfermidade grave e incurável, é permitido ao médico limitar ou suspender procedimentos e tratamentos que prolonguem a vida do doente, garantindo-lhe os cuidados necessários para aliviar os sintomas que levam ao sofrimento, na perspectiva de uma assistência integral, respeitada a vontade do paciente ou de seu representante legal. Neste cenário, sai de cena o conceito de cura e entra o conceito de cuidar. A Organizaçao Mundial da Saúde (OMS) em 2002, definiu cuidado paliativo como: a abordagem que promove qualidade de vida de pacientes e seus familiares diante de doenças que ameaçam a continuidade da vida, através de prevenção e alívio do sofrimento. Requer a identificação precoce, avaliação e tratamento impecável da dor e outros problemas de natureza física, psicossocial e espiritual. Temas sobre terminalidade da vida estão na agenda dos eventos de bioética e cada vez mais ganham importância devido ao cenário atual e às perspectivas demográficas de nossa população e, consequentemente, de nossos pacientes. A expectativa atual de vida dos brasileiros é de 7,3 anos para os homens e de 78,5 anos para as mulheres. Considerando-se o aumento da expectativa de vida atual associado à diminuição da taxa de fecundidade, o cenário que se vislumbra no futuro é um aumento progressivo da população acima de 65 anos. Atualmente a taxa de idosos na 4 BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

15 novo e desafiador am importância devido ao cenário atual e às perspectivas demográficas de nossa população população é de 7,4%, com previsão de aumento para 26,7% em Na área da reumatologia o cenário não é diferente, pelo contrário, caminha no mesmo sentido. Maiores desafios Os extraordinários avanços no diagnóstico e na terapêutica de nossas principais doenças, prolongando a vida de nossos pacientes de forma bastante significativa, nos traz outros desafios ainda maiores do que cuidar exclusivamente de pacientes com doenças reumáticas. As co-morbidades e a qualidade de vida de nossos pacientes, principalmente aqueles com idades avançadas, passaram a ser uma preocupação adicional às que tínhamos há décadas. A Medicina Paliativa, desde 20, é uma área de atuação reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Sabemos que é praticamente impossível hoje em dia que um médico reumatologista, isoladamente, possa cuidar de um paciente com determinada doença reumatológica. Necessitamos, obrigatoria- mente, do apoio de uma equipe multidisciplinar, integrada por diversas profissões da área da saúde e por algumas especialidades médicas. Nesse sentido, a presença de um médico especialista em Medicina Paliativa na equipe passa a ter, hoje em dia, enorme importância, melhorando sobremaneira a qualidade da atenção médica aos nossos pacientes reumatológicos. Mas a massa crítica desses profissionais ainda está muito abaixo do desejável. A situação acima descrita nos obriga, enquanto clínico das doenças osteoarticulares, a nos manter atualizados em relação aos avanços conceituais que têm ocorrido na área da Medicina Paliativa, relativamente nova dentro da medicina e já com publicações qualificadas em nossas revistas indexadas. A professora Maria Goretti Sales Maciel, uma das pioneiras da Medicina Paliativa no Brasil, define claramente a fundamental importância da abordagem paliativa em áreas como a reumatologia: A concomitância da abordagem paliativa com o tratamento curativo é perfeitamente viável. Da mesma forma, ações paliativas desenvolvidas na fase do diagnóstico e do tratamento de uma doença não exigem a presença de uma equipe especializada e podem ser desenvolvidas por qualquer profissional na área da saúde. À medida que a doença progride e o tratamento curativo perde o poder de oferecer um controle razoável da mesma, os cuidados paliativos crescem em significado, surgindo como uma necessidade absoluta na fase em que a incurabilidade se torna uma realidade. Nesse contexto, não poderíamos deixar de enfatizar a importância da adequada relação médico-paciente. A ausência dessa fundamental relação coloca em risco todas as ações paliativas, frustrando qualquer expectativa da equipe de saúde de assistir ao paciente com o que há de melhor nos avanços tecnológicos e de preservar a dignidade do ser humano, proporcionando-lhe apoio físico, psicossocial e espiritual. A presença de um médico especialista em Medicina Paliativa na equipe passa a ter, hoje em dia, enorme importância, melhorando sobremaneira a qualidade da atenção médica aos nossos pacientes reumatológicos. BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203 5

