BATTLE OF EVERMORE: HEDONISMO, AUTONOMIA E INSTITUCIONALIZAÇÃO DA CONTRACULTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BATTLE OF EVERMORE: HEDONISMO, AUTONOMIA E INSTITUCIONALIZAÇÃO DA CONTRACULTURA"

Transcrição

1 BATTLE OF EVERMORE: HEDONISMO, AUTONOMIA E INSTITUCIONALIZAÇÃO DA CONTRACULTURA Ricardo Sinigaglia Arruda (GECU Grupo de Estudos Culturais da Unesp/Formado pela UNESP-Franca) O quarto álbum da banda Led Zeppelin começou a ser gravado em dezembro de 1970 e foi lançado em oito de novembro de Ele é considerado o principal álbum da banda, ficando em primeiro lugar das paradas de sucesso após quinze dias de seu lançamento no Reino Unido e em segundo lugar nos Estados Unidos e estando entre os 40 primeiros das paradas de sucesso americana por três anos seguidos, além de vender 25 milhões de cópias. (WALL, 2009) O Led Zeppelin é considerado uma banda de rock da década de 1970, apesar de ter iniciado sua trajetória em 1968, alcançado o grande sucesso após o lançamento do Led Zeppelin IV e terminado em 1980 com a morte do baterista John Bonham. A banda contava ainda com Jimmy Page, guitarrista e produtor; Robert Plant, vocalista e John Paul Jones, baixista e tecladista. O rock, forma cultural 1 (MERHEB, 2012) na qual Led Zeppelin está inserido, é considerado a música da juventude contracultural da década de Como nos lembra Eric Hobsbawm (1989), o rock era a expressão sentimental de toda uma faixa etária, a juventude. Segundo David Simonelli (2013), o público jovem do rock era a contracultura hippie e esta música procurava expressar as mensagens políticas e sociais desta classe social, incluindo seus estados alterados de consciência, promovidos por drogas como o LSD. No entanto, durante a década de 1970, quando é lançado o Led Zeppelin IV, o que assistimos é o desaparecimento e/ou a institucionalização dessa contracultura dos anos (FRIEDLANDER, 2012) Durante os anos 1970, momento em que é lançado o álbum sem título do Led Zeppelin, a Students for Democratic Society (SDS), nos Estados Unidos, fragmentava-se em 1 Ao utilizar este termo, Rodrigo Merheb mostrou que não há padrões para definir o que é rock, pois há uma variedade de gêneros dentro do rock. Por conseguinte, não há forma de catalogar a música de forma rígida. Sendo assim, Merheb preferiu compreender o rock mais como forma cultural do que gênero musical. 1

2 grupos, saindo dela, por exemplo, três grupos maoístas que brigavam pelo poder; as feministas, tanto nos Estados Unidos como na Inglaterra separavam-se dos homens hippies, acusando estes de machismo e os homossexuais, nos EUA, também criticavam a contracultura, vendo-a como homofóbica. Por fim, a década marca o fim das greves estudantis americanas e a subida da neoliberal Margareth Thatcher ao poder na Inglaterra. (GOFFMAN & JOY, 2007; ALI, 2008) Segundo Ken Goffman & Dan Joy (2007), durante os anos 1970, quando a contracultura se fragmentava até desaparecer, os jovens hippies ainda vestiam suas roupas, porém eles já não fariam mais a revolução da noite para o dia, pois a Liberdade se transformou em liberdade pessoal, libertação da opressão se tornou libertação da repressão sexual, a busca democrática de igualdade e liberdade de associação virou uma busca individualista por uma promiscuidade sem culpas (GOFFMAN; JOY, 2007 p. 343) Os jovens já não mais usavam o LSD como forma de síntese cultural e escapismo, com a revolução da década de 1960 morta, eles eram viciados em busca de saciar o vício em heroína e outras drogas, como a cocaína. Como lembra Goffman e Joy (2007, p. 346) O bêbado, maconheiro, cheirador, adúltero, rufião drogado que tinha uma imagem romântica, e a ilegalidade das populares substâncias adulteradora da mente permitia a esses comerciantes sustentarem uma sensação de bravata revolucionário muito depois do momento político ter passado. Nos Estados Unidos, enquanto o presidente Gerald Ford viu os últimos soldados voltarem do Vietnã, o seu filho Jack fumava maconha na Casa Branca; George Harrison e Billy Preston apertavam as mãos do presidente. Neste momento, Timothy Leary declarou: A guerra de gerações acabou. (LEARY apud GOFFMAN; JOY, 2007, p ) Muitos contraculturalistas também fariam parte dos governos liberais instituídos, não só nos Estados Unidos, mas também em países como França e Inglaterra. (GOFFMAN; JOY, 2007; ALI, 2008) Neste cenário em que o Led Zeppelin IV foi lançado, o rock, assim como seu público contracultural, também passava por transformações. Alguns membros da Nova Esquerda e 2

3 dos Panteras Negras foram presos, como Huey Newton e John Sinclair. Assim como os protestos que não eram mais contra a Guerra, mas favoráveis à libertação de contraculturalistas, a música de Lennon e Dylan agora era favorável a soltar os líderes da contracultura. Ou seja, os sonhos de mudanças já não existiam mais. (GOFFMAN; JOY, 2007) Por outro lado, a maior parte dos hippies da década de 1970 viam o rock, agora feito também por Deep Purple e Aerosmith, como um gênero musical, para usar os termos de Ken Goffman e de Dan Joy (2008, p. 343), vulgar e banal. O hard rock e o heavy metal, segundo Paul Friedlander (2012), tornaram-se fórmulas do sucesso comercial de bandas, sendo o gênero mais comercial dos anos Em oposição à contracultura e seu questionamento acerca do sucesso comercial, como mostra David Simonelli (2013, p. 181) Jon Lord, tecladista do Deep Purple, banda de hard rock britânica, declarou: After all it is a young music and rock is running in danger of being over intellectualised and analysed. Its basic function is to entertain. If it gets over analysed it will die a painful death 2. Ou seja, o rock estava esvaziado de seu significado e passou a ser uma fórmula, perdendo suas possibilidades criativas de antes, dadas pelo seu caráter contracultural e psicodélico. Neste momento de transição, uma subcultura patrocinada por Andy Warhol e crítica ao rock surgiu no Estados Unidos: o glam rock, que tinha David Bowie como principal representante. Se o rock fazia longas jams, o glam prezava pela música de sucesso de três ou quatro minutos; se os hippies usavam roupas simples, os músicos do glam embarcavam na crescente cultura gay e na androgenia e exageravam na maquiagem; se o capitalismo era decadente, para o glam, o capitalismo era louvável. Apesar de marcar uma crítica ao rock, o glam rock foi uma subcultura marcada por posturas niilistas e suicidas e as ambições desse gênero eram as mesmas do rock and roll do início dos anos 1960: o sucesso comercial. (GOFFMAN, 2007) Sendo assim, o projeto de banda de Jimmy Page era explorar os anos 1970, como ele deixa expresso em entrevista para Brad Tolinski (2012, p. 117): Nosso negócio era o seguinte: que se danem os anos 1960! Vamos desbravar uma nova década... Era essa a nossa missão. Por conseguinte, o Led Zeppelin é interpretado de várias formas devido a sua forma 2 Em tradução livre: Depois de tudo, ele é uma música jovem e o rock está correndo perigo de ser super intelectualizado e analisado. Sua função básica é entreter. Se ele for super analisado, morrerá uma morte dolorosa. 3

4 musical. David Simonelli (2013) percebe a banda como o ponto culminante dos desenvolvimentos musicais dos anos 1960 e a representante da futura música da década de Como este autor coloca: They appealed to working-class and middle-class audiences; their music varied between the R&B of heavy metal and the Romantic artistic indulgence of progressive rock, between the hypertrophied masculinity of rock and the delicacy of folk rock. (...) The lyrics of singer Robert Plant and guitarist Jimmy Page were laden with images from ancient Celtic and Norse history and mythology, medievalism, fantasy, mysticism and magic. 3 (SIMONELLI, 2013, p.177) Neste sentido, o Led Zeppelin seria a banda mais Romântica, em uma concepção hippie, da década de 1970, atendendo, inclusive, aos padrões musicais exigidos pelos contraculturalistas. No entanto, a banda expunha o lado oculto da contracultura que era o comercialismo e a banda de Jimmy Page era isso: comercial e exportável, o que significa a morte de qualquer revolução da contracultura, pois esta negava algo feito para o sucesso comercial. (SIMONELLI, 2013). Mikail Gilmore (2010) vê o Led Zeppelin sem os interesses Românticos e políticos da contracultura dos anos 1960, mas como a banda que tem uma capacidade técnica maior do que as bandas deste período, sendo, portanto, a banda que sintetiza os anos Paul Friedlander (2012) coloca a banda de Page como aquela que solidifica a vertente do rock iniciada por Cream, Hendrix e The Who, mas que tinha prazer e dinheiro como objetivos finais, seu lema era o sexo, drogas e rock n roll. Portanto, para Friedlander (2012), o Led Zeppelin foi uma banda que careceu da veracidade emocional dos músicos dos anos 1960 e foi pioneira no hard rock e heavy metal, tendo faixas acústicas apenas como forma de versatilidade ao modelo padrão. Para este autor, se Plant era a Janis Joplin de calças, (...) a versatilidade de Page na guitarra atingia extremos musicais do blues ao estilo de Clapton (...) a uma versão pastiche do som envolvente de Hendrix. 3 Em tradução livre: Eles atraiam o público da classe trabalhadora e da classe-média; sua música variava entre o R&B do heavy metal e a indulgência artística romântica do rock progressivo, entre a masculinidade hipertrofiada do rock e a delicadeza do folk rock (...) As letras do cantor Robert Plant e do guitarrista Jimmy Page eram carregadas de imagens da história e mitologia, medievalismo, fantasia, misticismo e mágica da antiguidade Celta e Nórdica. 4

5 (FRIEDLANDER, 2012, p ) Além disso, Friedlander mostra que Jimmy Page achava que (...) alguns dos chamados grupos progressivos foram longe demais com seu intelectualismo personalizado da beat music. Nossa música era essencialmente emoção, como os velhos astros do rock...nós não iríamos fazer qualquer tipo de discurso político ou moral. (PAGE apud FRIEDLANDER, 2012, p. 337) O autor analisa a frase de Jimmy Page como algo que não leva em consideração as gerações anteriores do rock e a interpretação que o público tinha sobre a estética antiautoritária, portanto política, que existia nos anos anteriores. Friedlander (2012) também critica Page por não perceber que sua música também carregava um sentido estético moral e político. De outra forma, Susan Fast (2001) coloca que entender o Led Zeppelin como uma banda de heavy metal é algo reducionista, devido a diversidade musical da banda, que apresenta o reggae (D yer Maker) e o country (Hot Dog) entre suas músicas, que vai do folk acústico e elétrico ao blues. Segundo Fast (2001), o maior pecado da banda foi ter um grande sucesso comercial, pois era vista como algo fora do complexo hippie e o segundo foi ter um som extremamente alto. Além disso, discordando de Friedlander (2012), o Led Zeppelin era algo inovador, como coloca a autora: The Who might be comparable in terms of theatrics but certainly not in sound. Hendrix come closest in both sound and theatrically of his performances, but he was black and therefore sanctioned by the largely White rock press to engage in emotional and sexual hyperbole. 4 (FAST, 2001, p. 6) E, no seu primeiro capítulo, a autora compreende que o Led Zeppelin relaciona-se com a contracultura dos anos 1960, pois, em primeiro lugar a banda faz uso da experimentação musical, como usar o arco de violino em Dazed and Confused; depois, a banda utiliza-se da literatura fantástica, do gnosticismo e temas espirituais em suas letras, que relacionado ao som, traz a ideia da experiência com drogas psicodélicas. (FAST, 2001) John Milward (2013), 4 Em tradução livre: O The Who talvez comparava-se em termos de comportamento, mas certamente, não em sonoridade. Hendrix aproximava-se em ambos, som e teatralidade de suas performances, mas ele era negro e portanto sancionado pela grande imprensa branca do rock para engajar-se em uma hipérbole emocional e sexual. 5

6 já compreende o Led Zeppelin através do blues. Milward (2013) preocupa-se em mostrar as novas interpretações que a banda fez de antigos blues, ainda que tenham sido acusados de plágio. O autor coloca que isso só foi possível porque Jimmy Page, que era também produtor, possuía todo controle artístico em suas mãos. Além disso, Milward (2013) compara brevemente o fato de que as mitologias por trás da banda, como a de Page ter pacto com o diabo, lembra as lendas que cercavam antigos bluesmen, como Robert Johnson, por exemplo. Além de ser uma banda dos anos 1970, o Led Zeppelin também apresentava outra característica, que era parte do projeto de Jimmy Page: a banda não teria rótulos. Jimmy Page queria usar as estéticas do blues, do rock and roll, do folk e da música oriental. O Led Zeppelin atravessava tudo. (WALL, 2009). A variedade de som da banda foi colocada, então, no formato álbum, que tinha como suporte, o Long Play (LP). A partir do ano de 1968, quando a banda projetada por Jimmy Page iniciou sua carreira, na Inglaterra, os álbuns venderam mais do que os singles. O Cream lançou Wheels of fire; o Pink Floyd, Saucerful of secrets e os Beatles lançaram o álbum que ficou conhecido como White Album. E, segundo Mick Wall (2009, p. 67), esse era o cenário ricamente multifacetado no qual Jimmy Page estava determinado a fazer com que sua nova música fosse notada. Lembramos ainda que, após 1967, quando os Beatles lançaram o álbum Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band, o formato álbum passou a ser o oposto ao rock and roll comercial e, por exigência de seu público contracultural, deveria ser usado como o formato oposto ao comercialismo da música pop de três minutos, que era possível no suporte do disco de vinil de 45 rpm, utilizado até então no rock como garantia de sucesso comercial. (SIMONELLI, 2013) Nesse momento, o disco de vinil 33 1/3 rpm permitiu que o compositor fosse também o artista do álbum. Como coloca Marcia Tosta Dias, o LP (...) traz consigo uma mudança profunda nos rumos da produção, uma vez que torna o artista mais importante que o disco. É o tempo do trabalho de autor, quando são oferecidas condições para que alguns desenvolvam um trabalho que não poderia ser feito em compacto, mesmo que duplo. O LP é o formato apropriado para uma postura estratégica diferenciada, adotada pela indústria fonográfica mundial. (DIAS, 2000, p. 57) 6

7 O Long Play, dessa forma, permitiu aos artistas a possibilidade de fazer álbuns conceituais, autorais e, no caso do rock, ópera rock, permitindo a adoção de uma estratégia diferenciada pela indústria fonográfica mundial, já que ao invés de ter compositor e intérprete contratados na gravadora, o próprio compositor era intérprete e isso barateava os custos e, assim, os lucros eram maiores, pois os artistas vendiam com mais regularidade, já que tinham mais possibilidade de fazer sucesso. As gravadoras não precisavam mais investir no grande sucesso. (DIAS, 2012) Levando estas inovações e contexto em consideração, o Led Zeppelin IV foi produzido e tornou a banda o carro chefe da década de 1970 (FRIEDLANDER, 2012). O álbum foi gravado em dois locais, em Headley Grange, um antigo asilo e no Island Studios. Em resumo, quando o som do instrumento ficava melhor na acústica de Headley, de acordo com a opinião de Page, então permanecia o som gravado na casa, quando exigia um espaço fechado, então, gravaram no estúdio. O álbum apresentou a variedade musical do rock, passando pelo blues e pelo folk. Paul Friedlander (2012) analisou o Led Zeppelin IV como um pastiche: Rock and roll era uma imitação de Berry, Black dog trazia riffs já muito usado por rockers e Stairway to heaven estava subdividida em três níveis rítmicos como Behind blue eyes do The Who. Por outro lado, Mikal Gilmore (2010, p. 347) coloca que o quarto álbum do Led Zeppelin mostrou uma maior consistência da banda ao combinar sons e temas, sendo uma obra-prima do rock. Além disso, Gilmore (2010) coloca que este álbum é responsável por expandir o uso de mitos utilizados pela banda, aprofundando a fantasia, história e terror em Battle of evermore, uma canção baseada no Senhor dos Anéis ou sugerindo a esperança espiritual compartilhada em Stairway to heaven. Susan Fast (2001, p. 70), por outro lado, entende que o Led Zeppelin IV é o documento histórico que mais criou uma mitologia ao redor da banda. Logo, quanto menos informações aparecem sobre o Led Zeppelin, mais curiosidade o público da banda terá e procurará preencher esse espaço com mais informações sobre os músicos, criando o mito ao redor do projeto de Page. Essa criação mitológica também estaria conectada ao uso de simbologias espirituais presentes na capa ou nas canções do álbum, já que o público também buscaria preencher essa falta de informação. (FAST, 2001). 7

8 Outro elemento que levanta debate sobre o álbum é sua capa, já que nenhuma informação sobre a banda ou a gravadora apareceram na capa. Este aspecto seria um suicídio profissional para a Atlantic, segundo Tolinski (2012). No entanto, Peter Grant e Jimmy Page convenceram a gravadora a ter a capa sem informações diretas sobre a banda. (WELCH, 2002; FRIEDLANDER, 2012) A ideia de não ter dados sobre a banda viria do fato de que Jimmy Page queria que a música falasse por si só, já que a imprensa acusava a gravadora de superpromover o Led Zeppelin e havia criticado de forma negativa os três álbuns anteriores. (WALL, 2009; FRIEDLANDER, 2012) A revista americana Rolling Stone, por exemplo, através de seu crítico Lester Bangs, escreveu sobre a música do Led Zeppelin: Their music is as ephemeral as Marvel comix, and as vivid as an old Technocolor cartoon 5 (BANGS, 1970, p 34). A revista ainda escreveu sobre o Led Zeppelin III: (...)In fact, when I first heard the album my main impression was the consistent anonymity of most of the songs no one could mistake the band, but no gimmicks stand out with any special outrageousness, as did the great, gleefully absurd Orangutang Plant-cum-wheezing guitar freak-out that made "Whole Lotta Love" such a pulp classic. (BANGS, 1970, p. 34) 6 Segundo Mick Wall (2009, p. 241), nas críticas sobre o Led Zeppelin III (...) os mesmos críticos que antes os atacavam por serem mascates superficiais de clichês barulhentos agora os acusavam de tentar minar essa percepção por não repetir o truque, já que a banda optou por ter mais músicas acústicas neste álbum. Robert Godwin (2003) revela que a revista Disc entende que o Led Zeppelin carece da excitação que apresenta no álbum anterior devido aos seus números acústicos. A Melody Maker, por outro lado, deixa que Jimmy Page faça a crítica em cada música. (Godwin, 2003) 5 Em tradução livre: Sua música é tão efêmera quanto Marvel comix, e tão vívida quanto um desenho animado à cores. 6 Em tradução livre: De fato, a primeira vez que ouvi o álbum, minha principal impressão foi de um anonimato consistente da maioria dos sons nenhum poderia errar a banda, mas nenhum truque destaca-se com algo estranhamente especial como fez o grande, brilhante Orangotango-gozador-chiador Plant e a guitarra freak-out que fez de Wholle Lotta Love um clássico ruim. 8

9 A capa apresentava a foto de um eremita com feixe de galhos carregado nas costas, sendo um quadro preso a uma parede de papel descascando. Quando aberta a capa, vê-se prédios em Eve Hill, em Dudley, símbolo da modernidade dos anos 1970 inglesa. (...) No lado de dentro da capa, um desenho feito por um amigo com lápis de tinta dourada, de outro eremita, uma figura muito próxima do ocultismo, dessa vez em cima de uma montanha íngreme, seu bastão ou vara mágica em uma das mãos, uma lanterna na outra, o rosto voltado diretamente para a minúscula figura de um jovem com um dos joelhos dobrados, os braços abertos em sinal de súplica, e além dele o caminho em ziguezague que ele pegou para sair de sua casa nessa pequena cidade, distante, com a igreja e seu indistinto campanário. (WALL, 2009, p. 305) A imagem do eremita com a lanterna quando colocada diante de um espelho, mostra a figura de um cão de duas cabeças, imagem muito próxima a de Cérbero 7, que possuí três cabeças. O disco de vinil original vinha dentro de um envelope marrom, que possuía a letra, em formato Studio de uma revista do século XIX, de Stairway to heaven e a foto de, provavelmente, John Dee, mágico e astrólogo da corte de Elizabeth I. Do outro lado do envelope, havia ainda quatro símbolos no alto da página, sendo que cada um representava um membro da banda. (WALL, 2009) Os eremitas que aparecem são imagens que aparecem no tarô. Eles são aqueles que, segundo Susan Fast (2001), são guardiões de conselhos e carregam a luz da verdade. Por outro lado, Mick Wall (2009) coloca que o eremita é o nível superior OTO 8 (Ordo Templi Orients), ordem criada por Aleister Crowley, que foi estudado por Jimmy Page. Na interpretação de Crowley, o eremita é aquele que guia as almas pelas regiões espirituais mais baixas, ele carrega um bastão em forma de serpente e atrás dele está Cérbero, que ele domesticou. Logo, para Crowley, tanto eremita quanto Mago eram luzes que guiavam e este era como John Dee era chamado. Além disso, segundo Mick Wall (2009), este astrólogo serviu de referência para que Crowley criasse sua magia enoquiana. Por fim, os símbolos de Page e Plant, no alto do envelope marrom, foram desenhados pelos dois músicos. O símbolo 7 Cérbero é um personagem da mitologia grega, filho de Equidna e Tifón. Ele possui três cabeças de cachorro, calda de dragão e lombo com cabeças de repteis. Mais informações podem ser encontradas em: CHEVALIER, Jean. Dicionario de los símbolos religiosos. Barcelona: Editorial Herder, Do oitavo ao décimo grau dentro da OTO, os indivíduos são considerados Eremitas. 9

10 de Page, que parece a palavra Zoso, ainda permanece um mistério, enquanto o de Plant significa, segundo o cantor, todas as filosofias reunidas. No entanto, este símbolo é também o da Ma at, deusa egípcia da justiça e pode ser encontrado no livro The Sacred Symbols of Mu. Já os símbolos de Jones e Bonham foram tirados do livro The Books of Signs de Rudolph Koch. Respectivamente, o círculo com três vesica piscis simbolizava confiança e competência, sendo também um símbolo rosa cruz e os três símbolos interligados significa a tríade egípcia Isis, Hórus e Osíris, que lembrava a importância da família para o baterista. Por fim, havia um símbolo para Sandy Denny, que participou em Battle of evermore. Frente às diversas interpretações expostas, percebemos que há um problema ainda não colocado nas análises sobre o Led Zeppelin IV, que é um estudo centrado no álbum, ainda que tenhamos capítulos de livros, sites ou livros jornalísticos que se preocupem com o tema. Logo, a primeira proposta é centrar em uma análise sobre o álbum sem título do Led Zeppelin. Além disso, percebemos que o Led Zeppelin e o álbum em questão não estão conectados a nenhum dos movimentos da década de 1970 já citados, como o glam rock; o rock de Lennon e Dylan que protestava para que membros da Nova Esquerda fossem libertos ou rock para entretenimento (pop music), como o do Deep Purple ou Aerosmith, já que preserva as características da década anterior, período em que o rock possuía inúmeras variações, que passava pelo blues, pelo folk e a música oriental. Logo, se o álbum não se encaixa em nenhuma destas vertentes, colocamos como hipótese de trabalho que o guitarrista e produtor, Jimmy Page, criou sua arte, que envolve não só a sonoridade, mas a capa do álbum em questão, a partir do hedonismo contracultural existente nos anos 1970, herdeiro da moda da contracultura dos anos 1960, mas já despida de seu significado político. Podemos perceber a existência desta sociedade contracultural dos anos 1970 a partir das análises de Ken Goffman e Dan Joy (2007). Além destes dois autores, David Simonelli (2013) coloca que o Led Zeppelin era adulto, masculino, artístico e profissional, produzindo música psicodélica, como exigia a contracultura da década de 1960, no entanto, era comercial, matando qualquer tipo de rebelião contracultural. Todavia, Simonelli não explora como foi possível à banda de Jimmy Page dar continuidade à sonoridade contracultural ou mesmo à sua simbologia. Neste caso, a simbologia que perpassa a capa ou temas nas canções são, também, questões presentes 10

11 nos anos 1960, como a obra de Tolkien, que era uma Bíblia para os hippies, segundo Simonelli (2013). Estes usos de literatura fantástica que a contracultura dos anos 1960 lia e interpretava e que a banda usa no Led Zeppelin IV são pistas que podem demonstrar de qual sociedade o Led Zeppelin fala, o que também se aplica às simbologias religiosas na capa do álbum. Neste sentido, supomos que a banda tenha se ligado a contracultura hedonista para conseguir produzir com certa autonomia, ainda que este segmento não tivesse a mesma preocupação política de outros tempos, a de revolucionar o coletivo. Pois como já colocado, a revolução não aconteceria mais e a liberdade coletiva tornou-se liberdade individual. (GOFFMAN;JOY, 2007) Por fim, chamamos atenção para o fato de que este trabalho compõe um projeto a ser desenvolvido, com hipóteses e métodos de trabalho definidos, porém com inúmeras questões que ainda precisam ser respondidas. Todavia, ainda que consigamos responder ao questionamento colocado, temos a certeza de que não daremos todas as respostas possíveis sobre o Led Zeppelin IV ou sobre a banda produtora de tal álbum. Por conseguinte, esclarecemos que é possível trabalhar acerca deste questionamento e que podemos contribuir para um novo tipo de conhecimento sobre a relação da arte com a sociedade dos anos BIBLIOGRAFIA ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, ADORNO, T. O fetichismo da música e a regressão da audição. ADORNO, Theodor. Os pensadores. São Paulo: Editora Nova Cultural, pp ALI, T. O poder das barricadas: uma autobiografia sobre os anos 60. São Paulo: Boitempo, BARNEY, Hoskyns. Led Zeppelin IV. New York: St. Martins Press, CHEVALIER, Jean. Dicionario de los símbolos religiosos. Barcelona: Editorial Herder, CUMMING, D. Led Zeppelin and Carlo Domeniconi: Truth without authenticity. Tese. Montreal: McGill University,

12 DAVIS, S. The hammer of the gods: The Led Zeppelin saga. New York: Berkley Publishing Group, DIAS, M. T. Sobre a mundialização da indústria fonográfica Brasil: anos Dissertação. SP: UNICAMP-Campinas, Quando o todo era mais do que a soma das partes: álbuns, singles e os rumos da música gravada. In: Revista Observatório Itaú Cultural. São Paulo: Iatú Cultural, nº 13, p FAST, Susan. In the houses of the holy: Led Zeppelin and the power of rock music. New York and London: Oxford University Press, FENERICK, J. A.; MARQUIONI, C. E. Sgt. Pepper s Lonely Hearts Club Band: uma colagem de sons e imagens. In: Fênix: Revista de História e Estudos Culturais, vol.5, ano V, nº 1, FRIEDLANDER, P. Rock and roll: Uma história social. Rio de Janeiro: Record, º edição. FYFE, A. When the levee breaks: the making of Led Zeppelin IV. Chicago: An a Capella Books, S, Gabriel. Stairway to heaven: por que é o melhor rock já escrito? Em: <http://rockplayers.wordpress.com/2012/07/11/stairway-to-heaven-por-que-e-o-melhor-rock-jaescrito/>. Acessado em 08 dezembro 2014 às 21:35 GILMORE, M. Ponto final: Crônicas sobre os anos 1960 e suas desilusões. São Paulo: Companhia das letras, GODWIN, Robert. The making of Led Zeppelin IV. Estados Unidos: Independent Publishe, GOFFMAN, K.; JOY, D. Contracultura através dos tempos: do mito de prometeu à cultura digital. Rio de Janeiro: Ediouro, HEADLAM, D. Does the song remains the same? Questions of authorship and identification in the music of Led Zeppelin. In: MARVIN, E. W.; HERMANN, R. Concert music, rock and jazz. Rochester: Rochester: University of Rochester Press, HOBSBAWM, E. História social do jazz. São Paulo: Paz e Terra, MACAN, E. Rocking the classics: English progressive rock and the counterculture. New York/Oxford: Oxford University Press, MEDEIROS, Joao Paulo. Led Zeppelin IV. <http://cafecomexpressao.blogspot.com.br/2012/12/ledzeppelin-iv.html> Acessado em 09 dezembro 2014 às 10:00. MERHEB, R. O som da revolução: Uma história cultural do rock, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, MILWARD, J. Crossroads: how the blues shaped rock n roll (and rock saved the blues). New Hampshire: University Press of New England,

13 NAPOLITANO, M. Fontes audiovisuais: A História depois do papel. In: PINSKY, C. B. Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2010, p º edição. PERONE, J. Music of the counterculture era. Connecticut: Greenwood Press, SIMONELLI, D. Working Class Heroes: Rock Music and British society in the 1960s and 1970s. Plymouth: Lexington Books: WALL, M. Led Zeppelin: Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra. São Paulo: Lafonte, WELCH, C. Peter Grant: the man who Led Zeppelin. London: Omnibus Press, DISCOGRAFIA Led Zeppelin IV. New York: Atlantic. CD (remasterização do LP 1971), FONTES GODWIN, R. Led Zeppelin: The Press Reports... Ontario: Robert Goldwin, KAYE, L. Led Zeppelin IV. Rolling Stone. Estados Unidos, 23 dez BANGS, L. Led Zeppelin III. Rolling Stone. Estados Unidos 26 nov TOLINSKI, B. Luz e Sombra: Conversas com Jimmy Page. São Paulo: Globo, WARNER CHAPPELL MUSIC. Led Zeppelin 4th álbum: Off the record. Essex: Internationnal Music Publications, s/d. 13

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

A fotografia de Jørgen Angel

A fotografia de Jørgen Angel A fotografia de Jørgen Angel Jørgen Angel (nascido em 1951, em Copenhagen na Dinamarca) trabalhou como fotógrafo profissional no cenário musical desde sua adolescência, no final dos anos 60, até o início

Leia mais

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII CATEGORIA: EM

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

O Beat Beatles é um espetáculo musical que conta em detalhes a trajetória da banda mais importante de todos os tempo, os Beatles.

O Beat Beatles é um espetáculo musical que conta em detalhes a trajetória da banda mais importante de todos os tempo, os Beatles. The Beat Beatles www.beatbeatles.com.br A banda é formada por dois ex-integrantes da lendária banda Beatles 4ever. Fabio Colombini (John Lennon) e Ricardo Júnior (Paul McCartney) interpretaram juntos durante

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Os kits de John Bonham com o Led Zeppelin. Por Jorge Anielo

Os kits de John Bonham com o Led Zeppelin. Por Jorge Anielo Os kits de John Bonham com o Led Zeppelin Por Jorge Anielo Em meados de 1968, John Henry Bonham começa um legado que influenciaria muitos outros bateristas em todo o mundo com seu grandioso kit de bateria

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante?

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Do you know how to ask questions in English? Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Note que tanto

Leia mais

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação Conteúdos: Gêneros musicais: Rock Revisão Avaliação Habilidades: Valorizar as diversas culturas musicais, especialmente as brasileiras Habilidades: Reconhecer e utilizar com propriedade diversas técnicas

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS

UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS Bíblia para crianças apresenta UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Maillot; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br APRESENTAÇÃO www.radiomisturebaonline.com.br O que é a rádio MISTUREBA on-line? A rádio MISTUREBA on-line é voltada para divulgação sócio-cultural, musical e esportiva. cultural. A rádio MISTUREBA on-line

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais importantes que marcaram a trajetória da MPB nos últimos

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

PAPO DE HOMENS 24/08/2013 PALESTRA HOMENS - PORNOGRAFIA

PAPO DE HOMENS 24/08/2013 PALESTRA HOMENS - PORNOGRAFIA Sobre a Pornografia: O que é? De forma geral, podemos dizer que pornografia é a representação da nudez e do comportamento sexual humano com o objetivo de produzir excitamento sexual. Esta representação

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

estoril Saiba mais sobre as atrações!

estoril Saiba mais sobre as atrações! Realização A Petrúcio Maia chega à sua sétima edição em 2015 como um dos eventos mais importantes para a cena autoral de Fortaleza. A Mostra é uma homenagem a um dos maiores compositores cearenses! Saiba

Leia mais

Case Study. Realizado por: Guilherme Ramalho

Case Study. Realizado por: Guilherme Ramalho Case Study Realizado por: Guilherme Ramalho Breve História da Barbie Barbie foi criada por Ruth Handler e o seu marido Eliot em 1936 Nome é uma abreviatura de Bárbara Filha Ideia surgiu da mãe Ruth ao

Leia mais

Movimentos culturais. Contemporaneidade

Movimentos culturais. Contemporaneidade Movimentos culturais Contemporaneidade Nenhum outro acontecimento desde a Guerra da Secessão de 1861-65 provocou tamanha divisão na opinião pública norte-americana como o envolvimento dos Estados Unidos

Leia mais

Mas isso irá requerer uma abordagem pessoal, persistente, muita oração e uma ferramenta poderosa para nos ajudar a fazer isso!

Mas isso irá requerer uma abordagem pessoal, persistente, muita oração e uma ferramenta poderosa para nos ajudar a fazer isso! 2015 NOSSO CONTEXTO GLOBAL: Quase 3 bilhões de pessoas online Quase 2 bilhões de smartphones 33% de toda a atividade online é assistindo a vídeos BRAZIL: Mais de 78% dos jovens (15-29) usam internet. São

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o :. Leia os textos e responda às questões e. Texto Na Grécia Antiga, Aristóteles (384 a.c.-3 a.c.) já defendia a ideia de que o Universo

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Por favor, preencha os nomes e telefones das pessoas que você ama.

Por favor, preencha os nomes e telefones das pessoas que você ama. Nome Completo: Número RG: Nasc.: / / Idade: Endereço: Bairro: Telefone Casa: Celular: Trabalho: Estado Civil: [ ] Casado [ ] Solteiro [ ] Viúvo [ ] Divorciado [ ] Amasiado Sexo: [ ]Masculino [ ] Feminino

Leia mais

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música Texto: Sam Olukoya Redacção: Ulrich Neumann, Maja Dreyer Tradução: Madalena Sampaio 1 Voz para Intro e Outro (Voz 1) 1 Narrador (Voz

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

Design Gráfico Contemporâneo PSICODELISMO. Julio Cesar de Lira. Larissa Ribeiro de Sousa. Niara Rodrigues Freire Luz. Rodolfo dos Santos

Design Gráfico Contemporâneo PSICODELISMO. Julio Cesar de Lira. Larissa Ribeiro de Sousa. Niara Rodrigues Freire Luz. Rodolfo dos Santos Design Gráfico Contemporâneo PSICODELISMO Julio Cesar de Lira Larissa Ribeiro de Sousa Niara Rodrigues Freire Luz Rodolfo dos Santos Turma F - 6 semestre - Noturno Professora Cecília São Paulo 2011 HISTÓRIA

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch? Escalas - I Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=ek0phekndbu Sumário Introdução Escalas Musicais...0 Escala Pentatônica Menor Histórico

Leia mais

Mini e-book HUMANA ENSINAMENTOS AS PRÓXIMAS GERAÇÕES PARA ALICERÇAR OS APRENDIZAGEM ORIENTAR E INCENTIVAR RICAMENTE

Mini e-book HUMANA ENSINAMENTOS AS PRÓXIMAS GERAÇÕES PARA ALICERÇAR OS APRENDIZAGEM ORIENTAR E INCENTIVAR RICAMENTE APRENDIZAGEM HUMANA P o r R o b e r t a P i m e n t e l FUTURO ORIENTAR E INCENTIVAR RICAMENTE AS PRÓXIMAS GERAÇÕES Mini e-book PARA ALICERÇAR OS ENSINAMENTOS As universidades mais modernas já inserem

Leia mais

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor:

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor: Projeto ESCOLA SEM DROGAS Interpretando o texto Por trás das letras Nome: Escola: Série: Título: Autor: O que a capa do livro expressa para você? Capitulo 1 - Floresta Amazônia Por que a autora faz uma

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

O DEMÔNIO DE CADA UM DE NÓS A QUESTÃO DO BEM E DO MAL -O DIABO EXISTE REALMENTE?-

O DEMÔNIO DE CADA UM DE NÓS A QUESTÃO DO BEM E DO MAL -O DIABO EXISTE REALMENTE?- O DEMÔNIO DE CADA UM DE NÓS A QUESTÃO DO BEM E DO MAL -O DIABO EXISTE REALMENTE?- 1 2 O DEMÔNIO DE CADA UM DE NÓS A QUESTÃO DO BEM E DO MAL -O DIABO EXISTE REALMENTE?- Hideraldo Montenegro 3 Hideraldo

Leia mais

Apresentações Eletrônicas (Impress) Aula 01

Apresentações Eletrônicas (Impress) Aula 01 No Caderno Responda as Questões abaixo 1 O que é o OpenOffice Impress? Apresentações Eletrônicas (Impress) Aula 01 2 O OpenOffice Impress é semelhante a qual programa de apresentações eletrônicas utilizado

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER)

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER) REGÊNCIA DO ALÉM FADE IN SEQUÊNCIA # 01: CENA 01: EXT. IMAGENS DA CIDADE DE ARARAS DIA. Imagem do Obelisco da praça central da cidade, da igreja Matriz, Centro Cultural, rodoviária, Lago Municipal e cemitério.

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

é falar de músicas que existem para além, e apesar, da linguagem musical mais comercial e universal da música pop e rock de origem anglo-saxónica, é

é falar de músicas que existem para além, e apesar, da linguagem musical mais comercial e universal da música pop e rock de origem anglo-saxónica, é Í n d i c e Introdução... 5 Capítulo I: Europa... 11 Capítulo II: África... 47 Capítulo III: Américas... 77 Capítulo IV: Oceânia... 109 Capítulo V: Ásia... 113 Alguns sítios na Internet... 131 3 4 I n

Leia mais

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade Sugestões de atividades As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade 9 CIÊNCIAS 1 Ciências Naturais 1. Por que a Física é considerada uma ciência básica? 2. O que a Biologia estuda? 3. O que

Leia mais

Enóloga fala da participação das mulheres no mundo do vinho

Enóloga fala da participação das mulheres no mundo do vinho Enóloga fala da participação das mulheres no mundo do vinho Carlos Alberto Barbosa Susana Balbo esteve em São Paulo para conduzir a degustação do lançamento no Brasil da linha de vinhos Zohar Na quinta-feira,

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Um Site Sobre Viagens...

Um Site Sobre Viagens... Um Site Sobre Viagens... www.cidadaodoplaneta.com.br contato@cidadaodoplaneta.com.br @caiofochetto 2 HISTÓRICO...03 CURRÍCULO...04 MÍDIAS DO SITE...05 PUBLICIDADE...06 ESTATÍSTICAS DE ACESSO...07 DADOS

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos 25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos Intervenção da Deputada Municipal do PSD Célia Sousa Martins Senhora Presidente da Assembleia Municipal, Senhor Presidente da Câmara

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO CURE SEU IMPROVISO - MODOS GREGOS. Primeiramente, muito obrigado por apoiar meu trabalho e depois do grande sucesso

Leia mais

Gerações Y e Z: Juventude Digital. Geração Y (20 a 29 anos) Geração Z (12 a 19 anos) Target Group Index BrY11w1+w2 (Ago09-Jul10)

Gerações Y e Z: Juventude Digital. Geração Y (20 a 29 anos) Geração Z (12 a 19 anos) Target Group Index BrY11w1+w2 (Ago09-Jul10) Gerações Y e Z: Juventude Digital Quais são as gerações do Brasil? Geração Z 12 a 19 anos 11,6 milhões 18% 27% Baby Boomers acima de 46 anos 17,6 milhões 23% Geração Y 20 a 29 anos 15,3 milhões 32% Geração

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê Lição 14 Ezequiel Mede o Templo Restaurado (Ezequiel 40:1-42:20) Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê o templo restaurado. Nesta lição, vamos considerar alguns

Leia mais

UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO

UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO Bíblia para crianças apresenta UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Kerr; Sarah S. Traduzido por: Judith Menga Produzido

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

edirectory Plataforma ios / Android

edirectory Plataforma ios / Android edirectory Plataforma ios / Android Levando seu site ao próximo nível Conheça o novo aplicativo do edirectory. E seja bem vindo a revolução em aplicativos para Diretórios Online. Mobile Completamente reestruturado

Leia mais

Introdução. A educação ar0s2ca é essencial para o crescimento intelectual, social, 9sico e emocional das crianças e jovens.

Introdução. A educação ar0s2ca é essencial para o crescimento intelectual, social, 9sico e emocional das crianças e jovens. 1 Introdução A educação ar0s2ca é essencial para o crescimento intelectual, social, 9sico e emocional das crianças e jovens. (Ministério da Educação, Competências Essenciais do Ensino Básico, 2001) A educação

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Oi Lindona! Eu sou MILLA PADUA, Coach de Boa Forma

Oi Lindona! Eu sou MILLA PADUA, Coach de Boa Forma Oi Lindona! Eu sou MILLA PADUA, Coach de Boa Forma Eu mudei radicalmente o meu estilo de vida e conquistei o corpo que eu sempre sonhei após a maternidade. É isso aí! Tem gente que acha que depois dos

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Shusterman insere cultura pop na academia

Shusterman insere cultura pop na academia São Paulo, quinta, 21 de maio de 1998 Shusterman insere cultura pop na academia PATRICIA DECIA da Reportagem Local O filósofo americano leva a cultura pop à academia. Em "Vivendo a Arte - O Pensamento

Leia mais

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa.

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa. MÍDIA, IDENTIDADE CULTURAL E SOCIEDADE Viviane L Martins Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP Resumo Este artigo visa uma breve análise sobre o modo como a mídia interage com a sociedade de cultura.

Leia mais

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU NOME LUIS FILIPE PERTENCENTE A ALGUMA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL? ESTADO MUNICÍPIO RIO DE JANEIRO (RJ) NOVA FRIBURGO DESCRIÇÃO DO CASO QUALIFICAÇÃO SEXO MASCULINO IDADE 22 25 COR GRAU DE INSTRUÇÃO

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158.

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: MÉDIA: RESULTADO: %

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO IV A GRUPO IV B GRUPO IV C GRUPO IV

Leia mais

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL 1 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com) A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

Leia mais

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros Relatório do 3 Encontro de Empreendedores de Cultura Afrobrasileiros São Paulo, 23 de julho de 2011 1 Introdução: Este relatório é produto do 3 Encontro de artistas e empreendedores negros, que discutem

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M Mais que uma programação feita para ouvintes exigentes, a Mundo Livre FM ultrapassa a frequência do rádio e se estabelece como uma identidade conceitual. No ar há 7 anos,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais