Conhecimento e afetividade em Spinoza* Pascal Sévérac**

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conhecimento e afetividade em Spinoza* Pascal Sévérac**"

Transcrição

1 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 17 I O C O N H E C I M E N T O C O M O O M A I S P O T E N T E D O S A F E T O S (Erkenntnis zum mächtigsten Affekt zu machen) SPINOZA Conhecimento e afetividade em Spinoza* Pascal Sévérac** A filosofia spinozista, em simultâneo, se propõe tomar a afetividade humana como objeto de conhecimento racional e, sobretudo, não visa o aperfeiçoamento ético senão por meio da produção de afetos liberadores. O projeto spinozista nos propõe uma ética do conhecimento que certamente se distingue de uma moral da obediência; mas não se trata nunca de conhecer por conhecer, trata-se de conhecer para ser afetado, e ser afetado de tal forma que possamos viver felizes. Spinoza de fato, na Ética, visa conduzir-nos, como que pela mão 1, até a beatitude da mente, ou seja, a um afeto de amor divino 2, que nasce de a mente agir apreendendo as coisas mediante o mais alto gênero de conhecimento, a ciência intuitiva. E as coisas a serem conhecidas pelo homem são principalmente, como indica o prefácio da Ética III, os afetos humanos, os quais explicam seus comportamentos, seus tormentos, suas felicidades, frágeis ou duráveis. O itinerário ético é então um percurso do conhecimento, que, simultaneamente, toma por * Tradução de Homero Santiago, professor adjunto da USP (Universidade de São Paulo). ** Professor Doutor substituto da Université de Paris I e Diretor de Programa do Collège International de Philosophie. 1. Preâmbulo da Parte II. 2. Ética, Parte V, proposição 42, demonstração. 17

2 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 18 O mais potente dos afetos objeto a afetividade humana e pretende transformá-la, ou ao menos vivê-la de outra maneira, para viver verdadeiramente. Trata-se de um percurso puramente intelectualista, como puderam dizer? Em certo sentido sim, já que, de um ponto de vista mental (mas, veremos, esse não é o único ponto de vista considerado por Spinoza), é necessário desenvolver a potência do intelecto 3. Entretanto, essa potência intelectual e é sem dúvida uma das grandes originalidades da ética spinozista é ao mesmo tempo uma potência afetiva. A palavra de ordem da transformação ética de si, na conquista da salvação, pode sem dúvida resumir-se por duas das primeiras proposições da Parte IV: Nada do que uma ideia falsa tem de positivo é suprimido pela presença do verdadeiro enquanto verdadeiro. 4 Um afeto não pode ser refreado nem suprimido senão por um afeto contrário e mais forte do que o afeto a ser refreado. 5 O conhecimento verdadeiro, enquanto tal, não tem nenhuma virtude terapêutica. Ele não pode agir senão sendo apto a produzir afetos que nos permitam resolver certas lógicas afetivas, as do conhecimento parcial, mutilado, confuso. Até a última proposição, Spinoza mantém essa ideia: o que nos salvará, não é o vão esforço, nascido talvez do conhecimento claro de nossos impedimentos, para nos livrar de nossos maus afetos; mas o gozo de certa forma de afetividade, que então nos dará a força de experimentar menos aquela que não faz nossa felicidade. A beatitude não é o prêmio da virtude, mas a própria virtude; e não gozamos dela porque refreamos nossos impulsos; mas, ao contrário, podemos refrear nossos impulsos porque gozamos dela. Conhecer adequadamente para produzir afetos úteis; ser afetado para lutar contra os maus afetos, nascidos do primeiro gênero de co- 3. A beatitude é identificada à liberdade, no início do escólio da proposição 36 da quinta parte da Ética; e o título dessa Parte V, lembremos, é: Da potência do intelecto ou da liberdade humana. 4. Ética, Parte IV, proposição Ética, Parte IV, proposição 7. 18

3 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 19 O conhecimento como o mais potente dos afetos nhecimento: as dinâmicas do conhecimento e da afetividade estão estreitamente ligadas em Spinoza. A fim de separar os fios desse emaranhado, vamos organizar nossa pequena sondagem sobre as relações entre conhecimento e afetividade em Spinoza a partir de três questões: primeiro, uma vez que para conhecer é preciso estar preparado para conhecer, perguntar-nos-emos se existe uma afetividade específica que nos dispõe ao conhecimento das coisas: existem certos afetos particulares que nos determinam a conhecer? Não se tem, segundo Spinoza, de desenvolver certa forma de sensibilidade que se poderia chamar de uma sensibilidade cognitiva que nos torne aptos a experimentar afecções úteis ao conhecimento? em seguida, interrogar-nos-emos sobre o conhecimento que está implicado nos afetos: a afetividade, mesmo a mais oposta ao desdobramento do conhecimento racional, não guarda, em seu fundo, uma relação cognitiva com seus objetos? A afetividade, mesmo a mais imaginária, é cega aos objetos a que ela se vincula? Pode-se, aliás, experimentar um afeto que esteja separado de todo conhecimento de objeto? enfim, uma vez que a ausência de racionalidade de certos afetos não significa, segundo Spinoza, ausência de lógica, consideraremos como é possível conhecer adequadamente nossa afetividade: que conhecimento se pode ter de nossa afetividade, mesmo a mais passional? O que pode o conhecimento racional contra a afetividade nascida da imaginação? Três problemas, portanto, dirigirão nosso estudo, que não tem pretensão de ser exaustivo em cada um deles, mas que balizará as pistas a explorar: 1 o problema do conhecimento pela afetividade: há uma afetividade para o conhecimento? 2 o problema do conhecimento na afetividade: que saber está envolvido na afetividade? 19