16 Rheuma & Ethos É preciso considerar o que o paciente tem a dizer Clarissa Carvalho Fongaro Nars e Daniela Lara Di Ribeiro Psicólogas conceito de cuidados paliativos apresentado pela Organização OMundial de Saúde propõe que, frente ao aparecimento de uma doença que ameace a vida, seja realizado desde o princípio do tratamento médico um suporte multiprofissional, dentre eles a assistência psicológica. Deparar-se com o adoecimento do corpo e as limitações que a doença impõe pode suscitar angústia, que acarreta sofrimento. No entanto, não se trata somente da doença em si, pois antes do aparecimento desta já existe alguém com uma história de vida. Um sujeito, atravessado por inúmeras questões emocionais, desejos, fantasias. É preciso, então, considerar o que o paciente tem a dizer, pois, independentemente dos acontecimentos decorrentes de um tratamento médico, é possível escolher falar de outros aspectos da vida que não a doença. Para que a fala apareça, é necessário ofertar um espaço de escuta ao paciente. O trabalho do psicólogo se inicia aí. Todavia, consiste em ofertar escuta não só para as implicações da doença e do adoecer, mas também para a dimensão subjetiva, para a singularidade de cada paciente: suas dificuldades, seus anseios e desejos. Assim, ficam quase imperceptíveis os limites entre um trabalho direcionado para a escuta do fenômeno da doença e outras problemáticas que envolvem o cotidiano do paciente. Hoje eu não quero falar, tenho muita dor, estou pior... Por que, o que aconteceu? O sujeito surpreendido com a irrupção de uma doença, seja ela crônica ou aguda, na medida em que consegue falar sobre si, tem a possibilidade de elaborar angústias e diminuir seu sofrimento. Nada, está tudo igual. Só as dores aumentaram! E o coração, ainda dói? É, ele já não me liga mais e isso dói muito... E tudo fica muito pior! O sujeito surpreendido com a irrupção de uma doença, seja ela crônica ou aguda, na medida em que consegue falar sobre si, tem a possibilidade de elaborar angústias e diminuir seu sofrimento. A partir disso, pode se posicionar e encarar certos acontecimentos de outra maneira, implicado com seu tratamento e de uma forma mais ativa. Portanto, pensamos que mudanças advindas com o acompanhamento psicológico incidem na forma como o paciente encara seu tratamento. Por exemplo, para além de um quadro de dor, que muitas vezes parece limitador, há de se pensar o que o sujeito pode fazer com sua queixa e como transformá-la. Cabe dizer que, assim como a ampliação do conceito de cuidados paliativos proposto atualmente não só pensado em relação a pacientes terminais, mas para melhoria da qualidade de vida do paciente a partir do início de seu tratamento, o acompanhamento psicológico também pode ser pensado de forma ampliada, na medida em que não difere da atuação do psicólogo em outros contextos. Independentemente do diagnóstico, o que importa é a história que o sujeito tem a contar e como isso pode influenciar em seu tratamento. Por fim, pensamos que as mudanças que um acompanhamento psicológico visa estão para além da cura da doença. 6 BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

17 espaço do Residente Seja residente, mas também um ser humano Em um cotidiano intenso e estressante, é importante desenvolver a mente em atividades paralelas para atingir o equilíbrio *Henrique Pereira Sampaio erá possível, manter um equilíbrio entre a residência médica e a vida pessoal, sem detrimento de nenhum Sdos aspectos? Acredito sim nessa possibilidade. Não é fácil, mas possível. Porém, por que muitos de nós abrimos mão de aspectos importantes em nossas vidas privadas, mesmo às vezes sem percebermos? Nós, que escolhemos a reumatologia, passamos pela residência de clínica médica (CM) durante dois anos como pré-requisito. Acredito ser período de extrema importância, visto que necessitamos de um conhecimento plural para diagnósticos diferenciais de nossas enfermidades. Vide aquele velho jargão: Não sabe o que é, manda para o reumato. Após, vem a terceira prova para a entrada na residência de reumatologia. Talvez a mais difícil de todas, pois o número de vagas é limitado e houve aumento na procura em nossa especialidade. Sabemos que a residência em reumatologia requer bastante dedicação tanto nos estudos quanto nas atividades ambulatoriais e de enfermaria. Devemos desenvolver domínios não só na área clínica, mas também na interpretação de resultados e métodos de exames laboratoriais, imagenologia, procedimentos (infiltrações), farmacologia, imunologia e ainda há a possibilidade de nos especializarmos em exames complementares, como ultrassonografia. Há também muitas atividades acadêmicas como aulas, discussões de artigos e reuniões anatomoclínicas, que também somos responsáveis por elaborar. Temos que nos empenhar a cada dia para podermos alcançar uma boa formação nesta especialidade que, para mim, é uma das mais abrangentes e bonitas, visto seu extenso repertório de manifestações clínicas, diagnósticos diferenciais e possibilidades terapêuticas. Pois bem, e o que nós residentes em reumatologia devemos estar pensando e vivenciando em pleno mês de novembro, Podemos juntar o útil ao agradável e realizar atividades que também acrescentam em nossa formação profissional, tais como leitura, cursos de idiomas e computação. principalmente os do segundo ano? Fim do ano está chegando = fim da residência está próximo = prova de título está muito próxima = tensão + ansiedade + necessidade de estudo, estudo, estudo... Além disso, ainda existe a insegurança em relação ao término da residência e ao início da carreira profissional como reumatologista. Será que seremos bons especialistas? Para onde iremos? Área de atuação: consultório, carreira universitária, pesquisa? Filiar-se à saúde suplementar? Como montar um consultório? Afinal, diante de tantas obrigações, cobranças e incertezas, o que então podemos fazer para buscar esse equilíbrio e vivenciar a residência de uma forma saudável? Outras atividades Podemos juntar o útil ao agradável e realizar atividades que também acrescentam em nossa formação profissional, tais como leitura, cursos de idiomas e computação. Atividades como tocar um instrumento musical ou apreciar uma boa música, além de serem um verdadeiro hobby, são muito prazerosas e estimulam outras áreas do cérebro, ajudando-nos a desenvolver novas habilidades, como melhora da percepção sensitiva, memória, concentração e de comunicação, habilidades estas essenciais para uma boa relação médico-paciente. Segundo Howard Gardner, psicólogo cognitivo e educacional ligado à universidade de Harvard, a inteligência musical é uma das sete em sua teoria das múltiplas inteligências. A prática de uma atividade física regular, além das caminhadas no parque aos domingos, também leva ao bem estar biopsicossocial. Cinema, teatro e, por que não, um barzinho de vez em quando, também fazem parte do repertório que podemos e devemos usufruir para alcançarmos o tão desejado equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Enfim, não podemos esquecer que nossa vida não se baseia apenas em trabalho, reconhecimento profissional e financeiro. Sem dúvida isso é muito importante e deve fazer parte de nossos objetivos, estimulando-nos a sermos melhores especialistas. Devemos cuidar também de nossa vida pessoal, da saúde física, mental e emocional para, assim, alcançarmos o equilíbrio. Com isso, tornamo-nos melhores profissionais e, o mais importante, melhores seres humanos. *Residente do 2º ano em Reumatologia - Hospital do Servidor Público Estadual/FMO-SP BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203 7

18 Hits da Reumatologia The Impact of TNF-inhibitors on radiographic progression in Ankylosing Spondylitis. Haroon N, Inman RD, Learch TJ, Weisman MH, Lee M, Rahbar MH, Ward MM, Reveille JD, Gensler LS. Arthritis Rheum. 203 Jul. doi: 0.002/art [Epub ahead of print] A introdução dos medicamentos inibidores do TNF alfa (anti-tnf) melhorou acentuadamente os sintomas dos pacientes com espondilite anquilosante (EA), entretanto não se demonstrou uma redução da progressão do dano radiográfico. É sob esse prisma que os autores organizaram uma coorte prospectiva de pacientes com EA, em uso de terapia padrão (anti-tnf ou anti-inflamatórios não esteroidais - AINES), e investigaram a evolução do dano radiográfico por meio do uso do modified Stokes Ankylosing Spondylitis Spine Score (msasss), por um período mínimo de,5 ano entre as radiografias. Observou-se que o uso de anti-tnf estava associado a uma redução na progressão radiográfica, especialmente naqueles com início precoce da medicação e uso por período prolongado. Outros aspectos importantes foram a associação do tabagismo com a progressão radiográfica e a ausência de demonstração de benefício dos AINES como modificador de doença. Em suma, esse é um estudo que abre novas discussões no mundo espondilítico Therapies for Active Rheumatoid Arthritis after Methotrexate Failure O Dell JR, Mikuls TR, Taylor TH, Ahluwalia V, Brophy M, Warren SR, Lew RA, Cannella AC, Kunkel G, Phibbs CS, Anis AH, Leatherman S, Keystone E; CSP 55 RACAT Investigators. N Engl J Med. 203 Jul 25; 369(4): Poucos estudos clínicos cegos têm comparado a terapia combinada de DMARDs sintéticos com os medicamentos biológicos. Esse foi um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, conduzido por 48 semanas em 353 pacientes, cujo objetivo era avaliar a não inferioridade da tripla terapia de DMARDs sintéticos (metotrexato, sulfassalazina e hidroxicloroquina) em comparação ao uso de etanercepte e metotrexato. O estudo demonstrou que o uso da terapia tripla não foi inferior ao esquema com uso de combinação com medicamento biológico. Esse dado permite o retorno de uma possibilidade já utilizada na prática clínica do passado; o uso do esquema tríplice de DMARDs sintéticos antes do acréscimo de biológicos, que pode ser uma terapia mais custo-efetiva, principalmente no contexto do Sistema Único de Saúde Multimodal imaging in systemic lupus erythematosus patients with diffuse neuropsychiatric involvement. Zivadinov R, Shucard JL, Hussein S, Durfee J, Cox JL, Bergsland N, Dwyer MG, Benedict RHB, Ambrus J, Shucard DW. Lupus 203: 22; O sistema nervoso central pode ser acometido no lúpus eritematoso sistêmico (LES), mas pouco se sabe sobre a patogênese das manifestações neuropsiquiátricas. Neste estudo, 26 pacientes com LES e comprometimento neuropsiquiátrico difuso foram avaliados através de técnicas de ressonância magnética (RM) cerebral, convencionais e não convencionais, e os achados foram comparados com os de 36 controles normais pareados por sexo e idade. Em conclusão, o estudo demonstrou que o uso de uma abordagem multimodal de RM foi capaz de detectar anormalidades neste grupo de pacientes como atrofia central e cortical e danos teciduais microscópicos na substância branca aparentemente normal que podem indicar redução da densidade axonal Antineutrophil cytoplasmic antibody-associated vasculitides: is it time to split up the group? Millet A, Pederzoli-Ribeil M, Guillevin L, Witko-Sarsat V, Mouthon L. Ann Rheum Dis 203;72: Existem três entidades clínicas associadas aos anticorpos anticitoplasma de neutrófilos (ANCA): granulomatose com poliangiíte (GP), granulomatose eosinofílica (GE) e poliangiíte microscópica (PM). O padrão c-anca se deve a anticorpos contra a proteinase-3 (PR3) e são considerados marcadores da GP, enquanto o padrão p-anca, a anticorpos contra a mieloperoxidase (MPO) e estão presentes na GE e na PM. Estudos recentes confirmam uma contribuição genética na patogênese dessas vasculites com significante associação do ANCA-PR3 com o HLA-DP e com genes que codificam a α-antitripsina e PR3 e do ANCA-MPO com o HLA-DQ. Nesse artigo de revisão os autores discutem aspectos clínicos, epidemiológicos e genéticos, concluindo que essas podem ser entidades distintas e que as estratégias para o tratamento devem ser estudadas separadamente. 8 BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

19 Primeira fila Baixa densidade mineral óssea e maiores níveis de paratormônio: preditores independentes de mortalidade em indivíduos idosos da comunidade. São Paulo Ageing & Health Study (SPAH) Diogo Domiciano, Luana G Machado, Jaqueline B Lopes, Camille P Figueiredo, Valéria Caparbo, Liliam Takayama, Rosa MR Pereira Estudos prévios apontaram uma relação entre osteoporose e mortalidade. Além disso, hiperparatiroidismo secundário tem sido associado à maior risco de morte em idosos com fragilidade e fratura de quadril. Trabalho prospectivo de base populacional com idosos da comunidade, desenvolvido pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), investigou a associação entre parâmetros do metabolismo ósseo, incluindo níveis de paratormônio (PTH), cálcio, 25-OH Vitamina D e densidade mineral óssea (DMO), e mortalidade. Foram avaliados 839 indivíduos da comunidade (56 mulheres e 323 homens), com idade acima de 65 anos. Foi realizada pesquisa através de questionário com avaliação de dados clínicos (incluindo entecedente de fraturas e eventos cardiovasculares), exames laboratoriais (25-OH Vitamina D, PTH intacto, cálcio total, fósforo e creatinina) e medida da DMO (DXA coluna lombar e fêmur proximal). Após uma média 4,3 anos de acompanhamento, houve 32 (5,7%) óbitos, dos quais 57 (43,2%) tiveram causas cardiovasculares. A análise de Cox demonstrou que idade (HR:,32 IC 95%:,3-,55, P=0,00, para cada aumento de 5 anos), sexo masculino (HR:,90 IC 95%:,30-2,79, P=0,00), quedas recorrentes ( 2) no último ano (HR:,65 IC 95%:,06-2,56, P=0,026), diabetes mellitus (HR: 2,7 IC 95%:,46-3,2, P<0,00), baixo grau de atividade física (HR:,78 IC 95%:,4-2,79, P=0,0), evento cardiovascular prévio (HR:,76 IC 95%:,8-2,63, P=0,006), DMO fêmur total (HR:,4 IC 95%:,5-,72, P =0,00, para cada redução DP) e PTH (HR:,06 IC 95%,04-,08, P<0,00, para cada aumento de 0pg/ml) foram independentemente associados à mortalidade por qualquer causa. Indivíduos no quartil mais elevado de PTH (>49pg/ ml) apresentaram maior risco de morte cardiovascular (HR 3,09, IC 95%:,36-6,99, P=0,007) em comparação com indivíduos no quartil mais baixo (<26pg/mL). Os autores concluem que baixa DMO e maiores níveis de PTH foram preditores de mortalidade em idosos brasileiros da comunidade. Estes resultados reforçam a importância da avaliação desses parâmetros para o adequado manejo dessa população na prática clínica. Disciplina de Reumatologia, Laboratório de Metabolismo Ósseo, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203 9

20 Coluna Seda Aspectos reumatológicos na arte brasileira - III Hilton Seda A Dedicado à dra. Francinne Machado Ribeiro lém das alterações observadas nas mãos, também foi possível identificá-las nos pés em algumas obras de arte brasileira. Na tela de Albert Eckout, Tipo brasileiro, há nítidas deformidades nos pés da figura representada: pé plano, arco anterior achatado e hallux varus() (fig. ). Albert Eckout nasceu em Gronigen, Holanda, possivelmente em 60 e faleceu em 665. Veio para o Brasil em 637, aqui permanecendo até 644, a convite de Maurício de Nassau, conde de Nassau ( ), que governou a colônia holandesa no nordeste do Brasil exatamente por todo esse período. Ao voltar para a Europa, Eckout fixou-se em Dresden, na Alemanha. Sua obra prima Dança Tapuia está no Museu Nacional da Dinamarca, assim como os oito grandes retratos, de corpo inteiro, de habitantes brasileiros e as 2 naturezas mortas com frutas tropicais. Esses quadros foram presenteados ao soberano da Dinamarca Frederico III pelo Conde de Nassau(2). Em uma das obras-primas de Manuel Inácio da Costa, intitulada Senhor da Coluna () (fig. 2), observa-se nitidamente pé plano e dedos em martelo. Manuel Inácio da Costa nasceu em Salvador, na Bahia, mas há dúvidas quanto ao ano, possivelmente 763. Morreu nessa mesma cidade em 857. Foi um escultor muito ativo em seu estado, sendo considerado o mais notável de seu tempo. Documentação a seu respeito é muito escassa. Outra obra de sua autoria muito significativa é Imagem do Senhor da Pedra Fria. Jean Baptiste Debret nasceu em Paris em 768 e faleceu em 848. Veio para o Brasil com a Missão Francesa que chegou ao Rio de Janeiro em 26 de março de 86, chefiada por Joaquim Lebreton. Essa missão foi oficializada pela Carta Régia de D. João VI, datada de 2 de agosto desse mesmo ano. Debret era primo do grande pintor francês Jacques Louis David ( ). Em 785 matriculou-se na Academia de Belas Artes de Paris. Em 79 conquistou o segundo Prêmio de Roma com a tela Régulo voltando a Cartago. Viveu no Brasil até 83, quando retornou à França. Organizou a primeira exposição pública de artes no Brasil, em dezembro de 829 na Imperial Academia. Não foi considerado um grande pintor, mas suas quase 350 litografias coloridas que ilustram sua obra Viagem Pitoresca e Histórica do Brasil, e formam um retrato da Fig. 3 Fig. Fig BOLETIM DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA out/nov/dez/203

Exercício Físico & Doenças Reumatológicas

Exercício Físico & Doenças Reumatológicas Exercício Físico & Doenças Reumatológicas Bruno Gualano Universidade de São Paulo Gualano et al., 2010. Autoimmunity Reviews, 569-573 Temas de pesquisa Espondiloartrite Síndrome Antifosfolípíde Sjogrën

Leia mais

V CURSO DE REUMATOLOGISTAS

V CURSO DE REUMATOLOGISTAS Remetente: Sociedade Paulista de Reumatologia Rua Maestro Cardim, 354 - cj. 53 01323-000 - São Paulo - SP Tel.: 11 3284-0507 E-mail: reumatologiasp@reumatologiasp.com.br V CURSO DE REUMATOLOGISTAS SÃO

Leia mais

Reumatologia Avançada

Reumatologia Avançada 19 a 21 de maio - Maksoud Plaza Hotel São Paulo, SP 1 Comunicado Apresentação O XVII Encontro de - ERA se aproxima rapidamente. Novamente teremos a oportunidade de discutir importantes temas tanto básicos

Leia mais

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Podemos pensar em duas éticas: a ética do próprio indivíduo e a ética do outro. Das diferenças e semelhanças entre elas é que surgirá

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em Diagnóstico por Imagem do Tórax 4.01.00.00-6

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

SIG RUTE: Residência Médica e Especialização em Radiologia e Diagnóstico por Imagem

SIG RUTE: Residência Médica e Especialização em Radiologia e Diagnóstico por Imagem ARTIGO SIG RUTE: Residência Médica e Especialização em Radiologia e Diagnóstico por Imagem AUTORES Ênio Rogacheski Especialista e Mestre em Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Médico Radiologista do Hospital

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

Boletim Informativo SIERJ. Continuação da Programação do I Congresso. de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro

Boletim Informativo SIERJ. Continuação da Programação do I Congresso. de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro Ano 07 Nº 20 Out/Nov/Dez de 2006 Boletim Informativo SIERJ Continuação da Programação do I Congresso de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro 04 Congresso promove atualização e troca de experiência

Leia mais

XIX Encontro Rio-São Paulo XXI Jornada Paulista de. Reumatologia. 8 a 10 de dezembro de 2011 - Maksoud Plaza Hotel. São Paulo, S P

XIX Encontro Rio-São Paulo XXI Jornada Paulista de. Reumatologia. 8 a 10 de dezembro de 2011 - Maksoud Plaza Hotel. São Paulo, S P 8 a 10 de dezembro de 2011 - Maksoud Plaza Hotel São Paulo, S P A presentação: Prezados amigos, Aproxima-se rapidamente a data de mais um evento, dos mais importantes da nossa especialidade. O XIX ENCONTRO

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - CURITIBA Unidade

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 8 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR Unidade Dias e Horários

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos Congresso Brasileiro de Nutrição Oncológica do INCA IV Jornada Internacional de Nutrição Oncológica III Jornada Luso-Brasileira em Nutrição Oncologica Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ORTOPEDIA MULTIDISCIPLINAR Unidade Dias

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM REUMATOLOGIA (R1 e R2) PRÉ REQUISITOS: 02 anos de Residência em Clínica Médica DURAÇÃO DO PROGRAMA: 02 anos INTRODUÇÃO A Reumatologia é uma especialidade

Leia mais

SUMÁRIO. de curativos. 3.2 Limitações. Página 1 de 7

SUMÁRIO. de curativos. 3.2 Limitações. Página 1 de 7 Coordenação Geral das Câmaras Técnicas Câmara Técnica de Gestão e Assistência em Enfermagem CTGAE Comissão de Gestão do Cuidado na Média e Alta Complexidade PAD nº 796/2013 Parecer CTGAE nº 003/2013 EMENTA:

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA

PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA DE CARVALHO, P. E.; SALVADOR, C. A.; MIRANDA, T. T.; LOPES, J. Resumo: O acidente vascular

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA PARA PREVENÇÃO, TRATAMENTO

Leia mais

2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil.

2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil. 2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil. Sumário Pauta...2 Justificativa...2 Objetivos...3 Metodologia...3 Potencial de

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA Unidade Dias

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BASES DA MEDICINA INTEGRATIVA

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

HIV e Acupuntura: Perspectivas e Qualidade de Vida

HIV e Acupuntura: Perspectivas e Qualidade de Vida HIV e Acupuntura: Perspectivas e Qualidade de Vida Dr Marco Broitman Unidade de Medicinas Tradicionais SMS São Paulo Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo Hospital Estadual Mário Covas de

Leia mais

Trabalho de farmaco economia em Drogas Biológicas

Trabalho de farmaco economia em Drogas Biológicas Unidade de Estudos de Procedimentos de Alta Complexidade UEPAC Dra. Claudia Cantanheda Dr. Vitor André Romão Dr. José Geraldo Amino Enfª. Quenia Dias Hugo Simas Trabalho de farmaco economia em Drogas Biológicas

Leia mais

Prolia para osteoporose

Prolia para osteoporose Data: 29/06/2013 Nota Técnica 105/2013 Número do processo: 0110170-82.2013-813.0525 Solicitante: Juiz de Direito Dr. Napoleão da Silva Chaves Réu: Estado de Minas Gerais Medicamento Material Procedimento

Leia mais

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Dia: 28 de Novembro de 2015 Local: Porto, Fundação Cupertino de Miranda Tema:

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS História e Evolução

CUIDADOS PALIATIVOS História e Evolução UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE NEUROCIÊNCIAS E CIÊNCIAS DO COMPORTAMENTO CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL CUIDADOS PALIATIVOS História e Evolução Profª Drª

Leia mais

Formação do Médico Paliativista FÓRUM DE CUIDADOS PALIATIVOS CREMERS - 2010

Formação do Médico Paliativista FÓRUM DE CUIDADOS PALIATIVOS CREMERS - 2010 Formação do Médico Paliativista FÓRUM DE CUIDADOS PALIATIVOS CREMERS - 2010 Maria goretti maciel Conselho Consultivo da ANCP Diretora do Serviço de Cuidados Paliativos do HSPE Coordenadora do Programa

Leia mais

DOUTORAMENTOS 2013 1

DOUTORAMENTOS 2013 1 DOUTORAMENTOS 2013 1 Em 2013 doutoraram-se seis profissionais do CHP. Os doutoramentos realizaram-se nas áreas científicas de Bioética (1), Ciências Médicas (2), Metabolismo (1), Engenharia Biomédica (1),

Leia mais

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4.

ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ESPAÇO DE COMPARTILHAMENTOS SOBRE O ADOLESCER COM HIV/AIDS ROSO, Adriane Rubio¹; SANTOS, Claudia Soder²; BERNI, Vanessa Limana³; ALMEIDA, Nathiele Berger 4. ¹ Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Srs. Dr. Talmir e Miguel Martini) Dispõe sobre cuidados devidos a pacientes que se encontrem em fase terminal de enfermidade. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Todo paciente,

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL RELAÇÃO DA ETNIA COM A HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RESGISTRADOS NO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

ACP Brazilian Chapter

ACP Brazilian Chapter ACP Brazilian Chapter Newsletter número 1, 2013 ENCONTRO DOS PARTICIPANTES BRASILEIROS DO ACP EM SAN FRANCISCO ACP 2013 O Congresso do ACP neste ano foi em San Francisco, na California. Página 2 CAMPANHA

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Dados Pessoais. Nome Cintia Mendonça de Abreu

CURRICULUM VITAE. Dados Pessoais. Nome Cintia Mendonça de Abreu CURRICULUM VITAE Dados Pessoais Nome Cintia Mendonça de Abreu Formação Universitária Graduação Instituição Faculdade de Medicina - Universidade Federal de Goiás Conclusão 17/11/1995 Pós-Graduação Residência

Leia mais

I JORNADA DE FISIOTERAPIA HGWA

I JORNADA DE FISIOTERAPIA HGWA I JORNADA DE FISIOTERAPIA HGWA 1. OBJETIVO Fomentar o conhecimento científico e investir no crescimento técnico científico da Fisioterapia sob o tema Segurança e Qualidade na Assistência Fisioterapêutica.

Leia mais

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM REABILITAÇÃO

Leia mais

Tabela 1 - Centros de Residência Credenciados pelo MEC

Tabela 1 - Centros de Residência Credenciados pelo MEC Tabela 1 - Centros de Residência Credenciados pelo MEC Região Centros Vagas Oferecidas Vagas Ocupadas % Ocupação % Não Ocupação Estado Sudeste 23 177 38 21,47% 78,53% SP 12 123 31 25,20% 74,80% RJ 7 34

Leia mais

REPRESENTANTES - 5ª CCR

REPRESENTANTES - 5ª CCR REPRESENTANTES - 5ª CCR Unidade Procurador(a) E-mail Telefones 5ªCCR Composição 5ª CCR Denise Vinci Túlio Coordenadora Rodrigo Janot Monteiro de Barros Membro-Titular Valquíria Oliveira Quixadá Nunes Membro-Titular

Leia mais

Requisitos para um bom Testamento vital *

Requisitos para um bom Testamento vital * Requisitos para um bom Testamento vital * DANIEL SERRÃO Professor Convidado do Instituto de Bioética da UCP 1. Sem qualquer fundamento, sou considerado como um opositor a que haja uma lei que regule as

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROLOGIA CLÍNICA E INTENSIVA Unidade

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 BISOGNIN, Patrícia 2 ; SIQUEIRA, Alessandro 2 ; BÖELTER, Débora Cardoso 2 ; FONSECA, Mariana 2 ; PRUNZEL

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA 2ª Jornada de Ciências Farmacêuticas Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO - 2012 ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA Robson Leite de Souza Cruz Instituto de tecnologia em Imunobiológicos

Leia mais

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha.

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. Qualidade máxima e confiança são fundamentais no momento de escolher um hospital, e você precisa do que há de melhor na área médica. Por isso, prepare-se para

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

XVI. Encontro de Reumatologia Avançada 2010. 20 a 22 de maio - Maksoud Plaza Hotel São Paulo, SP

XVI. Encontro de Reumatologia Avançada 2010. 20 a 22 de maio - Maksoud Plaza Hotel São Paulo, SP XVI Reumatologia Avançada 20 a 22 de maio - Maksoud Plaza Hotel REALIZAÇÃO: SECRETARIA DO EVENTO: PARADIGMA EVENTOS tel. 11 3813 8896 paradigma@paradigmaeventos.com.br Apresentação XVI Reumatologia Avançada

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL 1 SANTOS, Kassila Conceição Ferreira; 2 SOUZA, Ana Lúcia Rezende; 3 SOUZA, Marise Ramos de; 4 BORGES, Cristiane

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Londrina PR, de 09 a 12 de Junho de 2015. Ellana Barros Pinheiro 1

Londrina PR, de 09 a 12 de Junho de 2015. Ellana Barros Pinheiro 1 A INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL EM MEIO A DINÂMICA AMBULATÓRIO DE TRANSPLANTE DE CÓRNEA E A FILA DE ESPERA POR UMA CÓRNEA NO ESTADO DO PARÁ Ellana Barros Pinheiro 1 Resumo: O presente artigo

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA PARA OBTENÇÃO DE CERTIFICADO DE ÁREA DE ATUAÇÃO EM DOR

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA PARA OBTENÇÃO DE CERTIFICADO DE ÁREA DE ATUAÇÃO EM DOR EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA PARA OBTENÇÃO DE CERTIFICADO DE ÁREA DE ATUAÇÃO EM DOR Pelo presente edital, a Comissão de Dor da Associação Médica Brasileira, em conjunto com a Associação

Leia mais

Tradução: Regina Figueiredo REDE CE ww.redece.org

Tradução: Regina Figueiredo REDE CE ww.redece.org 24 julh 2014 EMA/440549/2014 Documento Original: http://www.ema.europa.eu/docs/en_gb/document_library/press_release/2014/07/wc50017 0056.pdf Tradução: Regina Figueiredo REDE CE ww.redece.org LEVONORGESTREL

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Raquel Lino de Menezes 8, Francielda Geremias da Costa Luz¹, Maycon Allison Horácio de

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM REABILITAÇÃO AQUÁTICA

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE

SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE Curso Avançado MBE ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

EMENTA: Auditoria Hospitalar Relação Contratual entre Hospitais e Operadoras de Saúde CONSULTA

EMENTA: Auditoria Hospitalar Relação Contratual entre Hospitais e Operadoras de Saúde CONSULTA PARECER Nº 2442/2014 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 157/2010 PROTOCOLO N. º 20097/2010 ASSUNTO: AUDITORIA HOSPITALAR RELAÇÃO CONTRATUAL ENTRE HOSPITAIS E OPERADORAS DE SAÚDE PARECERISTA: CONS.º DONIZETTI

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER.

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. Antônio Augusto Gonçalves TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 7 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA NO DIAGNÓSTICO

Leia mais

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS Autores: Mônica Martins Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, Escola Nacional de Saúde

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016 PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 015/016 Dias Horas MÓDULO I Funcionalidade e Envelhecimento I PROFESSOR Horas 6ªf 7 Mar 17h-1h Introdução à Gerontologia; Princípios Fundamentais

Leia mais

ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO

ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO QUE REALIDADE É ESTA QUE SE DEPARA O PACIENTE QUE TEM UMA DOENÇA GRAVE E INCURÁVEL? A MEDICINA MODERNA TEM MOSTRADO TENDÊNCIA A FOCALIZAR SUA ATENÇÃO APENAS

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Centro de Cidadania Casa do Ancião 1

Centro de Cidadania Casa do Ancião 1 Centro de Cidadania Casa do Ancião 1 Alexandre Soares da SILVA 2 Gabriel dos Santos BRITZKE 3 Higor Machado de ANDRADE 4 Jardel Bispo RODRIGUES 5 Leandro Henrique de Assis SILVA 6 Mayara Lira de OLIVEIRA

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais