BATTLE OF EVERMORE: HEDONISMO, AUTONOMIA E INSTITUCIONALIZAÇÃO DA CONTRACULTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BATTLE OF EVERMORE: HEDONISMO, AUTONOMIA E INSTITUCIONALIZAÇÃO DA CONTRACULTURA"

Transcrição

1 BATTLE OF EVERMORE: HEDONISMO, AUTONOMIA E INSTITUCIONALIZAÇÃO DA CONTRACULTURA Ricardo Sinigaglia Arruda (GECU Grupo de Estudos Culturais da Unesp/Formado pela UNESP-Franca) O quarto álbum da banda Led Zeppelin começou a ser gravado em dezembro de 1970 e foi lançado em oito de novembro de Ele é considerado o principal álbum da banda, ficando em primeiro lugar das paradas de sucesso após quinze dias de seu lançamento no Reino Unido e em segundo lugar nos Estados Unidos e estando entre os 40 primeiros das paradas de sucesso americana por três anos seguidos, além de vender 25 milhões de cópias. (WALL, 2009) O Led Zeppelin é considerado uma banda de rock da década de 1970, apesar de ter iniciado sua trajetória em 1968, alcançado o grande sucesso após o lançamento do Led Zeppelin IV e terminado em 1980 com a morte do baterista John Bonham. A banda contava ainda com Jimmy Page, guitarrista e produtor; Robert Plant, vocalista e John Paul Jones, baixista e tecladista. O rock, forma cultural 1 (MERHEB, 2012) na qual Led Zeppelin está inserido, é considerado a música da juventude contracultural da década de Como nos lembra Eric Hobsbawm (1989), o rock era a expressão sentimental de toda uma faixa etária, a juventude. Segundo David Simonelli (2013), o público jovem do rock era a contracultura hippie e esta música procurava expressar as mensagens políticas e sociais desta classe social, incluindo seus estados alterados de consciência, promovidos por drogas como o LSD. No entanto, durante a década de 1970, quando é lançado o Led Zeppelin IV, o que assistimos é o desaparecimento e/ou a institucionalização dessa contracultura dos anos (FRIEDLANDER, 2012) Durante os anos 1970, momento em que é lançado o álbum sem título do Led Zeppelin, a Students for Democratic Society (SDS), nos Estados Unidos, fragmentava-se em 1 Ao utilizar este termo, Rodrigo Merheb mostrou que não há padrões para definir o que é rock, pois há uma variedade de gêneros dentro do rock. Por conseguinte, não há forma de catalogar a música de forma rígida. Sendo assim, Merheb preferiu compreender o rock mais como forma cultural do que gênero musical. 1

2 grupos, saindo dela, por exemplo, três grupos maoístas que brigavam pelo poder; as feministas, tanto nos Estados Unidos como na Inglaterra separavam-se dos homens hippies, acusando estes de machismo e os homossexuais, nos EUA, também criticavam a contracultura, vendo-a como homofóbica. Por fim, a década marca o fim das greves estudantis americanas e a subida da neoliberal Margareth Thatcher ao poder na Inglaterra. (GOFFMAN & JOY, 2007; ALI, 2008) Segundo Ken Goffman & Dan Joy (2007), durante os anos 1970, quando a contracultura se fragmentava até desaparecer, os jovens hippies ainda vestiam suas roupas, porém eles já não fariam mais a revolução da noite para o dia, pois a Liberdade se transformou em liberdade pessoal, libertação da opressão se tornou libertação da repressão sexual, a busca democrática de igualdade e liberdade de associação virou uma busca individualista por uma promiscuidade sem culpas (GOFFMAN; JOY, 2007 p. 343) Os jovens já não mais usavam o LSD como forma de síntese cultural e escapismo, com a revolução da década de 1960 morta, eles eram viciados em busca de saciar o vício em heroína e outras drogas, como a cocaína. Como lembra Goffman e Joy (2007, p. 346) O bêbado, maconheiro, cheirador, adúltero, rufião drogado que tinha uma imagem romântica, e a ilegalidade das populares substâncias adulteradora da mente permitia a esses comerciantes sustentarem uma sensação de bravata revolucionário muito depois do momento político ter passado. Nos Estados Unidos, enquanto o presidente Gerald Ford viu os últimos soldados voltarem do Vietnã, o seu filho Jack fumava maconha na Casa Branca; George Harrison e Billy Preston apertavam as mãos do presidente. Neste momento, Timothy Leary declarou: A guerra de gerações acabou. (LEARY apud GOFFMAN; JOY, 2007, p ) Muitos contraculturalistas também fariam parte dos governos liberais instituídos, não só nos Estados Unidos, mas também em países como França e Inglaterra. (GOFFMAN; JOY, 2007; ALI, 2008) Neste cenário em que o Led Zeppelin IV foi lançado, o rock, assim como seu público contracultural, também passava por transformações. Alguns membros da Nova Esquerda e 2

3 dos Panteras Negras foram presos, como Huey Newton e John Sinclair. Assim como os protestos que não eram mais contra a Guerra, mas favoráveis à libertação de contraculturalistas, a música de Lennon e Dylan agora era favorável a soltar os líderes da contracultura. Ou seja, os sonhos de mudanças já não existiam mais. (GOFFMAN; JOY, 2007) Por outro lado, a maior parte dos hippies da década de 1970 viam o rock, agora feito também por Deep Purple e Aerosmith, como um gênero musical, para usar os termos de Ken Goffman e de Dan Joy (2008, p. 343), vulgar e banal. O hard rock e o heavy metal, segundo Paul Friedlander (2012), tornaram-se fórmulas do sucesso comercial de bandas, sendo o gênero mais comercial dos anos Em oposição à contracultura e seu questionamento acerca do sucesso comercial, como mostra David Simonelli (2013, p. 181) Jon Lord, tecladista do Deep Purple, banda de hard rock britânica, declarou: After all it is a young music and rock is running in danger of being over intellectualised and analysed. Its basic function is to entertain. If it gets over analysed it will die a painful death 2. Ou seja, o rock estava esvaziado de seu significado e passou a ser uma fórmula, perdendo suas possibilidades criativas de antes, dadas pelo seu caráter contracultural e psicodélico. Neste momento de transição, uma subcultura patrocinada por Andy Warhol e crítica ao rock surgiu no Estados Unidos: o glam rock, que tinha David Bowie como principal representante. Se o rock fazia longas jams, o glam prezava pela música de sucesso de três ou quatro minutos; se os hippies usavam roupas simples, os músicos do glam embarcavam na crescente cultura gay e na androgenia e exageravam na maquiagem; se o capitalismo era decadente, para o glam, o capitalismo era louvável. Apesar de marcar uma crítica ao rock, o glam rock foi uma subcultura marcada por posturas niilistas e suicidas e as ambições desse gênero eram as mesmas do rock and roll do início dos anos 1960: o sucesso comercial. (GOFFMAN, 2007) Sendo assim, o projeto de banda de Jimmy Page era explorar os anos 1970, como ele deixa expresso em entrevista para Brad Tolinski (2012, p. 117): Nosso negócio era o seguinte: que se danem os anos 1960! Vamos desbravar uma nova década... Era essa a nossa missão. Por conseguinte, o Led Zeppelin é interpretado de várias formas devido a sua forma 2 Em tradução livre: Depois de tudo, ele é uma música jovem e o rock está correndo perigo de ser super intelectualizado e analisado. Sua função básica é entreter. Se ele for super analisado, morrerá uma morte dolorosa. 3

4 musical. David Simonelli (2013) percebe a banda como o ponto culminante dos desenvolvimentos musicais dos anos 1960 e a representante da futura música da década de Como este autor coloca: They appealed to working-class and middle-class audiences; their music varied between the R&B of heavy metal and the Romantic artistic indulgence of progressive rock, between the hypertrophied masculinity of rock and the delicacy of folk rock. (...) The lyrics of singer Robert Plant and guitarist Jimmy Page were laden with images from ancient Celtic and Norse history and mythology, medievalism, fantasy, mysticism and magic. 3 (SIMONELLI, 2013, p.177) Neste sentido, o Led Zeppelin seria a banda mais Romântica, em uma concepção hippie, da década de 1970, atendendo, inclusive, aos padrões musicais exigidos pelos contraculturalistas. No entanto, a banda expunha o lado oculto da contracultura que era o comercialismo e a banda de Jimmy Page era isso: comercial e exportável, o que significa a morte de qualquer revolução da contracultura, pois esta negava algo feito para o sucesso comercial. (SIMONELLI, 2013). Mikail Gilmore (2010) vê o Led Zeppelin sem os interesses Românticos e políticos da contracultura dos anos 1960, mas como a banda que tem uma capacidade técnica maior do que as bandas deste período, sendo, portanto, a banda que sintetiza os anos Paul Friedlander (2012) coloca a banda de Page como aquela que solidifica a vertente do rock iniciada por Cream, Hendrix e The Who, mas que tinha prazer e dinheiro como objetivos finais, seu lema era o sexo, drogas e rock n roll. Portanto, para Friedlander (2012), o Led Zeppelin foi uma banda que careceu da veracidade emocional dos músicos dos anos 1960 e foi pioneira no hard rock e heavy metal, tendo faixas acústicas apenas como forma de versatilidade ao modelo padrão. Para este autor, se Plant era a Janis Joplin de calças, (...) a versatilidade de Page na guitarra atingia extremos musicais do blues ao estilo de Clapton (...) a uma versão pastiche do som envolvente de Hendrix. 3 Em tradução livre: Eles atraiam o público da classe trabalhadora e da classe-média; sua música variava entre o R&B do heavy metal e a indulgência artística romântica do rock progressivo, entre a masculinidade hipertrofiada do rock e a delicadeza do folk rock (...) As letras do cantor Robert Plant e do guitarrista Jimmy Page eram carregadas de imagens da história e mitologia, medievalismo, fantasia, misticismo e mágica da antiguidade Celta e Nórdica. 4

5 (FRIEDLANDER, 2012, p ) Além disso, Friedlander mostra que Jimmy Page achava que (...) alguns dos chamados grupos progressivos foram longe demais com seu intelectualismo personalizado da beat music. Nossa música era essencialmente emoção, como os velhos astros do rock...nós não iríamos fazer qualquer tipo de discurso político ou moral. (PAGE apud FRIEDLANDER, 2012, p. 337) O autor analisa a frase de Jimmy Page como algo que não leva em consideração as gerações anteriores do rock e a interpretação que o público tinha sobre a estética antiautoritária, portanto política, que existia nos anos anteriores. Friedlander (2012) também critica Page por não perceber que sua música também carregava um sentido estético moral e político. De outra forma, Susan Fast (2001) coloca que entender o Led Zeppelin como uma banda de heavy metal é algo reducionista, devido a diversidade musical da banda, que apresenta o reggae (D yer Maker) e o country (Hot Dog) entre suas músicas, que vai do folk acústico e elétrico ao blues. Segundo Fast (2001), o maior pecado da banda foi ter um grande sucesso comercial, pois era vista como algo fora do complexo hippie e o segundo foi ter um som extremamente alto. Além disso, discordando de Friedlander (2012), o Led Zeppelin era algo inovador, como coloca a autora: The Who might be comparable in terms of theatrics but certainly not in sound. Hendrix come closest in both sound and theatrically of his performances, but he was black and therefore sanctioned by the largely White rock press to engage in emotional and sexual hyperbole. 4 (FAST, 2001, p. 6) E, no seu primeiro capítulo, a autora compreende que o Led Zeppelin relaciona-se com a contracultura dos anos 1960, pois, em primeiro lugar a banda faz uso da experimentação musical, como usar o arco de violino em Dazed and Confused; depois, a banda utiliza-se da literatura fantástica, do gnosticismo e temas espirituais em suas letras, que relacionado ao som, traz a ideia da experiência com drogas psicodélicas. (FAST, 2001) John Milward (2013), 4 Em tradução livre: O The Who talvez comparava-se em termos de comportamento, mas certamente, não em sonoridade. Hendrix aproximava-se em ambos, som e teatralidade de suas performances, mas ele era negro e portanto sancionado pela grande imprensa branca do rock para engajar-se em uma hipérbole emocional e sexual. 5

6 já compreende o Led Zeppelin através do blues. Milward (2013) preocupa-se em mostrar as novas interpretações que a banda fez de antigos blues, ainda que tenham sido acusados de plágio. O autor coloca que isso só foi possível porque Jimmy Page, que era também produtor, possuía todo controle artístico em suas mãos. Além disso, Milward (2013) compara brevemente o fato de que as mitologias por trás da banda, como a de Page ter pacto com o diabo, lembra as lendas que cercavam antigos bluesmen, como Robert Johnson, por exemplo. Além de ser uma banda dos anos 1970, o Led Zeppelin também apresentava outra característica, que era parte do projeto de Jimmy Page: a banda não teria rótulos. Jimmy Page queria usar as estéticas do blues, do rock and roll, do folk e da música oriental. O Led Zeppelin atravessava tudo. (WALL, 2009). A variedade de som da banda foi colocada, então, no formato álbum, que tinha como suporte, o Long Play (LP). A partir do ano de 1968, quando a banda projetada por Jimmy Page iniciou sua carreira, na Inglaterra, os álbuns venderam mais do que os singles. O Cream lançou Wheels of fire; o Pink Floyd, Saucerful of secrets e os Beatles lançaram o álbum que ficou conhecido como White Album. E, segundo Mick Wall (2009, p. 67), esse era o cenário ricamente multifacetado no qual Jimmy Page estava determinado a fazer com que sua nova música fosse notada. Lembramos ainda que, após 1967, quando os Beatles lançaram o álbum Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band, o formato álbum passou a ser o oposto ao rock and roll comercial e, por exigência de seu público contracultural, deveria ser usado como o formato oposto ao comercialismo da música pop de três minutos, que era possível no suporte do disco de vinil de 45 rpm, utilizado até então no rock como garantia de sucesso comercial. (SIMONELLI, 2013) Nesse momento, o disco de vinil 33 1/3 rpm permitiu que o compositor fosse também o artista do álbum. Como coloca Marcia Tosta Dias, o LP (...) traz consigo uma mudança profunda nos rumos da produção, uma vez que torna o artista mais importante que o disco. É o tempo do trabalho de autor, quando são oferecidas condições para que alguns desenvolvam um trabalho que não poderia ser feito em compacto, mesmo que duplo. O LP é o formato apropriado para uma postura estratégica diferenciada, adotada pela indústria fonográfica mundial. (DIAS, 2000, p. 57) 6

7 O Long Play, dessa forma, permitiu aos artistas a possibilidade de fazer álbuns conceituais, autorais e, no caso do rock, ópera rock, permitindo a adoção de uma estratégia diferenciada pela indústria fonográfica mundial, já que ao invés de ter compositor e intérprete contratados na gravadora, o próprio compositor era intérprete e isso barateava os custos e, assim, os lucros eram maiores, pois os artistas vendiam com mais regularidade, já que tinham mais possibilidade de fazer sucesso. As gravadoras não precisavam mais investir no grande sucesso. (DIAS, 2012) Levando estas inovações e contexto em consideração, o Led Zeppelin IV foi produzido e tornou a banda o carro chefe da década de 1970 (FRIEDLANDER, 2012). O álbum foi gravado em dois locais, em Headley Grange, um antigo asilo e no Island Studios. Em resumo, quando o som do instrumento ficava melhor na acústica de Headley, de acordo com a opinião de Page, então permanecia o som gravado na casa, quando exigia um espaço fechado, então, gravaram no estúdio. O álbum apresentou a variedade musical do rock, passando pelo blues e pelo folk. Paul Friedlander (2012) analisou o Led Zeppelin IV como um pastiche: Rock and roll era uma imitação de Berry, Black dog trazia riffs já muito usado por rockers e Stairway to heaven estava subdividida em três níveis rítmicos como Behind blue eyes do The Who. Por outro lado, Mikal Gilmore (2010, p. 347) coloca que o quarto álbum do Led Zeppelin mostrou uma maior consistência da banda ao combinar sons e temas, sendo uma obra-prima do rock. Além disso, Gilmore (2010) coloca que este álbum é responsável por expandir o uso de mitos utilizados pela banda, aprofundando a fantasia, história e terror em Battle of evermore, uma canção baseada no Senhor dos Anéis ou sugerindo a esperança espiritual compartilhada em Stairway to heaven. Susan Fast (2001, p. 70), por outro lado, entende que o Led Zeppelin IV é o documento histórico que mais criou uma mitologia ao redor da banda. Logo, quanto menos informações aparecem sobre o Led Zeppelin, mais curiosidade o público da banda terá e procurará preencher esse espaço com mais informações sobre os músicos, criando o mito ao redor do projeto de Page. Essa criação mitológica também estaria conectada ao uso de simbologias espirituais presentes na capa ou nas canções do álbum, já que o público também buscaria preencher essa falta de informação. (FAST, 2001). 7

8 Outro elemento que levanta debate sobre o álbum é sua capa, já que nenhuma informação sobre a banda ou a gravadora apareceram na capa. Este aspecto seria um suicídio profissional para a Atlantic, segundo Tolinski (2012). No entanto, Peter Grant e Jimmy Page convenceram a gravadora a ter a capa sem informações diretas sobre a banda. (WELCH, 2002; FRIEDLANDER, 2012) A ideia de não ter dados sobre a banda viria do fato de que Jimmy Page queria que a música falasse por si só, já que a imprensa acusava a gravadora de superpromover o Led Zeppelin e havia criticado de forma negativa os três álbuns anteriores. (WALL, 2009; FRIEDLANDER, 2012) A revista americana Rolling Stone, por exemplo, através de seu crítico Lester Bangs, escreveu sobre a música do Led Zeppelin: Their music is as ephemeral as Marvel comix, and as vivid as an old Technocolor cartoon 5 (BANGS, 1970, p 34). A revista ainda escreveu sobre o Led Zeppelin III: (...)In fact, when I first heard the album my main impression was the consistent anonymity of most of the songs no one could mistake the band, but no gimmicks stand out with any special outrageousness, as did the great, gleefully absurd Orangutang Plant-cum-wheezing guitar freak-out that made "Whole Lotta Love" such a pulp classic. (BANGS, 1970, p. 34) 6 Segundo Mick Wall (2009, p. 241), nas críticas sobre o Led Zeppelin III (...) os mesmos críticos que antes os atacavam por serem mascates superficiais de clichês barulhentos agora os acusavam de tentar minar essa percepção por não repetir o truque, já que a banda optou por ter mais músicas acústicas neste álbum. Robert Godwin (2003) revela que a revista Disc entende que o Led Zeppelin carece da excitação que apresenta no álbum anterior devido aos seus números acústicos. A Melody Maker, por outro lado, deixa que Jimmy Page faça a crítica em cada música. (Godwin, 2003) 5 Em tradução livre: Sua música é tão efêmera quanto Marvel comix, e tão vívida quanto um desenho animado à cores. 6 Em tradução livre: De fato, a primeira vez que ouvi o álbum, minha principal impressão foi de um anonimato consistente da maioria dos sons nenhum poderia errar a banda, mas nenhum truque destaca-se com algo estranhamente especial como fez o grande, brilhante Orangotango-gozador-chiador Plant e a guitarra freak-out que fez de Wholle Lotta Love um clássico ruim. 8

9 A capa apresentava a foto de um eremita com feixe de galhos carregado nas costas, sendo um quadro preso a uma parede de papel descascando. Quando aberta a capa, vê-se prédios em Eve Hill, em Dudley, símbolo da modernidade dos anos 1970 inglesa. (...) No lado de dentro da capa, um desenho feito por um amigo com lápis de tinta dourada, de outro eremita, uma figura muito próxima do ocultismo, dessa vez em cima de uma montanha íngreme, seu bastão ou vara mágica em uma das mãos, uma lanterna na outra, o rosto voltado diretamente para a minúscula figura de um jovem com um dos joelhos dobrados, os braços abertos em sinal de súplica, e além dele o caminho em ziguezague que ele pegou para sair de sua casa nessa pequena cidade, distante, com a igreja e seu indistinto campanário. (WALL, 2009, p. 305) A imagem do eremita com a lanterna quando colocada diante de um espelho, mostra a figura de um cão de duas cabeças, imagem muito próxima a de Cérbero 7, que possuí três cabeças. O disco de vinil original vinha dentro de um envelope marrom, que possuía a letra, em formato Studio de uma revista do século XIX, de Stairway to heaven e a foto de, provavelmente, John Dee, mágico e astrólogo da corte de Elizabeth I. Do outro lado do envelope, havia ainda quatro símbolos no alto da página, sendo que cada um representava um membro da banda. (WALL, 2009) Os eremitas que aparecem são imagens que aparecem no tarô. Eles são aqueles que, segundo Susan Fast (2001), são guardiões de conselhos e carregam a luz da verdade. Por outro lado, Mick Wall (2009) coloca que o eremita é o nível superior OTO 8 (Ordo Templi Orients), ordem criada por Aleister Crowley, que foi estudado por Jimmy Page. Na interpretação de Crowley, o eremita é aquele que guia as almas pelas regiões espirituais mais baixas, ele carrega um bastão em forma de serpente e atrás dele está Cérbero, que ele domesticou. Logo, para Crowley, tanto eremita quanto Mago eram luzes que guiavam e este era como John Dee era chamado. Além disso, segundo Mick Wall (2009), este astrólogo serviu de referência para que Crowley criasse sua magia enoquiana. Por fim, os símbolos de Page e Plant, no alto do envelope marrom, foram desenhados pelos dois músicos. O símbolo 7 Cérbero é um personagem da mitologia grega, filho de Equidna e Tifón. Ele possui três cabeças de cachorro, calda de dragão e lombo com cabeças de repteis. Mais informações podem ser encontradas em: CHEVALIER, Jean. Dicionario de los símbolos religiosos. Barcelona: Editorial Herder, Do oitavo ao décimo grau dentro da OTO, os indivíduos são considerados Eremitas. 9

10 de Page, que parece a palavra Zoso, ainda permanece um mistério, enquanto o de Plant significa, segundo o cantor, todas as filosofias reunidas. No entanto, este símbolo é também o da Ma at, deusa egípcia da justiça e pode ser encontrado no livro The Sacred Symbols of Mu. Já os símbolos de Jones e Bonham foram tirados do livro The Books of Signs de Rudolph Koch. Respectivamente, o círculo com três vesica piscis simbolizava confiança e competência, sendo também um símbolo rosa cruz e os três símbolos interligados significa a tríade egípcia Isis, Hórus e Osíris, que lembrava a importância da família para o baterista. Por fim, havia um símbolo para Sandy Denny, que participou em Battle of evermore. Frente às diversas interpretações expostas, percebemos que há um problema ainda não colocado nas análises sobre o Led Zeppelin IV, que é um estudo centrado no álbum, ainda que tenhamos capítulos de livros, sites ou livros jornalísticos que se preocupem com o tema. Logo, a primeira proposta é centrar em uma análise sobre o álbum sem título do Led Zeppelin. Além disso, percebemos que o Led Zeppelin e o álbum em questão não estão conectados a nenhum dos movimentos da década de 1970 já citados, como o glam rock; o rock de Lennon e Dylan que protestava para que membros da Nova Esquerda fossem libertos ou rock para entretenimento (pop music), como o do Deep Purple ou Aerosmith, já que preserva as características da década anterior, período em que o rock possuía inúmeras variações, que passava pelo blues, pelo folk e a música oriental. Logo, se o álbum não se encaixa em nenhuma destas vertentes, colocamos como hipótese de trabalho que o guitarrista e produtor, Jimmy Page, criou sua arte, que envolve não só a sonoridade, mas a capa do álbum em questão, a partir do hedonismo contracultural existente nos anos 1970, herdeiro da moda da contracultura dos anos 1960, mas já despida de seu significado político. Podemos perceber a existência desta sociedade contracultural dos anos 1970 a partir das análises de Ken Goffman e Dan Joy (2007). Além destes dois autores, David Simonelli (2013) coloca que o Led Zeppelin era adulto, masculino, artístico e profissional, produzindo música psicodélica, como exigia a contracultura da década de 1960, no entanto, era comercial, matando qualquer tipo de rebelião contracultural. Todavia, Simonelli não explora como foi possível à banda de Jimmy Page dar continuidade à sonoridade contracultural ou mesmo à sua simbologia. Neste caso, a simbologia que perpassa a capa ou temas nas canções são, também, questões presentes 10

11 nos anos 1960, como a obra de Tolkien, que era uma Bíblia para os hippies, segundo Simonelli (2013). Estes usos de literatura fantástica que a contracultura dos anos 1960 lia e interpretava e que a banda usa no Led Zeppelin IV são pistas que podem demonstrar de qual sociedade o Led Zeppelin fala, o que também se aplica às simbologias religiosas na capa do álbum. Neste sentido, supomos que a banda tenha se ligado a contracultura hedonista para conseguir produzir com certa autonomia, ainda que este segmento não tivesse a mesma preocupação política de outros tempos, a de revolucionar o coletivo. Pois como já colocado, a revolução não aconteceria mais e a liberdade coletiva tornou-se liberdade individual. (GOFFMAN;JOY, 2007) Por fim, chamamos atenção para o fato de que este trabalho compõe um projeto a ser desenvolvido, com hipóteses e métodos de trabalho definidos, porém com inúmeras questões que ainda precisam ser respondidas. Todavia, ainda que consigamos responder ao questionamento colocado, temos a certeza de que não daremos todas as respostas possíveis sobre o Led Zeppelin IV ou sobre a banda produtora de tal álbum. Por conseguinte, esclarecemos que é possível trabalhar acerca deste questionamento e que podemos contribuir para um novo tipo de conhecimento sobre a relação da arte com a sociedade dos anos BIBLIOGRAFIA ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, ADORNO, T. O fetichismo da música e a regressão da audição. ADORNO, Theodor. Os pensadores. São Paulo: Editora Nova Cultural, pp ALI, T. O poder das barricadas: uma autobiografia sobre os anos 60. São Paulo: Boitempo, BARNEY, Hoskyns. Led Zeppelin IV. New York: St. Martins Press, CHEVALIER, Jean. Dicionario de los símbolos religiosos. Barcelona: Editorial Herder, CUMMING, D. Led Zeppelin and Carlo Domeniconi: Truth without authenticity. Tese. Montreal: McGill University,

12 DAVIS, S. The hammer of the gods: The Led Zeppelin saga. New York: Berkley Publishing Group, DIAS, M. T. Sobre a mundialização da indústria fonográfica Brasil: anos Dissertação. SP: UNICAMP-Campinas, Quando o todo era mais do que a soma das partes: álbuns, singles e os rumos da música gravada. In: Revista Observatório Itaú Cultural. São Paulo: Iatú Cultural, nº 13, p FAST, Susan. In the houses of the holy: Led Zeppelin and the power of rock music. New York and London: Oxford University Press, FENERICK, J. A.; MARQUIONI, C. E. Sgt. Pepper s Lonely Hearts Club Band: uma colagem de sons e imagens. In: Fênix: Revista de História e Estudos Culturais, vol.5, ano V, nº 1, FRIEDLANDER, P. Rock and roll: Uma história social. Rio de Janeiro: Record, º edição. FYFE, A. When the levee breaks: the making of Led Zeppelin IV. Chicago: An a Capella Books, S, Gabriel. Stairway to heaven: por que é o melhor rock já escrito? Em: <http://rockplayers.wordpress.com/2012/07/11/stairway-to-heaven-por-que-e-o-melhor-rock-jaescrito/>. Acessado em 08 dezembro 2014 às 21:35 GILMORE, M. Ponto final: Crônicas sobre os anos 1960 e suas desilusões. São Paulo: Companhia das letras, GODWIN, Robert. The making of Led Zeppelin IV. Estados Unidos: Independent Publishe, GOFFMAN, K.; JOY, D. Contracultura através dos tempos: do mito de prometeu à cultura digital. Rio de Janeiro: Ediouro, HEADLAM, D. Does the song remains the same? Questions of authorship and identification in the music of Led Zeppelin. In: MARVIN, E. W.; HERMANN, R. Concert music, rock and jazz. Rochester: Rochester: University of Rochester Press, HOBSBAWM, E. História social do jazz. São Paulo: Paz e Terra, MACAN, E. Rocking the classics: English progressive rock and the counterculture. New York/Oxford: Oxford University Press, MEDEIROS, Joao Paulo. Led Zeppelin IV. <http://cafecomexpressao.blogspot.com.br/2012/12/ledzeppelin-iv.html> Acessado em 09 dezembro 2014 às 10:00. MERHEB, R. O som da revolução: Uma história cultural do rock, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, MILWARD, J. Crossroads: how the blues shaped rock n roll (and rock saved the blues). New Hampshire: University Press of New England,

13 NAPOLITANO, M. Fontes audiovisuais: A História depois do papel. In: PINSKY, C. B. Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2010, p º edição. PERONE, J. Music of the counterculture era. Connecticut: Greenwood Press, SIMONELLI, D. Working Class Heroes: Rock Music and British society in the 1960s and 1970s. Plymouth: Lexington Books: WALL, M. Led Zeppelin: Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra. São Paulo: Lafonte, WELCH, C. Peter Grant: the man who Led Zeppelin. London: Omnibus Press, DISCOGRAFIA Led Zeppelin IV. New York: Atlantic. CD (remasterização do LP 1971), FONTES GODWIN, R. Led Zeppelin: The Press Reports... Ontario: Robert Goldwin, KAYE, L. Led Zeppelin IV. Rolling Stone. Estados Unidos, 23 dez BANGS, L. Led Zeppelin III. Rolling Stone. Estados Unidos 26 nov TOLINSKI, B. Luz e Sombra: Conversas com Jimmy Page. São Paulo: Globo, WARNER CHAPPELL MUSIC. Led Zeppelin 4th álbum: Off the record. Essex: Internationnal Music Publications, s/d. 13

A fotografia de Jørgen Angel

A fotografia de Jørgen Angel A fotografia de Jørgen Angel Jørgen Angel (nascido em 1951, em Copenhagen na Dinamarca) trabalhou como fotógrafo profissional no cenário musical desde sua adolescência, no final dos anos 60, até o início

Leia mais

O Beat Beatles é um espetáculo musical que conta em detalhes a trajetória da banda mais importante de todos os tempo, os Beatles.

O Beat Beatles é um espetáculo musical que conta em detalhes a trajetória da banda mais importante de todos os tempo, os Beatles. The Beat Beatles www.beatbeatles.com.br A banda é formada por dois ex-integrantes da lendária banda Beatles 4ever. Fabio Colombini (John Lennon) e Ricardo Júnior (Paul McCartney) interpretaram juntos durante

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

estoril Saiba mais sobre as atrações!

estoril Saiba mais sobre as atrações! Realização A Petrúcio Maia chega à sua sétima edição em 2015 como um dos eventos mais importantes para a cena autoral de Fortaleza. A Mostra é uma homenagem a um dos maiores compositores cearenses! Saiba

Leia mais

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL 1 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com) A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

Leia mais

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação Conteúdos: Gêneros musicais: Rock Revisão Avaliação Habilidades: Valorizar as diversas culturas musicais, especialmente as brasileiras Habilidades: Reconhecer e utilizar com propriedade diversas técnicas

Leia mais

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII CATEGORIA: EM

Leia mais

Os kits de John Bonham com o Led Zeppelin. Por Jorge Anielo

Os kits de John Bonham com o Led Zeppelin. Por Jorge Anielo Os kits de John Bonham com o Led Zeppelin Por Jorge Anielo Em meados de 1968, John Henry Bonham começa um legado que influenciaria muitos outros bateristas em todo o mundo com seu grandioso kit de bateria

Leia mais

TIME FOR FUN TRAZ ROBERT PLANT, ST. VINCENT, FOSTER THE PEOPLE E BASTILLE, ATRAÇÕES DO LOLLAPALOOZA

TIME FOR FUN TRAZ ROBERT PLANT, ST. VINCENT, FOSTER THE PEOPLE E BASTILLE, ATRAÇÕES DO LOLLAPALOOZA TIME FOR FUN TRAZ ROBERT PLANT, ST. VINCENT, FOSTER THE PEOPLE E BASTILLE, ATRAÇÕES DO LOLLAPALOOZA Enviado por BENEDITA COMUNICAÇÃO 13-Jan-2015 PQN - O Portal da Comunicação BENEDITA COMUNICAÇÃO - 13/01/2015

Leia mais

A Banda. Beatlemania formada há 8 anos, surgiu de encontros de músicos experientes e, acima de tudo, admiradores da obra dos Beatles.

A Banda. Beatlemania formada há 8 anos, surgiu de encontros de músicos experientes e, acima de tudo, admiradores da obra dos Beatles. RELEASE A Banda Beatlemania formada há 8 anos, surgiu de encontros de músicos experientes e, acima de tudo, admiradores da obra dos Beatles. A Música dos Beatles Carrega fortes mensagens de paz e amor

Leia mais

Movimentos culturais. Contemporaneidade

Movimentos culturais. Contemporaneidade Movimentos culturais Contemporaneidade Nenhum outro acontecimento desde a Guerra da Secessão de 1861-65 provocou tamanha divisão na opinião pública norte-americana como o envolvimento dos Estados Unidos

Leia mais

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante?

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Do you know how to ask questions in English? Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Note que tanto

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

MANIFESTAÇÕES CONTRACULTURAIS NA DECADA DE 1970: A SOCIEDADE ALTERNATIVA DE RAUL SEIXAS *

MANIFESTAÇÕES CONTRACULTURAIS NA DECADA DE 1970: A SOCIEDADE ALTERNATIVA DE RAUL SEIXAS * MANIFESTAÇÕES CONTRACULTURAIS NA DECADA DE 1970: A SOCIEDADE ALTERNATIVA DE RAUL SEIXAS * MORAES, Átila A. ** A contracultura surge no mundo com uma fonte inovadora de manifestações para os jovens que

Leia mais

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch? Escalas - I Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=ek0phekndbu Sumário Introdução Escalas Musicais...0 Escala Pentatônica Menor Histórico

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

Design Gráfico Contemporâneo PSICODELISMO. Julio Cesar de Lira. Larissa Ribeiro de Sousa. Niara Rodrigues Freire Luz. Rodolfo dos Santos

Design Gráfico Contemporâneo PSICODELISMO. Julio Cesar de Lira. Larissa Ribeiro de Sousa. Niara Rodrigues Freire Luz. Rodolfo dos Santos Design Gráfico Contemporâneo PSICODELISMO Julio Cesar de Lira Larissa Ribeiro de Sousa Niara Rodrigues Freire Luz Rodolfo dos Santos Turma F - 6 semestre - Noturno Professora Cecília São Paulo 2011 HISTÓRIA

Leia mais

TIME FOR FUN ANUNCIA SHOWS NO BRASIL DO G3, TRIO DE GUITARRISTAS FORMADO POR JOE SATRIANI, JOHN PETRUCCI E STEVE MORSE

TIME FOR FUN ANUNCIA SHOWS NO BRASIL DO G3, TRIO DE GUITARRISTAS FORMADO POR JOE SATRIANI, JOHN PETRUCCI E STEVE MORSE TIME FOR FUN ANUNCIA SHOWS NO BRASIL DO G3, TRIO DE GUITARRISTAS FORMADO POR JOE SATRIANI, JOHN PETRUCCI E STEVE MORSE Apresentações acontecem em outubro no Rio de Janeiro, dia 11 e em São Paulo, dia 12

Leia mais

A MAGIA NEGRA NÃO É UM MITO i

A MAGIA NEGRA NÃO É UM MITO i 1 A Magia Negra Não é um Mito A MAGIA NEGRA NÃO É UM MITO i por Aleister Crowley Aleister Crowley O Pior Homem do Mundo The London Sunday Dispatch, 2 de Julho de 1933 A magia negra não é um mito. É uma

Leia mais

JUVENTUDE PERDIDA: METAL, CONSERVADORISMO E PRECONCEITO NA DÉCADA DE 1980. Palavras-chaves: heavy metal, juventude, conservadorismo.

JUVENTUDE PERDIDA: METAL, CONSERVADORISMO E PRECONCEITO NA DÉCADA DE 1980. Palavras-chaves: heavy metal, juventude, conservadorismo. JUVENTUDE PERDIDA: METAL, CONSERVADORISMO E PRECONCEITO NA DÉCADA DE 1980 Reubert Marques Pacheco Universidade Federal de Goiás/ Campus Catalão (Aluno graduação) Orientadora: Profa. Dra. Márcia Pereira

Leia mais

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música Texto: Sam Olukoya Redacção: Ulrich Neumann, Maja Dreyer Tradução: Madalena Sampaio 1 Voz para Intro e Outro (Voz 1) 1 Narrador (Voz

Leia mais

Mercado Fonográfico Brasileiro 2009

Mercado Fonográfico Brasileiro 2009 Apresentação O relatório anual da ABPD - Associação Brasileira dos Produtores de Discos, intitulado Mercado Brasileiro de Música 2009 mais uma vez objetiva o desenvolvimento do setor e o melhor conhecimento

Leia mais

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Joel Jessen Traduzido para o Português do Brasil por Guita R. Herman a partir da versão inglesa

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

20º Cultura Inglesa Festival apresenta exposição gratuita British Invasion Experience - um Passeio Histórico pela Música Britânica

20º Cultura Inglesa Festival apresenta exposição gratuita British Invasion Experience - um Passeio Histórico pela Música Britânica 20º Cultura Inglesa Festival apresenta exposição gratuita British Invasion Experience - um Passeio Histórico pela Música Britânica Exposição fica em cartaz de 26 de maio a 12 de junho no Centro Cultural

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock POUCA E BOAS DA MARI - Max, você, o Sté e o Carlinhos tocam juntos desde 2003. Em 2005, o Thiago entrou na banda, foi quando surgiu

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

COLETÂNEA: VANGUARDA DO ROCK PAULISTA ANOS 80. Pré-Projeto de desenvolvimento da marca e do produto

COLETÂNEA: VANGUARDA DO ROCK PAULISTA ANOS 80. Pré-Projeto de desenvolvimento da marca e do produto COLETÂNEA: VANGUARDA DO ROCK PAULISTA ANOS 80 Pré-Projeto de desenvolvimento da marca e do produto Banda Mercenárias Um dos destaques da Coletânea Vanguarda do Rock Paulista São Paulo SP 17/05/1996 SUMÁRIO

Leia mais

ROCK NA SALA DE AULA: A MÚSICA COMO INSTRUMENTO METODOLÓGICO NAS AULAS DE HISTÓRIA 1

ROCK NA SALA DE AULA: A MÚSICA COMO INSTRUMENTO METODOLÓGICO NAS AULAS DE HISTÓRIA 1 ROCK NA SALA DE AULA: A MÚSICA COMO INSTRUMENTO METODOLÓGICO NAS AULAS DE HISTÓRIA 1 Jussara Hilario dos Santos UFMS 2 Introdução Desde o surgimento do rock nos anos 50, os assuntos que envolvem o gênero

Leia mais

GÊNERO TEXTUAL- USO DAS VARÍAVEIS DE TRADUÇÕES MUSICAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA.

GÊNERO TEXTUAL- USO DAS VARÍAVEIS DE TRADUÇÕES MUSICAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA. GÊNERO TEXTUAL- USO DAS VARÍAVEIS DE TRADUÇÕES MUSICAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA. Izadora Cabral de Cerqueira* Jean Marcelo Barbosa de Oliveira** Universidade Estadual de Alagoas/UNEAL RESUMO Esse trabalho

Leia mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais importantes que marcaram a trajetória da MPB nos últimos

Leia mais

TABLE OF CONTENTS CONCEITO COLEÇÃO DE PRODUTO 2.0 EMBALAGEM EXPOSITORES/DISPLAYS EXPERIÊNCIA NO PDV

TABLE OF CONTENTS CONCEITO COLEÇÃO DE PRODUTO 2.0 EMBALAGEM EXPOSITORES/DISPLAYS EXPERIÊNCIA NO PDV TABLE OF CONTENTS CONCEITO COLEÇÃO DE PRODUTO 2.0 EMBALAGEM EXPOSITORES/DISPLAYS EXPERIÊNCIA NO PDV CONCEITO SKULLCANDY ESTÁ COMPROMETIDO EM ENTREGAR UM PRODUTO DE QUALIDADE PREMIUM EM AÚDIO NOSSO NOVO

Leia mais

Elaboração de estampas para camisetas. Por Stella Marina Yurí Hiroki. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Elaboração de estampas para camisetas. Por Stella Marina Yurí Hiroki. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Elaboração de estampas para camisetas Por Stella Marina Yurí Hiroki Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Introdução O projeto de desenvolvimento que eu havia proposto possuía o intuito de elaborar

Leia mais

www.sylviopassos.com/putosbrothersband

www.sylviopassos.com/putosbrothersband v BLUES N ROLL v FORMADA EM 2010 COM A PROPOSTA DE MÚSICA AUTORAL, A PUTOS BROTHERS BAND VEM FAZENDO GRANDE SUCESSO NAS APRESENTAÇÕES EM CASAS NOTURNAS E BARES COM SHOWS MEMORÁVEIS EM CURITIBA, GOIÂNIA,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PORTUGUÊS (6º ANO)

EXERCÍCIOS DE PORTUGUÊS (6º ANO) EXERCÍCIOS DE PORTUGUÊS (6º ANO) ADJETIVO 1. Leia. Escreva o substantivo que dá nome ao animal citado no texto. 2. De acordo com a ilustração, escreva esse substantivo e uma palavra que atribua característica

Leia mais

REGULAMENTO PARA A 8ª EDIÇÃO DO TROFÉU LOUVEMOS O SENHOR - 2016 PREÂMBULO REGULAMENTAR

REGULAMENTO PARA A 8ª EDIÇÃO DO TROFÉU LOUVEMOS O SENHOR - 2016 PREÂMBULO REGULAMENTAR REGULAMENTO PARA A 8ª EDIÇÃO DO TROFÉU LOUVEMOS O SENHOR - 2016 PREÂMBULO REGULAMENTAR A 8ª Edição do TROFÉU LOUVEMOS O SENHOR - Prêmio Nacional da Música Católica - é um evento musical que tem como objetivo

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br APRESENTAÇÃO www.radiomisturebaonline.com.br O que é a rádio MISTUREBA on-line? A rádio MISTUREBA on-line é voltada para divulgação sócio-cultural, musical e esportiva. cultural. A rádio MISTUREBA on-line

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO 2015. Depto. de Marketing e Pesquisa Depto. de Marketing Pesquisa

PLANO DE PATROCÍNIO 2015. Depto. de Marketing e Pesquisa Depto. de Marketing Pesquisa PLANO DE PATROCÍNIO 2015 Depto. de Marketing e Pesquisa Depto. de Marketing Pesquisa O SEGMENTO LIGHT A Rede Transamérica Light atinge o público pertencente às classes AB, acima de 25 anos, formador de

Leia mais

TÉCNICOS DE ESTÚDIOS DE GRAVAÇÃO: TRAJETÓRIA DE FORMAÇÃO MUSICAL. Palavras-chave: música; estúdios de gravação; educação profissional.

TÉCNICOS DE ESTÚDIOS DE GRAVAÇÃO: TRAJETÓRIA DE FORMAÇÃO MUSICAL. Palavras-chave: música; estúdios de gravação; educação profissional. 1057 TÉCNICOS DE ESTÚDIOS DE GRAVAÇÃO: TRAJETÓRIA DE FORMAÇÃO MUSICAL Alexandre Bezerra Viana Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO PPGM Doutorado em Música História da Música SIMPOM:

Leia mais

ROCK N ROLL COMO BANDEIRA

ROCK N ROLL COMO BANDEIRA ROCK N ROLL COMO BANDEIRA Nathana Marina Diska e Clayton Hillig UFSM nathana-@hotmail.com e hillig@smail.ufsm.br Introdução O presente artigo pretende abordar a temática de forma ensaística, isto é, de

Leia mais

INSTITUCIONAL ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO

INSTITUCIONAL ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO APRESENTA INSTITUCIONAL ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO ASSISTA O VÍDEO RELEASE! The image cannot be displayed. The ima ge UMA HISTÓRIA DE TALENTO E SUCESSO DE UMA CARREIRA QUE POSSUI NÚMEROS MAIS QUE EXPRESSIVOS

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o :. Leia os textos e responda às questões e. Texto Na Grécia Antiga, Aristóteles (384 a.c.-3 a.c.) já defendia a ideia de que o Universo

Leia mais

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M Mais que uma programação feita para ouvintes exigentes, a Mundo Livre FM ultrapassa a frequência do rádio e se estabelece como uma identidade conceitual. No ar há 7 anos,

Leia mais

é falar de músicas que existem para além, e apesar, da linguagem musical mais comercial e universal da música pop e rock de origem anglo-saxónica, é

é falar de músicas que existem para além, e apesar, da linguagem musical mais comercial e universal da música pop e rock de origem anglo-saxónica, é Í n d i c e Introdução... 5 Capítulo I: Europa... 11 Capítulo II: África... 47 Capítulo III: Américas... 77 Capítulo IV: Oceânia... 109 Capítulo V: Ásia... 113 Alguns sítios na Internet... 131 3 4 I n

Leia mais

O produtor e o engenheiro de som. BURGESS, 2002, p. 3 - N. do T.). p. 101),

O produtor e o engenheiro de som. BURGESS, 2002, p. 3 - N. do T.). p. 101), O processo de produção musical na indústria fonográfica: questões técnicas e musicais envolvidas no processo de produção musical em estúdio Frederico Alberto Barbosa Macedo Universidade do Estado de Santa

Leia mais

4. Palavras-chave: Converse, pop arte, campanha promocional, criatividade.

4. Palavras-chave: Converse, pop arte, campanha promocional, criatividade. 1 1. Portfólio Co.De 2. Autoria: Júlian Luise Toffoli Professor Orientador: Rodrigo Valente e Cátia Schuh Instituição de Ensino Superior: ESPM RS 3. Resumo: Este trabalho faz uma defesa criativa da campanha

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 1372, DE 2007 Institui o Dia Nacional do Rock e dá outras providências. Autor: Deputado Nelson Pellegrino Relatora: Deputada Elcione Barbalho I RELATÓRIO

Leia mais

há distinção entre bruxaria boa e bruxaria ruim, a bruxaria é apenas uma. Ela ainda alerta:

há distinção entre bruxaria boa e bruxaria ruim, a bruxaria é apenas uma. Ela ainda alerta: wicca BRUXA BOA? BRUXA BRANCA? Cena de bruxaria que foi retratada pelo famoso pintor Francisco de GOIA (1746 1828), o qual, no ápice de sua carreira, pintou este conhecido quadro denominado O SABÁ DAS

Leia mais

C O M O L O C A L I Z A R D O C U M E N T O S N A S E S T A N T E S D O C D I?

C O M O L O C A L I Z A R D O C U M E N T O S N A S E S T A N T E S D O C D I? C O M O L O C A L I Z A R D O C U M E N T O S N A S E S T A N T E S D O C D I? Sumário Monografias... 2 Plano de classificação... 2 Cotação... 3 Ordenação das monografias nas estantes/prateleiras... 4

Leia mais

Pedimos a cinco profissionais para criar a capa de um álbum fictício

Pedimos a cinco profissionais para criar a capa de um álbum fictício 60 Project three Promotion and packaging Foto Nelson Alves Jr. Livraria Cultura - Conjunto Nacional Desafio de design Pedimos a cinco profissionais para criar a capa de um álbum fictício Dentro do diverso

Leia mais

A NOVA ERA NEW AGE. Bruno Glaab

A NOVA ERA NEW AGE. Bruno Glaab A NOVA ERA NEW AGE A Nova Era (New Age) é uma mistura de crenças filosóficas e religiosas orientais: espiritualistas, animistas, teológicas, etc. Quer criar uma nova moral integrada no cosmos. Na realidade,

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

O Rock Psicodélico e a Cultura das Drogas. Marina VARELA Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE

O Rock Psicodélico e a Cultura das Drogas. Marina VARELA Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE O Rock Psicodélico e a Cultura das Drogas Marina VARELA Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este artigo analisa as capas de disco do rock psicodélico, gênero musical que orquestrou o

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

TINHORÃO, José Ramos. (2ed ano 1975). Pequena História da Música Popular Da Modinha à Canção de Protesto.

TINHORÃO, José Ramos. (2ed ano 1975). Pequena História da Música Popular Da Modinha à Canção de Protesto. Referências de pesquisas de conteúdo: TINHORÃO, José Ramos. (2ed ano 1975). Pequena História da Música Popular Da Modinha à Canção de Protesto. TINHORÃO, José Ramos. História Social da Música Popular Brasileira.

Leia mais

MODS: RETRATO DE UMA GERAÇÃO DE RUPTURAS

MODS: RETRATO DE UMA GERAÇÃO DE RUPTURAS Autora: Flávia Pasquotto de Andrade Design de Moda Fundação Armando Alvares Penteado Orientadora: Maíra Zimmermann Doutoranda em História (Unicamp) Professora de Design de Moda (FAAP) MODS: RETRATO DE

Leia mais

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 Isabelle IMAY 2 Isabelle HUNDSDORFER 3 Paulo Negri FILHO 4 Centro Universitário Internacional Uninter, Curitiba, PR RESUMO Trabalho

Leia mais

Voce recebeu a vida; é seu dever (e também seu direito como ser humano) encontrar alguma coisa de belo nessa vida, por mais ínfimo que seja

Voce recebeu a vida; é seu dever (e também seu direito como ser humano) encontrar alguma coisa de belo nessa vida, por mais ínfimo que seja Voce recebeu a vida; é seu dever (e também seu direito como ser humano) encontrar alguma coisa de belo nessa vida, por mais ínfimo que seja Decidindo prosseguir, O Mago experimenta a extroversão das conquistas

Leia mais

KRAFTWERK, O GRUPO DE MÚSICA ELETRÔNICA POP MAIS IMPORTANTE DA HISTÓRIA, GANHA BIOGRAFIA INÉDITA EM PORTUGUÊS.

KRAFTWERK, O GRUPO DE MÚSICA ELETRÔNICA POP MAIS IMPORTANTE DA HISTÓRIA, GANHA BIOGRAFIA INÉDITA EM PORTUGUÊS. KRAFTWERK, O GRUPO DE MÚSICA ELETRÔNICA POP MAIS IMPORTANTE DA HISTÓRIA, GANHA BIOGRAFIA INÉDITA EM PORTUGUÊS. Considerada tão ou mais influente que os Beatles no cenário musical do século XX, a banda

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 3.260, DE 2008

PROJETO DE LEI N o 3.260, DE 2008 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 3.260, DE 2008 Institui o Dia Nacional do Reggae. Autor:Deputado RODRIGO ROLLEMBERG Relator:Deputado PINTO ITAMARATY I RELATÓRIO O Projeto de Lei em tela

Leia mais

SOBRE GHOST DOGS: A banda Ghost Dogs foi fundada em Abril de 2005.

SOBRE GHOST DOGS: A banda Ghost Dogs foi fundada em Abril de 2005. SOBRE GHOST DOGS: A banda Ghost Dogs foi fundada em Abril de 2005. Em Outubro de 2006 a Ghost Dogs foi convidada pela professora Eliete Murari do IC&T (Instituto de Canto e Tecnologia) para ser a banda

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Biografia. Cameron Gabriel Thomaz (nascido em 08 de setembro de 1987), mais conhecido pelo nome artístico de Wiz Khalifa, é um rapper americano

Biografia. Cameron Gabriel Thomaz (nascido em 08 de setembro de 1987), mais conhecido pelo nome artístico de Wiz Khalifa, é um rapper americano Biografia Cameron Gabriel Thomaz (nascido em 08 de setembro de 1987), mais conhecido pelo nome artístico de Wiz Khalifa, é um rapper americano com sede em Pittsburgh, Pensilvânia. Ele lançou o seu álbum

Leia mais

"Gregory Porter has most of what you would want in a male jazz single, and maybe a thing or two you didn't knows you wanted" - The New York Times

Gregory Porter has most of what you would want in a male jazz single, and maybe a thing or two you didn't knows you wanted - The New York Times Gregory Porter estreia-se em Portugal em Outubro Músico americano é a nova aposta da Blue Note Duas nomeações para os Grammy's "Liquid Spirit" - terceiro álbum em Setembro Três anos depois da estreia com

Leia mais

DISCÓRDIA Biografias

DISCÓRDIA Biografias A L I C E DISCÓRDIA Biografias Afonso Alves // Voz - Já há algum tempo que queria escrever na língua em que sonho [visto que anteriormente escrevia maioritariamente em inglês]. O Diogo foi o primeiro reflexo

Leia mais

O Manifesto do Samba Rock

O Manifesto do Samba Rock O Manifesto do Samba Rock Por José Xavier Introdução O samba rock é dançado nas periferias da capital paulista desde meados dos anos 60. Essa cultura propagada por dançarinos entusiasmados ao longo de

Leia mais

Concurso Música Tema da Festa da Uva 2016 REGULAMENTO Página 2 de 6

Concurso Música Tema da Festa da Uva 2016 REGULAMENTO Página 2 de 6 REGULAMENTO Página 1 de 6 1. OBJETIVO 1.1 O concurso tem como objetivo a produção e escolha da Música Tema da Festa da Uva 2016 para utilização como peça publicitária de divulgação e convite para a Festa

Leia mais

PROSUMERODY. É possível sobreviver em um mercado com consumidores cada vez mais insatisfeitos, criativos e poderosos? PRODUCER CONSUMER PARODY

PROSUMERODY. É possível sobreviver em um mercado com consumidores cada vez mais insatisfeitos, criativos e poderosos? PRODUCER CONSUMER PARODY PROSUMERODY PRODUCER CONSUMER PARODY É possível sobreviver em um mercado com consumidores cada vez mais insatisfeitos, criativos e poderosos? 01 O que é? PROSUMER? O termo PROSUMER foi originado da junção

Leia mais

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE

A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE 11º Colóquio de Moda 8ªEdição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 A MODA JOVEM NOS ANOS 1980 E A TRANSFORMAÇÃO DO JEANS EM ROUPA ELEGANTE The youth fashion

Leia mais

Marketing Boca a Boca Para Fotógrafos 14 DICAS QUE FARÃO SEUS CLIENTES ELOGIAREM E DIVULGAREM SEU TRABALHO E SUA FOTOGRAFIA

Marketing Boca a Boca Para Fotógrafos 14 DICAS QUE FARÃO SEUS CLIENTES ELOGIAREM E DIVULGAREM SEU TRABALHO E SUA FOTOGRAFIA Marketing Boca a Boca Para Fotógrafos 14 DICAS QUE FARÃO SEUS CLIENTES ELOGIAREM E DIVULGAREM SEU TRABALHO E SUA FOTOGRAFIA Conseguir indicações por meio de propaganda boca-a-boca para seu negócio não

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL E MÚSICA: UMA ATUAÇÃO JUNTO A ADOLESCENTES DA CASA DA CRIANÇA DO MORRO DA PENITENCIÁRIA DE FLORIANÓPOLIS

PSICOLOGIA SOCIAL E MÚSICA: UMA ATUAÇÃO JUNTO A ADOLESCENTES DA CASA DA CRIANÇA DO MORRO DA PENITENCIÁRIA DE FLORIANÓPOLIS Resumo PSICOLOGIA SOCIAL E MÚSICA: UMA ATUAÇÃO JUNTO A ADOLESCENTES DA CASA DA CRIANÇA DO MORRO DA PENITENCIÁRIA DE FLORIANÓPOLIS Iris Hermes Zanella, Lílian Caroline Urnau Acadêmicas do Curso de Psicologia

Leia mais

O desenho 3 ordem PROVA Prova Adaptabilidade Conectando... Desenho 5 e 1 Desenho 4 Desenho 2 Desenho 3 No mé m t

O desenho 3 ordem PROVA Prova Adaptabilidade  Conectando... Desenho 5 e 1 Desenho 4 Desenho 2 Desenho 3 No mé m t Repertório Palm Muting. Intro de Que País é esse? You shook Beat it 14 Ainda é Cedo harmônicos. 14 Ode à Alegria Arranjo quarteto de cordas. 9 30 25 24 22 21 20 16 13 12 11 10 8 4 7 5 2 mulado 29 28 26

Leia mais

BONGO. Prefácio. Aprender rapidamente e de forma fácil

BONGO. Prefácio. Aprender rapidamente e de forma fácil BONGO Aprender rapidamente e de forma fácil Página 1 Prefácio Com este guia de aprendizagem, passado pouco tempo conseguirás tocar as primeiras batidas no teu bongo. A combinação de manual e CD é ideal

Leia mais

1.Quem é e o que faz o ícone. musical de nossa era: o DJ?

1.Quem é e o que faz o ícone. musical de nossa era: o DJ? 1.Quem é e o que faz o ícone musical de nossa era: o DJ? Quem é e o que faz o ícone musical de nossa era: o DJ? Nos dias de hoje, quando você pensa em um artista descolado e muito poderoso, esse cara pode

Leia mais

Tribos Urbanas Movimentos de Contracultura e Subcultura Como Forma de Manifestação Política

Tribos Urbanas Movimentos de Contracultura e Subcultura Como Forma de Manifestação Política Tribos Urbanas Movimentos de Contracultura e Subcultura Como Forma de Manifestação Política Tribos Urbanas Termo genérico para Subcultura ou Contracultura Grupo onde os indivíduos partilham de mesmos interesses

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

TRANS. Khira Borba Luana Moscardini Marília Ethur

TRANS. Khira Borba Luana Moscardini Marília Ethur TRANS Khira Borba Luana Moscardini Marília Ethur TRANSUMER: O NOVO CONSUMIDOR A importância agora é a experiência. Surpresas, momentos para relaxar e curtir a vida são desejos de consumo Outro fator que

Leia mais

16>30 JUNHO 2015 BRAGA GUIMARÃES. entrada livre D3O. festa da música AO VIVO. Love Binder Pág. 7

16>30 JUNHO 2015 BRAGA GUIMARÃES. entrada livre D3O. festa da música AO VIVO. Love Binder Pág. 7 16>30 JUNHO 2015 BRAGA GUIMARÃES entrada livre AO VIVO D3O Love Binder Pág. 7 APRESENTAÇÃO 3 música ao vivo EXPOSIÇões FÓRUns TECNOLÓGICOs FÓRUM MIÚDOS CICLOs TEMÁTICOs O fadista José Manuel Fernandes

Leia mais

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 CONVICÇÕES COMPARTILHADAS A leitura é uma janela para o mundo. A leitura é uma competência fundamental para a aprendizagem,

Leia mais

1 Noções de software musical Conteúdo

1 Noções de software musical Conteúdo Introdução Conceitos básicos de software educacional e informática na educação O software musical como auxílio aos professores de música Software para acompanhamento Software para edição de partituras

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

AS APROPRIAÇÕES ESTÉTICAS DA CENA TROPICALISTA. Victor Creti Bruzadelli (Universidade Federal de Goiás)

AS APROPRIAÇÕES ESTÉTICAS DA CENA TROPICALISTA. Victor Creti Bruzadelli (Universidade Federal de Goiás) AS APROPRIAÇÕES ESTÉTICAS DA CENA TROPICALISTA Victor Creti Bruzadelli (Universidade Federal de Goiás) 1-Eu sou terrível/ Eu sou o samba No centro do palco um cantor negro empunhando seu violão. Acompanhado

Leia mais

Moda, cidade e estilos de vida: Cena e cultura mod em Curitiba

Moda, cidade e estilos de vida: Cena e cultura mod em Curitiba Moda, cidade e estilos de vida: Cena e cultura mod em Curitiba Fashion, city and lifestyle: Scene and culture mod in Curitiba Acunha, André; graduando; Pontifícia Universidade Católica do Paraná, andrefp.acunha@gmail.com

Leia mais

MULHERES GUITARRISTAS

MULHERES GUITARRISTAS MULHERES GUITARRISTAS Texto: Gabriela Gonzalez Quando o assunto é grandes guitarristas de jazz da atualidade, não há como deixar de mencionar o nome de Mimi Fox. Basta lembrar que a musicista foi nomeada

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Sociais e Humanas 1ª Aula 22-2-2006 Apresentação: objectivos, programa e método de avaliação. 2ª Aula 24-2-2006 Introdução. Do que falamos quando falamos de quotidiano? Certeau, Michel de (1990 [1980, 1ª ed.]), L invention

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES Bandeirantes MS PROJETO VIDA SEM DROGAS: DIAS DE LUTA, DIAS DE GLÓRIA

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES Bandeirantes MS PROJETO VIDA SEM DROGAS: DIAS DE LUTA, DIAS DE GLÓRIA ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES Bandeirantes MS PROJETO VIDA SEM DROGAS: DIAS DE LUTA, DIAS DE GLÓRIA Turmas: 6º C, 7ºA e 8º A Número de alunos: 95 Professores Envolvidos: Patrícia Pinto PROBLEMÁTICA

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

O Movimento Olímpico. Aula 2 Os Símbolos Olímpicos. Rio 2016 Versão 1.0

O Movimento Olímpico. Aula 2 Os Símbolos Olímpicos. Rio 2016 Versão 1.0 O Movimento Olímpico Aula 2 Os Símbolos Olímpicos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Identificar os principais símbolos olímpicos. 2 Compreender a importância e a função de cada símbolo olímpico. Introdução

Leia mais

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro ANTONIO LOUREIRO www.boranda.com.br/antonioloureiro O compositor e multi-instrumentista Antonio Loureiro chega ao segundo álbum solo apostando na liberdade do improviso e defendendo uma criação musical

Leia mais