4 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 20 O mais potente dos afetos 3 o problema do conhecimento da afetividade: em que sentido a compreensão de nossos afetos é liberadora? 1. O conhecimento pela afetividade Pode-se dizer que para Spinoza existe um desejo de saber? A Ética nunca faz menção de um desejo desses, que poderia ser o próprio do homem. Existe, sim, um desejo de ser feliz, que se identifica com a natureza do homem: o desejo [ ] de viver feliz ou de viver e agir bem, etc., é a própria essência do homem, isto é [ ], o esforço pelo qual cada um se esforça por conservar o seu ser, afirma a demonstração de Ética, Parte IV, proposição 21. Mas ao contrário de Pascal, para quem a segunda natureza do homem, nascida do pecado, é marcada especialmente pela libido sciendi 6, ou, ainda, de Hobbes, que define a curiosidade como um amor do conhecimento natural no homem 7, Spinoza o filósofo que se apresenta todavia como o representante de um racionalismo absoluto não faz alarde nunca, na Ética 8, de certa forma de afetividade que disporia o homem naturalmente, e favoravelmente, para o conhecimento. Nem curiosidade fundamental do homem, que explicaria seus progressos científicos; nem virtude primeira do espanto, que excitaria essa curiosidade aplicando-se ao que é ainda desconhecido. Ao contrário de Descartes, Spinoza não distingue uma boa admiração, experimentada diante do que é novo e extraordinário, e uma admiração excessiva ( o espanto ) que paralisa o corpo e anestesia o pensamento. A admiração para ele é só essa imobilização da mente 9, que, longe de ser impelida à compreensão, é parada pelo que a ultrapassa. O curioso, para Spinoza, não é tanto aquele que busca compreender, senão 6. Ver Pensamento 458 (ed. Brunschvicg). 7. Ver Leviatã, cap. VI, ed. Sirey, 1971, trad. F. Tricaud, pp Precisemos: na Ética. Pois no Breve tratado, em que a herança cartesiana é ainda muito marcada, um lugar é dado ao espanto, como primeira das paixões (ver Breve tratado, II, 3,[2]). 9. Ética, Parte III, definições dos afetos, 4: A admiração é a imaginação de alguma coisa à qual a mente se mantém fixada, porque essa imaginação singular não tem nenhuma conexão com as demais. 20

5 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 21 O conhecimento como o mais potente dos afetos aquele que busca ficar espantado; não é tanto aquele que está empenhado na via difícil do conhecimento racional das relações entre as coisas, senão aquele que busca distrair-se (Pascal diria, sem dúvida, divertir-se) pela contemplação de coisas novas, inéditas, inauditas 10. Ora, essa distração da mente admirativa, segundo a explicação que segue a definição de admiração, não se deve a uma causa real, ou seja, a alguma propriedade inerente à coisa admirada. A desconexão mental não tem causa na própria coisa, mas só em nós: deve-se a uma ausência, a um elo de ideias imaginativas, constitutivas de nossa memória, na qual ordinariamente vem se inscrever toda percepção de coisa. Com efeito, habitualmente, quando percebemos uma coisa, ela nos faz pensar em outra coisa, faz-nos passar a outra coisa: o ordinário de nosso imaginário é cairmos do pensamento de uma coisa no pensamento de outra, conforme o encadeamento regrado das afecções de nosso corpo 11. Mas quando a coisa é para nós nova, não caímos mantemo-nos fixados. A admiração é, pois, uma figura de enorme passividade: ela provém de uma imaginação fixa, obsessiva, que está em ruptura com a imaginação móvel, movente, própria a nossa memória. Logo, a admiração não pode ser, em Spinoza, o afeto que impele à aquisição dos conhecimentos; pelo contrário, ela equivale a uma ruptura no encadeamento ideal e à impossibilidade de pensar as relações entre coisas. E, contrariamente ao que ela é em Descartes, tampouco poderia ser o afeto pelo qual nos tornamos sensíveis ao infinito, pois para Spinoza nada é em si admirável, nada é em si fora do comum, nem a infinitude divina, imanente a seus modos, nem a infinitude do livre-arbítrio, ilusão nascida de nossa ignorância das causas. Deus é a comunidade universal que todas as coi- 10. Raramente encontramos o termo curiosidade sob a pena de Spinoza: de nosso conhecimento, duas vezes apenas, e de forma mais pejorativa, em oposição à utilidade. No Tratado teológico-político, cap. VII, 17, no qual Spinoza afirma que o que podemos compreender do sentido das Escrituras basta para nossa utilidade, ou seja, para nos conduzir à beatitude, o resto é mais uma questão de curiosidade que de utilidade (Œuvres III, PUF, 1999, trad. P.-F. Moreau e J. Lagrée, p. 311); na Ética, Parte III, proposição 59, escólio, em que Spinoza afirma que os afetos que se podem compor a partir dos três primitivos são inumeráveis, e que nos bastará reter apenas os principais, o resto, que omiti, é mais uma questão de curiosidade que de utilidade. 11. Ver Ética, Parte II, proposição 18 e seu escólio. 21

6 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 22 O mais potente dos afetos sas envolvem, enquanto modificações de sua infinita potência. E essa potência infinita não excede toda compreensão; ela é, ao contrário, um objeto de conhecimento intelectual progressivo: quanto mais compreendemos as coisas singulares, tanto mais compreendemos Deus 12. Em suma, não há, para Spinoza, paixão do conhecimento que nos impeliria a buscar automaticamente a verdade e permitiria reconhecer o que tem um valor inestimável. Há antes um esforço para conservar-se, que se realiza tanto através das ideias inadequadas da imaginação quanto através das ideias adequadas da razão 13. Noutras palavras, um certo desejo de conhecimento e até, mais precisamente, de conhecimento racional não está ausente, em filigrana, da antropologia spinozista dos afetos. Esse desejo, porém, não é mais fundamental que o desejo de crer ou de imaginar. Muito pelo contrário, é mais raro, uma vez que a mente está mais acomodada no pensamento imaginativo que no racional. Quanto mais a mente está no conhecimento inadequado, mais persevera nele, é consciente de seu esforço e, portanto, deseja afirmar sua potência nesse conhecimento inadequado (de que o próprio é ignorar-se como inadequado). Inversamente, quanto mais a mente está no conhecimento adequado, tanto mais deseja perseverar nele. Assim se compreende a proposição 26 das Partes IV e V da Ética: Tudo aquilo pelo qual, em virtude da razão, nós nos esforçamos, não é senão compreender; e a mente, enquanto utiliza a razão, não julga ser-lhe útil senão aquilo que a conduz ao compreender. Quanto mais a mente é capaz de compreender as coisas pelo terceiro gênero de conhecimento, tanto mais deseja compreendê-las por esse mesmo gênero. O desejo de conhecimento adequado é um desejo que compreende a suma utilidade do conhecimento: por meio dele, a mente se fortifica, 12. Ética, Parte V, proposição Ver Ética, Parte III, proposição 9: a mente, quer enquanto tem ideias claras e distintas, quer enquanto tem ideias confusas, esforça-se por perseverar em seu ser por uma duração indefinida, e está consciente desse seu esforço. 22

7 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 23 O conhecimento como o mais potente dos afetos torna-se mais perfeita e convém com as outras mentes, também elas ativas. Um desejo tal, que não é espontâneo mas se desenvolve pouco a pouco, está portanto muitíssimo distante de uma paixão amorosa que se fixaria sobre o conhecimento como objeto a possuir, ou até colecionar: não possuímos o conhecimento racional senão partilhando-o, e não o partilhamos senão aumentando-o. O desejo ativo de conhecimento adequado em Spinoza só pode ser um desejo que compreende a finalidade ética. Todo o prólogo do Tratado da reforma do intelecto já orientava o desenvolvimento dos conhecimentos científicos para a investigação de uma natureza mais perfeita, que fosse partilhada com os outros 14 ; o que a Ética confirmará, como já assinalamos, indicando no início da Parte II que não se deduzirá da natureza divina tudo que dela deve ter se seguido (o que seria de qualquer forma impossível, já que se segue uma infinidade de coisas), mas apenas aquelas que possam nos conduzir, como que pela mão, ao conhecimento da mente humana e de sua suma beatitude. Se não há afeto essencial que volte o esforço humano para o conhecimento verdadeiro, se a investigação da verdade só tem valor por sua finalidade ética (a busca da beatitude), há não obstante uma implicação de toda a sensibilidade humana no desenvolvimento do conhecimento adequado. A essência do corpo humano define-se, em Spinoza, por sua aptidão a ser afetado e afetar. Ora, quanto maior essa aptidão afetiva, maior é a capacidade da mente de pensar várias coisas simultaneamente, e, por conseguinte, de compreender-lhes as relações de conveniência, diferença e oposição 15. Um corpo ativo não é, pois, um corpo que consegue tornar-se insensível ao mundo, que chegaria a furtar-se ao determinismo das causas exteriores. A atividade não nasce de um pro- 14. Tratado da reforma do intelecto, 14: Eis, pois, o fim a que tendo: adquirir essa natureza e esforçar- -me para que, comigo, muitos outros a adquiram; isto é, faz parte de minha felicidade o esforçar-me para que muitos outros pensem como eu e que seu intelecto e seu desejo convenham com o meu intelecto e o meu desejo ; 16: Já se pode ver que desejo dirigir todas as ciências a um só fim, um só escopo, a saber, o de alcançar aquela suma perfeição humana de que falamos (e a nota [e] precisa: As ciências têm um único fim para o qual devem ser todas dirigidas ). 15. Segundo uma expressão do escólio da proposição 29 da Parte II da Ética. 23

8 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 24 O mais potente dos afetos cesso de desafecção ou insensibilização. Decerto, trata-se sim de não mais sofrer passivamente as coisas que encontramos; mas tornar-se ativo, para o corpo, é tornar-se pouco a pouco capaz de não mais viver segundo um número reduzido de normas afetivas, que polarizam o corpo em alegrias ou tristezas obsessivas. Um corpo ativo é um corpo cuja sensibilidade afetiva é forte, flexível, lábil. Com efeito, ser afetado não significa, em si, padecer. Muito pelo contrário, quanto mais a aptidão do corpo a ser afetado é reduzida, mais o corpo vive num meio restrito, insensível a um grande número de coisas, às múltiplas distinções delas: esse corpo não sabe responder, se não for de maneira unilateral, às solicitações de seu meio exterior, aos problemas que o mundo lhe põe. A atividade do corpo e da mente não se dá, portanto, contra o determinismo, ou seja, contra a determinação pelos corpos e mentes exteriores; pelo contrário, tornar-se cada vez mais apto a ser afetado não é padecer cada vez mais, mas ser cada vez mais capaz de formar imagens, e ideias dessas imagens, de tal sorte que fiquemos aptos a ser causa adequada dos encadeamentos de afecções corporais e das ideias que formamos. É na conveniência com os corpos e mentes exteriores que se dá o tornar-se ativo; isto equivale, portanto, a uma abertura da sensibilidade humana, a um aumento de sua aptidão a ser afetado e afetar. Aumento da sensibilidade afetiva do corpo e aumento da potência de pensar da mente, portanto, vão de par: o que uma mente pode conhecer é correlato ao que um corpo pode experimentar. Para aprofundar essa ideia, ser-nos-á preciso doravante passar a nosso segundo ponto, consagrado ao conhecimento envolvido na afetividade, e distinguir, melhor do que o fizemos, entre, por um lado, as afecções corporais e mentais (as imagens e as ideias), e, por outro, os afetos (tanto corporais quanto mentais) que elas são suscetíveis de engendrar. 2. O conhecimento na afetividade A presença de afetos parece implicar a presença de um conhecimento, mesmo que parcial, de alguma coisa, ao passo que a presença da 24

9 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 25 O conhecimento como o mais potente dos afetos ideia de uma coisa não parece implicar necessariamente a presença de um afeto. Tal implicação, simples e não recíproca, é tirada do terceiro axioma da Parte II da Ética: Os modos de pensar tais como o amor, o desejo, ou qualquer outro que se designa pelo nome de afeto do ânimo, não podem existir se não existir, no mesmo indivíduo, a ideia da coisa amada, desejada, etc. Uma ideia, em troca, pode existir ainda que não exista outro modo de pensar. Poderíamos, então, pensar em uma coisa sem amá-la ou desejá-la; não poderíamos, porém, amar ou desejar sem pensar em uma coisa. Que seja. Mas e quanto aos afetos, ditos primários por Spinoza, que são a alegria e a tristeza? São necessariamente, como o desejo, o amor ou o ódio, vinculados à ideia de uma coisa? O que nos dão a conhecer tais afetos, se é possível experimentar alegrias puras ou tristezas puras, que não sejam referidas a nenhuma coisa exterior? A definição do afeto, dada no início da terceira parte da Ética, mostra que este é indissoluvelmente afecção corporal (se considerado no atributo extensão) e ideia dessa afecção (se considerado no atributo pensamento) 16. Mesmo uma simples alegria, que se caracteriza como a passagem de uma menor a uma maior perfeição, é afecção corporal e ideia dessa afecção. Ela é no corpo uma afecção que aumenta ou estimula sua potência de agir, e na mente uma ideia que aumenta ou estimula sua potência de pensar. Mas qual é o objeto dessa ideia ou desse modo do pensar? Tal ideia, que favorece a potência mental, é ela própria um conhecimento de alguma coisa? A experiência parece nos mostrar que é possível nos sentirmos alegres, ou tristes, sem saber por que (quer esse saber seja racional, isto é, provenha de uma ideia adequada, quer seja, como é mais frequente, puramente imaginativo, isto é, inadequado). Noutras palavras, é possível estar alegre, sentir-se bem, sem estar amoroso, isto é, sem que essa ale- 16. Ética, Parte III, definição 3: Por afeto compreendo as afecções do corpo, pelas quais sua potência de agir é aumentada ou diminuída, estimulada ou refreada, e, ao mesmo tempo, as ideias dessas afecções. 25

10 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 26 O mais potente dos afetos gria seja acompanhada da ideia de uma causa exterior. Como explicá- -lo, em termos spinozistas? Spinoza define, assim, a imaginação: Chamaremos de imagens de coisas as afecções do corpo humano, cujas ideias representam os corpos exteriores como nos estando presentes, embora elas não reproduzam as figuras das coisas. E quando a mente contempla os corpos sob essa relação, diremos que ela os imagina. 17 Pode-se entender, por essa definição, que só as afecções corporais cujas ideias nos representem algum corpo exterior como presente são imagens. Noutras palavras, nem todas as afecções corporais são representativas, ou antes: nem todas são imagens, e, portanto, não são mentalmente correlatas a ideias representativas, pelas quais a mente imagina as coisas. Por conseguinte, seria possível experimentar o que chamamos de uma alegria pura, que não seria acompanhada de nenhum conhecimento de algum objeto exterior. Só uma afecção corporal que dá a imaginar alguma coisa estaria em condições de nos fazer experimentar amor (ou ódio). Com efeito, se uma tal afecção aumenta ou estimula a potência de agir de nosso corpo, produz um afeto, no caso uma alegria; e se, ao mesmo tempo, essa afecção é a imagem de uma coisa, representar-nos-emos essa coisa como nos estando presente, ao mesmo tempo que estaremos alegres. Mas será que se pode assimilar, assim, a ideia da coisa que imaginamos estando alegres à ideia da causa exterior que atribuímos a nossa alegria? Vários casos podem aqui se apresentar: suponhamos que experimentássemos uma alegria e contemplássemos ao mesmo tempo nosso corpo, ou uma de suas partes, como sendo isso a que é referida essa alegria: por exemplo, estamos aliviados por não ter mais dor de dente. Nesse caso, uma ideia que nos representa uma parte de nosso corpo (aqui, o dente) 17. Ética, Parte II, proposição 17, escólio. 26

11 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 27 O conhecimento como o mais potente dos afetos acompanha sim nossa alegria, mas essa ideia não é propriamente falando a ideia da causa pela qual experimentamos essa alegria; ela é a ideia da parte de nosso corpo à qual referimos nossa alegria. Somos alegres por nós mesmos (talvez mesmo por nosso dente), mas não amamos a nós mesmos (não experimentamos amor por nosso dente); suponhamos agora que ao mesmo tempo que estamos alegres por nosso dente não nos fazer mais sofrer, contemplamos um medicamento como a causa exterior de nosso alívio. Ao mesmo tempo que nos regozijamos, e que representamos eventualmente nosso dente como aliviado, nossa alegria é acompanhada da ideia de uma causa exterior: experimentamos uma forma de amor por esse medicamento que imaginamos ser a causa de nosso alívio 18. Há, portanto, três tipos de ideias a eventualmente distinguir: primeiro, há a ideia que constitui mentalmente a forma do afeto de alegria ou de tristeza; essa ideia é aquela que, na mente, corresponde à passagem a uma potência superior ou inferior do corpo; em seguida, há a ideia representativa do corpo próprio (ou de uma de suas partes) à qual referimos eventualmente o afeto de alegria ou de tristeza experimentado. Imaginamos então nosso corpo (mediante a ideia representativa) ao mesmo tempo que o sentimos (mediante a ideia da alegria corporal); enfim, há a ideia de um corpo exterior que representamos como sendo a causa do afeto de alegria ou de tristeza que experimentamos; imagina-se então uma causa exterior ao afeto alegre ou triste que sentimos, e experimentamos amor ou ódio relativamente a essa causa. 18. O que não significa, muito evidentemente, que esse corpo exterior que nomeamos medicamento seja a causa real da alegria que experimentamos; pode sempre haver, com efeito, uma diferença entre a causa e o objeto de nosso amor; o que explica, aliás, que no amor frequentemente nos desprezemos e que nossos amores possam tornar-se excessivos e infelizes. 27

12 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 28 O mais potente dos afetos Quando há amor ou ódio, há, por conseguinte, ligação de duas ideias ao menos diferentes: uma ideia, ao que parece, não cognitiva (um modo do pensar que seria alegria ou tristeza mental) e uma ideia cognitiva (um modo do pensar que seria representação de uma causa exterior). Assim, o amor, que é uma alegria acompanhada da ideia de uma causa exterior, seria constituído mentalmente de duas ideias: por um lado, uma ideia que é alegria mental, na medida em que é ideia de uma afecção que aumenta a potência de agir do corpo, e por outro uma ideia que é imaginação de uma causa exterior, na medida em que é ideia de uma afecção corporal pela qual representamos um corpo exterior como presente. É tanto mais fácil distinguir a ideia que mentalmente é alegria e a ideia da causa exterior que associamos a essa alegria, quanto mais a afecção que aumenta a potência de agir de nosso corpo é ao mesmo tempo uma imagem desse corpo à qual referimos nossa alegria. Se referirmos essa alegria a nosso corpo, ela se distinguirá mentalmente da representação (no mais das vezes imaginativa) de sua causa. Mas é igualmente possível e é, parece-nos, o caso mais frequente no amor que nossa alegria não se distinga para nós verdadeiramente da ideia da causa exterior que lhe atribuímos. Amar um prato ou uma pessoa é experimentar uma alegria ao pensar nesse prato ou nessa pessoa: nossa boca saliva, nosso coração bate (de alegria) ao mesmo tempo que formamos a ideia de uma causa exterior (com relação à qual, a partir daí, experimentamos amor). Precisamos distinguir aqui, entretanto, duas dimensões dessa ideia alegre que tem por objeto uma causa exterior. A definição geral dos afetos, que fecha a Parte III da Ética, de fato afirma: O afeto, que se diz paixão da alma [animi pathema], é uma ideia confusa, pela qual a mente afirma uma força de existir, maior ou menor do que antes, de seu corpo ou de uma parte dele [ ] E a explicação precisa: 28

13 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 29 O conhecimento como o mais potente dos afetos Com efeito, todas as ideias que temos dos corpos indicam antes a constituição atual de nosso corpo (pelo corolário 2 da proposição 16 da Parte II) que a natureza dos corpos exteriores. Ora, a ideia que constitui a forma do afeto deve indicar ou exprimir a constituição do corpo ou de uma de suas partes, constituição que o próprio corpo ou alguma de suas partes tem porque sua potência de agir ou sua força de existir é aumentada ou diminuída, estimulada ou refreada. Quando uma ideia é representativa de um corpo exterior, ela é ao mesmo tempo indicativa da constituição do corpo próprio: tal é a dupla dimensão representativa e indicativa da ideia de uma coisa amada, odiada ou desejada. Noutras palavras, se imaginamos um corpo exterior no momento em que estamos alegres, não temos somente conhecimento da existência de um objeto exterior (representado como estando em nossa presença); temos conhecimento igualmente de uma variação de potência de nosso próprio corpo: a ideia que constitui a forma do afeto, aqui de alegria, deve indicar ou exprimir a constituição do corpo, aqui uma constituição alegre, ou seja, um aumento da força de existir de nosso corpo. Por conseguinte, se se considera apenas a forma do afeto de alegria ou de tristeza, esta é, do ponto de vista mental, uma ideia indicativa do estado do corpo; todo afeto envolve, pois, ao menos um conhecimento indicativo do corpo próprio e eventualmente um conhecimento representativo de um corpo exterior. Como afirma o axioma 3 da Parte II, que citamos, nos afetos de amor ou de desejo há necessariamente a ideia ou o conhecimento representativo de um corpo exterior, amado ou desejado. Pode-se doravante acrescentar: nos afetos de alegria ou de tristeza, se não há necessariamente conhecimento representativo de um corpo exterior (pois nossas alegrias e nossas tristezas não são sempre amores e ódios), há, como em todo afeto, ao menos um conhecimento indicativo da disposição em que se encontra nosso próprio corpo esse corpo que, como afirma o corolário de Ética, Parte II, proposição 13, existe tal como o sentimos. Esse conhecimento indicativo, que exprime algo do corpo, que é o signo de que se passa algo nele ou numa de suas partes, pode não ser 29

14 O mais potente dos afetos p /28/09 2:05 PM Page 30 O mais potente dos afetos representativo em si mesmo de uma coisa. É possível vimos estar alegre ou triste, se sentir bem ou mal, não pensando nem em seu próprio corpo (como sendo isso a que é referido esse sentimento), nem em um corpo exterior (como sendo isso que é a causa desse sentimento). Entretanto, a crer no fim da definição geral dos afetos, que não mencionáramos, tal alegria ou tal tristeza, que em si mesma não é necessariamente representativa do corpo próprio ou de um corpo exterior, não obstante nos determina a pensar em alguma coisa 19. Ora, essa determinação, precisa Spinoza na explicação da definição, esclarece a natureza do desejo: quando estamos alegres ou tristes (e eventualmente quando amamos ou odiamos), somos determinados a pensar em uma coisa e, portanto, a desejá-la. Por quê? Sem dúvida isso se deve à própria essência de nossa mente, que se esforça por conservar-se: afetados por um afeto de alegria ou de tristeza, desejamos conhecer os meios para conservar essa alegria ou destruir essa tristeza (desejamos simplesmente conhecer a sua causa, se a ignoramos, ou desejamos conhecer os meios de reproduzir ou impedir sua ação, se a conhecemos). Pode ocorrer, entretanto, em certas situações, que não cheguemos a pensar em alguma coisa: é justamente o caso nessa figura de passividade que já encontramos, a saber, a admiração, que não é em si mesma um afeto, mas que equivale à ausência de conexão de um conhecimento imaginativo com outros conhecimentos Por exemplo, no afeto de consternação, como tristeza paralisada pela admiração: A admiração de um mal mantém o homem de tal maneira suspenso na só contemplação desse mal que não é capaz de pensar em outras coisas, pelas quais poderia evitar esse mal. A admiração corresponde aqui a uma suspensão do desejo, ou antes: à impossibilidade de satisfazê-lo. Entristecida pelo conhecimento representativo de uma coisa má, minha mente é determinada a pensar nos 19. Ética, Parte III, definição geral dos afetos: O afeto, que se diz paixão do ânimo, é uma ideia confusa [ ] cuja presença determina a própria mente a pensar nisto mais que naquilo. 30

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 ÍNDICE Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 1. A Universalidade, Necessidade e Unidade da Religião...8 O objetivo comum da vida...8 Definição universal de religião...12 O que significa ser religioso...13

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

OPÚSCULO SOBRE O MODO DE APRENDER E DE MEDITAR

OPÚSCULO SOBRE O MODO DE APRENDER E DE MEDITAR Hugo de S. Vitor OPÚSCULO SOBRE O MODO DE APRENDER E DE MEDITAR A humildade é necessária ao que deseja aprender. A humildade é o princípio do aprendizado, e sobre ela, muita coisa tendo sido escrita, as

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL. (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) IRA

TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL. (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) IRA TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) O seguinte teste foi concebido para o ajudar a encarar a sua própria vida emocional, o

Leia mais

A Filosofia A origem da Filosofia 1

A Filosofia A origem da Filosofia 1 A Filosofia A origem da Filosofia 1 A PALAVRA FILOSOFIA A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação 1 LIÇÃO 1 A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação que Deus tem Se revelado ao homem. Deus revela-se também através da Palavra Escrita, a Bíblia

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA O IMPÉRIO ALEXANDRINO A FILOSOFIA ESTOICA PARTE DA SEGUINTE PERGUNTA: COMO DEVO AGIR PARA VIVER BEM? COMO POSSO VIVER BEM E,

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS BAPAK FALA AOS CANDIDATOS PRÓLOGO Subud é um contacto com o poder de Deus Todo Poderoso. Para as pessoas que consideram difícil aceitar tal afirmação, Subud pode ser descrito como a realidade mais além

Leia mais

Prisões mentais. Escrito por Mário Moreno Dom, 05 de Junho de 2011 15:37. Prisões mentais

Prisões mentais. Escrito por Mário Moreno Dom, 05 de Junho de 2011 15:37. Prisões mentais Prisões mentais Hoje podemos afirmar que há satan o adversário conseguiu algo muito grande quando fez o homem pecar além de fazer dele um peregrino fora do Gan Éden e de tirar-lhe a imortalidade. O adversário

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: O Egoísmo. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Tema: O Egoísmo. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: O Egoísmo Palestrante: Amália Silveira Rio de Janeiro 22/01/1999 Organizadores da palestra: Moderador: Luno (nick: )

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Benedictus Spinoza Ética demonstrada em ordem geométrica e dividida em cinco partes que tratam

Benedictus Spinoza Ética demonstrada em ordem geométrica e dividida em cinco partes que tratam Benedictus Spinoza Ética demonstrada em ordem geométrica e dividida em cinco partes que tratam I Sobre Deus II Sobre a Natureza e a Origem da Mente III Sobre a Origem e a Natureza dos Afetos IV Sobre a

Leia mais

Lição 1 Como Amar os Inimigos

Lição 1 Como Amar os Inimigos Lição 1 Como Amar os Inimigos A. Como seus pais resolviam as brigas entres você e seus irmãos? B. Em sua opinião qual a diferença entre amar o inimigo e ser amigo do inimigo? PROPÓSITO: Aprender como e

Leia mais

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas.

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas. Roteiro 1 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo III Os vícios e as virtudes Conceituar bem e mal Explicar o

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30 PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:2730 FILIPENSES 1:2730 Somente deveis portarvos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos

Leia mais

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles define prazer como "um certo movimento da alma e um regresso total e sensível ao estado natural" (1). A dor é o seu contrário. O que

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

FRIEDRICH N IETZSCHE. A GAlA CIÊNCIA TEXTO INTEGRAL TRADUÇÃO ANTONIO CARLOS BRAGA. escaí.ã

FRIEDRICH N IETZSCHE. A GAlA CIÊNCIA TEXTO INTEGRAL TRADUÇÃO ANTONIO CARLOS BRAGA. escaí.ã ' FRIEDRICH N IETZSCHE A GAlA CIÊNCIA TEXTO INTEGRAL TRADUÇÃO ANTONIO CARLOS BRAGA I escaí.ã 354- Do "GÊNIO DA ESPtCIE" O problema da consciência (ou mais exatamente, do fato de se tornar consciente) só

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

A continuidade da vida Roteiro 3

A continuidade da vida Roteiro 3 A continuidade da vida Roteiro 3 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo II A Morte e seus Mistérios Objetivos

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

JAIR REBELO. jairrebelo@hotmail.com. Parapsicólogo Clínico. Telefone 9911 3260

JAIR REBELO. jairrebelo@hotmail.com. Parapsicólogo Clínico. Telefone 9911 3260 JAIR REBELO Parapsicólogo Clínico jairrebelo@hotmail.com Telefone 9911 3260 AQUIETAR-SE Quando tomamos consciência da nossa respiração, eliminamos os vícios que vivem dentro de nós. O silêncio e á linguagem

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

Benedictus de Spinoza e a servidão humana: a Parte IV da Ética

Benedictus de Spinoza e a servidão humana: a Parte IV da Ética 38 Benedictus de Spinoza e a servidão humana: a Parte IV da Ética Emanuel Angelo da Rocha Fragoso I A Ética A Ética, tal como Spinoza a desenvolve, não é um livro puramente teórico, ela tem também uma

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO Muito antigo e pouco alterado no longo transcurso que teve dentro da história da filosofia, o sentido do termo latino facultas

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

LIVRO DOS APAIXONADOS. Dark Night

LIVRO DOS APAIXONADOS. Dark Night LIVRO DOS APAIXONADOS Dark Night Do ponto de vista Hermético, o que é o amor ou paixão. Traz uma abordagem compreensiva de forças e ações humanóide para leigos em magia. Sendo tradado o sentimento mais

Leia mais

Christian H. Godefroy

Christian H. Godefroy Christian H. Godefroy Tradução: Thérèse Como se libertar dos pensamentos negativos, com o método Vittoz Introdução Infelizmente, pensar negativamente contribui pouco para a nossa felicidade. O que acontece

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

Mentira - o avesso da Verdade?

Mentira - o avesso da Verdade? Mentira - o avesso da Verdade? Christian Ingo Lenz Dunker A educação formal e informal nos ensina que não devemos mentir. A mentira deve ser evitada e a sinceridade prezada acima de tudo. Se exigirmos

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Perda dos Entes Queridos Palestrante: Mauro Operti Rio de Janeiro 08/05/1998 Organizadores da palestra: Moderador: Macroz (nick:

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com O EDUCADOR FILÓSOFO: DE COMO SAVIANI E MORAN DEMONSTRAM QUE A FILOSOFIA É A LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE AS DIVERSAS DISCIPLINAS, HUMANIZANDO E SENDO PONTE ENTRE O DENTRO E O FORA, ENTRE O SINGULAR E O COMPLEXO

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 13

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 13 ÍNDICE PrefÁcio... 11 INTRODUÇÃO... 13 Capítulo 1 OS PONTOS DE REFERÊNCIA DA DISCIPLINA.. 17 Os pontos de referência... 17 Os fundamentos da disciplina: os primeiros 6 meses... 18 Dos 7 aos 8 meses: a

Leia mais

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 10 OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 558 Os Espíritos fazem outra coisa além de se aperfeiçoar individualmente? Eles concorrem para a harmonia do universo ao executar os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: O Perdão das Ofensas. Palestrante: Bárbara Alves. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: O Perdão das Ofensas. Palestrante: Bárbara Alves. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: O Perdão das Ofensas Palestrante: Bárbara Alves Rio de Janeiro 18/04/2003 Organizadores da Palestra: Moderador: "Brab"

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Definindo o perdão. Até quando perdoar?

Definindo o perdão. Até quando perdoar? Até quando perdoar? Perdão... o conceito é muito profundo porém a atitude do perdão é algo que por vezes falta em nossa vida, pois temos dificuldades em exercer esta atitude de liberação da vida de alguém

Leia mais

GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial

GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial 1 GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial Por Maurício Gieseler de Assis *Material de livre distribuição **Proibida a reprodução total ou parcial sem a devida citação da fonte Estudar

Leia mais

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS Quinta-feira, 25 de Março de 2010 (Vídeo) P. Santo Padre, o jovem

Leia mais

Perdão Marca de Maturidade

Perdão Marca de Maturidade Perdão Marca de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO Mateus 18.15-22 15 - Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão; 16 - Mas, se não te ouvir,

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Você não sofre porque tem uma programação mental, você sofre porque sua programação

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

Como Funciona e o Que Você Precisa Saber Para Entender o Fator da Perda de Peso? Capítulo 9: Mantendo Um Corpo Livre De Celulite Para o Resto Da Vida

Como Funciona e o Que Você Precisa Saber Para Entender o Fator da Perda de Peso? Capítulo 9: Mantendo Um Corpo Livre De Celulite Para o Resto Da Vida Aviso Legal Qualquer aplicação das recomendações apresentadas neste livro está a critério e único risco (do leitor). Qualquer pessoa com problemas médicos de qualquer natureza deve buscar e consultar um

Leia mais